EFEITO PANDEMIA: “O futebol brasileiro está caminhando a passos largos para quebrar”, alerta presidente do Atlético-MG

Presidente Sette Câmara, do Atlético-MG — Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

A onda da Covid-19 que avassalou o futebol mundial ainda não tem hora para recuar. A falta de perspectivas de retorno dos jogos, e até mesmo em que condições isso acontecerá, assusta os dirigentes do futebol brasileiro. O Atlético-MG foi um dos clubes que tentou se preparar para o Tsunami de forma antecipada, com redução de salários, férias antecipadas dos jogadores, corte de pessoal e gastos e retorno aos treinos. O presidente do clube, Sérgio Sette Câmara, entretanto, não conseguirá ter noites de sono tranquilas em um curto prazo.

O mandatário, um dos líderes da Comissão Nacional de Clubes, que debate periodicamente o futuro do futebol brasileiro com a CBF, traça um quadro geral alarmante do esporte mais popular em terras brasileiras. Sem receitas de jogos, exposição de marcas, vendas de direitos de televisão, e com os boletos batendo à porta mensalmente, a conta não fecha.

“O futebol brasileiro está caminhando a passos largos, na minha opinião, para quebrar” – Sérgio Sette Câmara.

O advogado e presidente do Atlético desde dezembro de 2017 foi o convidado do podcast GE Atlético nessa quinta-feira e tentou cristalizar o cenário em que se encontra não só o Galo, mas praticamente todos os clubes profissionais do país. Ele defende a união das agremiações, até mesmo com a criação de uma nova associação. Algo que chegou a existir com o finado Clube dos 13.

Até lá, entretanto, os trabalhos são para definir a volta da bola rolando. Na Europa, já há sinalizações positivas. O Alemão já recomeçou. A Premier League retorna em 17 de junho. Dias depois, será a vez do Campeonato Italiano. Porém, impossível deliberar sobre datas no Brasil. É o que relata o dirigente. Além disso, Sette Câmara enfatiza que os jogos oficiais sendo disputados novamente não serão a solução final para a crise econômica agravada nos clubes.

– Se ilude quem acha que a volta do futebol irá resolver os problemas. Não vai. Não teremos bilheteria (jogos de portões fechados) e teremos despesas. O time terá de viajar, terá que pagar viagem de avião, hotel, terá que pagar… A ficha ainda vai cair ainda para a maioria das pessoas, inclusive na imprensa. Bom colocar as barbas de molho. Tenho falado disso há tempos, mas muitos me criticam, falam que estou exagerando.

“Eu participo de grupos com outros presidentes, tenho conversado na CBF. E a verdade é que ninguém tem perspectiva de volta. E quando voltar, o que vier de receita não será suficiente para as despesas dos clubes. Estamos caminhando para uma situação dificílima”.

Se as conversas com a CBF e outros clubes não são capazes ainda de traçar uma projeção de volta dos jogos, o diálogo a nível estadual sequer existe com a Federação Mineira. Não é a primeira vez que Sette Câmara reclama de falta de comunicação da FMF com o Galo. A entidade até fará reunião em 10 de junho com a secretaria de saúde estadual, justamente para debater o retorno do Módulo I do Mineiro, paralisado após a nona rodada (faltam seis datas).

– Gosto do Adriano (Aro, presidente da FMF). Acho que é um rapaz bacana, competente. Mas nessa parte aí eu não estou entendendo. O Atlético é o time hoje, queira ou não, mais importante filiado da Federação Mineira. É o único clube mineiro na Série A. Não estou aqui querendo criticar, mas acho que falta uma atenção com um clube tão importante quanto o Atlético por parte da Federação, no sentido de nos dar ao menos uma luz. “O campeonato não vai voltar, vai voltar, o que você acha?”. Mas tudo bem. Não tem problema. Acho que a gente vai acabar mais adiante conversando. Também não tem perspectiva mesmo, né? Estamos aí fazendo conjectura.

Enquanto espera e se prepara para voltar a disputar o Campeonato Mineiro e iniciar o Brasileirão com Jorge Sampaoli e Alexandre Mattos no comando da equipe, o Atlético precisa pagar as contas. Conseguiu diminuir os atrasos salariais. Preocupação primária do clube que traçou demissão de mais de 50 funcionários.

“Não existe como você ter uma afirmação: ‘Vai acontecer isso, é assim que vai ser’. É um quadro angustiante. Tenho passado muitas noites sem dormir. Ou você acha que é fácil eu levantar e descer a caneta mandando 50, 60, 70 pais de família embora? É duro demais”.

Por falar em salários, o presidente do Galo toca em outro ponto: a Lei Pelé prevê que um atleta profissional possa se desvincular de um clube após três meses sem receber salários (incluindo o que recebe de direitos de imagem). Como atrasos salariais são previstos de forma categórica nos clubes, um efeito dominó seria jogadores de grande valor de mercado ficando livres, e os clubes perdendo patrimônios milionários.

– O que me preocupa muito, e isso é questão a ser discutida a nível nacional, é sobre direitos federativos e econômicos dos atletas. Sabemos que depois de três meses de atraso no salário ou imagem o atleta passa a ter direito de entrar em juízo para desfazer o vínculo. E vários atletas, do Atlético inclusive, custaram verdadeiras fortunas. A ideia de fazer a contratação do atleta é fazer, colocar a camisa do clube, ter o retorno técnico e também financeiro. É um patrimônio. E a receita de TV e de venda de atletas são as maiores. Muitas vezes, em casos mais recentes, a venda de direitos econômicos superou a receita da televisão. Então, como vai ser isso? Como pagar salário quando não tem receita?

Veja outras respostas de Sette Câmara:

Despesas na volta do futebol

– Se nós voltarmos o campeonato, tem o custo dos testes também, tá? Não vamos esquecer isso, não. Um clube que tenha que fazer jogos em um espaço de tempo menor, em 48h, essa possibilidade apareceu, caso voltassem os torneios sul-americanos, um clube gastaria em média R$ 300 mil só de testes. A gente voltou (a treinar) porque eu tenho que ter fé e esperança de que nosso negócio futebol uma hora vai voltar. E a gente pretende estar preparado pra essa volta. Mas, quando você olha pro quadro atual do país, o número de mortes aumentando… Tudo bem, voltou o comércio, mas as aglomerações seguem proibidas.

Volta aos treinos como “esperança”

Estamos trabalhando na esperança de que alguma coisa clareie, para a gente poder voltar. Eu sei, como eu disse, que mesmo voltando os jogos não vai resolver nosso problema. A crise vai continuar batendo na porta. Mas nós vamos, pelo menos, ter a possibilidade de buscar patrocínio, etc. O que está acontecendo? Os patrocinadores estão correndo, porque não tem cabimento ficar pagando patrocínio pra um clube e não aparece a marca na camisa, não aparece na televisão. Se pelo menos voltasse o futebol, neste aspecto alguma coisa poderia acontecer. A gente mesmo tem uma possibilidade de patrocínio aí, não é só o Atlético, é uma coisa pra Atlético, Cruzeiro e América, que disse que pode vir a nos dar um apoio, mas condiciona à volta do futebol. São situações que vamos ter que equacionar.

“Também não posso enfrentar o mundo querendo impor que aconteça determinado tipo de campeonato, que volte os jogos, e assumir o risco de amanhã ser responsabilizado por torcedores, jogadores ou parentes infectados. É uma situação realmente muito difícil”.

Mudanças na lei para proteger os clubes

– Eu acredito que pra isso acontecer vamos ter que estar fazendo um acordo que envolva os próprios atletas, sindicados, e não sei se vamos encontrar eco na maioria deles. A gente sabe que tem gente que é muito consciente nesse meio, mas tem outros que não, que não estão nem um pouco preocupados e querem saber de receber o seu. Isso é muito complexo, porque envolve a legislação específica de cada país. Aqui temos a Lei Pelé, a Fifa teria que entrar dando um respaldo. A gente sabe que a Fifa olha pro futebol muito com olhos da Europa. O futebol sul-americano não é a prioridade. O futebol lá está voltando aos poucos. Aqui, o quadro é diferente. O Brasil caminha a passos largos pra ser, se não o primeiro, o segundo país do mundo com maior número de infectados, e espero que não, mas também de pessoas que venham a óbito. Essa é uma situação que pode ser. Eu já vinha, um tempo atrás, eu uma grande reunião, com vários presidentes, pedido pra se incluir esse tema na pauta. Mas, não sei por que cargas d’água, a coisa não foi levada adiante.

Buscar receitas no deserto de fontes

– Vai chegar uma hora que nenhum clube vai ter mais receita nenhuma, não vai ter de onde tirar. Agora, com a volta do futebol na Europa, de repente a gente consegue fazer a negociação de algum atleta. Aí sim. Se a gente conseguir isso aí, a gente dá um respiro. Que é, na verdade, pra sobreviver. O foco é conseguir passar por esse momento difícil com menos arranhões possível. Por isso temos tomado medidas que infelizmente são impopulares. Mas você tem que olhar pro clube em primeiro lugar. Temos trabalhado muito em cima do negócio chamado fluxo de caixa. Se você não toma medidas duras pra fazer com que a coisa aconteça até o fim do ano, você fica pelo caminho. E creio que alguns clubes não estão tendo o mesmo tipo de zelo que estamos tendo aqui no Atlético. E vocês vão ver que, durante o ano, muita coisa complicada vai acontecer. Espero que a gente esteja fora.

União dos clubes e linha de crédito

– Temos que criar rapidamente uma associação dos clubes de futebol. Não estou falando que é uma liga, é diferente. Mas é ter uma associação com gente com competência executiva, empresarial, à frente, para defender os interesses dos clubes como um todo, em bloco. Para buscar junto às entidades, e aí falo de Governo, as soluções para o nosso futebol. O futebol brasileiro hoje é responsável por 2% do PIB, ele dá inúmeros empregos diretos e indiretos, talvez milhões. Incluindo a imprensa, por exemplo. Mas cadê os nossos políticos para defender os interesses do futebol? Tem um Projeto de Lei que está andando, mas é pra quebrar o galho de alguma coisa do Profut. Mas não vai resolver o problema. Futebol precisa de linha de crédito, igual os artistas conseguiram recentemente. O futebol precisa abrir também, os políticos terão de fazer isso para os clubes sobreviverem.

Globo Esporte

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Futebol quebrar? No Brasil?
    Nem jogando com a Alemanha.
    Vaso ruim não quebra.
    Conte outra.

  2. carlos alcântara disse:

    amém, sonho com esse dia que essa leseira vai se acabar. Um professor estuda 5 anos, mais 2 no mestrado, mais 4 no doutorado pra ganhar pouco enquanto um monte de analfabeto corre atrás de uma bola para ganhar milhões, esse é o brasil!

  3. Pedro Henrique disse:

    E daí?

  4. Carlão disse:

    Depois que começaram a moda dos supersalários, tem mais é que se lascar. Na pegada que vinha, Palmeiras, Flamengo (e algum outro com patrocínio de financeira) iriam disparam na frente, e o resto ia ficar se matando por uma vaga no G4.
    Triste fim, poderiam se espelhar em algumas ligas estadunidenses e seus tetos.

  5. Keynesianista disse:

    É só um jogo. A nação sobrevive sem!

  6. NeguJob disse:

    Finalmente 1 boa notícia. Amém!!

  7. Flauberto Wagner disse:

    Quebrado já está há muito tempo, agora o momento é apenas de reconhecer o atual estado falimentar.

Flamengo, Vasco e FERJ assinam nota pedindo o retorno das atividades; Fluminense e Botafogo ficam de fora

Da esquerda para direita: Rubens Lopes, presidente da Ferj, Alexandre Campello, do Vasco, Nelson Mufarrej, do Botafogo, Mário Bittencourt, do Fluminense, e Rodolfo Landim, do Flamengo Foto: MARCELO THEOBALD / Agência O Globo

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) divulgou nesta sexta-feira uma nota de esclarecimento com times da primeira e segunda divisão pedindo o retorno das atividades em meio à pandemia do coronavírus. Os presidentes de Vasco e Flamengo assinaram o documento, enquanto Fluminense e Botafogo deixaram em branco.

No texto, federação e os clubes signatários argumentam que estão prontos para reiniciar os treinamentos “de forma responsável, restrita, reduzida, sob vigilância, sem aglomerações ou presença de público e em obediência a um rigoroso protocolo médico”.

Presidente do Botafogo, Nelson Mufarrej disse que o posicionamento do clube é uma questão de coerência e o futebol pode esperar:

– Estamos próximos ao pico da pandemia, com o sistema público de saúde perto da asfixia e o que mais se fala é em lockdown. O retorno tem que ser orgânico. Respeito a atitude dos demais clubes, mas entendemos ser a hora de preservar a saúde de todos e por isso não assinamos.

O Fluminense divulgou nota oficial explicando o motivo de não ter assinado a carta:

“O clube acredita que não é o momento do futebol brasileiro dar qualquer sinalização de retorno do esporte quando o país inteiro, particularmente o Rio de Janeiro, está com extrema dificuldade de fazer a população cumprir o isolamento social necessário para reduzir o número de contaminações e mortes por conta do Covid-19, e cidades inteiras começam a anunciar medidas ainda mais severas, como o lockdown.

O Fluminense reforça que a sua posição, desde o início da pandemia, é de só retornar aos treinos presenciais quando os órgãos governamentais e de saúde derem o aval para o retorno em segurança de todos os funcionários envolvidos nestas atividades.”

A nota ressalta o desejo de retornarem o mais breve possível, e que os clubes estão “preparados para reiniciar suas atividades em poucos dias”.

Portuguesa, Cabofriense, Bangu, Boavista, Friburguense, Macaé, Madureira, Nova Iguaçu, Resende e Volta Redonda também assinaram a nota submetida aos governantes.

O Globo

Fifa propõe cinco substituições por equipe para lidar com maratona na retomada do futebol

Foto: Reuters

A Fifa propôs uma mudança temporária na regra das substituições para lidar com a provável maratona de jogos após a pandemia do novo coronavírus. Um porta-voz da entidade afirmou que a entidade sugeriu que cada equipe possa fazer cinco substituições por partida, em vez das tradicionais três, de acordo com a agência Reuters.

A medida ainda precisaria do aval da International Board (IFAB), órgão que faz a gestão das regras do esporte. A intenção seria permitir que as equipes lidem melhor com o desgaste de seus atletas na retomada das ligas em todo o mundo, quando muitos jogos devem ser disputados com poucos dias de intervalo.

– A segurança dos jogadores é uma das principais prioridades da Fifa. Uma preocupação a esse respeito é que a frequência das partidas pode aumentar o risco de possíveis lesões devido à sobrecarga do jogador. Diante disso e do desafio único enfrentado mundialmente na realização de competições de acordo com o calendário previsto, a Fifa propõe que um número maior de substituições seja temporariamente permitido – diz a nota da entidade enviada à agência “DPA”.

Após a aprovação por parte da IFAB, ainda caberia a cada competição a decisão final de adotar a medida ou não. Para que as substituições não sejam usadas como forma de diminuir o tempo de bola rolando, elas deveriam ser feitas em, no máximo, três interrupções por cada time ou durante o intervalo.

Globo Esporte

Regras de mão na bola e volta de pênalti mudam para 2020/2021; veja mais mudanças nas regras do futebol

Foto: Ilustrativa

A International Board (IFAB) divulgou na última terça-feira as mudanças nas regras do futebol para a temporada 2020/21. Entre as diversas orientações para os árbitros, chama a atenção a alteração na regra de mão na bola: a partir de junho, o toque no começo do braço (junção com a axila) não será mais considerado infração.

– Com a finalidade de determinar com clareza a infração de mão, se estabelece o limite do braço no ponto inferior da axila – diz o comunicado da IFAB.

A organização – responsável por mudanças ou manutenções nas normas do esporte – também indica que, na nova regra, o toque de mão involuntário no ataque só deve ser assinalado caso leve diretamente a um gol ou a uma “ocasião manifesta de gol”. Isso muda diretamente a última recomendação, que pedia que os árbitros marcassem falta em qualquer toque da bola na mão na fase ofensiva das jogadas.

Outra mudança importante diz respeito às cobranças de pênaltis. A IFAB orienta agora que uma infração do goleiro (como adiantar-se antes da cobrança) só deve ser punida caso a ação influencie diretamente o resultado final. Por exemplo: se o goleiro se adiantar, mas o atacante chutar a bola no travessão ou para fora, a cobrança não deve ser repetida.

Caso o arqueiro seja punido, e a cobrança repetida, ele será advertido. O cartão amarelo só deve ser mostrado no caso de o goleiro cometer uma nova infração.]

Além disso, os cartões amarelos mostrados durante os jogos não contarão mais em uma disputa direta de pênaltis. Se um atleta for punido durante o tempo normal e, depois, novamente na disputa de pênaltis, deverá ser relatado na súmula como dois cartões amarelos – e não como uma expulsão. E, caso cobrador e goleiro cometam infrações simultâneas, o cobrador é quem deve ser punido.

O documento da IFAB também traz uma orientação importante com relação ao VAR, sistema de árbitro assistente de vídeo. A organização aponta que agora “sempre que o incidente revisado seja suscetível a considerações subjetivas, o árbitro deve revisá-lo no monitor à beira do campo”.

As mudanças na regra entrarão em vigor de forma obrigatória no dia 1º de junho em todo o mundo. As competições que começam (ou começariam) antes desta data podem escolher se implementam as orientações neste ano ou apenas na edição seguinte. O Brasileirão, a princípio, se encaixaria neste caso. Os torneios paralisados por conta da pandemia do COVID-19 tem duas opções: concluir a disputa com as regras da temporada 2019/20 ou adotar, imediatamente, as normas para 2020/21.

Outras mudanças nas regras implementadas pela IFAB:

O toque de mão voluntário por parte de um defensor será considerado na hora de determinar um lance de impedimento;

Se o árbitro permitir a cobrança de uma falta rapidamente ou der vantagem após uma falta que interfira em um lance claro de ataque, não será mostrado o cartão amarelo;

Os jogadores que não respeitarem os 4m de distância obrigatória num lance de bola ao chão serão punidos com cartão amarelo;

Se o goleiro cobrar um tiro de meta ou falta para que um companheiro devolva com o peito ou a cabeça, o lance deve ser repetido. O arqueiro só será punido se isso acontecer repetidamente.

Globo Esporte

Decreto de isolamento descumprido: Homem é preso após se recusar a parar partida de futebol em Natal

Foto: PMRN/Divulgação

O portal G1-RN destaca. Um homem foi preso na quinta-feira (2) por descumprimento ao decreto estadual 29.583/2020, que proíbe aglomerações como norma de enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19). Ele fazia parte de um grupo de cerca de 30 pessoas que estavam jogando futebol na Praia do Meio, Zona Leste de Natal.

A atividade coletiva acontecia na tarde desta quinta quando foi interrompida por uma viatura da Companhia Independente de Policiamento Turístico da Polícia Militar. Das 30 pessoas, apenas uma se recusou a parar de jogar. Diante da desobediência, ele foi conduzido para a delegacia onde foi autuado em flagrante.

Matéria completa aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Mito disse:

    Jogar futebol não pode, agora bandido roubando toda hora pode!

  2. Jr disse:

    Não é ilegal não. Leiam o art. 268 do Código Penal . Por esse crime não vai preso mas Pode ser preso em flagrante.

  3. Carlos disse:

    A Lei de Abuso de autoridade foi às favas

  4. Carlos disse:

    Um absurdo. Prisão ilegal. Desobedecendo um Decreto? Mostra um despreparo geral. Polícia Militar. Polícia Civil. Ministério Público e principalmente Judiciário.

    • Vitor disse:

      Art. 268 – Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa

      A determinação do poder público está no decreto, então não há ilegalidade da prisão

Com adiamento das Olimpíadas, Fifa estuda alterar limite de idade do futebol

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A Fifa vai estudar se altera o limite de idade dos atletas que vão disputar o torneio de futebol masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que foram adiados para 2021.

A medida teria como objetivo não punir os atletas sob risco de “estourar” a idade com o adiamento das Olimpíadas. As regras do torneio de futebol olímpico determinam o limite de 23 anos – com três exceções. A ideia seria aumentar para 24 anos.

No caso específico da seleção brasileira olímpica, 11 atletas vão estourar a idade. Entre os que são prejudicados estão Lucas Paquetá, do Milan, e Matheus Henrique, do Grêmio, que já fizeram parte da seleção principal.

Minutos depois de o COI (Comitê Olímpico Internacional) e o governo do Japão terem anunciado o adiamento dos jogos, a Fifa divulgou o seguinte comunicado:

“A Fifa acredita firmemente que a saúde e o bem-estar de todas as pessoas envolvidas em atividades esportivas devem sempre ser a maior prioridade e, como tal, saudamos a decisão de COI de hoje. Além da decisão do COI, a FIFA trabalhará com as partes interessadas para tratar de todos os principais assuntos relacionados a este adiamento.”

Também estão na pauta da Fifa rever todos os contratos relacionados a Olimpíada, além de redesenho do calendário e discussões com os clubes sobre liberação de jogadores.

Globo Esporte

FIFA autoriza testes de possíveis mudanças nas regras do futebol, como lateral com os pés e substituições ilimitadas; entenda

Foto: Ilustrativa

A FIFA deu autorização à Federação Holandesa para começar a testar um conjunto de cinco alterações nas regras do jogo. Na Alemanha a suspensão temporária será colocada em prática nos escalões amadores.

A evolução de outras modalidades tem aumentado a concorrência com o futebol e responder à angústia de agentes e adeptos é a maior preocupação de alguns responsáveis pelo futebol, em função disto a FIFA deu sinais de que está atenta ao clima de mudanças que se anuncia.

A FIFA costuma testar algumas alterações antes de a International Board (IFAB) aprová-las e averiguar até que ponto poderão ter um efeito positivo na modalidade, o organismo liderado por Gianni Infantino deu sinal verde à Federação Holandesa (KNVB) para testar cinco alterações às regras. E na Alemanha também se vivem tempos de experimentação.

Reuniram-se em Zeist, nos Países Baixos, no começo de março, representantes das federações da Alemanha, de Inglaterra, da Bélgica e dos EUA, tendo como ponto central da agenda o aperfeiçoamento e a “democratização” do VAR. A intenção é tornar a tecnologia tão acessível quanto possível para alargar a sua utilização a um maior número de países e de competições, já que um dos princípios das regras é justamente a igualdade. Porém, acabou por ser a discussão em redor das regras e do tempo útil de jogo as principais atenções ao término do encontro.

As ideias debatidas foram cinco: a reposição da bola em jogo com os pés caso saia pela linha lateral, a cobrança de uma falta de e para o mesmo jogador (o denominado auto-passe, onde não se puniria mais o que chamamos de “bitoque”), substituições ilimitadas, contagem do cronômetro apenas quando a bola estiver em jogo e períodos de exclusão por amostragem de cartões.

É possível observar que algumas regras são oriundas de outras modalidades, como o futsal, por exemplo, mas também há novidades.

“Discutimos estes tópicos com diferentes grupos, que envolviam treinadores, adeptos, jogadores e atletas jovens, e acabamos sempre por chegar à estas cinco questões”, explicou Gijs de Jong, secretário-geral da KNVB. “É por isso que queremos ver se somos capazes de testar regras diferentes”, acrescentou, aludindo a uma implementação gradual e cuidadosa: “Podemos experimentar nas camadas jovens até o sub-19, por exemplo, ou no futebol não competitivo ou até numa prova a eliminar no longo prazo”.

Algo relevante é justamente as discussões incluírem não somente ex-árbitros, mas também outras pessoas ligadas diretamente à prática da modalidade como jogadores e treinadores.

O dirigente da KNVB mostra-se alerta à necessidade de adaptar o futebol às atuais exigências do mercado. “É o nosso dever pensar em mudanças que tornem o futebol mais atrativo sem alterar a sua essência. Não são medidas para aplicar amanhã ou em cinco anos. É algo mais a prazo. Não se trata de uma revolução, mas de uma evolução”.

Uma das maiores preocupações dos adeptos, a avaliar pelos resultados de diferentes estudos, é a constante quebra do ritmo do jogo. “Em média, o tempo efetivo de jogo é geralmente de apenas 50 minutos. É por isso que também queremos testar estas medidas”, acrescenta Gijs de Jong, ciente de que há muitas outras modalidades em real crescimento e que a entrada de algumas no calendário olímpico mostra como a atenção dos jovens é hoje canalizada para outras áreas. “Queremos tornar o futebol à prova do futuro. O mundo está mudando tão depressa que não podemos ficar parados”.

Movimentações idênticas estão também para acontecer na Alemanha. A Federação Germânica (DFB) anunciou que irá testar, a partir da próxima época, as suspensões temporárias como sanção a aplicar em caso de um segundo cartão amarelo, ao invés da expulsão.

Na prática, o organismo está a dar resposta a um pedido de uma das divisões amadoras do estado de Hesse, que pretende avançar com um projeto-piloto. A experiência começará em 2020/21 a nível distrital (do oitavo escalão da hierarquia para baixo), será aplicada por um período de dois anos e, por enquanto, somente no futebol masculino.

Trata-se, no fundo, de dar forma a uma solução de outras modalidades (como o handebol ou o hóquei em patins), prevendo a saída do campo de jogo, por um período determinado, de um jogador que tenha recebido o segundo cartão amarelo. Cumprido o tempo de suspensão, o jogador regressará e só em caso de voltar a ser amarelado será definitivamente expulso.

Esta experiência só pode avançar porque os regulamentos da FIFA preveem que as regras ao nível das categorias de formação e do futebol amador possam ser ajustadas em consonância com as federações nacionais.

Desta forma, mesmo que não a curto prazo, a FIFA começa a dar novos passos para grandes mudanças no futebol, onde os impactos táticos aumentem o entretenimento de uma partida.

Fonte: Blog Lei em Campo – UOL

 

COPA DO NORDESTE: ABC empata com o Vitória; América perde para o Freipaulistano/SE

Pela 6ª rodada da Copa do Nordeste, o ABC recebeu o Vitória na Arena das Dunas e ficou no empate, 1 a 1. O alvinegro saiu perdendo e foi buscar a igualdade no placar ainda no primeiro tempo. Alisson Farias fez o gol rubro-negro e Igor Goularte marcou para o Mais Querido no fim da primeira etapa. O ABC agora é o 5º colocado no grupo A com seis pontos e o próximo duelo é contra o Imperatriz, no Maranhão, sábado, às 20h.

Fora de casa, o América foi derrotado para o Freipaulistano/SE pelo placar de 1 a 0. O time sergipano venceu com um gol de Luan, aos 27 minutos do primeiro tempo. O alvirrubro é o 7º colocado do grupo B, somando seis pontos. Próximo adversário americano é o Bahia, sábado, às 20h, na Arena das Dunas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Frei Damião disse:

    É um time de religiosos? equipe amadora? Que vergonha e esse Roberto Fernandes querendo ser o Telê Santana.

  2. ABCista disse:

    O América perdeu para um frei só????

Parnamirim abre inscrições para o 2º Campeonato Municipal de Futebol

Foto: ASCOM

A Secretaria Municipal Esporte e Lazer está com inscrições abertas para equipes que queiram participar do 2º Campeonato Municipal de Futebol. As inscrições seguem até o dia 20 de março e podem ser feita na própria secretaria, localizada na Avenida Tenente Medeiros, nº 83, próximo a Maternidade Divino Amor.

Para se inscrever, os interessados devem comparecer ao local levando seus documentos e preencher uma ficha de inscrição. No dia 23, às 15h30 será realizado um congresso técnico com informações sobre o regulamento, ocasião em que também haverá o sorteio dos grupos.

O campeonato terá início no dia 29 de março, no Potiguar Esporte Clube, no horário das 8 às 17h. Neste ano estão incluídas as categorias sub 13,, sub 15, sub 17, adulto e master, masculino e feminino.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Uda disse:

    Fala com Bolsonaro que ele resolve.

TST derruba decisão do TRT-RN e autoriza jogos de futebol às 11h, mas prevê adicional e pausas

Foto: Ilustrativa

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pode promover partidas entre as 11h e as 13h. No entanto, em caso de calor excessivo, os atletas passam a ter direito ao adicional de insalubridade e a pausas para hidratação e recuperação térmica.

A decisão é da 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho ao reformar acórdão do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (RN) que havia proibido jogos nesse horário. A decisão vale para todo as competições organizadas pela CBF.

A ação foi proposta pelo Ministério Público do Trabalho, que alegou que a CBF, ao fazer jogos nesse horário, estaria “institucionalizando a precarização do meio ambiente de trabalho e comprometendo o rendimento e a saúde dos atletas em troca de maior retorno financeiro”.

A 1ª Vara do Trabalho de Natal e o TRT, ao vedarem jogos das 11h às 14h, determinaram também que, a partir da medição de 25° de acordo com o Índice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo (IBUTG), a partida deveria ter duas paradas médicas de três minutos para hidratação, aos 30min e aos 75min do jogo. A partir de 28° IBUTG, o jogo teria de ser interrompido até a queda da temperatura ou totalmente suspenso. Foi fixada ainda a multa de R$ 50 mil por jogo realizado em desacordo com a decisão.

Matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Fifa anuncia banimento perpétuo de Ricardo Teixeira de atividades ligadas ao futebol

Ricardo Teixeira foi presidente da CBF entre 1989 e 2012 — Foto: Getty Images

 

A Fifa anunciou nesta sexta-feira o banimento perpétuo do ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira do futebol por conta de violações no código de ética. Segundo comunicado, a câmara decisória do Conselho de Ética da entidade considerou Teixeira culpado de crimes de suborno, aplicando a pena, que o proíbe de exercer atividades ligadas ao futebol para sempre. Ele também foi multado em 1 milhão de franco suíços (R$ 4,2 milhões). O advogado de Ricardo Teixeira, Michel Assef Filho, declarou que vai recorrer da decisão ao Comitê de Apelação da própria Fifa.

A investigação do Conselho de Ética analisou atividades de Ricardo Teixeira entre 2006 e 2012, focando em contratos da CBF, Conmebol e Concacaf com empresas de mídia e direitos de transmissões de TV. O conselho considerou que Teixeira violou o artigo 27 do Código de Ética, que diz respeito a suborno, e decidiu aplicar a pena máxima – que também foi imposta a outros ex-presidentes da CBF, como Marco Polo Del Nero e José Maria Marín.

– Eu entendo que esse resultado no âmbito da Fifa era previsível, por ter havido cerceamento de defesa, e que tenho confiança de que o Tribunal de Justiça Suíço reformará a decisão para absolvê-lo, já que nessa esfera os princípios processuais serão observados e respeitados – disse o advogado de Teixeira, Michel Assef Filho.

Ricardo Teixeira presidiu a CBF entre 1989 e 2012, por cinco mandatos consecutivos, e também ocupou cargos nos Comitês Executivos da Fifa e da Conmebol. O brasileiro foi acusado de receber e distribuir propinas em contratos com empresas de mídia, desde que veio à tona o escândalo que levou para a cadeia dezenas de dirigentes do alto escalão da Fifa, em 2015.

O processo conduzido pelo FBI e a Justiça dos Estados Unidos colocou Teixeira como um dos pivôs de um esquema de corrupção. Um relatório elaborado pelo advogado Michael Garcia em 2014, que só veio à tona em 2017, afirmou que o ex-presidente da CBF violou seis artigos do Código de Ética: artigo 13 (regras gerais de conduta), artigo 15 (lealdade), artigo 19 (conflito de interesses), artigo 20 (oferecer e aceitar presentes e outros benefícios), ártico 21 (propina e corrupção), artigo 22 (comissão).

Em dezembro de 2017, o governo dos Estados Unidos publicou documentos que ligariam Teixeira a José Maria Marin e Marco Polo Del Nero – com os três envolvidos em um esquema de subornos milionários de agências de marketing esportivo. Áudios e documentos que vieram à tona em 2018 revelaram como funcionava a distribuição de propina.

Globo Esporte

 

 

FOTOS: Futebol de VÁRzea: terrão em Goiânia usa câmeras de segurança e implanta o árbitro de vídeo

 Fotos: Reprodução / TV Anhanguera

O campeonato amador da região leste de Goiânia não é brincadeira. Se tiver polêmica, chamem o árbitro de vídeo! Utilizado pela primeira vez no Campeonato Brasileiro em 2019, o VAR virou o centro das discussões após muitas rodadas e gerou divergências entre clubes, críticos e torcedores.

Polêmicas à parte, a organização do jogo entre Bragantino e Ferragista Leste, que decidiram o campeonato disputado em um campo de terrão, usou a tecnologia e a criatividade para implantar o árbitro de vídeo no torneio, vencido nos pênaltis pelo Ferragista Leste.

Com câmeras de segurança instaladas em postes e no telhado do ginásio vizinho, o árbitro pôde checar instantaneamente qualquer lance necessário. Diferente do futebol profissional, os times envolvidos na partida também têm direito a pedir revisão do lance – uma vez cada. A novidade foi aprovada pelos jogadores e pela comunidade da região leste.

– Nós tivemos essa ideia de trazer o árbitro de vídeo para enriquecer o campeonato e para ajudar a arbitragem, checando alguma jogada desleal e punindo o jogador, pois no futebol de várzea não tem aquela segurança do futebol profissional – diz Maurício Ricardo, o organizador do campeonato.

Na final, o árbitro não teve tanto trabalho e checou no vídeo apenas um possível lance de pênalti, que não foi confirmado. Após 1 a 1 no tempo normal, o Ferragista Leste venceu nos pênaltis por 3 a 2.

Globo Esporte

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ABC disse:

    Tá atrasado, na Pelada do Tio Gilson que ocorre há 9 anos, o VAR já é utilizado desde junho kkkk

    • Bento disse:

      Tá atrasado você.
      Não documentou, não registrou, inexistência de provas.
      O exemplo acima é inédito

    • Girafa disse:

      Chico Bento tudo foi registrado, vai tirar leite do boi…

Renato Gaúcho vê “futebol brasileiro acabando”, livra somente 4 times, e diz que restante “joga feio”, apenas para “se defender”

Foto: Eduardo Moura

A entrevista coletiva do técnico Renato Gaúcho após a derrota do Grêmio para o Bahia, na noite de quarta-feira, foi marcada pela sinceridade quanto ao desempenho ruim da equipe na Arena. Mas ele também discursou sobre o nível do futebol brasileiro atual sem papas na língua.

“Na minha época, era inadmissível jogar dessa forma. Hoje em dia, o futebol brasileiro está acabando. Cada um faz o que quer, mas minha equipe sempre vai jogar para frente, buscando a vitória”

Assim como em tantas outras declarações, o treinador afirmou que 90% dos times no país jogam “feio”, ou seja, apenas para se defender. Acima de todas essas equipes, estariam somente quatro: Grêmio, Santos, Athletico-PR e Flamengo.

“As pessoas jogam pelo resultado, para se defender. E aí vocês (jornalistas), que são os críticos, deveriam se meter um pouco mais.

Vou destacar quatro equipes que gostam de ganhar: Grêmio, Santos, Athletico-PR e Flamengo. O resto joga por resultados”

As palavras de Portaluppi ganharam tom mais forte diante do que ele viu do próprio Bahia, que adotou uma postura mais cautelosa e procurou sair nos contra-ataques. Só que deu certo, e a equipe de Roger Machado saiu de Porto Alegre com três pontos na bagagem a partir de um gol de pênalti no fim do jogo.

“Se você quer futebol feio, eu vou armar minha equipe da maneira que muitas equipes se armam e aí o jogo vai terminar 0 a 0. Porque ninguém vai buscar a vitória. Todo mundo quer se defender”

Apesar de não usar a estratégia do Bahia para justificar a derrota do Grêmio, Renato voltou a destacar um de seus mantras.

Segundo ele, os seis títulos conquistados em três anos de trabalho mais do que explicam a escolha por um sistema ofensivo.

“Fico feliz por ter colocado a minha equipe há três anos jogando futebol bonito e chegando em todas as competições. Os números estão aí. Eu jamais vou mudar meu pensamento porque, na minha cabeça, no futebol brasileiro não tem espaço para retranca”

Sob o comando de Renato, o clube gaúcho tem priorizado um jogo com domínio da posse de bola, toques curtos e inúmeras chances criadas. Na noite de quarta, faltou produtividade. Porém, rechaçou igualar o pensamento dos demais times brasileiros.

“Meu time, quando joga feio, joga como a maioria dos times brasileiros. É difícil ver o Grêmio jogar assim. Mas, se precisar, a gente joga. Sem problema algum. Noventa por cento das equipes do futebol brasileiro jogam feio todos os jogos”

Durante a entrevista, o comandante citou que “a cada 10 partidas, o Grêmio joga uma mais ou menos, uma mal e oito bem”. Mas também disse aceitar a classificação sobre o Flamengo, na semifinal da Libertadores, jogando “feio”. Tudo dependeria, contudo, de seus jogadores fugirem das qualidades que possuem.

“Se você me der essa certeza de jogar feio contra o Flamengo e classificar, digo sim. Mas meu time não sabe jogar feio. Uma vez que outra dá uma zebra. Meu time tem muita qualidade. Eles (jogadores) se atrapalham quando querem jogar feio”

Com jogo feio ou não, a certeza é que o Grêmio volta a campo já no próximo sábado, diante do Fortaleza, no Castelão. Depois da partida pelo Brasileirão, é tudo Libertadores: o Tricolor decide vaga na final contra o Flamengo, na quarta, no Maracanã.

Globo Esporte

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Hércules disse:

    Ei !!! RENATO TEM SEIS TÍTULOS EM 3 ANOS RESPEITA . ESTÁ FALANDO A VERDADE ENXERGA QUEM QUER.

  2. Wellington disse:

    Fala muita besteira. Oportunismo

  3. PITANGA disse:

    Fala muito!

  4. Alaca disse:

    A conversinha é essa, corta a grana e a gente vê quem gosta doque.

  5. Diogo disse:

    Os 4 "grandes" são os que recebem uma caralhada de dinheiro lavado, com patrocínios até na meia, fora uma certa rede de televisão.

Futebol com os amigos exige cuidar do coração em qualquer idade

Foto: Pixabay

A prática recreativa de esportes, como aquele futebol semanal com os amigos, precisa ser acompanhada de visitas regulares ao médico, mesmo que você tenha menos de 30 anos e nenhum sinal de doença cardíaca. Este é o recado dos cardiologistas para quem estiver preocupado após a notícia da morte do filho do ídolo do futebol brasileiro Cafu.

Danilo Feliciano de Moraes, 30, faleceu na noite de quarta-feira, depois de passar mal enquanto jogava uma partida entre amigos na casa do pai, em Alphaville, condomínio na região metropolitana de São Paulo. As circunstâncias específicas da morte de Danilo não são conhecidas, mas se sabe que ele já teria enfrentado um infarto há alguns anos.

O cardiologista Fernando Costa, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia, diz que a pré existência de uma doença cardíaca não impede necessariamente a prática desportiva por uma pessoa jovem. Mas o mais importante a ser observado é que a ausência de qualquer sinal de problemas também não serve como desculpa para que não se ter cuidados regulares com o coração.

“Pode ter tido um infarto e jogar? Pode. Pode ter uma arritmia e jogar? Pode”, diz Costa, ressaltando que é necessário o ok de um médico, exames específicos e, eventualmente, tratamento.

“Não tem nada, nenhum sintoma, nenhuma anomalia aparente nos exames? Mesmo assim, o ideal é fazer avaliação todos os anos. Se você tem um carro e faz revisão obrigatória, por que não fazer com você mesmo?”

Consulta e eletrocardiograma devem ser anuais

O cardiologista lembra que a sensação de super poderes que os jovens normalmente têm costuma atrapalhar a prevenção de problemas cardíacos.

A detecção de anomalias no funcionamento do coração pode ser feita com a visita ao médico, que vai ascultar coração e pulmão com cuidado, medir a pressão adequadamente e fazer uma avaliação física geral.

Depois, um exame simples de eletrocardiograma mostrará se o coração está mesmo funcionando como deveria.

Se tudo estiver bem nos exames, a pelada de fim de semana está liberada. Mas é preciso repetir os exames anualmente, para evitar qualquer tipo de surpresa.

O cardiologista chama a atenção para o fato de que a porcentagem de pessoas com doenças cardíacas não é alta, mas estas doenças podem ser letais. “Quem tem uma doença escondida, tem a fatalidade ao seu lado”, alerta Costa.

Prática irregular de esportes

A prática de esporte sempre força o coração, em qualquer situação. Por isso, se existe uma anomalia qualquer, aquela atividade se torna um risco.

“Só joga no fim de semana? Esta situação ainda é pior. Quem pratica atividade física sem regularidade está mais exposto”, diz o médico.

A regularidade da atividade física serve para blindar o coração. Assim como para prevenir um estiramento muscular se faz alongamento antes de entrar em campo, o coração precisa estar “aquecido”. Só que não adianta fazer isso minutos antes do jogo.

“A recomendação é sempre a mesma: 40 minutos de caminhada diários são o mínimo a se fazer”, ressalta Costa.

Para os mais jovens, que costumam ser mais “abusados”, o cardiologista lembra: “É possível que o esporte seja só recreação.”

Mas sempre com cuidados.

R7

 

Tite completa 3 anos na Seleção: de ídolo nacional a alvo de vaias

Foto: Reprodução/IG

Tite foi de intocável a reles mortal. Na última quinta-feira, o técnico completou o terceiro ano à frente da seleção brasileira justamente quando é alvo de maiores pressões externas e contestações. A data chega durante a Copa América no Brasil, após o 0 a 0 com a Venezuela.

Em 20 de junho de 2016, ele recebia um beijo no rosto do então presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, ganhava uma camisa de presente para sua mãe, Dona Ivone, e proferia aos jornalistas as primeiras palavras no cargo. O salto de qualidade nas atuações da equipe, de forma quase instantânea, alçaram o técnico Tite à condição de ídolo nacional.

Três anos depois, ele deixou a Fonte Nova sob vaias . A seleção só acertou uma finalização a gol em 19 tentativas, encerrando os 100% de aproveitamento do técnico em casa, após 12 jogos. Sem provocar o mesmo fascínio de antes, Tite prometeu melhora:

“Temos obrigação, sim, de jogar melhor e ter o resultado. A expectativa é que a seleção evolua no decorrer da competição. Vamos evoluir. Podem me cobrar”, avisou.

Derrotas são raras, é bem verdade. Em três anos, foram só duas nas 38 vezes que o Brasil entrou em campo — a mais doída para a Bélgica, nas quartas de final da Copa do Mundo. Mas as vaias à seleção nos primeiros jogos na Copa América são o desabafo de uma torcida que espera a rearrumação do time no ciclo que se iniciou após a eliminação na Rússia. Dos titulares na Fonte Nova, oito são convocados desde que Tite assumiu. O trabalho não está começando do zero.

Quebra-cabeça no ataque

 

Por enquanto, a retomada das boas atuações não vingou, especialmente no ataque. As tentativas quase desesperadas de variação contra a Venezuela apontam que ainda não há uma confiança cega em uma formação ofensiva. Com o desempenho ofensivo irregular, a equipe corre risco até de terminar em terceiro no Grupo A.

Para ser primeiro sem depender de outros resultados e cruzar com um adversário teoricamente mais fácil nas quartas de final, o Brasil enfrentará o Peru, na sexta-feira, na Arena Corinthians, com a obrigação de vencer.

O time ideal, sobretudo pela ausência de Neymar, ainda é um quebra-cabeça em processo de montagem. O atacante, por si só, mexeu com as bases da seleção pelo comportamento em campo e pelos problemas fora dele. O técnico apostou no craque como capitão, mas ficou na parede diante de um soco dado pelo jogador em um torcedor e lhe tirou a faixa. Mas nem o episódio fez com que Tite deixasse de derramar elogios a Neymar. A cortesia se estende ao pai do jogador.

Defensor de trabalhos a longo prazo, Tite também se vê num cenário de dificuldade para reencontrar o ponto de equilíbrio no meio. Nomes importantes ficaram pelo caminho, como Paulinho e Renato Augusto. O momento atual demanda adaptação a um esquema tático novo, já que o 4-1-4-1 deu lugar ao 4-2-3-1, e a busca pelo sucesso da conexão entre o que Tite tem na cabeça e a prática da seleção com novatos.

Na criação, Coutinho ganhou liberdade. Ele e Richarlison foram os que mais vezes estiveram em campo no momento em que os gols do Brasil saíram no pós-Copa: em 12 jogos, 21 dos 28 gols. Olhando o cenário geral desde a chegada de Tite, Coutinho é o terceiro principal artilheiro da seleção, com 12 gols, ficando atrás de Neymar (14) e Gabriel Jesus (16).

Defesa a Fernandinho

 

Além da queda de desempenho da seleção, Tite nestes três anos comprou o barulho de Fernandinho e acumula desgaste por isso. O treinador convenceu o volante a voltar ao grupo depois de ele pedir afastamento após a eliminação na Rússia. Na estreia na Copa América, Fernandinho foi titular. Contra a Venezuela, a entrada dele no segundo tempo foi o estopim para intensas vaias: a torcida esperava mexida mais ousada.

Tite também tem sido um valioso porta-voz para a CBF. E isso se viu no primeiro dia de trabalho, esquivando-se de perguntas sobre Del Nero. Embora veja crescer o fim do encantamento do torcedor com o técnico, a entidade não dá sinais de demissão. O presidente Rogério Caboclo assegura a manutenção de Tite até 2022: por não querer jogar por terra o discurso de continuidade e também por falta de um substituto à altura.

IG

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo disse:

    BG
    Já devia ter recebido bilhete AZUL desde os 7 a 1 pra Alemanha, é um babaca

  2. Bento disse:

    Fala muito.

  3. Zé Ruela disse:

    Parece que não vai ganhar nada. Perdendo a copa america dispensa e traz um estrangeiro, o treinador do Santos é uma boa opção.

COBRANÇA: Dono do PSG quer compromisso total de Neymar: ‘Ninguém o obrigou a assinar’

Resultado de imagem para dono do psg e neymar

Foto: Agência EFE

Após mais uma temporada de altos investimentos e apenas um título, do Campeonato francês, o presidente do Paris Saint-Germain, o xeque catariano Nasser Al Khelaifi, perdeu a paciência. Em entrevista à revista France Football publicada nesta segunda-feira, o mandatário mandou uma mensagem clara para o grupo de jogadores dizendo que não vai mais aceitar o comportamento de popstars e cobrou mais comprometimento com a equipe. Sobre as especulações do possível descontentamento de Neymar no clube, o dirigente também foi claro: “Ninguém obrigou Neymar a assinar com o PSG”.

“É claro que há contratos a serem respeitados (Neymar assinou com o clube francês até 2022), mas a prioridade agora é o compromisso total com o nosso projeto. Ninguém obrigou Neymar a assinar com o PSG. Ninguém o forçou. Ele veio conscientemente para participar no nosso projeto”, afirmou.

As declarações de Nasser Al Khelaifi são um desabafo pela falta de conquistas da equipe. Este ano, além de mais uma amarga eliminação nas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, após vencer o Manchester United na Inglaterra e perder em casa, a equipe também fracassou na Copa da Liga Francesa, perdendo para o modesto Guingamp, e foi vice-campeã da Copa da França, sendo derrotada pelo Rennes na decisão.

“Os jogadores terão que assumir as responsabilidades muito maiores do que antes na próxima temporada. Têm que ser completamente diferente. Terão que fazer mais, trabalhar mais. Não estão aqui para se divertirem. E se não concordarem com este ponto de vista, as portas estão abertas. Adeus! Não quero continuar a ter jogadores comportamentos de popstars”, completou

E para quem não estiver contente com a mudança de postura dentro do clube, o cartola afirmou que não tem problema em negociar os seus atletas. “Quero jogadores dispostos a dar tudo para defender nossa camisa e para participar no projeto do clube. Aqueles que não querem, ou não estejam comprometidos, podemos nos encontrar e conversar”.

A única exceção parece ser Mbappé. Apesar de muito cobiçado por gigantes da Europa, o atacante é visto como peça fundamental para o futuro do time. “Estou 200% certo que o Mbappé vai continuar no PSG na próxima temporada”, assegurou Khelaifi.

MUDANÇA DE COMANDO – A primeira movimentação ocorrida dentro do clube foi a troca no comando do futebol. O português Antero Henrique foi dispensado e para seu lugar chega Leonardo, que na última temporada atuou como dirigente do Milan. O brasileiro começou a montagem do atual milionário projeto da equipe parisiense. Durante a sua primeira passagem, entre 2011 e 2013, foram contratados nomes de peso como Ibrahimovic, Thiago Silva, Marquinhos, Verratti e Cavani.

“Eu percebi que mudanças eram necessárias, caso contrário não iríamos a lugar algum (…). Em dois minutos o caso foi resolvido entre nós. Ele (Leonardo) terá todos os poderes esportivos. Leo é o meu cara. Ele é incrível, tenho total confiança nele. Sua autoridade natural fará bem a todos, especialmente aos jogadores”, completou o dirigente.

Estadão Conteúdo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. otavio disse:

    Ouvi dizer q o ABC ja entrou em contato,tem interesse no jogador.

  2. Flávio A disse:

    Se lascou. Contratar por milhões um desequilibrado dessa categoria só vai se ferrar. É um sujeito sem saber o que são valores,com muito dinheiro e se achando o super homem no país que já foi da Bola e hoje é o país que papa bola de todo jeito, herança dos últimos Governos.