Vacina da Pfizer é eficaz contra cepas do Reino Unido e da África do Sul, diz estudo

Foto: Dado Ruvic/Reuters

A vacina desenvolvida pelos laboratórios Pfizer e BioNTech conserva praticamente toda sua eficácia contra as variantes britânica e sul-africana do vírus da covid-19, informaram as duas empresas em um comunicado divulgado nesta quinta-feira, 28. Os testes in vitro realizados com o vírus original e as mutações registradas (E484K e N501Y) “não demonstraram a necessidade de uma nova vacina”, segundo os dois laboratórios, que afirmam continuar monitorando essas variantes e estar “prontos para reagir”, se alguma delas se tornar resistente à vacina. A variante brasileira ainda não foi testada pelo laboratório. Chamada de P.1, ela contém várias mutações, entre elas a E484K e N501Y.

O estudo divulgado nesta quinta-feira, 28, feito em parceria com a Universidade do Texas, foi publicado na plataforma bioRxiv, mas ainda não foi revisado por pares. Os pesquisadores analisaram os anticorpos gerados por 20 pessoas – vacinadas com as duas doses da Pfizer/BioNTech – para três mutações do coronavírus criadas em um laboratório, incluindo as principais mutações das variantes britânica e sul-africana.

Essas mutações são localizadas na proteína spike do vírus, as “pontas” características que estão na superfície e permitem que o coronavírus entre nas células humanas. “O plasma dos indivíduos que receberam a vacina neutralizou todas as variantes”, disseram as empresas, que reconheceram ainda que a neutralização foi “ligeiramente mais leve” nas três mutações da variante sul-africana em comparação com a britânica.

Outro estudo publicado na semana anterior, de pesquisadores da África do Sul, já havia sinalizado a maior resistência da variante sul-africana. Os laboratórios afirmaram que vão seguir adiante com os estudos sobre as mutações, principalmente a sul-africana, e que vão “vigiar a eficácia da vacina no mundo” diante do surgimento de novas variantes.

Mesmo assim, as empresas acreditam que a “flexibilidade da vacina, baseada na tecnologia de RNA mensageiro”, que injeta no corpo instruções genéticas que dizem às células o que fazer, é “apropriada para desenvolver novas versões da vacina, se necessário”./AFP

Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gustavo Sá disse:

    As cepas agora têm nacionalidade, mas o vírus CHINÊS não pode ser Chinês??? Duplo padrão. Já está mais que manjado!

Brasil proíbe entrada de viajantes vindos da África do Sul para impedir variante da Covid-19

Uma portaria do governo federal publicada nesta terça-feira (26) proíbe a entrada no Brasil de passageiros vindos da África do Sul. Segundo a portaria, a medida foi tomada, entre outras razões, para evitar o impacto da nova variante do coronavírus. Os viajantes vindos do Reino Unido continuam impedidos de entrar no país.

Segundo o texto publicado, ficam proibidos, em caráter temporário, voos internacionais com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem pelo Reino Unido e pela África do Sul. Também fica suspensa a autorização de embarque para o Brasil de viajante estrangeiro, procedente ou com passagem pelo Reino Unido e pela África do Sul nos últimos quatorze dias.

O texto foi assinado pelos ministros Walter Braga Netto (Casa Civil), André Mendonça (Justiça e Segurança Pública) e Eduardo Pazuello (Saúde).

Demais estrangeiros podem entrar no país por via aérea desde que comprovem, por meio de teste RT-PCR, que não estão com Covid-19. O exame precisa ter sido realizado 72 horas antes do embarque.

Quem não cumprir as regras estipuladas pela portaria estará sujeito à:

responsabilização civil, administrativa e penal

repatriação ou deportação imediata

inabilitação de pedido de refúgio

Rodovias

A portaria mantém ainda a restrição à entrada de estrangeiros, de qualquer nacionalidade, por rodovias, outros meios terrestres ou por rios e afins. Os paraguaios poderão continuar entrando no Brasil normalmente pelas rodovias. E também aqueles moradores de cidades cortadas por fronteiras, excluídas as com a Venezuela.

O texto deixa claro que esse impedimento de entrada no Brasil não vale para:

brasileiro naturalizado;

imigrante com residência “de caráter definitivo” – não é válido para venezuelanos;

profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional;

funcionário estrangeiro que atue para o governo brasileiro;

estrangeiro que tenha as seguintes relações com brasileiro, cônjuge, companheiro, filho, pai ou curador- não vale para venezuelanos;

estrangeiro autorizado pelo governo devido à interesse público ou a questões humanitárias;

estrangeiro que tenha o Registro Nacional Migratório – não válido para venezuelanos;

quem trabalhar com transporte de cargas, como motoristas, por exemplo.

G1

Coronavírus: misteriosa queda abrupta de casos na África do Sul intriga especialistas

FOTO: GETTY IMAGES

Nas últimas duas semanas, a África do Sul passou por uma situação excepcional que os médicos ainda não conseguem explicar: uma queda brusca e inesperada na taxa diária de novas infecções pelo novo coronavírus.

Um sinal claro disso está nos hospitais do país, que tinham se preparado para receber um volume alto de pacientes.

Os leitos e enfermarias estão prontos para eles, cirurgias não urgentes foram remarcadas e ambulâncias foram equipadas, enquanto equipes médicas vêm ensaiando protocolos sem parar e autoridades de saúde passam longas horas em reuniões pela internet preparando e ajustando seus planos de emergência.

Mas, até agora, contra a maioria das previsões, os hospitais sul-africanos permanecem tranquilos: o “tsunami” de infecções que muitos especialistas previram não se concretizou. Pelo menos, ainda não.

“É meio estranho, misterioso. Ninguém sabe ao certo o que está acontecendo”, diz Evan Shoul, especialista em doenças infecciosas de Johanesburgo.

Tom Boyles, outro médico de doenças infecciosas, do Hospital Helen Joseph, um dos maiores centros de saúde pública de Johanesburgo, também diz que todos estão “um pouco perplexos”.

“Estamos falado que é a calma antes da tempestade há cerca de três semanas. Estávamos preparando tudo aqui. E essa tempestade simplesmente não chegou. É estranho.”

Os especialistas em saúde alertam, no entanto, que é muito cedo para interpretar a falta de casos como um progresso significativo no combate à epidemia e estão preocupados com o fato de que isso pode até mesmo gerar um perigoso sentimento de complacência.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, sugeriu que as duas semanas de isolamento no país até agora são responsáveis por estes índices ​​e prorrogou a vigência das restrições em todo o país, que deveriam terminar em uma semana, para o final do mês.

No entanto, outras países que também impuseram quarentenas não obtiveram resultados semelhantes.

Rastreamento de contatos agressivo

Na África do Sul, até 13 de abril, foram relatados 2.173 casos e 25 mortes por coronavírus. É o país mais afetado do continente até agora.

Quase cinco semanas se passaram desde o primeiro caso confirmado de covid-19 na África do Sul e, até 28 de março, o gráfico do número de novas infecções diárias seguiu uma curva ascendente acelerada.

Até então, tudo era semelhante ao que acontecia na maioria dos países onde os casos também haviam sido detectados nas mesmas datas.

Mas, naquele sábado, a curva caiu bruscamente: de 243 novos casos em um dia, para apenas 17. Desde então, a média diária ficou em cerca de 50 novos casos.

Será que o isolamento precoce e rígido da África do Sul e o trabalho agressivo de rastreamento de contatos com pessoas infectadas estão realmente funcionando? Ou é apenas uma pequena melhora antes de um desastre?

No final da semana passada, o presidente Ramaphosa disse que era “muito cedo para fazer uma análise definitiva”, mas considerou que, desde que a quarentena foi introduzida, o aumento diário de infecções diminuiu de 42% para “cerca de 4%”.

“Acho que quanto mais pessoas testamos, mais revelamos se isso é uma anomalia ou se é real”, disse Precious Matotso, especialista em saúde pública que monitora a pandemia na África do Sul em nome da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Medos de complacência

Na África do Sul, o argumento de que é cedo para tirar conclusões sólidas sobre a propagação do vírus é uma visão comum.

“É difícil prever qual caminho seguiremos: uma taxa de infecção alta, média ou baixa. Não temos evidências amplas”, diz Stavros Nicolaou, executivo da área de saúde que agora coordena parte da resposta do setor privado à pandemia.

“Pode haver sinais precoces positivos, mas meu medo é de que as pessoas comecem a se sentir tranquilas (e baixem a guarda), com base em dados limitados”, acrescenta ele.

Mas essa “calma antes de uma tempestade devastadora”, conforme descreveu o ministro da Saúde, Zweli Mkhize, na semana passada, está causando inúmeras especulações.

A suposição generalizada é de que o vírus, introduzido na África do Sul e em muitos outros países africanos em grande parte por viajantes mais ricos e visitantes estrangeiros, chegaria inevitavelmente a bairros mais pobres e supepopulosos e se espalharia rapidamente.

Segundo especialistas, essa continua a ser a próxima fase mais provável do surto, e várias infecções já foram confirmadas em vários municípios.

Mas médicos da África do Sul e de alguns países vizinhos notaram que os hospitais públicos ainda não viram qualquer indício de aumento nas internações por infecções respiratórias, o sinal mais provável de que, apesar das evidências limitadas, o vírus está se propagando em ritmo intenso.

Uma teoria diz que os sul-africanos podem ter uma certa proteção contra o vírus. Alguns alegam que isso pode ser devido a uma variedade de fatores médicos, desde a vacina obrigatória contra a tuberculose que todos recebem ao nascer até o impacto dos tratamentos antirretrovirais, ou o possível papel de diferentes enzimas em diferentes grupos populacionais. Mas essas suposições não foram verificadas.

“Essas ideias já existem há algum tempo. Ficaria surpreso se fosse o resultado de uma vacina. Essas teorias provavelmente não são verdadeiras”, diz Boyles.

O professor Salim Karim, principal especialista em HIV da África do Sul, acredita que essas são “hipóteses interessantes”, mas nada além disso. “Acho que ninguém no planeta tem as respostas”, afirma.

Shoul, entretanto, diz que o país ainda está se “preparando como se um tsunami estivesse chegando”. “O sentimento ainda é de grande expectativa e nervosismo”, afirma ele.

Incerteza

A verdade é que essa situação, diferente do acontece na maior parte do mundo, leva especialistas a considerar se não seria uma queda antes do que um médico chamou de possível “aumento astronômico” de novos casos.

Vários críticos manifestaram preocupações de que o sistema de saúde público tenha demorado a implementar um regime agressivo de testes e, atualmente, seja excessivamente dependente de clínicas particulares para detectar novas infecções.

Documentos internos do Departamento de Saúde aos quais a BBC teve acesso apontam para crescentes preocupações sobre má administração dos sistema público, em especial no que diz respeito à baixa testagem.

Mas essas preocupações pela crescente confiança de que a abordagem “baseada em evidências científicas” do governo para a pandemia também pode estar dando resultado.

BBC

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Breno disse:

    Não tem vírus que resista ao calor africano.

  2. Cigano Lulu disse:

    A explicação para esta queda brusca é mui simples: a África do Sul não tem Plano Mansueto esperando ser aprovado pelos deputados em pleno ano eleitoral. Para os sul-africanos, debelar a pandemia é um alívio em todos os sentidos.

    • M.D.R. disse:

      O que ocorreu na ÁFRICA DO SUL, foi o isolamento precoce e com determinação das autoridas.

  3. José Macedo disse:

    Os críticos dirão também que há baixa testagem nas mortes do pais que conta com 25 casos positivos.

  4. Trabalho pq preciso disse:

    "ESPECIALISTA"
    indivíduo que possui habilidades ou conhecimentos especiais ou excepcionais em determinada prática, atividade, ramo do saber, ocupação, profissão etc.
    Há uns 10 ou 15 anos atrás não tínhamos os famosos "especialistas" ; que o leitor entenda a minha colocação, na verdade sabemos que sempre existiu, mas hj em dia eles determinam algo como verdade absoluta, verdade essa que vem sendo quebrada a cada dia que se passa, abrindo caminho para novas "verdades".
    O que me ajuda é não seguir certos especialistas, infelizmente a grande maioria segue e por isso o desespero das pessoas se trabalha ou fica em casa.
    Desejo a todos um bom dia e que Deus nos abençoe no enfrentamento dessa crise.

Leões devoram suspeito de ser caçador e deixam só a cabeça na África do Sul

Leões devoraram um homem suspeito de ser caçador perto do Parque Nacional Kruger, na África do Sul, informou a polícia nesta segunda-feira (12). Segundo a polícia, sobraram poucos restos do corpo.

Os vestígios foram encontrados no fim de semana na mata num parque particular perto de Hoedspruit, na província de Limpopo, onde os animais tem sido caçados em números crescentes nos últimos anos.

“Parece que a vítima estava caçando no parque quando foi atacada e morta por leões. Eles comeram seu corpo, quase tudo, e deixaram só a cabeça e alguns restos”, disse o porta-voz da polícia de Limpopo, Moatshe Ngoepe, à AFP.

Um fuzil de caça carregado foi encontrado perto do corpo no sábado pela manhã. A polícia está tentando estabelecer a identidade da vítima.

No ano passado, vários leões foram encontrados envenenados perto de uma fazenda na mesma província, com a cabeça e as patas cortadas. Partes de corpo de leão são usadas na medicina tradicional.

Caçadores também frequentemente atacam rinocerontes nas reservas da África do Sul para alimentar uma crescente demanda por chifres na China, no Vietnã e em outros países asiáticos, onde se acredita terem qualidades medicinais.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tomaz disse:

    Q felicidade.

  2. Alexandre Magno disse:

    Lamentável acidente

  3. Sérgio disse:

    Que maravilha, parodiando o do popular, " um dia é do caçador, o outro é da caça ". ?

  4. Cidadão Indignado disse:

    Acho é pouco. Queria eu que todos os caçadores tivessem o mesmo fim. São todos demônios.

Brasil "enfia" 5 na África do Sul em amistoso

59j8gwlnib_3e2u5ver66_fileFoto: Jefferson Bernardes/Vipcomm

O Brasil mais uma vez mostrou que é um dos favoritos ao título da Copa 2014. Contra um adversário só esforçado, é verdade, fez a sua parte e venceu sem problemas nesta quarta-feira (5), no Soccer City, em Johanesburgo. A equipe bateu a África do Sul por 5 a 0 no último amistoso antes da convocação final para o Mundial. Oscar, Neymar (três vezes) e Fernandinho fizeram os gols.

Luiz Felipe Scolari aproveitou a partida tranquila para tirar suas últimas dúvidas quanto aos convocados. A lista final dos 23 jogadores sai em 7 de maio e o treinador parece mesmo estar com o grupo praticamente fechado. Um goleiro, um zagueiro, um lateral-direito e um volante são basicamente as posições em aberto para o banco de reservas. Fica espaço para uma surpresa no meio-campo. Hernanes, que desta vez não foi lembrado, corre riscos.

Como era de se esperar no amistoso que lembrou três meses da morte de Nelson Mandela, o time pentacampeão não demorou para impor sua superioridade em Johanesburgo.  O primeiro gol até pegou algumas pessoas de surpresa, mas Hulk acertou um belo lançamento para Oscar sair sozinho na cara do gol. O meia só teve o trabalho de dar um leve tapa para tirar do goleiro aos 9 minutos de primeiro tempo e abrir o marcador.

O Brasil tocava a bola sem ser ameaçado pelo adversário que não se classificou para a Copa do Mundo. Em ritmo de treino, alcançou o segundo gol com sua maior estrela, aos 40 minutos da primeira etapa. Paulinho colocou na frente e Neymar não teve trabalho para chutar cruzado e ampliar o placar.

Fim dos testes

De volta ao time canarinho depois de perder seis jogos devido aos seguidos problemas de lesão, Fred pouco tocou na bola no primeiro tempo. Ainda assim, o camisa 9 é homem de confiança da tão falada Família Scolari e só deixa o grupo se não tiver mesmo condições físicas. Aos 20 segundos da etapa final, escorou para Neymar dar um lindo toque por cima do goleiro e marcar o terceiro gol. Já nos acréscimos, Neymar mostrou também mostrou sua versão oportunista e fechou a conta.

A partida seguiu na mesma toada. A novidade mesmo ficou por conta da apresentação do segundo uniforme, todo azul, com inspiração no litoral brasileiro. O goleiro Julio César foi pouco exigido e mostrou que ainda está em forma em apenas uma oportunidade, no chute prensado de Patosi.

Novidades na lista do treinador, Rafinha e Fernandinho deixaram a África em situações distintas. O lateral-direito não acrescentou muito mais que Daniel Alves e seu concorrente direto Maicon. Já o volante apareceu um pouco mais e, assim como o titular Luiz Gustavo, parece mesmo ter tomado conta da posição. Foi coroado com um golaço, de fora da área aos 34 minutos.

A seleção brasileira ainda tem mais dois amistosos antes da estreia na Copa 2014. A equipe enfrenta o Panamá em 3 de junho, no Serra Dourada, em Goiânia (GO); três dias depois, encara o Panamá, no Morumbi, em São Paulo (SP). Nenhum dos adversários estará no Mundial.

R7

Com novidades, Felipão convoca "estrangeiros" para amistoso contra África do Sul

Seguindo sua promessa, o técnico Luiz Felipe Scolari apresentou novidades na lista dos 16 jogadores que atuam em times do exterior convocados para o próximo amistoso da Seleção, contra a África do Sul, em Joanesburgo, no dia 5 de março. O lateral-direito Rafinha, do Bayern de Munique, e o volante Fernandinho, do Manchester City, foram chamados pela primeira vez pelo treinador.

De acordo com a CBF, a lista deve ser completada com mais três jogadores que atuam em times nacionais. A divulgação dos nomes será feita mais próximo da data de apresentação do grupo, marcada para 3 de março. No dia seguinte, Felipão comandará a única atividade antes da partida – um reconhecimento no gramado do estádio Soccer City, palco da final da Copa de 2010.

A partida contra os sul-africanos será a última da Seleção antes do anúncio da lista final para a Copa do Mundo, no dia 7 de maio. Ainda antes da estreia no Mundial, o Brasil fará dois amistosos de preparação: o primeiro, no dia 4 de junho, provavelmente contra a Sérvia, e o segundo, no dia 7 de junho, contra um adversário ainda não definido.

Veja a lista dos ‘estrangeiros’ convocados o amistoso contra a África do Sul:

Goleiro
Julio César (QPR)

Zagueiros
Thiago Silva (Paris Saint-German)
David Luiz (Chelsea)
Dante (Bayern de Munique)

Laterais
Rafinha (Bayern de Munique)
Daniel Alves (Barcelona)
Marcelo (Real Madrid)

Meias
Luiz Gustavo (Wolfsburg)
Paulinho (Tottenham)
Fernandinho (Manchester City)
Ramires (Chelsea)
Oscar (Chelsea)
Willian (Chelsea)

Atacantes
Hulk (Zenit)
Neymar (Barcelona)
Bernard (Shakhtar Donestk)

O Globo

Menina nasce com pênis na testa na África do Sul

Médicos do Dr Malizo Mpehle Memorial Hospital, em Tsolo (África do Sul), nunca tinham visto nada parecido. Uma mulher deu à luz uma menina com um pênis na testa!

De acordo com um porta-voz do hospital, a menina, além do pênis, nasceu com um olho na testa e sem olhos onde deveriam naturalmente estar.

“Ela nasceu sem nariz e no local onde deveriam estar os olhos só havia pele”, disse Sizwe Kupelo, segundo o site “Sowetan Live”.

A menina, filha de uma adolescente de 16 anos, não sobreviveu.

Deformações graves têm sido registradas com frequência em partos na região. Nos últimos dois anos foram 50.

Fonte: Page Not Found

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anonimo disse:

    Conforme relatado pelo filme O Jardineiro Fiel, os africanos são constantemente utilizados como Cobaias Humanas pela Industrias Farmaceutica, Bélica e Química. Não é de se admirar que a tendência é que as anomalias crescem cada vez mais! 
    A ONU, OMS e demais organizações deveriam abrir o olho.