Política

VÍDEO: Bolsonaro “invade” avião lotado, tem recepção calorosa, e alfineta passageiro que gritou ‘fora’: “deveria estar é de jegue viajando, para ser solidário ao candidato deles”

No aeroporto de Vitória, no Espírito Santo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) visitou um avião lotado antes da decolagem, onde cumprimentou comissórias e apoiadores. Também não ignorou um passageiro que gritou “fora”.

“Quem está falando ‘fora Bolsonaro’ deveria estar é de jegue viajando, né”, disse ele. “‘Fora Bolsonaro’ tem que estar viajando de jegue, não de avião, é ou não é? Para ser solidário ao candidato deles”, prossegue, sem citar a quem se referia.

Um vídeo do momento foi compartilhado por um canal alinhado ao presidente, através da deputada Carla Zambelli, que provocou os adversários políticos do  presidente. Confira abaixo:

Opinião dos leitores

  1. BG, seu mito acabou! Agora só no golpe! Estão desesperados! Suas idéias políticas são respeitáveis e necessárias, o vetor foi engano!

  2. Rapaz, tem matérias aqui que são exageradas, outras passam pano, mas essa é mentirosa mesmo. No vídeo aparece a maioria dos passageiros xingando Bolsonaro de genocida. Minta, mas pelo menos tente ser discreto, BG.

  3. Dê a noticia direito. Mito ou genocida? Bolsonaro aparece em voo comercial e divide passageiros

    1. VC É UM ZE MANE MESMO
      ESQUERDOPATA

    2. No vídeo que eu vi só escutei fora bolsonaro e genocida.
      Dê a notícia direito.

  4. Entre o jegue batizado e milico e capitalista e Messias de faz de conta Bolsonaro e o jegue batizado e santo comunista e Jesús falso salvador dos pobres e oprimidos conhecido como Lula,eu ainda prefiro o jegue batizado Bolsonaro que è um mais ou menos,não é um ideal,mas,já que a terceira via de centro mostrou se ser inviavel,a eleição será mesmo polarizada entre os dois notaveis com os títulos de bacharelado,mestrado e doutorado e pós-doutores em jeguisse ou jumentisse ou burrice.

    1. Não seja burro, temos que avançar e tentar escolher o melhor. Não adianta voltar a votar num ladrão ou num tonto desse que se passou 4 anos e não mudou nada, só sufoco e polêmicas desnecessária, os preços das coisas nas alturas, tirou nossa aposentadoria. Esse é inepto para o cargo, temos q tentar outro, até um dia encontrar, não podemos é votar num que já provou que é o pior pra nação.

    2. Levou uma vaia do Caraí…kkkkkk
      Saiu de fininho com o rabo entre as pernas…aí ficaram os babões que estavam filmando gritando mito…kkkkkkkkk

    3. O vídeo filmado pelos passageiros mostra o quanto o Minto é “querido”…
      Chega saiu murcho…kkkkkkkkkkkkkkk

  5. Esse sujeito passageiro é um dos derrotados de esquerda, que não pode ver o carinho das pessoas pelo presidente , sem melar as roupas .O desespero é grande.Glória a Deus estamos no caminho certo juntos com Bolsonaro .

  6. Eu tenho uma amiga carioca, que já morou numa comunidade dominada por milícias… Ela me falou que o comportamento do genocida, não tem o que tirar, nem pôr de um miliciano… Ela falou também que milicianos não gostam quando aparece alguém e discorda do pensamento deles…

    1. Será? Você conhece ninguém.
      Você deve conhecer uma militonta do PSOL ou uma desocupada, vápozeira.

    2. É a milícia no poder. Os assassinatos a tiros ainda não começaram porque ainda não dominaram o país totalmente. Mas é o passo seguinte.

    3. Manda ela morar na Argentina porra…fica aqui do lado tá ok.

  7. Se for em outro avião, leva uma vaia maior, que recepção fria dos passageiros, o cara ficou sozinho, se não fosse a comissária, passava vexame. Um ou outro tonto chegou pra falar com ele. Sem a claque não junta um pé de gente Kkkkkkk.

    1. Manda o ladrão de 19 tentáculos entrar num avião desses com passageiros.

    1. Só falta o MINTO dizer que foi o STF que proibiu ele de ir num hospital…

    2. ” o choro é livre ” _ Maju Coutinho
      Ele falou que vai visitar as grandes obras do PT, pra ver o jogo da seleção brasileira. Já que ao invés de hospitais, o PT deu prioridade a elefantes brancos, como é o caso da nossa arena das dunas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Macron leva tapa no rosto durante visita a cidade francesa

O presidente da França, Emmanuel Macron, levou um tapa no rosto durante visita a Tain-l’Hermitage, na região do Drôme, no sudeste do país.

Vídeos do incidente publicados em rede social mostram Macron se aproximando para cumprimentar moradores que estão atrás de uma barreira de metal.

Ele encosta a mão no braço esquerdo de um homem que, em seguida, gritando “abaixo o Macronismo”, esbofeteia o presidente com força, com a mão direita. Uma equipe de comunicação da Presidência no local afirmou que o golpe não acertou e foi aparado por seguranças, mas a imagem mostra claramente o tapa.

Duas pessoas foram presas, segundo a TV BFM e a rádio RMC. O site Le Dauphiné fala em um preso.

A comitiva de segurança de Macron rapidamente interveio para segurar o homem que deu o tapa e afastar o presidente, que logo em seguida voltou para cumprimentar moradores mais à direita.

O líder francês, que deve concorrer à reeleição no próximo ano, está percorrendo o país no que o governo chama de “viagem pela França dos territórios”.

Às vésperas de uma nova fase do desconfinamento, na qual restaurantes poderão voltar a servir seus clientes em espaços internos, Macron focou a viagem a Drôme em gastronomia. Em Tain-l’Hermitage, ele visitou uma escola de hotelaria, antes de um almoço de trabalho na cidade de Valence.

Antes do incidente, ele pediu que, apesar da reabertura, as pessoas mantenham a cautela: “Claro que todos estamos felizes por redescobrir os pequenos prazeres da vida. Mas se perdermos toda a vigilância, o risco é voltar. E não me esqueço da experiência do verão passado”.

Folha de PE, com Folha Press

Opinião dos leitores

  1. Macron tentou imitar o Presidente Bolsonaro e se deu mal kkkk. Onde o Véio Bolsonaro vai, é recebido com carinho, rosas, orações, abraços de criancas6, jovens, adultos e idosos. O Véio é querido demais .

    1. Esse Francês que deu a tapa é de esquerda kķkkk não resta dúvida

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga visita fábrica de vacinas veterinárias no interior de São Paulo para tratar de possibilidade de fabricação de mais vacinas contra a Covid-19

Foto: Divulgação

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, viaja nesta sexta-feira (21) para o interior de São Paulo para tratar da fabricação de mais vacinas contra a Covid-19.

Queiroga, junto com a ministra da Secretaria de Governo da Presidência da República, Flávia Arruda, vão visitar as instalações da Indústria Ourofino Saúde Animal, em Cravinhos, na região de Ribeirão Preto (SP), que produz vacinas veterinárias.

No final do mês passado, o Senado aprovou um projeto de lei que diz que as indústrias farmacêuticas veterinárias vão poder produzir imunizantes contra a doença. Isso só será feito, claro, seguindo todos os protocolos e orientações de segurança sanitária.

A decisão visa acelerar a produção de vacinas para conter o avanço da pandemia.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

    1. Quer dizer então, que se vier uma vacina produzida neste local vc não a toma? Bom, estamos numa situação confortável de se poder escolher q vacina que vai tomar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Hospitais estaduais recebem visita da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Natal

A Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Natal realizou, nesta segunda-feira (19), visitas fiscalizatórias nos hospitais públicos estaduais. A ação de fiscalização teve o objetivo de avaliar o atendimento aos pacientes com Covid-19 oferecido pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte. O percurso começou no Hospital Dr. João Machado, localizado na Avenida Alexandrino de Alencar, e de lá seguiu para os hospitais Giselda Trigueiro, zona Oeste, e Santa Catarina, zona Norte.

“Estamos percorrendo os hospitais com a finalidade de verificar como está a aplicação dos recursos direcionados para a saúde”, afirmou o presidente da Comissão, vereador Preto Aquino (PSD). “Visitamos três unidades de saúde muito importantes para a nossa cidade, cumprindo uma das principais funções do Legislativo, que é fiscalizar as ações dos poderes públicos. Agora, iremos concluir o relatório de tudo que vimos hoje e encaminhar para os órgãos competentes”, pontuou o vice-presidente, vereador Herbert Sena (PL).

No Hospital Dr. João Machado, 50% dos leitos estão destinados para pacientes com Covid-19 , enquanto os outros 50% para psiquiatria. Entre os 45 leitos críticos para Covid-19, 39 são UTIs e 6 semi-intensivos. No momento, a unidade opera entre 97% e 100% de ocupação destes equipamentos. A diretora Leidiane Fernandes apresentou aos vereadores o funcionamento do João Machado. “Operamos com um tanque de oxigênio com capacidade três vezes maior do que o anterior. Apenas o Hospital Walfredo Gurgel supera o nosso estoque de oxigênio”, disse ela.

Por sua vez, o Hospital Giselda Trigueiro está com todos os seus 35 leitos de UTI para Covid-19 ocupados. “A demanda é grande, mas a nossa unidade está preparada”, explicou Adelia Machado, coordenadora do Núcleo Interno de Regulação. Já o Hospital Santa Catarina trabalha com leitos para Covid-19 de retaguarda e referência para gestantes. “Somos referência para obstetrícia de alto risco e Covid em gestantes na rede estadual”, informou a diretora geral Aline Bezerra.

O vereador Luciano Nascimento (PTB) falou sobre a necessidade da população intensificar os cuidados para evitar a doença. “Temos hospitais operando com lotação máxima, profissionais que relatam um dia a dia tenso e equipes exaustas por mais de um ano de pandemia. Precisamos de um enorme esforço coletivo porque a situação é crítica”, concluiu.

Opinião dos leitores

  1. BG, apenas uma sugestão: que o blog investigue quantos leitos de UTIs o estado tinha como também o município de Natal

  2. Quero saber é da vacina, fiscalizem, porquê não sai de 63 anos, 12 dias, importante também ver hospitais, pra não fazer igual ao Pará, respiradores escondidos.

    1. A falta de vacinas é um problema no mundo todo.
      O avanço depende de chegada de novas doses.
      Na minha opinião não deveriam vacinar nem profissionais da saúde nem professores etc.
      Vacinava só idosos e pessoal com comorbidades.
      Já estaríamos nos 55 anos eu acho…

    2. Quem não comprou vacinas na hora certa? E só mudou de conduta pressionado pela compra da coronavac por Dória? Não há que se falar em falta de vacinas. O que ocorreu foi criminosa falta de iniciativa, ou pior, esforços que foram contrários aos recomendados para controle da pandemia. Governos federal, estaduais e municipais precisam prestar contas e ser responsabilizados por seus desmandos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bolsonaro elogia e anuncia visita a prefeito de Chapecó por tratamento precoce; presidente também diz que “Brasil precisa voltar a trabalhar”

Foto: Reprodução Facebook

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu novamente, nesta segunda-feira (5), o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19.

Em cerimônia de entrega de residências populares no Distrito Federal, Bolsonaro disse que viajará nesta semana para Chapecó (SC) onde, segundo ele, o prefeito João Rodrigues (PSD) faz “um trabalho excepcional” no “atendimento na ponta da linha” de quem necessita de tratamento.

A prefeitura liderada por Rodrigues intensificou no início de 2021 uma campanha pelo chamado tratamento precoce, com uso de medicamentos como ivermectina e cloroquina. As substâncias não têm eficácia comprovada contra a Covid-19.

“[Rodrigues é um] exemplo a ser seguido, por isso estou indo para lá. Para exatamente não só ver, mas mostrar a todo o Brasil que o vírus é grave, mas seus efeitos têm como ser combatidos. Mais ainda, naquele município -com toda certeza em mais [cidades], em alguns estados também- o médico tem a liberdade total para trabalhar com o paciente, total. Esse é dever do médico, uma obrigação e direito dele”, declarou o presidente.

Em outro momento de seu discurso, Bolsonaro voltou a dizer que as políticas de enfrentamento ao vírus não podem ser mais nocivas do que a própria doença e defendeu que as pessoas voltem ao trabalho.

“O Brasil precisa voltar a trabalhar”, disse.

Em Chapecó, os remédios do chamado tratamento precoce já eram ofertados, mas tiveram o uso estimulado depois que Rodrigues tomou posse em 1º de janeiro.

Bolsonaro advoga desde o ano passado o uso de cloroquina e ivermectina no tratamento da Covid-19, mesmo após diversos estudos não terem atestado que esses medicamentos funcionam para o combate ao vírus.

Especialistas alertam ainda que o chamado tratamento precoce pode estar associado a efeitos colaterais que muitas vezes agravam o quadro de pessoas que ingressam nos hospitais.

O próprio presidente afirma ter usado hidroxicloroquina quando se infectou com o vírus em meados do ano passado.

O Tempo, com Folha Press

Opinião dos leitores

  1. As UTIs de Chapecó estão com 100% de ocupação. É só olhar no site da própria prefeitura de lá. O tratamento precoce não funcionou e cada vez morre mais gente por lá, do mesmo jeito que ocorre no resto do Brasil. O presidente precisa de pessoas mais informadas perto dele.

  2. O prefeito de Vitória da Conquista tb defendia o tratamento precoce inclusive comprou os medicamentos com dinheiro da própria prefeitura, morreu mês passado de covid

  3. As medidas eficazes contra o vírus são o tratamento precoce, o isolamento social (não confundir com esse “lockdown” absurdo e irresponsável), medidas sanitárias e vacinação. Também é necessário investir na saúde. O resto é mero exercício de controle social. Cadê os novos leitos hospitalares?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Fátima revela conversa com Lula e diz que ex-presidente visitará o RN depois de vacinado: “a ginga com tapioca na praia da Redinha já está escutando a conversa”

A governadora Fátima Bezerra revelou em suas redes sociais uma conversa na noite dessa terça-feira(09) com o ex-presidente Lula. Ela relata que a primeira coisa que ele fez foi perguntar por sua saúde e pela situação da pandemia no RN. “Empolgado, claro, com a justiça que está sendo feita, ainda que tardia, mas principalmente muito preocupado diante da situação de calamidade sanitária no país”, disse.

Fátima, então, disse que perguntou com o petista estava de saúde e ele disse que “está muito bem, com energia revigorada, se sentindo em forma como um rapaz de 40 anos e muito feliz com a notícia de que está chegando a vez dele se vacinar, agora já na próxima semana”.

A governadora ainda contou que o ex-presidente disse que assim que estiver devidamente vacinado, vai fazer algumas viagens pelo Brasil e já incluiu o Rio Grande do Norte no roteiro. “Vou ali lhe visitar e ver essa terrinha querida novamente que eu tanto gosto”, disse.

Ao seis seguidores, Fátima concluiu: “Chegue, Presidente. A ginga com tapioca na praia da Redinha já está escutando a conversa”.

Opinião dos leitores

  1. Venha num avião de vôo comercial.
    Que pro ex presidiário sentir os números das pesquisas verdadeiras.
    Esse vagabundo assaltou o país, desviou muito dinheiro via Odebrecht e agora quer pousar de bom moço.
    Canalha ladrão.

    1. Agora filho de pobre vai voltar a estudar. Empregada doméstica vai viajar de avião novamente. É pobre vai comer carne todo dia.
      Só no RN, Lula construiu 14 Institutos de Educação, duplicou a BR 101, garantiu bolsa família para milhares de necessitados.
      Depois dele, no RN, não sentaram um tijolo

  2. Esse BOSTA vai conversar muita asneira daqui para frente. Tem se que ter muita paciência. BRASIL> O PAÌS da sacanagem , dos Ladrões , dos corruptos, dos Vagabundos , dos enganadores.
    Nosso povo é muito PACATO ainda. Solta o resto da CORJA.

  3. Chega presidente, todo mundo vai tá em coro gritando, LULADRAO O MAIOR LADRÃO DO MUNDO. QUEREMOS QUE VC VENHA TERMINAR O SERVIÇO, SEU FDP

  4. Finalmente está se fazendo justiça neste pais , tão desgovernado, epicentro do mundo do coronavírus, em colapso da saúde em quase todo o país, o presidente atual é culpado pela maior parte desta tragédia! Os mitos , caindo as suas máscaras! Ídolos com pés de barro!

    1. BG.
      vocês esquerdopatas vão adquirir leptospirose junto do gabiru ladrão.

  5. Quero ver mesmo se esse vagabundo terá coragem de enfrentar o povo nas ruas, esse ladrão covarde só sabe se esconder atrás das câmeras, venha pra rua seu ladrão, vc vai sentir o afago do povo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Candidato a presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira estará em Natal nesta sexta-feira

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O deputado federal Arthur Lira (PP-AL), candidato a presidência da Câmara dos Deputados, fará uma visita ao Rio Grande do Norte, na sexta-feira (15), para pedir o apoio da bancada dos deputados potiguares, em meio ao recesso. A visita terá início em Natal, com uma coletiva para imprensa em um café da manhã no Restaurante Mangai, às 8h30. O deputado Beto Rosado (PP-RN), em conjunto com os demais integrantes da bancada federal, coordena a visita do candidato ao Estado.

Logo após a coletiva para imprensa, Arthur Lira fará visitas ao prefeito Álvaro Dias e ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira. A agenda será finalizada em um almoço do candidato com a participação do Ministro das Comunicações Fábio Faria, dos deputados federais Beto Rosado, João Maia, General Girão, Carla Dickson, além de outros líderes potiguares.

Em 1.º de fevereiro, os 513 deputados federais vão escolher o novo presidente da Câmara. Nesse dia, também estarão em jogo os cargos de vice-presidentes da Casa, de secretários e suplentes desses cargos. A apuração dos votos começa pelo cargo de presidente da Câmara. Para ser eleito em primeiro turno, o deputado precisa ter a maioria absoluta, isto é, 257 votos. Caso isso não ocorra, os dois mais votados disputam o segundo turno.

O deputado Arthur Lira exerce o terceiro mandato consecutivo como deputado federal. É líder do PP na Câmara. Já foi vereador em Maceió (AL) e deputado estadual. Participa das frentes parlamentares da Agropecuária e da Evangélica.

Opinião dos leitores

  1. Começou a temporada de promessas do toma lá da cá. O Renan Calheiros deve estar orgulhoso do pupilo cria dos usineiros que mandam na República Coronelista das Alagoas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bolsonaro visita o filho Carlos em hospital do DF

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro foi ao hospital Santa Lúcia, em Brasília, na manhã desta quinta-feira, acompanhar seu filho, Carlos Bolsonaro. Carlos foi submetido a uma endoscopia, exame do sistema gástrico. O vereador teria apresentado dores no estômago. A indicação inicial seria de apenas fazer uma endoscopia, mas outros exames complementares foram solicitados.

Procurada, a Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto disse apenas se tratar de uma agenda privada do presidente. O Hospital Santa Lúcia disse que o presidente foi lá “para acompanhar um procedimento de um familiar” e que Bolsonaro já deixou o local.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Calígula não responde, esse Samuel Uel é o extrato do pum, do cavalo, do bandido que matou Zorro. Mente doentia, apavorada por que só faz o bem e não rouba, na reforma sanitária queriam acabar com os manicômios, uma completa insensatez, para um faísca minúscula como esse extrato, bem que cabia uma vaga.

    1. Vá comprar o panetone do seu marido, antes que ele te bata.

    1. Tudo que você deseja ao próximo, que volte em triplo para você.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Mourão diz que não acha que Pompeo utilizou o Brasil para fazer campanha política: “isso é desconhecer os Estados Unidos e até não respeitar o povo americano”

Foto: Jorge William/Agência O Globo

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta segunda-feira que não “viu nada de mais” na visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, à fronteira brasileira com a Venezuela. Segundo Mourão, achar que isso é campanha política a favor do presidente Donald Trump é “desconhecer os Estados Unidos” e até “desrespeitar o povo americano”.

— Não acho [que Pompeo utilizou o Brasil para fazer campanha], campanha política deles tem que ser feita lá dentro dos Estados Unidos. Acho que isso é desconhecer os Estados Unidos e até não respeitar o povo americano, como se o povo americano fosse gado e fosse, vamos dizer assim, ter alguma vantagem do Mike Pompeo ir até lá, não tem nada demais nisso — afirmou.

Mourão disse que respeita as críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e de ex-chanceleres, à vinda de Pompeo ao Brasil faltando menos de dois meses para as eleições americanas. Ele afirmou, no entanto, que o Brasil e os EUA sempre foram alinhados e que não vê “nada demais” na visita.

— O pessoal criticou isso, eu respeito as criticas das pessoas, ex-chanceleres, o presidente da Câmara também, mas eu não vi nada demais nisso daí. Nós temos um alinhamento com os Estados Unidos desde a época da nossa independência, os EUA foram o primeiro [país] a reconhecer a nossa independência — disse.

Na sexta-feira, Maia chamou a presença de Mike Pompeo de uma “afronta” às tradições da política externa brasileira. Para ele, o Brasil “deve preservar a estabilidade de fronteiras e o convívio pacífico com os países vizinhos”.

O vice-presidente disse ainda que a situação na Venezuela é “mais que muito complicada” e citou relatório de uma missão da Organização das Nações Unidas (ONU), que vinculou o governo de Nicolás Maduro a crimes contra a Humanidade.

— A Venezuela é uma situação mais que complicada, vocês viram ai o ultimo relatório da ONU, da Comissão de Direitos Humanos da ONU, sobre os crimes cometidos pelo governo venezuelano contra o povo venezuelano. Acredito que nenhum de vocês teve oportunidade de ir la na Operação Acolhida, mas as pessoas que chegam lá chegam com a roupa do corpo, são as pessoas mais vulneráveis da Venezuela que fogem para o Brasil a pé — disse.

A vinda do representante do governo de Donald Trump, que esteve também no Suriname e na Guiana e seguiu para a Colômbia, teve como principal objetivo discutir a situação na Venezuela. A visita aconteceu a pouco mais de um mês da eleição presidencial americana, num contexto em que Trump busca os votos da comunidade latina do estado da Flórida, em especial cubanos e venezuelanos exilados, e em que se discute a participação ou não da oposição venezuelana nas eleições legislativas convocadas por Nicolás Maduro para dezembro.

Desde janeiro de 2019, em coordenação com os EUA e países como a Colômbia, o Brasil reconhece o deputado opositor Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional, como presidente interino da Venezuela. Imaginava-se que a pressão diplomática intensa, ao lado do aumento das sanções, levaria à queda de Maduro. No entanto, ele se manteve no poder com o apoio dos militares e de países aliados como Rússia, China e Turquia.

Discurso na ONU

Questionado sobre o discurso que o presidente Jair Bolsonaro deve fazer na Assembleia Geral da ONU, Mourão disse que Bolsonaro vai tratar dos esforços brasileiros para controlar os desmatamentos na Amazônia.

— Vai mostrar, em principio, aquilo que nós estamos fazendo: a criação do Conselho [Nacional da Amazônia Legal], a operação Verde Brasil II, os esforços do governo no sentido de combater as ilegalidades, não é simples, não é fácil, elas continuam a acontecer, infelizmente — comentou.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Esse Rodrigo Botafogo Maia não tem moral alguma pra fazer essa critica. Eles queriam que o avião pousasse na Venezuela era?. Vão procurar o que fazer vagabundos. Já basta a invasão dos Venezuelanos inclusive aqui em Natal perambulando pelas ruas e mendigando. Isto sim é que nao pode.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

VÍDEO: Confira íntegra de visita de Bolsonaro ao ministro do STF Dias Toffoli, e reunião, em que faz apelo por menos restrições durante a pandemia

O presidente Jair Bolsonaro atravessou a Praça dos Três Poderes em Brasília a pé nesta quinta-feira (7) para se dirigir ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Acompanhado de ministros e um grupo de empresários, Bolsonaro se reuniu com o presidente do tribunal, Dias Toffoli, e fez um apelo para que as medidas restritivas nos estados sejam amenizadas.

Ida do presidente ao tribunal não estava prevista na agenda. Em reunião com Toffoli, Bolsonaro disse que assinou decreto para ampliar serviços considerados essenciais. No encontro, Toffoli disse que ações devem ser coordenadas entre União, estados e municípios.

Com acréscimo do G1

Opinião dos leitores

  1. O ministro da economia é o mais eficiente do governo e cauteloso com relacão a saúde. Basta ver seu comportamento, pois tomou as medidas necessárias para minimizar os impactos sociais apesar da crise, como também não reverbera as atitudes insanas do presidente em insistir nesse discurso acéfalo de que tem que flexibilizar, ora, se as medidas estão cada vez mais restritivas o grande motor é o presidente, pois ele como formador de opinião que é, incentiva cada vez mais o descumprimento das medidas de distanciamento, então o ministro que é o apoio do mercado, age com muita com responsabilidade, mas não abandona o barco.

  2. Isso é um doido, o mundo inteiro pede para ficar em casa, a Itália vai reabrir uma parte do comércio em Junho, aqui querem abrir no pico do vírus.

    1. Cada um escapa como pode. O pobre se lasca de todo jeito e o rico, se o bicho pegar fretam uma UTI aérea.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

FOTOS: A visita que virou tragédia em família por causa do coronavírus: ‘perdi meu marido e meu pai em dois dias’

Uma visita dos pais de Márcia se tornou uma tragédia, após idoso e marido dela morrerem em decorrência da Covid–19 — Foto: Arquivo pessoal/BBC

Uma visita dos pais, em 12 de março, representou o início da fase mais difícil da vida da enfermeira Márcia Cristina dos Santos, de 50 anos.

Os aposentados Adalgiza Gonçalves, de 80 anos, e Benedito dos Santos, 84, deixaram o pequeno município de Uraí (PA), onde moravam, e seguiram a Brasília para visitar a filha e o genro. A viagem havia sido marcada meses atrás. O plano inicial era que eles passassem algumas semanas na casa da filha na capital federal.

Márcia acompanhava sem muita preocupação as notícias sobre o novo coronavírus. Na data em que os pais dela chegaram, em todo o Brasil havia 77 casos confirmados pelo Ministério da Saúde, sendo apenas dois deles no Distrito Federal. Não havia nenhum registro de morte no país. Na época, não havia orientações de autoridades sobre isolamento social ou para que as pessoas evitassem viagens com destinos nacionais.

“Até então, o vírus parecia uma situação distante. Pensava que fosse algo que logo passaria”, revela Márcia.

Após os primeiros registros, o Brasil enfrentou um crescimento exponencial de casos de Sars-Cov-2, nome oficial do novo coronavírus. Até a quarta-feira (22/04), havia mais de 45,7 mil registros e 2,9 mil mortes.

“Não acreditava que fosse chegar ao nível em que as coisas chegaram. Não estava acompanhando muito as notícias no começo, por isso não tinha a dimensão do problema”, diz Márcia, que há um ano deixou a profissão de enfermeira para abrir um ateliê de costura.

Márcia e o sargento José Romildo Pereira estavam juntos havia uma década e tinham muitos planos para o futuro — Foto: Arquivo pessoal/BBC

O marido dela, o sargento da Polícia Militar José Romildo Pereira, era mais preocupado com o novo coronavírus. Por trabalhar nas ruas, ele temia levar o vírus para casa. Desde os primeiros registros no país, ele passou a adotar medidas como a higienização constante das mãos e não tinha contato com a esposa antes de tomar banho, após retornar do serviço.

A família tinha diversos planos para os próximos meses. Márcia e José, que estavam juntos havia 10 anos, desfrutavam da casa que haviam construído recentemente. Em abril, o policial entraria de férias. Até junho, ele deveria se aposentar, após 30 anos de trabalho na PM.

Os planos, porém, foram tomados pelo novo coronavírus. No início de abril, Márcia perdeu o marido e o pai. Ela não conseguiu se despedir ou acompanhar o breve enterro deles, pois também foi diagnosticada com a Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

“Está sendo muito difícil. Ainda estou anestesiada, porque não parece verdade. A minha ficha ainda não caiu. Tudo isso aconteceu tão de repente”, diz à BBC News Brasil.

Os primeiros sintomas

Quatro dias após chegar a Brasília, Benedito apresentou dificuldades neurológicas — sintomas atribuídos ao novo coronavírus. “O meu pai começou a perder noção de dia e hora. Ele nunca tinha passado por isso. Eu e minha mãe estranhamos”, detalha. Com o passar dos dias, a situação se agravou. “Ele ficou muito diferente. Sempre foi uma pessoa ativa, mas estava muito cansado e esquecido. Depois, começou a ter febre”, relata Márcia.

No mesmo período, José também apresentou problemas de saúde. “Ele teve febre e ficou muito cansado”, diz a viúva. O policial era diabético e tinha problemas pulmonares, em decorrência de complicações de saúde de anos atrás.

Os parentes acreditaram que os dois pudessem estar com uma gripe forte. Os dias passaram e os sintomas pioraram. Em 22 de março, Márcia levou o marido ao hospital. “Ele foi diagnosticado com uma gripe alérgica”, relata. Desde os primeiros sintomas, o sargento se afastou do trabalho.

Adalgiza e Benedito moravam no interior do Paraná e foram a Brasília para visitar a filha — Foto: Arquivo pessoal/BBC

O casal retornou para casa. No período, o crescimento exponencial de casos de Covid-19 no Brasil começou a chamar a atenção de Márcia e eles passaram a usar máscaras. Ela já considerava o coronavírus como uma ameaça real.

O sargento continuou com febre alta, mesmo tomando os medicamentos recomendados após o atendimento médico.

“No dia 26 de março, ele começou a ter sintomas piores, como dificuldades para respirar, dores nos pulmões e uma tosse muito seca. Levei ele ao pronto-socorro e a saturação de oxigênio dele estava muito baixa”, relata.

José foi internado com urgência e encaminhado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os exames apontaram indícios de pneumonia, com características semelhantes às da Covid-19.

Após deixar o marido no hospital, Márcia voltou para casa e soube que os problemas de saúde do pai haviam piorado. “Chamamos uma ambulância e o acompanhei até o Hospital da Asa Norte (HRan), em Brasília. Estive com ele durante toda aquela madrugada”, comenta. Ele também foi considerado um paciente suspeito de Covid-19, em razão dos problemas respiratórios e da tomografia apontar comprometimento nos pulmões.

Márcia confessa que chorou copiosamente ao chegar em casa, após ver o marido e o pai no hospital.

No dia 27 de março, ela não saiu mais de casa. Após ter sintomas como cansaço, tosse e falta de ar, ela procurou atendimento e os médicos também a consideraram como um caso suspeito de Covid-19. Em razão disso, teve de ficar em isolamento.

Em sua própria casa, ela se trancou em sua suíte para evitar contato com a mãe. “Precisava proteger a minha mãe, porque ela é hipertensa e poderia até mesmo morrer se pegasse o vírus”, diz. A idosa foi a única entre os quatro que não apresentou sintomas de Covid-19. “A minha mãe nunca foi de dar muitos abraços ou beijos, então acho que isso evitou que ela pegasse o vírus”, diz.

Os resultados dos exames de Márcia, José e Benedito deram positivo para Covid-19. “Não sabemos quem pegou primeiro e passou para os outros. Pode ter sido o meu pai, durante a viagem; meu marido, durante o trabalho, ou até mesmo eu em algum momento que saí de casa. É difícil saber”, diz Márcia.

As mortes do pai e do marido

Dentro da suíte que dividia com o marido, Márcia viveu dias angustiantes à espera de respostas sobre a saúde dos entes queridos.

Em 2 de abril, ela se assustou ao receber mensagens de condolências nas redes sociais. “Estranhei, mas depois fiquei sabendo pela televisão: confirmaram o óbito do sargento que estava internado no hospital. Era o meu marido. Primeiro contaram para a imprensa”, lamenta. No período em que esteve internado, o sargento teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico, parada cardiorrespiratória e falência múltipla dos órgãos.

Ela confessa ter ficado anestesiada ao saber da morte do marido e permaneceu em silêncio. “Não podia chorar na frente da minha mãe. Eu não queria que ela soubesse sozinha, porque eu não poderia ampará-la naquele momento”, diz. Márcia foi ao banheiro, abriu o chuveiro e chorou copiosamente a perda do marido.

“Chorei baixinho. Foi muito difícil conter a dor”, diz.

Dois dias depois, outra notícia triste: o pai dela teve uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. “De novo fui para o chuveiro e comecei a chorar. Naquele momento, eu tive certeza de que a próxima seria eu.”

Apesar de sentir dores pelo corpo, falta de ar e febre, ela não quis ser internada. “Não queria deixar a minha mãe sozinha”, diz. Os três irmãos de Márcia moram no Paraná.

José e Benedito foram enterrados nos dias seguintes às suas mortes. Os procedimentos fúnebres foram breves. Eles estavam em caixões lacrados, conforme determina a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Um dos filhos de Márcia — ela possui três, todos do primeiro casamento — e outros familiares ajudaram a organizar os enterros.

“Não consegui acompanhar nada. Estava em meu quarto, reclusa”, lamenta Márcia. Na suíte de casa, ela alternava entre momentos de incredulidade e outros de choro silencioso.

Após 15 dias em isolamento, Márcia foi considerada recuperada. Já sem sintomas, ela saiu da suíte em 13 de abril. “A primeira coisa que fiz foi contar para a minha mãe. Ela ficou tão incrédula quanto eu. Estamos muito tristes com tudo isso. Mas parece que a ficha ainda não caiu. Uma não gosta de chorar na frente da outra”, diz Márcia.

Quando a situação da pandemia acalmar, ela pretende levar a mãe de volta para o Paraná. “Farei isso daqui a alguns meses. Por enquanto, ela vai passar o isolamento comigo”, diz. “Uma está cuidando da outra. É como se estivéssemos adiando o luto, para sofrermos lá na frente, quando estivermos sozinhas. Foi a forma que encontramos para lidar com isso”, comenta.

Evangélica, ela afirma que se apegou à fé para enfrentar as perdas. “Independente da religião, acredito que a fé é muito importante em momentos assim”, pontua.

O mais difícil para Márcia, desde as mortes de José e Benedito, tem sido lidar com a saudade. “O meu marido foi um homem incrível. Éramos muito felizes. A gente planejava começar a viajar muito, após a aposentadoria dele. A nossa vida era muito boa”, lamenta. “O meu pai também foi um homem incrível. Ele fazia tudo pelos filhos e me ensinou muitas coisas”, diz.

Após as perdas, ela pede que as pessoas se conscientizem sobre os cuidados referentes ao novo coronavírus.

“É muito mais sério do que eu pensava. As pessoas precisam usar máscaras e higienizar as mãos. Você nunca sabe o que vai acontecer em seu organismo quando pega o vírus. É importante se cuidar, não só por você, mas também pelos outros”, diz Márcia.

G1, com BBC

Opinião dos leitores

  1. Muito triste. Revolta é certas pessoas zombarem dessa doença e menosprezar a vida em detrimento de dinheiro. Tdos nos pagaremos muito caro pelo fim do isolamento agora, antes de atingirmos o pico da doença.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Flávio Bolsonaro homenageou policiais na cadeia, absolvidos logo depois, e nunca teve amizade com Adriano da Nóbrega, garante advogado

Foto: Sérgio Lima/Poder360 16.jul.2019

Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro, reagiu à acusação do vereador Ítalo Ciba, segundo o qual o senador teria visitado Adriano da Nóbrega na cadeia “mais de uma vez”.

“O tom da informação é falso e leviano. Isso não existiu. O Flávio foi na cadeia homenagear, não só o Adriano, mas outros policiais que estavam sendo vítimas de uma injustiça. Tanto é que todos foram absolvidos depois.”

Wassef ressalta que “a família Bolsonaro sempre se solidarizou com policiais que sofrem injustiça”. “Eles tinham absoluta convicção de que (os policiais) eram inocentes, por isso a homenagem dentro do presídio.”

O advogado garante que Flávio nunca visitou Adriano com “status de amigo”, como sugere o vereador do Avante. “Não existe relação entre Flávio Bolsonaro e Adriano da Nóbrega. Não são amigos, nunca foram amigos, nunca saíram, nunca jogaram futebol.”

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. O senador está certo em defender o amigo e vizinho do seu pai, Já que Adriano era empresário do ramo das milícias fluminense. E assim como os petralhas se unem para defender os milicianos também se unem para se defender

  2. O senador está correto em defender o amigo e vizinho do seu pai, Já que Adriano era empresário do ramo das milícias fluminense. E assim como os petralhas se unem para defender os milicianos também se unem para se defender

    1. Onde você estava entre 2004 e 2016 que não viu isso? Não cobrou retidão por 20 anos?
      Por acaso sabe quantos processos existem e quantos já foram condenados por corrupção e formação de quadrilha que ocuparam cargos no governo entre 2003 a 2018? Sua memória é seletiva ou sua visão é ideológicamente torpe?

    2. Salvino, e onde é que um erro justifica outro?
      Vc não é como muitos de nós que fomos as ruas para mudar as coisas e fazer diferente?
      Onde está a diferença?
      Ontem atirávamos pedras no telhado dos outros. Hoje o telhado de vidro é o nosso.
      Como podemos dizer "Faça o que digo, mas não faça o que eu faço?"

    1. Cada qual defendendo sua gangue de políticos predileta, rsrsrsrsrs.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO: Jorge Jesus visita o INCA, distribui presentes e promete doações com vendas de sua biografia

Foto: Lance

Jorge Jesus segue fazendo história e subindo degraus para se tornar o maior técnico da história do Flamengo. Desta vez, o feito admirável se deu fora dos estádios. Na última quinta-feira, de folga, o treinador visitou o Instituto Nacional de Câncer (INCA) e foi conhecer o setor de pediatria. O português foi só simpatia e emoção com as crianças que lutam contra a doença.

Em seu perfil no Instagram, Jorge Jesus externou que doará a quantia referente aos direitos autorais de sua biografia (“Mister Jesus, Quebrando Paradigmas no Futebol”, do escritor Rui Pedro Braz pela editora AllBook), a ser lançada em dezembro, ao INCA. O comandante rubro-negro distribuiu autógrafos e presentes, como bolas, à garotada.

– Hoje à tarde tive a oportunidade de visitar o INCA, conhecer o setor de Pediatria e conversar com familiares e pacientes. Em dezembro será lançada uma biografia e o dinheiro referente aos direitos autorais que cabem a mim, serão doados para projetos do INCA. Espero ver o INCA cada vez melhor e mais forte – escreveu o Mister.

Cabe lembrar que, na última segunda-feira, um dia após o Flamengo desfilar no trio elétrico pelas ruas do Centro para comemorar o título da Libertadores, Jorge Jesus recebeu o título de cidadão honorário do Rio de Janeiro.

Já nesta sexta, Jesus retorna às atividades no Ninho do Urubu. Prepará a equipe para o jogo deste domingo, às 16h, diante do Palmeiras, no Allianz Parque.

Terra, com Lance

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Em entrega de moradias na PB, Bolsonaro agradece recepção de nordestinos com “Iuhuuuuuuuuu”

O presidente Jair Bolsonaro entregou nesta segunda-feira (11), em Campina Grande, na Paraíba, 4,1 mil moradias populares a famílias de baixa renda. O presidente fez agradecimentos às autoridades que colaboraram para a conclusão do novo conjunto habitacional, e disse que, na política, “ninguém faz nada sozinho”.

“Para administrar esse país, temos que ter bons políticos ao nosso lado e, graças a Deus, o quadro de políticos no Brasil melhorou, e bastante. Temos aprovado muita coisa na Câmara e no Senado, com convencimento, com entendimento. Isso realmente faz uma boa política para o nosso Brasil”, disse ao lado do ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, autoridades locais e parlamentares.

O Conjunto Habitacional Aluízio Campos tem 3.012 casas e 1.088 apartamentos de até 48 metros quadrados, avaliados em R$ 61 mil cada, que beneficiarão 16 mil pessoas. Os contemplados com as novas moradias têm renda familiar de até R$ 1,8 mil mensais e, para o sorteio, foram reservadas cotas para famílias com idosos, pessoas com deficiência e crianças com microcefalia.

O empreendimento contou com aporte de R$ 262,5 milhões da União e tem infraestrutura completa, dois ginásios cobertos, três creches, duas escolas, duas unidades básicas de Saúde (UBS), um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e dez praças com academias de saúde.

Foto: Alan Santos/PR

Agência Brasil

Opinião dos leitores

    1. So nao foi Luladrao pq tava preso e nunca soube o que é trabalho.. so sabia pedir propina.

    2. BG por favor esclareça pra essas criaturinhas que as obras foram iniciadas em 2014,

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro chega a Brasília após visita a cinco países

Foto: José Dias/PR

O presidente Jair Bolsonaro chegou nesta quinta-feira (31) ao Brasil após viagem por cinco países da Ásia e Oriente Médio, onde apresentou as reformas que o governo está empreendendo na área econômica e as oportunidades de investimento no país. O voo com a comitiva presidencial pousou por volta das 7h na Base Aérea de Brasília.

Cerca de meia hora depois, Bolsonaro chegou ao Palácio da Alvorada e entrou sem falar com a imprensa. Nesta quinta-feira, o presidente não tem compromissos oficiais e deve passar o dia no Palácio da Alvorada. Durante dez dias, Bolsonaro esteve em encontros e seminários com empresários e investidores e assinou vários acordos bilaterais com os países por onde passou: Japão, China, Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita.

Ele começou o tour pelo Japão, onde participou da cerimônia de ascensão ao trono do imperador japonês Naruhito, em Tóquio e se reuniu com o primeiro-ministro, Shinzo Abe, na busca por novos negócios com o país asiático, como exportação de carne brasileira e acordos em ciência e tecnologia.

Na China, o presidente brasileiro reuniu mais ministros em sua comitiva, como da Agricultura, Tereza Cristina, e o de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que já estavam no país em reuniões com autoridades e empresários para tratar de oportunidades de investimento e aprofundamento as relações comerciais. Em encontro com o presidente chinês, Xi Jiping, Bolsonaro assinou vários acordos bilaterais em agricultura e comércio, energia e educação e pesquisa.

Além dos atos com o governo, foram assinados acordos comerciais na área de infraestrutura e agricultura. Bolsonaro ainda convidou empresários chineses para participarem do megaleilão de óleo e gás, que acontecerá no dia 6 de novembro. Na ocasião, o presidente ainda anunciou a isenção de visto para a entrada de chineses no Brasil.

Oriente Médio

No Oriente Médio, o objetivo do presidente e sua comitiva de ministros foi atrair os investidores, em especial para os projetos de concessões e privatizações do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Os países dessa região possuem grandes fundos soberanos em busca de oportunidades em países emergentes. Eles também são grandes compradores de produtos do agronegócio brasileiro.

Em visita oficial aos Emirados Árabes Unidos, o presidente Jair Bolsonaro firmou oito atos em várias áreas como paz e segurança, cooperação econômica, inteligência artificial, meio ambiente e defesa e anunciou investimentos do grupo Mubadala, um dos dois grandes fundos soberanos dos Emirados Árabes Unidos, no Brasil.

No Catar, Bolsonaro assinou vários acordos, entre eles para a isenção de visto de entrada nos países de turistas, pessoas em trânsito ou em viagens de negócios e para cooperação em grandes eventos esportivos. O país do Oriente Médio vai sediar a Copa do Mundo de futebol em 2022.

No último país do tour presidencial, a Arábia Saudita, o presidente brasileiro anunciou a parceria com o Fundo de Investimento Público saudita (PIF), que pode resultar no desenvolvimento de projetos de até US$ 10 bilhões no Brasil. Em encontro com o rei Salman Bin Abdulaziz Al Saud também foram celebrados atos em várias áreas, entre elas pesquisa industrial, desenvolvimento e tecnologia de defesa; cooperação cultural; e parcerias entre as entidades sauditas, a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

R7

 

Opinião dos leitores

  1. Missão cumprida com louvor!!!! Parabéns mito!!!! Mais uma vitória para os brasileiros q trabalham e produzem!!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS: Governador da Paraíba visita empreendimento em Natal

Fotos: Divulgação

O governador da Paraíba, João Azevedo, esteve em Natal e visitou o empreendimento Pirâmide Resort, na Via Costeira, ao lado de seus secretários e assessores. Visando a incentivar o desenvolvimento na Paraíba, João Azevedo criou um regime de estímulos aos investimentos no seu Estado.

Na visita ao hotel natalense, o chefe do executivo estadual reafirmou seu projeto de fomento à economia da Paraíba, onde o grupo capitaneado pelo empresário Sami Elali possui dois projetos hoteleiros de grande porte. O Pirâmide Resort está na fase de conclusão de obras e será operado por uma das maiores redes hoteleiras do mundo.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *