Educação

Advogado potiguar doa R$ 10 mil para estudante que vende sanduíches para pagar custas do curso de mestrado em Portugal

Foto: Reprodução

Um advogado potiguar que trabalha e reside em São Paulo após ver a publicação no Blog do BG de uma jovem que vende sanduíches para financiar seu curso de mestrado em Coimbra, em Portugal, fez uma doação na tarde desta terça-feira(15) de R$ 10 mil(dez mil reais).

O advogado não autorizou a divulgação de seu nome. Prefere manter o anonimato. De qualquer forma, fica o registro de uma boa ação para uma excelente causa.

VEJA MAIS : Jovem potiguar vende lanches para alcançar sonho de estudar mestrado em Portugal

Opinião dos leitores

  1. Parem de vincular TUDO que acontece nesse mundo a política, pelo amor de Deus. Hoje em dia, tudo que fazemos o pessoal e falando que é da esq ou dir… Acordem meu povo, vamos nos unir e tentar fazer um Brasil melhor e diferente. Parabens a atitude do cidadão, esse sim merece todo reconhecimento!

    1. O cara doa 10 mil para um estudante e já é taxado de comunista, não sabe nem quem é a pessoa, por isso que chamo esses Bolsominions todos de idiotas.

  2. Deus te dê em dobro, boas ações e caridade é o bom convívio dos eleitos do Senhor. Parabéns e parabéns ao blog por ter a iniciativa de ajudar a pessoa que tanto precisou, precisamos de boas novas nesse momento tão nebuloso! É um respiro e um refrigério em nossos corações, maravilha!

  3. Quando a boa ação é anônima, motivada única e tão somente pelo desejo de fazer o bem, é a mais pura demonstração de benevolência. Parabéns pela atitude. Fica aqui o meu reconhecimento.
    Agradecimento ao BG por divulgar e tornar isso possível.
    Precisamos de mais pessoas do bem!

    1. Parabéns pelo comentário! Também só acredito nisso: anonimato nas boas causas, filantropia e doações sem a presença de verbas públicas direta ou indiretamente. O resto é bobagem, conversa fiada e formação de “boa imagem para camuflar interesses inconfessáveis”.

    2. Não tem jeito,, vc pode e deve escrever o que tiver vontade, vivemos numa democracia, agora, não se intitule com o que vc não é, a população agradece.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Jovem potiguar vende lanches para alcançar sonho de estudar mestrado em Portugal

Foto: Iara Nóbrega/Inter TV Cabugi

Reportagem do portal G1-RN nesta terça-feira(15) traz uma bela história de força de vontade. Como personagem, a potiguar Clévina Holanda Dantas, 23 anos, aprovada para fazer um curso de mestrado pelo Instituto Politécnico de Coimbra, Portugal, que teve a ideia de vender sanduíches para custear a viagem e os estudos, ao longo de 2 anos. “Troco sanduíches para realizar um sonho. Estamos há 2.230 sanduíches de distância”

Pensando nisso, criou uma página nas redes sociais, onde as pessoas podem ajudá-la ‘trocando’ um sanduiche por um sonho. nNa página, ela faz um apelo: ” Tenho uma grande oportunidade e quero muito vivê-la! Mas para isso, preciso de sua ajudinha”, escreveu Clévina na descrição do post.

A estudante calculou que precisava vender um total de 2.230 sanduíches para custear o mestrado. E na página mantém atualizada a quantidade de sanduíches que faltam para alcançar seu sonho.

A campanha começou no dia 10 de junho e a estudante tem vendido cerca de 35 sanduíches por noite. Clévina conta que tem ajuda da mãe e do noivo para produzir os sanduíches “Sem eles eu jamais conseguiria, eu os amo muito e sou muito agradecida” relatou.

Leia matéria na íntegra AQUI.

 

Opinião dos leitores

  1. Direita Honesta e Paulo: eu comento o que eu quiser seus bovinos! Se vcs idolatram político como o MINTO das rachadinhas não quer dizer q eu seja lulista seus goiabas! Vão comer capim cloroquinado para não perder o hábito…

    1. Direita rachadinha: vá comer seu capim cloroquinado para não perder o hábito talkei!

    2. O que foi Direitinha? O que foi que o malvado do Mané escreveu que te deixou chateado? Fica tristinho não. Ele falou mal do seu Mito? Tadinho. Não liga não. Faz uma sessão de ozonioterarapia que passa. O bichinho…😞

  2. Grande jovem, com futuro brilhante pela frente, trabalho, estudo, família, humildade, atributos valiosos que estão em falta hoje em dia na juventude, que quer lacrar, não quer estudar, ainda mais trabalhar ! Querem mesmo é moleza, vitimismo, ideologia de gênero ou de raça, ficar na frente de celular ou de alguma outra tela, e reclamar da vida e do mundo ! E ainda ser bem pago por isso ! Parabéns a Clévina !!!

    1. Concordo! Precisamos de gente trabalhadora e não os que ficam mamando nos cofres públicos e enriquece a família com rachadinha de gabinete e desvios de obras públicas como o presidente MINTO das rachadinhas e o Lulaladrão!

    2. Esse Manoel F parece ser eleitor de Renan Calheiros…
      Esquerdista é bicho cara de pau .
      A turma da rachadona do petrolao.
      Bilhões e bilhões desviados da Petrobras.
      Querem voltar.
      Estudar é bom.
      A turma do PT passa anos e anos nas universidades sem nunca concluir os cursos. .

    3. Deixa de ser ridículo. Aprende ao menos a respeitar o esforço alheio. Tuas baboseiras não cabem por aqui. Te controla, babaca.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Portugal bate recorde de vacinação e vira principal destino turístico europeu

Foto: Gian Amato

Com recorde de vacinação no fim de semana e pandemia de Covid-19 controlada, Portugal é neste momento o principal destino turístico seguro da Europa. E a semana começa com um marco para a combalida economia do setor: a partir de hoje, os britânicos, principais visitantes no verão, estão liberados a passar férias no país sem precisar fazer quarentena na volta, o que complica o planejamento das viagens. Ainda é preciso apresentar teste negativo para Covid-19.

Somente para esta segunda-feira foram confirmadas as chegadas de 17 voos com 5,5 mil turistas do Reino Unido ao Algarve, região famosa pelas praias exuberantes. Ao ser incluído na lista verde elaborada pelos governos britânico e escocês, Portugal sai na frente de outros países que têm no turismo uma atividade crucial para a retomada da economia e são concorrentes de Portugal, como Espanha, Grécia e Itália, por exemplo. E entre os 12 destinos da lista, sete ainda não permitem turistas.

Portugal não estende a toalha nas praias apenas para os ingleses, que já chegaram a dois milhões de visitantes em 2019. A partir de hoje, qualquer viajante a turismo da União Europeia ou da zona de livre circulação do continente (Espaço Schengen) pode entrar, desde que apresente teste negativo e venha de um país com taxa de incidência de infecção por Sars-CoV-2 abaixo dos 500 casos por 100 mil habitantes nas últimas duas semanas.

A retomada do turismo acontece no momento em que Portugal bate o recorde de vacinação em 24 horas ao aplicar 129 mil doses no sábado, acima da meta de 100 mil por dia. Mais de 13% da população recebeu as duas doses (1,3 milhão de pessoas) e 31% tomaram uma dose (3,1 milhões) Não houve nenhuma morte por coronavírus na última sexta-feira, fato que tem se repetido em alguns dias.

Assim, a perspectiva é que o verão de 2021 seja melhor que o do último ano, quando apenas o turismo interno movimentou um pouco o setor. As reservas de quartos de hotéis e aluguéis de imóveis por temporada aumentaram e, em algumas cidades, já ultrapassam os 60%.

As principais companhias aéreas comunicaram que a procura por voos disparou e duas delas aumentaram sua capacidade de passageiros em mais de 300 mil lugares.

Em relação ao Brasil, apenas os voos considerados essenciais são permitidos e as viagens a turismo seguem vetadas.

No último ano de referência, 2019, Portugal recebeu, ao todo, 16 milhões de turistas estrangeiros, número que despencou para quatro milhões em 2020 (cerca de 400 mil britânicos).

Os prejuízos financeiros do turismo são enormes e a recuperação total, com a volta ao normal, só deve ocorrer em 2023. Somente no primeiro trimestre deste ano a quebra chegou a 80% em relação a 2020. Isto significa que o país recebeu 790 mil hóspedes, informa o Instituto Nacional de Estatística (INE). O governo prepara um plano de apoio ao setor.

Blog Portugal Giro – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Portugal tem um pouco mais de 10 milhões de habitantes. Um milhão a mais q a população de Pernambuco.

  2. VACINA?
    E esses portuga não conhecem a cloroquina não?
    Affffffff, que desperdício…poderiam estar todos curados e é bem mais barata…

  3. Espera aí pessoal…tem alguma coisa errada…
    É a esquerda quem comanda Portugal…
    Que coisa, né?

  4. É isso que acontece quando o país é bem geridos na Pandemia, quando acredita na ciência, distanciamento social e uso de máscaras e vacinas! Já no Brasil…

    1. Parabéns oportunista……Bem a cara de um esquerdista mesmo!

    2. Vc esta vendo agora ! Mas veja alguns meses atrás como estava. Além do que o percentual de vacinação é muito próxima a do Brasil, mas veja o tamanho da população

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Portugal tem plano ambicioso para retomar turismo a tempo do verão; tráfego livre com o Brasil pode depender apenas da “política de recepção”

Público no show em Braga que serviu de teste para a retomada de grandes eventos | Carlos Costa/AFP

O barulho das rodas das malas nas calçadas de pedra portuguesa denunciam: os turistas europeus começam a voltar a Portugal. Mesmo discreta, a movimentação nas grandes cidades é um sinal, ainda tímido, do início da retomada econômica da atividade, para a qual ainda não há data para liberação dos brasileiros. A pouco mais de um mês do verão, o governo do país anuncia o lançamento de um plano de recuperação a tempo de impulsionar a estação capaz de reaquecer o setor.

-O governo está a trabalhar em uma coisa mais ambiciosa, dirigida especialmente ao turismo, que corresponde a um plano onde vamos tentar identificar pontos de financiamento provenientes de várias origens. No final da semana, ou na próxima, vamos apresentar – anunciou Pedro Siza Vieira, ministro da Economia e Transição Digital, em entrevista a correspondentes em Portugal.

A data do anúncio detalhado não é aleatória: a partir do dia 17, os britânicos estarão autorizados a viajar para o exterior e voltar ao Reino Unido sem fazer quarentena. Portugal é o único destino da União Europeia (UE) até este momento a ser incluído na lista verde britânica, um marco da reativação, como celebrou a Secretaria de Turismo. Não é para menos: o Reino Unido é mercado responsável por 19% das pernoites no país e gera, em média, € 3 bilhões de receitas por temporada.

Quanto ao mercado brasileiro, somente a mudança na política de recepção aos turistas de países com elevada incidência de casos de Covid-19 poderia liberar voos de turismo em breve. O Turismo de Portugal já havia defendido a proposta de abertura com base no “risco de contágio por pessoa” e não no risco país. Assim, pessoas vacinadas ou imunes poderiam viajar. Esta é uma das bases da proposta de um certificado verde digital enviada à UE pela presidência portuguesa do Conselho Europeu. Esta semana começam os testes do “passaporte da vacina” dentro dos 27 países da UE.

Uma parte do investimento na retomada do turismo virá do resgate previsto no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) aprovado pela UE. O montante a que Portugal tem direito ultrapassa os € 16 bilhões. Mas, como Siza esclareceu, não será a única fonte do projeto de retomada.

-Há vários instrumentos financeiros para a economia nos próximos tempos. É costume prestar atenção em uma parte, que está no PRR. Mas, como se sabe, o Turismo de Portugal tem recursos que decorrem das receitas das contrapartidas do jogo, que reinveste no setor turístico todos os anos. Temos, ainda, os fundos europeus estruturais de investimento Portugal 2020. Contamos apresentar um plano plurianual que buscará recursos a todos estes instrumentos e não só à bazuca (apelido do PRR) – disse o ministro.

Com a pandemia controlada, atraente aos ingleses e com as fronteiras terrestres abertas aos vizinhos espanhóis, o país irá direcionar o plano para a recuperação, capacitação e promoção das empresas do setor, massacradas pela crise. A quebra foi de 80% apenas no primeiro semestre deste ano.

-Estas empresas terão uma retomada mais lenta. E uma parte muito substancial destes apoios serão dirigidos para reestruturação das suas dívidas e reforço dos seus capitais próprios. Mas também faremos apoio à promoção externa, qualificação da oferta e investimento nos destinos turísticos que queremos diversificar – explicou Vieira.

Ao mesmo tempo em que fará promoção no mercado internacional, Portugal lançará uma campanha de incentivo ao consumo interno, com objetivo de ocupação de todo o território com atividades ligadas ao vinho e ao turismo rural. Campanha similar em 2020 teve € 50 milhões de orçamento.

O governo estuda a possibilidade de atrelar à campanha de promoção o projeto Ivaucher, que reembolsa o turista com o valor do imposto gasto na atividade para utilização em novas viagens nacionais.

Blog Portugal Giro – O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Portugal suspende estado de emergência por covid-19 a partir desta sexta-feira

Foto: © REUTERS/Rafael Marchante/direitos reservados

O estado de emergência decretado em Portugal no maior nível de alerta por causa do novo coronavírus termina sexta-feira (30), anunciou o presidente Marcelo Rebelo de Sousa, em meio a uma queda brusca do número de infecções e preparativos para afrouxar um rígido lockdown imposto há mais de três meses.

Declarado em meados de janeiro para combater o que era então a pior alta do planeta em número de infecções, o estado de emergência permite que o governo imponha medidas duras para suspender direitos e liberdades da população.

“Sem o estado de emergência, é necessário manter ou adotar todas as medidas essenciais para evitar retrocessos”, disse o presidente, em pronunciamento transmitido pelo rádio e a televisão nessa nesta terça-feira(27). “Se for necessário, eu não hesitarei em declarar novo estado de emergência”, acrescentou.

Portugal fará a transição para o estado de “calamidade”, que permite que o governo imponha algumas medidas para reduzir o risco de contágio, mas as regras que podem ser decretadas são mais limitadas e precisam ser justificadas.

Portugal, que tem mais de 10 milhões de habitantes, registrou um total de 16.970 mortes pela covid-19. O número total de casos da doença é de 834.991, 353 a mais do que notificado um dia antes.

Na última segunda-feira (26), o país não registrou nenhuma morte relacionada ao novo coronavírus pela primeira vez desde agosto.

Agência Brasil, com Reuters

Opinião dos leitores

  1. Infelizmente tomei a coronavac e estarei proibido de viajar pra Europa e os EUA. Eles estabeleceram a proibição de receber turistas que tomaram vacina chinesa, agora só vou pra China. kkkkKkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Portugal prolonga proibição de voos do Brasil e Reino Unido até 31 de março

Foto: Rafael Marchante/Reuters/Arquivo

Portugal estendeu nesta segunda-feira (15) a proibição de voos entre o país e o Brasil por mais duas semanas, até 31 de março. São apenas permitidos voos humanitários e de repatriamento, afirmou o Ministério da Administração Interna do país em comunicado.

Os voos entre Portugal e o Reino Unido também estão proibidos.

Os voos diretos comerciais ou privados de e para os países estão suspensos desde janeiro para evitar a propagação de novas variantes do coronavírus.

Os passageiros que voam indiretamente do Reino Unido ou do Brasil para Portugal têm de apresentar, 72 horas antes da partida, um teste negativo de Covid-19 e também fazer quarentena de duas semanas ao chegarem.

Portugal, que até agora reportou 814.257 casos de Covid-19 e 16.684 mortes, começou a aliviar as restrições depois do confinamento a nível nacional de dois meses na segunda-feira, após um surto de casos, em parte atribuído à rápida propagação da variante identificada pela primeira vez no Reino Unido, que incapacitou o sistema nacional de saúde no início deste ano.

G1

Opinião dos leitores

  1. Do jeito que a gente trata a pandemia essas proibições de voos durarão até o final do ano, na melhor das hipóteses!
    Isso se não criarmos outra variante ainda pior que a atual, o que não é difícil, dado a insistência da população em fazer atividades não essenciais e promoverem aglomerações!

  2. Vixe, achei que isolamento era só coisa do governo do estado. E agora? Não posso nem ir pra terrinha por culpa de Fátima, ops…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Portugal fala em “fazer história” usando Ivermectina contra Covid

Foto: Ilustrativa

Um medicamento utilizado no combate a parasitas e piolhos, a ivermectina, está sendo estudado como possível tratamento à Covid-19 em Portugal. O uso já é prescrito por diversos médicos portugueses mesmo que não exista comprovação científica da eficácia do fármaco.

A Ordem dos Médicos deve realizar pesquisas a pedido da Direção-Geral de Saúde que deseja “um parecer urgente” sobre os efeitos da ivermectina no tratamento dos pacientes contaminados pelo novo coronavírus. A entidade está animada com a possibilidade de administração do antiparasitário.

“Foi-nos solicitado um parecer logo que possível sobre a utilização da ivermectina, para avaliarmos a evidência clínica. Pedi urgência, embora vá demorar algum tempo, porque é preciso estudar tudo. Queremos dar um parecer cientificamente sustentado, porque podemos estar a fazer história”, afirma o presidente da entidade da classe médica, Miguel Guimarães.

O vermífugo parece ser a aposta da vez, a Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento que funciona como a Anvisa no Brasil, avalia os pedidos de uso do remédio. Assim como o Ministério da Saúde também vem acolhendo requerimentos para a inclusão da ivermectina no rol de tratamento contra a Covid.

Para Miguel Guimarães, o uso do medicamento não vai “contra as boas práticas médicas”. O médico também defende que “a utilização off-label está associada à experiência clínica, é da responsabilidade do médico e do doente e é feita com milhares de medicamentos”, garante.

Diário do Poder, com informações do portal Executive Digest

Opinião dos leitores

    1. Natal está uma maravilha no combate do Covid-19, baixas taxas de contágio, leitos ociosos e profissionais de saúde curtindo a vida.

    2. Natal não está uma maravilha, mas poderia estar muito pior. Não seja negacionista.

    3. Acho que Natal, a ilha de Ivermectina que BG tanto bradou na rádio, afundou…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mesmo com lockdown, Portugal registra recorde de mortes por covid em janeiro

Foto: Daryan Dornelles

Além do recorde de novos casos (42% do total de todos os registrados desde o começo da pandemia), janeiro em Portugal também ficou marcado pelas mortes.

O mês concentrou quase 45% de todos os mortos por Covid-19 no país. Foram 5.576 óbitos em 31 dias, contra 6.906 entre março e dezembro.

Esperança para o controle efetivo da Covid-19, a vacinação em Portugal, assim como em outros países europeus, tem enfrentado atrasos. Na mesma reunião de especialistas, o governo assumiu que a primeira fase de imunização prioritária, prevista para acabar em março, deve se prolongar até abril.

Segundo dados da DGS (Direção-Geral da Saúde), quase 400 mil portugueses já receberam ao menos uma dose da vacina.

Desde o começo da pandemia, Portugal acumula 770.502 casos e 14.557 mortes por Covid-19.

Número de casos apresenta queda

Após enfrentar um cenário de descontrole da pandemia em janeiro —com o país no topo do ranking mundial de novos casos e mortes por Covid-19 por milhão de habitantes—, Portugal apresenta agora uma queda acentuada nas infecções pelo coronavírus.

Com cerca de 10 milhões de habitantes, o país, que chegou a um recorde de 16.432 novas infecções em 28 daquele mês, somou 2.583 nesta terça-feira (9). A média semanal de infecções caiu mais de 50% em comparação ao fim de janeiro.

O resultado, no entanto, ainda é considerado frágil, e o confinamento deve durar até meados de março, sinalizou o governo, após reunião virtual com os principais especialistas do país no tema.

Com acréscimo de informações da Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Faz quase 01 ano que insistem no lockdown e todas as cidades que adotaram essa prática, tem índices altíssimos de mortes. Isso mostra que não é solução e não funciona. Vejam outro exemplo, a Argentina. Precisa ter "comprovação científica" para isso também?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Como Portugal foi à beira do colapso na segunda onda da covid

Fila de ambulâncias em um hospital de Lisboa ilustra as dificuldades vividas em Portugal. Foto: AFP

A atual situação de Portugal em decorrência do novo coronavírus é dramática.

O país europeu havia tido um relativo sucesso no combate à covid-19 durante a primeira onda da pandemia. Porém, os casos dispararam recentemente. Isso causou uma sobrecarga no sistema de saúde. Hospitais de campanha foram abertos e pacientes tiveram de ser transferidos a unidades de saúde em uma ilha portuguesa. Existe até um plano para enviar alguns doentes a outros países.

Nas últimas duas semanas de janeiro, Portugal registrou a taxa de infecção por covid-19 mais alta da União Europeia: 1.429,43 por 100 mil habitantes, segundo os dados do Centro Europeu para a Prevenção e controle de Enfermidades (ECDC, por suas siglas em inglês).

O país também tem a taxa de mortalidade mais elevada da União Europeia: 247,55 por milhão de habitantes.

Em janeiro, Portugal registrou os seus dados mais trágicos desde o início da pandemia: foram 5.576 mortos (44,6% do total registrado desde os primeiros casos) e 306.838 infectados (42,6% do total).

Dos primeiros casos registrados no início de 2020 até a última segunda-feira (01/02), Portugal já teve 12,7 mil mortos pelo novo coronavírus e 726,3 mil infectados.

As autoridades e especialistas em saúde atribuem o aumento de casos e mortes a dois fatores principais: a expansão da variante britânica do novo coronavírus, que é mais contagiosa, e um grande relaxamento do isolamento social durante as festas de fim de ano.

HOSPITAIS EM COLAPSO

Diversos pontos do país, de 10 milhões de habitantes, possuem hospitais em situação de calamidade. O cenário é particularmente dramático na região de Lisboa, que acumula a metade do total de infecções e mortes de Portugal.

Um exemplo da situação dramática são as imagens de filas de ambulâncias esperando durante horas que haja um novo leito para os pacientes com a covid nas unidades de saúde.

Na semana passada, três pessoas não conseguiram vagas em hospitais de campanha e tiveram de ser transferidos em um helicóptero à ilha da Madeira, em Portugal — o arquipélago está localizado a mais de 960 km da região de Lisboa, onde os pacientes estavam inicialmente.

O sistema de saúde pública de Portugal conta com 850 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) destinadas a pessoas com a covid-19. Há também 420 leitos para pacientes com outras doenças.

Com um total de 865 pacientes com a covid-19 recebendo cuidados intensivos e 6,8 mil em leitos clínicos, os hospitais portugueses estão sem leitos. Além disso, há também a escassez de médicos e enfermeiros.

Muitos profissionais de saúde portugueses foram para outros países europeus, principalmente o Reino Unido, onde existem salários melhores.

AS FESTAS DE FIM DE ANO, A “FADIGA PANDÊMICA” E A CEPA BRITÂNICA

Na primeira onda de casos, Portugal teve índices de covid-19 muito mais baixos que os países do seu entorno. Agora, o grande questionamento é: como o país chegou à situação atual?

Para especialistas em saúde pública há alguns fatores que explicam a atual situação. Entre eles há uma relação nas interações sociais durante as férias de fim de ano — período em que a movimentação era permitida em todo o território e não havia nenhum limite em relação às reuniões familiares — e a propagação da linhagem britânica do coronavírus.

“Em novembro, tínhamos valores aceitáveis de incidência de novos casos. Não havia cifras descontroladas”, explica Carla Nunes, diretora da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa.

“O que acreditamos que tenha ocorrido é que as pessoas fizeram pequenas alterações em seus comportamentos, no sentido de serem mais permissivas”, acrescenta Nunes em entrevista à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC).

Elisabete Ramos, professora do Instituto de Saúde Pública da Universidade de Porto, ressalta que as atividades durante as festas de fim de ano, que ela destaca que são consideradas importantes para a cultura local, estão entre os fatores mais relevantes para explicar o aumento drástico de casos no país.

A especialista acrescenta que o cenário atual também é impactado pelo frio, que obriga as pessoas a fecharem os ambientes abertos que recebem o público — facilitando a transmissão do vírus.

Ramos aponta que também há uma “fadiga pandêmica” que faz com que as pessoas sigam menos as medidas restritivas.

“Todo mundo está cansado. Ainda que as medidas restritivas sejam semelhantes, não vemos nas ruas o mesmo nível de confinamento que havia em março passado”, explica.

“Esse é o lado ruim de termos tido bons resultados até agora: minimizamos a percepção do risco e acreditamos que podemos romper algumas regras porque não acontecerá nada”.

“(Os portugueses) foram muito responsáveis (na primavera) porque estavam em pânico com o que havia acontecido na Espanha e na Itália”, pontua Nunes. “As pessoas estavam dispostas a perder o que tivessem que perder porque era isso ou a morte. Essa percepção já não é mais assim”.

“Tudo isso se juntou com a nova variante, que nesse momento (de festas de fim de ano) não sabíamos da sua presença em Portugal”, completa Nunes.

Na época do Natal, muitos portugueses que migraram para o Reino Unido costumam voltar ao país de origem, assim como os britânicos que têm casas no país luso.

“No momento em que muita gente voltava, nos aeroportos (portugueses) não havia medidas específicas… o que estava ocorrendo estava um pouco escondido (sobre a nova variante)”, diz Nunes.

Em 28 de janeiro, o primeiro-ministro português Antônio Costa afirmou que a variante britânica do novo coronavírus já tinha uma prevalência de 32% em todo o país e somente em Lisboa correspondia a 50% dos casos.

Em meados de janeiro, Portugal suspendeu voos do Reino Unido e do Brasil, em razão da nova cepa do coronavírus descoberta no início do ano em Manaus (AM). Ao menos até o início desta semana, ainda não havia nenhum registro da variante brasileira ou da África do Sul em Portugal.

AJUDA INTERNACIONAL

A atual situação levou o governo português a pedir ajuda no exterior. O chamado já foi respondido pela Alemanha e pela Áustria.

O Ministério de Defesa alemão anunciou no domingo (31/01) que enviará uma equipe de médicos a Portugal.

Um avião com 26 médicos e enfermeiros e 50 respiradores artificiais seguirão em direção a Lisboa nesta quarta-feira (03/02), segundo um comunicado do ministério alemão.

Já o chanceler austríaco Sebastian Kurz anunciou que o país receberá pacientes portugueses que precisam de cuidados intensivos.

“É uma exigência de solidariedade europeia ajudar de forma rápida e sem burocracia para salvar vidas. A Áustria já aceitou pacientes em cuidados intensivos da França, Itália e Montenegro durante a pandemia. E agora também aceitará pacientes de cuidados intensivos de Portugal”, escreveu Kurz em seu perfil no Twitter.

O subsecretário de Estado e Saúde português, Antônio Lacerda Sales, admitiu na última segunda-feira a possibilidade de transportar pacientes para outros países, caso os hospitais de Portugal não possam atendê-los.

Os especialistas ouvidos pela BBC Mundo consideram que o sistema de saúde português reagiu bem desde o início da pandemia e somente no atual momento chegou ao seu limite.

“O déficit no sistema de saúde — como em relação a camas e profissionais de saúde — é comum a todos os países, porque o conjunto de necessidades é cada vez maior”, diz Ramos. “Com um impacto tão grande era fácil que nosso sistema ficasse pior”, completa.

“Mas, na verdade, tem se ajustado muito bem, porque ao longo do ano fomos encontrando soluções e somente neste momento está no seu limite”, acrescenta.

ENDURECIMENTO DAS MEDIDAS

Diante da atual situação, as autoridades portuguesas optaram por novas medidas de isolamento social para tentar frear a propagação da nova onda do coronavírus.

Desde 15 de janeiro, as autoridades reforçaram as medidas sanitárias país. No último domingo, as ações se tornaram ainda mais rígidas para assegurar que os portugueses fiquem em casa.

Os moradores só podem sair de suas residências para atividades como trabalhar — desde que não seja possível o teletrabalho —, comprar bens essenciais, ir ao médico, ajudar idosos ou dependentes, praticar esportes ao ar livre sozinho e fazer pequenas caminhadas, durante as quais é proibido ficar em parques ou se sentar em bancos.

O governo aumentou a vigilância policial e os agentes podem até exigir comprovantes de residência para que as pessoas comprovem que estão passeando nas proximidades de suas casas.

As escolas estão fechadas desde 22 de janeiro, quando foi ordenada a suspensão das aulas por 15 dias.

Além disso, os portugueses não poderão sair durante 14 dias por qualquer meio (aéreo, terrestre, ferroviário, marítimo ou fluvial), exceto para voltar à sua casa, se morar no exterior, ou para ficar perto de sua família.

A atual situação fez com que Portugal restabelecesse os controles das fronteiras terrestres com a Espanha. Apesar disso, os dois países garantem que não se trata de um fechamento de fronteiras, mas sim de estabelecer limites.

Em relação ao controle dos aeroportos, os viajantes de outros países com mais de 500 casos por 100 mil habitantes atualmente devem apresentar um exame PCR com resultado negativo realizado até 72 horas antes da decolagem e ficar em quarentena por 14 dias após chegar ao país.

Ao renovar o estado de emergência na semana passada, o presidente do país, Marcelo Rebelo de Sousa, recentemente reeleito, apelou à responsabilidade.

“O que faremos até março determinará o que vai acontecer na primavera, no verão e, quem sabe, até no outono”.

Época, via BBC

 

Opinião dos leitores

  1. Par e de postar isso bg, já já aparecem os petralhas falando que é culpa é do nosso presidente!

    1. O pior é que é!!!
      Não precisa ser de esquerda ou de direita, é o óbivio meu caro. Ele negou a CIÊNCIA!!! Isso é de uma irresponabilidade tremenda. Ele foi e é o garoto propaganda do negacionismo, da gripezinha e por aí vai… daí mais de 250.00 mortes, com essa brincadeirinha de presidente. Poume-me de tamanha ignorância. É fato.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Portugal suspende voos entre o país e o Brasil; regras também valem para o Reino Unido

 Foto: Pedro Nunes

Portugal suspendeu, nesta quarta-feira (27), os voos entre o país e o Brasil do dia 29 de janeiro a 14 de fevereiro. As regras agora estabelecidas são igualmente aplicáveis para o Reino Unido.

O Ministério do Interior português disse que a piora da pandemia no mundo e a detecção de novas variantes justificaram a decisão.

Estão permitidos apenas voos de repatriação e humanitários e, mesmo nesses casos, os viajantes precisarão exibir um resultado negativo de teste de Covid-19 que tenha sido feito 72 horas antes do embarque. Além disso, eles precisarão fazer quarentena de 14 dias ao chegar a Portugal.

Numa nota enviada às redações, o Executivo justifica a decisão com “(…) a evolução da situação epidemiológica a nível mundial, o aumento dos casos de infeção por SARS-CoV-2 em Portugal e a deteção de novas estirpes do vírus.”

“Até ao dia 14 de fevereiro, estão suspensos todos os voos, comerciais ou privados, de todas as companhias aéreas, de e para o Brasil. As regras agora estabelecidas são igualmente aplicáveis aos voos de e para o Reino Unido.”, pode ler-se no comunicado.

Fora da suspensão, refere o MAI, estão apenas os voos de natureza humanitária para efeito de repatriamento dos cidadãos nacionais e membros das respetivas famílias, bem como de titulares de autorização de residência em Portugal.

Nos voos de caráter humanitário podem também embarcar cidadãos nacionais da União Europeia, nacionais de Estados associados ao Espaço Schengen e respetivas famílias e os nacionais de países terceiros com residência legal num Estado-membro da União Europeia, exclusivamente para efeitos de repatriamento.

Adianta a nota que todos cidadãos têm de apresentar, no momento da partida, “um comprovativo de realização de teste molecular por RT-PCR para despiste da infeção por SARS-CoV-2 com resultado negativo, realizado nas 72 horas anteriores à hora do embarque”.

Além disso, “à chegada a território nacional têm de cumprir, obrigatoriamente, um período de 14 dias de quarentena no domicílio ou em local indicado pelas autoridades de saúde”.

Desde o começo da pandemia, Portugal, com 10 milhões de habitantes, teve 669 mil casos positivos. Desses, quase 173 mil estão ativos.

Nos hospitais, há mais de 6,6 mil pessoas internadas –783 estão em unidades de terapia intensiva.

O Parlamento deverá votar uma prorrogação de 15 dias do estado de emergência. Todas as medidas de confinamento devem ser sejam prolongadas.

Com G1 e SIC

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Suprimento de oxigênio em hospital de Portugal falha, e governo admite pedir ajuda internacional

Foto: Pedro Nunes/Reuters

O sistema de fornecimento de oxigênio em um grande hospital referência para o atendimento da Covid-19 na região de Lisboa, em Portugal, falhou nesta terça-feira (26).

O hospital no município de Amadora teve de transferir 48 de seus pacientes para outras unidades de saúde na capital na noite de terça-feira, pois a pressão de oxigênio não era suficiente para um grande número de pacientes, segundo nota da instituição.

“Houve a necessidade de diminuir o consumo de oxigênio, então os pacientes foram transferidos”, disse o hospital, que quase não tem leitos livres. “Eles nunca estiveram em perigo.”

Reportagens da imprensa portuguesa mostraram ambulâncias apressadas passando pelos portões principais do hospital para pegar os pacientes, enquanto algumas deixaram o local escoltadas pela polícia.

Vinte pacientes foram transferidos para o maior hospital de Lisboa, o Santa Maria, que na terça-feira instalou dois refrigeradores do lado de fora de seu necrotério com capacidade para 30 corpos, afirmou o porta-voz do hospital.

Ajuda internacional

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa disse em entrevista coletiva que não havia necessidade de criar “alarme” sobre a ideia de ajuda internacional, mas acrescentou: “Sabemos que há disponibilidade de países amigos para ajudar.”

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse esta segunda-feira à emissora RTP: “O governo português está buscando todos os mecanismos disponíveis, incluindo no quadro internacional, para garantir a melhor assistência aos doentes.”

Mas Temido observou que as transferências de pacientes seriam limitadas pela localização de Portugal na extremidade ocidental da Europa, especialmente porque outras nações da União Europeia também estão sob pressão.

As mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas chegaram ao recorde de 291, trazendo o total do país para mais de 653 mil casos e 11 mil mortes.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Só falta o STF autorizar investigação, contra Ele e o Ministro da Saúde.
    Mas voltando à reportagem.
    Isso mostra a origem das nossas dificuldades.
    Portugal é o único País Europeu nessa situação.
    É genético!!!
    Kkkkkkkkk.

  2. Avise a Portugal que chame a esquerda do Brasil, que eles resolvem. A oposição passa o tempo todo denegrindo o nosso Presidente, pela falta de oxigênio em Manaus. Esse bando de incompetentes não tem o que fazer.

  3. Bozo genocida. Se ele num tivesse tacando fogo na Amazônia, o mundo teria oxigênio. Chama o Lacrón para lascar o nosso agro.

    1. BG.
      A quadrilha ptralha só entendia de construir estádios tipo a arena das dunas daqui, paga-se mensalmente R$ 10.000.000,00 do financiamento que no fim será o elefante brando doado a OAS. BANDIDOS, CRETRINOS e CANALHAS.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Portugal cogita enviar pacientes com Covid-19 para outros países

Foto: Patricia de Melo Moreira/AFP

Perto do limite depois de semanas de crescimento constante no número de hospitalizados pela Covid-19, o governo de Portugal agora cogita pedir ajuda internacional e enviar pacientes infectados a hospitais de outros países. A revelação foi feita pela ministra da Saúde, Marta Temido, em uma entrevista à rede pública RTP na noite de segunda-feira 26.

Segundo Temido, “o governo português está acionando todos os mecanismos que dispõe, principalmente no quadro internacional, para garantir que dê a melhor assistência”.

Questionada pela entrevistadora se o Executivo planeja pedir “ajuda internacional, ajuda europeia, para enviar pacientes” a outros países, a ministra respondeu que Portugal, por sua posição no extremo ocidente da Europa, possui dificuldades geográficas. Mesmo assim, a possibilidade está sendo estudada.

“Estamos em um extremo da península e, assim, com maiores dificuldades geográficas. Mas, de qualquer forma, há mecanismos e formas de obter auxílio e de ajustar formas de colaboração, e naturalmente estamos as cogitando”, disse.

A ministra também destacou que é preciso levar em consideração que “toda a situação europeia é preocupante”.

A última semana foi a pior no país desde o começo da pandemia, com o recorde diário de 275 óbitos mortos registrados no último domingo. O número de casos registrados girou em torno de 14.000 por dia.

Antes mesmo de superar a marca , Portugal já apresentava mais de 80 mil infecções na última semana, o que o coloca em primeiro lugar no mundo em número de novos casos em relação à sua população, superado apenas pelo enclave britânico de Gibraltar, de acordo com os dados coletados pela AFP das autoridades nacionais.

O crescimento rápido no número de infecções colocou os hospitais à beira de um colapso. Com cerca de dez milhões de habitantes, Portugal soma, ao todo, 643.113 casos positivos, incluindo 10.721 mortes.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Na época da copa do mundo o nosso querido Ronaldo, fenômeno disse a célebre frase: " não se faz copa do mundo com hospitais " se essa frase fosse dita por Bolsonaro, imagina !!!!

  2. O Brasil é gigante! Se o presidente tivesse feito o mínimo, acreditado na ciência, talvez seria nós que estivéssemos ajudando o mundo, como foi feito com os remédios para tratar pacientes com HIV. Somos referência neste tratamento. Temos o SUS, com todas suas falhas funcionando.
    A culpa, de fato é do presidente da república, ele escolheu um general sem experiência para juntos administrarem a maior crise do nosso século. Que sirva de lição. Vamos escolher melhor nossos políticos. Chega de aventureiros.
    Nesse momento de crise o que nos resta é o mínimo, seguir com processo de impedimento e pedir a Deus que ilumine nossos profissionais de saúde no combate a Covid-19.

    1. Calma, Brasil. Tome um Rivotril.
      Parece que está rolando um trauma na sua cabecinha inocente.

    2. Amigo todo brasileiro sabe que a culpa disso tudo aqui não é do Bolsonaro. Inclusive, se o PT ainda tivesse no poder já tinha morrido o triplo de pessoas. Basta ver o caso dos cinco milhões dos respiradores. Agora, sem argumentos pra desestabilizar o governo, a petralhada doida pra voltar ao poder, fica inventando narrativas. Mas todos sabem que têm países muito piores do que o Brasil. E se o Brasil fosse governado pela esquerda, já tinha afundado de vez.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Crise chega a Portugal que prevê o fim de oxigênio e leitos para Covid

(Foto: Getty Images)

Depois que o Brasil se tornou notícia no mundo inteiro por conta da crise da falta de oxigênio no Amazonas, agora Portugal já começou a emitir sinais de alerta que o gás também está perto do fim por lá. O Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou nesta terça-feira (19) que existem vários hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo que estão atualmente em situação crítica, sendo incapazes de assegurar a qualidade do atendimento dos doentes de Covid.

“A falta de meios humanos, de camas e até de oxigênio tem levado ao acúmulo dos doentes em macas, deixas na porta dos hospitais e nas ambulâncias. Temos conhecimento de que vários hospitais não conseguem fornecer oxigênio com a adequada pressão aos doentes, problema que tende a agravar-se nos próximos dias. Devido à falta de meios, em várias unidades, os critérios para atendimento e internamento tornaram-se mais restritivos, deixando de fora muitos doentes com dificuldade respiratória e com estados clínicos potencialmente em agravamento”, afirmou a nota oficial enviada à imprensa.

O país europeu tem vivido seu pior momento desde o início da pandemia, em fevereiro do ano passado, e os casos de infecção têm sido cada vez maiores a cada dia. De acordo com o site TVi24, há faltam de insumos e profissionais da saúde em alguns hospitais do país e os que já estão na linha de frente estão sobrecarregados de trabalho.

“A falta de camas para suprir ao grande número de urgências tem tido como resultado o acúmulo de doentes em macas, e até em cadeirões, em condições pouco dignas e que dificultam o trabalho dos profissionais de saúde, e que não garantem o distanciamento necessário para evitar mais contágios”, explicou o sindicato.

No dia 13 de janeiro, o governo de Portugal decretou o segundo lockdown para conter o aumento do número de casos do coronavírus no país. O comércio e os serviços não essenciais estão fechados e devem continuar assim até o fim de janeiro, quando a norma deve passar por uma reavaliação. A ordem é que todos voltem a trabalhar em sistema home office, tal como aconteceu em março e abril do ano passado.

O país lusitano tem batido recordes do número de casos diariamente e, ao todo, o país já registrou mais de 556 mil casos desde o início da pandemia e 9.028 mortos.

Marie Claire – Globo

 

Opinião dos leitores

  1. A boiada anda tão sem argumentos, que já estão misturando o Min. Lewandowski com a falta de oxigênio em Portugal.

  2. Lewandowski resolve com certeza, basta um dos puxadinhos do PT entrar com uma ação no STF, que o glorioso ministro trapalhão recorre a corte internacional, ele é poliglota.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Com recorde de casos de covid e hospitais abarrotados, Portugal volta ao lockdown por, pelo menos, mais um mês

Foto: Glen Carrie/Reprodução

Depois de 8 meses de medidas mais flexíveis, desde que o confinamento total foi abolido, em maio do ano passado, Portugal amanheceu hoje em lockdown novamente. Mais um período de constantes dias da marmota. A volta dos que não foram. A razão principal: com as medidas mais liberais adotadas para o Natal e o ano novo, os números dispararam no país, com novos recordes a cada dia e novos casos diários frequentemente acima dos 10 mil – vale lembrar que, entre março e setembro, o maior número diário foi de 1.516, registrado em abril. Tremo só de pensar na situação real do Brasil depois de um verão insano.

A chegada da vacina fez imperar uma dose de otimismo sem precedentes, mas nunca é tarde para lembrar: a pandemia não acabou, apesar de tanta gente agindo como se não estivéssemos mais diante de um problema (alô, Brasil?). Dar um passo deste tamanho para trás é frustrante, sim, mas necessário. Especialmente porque o plano de vacinação prevê praticamente o ano todo até que a população seja 100% vacinada, na melhor das hipóteses. E os hospitais nunca estiveram tão abarrotados.

Fuéééé. Fecham novamente os restaurantes, os cafés, as academias e qualquer forma possível e imaginável de aglomeração. Fecham os cabeleireiros, as piscinas públicas e os estúdios de yoga e pilates, mesmo com aulas individuais. Fecham os shoppings, fecham as lojas. O dever geral de recolhimento domiciliar vale para todo o país. O que isso significa? Que só é permitido sair de casa por extrema necessidade, como comprar comida, medicamentos ou comparecer a compromissos médicos. Também é permitido sair para praticar exercícios ao ar livre – sozinho ou, no máximo, com as pessoas que moram na mesma casa. E só. O home office passa a ser novamente obrigatório, sob pena de multas altíssimas para quem não cumprir.

Desnecessário dizer: adeus, viagens. A Serra da Estrela está coberta de neve, as praias da costa alentejana estão mais lindas do que nunca (amo praia no inverno), os hotéis preparavam grandes promoções para long stays. As fronteiras por ora não fecham, ainda que a Inglaterra tenha fechado para Portugal por motivos de… variante brasileira do vírus. Pois é, ela não foi registrada por aqui ainda, mas a relação próxima de Portugal e Brasil justificou a medida. De toda forma, a determinação é clara: ficar em casa. A medida vale oficialmente por 15 dias, mas será renovada por mais 15, pelo menos – o governo já avisou. A diferença agora (e grande motivo de divisão de opiniões pelo país) é que as escolas estão abertas. O governo português aposta no baixo índice de contaminação no ambiente como justificativa. É esperar para ver.

Blog Além-mar – Viagem e Turismo – editora Abril

Opinião dos leitores

  1. Um monte de médicos covardes, só receitam dipirona e fique casa até ter falta de ar.
    Nenhum tratamento é informado pela "ciência" para eles é melhor a pessoa morrer do que arriscar qualquer medicamento.

  2. Pelo menos 30 dias não, pelo menos 15 dias. O confinamento começou na sexta feira (15/01/2021) e irá até o dia 31/01/2021. Haverá uma revisão das estatísticas ao fim do mês, dependendo dos resultados irão prorrogar ou não o período de confinamento. A declaração
    do primeiro ministro Antônio Costa orientou que a população deve se preparar para um mês de confinamento. Neste caso, fortalecendo a idéia de que a medida será prorrogada ao fim de janeiro por mais 15 dias.

  3. É culpa do Bolsonaro …. só os IDIOTAS DOS PTRALHAS que perderam a boquinha de ROUBAR , que tudo é culpa do presidente, o VAGABUNDO DO LADRAO CONDENADO LULA, aquele verme que fez o maior roubo da história da humanidade, quê preferiu construir estádios ao contrário de hospitais ESSE SIM É O CULPADO

    1. Si acalmi mulé! Os petralhas já estão fora. Os ladrões agora são do centrão, aliado e sustentáculo do Bozonildo.

    2. Esqueçam Lula!!! Estamos numa crise de saúde mundial e ainda falam isso!!! Vamos em busca da cura para essa doença, vamos em busca da vacina!!!Nós temos um desgoverno, negacionista. Que não acredita na ciência, trata o povo com desdém e ignorância. E vem falar do Lula!! Dá um tempo!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Jogador brasileiro não sobrevive à parada cardiorrespiratória e morre em Portugal; mundo do futebol presta homenagens

Foto: Getty Images

O jogador Alex Apolinário, do Alverca, que havia sofrido uma parada cardiorrespiratória no último domingo, morreu nesta quinta-feira. O clube português divulgou um comunicado sobre o falecimento do brasileiro, por morte cerebral.

– Com profundo pesar comunicamos, de acordo com as informações prestadas pelo corpo médico do Hospital de Vila Franca de Xira, o falecimento por morte cerebral do nosso atleta Alex Sandro dos Santos Apolinário, esta manhã. O FC Alverca Futebol SAD prestará todo o apoio necessário a seus familiares – declarou o Alverca.

Alex Apolinário sofreu a parada cardiorrespiratória durante o jogo do Alverca contra o Almeirim, válido pela terceira divisão do Campeonato Português. Ele caiu desacordado no gramado por volta dos 27 minutos do primeiro tempo, perto do círculo central.

Os jogadores alertaram o árbitro, que decidiu não retomar a partida por causa do episódio. O brasileiro precisou ser atendido com o uso de desfibrilador e, depois de ter a situação estabilizada, foi encaminhado ao Hospital de Vila Franca de Xira para continuar com a recuperação.

A mãe do jogador, Vânia Apolinário, havia recebido a notícia na terça-feira de que os médicos do Hospital de Vila Franca de Xira estavam otimistas com os exames realizados com Alex, para avaliar as funções de órgãos vitais. Mas infelizmente ele não sobreviveu.

Alex Apolinário tinha 24 anos e jogava no Alverca desde o início de 2019, quando saiu do Cruzeiro. Ele ganhou notoriedade em Portugal ao marcar um dos gols da vitória por 2 a 0 sobre o Sporting de Lisboa, na temporada passada, que eliminou o clube de maior expressão da Taça de Portugal. Ele teve passagens pelas categorias de base e do Botafogo-SP, Cruzeiro e Athletico-PR.

Mundo do futebol presta homenagens

Nas redes sociais, vários jogadores, clubes e pessoas ligadas ao futebol prestaram homenagem a Alex(VEJA AQUI em texto na íntegra).

Globo Esporte

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VOOS DIRETOS: TAP reinicia nesta quinta-feira suas operações regulares entre Brasil e Portugal, a partir do Aeroporto Internacional de Brasília

Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

Após cinco meses da interrupção de seus voos no Aeroporto Internacional de Brasília, a companhia aérea TAP reinicia, nesta quinta-feira (3), suas operações regulares entre Brasil e Portugal, a partir do Aeroporto Internacional de Brasília. A retomada terá pousos previstos em Brasília, as segundas e quintas no início da manhã e decolagens para Lisboa, às quartas e aos sábados no início da noite e será feita sob novos protocolos sanitários. O uso da máscara é obrigatório e indispensável. O passageiro pode não embarcar se não estiver usando o acessório.

Segundo a Inframerica, que administra o terminal na capital federal, com a reabertura da área internacional as medidas de prevenção à covid-19 se intensificarão ainda mais. O espaço passou por desinfecção e recebeu a sinalização necessária para manter o distanciamento social, pontos de álcool gel foram distribuídos em todo o percurso do passageiro e os bombeiros civis da concessionária vão medir a temperatura de quem embarca e desembarca em Brasília.

“Nossas equipes foram treinadas e estamos redobrando nossa atenção tanto na limpeza quanto em ações e tecnologia que tragam conforto para que o passageiro possa viajar tranquilo. Este é um voo importante que liga a capital do nosso país a Portugal, um relevante centro de conexão para diversas cidades europeias”, destacou Roberto Luiz, head de negócios aéreos da Inframerica.

Demais companhias

Ainda não há data para o início dos demais destinos internacionais que operam em Brasília. A Copa Airlines estuda regressar em outubro. Já as empresas brasileiras seguem analisando o mercado atentas ao cenário de contágio do vírus nos países.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Será que esse voo inicial partindo de Brasília, tem alguma influência do digníssimo ministro Gilmar Mendes.

  2. Muda o nome do aeroporto para ver se a coisa muda. Afinal, a mudança tem que se iniciar de alguma forma. Tira o nome desse senhorio do RN. Se for para esculhambar de vez, a sugestão é botar o nome de Henrique Eduardo Alves.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *