COVID-19: Prefeitura de Macau vai continuar aplicando testes em idosos, agora em suas residências

Depois de efetuar testes rápidos em mais de 100 idosos, no sistema Drive-Trhu, durante o período da manhã e a tarde de sábado 20, a Prefeitura de Macau, através de sua Secretária de Saúde, anunciou que vai visitar as residências de quem tem mais de 60 anos de idade e que tem apresentados sintomas da COVID-19 nos últimos 10 dias (tosse, dor de cabeça febre ou perda do paladar). O prefeito Túlio Lemos, que se fez presente em grande parte do período em que foram aplicados os testes considerou que a “a campanha inicial foi coberta de êxito graças a contribuição de todos os servidores envolvidos na operação e a participação das famílias dos idosos, oportunidade em que se detectou 22 pessoas que testaram positivo e que já deixaram o local com toda a recomendação médica e o medicamento para tratamento durante o isolamento. Agora, vamos complementar essa ação junto aos idosos, fazendo visitas em suas residências e aplicando os testes rápidos”.

Nos últimos dias, a Prefeitura de Macau adquiriu cerca de 2.000 testes e 30 mil comprimidos de IVERMECTINA que a princípio serão entregues à população acima de 60 anos e a todos os servidores do município envolvidos na prevenção e tentativa de cura da COVID-19.

O teste rápido em cassete 2019-Ncov igG/lgM (Sangue Total /Soro/Plasma), indica a presença de anticorpos igG e IgM para 2019-nCoV na amostra. Esse exame analisa os índices de IgG e IgM de cada pessoa através de uma gota de sangue colhida no dedo. Quando o resultado é positivo para IgG, é porque teve algum contato com o vírus e o organismo produziu anticorpos; já o IgM positivo mostra que a infecção foi recente e o corpo iniciou a produção desses anticorpos.

As equipes do NASF (Núcleo de Assistência a Saúde Familiar) coordenarão as ações para que a campanha de aplicação dos testes rápidos em idosos, em suas residências, sejam exitosas nos próximos dias.

Temer vira réu pela sexta vez, agora por organização criminosa e obstrução de Justiça

O ex-presidente Michel Temer — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da Justiça Federal em Brasília, decidiu transformar o ex-presidente Michel Temer em réu pela sexta vez. Ele vai responder por organização criminosa junto com os ex-ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. O ex-presidente também virou réu por obstrução de Justiça.

A denúncia foi recebida pelo juiz na última sexta-feira (3), e a decisão foi disponibilizada nesta segunda (6).

O G1 tentava contato com a defesa dos acusados até a última atualização desta reportagem.

A denúncia foi inicialmente apresentada ao Supremo Tribunal Federal em 2017 pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Temer foi acusado de comandar uma organização criminosa e de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

No mês passado, depois de o caso ser enviado para a primeira instância judicial, a acusação foi ratificada pelo Ministério Público Federal em Brasília.

Na denúncia, o Ministério Público acusa Temer de, entre outros pontos, ter instigado o empresário Joesley Batista, um dos sócios do grupo J&F, a pagar “vantagens indevidas” ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) para que o ex-deputado fluminense não fechasse acordo de delação premiada.

O episódio foi revelado depois que veio à tona o áudio de uma conversa entre Temer e Joesley no Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência da República.

Em meio à conversa gravada pelo empresário, há um trecho em que, na avaliação do Ministério Público, o emedebista sugere a manutenção do pagamento de propina a Eduardo Cunha. “Tem que manter isso, viu?”, disse Temer a Joesley em meio ao diálogo gravado pelo dono da J&F.

“A denúncia se fez acompanhar de documentos que lhe conferem verosimilhança”, destacou o juiz Marcus Vinícius Reis Bastos. Ele considerou que a denúncia preenche os requisitos para se transformar em ação penal e determinou que os três réus apresentem defesa por escrito em dez dias.

Segundo o juiz, tratam-se dos mesmos fatos investigados no inquérito sobre o chamado “quadrilhão do MDB”, que já corre na Justiça Federal em relação a pessoas sem foro. No caso, são réus, por exemplo, o coronel João Baptista Lima Filha, o coronel Lima, e o ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Durante a fase de ação penal, serão analisadas provas e coletados depoimentos de defesa e de acusação. Ao final, ocorre o interrogatório do réu. Somente depois disso o juiz vai decidir se eles são culpados ou inocentes das acusações.

À época da denúncia, Temer tinha prerrogativa de foro privilegiado de presidente da República, mas a denúncia nem chegou a ser analisada pelo Supremo. Em outubro de 2017, a Câmara dos Deputados rejeitou o prosseguimento da denúncia por maioria e a acusação dos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça foi suspensa até que Temer deixasse a Presidência.

Ao final do mandato de Temer em janeiro, a denúncia da PGR foi encaminhada à Procuradoria da República no Distrito Federal. Na primeira instância, a acusação contra o ex-presidente foi distribuída à força-tarefa da Operação Greenfield, que apura os crimes praticados por suspeitos de integrar uma organização criminosa investigada pelas operações Sépsis e Cui Bono.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. joao disse:

    Incrivel… esse pessoal do pmdb que se associou ao pt estao no mesmo nivel de corrupcao. sao siameses… daqui a pouco temer passa lula em numero de processos.

  2. Anti-político de estimação disse:

    Quando é que esse bandido vai ser preso mesmo, heinnn???

  3. Observadora disse:

    enquanto isso o Queiroz continua desaparecido

  4. Manoel disse:

    É gópi!? Eu achava que só o PT era "perseguido" pela Lava Jato! Assim como é que vai se sustentar o argumento de que Lula é preso político?

Danilo Gentili é novamente condenado pela Justiça, agora por ataques a Marcelo Freixo

Divulgação | Bandeirantes

Danilo Gentili, condenado anteontem a seis meses de prisão em regime semiaberto pela 5ª Vara Criminal Federal de SP por ofensas contra a deputada Maria do Rosário, perdeu outra ação, agora no Rio.

A 26ª Câmara Cível condenou o apresentador a indenizar em R$ 20 mil o deputado Marcelo Freixo. No Twitter, Gentili chamou Freixo de, entre outras, “deputado de merda, farsante” e ainda perguntou: “E os seus black blocs? Mataram mais alguém esses dias?”.

Aliás, as buscas pelo nome do comediante cresceram mais de 3.850% no Google, nas últimas 24 horas. As principais foram “O que aconteceu com Danilo Gentili?” e “O que é regime semiaberto?”.

Ancelmo Gois – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Colaborador disse:

    É impressionante o que a última eleição fez das nossas vidas… Tudo se resume a essa bendita polaridade: PT x Bolsonaro.
    Ninguém, seja de direita, seja de esquerda, tem o direito de sair humilhando os outros achando que nada acontecerá. Não vivemos (ainda) numa terra sem lei. Errou?! Tem que pagar. Ponto.

  2. Daniel disse:

    Eu endosso tudo que o Gentili falou. Podem me processar babacas.

  3. Moacir Lemos disse:

    Vejam os reacionários esquerdistas demonstrando que eles podem atacar, menosprezar, denegrir, mentir, vender ilusão, cuspir, odiar seus opositores, mas ninguém, absolutamente ninguém pode falar nada contra eles. Esse é o entendimento de democracia deles, bem entendido, eles mandam o resto tem que aceitar, se abrir a boca – PAREDON!
    A esquerda demonstra e não deixa qualquer dúvida que a única coisa que eles entendem e aceitam é a imposição para aceitação de suas ideias, qualquer coisa fora, será ofensa, crime.
    Mas para esquerda é democrático:
    Colocar criança tocando as partes íntimas de homens: Cultura;
    Defecar em público em cima de foto de opositor: Liberdade de expressão;
    Cuspir na cara de opositor: Normal;
    Demonizar o regime militar no Brasil é regra, mas dar apoio as ditaduras de Cuba, Angola, Venezuela, Guiana é louvável;
    Colocar fogo em bandeira do Brasil é liberdade cívica;
    Invadir e destruir propriedade produtiva pelos sem terras: luta social contra exclusão social;
    Impedir trabalho parlamentar com acusações, gritos, invasão de mesa, acusações sem fundamento, tomar documento é ser oposição;
    Deu para entender? Precisa desenhar? Todos as situações acima são de domínio público.

  4. Ems disse:

    Isso é uma lição para nós da direita. Quando alguém lhe chamar de fascista, homofóbico e racista, processe também. Acredito que a justiça dará a mesma resposta.

  5. Sandro disse:

    Eu vi Jesus na goibeira e ele disse: Gentile é o cara. A pelegada laranja também. Eu perguntei: como assim? E ele disse: pergunte ao astrologo olavo de carvalho. Grande é o misterio.

    • Rick disse:

      É psicótico o grau de desumanidade desses chavistas com uma pessoa que teve um trauma decorrente de um estupro.

  6. Aparecida disse:

    Acho é pouco. Um dia ele e outros da mesma espécie aprenderão que a crítica pode ser feita de forma civilizada, sem denegrir a honra das pessoas.

  7. Carlos Bastos disse:

    Esse babaca acha que pode sair por aí falando das pessoas. A justiça está correta.

    • Luciana Morais Gama disse:

      Carlos só quem pode falar merda é o pessoal da esquerda, inclusive chamar certas mulheres de GRELO DURO.

    • Dilermando disse:

      Luciana, só pra lembrar que o senhor que proferiu esta pérola citada por você está preso em Curitiba. Vamos virar a página…

  8. Nilvan Rodrigues da Silva disse:

    Peeega.
    Acho é pouco.

  9. Ceará-Mundão disse:

    Se fizer uma "vaquinha" prá pagar isso ai, prometo que contribuo. Com muito prazer. Kkkkkkkkkkkk

Agora, Banco Central diz que fará o ‘necessário’ para cortar inflação

Por interino

Após entregar uma inflação média colada no teto da meta de 6,5% nos quatro anos do primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff o Banco Central (BC) promete agora que fará “o que for necessário” na sua missão de trazer os preços para baixo daqui a dois anos.

“O BC irá fazer o que for necessário para que no próximo ano a inflação entre em longo declínio, que levará à meta de 4,5% em 2016”, avisou a instituição em seu relatório trimestral de inflação, divulgado ontem (23). Ou seja, o BC pode elevar novamente o juro básico da economia (Selic).

O documento foi considerado pelos analistas mais duro, indicando chances maiores de uma alta de 0,75 ponto porcentual na Selic em janeiro.

Até lá, dias difíceis virão, já que o BC revisou para cima suas projeções para o IPCA de 2014 e 2015, além de derrubar de 0,7% para 0,2% a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. Confirmado o prognóstico do BC, a expansão do PIB será a mais baixa desde 2009, quando o País entrou em recessão por causa da crise financeira internacional.

Mesmo praticamente estável, a perspectiva de crescimento do BC leva em consideração o auxílio inédito nos últimos nove anos das exportações.

Para dar impulso à retomada da atividade nos próximos anos, o BC considera imprescindível a melhora da confiança de empresários e consumidores, abalada no momento. A instituição reconhece que a taxa de crescimento no curto prazo será modesta. “Não estamos antecipando nenhum crescimento vigoroso da economia em 2015”, admitiu o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton.

A inflação encerrará este ano em 6,4%, pelos cálculos do BC – acima da média dos quatro primeiros anos de Dilma, de 6,15%. Para 2015, a taxa projetada, segundo parâmetros do mercado financeiro, é de 6%.

Considerando a cotação do dólar e a taxa básica de juros estável chegaria a 6,1%. Só em 2016 é que se espera algum recuo, com projeções de 4,9% e 5% nesses respectivos cenários.

“Temos ventos contrários, mas temos ventos favoráveis. E os favoráveis vão prevalecer, de modo que a inflação em 2016 venha a 4,5%”, previu Hamilton. O diretor disse que a alta dos preços administrados pelo governo, os ganhos salariais, a escalada do dólar e os efeitos expansionistas da política fiscal explicam a elevação dos preços no curto prazo. Mesmo assim, defendeu que a instituição está agindo contra a inflação e que continuará a agir. Não deu mais pistas, no entanto, sobre como serão essas ações.

Gastos públicos

O BC conta também com um ponto final da recomposição de preços previstos para os próximos meses e a reversão do impacto da política fiscal de expansionista para neutra, podendo chegar até o outro extremo de ser contracionista. O andamento dessa política fiscal será importante para a condução da política monetária, mas o diretor frisou que são essas ações nos juros que vão ter efeitos reais sobre a inflação.

“É importante que fique claro: são as ações de política monetária que vão trazer a inflação para baixo”, disse. Para Hamilton, a política fiscal mais contida entra subsidiariamente nesse processo porque cria condições para que a política monetária funcione “a pleno vapor” e seja transmitida aos preços “em sua plenitude”.

O diretor repetiu, em entrevista concedida ontem, pelo menos meia dúzia de vezes uma frase longa da apresentação, que pode ser sintetizada no trecho de que o “BC vai continuar agindo para fazer o que for necessário”. Esse reforço corroborou a expectativa de continuidade de alta da Selic nos próximos meses. Principalmente, depois que Hamilton confirmou o abandono da expressão “parcimônia”, usada logo depois da decisão de aumentar a Selic para 11,75% ao ano este mês. A palavra “código” já teria cumprido o papel, segundo ele, de alertar o mercado de que o BC estava apertando o passo naquele momento, mas que não iria dar uma guinada drástica nos juros.

Ao longo do ano que vem, a percepção é de que as expectativas do mercado financeiro serão calibradas pelas taxas de inflação dos próximos meses. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fonte: Estadão Conteúdo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lino disse:

    So quebquer cuar o doente com remédio errado. Aumentar juros é para inflação de demanda. A inflação brasileira é de custos. Causada pela ciranda inflacionaria recriada pelos incomPTentes, ao estabelecer a indexação de salários anual. Eles querem matar o dragao o alimentando.
    Cade coragem de reduzir os gastos públicos e acabar coma indexação salarial ?
    Acabaram com o Real e vao deixar uma herança perversa quando finalmente consefuirem tirar essa ditadura do poder.

  2. Sergio Nogueira disse:

    Não fez antes e deixou a situação chegar ao último centímetro antes do precipício por causa das eleições. Um partido que se move ao sabor das urnas não merece guiar os destinos de uma nação.
    Pensam primeiro em manter o poder para ter a chave do cofre. O resto… Bem, o resto é resto.