Bares e restaurantes no RN poderão vender bebidas alcoólicas a partir de 05 de agosto, informa portaria no Diário Oficial

Leia integra de extraordinária do Diário Oficial do Estado AQUI.

O Diário Oficial do Estado dessa segunda-feira(27) destaca a liberação da venda de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes, a partir de 05 de agosto, seguindo o cronograma da retomada gradual da atividade econômica.

I – serviços de alimentação com área acima de 300 m² (trezentos e um metros quadrados), dos seguintes ramos:

a) restaurantes;

b) lanchonetes;

c) food parks;

II – bares e barracas de praia.

Dos protocolos específicos

Art. 2º Além do protocolo geral estabelecido pela Portaria nº 09/2020 – GAC/SESAP/SEDEC, de 13 de julho de 2020, os estabelecimentos e serviços autorizados a funcionar na Fração 1 da Fase 3 deverão cumprir os seguintes protocolos específicos expostos na Portaria Conjunta nº 11/2020 – GAC/SESAP/SEDEC, de 13 de julho de 2020, sob pena de interdição, aplicação de multa e demais cominações legais:

§1º Nesta fração é permitida a venda de bebidas alcoólicas pelos bares e restaurantes, sendo aplicável todos os demais protocolos específicos previstos na Portaria Conjunta nº 11/2020 – GAC/SESAP/SEDEC, de 13 de julho de 2020.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] Governo do Estado previa liberar a venda de bebidas alcoólicas em todo o RN a partir de 05 de agosto, seguindo o cronograma da retomada gradual das atividades […]

  2. JR & JR disse:

    Tomar uma gelada no bar do KU com aquela dobradinha deliciosa.

  3. Jk disse:

    Hô blz. Vou passar o dia lá no Bar da Selma no Beco da Lama, tomando uma com ova de curimatã.

Covid-19: Anvisa proíbe venda sem receita de cloroquina e ivermectina

Foto: Ilustrativa

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu que o vermífugo ivermectina só poderá ser vendido com receituário médico. Nas últimas semanas, aumentou a procura pelo remédio usado contra vermes e parasitas para prevenir a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, mesmo sem evidências de que o medicamento funcione.

A resolução que mudou as regras de comercialização foi publicada nesta quinta-feira (23/7) no Diário Oficial da União. O texto é assinado pelo diretor-presidente da agência, Antônio Barra Torres.

Além do vermífugo, a Anvisa proibiu a venda sem receita médica dos medicamentos cloroquina, hidroxicloroquina e nitazoxanida (Annita). Todas essas drogas passaram a ser usadas como possíveis tratamentos contra a Covid-19. As pesquisas científicas não comprovaram os efeitos.

Os principais organismos internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), não recomendam o uso antes de resultados mais robustos das pesquisas científicas e aponta paras os riscos de efeitos colaterais e complicações adversas.

A mudança promovida pela Anvisa não se aplica aos medicamentos à base de cloroquina distribuídos no âmbito de programas públicos governamentais. O texto ressalta que as medidas de controle para os medicamentos se devem em virtude da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII) relacionada ao novo coronavírus.

“A prescrição dos medicamentos que contenham substâncias constantes do Anexo I desta resolução deverá ser realizada em receituário privativo do prescritor ou do estabelecimento de saúde, sem a necessidade de modelo de receita específico”, diz a Anvisa.

Novas regras

A receita deve ser prescrita de forma legível, sem rasuras, em duas vias e contendo dados obrigatórios como identificação do médico, endereço do consultório número da inscrição no Conselho Regional de Medicina, identificação do paciente, endereço completo, nome do medicamento ou da substância prescrita sob a forma de Denominação Comum Brasileira (DCB), dosagem ou concentração, forma farmacêutica, quantidade (em algarismos arábicos e por extenso) e data da emissão.

A farmácia ou drogaria somente poderá aviar ou dispensar a receita quando todos os itens estiverem devidamente preenchidos. A receita desses medicamentos será válida por 30 dias, a contar da data da emissão.

As prescrições por cirurgiões dentistas e médicos veterinários só poderão ser feitas quando para uso odontológico e veterinário, respectivamente, sendo proibida a indicação para tratamento da Covid-19.

Imbróglio

A Anvisa chegou a publicar uma nota técnica alertando para os riscos do uso do vermífugo ivermectina contra o coronavírus. Porém, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu o uso do medicamento.

O órgão mudou o entendimento e publicou nova nota técnica. No primeiro texto, a Anvisa ressaltou que não existem estudos conclusivos que comprovem a eficácia do medicamento para a Covid-19. Na segunda versão, porém, o texto inclui um novo trecho: “Bem como não existem estudos que refutem esse uso”.

Metrópoles

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rogerio Faris disse:

    Era a pá de cal que faltava!

  2. Fabio Alencar disse:

    $180 bilhões de dólares por ano será a receita da industria só com a vacina da covid, não podem ser ameaçado por um remedinho de 2 contos.

  3. Manoel disse:

    Impressionante a imbecilidade do povo.
    O que aconteceu com o bom senso?
    A merda do remédio nao tem comprovação em LUGAR NENHUM DO MUNDO, pode FAZER MAL, e uns idiotas brasileiros teimam em tomar e ainda sair espalhando mentiras pelo wa?
    Tomem 10 caixas calados, seus diotas.

  4. Bozoloide disse:

    Vamos lá. Está escrito na bula:
    "Reações adversas e efeitos colaterais do Hidroxicloroquina
    Distúrbios hematológicos e do sistema linfático, distúrbios do sistema imune, distúrbios de metabolismo e nutrição, distúrbios psiquiátricos, distúrbios do sistema nervoso, distúrbios oculares, distúrbios de audição e labirinto, distúrbios cardíacos, distúrbios gastrointestinais, distúrbios de pele e tecido subcutâneo e distúrbios musculoesqueléticos e do tecido conjuntivo."
    Hummmm… acho que quem escreveu essa bula deve ser um maldito comunista só pra ferrar o mito!

  5. Marcelo Cosme disse:

    A ivermectina pode matar? O único perigo real da Ivermectina é para pessoas com meningite, pois essa substância pode atravessar a barreira hematoencefalica do cérebro. E mesmo assim, já é cientificamente provado que a Ivermectina não é neurotoxica. Essa decisão da Anvisa deve ser revista pelo poder judiciário, pois impede que as pessoas possam fazer profilaxia. A galera do contra adora dizer que a Ivermectina não tem comprovação científica no tratamento da covid, mas vamos aos fatos…. O isolamento social aumentou? Não, vem piorando inclusive. A imunidade de rebanho está provocando essa diminuição de casos? Não, a UFPelotas / RS fez uma pesquisa nacional em domicilio e afirmou que nem 10% da população se contaminou. Qual o único fato diferente que aconteceu nos últimos 45 dias no RN e em Natal? Simples, a adoção do tratamento precoce e a profilaxia com Ivermectina. Hoje, nosso estado, é o que apresenta a 2° maior queda de novos casos no Brasil, conforme o consórcio da imprensa.

  6. Curitiba já disse:

    Só bastou diminuir os casos a OMS. Comunista junto com os bandidos da Anvisa trataram logo de frear a queda dos casos, como explicar a queda brusca dos casos em Natal, será q foi coincidência logo após o uso da medicação

  7. Direita Honesta disse:

    Essa palhaçada não vai ter fim? São medicamentos usados há décadas, baratinhos e que vêm mostrando resultados positivos contra esse vírus, na prática, na vida real. Por outra, usa quem quiser. Quem não quiser, vá tomar… outra coisa qualquer. Ou não tome nada é fique esperando o quadro se agravar. Quando piorar, procure os leitos de hospital que a governadora do PT NÃO CRIOU e os respiradores que ela NÃO COMPROU (embora já tenha pago alguns e o dinheiro tenha sumido). A torcida dessa gente em prol do vírus já virou sandice. Quanta ruindade!

  8. Alexandre Reis disse:

    Um absurdo isso. E para o povo morrer mesmo(real intenção) ? Essa bomba que e a Anvisa serve ao governo federal e ao povo ou ao PT? Presidente deveria exonerar geral. Presidente sem autoridade? Estou injuriado.

  9. ricardo disse:

    Na pior das hipoteses é placebo a ivermectina e ainda nos livra de vermes, na pior das hipóteses, na melhor salva vida, agora com a decisão da Anvisa na melhor das hipóteses economizamos uma besteira em não comprar, na pior vamos gastar com consulta que não será de acesso a todos o medicamento chegará mais pessoas com preço de consulta mais o preço da consulta.

  10. ricardo disse:

    Os pobres não podem comprar um medicação que nem mal faz, mas que tem muitas chances de fazer o bem, pura maldade da ANVISA

    • Francisco de Assis disse:

      Os efeitos colaterais podem ser fatais, Ricardo. Não vai nessa onda do capetão cloroquina receitando o que não pode ser receitado, meu camarada. Não ajuda em nada.

FOTO: ABC inaugura loja da marca própria, a Elefante MQ, e inicia venda de novos uniformes

Foto: Divulgação

A Elefante MQ chegou com tudo! Na tarde dessa terça-feira (21), a diretoria abecedista realizou a inauguração da nova loja conceito do clube, a loja da Elefante MQ, a marca própria do Clube do Povo. O espaço fica localizado na Av. Prudente de Morais, nº 4262 – loja 04, no bairro de Lagoa Nova, na esquina com a Av. Amintas Barros. ⠀

O evento contou com a presença do presidente alvinegro, Bira Marques, do presidente do Conselho Deliberativo, Cláudio Emerenciano, de conselheiros, sócios e da Frasqueira, a maior torcida do Rio Grande do Norte. Todas as medidas de enfrentamento à COVID-19 foram tomadas, sendo permitida a entrada apenas com o uso de máscara, obedecendo o número de cinco pessoas no interior do local e com o ambiente e os produtos passando por higienização constantemente.

“Muito orgulho em voltarmos a ter uma loja do clube, agora com a nossa marca própria. Então, contamos com a torcida para jogar junto, como sempre foi, pois só assim vamos obter todo o sucesso possível. Aqui é a loja do ABC, a loja do torcedor. Venham conhecer, está muito bonita, do tamanho que o nosso clube merece”, destacou Bira Marques.

Na ocasião, os torcedores puderam ver de perto e comprar os novos Mantos e toda a primeira coleção da Elefante MQ, a linha “Maior Campeão do Mundo”. Além dos uniformes oficiais de jogo, o “Decacampeão” e o “Alvinegro”, chegaram as camisas de goleiro, material de treino, concentração, aquecimento, comissão técnica, as linhas feminina e infantil, além de vários outros artigos, como bonés, canecas e muito mais.

A loja Elefante MQ funcionará de segunda-feira a sexta-feira, das 10h às 19h, e aos sábados, das 10h às 14h. “Breve, divulgaremos os detalhes da venda online, o telefone para contato e o início do atendimento aos sócios”, encerra o comunicado alvinegro.

Com site do ABC

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Guedes da Fonseca Filho disse:

    No final vão ter que vender o estádio para pagar as contas!

  2. Rodrigo disse:

    Maior campeão do mundo é boa, igual dizer q em 2010 o abc foi campeão brasileiro kkk ele foi campeão de serie de acesso, série C, o campeão brasileiro foi o flusão!

  3. Santa Cruz disse:

    Vários destes comentários são de paquitas invejosas, freguesas do maior do RN,.
    O choro é livre. É peia pra todo lado, no estadual na copa do NE. E vai ter mais na copa do Brasil.

  4. ABC FC disse:

    As pakitas vão chorar, ABC O Mais Querido!

  5. Logan disse:

    Esses nossos times potiguares sempre foram um fracasso, só ganha estaduais, não vale a pena gastar numa camisa dessas.

  6. Junior Sá disse:

    A grande sacada no mundo business hoje são as parcerias. Portanto, gol do " Mais Querido " !

  7. Roberval Junior disse:

    Esse negócio de marca própria é furada demais.

  8. realista disse:

    a loja é do ABC ? não é , quem fabrica é uma fábrica que pertence ao ABC ? não, então não é marca própria, e uma parceria com uma empresa que fabrica material esportivo.

Petrobras anuncia venda de campos de exploração de petróleo em águas rasas do RN (Polo Pescada)

 Foto: Bruno Vital/G1

A Petrobras assinou nessa quinta-feira (9) um contrato para a venda de toda a sua participação nos campos de Pescada, Arabaiana e Dentão, localizados em águas rasas da Bacia Potiguar (Polo Pescada), no estado do Rio Grande do Norte. Os campos serão vendidos à OP Pescada Óleo e Gás Ltda., empresa subsidiária da Ouro Preto Óleo e Gás S.A., que já tinha 35% de participação no negócio. A notícia é destaque no G1.

De acordo com a empresa, valor da venda é de US$ 1,5 milhão, que deverá ser pago em duas parcelas: US$ 300 mil na assinatura do contrato e US$ 1,2 milhão no fechamento da transação, sem considerar os ajustes devidos. Leia mais detalhes aqui em reportagem no G1.

China diz que empresa no Brasil suspendeu venda de carne por vírus

Foto: Pixabay

A China, principal importadora de carne do mundo, disse nesta terça-feira (23) que um exportador de carne bovina do Brasil e uma fábrica de carne suína no Reino Unido suspenderam voluntariamente exportações devido a infecções pelo coronavírus.

Muitos países exportadores, como Brasil e Estados Unidos, têm visto milhares de casos de covid-19, a doença respiratória causada pelo vírus, entre trabalhadores em fábricas de carnes.

A brasileira Agra Agroindustrial de Alimentos suspendeu voluntariamente exportações de carne bovina à China depois de uma infecção pelo vírus entre sua força de trabalho, disse a Administração Geral de Alfândegas da China em seu site.

Em um comunicado em separado na rede social Weibo, o departamento acrescentou que a britânica Tulip também suspendeu embarques de forma voluntária em sua fábrica de carne suína de Tipton, em West Midlands, devido a um surto de covid-19.

A China ampliou inspeções sobre importações de carne após uma nova série de infecções pelo vírus em Pequim ter sido associada a um grande mercado de alimentos na capital.

Na semana passada, as alfândegas chinesas pediram a exportadores que assinassem declarações de que sua produção estava livre de contaminação pelo vírus.

Reuters

 

FOTOS: Site que permite vender nudes cresce no Brasil e amplia mercado de ‘influencers do sexo’

Brasileiros que criaram perfis no OnlyFans (da esquerda): a ‘web-stripper’ Aurora, a youtuber Lu Cremonez, a ‘camgirl’ Thamires Moura, a atriz e modelo Iara Ferreira e o escritor Fabrício Viana — Foto: Reprodução / Instagram — Foto: Reprodução / Instagram e Arquivo Pessoal

Quem pedir “manda nude” agora pode ganhar de volta uma tabela de preços. A quarentena aumentou o sucesso de um site que já crescia ao permitir que uma pessoa venda o acesso às suas imagens: o OnlyFans.

É uma rede social em que o dono do perfil pode cobrar pelo acesso aos posts, em assinatura mensal ou venda avulsa. Funciona para qualquer conteúdo exclusivo, de músicas a aulas, mas basta entrar e ver que a maioria está ali para vender seus nudes.

O OnlyFans surgiu na Inglaterra em 2016, e ganhou “influencers do sexo” no vácuo das restrições de outras redes. Se no Instagram a nudez é barrada, na nova rede ela é livre e ainda rende dinheiro – tudo restrito a maiores de 18 anos com cadastro do site.

O nome virou pop. Beyoncé o citou na faixa “Savage”, com Megan Thee Stalion, lançada no dia 29 de abril.

“Na hora da maldade é capaz de ela criar uma conta no OnlyFans”, canta Beyoncé.

A socialite Blac Chyna tem o OnlyFans mais famoso nos EUA. Ela é ex-namorada do empresário Rob Kardashian, participou do programa de TV da família e até teve seu próprio reality. Hoje, cobra US$ 50 (cerca de R$ 245) pela assinatura mensal do seu perfil (cinco vezes mais que a média do site).

No Brasil, o OnlyFans tem um site mal traduzido. A página inicial se chama “Casa” e o botão para gorjetas se chama “Deixar dica” (tradução errada do inglês “tip”). Mesmo assim, ele cresce.

Explosão na quarentena

A busca na internet por “OnlyFans” no Brasil dobrou do meio de março, quando começou o período de isolamento social, ao início de junho. A empresa não divulga números, mas diz que o Brasil é um mercado em expansão. Já há 5 mil perfis brasileiros de “criadores de conteúdo” ativos.

Em outras redes sociais dá para ver que o site também virou assunto pop no Brasil. São comuns no Twitter piadas do tipo “se não conseguir pagar meus boletos, vou ter que criar meu OnlyFans”.

Mas quem são as pessoas que tiram a roupa no OnlyFans? E, com tanto conteúdo erótico gratuito na internet, como é que tem gente pagando por isso? O G1 conversou com cinco donos de páginas no site para entender.

Os perfis são diferentes, mas todos notam uma busca por intimidade: mais do que uma imagem sexual qualquer, os seguidores querem uma conexão com o tal nude.

De musa a professora de OnlyFans

Iara Ferreira — Foto: Reprodução / Instagram

Um exemplo de influencer que foi do Instagram ao OnlyFans é a catarinense Iara Ferreira. Com mais de 440 mil seguidores no Instagram, ela já foi musa da Acadêmicos do Tucuruvi, ganhou o concurso Musa do Brasil em 2017 e atua em pegadinhas de programas de TV.

“Nunca pensei em participar e até tinha um preconceito por quem tinha canal no OnlyFans”, diz Iara. Mas, durante a quarentena, ela diz que refletiu e mudou de ideia. “Cheguei à conclusão de que a opinião dos outros não importava para mim.”

Iara afirma que ganhou R$ 30 mil no primeiro mês com o canal. Isso pode dar uma falsa impressão de que o site gera dinheiro fácil. Mas ela tinha uma grande vantagem: a base de centenas de milhares de fãs no Instagram – os mais animados toparam pagar pelo conteúdo extra.

Agora, ela quer outra fonte de renda: está começando a produzir um curso para dar assessoria a pessoas que querem criar perfis no OnlyFans.

“A sociedade ia me julgar de qualquer forma, isso não mudou nada. O que mudou foi minha conta bancária”, diz Iara.

Escritor curioso

Fabrício Viana — Foto: Reprodução / Instagram

Fabrício Viana, 42 anos, é blogueiro e escritor, ligado ao universo LGBT de São Paulo. “Sempre gostei de falar sobre assuntos ligados a comportamento, psicologia e sexualidade. Percebi que muita gente estava criando um OnlyFans e resolvi criar”, ele diz.

Ele já notava a demanda antes de o site existir. “Há alguns anos eu via perfis em grupos de WhatsApp com anúncios do tipo ‘vendo meus vídeos eróticos’. Achava estranho. Mas a gente nunca julga. Com o OnlyFans, parece que a pessoas que faziam isso começaram a se profissionalizar.”

Fabrício encara os vídeos como experimento paralelo aos livros e ao blog. Diz que já ganhou US$ 184 (cerca de R$ 900), e ficou surpreso com a velocidade. A base antiga de leitores pode ter ajudado no resultado. Mas ele também notou como é um trabalho difícil.

“Como não é meu ‘ganha pão’, eu criei por criar, percebo que preciso dar mais atenção pras pessoas que se inscrevem, pagam e querem conteúdo atualizado”, relata.

‘Procuram também por companhia’

Thamires Moura — Foto: Arquivo Pessoal

Thamires Moura, de Angra dos Reis (RJ) tem 25 anos e é “camgirl”. Usar uma câmera em casa e cobrar individualmente para aparecer é uma saída comum na indústria erótica, desde que os grandes sites de vídeos gratuito tomaram o espaço de produtoras comerciais.

Com o nome Folgosa, ela foi atrás do público internacional. Fez o perfil em inglês, está estudando mais a língua, e achou seguidores fora do país. Ela usa o OnlyFans desde fevereiro e diz que o site já representa um terço de sua renda. A quarentena aumentou a demanda.

“Notei que durante esse tempo em casa muitos estão me procurando não apenas para interação sexual, mas também para uma companhia . Ate criei um plano de assinatura novo para fazer companhia através de mensagens e vídeos”, diz Thamires.

Ela montou um guia de beleza para mulheres fora do padrão, e vê no OnlyFans um espaço positivo. “Só será assinante aquele que se sentir atraído pelo biotipo, sem julgamentos e preconceitos. As mulheres têm que aprender a se amar e se valorizar. Hoje eu não sofro mais com esse ‘público limitado'”.

‘Web-stripper’

A paulistana Aurora, de 25 anos — Foto: Arquivo pessoal

“É como se fosse um Twitter. Eu já tenho Twitter há seis anos, mas é de graça. Agora eu tenho um pago. Posso postar o que eu quiser, na hora que quiser, e ainda ganho com isso”, diz a paulistana Aurora, de 25 anos.

Ela diz que 19 anos trabalha como “web-stripper”, como define. Nunca trabalhou com produtora de vídeos, o que é cada vez mais comum entre profissionais do mercado erótico. É cada um por si.

Ela abriu a conta no OnlyFans após fazer um ensaio no site Suicide Girls, aproveitando a repercussão das fotos. “Em um mês, a conta cresceu muito”, conta Aurora. “Está na moda, todo mundo usando”, ela resume.

Sonho da ‘Playboy’ própria

Lu Cremonez — Foto: Reprodução / Instagram

Lu Cremonez, 39 anos, é dançarina de uma banda de festas em Ribeirão Preto (SP), e tem um canal no YouTube chamado Papo Pink. Ao falar sobre a página no OnlyFans, cita um sonho que nunca realizou:

“Sempre tive vontade de sair em uma revista assim, com conceito, como “Playboy” ou “Sexy”. Mas esse meio é sempre por indicação. Então foi um jeito de fazer um trabalho que eu gosto e ganhar com isso.”

Lu pede para deixar claro que sua página tem “foco no sensual”. “Tem muitos que focam no ‘pornô’, até no sexo, porque lá pode colocar tudo, mas este não é meu foco”, ela explica. Os fãs que ela arrebanhou estão entre seus 22 mil seguidores no Instagram.

Para ela, o que atrai um seguidor a assinar um perfil mais íntimo no OnlyFans é o seginte: “saber como é essa pessoa que parece próxima no Instagram, mas ao mesmo tempo não é”.

G1

 

Ministro da Infraestrutura aposta no sucesso na venda de aeroportos

Foto: © Fernando Frazão/Agência Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse nesta segunda-feira (25) que aposta no sucesso do programa de concessões de aeroportos públicos à iniciativa privada. Para o ministro, o projeto de transferir os 43 terminais hoje administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) à iniciativa privada não será afetada pelas consequências econômicas da pandemia da covid-19.

“Por mais surpreendente que possa parecer, digo que nós vamos arrebentar na venda de aeroportos”, disse Freitas durante seminário virtual com investidores do banco Santander, realizado esta manhã (25).

“[Vai ter quem diga] “Como assim? O mercado aéreo parou e vocês vão vender aeroportos?”. E eu respondo, vamos. E vamos vender pra caramba. Vamos vender muito. Vamos vender os 43 aeroportos. Por uma razão simples, ousadia”, disse o ministro, destacando que a oferta brasileira atrairá investidores estrangeiros em busca de boas oportunidades de negócios.

“Todo mundo está tirando aeroportos da praça e nós vamos colocá-los. Seremos praticamente vendedores exclusivos no mundo. Nossos ativos são excelentes e o setor vai retomar [as atividades]”, disse Freitas, acrescentando que, “além de oportunidades atrativas não só em aeroportos, mas em toda a infraestrutura nacional, o Brasil vem criando as condições para oferecer maior segurança aos negócios”.

“Lógico que [o setor aéreo] é o mais atingido pela crise e é o mais vulnerável a uma questão comportamental, mas tanto nós [o governo], quanto as empresas aéreas, vamos vir com os protocolos, os procedimentos de segurança e, então, aos poucos, o movimento vai ser retomado”, apostou Freitas, garantindo que o governo vai extinguir a obrigatoriedade de que 15% do capital do grupo econômico que assuma um aeroporto pertença a uma empresa aeroportuária.

“Vamos acabar com a restrição, permitindo que qualquer um possa operar um aeroporto com o suporte de um operador aeroportuário. Isto abre espaço para os fundos de investimento, fundos de pensão, fundos soberanos. O que já está repercutindo bem no mercado”, disse o ministro, confirmando a realização da sexta rodada de concessão para o primeiro trimestre de 2021, provavelmente, para o dia 21 de março.

Ofertas

A previsão é ofertar, na sexta rodada, 22 aeroportos agrupados em três blocos regionais com as configurações Bloco Sul: aeroportos de Curitiba; Foz do Iguaçu (PR); Londrina (PR); Bacacheri (PR); Navegantes (SC); Joinville (SC); Pelotas (RS); Uruguaiana (RS) e Bagé/RS. Bloco Central: aeroportos de Goiânia; Palmas (TO); Teresina (PI); Petrolina (PE); São Luís (MA) e Imperatriz (MA). Bloco Norte: aeroportos de Manaus; Tabatinga (AM); Tefé (AM); Rio Branco e Cruzeiro do Sul (AC); Porto Velho e Boa Vista.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), antes da crise causada pela pandemia, esses terminais respondiam pela movimentação de 11% de usuários de transporte aéreo. Em 2019, foram 23,9 milhões de embarques e desembarques.

“E já na sequência a gente vem com os aeroportos da sétima rodada, como Congonhas (em SP) e Santos Dumont (no Rio de Janeiro). Quem vai deixar de fazer negócios em Congonhas ou no Santos Dumont? Na Rodovia Presidente Dutra? No Porto de Santos? Então, temos portfólio, excelentes artigos e sofisticação na estruturação [dos contratos], pela forma como estamos tratando o risco, de forma cada vez mais equilibrada”, acrescentou o ministro, citando outros setores além do aeroportuário para reforçar as razões de seu otimismo.

“Estamos muito confiantes. E essa confiança não é desarrazoada. Ela nasce das conversas que temos tido com os investidores. Sabemos que estamos no caminho certo e vamos começar a perceber isso com os primeiros leilões bem-sucedidos. E vamos caminhando a passos lentos para atingir nossa meta de R$ 239 bilhões”, disse Freitas, garantindo que não faltará linhas de créditos. “Há que se ressaltar que não vai faltar crédito para a infraestrutura. A própria iniciativa do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] de atuar na questão das garantias, nesse momento em que o banco está fornecendo linhas de crédito para os diversos setores atingidos, preserva parte do capital para esses projetos de infraestrutura”.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão pagador de impostos disse:

    Vender qualquer bem público nesse momento é um ato criminoso. Vai vender a preço de banana

  2. Luiz disse:

    E essa bucha de São Gonçalo? Sinceramente, tenho pena de quem comprar aquele elefante branco.

Governador do Piauí anuncia ‘lei seca’, proibição da venda de bebida alcoólica, e medidas mais rígidas de combate à Covid-19

Wellington Dias — Foto: TV Clube

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), anunciou no começo da tarde desta quarta-feira (13), em entrevista à TV Clube, novas medidas, mais rígidas, de combate ao coronavírus.

Entre elas, a ‘lei seca’ a partir desta sexta-feira (15), às 0h, proibindo a venda de bebidas alcoólicas em todo o estado. A comercialização fica restrita até o domingo (17).

Além da ‘lei seca’, Wellington Dias citou outras medidas mais rígidas que começam a valer a partir de sexta-feira, dia 15 de maio, e valem até o domingo, dia 17. São elas:

Suspensão do transporte intermunicipal

Novos horários de funcionamento para postos de combustível (ainda não anunciado)

Serviços de borracharias com regras de higiene e funcionamento

Bancos e lotéricas fechados

Obras de construção civil, exceto emergenciais, paradas

Barreiras nas divisas com regra de quarentena. Quem vier de outro estado ao Piauí, terá que ficar em isolamento, acompanhando por órgãos de saúde, e fazer testes de Covid-19.

Wellington explicou que o Piauí não terá, “nesse instante”, o lockdown, o bloqueio total de circulação de pessoas, uma medida mais rígida que o isolamento social. “Queremos uma oportunidade para uma alternativa intermediária, antes de uma medida como essa, do para tudo. Estamos dialogando com os prefeitos”, explicou Dias.

As novas medidas anunciadas nesta quarta, segundo o governador, devem frear o crescimento de Covid-19 no estado. São mais de 1.600 casos confirmados, com uma estimativa de 17 mil infectados, segundo uma pesquisa por amostragem, e 57 mortes.

“O objetivo é que estamos um crescimento do coronavírus, tivemos um isolamento que caiu 10 pontos (percentuais), são 180 mil pessoas a mais transitando. Queremos reduzir, ter menos 200 mil pessoas transitando, e elevar o Piauí para mais de 50% de isolamento social”, comentou Wellington, ao detalhar as novas medidas.

“Isso para ter menos propagação do coronavírus, menos pessoas adoecendo que demandam os hospitais. Chegamos nessa semana a 47% da nossa capacidade ocupada de UTI, acendeu a luz amarela. Não queremos entrar em colapso”, continuou.

Lei seca

Wellington explicou que a venda de bebida no Piauí deve reduzir a quantidade de acidentes, que têm lotado as UTIs dos hospitais. “Bares que vendem (bebida alcoólica), pessoas que se aglomeram, que estavam transitando bêbadas, entupindo as UTIs de saúde. Nesse caso, será tratado como crime. Isso nós vamos coibir”, argumentou o governador, sobre os motivos de decretar a lei seca no período.

Transporte intermunicipal suspenso

Além disso, Wellington também anunciou a suspensão do transporte intermunicipal. O transporte intermunicipal também está proibido a partir de sexta, dia 15 de maio.

“Sexta, sábado e domingo não haverá ônibus saindo de qualquer lugar do Piauí de uma cidade para outra, vamos fazer essa interdição. Somente as ambulâncias, transportes de abastecimento de carga serão permitidos”, explicou Wellington Dias.

Serviços essenciais

Wellington afirmou que na sexta, sábado e domingo haverá uma restrição dos serviços essenciais. “Farmácias, panificadores, supermercados funcionam. Postos de gasolina nós vamos restringir os horários. Borracharias vamos fazer regramento quanto à higienização. Outros serviços param: bancos, loterias e áreas da construção civil, exceto obras emergenciais”, disse.

Há também um estudo sobre a possibilidade de rodízio em algumas cidades de acordo com a placa do veículo. Na terça, quinta e sábado, apenas placas com o final ímpar. Na segunda, quarta e sexta, apenas placas com o final par podem circular.

Decretos determinam distanciamento social

Para evitar a contaminação pelo vírus, o isolamento social e medidas emergenciais foram determinadas por meio de decretos do governo do estado e das prefeituras, como na capital piauiense, para que a população fique em casa e evite ao máximo ir às ruas.

Policiais fazem abordagens nas fronteiras do estado a ônibus e veículos particulares. Escolas, universidades e a maior parte do comércio, assim como serviços públicos, suspenderam as atividades. Os decretos preveem que quem descumprir as regras pode ser penalizado com multa ou até prisão.

Com G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luca disse:

    Absurdo. O Governador do Piaui agora vai legislar sobre matéria penal, usurpando matéria reservada a União? E ainda, como a quantidade de acidentes está aumentando com o isolamento social de quase 50%? As justificativas para o decreto são pífias. O judiciário precisa ser provocado para assegurar o exercício das liberdades individuais. Caso contrário, não demora para que seja regulado até o que se vai comer e beber.

  2. Antonio Turci disse:

    Senhor Francisco, é isto mesmo que a esquerda quer: restringir a liberdade dos cidadãos,inclusive a liberdade de pensar. Estes "princípios" estão bem claros nos "ensinamentos" de Marx, Lênin, Stalin, Gramsci et caterva.

  3. Paulo Roberto disse:

    Francisco, deixamos de ser uma Federação, acho que somos mesmo uma esculhambação.

  4. Chico disse:

    Vcs não terão mais direitos, só permissões.
    Prometeram que iam botar só Têca, vão acordar com Nenhuma.

  5. Francisco Alves disse:

    A Constituição Federal foi para o esgoto. Não tarda vão tentar proibir o cidadão de pensar.

    • Chico disse:

      O argumento do "eu queria que fossse com alguém da sua família" serve para: a) censurar; b) prender; c) tirar o seu ganha-pão; d) tirar os bens que vc adquiriu; e) lhe privar de tomar decisões de caráter familiar. Tudo o que os autoritários querem (sim, e de quebra, tirar uma boa grana de isso tudo).

Polícia Militar fecha ponto de venda de drogas em Mãe Luiza

Foto: PM/ASSECOM/REPÓRTER: CB GLAUCIA

Na madrugada desta segunda-feira (27), policiais militares do 1° Batalhão de Polícia Militar realizaram a prisão de um homem de 31 anos por suspeita de tráfico de drogas e receptação no bairro Mãe Luíza, zona Leste de Natal.

Por volta de 1 hora da madrugada, os militares receberam uma denúncia sobre um possível ponto de comercialização de drogas no bairro de Mãe Luíza, em Natal. Durante a averiguação, os militares visualizaram um homem de 31 anos em frente ao local indicado.

No local indicado na denúncia, os policiais encontraram três porções de substância análoga ao crack e R$ 67,00 em dinheiro fracionado, além de duas telas e dois teclados de computadores, um notebook, uma CPU, um celular iphone e três celulares, quatro relógios de pulso, e três cadernos utilizados para fazer a contabilidade da traficância.

Conforme os policiais, o homem é suspeito de crime de tráfico de drogas e de receptação, uma vez que possuía vários objetos sem a comprovação da propriedade e que possivelmente eram produto de crime e foram recebidos como pagamento pela venda de drogas e entorpecentes.

Com a constatação dos ilícitos penais, o suspeito foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil para a realização dos procedimentos legais quanto à confecção do Auto de Prisão em Flagrante Delito.

http://www.pm.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=229905&ACT=&PAGE=&PARM=&LBL=NOT%CDCIA

Anvisa aprova a venda do primeiro produto à base de maconha no país

FOTO: ISTOCK

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou o registro do primeiro produto à base de Cannabis no país.

O óleo composto por canabidiol poderá ser vendido em farmácias apenas com receita médica de controle especial do tipo B, cuja numeração é fornecida pela vigilância sanitária local. De cor azul, esse tipo de receita é geralmente indicada para psicotrópicos e deve ser renovada a cada 60 dias.

A autorização foi publicada nesta quarta-feira (22) no Diário Oficial da União.

Esse é o primeiro registro concedido pela agência desde que o órgão aprovou uma regulamentação que abre espaço para venda de produtos à base de Cannabis nesses locais, com base em alguns critérios. A agência criou uma nova categoria de produtos à base da planta, diferente da usada para medicamentos.

O produto é um fitofármaco à base de canabidiol, componente da Cannabis que tem efeito terapêutico para alguns quadros.

A concentração de THC, substância também alvo de estudos e conhecida por “dar barato”, é de menos de 0,2%.

A autorização da agência prevê que ele seja prescrito para casos em que não há outras alternativas de tratamento com resultado satisfatório. A lista de doenças não foi informada.

A fabricante é a empresa Prati-Donaduzzi, de acordo com os dados do registro. Ainda não há previsão de quando o produto deve ser ofertado no mercado e qual será o preço. ​

A Prati-Donaduzzi afirma que, por não ter estudos clínicos concluídos, o óleo não é um medicamento, mas um produto indicado para quadros específicos.

Atualmente, o país tem apenas um medicamento aprovado à base de Cannabis. Trata-se do Mevatyl, indicado para tratamento de espasmos em pacientes com esclerose múltipla. Ele tem uma concentração um pouco maior de THC em relação ao canabidiol, e tem custo de cerca de R$ 2.000.

A resolução que dá espaço à venda de produtos derivados da Cannabis no país que não entram na categoria de medicamentos foi aprovada em dezembro de 2019.

Na época, diretores da agência chegaram a analisar a possibilidade de dar aval ao cultivo da planta para pesquisa e produção de medicamentos, mas a proposta foi rejeitada por três votos a um.

Em contrapartida, diretores aprovaram uma regulamentação para oferta desses produtos para uso medicinal.

Desde então, empresas interessadas em desenvolver ou importar esses produtos para venda podem solicitar registro à agência, para venda mediante apresentação e retenção de receita. Sem aval para o plantio, no entanto, é necessário importar substratos de matéria-prima ou o produto finalizado.

O tipo de receita e indicação varia conforme o produto —aqueles com concentração de THC acima de 0,2% só podem ser prescritos a pacientes terminais ou que esgotaram alternativas de tratamento e com receita tipo A, igual à usada para morfina. A venda em farmácias de manipulação é proibida.

A embalagem desses produtos deve conter uma faixa de cor preta e alertas específicos, que variam conforme a concentração de THC.

Segundo a Anvisa, a análise do pedido da Prati-Donaduzzi durou 42 dias, tempo que envolveu a apresentação de dados pela empresa até a elaboração de parecer da equipe técnica.

Folha de SP

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Papa Jerry Moon disse:

    Cachaça mata mais e apesar disso ninguém fica com essa vergonha toda.

  2. Zé Ninguém disse:

    Vai aparecer o gado falando que a culpa é de Lula e do PT. Mas parece que sendo no mundo da Bozolandia, tudo pode, nada tem problema e a culpa não é do MICO. Cadê o MICO? Na terra do Galego Doido (USA) está tudo liberado. Pode andar armado e ainda com o baseado no bolso ou na mente. "Quem não tem colírio usa óculos escuro". KKKKKK.

  3. Tarcísio Eimar disse:

    Vai servir pra cura do corona

  4. Antonio Turci disse:

    VERGONHA VERGONHA VERGONHA VERGONHA VERGONHA VERGONHA VERGONHA. A juventude brasileira não merece isto. VERGONHA

  5. Claudercio disse:

    Isso é uma vergonha!

    • Tiba disse:

      Vc é médico, cientista ou especialista na area? se não for vai arrumar uma lavagem de roupa, queria ver uma familiar seu precisar tomar um medicamento desse de urgência e vc ser contra.

  6. Neco disse:

    Antes que os maconhistas (maconheiros ideológicos) apareçam:
    Tem zilhões de substâncias medicamentosas oriundas de derivados do petroleo.
    Quer beber petróleo?

Em busca de receitas financeiras, ABC revive final do Estadual 2007 e venda de “ingressos” para jogo no domingo segue disponível

Foto: Divulgação

“Devido a pandemia que afeta o mundo todo, as receitas financeiras diminuíram consideravelmente dentro do ABC. Sendo assim, em uma campanha idealizada e realizada pela torcida, em parceria com o Departamento de Marketing, vamos reviver a decisão do Campeonato Potiguar 2007 e ajudar o ABC Futebol Clube nesse momento difícil”, convoca alvinegro potiguar em seu site.

Durante toda a semana, o alvinegro vem criando uma expectativa REAL daquele jogo histórico, com direito a chamadas para o jogo, vídeos dos jogadores que atuaram na partida, organização das torcidas organizadas e tudo que essa final tem direito. O jogo será transmitido no dia 19 de abril, às 14h, na TVABC (YouTube).

As doações “ingressos” já estão disponíveis no site da FutebolCard e todo o arrecadado será destinado ao clube, com fiscalização das torcidas Movimento 90, Garra Alvinegra e Camisa 12. Acesse https://bit.ly/3eh9UIZ e adquira já o seu “ingresso”.

“Divulgaremos todo o arrecadado e para onde o dinheiro vai ser utilizado no dia 23 de abril, às 21h, nas nossas redes sociais.Com a força da Frasqueira e com muita transparência, vamos conseguir os nossos objetivos! Participe!”, finaliza o texto.

Com informações do ABC

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Filho disse:

    O abc vai mostrar a reprise da decisão do centenário?

  2. José N. Filho disse:

    Nesse período instituições e organizações têm feito muitas campanhas para ajudar necessitados.
    O ABC está fazendo também sua campanha. Lógico, para ajudar a ele mesmo.

  3. José Francisco disse:

    Já comprei 5muito

  4. Zezim disse:

    Vai passar alguma reprise de algum jogo ABC na série A? Esse eu quero assistir pq nunca vi.
    Kkkkkk

  5. Realista disse:

    Esse clube aí está com os dias contados pra acabar !!!!!!!!
    Já era !!!!!!!!!!

    • Verdadeiro realista disse:

      Calma, pakita! Ganharemos mais um título, ainda este ano!!! Imagine em cima de quem…

    • joao maria varela silva disse:

      e verdade e agora vem com essa de ser campeao 2020 sem sua acamisa so pode se chama de time gigolo e gigolo de preto caso aconteça eu como torcedor irei a justiça comun joao mecao ou jmvs

    • .40 disse:

      As pakitas estão loucas. Calma meninas.

    • Edu disse:

      Será que o mequinha vira? Vira a Kombi kkkķkk vai ser peeeeia de novo, vamos comprar o ingresso galera da maior do RN.

    • ABC O MAIOR CAMPEÃO . disse:

      HA cinco anos que não perdemos no salão de festa, as maiores peias foram:
      ABC 4 x 0 Pakitas
      ABC 4 x 1 Pakitas Rosadas.
      Outras goleadas no Frasqueirao:
      ABC 5 x 2 Pakitas.
      ABC 4 x 2 Pakitas
      ABC 7 x 0 Pakitas Rosadas.
      O Freguês tem razão.

Combate Covid-19: Fábricas só vão poder vender respiradores para a União

A União está requisitando todos os respiradores e outros insumos no país. Com a medida, as fábricas só vão poder vender para União, tanto o que já tem estoque como o que será produzido para os próximos seis meses.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sandra disse:

    Isso é uma medida oficial?
    Se alguns municípios quiserem comprar direto aos fornecedores pode?

  2. Humberto disse:

    Boa ideia, mas o controle deverá ser severo.

    Nesta hora i capitalismo não deve prevalecer.

TRT-RN assegura R$ 8,8 milhões da venda do Papi para pagamento de indenizações trabalhistas

Foto: Divulgação

Será agendada para o mês de abril a primeira audiência no Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) para tratar do pagamento dos mais de 700 ex-funcionários do antigo Hospital Papi, que foi vendido pelo valor de R$ 18,9 milhões, ontem (12), por meio da Justiça do Trabalho. Desse valor, o Tribunal assegurou R$ 8,8 milhões para o pagamento de indenizações trabalhistas.

A propriedade foi adquirida pela Firma Participações Hospitalar LTDA, pertencente ao grupo do Hospital Rio Grande, também em Natal, possibilitando a continuidade da atividade fim.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Patrício Júnior disse:

    Quero ver o TRT conseguir pagar os precatórios dos servidores estaduais.
    Tem gente na fila a mais de 10 anos e todo acordo firmado com o governo estadual é desrespeitado e fica por isso mesmo. Quero ver o TRT conseguir bloquear recursos das contas do governo como a justiça comum faz. Qual a razão do TRT nunca consegue pagar os precatórios do governo e a fila só aumenta?

Dona da Amil, que possui a Promater em Natal, negocia a venda de hospitais no Nordeste

A UnitedHealth, grupo americano de saúde dono da Amil, está negociando a venda de seus hospitais localizados no Nordeste e a carteira de planos individuais. O objetivo é vender todos esses ativos num só pacote, segundo o Valor apurou.

Ainda segundo fontes, a Unimed Fortaleza tentou comprar o Hospital Monte Klinikum, no Ceará, mas as conversas não avançaram porque a cooperativa médica não tinha interesse na carteira individual da Amil. Na negociação, a Amil chegou a oferecer a carteira de planos corporativos da região.

O BTG Pactual foi contratado para buscar compradores para os ativos da UnitedHealth. A informação foi antecipada pelo colunista Lauro Jardim, de “O Globo”.

No Nordeste, o grupo possui também os hospitais Santa Joana, em Recife (PE), e a Promater, em Natal (RN). A Amil não conseguiu deslanchar nessa região do país e há alguns anos desacelerou os investimentos locais. Atualmente, a operadora tem cerca de 280 mil usuários nos nove Estados do Nordeste – esse volume representa menos de 10% da base. A operadora conta com um total de 3 milhões de usuários de convênios médicos em todo o país.

Deste volume total, quase 500 mil usuários são de planos individuais, modalidade que gera prejuízo para a Amil. A maior parte das operadoras não tem interesse nessa modalidade, com o argumento de que o reajuste é controlado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Já os hospitais são, atualmente, um ativo bastante valorizado no setor de saúde devido à expansão das operadoras verticalizadas – que contam com rede própria de clínicas e hospitais – e ao interesse de investidores e fundos em montar holdings de serviços hospitalares.

Procurada pelo Valor, a UnitedHealth informou que não comenta rumores do mercado.

A venda de ativos é uma tentativa do grupo recuperar seus negócios no país. No ano passado, a Amil perdeu 480 mil usuários.

Desde que desembarcou no Brasil em 2012 para adquirir a Amil, a UnitedHealth não viu a operadora ter grandes resultados. Entre 2013 e 2016, acumulou perdas de mais R$ 720 milhões. Os ganhos obtidos em 2017 e 2018, de R$ 62 milhões, não compensaram os prejuízos. No ano passado, a matriz trocou a presidência e principais diretores da companhia, que fatura cerca de R$ 20 bilhões por ano.

Valor

Fabricação e venda de produtos derivados da cannabis entram em vigor

Foto: Divulgação/Polícia Federal

Entra em vigor nesta terça-feira (10) a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que regulamenta a fabricação, importação e comercialização de produtos derivados da cannabis para fins medicinais. A norma foi aprovada em dezembro do ano passado. A íntegra está disponível no site do órgão.

O produto estará disponível somente em farmácias sem manipulação e em drogarias. Para a compra, o paciente deverá ter uma receita fornecida exclusivamente por um médico. Os produtos devem ter teor de THC de até 0,2%. Acima desse patamar, o uso só poderá ser prescrito a pacientes terminais que tenham esgotado outras formas de tratamento visando a cuidados paliativos.

A entrada no mercado só poderá ocorrer mediante autorização da agência, que avaliará os pleitos de laboratórios e empresas com vistas à atuação nessa área e fornecerá uma autorização sanitária, e não um registro, permitindo a oferta.

Cannabis é um elemento encontrado nas plantas de maconha. Os produtos derivados não serão considerados medicamentos, mas uma categoria específica. A resolução da Anvisa abriu perspectivas de comercialização dessas substâncias, demandadas para o tratamento de doenças neurológicas diversas, da dor crônica ao parkinson.

Elas não são consideradas medicamentos porque, segundo a Anvisa, “não há dados suficientes para a comprovação da segurança, eficácia e qualidade da maior parte dos produtos obtidos”. Por isso, a liberação se deu levando em consideração informações sobre o emprego desses elementos em tratamentos em outros países, como Alemanha, Estados Unidos, Canadá e Israel.

O uso de medicamentos derivados de cannabis já pode ser solicitado à Anvisa desde 2016, mas a análise se dá caso a caso e demanda a aquisição de um produto no exterior, o que encarecia o acesso a esse tipo de terapia. Na resolução que entra em vigor hoje, a agência diferencia os produtos dos medicamentos à base de cannabis.

Exigências

A autorização sanitária será fornecida apenas para substâncias de aplicação pelas vias nasal e oral. Não cabem aí, por exemplo, aquelas de consumo sublingual ou por inalação.

A resolução veda a comercialização do que chama de “forma de droga vegetal da planta ou suas partes, mesmo após processo de estabilização e secagem, ou na sua forma rasurada, triturada ou pulverizada, ainda que disponibilizada em qualquer forma farmacêutica”. Também são proibidos cosméticos, cigarros e outros fumígenos e alimentos à base de cannabis.

Para solicitar, a empresa deve ter autorização de funcionamento da Anvisa, podendo ser nacional ou internacional. Em caso de importação, será necessário comprovar que o produto é legalizado no país de origem, com documento da autoridade competente local.

Firmas nacionais ficam impedidas de promover o cultivo no Brasil, podendo, em vez disso, trazer de fora matéria-prima semielaborada para a fabricação dos produtos processados no país.

Para integrante da Comissão de Assuntos Regulatórios da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e ex-integrante do Conselho Nacional de Drogas Rodrigo Mesquita, a nova regulação consolida o valor medicinal da cannabis, amplia as possibilidades de acesso por parte dos pacientes e permite que empresas explorem esse mercado no país.

Contudo, o impedimento do cultivo no Brasil dificulta o desenvolvimento de uma indústria nacional e de pesquisas com a cannabis, além de influenciar os custos, uma vez que demanda a importação doe insumos. “Isso terá impactos bastante perceptíveis no preço, pois os extratos brutos deverão ser importados para então serem fabricados aqui. Fica uma cadeia produtiva limitada e dependente de outros mercados, o que afeta o preço final e o acesso”, comenta.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Toni disse:

    DE TANTO FALAAAA……. JA TO FICANDO DOIDÃOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!OPSSSSSSSS!!!!!!!!!!!HAHAHAHAHAHAHH!!!!!!!!!!!!!!OLHA LA E UM DUENDE!!!!!!!!!!!!!!

STF libera venda de cerveja em estádios de futebol

Foto: Reprodução UOL

O plenário do Superior Tribunal Federal (STF), em julgamento virtual encerrado ontem (5) decidiu que é constitucional uma lei estadual que autoriza a venda de bebida de baixo teor alcoólico em recintos esportivos e criou inédita jurisprudência sobre o tema. Na prática, isso significa que novos estados poderão autorizar a venda de cerveja em estádios de futebol sem argumentar que isso é inconstitucional, como fez o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Por enquanto, a venda só está autorizada, porém, em estados que têm legislação específica sobre o tema. O STF, porém, ainda deve discutir o tema no plenário físico. A íntegra da decisão ainda não foi publicada.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria suvaqueira disse:

    Deviam proibir a polícia de dar guarda aos estádio, o povo é soberano, vai quem quer, e corre o mesmo risco de beber cerveja. Não usar dinheiro que poderia está sendo investido pra coibir assaltos, roubos, assassinato de pessoas inocente, pra gastar cuidando de vândalos dos estádios. Quem quiser ir pra essa bagunça de estádio, assuma os riscos, foda-se.