Esporte

Polícia indicia jogador Ramírez, do Bahia, por injúria racial contra Gerson, do Flamengo

FOTO: REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

A Policia Civil do Rio indiciou, nesta quinta-feira (4), o jogador colombiano Ramírez, do Bahia, pelo crime de injúria racial contra o meia Gerson, do Flamengo.

O caso aconteceu na partida entre Flamengo e Bahia no Maracanã, em dezembro, pelo Campeonato Brasileiro.

Durante o jogo, Gerson afirmou que Ramírez se dirigiu a ele e disse: “Cala a boca, negro”. Já Ramírez negou ter sido ofensivo. O colombiano declarou ter dito: Joga rápido, irmão.”

A Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) informou ter ouvido todas as testemunhas, além de ter analisado a súmula do jogo e as imagens apreendidas.

A investigação apontou a imediata reação da vítima, que ficou muito abalada com a agressão sofrida, passando a apresentar comportamento diferente do normal no vestiário, muito cabisbaixo e se recusando a encontrar parte do elenco após o jogo.

Gerson declarou que estava tão indignado que, logo após o encerramento da partida, ainda no gramado, precisou externar a indignação em entrevista para imprensa.

A delegacia especializada concluiu que o conjunto de provas corroborou a versão da vítima desde o momento em que disse ter sofrido a agressão até o comportamento de Gerson após o término da partida.

Procurado, o Esporte Clube Bahia ainda não se manifestou. A defesa do jogador Ramírez não foi localizada.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

CASO GERSON – FLAMENGO: Bahia informa que perícias em língua estrangeira não comprovam injúria racial, e diz que vai reintegrar Ramírez por ‘inexistência de provas’

Foto: Jorge Rodrigues / AGIF

Nesta véspera de Natal, o Bahia divulgou uma ‘carta à sociedade’ onde informa que o atleta Índio Ramírez será reintegrado ao elenco após o afastamento devido às acusações de injúria racial por parte de Gerson, do Flamengo. A decisão do Tricolor foi motivada por ‘inexistência de provas e possíveis’, mesmo entendendo que a palavra do jogador rubro-negro é revelante.

“Os laudos das perícias em língua estrangeira contratadas pelo Bahia não comprovam a injúria racial e o clube entende que, mesmo dando relevância à narrativa da vítima, não deve manter o afastamento do atleta Índio Ramírez ante a inexistência de provas e possíveis diferenças de comunicação entre interlocutores de idiomas diferentes. O papel do Bahia é de formação e transformação, sempre preservando os direitos fundamentais e a ampla defesa. O atleta deverá ser reincorporado ao elenco tão logo os profissionais da comissão técnica e psicólogos entendam adequado”.

Na carta, o Bahia também enfatizou que continuará atento aos desdobramentos do caso e anunciou que incluirá cláusula antirracista, xenofóbica e homofóbica no contrato dos atletas. Confira abaixo o que o Tricolor baiano chamou de ‘conjunto imediato de medidas estruturais’.

Confira a carta do Bahia na íntegra:

“PARTE 1 – O RACISMO E A SOCIEDADE

O racismo faz nosso país sangrar. Pela morte, pela dor, pelas portas fechadas, pela discriminação no mercado de trabalho, pela violência diária de todas as formas. O racismo entra pela fresta das casas, está nas ruas, nos supermercados, nas empresas e também no futebol. Segue impregnado por todos os lados. Combater o racismo é dever de todos: das organizações, dos governos e sobretudo das pessoas que historicamente se beneficiaram de uma estrutura social e econômica sustentada na branquitude e no racismo. O racismo é um fenômeno concreto e opera para além das estatísticas de expectativa de vida, acesso à saúde e garantias dos direitos fundamentais e dignidade humana. O racismo é persistente, gritante, barulhento e, por muitas vezes, silenciosamente cruel.

PARTE 2 – O BAHIA NO DEBATE RACIAL

Há três anos, através do Núcleo de Ações Afirmativas, o Bahia se tornou referência internacional na luta antirracista. As campanhas educativas do clube viraram tema de vestibular em universidades e de redação em escolas. Além das campanhas, o Bahia foi o primeiro time de futebol no mundo a lançar um programa de imersão para debater os aspectos estruturais do racismo. O “Dedo na Ferida” capacitou 484 pessoas em 15 organizações de 3 capitais brasileiras. Funcionários, diretores, conselheiros, torcidas organizadas, profissionais de imprensa, além de empresas de fora do esporte, participaram gratuitamente. Antes disso, homenageou personalidades negras do passado e do presente em suas camisas. Na divisão de base, o Bahia possui amplo programa de desenvolvimento humano tendo o combate ao racismo como tema principal. Há apenas 33 dias, abriu programa de trainee exclusivo para pessoas autodeclaradas pretas, ao todo com 305 candidatos, em outra inovação no futebol.

PARTE 3 – ACONTECEU COM O BAHIA? QUAL O SENTIDO DISSO?

O episódio do último domingo (20), com toda a sua repercussão e simbologia, nos revela que o combate ao racismo deve ser ainda mais aprofundado no nosso clube e no Brasil. O Bahia é um reflexo de uma sociedade que carrega o racismo em suas estruturas. A questão racial não pode servir de pano de fundo para uma disputa entre clubes e torcidas rivais. O racismo não veste uma só camisa. A postura antirracista deve ser constante e não apenas quando convém ao time que torcemos. No caso do Bahia, embora já venha perseguindo a luta antirracista, seria ingênuo acreditar que estaríamos imunizados a um fenômeno tão complexo e particularmente enraizado na sociedade brasileira. Ninguém está! Ser antirracista no Bahia não é apenas uma opção da presente gestão, mas uma obrigação institucional.

PARTE 4 – O QUE FAZER?

Os laudos das perícias em língua estrangeira contratadas pelo Bahia não comprovam a injúria racial e o clube entende que, mesmo dando relevância à narrativa da vítima, não deve manter o afastamento do atleta Indio Ramírez ante a inexistência de provas e possíveis diferenças de comunicação entre interlocutores de idiomas diferentes. O papel do Bahia é de formação e transformação, sempre preservando os direitos fundamentais e a ampla defesa. O atleta deverá ser reincorporado ao elenco tão logo os profissionais da comissão técnica e psicólogos entendam adequado.

O Futebol é reflexo de uma sociedade que, quando não nega o racismo, adere a um populismo punitivista que finge resolver o problema apenas punindo o agressor. Atos de discriminação racial não são “casos isolados”.

Portanto, por entender seu papel de entidade de interesse público, o Bahia se compromete publicamente a adotar um conjunto imediato de medidas estruturais:

1. Inclusão de cláusula anti-racista, xenofóbica e homofóbica no contrato dos atletas.

2. Proposta de criação de protocolo antidiscriminatório para jogos de futebol no Brasil.

3. Implantação do projeto “Dedo na Ferida” para o elenco na pré-temporada. Não haverá jogador ou jogadora que vista a camisa do Bahia sem que tenha antes a oportunidade de obter acesso a uma imersão sobre racismo estrutural.

4. Encaminhamento junto à mesa do Conselho Deliberativo do clube para incorporação de cotas raciais nas próximas eleições.

5. Inclusão de espaço no Museu do Bahia dedicado ao combate e debate do racismo, xenofobia, sexismo e LGBTfobia e demais formas de intolerância.

6. Apoio ao projeto de lei que Cria o Dia Nacional Da Luta Contra o Racismo no Futebol

Adicionalmente, o Bahia seguirá acompanhando os desdobramentos que ocorrerem fora das instâncias do clube, seja na Polícia Civil ou no Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

Além de negros, somos nordestinos e conhecemos bem o poder do preconceito e da exclusão pela xenofobia. Diante disso e das provas constituídas, caberá ao atleta Ramírez decidir pela denúncia ou não quanto ao tema – e ao Bahia apoiar a decisão.

Desde o domingo à noite o Bahia procurou uma rede de apoio formada por lideranças ligadas a movimentos sociais de enfrentamento ao racismo como o Observatório de Discriminação Racial e instituições como a Defensoria Pública e o Ministério Público do Estado, com quem está construindo um Termo de compromisso antirracista. Entendemos que nesse momento é necessário incorporar o compromisso com a implantação real e perene da agenda antirracista. Desta forma, respaldo institucional e a experiência de tais atores deste processo consolida e qualifica as nossas decisões.

Muitas das ações propostas neste documento, dentre outras, estarão sendo instrumentalizadas, nos próximos dias em convênios, parcerias e termos de compromissos com a agenda de enfrentamento ao racismo. As decisões e propostas durante esse processo tiveram a colaboração dos voluntários do nosso Núcleo de Ações Afirmativas, professores e ativistas atuantes no debate racial nas universidades e nos movimentos sociais.

O Bahia segue como um clube atento ao seu papel de transformação e bem-estar social. O futebol não é um fim em si mesmo. É um agente que deve promover união, preservação do patrimônio cultural, lutas por igualdade e diversidade dentro e fora das quatro linhas.

Esporte Clube Bahia.”.

Esporte Interativo

 

Opinião dos leitores

  1. Se comprovar que o Ramires não falou o que Gerson diz, não é nenhuma novidade, este clube é imbatível em casos criminosos e irregulares, tem o caso dos garotos que morreram queimados, até hoje não entraram em um acordo razoável para indenizar as famílias, mas pagar 1,6 milhões para o Gabigol por mês pode, tem o caso da portuguesa que levou dinheiro do Flamengo em 2014 para escalar heverton na última partida para perder pontos favorecendo o Flamengo permanecer na série A.
    Tem casos de aliciamento de jogadores, um exemplo é o do William Arão que saiu do Botafogo , hoje já está notificado pela justiça para pagar 7 milhões.
    Enquanto houver um Marinho na globolixo este time mesmo com todos esses casos criminosos, continuará nas cabeças.
    Isso é o Flamengo, não existe igual.

  2. Tem que processar esse atleta mentiroso que inventou essa celeuma na vida do jogador do Bahia. Isso é um perigo em se tratando de atletas profissionais que trabalham para ganhar o seu sustento.
    Mas a bandidagem de Gerson tem que ser apurada e ele deveria ser suspenso por mentir para toda uma nação.
    Cabra safado.

  3. Amigo desculpe, mais o que uma coisa tem a ver com a outra? Crimes distintos, culpas distintas, bem como penas. Caso houvesse havido crime do jogador índio, que ao que parece, nao restou caracterizado, absolviçao e ponto. O crime do CT do Flamengo está sendo respondido, caso haja culpa ou dolo, rogar que os culpados sejam punidos. Um crime não anula o outro.

  4. Engraçado essa atitude do flamengo em penalizar um atleta por causa de discussão besta de futebol , enquanto isto, as crianças que o clube matou da pior forma que existe tiveram sua indenização negada covardemente. É muita hipocrisia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: ‘Em nenhum momento fui racista com ele’, afirma Índio Ramírez, do Bahia, após acusação de Gerson, do Fla; veja mais detalhes de versão

O meia colombiano Juan Pablo Ramírez, mais conhecido como Índio Ramírez, se pronunciou nesta segunda-feira após a acusação de racismo por parte de Gerson, do Flamengo. O jogador do Bahia nega que tenha cometido o crime. O atleta rubro-negro afirma que Ramírez disse “Cala a boca, negro”, durante a partida disputada entre as duas equipes, no último domingo, no Maracanã.

– Em nenhum momento fui racista com nenhum dos jogadores, nem com Gerson, nem com nenhuma outra pessoa. Acontece que quando fizemos o segundo gol botamos a bola no meio do campo para retomar o jogo rapidamente, e o Bruno Henrique finge. Eu arranco correndo e digo ao Bruno que “Jogue rápido, por favor”, “Vamos, irmão, jogar sério”. Aí ele joga a bola para trás e o Gerson, não sei o que me fala, me disse algo, mas eu não compreendo muito o português. Não compreendi o que me disse e falei “Joga rápido, irmão” – relatou Ramírez.

O jogador colombiano deu mais detalhes sobre sua versão. O vídeo com as declarações de Ramírez foi publicado nas redes sociais do Bahia a pedido do próprio atleta.

– Aí passo por ele e sigo a bola. Não sei o que ele entendeu. Ele jogou a bola e passou a me perseguir sem que eu entendesse o que se passava. Dei a volta por trás porque não queria entrar em briga com ninguém e depois ele sai falando que o tratei com “cale a boca, negro”, falando português quando eu realmente não falo português. Estou há apenas alguns meses no Brasil e sobre isso de ser racista não estou de acordo, porque isso não é bem visto em nenhuma parte do mundo e sabemos que no mundo todos somos iguais e em nenhum momento falei isso e menos ainda usei essa palavra – afirmou.

Gerson prestará depoimento nesta terça-feira, às 10h, na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), no Centro do Rio de Janeiro, a respeito do ocorrido. O jogador assinou nesta segunda-feira a intimação para prestar depoimento. O departamento jurídico do Flamengo acompanha de perto o caso e assessora o atleta. O inquérito policial já foi aberto para apurar o caso envolvendo o meia.

A delegada Marcia Noeli, da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, informou que Juan Ramírez, jogador do Tricolor Baiano, o técnico Mano Menezes e o árbitro Flavio Rodrigues de Souza, que apitou a vitória por 4 a 3 entre Flamengo e Bahia, serão intimados a dar depoimento presencial. Ramírez, por sua vez, já foi afastado no Bahia.

Com Lance e UOL

Opinião dos leitores

  1. Jogo bola desde sempre, e esses xingamentos fazem parte do esporte…. chamam de viado, cabeçudo, nego (que nas peladas nem xingamento é, é só uma forma de chamar a pessoa), branquelo, cara de buceta e por aí vai…

    E esse jogador aí se doendo e levando a frente um xingamento dito num jogo de futebol, aqui em Natal a gente diria a ele: É o fresco é?

  2. concordo que o racismo existe sim, mais por muitas vezes é cometido pela própria pessoa, que se acha diferente das outras, pela "COR, CRENÇA, SEXUALIDADE".

  3. Futebol é jogo disputado e de contato físico. Adrenalina alta e não mim venha com esse mi mi mi

  4. Ofendeu sim.
    Racismo é crime, tem que ser combatido na raiz.
    Brasil, um país de hipócritas, racistas e do jeitinho.
    Sou negro e vejo como me olham quando estou num restaurante, mercado, shopping, etc.

    1. Você tem como provar? Por que até agora só condenaram ele é não provaram nada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Polícia instaura inquérito para apurar denúncia de injúria racial feita por Gerson, do Flamengo

Foto: SERGIO MORAES / REUTERS

A Polícia Civil abriu inquérito para apurar a denúncia de injúria racial do meia Gerson, do Flamengo. O jogador acusa o meia Ramírez, do Bahia, de lhe dizer “cala a boca, negro” durante a vitória rubro-negra por 4 a 3 sobre o clube baiano, no último domingo.

A investigação ficará a cargo da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI). Gerson assinou intimação nesta segunda e será ouvido na terça-feira, às 10h. Outros envolvidos serão convocados a depor sobre o caso.

Na madrugada desta segunda-feira, o Bahia divulgou nota prestando solidariedade ao meia rubro-negro e confirmando o afastamento do colombiano. Segundo o clube, Ramírez terá chance de se defender enquanto é realizada apuração. O colombiano nega as acusações.

CBF pede investigação

Assim que tomou conhecimento do fato, no domingo, a CBF solicitou ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva a abertura de investigação. A entidade prometeu enviar ao tribunal a súmula da partida com o registro da denúncia de Gerson. Confira o comunicado:

“A CBF está solicitando à Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva a abertura imediata de uma investigação sobre a denúncia de racismo feita pelo jogador Gerson Santos, do Clube de Regatas do Flamengo, na partida deste domingo (20/12) diante do Esporte Clube Bahia, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. A entidade encaminhará ao STJD a súmula da partida, na qual consta o relato da denúncia feita pelo atleta. A CBF reitera seu profundo repúdio ao racismo.”

Relembre o caso

O Flamengo venceu o Bahia por 4 a 3, neste domingo, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, mas as polêmicas aconteceram após Gerson deixar o gramado reclamando de uma injúria racial do atleta colombiano Juan Pablo Ramirez, do Bahia. O vice-presidente jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, afirmou que o clube irá ao Superior Tribunal de Justiça (STJD) contra o atleta e ao técnico Mano Menezes.

“Além de apoiar o Gerson na esfera criminal, o Flamengo representará ao STJD contra o atleta que ofendeu racialmete o Gerson, assim como o fará contra o Mano Menezes, que apoiou a ofensa racial e chamou de malandragem. Temos que banir o racismo da nossa sociedade”, escreveu Dunshee.

Após a partida, o volante Gerson deixou o gramado reclamando de uma injúria racial do atleta colombiano Ramirez, do Bahia.

— Quero falar uma coisa: tenho muitos jogos como profissional e nunca vim falar nada porque nunca sofri esse preconceito. Quando tomamos um gol, o Bruno Henrique ia chutar uma bola, o Ramirez reclamou e fui falar com ele, que disse: “Cala a boca, negro” — declarou Gerson.

O fato ocorreu aos 7 minutos do segundo tempo, quando o Flamengo vencia por 2 a 1. Nas imagens, é possível ver Gerson inconformado e tirando satisfação com o atleta colombiano. Na hora, o volante do Flamengo contestou os atletas do Bahia sobre a declaração afirmando que “foi chamado de negro”.

— O Mano até falou “Ah, agora você é vítima, não é? O Daniel Alves te atropelou e você não falou nada. Claro, porque teve respeito entre eu e ele. Eu nunca falei de treinador, mas o Mano tem que saber respeitar. Estou vindo falar aqui por mim e por todos os negros do Brasil — reclamou Gerson.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Bahia afasta colombiano, que nega veementemente a acusação de Gerson sobre racismo

Gerson acusa Ramírez de racismo em duelo entre Flamengo e Bahia no Maracanã — Foto: Jorge Rodrigues / Agência Estado

O Bahia, através de nota em seu site oficial, manifestou-se sobre a denúncia de racismo feita pelo meia Gerson, do Flamengo, ao colombiano e jogador do time, Índio Ramírez, durante a derrota por 4 a 3, no último domingo. O Tricolor afirma que seu atleta negou veementemente as acusações sofridas, mas ao mesmo tempo afastou o meia-atacante até que a apuração do caso seja concluída.

Em entrevista após a partida, Gerson disse ter ouvido “Cala a boca, negro” do meia-atacante Índio Ramírez. No episódio, Gerson também discutiu com Mano Menezes no campo e pediu respeito ao técnico.

A transmissão do Premiere captou o áudio do momento em que Gerson reclama com Mano Menezes sobre Ramírez. Pelo som dos microfones (assista no vídeo acima), foi possível perceber que o meia do Flamengo reclamou em direção ao banco do Bahia.

Mano Menezes deixou o comando do Bahia poucas horas depois do episódio e, em publicação nas redes sociais, afirmou que condena qualquer ato racista.

O vice-presidente do Flamengo, Marcos Braz concedeu entrevista após o jogo e defendeu apuração do caso. Na súmula da partida, o árbitro relata não ter visto o episódio de racismo.

Confira na íntegra a nota divulgada pelo Bahia:

“O Esporte Clube Bahia vem a público se manifestar sobre a denúncia de racismo feita pelo atleta Gerson, do Flamengo, ocorrida na noite deste domingo (20).

O atleta Indio Ramírez nega veementemente a acusação e a ele está sendo dada a oportunidade de se defender de algo tão grave.

O clube entende, porém, que é indispensável, imprescindível e fundamental que a voz da vítima seja preponderante em casos desta natureza.

Assim, decidiu afastar imediatamente o jogador das atividades da equipe até a conclusão da apuração.

O presidente Guilherme Bellintani ligou para Gerson a fim de prestar solidariedade.”

Globo Esporte

Opinião dos leitores

  1. Pessoal não sou racista, mas futebol quem gosta e entende sabe que o tratamento entre atletas é usado muitos palavrões, dar um desconto aí mano

  2. No que consistiu o ato de racismo?
    Mandar calar a boca?
    Chama-lo de negro?
    Racismo não é correto, mas precisa ser configurado.
    Trata-se das palavras ou da atitude?

  3. Ou aceitam ou vão ser isolados numa bolha de imbecis. O mundo não aceita mais: racismo; homofobismo; e qualquer tipo intolerância. Vermes desse tipo serão levados pra ilha de Robson Cruzué. Fica a dica e mimimi é a desculpa pra esconder a imbecilidade humana.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *