CCJ do Senado aprova exigência de exame toxicológico para porte ou posse de armas

Foto: Jorge William / Agência O Globo

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou, na manhã desta quarta-feira, dois projetos que prevêem regras mais rígidas para obtenção e revogação de autorização de porte e posse de armas. Os dois projetos foram aprovados por unanimidade e são terminativos, ou seja, se não houver recurso, não precisam passar pelo plenário da Casa e já seguem para análise da Câmara dos Deputados.

A primeira proposta aprovada pelos senadores estabelece que aqueles que desejam obter autorização para posse (quando a arma permanece em um lugar, seja residência ou estabelecimento comercial) ou porte (quando o cidadão pode andar com a arma) precisam apresentar exame toxicológico “de larga janela de detecção com resultado negativo”.

Leia: Na Índia, Eduardo Bolsonaro defende abertura de mercado de armas: ‘hoje é elitista’

O segundo projeto é semelhante e também foi aprovado por unanimidade, mas se aplica àqueles que já têm a autorização de porte. Segundo o texto aprovado pela comissão, o cidadão perderá o porte da arma de fogo automaticamente caso “ingira bebida alcoólica ou faça uso de substância psicoativa que determine dependência” enquanto estiver portando a arma.

O policial responsável pela abordagem deverá comunicar à Polícia Federal imediatamente a ocorrência e deverá apreender temporariamente a arma. A devolução ao proprietário, segundo o texto, será feita “diretamente na sua residência. A PF deverá instaurar procedimento administrativo de investigação intimar o dono da arma para fazer sua defesa.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Kkkkkkkkk, mais uma idiotice. As armas estão nas mãos dos traficantes.

  2. Ivan disse:

    Ótima notícia, agora os noiados q usam crack e maconha vão ter q assaltar com baladeira!!!!Se f…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Santos disse:

    Boa… quem é o autor do projeto? Seria importante dá o crédito aos autores pra gente ficar sabendo quem são os políticos sensatos.

FOTOS: Operação NÍQUEL deflagrada pela PF no RN apreendeu dinheiro, armas e até jet ski

Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal divulgou o balanço das apreensões da Operação Níquel, deflagrada nesta terça-feira,14, que prendeu membros de organização criminosa acusados de contrabandear cigarros.

Foram apreendidos R$ 267 mil em espécie, U$ 183,00, 60 mil guaranis, moeda paraguaia, 4.700 pacotes de cigarro, além de pistolas, carregadores, munições de diversos calibres (inclusive, restritos) e veículos (Carros, moto, jet ski, etc).

Veja mais aqui no Justiça Potiguar.

Grupo de evangélicos fica sobre mira de armas e é vítima de arrastão em acampamento na Lagoa do Bonfim

Foto: Ilustrativa

A Polícia Militar registrou uma ação criminosa na noite dessa quinta-feira(09) contra um grupo de evangélicos na Lagoa do Bonfim, em Nísia Floresta, na Grande Natal. Na ocasião, cerca de 100 pessoas estavam no acampamento, e parte delas ficou sob mira de armas de fogo durante um arrastão.

Informações dão conta que uma associação de igrejas recebia várias famílias que dormiam lá desde quarta-feira(08). Pelo menos três homens encapuzados participaram da ação criminosa, e renderam o grupo que estava em dormitórios de uma parte mais alta do acampamento, próximo a uma mata.

Durante o arrastão, os marginais prenderam pessoas nos quartos, roubaram tudo, atiraram pra cima e fugiram por uma mata localizada dentro do terreno do acampamento.

Após o assalto, a segurança no local foi reforçada.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio disse:

    Se tivessem armados, a história era outra. Eles teriam levado as armas também…

  2. joaozinho da escola disse:

    Solta pombinha da paz que resolve…. ou entao faz apologia ao desarmamento que o bandido entrega a arma dele em nome da justiça e do povo. Lula é honesto…. o homem nunca foi a lua… e ninguem precisa trabalhar pq se vive da luz do sol. E os ladroes de celular sao todos inocentes pq a culpa é da sociedade.

  3. Flavio disse:

    A dois anos mais ou menos, houve outro assalto aí na lagoa, o final dos bandidos foi buraco, parece que não aprenderam, tá dado a dica quando pegarem esses.

  4. aof disse:

    Não é o primeiro assalto que ocorre ali. O primeiro item a ser observado em qualquer evento é segurança.

  5. Neco disse:

    Começar a bater mais em cima de quem recepta. Endurecer leis, botar mais inteligência (quem não sabe aqui dentro de Natal onde há muitos pontos de receptação de roubos?). Chega nos mercados e passa um pente-fino em quem vende produtos mais visados por bandidos, como celulares e eletros. Institui recompensas aos anônimos que denuciarem quem tem muitos celulares e eletros roubados. Não sei se ajuda muito, mas campanahas de publicitárias sobre receptação poderiam ajudar.

  6. Esdras disse:

    Quem tem granja, sítio, Fazenda, não pode mais frequentar esses locais , a bandidagem venceu. Reunir muita gente num só local e não levar seguranças é excelente para esses bandidos economizarem esforços.

    • Neco disse:

      Tá fácil e de pouco risco roubar. A economia não comporta pagar salários de 5 mil reais para todo o mundo. Mesmo que pudesse, ainda continuaria a ser mais "vantajoso" botar uma arma na cabeça das pessoas e tirar bens. Fazer um "apurado" de dois mil por semana. Vai ter quem compre os produtos do crime mesmo. Quem não tiver freios de consciência rouba e recepta mesmo.

RN registrou 890 armas em 2019; veja números por estado com mais de 44 mil no país

Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

O Brasil bateu recorde de novas armas de fogo registradas em um só ano: foram 44.181 entre janeiro e novembro de 2019, alta de 24% em relação a todo o ano passado. É o maior número de autorizações para posse — isto é, para ter uma arma em casa — concedidas pela Polícia Federal desde 2010, segundo estatísticas inéditas obtidas pelo GLOBO com base na Lei de Acesso à Informação (LAI). O levantamento diz respeito apenas a registros para pessoas físicas, excluindo, por exemplo, aquisições de órgãos públicos e empresas de segurança e também dos CACs (colecionadores, atiradores e caçadores), cujo registro é feito pelo Exército.

Mesmo sem os dados referentes a dezembro, o país vendeu cinco armas por hora a cidadãos comuns em 2019— maior média do que em todos os outros períodos analisados. Ano a ano, os registros de armas vêm aumentando. Em 2018, esse número era de 35.758, o maior até então — um aumento de 8% em relação ao ano anterior. A média era de quatro armamentos vendidos por hora.

Em 2019, os maiores crescimentos percentuais de aquisições de armas em relação ao ano anterior ocorreram em Tocantins (645%), Mato Grosso do Sul (241%) e Mato Grosso (219%). Os números deste ano são três vezes maiores do que os de 2010, quando foram catalogados 12 mil novos armamentos.

ARMAS REGISTRADAS POR PESSOAS FÍSICAS POR ESTADO

MG
6.379

RS
5.228

SC
4.749

PR
3.746

SP
3.265

GO
3.153

MT
1.937

PA
1.735

RJ
1.541

BA
1.427

PE
1.354

ES
1.338

RO
1.171

RN
890

MS
872

PB
854

MA
743

CE
559

PI
508

AL
476

SE
417

DF
380

RR
364

AC
336

TO
313

AP
226

AM
220

TOTAL DE ARMAS

REGISTRADAS

44.181

Com informações de O Globo

Segurança é baleado durante tentativa de roubo de armas em Petrópolis, na Zona Leste de Natal

Foto: Ilustrativa

A Tribuna do Norte noticia que na madrugada desta sexta-feira(13), no bairro de Petrópolis, na Zona Leste de Natal, a PM
registrou uma troca de tiros entre assaltantes e seguranças de um shopping na Avenida Afonso Pena e no cruzamento com a rua Seridó. Na ocorrência, conta a TN, um segurança foi atingido por um disparo, mas, felizmente, não corre risco de morte.

Segundo a PM, os bandidos tentaram assaltar os seguranças do shopping com objetivo de levar as armas deles. Houve reação, e os marginais não conseguiram êxito, fugindo com destino ignorado.

A PM, por fim, conta que o carro usado pelos bandidos, que era roubado, foi encontrado no bairro de Mãe Luíza, na mesma região, durante esta manhã.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Leonardo Diniz disse:

    A violência no RN está descontrolada, os indices de criminalidade atingiu um patamar insustentável, e o (des)governo finge que nada está acontecendo! Absurdo.
    FORA FÁTIMA!!

PM apreende 07 armas e 30 munições e ainda 5,4 kg de entorpecentes no final de semana na região metropolitana de Natal

FOTO: PM/ASSECOM/REPÓRTER: CB GLAUCIA

A Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte registrou a apreensão de sete armas de fogo e trinta munições durante o final de semana na Região Metropolitana.

De sexta a domingo, a Polícia Militar registrou a apreensão de 07 armas de fogo de diversos calibres, além da apreensão de cerca de 5,4 kg de drogas e entorpecentes.

Ainda no combate ao porte ilegal de armas e munições, a Polícia Militar apreendeu 30 munições intactas de diversos calibres, além de 10 munições deflagradas.

Já no âmbito do combate ao tráfico ilícito de drogas e entorpecentes, a Polícia Militar do RN registrou a apreensão de aproximadamente 5,4 kg de entorpecentes, sendo 3 pedras de crack, 05 porções de cocaína, 90 trouxinhas de maconha, 01 tablete de maconha e 04 porções de crack.

A Polícia Militar ainda registrou a apreensão de 02 balanças de precisão, 01 rádio comunicador, a quantia de R$ 2.138,00 em dinheiro fracionado e uma maquineta de cartão de crédito utilizados por um dos suspeitos de tráfico presos na venda de drogas e entorpecentes.

Ainda no final de semana, a Polícia Militar recuperou seis veículos com queixa de roubo, os quais foram devolvidos aos respectivos proprietários após os procedimentos legais.

Os dados foram coletados durante ocorrências registradas e atendidas pela Polícia Militar do RN na Região Metropolitana entre os dias 29 de novembro e 1° de dezembro.

FOTO E VÍDEO: PRF prende dupla com veículo roubado, apreende armas, muita munição e explosivos na BR-304, na Grande Natal

Foto: PRF/Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal prendeu na noite dessa quarta-feira (4), na Unidade Operacional da PRF de Macaíba/RN, dois homens que seguiam no sentido ao interior do Estado, em um carro roubado.

No momento da abordagem, o condutor ainda tentou fugir da fiscalização mas foi contido pelos policiais. No interior do veículo foram encontrados duas pistolas, sendo uma calibre 380 e outra . 40, nove carregadores municiados com 80 munições, além de explosivos.

No porta-malas do carro ainda foram localizados, duas alavancas de ferro, uma marreta grande, um colete à prova de balas, duas toucas balaclavas, três pares de luvas, fitas adesivas, roupas camufladas, etc.

De imediato foi dada voz de prisão aos dois homens, com idades de 26 e 27 anos. A ocorrência foi encaminhada à delegacia de Polícia Federal, em Natal. Na delegacia, foi constatado que a dupla já tem passagem pela polícia por assalto à caixas eletrônicos, inclusive um deles estava no regime semiaberto.

O veículo utilizado pela dupla, um Siena Tetrafuel, havia sido tomado de assalto de um motorista de aplicativo, na última sexta-feira (30/08), no perímetro urbano de BR-101, no bairro de Potilândia, em Natal. O dono do veículo esteve na polícia federal e reconheceu os dois homens como os autores do roubo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo disse:

    Até que fim , em vez de tá prendendo que transporta PASSARINHO. Prenderam algo de futuro.

    • paulo disse:

      Agora é esperar a "audiência" de custodia para soltar esses "perseguidos" pela sociedade e eles voltarem a praticar crimes podendo inclusive assassinar Cidadãos de bem. Este País está difícil de se viver com Leis vergonhosas e agora querem prender a policia. BANDIDOS soltos a torto e a direita, uma VERGONHA.

Polícia Civil fecha oficina clandestina de armas e prende homem na Zona Sul de Natal

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Equipes de policiais civis do 5º Distrito de Polícia de Natal prenderam em flagrante delito, na manhã desta quarta-feira (21), Francisco Canindé da Silva, 44 anos, pela prática do crime de posse ilegal de armas. A prisão aconteceu na residência dele, localizada no loteamento de San Vale, no bairro Candelária, na Zona Sul de Natal.

Os policiais chegaram até a residência após o recebimento de denúncias anônimas. No local, foram apreendidas armas caseiras, acessórios para fabricação de armas, ferramentas diversas e munições de calibre 22 e calibre 12.

Ele foi conduzido até a delegacia e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição de Justiça.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN SECOMS

PM desarticula fábrica clandestina de armas em Parnamirim

Após receber uma denúncia de que no Bairro Bela Vista, na Rua São Paulo havia uma residência que servia como fábrica de armas artesanais ,o Tático 01 verificou e constatou que ali eram produzidas armas de fogo artesanais de vários calibres. A notícia é destaque no site da Polícia Militar nesta quarta-feira(14).

Segundo o informe, um dos homens que trabalhavam nessa fábrica clandestina de armas foi preso. A PM acredita que as armas fabricadas eram usadas constantemente em assaltos na região de Parnamirim.

Diretora de Democracia em Vertigem retira armas de foto histórica e abre discussão sobre alteração de imagens em documentários

INTERVENÇÃO DE PAULA CARDOSO SOBRE FOTO QUE CONSTA DO LAUDO DO INSTITUTO DE CRIMINALÍSTICA, USADA EM DEMOCRACIA EM VERTIGEM

Dois objetos foram retirados de uma fotografia que aparece aos seis minutos e sete segundos no documentário Democracia em Vertigem, dirigido e narrado por Petra Costa. É uma fotografia em preto e branco onde há dois homens mortos. A imagem permanece quatro segundos na tela. A cineasta identifica um dos mortos: “o mentor dos meus pais: Pedro Pomar.” Petra explica então que seu nome é uma homenagem feita por seus pais a Pedro. No retrato, o jornalista Pedro Ventura Felipe de Araújo Pomar, 63 anos, está de barriga para cima, óculos de grau no rosto, descalço e com o corpo coberto de sangue. Tombado aos pés dele, de bruços, está Ângelo Arroyo, de 48 anos. Ambos foram destacados dirigentes do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e atuavam na clandestinidade contra a ditadura militar. Foram executados na manhã do dia 16 de dezembro de 1976 pelas forças militares-policiais, sob o comando do Segundo Exército, numa casa térrea na rua Pio XI, número 767, no bairro da Lapa, em São Paulo. O episódio ficou conhecido como a Chacina da Lapa.

Democracia em Vertigem reconta os acontecimentos que levaram ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2016. Petra Costa recorre a imagens atuais e de acervos históricos. Na foto da Chacina da Lapa usada no filme, os objetos ausentes são um revólver Taurus, calibre 38, e uma carabina Winchester, calibre 44. As armas constam, porém, em uma fotografia anexada a um dos laudos da morte de Pedro Pomar, datado de 27 de dezembro de 1976 e arquivado no Instituto de Criminalística de São Paulo. É uma fotografia idêntica àquela usada no filme – o mesmo ângulo, o mesmo cenário de sangue, pólvora e corpos tombados. O revólver está do lado direito do corpo de Pomar, e a carabina, embaixo da mão direita de Arroyo. Poderiam ser duas fotografias diferentes? Por que uma tinha armas e a outra não? Procurada pela piauí, Costa esclareceu o que houve.

A foto do filme é a mesma do laudo. Por e-mail, a documentarista confirmou que as armas foram digitalmente retiradas da fotografia usada. Ela explica: “Há uma razão para isso, e eu estava esperando que alguém do público notasse. Como afirmei no documentário, Pedro era o mentor político da minha mãe, e foi amplamente reconhecido que a polícia plantou armas ao redor dos corpos dos ativistas assassinados, como uma desculpa para seus assassinatos brutais”, escreveu Costa.

Foto da morte dos militantes usada em Democracia em Vertigem, sem as armas (Reprodução da Netflix)

Foto da cena da morte dos militantes, inserida no laudo que consta no Instituto de Criminalística de São Paulo

A diretora continuou: “Há um debate significativo sobre a veracidade das armas nesta cena, com muitos comentários. E até a própria Comissão da Verdade trouxe evidências para as alegações de que a polícia plantou as armas após a morte de Pedro, e por isso optei por remover esse elemento e homenagear a Pedro com uma imagem mais próxima à provável ‘verdade’.”

Há, de fato, documentos públicos, livros e artigos que apontam a manipulação da cena do crime pelas forças militares. Um deles é o relatório da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos, criada no governo Fernando Henrique Cardoso para reconhecer mortes e desaparecimentos, e indenizar familiares de vítimas da ditadura militar. Nele, há o relato de Maria Trindade, ocupante da casa na Lapa e única sobrevivente do massacre. Ela afirmou que Pomar não havia caído na posição em que se encontra na fotografia, tampouco estava de óculos no momento em que fora alvejado. O repórter Nelson Veiga, da tevê Bandeirantes, foi o primeiro jornalista a chegar ao local e entrar na casa, logo após a chacina. À Folha de S.Paulo, dez anos depois do massacre, Veiga afirmou que, quando entrou na residência, não havia armas perto dos corpos de Pomar e Arroyo. “Pela disparidade de forças, aconteceu ali uma matança”, disse o repórter.

O procurador da República Andrey Borges de Mendonça, do Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP), denunciou à Justiça, em 2016, os médicos-legistas Harry Shibata, Abeylard de Queiroz Orsini e José Gonçalves Dias por falsidade ideológica. Os três, segundo a denúncia, agiram sob ordem do delegado Sérgio Paranhos Fleury, chefe do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de São Paulo, acusado de torturas, para registrar nos laudos que as mortes de Pomar e Arroyo ocorreram após confronto armado entre eles e os militares. Um outro laudo, do médico Antenor Chicarino, constatou que “diversas lesões existentes na vítima foram omitidas no laudo. Dentre outras, foi omitida a menção a lesões típicas compatíveis com ‘zona de tatuagem’ – lesões que indicam proximidade do disparo – assim como ferimento perfuro contuso em região temporal anterior, possivelmente correspondente a tiro de execução”, diz a denúncia do MPF de São Paulo.

As investigações dos órgãos de repressão sobre as atividades clandestinas do grupo do PCdoB vinham acontecendo desde três meses antes da chacina. A movimentação na casa da Lapa era monitorada de perto havia pelo menos dez dias antes do crime. Na noite do dia 15 de dezembro, agentes do DOI-Codi se posicionaram perto da casa. Já sabiam que haveria uma reunião dos comunistas naquela noite. Manoel Jover Telles, que era integrante do grupo, tinha sido preso dias antes e foi acusado de ter delatado a reunião. Era comum nesses encontros que os integrantes saíssem em pares, com intervalos de duas horas entre cada saída para não levantar suspeitas. Vários deles, ao deixarem a casa, foram perseguidos e presos, inclusive Wladimir Pomar, filho de Pedro.

Pela manhã, por volta das 7h, os agentes da repressão abriram fogo contra a casa. Quarenta agentes se dividiram e entraram pela frente e pelos fundos. Foram cerca de vinte minutos de tiros e pânico na vizinhança. O corpo de Pomar foi levado para o Instituto Médico Legal, no Jardim Paulista. Depois foi enterrado com um nome falso no cemitério de Perus. “Com o intuito de dificultar sua exumação e, assim, a apuração da fraude”, diz a denúncia do MPF. Em 1980, a família de Pomar descobriu o paradeiro dos restos mortais e fez o translado para o Pará, terra natal do jornalista.

Essa é a história que documentos públicos contam sobre a fotografia do corpo morto de Pedro Pomar. Os indícios evidentes de que a cena do crime foi forjada pelos militares, colocando as armas perto dos militantes mortos, levaram Costa a apagá-las da fotografia usada em seu filme. Sobre a decisão, a documentarista argumentou: “Eu admiro profundamente o trabalho de cineastas como Werner Herzog e Joshua Oppenheimer em sua busca pela verdade extática de uma história. Neste caso, afirmo que a imagem da morte de Pedro foi marcada por essas armas colocadas ao redor do seu corpo após sua morte. E senti uma oportunidade para corrigir um erro percebido por muitos.”

Herzog tratou da verdade extática numa conferência realizada na Itália em 1992, depois da exibição de Lições da Escuridão, documentário no qual explora os incêndios nos campos de petróleo no Kuwait após a Guerra do Golfo. Na abertura de Lições da Escuridão há uma frase – “O colapso do universo estelar ocorrerá – como a criação – em um esplendor grandioso” – atribuída pelo cineasta, no filme, ao filósofo Blaise Pascal. Na conferência, Herzog disse que a frase não era de Pascal, mas sua, e explicou por que decidiu usá-la: “Utilizando tal citação como prefácio, suspendo o espectador, antes mesmo que este tenha visto o primeiro frame, a um nível elevado, de onde ele poderá entrar no filme. E eu, o autor do filme, não permitirei que ele desça até que este termine. É apenas nesse estado de sublimidade que algo mais profundo se torna possível, um tipo de verdade que é inimiga do meramente factual. Eu a chamo de verdade extática.”

A decisão de Costa reabre a discussão sobre manipulação de imagens históricas em documentários – tão longeva quanto a própria história desse gênero e debatida desde Nanook, o Esquimó (1922), dirigido por Robert Flaherty e considerado a pedra fundamental do cinema de documentário.

O jornalista Pedro Estevam da Rocha Pomar, neto do dirigente comunista e autor de uma coleção de livros chamados Massacre na Lapa, sobre o ataque em 1976, disse não ter reparado na ausência das armas na foto quando assistiu ao filme pela primeira vez. E acrescentou que não concorda com a retirada: “Tenho certeza de que ela fez isso com as melhores intenções, de boa-fé. Ainda assim, acho um erro. Não há porquê. Devia ter mantido a foto como ela é. A própria foto original já tinha uma adulteração da cena do crime. Eu vi lá o corpo do meu avô e do Ângelo Arroyo, mas não percebi essa mudança. Era melhor ter mostrado a foto e contado o seu contexto.”

Eduardo Escorel, montador de documentários como Cabra Marcado para Morrer, de Eduardo Coutinho, e diretor de Imagens do Estado Novo – 1937-45, trabalhou por quatro meses como consultor de montagem de Democracia em Vertigem em 2017. O documentarista e crítico de cinema do site da piauí não soube da alteração da imagem até a estreia do longa. A alteração da fotografia também não é mencionada no filme, que está em cartaz no catálogo da Netflix em 150 países.

“Há documentaristas que encenam, inventam, fazem referências inexistentes, ou atribuem aos personagens coisas que eles nunca fizeram. Existe uma tendência do cinema de desenvolver uma área comum entre a ficção e o documentário. Isso não quer dizer que não persista uma diferença. Mesmo quando o documentário trabalha com elementos ficcionais, de recriações, e mesmo neste caso, o espectador precisa estar advertido sobre o que está vendo. Adulterar uma imagem qualquer e fazer essa imagem passar por algo que ela não é, acho um procedimento equivocado”, diz Escorel.

Na opinião dele, um procedimento possível seria dedicar mais tempo a essa foto e relatar sua história. Outro, mais difícil, seria colocar uma nota ou uma legenda no fim do filme, dizer que a foto foi alterada e por qual motivo. “O compromisso ético do documentarista é com o espectador. E iludir o espectador, ao meu ver, não é próprio do documentário”, afirma Escorel. Para ele, houve uma aposta arriscada de tentar recriar uma situação que só pode ser imaginada. “O registro documental que existe é o registro com as armas. A aposta foi baseada em informações outras, nas quais a cineasta confiou, de que houve uma encenação da foto original. Se a foto original é uma encenação, a documentarista, exercendo uma onipotência, digna de quem faz cinema, decide não mostrar o conteúdo documental da foto. Essa decisão, num documentário ou não, pode ser considerada legítima desde que o espectador esteja informado sobre o que está vendo.”

Andrea França Martins, professora de teoria crítica do curso de cinema da PUC-Rio e autora do livro Terras e Fronteiras: no Cinema Político Contemporâneo, diz que havia outras soluções: “O documento histórico, que continha as armas, creio que valeria que fosse explicitado pelo filme – seja na narração ou usando as duas fotografias – a do arquivo e a outra, na qual ela interveio”. Patrícia Machado, professora de montagem na PUC-Rio e coorganizadora do livro Arquivos em Movimento: Seminário Internacional de Documentário de Arquivo, avalia que a possibilidade de alterar uma imagem depende do contexto em que se apresenta e que, no caso de Democracia em Vertigem, o prejuízo é o esvaziamento da memória histórica contida na imagem. “O filme não está no campo da fabulação, do cinema experimental. No contexto em que a fotografia aparece, ela está fazendo uma espécie de elaboração de memória a partir de imagens históricas. Quando a Petra forja essas imagens e não abre isso para o público, está omitindo uma informação importante para o espectador”.

Pesquisador e conservador-chefe da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Hernani Heffner diz que não há regra para julgar a decisão de Costa. “Regra? Em arte não tem regra. É a obra que formula suas próprias regras. Posso não concordar com a decisão, alterar uma imagem histórica implica uma série de questões éticas. Como pesquisador, prefiro respeitá-las. Mas cabe à diretora essa decisão artística. Não estamos falando de uma ciência histórica, mas de arte. Não há uma regra na hora de tomar uma decisão artística, mas ao tomá-la, é preciso também encarar o debate social que ela suscita.”

REVISTA PIAUÍ – FOLHA DE SÃO PAULO

Memória desarmada

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Esse documentário é uma BALELA, talkey!!!!

  2. Delano disse:

    Esses petralhas não respeitam nem as imagens reais, roubam até partes dela. Cleptomaníacos!

  3. Irany Gomes disse:

    Tadinhos… eram só meninos bons!

Governo publica novo decreto sobre armas, veta porte de fuzil e muda pontos questionados; confira

Foto: Divulgação/Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro

O governo Jair Bolsonaro publicou nesta quarta-feira (22) um novo decreto sobre as regras para posse e porte de arma de fogo no país. Em nota, o Palácio do Planalto informou que a nova norma vai modificar alguns pontos que foram questionados na Justiça, pelo Congresso e “pela sociedade em geral”.

O direito à posse é o direito de ter a arma em casa (ou no trabalho, no caso de proprietários). O direito ao porte é a autorização para transportar a arma fora de casa.

Nesta terça-feira (21), o governo federal já havia indicado, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), que faria “possíveis revisões” no decreto. Nota divulgada pela AGU pedia prazo maior que os cinco dias dados pela ministra do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber para que o governo explique a proposta.

O decreto tinha sido editado por Jair Bolsonaro no último dia 7. O texto facilitava o porte de arma para um conjunto de profissões, como advogados, caminhoneiros e políticos eleitos.

A proposta também deixava claro que colecionadores, atiradores desportivos e caçadores poderiam levar a arma carregada quando estivessem se deslocando de casa ou do trabalho até o local de prática do esporte ou exposições para facilitar a defesa pessoal.

As alterações que o texto fazia no Estatuto do Desarmamento geraram críticas de entidades ligadas à segurança pública. Câmara e Senado fizeram análises técnicas que apontavam “irregularidades” e indicavam que a medida “extrapolou o poder regulamentar”. Nesta terça, governadores de 13 estados e do Distrito Federal divulgaram uma carta aberta contra o decreto.

Agora, uma das alterações anunciadas nesta quarta-feira é o veto ao porte de armas de fuzis, carabinas ou espingardas para cidadãos comuns (veja abaixo).

Porte de armas

PERMITIDO: armas de porte, como pistolas, revólveres e garruchas.

PROIBIDO: Armas portáteis, como fuzis, carabinas, espingardas, e armas não portáteis.

Prática de tiro por menores

Menores só poderão praticar tiro esportivo a partir dos 14 anos e com a autorização dos dois responsáveis. O decreto anterior não estipulava idade mínima e exigia autorização de apenas um dos responsáveis.

Antes dos decretos de Bolsonaro, era necessária autorização judicial .

Armas em voos

A Anac seguirá responsável por definir as regras para transporte de armas em voos.

O decreto anterior dava essa atribuição ao Ministério da Justiça.

Esta reportagem está em atualização.

Veja, abaixo, a íntegra do comunicado divulgado pelo Planalto

(mais…)

“Leis de desarmamento só funcionam contra aqueles que respeitam as leis”, diz Bolsonaro, ao defender a liberdade, com critérios, para cidadãos que querem se proteger e proteger suas famílias

“O que torna uma arma nociva depende 100% das intenções de quem a possui. Defendo a liberdade, com critérios, para cidadãos que querem se proteger e proteger suas famílias. Leis de desarmamento só funcionam contra aqueles que respeitam as leis; quem quer cometer crimes já não se preocupa com isso”, disse o presidente Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira(01), na rede social Instagram, ao criticar as lei de desarmamento.

O capitão, em resumo, defendeu a liberdade, com critérios, para o uso de armas por cidadãos que querem se proteger e proteger suas famílias.

OPINIÃO DOS LEITORES:

FOTO: Após perseguição e troca de tiros, PRF prende quatro homens com carro roubado e armas na Grande Natal

Foto: PRF/Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal prendeu quatro homens na madrugada desta quarta-feira, na BR-101, por volta de 1h, no município de São José de Mipibú. De acordo com informações iniciais, os quarteto não obedeceu à ordem de parar em uma ronda, houve perseguição e troca de tiros, e o condutor perdeu o controle do veículo e bateu em um muro. Além do veículo recuperado, foram encontrados com os ocupantes do veículo quatro revólveres calibre 38, uma pistola calibre 380 e um colete balístico. Todas as armas estavam carregadas e alimentadas.

Segundo a PRF,  o grupo já havia assaltado uma lanchonete em Canguaretama e uma caminhonete em São Gonçalo do Amarante. No roubo da caminhonete duas mulheres foram feitas reféns e liberadas pouco tempo depois.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Brasil de MER.... disse:

    Antes do meio-dia esses VAGABUNDOS estarão na rua com a audiência de custódia, uma vergonha e desistimulo para policiais e sociedade , quem agradece são os advogados criminalistas

Governo quer baixar impostos sobre armas

Após o decreto que flexibiliza a posse de armas, o próximo passo do governo Jair Bolsonaro é reduzir a alíquota de impostos que encarecem o produto para o consumidor, informa Igor Gadelha, na Crusoé. Leia abaixo.

Governo estuda abrir mercado de armas no Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fagner disse:

    Reduza os impostos dos alimentos seu bozo!

  2. Fernando Alves disse:

    Não duvido isso acontecer, pois ano passado o Bozo sinalizou isso, inclusive houve uma certa saia justa com a Taurus.

  3. Raquel Fontes disse:

    Eita, a festa tá só começando….a indústria do armamento agradece…melhor Jair matando o povo para vender mais e sempre

Governo vai abrir prazo para recadastramento de armas

Onyx Lorenzoni informou que o governo vai lançar neste mês uma medida provisória para permitir que pessoas que guardam armas em casa com registro vencido possam recadastrar a posse.

“Se um bandido for lá e pessoa fizer uso daquela arma para espantar o bandido, não precisa nem ferir, só mandar embora, se a polícia for lá, é obrigada a prender o dono da casa ou a dona da casa, por posse ilegal de arma”, explicou o ministro à GloboNews.

Ele disse que até 9 milhões de famílias “de bem” poderão regularizar a situação. O prazo começará neste mês e irá até o final do ano, podendo ser prorrogado por mais um ano.

“O nosso objetivo é fazer com que toda e qualquer arma na mão das pessoas de bem estejam cadastradas e sob controle da Polícia Federal”.

O Antagonista

 

Posse de armas: leia a íntegra do decreto assinado nesta terça-feira e tire todas as suas dúvidas

Foto: Pixabay

Com o novo decreto sobre posse de arma, o cidadão que quiser comprar uma arma de fogo só precisa alegar a necessidade e demonstrar que atinge os requisitos legais. À Polícia Federal, caberá apenas deferir o pedido, e não decidir quem pode ter acesso às armas. Terão direito à posse quem mora em cidades consideradas muito violentas (mais de dez homicídios por cem mil habitantes, segundo o decreto), quem mora em “área rural”, servidores públicos e quem trabalha com serviços de segurança.

O decreto foi assinado sob a justificativa de atender ao referendo de 2005, previsto no Estatuto do Desarmamento, de 2003. O referendo era para a entrada em vigor do artigo 35 do Estatuto, que proibia a venda de armas e munições em todo o território nacional. Clique aqui para ler o decreto

Com informações do Conjur

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justiça disse:

    *adquiridas

  2. Justiça disse:

    Editorial de O Globo de hj mostra q os EUA têm 25 vezes mais homicídios q os demais países desenvolvidos e q 99% das armas q circulam no Brasil nas mãos da bandidagem foram admitidas de forma legal, roubadas das pessoas e das empresas de segurança.

  3. Thiago Maia disse:

    Mudou praticamente nada.