VÍDEO: Com últimas chuvas, lagoa de captação do conjunto Jiqui volta a transbordar, inundando ruas, casas e comércios

Com as chuvas dos últimos dias em Natal, a lagoa de captação do conjunto Jiqui, no bairro de Neópolis, transbordou, inundando ruas, casas e comércios.

Segundo os moradores, a Prefeitura de Natal não está fazendo a manutenção e nem a limpeza da lagoa que está sem o sistema de bombeamento.

Os moradores estão fazendo um apelo para a solução do problema.

O vídeo cedido abaixo é próximo a rua Delmiro Gouveia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rogério Rocha disse:

    Vejo nos últimos dias comentários contra a CAERN em situações que não tem relação com sua atuação ou essas pessoas tem interesse em prejudicar a empresa ou falta inteligência, a Lagoa é da prefeitura, faz coleta de rede de águas da chuva, não existe relação com a CAERN.

  2. WellingtonB disse:

    A CAERN diz que não é com ela. O mesmo acontece na Rota do Sol. Vazamento de lagoa de captação ou seja, esgoto a céu aberto. Mas a CAERN – Companhia de ÁGUAS e ESGOTO do RN diz que não é com ela. De quem é a responsabilidade?

    • Guilherme Luiz Bier disse:

      Interessante quando existe um problema não tem responsável.
      Para cobrar impostos existe uma estrutura que funciona muito rápido.

    • Caern disse:

      A Caern esclarece que a lagoa de captação apresentada no vídeo é para recebimento de água de chuva, sendo portanto um equipamento do sistema de drenagem. A Companhia reforça que não atua na drenagem de águas pluviais. Sobre a situação apresentada na Rota do Sol, reforçamos que os alagamentos são ocasionados por água de chuva, a Estação de Tratamento de Esgotos está operando normalmente sem apresentar extravasamento.

    • Cigano Lulu disse:

      Esta é a parte podre da Caern, infelizmente: a da desculpa amarela. Amarelecida pela falta de argumento convincente. Explica, explica, e nada justifica.

    • WellingtonB disse:

      Há que se confirmar por empresa independente se a afirmação da CAERN de que se trata somente de águas pluviais corresponde à verdade. Se as águas da chuva causam o transbordamento da lagoa de efluentes seja por planejamento inadequado, ou por utilização errada então continuo afirmando que a responsabilidade é da CAERN. Em frente ao ABC forma-se também uma poça que toma todo o asfalto mas que desaparece com dois ou três dias de estiagem. No caso da Rota do Sol há a contribuição de água da lagoa de tratamento de efluentes.

  3. riva disse:

    Continuem votando nos políticos profissionais, porque eles precisam de viver a hipocrisia em sua plenitude. Já as "crias novas" caracterizam-se pela continuação da mesmice.

Santana do Matos fica sem água após problema na captação

FOTO: CAERN/ASSECOM

O abastecimento d’água no município de Santana do Matos foi suspenso nesta quarta-feira (24) após um problema mecânico no conjunto motor bomba da captação Rio da Pedra.

A Caern deve concluir o conserto até o final da tarde desta quinta-feira (25), quando o sistema será religado. Após a religação, o abastecimento deverá ser normalizado num prazo de até 48 horas, com a pressurização gradual da rede.

Ministro da Cidadania quer reduzir de 60 para 10 milhões de reais o valor máximo de captação nas empresas para o incentivo a projetos culturais

Osmar Terra (Wilson Dias/Agência Brasil)

Osmar Terra, o ministro da Cidadania, agora responsável pelas áreas de esporte e cultura, fará profundas mudanças na Lei Rouanet. A principal delas: redução do valor máximo de captação. O teto passará de 60 milhões para 10 milhões de reais. A contrapartida social exigida do artista será ampliada.

O número de gratuidades disponíveis em espetáculos financiados com recursos da Lei Rouanet também aumentará, de 10% para prováveis 20%, embora o ministro sonhe com 30%. Parte desses bilhetes terá de ser distribuída a famílias de baixa renda inscritas no cadastro único do governo federal. Artistas com pendências em prestações de contas anteriores terão ainda mais dificuldades para inscrever projetos.

Radar On-Line, Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ROMULO DUQUE disse:

    Olá ministro. O Sr. também vai tornar OBRIGATORIO que todos os segmentos que tem INCENTIVO FISCAL doem 20% do que produzem , gratuitamente para a população??
    É bom conservar com a industria automobilistíca e a ZONA FRANCA DE MANAUS eles têm enormes incenvitos.

Defesa Civil de Natal realiza ação preventiva nas lagoas de captação

Nesta sexta-feira (10) oito secretarias municipais de Natal estarão realizando uma ação preventiva na Lagoa do Taraucá, no Loteamento Nova República, Zona Norte da cidade. O objetivo é garantir a segurança das pessoas que moram no entorno da referida lagoa. A atividade é uma ação da Secretaria Municipal de Segurança e Defesa Civil (Semdes) cumprindo uma determinação do prefeito Carlos Eduardo de fazer um trabalho interativo de forma integrada com diversas secretarias do município.

Segundo informações do diretor do Departamento de Defesa Civil da Semdes, Jeoás Santos, a operação piloto começará pela Lagoa do Taraucá por ser um dos reservatórios de águas pluviais da cidade que necessita de atenção redobrada. A preocupação do órgão está relacionada com a capacidade da lagoa que necessita de serviços de limpeza, alocação de bombas, iluminação e cerca. Também estão entre os principais problemas a questão da impermeabilização do solo e o aforamento da lagoa. “Uma das causas de tudo isso é a ligação clandestina de águas servidas feita pela população próxima”.

Além da Semdes, estarão envolvidas no processo as secretarias municipais de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi), Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), Saúde (SMS), Serviços Urbanos (Semsur), Trabalho e Assistência Social (Semtas) e Companhia de Serviços Urbanos (Urbana). Todas elas estão comprometidas na resolução dos problemas encontrados. Jeoás Santos revela que os referidos órgãos já iniciaram os trabalhos na lagoa e que no sábado (11) a Semdes estará entregando a população natalense à lagoa com plenas condições de segurança e funcionamento.

O diretor acrescenta, ainda, que a Semdes está concluindo o trabalho de vistoria em todas as lagoas de Natal através do Grupo de Ação e Emergência (GAE). O trabalho visa identificar riscos eminentes e problemas que venham causar transbordamentos e transtornos a população como já aconteceu há alguns anos. De acordo com ele, além da lagoa de Nova República, também é preocupante a situação das lagoas de Nova Natal, Dom Pedro, Pajuçara e Arena das Dunas. “Todas elas já estão recebendo ações da Semurb, Semob e Urbana e serão as próximas a serem beneficiadas com a mesma atividade desta sexta-feira.

AÇÕES

Na atividade do dia 10, a Semtas fará o levantamento de todas as pessoas que moram nas proximidades da lagoa; o estudo social dessa população; orientações de como proceder; e informações dos serviços que a Semtas normalmente oferece. A Urbana, que já realizou a limpeza da lagoa, apresentará o Projeto Jogo Limpo e também levará uma atividade educativa para que a população colabore com processo de limpeza não jogando lixo na lagoa ou no seu entorno. Para tanto, informarão os dias de coleta regular para que os moradores possam fazer a disponibilização dos resíduos acumulados.

Caberá a Semurb o papel de identificar as ligações clandestinas, notificar e orientar a população do local o procedimento correto a ser feito. A Semopi, que também já está realizando algumas intervenções na lagoa, entregará no dia da ação o conserto da cerca e a iluminação da lagoa bem como fará a verificação de funcionamento das bombas. A Vigilância Sanitária, da SMS, fará a verificação da água da lagoa e alguns riscos expostos à população como também um trabalho educativo constante. Jeová Santos adianta que a Semdes dará respostas a toda e qualquer lagoa que apresentar problemas para a cidade e para população.

Caderneda de poupança capta R$ 5,1 bilhões somente em junho

Os depósitos em poupança superaram os saques em R$ 5,115 bilhões, em junho, segundo informou hoje (5) o Banco Central (BC). Esse foi o segundo melhor resultado para os meses de junho da série do BC iniciada em 1995. A captação líquida (mais depósitos que retiradas) só é inferior à de junho de 2002, quando ficou em R$ 5,293 bilhões.

O desempenho ocorre apesar das mudanças nas regras de remuneração do investimento, que causaram redução de rendimento desde o dia 31 de maio. Em 4 de maio deste ano, o governo editou a Medida Provisória (MP) 567, que estabeleceu nova regra para a remuneração de poupança, sempre que a taxa básica de juros, a Selic, for igual ou menor que 8,5% ao ano. Nesse caso, a forma de remuneração passa a ser 70% da taxa Selic mais a Taxa Referencial (TR), calculada todos os dias pelo BC.

No dia 30 de maio, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduziu a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 8,5% ao ano. Assim, a regra de remuneração, que era TR mais 0,5% ao mês, mudou para os novos depósitos. A expectativa de analistas do mercado financeiro, conforme sondagem do Banco Central divulgada na segunda-feira (2), é que a taxa Selic caia ainda mais e encerre 2012 em 7,5% ao ano.

Apesar dessa expectativa, os depósitos somaram , em junho, R$ 98,845 bilhões, e as retiradas R$ 93,729 bilhões. Os rendimentos creditados somaram R$ 2,203 bilhões e o saldo total ficou em R$ 449,040 bilhões. Em maio deste ano, a captação líquida foi de R$ 6,262 bilhões. Essa, por sua vez, foi a maior captação líquida positiva registrada pelo BC em meses de maio.

O relatório do BC se baseia em dados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) – que destina 65% dos recursos para o financiamento imobiliário – e da poupança rural. No caso do SBPE, houve captação líquida de R$ 4,095 bilhões em junho. A poupança rural registrou R$ 1,020 bilhão.

Ontem, a Câmara aprovou a MP 567. Durante o dia, os partidos de oposição obstruíram a votação, em protesto pela forma diferenciada de liberação de recursos das emendas parlamentares ao Orçamento da União. Na votação das emendas ao texto apresentado pelo relator da MP, deputado Henrique Fontana (PT-RS), o plenário aprovou uma que manteve no texto o dia 4 de maio como prazo final para que os depósitos sejam remunerados pelas regras antigas da poupança.

Ao definir a nova regra de remuneração, o objetivo do governo foi evitar a migração de investidores dos fundos de renda fixa para a poupança. Esses fundos são formados por títulos públicos utilizados pelo governo na rolagem da dívida.

Com a queda da Selic, um fundo de investimento pode pagar menos que a poupança, dependendo da taxa de administração cobrada pela instituição financeira. Para que o BC tivesse mais espaço para cortar a Selic, sem afetar a demanda por títulos públicos, foi necessário fazer mudanças na remuneração da poupança. A poupança não cobra Imposto de Renda, nem taxa de administração, diferentemente dos fundos de investimento.

Fonte: Agência Brasil