Comportamento

“ESCÂNDALO”: Em discussão pelas redes sociais, Joice Hasselman acusa Carla Zambelli de não devolver roupas emprestadas; deputada rebate, fala de presente e anuncia devolução

Foto: Reprodução/Twitter

A deputada Joice Hasselman (PSL-SP) acusou a colega Carla Zambelli (PSL-SP) de pegar roupas emprestadas e não devolver. “São as únicas elegantes que ela usa, inclusive um lindo macacão preto. Já as cafonas são dela mesmo“, afirmou em publicações nas redes sociais.

Zambelli disse que ganhou a roupa da ex-aliada para uma premiação em 2019, mas vai mandar devolver já que teria “voltado” a caber nela e que deveria estar com saudades do macacão, referindo-se ao fato de Joice ter emagrecido depois de uma dieta.

O início da discussão pública entre as deputadas foi um comentário do também congressista Alexandre Frota (PSDB-SP). No Twitter, ele afirmou que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) quer colocar Carla Zambelli no lugar de Joice na comunicação da Câmara dos Deputados.

“A Carla sempre quis ser a Joice, a inveja dela só não maior do que a alma podre, ruim e cínica. Joice abre o olho”, comentou Frota.

Joice então afirmou que sempre soube da suposta intenção da colega. “Antes ela camuflava como ‘admiração’, depois se elegeu com meus votos e tirou as garrinhas de fora. É tão cínica que copia até poses de FOTOS e tem a cara de pau de usar roupas MINHAS que emprestei no passado e que ela nunca devolveu. LIXO HUMANO”.

Foto: Reprodução/Twitter

Joice ainda respondeu a comentário da jornalista Mônica Bergamo sobre a desavença pública e a acusação de Carla não ter devolvido as roupas da colega. “Quer que eu descreva as peças Mônica Bergamo? São as únicas elegantes que ela usa, inclusive um lindo macacão preto. Já as cafonas são dela mesmo“.

Também em resposta ao tuíte da jornalista da Folha, Zambelli se defendeu e disse que o macacão preto foi um presente dado por Hasselmann e que ela o vestiu em uma premiação em 2019.

A deputada também afirmou que iria “mandar devolver amanhã mesmo” (hoje) o macacão preto.

“Na verdade ela tinha dado de presente. E eu usei no dia que recebi o prêmio por votação popular de melhor deputada do [site] Congresso Em Foco. Mas vou mandar devolver amanhã mesmo, já que voltou a caber nela, deve estar com saudades do macacão, tadinha”, tuitou Zambelli.

Poder 360 e UOL

 

Opinião dos leitores

  1. Essa discussão pequena só podia partir da militante da Peppa.
    É muito fácil saber quem fala a verdade, é só comparar o corpo da pepa em 2019 com o da Carla.
    Esse macacão da pepa iria parecer uma roupa de palhaço na Carla de tão largo.

  2. Zezinho fui vacinado desde novo, alguns pais bem que ensinam, mais muitos lambedores fajutoss como vc, teimam em ser briba ???????????????????, já disse aqui é vou repetir, leia, até 2022.

  3. Que tristeza Por isso reafirmo que essa gang não me representa. Incluo todos os políticos e partidos sem exceção. Todos só legislam em causa própria.

  4. Quanta pobreza de tudo
    De dinheiro e esprito
    Me dar vergonha o Brasil ter parlamentares assim

  5. Joice Peppa Pig, Alexandre Fruta, Monica Bergamo… Rapaz, o Brasil merece isso? Tanta coisa importante para executar e debater… Dois deputados de mandato único e a colunista social da Foice de SP. É demais!

  6. Cuidado com os dentes dono da noite, pode ser que chutem os culotes de Zezinho do Gado e pegue na sua boca ????????????? acredito que dessas briguinha de cafofo vcs entendam, o outro dia ter família. ???????????????????????

  7. A esquerdista Mônica Bergamo postou como escândalo…
    E os crimes de corrupção praticados por Lula e outros petistas ela nem achou escândalo ?

  8. Ei ZéGado, kd sua amiguinha "MANUELA LOREN" vulgo LOURENÇO que ainda não apareceu para comentar em cima desse bafufú quentíssimo de hj hein? MANUELA LOREN, vem cá amiga, vem logo dar sua opinião sobre esse acontecimento extraordinário … kkkkkkkkkkkkkkkkk

    1. Amiga minha não… Tô fora!
      Mas sobre esse assunto aí, ela dá aula….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

O vírus pode estar nas minhas coisas? Saiba o risco de contaminação pelas roupas, sapatos e correspondências

Foto: Editoria de arte/O Globo

Muitas pessoas têm medo de deixar o coronavírus entrar em suas casas pelas roupas, sapatos, correspondência e até mesmo pelo jornal. Infectologistas, especialistas em aerossóis e microbiologistas respondem às perguntas sobre os riscos de entrar em contato com o vírus durante saídas essenciais de casa ou até pacotes de entregas.

Devo trocar de roupa e tomar banho quando chegar em casa do supermercado?

Para aqueles que podem ficar em casa e em isolamento social, saindo apenas ocasionalmente para ir ao supermercado ou à farmácia, os especialistas concordam que não é necessário trocar de roupa ou tomar banho ao voltar da rua. No entanto, a recomendação é de sempre lavar as mãos. Embora seja verdade que um espirro ou a tosse de uma pessoa infectada possa lançar gotículas virais e partículas menores pelo ar, a maioria delas cairá no chão.

Estudos mostram que algumas pequenas partículas virais podem flutuar no ar por cerca de meia hora, mas é pouco provável que cheguem até você. “É improvável que uma gota pequena o suficiente para flutuar no ar por algum tempo seja depositada nas roupas devido à aerodinâmica”, disse Linsey Marr, cientista especialista em aerossóis do Instituto Politécnico e Universidade Estadual da Virgínia (Virginia Tech), nos EUA. “Elas seriam tão pequenas que se moveriam no ar ao redor dos corpos e das roupas”.

Por que pequenas gotículas e partículas virais normalmente não pousam em nossas roupas?

Linsey Marr dá uma pequena lição de aerodinâmica: “Essas partículas seguem o fluxo de ar em torno de uma pessoa porque nos movemos relativamente devagar. À medida que andamos, empurramos o ar para fora do caminho, e a maioria das gotículas e partículas também é empurrada para fora. Alguém teria que borrifar grandes gotas conversando – um cuspidor -, tossindo ou espirrando para que pousassem em nossas roupas. As gotículas precisam ser grandes o suficiente para desviar de seu curso natural”.

Então, se você está fazendo compras, e alguém espirra em você, melhor ir para casa, trocar de roupa e tomar banho. No mais, considere que seu corpo “lento” está empurrando o ar e as partículas virais para longe de você, resultado explicado pela física.

Existe o risco de o vírus estar no meu cabelo ou na barba?

Por todas as razões descritas acima, você não deve se preocupar com a contaminação viral de seus cabelos ou da barba, se estiver praticando isolamento social. Mesmo se alguém espirrasse na parte de trás da sua cabeça, qualquer gota que caísse no seu cabelo seria uma fonte improvável de infecção.

“Pense no processo do que precisa acontecer para alguém se infectar”, propõe Andrew Janowski, professor de doenças infecciosas pediátricas do Hospital Infantil St. Louis, da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA: “Se alguém espirra, é necessária uma quantidade X de vírus nesse espirro. Diversas gotas têm que cair sobre você. Então você precisa tocar exatamente na parte do cabelo ou da roupa onde estão essas gotículas, que já apresentam uma redução significativa nas partículas virais”, disse Janowski. “Depois de tocá-las, teria que encostar em qualquer parte do seu rosto para entrar em contato com ele. Seria preciso passar por essa sequência de eventos, um grande número de coisas precisa acontecer de maneira exata. Isso torna o risco muito baixo.”

Devo me preocupar ao lavar ou manusear as roupas? Corro risco de espalhar partículas virais das roupas pelo ar?

Depende se você está lavando roupas da rotina normal ou de uma pessoa doente. A roupa da rotina normal não deve causar preocupações – lave-a como faria normalmente. Embora alguns tipos de vírus possam ser difíceis de limpar, o novo coronavírus, assim como o vírus da gripe, é cercado por uma membrana gordurosa que é vulnerável ao sabão. Lavar suas roupas com sabão comum e depois secá-las é mais do que suficiente para remover o vírus – se é que ele está lá.

“Sabemos que os vírus podem se depositar na roupa (a partir de gotículas) e, em seguida, serem soltos no ar com o movimento, mas você precisará de muitos vírus para que isso seja uma preocupação, muito mais do que uma pessoa comum encontraria ao sair para passear ao ar livre ou ir a um supermercado”, disse Marr.

A exceção é se você estiver em contato próximo a uma pessoa doente. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA recomendam o uso de luvas ao limpar itens de alguém que esteja doente, além de tomar cuidado para não sacudir peças de vestuário e roupas de cama. Se possível, use água bem quente e seque completamente. Você pode misturar as roupas de uma pessoa doente com as do restante da casa, mas deixe a roupa secando por um tempo maior para minimizar os riscos. “Sabemos que esses tipos de vírus tendem a se deteriorar mais rapidamente no tecido do que em superfícies sólidas e duras, como aço ou plástico”, disse Linsey Marr.

Por quanto tempo o vírus pode permanecer ativo em tecidos ou outras superfícies?

A maior parte do que sabemos sobre quanto tempo esse novo coronavírus vive em superfícies vem de um importante estudo publicado no New England Journal of Medicine em março. A pesquisa descobriu que o vírus pode sobreviver, em condições ideais, até três dias em superfícies de metal duro e plástico e até 24 horas em papelão.

Mas o estudo não analisou tecidos. Ainda assim, a maioria dos especialistas em vírus acredita que a pesquisa em papelão oferece pistas sobre como o vírus provavelmente se comporta em panos. As fibras naturais absorventes do papelão parecem fazer com que o vírus seque mais rapidamente e as fibras do tecido provavelmente produziriam um efeito semelhante.

Um estudo de 2005 sobre um outro tipo de coronavírus, o que causa a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave), dá mais garantias. Naquela pesquisa, os cientistas testaram quantidades cada vez maiores de amostras virais em papel e em um vestido de algodão. Dependendo da concentração do vírus, foram necessários cinco minutos, três horas ou 24 horas para que ele se tornasse inativo. “Mesmo com uma carga de vírus relativamente alta na gota, foi observada uma rápida perda de inatividade para papel e material de algodão”, concluíram os pesquisadores.

Devo me preocupar com correspondência, pacotes ou jornal?

O risco de ser infectado ao manusear correspondências ou pacotes é extremamente baixo e, neste momento, apenas teórico. Não há casos documentados de alguém ficar doente ao abrir um pacote ou ler um jornal.

Mas isso não significa que você não deva tomar precauções. Após manusear cartas, pacotes ou ler o jornal, descarte a embalagem e lave as mãos.

Devo me preocupar com a contaminação ao sair para passear com o cachorro ou fazer exercícios?

Suas chances de pegar o vírus quando você sai são extremamente baixas desde que você mantenha uma distância segura das outras pessoas. “Ao ar livre é seguro e certamente não há nuvens de gotículas carregadas de vírus”, disse Lidia Morawska, professora e diretora do Laboratório Internacional de Qualidade e Saúde do Ar na Universidade de Tecnologia de Queensland, em Brisbane, na Austrália.

“Em primeiro lugar, qualquer gota infecciosa exalada em ambiente externo seria rapidamente diluída no ar, então a concentração se tornaria rapidamente insignificante”, afirma Morawska. “Além disso, a estabilidade do vírus ao ar livre é significativamente menor do que em ambientes fechados. Portanto, não é realmente um problema, a menos que estejamos em um local muito movimentado – o que não é aconselhado agora de maneira nenhuma. É seguro dar um passeio e correr sem se preocupar com o vírus no ar, e não há necessidade de lavar imediatamente as roupas.”

Ao voltar da rua, devo remover meus sapatos e limpá-los?

Os sapatos podem abrigar bactérias e vírus, mas isso não significa que eles sejam uma fonte comum de infecção. Um estudo de 2008 encomendado pela marca de calçados americana Rockport Shoes encontrou muita sujeira, incluindo bactérias fecais, nas solas dos sapatos. Outra pesquisa recente da China descobriu que, entre os profissionais de saúde, metade tinha coronavírus detectado em seus sapatos, o que não é inesperado, pois eles trabalhavam em hospitais com pacientes infectados.

Então, o que devemos fazer com nossos sapatos? Se seus sapatos são laváveis, você pode lavá-los. Limpar com lencinho ou pano não é recomendado porque traz germes que permaneceriam na sola ou no chão diretamente para as mãos. Então você pode simplesmente deixá-los do lado de fora de casa ou em um local específico da entrada. Se você tem uma criança que engatinha ou brinca no chão, um membro da família com alergias ou um sistema imunológico comprometido, uma casa sem sapatos pode ser uma boa ideia para a higiene geral.

O Globo

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Mulher é condenada por furto de roupas em shopping de Natal

Foto: Ilustrativa

Os desembargadores da Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RN acataram recurso do Ministério Público Estadual para condenar uma mulher envolvida no furto de várias peças de roupas em um shopping localizado no bairro Lagoa Nova, em Natal. Os itens foram avaliados em cerca de R$ 40 mil.

A decisão no TJRN também enfatizou que, aliado à confissão e às imagens da câmera, merecem destaque as fotografias, cujo desenho é expresso em identificar, uma pessoa do sexo feminino.

Veja todos os detalhes aqui no Justiça Potiguar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Em nota, Sesap não nega dívidas e nem esclarece paralisação de serviços de roupas higienizadas para hospitais

SesapA Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) emitiu uma nota acerca do caso da lavanderia que suspendeu o fornecimento de roupa para hospitais do Estado por falta de pagamento que o Blog noticiou hoje. Uma dívida de quase R$ 1 milhão.

Na nota, a Sesap informou que o secretário Ricardo Lagreca e o adjunto Haroldo Vale não se negaram a receber os responsáveis pelo serviço, mas não negou a existência da dívida, tampouco esclareceu sobre a paralisação do fornecimento de roupas esterilizadas e higienizadas.

Com a paralisação dos serviços, ficam sem roupas para os leitos hospitalares, os hospitais de Macaíba, Ruy Pereira, Lacen, Samu Natal, Hospital João Machado e o Hospital Deoclécio Marques. Essa situação pode vir a suspender os procedimentos cirúrgicos.

Confira a nota na íntegra:

NOTA

NATAL (RN), 27 de abril de 2016.

Em relação à matéria publicada por este conceituado BLOG “Lavanderia suspende fornecimento de roupa para hospitais do Estado por falta de pagamento”, informamos que o secretário de Estado da Saúde Pública, Ricardo Lagreca, bem como o secretário adjunto da Saúde, Haroldo Vale, em nenhum momento se negaram a receber os representantes da referida empresa – Levebras Gestão de têxteis S/A – para conversar ou negociar o débito como foi informado.

Opinião dos leitores

  1. Enquanto isso o Tarcísio Maia em Mossoró firme e forte lavando roupa até demais.
    Batam palmas agora para livre terceirização que afunda dia a dia nossos serviços públicos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Cirurgias no hospital de Parnamirim são suspensas por falta de roupas limpas

Rafael Barbosa Do G1 RN

As cirurgias ortopédicas no Hospital Regional Deoclécio Marques, em Parnamirm, na região metropolitana de Natal, foram suspensas nesta terça-feira (11) porque os enfermeiros, os técnicos e os cirurgiões não têm fardamento esterilizado para entrar no centro cirúrgico. De acordo com o médico Jean Valber, coordenador de Ortopedia do Estado, a lavanderia contratada para lavar as roupas usadas durante as intervenções não recebeu o repasse do Governo e não entregou as peças.

Em nota enviada pela assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), o Estado se comprometeu em fazer o repassa do dinheiro ainda nesta terça para que a lavanderia retome os serviços.

Em entrevista ao G1, o médico Jean Valber contou que tem utilizado seu próprio carro para buscar os fardamentos emprestados em outras unidades na capital, como na Maternidade Divino Amor, lá mesmo em Parnamirim, e no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, em Natal, porque já há algum tempo que a lavanderia não realiza o serviço. Porém, hoje, o médico não conseguiu o fornecimento com as direções dos hospitais.

Nesta segunda-feira (10), somente uma cirurgia foi realizada no Deoclécio Marques e outras cinco canceladas. Nesta terça, oito já foram suspensas por causa do problema com a falta de fardamentos limpos.

A unidade também sofre com problemas no atendimento aos pacientes. Segundo Jean Valber, a situação se agravou depois do fechamento dos centros cirúrgicos dos hospitais Memorial e Médico-Cirúrgico, ambos em Natal. “As unidades realizavam, em média, 40 cirurgias ortopédicas por dia. E esta demanda foi transferida para o Deoclécio, que possuía média de seis a oito cirurgias diárias”, explicou o médico.­

Falta de macas

O setor de ortopedia do Hospital Deoclécio Marques dispõe de seis macas, sendo quatro para os pacientes que estão se recuperando de cirurgias e duas utilizadas para o transporte de pessoas. Todas as camas estão ocupadas na enfermaria. Até as 7h desta terça-feira, 74 pessoas estavam internadas no setor aguardando pela realização de cirurgia, sendo 29 em macas espalhadas pelos corredores e o restante em cadeiras e bancos.

José Francisco Ribeiro de Pontes, de 37 anos, é uma dessas pessoas. Ele chegou no último sábado (8) da cidade de Monte Alegre, na Grande Natal, e aguarda em uma cadeira plástica no corredor do hospital para ser atendido. “Desde sábado estou dormindo nesta cadeira”, reclamou José Francisco. Ele conta que fraturou parte do dedo indicador esquerdo quando soltava fogos de artifício próximo de casa.

Com o acúmulo de pacientes na unidade, também faltam macas para alojá-los. O paramédico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Almir Reis diz que desde ontem uma maca de uma ambulância a qual ele é responsável está presa no hospital. Reis atendeu a um homem que sofreu acidente de motocicleta em Parnamirim, e o conduziu até o Deoclécio Marques.

Ao chegar na unidade, foi informado que o paciente precisaria permanecer na maca do carro do Samu, porque não havia mais camas disponíveis. “E desde ontem ele está lá no corredor, e a nossa viatura parada”, completou o técnico.

Segundo Almir Reis, a ambulância parada foi montada especificamente para atender acidentes de trânsito, sendo usada para retirar pessoas de ferragens. Ainda de acordo com Almir, este é o único veículo estruturado para este serviço que está à disposição do Samu da Região Metropolitana de Natal. Ao todo são nove ambulâncias do Samu nos corredores da unidade.

Apesar de ter o perfil de atendimentos a traumas ortopédicos, o Hospital Deoclécio Marques recebe pacientes com complicações de saúde de diversos tipos, e vindos de várias cidades do interior do Rio Grande do Norte. É o caso de Flávio Medeiros, de 53 anos. Ele sofreu um enfarte no último domingo em Acari, na região Seridó do estado, e foi encaminhado para o hospital de Parnamirim.

O filho de Flávio, Tiago da Silva Medeiros, conta que ele ainda foi levado para os hospitais de Caicó e Currais Novos, ambos no Seridó, mas nenhum deles dispunha de vagas. “Meu pai ficou na maca até ontem (segunda-feira) com um aparelho de oxigênio e tomando soro no corredor”, afirmou Tiago Medeiros. Flávio Medeiros permaneceu durante todo o domingo na mesma maca em que chegou ao hospital, e conseguiu transferência para a sala de reanimação no dia seguinte.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Humor

Sindicato dos Gêmeos defende roupas diferentes para irmãos

O Estado de S.Paulo

Gêmeos de todo o País já têm a quem recorrer para fazer valer seu direito à individualidade. No dia 11 de novembro foi criado o Sindicato dos Gêmeos, uma espécie de associação sem fins lucrativos, que reúne duplas de irmãos das mais diversas profissões e idades.

O pai da ideia é o neurologista carioca Alexandre Ghelman, irmão gêmeo do pediatra antroposófico Ricardo Ghelman. Nascidos em junho de 1963, eles colecionam histórias engraçadas sobre gêmeos. “Na época em que a mamãe engravidou, ainda não existiam bebê de proveta, exame de ultrassom nem essa história de o marido acompanhar a mulher nos exames do pré-natal”, conta Alexandre. “No berçário, ao ver que ela havia tido dois bebês, o papai desmaiou.”

Há alguns meses, os irmãos Ghelman procuraram os cartunistas gêmeos Paulo e Chico Caruso com a ideia de fundar uma associação. A dupla topou e até ajudou a elaborar o Estatuto dos Gêmeos. Segundo tal documento, os gêmeos têm direito à individualidade. Portanto, não devem ser obrigados a usar roupas iguais, estudar na mesma turma do colégio nem ganhar o mesmo presente que o irmão.

Desde o nascimento, os gêmeos precisam exercitar a tolerância. “Quer coisa mais incômoda que dividir com alguém a atenção dos pais, o quarto e a festa de aniversário?”, brinca Alexandre. “Em uma sociedade onde as pessoas são observadas e avaliadas o tempo todo, eles enfrentam todo tipo de comparação e brincadeiras infames dos colegas de escola.”

Um mês após a criação, o site sindicatodosgemeos.com.br já tem 500 cadastrados.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Diesel deixa o Brasil

Nem tudo são flores no mercado de alto luxo no Brasil:

Folha On Line:

A Diesel, grife italiana conhecida por seus jeans de luxo, vai fechar suas três lojas próprias no Brasil.

Inaugurada em 2008 com a presença do dono da marca, o italiano Renzo Rosso, a loja da rua Haddock Lobo, nos Jardins (zona oeste de São Paulo) teve neste sábado seu último dia de expediente.

O investimento no ponto dos Jardins — que era o maior do grupo no mundo, com espaço de 1.700 metros quadrados, divididos em quatro andares — foi de de US$ 7 milhões.

As outras duas lojas da marca, a do Shopping Iguatemi, em São Paulo, e a do Fashion Mall, no Rio, encerrarão suas operações no próximo sábado, dia 4.

Segundo a Folha apurou, cerca de 50 funcionários serão demitidos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Diesel, o fechamento das lojas faz parte de uma “reestruturação” da marca no país. “As lojas serão reabertas dentro de poucos meses e os funcionários, recontratados”, disse a assessoria.

O empresário paulista Esber Hajli é o representante da marca no Brasil desde 2001.

SALDÃO

(mais…)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *