Valor médio de presentes para o Dia das Crianças passa dos R$ 120 em Natal e Mossoró, aponta pesquisa da Fecomércio RN

Além do apelo emocional, o Dia das Crianças é uma das datas comemorativas que mais movimentam o setor do comércio neste segundo semestre. Diante disso, há seis anos o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio Grande do Norte (Fecomércio RN) realiza a pesquisa de intenções de compras para o Dia das Crianças em Natal e em Mossoró.

Em Natal, 65% dos consumidores pretendem presentear neste Dia das Crianças. O valor é 2,1 pontos percentuais a mais do que em 2018, quando a intenção de compras era de 62,9%. Em Mossoró, o que irão presentear este ano somam 63,1% (contra 62,2% em 2018). Entre os que não vão presentear este ano, as alegações variam entre: não ter quem presentear (Natal – 54,1%; Mossoró – 61,1%); a falta de dinheiro (Natal – 30,7%; Mossoró – 32,4%); e vão poupar (Natal – 5,2%; Mossoró – 3,2%).

Perguntados sobre quanto pretendem gastar com os presentes, tanto natalenses quanto mossoroenses devem desembolsar mais do que no ano passado. O gasto médio do consumidor natalense deve ser de R$ 132,21, 6,4% maior do que em 2018, quando o gasto médio foi de R$ 124,23. Já o gasto médio do mossoroense deve ser de R$ 121,53, valor 5,5% maior que o do ano passado, quando os consumidores gastaram uma média de R$ 115,22.

Em Natal, o perfil dos consumidores que vão comprar presentes é, em sua maioria, de homens (65,4%), com idade entre 35 e 44 anos (76,1%) e com renda familiar acima de dez salários mínimos (72%). Em Mossoró, a maior parte também é de homens (65,1%), com idade entre 25 e 34 anos (68,7%); e com renda familiar entre cinco e dez salários (69,2%).

A exemplo de pesquisas anteriores, os tipos de presentes mais procurados deverão ser os brinquedos (Natal – 52,1%; Mossoró – 61,1%); seguidos de roupas (Natal – 38,7%; Mossoró – 37%); calçados (Natal – 7,3%; Mossoró – 6,6%) e eletrônicos (Natal – 6,1%; Mossoró – 4,4%). Com relação à quantidade de presentes, a maioria dos entrevistados afirmaram que vão comprar apenas um presente (Natal – 45,3%; Mossoró – 43,4%); para presentear os filhos (Natal – 52,6%; Mossoró – 50%).

O preço dos presentes (42,5%) lidera o principal motivo de compra em Natal, seguido do desejo da criança (41%). Já em Mossoró, a situação inversa, com o desejo da criança sendo o principal motivo (49,1%) da compra, seguido do preço dos presentes (28,2%).

Na hora da escolha, a grande maioria (Natal – 65,6%; Mossoró – 74,4%) não irá levar as crianças para escolher os presentes. Quanto ao dia de compras, muitos vão deixar para comprar os presentes nesta semana que antecede o dia 12 (Natal – 65,6%; Mossoró – 70,7%). O local de compra mais procurado pelos natalenses devem ser os shoppings (43,1%), seguido do comércio de rua (42,2%). Já os mossoroenses preferem o comércio de rua (64,6%), seguido dos shoppings (25%).

A maioria dos entrevistados (Natal – 79,7%; Mossoró – 76,7%) afirmaram que irão fazer uma pesquisa prévia antes da compra dos presentes para economizar. Quanto à forma de pagamento, a maioria afirma que será à vista em dinheiro (Natal – 49,9%; Mossoró – 54,9%); seguido do cartão de crédito (Natal – 35,8%; Mossoró – 40,1%). Apenas 11,6% em Natal, e 3,5% em Mossoró vão usar o cartão de débito.

Além dos presentes, alguns entrevistados responderam que irão realizar atividades especiais na data (Natal – 38%; Mossoró – 31,1%). Entre os natalenses, 35,4% vão fazer passeios em clubes ou parques; 28% vão à shoppings; e 36,6% vão fazer outros passeios. Em Mossoró, 41,7% vão aos shoppings; 30,1% vão à clubes ou parques; e 28,2% farão outras atividades.

Potiguares irão gastar mais de R$ 100 com presentes do Dia das Mães em 2019

Pesquisa do IPDC da Fecomércio, mostra valor médio dos presentes de R$ 124,28 em Natal e R$ 113,70 em Mossoró

O Dia das Mães é considerada a segunda melhor data para o comércio varejista, e será comemorado no próximo domingo, 12 de maio. Como acontece todos os anos, o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC) da Fecomércio RN realizou a pesquisa de intenção de compras para a data, nas cidades de Natal e Mossoró. Em Natal, foram entrevistadas 650 pessoas entre os dias 22 e 25 de abril; e em Mossoró, 500 pessoas entre os dias 29 de abril e 1 de maio.

Entre o universo de pessoas entrevistadas, o número de consumidores que vão presentear neste dia das mães é semelhante nas duas cidades – 74,6% em Natal e 74,8% em Mossoró. Em relação à 2018, o índice de pessoas que pretendem presentear diminuiu 1,3 pontos percentuais em Natal e 0,2 pontos percentuais em Mossoró. Entre os que não vão presentear em Natal (25,4%) e em Mossoró (25,2%), as principais justificativas são: ausência de figura materna (43,6% em Natal); não comemoram a data (41,3% em Mossoró); e falta de dinheiro (33,9% em Natal e 38,9% em Mossoró).

Entre os que irão presentear, a maioria dos consumidores – 38,3% em Natal e 37,7% em Mossoró – pretendem gastar até R$ 100 em produtos. O gasto médio aumentou nas duas cidades, ficando em R$ 124,28 em Natal (acréscimo de 2% em comparação com 2018, quando o gasto médio foi de R$ 121,84); e de R$ 113,70 em Mossoró (acréscimo de 3,8% em comparação a 2018, quando o gasto médio foi de R$ 109,53). A maioria dos entrevistados (61,1% de Natal e 67,4% de Mossoró) irão comprar apenas um presente, e acham que os produtos estarão mais caros (60,8% – Natal; 59,6% – Mossoró).

Entre os itens que foram mais citados como opções de presentes na data estão os perfumes/cosméticos (30,3%) em Natal, ao contrário do ano passado quando as roupas eram as campeãs, com 35,4% das citações. Já em Mossoró, as roupas continuam liderando, com 30,5% das respostas (contra 35,9% em 2018). Outras opções citadas foram: itens são o vestuário (29,3% em Natal); perfumes/cosméticos (28,6% em Mossoró); eletrodomésticos (12,2% em Natal e 11,5% em Mossoró); e calçados/bolsas (9,7% em Natal e 12,6% em Mossoró).

Se perguntadas o que gostariam de ganhar, as mães optariam por as roupas (23% em Natal e 25,9% em Mossoró); perfumes/cosméticos (19% em Natal e 21,1% em Mossoró); e calçados/bolsas (13,8% em Natal e 12,9% em Mossoró).

Quando perguntados quais seriam as pessoas a serem presenteadas, os consumidores responderam que serão as mães (88% tanto em Natal quanto em Mossoró); as esposas (14,6% – Natal; 16,3% – Mossoró); as sogras (12,8% – Natal; 13,6% – Mossoró); as avós (5,2% – Natal; 5,3% – Mossoró); as tias (3,1% – Natal; 1,3% – Mossoró); as filhas (2,5% em Natal); e as irmãs (2,4% em Mossoró).

Na tentativa de economizar, os consumidores de Natal (66,3%) e Mossoró (67,9%), devem fazer pesquisa de preços e responderam que entre os atrativos que as lojas podem oferecer para ganhar a clientela estão as promoções (41,7%% – Natal; 44%% – Mossoró); a qualidade do atendimento (22% – Natal; 32% – Mossoró); e os descontos (32% – Natal; 18% – Mossoró). Em Natal, o local preferido para as compras serão os shopping centers (47,7%). Já em Mossoró, o comércio de rua (61,9%) tem a preferência da população. Em comparação com o ano passado, tanto os shoppings quanto o comércio de rua mantiveram praticamente o mesmo nível de intenção de consumo registrado.

A forma de pagamento mais usada pelos consumidores deve ser o pagamento à vista, em dinheiro ou cartão de débito (61,1% em Natal e 56,4% em Mossoró); seguido da opção de pagamento por meio do cartão de crédito (37,5% em Natal e 42% em Mossoró).

Em Natal (56%) e em Mossoró (62,2%), a maioria dos consumidores não pretendem realizar nenhuma comemoração especial no Dia das Mães. Entre os que responderão que irão comemorar, os natalenses devem optar por um almoço ou jantar em casa com a família (20,5%); ou em restaurantes (18,2%). Os mossoroenses seguem na mesma linha de comemorações, com almoço ou jantar em casa (15,2%); ou em restaurantes (17,2).

 

Dia dos Pais: Quase 70% dos natalenses vão comprar presentes e média dos gastos deve superar R$ 100

Tida como uma das cinco principais datas de vendas para o comércio, o Dia dos Pais – que será comemorado no próximo dia 12 de agosto – já movimenta o comércio de todo o país. Em Natal, os consumidores se mostram otimistas (66,8% dizem que vão, sim, às compras) e afirmam que pretendem gastar R$ 107,82, em média, com presentes para marcar a data. A maioria (66,4%) deve ir às lojas somente na semana que vem (anterior ao Dia dos Pais). Também é maioria (57,6%) o número de pessoas que afirmam que irão comprar em shopping.  Os números fazem parte de uma pesquisa feita pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN, através do seu Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC), que ouviu 600 pessoas nas quatro regiões da capital.

De acordo com a pesquisa, os pagamentos à vista (em dinheiro ou cartão de débito) terão prioridade. A modalidade foi citada por 58,1% dos entrevistados. A pesquisa também procurou saber dos consumidores, quais ações eventualmente adotadas pelas empresas poderiam atraí-los às compras. Pouco mais de um terço dos entrevistados (36,1%) se disseram atraídos ela oferta de descontos. Os programas de fidelização (que também ofertem descontos) foram citados por outros 35,3%. O atendimento personalizado foi lembrado como diferencial de escolha por 13,3% dos consumidores. 

Itens mais procurados

Roupas, calçados e acessórios serão os itens mais procurados pelos filhos. A pesquisa do IPDC/Fecomércio mostra que 50,1% dos natalenses pretendem presentear o pai com peças de vestuário. Os calçados e acessórios aparecem com 14,6% da preferência. Os perfumes e cosméticos foram citados por 8,6% das pessoas ouvidas.

O levantamento também procurou saber se os entrevistados pretendem levar seus pais a algum local especial para comemorar o domingo dedicado a eles. A maioria prefere algo mais familiar, afirmando que uma boa opção é almoçar ou jantar na casa de familiares (63,6%). Apenas 17,6% disseram que pretendem levar os pais para almoçar ou jantar em restaurantes.

Otimismo

Outro dado da pesquisa IPDC/Fecomércio que ratifica o otimismo dos consumidores natalenses é o fato de que, questionados sobre como avalia o atual momento para compras de produtos, 46,7% responderam que ele é ótimo ou bom. Outros 41,7% afirmaram que o momento é regular e apenas 11,5% disseram que a situação é ruim ou péssima. Quando perguntados como está a sua situação financeira, comparada com a que tinha há um ano,  51,4% dos entrevistados disseram que está melhor, 36,2% afirmaram está igual e apenas 12,4% relataram que a situação financeira piorou.

“Os números da pesquisa nos deixaram bastante otimistas. No plano nacional, o que temos visto é que o comércio aposta em aumento de vendas na casa dos 3% a 3,5%. Pelo que vimos na pesquisa, acho que podemos ser mais otimistas e falar em alta acima dos 6% sobre 2011”, afirma o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz. Pelos números do IBGE, o mês de agosto do ano passado registrou alta de 9,6% sobre 2010. Vale ressaltar que, em 2011, os três últimos dias de agosto foram reforçados com a campanha Liquida Natal.

A íntegra da pesquisa do IPDC/Fecomércio pode também ser conferida no site www.fecomerciorn.com.br.