As pessoas ficam mais bonitas quando estamos bêbados? Estudo diz que sim

Foto: Pexels

Imagine a cena: você e seus amigos chegam no bar, mas não se sentem atraídos fisicamente por ninguém ali. O tempo passa e a conta vai aumentando com os copos e garrafas de cerveja consumidos. De repente, como em um passo de mágica, as pessoas que estão por ali ficam muito mais bonitas.

Se isso já aconteceu com você ou com alguém conhecido, não se envergonhe: esse efeito, conhecido como “óculos de cerveja”, é comum. E foi justamente esse fenômeno que uma equipe da Edge Hill University, na Inglaterra, resolveu investigar.

Os pesquisadores pediram para que os clientes de um bar perto da universidade avaliassem fotos de diferentes pessoas consideradas atraentes ou não. Segundo o estudo, publicado no Psychology of Addictive Behaviors, os participantes sóbrios se atentavam mais às fotos de pessoas bonitas, enquanto quem estava mais bêbado mostrava ter o mesmo interesse por pessoas mais e menos atraentes.

“Pesquisas anteriores sobre o fenômeno dos ‘óculos de cerveja’ produziram resultados inconsistentes e se limitaram a perguntar diretamente às pessoas o quão atrativo elas consideravam os outros”, disse Rebecca Monk, principal autora do estudo, em comunicado. “Usando uma medida indireta de atenção, nossa pesquisa conseguiu superar algumas dessas limitações.”

Outros estudos já provaram que quando bebemos álcool nossa inibição diminui, o que nos ajudar a relaxar e flertar com outras pessoas. Além disso, pesquisas anteriores sugerem que o álcool reduz nossa capacidade de detectar assimetria nos rostos dos outros, nos tornando menos exigentes nesse aspecto — considerado importante no quesito beleza.

“A maioria das pessoas já ouviu falar do efeito ‘óculos de cerveja’, e nossa pesquisa se soma ao conjunto de evidências que mostram que existe alguma verdade nessa sabedoria anedótica”, explicou Derek Heim, que também participou da pesquisa. “É notável que, em nosso estudo ,os participantes estavam apenas levemente intoxicados, o que sugere que um baixo nível de álcool é o suficiente para que as pessoas coloquem seus ‘óculos de cerveja’.”

Galileu

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco Xico disse:

    So for as mulheres, porque homem ficam igual papangu, tudo malamanhado.

  2. Pedro Melo disse:

    Por isso, vivo com uma lata de cerveja na mão!

Ciência tenta buscar pessoas que funcionam como superdisseminadores de coronavírus

Foto: Getty Images/BBC

A chamada superdisseminação — que é quando pacientes transmitem infecções para um grande número de pessoas — ocorre em quase todos os surtos.

Na maioria das vezes não é culpa deles, mas eles acabam tendo um impacto significativo na disseminação das doenças.

Não poderia ser diferente com o atual surto de um novo coronavírus (batizado de covid-19), que começou em dezembro na cidade chinesa de Wuhan e matou até agora mais de mil pessoas e infectou outras 40 mil.

Um dos superdisseminadores foi identificado como sendo o britânico Steve Walsh, que esteve em Cingapura a trabalho e depois foi associado à infecção de quatro pessoas no Reino Unido, cinco na França e uma na Espanha.

O que é um superdisseminador?

O termo é um tanto quanto vago, e não tem uma definição científica consolidada.

Mas trata-se do caso de um paciente que infecta significativamente mais pessoas do que o normal.

Em média, cada pessoa infectada com o novo coronavírus o transmite para duas e até três pessoas.

Mas isso é apenas uma média: algumas pessoas não passarão o vírus para ninguém, e outras, para mais de uma dezena, por exemplo.

Quão grande pode ser um episódio de superdisseminação?

(mais…)

Pessoas tendem a mentir para parecerem honestas, constata estudo

Foto: Creative Commons

Por mais contraditório que seja, as pessoas podem mentir para parecer honestas. É o que afirma um novo estudo da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, publicado na revista científica American Psychological Association. Na maioria das vezes em que isso ocorre, é porque os indivíduos querem parecer competentes o bastante em determinada situação, de acordo com a pesquisa.

“Nossas descobertas sugerem que quando as pessoas obtêm resultados extremamente favoráveis, antecipam as reações suspeitas de outras pessoas e preferem mentir e parecer honestas do que dizer a verdade e correr o risco de soarem mentirosas ou egoístas”, Shoham Choshen, professora sênior da Escola de Administração de Empresas e do Centro de Estudos da Racionalidade da Universidade Hebraica de Jerusalém.

O estudo realizou uma série de experimentos com advogados e estudantes de Israel, além de testes virtuais com voluntários dos Estados Unidos e da Inglaterra. Nas atividades com advogados, 115 indivíduos tiveram que imaginar um cenário em que tinham de dizer a um cliente quanto custaria para resolver um caso. Metade dos voluntários tinha que trabalhar em 60 horas e a outra metade, em 90 horas. No cenário hipotético, o cliente não saberia quantas horas os advogados trabalharam, de fato.

Quando perguntados quanto cobrariam do cliente, o grupo de 60 horas disse que havia trabalhado, em média, 62,5 horas – sendo que 17% do grupo mentiu para aumentar suas horas. No grupo de 90 horas, os advogados relataram uma média de 88 horas, com 18% do grupo mentindo ao relatar um período de trabalho menor. Quando foram cobrados por explicações das horas, alguns advogados do grupo de 90 horas abriram o jogo e disseram estar preocupados do cliente achar que foi enganado.

No grupo de estudantes, 149 jovens jogaram jogos online de rolagem de dados e lançamento de moedas, e depois relataram suas pontuações a um pesquisador. Cada um deles recebeu 15 centavos por lançamento de moeda ou dado. O programa de computador foi manipulado por metade dos alunos, para que recebessem notas perfeitas nos jogos, enquanto a outra metade teve resultados aleatórios. No grupo de pontuação perfeita, 24% omitiram algumas de suas vitórias – mesmo que isso lhes custasse dinheiro – para parecerem mais honestos.

No experimento online realizado nos EUA, 201 voluntários foram instruídos a imaginar um cenário em que faziam viagens de trabalho e, em troca, recebiam como remuneração mensal até 400 milhas. Eles foram informados de que a maioria dos funcionários da companhia recebia de 280 a 320 milhas por mês.

Na atividade, metade dos participantes recebeu 300 milhas em um mês e a outra, 400 milhas. Quando perguntados sobre sua remuneração, o grupo de 300 milhas disse a verdade e relatou uma média de 301 milhas. Já a turma das 400 milhas relatou uma média de 384 milhas, com 12% mentindo e diminuindo a milhagem. No Reino Unido, onde o mesmo experimento foi feito com 544 pessoas, os resultados foram semelhantes.

Choshen-Hillel acredita que os resultados do estudo seriam os mesmos no mundo real. “Embora nossas descobertas possam parecer irônicas ou contraintuitivas, acho que a maioria das pessoas reconhecerá um momento de suas vidas em que foi motivada a contar uma mentira para parecer honesta”, comenta a especialista. E aí, isso já aconteceu com você?

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    O retrato fiel da última eleição!

  2. Flauberto Wagner disse:

    Na pesquisa domiciliar ou melhor da cadeia, um dos entrevistados foi Lula, taí a razão do resultado final da pesquisa.

  3. Bento disse:

    Aprenderam com o cachaça o pai da mentira

INFIDELIDADE: Especialistas comentam os principais motivos que fazem as pessoas buscarem relações extraconjugais

Foto: Shutterstock

É fato: a infidelidade é uma realidade em muitos relacionamentos. Não são raros os casos de traição que abalam os casais e resultam em término. Segundo a psicóloga e sexóloga Bete Monteiro, do Instituto Ser+, falar em um perfil dos infiéis é algo limitador, afinal, existem vários motivos que levam alguém a trair.

Embora existam muitas variáveis, a especialista diz que geralmente há alguma questão emocional envolvida em uma traição ou micro traição – termo que ela usa para definir o que não é contato físico propriamente dito, mas indica omissão no relacionamento ou desejo por outra pessoa.

“Antigamente era comum, por exemplo, os homens tirarem a aliança. Isso é uma forma de micro traição. Ela é motivada pelo desejo do flerte”, explica.

Por que as pessoas traem?

A psicóloga fala que as pessoas costumam buscar elementos novos fora do relacionamento. Para muitos, isso é mais fácil do que investir na criatividade para salvar ou apimentar uma relação que já existe. Por isso, a diversão é justificativa comum para a traição.

No caso dos homens, Bete também explica que alguns buscam relações extraconjugais apenas para reforçar a masculinidade e manter a posição de “galanteador”. “Podemos pensar em pessoas que precisam se reafirmar e buscam possibilidades fora do relacionamento justamente para saber se ainda possuem o poder de sedução, da paquera…”, exemplifica.

Ela ainda comenta sobre o papel dos aplicativos de relacionamento na traição. “A sexualidade começa na construção mental, na imaginação. Quando eu estou em um app com alguém, essa pessoa pode ser o que eu quiser – é uma fantasia – muito mais estimulante que o real”, comenta.

Essas relações se mostram como algo mais excitante e prático, já que não há o “drama” do namoro ou do casamento envolvido. “E se eu resolvo, por exemplo, desinstalar o aplicativo e bloquear alguém eu termino essa questão. Não me implico de uma forma real como eu preciso fazer numa relação diária. Envolve também praticidade”, fala.

A reprogramadora Ivana Cabral também pontua que os motivos da traição são muito relativos, mas várias pessoas traem para se reafirmar e por se sentirem inseguras dentro do relacionamento. “A pessoa trai às vezes, por estar passando por uma dificuldade no relacionamento e busca em outra pessoa aquela chama que acha que não existe mais dentro de si”, fala.

Para a profissional, inclusive, é possível ainda amar o parceiro e trair, dependendo do desejo que sente pelo outro. “Você vai sentir desejo por outra pessoa, mesmo amando o seu parceiro, a diferença é você conseguir controlar esse desejo, entrar no equilíbrio. Depende dos valores de cada um”, diz.

IG

 

Sesap disponibiliza formulário para pessoas expostas ao óleo nas praias do RN

Foto: Google Imagens

Diante da ocorrência do desastre ambiental provocado pelo derramamento de óleo nas praias do Litoral Nordestino e em razão da possibilidade de contaminação por hidrocarbonetos poliaromáticos (HPAs), a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio da Coordenadoria de Promoção da Saúde (CPS), disponibilizou um formulário online que pode ser preenchido por pessoas expostas ao óleo e também pelas equipes de Atenção Primária à Saúde.

Como forma de obter mais informações sobre os indivíduos que foram expostos, que apresentem sintomas ou exibam uma condição assintomática, a Sesap elaborou o formulário, a partir do qual será possível a construção de um banco de dados para subsidiar posteriores ações específicas, como por exemplo, investigação de possíveis casos de intoxicação exógena relacionados ao contato com o óleo.

Para preencher o formulário os profissionais de saúde e população em geral, podem acessar o link: http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=53249

O Protocolo de Notificação-Investigação de Exposição ao Óleo na Costa Nordestina orienta para a realização da notificação e investigação de casos novos, através da busca ativa no território e alimentação de casos identificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do Ministério da Saúde.

A Sesap já divulgou a recomendação junto às Regionais de Saúde e reforça também a necessidade da participação efetiva, principalmente dos profissionais Agentes Comunitários de Saúde (ACS), na realização desta atividade, uma vez que esses dados possibilitarão o monitoramento das pessoas expostas ao óleo nas praias.

Defensoria Pública averigua retirada de pessoas em situação de rua no Viaduto do Baldo pela Prefeitura

Foto: Divulgação/DPE

A Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Norte (DPE/RN), em ação conjunta com a Defensoria Pública da União, está averiguando o desalojamento de pessoas em situação de rua na área do viaduto do Baldo. A situação aconteceu após ação da Prefeitura de Natal, através da Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo e da Guarda Municipal. Cerca de trinta pessoas foram desalojadas durante o processo.

A retirada das pessoas ocorreu na segunda-feira (20) e teria como objetivo recolher entulhos existentes na região do viaduto que podem fazer transbordar o canal do Baldo em época de chuva. No entanto, durante a ação, as pessoas em situação de rua foram desalojadas sem nenhum aviso prévio ou opção de moradia temporária. Também não houve convocação prévia de órgãos públicos relacionados a atenção a pessoal em situação de rua para debater a melhor forma de executar a ação.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Az disse:

    Em Parnamirim tem uma favela que é
    formada só com pessoas que venderam os apartamentos minha casa minha vida muitos querem um pra morar mais tem muitos que querem só pra vender por isso digo esse pais não vai ter jeito é nunca.

  2. eduardo disse:

    A semsur realizando esse tipo de trabalho? estranho, enquanto isso as orlas de natal, os banheiros públicos, e o ordenamento do comércio ambulante e de camelôs da cidade entregue as moscas. na parada do midway, quase que impossível transitar. Alô prefeito!

  3. amaral disse:

    Uma ação no mínimo desastrosa e sem planejamento nenhum. Estava próximo e pude observar vários guardas municipais e fiscais da Semsur desalojando esses cidadãos que encontram-se em situação de vulnerabilidade. por mais que eles questionassem para onde iriam, a única resposta que eles obtinham é que tinham que sair e pronto! Pergunta-se, essa é a politica públicas do Prefeito Álvaro Dias,destinadas aos munícipes que encontram-se desassistidos? está correto a Defensoria Pública do RN.

  4. Joao disse:

    O que é que a defensoria pública fez pra ajudar essas pessoas antes?

    • Valéria disse:

      João, o mesmo que o Prefeito Álvaro Dias, Fez. ou seja Nada. agora, chegar de maneira sorrateira, sem nenhum tipo de aviso ou comunicado, aí já demais

  5. BOLSA DE NYLON disse:

    Situação identica pode ser vista no el3evado da PRAIA DO FORTE, em baixo da via-inicio da Ponte Newton Navarro.

Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas

Foto: REUTERS/Shamil Zhumatov/direitos reservados

Os 2.153 bilionários do mundo detêm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas, que correspondem a cerca de 60% da população mundial. Os dados constam do novo relatório da organização não governamental Oxfam, Tempo de Cuidar – O trabalho de cuidado mal remunerado e não pago e a crise global da desigualdade, lançado nesse domingo (19), às vésperas do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

O estudo aponta que a desigualdade global está em níveis recordes e o número de bilionários dobrou na última década. Segundo o levantamento, o 1% mais rico do mundo detém mais que o dobro da riqueza de 6,9 bilhões de pessoas.

O relatório chama a atenção para o fato de que essa grande desigualdade está baseada em boa medida em um sistema que não valoriza o trabalho de mulheres e meninas, principalmente das que estão na base da pirâmide econômica. De acordo com a organização, no mundo, os homens detêm 50% a mais de riqueza do que as mulheres.

“Além de chamar a atenção para essa desigualdade extrema que não está sendo solucionada, resolvemos dar visibilidade a um tema que não tem visibilidade e que contribuiu para esse acúmulo de riqueza, que é o fato de o cuidado não ser remunerado ou ser mal remunerado”, disse a diretora executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia.

“Milhões de mulheres e meninas passam boa parte de suas vidas fazendo trabalho doméstico e de cuidado, sem remuneração e sem acesso a serviços públicos que possam ajudá-las nessas tarefas tão importantes”, completou.

Segundo cálculos da Oxfam, o valor monetário global do trabalho de cuidado não remunerado prestado por mulheres a partir dos 15 anos é de US$ 10,8 trilhões por ano, três vezes maior que o estimado para o setor de tecnologia do mundo.

Katia destacou a forte contribuição da questão de gênero na desigualdade mundial. “Se você juntar os 22 homens mais ricos do mundo, eles têm a mesma riqueza que todas as mulheres que vivem na África, que é em torno de 650 milhões”.

Segundo a Oxfam, as mulheres fazem mais de 75% de todo trabalho de cuidado não remunerado do mundo. Frequentemente, diz a organização, elas trabalham menos horas em seus empregos ou têm que abandoná-los por causa da carga horária com o cuidado de crianças, idosos e pessoas com doenças e deficiências físicas e mentais bem como o trabalho doméstico diário.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    A roda foi feita para girar.
    A Cezar o que é de Cezar.
    O mundo gira com o capital dessas pessoas.
    Ganhando dinheiro e ficando rico pela sua competência e abrindo empresas pelo lado social merecem todos os aplausos
    Mas nem todos sabem com usar bem o dinheiro; aplicam em cachaca, cocaona, maconha, prostituição e por ai vai… e vai mesmo se lascando e depois ficam criticando a desiguladade social.
    Dinheiro nao aguenta desaforo.
    Esses bem sucedidos é como se fossem seus país vao colocando pouco dinheiro em sua mão até aprenderem a usa- lo com competência e nao gastarem sem necessidades
    Quer ver um mal exemplo o PT está completando 40 anos e quer que você participe contribuído.
    É um mau negócio

  2. Centro disse:

    Melhor era ser índio. Viver em paz e harmonia. Todos iguais.

  3. Luciano disse:

    Por que não vão vender avon ? A finada Marisa, ex chifruta de Lula, juntou 9 milhões vendendo avon e tirou a família da pobreza assim diz o atual namorado de Janja

  4. Everton disse:

    Ninguém merece ser bilionário.

    • Seven disse:

      En tão ninguém merece usufruir das comodidades e inovações propiciadas pelos bilionários (os que enriqueceram oferecendo algo útil).

  5. Seven disse:

    Bill Gates se tornou bilionário criando um produto que mudou a vida de todo o mundo, perimitindo incomensurávis ganhos produtivos. Se fosse para diluir toda a sua fortuna pelos terráquos, não haveria motivação para desenvolver os seus programas.

  6. Seven disse:

    Não se enganem. Se não houvesse esses biliononários, os pobres seriam ainda mais pobres.
    Haveria mais igualdade na miséria.

Cogumelos alucinógenos dão ‘reset’ no cérebro de pessoas com depressão, destaca Super Interessante

Estudo britânico dá os primeiros passos para entender por que a psilocibina – princípio ativo dos cogumelos – tem efeitos benéficos duradouros para depressivos, mesmo em doses únicas. Foto: (Alan Rockefeller/Creative Commons)

O alucinógeno psilocibina – princípio ativo de mais de 100 espécies de cogumelos mágicos – é uma solução eficiente para casos de depressão que não respondem aos remédios tradicionais. E um artigo científico publicado na semana passada por pesquisadores do Imperial College, em Londres, deu os primeiros passos para revelar porque, exatamente, a substância é tão benéfica.

Estudos clínicos – ou seja, feitos com seres humanos, e não cobaias animais – já comprovaram que apenas uma ou duas doses de psilocibina ministradas em situação controlada ajudam pacientes de doenças terminais que sofrem de depressão e ansiedade, viciados em álcool e cigarro e pessoas com transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Neste novo estudo, 19 depressivos que não reagem às drogas mais usadas para combater o problema receberam, com uma semana de intervalo, uma dose de 10 mg e outra de 25 mg de psilocibina. Ao longo da primeira semana após a experiência, todos os voluntários apresentaram melhoras. Ao final da quinta semana, sem receber novas doses, os efeitos benéficos ainda puderam ser verificados em 47% deles.

Analisando exames feitos antes e após o consumo da substância, os cientistas perceberam que ela “dá um tranco” em regiões do cérebro que estão por trás da depressão, como a amígdala – que cuida, entre outras coisas, de reações emocionais como o medo.

“Muitos de nossos pacientes descreveram uma sensação de reset após o tratamento”, explicou em comunicado Robin Carhart-Harris, líder da pesquisa. “Um deles afirmou que foi como se seu cérebro tivesse sido desfragmentado, como se faz com um disco rígido.”

(A desfragmentação, para uma memória de computador, é o equivalente ao alívio que você sente quando arruma um armário bagunçado e põe todas as camisetas no mesmo lugar. O processo reúne em um canto só dados que pertencem a um mesmo programa, mas que antes estavam separados e espalhados.)

“A psilocibina pode estar dando a esses indivíduos o pontapé inicial que eles precisam para sair da depressão, e os resultados de ressonância magnética apoiam de forma tentadora as analogias com computadores.”

Do ponto de vista técnico, o que as ressonâncias mediram foi o fluxo de sangue em cada parte do cérebro, e quais partes trocavam informações mais intensamente entre si, antes, durante e depois da experiência psicodélica. Enquanto a psilocibina está no auge do efeito, as conexões entre diferentes áreas são muito menos intensas que a média. Após o fim da experiência, porém, várias redes neurais não só se reestabelecem como se tornam mais estáveis – e o fluxo de sangue na amígdala fica menor.

Em uma ressalva, os pesquisadores lembram que o teste foi feito com uma amostra relativamente pequena de voluntários, e que não havia um grupo de controle (ou seja, que recebe placebo) para usar de referência. “Estudos mais amplos são necessários para ver se esses efeitos positivos podem ser reproduzidos em mais pacientes. Mas as conclusões iniciais são animadores e abrem um novo caminho para exploração”, afirmou David Nutt, co-autor do paper.

Além disso, é sempre bom lembrar: não tente isso em casa. A psilocibina está em fase experimental e seu uso terapêutico precisa de acompanhamento médico.

A droga mais segura do mundo

Segundo o Global Drug Survey, um levantamento de saúde pública feito com 120 mil usuários de drogas de 50 países, a psilocibina é a substância química ilegal mais segura do mundo. 10% dos entrevistados, 12 mil pessoas ao todo, afirmaram ter usado os fungos psicodélicos em 2016. Só 24 delas – 0,2% – precisaram de assistência médica emergencial após a experiência.

Uma das características mais notáveis da psilocibina é que ela praticamente não vicia. Uma compilação de estudos feita em 2011 por médicos e psicólogos da Universidade de Amsterdã classificou como “irrisórios” os efeitos do uso de cogumelos mágicos sobre o crime organizado e problemas de saúde pública. O uso da droga gera um aumento temporário na tolerância do usuário – que o desestimula a tomar novas doses em pequenos intervalos, já que elas não fariam efeito.

O Brasil também investe na pesquisa com substâncias que são alvo de preconceito – mesmo quando elas vêm em plantas, e não fungos. Neste ano, pesquisadores do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) descobriram que uma única dose de ayahuasca – bebida típica da medicina tradicional amazônica e essencial para alguns rituais religiosos populares – alivia os sintomas de vítimas de depressão por até uma semana. O efeito é quase instantâneo.

“Psicodélicos clássicos, como a ayahuasca e a psilocibina (encontrada em um tipo de cogumelo) não viciam”, explicou o pesquisador Dráulio Araújo em entrevista à SUPER. “O aumento do número de estudos científicos com psicodélicos e a determinação dos seus benefícios terapêuticos tendem a mudar a opinião pública sobre o assunto.”

Super Interessante

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Em minha infância rural, era comum eu deparar com vacas "muito doidas" (entorpecidas) por terem se alimentado de cogumelos que medravam no campo. A propósito, eu quase que casava com uma delas.

  2. Jóia disse:

    Ciência é o caminho! Conhecimento, razão, metodologia, boas práticas científicas, avançar sempre em busca do melhor para o ser humano esse é o verdadeiro caminho!!!

Brasil é o 3º país em que pessoas passam mais tempo em aplicativos

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

As pessoas passaram 3 horas e 40 minutos, em média, utilizando aplicativos (também conhecidos como apps) em 2019. O índice é 35% maior do que em 2017. As informações são do principal relatório sobre o tema no mundo, da consultoria App Annie. A edição de 2020 foi divulgada ontem (15).

O Brasil ficou na terceira colocação no ranking dos países em termos de tempo gasto em apps, levemente acima da média, com 3 horas e 45 minutos.

O país foi superado pela China, onde as pessoas mexem com esses programas durante quase 4 horas, e a Indonésia, onde o tempo diário chegou a 4 horas e 40 minutos. Em seguida, vêm a Coreia do Sul (3h40) e Índia (3h30).

Na comparação entre 2019 e 2017, a China obteve a maior ampliação (60%), seguida pela Índia, o Canadá e a França (25%), a Indonésia (20%) e o Brasil, a Alemanha, Coreia do Sul, o Japão e Reino Unido (15%).

No recorte por idade, a chamada geração Z (nascida entre 1997 e 2012) passou 3 horas e 46 minutos por app por mês e teve 150 sessões por mês nos principais aplicativos.

O download anual de aplicativos cresceu 45% nos últimos três anos: saiu de 140 bilhões em 2016 para chegar a quase 204 bilhões em 2019.

No Brasil, esse aumento foi de 40%, atingindo cerca de 5 bi no ano passado. Entre as nações, o maior aumento no período foi da Índia: 190%.

Tipos

Os apps de finanças foram acessados 1 trilhão de vezes em 2019, um crescimento de 100% na comparação com 2017. O Brasil também ficou em terceiro no ranking desse tipo de programa, atrás apenas da Índia e da China.

Mas enquanto alguns países já têm a maioria de acessos em carteiras virtuais (China e Coreia do Sul), no Brasil e em outros (como Indonésia, França e Alemanha) as transações digitais são realizadas em sua maioria por apps de bancos. Os apps mais baixados nessa categoria foram Nubank, FGTS, Picpay, Caixa e Mercadopago.

O Brasil seguiu na terceira colocação também no ranking do crescimento em tempo gasto em apps de compras, atrás da Índia e Indonésia.

Entre 2018 e 2019, os brasileiros ampliaram em 32% a sua presença nesse tipo de ferramenta. Os apps mais baixados com essa finalidade foram Mercadolivre, Americanas, Magazine Luiza, AliExpress e Wish.

A colocação foi mantida também no caso dos apps de entrega de comida. O número de sessões nesse tipo de ferramenta entre os usuários daqui foi de 8 bilhões, ficando atrás dos Estados Unidos (10 bi) e da Indonésia (20 bi).

Nas aplicações voltadas ao entretenimento, o Brasil ficou em 7º lugar no ranking de crescimento entre 2018 e 2019, ainda assim com um índice de 32%.

Entre os locais onde o uso desse tipo de app foi maior estão Índia (78%), França (60%) e Japão (58%). Os mais baixados dessa modalidade foram Netflix, Youtube Go, Amazon PrimeVideo, Globoplay e Viki.

Entre as redes sociais, o estudo não divulgou ranking mundial, mas registrou a força do app chinês Tik Tok. A lista de mais baixados no Brasil é formada por Whatsapp, Status Saver, Snapchat, Telegram e Hago.

Investimentos

Já os gastos com aplicativos aumentaram 110%, passando de US$ 55 bilhões para US$ 120 bilhões no mesmo período. Os jogos são responsáveis por 72% do faturamento. A China aumentou 190% nos últimos três anos, chegando a acumular 40% do mercado mundial.

Em 2019, foram gastos US$ 190 bilhões em publicidade em dispositivos móveis. Neste ano, a projeção da consultoria é de que essa movimentação chegue a US$ 240 bilhões.

Internet das Coisas

O documento destaca o papel dos apps no ambiente interconectado que vem sendo chamado de Internet das Coisas. Nos Estados Unidos, os apps mais baixados para esse tipo ecossistema foram os assistentes Alexa e Google Home, o agregador de serviços audiovisuais Roku, o sistema de videogame Xbox, o sistema de segurança doméstica Ring e o aplicativo vinculado a um relógio conectado Fitbit.

Agência Brasil

 

Réveillon de Copacabana espera 2,8 milhões de pessoas

Foto: Gabriel Monteiro/SECOM

Na noite da virada do ano de 2019 para 2020 na Praia de Copacabana terá uma festa com 16,9 toneladas de fogos, distribuídas em dez balsas, numa queima de 14 minutos sincronizada com trilha sonora exclusiva, o chamado show piromusical. O esquema operacional para o réveillon na cidade foi apresentado nesta quinta-feira (26) pela prefeitura.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, também apresentou a participação do estado na festa. Segundo ele, o evento vai custar R$ 10 milhões, dos quais R$ 5,5 milhões virão de patrocínios da Lei de Incentivo à Cultura do estado.

“Este ano a expectativa é superar 2,8 milhões de pessoas na festa em Copacabana. Estamos com quase 90% de ocupação da rede hoteleira”, disse hoje o governador no Palácio Guanabara, sede do executivo estadual.

O presidente da Riotur, Marcelo Alves, confirma a expectativa de público, o mesmo número alcançado no ano passado, e disse que os hotéis esperam atingir a capacidade máxima até o dia 31.

“Estamos batendo 100% de ocupação hoteleira. Isso é o resultado de um ano de trabalho, de toda a prefeitura, de toda a RioTur, com um planejamento muito eficiente. E o que a gente quer é recorde não só desses números, mas fundamentalmente recorde de alegria. Isso que o réveillon tem como objetivo. E a cidade lotada de turistas, são mais de 1,8 milhão de turistas chegando na cidade já aqui.”

Além de Copacabana, que contará com quatro palcos, outras nove áreas receberão atrações musicais: Ilha de Paquetá, Parque Madureira, Ilha do Governador, Guaratiba, Sepetiba, Ramos, Penha, Flamengo e Barra da Tijuca. As duas últimas também terão queima de fogos.

No palco principal de Copacabana, em frente ao Hotel Copacabana Palace, haverá shows das 19h às 3h, com a cantora gospel Anayle Sullivan, Allyrio Mello, Diogo Nogueira, Ferrugem, uma homenagem ao funk carioca com o DJ Marlboro após a queima de fogos e a bateria da Escola de Samba da Mangueira.

Transporte

A recomendação para quem for a Copacabana é utilizar o transporte coletivo, já que as ruas do bairro estarão bloqueadas para carros de passeio a partir das 19h30 do dia 31. Ônibus e táxis poderão passar por Copacabana até 22h. O estacionamento nas principais vias do bairro estará proibido a partir das 6h do dia 30.

Desembarques e embarques nos ônibus de linha da cidade serão feitos apenas nos bolsões em Botafogo, para quem vai para o centro e zona norte, e em Ipanema, com destino à zona oeste. Os ônibus de turismo devem estacionar na área do Teleporto, na Cidade Nova.

A partir das 19h só poderá pegar o metrô quem tiver comprado os cartões especiais para o réveillon. Eles estão sendo vendidos desde o dia 9 de dezembro e agora estão disponíveis apenas na Estação Carioca. O sistema de integração do Metrô na Superfície será interrompido a partir das 18h.

A SuperVia terá reforço nos trens saindo da Central durante toda a madrugada do dia 1º.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) dará suporte à festa com quatro postos médicos, 48 ambulâncias e uma equipe de 266 profissionais a partir das 17h30. No ano passado, foram feitos 641 atendimentos e 70 remoções no réveillon de Copacabana.

O patrulhamento da região pela Guarda Municipal será efetuado por 1.774 agentes, sendo 616 no controle do trânsito e 122 viaturas. A equipe do Grupamento de Ronda Escolar vai distribuir pulseiras de identificação para serem colocadas nas crianças.

A operação da Companhia Municipal de Limpeza Urbana inclui 3.420 funcionários, 177 veículos, 1.080 contêineres e 160 caixas metálicas em todos os pontos de concentração de pessoas na cidade. A partir das 6h do dia 1º, Copacabana recebe um batalhão de 1.202 garis para fazer a limpeza da praia. O objetivo da companhia é entregar a praia limpa aos turistas e cariocas até as 10h.

Segundo o presidente da RioTur, Marcelo Alves, o réveillon de Copacabana é “sem sombra de dúvida o maior evento do mundo”.

Agência Brasil

 

Pesquisa diz que 70% das pessoas esperam “festa da firma” para trair o parceiro

Foto: shutterstock

Uma pesquisa realizada pelo site Second Love, especializado em relacionamentos extraconjugais, pode deixar uma pulga atrás da orelha dos mais ciumentos. De acordo com 7 a cada 10 dos usuários questionados, o período festivo de fim de ano – com destaque para as festas do trabalho – é o mais propício para traições.

O estudo, divulgado com exclusividade para o Delas , foi realizado com mais de 2 milhões de usuários na América Latina e também refletiu sobre o histórico: mais de 30% dos usuários confirmaram que fizeram sexo com alguém do trabalho após a festa de fim de ano da firma – e mais de 65% admitiram que tiveram algum tipo de abordagem ou intenção de trair durante a comemoração.

Uma das justificativas possíveis, oferecida pelo próprio site, é o fato de que um momento informal fora do ambiente do trabalho pode ser ideal para “liberar o estresse absorvido durante o ano inteiro”. Outro ponto está na possibilidade de comparecer a essas festas sem a presença do parceiro .

A gerente regional do Second Love na América Latina, Anabela Santos, ao destacar o aumento notável do fluxo do site no fim do ano também comenta que “o clima festivo, os passeios noturnos e os compromissos geram oportunidades para que se cometam mais traições”.

Traição na noite de Natal

A pesquisa também investigou o comportamento dos usuários na própria festa natalina. Sobre isso, 70% dos usuários confirmaram que também planejam celebrar essa festa especial com seu amante, sendo que 36% deles combinam um almoço ou uma atividade durante a véspera de Natal, e 34% saem após a ceia de Natal, preferindo um encontro em um hotel ou local isolado para trair .

O estudo também revelou que 4 em cada 10 usuários compram um presente de Natal para a sua amante e, quando o assunto é valor, são as mulheres que gastam mais dinheiro em comparação aos homens, chegando a pagar até US$ 100 (pouco mais de R$ 410) ou mais aos seus amantes .

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Papa Jerry Moon disse:

    Os outros 30% não esperam nem a festa da firma. Kkkkkk

  2. Henrique disse:

    O negócio tá difícil pra quem é casado (a) o chifre é no mei da canela… Não tem pra onde fugir.

Derrubado veto do Governo ao projeto de lei que amplia benefícios da isenção de IPVA para pessoas com deficiência no RN

A deputada estadual Cristiane Dantas (Solidariedade), obteve uma vitória importante para beneficiar pessoas com algum tipo de deficiência no Rio Grande do Norte. Em sessão extraordinária da Assembleia Legislativa, na tarde desta terça-feira (10), os parlamentares derrubaram o veto do Governo do Estado ao Projeto de Lei nº 058/2019, que amplia os benefícios da isenção de IPVA para pessoas com deficiência física, mental, visual, auditiva e autistas, com a retirada da limitação da potência dos veículos a serem adquiridos.

Ao defender a derrubada do veto, a deputada Cristiane ressaltou que a limitação da potência veicular, prevista na Lei nº 10.464/18, prejudicava o tipo de carro que as pessoas com deficiência precisam adquirir para atender suas especificidades. “A maioria dos tipos de veículos permitidos não cabe sequer uma cadeira de rodas para uma pessoa com deficiência física se deslocar, então essa limitação não atende a real necessidade dessas pessoas, por isso é necessário derrubarmos esse veto”, defendeu Cristiane.

Com a abertura da votação, os deputados presentes em plenário manifestaram e confirmaram voto favorável à derrubada do veto. “Nesta terça, quando se celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos, a Assembleia Legislativa deu um importante exemplo de luta pela garantia de direitos e da dignidade das pessoas com deficiência, que no Rio Grande do Norte representam mais de 27% da população. Fico feliz por duas vezes ter sido a propositora dessa conquista. Não se trata de uma vitória minha ou derrota para o Governo do Estado, mas de efetivar direitos para uma parcela significativa dos potiguares”, disse Cristiane.

Pessoas com deficiência física e representantes da Sociedade Amigos do Deficiente Físico do RN (Sadef/RN) acompanharam a votação das galerias. O presidente da Sadef, Tércio Tinoco, agradeceu a deputada e celebrou a conquista. “Essa derrubada do veto é muito importante porque agora as pessoas com deficiência vão poder comprar os carros adequados para suas necessidades. Foi mais uma vitória para o movimento das pessoas com deficiência no nosso Estado”, comentou. A matéria, agora, seguirá para sanção do Governo do Estado ou promulgação pela Assembleia Legislativa.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. djailson disse:

    agora vai melhora as vendas locais de veículos pcd não precisamais ir para os estados vizinhos.

  2. AUGUSTO disse:

    Parabéns a Deputada Cristiane Dantas, pelo louvável Projeto de Lei de Isenção de IPVA para pessoas com deficiência, para aquisição de veículos!

Estudo mapeia alterações no cérebro de pessoas que pensam em se suicidar e sugere que ao menos duas estruturas funcionam de forma diferente

Ao menos duas estruturas cerebrais funcionam de forma diferente em pessoas que pensam em (ou já tentaram) cometer suicídio. A descoberta foi publicada no periódico científico Molecular Psychiatry por pesquisadoras das universidades de Cambridge, no Reino Unido, e Yale, nos Estados Unidos.

O estudo se baseou na revisão de 131 artigos científicos que envolveram mais de 12 mil pessoas. Em todos os estudos, exames de imagem do sistema nervoso humano estavam em foco. “Esperamos que isso nos forneça mais informações sobre o que pode estar acontecendo em termos de mecanismos cerebrais”, apontou Anne-Laura van Harmelen, uma das autoras, segundo a New Scientist.

Combinando os resultados de todas as análises anteriores, a equipe notou evidências de alterações estruturais, funcionais e moleculares no cérebro das pessoas que haviam tentado cometer suicídio ou pensavam sobre isso. Dessa forma, os cientistas notaram que as conexões entre duas redes neurais do cérebro atuavam de forma diferente nesses voluntários, o que sugere uma correlação com o comportamento suicida.

Segundo eles, a primeira parte do cérebro que atua de forma diferente nas pessoas que pensam ou já tentaram cometer suicídio é o córtex pré-frontal ventral medial e lateral. Esta é a região do sistema nervoso responsável por se conectar às partes do cérebro envolvidas na emoção – logo, alterações nessa rede podem levar a pensamentos negativos excessivos e na dificuldades em regular emoções.

Já a segunda área que age diferente é conhecida como córtex pré-frontal dorsal e sistema de giro frontal inferior. Como explicam os autores, essa é a parte do cérebro que tem o papel de tomar decisões, encontrar soluções alternativas para problemas e controlar o comportamento.

Isso sugere que alterações na estrutura, função ou bioquímica dessas partes do cérebro podem resultar em mais pensamentos negativos sobre o futuro, além de incapacidade de controlar os pensamentos, o que pode levar a situações em que o indivíduo está em maior risco de suicídio.

Vale lembrar que essas alterações no cérebro não são marcadores definitivos, isto é, não definem quem tentará cometer suicídio. Na verdade, essas diferenças podem resultar em angústia e problemas de saúde mental nos indivíduos, envolvendo suicídio ou não.

Como explicou Lianne Schmaal, uma das participantes da pesquisa, artigos como o de sua equipe são importantes para ajudar a previnir a morte por suicídio. “É essencial que intervenhamos o mais cedo possível para reduzir o risco de um indivíduo”, disse ela, em comunicado. “Para muitas pessoas, isso será durante a adolescência. Se pudermos descobrir uma maneira de identificar os jovens em maior risco, teremos a chance de intervir e ajudá-los nesse estágio importante de suas vidas.”

Galileu

Pessoas compartilham fake news de forma consciente, mostra estudo

(LEBERUS/Getty Images)

As notícias falsas estão por toda a internet – e encontram nas redes sociais seu habitat mais fértil. Dificilmente você rola sua timeline do Facebook e não se depara com uma manchete sensacionalista compartilhada por algum parente. A situação é ainda mais caótica no Twitter: por lá, as fake news se disseminam seis vezes mais rápido do que notícias verdadeiras.

Quando esse assunto virou pauta pela primeira vez, a grande discussão era o quanto bots estavam ajudando a disseminar informações falaciosas. Mas, agora, um estudo da Universidade de Regina, no Canadá, concluiu que, ao contrário do que se imagina, usuários convencionais não estão sendo enganados e conseguem detectar facilmente quando algo é fake news. Só que, mesmo assim, boa parte opta por compartilhar a notícia.

De acordo com o estudo, existem algumas razões para isso: muita gente não pensa sobre a veracidade de uma informação antes de compartilhá-la numa rede social. E, muitas vezes, divulga notícias que podem ser falsas só porque elas vão de acordo com uma opinião própria.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores apresentaram uma série de manchetes reais a mais de 2500 pessoas dos Estados Unidos. Na lista, havia chamadas retiradas das principais notícias de jornais – mas também um conjunto de histórias que eram inteiramente falsas. Quem participava do estudo não sabia nada sobre os temas das notícias, claro, e tinha que julgar a partir do conteúdo que recebiam.

Na primeira parte do estudo, os participantes foram solicitados a indicar quais manchetes compartilhariam nas redes sociais. Foi aí que despontou um comportamento curioso: o critério utilizado por muitos não era averiguar a veracidade das histórias, mas seu conteúdo. Se o que o texto dizia concordasse com uma opinião pré-estabelecida da pessoa, pouco importava a fonte: ela tinha mais chances de compartilhar de qualquer forma.

Quando as notícias falavam especificamente de fatos políticos, não importando se fossem mais à direita ou à esquerda do espectro ideológico, participantes tinham 37,4% de chances de compartilhar histórias que concordavam com seu ponto de vista – mesmo se elas fossem fake news. A probabilidade de compartilhamento caía para 24% no caso de manchetes verdadeiras, mas que discordavam de crenças pessoais.

Numa segunda parte do estudo, a equipe perguntou a outro grupo de pessoas o que eles achavam sobre a precisão das manchetes antes. Isso, antes de questionar se eles a compartilhariam ou não nas mídias sociais. Os pesquisadores notaram que as pessoas que receberam um alerta com relação à veracidade dos fatos que liam tinham probabilidade significativamente menor de compartilhar informações falsas.

O estudo estou também se o fato de as pessoas estarem distraídas nas redes poderia fazê-las esquecer que há notícias falsas circulando por lá o tempo todo. Para ter certeza disso, cientistas enviaram mensagens para 5500 usuários do Twitter, que costumavam compartilhar notícias de sites não confiáveis em seu perfil.

Os pesquisadores pediram a esses usuários que avaliassem a precisão de uma única manchete. Depois disso, eles começaram a monitorar o que os perfis compartilhavam, e notaram que, nas 24 horas seguintes, as notícias que os participantes disseminaram em suas redes eram 3,5% mais confiáveis ​​do que anteriormente.

Por fim, os autores do estudo afirmam que a noção de que “as pessoas são facilmente enganadas” não condiz com a realidade. Em vez disso, há chance maior é que venham usando informações falsas para validar suas próprias opiniões. Assim, entre falar a verdade e ter razão, a segunda opção sempre acaba levando a melhor. Para ler na íntegra o estudo, é só clicar neste link.

Super Interessante

Pesquisa lista cidades brasileiras que pessoas mais traem em relacionamentos; ranking mostra liderança de paulistas, RN de fora e Recife e João Pessoa no top 15

Foto: shutterstock

Já dizem os especialistas que traição é uma prática mais comum no verão — o que é explicado por alguns fatores ligados aos dias quentes, como o sentimento de liberdade, o estímulo visual causado pela pele exposta e o aumento da libido —, mas existe um lugar em que as pessoas são mais infiéis nessa época do ano? Segundo pesquisa do site de relacionamentos extraconjugais Ashley Madison , a resposta é sim e pode ser bem perto de você! Nesta pesquisa, nenhuma cidade no Rio Grande do Norte aparece em destaque.

Segundo ranking, as cidades do ABC Paulista, Santo André e São Bernardo do Campo, ambas na região metropolitana de São Paulo, são as mais infiéis quando o calor chega. Para a descoberta, foram analisados os número de inscrições do site entre dezembro de 2018 a fevereiro de 2019.

Veja a lista completa das cidades brasileiras que mais cometem traição no verão:

1 – Santo André, SP
2 – São Bernardo do Campo, SP
3 – Guarulhos, SP
4 – Nova Iguaçu, RJ
5 – São Gonçalo, RJ
6- Campinas, SP
7- Porto Alegre, RS
8- Curitiba, PR
9- São Paulo, SP
10- Goiânia, GO
11- Belo Horizonte, MG
12- Recife, PE
13- Brasília
14- Rio de Janeiro, RJ
15- João Pessoa, PB

O que esse ranking significa?

A Isabella Mise, diretora de comunicação do Ashley Madison no Brasil, comenta que os paulistas podem ser considerados os mais infiéis do Brasil, com cinco cidades no ranking. Segundo ela, foi possível observar resultado semelhante na lista de usuários que se cadastraram no site durante os meses de inverno, ou seja, traição é comum em São Paulo em todas as épocas do ano.

“Certamente estamos vendo tendências entre agora e o inverno passado”, aponta a profissional. “As cidades menores ainda ocupam o topo da lista, mas também há algumas mudanças, pois estamos vendo muito mais inscrições nas cidades maiores do Brasil. Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro são três das maiores e mais populares cidades do país e estão se tornando conhecidas. A infidelidade está em ascensão”, finaliza.

Dela – IG

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PROF. EDUARDO AGUIAR disse:

    Isso mostra que no RN se sabe trair e não dá satisfação kkkkkkkk

  2. Diogo disse:

    Dá licença, meo.

Sesap orienta municípios para notificarem casos de pessoas em contato com manchas de óleo nas praias

Foto: Divulgação

A Sesap se reuniu na manhã desta sexta-feira (8) com representantes da área da saúde dos municípios atingidos pelas manchas de óleo no litoral potiguar para discutir as ações que vêm sendo desenvolvidas, reforçar os cuidados que devem ser adotados, sensibilizar quanto a importância da notificação por intoxicação e apresentar o protocolo de atendimento para pessoas que entraram em contato com o material.

Ao todo, 13 municípios foram mobilizados, são eles: Natal, Ceará-Mirim, Parnamirim, Extremoz, Baía Formosa, Canguaretama, Nísia Floresta, Senador Georgino Avelino, Tibau do Sul, Tibau, Maxaranguape, Rio do Fogo e Touros.

“A proposta desse espaço é, principalmente, sensibilizar quanto a notificação. É a partir delas que conseguirmos ampliar as ações que já vêm sendo desenvolvidas e criar novas estratégias para orientar à população quanto aos riscos do contato direto com a substância”, explicou a subcoordenadora de Vigilância Ambiental da Sesap, Aline Rocha.

Entre as atividades já desempenhadas pela secretaria de saúde, desde que os primeiros vestígios de óleo nas praias começaram a surgir estão a integração no Gabinete de Gestão Integrada (GGI), a participação nas capacitações dos voluntários com agentes da Defesa Civil e Idema, o estabelecimento do fluxo de notificação por intoxicação exógena e a construção do protocolo de atendimento, o monitoramento da população afetada e o atendimento à população através do Centro de Assistência Toxicológica do RN.

Orientações

A Sesap ressalta a importância de a população evitar contato direto com a água e o solo nas regiões atingidas pelo óleo, sobretudo os grupos que possuem maior vulnerabilidade, como crianças e gestantes. Quando houver contato com o óleo, mesmo que não haja o surgimento de sintomas, a população deve buscar atendimento médico na unidade de saúde mais próxima.

A pasta também reforça que o Centro de Assistência Toxicológica do RN (Ceatox) está à disposição da população para tirar dúvidas em casos de exposição ou aparecimento de sintomas por meio dos telefones 0800 281 7005 (das 7h às 18h) e pelos Whatsapps 24h (84) 98125-1247 ou (84) 98803-4140.

Outra recomendação é avaliar os pescados oriundos das áreas atingidas. É necessário observar se possuem manchas, furos ou cortes nas superfícies. O ideal é que as brânquias (guelras) do peixe estejam com a cor rosada ou vermelha intensa, brilhantes e sem viscosidade. Caso haja dúvidas sobre a qualidade do pescado ele não deve ser consumido.