Polícia

Polícia Federal abre inquérito contra seleção argentina

Foto: Alexandre Schneider/Getty Images

A Polícia Federal abriu inquérito para apurar se quatro jogadores da Seleção Argentina falsificaram documentos com o intuito de facilitar a entrada no país. A investigação formal tem início depois que agentes da Anvisa interromperam ontem (5) o clássico entre Argentina e Brasil, na Neo Quimica Arena, em São Paulo, válido pelas Eliminatórias.

Após a paralisação, a partida de futebol acabou sendo suspensa pela Conmebol. Segundo o órgão de fiscalização brasileiro, que tem autonomia para exercer a função independentemente de interesses de terceiros, os atletas descumpriram normas sanitárias e deveriam ser deportados.

Policiais federais apuram se os argentinos cometeram ou não o crime de falsidade ideológica. O inquérito, em fase inicial, se baseia em informações da Anvisa e da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo.

Quatro jogadores —o goleiro Emiliano Martínez, o zagueiro Cristian Romero, o volante Lo Celso e o meia-atacante Emiliano Buendía— teriam omitido na declaração de entrada no país o fato de que passaram pelo Reino Unido nos últimos 14 dias. Os quatro atuam em times ingleses.

De acordo com as normas em vigor, viajantes oriundos do Reino Unido precisam passar por um período de quarentena tão logo cheguem ao Brasil. A medida foi tomada em razão do avanço da contaminação pela variante Delta do covid-19 no país europeu. Caso os atletas tivessem prestado informações verdadeiras no formulário exigido pela Anvisa, os mesmos não teriam condições de entrar em campo no jogo contra o Brasil, ontem.

A Polícia Federal também informou ter notificado a delegação da Argentina a respeito da necessidade deportação —procedimento padrão em situações de descumprimento de regras sanitárias. No entanto, a sanção ainda não foi executada e os quatro atletas ainda devem ser ouvidos formalmente no curso do inquérito.

UOL

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

CASO ‘VOZ DE PRISÃO’: Associações de delegados repudiam conduta de advogados em Natal e anunciam medidas para ‘coibir novos abusos’

A Associação de Delegados de Polícia Civil do Rio Grande do Norte (Adepol/RN) e a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), vêm a público repudiar a conduta de três advogados que, na noite de ontem (26.08.21), causaram enorme tumulto, expuseram servidores policiais em redes sociais e chegaram ao absurdo de cercear a liberdade de uma Autoridade de polícia judiciária, sob uma infundada voz de prisão em flagrante que, por óbvio, não foi cumprida, pois não havia crime configurado.

As entidades de classe nominadas sempre primaram pelo respeito às prerrogativas dos advogados. Entretanto, não se pode aceitar que, a pretexto de defender tais prerrogativas, qualquer pessoa, especialmente advogados, exponham de forma acintosa uma autoridade policial, no exercício regular de suas funções, imputando-lhe graves acusações.

No caso em tela, a advogada acusou uma delegada de polícia judiciária de cometer o crime de abuso de autoridade. Este crime, para ser configurado, exige dolo específico, previsto em lei, requisito que não foi observado pela causídica. Vale destacar que a tomada de declarações das constituintes da advogada foi dispensada, até ulterior deliberação, sendo informado um prazo para análise do pedido.

Ademais a própria Lei nº 13.869/2019 é absolutamente clara ao dispor que a divergência de interpretação não configura abuso de autoridade. Eventuais abusos e excessos, se ocorrerem, devem ser adequadamente repreendidos pela jurisdição e corrigidos administrativamente, na forma da lei, sendo absurda e ilegal a tentativa de criminalizar, expor a imagem e atacar a honra de uma autoridade policial por divergência no tocante à interpretação da lei, fatos ou provas.

Ao divergir do entendimento da Delegada, os advogados enveredaram por caminho estranho ao meio jurídico. Lamentamos, portanto, que estes profissionais, que deveriam primar pelo devido processo legal, tenham optado pelo achincalhe e exposição pública em uma unidade de polícia investigativa, tumultuando as investigações e visando, aparentemente se promover nas redes sociais.

As entidades signatárias são e sempre serão intransigentes na defesa das prerrogativas dos Delegados de Polícia Judiciária e reiteram que a degradação de um profissional no exercício da função não se coaduna com a grandeza do munus público que exerce advocacia. Desta forma, não pode ser aceitar, tampouco se tornar costumeiras tais condutas, sob pena de macular a relação sempre respeitosa que deve existir entre advogados e policiais. Noticiamos que tal fato não passará incólume e as medidas judiciais cabíveis serão adotadas, a fim de coibir novos abusos.

Natal/RN, 27 de agosto de 2021.

Taís Aires T. M. da Costa
Presidente da Adepol/RN

Polyana Pimenta
Diretora Regional da ADPF/RN

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: Polícia Federal faz maior apreensão de criptomoedas da história: R$ 150 milhões

A Polícia Federal realizou, nesta quarta-feira (25), a maior apreensão de criptomoedas da história. De acordo com a PF foram apreendidos R$ 150 milhões em criptoativos, que serão liquidados e ficarão à disposição da justiça.

Durante o cumprimento dos 15 mandados de busca e apreensão, também foram apreendidos cerca de R$ 19 milhões em espécie, além de 21 veículos de luxo, relógios de alto padrão, jóias, valores em moeda estrangeira e documentos.

A operação Kryptos, que investiga um suposto esquema de pirâmide financeira, prendeu 5 pessoas. Entre elas, Glaidson Acácio, proprietário de uma consultoria em bitcoins no município de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Glaidson foi preso em uma mansão na Barra da Tijuca, Zona Oeste da capital fluminense.

Segundo as investigações, ele é suspeito de movimentar bilhões em um suposto esquema de pirâmide financeira, cuja promessa era de retorno de até 15% do valor investido pelos clientes. Além do Rio, as prisões aconteceram em Cabo Frio e duas no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

Em nota à imprensa, a defesa de Glaidson Acácio informou que “está ciente da prisão e até o momento sem acesso ao conteúdo das investigações”.

A CNN apurou que Glaidson passará por audiência de custódia nesta quinta-feira (26).

Confira na íntegra a nota da defesa de Glaidson Acácio:

“A defesa de Glaidson Acácio está ciente da prisão e até o momento sem acesso ao conteúdo das investigações. Apenas após a devida análise de toda documentação é que poderemos nos manifestar de forma concreta.”

CNN Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Delegado é encontrado morto dentro da sede da Polícia Federal em Caxias do Sul

Foto: Reprodução/RBS TV/Sindpf-PR/Divulgação

O delegado Gastão Schefer Neto, de 48 anos, foi encontrado morto na sede da Polícia Federal (PF) de Caxias do Sul, na Serra do Rio Grande do Sul, nesta segunda-feira (9). De acordo com a assessoria da PF, o caso está sendo tratado como suicídio.

A investigação sobre as circunstâncias do óbito ficará a cargo da própria instituição, já que o óbito ocorreu dentro de uma delegacia.

Natural do Paraná, Schefer estava trabalhando em Caxias do Sul desde o final de junho.

Em 2020, o delegado foi chefe de gabinete da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Dois anos antes, em 2018, Gastão Schefer Neto incitou uma confusão contra apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em Curitiba, de acordo com a Polícia Militar (PM) paranaense. O delegado teria empurrado e derrubado equipamentos de som de um acampamento, quando Lula estava preso na Superintendência da PF. Na época, tanto o agente quanto os apoiadores do ex-presidente chegaram a registrar boletim de ocorrência na Polícia Civil.

Gastão Schefer Neto concorreu ao cargo de deputado federal pelo Paraná duas vezes. Em 2018, pelo PSL, recebeu 4.670 votos. Já em 2014, pelo PR (hoje PL), o delegado conquistou 23.239 votos. Em ambas as ocasiões, não foi eleito.

Nas redes sociais, sindicatos de delegados e policiais federais do Rio Grande do Sul e do Paraná lamentaram a morte de Schefer.

Nota do Sindicato dos Policiais Federais do RS

“O SINPEF/RS comunica, com profundo pesar, o falecimento do DPF GASTÃO SCHEFER NETO, lotado na SR/PF/PR, durante missão na Delegacia de Caxias do Sul/RS. Ele foi empossado em 2002 na PF como Escrivão, com lotação em Caxias. Nossas condolências à família e aos amigos neste momento de dor.”

Nota do Sindicato dos Delegados da PF no PR

“Neste momento de dor, nos solidarizamos em oração para que Deus conforte o coração de sua família e amigos neste momento difícil.”

G1

Opinião dos leitores

  1. Os próprios agentes de segurança não têm condições psicológicas de portar uma arma. Imagine os civis que querem porte liberado?

    1. País desarmado vira baderna, ninguém respeita ninguém, nem o espaço do outro, muito menos mantém a palavra, e pessoas assim não fazem falta ao mundo porque viram obstáculo da boa convivência. Então tem que ser feito uma limpeza, depois da limpeza, vira uma nação harmônica e de fácil convivência.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS E VÍDEOS: Polícia Federal entra em jatinho no aeroporto de Fortaleza e apreende mais de uma tonelada de cocaína

Fotos: Divulgação/Reprodução/PF

A Polícia Federal prendeu duas pessoas e apreendeu mais de uma tonelada de cocaína em um jatinho executivo na manhã desta quarta-feira (4) no aeroporto de Fortaleza. Um passageiro espanhol e o comandante, turco, foram presos preventivamente e outros três tripulantes estão sendo interrogados como testemunhas. (VÍDEOS AQUI em texto na íntegra).

Conforme a Polícia Federal, a quantidade de 1.304 quilos de cocaína foi apreendida após uma investigação da Polícia Federal. A droga foi flagrada em uma aeronave de nacionalidade turca que decolou de Ribeirão Preto (SP) e tinha como destino Bruxelas, na Bélgica.

O delegado da Polícia Federal no Ceará Alan Robson disse que a ação na aeronave foi resultado de investigação. Segundo ele, o passageiro deu respostas evasivas aos policiais durante a abordagem. “Foram confirmadas as investigações iniciais da Polícia Federal. Eles disseram que foram fazer turismo em Guarulhos, foi quando a gente suspeitou. Na sequência passaram à abertura das malas, subimos na aeronave e ordenamos o desligamento dos motores”, disse.

Em um vídeo gravado por policiais, um agente abre uma das malas no interior do jatinho, rasga as embalagens e faz um teste que comprova que o conteúdo é cocaína. “Abra essa mala, estou mandando”, diz o policial.

Em seguida, ele questiona: “você sabe do que se trata isso?”, em inglês, ao comandante da aeronave. O comandante responde que não sabe o que é o conteúdo.

A droga estava acondicionada em 24 malas pertencentes a um passageiro espanhol. Havia 50 tabletes de droga em cada mala, com um total de 1.200 tabletes de cocaína. Foram apreendidos a aeronave, celulares e documentos. As investigações continuam com a análise desse material.

G1

Opinião dos leitores

  1. O que está escapando até o momento, é o vento que a Dilma não conseguiu estocar. O resto, a PRF ,PF as PM estadual estão pegando tudo, Bolsonaro até 2026.

    1. Mais fácil ser de alguém da presidência da república… Como já aconteceu!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Análise da Polícia Federal aponta a necessidade de aperfeiçoamento do sistema digital em urnas eletrônicas

Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE

Em relatório sobre as urnas eletrônicas, peritos da Polícia Federal apontaram a necessidade de aperfeiçoamento do sistema digital, mas reconheceram que a adoção do voto impresso auditável “encarece bastante” o processo eleitoral. A análise faz parte de parecer produzido pela Polícia Federal durante as eleições municipais de 2016, cujas conclusões foram obtidas pela CNN.

Na última quinta-feira (29), trechos dos relatórios das últimas eleições foram apresentados em live do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). No documento, a Polícia Federal apontou que a impressão do voto é “procedimento satisfatório para atender ao requisito de auditoria”, mas que, além de encarecer o processo, a iniciativa cria maior possibilidade de “falha mecânica”.

Em 2015, o Congresso Nacional aprovou a impressão do voto. A então presidente Dilma Rousseff (PT) vetou a previsão, mas teve sua decisão derrubada pelo Poder Legislativo. Em 2018, no entanto, o STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu a medida.

“Recentemente, foi aprovada uma lei que requer que cada voto seja impresso e depositado em uma urna acoplada na urna eletrônica, de modo que caso haja desconfiança de fraude, os votos físicos possam ser contados e comparados com o boletim de urna. Este procedimento é satisfatório para atender ao requisito de auditoria, porém encarece bastante o processo (será necessário adicionar uma impressora e uma urna convencional a cada conjunto, haverá maior possibilidade de falha mecânica)”, observou a análise dos peritos.

A estimativa é que a adoção do voto impresso auditável, previsto em uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que tramita na Câmara dos Deputados, tenha um custo de cerca de R$ 2 bilhões, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os defensores da medida, no entanto, afirmam que o orçamento da Justiça Eleitoral tem capacidade para arcar com o valor.

As conclusões da Polícia Federal também reconhecem que o sistema eletrônico possibilita a auditoria da totalização dos boletins de urna, emitidos pelas zonas eleitorais. O documento ressalva, no entanto, que “não é possível auditar de forma satisfatória o processo entre a votação do eleitor e a contabilização do voto no boletim de urna”. “Por mais confiável que sejam todas as pessoas envolvidas no processo do sistema eleitoral e por mais maduro que sejam os softwares, eles sempre possuirão possíveis vulnerabilidades e necessidades de aperfeiçoamentos”, ressaltou a análise.

Na próxima quinta-feira (5), a comissão especial da Câmara dos Deputados irá votar o parecer da proposta produzido pelo relator Filipe Barros (PSL-PR). Para reduzir resistências à iniciativa, o parlamentar disse à CNN que tentará alterar o relatório da iniciativa a um “texto palatável”.

Na tentativa de aumentar as chances de o parecer ser aprovado, o deputado federal disse que tem conversado com os partidos que integram a comissão especial sobre a possibilidade de reduzir o relatório para deixar apenas o essencial. “Nós vamos tentar chegar a um texto palatável”, disse o relator. “Nós discutimos reduzir [o parecer] e deixar o essencial”, acrescentou.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Voto impresso é a nova cloroquina. Se é transparência o que Bozo e o gado querem, porque os sigilos nos crachás dos filhos e na carteira de vacinação da mãe? STF e TSE vão dar o tratamento devido à quem só faz mentir e incitar.

  2. Apenas 3 países usam essa urna, Butão, Bangladesh e… Brasil. Democracias desenvolvidas querem distância dessa caixa preta.

    1. E você só agora se rebelou. Vem votando por ano a fio e achando tudo muito bom. Mas como A derrota é certa, se Bozo conseguir se candidatar, quer mudar a regra durante o jogo. E o sigilo dos crachás? Das carteiras de vacinação do predidente e de sua mãe? Não ao voto impresso. Ponto final.

  3. Não cabe a PF, estimar se é caro ou barato. Eu até duvido, que a PF, alegou valores, parece coisa de jornalistas sem escrúpulos, aqueles que perderam a mamata do dinheiro público.
    Caro é ter eleições a cada dois anos, caro é financiar Políticos para se elegerem, caro é a justiça eleitoral, caro é sustentar ex presidentes, carro são os benefícios de cada político, caro são partidos políticos que se vendem por 30 moedas, caro são os políticos que se vendem como prostitutas.
    BOLSONARO TEM RAZÃO

  4. O sr presidente foi eleito por meio da urna eletrônica. Aí próximo ano vai ter fraude ? Como assim ?

    1. Se não fosse fraudadas Bolsonaro teria no mínimo 80%dos votos válidos.

    2. Vc não merece esse gentílico, vc é um pária, que desmerece os humildes moradores honestos da nossa gostosa e pacata JAPI, fato vergonhoso para nós, e se vc ler (se souber) vai ver que aconteceram várias PECs tentando instituir a impressão do voto, fato simples, inclusive nessas PECs, uma do então Deputado Bolsonaro.

  5. Caro é roubarem os brasileiros e financiar ditaduras.
    Voto auditado ja!!!
    Se a PF tá dizendo que é necessário, quem mais pode ser contra?

  6. Não cabe à PF dizer se é caro ou se é barata a implantação do voto impresso auditável, mas se há possibilidade de fraude, que é o que nos interessa. Muito mais caro é o fundão eleitoral, é a fraude que elege verdadeiros excrementos políticos, que se assim não fosse, jamais se elegeriam.

  7. O que encarece o sistema eleitoral é o fundo partidário e as dezenas de siglas partidárias de aluguel. O voto impresso auditável é mais democrático, transparente e exequível.

    1. Urna eletrônica no Brasil:
      6 eleições p presidente, 6 p deputado federal ( 513 a cada eleição) e 6 p senador (81 a cada eleição).
      6 eleições p prefeito (mais de 5000 a cada eleição ) e 6 para vereador ( milhares a cada eleição)
      E até hoje não há um único caso de fraude, ou melhor, não há um único indício de fraude.
      Arrumem outro argumento!

    2. VOTO AUDITÁVEL JÁ, QUAL O MEDO POR PARTE DA ESQUERDA PARA COM A TRANSPARENCIA?
      VOTO IMPRESSO SIM.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Operação Godela II, da Polícia Federal, combate fraudes em financiamentos de veículos no RN

Fotos: Divulgação/PF

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta, 29/7, a Operação Godela II destinada a apurar fraudes em financiamentos de veículos praticadas entre os anos de 2018 e 2020 no Rio Grande do Norte. Cerca de 20 policiais federais estão cumprindo 5 mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª. Vara Federal/RN, nos municípios de Parnamirim, Espírito Santo e Santo Antônio/RN.

A operação decorre de investigações realizadas por meio de sete inquéritos policiais instaurados nos anos de 2019 e 2020, com base em notícias de crime apresentadas por instituições financeiras e, também, por lojistas lesados.

Os elementos de prova já colhidos indicam que os investigados arregimentam pessoas para se passarem por terceiros, as quais adquirem veículos por meio de financiamentos, cujas parcelas não são quitadas. Até esta data foram identificadas dez aquisições fraudulentas de veículos.

Os suspeitos poderão responder pelo crime de fraude para obtenção de financiamento em instituição financeira, além de associação criminosa e, se condenados, podem cumprir pena de 2 a 4 anos de prisão por cada delito cometido.

A 2ª fase da operação Godela hoje deflagrada dá continuidade aos esforços da Polícia Federal no Rio Grande do Norte, iniciados no ano de 2019, para coibir a prática desse tipo de crime.

(*) Sobre o nome da operação, trata-se de um termo regional que significa “se aproveitar de situação para tirar vantagem à custa dos outros”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Federal investiga compra de moeda falsa em Ipanguaçu – RN

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 21/7, a Operação Apógrafo, com o objetivo de investigar a comercialização de moeda falsa através da internet com envio das notas pelos Correios. Seis policiais federais cumprem 2 mandados de busca e apreensão na cidade de Ipanguaçu/RN.

As investigações tiveram início em abril deste ano, após a prisão em flagrante de um homem que havia acabado de receber uma encomenda contendo cédulas falsas de R$ 50 que totalizaram R$ 1 mil.

Os levantamentos indicaram ainda que outro homem, amigo do preso, era o responsável pela “mercadoria” e que aquela não seria a primeira compra de moeda falsa por ele realizada.

Os envolvidos responderão pelo crime de moeda falsa, cuja pena pode alcançar até 12 anos de reclusão, além de multa.

O nome da operação – Apógrafo – significa cópia de um escrito original ou, ainda, instrumento para copiar desenhos, uma alusão ao tipo de crime ora investigado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Federal abre inquérito sobre atuação de “milícia digital contra a democracia”

A Polícia Federal informou nesta sexta-feira (16) ao Supremo Tribunal Federal que formalizou a abertura do inquérito que vai investigar indícios de atuação de uma milícia digital com o objetivo de atentar contra a democracia e o Estado democrático de direito.

A investigação foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes no começo do mês (relembre no vídeo abaixo), após determinar o arquivamento do inquérito que investigou atos antidemocráticos deflagrados no início do ano passado. O arquivamento atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República.

A PF vai apurar fortes indícios e provas que apontam para a existência de uma verdadeira organização criminosa que teria agido com a finalidade de atentar contra o Estado democrático de direito e que se articularia em núcleos de produção, publicação, financiamento e político. Outra suspeita é de que esse grupo tenha sido abastecido com verba pública.

Ao STF, a delegada Denisse Ribeiro pediu o compartilhamento integral das provas do inquérito dos atos antidemocráticos, inclusive documentos indicados pela PGR, para que sejam analisados em conjunto. A delegada afirma que busca acesso a mídias apreendidas, quebra de sigilo bancários e telemáticos para embasar a presente investigação.

Blogueiros e parlamentares

Moraes citou, na decisão que originou o inquérito, que a necessidade de mais investigações envolve a articulação do blogueiro Allan dos Santos, do canal Terça Livre, que buscou conexões dentro do governo.

Ainda segundo Moraes, neste movimento, Santos envolveu deputados como Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) – filho do presidente – e Bia Kicis (PSL-DF).

“A partir da posição privilegiada junto ao presidente da República e ao seu grupo político, especialmente os deputados federais Bia Kicis, Paulo Eduardo Martins, Daniel Lúcio da Silveira, Caroline de Toni e Eduardo Bolsonaro, dentre outros, além e particularmente o tenente-coronel Mauro Cesar Cid, ajudante de ordens do presidente da República, a investigação realizada pela Polícia Federal apresentou importantes indícios de que Allan dos Santos tentou influenciar e provocar um rompimento institucional”.

Ao detalhar a atuação de um dos núcleos da suposta organização criminosa, Moraes citou o relatório produzido pela empresa Atlantic Council sobre o comportamento de contas falsas do Facebook.

A Polícia Federal aprofundou a apuração feita pela empresa. Detalhou, por exemplo, que estas contas foram acessadas por assessores de parlamentares e da presidência da República.

A “conta BolsoFeios, mantida pelo assessor parlamentar do deputado federal Eduardo Bolsonaro, Carlos Eduardo Guimarães, foi acessada mais de 50 vezes entre junho de 2017 e janeiro de 2020, na rede interna da Câmara dos Deputados, da mesma forma, a conta Snapnaro, pertencente a Fernando Nascimento Pessoa, assessor do senador Flávio Bolsonaro, foi acessada por meio de rede interna do Senado Federal, entre fevereiro e setembro de 2019, dezenas de vezes.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Alguém conte a Bolsonaro sobre isso…ele vai ficar curado instantaneamente da prisão de ventre…
    Vai ser m*rda que não acaba mais …suspende a cloroquina, traz o imosec…kkkkk

  2. Daniel Silveira tá no tronco…
    Faltam:
    Bia Kicis, Paulo Eduardo Martins, Caroline de Toni e Eduardo Bolsonaro…
    Pega 🔥 cabaré…kkkkk

  3. Viiiixe…Bozo🤡 vai passar mais 3 dias entupido depois dessa notícia…
    Haja 💩 naquele bucho horrível…😂😂😂
    Botapátorar Moraes…kkkk

  4. Todos os brasileiros de bem sabem a uito tempo quem vem atentando contra o estado de direito basta ver o que aconteceu com o jornalista Oswaldo Eustáquio e o deputado Daniel Silveira, além do exílio de Allan dos Santos, Rodrigo Constantino, etc.

  5. Vixe! Eh gópi dos asseclas do MINTOmaníaco das rachadinhas?! A nova política eh isso eh: se aliar com os corruptos do centrão e demonizar a democracia e o voto?

    1. Voces brigando pra saber quem rouba mais, a direita ou a esquerda, eo povo tomando no centro

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Federal abre inquérito para apurar suposta prevaricação de Bolsonaro levantada em CPI no caso Covaxin

Foto: Andressa Anholete/Bloomberg

A Polícia Federal (PF) abriu um inquérito para investigar uma suposta prevaricação do presidente Jair Bolsonaro no caso da vacina indiana Covaxin. A abertura do inquérito foi autorizada pela minha Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendendo a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A prevaricação ocorre quando um funcionário público é informado de uma irregularidade, mas retarda sua ação ou deixa de atuar para que ela seja apurada e punida.

As suspeitas de prevaricação de Bolsonaro foram levantadas pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) que disse em entrevistas e em depoimento à CPI da Covid que avisou ao presidente que superiores de seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, teriam feito “pressões atípicas” para que ele liberasse a importação da vacina. Miranda disse que, ao ser informado do caso, Bolsonaro afirmou que iria acionar a Polícia Federal.

Ao autorizar o inquérito, Rosa Weber determinou que fossem ouvidos os “autores do fato”. Apesar de não haver a citação nominal, o entendimento da PGR é que Bolsonaro é uma das pessoas a serem ouvidas sobre o episódio.

O pedido da PGR foi feito após a ministra do STF cobrar uma posição da procuradoria sobre a notícia-crime apresentada por três senadores ao tribunal pedindo a investigação das denúncias.

A compra da Covaxin começou a chamar atenção das autoridades desde que o contrato foi firmado, em fevereiro deste ano. O contrato previa que o governo compraria 20 milhões de doses do imunizante por US$ 15 a dose, o equivalente a R$ 1,6 bilhão. Na época, este foi o único contrato em que o ministério comprou vacinas de uma empresa intermediária e não diretamente do fabricante. Além disso, o preço da dose da vacina indiana é o mais caro já contratado pelo governo para um imunizante contra a Covid-19.

Com O Globo

Opinião dos leitores

  1. Essa é só a pontinha do iceberg que está sendo quebrado acerca do discurso anti-corrupção que o genocida mantinha p enganar besta, bolsominion e o gado. Está cada vez mais difícil defender seu bandido de estimação não é, Bolsominion ?

    1. Vc é um sem perspectiva de futuro, se ficar dependendo da volta daquele molusco seboso, ladrao e mentiroso, vai comer pão com mortadela por muito tempo. Sei que na cidade de Japi tem muita gente séria, honrada e trabalhadora, vc destoa do perfil dos cidadãos de lá.

  2. Haja imosec pro MINTOmaníaco das rachadinhas deixar de “cagar” de medo! Sugiro também vonau pra deixar de vomitar tanta besteira pela boca…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Prefeitura do Natal emite nota oficial após operação da Polícia Federal

NOTA OFICIAL

A Prefeitura do Natal esclarece que colaborou e disponibilizou todas as informações solicitadas pela Controladoria-Geral da União (CGU) que, dentro de suas atribuições, vem realizando auditorias em todas as pastas de saúde do país. E, a despeito da deflagração da operação que redundou no processo nº 080452768.2021.4058400, em trâmite na 14ª da Vara Federal de Natal, vem reafirmar que o processo de contratação é lícito.

Isso porque a aquisição dos equipamentos se pautou pela Lei nº 13.979/2020, que, mesmo editada para facilitar os processos de compras públicas de forma direta, sem concorrência, a SMS/Natal optou por realizar levantamento de preços de mercado, a fim de comprovar que a aquisição se daria do modo mais vantajoso e econômico possível, como de fato ocorreu, bastando comparar os preços ofertados pelos concorrentes.

Nessas circunstâncias, os ventiladores pulmonares da marca SPECTRUM foram comprados diretamente do representante do fabricante, no valor de R$ 108.000,00 (cento e oito mil reais), com reconhecida atuação na área de mercado, entregues em pleno funcionamento, cabendo ainda ressaltar que foram adquiridos no mês de maio do ano de 2020, época em que a Pandemia da Covid-19 estava no seu ápice, sobretudo diante da escassez de aparelhos no mercado.

E, no que diz respeito à funcionalidade dos respiradores, em que paira uma acusação de que os mesmos aparelhos seriam inservíveis, cabe ainda esclarecer que os aparelhos estão funcionando perfeitamente, inclusive sendo o aparato para o salvamento de inúmeras vidas humanas.

Na verdade, ao contrário do que foi interpretado pela CGU, a Empresa Lemonde, ofertou, sim, respiradores idênticos, da marca Philips, ao preço unitário de R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais), conforme e-mails fornecidos à CGU pela própria SMS/Natal.

A referida empresa alega que desconhece o representante comercial que fez contato com a Secretaria de Saúde de Natal, porém, como a proposta da empresa não chegou nem perto do valor ofertado pela vencedora, a SMS não se obrigou a realizar a análise documental da Lemonde, tendo descartado a possibilidade de contratação, em razão desta não ter ofertado o menor valor, conforme a própria auditoria da CGU demonstrou.

Cumpre ressaltar, também, que os valores que redundaram nessa contratação chegaram a ser discutidos com o Ministério Público Estadual, justamente visando a evitar qualquer irregularidade no processo.

Por fim, a Prefeitura do Natal informa que irá colaborar buscando esclarecer qualquer irregularidade na aquisição dos respiradores, ao tempo em que confia na correção do Gestor da Saúde e sua equipe, que, durante sua larga experiência na vida pública, nunca foi alvo de qualquer investigação que desabonasse sua conduta, reiterando que, se comprovadas quaisquer irregularidades, os eventuais envolvidos serão devidamente responsabilizados, conforme a legislação vigente.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Cármen Lúcia determina que Ricardo Salles entregue passaporte à Polícia Federal

Foto: CAROLINA ANTUNES/PR

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Cármen Lúcia determinou que o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles entregue o passaporte à Polícia Federal.

Com isso, ele não pode sair do país.

Os advogados dele já foram intimados e vão cumprir a ordem judicial. Mas afirmam que ela era desnecessária.

“Uma vez exonerado do cargo de ministro, ele não deveria mais estar sob a jurisdição do STF, já que perdeu o foro privilegiado”, diz o advogado Roberto Podval, que representa o ex-ministro.​ “A politização do Supremo Tribunal Federal é ruim para qualquer um dos lados”, segue ele.

Podval afirma ainda que vai agravar da decisão, “absolutamente contrária à jurisprudência da Corte”.

Antes de decidir, a magistrada abriu vista para a Procuradoria-Geral da República (PGR), que deu o parecer favorável à apreensão do passaporte. Eles argumentaram que a medida era necessária para preservar as investigações.

Salles pediu demissão do cargo nesta semana. Ele está sendo investigado por suposto envolvimento em um esquema de exportação ilegal de madeira.

O ministro do STF Alexandre de Moraes já tinha autorizado buscas e apreensões em endereços de Salles e até autorizado o envio do celular dele aos EUA para que a senha do aparelho seja quebrada.

Salles é alvo de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) por operação da Polícia Federal que mira suposto favorecimento a empresários do setor de madeiras por meio da modificação de regras com o objetivo de regularizar cargas apreendidas no exterior.

A demissão de Salles foi anunciada no mesmo dia em que as investigações de compras suspeitas da vacina Covaxin chegaram ao nome de Bolsonaro na CPI da Covid. O caso elevou a temperatura política no Planalto nesta quarta (23).

Salles deixa a Esplanada em meio a uma investigação da PF sobre um esquema de contrabando de madeira e criticado por ambientalistas pelo avanço do desmatamento na Amazônia.

A corporação apura suspeitas de crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando que teriam sido praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

Salles também é alvo de um inquérito que investiga sua suposta atuação para atrapalhar a apuração da maior apreensão de madeira do Brasil, feita na Operação Handroanthus.​

Sua gestão foi marcada por ações contrárias ao objetivo da pasta, que é a preservação ambiental. Em dois anos e meio no cargo, enfraqueceu ou destruiu mecanismos de proteção das florestas, minimizou o impacto das queimadas, combateu quem fiscalizava infratores e reduziu a participação da sociedade civil na elaboração e implementação de políticas para o setor.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Tentou “passar a boiada” mas ao que parece vai ser mesmo é “boi de piranha” dessa estranha estória. Será que vai assumir tudo sozinho ???

  2. Grande Ministro Ricardo Salles, vai entrar nessa investigação grande e vai sair gigante.
    Sua idoneidade moral é maior do que qualquer um Ministro do STF.
    #Força Salles

  3. Só para ficar claro e todos saibam, o ex presidente e o ex ministro José Dirceu estão com seus passaporte retidos, entregues a justiça? Ou na igualdade jurídica atual isso só é medida apenas e contra pessoal do atual governo?

    1. Se o STF tivesse agido assim, com aquela quadrilha do PT, teria sido muito bom.
      Parece que todos os problemas do Brasil, se resume ao atual governo.
      STF é uma vergonha nacional.

  4. Por falar nisso, parece que viram o contrabandista de madeira ilegal em Miami entocado na casa do Wientraub. Procede a informação?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Polícia Federal diz que deputado Daniel Silveira tentou fugir de nova prisão

Foto: Plínio Xavier/Câmara dos Deputados

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) tentou fugir da nova prisão, determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (24). A CNN teve acesso ao relatório da Polícia Federal (PF) sobre o cumprimento do mandado de prisão, em que os policiais relatam que o parlamentar “pulou o muro de sua residência”, mas que, ao se deparar com o policial, “retornou prontamente”.

Como antecipou a âncora da CNN Daniela Lima, o ministro Alexandre de Moraes determinou a prisão do deputado, a pedido da a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), depois de ele ter violado 36 vezes as regras de uso da tornozeleira eletrônica, ficando até cinco horas sem emitir qualquer sinal para a Polícia Federal, como determinou a Justiça.

A PF relata ter chegado ao endereço de Silveira, em Petrópolis (RJ), às 15h10 desta quarta. O documento diz que um dos policiais conseguiu observar a tentativa de fuga do deputado, mas que, como ele retornou “prontamente”, o mandado de prisão foi cumprido às 15h15.

De acordo com a PF, Silveira foi encontrado com imobilizador de tecido sintético de cor preta em seu tornozelo direito, assim como “com equipamento de monitoramento eletrônico afixado em seu tornozelo esquerdo, sem sinais aparentes de violação”.

Os policiais também informam que, durante o cumprimento do mandado, também foi apreendido o celular do deputado. Como a CNN mostrou nesta quarta, Silveira se recusou a entregar a senha do aparelho às autoridades policiais. Agora, ele será enviado para perícia.

Antes de determinar a nova prisão do deputado, o ministro Alexandre de Moraes estabeleceu uma fiança de R$ 100 mil. Como o valor não foi depositado em juízo, Moraes afirma que “ficou assim estabelecido o descumprimento imediato de qualquer dessas medidas”.

“Em face do reiterado descumprimento dessas medidas, restabeleço a detenção de Daniel Lúcio da Silveira”, escreveu o ministro do STF. Daniel Silveira ficará preso no Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Em nota divulgada nesta quarta (24), a defesa do deputado diz que ele é “um preso político”. “Seu caso já passou da hora de ser tratado nos organismos internacionais de defesa aos direitos humanos. Ele é um preso político e assim deve ser tratado”, diz o advogado André Rios. A CNN está tentando contato com a defesa de Silveira.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Engraçado, os presos daqui que usam tornozeleira assaltam, traficam rodam a cidade toda e ninguém sabe por onde os caras andaram, lá sabem que o cara saiu 36x de casa. Aqui as tornozeleira são de enfeite?

    1. Lá fala que ele violou 36 vezes as regras. Não que ele saiu 36 vezes. Entre as violações está longos períodos sem recarregar a bateria do aparelho, não comparecer às revisões do aparelho, etc. Claro que essa informação eu li em outras matérias. E não sou esquerdopata. rsrs

  2. É essa a direita honesta na nova política? Junto com Marcelo Salles, Weintraub, Collor, Jefferson, Lira e cia? Bozo não poderia ser mais infeliz em suas companhias. Até quem, como eu, votou nele pra tirar o Lula do poder, já se arrependeu de ter acreditado. Apenas mais uma facção destinada a não passar do primeiro turno, se durar até lá.

    1. Mentiroso! Votou em Bolsonaro? 🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

  3. São esses os representantes gado miliciano. Olha pra onde estamos caminhando. Deputado pulando muro pra fugir da polícia. Minha vó dizia, meu fi vc vai ver muita coisa. O gado colocou o que tem de pior no ser humano para lhes representar. Coerência não lhes faltou.

  4. O bombadão queria um AI 5. Agora quer ajuda dos Direitos Humanos. Enfim, a hipocrisia.

  5. 😂😂😂😂😂😂😂😂😂
    Tão valente na frente das câmeras….e tão covarde tentando fugir…kkkkkkk
    Covarde como todo fascista…😂😂😂😂

  6. Vixe! Pulando o muro pra fugir da polícia? Eh um bandido muito covarde mesmo! Merece pau de arara ou vai recorrer ao STF que ele tanto xingava?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Operação da Polícia Federal em Alagoas e mais dois estados investiga desvio de dinheiro na compra de respiradores

 Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (17) em Alagoas, Rio de Janeiro e Espírito Santo uma operação para investigar a contratação de empresa sem licitação para a compra de central de gases e respiradores para o hospital de campanha de Girau do Ponciano (AL), que atende pacientes com Covid-19. Segundo a PF, houve desvio de recursos enviados pelo governo federal no valor de R$ 250 mil.

Cerca de 80 policiais federais cumprem 19 mandados de busca e apreensão em:

Alagoas: Maceió (3), Girau do Ponciano (5), Arapiraca (3), Campo Grande (1)

Rio de Janeiro: Rio de Janeiro (4), Belford Roxo (1)

Espírito Santo: Alegre (2)

A reportagem do G1 tenta contato com a prefeitura de Girau do Ponciano. Os nomes dos alvos da operação não foram divulgados.

Segundo as investigações, a Operação Sufocamento quer desarticular um grupo criminoso que atuou nas simulações de dois procedimentos de dispensa de licitação do hospital de campanha, para o qual foram contratadas duas empresas sediadas no Rio de Janeiro.

Entretanto, as empresas contratadas não atuam no ramo de comercialização de central de gases, sendo na verdade um comércio de materiais de construção.

A investigação apontou que um único funcionário público recebeu, em apenas cinco meses (entre abril e agosto) R$ 264 mil dos cofres públicos de Girau do Ponciano, inclusive com recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

O município de Girau, segundo a PF, recebeu R$ 9.508.040,52 do governo federal em 2020 para ações de enfrentamento ao novo coronavírus.

Os contratos investigados somam R$ 600 mil e os desvios, até então, seriam de R$ 250 mil. Além dos desvios, há evidências de outras irregularidades, como a ausência de cotações de preços nos procedimentos, propostas de preços simuladas, superfaturamento nas aquisições, notas fiscais graciosas, utilização de “laranja” na constituição da pessoa jurídica, fornecimento de respiradores obsoletos, dentre outras.

Além dos mandados de busca e apreensão, a Justiça determinou o sequestro de bens móveis e imóveis das pessoas físicas e jurídicas investigadas, assim como a proibição de acesso a qualquer órgão da Administração Municipal de Girau do Ponciano.

O nome da operação, Sufocamento, faz alusão tanto ao efeito devastador provocado pela Covid-19 nos pacientes como ao objetivo pretendido pela investigação de reprimir a atuação dos membros do grupo criminoso.

G1 – Alagoas

 

Opinião dos leitores

  1. FALTA A DO CONSÓRCIO DO NORDESTE, 48 MILHÕES, ONDE ESTÃO?
    VERBA FEDERAL, PORTANTO COMPETÊNCIA DA POLÍCIA FEDERAL.

  2. A questão é identificar onde ouve malversação de recursos públicos, não interessa a origem e o indivíduo envolvido, todos, literalmente todos, devem responder por isso. Não é possível que vivamos continuamente precisando de segurança, educação e saúde fornecidas pelos entes da federação e Não tenhamos as respostas e soluções que precisamos, o Brasil precisa e deve alijar da vida pública os ladrões de paletó, gravata, discurso fácil e mentiroso, que só os viciados nas tetas públicas gostam.

  3. Gostaria de saber quando vão chegar junto de Fatao e o Consorcio Nordestes. 5 milhoes em respiradores, mais de 1 ano, e ninguém faz nada. Cadeia neste petralha.

    1. Tá chegando, vamos ter calma, até o final do ano, acho que a PF chega por aqui.

  4. Agora a porca vai torcer o rabo. O estado da família Renan, um dos maiores bandidos do país, vai ter muita coisa o que explicar. Tá na hora desse safado ir pra cadeia, mais de 50 processos nas costas e esse FDP consegue se livrar de todos com o apoio do STF, corja de bandidos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Federal prende em ação conjunta no aeroporto internacional Governador Aluízio Alves suspeito de integrar facção criminosa no RN

Foto: Divulgação/PF

A Força-Tarefa SUSP (FT-SUSP) de combate ao crime organizado integrada pela Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), Polícia Civil, Polícia Militar e Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (SEAP), em ação conjunta com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRN), sob a chancela da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI/MJSP), prendeu na manhã do último domingo, 21/3, no aeroporto internacional Governador Aluízio Alves em São Gonçalo do Amarante/RN, Região Metropolitana de Natal, momentos antes de embarcar em voo com destino à Florianópolis/SC, um homem de 27 anos, suspeito da prática de homicídios e de pertencer à organização criminosa com atuação no interior do Rio Grande do Norte. Contra o acusado havia um mandado de prisão em aberto expedido pela Juíza de Direito da comarca de Canguaretama/RN.

O preso encontra-se custodiado na Superintendência da PF em Natal, à disposição da Justiça.

O Plano de Forças-Tarefas SUSP de Combate ao Crime Organizado foi lançado em janeiro deste ano pelo MJSP e conta com a atuação conjunta, integrada e coordenada entre as polícias da União e dos estados. As ações terão como foco prevenção, repressão, monitoramento e investigação de grandes organizações criminosas a partir da atuação conjunta. Além disso, as forças-tarefas pretendem isolar lideranças do crime organizado no sistema prisional, bem como descapitalizar facções por meio de bloqueio e venda antecipada de bens.

Os quatro eixos de atuação do Plano são: Inteligência de todos os órgãos de segurança pública envolvidos, análise criminal estratégica, policiamento ostensivo de forma especializada e adoção de procedimentos investigativos capazes de dar respostas efetivas e oportunas para a redução e repressão à criminalidade.

Opinião dos leitores

    1. Pra onde esse eleitor de fatão ia? seus comparsas estavam tentando fazer o que? Zé gado

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

MEGAVAZAMENTO: Polícia Federal prende hacker suspeito de comercializar dados pessoais de brasileiros

Foto: Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal prendeu preventivamente nesta sexta-feira (19) um hacker em Uberlândia, Minas Gerais, além de cumprir cinco mandados de busca e apreensão na mesma cidade e em Petrolina (Pernambuco) durante a operação “Deepwater”, que investiga a obtenção, divulgação e comercialização de dados pessoais de brasileiros e de várias autoridades.

Segundo as investigações que iniciaram em 2021, através da internet, dados sigilosos de pessoas físicas e jurídicas, como CPF e CNPJ, nomes completos e endereços foram disponibilizados ilegalmente na internet através de um fórum especializado em trocas de informações sobre atividades cibernéticas.

Parte desses dados sigilosos foram divulgados gratuitamente por um integrante do grupo, e o restante comercializado. Os pagamentos eram feitos por meio de criptomoedas.

A Polícia Federal identificou e prendeu o suspeito que obteve, divulgou e comercializou os dados. As investigações que levaram a prisão do hacker foram da Divisão de Inteligência da PF de Brasília. Um segundo hacker que estaria vendendo os dados por meio de suas redes sociais foi identificado.

As ordens judiciais foram expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal, após representação feita à Polícia Federal solicitando as medidas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *