Política

(VÍDEO): Padre no interior diz que é “inadmissível que façam aglomerações”, fala em “pecado grave” e pede a fiéis que não participem da visita de Bolsonaro ao RN

Foto: Reprodução/YouTube

Afinal, até onde vai o limite da igreja? Episódio em destaque se trata de politização ou conscientização? Pois bem. O padre potiguar Antoniel Alves, da Paróquia de Doutor Severiano, pediu aos fiéis que não participem da visita desta quinta-feira (24) do presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido), ao município de Pau dos Ferros, na região Oeste do estado. O clérigo disse, durante sermão no último sábado (19), que era “pecado grave” comparecer ao evento. O sermão foi feito em uma celebração ocorrida na Igreja Matriz de São Sebastião, no município de Encanto, no Alto Oeste.

“Nada contra a visita do presidente. Ele é chefe de Estado. (…)É dever dele visitar? É. Vai trazer melhoria? Seja bem-vindo. Agora, é inadmissível que façam aglomerações. É inadmissível que um cristão que se diz cristão tenha coragem de fazer contrário ao que Jesus fez com o mal: silencia e cala-te”, disse o padre.

O clérigo pede aos fiéis para que fiquem isolados nas próprias residências.

“Evitem essa aglomeração. E peço: quem for promover o caos nas ruas não entre na fila da comunhão, pois está cometendo pecado grave, pois está pisando nos cadáveres daqueles que morreram inocentemente; estarão sendo negligentes. Entrar na fila da comunhão para receber aquele que é o autor da vida? É impossível”.

O padre ainda lamentou o registro de 500 mil mortes pela doença no país, e recriminou as atitudes do presidente de contrariar regras sanitárias de controle da pandemia — uso de máscaras e combate às aglomerações.

“Isso é revoltante. É um deboche para com aqueles familiares. 500 mil mortos no Brasil. Minha gente, vocês tem noção do tanto de gente do que é 500 mil pessoas? Do tanto de famílias que ainda choram a perda de seus entes queridos? Ou perdemos alguém ou vemos alguém partir pela Covid”, disse o padre.

Veja vídeo abaixo:

Opinião dos leitores

  1. Padre a sua igreja deveria se preocupar mais com os casos de homosexualismo entre Vocês, pedofilismo, abusos e outras coisitas mais.

  2. Onde o padre errou? Ele justificou o direito da presença do energúmeno, apenas orientou para que não fossem na defesa da não aglomeração. Corretíssimo, parabéns.

  3. É por causa de padres assim que a Igreja Católica está em franca decadência. As igrejas evangélicas agradecem.

    1. Sou evangélico, gracas a Deus. E o padre tá coberto de razão…

  4. Esse papangu católico deve ser daqueles comunistas ferrenhos, pois dentro da igreja pode aglomerar, fora da igreja não pode, é brincadeira.

  5. O Padre está totalmente coberto de razão. E digo mais: o cristão realmente cristão JAMAIS apoiaria Bolsonaro. Nunca em hipótese alguma. Esse discurso de que ele é a favor da vida, família e religião é p catar besta que acredita em conversinha mole. Ele é o total avesso do que prega!

  6. Vou sair de sao paulo do potengi para pau dos ferros para parabenizar o melhor presidente de todos os tempos. E nem passar perto da igreja desse padre sebos.

  7. Esse é um comunista. Cabo eleitoral do bandido de 9 dedos. O pedido dele não vai servir de nada. O povo gosta do Véio Bolsonaro.

  8. Por opiniões contrárias ao status quo Jesus foi crucificado. O povo, que nem gado, poupou Barrabás em detrimento ao verdadeiro Messias, que se voltasse seria crucificado novamente.

  9. Senhor Padre, porque o senhor não solicita sua transferência para a Venezuela? É comum os padres se transferirem para outros países.

    Senhor Padre, por que o senhor não pede transferência para a Venezuela? É comum os sacerdotes se transferirem para outros países. Lá o país é “democrático” e “cristão”.

    elá é um pais MUY democrático e cristão.

  10. O padre está certo👍
    Quem não gostou que vá seguir o Malafaia ou Waldomiro dos feijões mágicos.

  11. Os CANALHAS estão em todo lugar. Cuidado padre pq a turma da esquerda não gosta de igreja, se a direita sair da sua paróquia vossa excelência está desempregado!!!!

    1. Boa resposta!! 😂😂👏🏻👏🏻👏🏻 Esse padre tá doido que a esquerda vá bagunçar dentro da igreja dele. Kkkk

  12. RAPAZ, EU ESTAVA INDECISO, MAS AGORA VOU, SÓ POR CAUSA DESSE PADRE!! VÁ PROCURAR O QUE FAZER HOMEM, DEFENDA OS POBRES QUE ESTÃO MORRENDO NAS FILAS DOS HOSPITAIS POR FALTA DE LEITOS, FRUTOS DA CORRUPÇÃO QUE GOVERNOU ESSA NAÇÃO !!

  13. Padre o politiqueiro, pregador de ingratidão. O Presidente da República vai à Região Oeste levar o que provavelmente será o maior benefício de toda a história desta região – a transposição das águas do Rio São Francisco, e o padre vem com esse papo de PeTralha. Ainda por cima falando em pecado, tentando amedrontar os fiéis. Vade retro, Satanás de batina.

    1. O Padre tem que agradecer o que a esse genocida? Gado imundo!
      Nem todo mundo usa argola de ferro na venta como vocês não.

  14. PADRE ISSO É MUITO FEIO , FAZENDO POLITICA DENTRO DA IGREJA , VAR REZAR E PEDIR A DEUS PERDÃO PELOS OS SEUS PECADOS . QUE DEUS TODO PODEROSO TENHA MISSERICORDIA, SABADO TEVE PROTESTO DO PARTIDO DO INCARDIDO MAS NO ENTANTO O PADRE NÃO FALOU DESSA MANIFESTAÇÃO QUE HOUVE SABADO. ISSO É POLITICA SIM DENTRO DA IGREJA.

    1. Quem tá certo é o Malafaia, né!? Enfim, a hipocrisia 😒

  15. Quem comanda a campanha contra à COVID são os governadores, o governo federal mandou dinheiro e muito

  16. Sábias palavras, sermão muito bem explicado. Agradece as melhorias, mas não deixa de recriminar as atitudes horrendas, do chefe maior do Estado brasileiro. É um escárnio total ir contra as regras de distanciamento social, ir contra o uso de máscara, provocar aglomerações e causar atritos dentro da sociedade brasileira. Um presidente agressivo, abusivo e que promoveu o famigerado “imunidade de rebanho”. Devemos nos proteger, façamos a nossa parte, cuidemos das nossas famílias e dos nossos empregos, com responsabilidade os males vão passar, tanto o coronavirus como o bolsonarismo!!!

  17. BG! TÁ errado o padre é para se preocupar com a sua paroquia e com a sua igreja e não fazer politica e nem muito menos fazer terrorismo dentro da igreja, é por isso a igreja católica tá do jeito que tá, politica e religião não se junta. Mas isso é o que ser ver dentro das igrejas, reliosos que não defende a fé Cristã defende suas opiniões politicas .

    1. Mas as aglomerações “do bem” feita no sábado contra o governo federal pode?
      O padre não reclamou delas? Vai tirar o direito do povo de decidir padre?
      Se bem que em cada cidade não tinha 50 pessoas protestando, foi um fiasco geral, mas é aglomeração ou seria apenas manifestação por se tratar dos esquerdopatas?
      Padre entenda uma coisa, quem vai recepcionar Bolsonaro, vai de livre e espontânea vontade, não é obrigada, não é chamada, não é convocada, não é paga, nem vem dos assentamentos do MST. O povo que está apoiando o Presidente cansou de ouvir mentiras, promessas repetidas, perdão de bandidos e ter a corrupção como forma de governo. Entendeu padre? O senhor pode até ser ideologicamente da esquerda, mas não faça como alguns meios de comunicação, que demoniza os apoios ao presidente e faz campanha para o povo ir votar em 2020 como se isso não colocasse em contato com o vírus. Hipocrisia não!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Religião

Bispos do RN publicam novas medidas sobre a presença de fiéis nas missas

Com base no decreto do Governo do Estado n° 30.562, de 11 de maio de 2021, autorizamos as celebrações dominicais e nos dias feriados, com a participação presencial de fiéis (30%), podendo chegar a 50% da capacidade se utilizadas as áreas abertas, mediante prévia autorização da vigilância sanitária (Secretaria de Saúde), em todos os horários, respeitando o toque de recolher (22h às 5h).

Esta autorização entra em vigor a partir da data de sua publicação e permanece válida durante todo o período de vigência do decreto estadual ou enquanto não mandarmos o contrário.

Natal (RN), 12 de maio de 2021.

Dom Jaime Vieira Rocha
Arcebispo Metropolitano de Natal

Dom Mariano Manzana
Bispo de Mossoró

Dom Antônio Carlos Cruz Santos, MSC
Bispo de Caicó

Com Arquidiocese de Natal

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Religião

Vaticano diz que Papa recuou mão de beijos de fiéis por ‘questão de higiene’

Reprodução/Youtube

O mistério de por que o Papa Francisco repetidamente recuou a mão direita enquanto uma fila de fiéis se curvava diante dele e tentava beijá-la foi resolvido — o Pontífice queria evitar que germes se espalhassem entre as pessoas presentes, segundo o Vaticano.

— Foi uma simples questão de higiene — ressaltou o porta-voz do Vaticano, Alessandro Gisotti, a jornalistas nesta quinta-feira, após falar diretamente do Papa a respeito.

O caso causou polêmica depois de um vídeo da cerimônia em basílica de Ancona, na Itália, circular pelas redes sociais e pela imprensa. As imagens foram exibidas pelo canal de notícias italiano TGCOM 24 e geraram especulações sobre o comportamento de Francisco e críticas por suposta “falta de respeito” com os católicos.

Gisotti explicou que havia muitas pessoas na fila e, por isso, o Papa não queria que os fiéis compartilhassem germes entre si, no momento em que repetidamente beijassem a sua mão em curtos intervalos de tempo.

— Ele gosta de abraçar pessoas e de ser abraçado por pessoas — destacou o porta-voz.

Gisotti ressaltou que o Papa já permitiu que muitos indíviduos beijassem a sua mão e o seu anel em várias ocasiões, como no dia em que uma freira idosa foi premiada por décadas de serviço em regiões pobres da África.

Críticos especularam que Francisco não queria que as pessoas beijassem o o “Anel do Pescador”, um símbolo oficial do Papa, que estava em um dedo da mão direita.

Alguns observadores do Vaticano pontuaram que o Papa Bento XVI, muito elogiado pela ala mais conservadora da Igreja Católica, e seu antecessor João Paulo II não gostavam de dar as mãos para serem beijadas por fiéis — pelo menos não em situações de longas filas. Um assessor próximo a Francisco confidenciou que o Papa argentino ficou surpreso com a repercussão do vídeo.

O Globo

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

[VÍDEO] Padre cospe fogo durante missa para atrair fiéis

Na missa de Pentecostes, na Igreja de St. James em Cheltenham, região sudoeste da Inglaterra, Nick Davies revelou a novidade aos cerca de 150 presentes.

O reverendo contou que tudo começou em churrascos com os amigos. Ele aprendeu o truque apenas para divertir as pessoas.

Mas, ele resolveu levar a brincadeira para a missa quando lembrou da história do dia de Pentecostes quando, de acordo com a Bíblia, os discípulos de Jesus estavam juntos quando sentiram a presença do Espírito Santo e apareceram o que pareciam ser línguas de fogo.

Para Davies, esta imagem da Bíblia é difícil de imaginar e, por isso, ele resolveu usar o truque com o fogo.

Fonte: BBC Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Religião

Fiéis celebram Sexta-Feira da Paixão com procissão em Natal

A tarde da sexta-feira Santa (6) em Natal foi marcada pela homenagem dos fiéis à lembrança do julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo. A celebração da paixão e morte do Senhor na Catedral Metropolitana, no centro da cidade, marcou o feriado católico na capital. Por volta de 15h desta sexta-feira, centenas de fiéis acompanharam todo o ritual litúrgico e depois seguiram em procissão junto ao senhor morto até a Paróquia de Nossa Senhora da Apresentação.

Adriano AbreuCelebração da paixão e morte do Senhor

A celebração litúrgica, diferentemente da missa, não tem oração eucarística, parte mais importante da missa católica. O senhor morto, como é chamado na sexta-feira da paixão, recebe neste dia, toda a liturgia católica em sua homenagem em função da sua crucificação. “Esse é um momento de saudação ao pai, de saudação ao seu amor. Jesus teve um gesto pleno e eterno para com todo o gênero humano”, destacou o arcebispo Metropolitano, Dom Jaime Vieira Rocha.

A celebração que foi conduzida pelo arcebispo Dom Jaime e por padre Aerton Sales, pároco da catedral, atraiu fiéis que vieram dos quatro distritos da capital. Em um momento de fé, o senhor Sebastião Pinheiro aproveitava o momento pós eucaristia para agradecer e se aproximar aidna mais do amor divino. “Essa semana é muito importante para mim, mas venho à missa com minha esposa todo final de semana”, destacou o aposentado que mora no Alecrim. Sua esposa, Marlene Pinheiro lembrou da vitória de Sebastião, que esteve hospitalizado no início do ano.

A sexta-feira Santa representa o drama da morte de cristo no calvário. A paixão e morte do senhor foi celebrada em todas as paróquias de Natal, exceto na Paróquia de Nossa Sra da Apresentação, que realizou o momento em conjunto com a Catedral. Após uma hora e meia de homenagem ao senhor morto, a imagem de jesus crucificado saiu em procissão pelas ruas do centro, momento de muita emoção para os fiéis. Atrás da imagem de Jesus vinha a de Nossa Senhora, que segundo a Igreja Católica, foi uma das poucas pessoas na época, que acompanhou o cortejo do sepultamento de Jesus.

Ao chegar na Paróquia de Nossa Sra. Da Apresentação, os fiéis tiveram a oportunidade de se aproximar da imagem. Neste instante o local parecia pequeno para a quantidade de fiéis que aguardavam esse momento. Padre Aerton lembrou no final da procissão que após a chegada da imagem e da adoração presencial dos fiéis, haveria o fechamento de todas as igrejas católicas, simbolizando o enterro de Jesus Cristo.

“Essa é realmente a repetição do gesto de enterro, de um momento de tristeza e de recolhimento. Somente no sábado de Aleluia, a partir de 18h começam as celebrações para a Páscoa, momento que representa a ressurreição de Cristo”, explicou o padre.

Queima de Judas

Na sexta-feira da Paixão é tradição em alguns bairros a confecção e a queima de Judas. O catolicismo vê esse momento como um carinho da população por Jesus, que foi traído por Judas Iscariotes, mas, não aprova o ato. Padre Aerton lembrou na manhã desta sexta-feira Santa que esse ato não há motivação por parte da Igreja, pois os ensinamentos de Jesus levam ao perdão e não ao sentimento de vingança.

“Esse ato é certamente uma manifestação cultural e a Igreja católica não admite o sentimento de vingança. Hoje em dia esse movimento tem um lado de protesto contra a injustiça. Pessoas caraterizam os bonecos com figuras da política por exemplo”, explicou Padre Aerton. Em Natal o bairro das Quintas é um dos que ainda mantém a tradição.

Fonte: Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *