Para quem mora em região litorânea (como em Natal), não custa se informar: saiba como agir em caso de tsunami e garanta mais segurança para você e sua família

Tsunamis surgem em decorrência de terremotos ou maremotos.Foto: Shutterstock / Vivo Mais Saudável

Um tsunami, ou onda gigante, pode causar devastação e vitimar muitas pessoas. Estar preparado e saber o que fazer em situações de emergência é a maneira de manter a sua segurança e auxiliar quem precise de ajuda.

Antes de visitar qualquer lugar, é importante saber se o destino é uma zona de risco. Países como Japão e Tailândia, por exemplo, emitem instruções sobre o que fazer em uma situações como essas, alertando turistas e locais.

A razão desse post, longe de qualquer sensacionalismo, chama a atenção para um alerta internacional emitido na noite desse domingo(04), quando um terremoto de magnitude 5.8 atingiu a região central do Oceano Atlântico por volta das 22h, o que se cogitou, ainda que de forma improvável, um eventual risco de tsunami no nordeste brasileiro, como Natal, Recife e Fortaleza.

Segundo o Observatório Sismológico dos EUA, as localidades mais próximas dos tremores foram Fernando de Noronha (a 730 km do epicentro do tremor) e as cidades do litoral nordestino, como Rio Grande do Norte (1.099 km do epicentro do tremor).

Sendo assim, não custa publicar recomendações de segurança para uma hipotética necessidade de evacuação. Abaixo trechos de reportagem em esfera nacional.

Veja mais em: Terremoto de magnitude 5.8 atinge região do Atlântico a 1000 km do Litoral Potiguar e 700 km de Fernando de Noronha

O que fazer durante um tsunami

Numa área costeira onde tenha ocorrido um terremoto, ainda que de pouca magnitude, há chances de tsunami. Além disso, um recuo súbito do mar ou o comportamento estranho de animais também são considerados sinais do desastre natural.

Assim que o tremor for sentido ou outros sinais se manifestarem, mantenha a calma. Em seguida, procure uma área mais alta para se proteger. Seja o telhado de algum prédio ou o topo de uma colina, o importante é distanciar-se da orla e encontrar abrigo na maior altitude possível.

A recomendação é que as pessoas se afastem pelo menos três quilômetros do mar. Caso isso não seja possível e a única alternativa seja subir, indica-se uma altura de no mínimo 30 metros.

Atenção: em uma emergência como essa, você deve estar focado em proteger a si mesmo e as outras pessoas. Não tente segurar pertences, pois poderão lhe atrapalhar durante a fuga.

Fique atento para ondas tardias ou novos terremotos. Mesmo que a água já tenha passado, permaneça em local seguro até receber instruções confiáveis sobre a situação. As autoridades locais são as mais qualificadas para emitir o sinal de positivo para o retorno.

Após a onda gigante passar, o trabalho de auxílio às possíveis vítimas continua. Prontifique-se para ajudar da forma que for mais útil, seja, conseguindo mantimentos e água ou procurando por desaparecidos. Nesses momentos, toda colaboração é bem-vinda.

Caso esteja visitando uma zona de risco, fique atento aos planos de evacuação do local. A Tailândia, por exemplo, espalhou diversas placas sinalizando possíveis rotas em suas ilhas.

Principais ondas gigantes dos últimos anos

Vivenciar um tsunami é um medo comum tanto para viajantes quanto para moradores de locais com histórico de ondas gigantes. A última catástrofe natural nessa categoria foi registrada em março de 2011, quando uma onda de dez metros de altura atingiu a costa de Sendai, no Japão, após um tremor de 8,9 graus de magnitude na escala Richter.

Em 2010, o Chile foi vítima do desastre natural, que atingiu principalmente a região de Maule. Já a Indonésia sofreu com outros três tsunamis nos últimos anos: um na costa de Sumatra, em 2010, um na ilha de Java, no ano de 2006 e outro em 2004. Essa tragédia também atingiu mais nove países do Sudeste Asiático. Um tremor submarino de 9,3 graus provocou um tsunami que causou a morte de 220 mil pessoas.

Reportagem da Super Interessante no fim de 2018 foi mais além, e especulou cenário improvável, porém, não impossível – que poderia causas estrago, especialmente, na região Nordeste

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dr. Veneno disse:

    Sonha Alice!!

  2. Adler disse:

    Estão gostando da repercussão, só pode. Ou querem falar disso para causar pânico nas pessoas.

    Aos leitores: Não teve e nem terá Tsunami em Natal. As movimentações de terra que geram tremores que aqui não são do tipo que vai gerar tsunami.

    E mesmo que fosse o caso, Natal está localizado 50 metros acima do nivel do mar. Além disso estamos cercados pelas Dunas do Parque das Dunas. Ou seja, é mais fácil a gente morrer afogado numa chuva do que por uma tsunami.

    • Zeferino disse:

      Quero ver essa tranquilidade quando a parede do vulcão das ilhas Canárias deslizar para o Atlântico.

  3. RCMelo disse:

    Valei-me!

Gratuito e sem propaganda, como o WhatsApp ganha dinheiro? Entenda

Imagem: Getty Images

Não cobra assinatura. Não cobra para fazer o download. Não tem anúncios. Não tem compras dentro do aplicativo. Mas, então, como o WhatsApp ganha dinheiro? Ou melhor, que tipo de magia fez o Facebook decidir comprar o app por R$ 19 bilhões, em 2014?

Quando fundado em 2009 por Brian Action e Jan Koum, ex-funcionários do Yahoo!, o WhatsApp cobrava US$ 1 por instalação em alguns países. Em outros, a empresa cobrava US$ 1 por ano como forma simbólica de assinatura. E em alguns outros, o app era completamente gratuito –era o caso do Brasil.

Em agosto de 2014, ano da compra pelo Facebook, cerca de 600 milhões de pessoas usavam o aplicativo de mensagens, de acordo com o site Statista. Até setembro do mesmo ano, os relatórios financeiros do Facebook apontavam que o faturamento da empresa não ultrapassava a casa do US$ 1,3 milhão, menos de um centésimo do valor da compra.

Se você pensou “então o WhatsApp não dá dinheiro”, isso faz algum sentido. O que levou o Facebook a gastar tanto, então?

Especialistas apontam o “big data” –campo da tecnologia que lida com grandes volumes de dados digitais– como impulsionador da compra. Com mais informações, a empresa de Zuckerberg pode analisar melhor o comportamento dos usuários.

Em agosto de 2016, o WhatsApp começou a compartilhar dados com o Facebook. O objetivo? Fomentar relações entre as bases de Facebook, WhatsApp e Instagram -sugerir amizades em uma rede baseado em contatos da outra, por exemplo– mas, principalmente, otimizar a recomendação de publicidade. Afinal, é aí que está o maior volume de faturamento do Facebook atualmente.

Além disso, em outubro do ano passado o então executivo-chefe do WhatsApp, Jan Koum, anunciou o WhatsApp Business. A versão para negócios já está funcionando no Brasil e tem recursos como:

A cobrança por estes recursos finalmente está gerando receita consistente para a empresa. Brasil, Alemanha, Indonésia, Índia, México, Reino Unido e Estados Unidos são alguns dos países que o adotaram. As mensagens serão cobradas a uma taxa fixa para entrega, variando de US$ 0,05 a US$ 0,09 por mensagem, dependendo do país.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Chico disse:

    O que faz aparecer uma propaganda de algum produto ou serviço do nada no seu telefone? Às vezes vc até falou a respeito do mesmo numa conversa. É isso mesmo que wz ganha dinheiro, sem vc saber.