Ciência tenta buscar pessoas que funcionam como superdisseminadores de coronavírus

Foto: Getty Images/BBC

A chamada superdisseminação — que é quando pacientes transmitem infecções para um grande número de pessoas — ocorre em quase todos os surtos.

Na maioria das vezes não é culpa deles, mas eles acabam tendo um impacto significativo na disseminação das doenças.

Não poderia ser diferente com o atual surto de um novo coronavírus (batizado de covid-19), que começou em dezembro na cidade chinesa de Wuhan e matou até agora mais de mil pessoas e infectou outras 40 mil.

Um dos superdisseminadores foi identificado como sendo o britânico Steve Walsh, que esteve em Cingapura a trabalho e depois foi associado à infecção de quatro pessoas no Reino Unido, cinco na França e uma na Espanha.

O que é um superdisseminador?

O termo é um tanto quanto vago, e não tem uma definição científica consolidada.

Mas trata-se do caso de um paciente que infecta significativamente mais pessoas do que o normal.

Em média, cada pessoa infectada com o novo coronavírus o transmite para duas e até três pessoas.

Mas isso é apenas uma média: algumas pessoas não passarão o vírus para ninguém, e outras, para mais de uma dezena, por exemplo.

Quão grande pode ser um episódio de superdisseminação?

(mais…)

Como cumprir promessas de ano novo, segundo a ciência

(Classen Rafael / EyeEm/Getty Images)

Guardar dinheiro, fazer as pazes com a balança, ler mais livros, arrumar um novo emprego, começar a fazer exercício. Qualquer pessoa que se preze carrega uma lista de resoluções de ano novo na ponta da língua – segundo um levantamento divulgado pelo Google, 55% dos brasileiros buscavam na internet por alguma meta do tipo ao final de 2017.

O problema é que tirar a vontade de mudança do papel costuma ser mais complicado do que parece. Uma pesquisa mostrou que 88% das pessoas costuma abandonar o novo hábito já em fevereiro do ano seguinte. Outro estudo, feito na Universidade de Scranton, nos EUA, foi além, cravou que só 8% de fato conseguem levar à frente suas promessas. Isso faz com que certos desejos se repitam ano após ano, sem jamais deixar o rol de metas a cumprir.

Isso acontece porque costumamos superestimar nossa capacidade de mudança. Assim, acabamos traçando metas irreais. De tão comum, a coisa ganhou nome: “síndrome da falsa esperança”, como descreve uma dupla de pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, neste artigo científico. A boa notícia é que, além de apontar o dedo para a sua incapacidade de levantar o traseiro do sofá, a ciência também tem algumas dicas para aumentar suas chances de sucesso. Vamos a elas.

Uma coisa de cada vez

Sua lista de promessas tem mais de 10 itens? Vale a pena quebrar a cabeça para reduzi-la. Como cada meta demanda boa dose de tempo e energia para vingar, acumular muitas aspirações pode significar não fazer nada direito. Uma boa pedida é simplificar as coisas, focando em uma meta só – que seja específica, e, principalmente, razoável. O que nos leva ao item 2.

Não pense tão grande – pelo menos a princípio

É melhor colocar na cabeça: “Vou correr 10 quilômetros” do que simplesmente “Vou começar a correr”, é claro. Só que, ao mesmo tempo, vale o questionamento: “Consigo mesmo correr 10 quilômetros sem morrer no processo?”. Começar com treinos mais curtos e, com o tempo, ir apertando o passo, tende a facilitar as coisas – e dar a impressão de que você está progredindo.

Facilite a execução
Autor do livro Smart Change, Art Markman ressalta a importância de tornar novos hábitos mais fáceis de serem executados e, ao mesmo tempo, dificultar hábitos antigos. Quer começar a correr após o expediente? Deixe o tênis e a roupa de academia sempre na mochila. Deseja ser menos consumista? Evite gastar tanto tempo namorando aquela lojinha on-line ou passeando pelo shopping.

Conte aos outros

Contar a um amigo ou postar nas redes sociais sobre uma resolução de ano novo é como assumir um compromisso. Isso pode servir de motivação: ao ter uma recaída na dieta ou falhar em terminar a leitura programada para o mês, você pode pensar que estará decepcionando não só a si próprio – mas também, alguém que te apoia. Um tanto dramático, talvez. Mas funciona.

Estabeleça pequenas “punições”

Rory Vaden, especialista em autodisciplina e autor do livro Take the Stairs: 7 Steps to Achieving True Success, maximiza a dica anterior ao propor algo curioso. Tenha na manga alguma punição para fazer sempre que vacilar no seu propósito. Pode ser dar um presente a alguém, passar por uma situação ridícula de propósito ou doar uma pequena quantia à caridade, por exemplo. Qualquer coisa que faça você pensar duas vezes antes de sair dos trilhos de novo.

Comemore o progresso

Estar atento às pequenas vitórias e se auto-recompensar após ter concluído uma etapa pode dar uma dose extra de motivação. É o que defende Chris Bailey, autor do livro New Year’s Resolutions Guidebook, A Life of Productivity. Conseguiu poupar mais dinheiro que o planejado para o mês? Pode ser uma boa fugir da rotina e sair para jantar em algum lugar diferente, por exemplo.

Permita-se tentar de novo

Vale lembrar, por fim, que tudo é uma questão de perspectiva. Não é como se, na virada de 2019 para 2020, algo mudasse e, num passe de mágica, você se tornasse a versão ideal de si próprio. Mas a troca de ano no calendário, de alguma maneira, nos motiva a fazer as coisas de forma diferente. A parte boa é que, por mais clichê que isso pareça, cada novo ciclo pode ser uma oportunidade para a mudança – ainda que ela dure apenas pelas primeiras semanas. Janeiro de 2021, afinal, é logo ali.

Super Interessante

MAIS ESSA: Como embrulhar seus presentes de Natal, de acordo com a ciência

Foto: Pixabay

A forma com que você embala seu presente de Natal influencia no quanto a pessoa que o receberá vai gostar dele. Isso é o que diz uma pesquisa recente publicada no periódico científico Society for Consumer Psychology.

“Quando recebemos um presente de um amigo, usamos o embrulho para sugerir o que o item será, o que gera expectativas”, disse Jessica Rixom, uma das pesquisadoras, em comunicado. “Se for bem embrulhado, definimos altas expectativas sobre o presente e é difícil que ele corresponda a essas expectativas.”

Cientistas realizaram três estudos diferentes. O primeiro foi feito com fãs do Miami Heat, clube de basquete norte-americano, que receberam uma camiseta do time ou uma caneca do Orlando Magic, equipe rival. Quando a embalagem estava mal feita, os voluntários não se decepcionaram tanto ao abrirem o presente e descobrirem que o presente era uma homenagem ao time rival.

Na segunda etapa, os pesquisadores utilizaram apenas imagens de um mesmo presente embalado de duas formas. Os resultados mostraram que as expectativas eram significativamente maiores para os itens bem embrulhados, se comparados aos que estavam embalados de qualquer jeito.

A terceira parte do teste consistiu testar o quanto o grau de amizade entre o presenteador e o presenteado influencia na importância da qualidade do embrulho. Após trocarem presentes entre si com amigos e estranhos, os especialistas perceberam que a qualidade da embalagem era mais importante para quem não tinha uma relação muito próxima.

Os cientistas acreditam que isso ocorre porque presentes bem embrulhados sugerem que quem o está dando veja o relacionamento com o presenteado de forma importante. Logo, isso aumenta as chances de quem está ganhando o objeto gostar do presente.

Por isso, Rixom sugere que você se empenhe na hora de embalar seus presentes —, mas só se você tiver comprado algo bacana. “Usar o embrulho para tornar um presente mais bacana pode causar o efeito contrário”, ela afirmou. “Por outro lado, pode ser sensato fazer um esforço extra presentear quem é apenas um conhecido.”

Galileu

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonini disse:

    Que notícia interessante.

Fim do mundo: as previsões da ciência para o evento

PINTURA DE JOHN MARTIN DESCREVENDO O APOCALIPSE (FOTO: WIKIMEDIA COMMONS)

Um dos temas que mais exercem fascínio sobre o homem é, provavelmente, o fim do mundo. Sobram explicações religiosas e científicas, e o único consenso parece ser de que ele vai acontecer em breve. Até agora ninguém acertou, é claro (e ainda bem), mas veja as previsões de cientistas para o fim do mundo:

2600

Duas semanas antes de morrer em março de 2018, aos 76 anos, o físico Stephen Hawking completou uma teoria com suas previsões para o fim do universo. Segundo ele, eventualmente tudo vai virar escuridão quando as estrelas ficarem sem energia. A Terra, porém, terá sido extinta muito antes disso, por volta de 2600, de acordo com outra teoria de Hawking. Em 2017, durante uma conferência em Pequim, ele afirmou que excesso de população e de consumo de energia vai transformar o planeta em uma grande bola de fogo daqui a poucos séculos.

2060

É a previsão feita por Isaac Newton em 1704, que usou uma série de cálculos para estipular que o mundo como conhecemos hoje deverá acabar por volta de 2060 (não antes, mas talvez um pouco depois). Mas em vez de estudar a fundo a previsão, ele usou como principal fontes profecias bíblicas.

2040

Um programa de computador desenvolvido no Massachusetts Institute of Technology (MIT) por Jay Forrester, um dos pioneiros da computação, previu que a civilização vai entrar em colapso daqui a mais ou menos duas décadas. Ele usou um modelo de sustentabilidade global para analisar o crescimento populacional e níveis de poluição até chegar ao ano do apocalipse. Veja um vídeo com uma explicação em inglês.

Dois minutos

Quer dizer, não literalmente, mas a ideia da do simbólico “Relógio do Juízo Final”, criado por cientistas da Universidade de Chicago em 1947, é mostrar o quão próximo estamos da destruição por uma guerra nuclear. No relógio, meia-noite representa o fim, e o tempo é adiantado ou atrasado conforme avanços feitos pela humanidade.

No início deste ano, após a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, o relógio foi adiantado em 30 segundos, avançando para dois minutos para a meia-noite, o mais próximo que já esteve desde 1953, quando os EUA e a União Soviética testavam dispositivos termonucleares.

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Roberto disse:

    Nós brasileiros, estamos livres desse tipo apocalipse, já temos o nosso particular e mais eficaz, lento e gradativo.

  2. Jacques Derrida disse:

    A Inteligência profunda igual a um pires do eleitorado de BOLSOBARO me fascina. Sua sensatez e sabedoria de enxergar que coisas como está matéria fazem parte de um esquema Comunista para enganar a todos.
    A terra não é redonda, o céu não é azul vivemos dentro de uma redoma, os dinossauros NUNCA existirem e segundo a saliência de bolsonazi o problema de crianças prematuras no país é pq as mães não fazem tratamento dentário. Seu eleitorado e tão inteligente que se o mesmo disse que comer bosta e nutritivo muitos faram só pq o "mito" disse.

  3. OPINIOSO disse:

    Pra concretizar o fim do mundo, basta a maioria da população, próximo dia 07 digitar 13 e confirmar, aí não tem mais quem conserte, rsrsrsrs

Ciência explica o prazer na desgraça alheia

O atleta mais bem pago do mundo começou a trilhar sua derrocada ao bater em um Cadillac SUV, um hidrante e uma árvore, em 2009. Relatórios iniciais do acidente de Tiger Woods, um dos maiores golfistas de todos os tempos, informavam que sua esposa havia quebrado a janela do veículo com um taco de golfe para resgatá-lo, mas quando a notícia de que o casal estava brigando devido à infidelidade de Woods se espalhou, a janela quebrada tornou-se uma metáfora para sua reputação destruída.

À medida que o escândalo se desenrolava, a celebridade esportiva que tinha construído um império sobre sua imagem de homem de família íntegro foi revelado como um glutão do sexo extraconjugal, e autor de textos de mau gosto para amantes e acompanhantes pagas. Do dia para a noite, Woods havia se tornado alvo de comparações com o ridículo, para não falar de um site e uma conta no Twitter com o único propósito de propagar piadas sobre ele.

Outro nome para a inveja

Os alemães têm um termo excelente para o prazer perverso em acontecimentos como estes: schadenfreude (em tradução livre para o português, “a alegria do mal”). A satisfação derivada do infortúnio dos outros é o principal foco de estudo de Richard H. Smith, professor de psicologia da Universidade de Kentucky, nos Estados Unidos. Desde 2000, o professor publicou cinco livros sobre o assunto, que falam sobre comparações sociais, inveja e a schadenfreude num contexto político e de identificação social.

A emoção pode parecer perversa, mas possui uma função adaptativa e foi tema do novo livro de Smith, “The joy of pain: Schadenfreude and the dark side of human nature” (“O prazer da dor: schadenfreude e o lado negro da natureza humana”). A narrativa tem como base as comparações sociais que nos permitem avaliar nossos talentos e determinar nossa posição na sociedade. Elas são tão instintivas que na vida selvagem também se manifestam. Estudos mostram que macacos e cães medem suas qualidades por seus pares.

Assim, quando nos deparamos com alguém que é mais amado ou apreciado do que nós, o nosso instinto é rebaixá-lo ao nosso nível. Se este desejo ilícito é cumprido por acaso, a schadenfreude aparece.

O sucesso de Woods no campo de golfe e, aparentemente, na vida — linda esposa, família e reputação perfeitas — “forneceu um contraste agudo para a maioria das pessoas, mesmo que elas não se interessassem pelo esporte”, escreve Smith, no livro. Embora algumas pessoas tenham sido inspiradas por ele, talvez a maioria tenha se sentido diminuída pelo seu sucesso. A sua queda o trouxe para mais perto, e, assim, permitiu que outras pessoas se sentissem melhor.

“Nós assistimos televisão para adquirir conhecimentos preciosos sobre a condição humana?”, pergunta Smith. E ele mesmo responde: “Por favor, nós assistimos para ver aquelas cenas constrangedoras que nos fazem sentir um pouquinho melhor sobre nossas vidas insignificantes”.

Esse é o combustível das revistas de fofoca. Em uma análise de dez semanas da revista americana “The National Enquirer“, Smith e Katie Boucher, psicóloga da Universidade de Indiana, também nos Estados Unidos, descobriram que a popularidade de uma celebridade era maior quando havia um artigo tratando de alguma desgraça em sua vida.

Vingança é outra coisa

O prazer aumenta quando a schadenfreude parece merecida. Uma pesquisa feita por Benoît Monin, um psicólogo social de Stanford, mostra que a mera presença de um vegetariano pode fazer onívoros se sentirem moralmente inferiores. “Os vegetarianos não precisam dizer uma palavra, a sua própria existência, do ponto de vista de um comedor de carne, é uma irritante moral”, afirma Smith. Desta maneira, descobrir hipocrisia na pessoa considerada de mente elevada faz com que o contentamento seja ainda maior.

Por definições tradicionais, schadenfreude é uma emoção passiva entre os espectadores que não desempenham funções nas desgraças alheias. Quando o sentimento inclui a vingança, o termo foge da sua especificidade. É a falta de participação por parte do testemunho que faz o reconhecimento da schadenfreude possível: seu alvo secreto caiu e você não teve nada a ver com isso.

A parte mais polêmica do livro é um capítulo destinado a analisar o que levou ao surgimento do nazismo na Alemanha. Segundo Smith, a schadenfreude foi um dos maiores motivadores para o antissemitismo, que teria surgido como uma tática para rebaixar o objeto de comparação e afirmar a superioridade ariana. No entanto, o Holocausto foge completamente da expressão, pois perde o caráter passivo.

Apesar da conotação negativa do termo, Smith afirma que schadenfreude “não precisa ser demonizada”. Segundo o autor, é melhor abraçar a oportunidade de saciar nossos lados obscuros do que negar a sua existência. Enquanto permanece passivo, “a alegria do mal” pode melhorar a nossa autoestima e servir como um lembrete de que até mesmo as pessoas mais invejáveis são falíveis — assim como nós.

O Globo

Vídeo mostra como Sonda Spirit chegou a Marte

O vídeo retrata em pouco mais de seis minutos, como se realizou a viagem de sete meses da Sonda Spirit ao planeta Marte.  A animação é uma versão editada do vídeo original de 2006, e foi postado no youtube há um ano, mas agora animação começa a circular com mais intensidade na web.

A Sonda Spirit  foi um veículo de exploração espacial não tripulado, cuja missão era estudar o planeta Marte, permanecendo ativo de 2004 a 2010. A sonda foi um dos veículos projetados pela NASA para o Programa Mars Exploration Rovers. Pousou com sucesso em Marte em 4 de janeiro de 2004, três semanas antes do outro veículo, Opportunity.

O robô atingiu o tempo planejado para a missão, mas continuou em atividade por mais de 20 vezes o tempo inicial, devido ao excelente condicionamento de seus sistemas. Além disso, o robô percorreu cerca de 7,7 km, ao invés do 1 km que era esperado no início da missão, permitindo uma investigação geológica mais extensa e completa que o previsto.

O Spirit continuou a realizar suas tarefas até 22 de março de 2010, quando a comunicação foi interrompida, ainda tentou-se restabelecer a comunicação até 24 de maio de 2011, quando a Nasa anunciou que os esforços para se comunicar com o Rover tinham terminado. A despedida formal foi planejada na sede da Nasa após o feriado do Memorial Day e foi televisionada pela NASA TV.

Confira o vídeo aqui

 

Cientistas brasileiros e americanos desenvolvem método mais eficiente de diagnóstico da leucemia

Um novo método desenvolvido por pesquisadores brasileiros e norte-americanos permitirá mais rapidez e precisão no diagnóstico da leucemia e melhorará o monitoramento da resposta do organismo ao tratamento de quimioterapia.

Participaram do estudo dois cientistas brasileiros do Centro de Terapia Celular (CTC) da Universidade de São Paulo (USP) e mais cinco dos institutos nacionais de Saúde dos Estados Unidos.

Hoje, para o diagnóstico de câncer, os laboratórios citogenéticos analisam as alterações estruturais dos cromossomos nas células. Com o método, as células são examinadas uma a uma no microscópio, permitindo a análise de apenas 20 delas. O novo método usará o mesmo processo, mas terá capacidade de analisar até 30 mil células em menor tempo.

Segundo Rodrigo Calado, professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, que participou da pesquisa, o novo método usa um aparelho chamado citômetro de fluxo, que, atualmente, faz exames de linfócitos em pacientes portadores do vírus da imunodeficiência humana (HIV) ou com fibrose pulmonar e anemia aplástica – ocasionadas por anormalidades nos telômeros, extremidades dos cromossomos.

A novidade é que os cientistas descobriram uma nova aplicação para o aparelho, no diagnóstico e monitoramento do câncer de sangue, sendo a leucema o mais prevalente. Eles decidiram combinar o citômetro de fluxo com o método antigo, chamado de fluorescência, melhorando a eficiência do processo. “Combinamos os dois para poder analisar uma grande quantidade de células”, disse Calado.

O professor conta que já usou o citômetro de fluxo experimentalmente em diagnósticos de pacientes com câncer. Ao usá-lo, os pesquisadores notaram que o aparelho pode também ajudar o médico a observar a resposta ao tratamento do câncer. “Se havia, no começo, 100% de células com alteração no cromossomo e, com o passar do tempo, o número diminuiu para 1%, isso indica que o tratamento está sendo efetivo”, explicou.

O método pode ainda auxiliar indicando se a quimioterapia possibilitou a cura total do paciente. “Se com o passar do tempo, [o paciente] ainda tem 1% de células com alteração cromossômica, isso sugere que o tratamento, embora tenha tido uma resposta, não foi completo. Isso porque [o paciente] ainda tem células do câncer presentes em circulação”, observou.

De acordo com Calado, o desenvolvimento do método levou dois anos. O pesquisador estima que o novo diagnóstico esteja disponível para a população em três ou quatro anos. “Os laboratórios têm que adaptar o que já existe para poder fazer esse método, e isso leva tempo”, disse. Ele estima que, quando chegar ao mercado, o teste com  o novo método custe em torno de R$ 500 por paciente.

Da Agência Brasil

Cientistas voltam a discutir fim da Terra após planeta ser engolido por estrela

Astrônomos encontraram evidências de um planeta que teria sido ‘devorado’ por sua estrela, dando fôlego a hipóteses sobre qual poderia ser o destino da Terra dentro de bilhões de anos.

A equipe descobriu indícios de um planeta que teria sido ‘engolido’ ao fazer uma análise sobre a composição química da estrela hospedeira.

Eles também acreditam que um planeta sobrevivente que ainda gira em torno dessa estrela poderia ter sido lançado a uma órbita incomum pela destruição do planeta vizinho.

Os detalhes do estudo estão na publicação científica ‘Astrophysical Journal Letters’.

A equipe, formada por americanos, poloneses e espanhóis fez a descoberta quando estava estudando a estrela BD 48 740 – que é um de uma classe estelar conhecida como gigantes vermelhas.

As observações foram feitas com o telescópio Hobby Eberly, no Observatório McDonald, no Texas.

Concentração de lítio
O aumento das temperaturas próximas aos núcleos das gigantes vermelhas faz com que essas estrelas se expandam, destruindo planetas próximos.

‘Um destino semelhante pode aguardar os planetas do nosso sistema solar, quando o Sol se tornar uma gigante vermelha e se expandir em direção à órbita da Terra, dentro de cerca de cinco bilhões de anos’, disseo professor Alexander Wolszczan, da Pennsylvania State University, nos EUA, co-autor do estudo.

A primeira evidência de que um planeta teria sido ‘engolido’ pela estrela foi encontrada na composição química peculiar do astro.

A BD 48 740 continha uma quantidade anormalmente elevada de lítio, um material raro criado principalmente durante o Big Bang, há 14 bilhões de anos.

O lítio é facilmente destruído no interior das estrelas, por isso é incomum encontrar esse material em altas concentrações em uma estrela antiga.

‘Além do Big Bang, há poucas situações identificadas por especialistas nas quais o lítio pode ser sintetizado em uma estrela’, explica Wolszczan.

‘No caso da BD 48 740, é provável que o processo de produção de lítio tenha sido desatado depois que uma massa do tamanho de um planeta foi engolida pela estrela, em um processo que levou ao aquecimento do astro.’

Órbita incomum

A segunda evidência identificada pelos astrônomos está relacionada a um planeta recém-descoberto que estaria desenvolvendo uma órbita elíptica em torno da estrela gigante vermelha.

Esse planeta tem pelo menos 1,6 vez a massa de Júpiter. Segundo Andrzej Niedzielski, co-autor do estudo da Nicolaus Copernicus University em Torun, na Polônia, órbitas com tal configuração não são comuns nos sistemas planetários formados em torno de estrelas antigas.

‘Na verdade, a órbita desse planeta em torno da BD 48 740 é a mais elíptica já detectada até agora’, disse Niedzielski.

Como as interações gravitacionais entre planetas são em geral responsáveis por órbitas incomuns como essa, os astrônomos suspeitam que a incorporação da massa do planeta ‘engolido’ à estrela poderia ter dado a esse outro planeta uma sobrecarga de energia que o lançou em uma órbita pouco comum.

‘Flagrar um planeta quando ele está sendo devorado por uma estrela é improvável por causa da rapidez com a qual esse processo ocorre’, explicou Eva Villaver da Universidade Autônoma de Madri, na Espanha, uma das integrantes da equipe de pesquisadores. ‘Mas a ocorrência de tal colisão pode ser deduzida a partir das alterações químicas que ela provoca na estrela.’

‘A órbita muito alongada do planeta recém-descoberto girando em torno dessa estrela gigante vermelha e a sua alta concentração de lítio são exatamente os tipos de evidências da destruição de um planeta.’

[FOTO] Robô Curiosity envia primeira imagem colorida de Marte; confira

Foto: Divulgação / Nasa

 

O robô Curiosity enviou a primeira foto colorida e um vídeo mostrando os últimos dois minutos e meio de seu mergulho na atmosfera marciana.

A gravação começou com a proteção térmica cai e terminou quando o robô foi baixado por cabos dentro de uma antiga cratera.

A primeira foto colorida da cratera onde o Curiosity aterrissou mostrou um horizonte pedregoso e o aro da cratera Gale à distância. O robô fez a imagem com uma câmera no seu braço robótico. O horizonte aparece difuso porque a capa removível foi coberta de poeira durante a descida.

A Nasa celebrou a precisão da aterrissagem do robô e as imagens obtidas – com destaque para o mergulho na atmosfera do planeta vermelho.

O Curiosity é a peça mais pesada do maquinário enviado pela Nasa a Marte, e o sucesso aumentou a confieança da agência de que é possível descarregar equipamento que astronautas precisariam em futuras missões tripuladas.

O laboratório, do tamanho de um carro compacto, aterrissou bem n alvo após uma viagem de oito meses e 566 milhões de quilômetros.

Esforços extraordinários foram necessários para o sucesso da missão porque o robô pesa uma tonelada, e a fina atmosfera marciana oferece pouca resistência para diminuir a velocidade da nave. Curiosity teve que desacelerar de 21 mil quilômetros/hora a zero em sete minutos, usando um paraquedas e foguetes. Para finalizar, cabos baixaram o robô até a superfície do planeta.

No fim do que a Nasa chamou de ‘sete minutos de terror’, o veículo foi estabelecido no local previsto.

O robô ira escavar a superfície para analisar o que há ali e procurar sinais de vida em moléculas, incluindo carbono.

Ele não se moverá por algumas semanas, porque todos os sistemas terão que ser checados. Nos próximos dias, enviará mais fotos.

Fungo que nasce sobre lagarta morta vira sensação como viagra natural

Um fungo pouco comum, classificado como o “novo Viagra da Índia”, vem chamando a atenção por seu poder afrodisíaco e já se tornou um produto valioso, capaz de impactar as economias locais da região dos Himalaias, no norte do país.

Trata-se de um tipo de fungo que tende a crescer sobre o corpo de lagartas, conhecido como kira jari ou yakasumba.

O fungo disseca sua presa e depois cresce sobre a cabeça da lagarta morta. Ele aparece sobre a superfície do solo quando a neve começa a derreter, em maio ou junho.

Na China, país vizinho à região, o kira jari já foi difundido como afrodisíaco e muitos atletas o utilizam como uma droga para melhorar seu rendimento físico.

Mas o que chama mais a atenção em torno da novidade é o impacto sobre a economia local.

Lucratividade

Nos últimos cinco anos, muitos habitantes dos vilarejos da região montanhosa dos Himalaias passaram a coletar os fungos e vendê-los a comerciantes locais, que intermediam a venda para empresários de Nova Déli.

O destino final da mercadoria tende a ser o Nepal e a China, maiores consumidores da iguaria.

Uma pequena quantia de kira jari pode render até 150 rúpias (cerca de R$ 6,00), valor considerável para a região.

Alguns chegam a coletar 40 fungos em um único dia e muitos já falam em uma verdadeira “corrida do ouro” em busca de mais Kira jari.

O fungo tem sido encarado como uma nova oportunidade pelos jovens que tradicionalmente buscam emprego em hotéis, no Exército e em indústrias de outras regiões da Índia.

Alternativa perigosa

Desde que o “boom” do fungo começou, em 2007, muitos passaram a percorrer grandes distâncias, muitas vezes em grande altitude e baixas temperaturas, em busca de mais kira jari.

Muitos regressam aos seus vilarejos doentes e sem ter conseguido achar um único exemplar do valioso fungo.

Recentemente uma pessoa chegou a morrer e outra ficou presa durante 13 dias na neve enquanto buscavam o novo “ouro dos Himalaias”.

Mas, apesar dos riscos, muitos habitantes da região têm preferido arriscar a vida em busca do “novo ouro dos Himalaias” a se aventurar em empregos que não oferecem a mesma lucratividade.

Fonte: BBC Brasil

Cientista americano diz que CO² e gases do efeito estufa não provocam aquecimento global

A Humanidade e suas crescentes emissões de dióxido de carbono (CO2) e outros gases do efeito estufa na atmosfera não têm nada a ver com o aquecimento global. Assim acredita Don Easterbrook, professor emérito de Geologia Glacial da Western Washington University, nos EUA, e apontado como um dos principais cientistas que contestam o consenso em torno do tema. Segundo Easterbrook, suas pesquisas, com base na análise de amostras de gelo retiradas das geleiras da Groenlândia, indicam que a Terra passa por constantes ciclos de aquecimento e resfriamento, com duração aproximada de 30 anos cada.

– Não acredito no aquecimento global primeiro porque não há dados físicos que comprovem que isso está acontecendo – afirma. – Tudo que os arautos das mudanças climáticas têm são modelos computacionais fundamentalmente errôneos. Basta ver que se alimentássemos um dos modelos do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU) com dados de 1980, suas previsões para o clima em 2010 não chegariam nem perto dos dados reais coletados naquele ano.

De acordo com Easterbrook, todo aquecimento das últimas décadas é fruto de um processo natural que já terminou, com evidências de que desde o ano 2000 a Terra entrou em uma tendência de resfriamento. Ele conta que seus estudos identificaram 40 ciclos de calor e frio nos últimos 500 anos e desde a última Idade do Gelo, há entre 10 e 15 mil anos, pelo menos uma dúzia de episódios em que a elevação da temperatura média do planeta atingiu 15 graus Celsius, mais de 15 vezes maior do que do que a alta atual, calculada entre 0,7 e 0,8 grau nos último século, sendo que nenhum deles estaria diretamente associado a aumentos na concentração de dióxido de carbono na atmosfera.

– O CO2 é incapaz de causar uma mudança climática significativa e não pode ser usado para explicar o pequeno aumento de temperatura atual – defende. – Basta ver que a partir dos anos 40, quando as emissões tiveram uma forte alta, a temperatura média da Terra caiu durante 30 anos enquanto a concentração de CO2 na atmosfera aumentava. Só a partir dos anos 70 a temperatura começou a subir e, mesmo assim, décimos de grau, o que não tem nenhuma relevância estatística.

Ainda segundo Easterbrook, todas as emissões de CO2 da Humanidade desde o início da Revolução Industrial mudaram em apenas 0,008% a composição da atmosfera, mais uma amostra de que o gás não pode ser o causador do último ciclo de aquecimento, que teria terminado por volta de 1999. Sua teoria é de que estes ciclos estão associados a variações na temperatura da superfície dos oceanos. Esta, por sua vez, seria afetada pela cobertura de nuvens do planeta, que mudaria de acordo com oscilações no campo magnético do Sol.

– Quanto mais fraco este campo magnético, maior é a formação de nuvens, o que tem um efeito de resfriamento, já que elas refletem a radiação solar antes dela alcançar a superfície da Terra – diz.

Para Easterbrook, o fato de o vapor d’água que forma as nuvens ser o gás mais atuante do efeito estufa no planeta, responsável por mais de 95% do aquecimento que faz dele habitável (se não houvesse o efeito estufa, a temperatura média da Terra seria da ordem de -18 graus Celsius), não contrabalança o efeito de resfriamento da maior reflexão de radiação. O cientista também rechaça argumentos de que a partir de 2000, quando acredita que o planeta começou a esfriar, foram registrados alguns dos anos mais quentes da História.

– Ocasionalmente podemos ter anos mais quentes ou mais frios, mas se calcularmos a média da temperatura na década veremos que não há um aumento, e sim uma tendência de queda relativa ao período entre 1961 e 1990, usado como base de comparação para a dita “anomalia” do aquecimento global – alega Easterbrook. – Temos que atentar que padrões de tempo são diferentes de padrões de clima. Falar de anos individualmente não faz sentido. O que temos que observar são tendências de longo prazo.

Na opinião do professor americano, todo discurso alarmista em torno do aquecimento global e das mudanças climáticas é uma estratégia de grupos interessados em obter dinheiro e poder dentro do sistema multilateral das Nações Unidas.

– É uma agenda que pretende controlar a população mundial, especialmente a dos Estados Unidos e outros países desenvolvidos, tanto que, diante da falta de evidências físicas do aquecimento, estão mudando o discurso para a questão da sustentabilidade – considera.

Embora diga ser “totalmente a favor” de um desenvolvimento sustentável que leve em consideração o uso racional dos recursos do planeta, com proteção da biodiversidade e melhoria da qualidade de vida da população mundial, Easterbrook não acredita que as decisões em torno do tema devam ficar concentradas no âmbito da ONU.

– A grande questão é quem vai decidir sobre como usar os recursos que estão pedindo nestas negociações, US$ 100 bilhões, US$ 200 bilhões por ano – diz. – Se estes recursos forem usados para combater fantasmas como o aquecimento global, é um desperdício de dinheiro. Devíamos gastá-los para ajudar de maneira prática a melhorar a qualidade de vida das pessoas, para tirar elas e seus países da pobreza. Meu problema não é com os objetivos, mas com a forma de atingi-los. Dentro da ONU, não haverá fiscalização externa de como esses recursos serão gastos e em quê.

Fonte: O Globo

As chances de alguém morrer no dia do aniversário são maiores

Você fica radiante no dia do seu aniversário? Huuummm… Acho melhor não exagerar. Cientistas da Universidade de Zurique (Suíça) descobriram que pessoas com mais de 60 anos são 14% mais suscetíveis a morrer do dia do próprio aniversário!

De acordo com a pesquisa com mais de 2 milhões de pessoas em quatro décadas, os ataques cardíacos são 18,6% mais prováveis no dia do aniversário (e afetam mais homens que mulheres). Já os derrames são 21,5% mais prováveis de ocorrer no dia de apagar as velinhas, sendo a incidência maior no público feminino.

Os exemplos entre famosos são muitos. William Shakespeare morreu no dia do seu aniversário: 23 de abril de 1616. Ingrid Bergman também: 29 de agosto de 1982.

As explicações mais plausíveis são:

1) no seu aniversário você costuma exagerar mais na comida – o famoso “enfiar o pé na jaca”

2) você tende a fazer um balanço da vida no dia do aniversário e pode acabar achando que já viveu bastante

O professor Lewis Halsey, da Universidade de Roehampton (Inglaterra), colocou mais uma pitada de tragicidade ao estudo, afirmando que suicídios são mais comuns exatamente no dia do aniversário – principalmente com homens.

Fonte: Page Not Found

Miguel Nicolelis afirma que culto ao corpo acabou: "agora começa o da mente"

“Tenho uma boa e uma má notícia: a má é que o culto ao corpo acabou e a boa é que agora começa o da mente”, foi assim que um dos 20 maiores cientistas do mundo segundo a revista Scientific American, Miguel Nicolelis cativou o público que lotou o Teatro Pedro II durante sua apresentação na Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, na noite deste sábado (2).

Dono de 46 prêmios internacionais e responsável por estudos onde a neurociência consegue desafiar os limites do corpo, Nicolelis mostrou com experiências feitas com macacos que a robótica pode ser a aliada de pessoas com deficiências físicas através de um corpo artificial na busca por movimentos impossíveis de acordo com cada limitação.

Durante a apresentação, Nicolelis mostrou vídeos onde em estudos comandados por ele nos Estados Unidos, macacos conseguem movimentar braços mecânicos e até um robô que estava no Japão por meio de sinais enviados pelo cérebro. Segundo o neurocientista, isso é possível porque o órgão funciona com previsões que comandam o corpo cerca de meio segundo antes de cada movimento. “O cérebro manda o sinal e os músculos obedecem a mente”, afirmou.

Para o pesquisador, o Brasil ainda precisa de mais investimentos em ciência e educação em geral para que se criem oportunidades para que os jovens interessados em ingressar na profissão possam contribuir para o desenvolvimento do país e garante que um evento esportivo pode ser um começo para construir uma nova imagem do país do futebol. “ Na abertura da Copa de 2014 um deficiente físico dará o primeiro pontapé no primeiro jogo com uma perna robótica para mostrar que somos o país da ciência”, afirmou.

Fonte: G1

Terremoto é registrado a 1116 km de distância do litoral natalense

Os sismógrafos mundiais registraram agora há pouco um forte terremoto a exatos 1116 km de distância de Natal.

O terremoto de 5,3 graus foi registrado a 13 quilômetros de profundidade no Oceano Atlântico, mais exatamente na região do Dorsal do Médio Atlântico. Para ver o mapa mostrando informações do terremoto, basta clicar AQUI.

Um terremoto de magnitude 5,3 equivale a uma explosão de 1335 toneladas de dinamite.

Sem reflexos

Mesmo com o impacto, nada foi sentido no litoral nordestino. Segundo o chefe do Observatório de Sismologia da UnB (Universidade de Brasília), Lucas Barros, no ano passado, não é de se estranhar esse tipo de fenômeno na região, uma vez que é área de encontro das placas tectônicas sulamericana e africana. Ele ressalta que o grau do terremoto e a localização não são suficientes para produzir nenhum dano no continente ou gerar uma tsunami.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:

Japoneses criam espuma que mantém a cerveja sempre gelada. Vai uma gela aí?

A cervejaria japonesa Kirin acaba de anunciar uma invenção que promete abalar os barzinhos e churrascos mundo afora. É a “Ichiban Shibori Frozen Draft”, uma camada generosa de espuma de cerveja que mantém todo o líquido abaixo sempre gelado. A máquina responsável pela proeza deve ser lançada no Japão já em maio.

Funciona assim: primeiro, a máquina forma uma espuma feita de cerveja e ar. Essa espuma passa por um processo de congelamento instantâneo, que leva a temperatura da massa a -5 graus Celsius. Finalmente, a máquina libera a espuma do mesmo jeito que nas máquinas de sorvete. O vídeo promocional mostra essa parte final do processo, dê uma olhada:

*Com informações da Super

Choque na cabeça ajuda no desenvolvimento de habilidades mentais

Já pensou se houvesse um jeito de melhorar suas habilidades matemáticas, por exemplo, de uma forma simples e rápida? Pois pesquisadores descobriram que isso é possível com a estimulação elétrica do cérebro. Calma, não estamos falando da eletroconvulsoterapia, usada no tratamento psiquiátrico.

A técnica é conhecida como ETCC, ou estimulação transcraniana por corrente contínua. Ela consiste em aplicar fracas correntes eléctricas na cabeça das pessoas, através de eletrodos, por alguns minutos. As correntes passam através do crânio e alteram a atividade neural espontânea. Alguns tipos de estimulação podem excitar os neurônios, enquanto outros podem suprimir sua atividade.

Isso é indolor: as pessoas geralmente sentem apenas um leve formigamento por menos de 30 segundos. Mas os efeitos, segundo os pesquisadores, podem durar até 12 meses. Roi Cohen Kadosh, da Universidade de Oxford, explica que isso “provavelmente ocorre devido a alterações moleculares e celulares” relacionados à aprendizagem e memória.

Desafios quase impossíveis

Pesquisadores da Universidade de Sidney, na Austrália, descobriram que a ETCC pode aumentar a habilidade das pessoas em resolver problemas complexos que exijam aquela coisa de “pensar fora da caixa”.

Para o experimento, foi usado o desafio abaixo. Você consegue unir todos os nove pontos usando apenas quatro traços retos sem tirar a lápis da página?

Parece simples, mas, segundo o professor Allan Snyder, líder do estudo, pesquisas feitas ao longo do último século mostraram que quase ninguém consegue resolver isso. A estimativa muda radicalmente quando as pessoas recebem estímulos elétricos não invasivos. Bastaram 10 minutos disso para que mais de 40% dessas pessoas conseguissem resolver o desafio.

Nesse caso, o que garantiu o sucesso cerebral foi o fato de que a ETCC inibiu o lobo temporal anterior esquerdo do cérebro, enquanto o lobo temporal anterior direito foi ativado. Isso, segundo Snyder e seus colegas, permitiu a melhora da percepção e memória dos voluntários.

Estimulando as habilidades numéricas

O já citado Cohen Kadosh, da Universidade de Oxford, também descobriu que a ETCC, quando aplicada ao córtex parietal posterior, pode melhorar a habilidade das pessoas com os números – e os efeitos duraram até 6 meses.

Kadosh também fez o teste em pessoas com discalculia (o equivalente à dislexia para os números). A ETCC também funcionou para eles, mas somente quando aplicada em regiões diferentes do cérebro em relação a quem não tinha o problema. Para ele, “isso sugere que pessoas com discalculia recrutam diferentes áreas do cérebro para o processamento numérico, provavelmente devido à reorganização cerebral”.

As descobertas abrem boas perspectivas e já estão sendo feitos estudos para a aplicação desse método na melhora da aprendizagem matemática em crianças que tenham dificuldades. Vamos acompanhar.

Para quem ficou curioso, a resposta do desafio “impossível”é essa…

* Com informações da Super