Polícia

VÍDEO: PF desarticula grupo criminoso que fraudava Auxílio Emergencial no RN

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 8/7, a Operação Espúrio, com o objetivo de desarticular grupo criminoso responsável pelo recebimento fraudulento de parcelas do Auxílio Emergencial no Rio Grande do Norte.

Cerca de 20 policiais federais cumpriram 4 mandados de busca e apreensão nas cidades de Mossoró, Tibau e Grossos, na Região Oeste Potiguar.

As investigações tiveram início em fevereiro deste ano, a partir da análise de notícias de fraudes ao Auxílio Emergencial constantes da Base Nacional de Fraudes ao Auxílio Emergencial – BNFAE, que centraliza as contestações de beneficiários à Caixa Econômica Federal e é fruto da Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial – EIAFAE, definida pela Polícia Federal, Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, Caixa Econômica Federal, Controladoria-Geral da União, Tribunal de Contas da União e Receita Federal, para racionalização do tratamento contra irregularidades no Auxílio Emergencial, com foco na apuração do envolvimento de associação, grupo ou organização criminosa.

Os levantamentos identificaram que o grupo criminoso realizava o cadastro de terceiros para recebimento do benefício emergencial por meio do aplicativo CAIXA TEM e, após a concessão do auxílio, os valores eram movimentados para contas controladas pelos integrantes da quadrilha por meio de transferências eletrônicas ou de pagamentos de boletos, tendo sido identificados, até o momento, o recebimento indevido de 28 parcelas do Auxílio Emergencial, totalizando prejuízo de mais de R$ 15 mil aos cofres públicos.

Os envolvidos responderão pelos crimes de furto qualificado e estelionato qualificado, cujas penas, somadas, podem alcançar 14 anos e 8 meses de reclusão.

“ESPÚRIO”: O nome da operação faz referência a tudo aquilo que não é legítimo, tal qual o recebimento indevido do Auxílio Emergencial.

Opinião dos leitores

  1. Só gastar dinheiro nessa operação, o stf solta, arriscado até processarem o juíz, o MP e a PF pelos transtornos. Um ladrão safado com luladrão é símbolo da tolerância com criminosos nesse país

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

RN NO CENTRO DE OPERAÇÃO E MANDADOS EM MAIS 7 ESTADOS: PF desarticula grupos criminosos dedicados ao tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (27/5) a Operação Mamma Mia, com o objetivo de desarticular grupos criminosos dedicados ao tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Policiais federais cumpriram 74 mandados judiciais nos estados do Rio Grande do Norte, Amazonas, Minas Gerais, Paraíba, Acre, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo. Entre os mandados, há 10 de prisão preventiva e 42 de busca e apreensão, expedidos pela 8ª Vara da Justiça Federal de Mossoró/RN. Com o apoio da Receita Federal, aproximadamente 170 policiais federais foram mobilizados para dar cumprimento à decisão judicial.

A Justiça Federal determinou, também, o sequestro de bens de 57 pessoas físicas e jurídicas investigadas, observando o limite de R$ 192 milhões, montante que teria sido auferido pelos investigados com as atividades criminosas. O valor total de bens sequestrado será apurado no decorrer do dia.

As investigações tiveram início em julho de 2020, quando a Polícia Federal recebeu informações indicando que uma pizzaria na cidade de Mossoró teria realizado transações financeiras suspeitas com diversas empresas espalhadas no Brasil.

Com a prisão de um dos líderes de uma facção criminosa potiguar, foi possível compreender o sofisticado esquema de ocultação e transporte de valores, utilizado para dar aparência lícita aos recursos obtidos com tráfico internacional de drogas, além de fomentar outras ações violentas no Estado, entre elas a prática de homicídios e o resgate de presos em penitenciárias no Rio Grande do Norte.

Do fluxo financeiro observado na investigação, identificou-se que as empresas utilizadas na ocultação de capital teriam se comportado de duas maneiras: as empresas finais, aquelas que concentraram majoritariamente o recebimento e transferências de valores de outras empresas, realizando os saques da maior parte do numerário movimentado; e as empresas de passagem, assim conceituadas na investigação como as responsáveis pelo recebimento de depósitos fracionados de diversos locais, com o objetivo de reencaminhar, na sequência, para as empresas ditas como finais, dificultando o rastreamento da origem ilícita.

Ficou evidenciado durante a investigação que as chamadas empresas finais possuíam ligação com potiguar radicado na Bolívia, que já apresenta condenação pelo crime de tráfico internacional de drogas perante a Justiça Federal no Rio Grande do Norte.

Por meio de cooperação jurídica internacional, conduzida pela Adidância da Polícia Federal em La Paz e pelo Oficialato de Ligação em Santa Cruz de La Sierra, estão sendo efetivadas medidas visando à captura do investigado para sua posterior extradição para o Brasil.

A investigação observa as diretrizes da Polícia Federal no enfrentamento ao tráfico de drogas, que consistem na descapitalização das organizações criminosas, prisão de lideranças e cooperação internacional.

Este é mais um trabalho conduzido com apoio da Força-Tarefa de Combate ao Crime Organizado, coordenada pela Polícia Federal e composta por policiais federais, policiais civis, policiais militares e policiais penais federais e estaduais, atuando em colaboração com a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI).

A investigação contou com a valiosa contribuição da Divisão Especializada de Combate ao Crime Organizado – DEICOR/RN e da Polícia Boliviana, coordenada pelo CERIAN-Centro Regional de Inteligência Antinarcóticos, além da Receita Federal do Brasil.

A partir de 10h, será franqueado atendimento à imprensa na sede da Delegacia da Polícia Federal em Mossoró/RN.

A Força-Tarefa conta com a colaboração de todos por meio do telefone (84) 3323-8300 e o WhatsApp (84) 9218-0326, canais indicados para recebimentos de informações, denúncias de natureza criminosa, onde o sigilo da fonte é plenamente preservado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil do RN deflagra Operação e desarticula organização criminosa especializada em roubo a carros-fortes e explosões contra instituições bancárias; dois são mortos em confronto

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Policiais civis da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), em conjunto com equipes das Polícias Civis dos Estados da Paraíba e de Pernambuco, deflagraram, nessa quinta-feira (21), a Operação “Sem Fronteiras”. A ação teve como objetivo o combate interestadual aos crimes de roubo a carros-fortes e explosões contra instituições bancárias.

A operação resultou na prisão de José Aderson da Silva, conhecido como “Carequinha”, considerado um dos braços direito de Alan Davydson. A prisão aconteceu no bairro José Pinheiro, localizado na cidade de Campina Grande (PB). Além disso, foram apreendidos no decorrer das diligências: drogas, o valor de R$1.100,00, 200 artefatos explosivos e três armas de fogo, sendo elas: uma pistola 9mm, um revólver calibre .38 e um fuzil .50, com seis munições intactas.

Durante a ação, morreram em confronto com os policiais: Alan Davydson Nunes Santos, conhecido como “Galeguinho” ou “Fantasma”, e Anderson Xavier de Souza Pontes, conhecido como “Ancinho”, 31 anos. Em desfavor de Anderson Xavier, existiam cinco mandados de prisão, expedidos pela Vara Única da Comarca de São Paulo do Potengi, referentes aos crimes de: integrar organização criminosa, tráfico de drogas, associação para o tráfico, dano qualificado, roubo, adulteração de sinal identificador de veículo automotor, furto, incêndio e receptação.

Contra Alan Davydson, havia dez mandados de prisão em aberto, expedidos pelas Comarcas de Pau dos Ferros, Nísia Floresta, Pedro Velho, Parnamirim e Ceará-Mirim, referentes aos crimes de: homicídio qualificado, integrar organização criminosa, roubo, porte ilegal de arma de fogo, posse irregular de arma de fogo, adulteração de sinal identificador de veículo automotor, corrupção de menores, expor a perigo a vida mediante uso de dinamite ou substância semelhante, furto e receptação. “Alan Davydson” é apontado como chefe da organização criminosa e era considerado um dos criminosos mais procurados pela DEICOR/RN, que o investigava há seis anos. Ele também era procurado pelas Polícias Civis da Paraíba e de Pernambuco.

De acordo com as investigações, a organização criminosa é responsável pelo roubo contra uma agência bancária, ocorrido no dia 14 de outubro de 2020, na cidade de São Paulo do Potengi (RN), em que 27 criminosos estiveram envolvidos na ação. Segundo o diretor da DEICOR, Erick Gomes, o material apreendido durante a Operação seria utilizado para ações criminosas conhecidas como ”novo cangaço”, principalmente contra carros-fortes.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, por meio do Disque Denúncia 181 ou dos números da DEICOR: (84) 3232-2862 e (84) 98135-6796 (WhatsApp).

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Operação Cyber Lance, com policiais civis de MG, RJ, SP e DF desarticula quadrilha de falsos leilões de veículos

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Um grupo criminoso que aplicava golpes por meio de falso leilão virtual de veículos foi desarticulado pela Operação Cyber Lance, da Polícia Civil de Minas Gerais, nesta quarta-feira (4). A ação, comandada pela Delegacia de Polícia Civil de Unaí (MG), contou com o apoio operacional das polícias civis dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro e do Distrito Federal. Estão sendo cumpridos 27 mandados de busca e apreensão e dez de prisão preventiva.

Segundo as investigações, a organização criminosa é especializada na prática de crimes eletrônicos por meio da criação de sites falsos de leilão virtual de veículos, com ofertas de bens com valores bem inferiores aos praticados pelo mercado. Os investigados foram identificados pela Polícia Civil de Minas Gerais, com apoio do Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas (Seopi/MJSP).

Após ofertar e fechar o lance, o criminoso entrava em contato com a vítima e solicitava o envio de comprovante de depósito bancário para assegurar a aquisição do veículo. A partir de então, a vítima não conseguia mais contato com os responsáveis pelo site.

“Os criminosos tiram proveito desse cenário para alcançar cada vez mais vítimas. Nesse contexto, inserem-se os crimes praticados por meio de sites falsos de leilão de veículos na internet. Ao criarem esses sites falsos, muitos dos quais com excelente layout, os criminosos promovem falsas ofertas de veículos a preço abaixo de mercado, o que atrai facilmente as vítimas”, disse o coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas, Alessandro Barreto.

Somente este ano, foram registradas mais de 900 ocorrências de fraudes por meio da realização de falso leilão em Minas Gerais, com um prejuízo estimado às vítimas de cerca de R$ 50 milhões. Na cidade de Unaí, foram identificadas nove vítimas, que perderam R$ 577 mil com os golpes.

Durante a investigação foram localizados mais de mil sites fraudulentos de veículos. As polícias civis de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e do Distrito Federal ainda cumprem medidas de bloqueios de contas bancárias e de criptomoedas, apreensão de veículos, sequestro de imóveis e remoção de sites falsos hospedados no exterior.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Excelente ação da polícia civil. Espero que os criminosos sejam presos, e confiscados todos os bens e os valores em dinheiro que estão em posse desses bandidos. Brava polícia civil, va em frente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Federal desarticula venda de vagas em prisões; organização era comandada por servidores públicos e advogados

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

A corrupção no sistema penitenciário de Minas Gerais é o alvo da Operação Alegria da Polícia Federal nesta quinta-feira(8). As investigações revelaram uma organização criminosa comandada por servidores públicos e advogados que negociavam vendas de vagas em unidades prisionais, vagas em determinados pavilhões, a entrada de objetos não permitidos, dentre outras práticas ilícitas.

Pelo esquema, após pagamento de valores divididos entre os líderes da organização criminosa, presos de alta periculosidade eram transferidos indevidamente de unidades, além de serem colocados em alas/pavilhões com benefícios a que não teriam direito pelas normas de execução penal.

Foram identificados inúmeros eventos de corrupção praticados pela organização criminosa, envolvendo, principalmente, dois estabelecimentos prisionais na região metropolitana de Belo Horizonte.

Na ação os policiais deram cumprimento a 29 mandados de prisão preventiva e 45 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela Vara de Inquérito de Contagem e cumpridos em 15 cidades mineiras: Belo Horizonte, Betim, Contagem, Fervedouro, Francisco Sá, Lagoa Santa, Matozinhos, Muriaé, Ouro Preto, Passo, Patrocínio, Ribeirão das Neves, Uberaba, Uberlândia e Vespasiano.

Os presos são investigados pelos crimes de participação em organização criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva e concussão, cujas penas cominadas podem chegar a 20 anos de reclusão.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil desarticula organização criminosa especializada em fraudes em agências bancárias de Natal

Foto: Ilustrativa

Policiais civis da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR) prenderam em flagrante, nessa quarta-feira (23), após o recebimento de denúncias anônimas, quatro homens pela suspeita da prática dos crimes de: estelionato, associação criminosa, falsificação de documento particular e uso de documentos falsos.

Segundo as investigações, eles estavam atuando na fraude de contas em instituições bancárias, apresentando documentos falsos e provocando prejuízos superiores a um milhão de reais (R$1.000.000,00). Com eles, foram apreendidos: 26 cartões de crédito, diversas declarações de Imposto de Renda (IR) falsas, comprovantes de residência falsos, cinco maquinetas, 30 documentos de “laranjas” e anotações em caderneta, cujo montante sinalizado ultrapassa um milhão de reais.

Foram presos: Douglas Fialho Nogueira, 20 anos, Elias Augusto de Carvalho, 24 anos, José Wiliani Gonçalves da Silva, 25 anos, e Antônio Edson Leite Marques, 26 anos. As prisões aconteceram no momento em que os suspeitos saíram de uma agência bancária, no Centro de Natal. Todos os quatro suspeitos foram encaminhados até a delegacia e encaminhados ao sistema prisional, onde ficarão à disposição da Justiça.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181 ou Disque DEICOR, no número: (84) 3232-2862 ou, por meio do aplicativo WhatsApp, no número: (84) 98135-6796.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PF desarticula célula de organização criminosa com atuação no RN

Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal, com apoio da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI), Polícia Militar e Polícia Civil do Rio Grande do Norte, bem como, do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), deflagrou nesta terça-feira, 19/11, a Operação Extração – Fase II, com o objetivo de desarticular célula de organização criminosa paulista com atuação no Rio Grande do Norte.

Ao todo, foram cumpridos 3 mandados de prisão preventiva e 2 mandados de busca e apreensão deferidos pela 2ª Vara Criminal de Mossoró/RN. Duas dessas prisões foram efetivadas contra integrantes de uma facção criminosa, inclusive, a de um indivíduo que ocupava a posição de geral da rua, ou seja, aquele que é o controlador da prática de crimes em determinado território dominado pela facção.

No curso das investigações, ficou demonstrada, também, a participação dos envolvidos no homicídio do motorista de aplicativo Marcos Francisco Dantas, cujo corpo foi encontrado com marcas de tiro, no interior de um automóvel, na Estrada da Raiz, em Mossoró, na data de 07/01/2019.

A Força-Tarefa coordenada pela PF é composta de policiais federais, policiais militares e policiais civis, bem como de agentes penitenciários federais e pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O escopo da Força-Tarefa é o monitoramento e repressão à ação de facções criminosas no Rio Grande do Norte.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PM desarticula fábrica clandestina de armas em Parnamirim

Após receber uma denúncia de que no Bairro Bela Vista, na Rua São Paulo havia uma residência que servia como fábrica de armas artesanais ,o Tático 01 verificou e constatou que ali eram produzidas armas de fogo artesanais de vários calibres. A notícia é destaque no site da Polícia Militar nesta quarta-feira(14).

Segundo o informe, um dos homens que trabalhavam nessa fábrica clandestina de armas foi preso. A PM acredita que as armas fabricadas eram usadas constantemente em assaltos na região de Parnamirim.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *