VÍDEO: Em entrevista com Danilo Gentili no SBT, Bolsonaro se emociona, mostra cicatriz de facada, fala de urgência da Previdência, e polêmicas

Foto: Gabriel Cardoso/SBT

Em entrevista ao programa The Noite (SBT), comandado por Danilo Gentili, o presidente Jair Bolsonaro mostrou a sua cicatriz, resultado da facada que recebeu durante a campanha presidencial do ano passado. O programa foi ao ar na madrugada desta sexta-feira (31).

Ao recordar o episódio, ele ficou emocionado e disse ter pensado no momento do ataque que seria apenas um soco no estômago, percebendo a gravidade momentos depois.

Ele mostrou as marcas que ficaram após as cirurgias e declarou ter reavaliado suas prioridades após o incidente.

Na entrevista, ele conversou sobre as mudanças em sua vida após a eleição, recordou momentos da corrida para o Palácio do Planalto e declarou que já havia planejado que o ato de Juiz de Fora seria o último em meio ao povo, devido à crescente popularidade.

Outros assuntos

O presidente também falou sobre a tentativa de aprovar a Reforma da Previdência, sobre as manifestações populares e comentou sua participação nas redes sociais.

Bolsonaro também contou detalhes de sua rotina no Palácio da Alvorada, as mudanças que fez ao se mudar para lá e comentou a questão da posse de armas no Brasil.

Com acréscimo de informações do Correio 24 Horas

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eric de Deus disse:

    As lágrimas denunciam a humanidade de uma pessoa. Tenho grande respeito e estima pelo meu presidente. Parabéns Capitão!!!

Polêmicas, inimigos e títulos: relembre a trajetória do dirigente Eurico Miranda, que nunca passou despercebido

Foto: André Durão/GloboEsporte.com

O estilo desafiador, muitas vezes bravateiro, tornou-se marca de Eurico Ângelo de Oliveira Miranda, que morreu nesta terça aos 74 anos, vítima de câncer no cérebro. Era a postura preferida do histórico dirigente nos momentos de defender os próprios pontos de vista. Comandou o futebol do Vasco, atraindo amor e ódio, dentro e fora do clube, de aliados e inimigos, entre os triunfos e os fracassos colecionados.

“Quem falou?”

“Crise? Que crise?”

Eram duas das frases que Eurico adorava bradar, para questionar adversários políticos, dirigentes, jornalistas e as notícias que o contrariavam.

A primeira aparição do cartola no noticiário do Vasco aconteceu quando Eurico tinha 25 anos. Um fotógrafo do jornal “O Globo” o flagrou desligando a chave de energia elétrica da sede da Lagoa. Quis acabar com a sessão do Conselho Deliberativo que tratava da cassação do presidente Reinaldo Reis. Foi em vão a tentativa desesperada do então vice de Patrimônio, na época conhecido como Eurico Oliveira. A luz voltou, e Reis terminou cassado naquela noite de 25 de novembro de 1969. A edição de “O Globo” da manhã seguinte trouxe a foto, com a legenda “Mão do Eurico”, enquanto a reportagem narrava o ocorrido.

Mão de Eurico, fotografada apagando a luz na sessão de cassação do presidente Reinaldo Reis — Foto: Reprodução O Globo / 26-11-1969

Fisioterapeuta formado e graduado em Direito pela PUC do Rio de Janeiro, Eurico havia começado a trabalhar no Vasco como diretor de cadastro, em 1967, com 23 anos. Ocupou diversos cargos e foi aumentando seu prestígio com os que sucederam Reinaldo Reis na presidência: Agathyrno da Silva Gomes, Alberto Pires Ribeiro e Antônio Soares Calçada. Ganhou notoriedade, como diretor de Futebol, ao dar um drible no Flamengo e ajudar a repatriar Roberto Dinamite, em maio de 1980, quase cinco meses após o artilheiro ter trocado o Vasco pelo Barcelona, da Espanha.

De 1986 a 2001, já como vice-presidente de Futebol do Vasco, Eurico Miranda esteve à frente de campanhas memoráveis, como as dos títulos brasileiros de 1989, 1997 e 2000, da Libertadores de 1998 e da Copa Mercosul (hoje, Sul-Americana) de 2000. Nesse período de 15 anos, enquanto foi o mandachuva do presidente Antônio Soares Calçada no futebol, o Vasco ergueu 37 taças, incluindo turnos de Campeonato Carioca, o Rio-São Paulo-1999 e troféus de torneios internacionais, como o tricampeonato do mítico Troféu Ramón de Carranza, na Espanha.

Todas as conquistas orgulhavam Eurico Miranda, mas especiais eram as vitórias sobre o Flamengo. Personalista, o dirigente transformou a rivalidade entre os clubes em disputa particular. Odiava perder para o rubro-negro e entrava em êxtase nos triunfos.

– Vasco x Flamengo é um campeonato à parte – gostava de resumir.

Puxava o coro de “Casaca” nos vestiários e momentos festivos. E não temia as declarações polêmicas. Por isso, colecionava desafetos. Dentro e fora do clube.

– Já comprei 30 mil litros de chope. E paguei. Tenho certeza de que vamos ser campeões porque nosso time é muito melhor do que o Flamengo – avisou, já presidente, antes da derrota na final do Campeonato Carioca de 2004 para o arquirrival.

Em campo, a vitória do Flamengo por 3 a 1, com três gols de Jean, fez a torcida adversária soltar o grito nas arquibancadas do Maracanã: ”Arerêêêê, o chope do Eurico eu vou beber!”.

A bravata ainda faria o cartola perder a cabeça e custaria a ele uma condenação por agressão. Depois do jogo, ao ser perguntado pelo repórter Carlos Monteiro, de “O Dia”, sobre onde estariam os “tais 30 mil litros de chope comprados”, Eurico deu um soco no jornalista. Levado ao Juizado Especial Criminal (Jecrim) do Maracanã, terminaria absolvido pelo juiz Murilo Kieling. O Ministério Público Estadual e o advogado do jornalista recorreram, e o já presidente do Vasco foi condenado a seis meses de prisão. A pena seria substituída, em março de 2006, pelo pagamento de R$ 10 mil de indenização. Eurico recorreu até ao STF, mas sofreu outra derrota, em julho de 2007.

Eurico tinha um jeito peculiar de lidar com os jogadores, especialmente, os destaques do time. Na campanha do título brasileiro de 1997, dizia para quem quisesse ouvir que o segredo do alto astral e do sucesso do atacante Edmundo naquele período era mantê-lo como o centro das atenções:

“Edmundo não pode ter concorrentes. Precisa ser a estrela da companhia” , resumiu Eurico

Fala bobagem não era crime em São Januário. Desde que o falastrão fizesse gols e caísse nas graças da torcida.

– No Vasco, a gente releva algumas coisas, quando o sujeito tem caráter e bom coração – emendou Eurico, em 1998. – O Donizete, por exemplo, reclama da reserva, fala bobagem, mas, no dia seguinte, é o primeiro a pedir desculpas – completou, numa análise divertida sobre o “Pantera”.

O estilo intempestivo de Eurico Miranda vinha desde criança. Nascido a 7 de junho de 1944, ganhou o nome de batismo em homenagem ao general Eurico Gaspar Dutra, presidente do Brasil de 1946 a 1951. Álvaro e Alexandra, os pais, haviam trocado Arouca, no norte de Portugal, pelo Rio de Janeiro, na década de 30. O menino Eurico e os irmãos Álvaro e José Alberto estudaram no tradicional Colégio Santo Inácio, em Botafogo. Tirava boas notas e era coroinha na capela, mas se envolvia em brigas e terminou expulso da escola também por insistir em vestir a camisa do Vasco sobre o uniforme.

Os discursos de enfrentamento e de defensor do Vasco o levaram à política partidária 50 anos depois de nascer. Conquistou o primeiro dos dois mandatos de deputado federal em 1994.

– Sempre digo, lá em Brasília, que não sou representante do povo. Sou representante do Vasco. Não prometi água, habitação, luz, nada. Só defender o Vasco. Meu voto é na emoção, mas aliado à competência – repetia, à época.

Antes, aliou-se à Ricardo Teixeira, que viu em Eurico Miranda a liderança que poderia ajudá-lo a ganhar a eleição para a presidência da CBF. Como prêmio, tornou-se o primeiro diretor de Futebol na gestão do novo presidente, em janeiro de 1989. Conseguiu, de imediato, nomear Sebastião Lazaroni técnico da seleção brasileira, que conquistaria a Copa América em 16 de julho daquele mesmo 1989, acabando com um jejum continental de 40 anos.

Quatro dias antes da conquista da Copa América, em plena concentração da seleção brasileira no antigo Hotel Intercontinental, no Rio, Eurico Miranda aproveitaria seu cargo na CBF e na seleção para aplicar o maior dos golpes desferidos contra o arquirrival Flamengo. Em reunião com o atacante Bebeto, arquitetou o plano para o artilheiro daquela Copa América, com seis gols, emitir e depositar, no dia 28 de julho de 1989, na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), um cheque de seis milhões quinhentos e vinte e oito mil e vinte e um cruzados novos. O jogador comprou o próprio passe, após não ter chegado a um acordo para a renovação de contrato com o Flamengo, que fixara o preço do ídolo, na FERJ. O dinheiro usado por Bebeto, claro, havia sido antecipado pelo Vasco. A revista “Placar” publicou o dia a dia da negociação.

Por divergências com Ricardo Teixeira, Eurico pediu demissão do cargo na CBF em setembro de 1989, apenas oito meses depois de assumir.

Dedicado exclusivamente ao Vasco, viu o clube ganhar o Brasileiro daquele mesmo ano, com Bebeto no ataque do time dirigido por Nelsinho Rosa – assistente técnico de Lazaroni na seleção.

Quando Antônio Soares Calçada anunciou que se retiraria da presidência do Vasco em janeiro de 2001, depois de 18 anos (desde 1983) no poder, o então vice de Futebol viu o caminho livre e se elegeu presidente para uma fase prevista como de novas glórias, mas que se revelaria sombria. Eurico Miranda foi empossado a 22 de janeiro de 2001, quatro dias após o Vasco conquistar a Copa João Havelange (Brasileiro-2000), ao vencer por 3 a 1 a final diante do São Caetano (SP).

Nos primeiros sete anos dele na presidência, de 2001 a 2008, o Vasco ganhou apenas um Campeonato Carioca, o de 2003, além das Taças Guanabara (2003) e Rio (2001, 2003 e 2004). A melhor colocação na Série A do Brasileiro foi o sexto lugar, em 2006.

Eurico mandava e desmandava na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro. Em 2007, tomou para si o microfone, ordenou a todos os presentes que se sentassem e promoveu a eleição de Rubens Lopes como novo presidente da FERJ, desafiando o interventor Hekel Raposo, a Polícia Militar e uma ordem judicial que tentaram impedir o pleito.

Na política, o deputado federal enfrentou uma CPI do Futebol no Senado. Entre fevereiro e junho de 2001, a CPI provou que Eurico desviara recursos do Vasco, acusando-o de aprovação indébita e falsidade ideológica, na época do acordo de patrocínio do Bank of America com o clube. A CPI descobriu que o dublê de cartola e político usou “laranjas” para receber recursos que saíam da Vasco da Gama Licenciamentos (VGL). Entre 1996 e 2000, as contas de Aremithas José de Lima, funcionário humilde do Vasco, movimentaram R$ 13,5 milhões, usados por Eurico também como fundos de campanha política.

Contracapa do jornal O Globo sobre a investigação da CPI do Futebol no Senado — Foto: Acervo Jornal O Globo / 05-02-2001

Mesmo assim, Eurico Miranda não foi cassado. Em 2002, com ajuda do ex-presidente da Câmara dos Deputados e correligionário Severino Cavalcanti, conseguiu o arquivamento do processo de cassação de mandato.

– Sou mais importante do que o governador – provocava, um ano antes, em entrevista à revista “Isto É”, debochando da CPI do Futebol no Senado.

Nos dois mandatos de deputado federal, entre 1994 e 2002, Eurico Miranda manteve os três filhos (Mário, Eurico Ângelo e Álvaro) e um sobrinho (Alexandre), como funcionários de gabinete. Na época, os salários do quarteto representavam um total mensal de R$ 10 mil.

Apenas em 2006, Eurico teve o registro de candidatura impugnado em primeira instância, mas não pelo TSE. Acabou concorrendo, tentando um novo mandato, porém, sem conseguir se eleger. A imagem do político estava arranhada para sempre.

Em junho de 2008, Eurico ganhou mais uma disputa para a presidência do Vasco, mas a Justiça determinou o cancelamento da eleição, marcada por fraudes, e abrindo caminho para a vitória do opositor Roberto Dinamite, maior artilheiro da história cruzmaltina. O clube tentou se reerguer no meio do caos administrativo, mas, naquele mesmo ano, naufragaria com o primeiro rebaixamento à Série B, terminando a Série A em 18º lugar. A segunda queda, também sem Eurico e com Roberto à frente, aconteceria em 2013.

A incompetência do adversário político ressuscitou o velho cartola, que, seis anos antes, todos julgavam varrido do clube. Eurico Miranda estava de volta ao Vasco, ganhando a eleição e reassumindo a cadeira de presidente em 2 de dezembro de 2014.

Correligionários em reunião de campanha de Eurico Miranda à presidência do Vasco, em 2014 — Foto: Arquivo Pessoal

Desta vez, ele não seria poupado. Em dezembro do ano seguinte, o Vasco sucumbiria ao terceiro rebaixamento do século 21. Eurico havia prometido: “o Vasco não cai”. E bradou, prometendo ir para a Sibéria se isso ocorresse. O Vasco caiu, e mais uma frase de efeito não passou de bravata. Desta vez, o dirigente sentiu, como protagonista, o tamanho de uma dor irreparável.

– Para que não reste dúvida: o único e exclusivo responsável pelo rebaixamento do Vasco sou eu – afirmou, sem fugir à responsabilidade, no dia 7 de dezembro de 2015, menos de 24 horas após a queda, não sem recorrer a mais uma de suas frases de efeito. – Tem uns caras (críticos) que devem estar tristes, porque gostariam de ir comigo para a Sibéria.

De 2015 a 2017, Eurico alegou que, antes de investir no time, precisava resolver o caos administrativo deixado por Roberto Dinamite. No primeiro ano, ganhou o Campeonato Carioca, mas acabou rebaixado à Série B do Brasileiro. O Vasco voltou à elite como terceiro colocado da Segundona-2016, ano em que conquistou mais um título carioca. Logo no primeiro ano de volta à Série A em 2017, conseguiu a vaga na pré-Libertadores-2018.

Mais uma eleição, em 7 de novembro de 2017, acabaria em confusão. Após a vitória de Eurico, foi anulada pela Justiça a urna 7, sob alegação de fraude, o que significou a vitória de Julio Brant. O que parecia impossível ainda iria acontecer. Em novo round, desta vez no Conselho, Eurico e Roberto Monteiro se aliaram a Alexandre Campello, para derrotar Julio Brant no dia 20 de janeiro de 2018. O velho dirigente mostrou poder, como líder dos beneméritos, que contrariaram a votação e a vontade da maioria dos sócios do Vasco pela primeira vez na centenária história vascaína.

Eurico Miranda chegava a fumar dez charutos por dia — Foto: André Durão/GloboEsporte.com

O velho cartola gostava de aparecer em público fumando charutos. Houve tempos em que chegou a fumar mais de dez por dia. Com aparência debilitada desde 2013, dois anos depois daria uma entrevista com postura desafiadora, diante dos noticiários sobre um possível afastamento do futebol para tratamento de saúde.

Eurico Miranda lutava contra um tumor no cérebro. Nos últimos sete meses, o quadro de saúde se agravou. Nos festejos dos 120 anos de fundação do Vasco, no último dia 21 de agosto, o atual presidente do Conselho de Beneméritos do Vasco foi à Câmara dos Vereadores, de cadeira de rodas e exibindo um semblante abatido, que assustou seguidores e até desafetos.

Eurico Miranda deixa a viúva Sílvia Brandão de Oliveira Miranda, quatro filhos e sete netos.

Globo Esporte

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo martins disse:

    Um homem que fez-se amado e odiado, ao mesmo tempo. Uns chamavam-no Euricuzinho, outros Euricuzão.

Direitos Humanos: enquanto pesquisa diz que seis em cada dez brasileiros se dizem a favor, 63% acham que defendem mais bandidos que vítimas

Refugiados Rohingya oram em cerimônia que relembra um ano do ataque militar que provocou fuga em massa de Myanmar para Bangladesh – DIBYANGSHU SARKAR / AFP

O jurista francês René Cassin não queria proteger um ou outro grupo específico de pessoas quando disse: “Não haverá paz neste planeta enquanto os direitos humanos forem violados em alguma parte do mundo”. Um dos autores do texto da Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948, o ganhador do Nobel da Paz de 1968 incluiu todos os Homo sapiens naquela frase célebre. Morto em 1976, aos 88 anos, Cassin seria uma ótima pessoa para invocar diante de compreensões equivocadas sobre a expressão “direitos humanos”, quase 70 anos depois da adoção do texto pela comunidade internacional.

O respeito pelos direitos de todos os humanos, explícito na declaração, é o tema do Dia Internacional da Paz, celebrado nesta sexta-feira. Num texto sobre esta data divulgado em seu site, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) afirma que os direitos humanos “são um pré-requisito para uma sociedade pacífica”. Mas a mesma mensagem alerta para desafios no caminho dessa paz, como a desigualdade social, os conflitos gerados pelas mudanças climáticas e as visões extremistas que se espalham pelo mundo.

Segundo o coordenador do Setor de Ciências Naturais e Sociais da Unesco no Brasil, Fabio Eon, os direitos humanos estão sendo alvo de uma onda conservadora que trata a expressão como algo politizado.

— Existe hoje uma tendência a enxergar direitos humanos como algo ideológico, o que é um equívoco. Os direitos humanos não são algo da esquerda ou da direita. São de todos, independentemente de onde você nasceu ou da sua classe social. É importante enfatizar isso para frear essa onda conservadora — ressalta Eon, que sugere um remédio para o problema: — Precisamos promover uma cultura de direitos humanos. É muito bom celebrar o aniversário da declaração. Pouca gente conhece os artigos do texto. O tema poderia, por exemplo, estar dentro das escolas como um assunto transversal. Precisamos romper com esse ranço, essa mentalidade machista e retrógrada que age pela violação dos direitos humanos.

Dados divulgados no mês passado mostram a falta de entendimento sobre o assunto. De acordo com a pesquisa Pulso Brasil, do Instituto Ipsos, seis em cada dez brasileiros se dizem “a favor” dos direitos humanos. Mas, ao mesmo tempo, 63% dos entrevistados acham que os “direitos humanos defendem mais os bandidos que as vítimas”. A percepção chega a 79% na região Norte do Brasil. E alcança 76% entre as pessoas com ensino superior. Além disso, uma em cada cinco pessoas se declarou contra a própria existência dos direitos humanos.

Ainda de acordo com a pesquisa, 43% dos brasileiros evitam falar sobre o assunto com outras pessoas, com medo de serem vistas como alguém que defende bandidos.

Para o pesquisador Cézar Muñoz, da organização Humans Rights Watch no Brasil, a promoção dos direitos humanos gerou uma série de avanços na sociedade. Mas ele também vê com preocupação a deturpação de sentido que ocorre no Brasil.

— A percepção no país está distorcida por causa das pessoas que acham que os direitos humanos só protegem as minorias. Organizações como a nossa se dedicam a monitorar violações dos direitos humanos, o que ocorre frequentemente contra as minorias. Mas o último relatório que escrevi foi sobre violência doméstica, um problema que não afeta um grupo pequeno de pessoas. É generalizado, ocorre em todas as regiões do país — afirma o pesquisador.

Texto de 1948 embasou medidas contra a violência

Adotada na terceira sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, em 10 de dezembro de 1948, ainda sob o trauma da Segunda Guerra Mundial, a Declaração Universal dos Direitos Humanos é composta por 30 artigos que expressam garantias individuais que devem ser usufruídas por todas pessoas, como o direito à vida, à liberdade e à segurança.

Embora não seja vinculante, o documento serviu de inspiração para diferentes constituições federais e também embasou reações da comunidade internacional diante de violações de direitos humanos no mundo, como durante a guerra civil que eclodiu na Bósnia e Herzegovina, em 1992, o genocídio étnico ocorrido em Ruanda, em 1994, e os conflitos que assolam o Sudão do Sul, desde 2013, gerando desabrigados, fome e mortes.

A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, disse, no último sábado, que a declaração afirma os valores que devem guiar as democracias. “Vamos nos unir para assegurar que a promessa de paz e justiça apoiada pela democracia seja cumprida”.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Aderbal disse:

    Quem defende bandido ,claro é bandido portantante sem comentários.

  2. MUDA BRASIL disse:

    ISSO EU JÁ SEI DESDE CRIANÇA, OS BANDIDOS TEM UM TOQUE A MAIS DE HUMANIDADE QUE OS OUTROS, COITADOS, ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM, SEM FALAR QUE SÓ ESTAO NESSA VIDA PQ NÃO TIVERAM NENHUMA CHANCE NA VIDA. KKKKKKKKK SE PREPARA VAGABUNDO QUE O CAPITÃO VEM AÍ.
    #BOLSONARO2018

  3. HSA disse:

    Direitos Humanos para humano direito. Não direito dos manos!

  4. Rosa disse:

    Bolsonaro defende extinguir esse apoio a bandidagem (DH) contráriamente ao apoio incondicional dado pelo pt

FOTO: Barulheira, insegurança e descumprimento de recomendação do MP irritam veranistas em Pirangi

Por interino

1edf74d4fa2c47268b852c68713552c2Foto: Cedida

A estrutura montada pela TV Cabugi na praia de Pirangi, no litoral sul, parece que renderão capítulos polêmicos neste início de veraneio. Desde o réveillon, os veranistas locais estão contrariados com a barulheira no local e com a questão da segurança, que ainda registrou depois da festa de virada de ano até mesmo disparos de arma de fogo.

A montagem da estrutura, próxima das casas de praia, inclusive, também contraria a recomendação do Ministério Público quanto à questão da perturbação do sossego. Na ocasião, a Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Parnamirim encaminhou recomendação aos proprietários de bares e estabelecimentos da praia de Pirangi do Norte, para disciplinar o uso de som durante o período de veraneio.

O Ministério Público, recomenda que   “os proprietários desses estabelecimentos deverão utilizar o sistema de som de forma moderada e perceptível apenas nos ambientes internos de seus estabelecimentos”. A recomendação também serve para os donos de veículos com som. Por outro lado, a nota do Ministério Público não deixa claro se é para ser cumprida durante o dia ou somente à noite.

Enquanto o imbróglio persiste,  o órgão recomenda que as notificações de descumprimento na praia de Pirangi tenham providências imediatas por parte da Delegacia do Turista e Meio Ambiente, Polícia Ambiental, Polícia de Trânsito e pelo 3º Batalhão da PM.

Se na Lua não venta, por que a bandeira dos EUA tremeu?

Untitled-3Nesta semana, o mundo comemora o aniversário de 45 anos do dia em que o homem colocou os pés na Lua pela primeira vez. E apesar de tanto tempo ter passado, ainda há quem acredite que tudo não passou de uma armação dos americanos. Um dos argumentos mais utilizados para alimentar a teoria da conspiração é o da bandeira dos EUA, que aparece em movimento nos vídeos da Nasa (a agência espacial americana). Como isso é possível se na Lua não venta?

O questionamento sobre a ondulação da bandeira aparece em todos os textos e documentários criados para espalhar a tese de fraude, que nasceu nas palavras de Bill Kaysing, autor do livro “Never Went to the Moon”(“Nunca fomos à Lua”), de 1974. Kaysing morreu há alguns anos, mas suas ideias nunca deixaram de circular, ainda mais com o advento da internet.

A questão é que os vídeos originais da Nasa são bem tediosos e ninguém tem muita paciência para assisti-los inteiros. E se a bandeira aparece tremulando no momento em que é fincada na Lua, ou quando o astronauta a arruma, as mesmas imagens a mostram paradinha momentos depois, como deve ser em um ambiente de vácuo como é o espaço.

“Se você olhar com cuidado os filmes da época, ou as fotos, verá que a bandeira está parada, e só se mexe quando algum astronauta a toca. Quando ele faz isso, ela se move como um tecido se moveria, ou seja, vai fazer uma onda. Não por causa de vento, mas sim pelo movimento provocado pelo astronauta diretamente na bandeira e pela flexibilidade do tecido”, explica Douglas Galante, pesquisador do Laboratório Brasileiro de Luz Síncrotron e do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (Universidade de São Paulo).

Na verdade, a bandeira se move daquele jeito ao ser manipulada justamente porque não está sujeita à resistência do ar. Vale lembrar que o mastro é de alumínio flexível, por isso o movimento continua mesmo depois que o astronauta tira a mão. “A inércia faz com que ela continue a se mover”, esclarece o especialista Roger Launius, do Museu Espacial Smithsonian, em Washington, em reportagem da National Geographic sobre o tema.

Mitos

O astrônomo Phil Plait, autor do premiado blog “Bad Astronomy”, tem um post específico para explicar não só a história da bandeira, mas todas as outras divulgadas pelos conspiracionistas. Como o fato de que não há estrelas nas fotos tiradas pelas máquinas embutidas nos trajes dos astronautas da Apollo 11. Ele explica que o tempo de exposição das câmeras estava configurado para ser curto, já que o pouso ocorreu de manhã, com o Sol brilhando intensamente. Assim, a luz das estrelas que estão ao fundo não pode ser vista.

Outro argumento famoso é o das pegadas, que para ficarem assim tão bem definidas só poderiam ter sido feitas em areia molhada, segundo os céticos. Plait também derruba o questionamento, lembrando que o solo lunar é composto por uma areia finíssima, que lembra pó ou cinza vulcânica. Por isso, ela se comprime facilmente, formando o desenho detalhado da bota. E por que fica intacta por tanto tempo? Novamente, por causa do vácuo.

Vários desses mitos foram derrubados pelos divertidos apresentadores do programa “MythBusters”, do Discovery Channel, que até usaram uma câmera de vácuo para desbancar as teorias. Mas o povo do contra não se convenceu: de acordo com eles, o programa é patrocinado pela Nasa.

Provas

“Muita gente tentou desacreditar a ida dos americanos à Lua, mas ela de fato aconteceu e isso é um consenso hoje em dia”, comenta Galante. O pesquisador até cita uma prova clara disso: “Podemos enviar um laser para a Lua, fazê-lo refletir em um dos espelhos deixados para esse propósito pelos astronautas da Apollo, e medir o sinal de volta aqui na Terra.”

Há várias outras confirmações, não só do pouso da Apollo 11, mas das missões que se seguiram até 1972, quando o dinheiro acabou. A missão indiana Chandrayaan-1, lançada em 2008, orbitou a Lua e confirmou que os jatos propulsores do módulo lunar da Apollo 15 alteraram a superfície, deixando-a mais clara. E olha que a Índia não teria nenhum interesse em apoiar os EUA em um eventual embuste.

Ainda há fotos de satélites que mostram objetos deixados pelos astronautas americanos na Lua, e confirmam a desconfiança de Buzz Aldrin de que a famosa bandeira caiu com a vibração do módulo lunar durante a decolagem. E, bom, há as centenas de amostras de rochas lunares trazidas pelos astronautas. Russos também fizeram coletas em missões não tripuladas e eles certamente teriam feito algum barulho caso houvesse diferença de composição entre as pedras.

Mas talvez seja mais interessante para certas pessoas pensar que foi tudo foi simulado – e teve até direção do cineasta Stanley Kubrick, dizem. Pelo menos enquanto não for possível para qualquer mortal ir até a Lua e procurar as provas pessoalmente. “Em breve, se alguém vencer o Google Lunar Prize, talvez tenhamos um pequeno rover particular visitando um dos antigos locais de pouso na Lua, mostrando aos incrédulos que há quase 50 anos já éramos capazes de viajar para outros corpos do nosso Sistema Solar”, conclui Galante.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. jose max rodrigues disse:

    O desespero do PT começou cêdo.
    MORTE ANUNCIADA É O FIM DA PALHAÇADA E DAS BOLSINHAS RSRSRSRS…

  2. Oliveira disse:

    Boa, roteirista!
    Enquanto o PT lança o minha casa minha vida, o PSDB de Aécio Neves lança MEU AEROPORTO MINHA VIDA

  3. O roteirista disse:

    Carvalho,
    Na volta da lua o PT poderia pousar no aeroporto que o Aécio Neves construiu com dinheiro público na fazenda de um familiar, o problema seria conseguir autorização do familiar, uma vez que apesar da área ter sido "desapropriada" a família do Aécio é quem tem as chaves dos portões e quem autoriza pouso e decolagem.

    • Carvalho disse:

      O poder judiciário certamente vai apurar o mal entendido acerca da pista de pouso. O que não podemos fazer é massacrar, crucificar e execrar o candidato sem conhecer os fatos. É necessário passar pelos ditames legais.

  4. Tiago Dutra disse:

    Esse Carvalho deve ter o mesmo vício do Aécio, ta cheirado e viajando na maionese.

  5. Rafael Vale disse:

    Carvalho, o tucano lunático!

  6. Carvalho disse:

    Se os PTralhas tivessem feito essa conquista teriam roubado a bandeira. Ela tremula porque teme que Dilma seja mais poderosa que Obama, mas isso nunca acontecerá.

Grupo usa histeria com aplicativo Lulu para conseguir investimento de R$ 1 milhão

Em cinco dias, mais de 2.000 pessoas pagaram entre R$ 24,90 e R$ 99,90 para melhorar artificialmente suas notas no Lulu, um aplicativo para celular em que mulheres classificam o comportamento dos homens e que pode servir de base para alguém interessado nos sujeitos –eles recebem hashtags como #RespeitaAsMulheres e #ApaixonadoPelaEx e uma nota.

A informação sobre a demanda por notas artificiais é de Breno Masi, 30, um dos responsáveis pelo Lulu Fake, serviço que promete melhorar a avaliação dos homens no polêmico aplicativo.

Criada por quatro sócios brasileiros, o Lulu Fake oferece pacotes de boas notas, dadas por garotas contratadas para o serviço: entrar no perfil do usuário no Lulu e fazer boas avaliações. O empresário não diz quanto paga a elas pelo trabalho.

Hoje, há cerca de 75 meninas encarregadas de subir a nota dos homens no Lulu. Elas estão sendo recrutadas do banco de dados do site Namoro Fake, que oferece aos internautas a possibilidade de contratar alguém para servir de companheiro falso no Facebook. Flavio Estevam, idealizador do Namoro Fake, também é sócio do Lulu Fake.

De acordo com Masi, que também é diretor da produtora de aplicativos Movile, o grupo fechou um acordo com investidores individuais que vão colocar R$ 1 milhão na empresa deles –esses apoiadores vão ficar com 35% do negócio.

O SERVIÇO REAL

Mas o dinheiro não vai ser destinado a esse serviço, que serviu apenas como um chamariz para um outro produto que eles estão desenvolvendo e querem lançar no ano que vem.

Trata-se de um sistema que vai se conectar a sites como Instagram e Facebook para monitorar a reputação do usuário –se a fotos que ele posta geram impacto positivo ou negativo, por exemplo. A ferramenta, cujo nome o executivo não revela, deve mostrar métricas sobre o assunto.

Ele afirma que o interesse dos homens por melhorar a nota recebida das mulheres mostra que há uma “demanda reprimida” pelo serviço.

“A galera fica preocupada com a reputação, ainda mais em rede social como o Lulu, que na realidade não faz nada. Não faz diferença nenhuma para a vida de um homem ou uma mulher. Mas mostrou como o pessoal é preocupado”, conta.

Masi afirma que já tinha o projeto do sistema de medição de reputação e usou o Lulu Fake como uma forma de provar para investidores que há uma demanda por esse tipo de serviço. Dois dos investidores que vão colocar dinheiro na empreitada acompanharam o processo de desenvolvimento do aplicativo, algo que durou 72 horas, diz o empreendedor.

DINHEIRO DE PINGA

O Lulu Fake vai ficar no ar no máximo mais uma semana. Masi afirma que não vai usar o dinheiro obtido com as avaliações artificiais na própria empresa.

“Vamos usar para beber na balada. Os meninos estão querendo fechar um camarote”, afirma.

Folha

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo kasinsk disse:

    Ou seja, em outras palavras, o cara aí do texto diz é mais ou menos isso: "Vamos pegar a grana desses manés, que só fazem merda com a mulherada, e tomar uns porres no camarote". Bem-feito. Um cara bacana, em todos os sentidos, não precisa disso. Aliás, até para ser cafajeste é preciso ter competência. O resto e mau caratismo mesmo.

"Gazolina" em prova do Enem respeita época do texto, diz ministro

#Aloisio Mercadante, ministro da Educação, fala sobre as provas do ENEM.Em coletiva com a imprensa, neste domingo (27), o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, comentou a questão da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de ontem (26), na qual aparece uma charge em que a palavra gasolina é grafada com a letra z. Segundo o ministro, na prova, a charge aparece grafada da maneira como foi escrita na época, na década de 60.

A questão trata de uma charge que ironiza a política desenvolvimentista do governo de Juscelino Kubitschek. Na charge, o então presidente aparece conversando com um personagem chamado Jeca. O diálogo é o seguinte:

“JK – Você agora tem automóvel brasileiro, para correr em estradas pavimentadas com asfalto brasileiro, com gazolina brasileira. Que mais quer?

JECA – Um prato de feijão brasileiro, seu doutô”.

O texto é de autoria do chargista Théo e foi retirado do livro Uma História do Brasil Através da Caricatura (1840-2001).

“A charge é de 1960 e contextualiza o tema da época”, disse. Perguntado se o Ministério da Educação não deveria ter grafado da maneira correta para os dias de hoje, ele diz que isso é um debate pedagógico que deve ser incentivado.

Nas redes sociais, participantes debocharam da questão. “Aprendi no Enem que gazolina se escreve com ‘z’ e não mais com ‘s'” ironizou uma candidata, pelo Twitter. “Se amanhã eu escrever ‘gazolina’ na redação, vou perder ponto?’, questionou outra. “A partir do momento que a prova de história me aparece escrito ‘gazolina’, minha redação pode também né?” perguntou um terceiro.

O professor de português Rodrigo Fonseca explica que a palavra está de acordo com os padrões ortográficos de 71, ano da publicação. “À época gazolina era o certo, sim, e isso só viria a mudar após um acordo ortográfico, feito no mesmo ano, que definiu que toda palavra entre vogais com som de ‘z’ seria escrita com ‘s'” afirma. “Esses acordos levam cerca de cinco anos para serem efetivados, e a mudança só veio depois da charge”, completa.”Isso é coisa de gente que quer denegrir um processo que, até o momento, foi impecável”.

O Enem foi aplicado neste final de semana a mais de 5 milhões de candidatos em 1.161 cidades. Foram mais de 16 mil locais de prova e cerca de 648 mil trabalhando para a execução do exame.

Com informações da Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo kasinsk disse:

    Tanto por nada. Está mais que explicado.

    • GRAÇAS SILVESTRE disse:

      Só uma mente estreita para fazer brincadeiras com o ENEM.Se o problema da Educação no Brasil estivesse no emprego do "S" ou do "Z"… Aja paciência para dar satisfação por questão irrelevante.Vamos comentar sim, mas por uma REVOLUÇÃO NA EDUCAÇÃO…
      Assim falou Dona Dilma.ESTAMOS ESPERANDO!!!

Cantora Anitta faz declarações polêmicas durante entrevista no De Frente com Gabi

Anitta_2013-WashingtonPossato-0135-RNo De Frente Com Gabi do próximo domingo (28),  no SBT, Marília Gabriela recebe a cantora Anitta. Nascida no Rio de Janeiro há 20 anos, ela ganhou o troféu “Revelação Funk” e seu sucesso, “Show das Poderosas”, tem mais de 35 milhões de acessos no YouTube. Anitta faz em média 30 shows por mês e está nas top lists de todas as rádios do Brasil. Na entrevista ela fala sobre sua carreira, sua história, sobre sucesso e vida pessoal.

Confira abaixo as melhores frases da entrevista:

“O que é pop? O que é funk? Eu canto música popular para as pessoas”.

“Tudo que aprendi na música foi na igreja, na prática. Eu fiquei anos na igreja”.

“Meus fãs sabem que sou muito sincera, mas tive que aprender a lidar com isso”.

“Detesto gente puxa-saco, que diz que eu estou linda sempre e que eu nunca erro”.

“Não fico com as pessoas como quem troca de roupa. É muita modernidade para mim”.

“Na minha família, minha mãe e meu irmão têm a senha do meu cartão (de crédito). Se eu não puder confiar na minha própria família, eu prefiro nem viver”.

“Não fizemos nada para que a música tocasse no exterior. Está acontecendo espontaneamente”.

“No início eu tinha um mau gosto… Tem roupa que hoje eu olho e penso:  “eu usava isso?!”.

“Hoje consigo transformar um cafajeste em um príncipe. A mulher consegue, com o jeito dela, fazer as pessoas gostarem e respeitarem ela. Isso para mim é ser poderosa”.

O “De Frente Com Gabi” vai ao ar neste domingo, 0h, logo após o Programa Silvio Santos.

O Fuxico

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Breno disse:

    E o vídeo que ela fez qnd era adolescente, brincando com os priminhos? O Brasil merece os "ídolos" que tem..

Joaquim Barbosa já xingou jornalista, brigou com ministros e deixou Dilma no vácuo; veja polêmicas

Untitled-1O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, não para de se envolver em situações polêmicas. Desde que ganhou notoriedade por sua atuação incisiva contra os réus durante o julgamento do mensalão, o ministro coleciona situações que o colocam em evidência na mídia.

Relembre os principais momentos:

Durante cerimônia de recepção ao papa Francisco no Palácio Guanabara, sede do governo do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (22), Barbosa deixou de cumprimentar a presidente Dilma Rousseff após apertar a mão do pontífice.  Para explicar a gafe, a assessoria do ministro afirmou que os dois já haviam se encontrado pouco antes da cerimônia, o que o levou a achar que o cumprimento em público seria desnecessário;

No último final de semana, o jornal Folha de S. Paulo noticiou que Barbosa comprou um apartamento em Miami (EUA), em 2012, utilizando para isso uma empresa que teria aberto exclusivamente para obter benefícios fiscais. Pela manobra, o apartamento poderá eventualmente ser vendido pelos herdeiros do ministro após sua morte com diminuição no custo dos impostos. A lei norte-americana prevê que se o imóvel for comprado por pessoas físicas, até 48% do valor poderá ficar para o governo no momento em que ele fosse passado para os herdeiros. Com a compra sendo executada por uma pessoa jurídica, não há essa cobrança de impostos.

A assessoria do STF disse que o negócio foi feito em conformidade com as leis norte-americanas e brasileiras e que tanto a empresa quanto o imóvel foram declarados ao Imposto de Renda;

Na esteira de denúncias contra autoridades que utilizaram aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) para fins particulares, Barbosa ganhou o noticiário por ter usado recursos da Corte para se deslocar ao Rio de Janeiro no final de semana de 2 de junho, quando assistiu ao jogo Brasil e Inglaterra no estádio do Maracanã. O ministro não cometeu, no entanto, nenhuma ilegalidade, já que tem direito a uma cota em dinheiro para viajar à cidade onde tem residência;

A ida ao jogo no Rio de Janeiro também lançou holofotes sobre Barbosa porque ele ficou no camarote do casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica. Uma semana depois, veio a público a contratação do filho do ministro para a produção do programa apresentado por Huck;

Em março deste ano, Barbosa teve que se desculpar, por meio de nota oficial, por ter chamado um repórter do jornal O Estado de S.Paulo de “palhaço” e por tê-lo mandado “chafurdar no lixo”. O episódio ocorreu na saída do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), quando vários repórteres abordaram o ministro . De acordo com o comunicado do Supremo, a sessão havia sido longa e Barbosa estava “tomado pelo cansaço e por fortes dores”, por isso “respondeu de forma ríspida à abordagem feita por um repórter”

O repórter que recebeu a ofensa de Barbosa tentava repercutir as críticas que ele recebeu de associações de magistrados pro dito em entrevista a agências internacionais que os magistrados do Brasil são “pró-impunidade”;

Outra declaração do ministro que causou mal-estar entre seus colegas foi a de que existe um conluio entre juízes e advogados. Durante julgamento no qual o CNJ determinou a aposentadoria compulsória de um magistrado do Piauí acusado de beneficiar advogados, Barbosa disse que muitos juízes devem ser colocados para fora da carreira;

Barbosa também se “queimou” quando comentou a criação novos TRFs (Tribunais Regionais Federais), aprovada pelo Congresso. Em reunião com dirigentes de associações de juízes, o ministro disse que a aprovação ocorreu de forma “sorrateira” e “à base de cochichos”. O Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) divulgou nota em que chama de “impertinentes e ofensivas” as declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal;

Outra atitude que colocou o ministro na mira da mídia foi a reforma de quatro banheiros de seu apartamento funcional que supostamente custaria R$ 90 mil aos cofres do Supremo Tribunal Federal. De acordo com a Corte, os gastos altos se devem ao material de “primeira qualidade” usado na obra

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ramon disse:

    Não se esqueça da declaração que os advogados são acostumados a acordarem as 10h da manhã…

  2. Manoel disse:

    O ministro se envolve em situações constrangedoras por sempre falar a verdade.
    É verdade sim que a criação dos novos TRFs ocorreu de forma “sorrateira” e “à base de cochichos”. É verdade sim que o congresso é pau mandado do poder executivo. É verdade sim que tem muito juiz em conluio com advogado…

  3. Marcos Aurélio disse:

    Nunca ouvi falar que arrogância e prepotência somadas a orgulho e vaidade fossem virtudes a serem cultivadas e elogiadas. Antes o contrário, humildade reflete grandeza e simplicidade, gentileza e educação são sinais de almas maduras, emancipadas e plenas de sabedoria e bondade.
    Não vejo nada disso no pomposo pavão que preside temporariamente o STF, PERDENDO UMA IMPORTANTE OPORTUNIDADE PARA DEMONSTRAR GRANDEZA E ESPIRITO PÚBLICO SUPERIOR, SEMPRE EXIGIDO DE QUEM OCUPA CARGOS PÚBLICOS ELEVADOS OU NÃO. Pois até os servidores de mais baixo nível são obrigados por seus regimes estatutários a tratar a todos indistintamente com cortesia e urbanidade. Lamentável comportamento de um homem público ocupante de cargo de tal envergadura, e mal conduta de um servidor público que se acha acima de todos, especialmente dos que o contrariam ou dele discordam.

  4. Maurício Giovani disse:

    Ele está certíssimo! A que quer se passar por santa na frente do Papa, deveria ter divulgado em seu discurso, que ela e seu partido repleto de assassinas de fetos, composto por, movimentos feministas que quinta categoria e outras aberrações tais quais, a "Marcha das Vadias", que lutarão com todas as forças para legalizar o aborto. Pena que eles achem que vão tocar essa ideologia assassina aqui no Brasil e não vão ser combatidos. Eles não perdem por esperar.

  5. Paulo Sérgio disse:

    Está mais do que certo!

  6. Junior disse:

    Grande aproveitador do momento frágil que o país está passando. Já disse publicamente que votou em LULA e DILMA, e disse também que não se arrependeu disso. Hoje em dia, esnoba e se diz contra os mesmos. O povo Brasileiro acha bonito essa palhaçada que ele tá fazendo, e ainda pede ele como presidente da república. Isso não é atitude nem de um MERO CIDADÃO, quem dirá de um presidente do Supremo ou da REPÚBLICA.

O Palito de fósforo queimado e a veadagem

O Blog reproduz editorial do Jornalista Diógenes Dantas, hoje no Jornal da 96. Como bom ouvinte e assíduo do jornal 96 eu afirmo que esse foi o editorial mais feliz do Jornalista no ano de 2012. Assino embaixo e reafirmo, a impressão que o ex-prefeito tem passado é de pura prepotência e falta de humildade por se encontrar numa situação privilegiadíssima nas pesquisas eleitorais. Até pessoas próximas e eleitoras de Carlos Eduardo concordam com essa leitura dos fatos. Segue texto de Diógenes Dantas:

O ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) foi convidado por vereadores a prestar esclarecimentos sobre as contas do seu último ano de gestão [2008].

Eu acho pouco provável que o ex-prefeito aceite o convite da Comissão de Justiça da Câmara após as palavras pouco elogiosas que proferiu contra vários deles.

Carlos Eduardo Alves deu demonstração de destempero ao falar assim no Twitter, no último sábado:

“Partindo do mesmo lugar, lá vem eles pelo mesmo caminho. São falsários e mentirosos contumazes… Valem tanto quanto um palito de fósforo queimado.

Não tenho culpa se seus respectivos candidatos estão com média de 3 por cento em todas as pesquisas de intenção de votos em Natal….pior, a rejeição deles é quatro vezes maior do que a intenção de votos.

Repito, não tenho culpa disso, PT e DEM juntos, unidos e abraçados no mesmo tapetão em Natal. Protagonizam a politicagem da semana”.

As palavras de Carlos Eduardo Alves são duras e deselegantes. Elas não atingem apenas os vereadores. Elas atacam a instituição, a Câmara Municipal de Natal.

Numa só frase, Carlos Eduardo agride, acusa e desqualifica os adversários. Chamar alguém de “palito de fósforo queimado” é o mesmo que dizer que alguém não vale nada, não presta. “Falsários e mentirosos” são alcunha de estelionatários. É linguagem de mesa de botequim na disputa de um jogo de cartas ou de sinuca [com todo respeito aos jogadores].

Desde a rumorosa Operação Impacto, que implodiu a carreira de vários políticos e condenou outros na Justiça, Carlos Eduardo Alves sente-se acima do bem e do mal e não esconde o desprezo pela Câmara Municipal de Natal, sede do poder legislativo que terá de conviver e respeitar no caso de eleição em outubro, afinal, é no legislativo que o chefe ou a chefe do Executivo encaminha e tenta aprovar os projetos de interesse da sociedade.

Aliás, Carlos Eduardo Alves tem se achado eleito. Ao mencionar a baixa intenção de votos e a alta rejeição de alguns concorrentes na eleição de Natal, ele passa a impressão de que paira sobre todas as candidaturas e que já está eleito. Não é bem assim. Não existe governador em férias, não existe prefeito em férias. Ele terá de passar pelo árduo caminho da campanha eleitoral para tentar alcançar seu objetivo: suceder a criatura que criou, a atual prefeita Micarla de Sousa (PV).

Nesta fase de pré-campanha, Carlos Eduardo Alves vem colecionando declarações polêmicas e chulas. A da veadagem, numa referência aos políticos carismáticos, já entrou para os anais das campanhas eleitorais, sem trocadilho ou segunda intenção da minha parte. Desprovido de carisma, Carlos Eduardo escorregou no vernáculo com uma declaração de viés homofóbico. E pode perder apoios e votos por conta deste escorregão.

Carlos Eduardo está me lembrando o Ciro Gomes na eleição presidencial de 2002. Bem cotado naquela campanha e com chances de vitória, Ciro Gomes não segurou a língua e caiu nas pesquisas por causa de declarações destemperadas contra as mulheres e adversários políticos. Carlos Eduardo precisa ter cuidado com a “sídrome do Ciro Gomes”.

O tom agressivo do pré-candidato do PDT denota muita ansiedade e pouca paciência com o processo eleitoral. E olha que a campanha ainda não começou, hein!

Para Carlos Eduardo, se fosse possível, não haveria sequer eleição. Bastaria alguém nomeá-lo prefeito novamente levando em consideração as pesquisas de opinião e a percepção de ser o anti-Micarla. Mas a regra é clara, como diz o Arnaldo César Coelho, o candidato precisa passar pelas urnas. Político não escapa de campanha eleitoral.