Pessoas que contraíram covid-19 podem doar sangue após 30 dias, diz médica do Hospital Sírio-Libanês

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pessoas que contraíram covid-19 podem doar sangue, se respeitarem um período mínimo após a melhora completa de sintomas. Para que estejam habilitadas a doar, é necessário que aguardem 30 dias depois que todos os indicativos da doença tenham desaparecido, conforme explica a médica hemoterapeuta Roberta Fachini, do Hospital Sírio-Libanês.

Em entrevista concedida à Agência Brasil, a profissional destacou que, até o momento, não houve evidências científicas de que o Sars-CoV-2 possa ser transmitido através de transfusões de sangue. Mesmo assim, ressalta, os bancos de sangue e hemocentros têm tido cautela em relação ao assunto, como prevenção.

“Felizmente, esse vírus, apesar de ser detectado, por exames de biologia molecular, também na corrente sanguínea, não existe nenhuma comprovação científica de que essa quantidade de vírus seja capaz de infectar um paciente pela via transfusional. Mas, de qualquer forma, o critério de 30 dias após plena recuperação dos sintomas tem sido bastante aceito, é o praticado mundialmente, como critério de segurança adicional”, afirma.

“Considero que a medicina leva um tempo de amadurecimento. Assim como ocorre com as vacinas, só o tempo irá nos dizer se transmite ou não por transfusão. Nesse momento, se existir uma transmissão transfusional, tem sido muito incipiente, muito reduzida, porque não tem sido evidenciado isso por toda essa vigilância que a comunidade médica tem feito”, acrescenta, assinalando que, atualmente, o que se verifica é que o contágio está relacionado à interação com mucosas e a uma série de fatores imunológicos.

Por esse motivo, perguntas relacionadas à covid-19 tornaram-se praxe, sendo adicionadas ao questionário que já era feito anteriormente pelas equipes de triagem dos bancos de sangue. Durante a entrevista, os profissionais de saúde buscam saber se o potencial doador teve contato recente com alguém que teve o diagnóstico de covid-19 confirmado, ou seja, que testou positivo para a doença, o que pode, inclusive, identificar candidatos que possam ser assintomáticos. Para averiguar, indagam também se o voluntário apresentou febre nos últimos 14 dias, sintomas gripais, como falta de ar, tosse e coriza, perda de paladar ou paladar distorcido, perda de olfato e cefaleia.

“É diferente do risco de transporte ou do supermercado, que a gente não sabe se entrou ou não em contato com o vírus. Mas se teve alguém que trabalha com a gente ou da mesma casa, com diagnóstico recente, a gente pede que esse doador não doe nesse momento e aguarde um período de quarentena, para ver se vai manifestar algum sintoma ou não, que são os 14 dias de quarentena”, explica Roberta.

“E nesse momento, a gente orienta também que, caso nos dias pós doação, apresente qualquer sintoma de covid-19, com diagnóstico ou não, com sintoma suspeito, que avise imediatamente ao banco de sangue, porque muitas vezes a gente tem condição de bloquear algum hemocomponente produzido a partir da doação que ainda esteja em estoque”, disse.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Se não agir desta forma, vai ter um momento em que não terá mais doadores, aqueles que não se infectaram tem medo de doar.

  2. Indignado disse:

    Conforme o titula da notícia, é melhor não contrariar esse vírus.

Júlia Arruda defende uma política para atuação direta nos direitos das crianças e adolescentes, das mulheres e das pessoas com deficiência

Foto: Divulgação

Tendo sido a primeira mulher reeleita vereadora na história de Natal, Júlia Arruda (PCdoB) foi também primeira a assumir a presidência da Casa Legislativa natalense. Publicitária, iniciou sua carreira política em 2008 e já foi eleita por duas vezes Parlamentar do Ano. Está no desempenho do seu terceiro mandato na Câmara Municipal e tem uma atuação consolidada na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, das mulheres e das pessoas com deficiência, sempre com foco nas questões sociais e no desenvolvimento sustentável de Natal.

Na defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, Júlia tem apresentado projetos, destinado orçamento e articulado toda a rede de proteção num trabalho que é referência no RN. Na atual legislatura, tem destaque, a Lei do Teste do Coraçãozinho (diagnóstico de cardiopatias congênitas); a Semana do Bebê, valorizando a primeiríssima infância; e o Setembro Dourado (diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil). Na defesa dos direitos das mulheres, uma de suas principais bandeiras de mandato, é a Patrulha Maria da Penha na capital potiguar, de qual também foi autora. Na atuação em defesa das pessoas com deficiência, ela assina o projeto que criou os Jogos Paradesportivos do Natal e anualmente destina recursos no Orçamento para sua realização, entre outros.

Se vitoriosa, em seu quarto mandato, seguira com o compromisso de continua sendo a voz desses segmentos na Câmara Municipal, sobretudo em um futuro incerto do contexto pós-pandemia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Poly disse:

    Conheço Júlia e o seu trabalho de perto. Em 2015 tive a honra de assistir umas das palestras de um dos seus projetos, o Escola na Frente. Uma vereadora atuante e que todos os dias, todos os meses DIVULGAM o seu trabalho. Não espera chegar as eleições pra falar que fez isso, fez aquilo. Júlia é VERDADE, Júlia é a DIFERENÇA!

IBGE: Em meio à pandemia, cai número de pessoas que estavam rigorosamente isoladas

Foto: Diogo Gonçalves/Prefeitura Campo Grande (MT)

O número de pessoas rigorosamente isoladas diminuiu em 2,8 milhões da segunda para a terceira semana de agosto, passando de 44,4 para 41,6 milhões, de acordo com a edição semanal da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD COVID19, divulgada hoje (11) pelo IBGE. A pesquisa também estimou em 4,5 milhões a população que não fez restrição na semana de 16 a 22 de agosto. O número representa estabilidade em relação à semana anterior.

No mesmo período, aumentou em 1,9 milhão o número de pessoas que reduziram o contato, mas continuaram saindo ou recebendo visitas. Para a coordenadora da pesquisa, Maria Lúcia Vieira, os dados apontam uma flexibilização do isolamento por parte da população.

“De alguma forma, as pessoas estão flexibilizando as medidas de isolamento social, uma vez que aumenta o percentual de pessoas que estão tendo medidas menos restritivas e diminui o percentual daquelas que aplicam medidas mais restritivas de isolamento“, explica.

Esse grupo vem aumentando pela terceira semana seguida. Da primeira para a segunda semana de agosto, 2,9 milhões de pessoas a mais afirmaram ter reduzido o contato, embora continuassem saindo ou recebendo visitas. Já a população que ficou em casa e só saiu por necessidade básica se manteve estável na terceira semana de agosto. São 87,6 milhões de brasileiros nessa situação.

Foto: Reprodução

37,7 milhões de estudantes tiveram atividades escolares

A PNAD COVID19 mostra também que o país tinha cerca de 46 milhões de estudantes matriculados em escolas ou universidades na terceira semana de agosto. Destes, 37,7 milhões tiveram atividades escolares em seus domicílios no período. É um aumento de cerca de 921 mil pessoas em comparação com a semana anterior.

“Por outro lado, 7,3 milhões de pessoas não tiveram atividades escolares para realizar nessa semana. Esse número representava 15,9% da população de 6 a 29 anos de idade que frequentava a escola”, diz Maria Lúcia. No mesmo período, houve uma queda de 454 mil no número de pessoas que alegaram estar de férias e, por esse motivo, também não tiveram atividades escolares disponibilizadas.

Foto: Reprodução

Agência IBGE

FOTOS: Campanha Shalom Amigo dos Pobres leva um olhar de solidariedade para as pessoas em situação de rua em Natal

Fotos: Divulgação

A Comunidade Católica Shalom em Natal está realizando a Campanha Shalom Amigo dos Pobres, através da qual leva consolo e alimentos para pessoas em situação de vulnerabilidade social na capital potiguar. Para alcançar cada dia mais pessoas, uma rede de solidariedade está se formando na cidade. A distribuição das refeições acontece diariamente na praça André de Albuquerque, em frente a antiga Catedral de Natal, no bairro da Cidade Alta.

A sociedade tem passado por momentos difíceis devido a Pandemia causada pelo novo coronavirus, e voltar o olhar para aqueles que necessitam de cuidados, que estão mais expostos ao contágio, como as pessoas em situação de rua e moradores das periferias é essencial para que seja minimamente preservada a qualidade de vida dessas pessoas.

A Campanha Shalom Amigo dos Pobres é uma resposta a vulnerabilidade das pessoas que, nesse momento que uma nova realidade se apresenta a nível mundial, não possuem condições de manter o isolamento domiciliar, tanto por não possuírem casa como pela necessidade de sair para conseguir alimentos e o mínimo para uma vida digna.

Na campanha, as palavras de ordem são amor e solidariedade, como explica o coordenador das ações, Tennessee Justino, “Nós, através do amor e da solidariedade, que são grandes valores para o povo potiguar, queremos com essa campanha manter a sociedade unida pelo senso de colaboração, pelo senso da oferta, pelo senso da entrega”, afirma.

Para que a Campanha possa atender cada vez mais pessoas, o voluntariado é essencial, várias pessoas têm se dedicado a levar consolo para os que mais precisam nesse momento, doando uma parte do seu tempo para estar com eles e ajudando a ser uma resposta de solidariedade e empatia para tantos que necessitam.

Para conhecer mais a Campanha e saber como participar tanto doando alimentos e material de higiene como se voluntariando para doar seu tempo em favor dos pobres da cidade, basta acessar o site da campanha www.amigodospobres.org/natal, o Instagram @shalomamigodospobresnatal ou entrar em contato pelo telefone (84) 9 9836-6991. “É assim que a humanidade sairá melhor da quarentena, através da solidariedade, através do unir forças”, finaliza Tennessee.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge disse:

    A ideia da campanha é linda, mas erram no exagero dos trajes. Irmãos de rua não são pessoas doentes e infectadas. Será que é desta maneira que essas pessoas se vestem para ir ao supermercado ou outros locais onde tem contato com “pessoas normais”? Repensem isso das próximas vezes.

  2. Ana Santos disse:

    Uma campanha linda!

Após negar acesso, MP recomenda que SAM’S Club cumpra legislação para entrada de pessoas com deficiência e acompanhantes

Foto: Reprodução

Após veiculação de matéria no Blog do BG do impedimento de um portador de síndrome de down entrar no SAM’S Club, o Ministério Público do RN emitiu recomendação para o responsável legal da empresa garanta as condições de acesso a pessoas com deficiência, incluindo acompanhante conforme prevê a legislação.

A recomendação assinada pela promotora Rebecca Nunes prevê que o SAMS Club : “considere, de imediato, as questões individuais relativas às pessoas (consumidores) com deficiência por ocasião do acesso ao seu estabelecimento comercial, conferindo interpretação aos dispositivos legais referentes ao ingresso individual em estabelecimentos comerciais por causa da pandemia pelo COVID- 19 em sintonia com os dispositivos constitucionais e legais relativos aos direitos das pessoas com deficiência, inclusive no tocante à possibilidade de ingresso daqueles com acompanhante/atendente pessoal, sem que isso configure desrespeito aos cuidados a serem dispensados em tempo de pandemia, conferindo-lhes, inclusive, o devido atendimento prioritário. Assim, devido à urgência que o caso necessita, fica estabelecido o prazo de 10 (dez) dias para que o Sam´s Club Natal encaminhe a esta 9ª Promotoria de Justiça, de modo comprovado, as medidas adotada para o cumprimento a presente recomendação”.

Confira a peça AQUI no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcia disse:

    Ao menos aqui, no blog, comentários sensatos!

  2. Cidadão disse:

    Não cabe a estabelecimentos comerciais estender interpretações, cabe cumprir. Quem estende interpretação é Juiz. Se a norma foi mal redigida, que se corrija. Ipses Litteris.

  3. Zanoni disse:

    E o senhor que estava com o filho portador de deficiência precisava mesmo levá-lo ao mercado? A deficiência está acompanhada de comorbidades? Preservou o filho ao expô-lo ao risco de infecção? Se for pessoa carente de recursos materiais, retiro minhas palavras, mas se não for carente não cumpriu as regras, pois certamente teria com quem deixar o filho.

  4. Cabo Silva disse:

    Queria entender o quão essencial é um deficiente ir passear no SAMS!

  5. Antonio Turci disse:

    Nesses tempos de Pandemia aparecem ditadores de todas as qualidades. Governadores, Prefeitos, Vereadores, Fiscais de Tributos e até servidores de supermercados. Cada um querendo mostrar seus "poderes". O ser humano é, realmente, desprezível.

    • Manoel disse:

      Pois é, e um na presidência querendo q tdo mundo morra.
      Triste tempo vivemos.

  6. Cidadão Indignado disse:

    Vai simplesmente colocar em risco, em face de possível não distanciamento, o condutor e a própria pessoa com deficiência. Lamentável! A lei maior que deve ser respeitada é a da vida, simples assim! Estamos numa PANDEMIA e não em férias.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, taxa de desemprego sobe para 12,9% em maio e atinge 12,7 milhões de pessoas, mostra Pnad Contínua

Foto: Shutterstock

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada nesta terça-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que a taxa de desemprego no país subiu para 12,9% no trimestre encerrado em maio, atingindo 12,7 milhões de pessoas, em meio à pandemia do novo coronavírus.

O resultado ficou abaixo da mediana das estimativas dos analistas ouvidos pela Bloomberg, calculada em 13,1%.

Em igual período de 2019, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 12,3%. No trimestre até abril de 2020, a taxa de desocupação estava em 12,6%.

A renda média real do trabalhador foi de R$ 2.460,00 no trimestre encerrado em maio. O resultado representa alta de 4,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

A massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 206,623 bilhões no trimestre até maio, queda de 2,8% ante igual período do ano anterior.

A população desocupada (12,7 milhões de pessoas) teve aumento de 3,0% (368 mil pessoas a mais) frente ao trimestre móvel anterior (12,3 milhões de pessoas) e ficou estatisticamente estável frente a igual trimestre de 2019 (13,0 milhões de pessoas).

A população ocupada (85,9 milhões) caiu 8,3% (7,8 milhões de pessoas a menos) em relação ao trimestre anterior e de 7,5% (7,0 milhões de pessoas a menos) em relação ao mesmo trimestre de 2019. Ambas as quedas foram recordes da série histórica.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) caiu para 49,5%, o menor da série histórica iniciada em 2012, com redução de 5,0 p.p. frente ao trimestre anterior (54,5%) e de 5,0 p.p. frente a igual trimestre de 2019 (54,5%).

Infomoney, com Agência Estado

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ralph disse:

    Vamos a matemática, mais de 100 milhões receberam o auxílio porque não trabalham.

    Os desempregados, segundo esses dados, são pouco mais de 12mi.

    Essa conta nunca bateu.

GRAVE: “É como se pusessem uma tornozeleira eletrônica em todos os usuários no Brasil”, diz diretor do Whatsapp, sobre projeto de lei de fake news

Foto: Pixabay

É como se mais de 100 milhões de brasileiros passassem a ser monitorados por tornozeleira eletrônica. É assim que Pablo Bello, diretor de Políticas Públicas do WhatsApp para a América Latina, descreve os possíveis efeitos do projeto de lei sobre fake news que está em discussão no Senado.

O ponto do projeto que mais incomoda a plataforma é a rastreabilidade das mensagens, que obriga aplicativos a guardar as informações sobre todos os reencaminhamentos de cada mensagem, para que se possa identificar a origem de conteúdos potencialmente ilegais.

Há mais de cem emendas ao projeto de lei apresentado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e relatado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA).

Ainda não se sabe qual será o texto final do relatório de Coronel, que será apresentado nesta quarta-feira (24), para ser votado na quinta (25). Mas, segundo apurou a Folha, o texto deve manter a rastreabilidade, ponto que mais incomoda o WhatsApp.

“É como se pusessem uma tornozeleira eletrônica em todos os usuários de WhatsApp no Brasil —poderão monitorar todos os movimentos das pessoas, saber com quem todo mundo fala por mensagem”, disse Bello à Folha.

Segundo os números mais recentes, de 2017, há mais de 120 milhões de usuários de WhatsApp no país. A legislação em discussão determina que o WhatsApp deve guardar os registros da cadeia de reencaminhamentos de mensagens até sua origem, e fornecer essas informações mediante pedido judicial.

“Tudo isso, essa coleta maciça de dados para que, no caso eventual de alguém cometer um crime, poderem obter essas informações…isso transformará todos em suspeitos, subverte a presunção de inocência.”

Segundo Bello, embora a medida não implique quebrar a criptografia, porque não revela o conteúdo das mensagens, ela representa violação de privacidade ao mostrar com quem todo mundo fala.

Bello afirma que o WhatsApp de hoje é muito diferente do aplicativo em 2018, quando foi usado para disseminação de notícias falsas durante as eleições. Na ocasião, a plataforma teve de suspender 400 mil contas. “Introduzimos várias modificações para reduzir a viralização de algumas mensagens.”

O número de vezes que uma mensagem pode ser reencaminhada foi reduzido de 20 para 5, o que, segundo Bello, já diminuiu em 30% o número de reencaminhamentos.

Em abril deste ano, o WhatsApp passou a permitir que as mensagens que estejam viralizando sejam reencaminhadas apenas uma vez. Bello voltou a enfatizar que apenas 5% de todas as mensagens trocadas pelo aplicativo são reencaminhadas.

A plataforma defendeu a proibição de envio em massa de mensagens de WhatsApp durante as eleições, o que foi incorporado na regulamentação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) adotada em novembro do ano passado.

A empresa também está acionando judicialmente agências que fazem disparos em massa, como a Yacows. E está cooperando com agências de checagem de fatos para criar chatbots no WhatsApp, como o da International Fact Checking Network, para combater fake news sobre a pandemia de Covid-19, e canais de informação reunindo ministérios da Saúde de vários países, entre eles o Brasil.

“Essa é nossa visão de como combater desinformação”, diz Bello.

Segundo ele, a coleta e o armazenamento maciço de dados exigidos pela lei vão contra o modelo de negócios do WhatsApp. “É muito arriscado guardar todas essas informações. Imagine um hacker?”, questiona.

Ele lembra que o WhatsApp é uma plataforma global e, eventualmente, essas mudanças poderiam passar a valer em países não democráticos. “Rastreabilidade de mensagens é um presente para governos autoritários; é um problema não apenas de privacidade, mas também de direitos humanos.”

Bello afirma que o WhatsApp colabora com a Justiça ao fornecer os dados já previstos pelo Marco Civil da Internet —os logs de acesso, detalhes sobre quando uma determinada pessoa entrou e saiu do aplicativo, e o IP usado. E que está disposto a aperfeiçoar isso, fornecendo essas informações de maneira mais eficaz e rápida, sempre a partir de pedido judicial.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Véi de Rui disse:

    Liberdade total teve Lula, roubou o dinheiro do povo brasileiro, deu aos filhos aos comparsas e mandou pra onde quis e ninguém fez nada. Isso sim é liberdade total!

  2. Santos disse:

    Olha o que está na Constituição Federal, Art. 5°, IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo VEDADO O ANONIMATO; V – É ASSEGURADO O DIREITO DE RESPOSTA PROPORCIONAL AO AGRAVO, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;

    • Rodrigo disse:

      Não entendi o que vc quis dizer, olhe que conheço da constituição do Brasil.

  3. Manoel disse:

    Depois do gabinete do ódio, da privacidade raqueada (Ótimo filme no netflix) e da eleição de Trump/Bozo, qualquer atitude contra fake news é bem vinda.

  4. João Italiano disse:

    Não existe liberdade total numa democracia, isso é utopia. A liberdade tem limites, e esse limite é a Lei, a ordem jurídica. Divulgar mentiras e destruir reputações não é liberdade de expressão, é crime. Simples assim.

  5. Romero Cezar da Câmara disse:

    Não sei quem tem medo de ser identificado, deve ser bandidos ou caluniadores. A liberdade de se expressar tai; más diga e assuma e essas redes sociais são um prato cheio pra criminosos de todos os ramos se esconderem no anonimato. Facebook, whatsapp etc…, documentos pra ter sua conta, sua liberdade de expressão. Internet e lugar de informação e não de fakes.

  6. Antonio Turci disse:

    Infelizmente, pela irresponsabilidade de alguns, todos terão que pagar. Que venha a lei. Está na hora de dar "um basta" em tantas Fake News.

  7. Ricardo disse:

    Tem gente batendo palma enquanto só se pegar bolsonarista (afinal, do outro lado não se diz mentira, né?). Num dia um desafeto vai usar isso contra vc. E nem vai precisar ser uma mentira.

    • Rafael Franco disse:

      Interessante! O tal do devido processo legal só serve quando beneficia você ou um amigo seu. Quando Sérgio Moro indicava testemunhas para a acusação ninguém se importava… Onde vocês estavam nessa época?

    • Ricardo disse:

      Falsa analogia. Falácia.

  8. Davi disse:

    Qual problema de rastrear quem fez a notícia? Pode ser mentirosa e é crime, projeto de lei acertado.

    • andre bambu disse:

      Quando vc ver o dono do facebook colocando um fita na cam do laptop que utiliza. Vai começar a entender o valor da liberdade. (mesmo sendo vc uma pessoa íntegra)

      Para o bem comum "vou monitora todos". Isso é liberdade? (por punhado de bandidos, todos pagam)

    • Ricardo disse:

      Tem que ser muito ingênuo pra acreditar que esss lei visa só pegar bandido.

AVANÇO: Pesquisadores de Oxford testarão vacina experimental contra coronavírus em 10 mil pessoas

Foto: Dado Ruvic/Reuters 

A Universidade de Oxford e a AstraZeneca planejam recrutar cerca de 10 mil adultos e crianças do Reino Unido para realizar testes de uma vacina experimental contra coronavírus. A medicação recebeu um aporte de mais de US$ 1,2 bilhão dos Estados Unidos na quinta-feira (21).

Nesta sexta-feira (22), a universidade disse que instituições parceiras de todo o Reino Unido começaram a recrutar até 10.260 adultos e crianças para ver como o sistema imunológico humano reage à vacina e o quanto ela é segura.

Um teste inicial que começou no dia 23 de abril já aplicou a injeção em mais de mil voluntários de idades variando entre 18 e 55 anos. De acordo com os pesquisadores de Oxford, as fases 2 e 3 acrescentarão pessoas de 56 anos e mais velhas, além de crianças de 5 a 12 anos.

“A velocidade com que esta nova vacina avançou para testes clínicos de fase adiantada é um testemunho da pesquisa científica pioneira de Oxford”, disse Mene Pangalos, executivo da AstraZeneca.

A AstraZeneca já assinou com o Reino Unido e com os EUA como parceiros para produzir a vacina em escala industrial, antecipando-se à confirmação de que ela funciona e é segura.

R7, com Reuters

Semurb notificou estabelecimentos nesse fim de semana em Natal por aglomerar pessoas; bares, churrasquinhos, cigarreiras e lanchonetes na lista

Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) realizou uma série de fiscalizações nesse fim de semana, para manter o cumprimento ao Decreto Municipal nº 11.920/2020, que define medidas para o enfrentamento da pandemia decorrente da Covid-19. O trabalho resultou em sete estabelecimentos notificados por aglomerar pessoas e descumprir as regras nas zonas Leste e Oeste, além da desarticulação do funcionamento de um abatedouro clandestino, na zona Norte.

Os alvos notificados foram bares, churrasquinhos, cigarreiras e lanchonetes, que estavam desobedecendo normas de prevenção ao Covid-19 e funcionavam normalmente. Após as notificações, a equipe orientou e dispersou os clientes dos estabelecimentos. Todos os casos foram identificados a partir de denúncias da população ao Ciosp e Ouvidoria da Semurb. A ação da contou com o apoio da Guarda Municipal do Natal (GMN) e da Delegacia Especializada em Proteção ao Meio Ambiente da Polícia Estadual (Deprema).

De acordo com o supervisor de fiscalização da Semurb, Felipe Oliveira, caso os estabelecimentos notificados descumpram as notificações, eles serão autuados com multas a partir de R$ 2.013,00 (dois mil e treze reais). “Aquele que infringir as disposições do Decreto, poderá ser processado por Crime Contra a Saúde Pública, nos termos do artigo 268 do Código Penal, com pena de até um ano de detenção, e multa“, disse.

Os destaques foram para um bar em Cidade Satélite, que estava funcionando normalmente e com som alto, causando poluição sonora. E um churrasquinho, no Bom Pastor, dispondo mesas e cadeiras com aglomeração de pessoas. Denúncias sobre descumprimento das regras de isolamento e distanciamento social para combate ao Coronavírus podem ser realizadas na Ouvidoria da Semurb pelo telefone (84) 3616-9829, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, ou diretamente pelo 190 da Polícia Militar em outros horários e fim de semana.

Cabe ao Procon e à Semurb, com o auxílio da Guarda Municipal, orientar os empresários e, em último caso solicitar auxílio da Polícia Militar para fazer valer o preceituado na regulamentação, solicitando, inclusive, a interdição do estabelecimento.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paul disse:

    Olha aí, estamos chegando perto do que acontecia na Alemanha da segunda guerra. Cuidado gente. Não aponte o dedo pois três estarão apontando para você. Cuidado pois isso gera um estado policialesco é depoos qu apontou o dedo pode sofrer pior. Cuidem de suas vidas. Não quer ir ao bar, restaurante, não vá. Simples assim.

  2. Zeca disse:

    No Jiqui e Pirangi, muitos bares abertos em pleno funcionamento. Os frequentadores deveriam assinar um termo abrindo mão de internação, caso venham a precisar.

Vereadores de Natal aprovam projeto para vacinação domiciliar de pessoas com deficiência motora

Pessoas com deficiência motora incapacitante em Natal deverão receber vacinação em domicílio, após sancionada lei de autoria do vereador Paulinho Freire (PDT), aprovada nesta quinta-feira (30), na Câmara Municipal. O Projeto 155/2018 foi apreciado, juntamente com outros três, durante sessão com sistema de votação remota para evitar aglomeração de pessoas na Casa.

O presidente da Câmara e autor da proposta, Paulinho Freire, explicou que o projeto é de 2018 e com a pandemia do coronavírus aumentou a necessidade de ser aprovado. “Com a pandemia do coronavírus, pessoas com dificuldade de locomoção precisam de um atendimento especial, já que a dificuldade para se locomover aumentou, até mesmo porque muitos deles têm a imunidade baixa e não é recomendado que saiam do isolamento social pelo risco de se expor ao vírus”, defendeu. O projeto abrange vacinas contra Influenza, pneumocócica 23-valente, difteria e tétano, febre amarela e hepatites (A, B, A+B). Outros vereadores subscreveram a matéria, que estende o serviço a asilos, fundações, casas de repouso, ou outras entidades que possam, de forma adequada, agrupar pessoas com mobilidade reduzida.

Na sessão remota, os vereadores aprovaram ainda, em regime de urgência, o Projeto de Lei 105/2020, de autoria do vereador Raniere Barbosa (AVANTE). A proposta obriga o uso de máscaras ou correlatos por parte das pessoas em circulação no perímetro urbano e dentro dos estabelecimentos públicos e privados que estejam em funcionamento no período da pandemia do Coronavírus no município de Natal. O autor da matéria destacou que a finalidade é garantir a prevenção da doença. A proposta foi incrementada com emendas do vereador Preto Aquino (PSD), prevendo multas em caso de descumprimento, cujos valores devem ser direcionadas à Secretaria de Saúde.

Dois projetos do Chefe do Executivo Municipal também foram aprovados. O Projeto de Lei Complementar 09/2019, que Institui a opção pelo pagamento de precatórios mediante acordo direto, regulamentando a Câmara de Conciliação de Precatórios do município e dispondo sobre sua organização, funcionamento e procedimento para fins de acordo direto; e o Projeto de Lei 075/2020, que autoriza a aquisição de bem imóvel pertencente ao patrimônio do INSS para construção de praça no bairro do Tirol, na zona Leste.

FOTOS: Traje contra vírus permite interação entre pessoas (e até fazer sexo)

Empresa cria roupa que permite interação e protege contra vírus (Foto: Divulgação)

O Sars-Cov-2, vírus que causa a Covid-19, é transmitido a partir gotículas expelidas por meio da fala, do espirro, da tosse e até mesmo do toque. Enquanto a ciência não encontra uma vacina ou medicamento, o Production Club, um estúdio criativo de Los Angeles, nos Estados Unidos, criou o Micrashell: um equipamento de proteção individual que permite interação entre as pessoas em tempos de pandemia.

A roupa foi desenhada para produzir experiências imersivas nas indústrias de música, tecnologia, artes e jogos, que geralmente reúnem um grande número de pessoas no mesmo lugar — prática contraindicada para diminuir o contágio da doença. Além de proteger os usuários de vírus, ela promete ser fácil e divertida de usar.

A empresa afirma, em nota, que “o traje oferece alívio para indústrias dependentes de interação social, ele pretende ser uma solução pragmática, projetada para essa situação e outras que estão por vir”. Segundo Corey Johnson, chefe de projetos especiais do Production Club, os eventos são essenciais para a experiência humana e criam as memórias que definem nossas vidas. “Estamos entusiasmados com o desafio de criar soluções inovadoras para promover o entretenimento ao vivo de qualidade e a conexão humana”, conta.

A vestimenta cobre apenas o terço superior do corpo, é feita de tecido resistente a cortes, possui um capacete com filtro de ar e um visor transparente. Também há um sistema de comunicação por voz, câmera e um aplicativo para smartphones. O design simples permite que o usuário use o banheiro com facilidade e — pasme! — tenha relações sexuais sem precisar tirar a roupa.

A roupa tem um sistema que filtra o ar, um capacete transparente e sistema de comunicação por voz sem fio (Foto: Divulgação)

Ao longo do traje há luzes que podem, inclusive, exibir mensagens. “Por exemplo, um efeito de arco-íris pode expressar alegria, enquanto uma luz vermelha pode dizer ‘ocupado’”, afirmam os desenvolvedores. Consumir bebidas e cigarro eletrônico também é possível graças a uma câmara projetada no capacete.

A vestimenta permite que o usuário fume e consuma bebidas (Foto: Divulgação)

Apesar de ainda ser apenas um conceito e não ter sido patenteado, o projeto foi pensado com tecnologias já disponíveis. “Sabendo que esse é um assunto que depende do tempo, não o carregamos com recursos de ficção científica que ainda não existem e que seriam obstáculos”, afirmou o chefe de invenção Miguel Risueño ao portal de notícias Fast Company.

(Foto: Divulgação)

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Omar disse:

    Quem diria! Entramos definitivamente na era da ficção científica.

  2. Rogério Rocha disse:

    Bem barata, deve custar uma bagatela, com 600 reais da para comprar para a família toda

Mossoró torna obrigatório uso de máscara para circulação de pessoas

Foto: Ilustrativa

Em novo decreto, a Prefeitura de Mossoró determina a utilização de máscaras durante o deslocamento de pessoas nas vias públicas e para o atendimento em estabelecimentos com funcionamento autorizado. O Decreto entra em vigor na segunda-feira, dia 27.

As novas determinações estabelecem a obrigatoriedade do uso de máscaras nos meios de transporte público ou privado de passageiros e no desempenho de atividades de trabalho em ambientes compartilhados, nos setores público e privado.

O Decreto 5.664 permite a utilização de máscaras artesanais, conforme normativa do Ministério da Saúde. Os equipamentos profissionais devem ser priorizados para os que atuam na área da saúde.

Justiça Potiguar

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Parabéns a SMS Mossoró, representada pela Dra. Saudade. Mossoró sai na frente nessa medida simples e eficaz, o governo do estado, em vez de ficar chorando e fazendo terrorismo, deveria tomar essa iniciativa.

Secretário de Saúde da Bahia propõe termo de renúncia a leitos de UTI para pessoas que apoiam relaxamento do isolamento

FOTO: Leonardo Rattes/Ascom Sesab

O secretário de saúde da Bahia e cardiologista Fábio Vilas-Boas, em publicação no Twitter, sugeriu que pessoas que apoiam o afrouxamento do isolamento social durante a pandemia do coronavírus, renunciem ao acesso de leitos de UTI e de ventilação para si e para seus parentes.

“Será que essas pessoas que pregam o relaxamento do distanciamento social aceitam assinar um termo renunciando o acesso…?”, disse em publicação.

A sugestão foi feita após uma série de manifestações que aconteceram neste domingo (19) apoiando a volta do comércio e até mesmo pedindo intervenção militar, como foi o caso das manifestações no Recife e em Brasília.

Foto: Reprodução/Twitter

As manifestações do domingo feriram o decreto estadual assinado pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), que proíbe aglomerações durante este período de quarentena.

No decreto estadual, assinado no último dia 23 de março, ficaram proibidas reuniões com mais de 10 pessoas. Na época o governador justificou que “a melhor estratégia no combate à disseminação do vírus, neste momento, é o isolamento social”.

Governadores do Nordeste se pronunciaram contra as convocações do presidente e pediram união para combater o novo coronavírus.

Jornal do Commercio

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Tudo papo-furado deste secretário petralha. Ele sabe mais do que ninguém que a Saúde é um direito fundamental assegurado pela Constituição de forma ampla, geral e irrestrita.

  2. Zé Mané disse:

    Mais conversa fiada, bla bla bla inócuo. Não leva a nada, só disputa política. O povo que exploda.

  3. ANDERSON disse:

    UMA "PÉROLA" DESSA SÓ PODERIA TER SAIDO DA BOCA DE UM CANHOTO VERMELHO! APRENDEU MUITO BEM COM DILMA ROUSSEFF.

  4. André Frederico disse:

    Concordo!
    Desde que os fumantes (inclusive de Canabis) renunciem a qualquer modalidade de tratamento para enfisema pulmonar e câncer de pulmão; concordo desde que aqueles que ingerem bebidas alcoólicas e pilotam motocicletas ou automóveis ao se envolverem em acidentes e sejam vítimas de traumas também abram mão de qualquer tipo de assistência médica; concordo desde que aqueles que possuem renda (salário) fixo e que não irá variar com a crise causada pela quarentena sustentem a família daqueles que são autônomos, trabalhadores informais, empresários e que dependem do que produzem hoje para comprar o pão de amanhã!

  5. Antonio disse:

    É bom que o nobre secretário renuncie ao seu plano de saúde e var ser atendido nós hospitais público. Canalha. Sua turma quebrou o país e é por isso que não tem leitos em hospitais público suficiente para a população.

  6. Amacell disse:

    Concordo plenamente, muito justo, na verdade ja era pra existir esse documento e cada “cidadão de bem” assiná-lo

  7. Antenado disse:

    Bom seria que todos os políticos assinassem um termo no sentido de que quem ia para prisão perpétua.

  8. RXPECTADOR disse:

    O Nobre secretário deveria assinar um termo que se ele contrair o covid19 em hipótese alguma os médicos podem dar a ele a hidroxicloroquina+ azetramicina

    Remédio que salvou os Drs.David uip e Kallil Filho

    • Soares disse:

      Muito menos receber salário, por está em isolamento, e quem não concorda, está trabalhando. Tem mais, quem esta trabalhando, está contribuindo com imposto pra pagar a saúde, já ele que não trabalha, não é contribuinte. Esses petralhas querem sempre inverter as coisas, bandidos e preguiçoso são os que mais se beneficiar na visão deles

  9. Delgas disse:

    E eu proponho que o nobre secretário deixe sua esposa e filhos em um dos inúmeros lares onde já está faltando quase tudo… Ele não precisa ir, pois tem que trabalhar.

  10. Marcelo disse:

    ………ELES NÃO TEM ESSA CORAGEM TODA…..QUEM TEM C., TEM MEDO!!!! KKKKKKKKKK

  11. Manoel disse:

    Governadores são contra o isolamento vertical pois querem mesmo que o congresso mande pagar as dívidas dos Estados sem qualquer contrapartida! Secretário de saúde da BA façamos o seguinte: quem quer voltar ao trabalho assina o termo de que não quer UTI e seu governador assina o termo que não quer mais o dinheiro federal !

  12. ForaCanalhas disse:

    Os políticos e secretários deveriam abrir mão de seus salários e ficar sem ganhar nada como a maioria dos empresários e empregados estão. E muito fácil MAMAR nas tetas do GOVERNO e mandar pessoas que não tem o que comer ficar em casa.

  13. Chega de CANALHAS disse:

    Vale lembrar a esse secretário de merda, que quem sustenta esse sistema e paga o salário dele são as mesmas pessoas que querem trabalhar.

  14. Cidadão Indignado disse:

    Concordo Plenamente! Assinem o termo, morram e virem "mito".

  15. Boleo disse:

    Manoel não concorde com uma ideia comunista e terrorista dessa, por isso que o Maia tá dando uma de ditador, o comunismo vai nos exterminar, falta só mandarem a gente comer cachorro e a gente concordar.

  16. Eduardo Peixoto disse:

    Ele deveria propor "Termo de Renúncia" para ladrão do dinheiro público.

  17. Manoel disse:

    Concordo. Quem quiser sair do isolamento é só assinar o termo.

    • Neto disse:

      Baseado nisso, então devem obrigar a assinar o termo quem fuma, bebe, consome drogas ilícitas…

    • George disse:

      E quem quer ficar em casa, assine um termo abrindo mão do salário, ficaria justo mesmo.

Em Rondônia, pessoas testam positivo para Covid-19 após irem à ‘Coronafest’

Governador de Rondônia, Marcos Rocha (PSL), afirmou que o caso será investigado Foto: Rede social

O governo de Rondônia anunciou que “várias” pessoas que participaram de uma festa que ficou conhecida como “Coronafest”, em Rondônia, tiveram diagnóstico confirmado para o novo coronavírus. O comunicado foi feito pelo governador de Rondônia, Marcos Rocha (PSL), em uma rede social, e pelo secretário de Saúde do estado, Fernando Máximo. O governo vai investigar o caso.

A festa, que ficou conhecida como “Coronafest”, foi realizada em Porto Velho no dia 4 de abril. Desde o dia 20 de março, Rondônia está em estado de calamidade pública e eventos com mais de cinco pessoas estão proibidos.

Segundo o secretário de Saúde, vários casos de Covid-19 foram diagnosticados na segunda-feira. Após uma investigação dos casos, Máximo afirmou que as autoridades sanitárias identificaram que parte desses casos era composta por pessoas que haviam participado da chamada “Coronafest”.

– Estou muito decepcionado. Pra não dizer revoltado. Hoje, identificamos vários casos positivos de coronavírus. Foi feita uma investigação e descobriu-se que essas pessoas estavam numa festa no dia 4 de abril. Não estavam trabalhando, querendo levar o pão para casa. Na verdade, estavam se divertindo e colocando a vida delas em risco e a sua vida, de quem está aí guardando a quarentena – afirmou o secretário.

Em sua página no Facebook, o governador Marcos Rocha, classificou a festa de “irresponsável”.

“Várias pessoas que participaram desta festa irresponsável já são casos confirmados de contaminação”, diz trecho de uma postagem feita por Rocha.

Máximo afirmou que o governo de Rondônia vai encaminhar o caso para que a polícia investigue.

– Estamos encaminhando para investigação policial e possível responsabilização criminal de cada uma dessas pessoas que estiveram nessa festa – afirmou o secretário.

De acordo com o último boletim epidemiológico sobre o novo coronavírus divulgado pelo Ministério da Saúde, Rondônia tem 42 casos confirmados da doença e dois mortos.

No Brasil, os casos confirmados são 23430, com 1328 mortes.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Diante das evidências, tudo que resta aos baladeiros compulsivos é colocar o headphone e dançar com a própria sombra.

Toffoli se declara contrário a punição de pessoas por furar isolamento

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse hoje (06) ser contra qualquer tipo de punição às pessoas que descumpram medidas de isolamento social impostas pelas autoridades públicas em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Para o ministro, no lugar de alguma sanção, o mais correto no momento é promover a conscientização do público, com tem sido feito pelo poder público e pela imprensa.

“Não é necessário fazer nenhum tipo de penalização”, afirmou o ministro durante um seminário online promovido pela consultoria Arko Advice. “Melhor do que você pegar uma pessoa para estabelecer uma multa de R$ 1 mil, R$ 2 mil, é a pessoa ter consciência de que nesse momento tem que ser solidária para evitar um impacto no sistema de saúde”, acrescentou Toffoli.

O presidente do Supremo disse ainda considerar natural que os litígios judiciais aumentem após a pandemia, seja por causa de conflitos em relações de consumo e de inquilinato ou mesmo por questões relativas à gestão pública.

Como prevenção para essa maior demanda da Justiça, Toffoli defendeu o projeto de lei (PL) 791 de 2020, sugerido por ele e encaminhado pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso, que trata da criação de um Comitê Nacional de Órgãos de Justiça e Controle, cujo objetivo seria resolver conflitos antes que eles chegassem ao Judiciário.

O ministro defendeu também que as agências reguladoras estabeleçam critérios mais objetivos sobre o pagamento de contas durante a pandemia. “Num país com 18 mil juízes e alta judicialização, vão ter decisões conflitantes entre si”, avaliou Toffoli. “Se as agências trouxerem normatização de maneira objetiva, isso facilita para o Judiciário”, acrescentou.

O ministro afirmou que tais providências são “preventivas, profiláticas, para evitar a judicialização lá no futuro. Que haverá aumento de judicialização, nós não temos dúvidas”.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonio Turci disse:

    Se for verdadeira está informação, o Sr. Toffoli tem razão. Esse negócio de multar é muito próprio de quem gosta de fazer caixa com o dinheiro obtido com o suor alheio.

  2. Cabo Silva disse:

    Ele acredita em Boto Cor de Rosa, Mula sem Cabeça e Saci Pererê!