Saúde

Fiocruz recebe novos lotes de IFA suficientes para produzir 9,7 milhões de doses da vacina da Astrazeneca para a Covid-19

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

Nesta sexta-feira (1º), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recebeu duas remessas de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção da vacina da Astrazeneca para a Covid-19. Os dois lotes serão suficientes para produzir 9,7 milhões de doses.

Atualmente, a Fiocruz tem cerca de seis milhões de doses em etapa de controle de qualidade, que aguardam liberação para entrega. Novas remessas de IFA estão previstas o mês de outubro.

Até o momento, já foram disponibilizadas 107,3 milhões de doses da Astrazeneca ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

O primeiro lote de vacinas feitas com o IFA nacional, produzido na Fiocruz, está previsto para ser disponibilizado no último trimestre do ano.

CNN Brasil

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz defende o passaporte da vacina para todo o Brasil

Foto: Cristine Rochol/PMPA

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou, nesta sexta-feira (1º), um novo boletim em que recomenda a adoção do passaporte da vacina para todo o Brasil. A fundação afirma que o documento pode se tornar uma estratégia para estimular que mais cidadãos se vacinem contra a Covid-19.

A recomendação veio no dia seguinte ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, reestabelecer o decreto da prefeitura do Rio de Janeiro que exige a apresentação da comprovação de vacinação para acessar locais fechados.

Na quarta-feira (29), o decreto foi suspenso por uma decisão do desembargador Paulo Rangel, do Tribunal de Justiça do estado, devido a um habeas corpus que argumentava cerceamento de liberdade de locomoção.

Em linhas gerais, o passaporte funciona como um comprovante individual, que informa se a pessoa está ou não imunizada contra a doença. A norma controla o acesso da população a locais fechados, sejam eles públicos ou privados. Academias, cinemas e teatros são alguns dos estabelecimentos que estão aptos a cobrarem essa autorização.

Para os estudiosos da Fiocruz, o emprego do passaporte em todo o território nacional evitaria a judicialização do tema. Assim, seria possível criar um cenário de maior estabilidade frente à iniciativa. Os pesquisadores do Observatório Covid-19 da Fiocruz, responsáveis pela elaboração do boletim, alegam que o desenvolvimento dessas diretrizes a nível nacional faz parte dos pilares de universalidade e integralidade do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Esta estratégia é central na tentativa de controle de circulação de pessoas não vacinadas em espaços fechados e com maior concentração de pessoas, para reduzir a transmissão da Covid-19, principalmente entre indivíduos que não possuem sintomas”, destaca o boletim.

Logo em setembro, quando o passaporte da vacina foi anunciado na cidade do Rio de Janeiro, as autoridades locais registraram aumento na procura por imunização. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, já no dia seguinte ao anúncio, os pontos de vacinação da capital carioca receberam o triplo do público usual.

De acordo com o levantamento mais recente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), divulgado na última terça-feira (28), atualmente, ao menos 249 cidades brasileiras – 4,47 % do total de municípios do país – exigem o passaporte vacinal. O Nordeste é a região com o maior número de adesões à medida. Ao todo, 60 prefeituras da região implementaram a norma sanitária.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Já que querem assim, deveriam também pedir antecedentes criminais para concursos públicos, ficha limpa para concorrer a eleições, exame de HIV para doadores e futuros servidores públicos, e etc, etc, etc

    1. Pra você se fosse exigido o “teste da goma” ia dar ruim heim?! kkkkk
      bisonho

  2. Com essa notícia os bovinos mais adestrados vão mugir feito loucos, afinal não querem tomar vacina no braço pq preferem ozônio do rainbow…

    1. Vagabundo sempre vagabundo …idiota se mude para o paraíso Venezuela ou Cuba …chora não bebê, perdeu a boquinha, vá trabalhar VA GA BUN DO

    2. Já começaram a mugir… KKK. Boquinha vai perder vc quando o MINTOmaníaco das rachadinhas perder as eleições de 2022. Eu não preciso vender minha alma pra ganhar dinheiro não coitado!

    3. Olha só a horda ignara… Aceitem a verdade, que dói menos. KKK ver o gado sendo tangido e enganado é muito divertido! Comentem mais, bolsominions!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Estados registram alta de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em crianças

 

A proporção de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) aumentou significativamente em crianças nas últimas semanas, com destaque para São Paulo e Minas Gerais, que apresentaram números elevados comparados ao patamar atual da pandemia.

Esses recortes de dados estaduais foram divulgados nesta quinta-feira (30), no Boletim InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Índices mais baixos

No geral, o Brasil tem os índices mais baixos de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) desde o início da pandemia, com exceção de cinco dos 27 estados, que ainda apresentam sinal de aumento na tendência de longo prazo. São eles: Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Pará e Rondônia. Segundo o levantamento, no momento, cerca de 96% das ocorrências de SRAG são relativas a infecções de Covid-19.

Para o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do boletim e do Programa de Computação Científica (PROCC/Fiocruz), o Rio de Janeiro passou por um período de retomada do crescimento de casos nos idosos entre o final de julho e o começo de agosto, o que não se observou em outros estados.

Belo Horizonte tem tendência de aumento de casos nesse público. Já o Distrito Federal apresenta índices de crescimento concentrados nos mais idosos, bem similar ao que ocorreu no Rio de Janeiro, que está em processo de queda no registro de casos.

“É difícil precisar o que levou a essa situação no Rio de Janeiro. Pode ser uma combinação da diminuição do efeito protetor da vacina entre idosos — que levou à adoção da dose de reforço –, e do aumento da exposição na população em geral, facilitando a transmissão. Também tem o avanço da variante Delta ao longo desse processo, que não parece ser responsável pelo início desse período de crescimento, mas pode ter ajudado a mantê-lo”, destacou o pesquisador.

Alta nos casos de crianças

Sobre os casos em crianças, o coordenador do InfoGripe ressalta que o estudo descritivo da semana anterior já vinha destacando tendência de alta. O resultado, já observado em vários estados, pode estar ligado à combinação da flexibilização das atividades econômicas, com a circulação de pessoas e interações presenciais, além do fato de que essa população não está apta à vacinação.

“Ao longo do ano passado, conseguimos manter as crianças protegidas pelas medidas coletivas e aulas remotas. Hoje, elas já estão mais expostas. Em termos relativos, levando em conta o tamanho da população em cada faixa etária, continuam tendo risco menor, em geral, mas o volume de casos semanais aumentou muito em relação ao ano passado.”

Há também uma preocupação entre os pesquisadores em relação à região Sul do país, onde foi observada a presença do Vírus Sincicial Respiratório (VSR), que voltou a circular justamente na esteira das flexibilizações. Esse vírus, segundo especialistas, gera casos graves principalmente em crianças pequenas.

“É possível que ele também esteja contribuindo para o aumento de casos de SRAG em outros estados. O ministério, inclusive, está incentivando a retomada da testagem para esse vírus nos casos de SRAG por conta disso. O avanço da vacinação entre os adolescentes pode ajudar a proteger essa população, por diminuir a transmissão da Covid no ambiente escolar. Não afetaria os casos de VSR, mas ao menos diminuiria a contribuição da Covid como causa de SRAG entre as crianças”, alertou Gomes.

CNN

Opinião dos leitores

  1. Vejo que ainda estamos longe de respostas concretas ! quando se mistura ciência com interesses financeiros a coisa fica enrolada.
    A relação de perguntas/respostas está destoando, cada vez mais temos perguntas sem respostas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SÍNDROME RESPIRATÓRIA: Brasil tem menor patamar da doença desde o início da pandemia, aponta Fiocruz

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

O Boletim InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado nesta quinta-feira (30), aponta que o Brasil estabilizou no índice mais baixo de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) desde o início da pandemia. Apenas cinco dos 27 estados apresentam sinal de aumento na tendência de longo prazo. Atualmente, cerca de 96% das ocorrências de SRAG são relativas a infeções de Covid-19.

Os estados Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Pará e Rondônia apresentaram tendência de crescimento de casos de SRAG. Entre os demais, 14 apresentam sinal de queda: Acre, Amapá, Ceará, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Roraima, São Paulo e Tocantins.

Os únicos estados que apresentam tendência de crescimento no curto prazo são Amazonas, Goiás, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro.

No documento, o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do boletim e do Programa de Computação Científica (PROCC/Fiocruz), indica que os aumentos identificados podem não ser tão significativos quanto o registrado. Isto porque podem estar associados a alterações no fluxo de notificações e um ligeiro aumento na estimativa de casos em idosos. Para ele, o dado precisará ser reavaliado nas próximas semanas.

Nos recortes estaduais, o documento aponta que São Paulo e Minas Gerais seguem com volume de casos semanais significativamente elevados em crianças de até nove anos. Já no Rio de Janeiro foi notado sinal de estabilização com queda no número de casos de SRAG no grupo etário acima de 70 anos. A proporção de casos neste público aumentou no inverno.

No dia 29, a Fiocruz divulgou que 11% dos brasileiros vacinados estão com a aplicação da segunda dose atrasada. O imunizante Coronavac, produzido no Instituto Butantan, em São Paulo, foi o que apresentou a maior taxa de atraso para a segunda dose: 32%. Entre os que receberam AstraZeneca, o índice é de 15% em da Pfizer, 1%.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Segundo a narrativa da gadolândia, as vacinas não impedem a disseminação da covid nem as mortes, então essa queda deve ser resultado, é claro, do uso de remédios COM INEFICÁCIA comprovada contra a covid, como a cloroquina, ivermectina e ozônio retal (esse último para os seguidores mais adestrados do MINTO das rachadinhas). Muuuuuu

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz: síndrome respiratória aguda grave mostra tendência de queda

Foto: © Reuters/Direitos Reservados

O Boletim InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado nesta sexta-feira (24), confirma a tendência de queda dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no país verificada nas últimas semanas. De acordo com a Fiocruz, desde o início da pandemia de covid-19, cerca de 99% dos casos da síndrome com identificação laboratorial de vírus respiratório dão positivo para o novo coronavírus.

A análise é feita com base nos dados inseridos no Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe). No boletim são considerados os dados de até 20 de setembro.

O relatório aponta que apenas Espírito Santo, Piauí e Rondônia apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo, que considera as últimas seis semanas, até a Semana Epidemiológica 37, que compreende o período de 12 a 18 de setembro.

A tendência de queda foi verificada em 12 estados: Amazonas, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Do total, seis unidades federativas – Amapá, Amazonas, Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro e Tocantins – apresentam sinal de crescimento apenas na tendência de curto prazo, que considera as últimas três semanas. Apenas o Rio de Janeiro ainda não atingiu valores inferiores aos observados em 2020.

Segundo o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, ao contrário do que ocorreu em outros países, a disseminação da variante Delta no Brasil não levou a um aumento exponencial dos indicadores da epidemia. “Mesmo o Rio de Janeiro, principal fonte de preocupação nos últimos meses, já interrompeu essa tendência e registrou queda em semanas recentes”, disse.

O pesquisador destaca que a variante Delta pode não ter avançado no país por causa da proximidade em relação aos picos extremamente altos em março e maio, o que pode ter elevado o número de pessoas ainda com algum nível de imunidade, além do avanço gradual da vacinação. Porém, apesar do cenário positivo, para Gomes não é possível garantir ainda que “o pior já passou”.

Idades

Na análise por faixas etárias, o boletim indica queda sustentada desde a segunda quinzena de agosto nos casos de SRAG entre crianças e adolescentes, de zero a 19 anos, após um período de estabilização. Apesar da boa perspectiva, a Fiocruz ressalta que as estimativas estão em valores próximos ao registrado no pico de julho de 2020, com 1 mil a 1,2 mil casos por semana.

Nas faixas de 20 a 59 anos, o número de internações por síndrome retornou ao patamar de baixa verificado em outubro de 2020. Porém, a Fiocruz destaca que o nível para aqueles com mais de 60 anos continua alto.

“Enquanto a redução expressiva no número de casos de SRAG na população adulta é reflexo do impacto da campanha de vacinação escalonada, que permitiu proteger essa população durante o aumento na transmissão nos meses de abril e maio, a estabilização em valores relativamente mais altos na população mais jovem é reflexo da manutenção de transmissão elevada na população em geral”, diz o boletim.

Os indicadores da Fiocruz para a transmissão comunitária do novo coronavírus apontam que a maioria das capitais estão em macrorregiões de saúde com nível alto ou superior, “embora diminuindo gradativamente”.

Das 27 capitais, São Luís está com classificação de saúde em nível epidêmico. Aracaju, Belém, Boa Vista, Cuiabá, Fortaleza, João Pessoa, Macapá, Maceió, Manaus, Natal, Palmas, Porto Alegre, Porto Velho, Recife, Rio Branco, Salvador, Teresina e Vitória estão em nível alto. Já Campo Grande, Curitiba, Florianópolis, Rio de Janeiro e São Paulo estão em nível muito alto; e Belo Horizonte, Brasília e Goiânia estão em nível extremamente alto.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Casos e mortes relacionados à Covid-19 no país seguem em queda, diz Fiocruz

Foto: Walterson Rosa/MS

Os indicadores da pandemia relacionados a transmissão da doença, testes positivos e mortalidade seguem em queda no Brasil, de acordo com o Boletim Observatório Covid-19, divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) nessa quarta-feira (22). O estudo, que analisa o período entre os dias 12 e 18 de setembro, aponta que nenhum estado brasileiro apresenta taxa de ocupação de leitos de UTI em zona crítica, ou seja, superior a 80%.

Com exceção do Espírito Santo e do Distrito Federal, que têm ocupação acima dos 60% e, por isso, estão na zona de alerta intermediário, todas as outras unidades federativas estão fora do alerta. O boletim afirma que a melhora nas taxas tem ligação direta com a vacinação contra o vírus, que mesmo sem atingir ainda níveis desejáveis, tem avançado de forma diversificada pelo território nacional e atinge um dos objetivos, que é a redução de casos graves.

Os pesquisadores da Fundação ressaltam que são favoráveis à adoção do passaporte sanitário, que é uma política de proteção coletiva e estímulo a imunização. Eles também destacam que o avanço da vacinação para outras faixas etárias deve ser pensado no país.

“A vacinação precisa continuar sendo acelerada e ampliada entre adultos que não se vacinaram ou não completaram o esquema vacinal, idosos que requerem a terceira dose e adolescentes. As novas evidências científicas indicando a segurança e elevada eficácia da vacinação em crianças também devem colocar na mira a expansão da vacinação nesse grupo populacional” afirmam os especialistas.

Assim como os estados, as capitais brasileiras também apresentam melhoras na ocupação. Das 27 capitais, 22 estão fora da zona de alerta. Apenas cinco delas estão na zona intermediária, com taxa acima de 60%: Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória, Porto Alegre e Brasília.

Os pesquisadores ressaltam que, apesar da melhora relevante nos indicadores, ainda é fundamental cautela por parte das autoridades e da população, para que o quadro não seja revertido. O estudo alerta que o uso adequado de máscara e o distanciamento físico ainda devem ser praticados por todos.

Outro destaque desta edição é que, ao passar pela fase aguda da pandemia, o Brasil deve iniciar a preparação para o médio e longo prazo. Dessa forma, o sistema de saúde precisa estar organizado para ser eficiente em cuidados especializados a longo prazo, já que estudos mostram que os efeitos pós-Covid podem resultar em diferentes sintomas, mesmo que a doença tenha sido leve. Entre eles, estão coração acelerado, dores no peito, dificuldade em se concentrar e depressão.

Registros atrasados

No fim da semana epidemiológica analisada houve um aumento brusco no número de casos de Covid-19 notificados no sistema e-SUS, do Ministério da Saúde. Em apenas sete dias foram registrados cerca de 241 mil novos casos da doença, cerca de 16% a mais do que nas duas semanas anteriores.

Os dados estavam represados e afetaram principalmente os estados do Rio de Janeiro e São Paulo. No território fluminense foram registrados 100 mil casos excedentes em apenas um dia, enquanto no estado paulista, foram registrados aproximadamente 45 mil em dois dias.

De acordo com os pesquisadores, o atraso nos dados tem sido um problema crônico na pandemia, porque compromete uma boa gestão de enfrentamento a doença. Eles afirmam que houve uma subestimação da transmissão do vírus, tendo como um dos resultados a flexibilização das medidas, sem respaldo em dados.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

    1. Vai perder na próxima Eleição esse genocida aguardem vou ficar sorrindo até 2026 o lapada vai levar esse bolsobosta

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz retoma entrega de doses da AstraZeneca ao Ministério da Saúde nesta terça

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) prevê começar nesta terça-feira (16) a liberação de novas remessas da vacina da AstraZeneca ao Ministério da Saúde.

As entregas ficaram suspensas por duas semanas e pelo menos cinco capitais enfrentam falta do imunizante, como São Paulo, Rio de Janeiro, Palmas, Florianópolis e Porto Velho.

A CNN questionou a Fiocruz sobre o quantitativo de doses que serão entregues hoje, mas a Fundação afirmou que os números serão informados a medida em que ocorrerem a liberação dos lotes.

Na cidade do Rio de Janeiro, a intercambialidade de vacinas já ocorre nos postos de saúde. Diversas unidades estão substituindo a segunda dose da AstraZeneca pela Pfizer/BioNTech, após recomendação da secretaria municipal de Saúde.

Já na capital paulista, cerca de 340 mil pessoas estão com a aplicação da segunda dose da AstraZeneca atrasada, justamente pela falta de doses. Com isso, a prefeitura também começou a usar o imunizante da Pfizer para completar a vacinação desse público.

A Fiocruz prevê entregar cerca de 15 milhões de doses da AstraZeneca ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) no mês de setembro.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SINAL DE ESTABILIDADE: Fiocruz indica interrupção da tendência de queda de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) no Brasil, mas sem retomada de crescimento

Foto: © Leonardo Oliveira/FioCruz

O número de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) no Brasil manteve a tendência de interrupção de queda, observada desde o final de maio, mostra o último Boletim InfoGripe, divulgado nesta quinta-feira (2) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

No entanto, os indícios de possível retomada do crescimento em agosto, apontados na semana passada, não se confirmaram, mantendo o sinal de estabilidade.

A incidência da síndrome é um parâmetro de monitoramento da pandemia de covid-19, uma vez que o Sars-CoV-2 é responsável por 96,6% dos casos virais de Srag registrados desde 2020.

Recorte estadual

Os dados indicam que apenas quatro das 27 unidades da federação apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo, com destaque para Bahia, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Os dois primeiros estados apontam para início de crescimento ao longo de agosto, enquanto o Rio de Janeiro apresenta sinal de crescimento acentuado desde a segunda quinzena de julho.

Dentre os demais estados, dez apresentam sinal de estabilidade nas tendências de longo e curto prazo: Acre, Alagoas, Amapá, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Piauí, Roraima, Santa Catarina e São Paulo.

A análise aponta que todos os estados apresentam ao menos uma macrorregião de saúde em nível alto ou superior e sete estados apresentam ao menos uma macrorregião em nível extremamente elevado: Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

“Em todos esses estados observa-se que essa tendência tem sido puxada principalmente pelos casos graves em crianças e adolescentes e pela população acima de 60 anos. No caso do Rio de Janeiro, para a população acima de 70 anos estima-se que a situação atual já esteja em situação similar ao observado no pico do final de 2020”, disse o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes.

Faixa etária

O estudo observou entre crianças e adolescentes (de zero a 9 anos e de 10 a 19 anos) uma estabilização dos casos de Srag em patamar significativamente elevado quando comparados com o histórico da pandemia. “Vale considerar que a situação atual é similar ao pico mais agudo de 2020”, diz a Fiocruz.

Segundo o coordenador do InfoGripe, o patamar de estabilização se apresenta mais alto à medida que a idade diminui. “Já a redução expressiva do número de casos de Srag na população idosa é reflexo do impacto da campanha de vacinação escalonada realizada nos meses de abril e maio. Os valores mais altos da população mais jovem indicam que a transmissão segue elevada e são atribuídos à transmissão elevada na população em geral”, afirmou.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Mortes por covid-19 no Brasil estão em queda há dez semanas consecutivas, informa Fiocruz

Foto: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

As mortes por covid-19 no Brasil estão em queda há dez semanas consecutivas e chegaram à média diária de 670 na Semana Epidemiológica 34 (15 a 28 de agosto), segundo o Boletim do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Nos momentos mais críticos da pandemia, em abril de 2021, o país chegou a ter uma média de mais de 3 mil mortes diárias.

O boletim acrescenta que o número de novos casos de covid-19 teve queda média de 2,4% ao dia na semana estudada e atribui à vacinação a redução contínua na mortalidade e nas internações pela doença no país. Os pesquisadores pedem que esse processo seja acelerado e ampliado e ressaltam que a maioria da população adulta ainda não completou o esquema vacinal, o que é fundamental para maior efetividade das vacinas. Acrescentam que a vacinação de adolescentes ainda está em fase inicial.

“Segundo dados compilados pelo Monitora Covid-19, considerando os adultos (acima de 18 anos), 82% dessa população foram imunizados com a primeira dose e 39% com o esquema de vacinação completo. Apesar de ainda ser necessário avançar na ampliação e aceleração da vacinação, esse processo contribui para a importante tendência de redução da incidência e mortalidade, sendo notável o declínio no número absoluto de internações e óbitos em todas as faixas etárias”, afirma o boletim.

Outro ponto destacado é que as vacinas não impedem completamente a transmissão do vírus Sars-CoV-2, mesmo quando o esquema vacinal está completo. Pessoas vacinadas podem transmitir para outras pessoas, independentemente de manifestarem a doença, e não estão totalmente livres do risco de desenvolver um quadro grave, ainda que esse risco seja reduzido de forma importante pela imunização. Além disso, os pesquisadores veem um cenário em que o relaxamento de medidas de distanciamento físico, tanto por parte de governos quanto da população, se dá ao mesmo tempo em que cresce a presença da variante Delta nas amostras analisadas.

“O conjunto desses fatores resulta em cenário que combina incertezas com exigência de muita atenção”, alertam. “A redução do impacto da pandemia de modo mais duradouro somente será alcançada com a intensificação da campanha de vacinação, a adequação das práticas de vigilância em saúde e o reforço da atenção primária à saúde, além do amplo emprego de medidas de proteção individual, como o uso correto de máscaras e o distanciamento físico”.

Apesar da tendência de queda no país, os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), uma complicação frequentemente relacionada à covid-19, ainda se encontram em nível extremamente alto no Paraná, Rio de Janeiro, em Minas Gerais, São Paulo, Goiás e no Distrito Federal. Nessas unidades da federação, há mais de 10 casos para cada 100 mil habitantes.

A taxa de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva para covid-19 está fora da zona de alerta para 23 estados e o Distrito Federal. As exceções são Roraima, que está na zona de alerta crítico, com 82%, Goiás (62%) e o Rio de Janeiro (72%), que estão na zona de alerta intermediário.

Apesar disso, o boletim considera que o estado do Rio de Janeiro é o que mais preocupa, com a região metropolitana da capital apresentando percentuais críticos de ocupação: Rio de Janeiro (96%) – Belford Roxo (100%), Duque de Caxias (94%), Guapimirim (90%), Nova Iguaçu (85%), Queimados (78%) e São João do Meriti (83%).

“O temor por uma reversão da tendência de melhoria nos indicadores da pandemia tem sido colocado, tomando justamente o Rio de Janeiro como exemplo e designando-o como epicentro da variante Delta. É necessário manter cautela e continuar acompanhando os indicadores nas próximas semanas. Deve-se evitar a perspectiva alarmista, mas também não se deve assumir que o panorama indica a possibilidade de flexibilização absoluta de atividades e circulação de pessoas”.

O boletim divulgado hoje também reforça a avaliação de que, com o avanço da vacinação para a população mais jovem, o rejuvenescimento da pandemia observado no primeiro semestre deste ano foi revertido. “As internações hospitalares, internações em UTI e óbitos voltaram a se concentrar na população idosa, que apresenta maior vulnerabilidade entre os grupos por faixas etárias”.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Graças a Deus. Mas para os CoronaLOVERS e governadores lacradores deve ser uma péssima notícia.

    1. Deve ser devido a ivermectina e azitromicina e a cloroquina.. a vacina não tem nada haver com isso. A gadolandia pira

    2. Turci comunista de meia tigela, o lacrador coronalover aqui é você.

    3. Esra vendo os imbecis latindo, Turci? Essa gente indecente, moleques militantes, certamente pagos por políticos de esquerda? Pois é.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Fiocruz recebe IFA para a fabricação de 4,7 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca

Foto: © Reuters/Rachel Wisniewski/Direitos Reservados

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recebeu na manhã desta segunda-feira (30) mais um carregamento do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) usado para a a fabricação da vacina Oxford/AstraZeneca contra a covid-19.

A remessa chegou às 5h50 da manhã ao Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro e foi levada para a fábrica do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz).

A Fiocruz calcula que o IFA recebido hoje poderá ser usado para produzir 4,7 milhões de doses da vacina. Apesar disso, as instalações de Bio-Manguinhos devem continuar operando abaixo de sua capacidade total, já que a disponibilidade do insumo é menor que a capacidade produtiva do instituto.

Desde o início do ano, a fundação já entregou 91,9 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Foram entregues 4 milhões de doses importadas da Índia e 87,9 milhões produzidas em Bio-Manguinhos.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz aponta Natal entre as dez capitais com o menor percentual de ocupação de leitos Covid

Foto: Joana Lima/Secom

O último Boletim do Observatório Covid-19 organizado pela Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz, foi divulgado nessa quinta (08,) e apontou Natal entre as dez capitais brasileiras que estão fora da zona de alerta na questão do número de ocupação de leitos. De acordo com o levantamento, a média de ocupação dos leitos é de 53%. Além da capital potiguar, Rio Branco (28%), Belém (51%), Macapá (56), João Pessoa (48%), Recife (56%), Maceió (57%), Aracaju (58%), Florianópolis (52%) e Cuiabá (61%) completam o rol de cidades bem posicionadas nesse quesito.

Para os pesquisadores, essa situação se deve ao avanço da vacinação da população. O estudo indicou que o país vacinou mais de 45% da população adulta com pelo menos uma dose de vacina e cerca de 16% com as duas doses. Em Natal, 509.302 doses foram aplicadas até esta quinta-feira, ou seja, mais da metade da população natalense já recebeu ao menos uma dose dos imunizantes disponibilizados.

Esses dados atestam que a pandemia apresenta sinais de regressão em Natal. Nesta quinta-feira (08), nenhum óbito relacionado à doença foi registrado no Município nas últimas 24 horas. Os números atualizados da Coordenação da Rede de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde mostram que a ocupação dos leitos clínicos atingiu 26%, menor patamar desde o início da pandemia. Já os leitos críticos ocupados no momento chegam a 60%. Entretanto, um ponto positivo precisa ser destacado. Nas Unidades de Pronto-Atendimento da rede municipal de saúde não há nenhum paciente aguardando internação.

Apesar dos índices do estudo, apresentando bons resultados nas últimas semanas, a Fiocruz alerta para que as medidas de contenção da pandemia continuem e até sejam ampliadas: “Mesmo com redução expressiva no número de casos, as taxas de incidência de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG) ainda são muito altas em vários estados. Em sua maioria, esses números indicam casos graves de Covid-19”, destaca.

 

Opinião dos leitores

    1. Tá na hora de abrir. A caixa preta dos hospitais que presta serviços ao governo estadual, a começar por Mossoró, Caicó, Natal. E rever o estatuto de associação filantrópicas que alteram o seu estatuto colocando membros da direção com sócios sem fazer aporte de valores, e assumindo direitos em patrimônio milionário abença dos papéis com artigos manipulado e assinados por membros analfabeto na sombra da mipia da justiça. Quando o direito faz tudo que quer em uma folha em branco e a justiça está de óculos escuro em uma sala fechada com a luz apagada, e não consegue ver que foi manipulado para aceitar erros grosseiro em ata de associações de apamim. Como você pode ser vitalício e dono ser você não comprou os bens que são públicos e sem direito à compra por ser uma associação sem intuito de fim lucrativos. A corda senhores promotores, tem que abrir todas as caixas pretas das Apamim em todos os municípios com mas 25000 habitantes no RN. E tem que ver os furo nos contratos e atas. As Apamim não são privadas, não tem donos vitalício, não pode a justiça federal dá anos e anos para que os diretores sejam vitalício. Tem que existe auditorias em todas. São verbas federais, são os impostos colocados em instituições que também cobram procedimentos particulares e ainda, estão meses com a folha e prestação de serviços em atraso, algo tá errado. Dinheiro veio, tem que abrir a caixa preta de todos .

  1. Parabéns Presidente Bolsonaro, Prefeito Álvaro Dias e Dr Albert Dickson. Falta a Governadora Fátima Cadeado liberar as vacinas trancadas a 7 chaves, por essa maledita governanta.

  2. Realmente o trabalho realizado pela PMN fez o diferencial. Prefeito Álvaro Dias, Parabéns! Nós, natalenses, reconhecemos o seu esforço no enfrentamento desta pandemia. Sabemos também que a vacinação só não está mais avançada pela falta de repasse das doses pelo governo estadual, conforme a mídia divulga diariamente.

  3. O grande problema ainda é a FALTA de INTERESSE, DETERMINAÇÃO, CORAGEM e vontade politica em fazerem uma FISCALIZAÇÃO RIGOROSA E EFETIVA para combater a disseminação do covid-19. Ainda continua TUDO na base do FAZ DE CONTA, e os mercenarios planejando festas e MAIS aglomerações. QUE DEUS TENHA MISERICORDIA DE NÓS.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz: Brasil mantém tendência de melhora nas taxas de ocupação de leitos de UTI para Covid-19

Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

O Brasil continua apresentando tendência de melhora nas taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos na rede pública. O país também sinaliza queda nos índices de mortalidade pela doença, mas apresenta um alto platô de transmissão, em níveis superiores aos observados em meados de 2020, segundo novo boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

De acordo com o documento, entre 20 e 26 de junho foi observada estabilidade da incidência da Covid-19, com média de 72 mil casos diários. O número de novas infecções oscilou “ligeiramente”, com queda de 0,2% ao dia.

Já os óbitos pelo coronavírus apresentaram queda de 2,5% ao dia, com média de cerca de 1.700 mortes diárias. “Esse valor ainda é considerado muito alto, o que não permite afirmar que haja qualquer controle da pandemia no Brasil”, afirmam os autores.

Segundo os pesquisadores, a diferença entre as tendências observadas nos registros de casos e mortes pode ser reflexo da campanha de vacinação contra a Covid-19, que atualmente abrange uma grande parcela da população idosa e grupos com maior risco de apresentar formas graves da doença.

“Com a vacinação, a circulação de novas variantes do vírus pode aumentar a sua transmissibilidade, sem que isso represente um aumento no número de casos graves que necessitem internação”, informa o boletim.

Os autores apontam que a redução da ocupação de leitos de UTI em alguns estados pode ser resultado dessa “nova fase da pandemia no país”. Como a transmissão permanece intensa, alertam que podem ocorrer casos mais graves entre grupos populacionais não vacinados ou “‘potencializados pela vulnerabilidade individual e social”.

Ocupação nas UTIs para Covid-19

Segundo a Fiocruz, dados do dia 28 de junho ratificaram a tendência de melhora nas taxas de ocupação dos leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS), que já havia começado a ser observada na semana passada. Dez estados apresentaram quedas de pelo menos cinco pontos percentuais no índice.

Sete estados e o Distrito Federal (81%) apresentam taxas de ocupação iguais ou superiores a 80%. Os piores índices foram observados no Tocantins (90%), Paraná (94%) e Santa Catarina (92%). Em seguida estão Sergipe (88%), Mato Grosso do Sul (88%), Roraima (87%) e Goiás (85%).

Na região Nordeste, (Rio Grande do Norte), Maranhão, Ceará, Pernambuco, Alagoas e Bahia saíram da zona de alerta crítico para a de alerta intermediário, entre 60% e 80%, e Paraíba saiu da zona de alerta. Rio Grande do Sul e Mato Grosso também deixaram a zona crítica e entraram na intermediária.

Já o Amazonas apresentou alguma piora nas taxas, passando de 54% para 63% e voltando para o alerta intermediário. Piauí também teve piora, passando de 71% para 76%, pois tem sido muito afetado no interior, segundo os pesquisadores.

Medidas coordenadas

A Fiocruz ainda recomenda que, “até que seja decretado o fim da pandemia”, estados e municípios, com apoio do governo federal, combinem um conjunto de ações nas próximas semanas.

Elas incluem medidas não-farmacológicas, com objetivo de reduzir a propagação do coronavírus; relacionadas ao sistema de saúde, para aliviar a sobrecarga dos serviços e reduzir a mortalidade hospitalar; e políticas e ações sociais para mitigar os impactos da pandemia, principalmente para as populações e grupos mais vulneráveis.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz antecipa chegada de IFA e minimiza paralisação da fábrica de vacinas: “garantirá entregas semanais”

Foto: CASSIANO ROSÁRIO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A Fundação Oswaldo Cruz conseguiu antecipar um lote de Ingrediente Farmacêutico Ativo que estava previsto para chegar por volta do dia 20 de junho e, com isso, vai conseguir diminuir o impacto na fábrica de Biomanguinhos, na zona norte do Rio de Janeiro.

A negociação, que vinha se arrastando há dias, teve uma sinalização positiva do exportador chinês da matéria-prima da vacina na manhã desta segunda-feira (7). Até domingo (6), não havia sequer data prevista para a chegada do novo lote. A direção da Fundação, contava, no entanto, que a remessa viria por volta do dia 20, reunindo os ingredientes esperados para todo o mês em uma remessa só.

Após a entrega do IFA no sábado, o material será descongelado e poderá ser usado na fábrica provavelmente na terça-feira de manhã, o que deve evitar uma paralisação de até 10 dias, que seria ocasionada se de fato a remessa só chegasse por volta do dia 20.

Em comunicado, a Fiocruz informou que “a aceleração da entrega dessa remessa permitirá a continuidade da produção de vacina e garantirá entregas semanais de vacina ao Programa Nacional de Imunizações”.

Até agora, a Fundação já entregou 50,9 milhões de doses da vacina que tem a fórmula da AstraZeneca e da Universidade de Oxford ao Ministério da Saúde. A meta inicial de entregas no primeiro semestre era de 100 milhões de doses.

As entregas semanais, no entanto, estão garantidas até dia 10 de julho. A partir de agora, a vacina será entregue às sextas-feiras para o governo do Rio de Janeiro e aos sábados para o Ministério da Saúde. A vacina será direcionada para São Paulo, e não mais para o centro de abastecimento no Rio, a pedido da própria pasta.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Rapaz, é tão imoral essa imprensa esquerdopata, que ela inventa mentira e no outro desmente.
    Jamais o Véio Bolsonaro iria deixar de importar IFA, comprar vacinas ou algum item para combater o covid.
    A cada dia eu admiro Bolsonaro e sua equipe Ministerial.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Fiocruz prevê entrega de 100 milhões de doses no 2º semestre

Foto: © Marcello_Casal

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) adiantou nesta quarta-feira(2) que a produção do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) nacional deve permitir a entrega de 50 milhões de doses da vacina contra covid-19 em 2021. Segundo a fundação, foi firmado novo acordo com a AstraZeneca para a importação de IFA suficiente para mais 50 milhões de doses, somando 100 milhões de doses a serem entregues no segundo semestre.

A projeção inicial da fundação, divulgada ainda em 2020, era a produção de 110 milhões de doses com IFA nacional em 2021, mas a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, explicou que essa era uma estimativa feita ainda com a vacina em fase de testes.

“As 110 milhões foram uma estimativa com os dados que tínhamos antes mesmo de a vacina ser aprovada, antes de várias etapas terem acontecido e os problemas iniciais com o IFA”, citou a presidente da fundação, ao reforçar que a Fiocruz trabalha para conseguir mais IFA e produzir mais vacinas. “Nosso esforço é por IFA adicional, e isso já está contratualizado. Um esforço para mais IFA, se for possível, porque há uma carência [internacional]. Essa vacina está sendo usada em 170 países”.

A Fiocruz assinou nesta semana o acordo de transferência de tecnologia com a AstraZeneca para garantir a produção de IFA nacional. Até o fim de julho, serão entregues 100,4 milhões de doses produzidas somente com IFA importado e previstas no acordo de encomenda tecnológica, assinado no ano passado.

Além do esforço para ampliar a produção do segundo semestre, a Fiocruz busca reduzir a possibilidade de haver uma interrupção de entregas, já que as doses da encomenda tecnológica serão liberadas até julho e as da produção nacional de IFA só devem ter a distribuição autorizada pela Anvisa em outubro. Além de carregamentos adicionais de IFA importado, a fundação tenta conseguir também mais doses prontas, como as 4 milhões que chegaram da Índia em janeiro.

O diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma, ressaltou que todas as alternativas estão sendo avaliadas e articuladas para que mais vacinas sejam disponibilizadas à população. Sobre a previsão inicial de doses totalmente nacionais, ele reforçou que o maior conhecimento sobre a vacina permitiu fazer uma previsão mais precisa.

“À medida em que a gente foi conhecendo melhor o processo, detalhando melhor os protocolos de produção e conhecendo melhor os rendimentos, à medida que a gente foi tendo essas informações, a gente teve uma capacidade maior de fazer uma previsão mais precisa”, disse ele. “Nesse momento, a gente viu que até pode produzir mais do que 50 milhões de doses, mas dificilmente a gente consegue entregar, porque várias dessas doses estarão em controle de qualidade”.

Mesmo assim, o diretor destaca a dificuldade de fixar previsões de doses. “Vai depender do rendimento que a gente vai conseguir do IFA. O IFA varia lote a lote, tem concentrações virais diferentes, volumes diferentes, e isso pode gerar mais ou menos doses”.

Zuma avalia que a assinatura do contrato de transferência de tecnologia ter acontecido no fim de maio não atrasou a produção do IFA, porque as informações técnicas já vinham sendo compartilhadas pela AstraZeneca desde agosto do ano passado. A negociação do acordo, afirma ele, trouxe a possibilidade de aperfeiçoamentos futuros na vacina serem compartilhados com a Fiocruz, assim como a fundação se compromete a compartilhar quaisquer melhoramentos que faça na vacina.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

    1. Nem no futebol somos mais o 5° do mundo, Bolsonaro colocou o Brasil em 5° no mundo na vacinação. Bolsonaro 2022, como diria Maju , ” O choro é livre”

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

MAIS VACINAS E DOSES: Produção do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) 100% nacional pela Fiocruz começa ainda este mês

Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters (5.mar.2021)

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) começa ainda este mês a produzir o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da vacina contra a Covid-19 100% nacional. Nesta quarta-feira (2) – dia seguinte à assinatura do contrato de transferência de tecnologia –, chegaram ao Brasil os bancos de células e de vírus, materiais considerados “o coração” da tecnologia para a produção da vacina. Após procedimentos burocráticos, eles seguem para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), onde o imunizante será produzido.

O contrato de transferência de tecnologia entre a Fiocruz e a farmacêutica AstraZeneca, assinado na terça-feira (1º) permitirá a fabricação da vacina 100% nacional. A estimativa da fundação é de que sejam produzidas, por mês, cerca de 15 milhões de doses da vacina na fábrica de Bio-Manguinhos. Mas as primeiras doses da vacina contra a Covid-19, 100% nacionais, só devem ser entregues em outubro.

Para o diretor de Bio-Manguinhos/Fiocruz, Mauricio Zuma, a assinatura do contrato de transferência de tecnologia “traz materialidade à independência nacional na produção da vacina Covid-19”.

“Bio-Manguinhos tem 45 anos de existência e, ao longo destes anos, desenvolveu competências tecnológicas que tornam a instituição capaz de internalizar todas as etapas produtivas, com toda a complexidade envolvida nos processos biotecnológicos. É uma resposta importante que trazemos para o país no combate à pandemia, aliada à incorporação de uma nova tecnologia que também poderá ser utilizada para trazer futuras soluções para a saúde da população”, afirmou.

A fábrica já está apta a iniciar a produção. As etapas de adaptação da planta fabril, aquisição dos equipamentos necessários à incorporação da tecnologia de produção do IFA e a documentação, referentes à certificação de toda operação, já foram concluídas.

O próximo passo é o treinamento da equipe técnica e a elaboração da documentação técnica relacionada aos processos produtivos do IFA nacional. Inicialmente serão produzidos dois lotes de pré-validação e três de validação, que passarão por testes de comparabilidade pela AstraZeneca, até alcançar a produção em larga escala.

Paralelamente, serão elaboradas as documentações necessárias à solicitação da alteração no registro da vacina junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Essa alteração no registro deve incluir o novo local de fabricação do IFA, uma exigência da agência reguladora, para o fornecimento das vacinas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde. Por isso, a expectativa é que as primeiras doses 100% nacionais só sejam entregues em outubro.

A Fundação também formalizou o contrato para a aquisição adicional de IFA importado para processamento final de outros 50 milhões de doses, para compor as entregas de vacina no segundo semestre junto com a produção nacional. Mas o cronograma de entrega desses lotes adicionais de IFA ainda não foi detalhado pela instituição.

No total, já foram entregues 47,6 milhões de doses ao PNI, incluindo 4 milhões de doses prontas da vacina do Instituto Serum, da Índia. Com o IFA já em estoque no Instituto, estão garantidas outras 18,5 milhões de doses que sustentam entregas semanais até o dia 3 de julho.

A Fiocruz aguarda a confirmação da possibilidade de aceleração das novas remessas de IFA para informar sobre a disponibilidade das próximas entregas. Não havendo atraso na entrega do IFA, a expectativa é de que não haja uma interrupção na produção da vacina entre os meses de agosto e setembro, como previsto anteriormente pela fundação.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

    1. A pedidos, vou comentar: é uma pena, para não dizer uma tragédia, que somente agora, mais de um ano depois do início da pandemia, o governo federal está finalmente investindo na fabricação local de vacinas… Afinal, até o final do ano passado, o MINTO negou a ciência, uso de máscaras, vacinas e distanciamento e apostou em placebos …

  1. Noticias desta deixam os conspirados contra a pátria bem triste. Bola pra frente, o capitão esta no caminho certo, temos mais 4 anos pela frente, contra tudo e contra todos!

  2. Uma noticia desta invergadura, deveria ser noticiada na CPI circense e também nas tvs ativista militantes, tais como, globolixo, cnn,tv cultura, deveriam ser noticias em sues jornais macabros.

    1. Botou Globo, CCN e TV Cultura (Fundação Padre Anchieta) no mesmo bolo, já vi que o critério é Z E R O.

  3. Imagino como uma notícia excelente como essa deve doer na “cabecinha” tresloucada da oposição “lacradora”. É muito difícil ser oposição num governo como o do “Bozo”. O jeito é mentir e inventar narrativas, como esses vermes fazem. Vai vendo.

  4. Mesmo não sendo um admirador de suas falácias, admito que desta vez tenho que dar parabéns ao presidente Bolson…. Que Jesus nos abençôe.

    1. Você sabia que o acordo prevendo testes da vacina, compra de 100 milhões de doses e transferência de tecnologia foi assinado em julho de 2020???
      Mas a imprensa e a esquerda divulgam fakenews dizendo que Bolsonaro era contra vacina e que demorou a comprar…
      Comprou em julho de 2020 100 milhões de doses…
      O mesmo que os Estados Unidos compraram de Pfizer em dezembro de 2020…
      Veja a seguir notícia do G1 de julho de 2020
      https://g1.globo.com/bemestar/vacina/noticia/2020/07/31/astrazeneca-e-governo-assinam-acordo-para-producao-da-vacina-contra-a-covid-19.ghtml

  5. É o Governo Federal que tem a frente Jair Bolsonaro, o MITO, trabalhando, para oferecer o que tem de melhor para a população brasileira.
    O melhor e maior Presidente que o Brasil já teve, desde sua descoberta em 1500.
    MITO TEM RAZÃO
    MITO REELEITO NO PRIMEIRO TURNO.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz recebe insumos e retoma produção de vacinas contra a Covid nesta terça-feira

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) retomou nesta terça-feira (25) a produção da vacina Oxford/AstraZeneca. A fabricação tinha sido interrompida por falta do ingrediente farmacêutico ativo (IFA).

Uma nova remessa da matéria-prima da China chegou no sábado (22), à cidade. Quantidade suficiente para a produção de 12 milhões de doses. Isso significa que a produção da vacina está garantida até a terceira semana de junho.

O Instituto Butantan, que está com a produção da CoronaVac paralisada desde 14 de maio, deve receber nesta terça-feira (25) 3 mil litros de insumo, suficientes para produzir 5 milhões de doses do imunizante.

A AstraZeneca e a CoronaVac são as duas únicas vacinas do Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, produzidas no Brasil. A vacina da Pfizer é importada dos Estados Unidos.

Produção Fiocruz

Atualmente, a capacidade de produção da fundação atinge cerca de 1 milhão de doses por dia.

“O cronograma de entregas permanece semanal, sempre às sextas-feiras, conforme pactuado com o Ministério da Saúde, seguindo a logística de distribuição definida pela pasta”.

G1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *