Geral

Governo lança campanha de DNA para encontrar pessoas desaparecidas em todo o país

Foto: © Marcello Casal jr/Agência Brasil

O Ministério da Justiça e Segurança Pública lançou, hoje (25), uma campanha para coletar, voluntariamente, material genético de parentes de pessoas desaparecidas em todo o país. O objetivo é abastecer o Banco Nacional de Perfis Genéticos e, por meio de exames biológicos, auxiliar na eventual identificação de desaparecidos. Segundo o ministério, cerca de 80 mil pessoas desaparecem no Brasil todos os anos.

O anúncio de lançamento da Campanha Nacional de Coleta de DNA de Familiares de Pessoas Desaparecidas acontece no dia em que se celebra o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas, mas as ações propriamente ditas ocorrerão entre 14 e 18 de junho, em todo o território brasileiro, em locais que serão anunciados pelas secretarias estaduais de Segurança Pública.

Parentes de pessoas desaparecidas, preferencialmente de primeiro grau (pai e mãe, filhos, irmãos) ou pessoas com quem a desaparecida tenha tido filhos, serão incentivadas a fornecerem mostras do próprio material genético, que é obtido de forma indolor. Familiares e pessoas próximas também podem entregar itens pessoais pertencentes à pessoa desaparecida, tais como escova de dentes ou cabelo; óculos, aparelho ortodôntico; dente de leite; aparelho de barbear; aliança e outros objetos nos quais os técnicos possam encontrar material genético.

Criado em 2013, com o objetivo principal de auxiliar investigações criminais por meio da perícia de material genético, o Banco Nacional de Perfis Genéticos conta com menos de 3 mil amostras cadastradas de material genético de parentes de pessoas desaparecidas. De acordo com o ministério, o uso da tecnologia de ponta pode ajudar na localização por meio da identificação de vínculo genético de pessoas encontradas com as cadastradas no banco nacional.

“O lançamento desta campanha, esta coleta [de material genético], são fundamentais e vai ajudar, mas não basta”, disse o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, durante cerimônia realizada esta manhã, na sede do ministério, em Brasília. “Não temos mais tempo a perder. A sociedade nos cobra uma atitude em relação às pessoas desaparecidas, em especial às crianças. De certa forma, é uma omissão do Estado não se fazer presente e não ajudar a buscar estas pessoas, estas crianças, e buscar minimizar o sofrimento”, acrescentou o ministro, admitindo que o Estado precisa ser mais “proativo”, inclusive para orientar os profissionais da segurança pública de todo o país a lidarem de forma adequada com o problema.

Comitê gestor

Além do lançamento da campanha, durante a cerimônia foi instalado o Comitê Gestor da Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas. Instituído por decreto em fevereiro deste ano, o órgão integrará a estrutura do Ministério da Justiça e Segurança Pública, mas será composto também por representantes dos ministérios da Mulher, Família e Direitos Humanos; Cidadania e Saúde, além de integrantes indicados pelo Poder Judiciário, Ministério e Defensoria Públicos, peritos criminais, Conselhos Tutelares, Conselhos de Direitos Humanos e sociedade civil.

Entre as competências do comitê destacam-se o monitoramento à implementação da Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas e o fomento à cooperação entre o governo federal, estados, Distrito Federal e municípios para o mapeamento e prevenção e busca de pessoas desaparecidas. O comitê também atuará no desenvolvimento de estudos, debates e pesquisa sobre o tema, podendo apresentar propostas de edição e de alteração de atos legislativos e normativos.

Ao discursar, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que o Brasil não sabe ao certo quantas crianças desaparecem no país anualmente. Fato que ela classificou como um “absurdo”.

“A primeira coisa que vamos fazer é descobrir quantas crianças estão desaparecendo, de fato, no Brasil. Só na Ilha do Marajó [MA], todos os anos, 1,5 mil crianças nascem e não são registradas. Imaginem em todo o país. Como vamos saber quantas estão desaparecendo no Brasil se não sabemos ao certo nem quantas estão nascendo”, comentou a ministra, afirmando que o país não pode mais “fechar os olhos” para “algo tão sério”.

“Ou a gente entende que as crianças estão em risco no Brasil, ou a gente entende que elas estão em perigo no país. Não dá mais para ficar apenas fazendo discursos bonitos, criar grupos de trabalho ou apresentar excelentes propostas legislativas que ficam anos tramitando”, declarou a ministra, acrescentando que “eu sei, mas, hoje, não tenho muito o que celebrar.”

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Universidades federais conduzem mais de 800 pesquisas para mapear coronavírus e encontrar uma vacina, diz associação

Foto: Reprodução/TV Globo

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) apresentou, nesta segunda-feira (11), as principais iniciativas promovidas por 46 universidades federais brasileiras no combate à pandemia. Segundo a entidade, 823 pesquisas estão em andamento para mapear o novo coronavírus e encontrar uma vacina contra a Covid-19.

Os estudos buscam, principalmente:

identificar o genoma viral do Sars-CoV-2, procedimento fundamental para a produção da vacina;

elaborar sistemas informatizados para a detecção de novos casos da doença;

descobrir tipos de testes mais baratos

e fabricar nacionalmente peças para ventiladores mecânicos.

Além disso, as instituições de ensino disponibilizaram 489 leitos de UTIs e 2.228 leitos de atendimento comum. Ações preventivas também estão em andamento: há 96 projetos de produção de produtos de limpeza, responsáveis pelo fornecimento de 992.828 litros de álcool gel e de 912.000 litros de álcool comum.

Segundo a Andifes, as universidades também colaboram para a fabricação de equipamentos de proteção aos profissionais de saúde e aos cidadãos comuns: mais de 160 mil protetores faciais, 104 EPIs, 85 mil máscaras de pano, 6 mil aventais e 2 mil capuzes foram produzidos pelas instituições de ensino.

“As universidades são lugares de combate ao obscurantismo”, afirma o presidente da Andifes e reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), João Carlos Salles Pires da Silva.
Segundo ele, o investimento em pesquisas e no Sistema Único de Saúde (SUS) mostram-se ainda mais fundamentais durante a pandemia.

Lista de universidades participantes

Abaixo, confira quais são as 46 universidades federais que forneceram informações sobre suas ações de combate à pandemia:

1. UFJF
2. UFRN
3. UFCSPA
4. CEFETMG
5. UFV
6. UFBA
7. UFU
8. UFPR
9. UNIFAL
10. UFPI
11. UFJ
12. UFMS
13. UFRRJ
14. UFMA
15. UFRB
16. UFPB
17. UFOB
18. UNILA
19. UNIPAMPA
20. UFRGS
21. UFSB
22. UFSC
23. UFF
24. UTFPR
25. UFMT
26. FURG
27. UFRPE
28. UFPel
29. UFABC
30. Unifesspa
31. CEFETRJ
32. UFERSA
33. UFRA
34. UFOP
35. UFMG
36. UFM
37. UFPE
38. UFRJ
39. Unifesp
40. UFFS
41. UFLA
42. UFSM
43. UFES
44. UFSCar
45. UFTM
46. UFG

G1

Opinião dos leitores

  1. Essas universidades do Brasil tão mais para produzirem sibalena kkkkk, meu Deus….cambada de malas…

  2. Boa!!!! Ótima notícia!

    Em vez de todo mundo se juntar e estudar saídas para o enfrentamento dessa guerra, ficamos gritando esquerda e direita.

    Juntos somos mais fortes! Eles nos querem brigando…

    1. As dezenas de milhares de formados q trabalham na iniciativa privada e pública justificam e muito os "bilhões " investidos, menos para quem acredita na terra plana, né?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Para ofuscar o Tinder? Site gratuito oferece plataforma para encontrar pessoas para encontros amorosos

Foto: Reprodução/Marvin Costa

Amores Possíveis é um site de relacionamento desenvolvido para promover encontros amorosos. Conhecido como um rival do Tinder, o serviço permite criar um perfil e definir buscas para interagir com outros usuários. Em sua versão grátis, a plataforma permite interagir enviando beijos e mensagens privadas ilimitadas. Além disso, usuários podem adicionar até três fotos em seu perfil e preencher informações detalhadas que podem aumentar as chances de encontrar um romance.

O site oferece cadastro apenas com a utilização de um endereço de e-mail. Sendo assim, é necessário preencher os dados requeridos manualmente. O serviço também oferece versões para iPhone (iOS) e Android. Para saber como criar uma conta e usar as principais funções do Amores Possíveis pelo computador, confira o tutorial a seguir.

Matéria destaque no portal Globo, via Techtudo, na íntegra com passo a passo para cadastro aqui.

Opinião dos leitores

  1. Vôts, se minha mula Adelaide descobre que sou cadastrado num site desses ela dá uma surra de vagina e depois me expulsa de casa.

  2. Hoje em dia só não come prikito quem não quer ou não gosta. Muito viado no mei do mundo. Quem gosta do rachadinho ta fazendo a festa de todos os tipos

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Mulher encontra marido desaparecido pelo Facebook

Olhar Digital

Muitas famílias ao redor do mundo passam dias, e até anos, em busca de parentes que desapareceram sem nenhuma explicação. A internet ganhou um papel essencial no reencontro dessas pessoas – em específico o Facebook, que tem demonstrado sua importância como um grande canal de comunicações locais.

Nas Filipinas, a rede social de Mark Zuckerberg foi a responsável por ajudar uma esposa a encontrar seu marido que estava desaparecido há mais de duas semanas. O curioso é que nem a mulher, nem algum outro membro da família possuem cadastro no Facebook, além de não saberem utilizar a ferramenta.

De acordo com a AFP, Luis Matias, de 78 anos, sofre de uma doença que o faz perder a memória. Um dia, ele saiu de casa e não voltou mais. Desde então, sua esposa saía às ruas com uma imagem do marido colada em suas costas. Um usuário da rede social, chamado Reddie Js, achou curiosa aquela situação e postou a foto da mulher com o cartaz nas costas em seu perfil.

“Fiquei tocado com sua integridade e foi triste vê-la procurando pelo marido daquela forma. Então, decidi ajudá-la. Pedi permissão para postar uma foto dela no Facebook e compartilhá-la com meus amigos para tentar encontrar o senhor Luis Matias”, explica Reddie, que também colocou detalhes de contato no post sobre o desaparecido.

A imagem foi compartilhada mais de 61 mil vezes em menos de dois dias, e foi essa ação que permitiu que Luis fosse encontrado. Um morador da cidade viu a notícia curiosa em uma emissora local e encontrou o senhor sentado em uma calçada.

Estudos do Facebook revelam que as Filipinas figuram na lista dos 10 países com maior penetração da rede social em sua população.

Reprodução

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *