SEM RECURSOS PARA INVESTIMENTOS: Estudo aponta que 25 estados devem superar limite legal para gastos com pessoal ainda neste ano; percentual no RN chegará a 97%

A concessão de aumentos de salários de servidores estaduais em Mato Grosso, Paraíba e Rio Grande do Norte e a autorização para reajuste no Amapá, Rondônia e Roraima podem colocar esses estados em situação fiscal ainda mais grave, segundo estudo do Centro de Liderança Pública (CLP), organização para melhoria da gestão pública.

Em estados como Rio Grande do Norte e Mato Grosso, os gastos do pessoal, sem a atualização do reajuste concedido, já chegam a mais de 90% da receita estadual.

O levantamento feito pelo CLP mostra que 25 dos 27 estados devem comprometer mais de 60% da receita corrente líquida (RCL) com folha de pagamento por causa do efeito da pandemia na arrecadação este ano.

O estudo já considera o impacto dos R$ 120 bilhões do pacote de socorro ao estados, que aguarda sanção presidencial.

Apenas Rondônia e Amapá estarão abaixo desse patamar, caso não concedam o reajuste autorizado pelo Congresso Nacional.

Especialistas afirmam que o gasto desenfreado com pessoal é um problema recorrente para os estados brasileiros. Até a pandemia do novo coronavírus, muitos buscavam dar andamento à reformas previdenciárias, na tentativa de reduzir os gastos progressivamente nesta década.

No caso do Rio Grande do Norte, que concedeu reajustes para a segurança, escalonado até chegar a 23%, esse percentual chegará em 97% em 2020. Ou seja, tudo o que o estado arrecadar será destinado para folha de pagamento, não restando recursos para investimentos em saúde, por exemplo, ou para arcar com os aumentos concedidos hoje.

O estudo mostra que a dificuldade hoje está em equilibrar as contas, com a queda de arrecadação. No Amapá, a redução estimada foi de 60% em abril, segundo dados da Secretaria de Fazenda. Não há a possibilidade de atrasar pagamento dos servidores estaduais, segundo o órgão.

No Rio de Janeiro, que está em Regime de Recuperação Fiscal (RRF), a Secretaria de Fazenda já admite a possibilidade de atraso salarial a partir de setembro. Neste ano, a queda de arrecadação estimada é de cerca de R$ 15 bilhões.

Para Luana Tavares, diretora do CLP, o custo do aumento dos gastos com pagamento cairá sobre os mais pobres, já com a renda comprometida por programas de redução salarial ou desemprego.

Dados do Ministério da Economia mostram que mais de 8 milhões de trabalhadores com carteira já tiveram redução salarial ou suspensão do contrato de trabalho. Outros 2,3 milhões de trabalhadores perderam o emprego entre janeiro e março deste ano, na comparação com os três meses encerrados em dezembro, segundo dados da Pnad Contínua, do IBGE.

– Isso afeta o servidor, que pode ficar com o salário atrasado, e a população que não vai ter o servidor para entregar os serviços à população nem recursos para isso – afirma – Estamos falando de vida, de pessoas que estão morrendo todos os dias.

Além do Rio Grande do Norte e Mato Grosso, Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul estão na lista de estados que, sem a ajuda do governo federal, vão chegar no patamar de dificuldade orçamentária. Isso significa que poderá haver atraso de salários ainda este ano, no caso desses estados.

Em Minas Gerais, cujo comprometimento já supera os 100%, por exemplo, os salários de maio já começaram a atrasar.

Segundo parâmetros da Lei de Responsabilidade Fiscal, no caso desse patamar ultrapassar 95%, aumentos de despesa com gasto com pessoal devem ser proibidos, segundo a legislação.

Para Andre Luiz Marques, coordenador do Centro de Gestão e Políticas Públicas do Insper, os estados e as pessoas deveriam olhar mais para o próximo nesta pandemia. Mais de 23 mil brasileiros já morreram por causa da Covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde.

– Vários estados, além de ultrapassar os 60% (limite da LRF), já estavam com nota C e D (nos relatórios do Tesouro, o que indica grave situação fiscal). Os estados não estão nessa situação a toa, eles estão fazendo muito esforço pra chegar nisso – afirma.

O economista ressalta que cenário de alto comprometimento das receitas com folha de pagamento não pode ser atribuído somente a queda de arrecadação, mas por cenas similares a vivenciadas hoje, com aumentos acima da inflação nos últimos anos.

– Se temos estados com 90% e 100% (de comprometimento), não se chegou nesse cenário de ontem pra hoje. Muitas coisas vieram do passado, mas muitas coisas estão acontecendo agora. É muito fácil botar a culpa no passado quando eles (governadores) estão rezando da mesma cartilha do passado – ressalta.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Juca disse:

    Fátima de 25% de aumento p puliça. Agora ninguém fala mais de colete vencido, pneu careca, carro velho e delegacia imunda.

  2. Joca disse:

    O famigerado plano de cargo kkkk vai chegar um momento que 100% vai para pagamento de salário. E o pior, o RN deve 1 bilhão para folha, 1 bilhão ao IPE e segue com essa fuleragem de plano de cargo.

  3. Gustavo disse:

    Os marajás não estão nem aí.

  4. Minion de Peixeira disse:

    *todo o funcionalismo…

  5. Minion de Peixeira disse:

    Solução: paga um percentual fixo da RCL (50%) dividido pelo número de servidores e aposentados. Exemplo: se cai a RCL em 10%, todo o condicionalismos fica com menos 10%. Se sobe,, ganham. Estado que cumprir isso vir território federal.

Empresas da cadeia turística do RN terão crédito em condições especiais para superar a crise; veja como solicitar

Nova linha operada pela AGN oferece crédito competitivo as micro, pequenas e médias empresas. Objetivo é assegurar renda e preservar empregos do setor no estado

Micro, pequenas e médias empresas com atuação relacionada à cadeia produtiva do setor do Turismo já podem buscar a Agência de Fomento do Rio Grande do Norte S.A. (AGN-RN) para ter acesso a recursos através de linha de crédito com condições especiais. O novo instrumento surge como uma alternativa em meio à crise no setor provocada pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

A nova linha oferece crédito competitivo, preferencialmente, as micro, pequenas e médias empresas legalmente constituídas e estabelecidas no setor turístico, como forma de gerar renda e preservar a oferta de empregos, além de promover o seu desenvolvimento no estado. Os recursos são do Fundo Geral do Turismo (Fungetur), ligado ao Ministério do Turismo.

Os valores financiáveis chegam até R$ 400 mil, podem ter carência de até 24 meses para começar a pagar e um prazo de parcelamento que pode chegar até 42 meses. As condições de prazo, juros, carência e limite de financiamento variam de acordo com o perfil do empreendimento e da natureza do investimento, seja capital de giro, obras ou bens a serem adquiridos.

Em razão do momento crítico pelo qual passa o setor, os financiamentos para capital de giro contratados até 17 de junho terão juros de apenas 5% ao ano + o INPC do período. As operações realizadas posteriormente terão juros de 7% ao ano + INPC.

As empresas interessadas em contratar as operações de crédito precisam estar devidamente inseridas no Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos do Mtur – Cadastur. O cadastro é gratuito, sai em até cinco dias úteis e pode ser feito através do site www.cadastur.turismo.gov.br.

Para mais informações ou iniciar o processo de solicitação do financiamento, o empreendedor deve entrar em contato com a AGN através de ligação ou por Whatsapp por meio dos números 84 99136-1897/99640-0700 ou enviar um email para [email protected] com o título “Solicitação de financiamento – Linha Pró-Turismo – Fungetur”.

Para a diretora-presidente da AGN-RN, Márcia Maia, se mostrou urgente a celeridade para viabilização da linha e dos recursos junto ao Ministério do Turismo em razão dos efeitos da pandemia no Turismo do RN e nas empresas ligadas à cadeia da atividade.

“Recebemos a missão da governadora Fátima Bezerra de apresentar alternativas econômicas para o setor produtivo através da Agência de Fomento. Anunciamos várias medidas na semana passada e agora trazemos novas iniciativas para reforçar e proteger a cadeia da atividade turística, uma das principais fontes de receita e emprego no RN. Neste momento, mais do que ampliar a competitividade da atividade em nosso estado, precisamos garantir a sustentabilidade dos empregos e dos negócios”, afirmou.

A iniciativa faz parte de uma série de ações realizadas pela Agência de Fomento do RN, sob determinação do Governo do Estado, em oferecer alternativas para microempreendedores formais e informais, além de micro, pequenas e médias empresas do RN.

Saiba mais sobre a nova linha ProTurismo

Quem pode?
Pessoa jurídica – micro, pequena ou média empresa da cadeia turística inseridas no Cadastur/Mtur. Cadastro é gratuito, sai em até cinco dias úteis e pode ser feito através do site www.cadastur.turismo.gov.br.

Quanto posso solicitar?

Valores podem chegar até R$ 400 mil.

Quais as condições?

As condições de prazo, juros, carência e limite de financiamento variam de acordo com o perfil do empreendimento e da natureza do investimento a ser feito. Carência pode chegar até 24 meses.

Como posso usar?
Para capital de giro, investimento ou aquisição de bens.

A partir de quando?
As solicitações já podem ser feitas.

Como faço?
Entre em contato através de ligação ou Whatsapp pelos números 84 99136-1897/99640-0700 ou envie um email para [email protected] com o título “Solicitação de financiamento – Linha Pró-Turismo – Fungetur”.

Evangélicos devem superar católicos em 2032 no Brasil, destaca Folha de SP

Abraçando diferentes linguagens e se expandindo para cada vez mais lugares, os evangélicos não param de crescer no Brasil. Hoje, já são 31% da população e formam o segundo maior grupo religioso no país, perdendo apenas para os católicos.

Mas quem são e onde estão esses fiéis? Segundo dados do Datafolha, a maior parte dos evangélicos brasileiros são mulheres (58%) e se declaram pretos ou pardos (59%). Além disso, é no Norte que está a maior concentração de “crentes”, como se autodenominam, representando 39% da população.

Segundo estimativas, até 2032 eles devem ultrapassar os católicos em número de seguidores.

Café da Manhã – Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Robério Mauricio da Silva disse:

    Diram que os pais de seus filhos são petistas? Quanta idiotice.

  2. Manoel disse:

    Quem sair por último que apague as velas, a CNBB é um puxadinho do PT e todo mundo sabe que os petistas ou são ateus ou não tem religião nenhuma.

  3. Diêgo disse:

    Espero que as vertentes tradicionais que dominem, não esses neopentecostais parasitas.

Como superar o término de relacionamento? Estudo diz que solução é fazer sexo com o ex

shutterstock

Existe uma fórmula para superar o término de um relacionamento? Apesar de cada pessoa viver a fossa da sua própria maneira, um estudo realizado pela Universidade Estadual de Wayne, nos Estados Unidos, dá uma dica: fazer sexo com o seu ex.

Pode até parecer um conselho estranho, mas a pesquisa, publicada no periódico “Archives of Sexual Behavior” , afirma que existe uma razão para isso. Os resultados mostraram que quem procurou se relacionar de novo com o ex usou o sexo não só para “matar a saudade”, também como uma forma de conseguir se reaproximar e criar conexão.

Essa relação despertou sentimentos positivos no cotidiano dessas pessoas, principalmente comparando-as àquelas que não transaram com o ex depois do término . Outra observação foi que não houve diferença emocional entre quem procurou o antigo parceiro e quem manteve distância. Na realidade, todos estavam igualmente apegados.

O estudo foi dividido em duas partes. A primeira fez um acompanhamento de 113 pessoas que estavam tentando transar com o ex no período de um mês, no qual a maioria das tentativas foram bem-sucedidas. Já a segunda foi uma entrevista com 459 pessoas que fizeram sexo com o ex, na qual foi perguntado se a decisão tornou o término mais difícil.

Segundo a pesquisadora responsável, Stephanie Spielmann, as descobertas mostram que há uma necessidade de compreender melhor os términos e o impacto que o fim do relacionamento pode ter na saúde mental de alguém.

IG

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. toni disse:

    e isso mesmo carlos quem sabe vendo o video de uma gata muito gostosa toda nua puta merda e uma boa sacoooooo!!!!!!!

  2. Bruno disse:

    Nos dias de hoje, num é preciso terminar para fazer sexo com o ex…
    Vivemos numa sodoma e gomorra faz tempo!