Portugal reverte medidas de relaxamento e foca nas restrições aos jovens para conter nova propagação do novo coronavírus

Foto: Rafael Marchante/Reuters

Os portugueses relutaram a sair da quarentena como se pressentissem que o bom desempenho do país durante a pandemia pudesse sair do controle. Foi o que aconteceu. No período entre 21 de maio e 21 de junho, o país registrou 9.200 novos casos.

O governo se viu obrigado a recuar e antecipar o horário de fechamento de lojas para as 20h, proibir a venda de bebidas alcoólicas a partir desse horário e a limitar as reuniões ao máximo de dez pessoas, metade do que estava permitido.

Os jovens são o principal alvo das novas restrições. Festas clandestinas disseminaram novos focos de infecção. No Algarve, uma comemoração para cem pessoas contaminou 76; em Grândola, nos arredores de Lisboa, pelo menos 20 adolescentes adoeceram num acampamento. A onda de calor encheu praias e parques.

Pela primeira vez, o Porto e cidades do Norte do país cancelaram os tradicionais festejos de São João: não houve música, queima de fogos de artifício, barraquinhas de comida e bebida — tudo que remetesse à aglomeração de pessoas.

Modelo exemplar pela organização e pelas medidas eficazes verificadas enquanto os vizinhos eram atingidos em cheio pelo novo coronavírus, Portugal registrou 40 mil infectados pela Covid-19 e 1.543 mortos. Agora, a taxa de contágio só é superada na Europa pela Suécia, que passou ao largo do distanciamento social.

O crescimento de casos na pós-pandemia fez com que o panorama se invertesse: os bons alunos do continente são esnobados. Alguns países europeus, como o Reino Unido e Áustria, estudam se os passageiros procedentes de Portugal devem ser considerados seguros e, por isso, escapar da quarentena obrigatória de 14 dias. Finlândia e Dinamarca, por sua vez, já excluíram os portugueses da lista dos que estão isentos das restrições.

A região da Grande Lisboa e Vale do Tejo é a mais afetada pelo ressurgimento da doença e concentra 80% do pico recente — 367 novos casos nesta quarta-feira em todo o país. Fernando Maltez, diretor de Infectologia do Hospital Cury Cabral, considera que a situação está descontrolada, mas pode ser revertida.

“O desconfinamento poderia ter sido feito de forma mais lenta”, analisou à Rádio Renascença.

O presidente Marcelo Rebelo Sousa apela para que os portugueses sejam rigorosos no uso das máscaras em locais públicos e afasta o cenário de descontrole e ruptura no sistema hospitalar. Mas o certo é que Portugal mostrou que ainda está longe livrar-se da Covid-19.

BLOG DA SANDRA COHEN – G1

 

Portugal tem volta às aulas parcial nesta segunda-feira, com medidas de proteção e distanciamento

Lisboa, 14 de maio: mulher usando máscara facial caminha pelo centro da cidade — Foto: Rafael Marchante/Reuters

Cerca de 200 mil estudantes de Portugal dos últimos dois anos do ensino médio (16 e 17 anos), retornarão às aulas nesta segunda-feira (18). Eles deverão seguir uma série de medidas de proteção, como o uso obrigatório de máscaras, lavagem das mãos ao entrar e sair da escola, e a reorganização de horários e espaços para garantir a distância entre os alunos, informou a agência EFE.

Os jardins de infância também serão reabertos, mas durante as duas primeiras semanas, os pais que optarem por manter as crianças em casa seguirão recebendo auxílio financeiro do governo. Os demais estudantes seguirão com as aulas a distância, através de plataformas virtuais e televisão.

Para minimizar o contato, os alunos serão organizados em grupos que terão horários de aula, intervalos e períodos de alimentação próprios. A entrada e saída de cada grupo também será organizada para que haja o mínimo contato possível.

As medidas são uma tentativa de evitar que os grupos se cruzem e, com isso, aumentam a chance da circulação do novo coronavírus.

Nas salas de aulas, foi estabelecido uma distância de pelo menos 1,5 metro entre os alunos para que as mesas fiquem o mais afastadas possível.

Com essas medidas, Portugal espera minimizar o risco de contágio para milhares de estudantes que estudam o que o governo considera “anos decisivos” para o acesso ao ensino superior e sua entrada na vida ativa.

Máscaras e desinfetantes nas escolas

Nas últimas semanas, as escolas portuguesas estão se preparando para o retorno às aulas: as Forças Armadas distribuíram mais de 4 milhões de máscaras, 17 mil litros de desinfetantes e outros equipamentos de proteção e higiene para centros educacionais.

“Isso servirá para treinar para o próximo ano letivo, no qual teremos que conviver com o Covid-19”, disse o primeiro-ministro português, António Costa, na sexta-feira passada.

Afrouxamento de medidas em outros setores

O retorno às aulas faz parte da segunda fase de afrouxamento das medidas de restrição em Portugal, que começa nesta segunda-feira.

Elas incluem a liberação de visitas em Casas de Repouso, com restrições: uma visita semanal de no máximo 90 minutos, por uma única pessoa, com máscara e medidas de higiene.

Também serão reabertos restaurantes e cafés, com uma limitação de capacidade de 50%; terraços; e lojas de até 400 metros quadrados com acesso direto à rua (até agora apenas as de menos de 200 metros estavam abertas).

Museus e monumentos; escolas de direção; escritórios de inspeção de veículos; e acampamentos também serão reabertos.

Para a próxima fase, que será avaliada em 15 dias e começará em 1º de junho, está prevista a abertura de lojas, cinemas e salas de exibição com limitações de capacidade e a falta parcial de confinamento do teletrabalho.

G1

 

É ‘impensável’ restringir entrada de brasileiros, diz ministra da Saúde de Portugal

Pessoas caminham em Lisboa, no primeiro dia de relaxamento das medidas de isolamento social Foto: RAFAEL MARCHANTE / REUTERS

À frente do combate à pandemia em Portugal, a ministra da Saúde, Marta Temido, está preocupada com uma possível segunda onda da Covid-19. Com pouco mais de mil mortes desde a confirmação do primeiro caso, em 2 de março, e taxa de transmissão abaixo de 1 — quando cada infectado contamina mais uma pessoa —, o país inicia nesta segunda-feira o processo de afrouxamento do isolamento social.

Serão três etapas, até o dia 1º de junho. Temido não descarta a retomada do estado de emergência, se o número de casos voltar a subir. A ministra, que tem parentes no Brasil, diz que os brasileiros deveriam aprender com a experiência de outros países no combate ao coronavírus.

A que a senhora atribui o baixo número proporcional de mortos por Covid-19 em Portugal?

Penso que este resultado decorre de um conjunto de fatores. Portugal beneficiou-se de ter registrado o primeiro caso numa fase em que outros países europeus já lidavam com a situação. Também temos um sistema de saúde que tem um modelo de serviço nacional, que ajuda a dar uma resposta integral e mais abrangente. Toda a nossa população está coberta, independentemente de sua capacidade de pagar. Tivemos a sorte de poder contar com profissionais de saúde muito empenhados. E, em termos do apoio da população portuguesa e de todas as forças sociais e políticas, tem havido um grande alinhamento. É um momento de união para encontrar esse resultado mais positivo possível para todo o povo português.

De que forma a flexibilização do isolamento será feita?

A adesão da população portuguesa ao apelo por isolamento teve uma resposta muito positiva, mas, neste momento, eu tenho alguma preocupação que, com o cansaço acumulado do confinamento e da situação econômica, possa haver um menor cumprimento das regras de distanciamento. Tem que se ter sempre muita atenção, muito cuidado, insistir muito na mensagem de que o sucesso da luta contra a pandemia não depende só do governo, mas de cada um de nós. E cada um de nós tem que ter muita disciplina e muito rigor. Não dá para facilitar.

Mas como será o passo a passo? Existe a possibilidade de voltar atrás no afrouxamento?

Nós sabemos que, ao longo da pandemia, vamos ter que adaptar estratégias aos resultados epidemiológicos. As pessoas têm que estar preparadas para uma estratégia que pode ter avanços e recuos. Não podemos dizer que estamos livres que isso aconteça. Para isso, existem os vigilantes epidemiológicos, que nos permitem acompanhar a evolução do número de novos casos, a ocupação do sistema de saúde, a capacidade laboratorial. Nós temos uma vantagem em comparação com o Brasil: nós somos 10 milhões de habitantes. Nossa realidade é bastante mais simples, mais fácil de gerir.

O que vamos procurar fazer é ter boas práticas, regras específicas a partir de propostas dos vários setores – por exemplo, indústria e comércio – para o alívio de medidas em cada uma dessas áreas. Essas normas vão sendo discutidas até haver um consenso que esteja de acordo com as regras sanitárias. Quando entendemos que temos condições para aliviar um pouco, em função da evolução epidemiológica, então nós fazemos esse passo, mas temos que estar sempre atentos. Por isso vamos fazer esses alívios por medidas sucessivas de 15 em 15 dias. Temos um plano até o final de maio, mas vamos ter que ir acompanhando.

No Brasil, um dos grandes problemas é a falta de testes. Como Portugal tem lidado com isso?

A estratégia de testes que Portugal seguiu é aquela recomendada pela Organização Mundial da Saúde: tentar testar o mais possível. Além da aplicação de testes nos casos suspeitos e em seus contatos, procuramos testar as pessoas com risco especial de contrair a doença. Testamos profissionais de saúde e tivemos a mesma estratégia para estruturas residenciais de idosos e para profissionais de determinadas áreas, como guardas prisionais. Agora, vamos tentar fazer o mesmo para a reabertura dos jardins de infância. São todos locais onde vamos ter população especialmente vulnerável.

Mas nós sabemos que os testes são só uma fotografia daquilo que pode ser a infecção num determinado momento. Testagem é importante, mas não podemos esquecer que o teste é apenas um instrumento de diagnóstico. Não se pode sobrevalorizar o poder do teste. É muito importante que ele seja acompanhado por medidas de prevenção. Sem isto, não serve de nada.

Diante do crescimento do número de casos de Covid-19 no Brasil, o presidente americano Donald Trump chegou a falar em suspender voos vindos do Brasil para os EUA. A senhora acha que Portugal, que recebe tantos brasileiros, deve adotar medida semelhante?

Não. O Brasil é, para os portugueses, um país irmão. Mesmo no nosso pior cenário, sempre mantivemos voos regulares para o Brasil. Muitos portugueses têm família no Brasil. Eu própria tenho família no Brasil. Isso é impensável num contexto como aquele que nós temos em termos de relação entre os nossos países. Desejamos, sobretudo, que a situação no Brasil seja controlada o mais depressa possível, sabendo que é uma situação complicada. Desejamos a maior sorte ao povo do Brasil e aos que trabalham no SUS na luta contra esta pandemia, porque é possível vencê-la.

Como têm sido tratados os imigrantes no sistema de saúde português durante a pandemia? Os ilegais também têm direito a atendimento?

O que fizemos, durante este período, foi dizer que mesmo a população que está à espera de uma decisão quanto a sua legalização no país, neste momento tem acesso ao serviço nacional de saúde sem qualquer custo. É a melhor forma de proteger essas pessoas e também o país todo.

Na sua avaliação, qual é a perspectiva de volta à normalidade?

Até a doença ser erradicada, até encontrarmos uma cura ou vacina, não podemos imaginar o regresso à normalidade. Vamos ter que nos habituar a viver com doença, até para ir aumentando a imunidade de grupo, mas não dá para voltar à vida como ela era. Não sei se isso vai voltar a acontecer, tenho esperança que sim, claro. Mas, neste momento, é preciso continuar a realizar um conjunto de atividades que são essenciais para a vida de toda a comunidade. Não podemos deixar a economia parar. É preciso continuar a produzir pão, a recolher o lixo, os profissionais de saúde precisam continuar a trabalhar, mas tem que ser de uma forma diferente. É importante que todos entendam que o melhor que nós conseguimos fazer neste momento é regressar a uma normalidade diferente. Não há a normalidade de antigamente para voltar mais.

O Brasil está alguma semanas antes de Portugal na evolução da pandemia. Que conselho a senhora daria ao Brasil neste momento?

Para tentarem aprender com os erros dos outros e não os repetir, e tentar seguir as boas lições que alguns países também têm na forma como lutaram contra pandemia. Isto é um processo muito longo e desgastante. Aqui em Portugal, podemos estar numa fase à frente, mas podemos ter uma segunda onda e quem sabe mais. Portanto, isto não se vence com uma corrida curta. Não é um sprint, é uma maratona. Temos que ter noção de que é um processo longo e que exige muita resistência. Então, tem que se preparar psicologicamente para o embate, que é duro, mas é melhor estar preparado.

A melhor sugestão que eu poderia dar é estar sempre bastante atualizado em relação àquilo que vai aparecendo, à recomendação técnica da OMS, e tentar aplicar e adaptar para aquilo que é a maneira de ser de cada sistema de saúde e de cada população.

O Globo

 

Presidente do Santander de Portugal, Vieira Monteiro, morre vítima de Covid-19

O presidente conselho de administração do banco Santander em Portugal, António Vieira Monteiro, morreu vitima de Covid-19. A informação é do jornal português Expresso.

Vieira Monteiro já tinha um quadro de saúde debilitado, que foi agravado pelo coronavírus. O banqueiro teria contraído o vírus numa viagem à Itália.

Vieira Monteiro iria completar 74 anos no fim do mês e assumiu a presidência do conselho do Santander em 2019, após sete anos como presidente-executivo.

O Antagonista

Tsunami que devastou Portugal em 1755 chegou ao Brasil no Nordeste, conclui estudo

Sabia que o Brasil já foi vítima de um tsunami? Mas calma: não como Japão, em 2011, ou Indonésia, em 2006 e 2010. Segundo o estudo de doutorado do pesquisador Francisco Dourado, da Faculdade de Geologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), um tsunami que atingiu Portugal no século 18 também chegou ao nordeste brasileiro.

O evento ficou conhecido como Sismo de Lisboa, já que a capital portuguesa foi devastada pelo tsunami no dia 1º de novembro de 1755. Um grande terremoto desencadeou as ondas, atingindo também as costas atlânticas da África e da América. Até pouco tempo atrás, os impactos transatlânticos tinham sido descritos apenas em algumas ilhas caribenhas. Contudo, Dourado viu que as ondas chegaram ainda mais longe — ou perto, no caso do nosso país.

O grupo de pesquisadores da Uerj realizou um trabalho de campo, percorrendo 270 km ao longo de 22 praias do Nordeste para captar evidências da chegada do tsunami na costa brasileira. Na cidade de Pontinhas, na Paraíba, por exemplo, foi possível detectar uma camada peculiar de areia grossa que, ao ser analisada, apontou um evento de alta energia como responsável por sua deposição.

Com base em dados de modelagem histórica, sedimentológica e numérica apresentados, os cientistas encontraram uma associação altamente provável e compatível ao tsunami de 1755, demonstrando pela primeira vez as evidências desse fenômeno no Atlântico Sul.

A equipe liderada por Dourado encontrou evidências do evento até quatro quilômetros do litoral nordestino, principalmente em locais com rios e nas proximidades da Ilha de Itamaracá, em Pernambuco.

O pesquisador conta que há registros de que as ondas que chegaram ao nosso país mataram um casal, mas isso não foi investigado neste estudo. O que o pesquisador concluiu é que o tsunami não causou muitos danos por aqui.

Segundo Dourado, no ano do fenômeno, o governador da Paraíba enviou uma carta ao Rei de Portugal informando que “uma grande onda” também havia inundado o litoral do estado. “Mas não houve muitos estragos porque o Brasil ainda não era tão populoso”, explica o especialista à GALILEU.

Galileu

Amigo de Jorge Jesus, técnico do Flamengo, é primeira vítima fatal do coronavírus em Portugal

Foto: Reprodução jornal “A BOLA”

Portugal tem seu primeiro caso de vítima fatal por conta do coronavírus. E trata-se justamente do amigo citado por Jorge Jesus em entrevista à FlaTV após a vitória por 2 a 1 do Flamengo sobre a Portuguesa, no último sábado, pela terceira rodada da Taça Rio. A informação é do jornal português “A Bola”.

Em sua edição online, a publicação informa que Mário Veríssimo faleceu nesta segunda-feira como consequência da Covid-19. A vítima foi massagista do Estrela da Amadora e trabalhou com Jorge Jesus por anos ao longo da carreira.

O primeiro caso de morte por coronavírus em Portugal foi confirmado em entrevista coletiva da Ministra da Saúde, Marta Temido. Mário Veríssimo fazia parte do grupo de risco, com mais de 80 anos, e estava internado no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

No sábado, Jorge Jesus confundiu-se ao dizer que tinha perdido um amigo por conta do coronavírus em entrevista emocionada ao canal oficial do Flamengo (confira no vídeo acima). Horas depois, o treinador publicou uma nota de esclarecimento e pediu orações para Mário.

Na ocasião,, o Mister já tinha deixado claro ser contrário aos jogos de futebol enquanto a pandemia afeta todo o mundo. Nesta segunda, a Ferj divulgou a paralisação do Campeonato Estadual:

– Isso não é uma brincadeira. Eu não tinha a sensibilidade do que era isso. Hoje estou percebendo. É preciso pensar aqui no Brasil que não é só nos outros países. É um vírus que aparece facilmente em todo lado. Isso mexeu com a equipe sentimentalmente. O fato de hoje não estar a torcida também mexeu. Acho que isso vai ter que parar. A próxima rodada, eu penso, que não pode haver jogos do Estadual. A gente tem que defender os jogadores, não são super-homens.

O departamento de futebol do Flamengo realizou exames para testar o coronavírus na última sexta-feira e ainda aguarda um resultado definitivo. Alguns dirigentes, como o presidente Rodolfo Landim, o diretor executivo, Bruno Spindel, e o vice de futebol, Marcos Braz, já receberam a notícia de que suas coletas deram negativo.

Globo Esporte

 

Novo coronavírus faz Portugal suspender Feira da Foda

Foto: Reprodução

O jornal português Público informa que o novo coronavírus provocou o cancelamento da Feira da Foda, tradicional evento do Alto Minho, no norte do país.

Não é nada disso que vocês estão pensando: “foda” é como chamam, naquela região, o cordeiro assado à moda de Monção.

Escreve o Público: “A feira tornou-se famosa pelo seu nome, e não faltam piadas a cada referência ao evento. O resumo oficial também ajuda, já que promete sempre ‘degustação da foda’”.

Neste ano, a feira ocorreria entre 20 e 22 de março. “Estamos convictos [de] que o cancelamento será a ação mais sensata e segura, face à situação que se vive em Portugal e no mundo”, disse a organização do evento em um comunicado.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tales disse:

    Acabar com a foda é demais kkk

Brasileiro é encontrado morto em área de vegetação em Portugal com rosto desfigurado e sinais de agressão

Foto: CMTV/Reprodução/ Arquivo pessoal

Um brasileiro de 45 anos, morador de Jaú (SP), foi encontrado morto em uma área de vegetação às margens de uma rodovia em Porto, em Portugal. A família informou ao G1 que o parente chegou no país europeu na quarta-feira (4) e iria fazer um curso de vendas no país.

Renê Martins Oura pretendia começar a trabalhar e melhorar de vida na cidade do Porto. De acordo com a família, quando ele chegou em Portugal, entrou em contato com a esposa e mandou fotos do lugar. Mais tarde, ele saiu para ir ao mercado e não falou mais com a família.

Parentes registraram um boletim de ocorrência no Brasil e divulgaram fotos de Renê nas redes sociais na tentativa de receber informações de seu paradeiro.

Após fazer as postagens, a esposa viu uma reportagem da imprensa portuguesa informando que um brasileiro havia sido encontrado morto na região do bairro de Francos, em Porto, no sábado (7). A família, então, entrou em contato com a polícia portuguesa e confirmou que o corpo era de Renê.

De acordo com a família, a polícia de Portugal informou que o corpo tinha sido encontrado em uma área de vegetação da cidade e não tinha marcas de arma de fogo ou ferimentos de faca.

Mas de acordo com uma TV portuguesa, o corpo estava com o rosto desfigurado e tinha sinais de agressão, por isso a polícia foi acionada e investiga o caso.

Nas redes sociais, a família agradeceu pelos compartilhamentos e solidariedade. A esposa do brasileiro informou que a autópsia seria realizada nesta segunda-feira (9) e a polícia segue investigando o caso para tentar entender o que aconteceu.

Segundo a família, ainda não há previsão para que o corpo seja transportado para o Brasil. O G1 entrou em contato com a Embaixada Brasileira em Portugal, mas não obteve retorno até a publicação.

G1 Bauru e Marília

Portugal desmantela organização que facilitava entrada de imigrantes

Foto: Ilustrativa

A polícia judiciária portuguesa prendeu suspeitos de corrupção na legalização de imigrantes. Segundo a polícia, milhares de imigrantes ilegais entraram em Portugal com a ajuda de servidores de órgãos portugueses que trabalham na área de tributos, no serviço de acolhimento a estrangeiros e no Instituto de Segurança Social.

A polícia, por meio da Unidade Nacional Contra-Terrorismo (UNCT), realizou dezenas de buscas em residências e “deteve dezenas de pessoas suspeitas de integrarem esta estrutura criminosa, constituída por indivíduos com vastos antecedentes criminais e com ligações a redes internacionais que determinam e controlam os fluxos migratórios irregulares com origem em diversos países da Ásia Meridional e África”, revela a polícia em comunicado.

“Os detidos, com idades compreendidas entre os 28 e os 64 anos, são suspeitos da prática dos crimes de associação criminosa, auxílio à imigração ilegal, de casamento por conveniência, de falsificação de documentos, de abuso de poder, de corrupção ativa e passiva, de branqueamento, de falsidade informática e acesso indevido, atividade criminosa que permitiu obter elevados proventos financeiros”, afirmou a Polícia Judiciária.

Os detidos serão apresentados nesta quarta-feira (16) ao Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para primeiro interrogatório judicial.

Agência Brasil

Medina é único de trio brasileiro que pode ser tricampeão do Mundial de Surfe já em Portugal; potiguar Ítalo Ferreira na briga

Foto: Sean Evans/ISA

A duas etapas do término da temporada, a briga pelo título mundial e pelas duas vagas do Brasil para a Olimpíada de Tóquio pegou fogo com o vice-campeonato Ítalo Ferreira na etapa da França. Gabriel Medina ainda lidera as duas corridas. E, com o nono lugar em Hossegor, o surfista de Maresias é o único com chances matemáticas de sair da próxima etapa, em Portugal, com a classificação para o Japão e o tricampeonato mundial assegurados por antecipação.

São oito surfistas que ainda têm chances matemáticas de título mundial em 2019, mas apenas cinco deles estão com a pontuação na casa dos 40.000 pontos.

Para o tricampeonato mundial de Medina vir já na próxima etapa, que começa na quarta-feira, ele tem que, no mínimo, chegar à final em Peniche. Se isso não acontecer, a disputa do título vai para a última etapa no Havaí, a partir do dia 8 de dezembro, em Pipeline.

Confira os cenários para Gabriel ser campeão mundial em Peniche:

Se Medina for campeão em Portugal:

– Jordy Smith (AFS) e Kolohe Andino (EUA) estão fora da briga
– Filipinho tem que ficar em 5º ou melhor para levar a decisão para o Havaí
– Ítalo tem que ficar em 2º para levar a decisão para o Havaí

Se Medina for vice em Portugal:

– Jordy e Kolohe têm que ficar em 3 º ou melhor para levar a decisão para o Havaí
– Filipinho tem que ficar em 9º ou melhor para levar a decisão para o Havaí
– Ítalo tem que ficar em 3º ou melhor para levar a decisão para o Havaí

Se Medina ficar em 3º ou pior, a decisão do título vai para o Havaí

O japonês Kanoa Igarashi, o australiano Owen Wright e o francês Jeremy Flores, campeão na França, ainda têm chances matemáticas, mas precisam de uma combinação de resultados ruins dos 5 primeiros para conquistar o título mundial.

Os dois melhores surfistas de cada país, que terminarem no top-10, garantem vaga para os Jogos do Japão, em 2020.

Confira os 10 primeiros do ranking

1- Gabriel Medina (BRA) 48.015
2- Filipe Toledo (BRA) 45.730
3- Jordy Smith (AFS) 43.515
4- Ítalo Ferreira (BRA) 42.400
5- Kolohe Andino (EUA) 41.250
6- Kanoa Igarashi (JAP) 35.430
7-Owen Wright (AUS) 34.780
8- John John Florence (HAV) 33.220
9-Jeremy Flores (FRA) 31.450
10- Julian Wilson (AUS) 29.525

Globo Esporte

 

O CLIMA E UM DRAMA MUNDIAL: Portugal prorroga período crítico de incêndios em florestas; mais de 41.006 hectares destruídos

FOTO: REUTERS / Bruno Kelly

O governo de Portugal decidiu prolongar até 10 de outubro o período crítico de incêndios no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta, que terminaria nesta segunda-feira (30).

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera – Ipma – de Portugal prevê que, nos primeiros dez dias, as temperaturas se mantenham com valores elevados acima da média padrão para a época, uma baixa probabilidade de ocorrência de precipitação, com tendência de tempo seco e quente em todo o país.

“Face às condições descritas, considera-se necessário adotar medidas e ações especiais de prevenção de incêndios florestais, que decorrem durante o período crítico, no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios”, informou nota oficial.

Durante o período crítico de incêndios, nos espaços florestais ou agrícolas, é proibido fumar; fazer fogueiras; queimadas; lançar foguetes e balões; desinfestar apiários; e fazer circular tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor de incêndio.

Portugal registra 10.289 incêndios rurais

Até ao último dia 27, segundo o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, houve 10.289 incêndios rurais, que queimaram 41.006 hectares.

A partir de 10 de outubro, o nível de empenho operacional passa a reforçado de nível III. De 16 de outubro até ao fim do mês, o nível passa a reforçado de nível II. Portugal esteve coberto pelo nível de empenhamento operacional reforçado de nível IV desde julho.

Dados do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas mostram que, até 27 de setembro, houve 10.298 incêndios rurais, que queimaram 41.006 hectares – 51% de povoamentos florestais, 38% de mato e 11% de agricultura.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arthur disse:

    Eu acho que é o mesmo cara de bicicleta que Bolsonaro disse que tá tocando fogo na Amazônia.

  2. toni disse:

    E FOI MESMO O BOLSONARO MANDOU TACAR FOGO LA EM PORTUGAL ELE DISSE E SE PEGA FOGO AQUI TEM QUE PEGAR LA ORA POIS POIS!!!!!!!!

  3. Luís disse:

    Matéria chapa branca!!

  4. SINCERO disse:

    será q por lá tbm irão dizer q a culpa é de Bolsonaro?

    • Maria disse:

      A culpa dele aqui é no sentido de desmontar o IBAMA, tirou 21 dos 27 chefes, as multas diminuíram e ele disse publicamente que ia acabar com as multas, acabou com o Funda da Amazônia, em fim, disso tudo já se sabe e o pior encorajou os criminosos a desnatarem mais ainda, são palavras das autoridades de lá.

  5. Manoel disse:

    Só pode ser culpa de Bolsonaro!

MBA em Portugal quer atrair mais brasileiros e oferece bolsas de estudo

Lisboa: MBA é fruto de parceria entre duas escolas de negócios de Portugal (Alexander Spatari/Getty Images)

The MBA Lisbon tem inscrições de bolsas de estudo abertas: há oportunidades exclusivas para mulheres e também para profissionais que trabalham no terceiro setor.

O MBA é fruto de uma parceria entre duas escolas de negócios de Portugal a Católica Lisbon School of Business and Economics e a Nova SBE e oferece dois tipos de curso: International MBA e Executive MBA.

Considerado como o melhor MBA do mundo na categoria “experiência em curso internacional”, pelo segundo ano consecutivo, e o primeiro na Europa no quesito “progresso de carreira” do ranking global de MBA do Financial Times, o The Lisbon MBA está entre os 23 melhores programas europeus . É também o único da Europa a oferecer um programa de imersão na escola estadunidense MIT Sloan of Management.

A bolsa de estudos Women in Business Award é voltada para mulheres líderes e empreendedoras e pode reduzir até 50% do preço do curso. O valor do auxílio vai ser definido de acordo com a trajetória da candidata e sua progressão de carreira.

Já as bolsas Social Impact Award são para profissionais do terceiro setor que comprovem ao menos dois anos de experiência em ONGS ou em atividade pro bono. Também podem fazer o preço cair pela metade.

As candidaturas às bolsas são feitas durante o processo de inscrição para o processo seletivo do MBA. Os documentos e requisitos e mais detalhes estão no site do The Lisbon MBA.

Exame

 

Número de brasileiros barrados em Portugal mais que dobrou em 2018

Passaporte brasileiro Foto: Reprodução

Destino preferido dos imigrantes nos últimos anos, Portugal nunca barrou tantos brasileiros quanto em 2018. Foram mandadas de volta para o Brasil 2.856 pessoas, um recorde. O número é mais que o dobro dos barrados em 2017 (1.336). Em 2016, quando a nova onda de imigração começava a ganhar contornos gigantescos, 968 foram barrados nos aeroportos.

Ao todo, em 2018, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) impediu a entrada de 3.758 imigrantes. Destes, 76% eram brasileiros. São pessoas que se apresentam no balcão da imigração nos aeroportos sem vistos de entrada adequados e sem apresentar motivo válido para entrada ou conseguir comprovar que é, de fato, turista.

O caso mais comum nesta nova onda de imigração tem sido o brasileiro se apresentar como turista. Para esta condição, a permanência é de 90 dias, prorrogáveis por mais 90 e sem a necessidade de visto (prorrogação de permanência temporária). Neste tempo, o “turista” pode procurar trabalho e obter uma promessa de contrato, o que daria a ele o direito de um visto de trabalho. Mas a promessa pode não se concretizar e há casos de pessoas que permanecem ilegais no país após os 180 dias totais.

Os números foram divulgados na manchete desta terça-feira dos Jornal de Notícias, diário do Porto. Na reportagem, é informado que os brasileiros têm sido mantidos em centros de instalações temporárias. Apesar das denúncias e reclamações da Casa do Brasil, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) diz que segue o que determina nestes casos a legislação europeia. O reenvio dos barrados para o estado de origem fica a cargo das companhias aéreas.

Depois de seis anos em queda, a população brasileira residente em Portugal voltou a crescer em 2017. Naquele ano, o número de brasileiros no país aumentou 5,1% em relação a 2016, passando de 81.251 para 85.426. Este número representa 20,3% do total de 421.711 imigrantes em Portugal. O Brasil é a maior colônia.

Este ano, o SEF já admitiu que houve aumento significativo de brasileiros em Portugal. Os dados anuais ainda serão divulgados no segundo semestre, mas é estimado que a população oficial residente se aproxime dos 100 mil, o que seria um recorde histórico.

A demanda obrigou o Consulado Geral de Portugal em São Paulo a abrir um centro de solicitação de vistos , um posto administrado por empresa particular para desafogar a demanda por serviços consulares. Em outubro de 2018, o consulado chegou a interromper os pedidos de cidadania por não dar conta da quantidade de solicitações. Os consulados do Brasil em Faro, Lisboa e Porto estão sempre cheios .

Em relação aos refugiados, que também são encaminhados aos centros de instalações temporárias, o relatório anual The Asylum Information Database (AIDA), gerido pelo European Council on Refugees and Exiles (ECRE), revela que “cidadãos que entraram em Portugal vindos do Brasil representam mais de 83% dos imigrantes sul-americanos e mais de 1/3 da população estrangeira que ficou retida, em 2016, nos centros de instalação temporária ou espaços equiparados”. Recentemente, o jornal Público informou que 74 crianças ficaram retidas na fronteira e foram enviadas aos centros, o que contraria as regras da ONU.

O Globo

 

Acidente provoca a morte de 28 turistas alemães em Portugal

Vinte e oito pessoas morreram nessa quarta-feira (17) em um acidente com um ônibus turístico em Santa Cruz, na Ilha da Madeira, em Portugal. O veículo saiu da estrada e tombou sobre uma casa.

De acordo com o prefeito de Santa Cruz, Filipe Souza, 11 homens e 17 mulheres morreram no acidente. Todas os 28 mortos são turistas de nacionalidade alemã que estavam no ônibus. O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha já confirmou que há cidadãos do país entre os mortos. Mais 27 pessoas ficaram feridas.

De acordo com o Jornal de Notícias, o acidente ocorreu por volta das 18h30 (horário local, 14h30 em Brasília). O veículo, que transportava 56 pessoas, havia deixado um hotel na cidade de Caniço, no leste da Ilha da Madeira, com destino a Funchal, a capital da região autônoma portuguesa, quando se acidentou.

Ainda de acordo com o jornal, o motorista e o guia turístico, ambos de nacionalidade portuguesa, sobreviveram ao acidente. Os feridos foram levados para um hospital em Funchal.

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, chegou a pensar em viajar até a ilha para acompanhar o resgate, mas mudou de ideia. Segundo ele, com o adiamento da viagem, a aeronave da Força Aérea que seria usada em seu deslocamento será disponibilizada para o transporte de feridos.

“Irei, mas não irei imediatamente, porque há essa prioridade”, disse o presidente.

O primeiro-ministro de Portugal, o socialista António Costa, falou com a chanceler alemã, Angela Merkel, para expressar seus pêsames pela morte dos compatriotas.

“Já tive oportunidade de transmitir meus pêsames à chanceler Angela Merkel nesta hora difícil”, escreveu Costa em sua conta do Twitter, onde também enviou apoio aos madeirenses por um dos piores acidentes da história do arquipélago.

Agência Brasil, com informações da Deutsche Welle (agência pública da Alemanha)

 

Portugal passa a punir empresas por diferença salarial entre homens e mulheres

Foto: Hypeness

Nós comemoramos quando a Islândia criou uma lei que multa empresas que pagam menos para mulheres. Agora, Portugal se inspira na iniciativa e também passa a punir a diferença salarial em seu território.

A lei que obriga as empresas a pagarem a mesma quantia a funcionários que desempenharem as mesmas funções, independente do seu gênero, entrou em vigor na última quinta-feira, 21. Um projeto em andamento no país prevê ainda que sejam estudadas outras medidas de promoção de igualdade de gênero implementadas pela Islândia.

Só pensando na quantidade de empresas que vão levar multa…

De acordo com a nova legislação portuguesa, os empregadores terão que provar que os salários de homens e mulheres são equiparados. A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) poderá realizar ações de inspeção para verificar que essas medidas estão sendo cumpridas. As empresas que violem essas condições serão multadas.

A partir de agosto deste ano, uma segunda fase da iniciativa permitirá que trabalhadoras que desconfiem ser vítimas de diferença salarial possam solicitar um parecer à Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego.

Será que finalmente vai sobrar dinheiro no fim do mês!

Um estudo realizado em Portugal aponta que as mulheres ganham em média 18,3% a menos do que os homens, o que representa uma diferença de 225 euros mensais no orçamento feminino. No Brasil, elas ainda ganham menos do que seus colegas do sexo masculino em todos os cargos – no final do mês, funcionários homens levam em média R$ 489 a mais para casa, segundo uma pesquisa de 2017.

R7, via Hypeness

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    O Estado português se intrometendo onde não deve. A decisão de quem contratar e quanto pagar a seus empregados cabe à empresa, é uma decisão gerencial motivada pelos interesses e pela cultura da empresa, assim como pelas condições de mercado. Se a empresa imagina que alguém será mais produtivo numa função, cabe a ela decidir pagá-lo melhor. Por outro lado, alguém poderá se sujeitar, livremente, a piores condições de trabalho (incluindo o salário) a depender da sua necessidade e das condições do mercado de trabalho. Essa igualdade forçada por lei só deveria ser exigível em caso de emprego público. Deixem a iniciativa privada em paz. Sabe o que deverá ocorrer em Portugal? As empresas talvez evitem contratar mulheres. Será que esses "seres iluminados", que costumam se basear em conceitos artificiais de igualdade (ideais "socialistas") já pensaram nisso?

  2. Bruno Lira disse:

    Meu Deus! Se eu acreditasse em reencarnação, queria renascer mulher. Se hoje elas estão empoderadas e cheias de direitos (mas com poucas obrigações, pois essas continuam cabendo ao homem) imaginem daqui a 200 anos… Os gastos com o carro, as saídas e o pagamento do motel continuam com os homens… Dentre outras coisas a mais. Daqui a pouco vem uma empoderada me chamar de machista. Vá se lascar.

Manifestante tenta atingir Jean Wyllys com ovo durante evento em Portugal

Segurança impede que ovos cheguem a palco com Jean Wyllys, durante evento em Portugal (Twitter/Reprodução)

Dois homens tentaram atrapalhar, nessa terça-feira 26, uma conferência do ex-deputado federal do PSOL Jean Wyllys, em Coimbra, em Portugal. Wyllys deixou o Brasil em janeiro após receber ameaças de morte.

Um deles chegou a arremessar um ovo – que não atingiu o brasileiro – antes de ser imobilizado pelos seguranças e expulso do auditório junto a outro homem que também carregava ovos, segundo a imprensa local.

“Nunca tive medo dos covardes”, declarou o ex-deputado logo após o incidente. Em seguida, pediu aplausos para os seguranças.

Jean Wyllys esteve nesta terça-feira na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, onde foi recebido por duas manifestações simultâneas.

Centenas de estudantes organizaram um protesto antifascista pedindo tolerância, liberdade, democracia e direitos humanos. Do outro lado, dezenas de pessoas participaram de uma manifestação convocada pelo ultradireitista Partido Nacional Renovador contra a conferência do ex-deputado.

Durante a conferência, Jean Wyllys abordou temas como discursos de ódio e fake news. Na quarta-feira o brasileiro estará em Lisboa para falar sobre as razões pelas quais se exilou.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio Mariano disse:

    É incrível como essa “esquerda” nojenta gosta de inverter os fatos. Esse cara cospe no rosto do então Deputado Federal, hoje nosso Presidente Jair Messias Bolsonaro e vai fazer conferência para falar de ódio. Ele saiu do Brasil por outros motivos e tem que ser investigado. A crise na Venezuela não é culpa do Hugo Chaves nem do Ditador Nicolas Maduro e sim do Donald Trump, diz a presidente do PT. Idiotas.

  2. Carlos de Morais disse:

    Confesso eu estava enganado ,pensei que só o Brasil fosse Nação imbecis,patria de adoradores de lixo,mas Portugal consegue nos suplantar não é atoa que aquele País e tido como quintal da Europa,parar uma universidade para ouvir conferência de um lixo hospitalar do tipo do ex bbb é ser idiota e imbecil por opção.

  3. Tarcísio Eimar disse:

    Tanta gente passando forme e o cara gasta um ovo mirando nesse ser. Isso não vale nem um ovo de cordorna.

  4. Antônio disse:

    É melhor o governo de Portugal expulsar esse troço de lá antes que ele acabe com a educação do país

  5. José disse:

    Conferência??????…..Um Tremendo Idiota desse,fazer Conferência…..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  6. LULADRÃO disse:

    Só lamento pelo ovo perdido em um mundo que passa fome. Esse ex BBB já foi longe demais. Fico me indagando o por que desse elemento não ter ido morar na Venezuela, Bolívia, Cuba ou Nicarágua? A bestinha foi para a Alemanha. Espero que tenha sido realmente a nossa vingança pelos 7×1 do futebol. Ninguém merece ter uma coisa dessa em um país.

    • Zé Carlos disse:

      Amigos o negócio que da projeção e visibilidade e as vezes até lucro nesse país e que tem apoio da justiça brasileira até porque tem muitos que milita na causa mas ficam no armário é o cara ser gay faça qualquer critica ou comentário que eles se acham ofendido que vc é taxado de homofobico va com essa turma pra vc ver o mundo desabar na sua cabeça, todo cuidado é pouco, depois do carnaval vamos ver quantos casos vão aparecer na imprensa.