Geral

Região da Calábria, na Itália, vai oferecer 28 mil euros a quem se mudar para seus vilarejos

Foto: Reprodução

A região italiana da Calábria planeja oferecer até 28 mil euros (cerca de R$ 168 mil) durante, no máximo, três anos, para quem se mudar para um de seus vilarejos. Com a iniciativa, o governo local quer reverter o declínio populacional das aldeias, que têm em torno de 2 mil habitantes cada. Mas para viver próximo às ruínas históricas, montanhas e praias na Itália, é preciso preencher requisitos de idade e se comprometer a contribuir com a economia local.

Ao todo, nove cidades participam do programa de estímulo e financiamento idealizado. São elas: Civita, Samo e Precacore, Aieta, Bova, Caccuri, Albidona, Sant’Agata del Bianco, Santa Severina e San Donato di Ninea. Para aplicar, segundo a CNN, é preciso ter entre 18 e 40 anos, além de se comprometer a lançar um pequeno negócio ou aceitar ofertas profissionais específicas já existentes na região.

Os candidatos também deverão estar dispostos a estabelecer residência em um dos vilarejos da Calábria, no Sul da Itália, e prontos para se mudar em até 90 dias após a aceitação. A expectativa é atrair jovens proativos que contribuam com o mercado de trabalho local.

Uma vez aceito para o programa, a renda mensal pode variar entre 1000 e 800 euros em um período de dois a três anos, segundo um conselheiro regional, Gianluca Gallo. O candidato poderá receber, ainda, um financiamento único como incentivo para o lançamento de um restaurante, bar, loja ou outro tipo de empreendimento comercial novo.

— Estamos aprimorando os detalhes técnicos, o valor mensal exato e a duração dos fundos, e se incluiremos também vilas um pouco maiores com até 3.000 residentes. Tivemos até agora um grande interesse das aldeias e, esperançosamente, se este primeiro esquema funcionar, é provável que haja mais nos próximos anos. O objetivo é impulsionar a economia local e dar uma nova vida às comunidades de pequena escala — disse Gallo à CNN.

A demanda por trabalhadores já existe na região da Calábria, em forma de apelo para que as populações locais não desapareçam no futuro. A ideia é revitalizar as pequenas comunidades com uma abordagem mais ativa e direcionada, estimulando a chegada de novos moradores.

O prefeito da cidade de Altomonte, Gianpietro Coppola, contou à CNN que a ideia é não só trazer pessoas para o trabalho, mas também para curtir a vida nas pacatas aldeias. Governante em uma das cidades da Calábria, ele é um dos que contribui com o programa.

— Queremos que isso seja um experimento de inclusão social. Atrair pessoas para a vida na região, para curtir o ambiente, fazer uso e enfeitar locais de trabalho como salas de conferência e conventos com internet de alta velocidade. Turismo incerto e ofertas de casas por um euro não são as melhores saídas para renovar o Sul da Itália — afirmou Coppola.

Cerca de 75% das cidades da Calábria – um número em torno de 320 – têm população menor que 5 mil habitantes, o que leva ao temor de que desapareçam no futuro. O programa e sua inscrição devem ser lançados nas próximas semanas e o investimento já passou de 700 mil euros.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Já faz um mês que saiu essa noticia e até o momento não abriu as inscrições, todos eu entrou no site da Calábria porém não diz nada a respeito.

  2. Deveria aumentar a idade para esta imigração, pois tenho filho que futuramente terá idade para trabalhar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Após título na Eurocopa, jogador italiano ‘resgata’ Cristiano Ronaldo ‘ao avesso’ e bebe Heineken e Coca-Cola em coletiva

O boicote de vários jogadores a marcas de refrigerante e de cerveja foi um dos assuntos que deu muito que falar no Euro 2020.

Durante uma conferência de imprensa, Cristiano Ronaldo iniciou a «guerra» ao afastar do plano das câmaras uma garrafa de Coca-Cola para logo de seguida apelar ao consumo mais saudável de água e Pogba afastou uma garrafa da marca de cerveja patrocinadora do Europeu quando também se preparava para falar com os jornalistas.

Depois disso, Locatelli imitou o avançado português, o selecionador da Rússia abriu o refrigerante e deu um gole em direto e o ucraniano Yarmolenko disse não ter qualquer problema com qualquer uma das marcas e que até estava disposto a ser patrocinado por elas.

A UEFA pediu para que os atletas parassem com a má publicidade a quem, no fundo, lhe dá dinheiro para aparecer mas nunca através de má exposição, mas revelou sensibilidade para com alguns casos, aceitando retirar as garrafas de cerveja durante conferências de imprensa de jogadores muçulmanos.

Agora, no cair do pano do Euro 2020, Leo Bonucci, colega de Cristiano Ronaldo na Juventus, foi à sala de imprensa e bebeu tudo… menos água. Sentou-se na cadeira da sala de imprensa já com duas garrafas na mão: uma de cerveja, outra de refrigerante. E bebeu as duas.

Com TVI24

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Alemanha, Itália e França alegam “precaução” e proíbem uso da vacina da AstraZeneca

Foto: Gareth Fuller/Pool via AP

Os governos de Alemanha, Itália e França anunciaram nesta segunda-feira que suspenderão o uso da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica britânica AstraZeneca e a Universidade de Oxford. Os três disseram que a medida foi tomada por “precaução”, devido aos relatos de formação de coágulos sanguíneos em pessoas que receberam o imunizante.

Em nota, o governo da Alemanha afirmou que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), o órgão regulador do setor na União Europeia (UE), decidirá “se as novas informações afetarão a autorização da vacina”.

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que a aplicação do imunizante será suspensa até terça-feira, quando EMA deve se pronunciar sobre os casos de formação de coágulos.

Vários países europeus suspenderam total ou parcialmente a aplicação da vacina da AstraZeneca por causa dos casos de formação de coágulos sanguíneos. A Itália já havia interrompido a aplicação de um lote específico do imunizante na semana passada. Outros países, como o Reino Unido, defenderam a segurança da vacina e mantém seu uso.

Na semana passada, tanto a EMA como a Organização Mundial da Saúde (OMS) disseram que não havia evidências entre a formação dos coágulos e a vacina da AstraZeneca. A OMS recomendou que as doses do imunizante continuem sendo aplicadas normalmente.

Valor

Opinião dos leitores

  1. O que esse povo tem haver com isso? Essa vacina foi colocada por vocês bolsoloides como sendo uma vacina que acabaria com a coronavac da China. Vocês não tem memória mais eu tenho . Mesmo assim, vamos torcer que seja algo solucionavel pro bem de todos.

    1. Falou o zumbi de esquerda.
      Nenhum país desenvolvido usa vacina da China…
      Querendo queimar a vacina britânica e defendendo a chinesa…

  2. Dá para entender um cacete desse? As hienas lulistas conseguem explicar? Já que arrotam as melhores soluções para "a paz, economia, educação, meio ambiente e saúde?"

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Tribunal italiano confirma pena e condena Robinho a nove anos de prisão por estupro

Foto: Ricardo Saibun / Santos FC/Divulgação

A segunda instância do Tribunal de Apelo de Milão, na Itália, condenou o atacante Robinho a nove anos de prisão, confirmando a decisão tomada em primeira instância. Dessa forma, o atacante brasileiro fica mais perto de ser apontado como culpado no caso de estupro coletivo, ao qual foi acusado em 2013 quando jogava pelo Milan.

Assim como em 2017, quando recebeu sua primeira sentença, Robinho não compareceu à audiência, que teve início ao meio-dia (8h no horário de Brasília). De acordo com a legislação italiana, a presença do jogador não era obrigatória.

Robinho e seu amigo Ricardo Falco, que responde ao mesmo processo, devem recorrer da decisão. Se isso acontecer, o caso será encaminhado à terceira instância, representando a última chance de absolvição. Enquanto aguardam a decisão final, que pode levar mais três anos, os réus seguem em liberdade.

Independentemente do resultado, Robinho continua em liberdade porque as duas partes ainda podem recorrer ao julgamento em terceiro grau, que pode levar alguns meses para ocorrer. Robinho tem a presunção de inocência assegurada até o trânsito em julgado do processo, isto é, até que as fases de apelação se esgotem. E isso ocorre somente quando um caso chega à Corte de Cassação, terceira e última instância da Justiça da Itália, equivalente ao Supremo Tribunal Federal (STF) no Brasil. Só haverá aplicação de pena definitiva após condenação nesse grau, o que pode levar até dois anos.

A repercussão negativa sobre o caso de estupro fez com que Robinho tivesse a contratação cancelada pelo Santos em outubro. Robinho foi anunciado como reforço pelo clube com vínculo por cinco meses e salário de R$ 1,5 mil, além de bônus de R$ 300 mil de acordo com o número de jogos disputados. Porém, a pressão de patrocinadores e a divulgação de conversas sobre o caso provocaram forte repercussão negativa do caso. E o clube optou por suspender o contrato do jogador.

Estadão

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: novo coronavírus já circulava na Itália em setembro de 2019, diz estudo

Foto: CIRO DE LUCA / REUTERS

O novo coronavírus já circulava na Itália desde setembro de 2019, mostra um estudo do Instituto Nacional do Câncer (INT) da cidade italiana de Milão, sinalizando que o COVID-19 pode ter se espalhado para além da China antes do que se pensava.

Oficialmente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que o novo coronavírus e a Covid-19, a doença respiratória que ele causa, eram desconhecidos antes do surto ser relatado pela primeira vez em Wuhan, no centro da China, em dezembro. O primeiro paciente Covid-19 da Itália foi detectado em 21 de fevereiro em uma pequena cidade perto de Milão, na região norte da Lombardia.

Mas as descobertas dos pesquisadores italianos, publicadas pela revista científica Tumori Journal do INT, mostram que 11,6% dos 959 voluntários saudáveis inscritos em um teste de rastreamento de câncer de pulmão entre setembro de 2019 e março de 2020 desenvolveram anticorpos contra o coronavírus bem antes de fevereiro.

Um outro teste específico de anticorpos SARS-CoV-2 foi realizado pela Universidade de Siena para a mesma pesquisa, intitulada “Detecção inesperada de anticorpos SARS-CoV-2 no período pré-pandêmico na Itália”.

O estudo mostrou que quatro casos datados da primeira semana de outubro também foram positivos para anticorpos que neutralizam o vírus, o que significa que eles foram infectados em setembro, disse Giovanni Apolone, coautor do estudo.

— Este é o principal achado: as pessoas sem sintomas não só eram positivas após os testes sorológicos, mas também tinham anticorpos capazes de matar o vírus. — disse Apolone. — Isso significa que o novo coronavírus pode circular na população por muito tempo e com baixo índice de letalidade, não porque esteja desaparecendo, mas apenas para aumentar novamente.

Em março de 2020, pesquisadores já haviam observado um número maior do que o normal de casos de pneumonia e gripe graves na Lombardia no último trimestre de 2019, em um sinal de que o novo coronavírus pode ter circulado antes do que se pensava.

O Globo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS: Vila na Itália pretende pagar até R$ 53 mil para quem se mudar para o local

Foto: Shutterstock

Você já conhece a história: aldeia de conto de fadas no topo de uma colina na Itália com a população envelhecida quer sangue novo.

Normalmente, o primeiro passo é vender as casas abandonadas por 1 euro. Aldeias de todo o país viram estrangeiros abocanhar propriedades por centavos, com a contrapartida de eles deviam reformar a casa dentro de um determinado prazo.

Outros, porém, foram mais ousados. A vila de Candela, na Puglia, por exemplo, ofereceu a futuros residentes 2.000 euros (R$ 13.493) para se mudarem para lá em 2017.

Agora saiu uma proposta ainda melhor. Santo Stefano di Sessanio, uma vila medieval murada em Abruzzo, uma região no lado leste do centro-sul da Itália, está se oferecendo para pagar as pessoas que desejam se mudar e começar um negócio lá. E pode até mesmo apoiá-las dando-lhes um lugar para morar com aluguel nominal.

“Não estamos vendendo nada para ninguém. Isso não é um movimento comercial. Só queremos que a vila continue a viver”, diz o prefeito Fabio Santavicca à CNN.

A pegadinha? É precisa ser residente da Itália (ou ter capacidade legal para se tornar um) e ter 40 anos ou menos.

Uma vila simples nas montanhas Santo Stefano é mais conhecida pelo Sextantio, sua pousada de luxo ou “albergo difuso” (hotel disperso) cujos quartos estão localizados em casas de aldeia individuais.

No entanto, o glamour do hotel está muito longe do resto da vila simples, que se ergue 1.250 metros acima do nível do mar dentro do belo Parque Nacional Gran Sasso e Monti della Laga.

O local tem apenas 115 residentes, cerca de metade deles aposentados. Menos de 20 moradores são menores de 13 anos.

Pelo menos, esses são os números oficiais. Na verdade, o prefeito diz que o número de residentes durante todo o ano está entre apenas 60 e 70.

Portanto, agora as autoridades estão agindo.

A prefeitura pagará aos novos residentes uma taxa mensal por três anos, até um máximo de 8.000 euros (equivalente a R$ 53.974) por ano. Também vai conceder uma contribuição única de até 20.000 euros (R$ 134.935) para quem iniciar algum empreendimento.

Os residentes também receberão uma propriedade para morar por um aluguel “simbólico”.

Quanto é “simbólico”? Nem Santavicca tem certeza ainda. Eles querem analisar todos os candidatos e decidir quantos aceitar antes de acertar os detalhes financeiros.

Forte competição

Cerca de 1.500 pessoas se inscreveram desde que a proposta foi lançada, em 15 de outubro. Mas o conselho quer manter o número em cerca de 10 pessoas, ou cinco casais. “Queremos aumentar gradativamente os números e temos que trabalhar com as moradias que pertencem às autoridades”, diz Santavicca.

Mesmo assim, dá para se mudar para lá e abrir um negócio. O esquema é válido para um número seleto de atividades, identificadas como fundamentais pelo conselho: guias, pessoal do escritório de informações, trabalhadores de limpeza e manutenção, donos de drogarias ou aqueles que podem trabalhar e vender os alimentos da região.

Os candidatos devem ter idade entre 18 e 40 anos e não residir na área de Santo Stefano. Devem ser residentes na Itália, cidadãos da UE ou ter o direito de permanecer na UE por um período indefinido. Se já residem na Itália, devem vir de uma área com mais de 2.000 residentes, já que a cidade não quer lutar contra a perda de população retirando residentes de outras pequenas comunidades.

E os novos moradores devem ficar na cidade por no mínimo cinco anos. Ainda não existe um processo formal para obrigar as pessoas a ficarem até o final do mandato, mas o prefeito diz que, como o dinheiro é público, terá que haver algum tipo de “restrição” para que as pessoas não venham, peguem o dinheiro para um ano e partam.

A nova vida

Foto: Shutterstock

E que tipo de vida espera aqueles que fazem a mudança?

A cidade grande mais próxima é L’Aquila, a meia hora de distância. Capital de Abruzzo, ela foi devastada por um terremoto em 2009 e ainda está em reconstrução.

Roma fica a cerca de duas horas de distância e a lendária costa do Adriático fica a 90 minutos de carro. O aeroporto mais próximo é Pescara, a 90 minutos.

“É uma vida bem programada, porque não dá para dizer, ‘Ai, esqueci de comprar parmesão, vou dar um pulinho de volta e comprar”, comparou o prefeito.

“Estamos na base das montanhas – a 1.200 metros de altitude – então, no inverno, nem sempre é fácil se locomover com neve e gelo. Porém há uma sensação de tranquilidade, você vive de forma autossuficiente e volta às raízes. Não há nada do caos das grandes cidades, e você pode economizar mais do seu tempo livre”, elogiou o prefeito.

“Vivo muito bem aqui. O ar é bom e, desde o momento em que você acorda, há vistas incríveis que realmente levantam o seu ânimo e lhe dão um motivo para ir trabalhar”.

As remotas cidades rurais da Itália, especialmente nas regiões montanhosas e no sul do país, sofreram um êxodo de residentes desde o fim da Segunda Guerra Mundial, com pessoas se mudando para as cidades em busca de trabalho.

A ideia do “albergo diffuso” foi cunhada na década de 1970 pelo profissional de marketing Giancarlo dall’Ara para tentar rejuvenescer as aldeias e criar empregos para as pessoas voltarem.

A pandemia de Covid-19, que deu nova luz ao trabalho remoto, trouxe um interesse renovado na mudança de italianos para áreas rurais.

Santavicca espera que este projeto, se der certo, possa ser replicado por outras pequenas cidades.

“Essas aldeias vivem enquanto houver pessoas nelas. Para renovar a Santo Stefano e dar-lhe uma vida nova, mais força econômica e social, precisamos de gente mais jovem”, explicou.

“Temos um senso de dever cívico que está nos empurrando nessa direção. Não se trata de vender nada [em contraste com os esquemas de casa de 1 euro]. Só queremos começar coisas que vão permitir que a aldeia continue a viver”.

Pronto para fazer a mudança? Os detalhes completos e o formulário de inscrição estão no site do conselho municipal. O prazo final é 15 de novembro.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Aceita casal homo , eu e NERO , meu esposo , estamos procurando um cantinho tranquilo , para trocar umas ideias e comer rabanete .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Itália bate recorde de casos diários de Covid-19

Foto: Guglielmo Mangiapane/Reuters

A Itália registrou 10.010 novos casos por coronavírus nas últimas 24 horas, disse o Ministério da Saúde. É a maior contagem diária desde o início do surto no país. O recorde anterior havia sido na quinta-feira (15), quando o país contabilizou 8.804 novas infecções.

O ministério também relatou 55 mortes relacionadas ao coronavírus, contra 83 no dia anterior. O número é bem menor do que no auge da pandemia na Itália (março e abril), quando um pico diário de mais de 900 mortes foi alcançado.

A Itália foi o primeiro país da Europa a ser atingido pela Covid-19 e tem o segundo maior número de mortos no continente depois da Grã-Bretanha – 36.427 mortes, de acordo com dados oficiais.

O governo italiano impôs na terça-feira (13) novas restrições a reuniões, restaurantes, esportes e atividades escolares em uma tentativa de diminuir o aumento de infecções.

No entanto, alguns especialistas disseram que as medidas eram muito limitadas e alguns líderes locais já anunciaram ações mais agressivas para suas regiões.

G1, com Reuters

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Itália endurece regras e aconselha máscara até dentro de casa para conter alta da covid-19

Pessoas vestem máscara em frente ao Coliseu de Roma, em 13 de outubro. País reforçou medidas de restrição para a Covid-19 — Foto: Guglielmo Mangiapane/Reuters

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, impôs nesta terça-feira (13) novas restrições a reuniões, restaurantes, esportes e atividades escolares em uma tentativa de desacelerar o crescente aumento nas infecções pelo novo coronavírus.

O decreto do governo da Itália passa a valer a partir de quarta-feira (14) e tem previsão de durar um mês. Ele foi publicado após vários dias de discussões dentro do governo que geraram diferentes versões do texto e produziu especulações de ministros sobre as medidas a serem adotadas.

A decisão proíbe festas em restaurantes, clubes ou a céu aberto. Além disso, há a recomendação para que as pessoas não façam festas em casa ou recebam mais de seis convidados por vez. Casamentos e outras cerimônias não podem ter a presença de mais de 30 pessoas.

O decreto aconselha o uso de máscaras – que já é obrigatório ao ar livre e em prédios públicos – também dentro de casa, quando membros de fora da família estiverem presentes. Restaurantes e bares podem ficar abertos até meia-noite para serviço de mesa.

No entanto, uma medida que visa inibir as grandes aglomerações do lado de fora de bares, apontadas como uma das responsáveis pela alta recente no número de infecções proíbe servir pessoas de pé, dentro ou fora do estabelecimento, depois das 21h.

O número diário de novos casos de coronavírus na Itália dobrou na semana passada, chegando a 5 mil na sexta-feira pela primeira vez desde março e se aproximando de 6 mil no sábado. O número caiu significativamente nos dois últimos dias, mas normalmente sobem na segunda metade da semana.

O número de mortes causadas pela Covid-19 é bem menor do que o pico superior a 900 por dia registrado no final de março, mas os óbitos também têm aumentado nos últimos dias, com 39 sendo registrados na segunda.

Pelo decreto, esportes de contatos praticados por amadores, como futebol, estão proibidos, a não ser que sejam organizados por entidades reconhecidas que tenham concordado com os protocolos para a Covid-19 estabelecidos pelas federações nacionais.

As escolas permanecerão abertas, mas atividades fora da sala de aula serão restritas, com uma proibição de viagens escolares.

G1

Opinião dos leitores

  1. O que os médicos estão receitando para o combate da Covid-19 para o número de óbitos cair de 900 para 34, ninguém sabe.
    No mundo inteiro os médicos omitem o kit que fornecem no início da infecção ou vocês acham que agora o vírus enfraqueceu e não mata mais.
    Tudo política, dominada pelos poderosos ocultos.
    Até hoje não sabemos porque os países maís pobres do mundo, principalmente da África não houve uma catástrofe de milhões de mortos. Ou novamente, vocês acham que lá o vírus é mais fraco ou que todos fizeram o popular lockdown, que como vemos não resolveu.

  2. Muitos especialistas e até a tal OMS já condenaram essa tática de isolamento de pessoas saudáveis. Está comprovado que agrava a disseminação da epidemia como também empobrece ainda mais os menos favorecidos. A chamada "imunidade de rebanho" tem que ser buscada. Na Europa, os países que exageraram no isolamento, não atingiram o grau de imunização necessário para impedir novas contaminações. Junte-se a isso a chegada das baixas temperaturas. A vida tem que seguir seu rumo. A humanidade convive com incontáveis doenças e NUNCA se falou em isolar pessoas saudáveis. Isso é um absurdo.

  3. Essa é uma quarentena meia boca.
    Admite até casamentos e festas…
    Restaurantes funcionando até meia noite…

  4. Pesaoal, não brinquem.
    A Europa passou 3 meses sem mortes agora voltou.
    No Brasil melhoramos um pouco, mas não estamos bem e podemos piorar.
    Portanto vamos parar com essa ideia de que aqui há aglomerações mas os números não sobem… por sorte e a graça de Deus.

  5. Grande parte da população tá tomando ivermectina, hidroxicloroquina e outros medicamentos prescritos pelo charlatão Bolsonaro..

  6. Brasil é um país abençoado mesmo. Ninguém respeitou quarentena e os casos sumindo. Só Deus!

    1. ,,,só Deus e provavelmente a Ivermectina, que a população esta consumindo ao montes.

    2. É Rick, só esqueceram de avisar ao homem (Trump) e a nação mais poderosa do mundo (USA) que matando lombriga se previne tb do vírus.
      Esqueceram tb de avisar as outras nações poderosas do mundo….
      Tem uns brasileiros que se passam por patéticos para nao chamá-los de ignorantes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Religião

Conhecido como ‘padroeiro da internet’, jovem inglês Carlo Acutis com ligação com o Brasil será beatificado na Itália

Carlo Acutis será beatificado e terá corpo exposto para visita de fiéis até 17 de outubro. Foto: Reprodução/Vatican News / Estadão

O jovem Carlo Acutis, mais conhecido como “padroeiro da internet”, será beatificado no dia 10 de outubro. Ele, que morreu vítima de uma leucemia em 2006, terá o corpo exposto para visita de fiéis no Santuário do Despojamento, em Assis, na Itália – são esperados mais de 3 mil peregrinos. O Vaticano atribui a ele, inclusive, um milagre feito no Estado de Mato Grosso do Sul.

Acutis é associado à internet porque usava as redes para evangelizar e tinha conhecimento de ciência da computação muito acima da média para garotos da idade e para quem não possuía estudos específicos sobre o assunto. Ele estava com 15 anos quando morreu. “Este rapaz foi realmente genial e muitos aspectos da sua vida representam para nós um incentivo”, disse o bispo Dom Domenico Sorrentino, ao site de notícias do Vaticano. O Papa Francisco também o citou na exortação pós-sinodal Christus Vivit, como exemplo de alguém que fez um bom uso dos meios digitais para a evangelização.

A veneração ao corpo do jovem terminará às 10h30 do dia 17 de outubro, com uma missa de celebração e o fechamento da sepultura. Devido à pandemia do novo coronavírus, a basílica afirmou que espalhará vários telões pela cidade. O acesso de fiéis e jornalistas às praças de Assis, onde haverá a transmissão da cerimônia, será permitido apenas com inscrição prévia pela internet.

Ligação com o Brasil

Nascido em Londres e com boa parte da vida trilhando entre Milão e Assis, Acutis tem um milagre atribuído a ele no Mato Grosso do Sul, em 2010 – apesar de nunca ter vindo ao Brasil. Uma criança com uma doença côngenita teria se curado depois que o avô tocou as roupas do jovem expostas em uma paróquia de Campo Grande.

Além disso, “ele morreu em 12 de outubro, no dia de Nossa Senhora Aparecida (padroeira do Brasil), está numa paróquia em que o padre é brasileiro e tem as irmãs capuchinhas brasileiras que estão cuidando dele”, disse a Irmã Francisca, ao site do Vaticano.

Estadão, com informações do Vatican News

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Itália tem menor número de mortes por Covid-19 em quase quatro meses

Foto: Ilustrativa

A Itália registrou, desse domingo(21) para esta segunda-feira(22), o menor número de mortos por Covid-19 desde o dia 2 de março.

Nas últimas 24 horas, 23 pessoas morreram infectadas pelo novo coronavírus. No dia anterior, foram 24.

O total de mortes causadas pela doença no país é de 34.657.

Segundo o governo italiano, foram registrados 221 casos confirmados de Covid-19 no período — ante 224 do dia anterior. O total de casos chegou a 238.720.

O Antagonista

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mais de 2 mil curados na Itália de segunda para esta terça; 90% do comércio reabre em 1º dia de retomada

O primeiro dia de autorização do governo para a reabertura do comércio não essencial teve adesão de cerca de 90% das empresas do setor, informou hoje a Confederação de Comerciantes da Itália (Confcommercio).

Desde ontem, lojas de roupas, calçados, materiais eletroeletrônicos, produtos de beleza, entre outras, bem como os shoppings, puderam reabrir seguindo protocolos específicos de segurança por conta da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Os serviços estavam paralisados desde o dia 10 de março.

“Cerca de 90% dos negócios de roupas reabriram em segurança: peças íntimas, camisas e sapatos estão entre os produtos mais pedidos”, informou a entidade. O índice de reabertura foi um pouco menor, na casa dos 70%, no setor de restaurantes e bares, que também puderam voltar a receber clientes em seu interior. De acordo com a Confcommercio, porém, cerca de 40% dos funcionários do setor continuaram em casa – cerca de 400 mil pessoas – porque os estabelecimentos optaram por reabrir de maneira reduzida.

Já os mercados em geral tiveram um índice de reabertura variando entre 50% e 60% no país, sendo que em Roma houve uma retomada de 100%, o que não aconteceu em outras regiões como Piemonte, Sicília e em parte da Lombardia – incluindo Milão.

A retomada gradual dos serviços não essenciais está na segunda fase de combate à pandemia e será analisada tanto pelo governo nacional como pelos regionais, que poderão intervir e voltar a fechar parte do comércio caso a curva de contágios da doença volte a subir.

Curados aumentam em ritmo acelerado

Nas últimas 24 horas, 2.075 pessoas se curaram da Covid-19 na Itália, elevando o total de recuperados para 129.401.

De ontem para hoje, o país contabilizou 162 mortes causadas pela doença (ante 99 do dia anterior, que foi o número mais baixo em dois meses).

Foram 813 novos casos confirmados (bem mais do que os 451 do dia anterior), totalizando 226.699.

O total de mortos pelo novo coronavírus no país é de 32.169.

O Antagonista e UOL

Opinião dos leitores

  1. O pior são os ESQUERDOPATAS que tentam impedir o uso da HIDROXICLOROQUINA apenas porque é defendida pelo Presidente. Impossibilitam que muitos tentem se tratar desde os primeiros sintomas e evitem a internação.
    Destroem as esperanças de muitos com um diálogo INÚTIL acerca da comprovação científica do medicamento. Todos sabem que trata-se de um tentativa que se ajudar estará salvando uma vida.
    A HIDROXICLOROQUINA tem estudos tantos favoráveis como não. Comprovação científica pode levar anos, até lá muitos terão morrido.
    Então deixem as pessoas ter o direito de decidir se querem tentar.

  2. La fora tomaram as medidas necessárias, passaram 2 meses sofridos , mas agora vai se voltando a vida normal. Aqui ficou um lado negando e o outro assombrando, vamos ficar ainda uns 3 meses sofrendo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Itália tem pela 1ª vez mais curados do que novos casos de Covid-19

(Foto: EPA/ETTORE FERRARI)

O número de casos ativos do novo coronavírus (Sars-CoV-2) na Itália caiu pelo quarto dia seguido, de acordo com balanço divulgado pela Defesa Civil nesta quinta-feira (23).

Segundo o órgão, a Itália soma 106.848 pessoas atualmente com o Sars-CoV-2, 851 a menos que as 107.699 contabilizadas na última quarta (22).

Os casos ativos descartam pacientes curados e mortos e são um indicador importante para saber se a pandemia está ganhando ou perdendo força. Dos 106.848 ainda infectados, 2.267 estão em terapia intensiva, 81.710 estão em isolamento domiciliar, e 22.871 estão internados fora de UTIs.

O país acumula 20 dias seguidos de queda na quantidade de pacientes em terapia intensiva, de acordo com a Defesa Civil. Considerando o total de pessoas já infectadas até o momento, a Itália tem 189.973 casos, o que significa crescimento de 2.646 contágios em um dia (+1,4%).

Além disso, a Defesa Civil confirmou mais 464 óbitos, 27 a mais que na quarta-feira, totalizando 25.549 vítimas na pandemia. Já o número de curados chegou a 57.576, após um recorde diário em termos absolutos de 3.033 recuperados nesta quinta.

“Os números são particularmente reconfortantes”, disse o chefe da Defesa Civil, Angelo Borrelli, em coletiva de imprensa em Roma. Essa é a primeira vez que o país registra mais pacientes curados do que novos casos.

A quarentena na Itália fica em vigor até 3 de maio, mas algumas atividades comerciais, como livrarias e papelarias, já reabriram as portas, com exceção de determinadas regiões, como Lombardia e Piemonte.

O governo também prepara um programa de testagem em massa na população para estimar o percentual de pessoas já imunizadas contra o novo coronavírus.

Além disso, o primeiro-ministro Giuseppe Conte trabalha em um cronograma de reabertura a partir de 4 de maio, que pode incluir parques e algumas atividades econômicas, como manufatura e construção civil. (ANSA)

Época

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Vacinas contra coronavírus dão resultado positivo na Itália

Foto: Ilustrativa/Reprodução/Pexel

Os testes pré-clínicos de candidatas a vacina contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2) na Itália apresentaram resultados positivos.

Luigi Aurisicchio, CEO da empresa romana Takis Biotech, que conduz os estudos com cinco vacinas, disse que houve uma “forte produção de anticorpos” com uma única dose.

“Os primeiros resultados nos modelos pré-clínicos demonstraram a forte imunogenicidade das candidatas a vacina”, declarou Aurisicchio, acrescentando que duas delas parecem mais promissoras. Os resultados definitivos são esperados para meados de maio, e os testes em humanos podem começar a partir de setembro.

Todas as cinco vacinas se baseiam em uma tecnologia chamada eletroporação, que consiste em um impulso elétrico no músculo para aumentar a permeabilidade das membranas celulares. Elas foram obtidas a partir de materiais genéticos correspondentes a diferentes partes da proteína “spike”, que o vírus utiliza para agredir as células e se multiplicar.

De acordo com a Defesa Civil, a Itália contabiliza 147.577 casos do novo coronavírus e 18.849 óbitos, mas os números vêm desacelerando há algumas semanas em função das medidas de isolamento.

Época

Opinião dos leitores

    1. A china nem fala na vacina, pelo tempo que foi criado por lá, já deveria está com os testes finais, como eles não tem o menor interesse nisso, deixam o mundo afundar mesmo. Assim fica mais fácil impor seu imperialismo.

    2. O Brasil se localiza na America do Sul, abaixo das Americas Central e Norte.
      Depois te passo a latitude e longitude!

    3. E tem clima tropical Pedro.
      Corona virus atua com força acima da linha do Equador, pelo jeito.
      Vamos que vamos, aprendendo com o problema.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Itália prepara suspensão “gradual e controlada” das restrições

Foto: © Reuters/Yara Nardi/Direitos reservados

A Itália, que parece ter atingido uma estabilidade na curva de propagação do novo coronavírus, prepara medidas para a suspensão “gradual e controlada” das restrições impostas, mas adverte que falta muito para a volta à normalidade.

O uso generalizado de máscara, um rastreamento, a multiplicação dos testes de diagnóstico e a assistência especializada nos domicílios estão entre as medidas citadas pelo ministro da Saúde italiano, Roberto Speranza.

O país, que registra o maior número de mortes associadas a covid-19 em todo o mundo, tem verificado nos últimos dias uma tendência de redução do número de novos casos de infeção e, no sábado (4), anunciou a queda, pela primeira vez, do número de doentes internados em unidades de cuidados intensivos.

Apesar dessa evolução, a população “não pode baixar a guarda” e deve continuar a respeitar as medidas de confinamento, que “não podem ser aliviadas de momento”, disse o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, ao anunciar o prolongamento do confinamento até 13 de abril.

Segundo o diretor da Proteção Civil, Angelo Borrelli, o país deverá continuar em quarentena pelo menos até o fim de semana prolongado de 1º de maio. Ele lembrou que a decisão, no entanto, cabe ao governo.

Borrelli admitiu que em16 de maio o país entre numa “fase dois”, de “coexistência com o vírus”, mas apenas “se a evolução não se alterar”.

Em entrevista hoje aos diários La Repubblica e Corriere della Sera, o ministro da Saúde, Roberto Speranza, explicou que o governo pretende reforçar “as redes de saúde locais” para que cada caso identificado possa ser triado para tratamento, assim como testar amostras da população para determinar “quantos italianos foram infectados, se são imunes e como, quantos e em que regiões podem voltar à vida normal”.

O plano do governo prevê também a determinação do uso generalizado de máscara, o respeito por um “distanciamento social escrupuloso” e a indicação de determinados hospitais para tratamento exclusivo da covid-19. Eles se manterão abertos para a eventualidade de uma segunda onda de infeções, de forma que outros hospitais possam voltar a se dedicar ao tratamento de outros doentes.

O governo também analisa o desenvolvimento de uma aplicação de telemóvel, inspirada em modelo adotado na Coreia do Sul, para acompanhar os movimentos dos doentes diagnosticados durante as 48 horas anteriores à infecção e para facilitar a telemedicina, permitindo, por exemplo, controlar a distância o ritmo cardíaco e a taxa de oxigenação do sangue das pessoas infectadas.

Quando for possível uma retomada da atividade econômica, os primeiros a retomar o funcionamento normal deverão ser as cadeias de abastecimento alimentar e farmacêutico, seguido-se os estabelecimentos de serviços, com limites ao número de pessoas atendidas.

Bares, restaurantes, discotecas e recintos desportivos serão os últimos a reabrir e, quando o puderem, terão de assegurar uma distância de segurança de pelo menos um metro entre clientes e funcionários.

As pessoas que queiram regressar à Itália – segundo números oficiais, pelo menos 200 mil italianos – deverão fazer quarentena e apresentar, à entrada do meio de transporte, uma declaração sob compromisso de honra indicando o local onde vão respeitar a quarentena.

Os transportes públicos deverão manter lotação baixa, com a entrada de pessoas controlada por funcionários, a manutenção da distância entre passageiros e a ocupação máxima de um lugar em cada dois.

“Não haverá um dia em que possamos dizer que tudo terminou”, disse o ministro, acrescentando que “seria uma irresponsabilidade” prometer uma data para o regresso à normalidade.

“Temos de conviver com o vírus. Pelo menos até termos uma vacina ou uma cura”, disse.

Agência Brasil, com Emissora pública de televisão de Portugal

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Itália registra 525 mortes nas últimas 24 horas, o número mais baixo em duas semanas

Foto: reprodução

O número de mortos pelo novo coronavírus na Itália nas últimas 24 horas é de 525, o mais baixo em duas semanas, anunciou neste domingo a Defesa Civil. O balanço representa uma redução de 25% em relação às mortes anunciadas ontem, quando 681 foram registradas.

Até o momento, 15.887 pessoas morreram devido ao coronavírus na Itália, país mais castigado do mundo pela pandemia, segundo as cifras oficiais.

“São boas notícias, mas não deveríamos baixar a guarda”, disse o chefe da Defesa Civil, Angelo Borrelli. “A curva começou sua queda”, comemorou o chefe do Instituto Superior de Saúde, Silvio Brusaferro. A redução do número de mortos “é um dado muito importante”, assinalou.

“Se estes dados se confirmarem, teremos que pensar na fase 2”, ou seja, no plano para reativar a Itália, que contempla a retomada de parte da atividade produtiva da terceira maior economia europeia.

Para as autoridades, a fase 2 é um período de “convívio” com o vírus, motivo pelo qual “é importante manter as medidas que fizeram a curva cair”, alertou Brusaferro.

Há quatro semanas, os 60 milhões de italianos estão submetidos a medidas drásticas de confinamento. Um sinal de que a batalha não foi vencida é que os serviços de saúde do país contabilizaram cerca de 3 mil novos casos nas últimas 24 horas.

G1

Opinião dos leitores

  1. É mesmo, François os Minions não entendeu de números. Já a cambada petista em matéria de números, eles dão show, é lembrarmos de lula nove dedos o mão leve!

    1. Percebe-se a falta de consciência desse que estão vivendo a abstinência de dinheiro público roubado, não conseguem fazer simplesmente nada, a não ser taxar alguém do que realmente é. Chega a ser patético

  2. passou o pico, o que não pode ocorrer é o povo achar q foi resolvido e voltar à vida normal

  3. O menor dia de morte na Itália e maior de que todas as mortes ou incluindo supostas mortas de coronas vírus no meio de 436 no Brasil já com quase 40 dias.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Embora números ainda sejam ruins, quantidade de curados na Itália é animadora

Foto: Reprodução

Aparentemente, a epidemia na Itália bateu no teto.

Os números ainda doem, sobretudo os 760 mortos de ontem para hoje.

Mas o fato é que há uma estabilidade em quase todos os dados – e uma melhora bastante animadora na quantidade de pacientes curados (1.431).

Melhorou também o volume de testes para o novo coronavírus: 40 mil em 24 horas.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Salao perto de casa aberto e lotado. Lotado.
    Fui ali na porta do armarinho buscar material pra máscara e vi.

    Tinha uma fia fazendo sobrancelha na outra fia. Ambas sem máscara.

    Olha… ??‍♀️

    Tinha q constar nuns atestados de óbito aí a causa mortis BURRICE

  2. Não importa quem ficou curado.
    Quem ficou bom, parabéns. Ficou bom.
    Interessa sim é o número de infectados, suspeitos e óbitos.
    Esse sim, tem que ser combatido.

    1. Importa também implantar o TERROR!!! Quanto pior, melhor!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *