Caern esclarece que suspensão de cobrança é só da tarifa social

Foto: Assecom/Caern

Diante de dúvidas suscitadas no público em geral e questionamentos de alguns meios de comunicação, a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) esclarece que a cobrança de contas de água e esgoto continua normal. A única alteração, divulgada na última sexta-feira (20) se refere à suspensão da cobrança dos clientes da categoria social, considerando o cenário de enfrentamento da crise do Covid-19 atualmente. A suspensão é por tempo indeterminado.

A decisão foi tomada como forma de beneficiar esse perfil de cliente, por se tratar de um público de baixa renda. Para ser enquadrado nessa categoria, o usuário tem que atender a pelo menos três dos seguintes requisitos:

Usuário responsável pelo imóvel ser cadastrado em um dos programas sociais do Governo – Requisito Obrigatório.

Imóvel com área construída igual ou inferior a 50 m².

Existir no imóvel apenas um ponto de utilização de água, excetuando os destinados a descargas sanitárias.

Não possuir reservatório elevado.

Estar localizado em área urbana ou rural de baixa renda.

Aproximadamente 20 mil pessoas em todo o Estado são beneficiadas com fornecimento de água a preços reduzidos, dentro do programa de Tarifa Social da Companhia, uma das formas de garantir o acesso de água a todos, independentemente da renda.

Alta no preço da carne pressionará inflação só até fim do ano, prevê Banco Central

Foto: Holger Langmaier/Pixabay

A ata do Copom (Comitê de Política Monetária) divulgada na terça-feira (17) pelo BC (Banco Central) trouxe uma informação que pode representar um alívio para o brasileiro que não dispensa um pedaço de carne nas refeições do dia a dia.

A alta no preço da carne, impulsionada pelas exportações para a China, ficará concentrada apenas em novembro e dezembro de 2019, não impactando nas projeções para a inflação em 2020, afirma o documento, que explica quais foram as variáveis analisadas na última reunião do ano e traz pistas para o mercado fazer suas próprias projeções.

“Os economistas do Banco Central estão apostando que o reajuste no preço da carne é algo passageiro. E, de fato, é uma tendência natural de mercado que exista uma demanda muito grande em um determinado período e depois ocorra o desaquecimento”, diz Ricardo Teixeira, coordenador do MBA de Gestão de Financeira da FGV (Fundação Getulio Vargas).

Para o economista, o Brasil tem condições de atender tanto o mercado interno quanto o externo. “O preço pode até subir um pouco nos próximos meses, mas depois vai estabilizar e ficará num nível administrável”, comenta.

No final de dezembro, o quilo da carne bovina era cotado a R$ 15,79, segundo levantamento feito pelo Cepea/Esalq/USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

Esse valor refere-se ao quilo da carcaça casada dianteiro (carne de segunda), traseiro (carne de primeira) e a ponta de agulha (costela).

Thiago Bernardino Carvalho, pesquisador de pecuária do Cepea, diz que 80% da carne produzida no Brasil é consumida pelo mercado interno.

“Em cada cinco bifes produzidos, quatro ficam por aqui. O aquecimento do mercado interno dependerá do fortalecimento da nossa economia”, afirma Carvalho.

O pesquisador conta que a oferta de carne bovina estava mais restrita no Brasil, principalmente no segundo semestre.

“Somada uma oferta restrita com uma demanda forte da China, consequentemente houve aumento nas exportações e gerou um reflexo por aqui.”

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio Laranjeiras disse:

    E depois morreu e foi para o céu, é assim?…..conversa sem pé nem cabeça

Mercado só gera emprego que paga até dois salários mínimos e informalidade faz desigualdade avançar, aponta Ipea

Foto: Fabiano Rocha / Fabiano Rocha

Praticamente todas as novas vagas com carteira de trabalho assinada geradas no país em 2019 possuem uma remuneração máxima de até dois salários mínimos. Os dados são da Carta de Conjuntura divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quarta-feira.

Segundo o documento, apenas as duas primeiras faixas salariais (de até um e de até dois salários) têm saldos positivos, ou seja, o número de contratações supera o de demissões no primeiro semestre do ano. Para os demais níveis salariais, mais altos, a dispensa de trabalhadores é maior que o total de admissões.

O levantamento, feito com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) da Secretaria de Trabalho do governo federal, indica que, a partir do segundo semestre de 2018, a geração de novos postos de trabalho com carteira assinada voltou a apresentar maior dinamismo.

No acumulado em doze meses até julho deste ano, a economia brasileira havia criado 521,5 mil novos empregos formais. Junto a esse bom resultado, as estatísticas também mostram uma leve recuperação dos salários médios de contratação, embora estes, historicamente, mantenham-se abaixo dos salários de quem tem sido demitido.

Os dados do Caged analisados pelo Ipea também mostram que a maior parte dos trabalhadores demitidos é aquela com menos tempo de permanência no emprego. Na média, nos últimos doze meses até julho, enquanto na indústria, no comércio e nos serviços quase a metade dos demitidos estava trabalhando há menos de um ano, na construção civil esse percentual avança para 62%.

Em contrapartida, a menor parcela dos trabalhadores dispensados é formada por profissionais com mais de cinco anos de permanência no emprego. Se na indústria de transformação essa parcela corresponde a 14%, na construção civil não chega a 5%.

Informalidade faz desigualdade avançar

O levantamento também mostra que, embora o desemprego tenha caído e a massa salarial aumentado, o avanço da informalidade fez crescer a desigualdade de renda no país nos últimos anos.

De acordo com o Ipea, o índice de Gini da renda domiciliar do trabalho subiu de 0,514 no 4º trimestre de 2014 para 0,532 no 2º trimestre de 2019. Já para a renda individual do trabalho, o indicador saltou de 0,495 para 0,508 no mesmo período.

O Índice de Gini é um indicador que monitora a desigualdade de renda em uma escala de 0 a 1 –quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade.

Por outro lado, a queda do desemprego via ocupações sem carteira de trabalho assinada tem sustentado a recuperação da massa de rendimentos neste ano, como é chamada a soma de todos os salários recebidos pelos trabalhadores do país.

No segundo trimestre, a massa de rendimentos somou R$ 208,435 bilhões, crescimento de 2,4% na comparação ao mesmo período do ano anterior. Nos cálculos do Ipea, o resultado foi puxado pela alta de 4,6% da massa salarial dos trabalhadores sem carteira assinada e de 3,7% para os trabalhadores por conta própria.

O Globo

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nivaldo disse:

    Mas é assim mesmo. Os empregos mais qualificados são os últimos a aparecer quando a economia volta a crescer. Quanto menos ela crescer, mais se demora a se contratar gente mais qualificada.

  2. Wellington disse:

    PTladras nunca mais!

  3. Lourdes Siqueira disse:

    Na verdade o PT comeu o bolo que estava crescendo no forno. Se esbaldou, dividiu o bolo com as empreiteiras e os ditadores, deu os farelos do prato para o povão, mas quando o bolo acabou com a rapinagem, deu no que deu. O forno estava vazio e o Brasil agora tem que bater a massa de novo e aguardar ficar no ponto, talvez por muito tempo.
    O PT esqueceu que quem quer comer bolo tem que "trabalhar". Esqueceu não; nunca soube disso. Trabalho? Só na sigla do Partido.

  4. DesacocheiocomoBrasil disse:

    Pois é…….e tenham certeza que vai precisar de mais uns 5 anos para esse quadro começar a se modificar, pois o estrago que o PT fez ao país durante esses últimos 13 anos nunca foi visto desde o descobrimento………sem contar que quando tudo voltar a melhorar, ainda vão ter aqueles fanáticos alienados que voltarão a gritar pelo retorno dos ladrões.

    • Julia disse:

      Engraçado que nos 10 primeiros anos do governo do PT, o país disparou em geração de riqueza e crescimento. Agora é só ladeira abaixo.

    • Manoel disse:

      Não tem nada de engraçado não Julia! O Brasil foi beneficiado pela alta dos preços das "commodities" nos dois governos de Lula e ao invés de aproveitar essa abundância de recursos, a "alma mais honesta" preferiu enriquecer e roubar o nosso dinheiro do que investir em áreas de infraestrutura, por exemplo. Caso você queira entender melhor, pode consultar na internet: https://veja.abril.com.br/economia/decada-perdida-foi-a-da-alta-das-commodities-diz-economista-de-cambridge/ ou https://exame.abril.com.br/economia/por-que-o-brasil-surfou-na-onda-das-commodities/.

    • Arthur disse:

      Esses Bolsominios diziam que em um ano Bozo ia arrumar o país, já estão falando em 5 anos… Sei…

    • Nivaldo disse:

      Pois. Além das commodites em alta, o Brasil (aliás, o Mundo) pegou dólar inundando os países no pós-2008. No Brasil, as cabecinhas keynesianas inventaram de tentar impulsionar o crescimento em cima de crédito (sobreutdo para os amigos do poder) e gastos públicos. A rebordosa só veio a estourar lá por 2015. Paralelo, tem o fato de que se deu muito dinheiro às elites das mantenedoras. Distribuíram canudos sem combinar com o tal do mercado malvadão.

MOSSORÓ – É Rosado demais para uma gestão só

De volta à vida pública depois de uma experiência desaprovada à frente do Governo do Estado, a médica pediatra Rosalba Ciarlini tomou posse anteontem, 1, pela quarta vez como prefeita de Mossoró, sua cidade natal e seu principal reduto eleitoral.

Nesta segunda-feira, Rosalba empossou os titulares das secretarias que compõem sua equipe de trabalho para os próximos quatro anos.

Alguns nomes são conhecidos. Já estiveram com Rosalba Ciarlini em outras gestões na Prefeitura e outros também fizeram parte de seu secretariado no governo estadual. Dentre eles estão Anselmo Carvalho, Kátia Pinto e o general Elieser Girão Monteiro Filho. Estes foram auxiliares de Rosalba no governo iniciado em 2011 e encerrado de forma melancólica em dezembro de 2014.

O que chama atenção no novo secretariado da prefeitura de Mossoró é a quantidade de parentes. O filho Carlos Eduardo virou secretário-chefe do Gabinete Civil; a filha Lorena, secretária de Desenvolvimento Social e Juventude; o primo Lahyre Neto, secretário de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Turismo. Completa o time familiar Katherine, mulher do deputado Beto Rosado, filho do cunhado da prefeita.

É Rosado demais para uma gestão só.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alf disse:

    Nepotismo escancarado. Viva Mossoró.

  2. Junior pinheiro disse:

    Quem fiscaliza essa farra????? Por isso é que como governadora foi muito ruim. ….!!!! O Ravengar é quem manda!!!!

  3. Junior Souza disse:

    A República das oligarquias nunca deixou de existir e parece estar cada vez mais forte. Quem não conhece sua história é condenado a cometer os mesmos erros.

  4. Blue disse:

    Nepotismo! Onde estão os órgãos de controle?

  5. Jorge disse:

    E o ravengar, onde fica?
    Ah, esqueci! Ele governa!

  6. Tião disse:

    Parabéns aos mossoroenses que estão a compactuar com isso há décadas…

  7. EDER disse:

    O VERDADEIRO NEPOTISMO. SÓ O QUE SABEM FAZER : DESVIO DE VERBA PÚBLICA.

  8. FRASQUEIRINO disse:

    Falta um lugar para o marido da Rosa: Carlos Augusto ROSADO. Para o time ficar completo.

  9. Edu disse:

    De Mossoró para bem longe de Natal, basta o que essa mulher conseguiu fazer com o nosso Estado.

  10. Brasileiro disse:

    Povo BURRO …merece o governo que tem ,deixaram de eleger um EMPRESÁRIO DE SUCESSO para elegerem uma profissão política ???? parabém pra gente burra eu acho é pouco

  11. Curioso disse:

    Tudo em casa fica mais fácil…
    Tudo de casa dá mais certo…
    Venha a vós o nosso reino…
    Amém…!!!

Amazon pode lançar seu próprio smartphone Android

De acordo com o site norte-americano Bloomberg, a Amazon está desenvolvendo seu primeiro modelo de smartphone, com sistema operacional Android. O aparelho chegaria para complementar a família de produtos Amazon Kindle, atualmente composta por ereaders e pelo tablet de baixo custo Kindle Fire.

Amazon AppStore (Foto: Divulgação) (Foto: Amazon AppStore (Foto: Divulgação))
(Foto: Reprodução)

Segundo duas fontes anônimas, a Amazon trabalha no celular em conjunto com a fabricante taiwanesa Foxconn, a mesma empresa responsável pela linha de produção de alguns produtos da Apple e da Microsoft, como iPhone, iPad e Xbox 360.

Ainda não há informações sobre possíveis preços, especificações técnicas ou design do telefone, mas a Amazon é conhecida por vender produtos de baixo custo para lucrar posteriormente através de sua loja de conteúdo. O tablet Kindle Fire, por exemplo, teve seu custo de fabricação estimado em US$ 201,70 pela consultoria iSuppli, um valor maior que seu preço de venda, de US$ 199 nos Estados Unidos.

Notícias e rumores sobre a loja norte-americana já davam pistas de um possível “Amazon phone” para breve. Em agosto de 2011, a empresa patenteou uma tecnologia que protege smartphones em caso de quedas, funcionando como uma espécie de air-bag. Além disso, no começo deste mês, fontes indicaram que a Amazon estaria desenvolvendo um serviço próprio de mapas, semelhante ao Google Maps, que poderia estrear justamente no celular da empresa

Fonte:Techtudo