Gestão da crise do coronavírus: Bolsonaro tem aprovação de 33%, consideram regular 25% e 39% reprovam, diz Datafolha

Pesquisa Datafolha publicada nesta sexta-feira (3) pelo jornal “Folha de S.Paulo” mediu a avaliação do desempenho do presidente Jair Bolsonaro, dos governadores e do Ministério da Saúde na condução da crise do coronavírus.

A pesquisa foi realizada por telefone com 1511 pessoas entre quarta-feira (1º) e sexta-feira (3) em todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja abaixo os resultados:

Avaliação do desempenho de Bolsonaro em relação ao surto de coronavírus

Ótimo/bom: 33%
Regular: 25%
Ruim/péssimo: 39%
Não sabe/não respondeu: 2%

No levantamento anterior, divulgado no dia 23 de março, a aprovação de Bolsonaro era de 35% e a reprovação era de 33%.

Avaliação do desempenho do Ministério da Saúde

Ótimo/bom: 76%
Regular: 18%
Ruim/péssimo: 5%
Não sabe/não respondeu: 1 %

No levantamento anterior, a aprovação do Ministério da Saúde era de 55% e a reprovação era de 12%.

Avaliação do desempenho dos governadores

O Datafolha pesquisou também a avaliação sobre as ações dos governadores na crise. Os resultados foram:

Ótimo/bom: 58%
Regular: 23%
Ruim/péssimo: 16%
Não sabe/não respondeu: 2%

Na pesquisa anterior os governadores tinham aprovação de 54% e reprovação de 16%.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. proterald disse:

    Datafolha está sem moral na mídia….Da licença….

  2. Airton disse:

    Databosta inconsistente.

  3. Leomar Luft disse:

    Bolsonaro 2022. Avante mito.

  4. Tarcísio Eimar disse:

    Apesar de ter sido pelo DataFolha, mas creio q os números sejam reais

  5. Bel disse:

    Data folha e a mesma coisa de nada.

  6. Mito disse:

    Pesquisa da data folha e comentário de petista não servem para nada. Bolsonaro continua firme, forte e com o apoio da população. Vão se preparando que em 2022 a surra será ainda maior.

  7. Edilson disse:

    A folha fez essa pesquisa aonde?
    Qual foi o público pesquisado nesse periodo de epidemia?

  8. Paulo disse:

    Mandetta 2022!

    • M.D.R. disse:

      Esse aí sim…..
      Mostrando capacidade, responsabilidade, atuante e voltado para os problemas da saúde "PANDEMIA" entrou firme na situação doença.

  9. raimundo fernandes disse:

    voces são aquela parcela da sociedade que podem ser descatada! não tem cerebro! taokei.

  10. Eduardo Neto disse:

    33% acham esse insano bom e 25% regular… 58% da população so pode ta comendo merda com sucrilho!!!

  11. Ricardo lúcido disse:

    Derrete do feito picolé no sol , o presidente , votei nele e me arrependo , está cada dia mais desprestigiado . Pode ligar o cronômetro . É renúncia ou impedimento . Façam suas apostas .

    • Lobinha disse:

      Essa pesquisa não mostra isso, ruminante adorador de ladrões condenados. Apenas 39% reprovam o mito, logo ele até cresceu no apoio popular com relação a eleição, nas eleições 43% não votaram nele, nessa pesquisa, apenas 39% não o aprovam. Tá no caminho certo mito

    • Zé Mané disse:

      Lobinha não, Bobinha.

Lula e Doria esquecem diferenças e trocam afagos sobre crise do coronavírus

Foto: Reprodução

Adversários históricos e ferrenhos, o ex-presidente Lula e o governador João Doria (PSDB) esqueceram as diferenças políticas e trocaram afagos em uma rede social em meio à crise do coronavírus.

“Nossa obsessão agora tem que ser vencer o coronavírus. Chegamos ao ponto do Dória ter que mandar a PM invadir fábrica pra pegar máscara. A gente tem que reconhecer que quem tá fazendo o trabalho mais sério nessa crise são os governadores e os prefeitos”, escreveu o petista.

Doria respondeu ao ex-presidente: “Temos muitas diferenças. Mas agora não é hora de expor discordâncias. O vírus não escolhe ideologia nem partidos. O momento é de foco, serenidade e trabalho para ajudar a salvar o Brasil e os brasileiros”.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fanes disse:

    Quem é lula na fila do pão. kkkkkkk

  2. Zé Verdades disse:

    Quem eterniza Lula e o torna uma lenda, são vocês mesmos, que só basta uma matéria com o nome dele. Surge da terra um monte de filosofo de quinta, comentaristas políticos e fanáticos de rua esquerda e direita. Vão estudar a bíblia.. seus doentes do século. Pior do que a COVID-19, é o câncer que vai matar suas mentes, bondade, por causa da politica que sempre foi suja . Babacas…

  3. Ricardo disse:

    Esse papo de "aproximação" entre Lula e Dória por causa de 2 tuítes parece aquela conversinha de colégio:

    Fulaninho: "me empresta o caderno?"
    Beltraninha: "empresto sim, pode pegar"
    Resto da turma: "UIUIUI TÃO NAMORAAAAAAAAANDOOOOOO"

  4. ForaCanalhas disse:

    O maior problema do Brasil será destruir o CANALHAVIRUS, esse sim faz tempo que destrói tudo e ainda tem quem o defenda.🤔

    • MAO BRANCA disse:

      AGORA FAZEM PARTE DA MESMA QUADRILHA. O IDEAL ERA DÁ UMA FACA ACADA UM E TRANCÁ-LOS NUMA CELA ESCURA.

  5. valmir melo da disse:

    São dois aproveitadores de desgraças da pior espécie. Eles se merecem, e o Doria é igual ao Lula, vende até a mãe ao diabo para se manter e alçar vôos mais altos ao Poder.

  6. Márcia Maria disse:

    Onde está Lula ??? No Brasil ou bem guardadinho no exterior? Só assistindo, de camarote, Sabido, sem se expor. Bem assessorado.

    • Eudes disse:

      Não sei se você sabe, não há um único país que esteja livre do coronavírus, em razão disso chama-se de pandemia, logo não importa o lugar no qual você esteja, não adianta, também, a posição social ou politica que você ocupa. O melhor será deixarmos comportamentos desta natureza longe de qualquer tipo de discurso, discurso de ódio não contribuirá para o momento.

  7. Carlos disse:

    Dois cabra de peia

  8. João Medeiros disse:

    O cara invadiu a fábrica da 3M pra pegar (roubar) máscara, as quais seriam distribuídas para todo o país, egoísmo puro, pensando só no estado de sp, é elogiado pelo ladrão Mor e acha que compartilhando isso está ganhando pontos com os brasileiros.
    Farsa: PSDB e PT

    • JOAO disse:

      O MUNDO E COMERCIAL , AI O BONITO DO TRUMP FOI NA FRETE DO BRASIL E PAGOU TODOS OS EPIS DA CHINA E TU ACHA BONITO QUE ELE PARCEIRO DO BOZO

  9. olimpio disse:

    Dois safados, fazendo politicagem barata no momento desses.

  10. Ivan disse:

    Esses imundos politizam tudo…até numa hora dessa fazem palanque…Vermes!!! Esse corrupto condenado deveria, ao invés de falar…devolver o que roubou!!!

  11. Neto disse:

    Pra tomar o poder, vale tudo. Vale renovar a velha aliança PT-PSDB. Vale aceitar elogio do Carniça POR INVADIR FÁBRICA. Dória, você é pior que Lula.

  12. Vagner Xiara disse:

    "Me digas com quem andas que te direi que és".
    Ensinamento antigo de muito valor e imutável entendimento. O resto é choro dos adoradores do "quanto pior para o povo melhor para nós na retomada do poder".
    Isso veja a questão.

  13. Fonseca disse:

    O bandido-mor e o aprendiz de bandido trocando afagos, tão liiiiindo! Vão se lascar seus dois buc….

  14. Manoel disse:

    Não sei qual dos dois eh mais oportunista! Só Jesus!

  15. Paulo disse:

    Dá credibilidade a um corruPTo condenado é a mesma coisa que apoiar suas falcatruas.

  16. Joaquim disse:

    Dois palhaços

  17. LULA MELHOR PRESIDENTE DO BRASIL disse:

    ESSE E O MEU PRESIDENTE, FALEM O QUE QUISER (OS BABOES DE NERO, QUE TOCOU FOGO EM ROMA, OS BABA OVO, PELEGOS DO DESEQUILIBRADO) MAIS LULA CONTINUARA A SER O MELHOR PRESIDENTE DO BRASIL…ACEITA QUE É MELHOR

  18. Allan Laranjeiras disse:

    Parabéns aos dois, a ideia é essa mesma, cuidar das pessoas sem se importar com partidos ou posições políticas, mas algumas pessoas ainda não entendeu que é uma questão de sobrevivência da raça humana,simples assim.

Coronavírus: crise afeta mercado do sexo em BH e mais de 3 mil prostitutas ficam sem trabalho

Rua Guaicurus, em Belo Horizonte — Foto: Ricardo Pessetti/Divulgação

A Rua Guaicurus, no centro de Belo Horizonte, é uma das muitas da cidade que ficaram desertas desde o decreto municipal publicado no dia 20 de março que proíbe o funcionamento de parte do comércio da cidade. A medida é uma tentativa de evitar as aglomerações e a proliferação do novo coronavírus.

Conhecida como “zona boêmia”, a região tem dezenas de pequenos hotéis que funcionam como pontos de prostituição. A pandemia também afastou os clientes fazendo com que estes locais fechassem as portas.

“Muitas prostitutas vivem nestes hotéis. E tentam se manter como podem. Tem gente que não têm dinheiro nem para comer mais”, disse Cida Vieira, presidente da Associação das Prostitutas de Minas Gerais (Aprosmig).

De acordo com a entidade, cerca de três mil mulheres foram impactadas ela crise do novo coronavírus. Além das prostitutas que moram nos hotéis na região da Guaicurus, muitas sobrevivem nas ruas da cidade. Outras voltaram para suas casa na Grande BH e até no interior.

“Tem conta chegando, né? E muitas escondem a profissional para as famílias. Como explicar agora o porquê da falta de dinheiro? A gente tem tentado ajudar, fazendo doações”, disse Cida.

A Aprosmig tem feito campanha de arrecadação de cestas básicas e produtos de higiene como sabão e álcool em gel. “A gente fala para elas ficarem em casa. Para se protegerem. É um período difícil. Eu diria até caótico”, disse a presidente da entidade.

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Belo Horizonte (Abrasel) e a Cruz Vermelha também chegaram a doar mantimentos e produtos de limpeza para 60 mulheres que trabalham na zona boêmia.

G1-MG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😛é ruim eles darem atenção às colegas…..kkkkkkkk.

  2. BolsoLula disse:

    Mais uma prova que político brasileiro é tão ruim: não ajudam as próprias mães

Datafolha diz que eleitor de Bolsonaro acha que ministério age melhor que presidente na crise

A avaliação do desempenho do Ministério da Saúde na crise do coronavírus é melhor do que a aprovação ao trabalho do presidente Jair Bolsonaro também entre seus eleitores.

O trabalho de Bolsonaro no combate aos efeitos da pandemia é considerado ótimo ou bom por 56% dos entrevistados que dizem ter votado nele no segundo turno da última eleição. O percentual nesse grupo é muito maior do que a avaliação positiva feita pela população em geral, que é de apenas 35%.

Entre os eleitores do presidente, contudo, o índice de opiniões positivas sobre o desempenho do Ministério da Saúde, comandado por Luiz Henrique Mandetta, é ainda maior: 64%.

Os dados apontam que, mesmo entre eleitores de Bolsonaro, existem percepções diferentes entre as duas autoridades.

Mandetta se notabilizou por declarações que indicavam a gravidade da crise, enquanto o presidente usou expressões como “fantasia”, “histeria” e “gripezinha” para se referir à pandemia.

O contraste entre os eleitores de Bolsonaro, porém, é menor do que aquele observado no restante da população. Levando-se em consideração todos os entrevistados, a atuação do ministério é aprovada por 55%, ante os 35% a favor do presidente.

Desde o início da crise, Bolsonaro minimizou o risco à saúde da população e resistiu à adoção de medidas restritivas como o fechamento do comércio.

O comportamento do presidente entrou em choque tanto com as recomendações do ministério quanto com determinações feitas por outras autoridades.

Embora Bolsonaro tenha decidido investir num confronto direto com governadores, em especial João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro), a maioria de seus eleitores acredita que os estados têm feito um trabalho ótimo ou bom ao enfrentar a crise.

O percentual de eleitores bolsonaristas que têm uma opinião positiva sobre o desempenho dos governadores é de 57% —índice muito semelhante à aprovação à conduta do próprio presidente nesse mesmo grupo.

A aprovação ao trabalho das autoridades estaduais vai na contramão do discurso que Bolsonaro reforçou nos últimos dias, com o objetivo de transferir aos governadores a responsabilidade pela redução da atividade econômica e pelo provável aumento em massa de demissões.

No domingo (22), o presidente disse que “brevemente o povo saberá que foi enganado por esses governadores e por grande parte da mídia”. E acrescentou: “Espero que não venham me culpar lá na frente pela quantidade de milhões e milhões de desempregados”.

Bolsonaro se recusou a comentar os números da pesquisa. Ele afirmou que considerava “impatriótica” uma pergunta sobre o assunto. “Você está preocupada com popularidade minha e do Mandetta? Se você acredita no Datafolha. O presidente da República e seus ministros estão trabalhando há semanas para minimizar os efeitos do coronavírus”, disse, nesta segunda (23).

O Datafolha ouviu 1.558 pessoas de 18 a 20 de março. Feito por telefone para evitar contato com o público, o levantamento tem margem de erro de três pontos para mais ou para menos.

No grupo de entrevistados que dizem ter votado em Bolsonaro no segundo turno, o apoio a suas declarações e atitudes é naturalmente maior do que a aprovação medida no restante da população. Surgem, contudo, discordâncias nesse segmento.

A maioria dos eleitores de Bolsonaro (58%) afirma que o presidente agiu mal ao apertar a mão de manifestantes no protesto do dia 15 de março. Ainda assim, 39% disseram que ele agiu bem.

O recorte da pesquisa feito entre bolsonaristas mostra ainda um apoio considerável à declaração de que existe uma “histeria” em relação à crise do coronavírus: 47% desses entrevistados dizem concordar com Bolsonaro, e 42% discordam dele.

Apesar dessas avaliações, os eleitores do presidente também afirmam ter medo do vírus. No grupo, 36% dizem ter muito medo e outros 36% declaram ter um pouco de medo –proporção semelhante à que foi calculada na população em geral.

O Datafolha também perguntou aos entrevistados que declararam voto no presidente se eles estavam arrependidos. Apenas 15% deles disseram que sim, o que indica que Bolsonaro preserva o apoio de uma grande parcela de seu eleitorado.

Os segmentos que mais se dizem arrependidos são as mulheres –19%, ante 11% dos homens que declaram ter votado no presidente. No recorte por nível de escolaridade, os eleitores com ensino fundamental afirmam se arrepender mais (18%) do que aqueles com ensino médio ou superior (13%).

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Como se o ministério de Bolsonaro não fosse a encarnação política da vontade do próprio Bolsonaro… Dói quando rio.

  2. HENRIQUE disse:

    É DE LASCAR.
    COMO SE PERDE TEMPO EM FAZER ALGO IMPRODUTIVO EM TEMPOS DE CRISE.
    QUEREMOS É SAIR DESSA SITUAÇÃO, TODOS ,JUNTOS.
    MAS PARA PARTE DA IMPRENSA, COMO GRUPO GLOBO E FOLHA DE SÃO PAULO, O QUE INTERESSA É DESCONSTRUIR O GOVERNO FEDERAL.
    QUERO LÁ SABER DE PESQUISA PORRA !!!!!

  3. Brasil acima de tudo disse:

    Por isso mesmo foi se colocado uma médico no Ministério da Saúde,, desta forma com certeza ele nesta área tem mais conhecimento do que um economista, contador, administrador, presidente, governador, etc, etc, etc. Prova que no cargo foi prestigiado e colocado um homem capaz, coisa que não víamos nos governos dos PTRALHAS, que eram colocados pessoas especializadas em falcatruas e desvio de dinheiro. Cada um no seu quadrado.

  4. Véi de Rui disse:

    Pense num sentimento de massacre esse da imprensa brasileira para com o presidente Bolsonaro, mas Deus estar protegendo ele.

  5. Abel disse:

    Esquecer o data foice.
    Segundo esse Instituto Bolsonaro não ganha a eleição de ninguém.
    Por tanto sem credibilidade.
    Mesmo estando falando a verdade, ninguém confia.
    Vao ter que remar muito, pra ter um pouquinho de credibilidade.
    Tá difícil!!

  6. Empresário Sofredor disse:

    Tinha eleição pra ministro da saúde?

  7. Manoel disse:

    A turma q apoia esse arremedo de governo nao tem vergonha de sugerir censura. Na verdade essa turma é igual ao marido traído no sofá. Ele faz de tudo pra vender o sofá pra nao sofrer tanto.

  8. Ricardo lúcido disse:

    Claro . Só não ver quem não quer . Na verdade o Bananão está até melhorando . Tentos que reconhecer .

  9. Rodrigo Duarte disse:

    Ele colocou especialistas nos cargos dos ministérios foi para isso mesmo, para que os caras soubessem o que fazer.

  10. LEO disse:

    Parabéns Presidente Bolsonaro,Reeleição CERTA!!!!!!!!!!!!!!

  11. Victorino disse:

    Bandos de corruptos, loucos que os PeTralhas voltem aí poder e distribuam bilhões para essas imprensa maldita, o rede Globobosta fala mais do governo do que da pandemia, vergonha desses malditos.

  12. Mariano Medeiros disse:

    O Cidadão quer que se use filtro. Ou seja, excluir os comentários negativos. Em outras palavras, CENSURA. Bem ao estilo do seu ídolo. Haja paciência….

  13. CARLOS SAMPAIO disse:

    E quem foi que escolheu o ministério? Se os atletas de um time de futebol está atuando bem o mérito claro é de todos que fazem parte do time !Falei todos sem distinção e isto inclui principalmente o técnico que montou o time e que também planejou como este time tem que atuar em campo!O mérito principal aqui é de Bolsonaro!É melhor aceitar que dói menos ! B38 2022

  14. Júnior Santos disse:

    Homem vai te lascar, no momento de crise de saude publica o Brasil parado o governo buscando soluçoes e vcs com conversa de pesquisa bando de fi da puta

  15. George disse:

    E tem de ser assim mesmo.

    Do mesmo jeito que o ministério da economia lida melhor com a economia do que Bolsonaro

  16. Canhoto potiguar disse:

    Datafolha?????
    Kkkkkk
    E bolsonaro é presidente?
    Kkkkkk

  17. Cidadão disse:

    Acredito q vc deveria filtrar, não só os comentários, as notícias replicadas.

  18. Hélio Silva disse:

    Qual a novidade ?esse governo é igual a jumenta da Dilma que queria estocar vento mais enfim fazer o que ? E o que temos para hoje

  19. Cidadão disse:

    Me poupe !

  20. Luís V disse:

    Todos ministros de Bolsonaro agem melhor do que ele.
    Bolsonaro pode dizer um monte de besteira, depois volta atrás, recua, tergiversa.
    Mas sabe delegar e não fica se metendo nas pastas.

    • PAULO disse:

      Se dependêssemos exclusivamente das decisões tomadas pela cabeça de Bolsonaro, seríamos a próxima Itália. Coincidência ou não, o melhor ministro de Bolsonaro não é militar e muito menos bolsonarista , PARABÉNS MANDETA!

A semana que pode salvar a Itália e dizer quando a crise vai acabar

No meio da morte, desponta uma flor: da Itália pode vir resposta para pergunta que o mundo inteiro faz Flavio Lo Scalzo/Reuters

Será que o pico está começando a passar?

Esta é a pergunta que, mesmo com todas as cautelas, paira nas mentes e corações de muitos.

Três números a sustentam, ainda fragilmente: 793, 651, 601.

Equivalem aos mortos no sábado do pico, no domingo e ontem.

Pela marcha do avanço massacrante do vírus, na segunda seria atingida a terrível marca dos mais de mil mortos, explodindo para dobrar o número de vítimas em toda a China (eram 6.078 ontem).

“É cedo demais para dizer”, insistem todos os especialistas.

“Ainda não atingimos a fase mais aguda da contaminação e os números continuam a subir”, avisou o primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Mas cientistas como Michael Levitt, um biofísico de Stanford e Nobel de Química em 2013, estão dispostos a se arriscar.

Obviamente, com base em números.

Levitt estudou os números da China e, com base neles, dispõe-se a falar o que o mundo inteiro quer ouvir: “Nós vamos ficar bem”.

Acha que a epidemia não vai se estender durante meses e até anos, como projetam outros especialistas.

O cientista identificou a tendência na China no dia 31 de janeiro, quando as mortes passaram de 42 para 46.

Apesar do aumento, o ritmo das mortes estava diminuindo.

“Vão diminuir mais ainda ao longo da semana”, escreveu. Três semanas depois, garantiu que o pico tinha passado. Fez até uma previsão incrível: a China acabaria tendo cerca de 80 mil casos da nova doença e cerca de 3.250 mortes.

Com Wuhan finalmente saindo da quarentena, as barreiras nas ruas sendo retiradas e moradores saindo de casa para seguir as ordens de “restaurar plenamente” a produção, mesmo em meio a desconfiança nas informações do governo, a China tinha 3.277 mortes pela contagem mais recente e 81.171 contagiados registrados.

Levitt tem nacionalidade americana, britânica e israelense e muitos contatos na China por causa do trabalho da mulher, estudiosa de arte chinesa.

Entrou de cabeça no assunto quando o índice de aumento na província de Hubei estava em 30% por dia – uma fase que está sendo vivida e ultrapassada pela Europa agora.

“Não sou especialista em influenza, mas sei analisar números. Isso é crescimento exponencial”, disse o cientista ao Jerusalem Post.

Se continuasse assim, o mundo inteiro estaria contaminado em 90 dias.

Atingiu o ápice diário de 4.700 novos casos em 6 fevereiro, mas a partir do dia seguinte, começou a refluir.

“O número de novas infecções começou a cair linearmente e não parou mais. Uma semana depois, aconteceu o mesmo com o número de mortes. Esta mudança dramática na curva marcou o ponto médio e permitiu uma previsão melhor sobre quando a pandemia iria acabar”.

Os modelos exponenciais calculam que cada pessoa pode contagiar mais 2,2 e assim continuará a fazê-lo, encontrando novas pessoas.

“Mas no nosso círculo social, encontramos basicamente as mesmas pessoas”, diz Levitt.

As “novas” são em ambientes públicos. Daí a importância do distanciamento e até do isolamento.

Levitt tem outras análises fora do senso comum. Basicamente, acha que a maioria das pessoas é naturalmente imune ao vírus.

Como fazer uma afirmação dessas, ousada, perigosa ou até potencialmente criminosa?

Nas condições “extremamente confortáveis” para a propagação do novo corona no navio de turismo Diamond Princess, onde todos os passageiros e tripulantes ficaram trancados numa tétrica quarentena, “apenas 20% foram infectados”.

Em Wuhan, o índice total de infectados foi de 3%.

Com suas análises audaciosas, Levitt responde, mesmo indiretamente, a pergunta mais desesperadamente presente: quando isso vai acabar.

É, evidentemente, a mais crucial das perguntas, tanto em termos de decisões para a saúde pública quanto para a economia – e a política, claro.

Donald Trump, por exemplo, já deu sua opinião: quer retomar logo a produção ou até mantê-la em áreas pouco afetadas dos Estados Unidos, onde já há mais de 40 mil casos com testes positivos.

“A América irá, e em breve, abrir as portas para os negócios.”, disse ele ontem.

“Muito breve. Bem mais cedo do que os três ou quatro meses que estão sugerindo. Não podemos deixar a cura ser pior que o problema”.

Como decidir isso é a pergunta de quatro trilhões, ou mais, de dólares.

Minimizar o número de vítimas da epidemia e conciliar isso com a ressuscitação da economia são tarefas vitais que precisam ser respondidas ao mesmo tempo, em plena crise.

Da pequena fresta de esperança que se abriu na Itália, onde gerações de cidadezinhas inteiras de idosos estão morrendo e sendo enterrados na solidão do coronavírus, talvez despontem também as primeiras respostas.

Veja

 

79% dos brasileiros acreditam que a economia será muito afetada pela crise do coronavírus, aponta Datafolha

Pesquisa Datafolha publicada nesta terça-feira (24) pelo jornal “Folha de S.Paulo” aponta que a maioria dos brasileiros acha que a economia será muito afetada pelo coronavírus e quase um terço dos entrevistados entende que a vida financeira pessoal será prejudicada. Mais da metade está certa que a renda pessoal vai diminuir.

O Datafolha entrevistou 1.558 pessoas por telefone celular entre quarta-feira (18) e sexta (20). A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Veja abaixo os resultados de acordo com as perguntas feitas aos entrevistados:

A economia será afetada pela pandemia?

Muito afetada:79%
Um pouco afetada: 16%
Nada afetada: 3%
Não sabe: 3%

O surto do coronavírus prejudicará a economia do Brasil?

Por muito tempo: 50%
Por pouco tempo: 44%
Não irá prejudicar: 3%
Não sabe: 4%

O surto prejudicará sua vida financeira pessoal?

Por muito tempo: 28%
Por pouco tempo: 45%
Não irá prejudicar: 24%
Não sabe: 3%

Sua renda diminuirá nos próximos meses por causa do coronavírus?

Sim: 57%
Não: 43%
Não sabe: 0%

Poderá trabalhar em casa durante o surto?

Sim: 46%
Não: 54%

Tem perspectiva de ficar sem trabalho e renda?

Entre os mais pobres: 60%
Entre os mais ricos: 25%

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tonhão Marreta disse:

    Não tem credibilidade esse instituto, assim como alguns meios de comunicação, trabalham para produzir pesquisas com resultado favorável ao contratante. Qual o nível de acerto do datafolha e ibope nas últimas eleições? Sem credibilidade, tenho dito e as pesquisas produzidas por eles atestam isso.

  2. Tereza disse:

    Eis o resultado da corrupção dos governos anteriores.

    • Ricardo Lúcido disse:

      Ei Tereza ! Terezinha ! Teca ou TÊTÊ . Você está sonhando . A ara sabe quem é o presidente ? Passado é passado , justificativas desse tipo não valem . Acorde mulher .

DATAFOLHA: 35% aprovam Bolsonaro, 26% consideram regular e 33% reprovam gestão da crise do coronavírus

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pesquisa Datafolha publicada nesta segunda-feira (23) pelo jornal “Folha de S.Paulo” mediu a avaliação do desempenho do presidente Jair Bolsonaro, dos governadores e do Ministério da Saúde na condução da crise do coronavírus.

A pesquisa foi realizada por telefone ouviu 1.558 pessoas entre quarta-feira (18) e sexta-feira (20) em todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja abaixo os resultados:

Avaliação do desempenho de Bolsonaro em relação ao surto de coronavírus

Ótimo/bom: 35%
Regular: 26%
Ruim/péssimo: 33%
Não sabe: 5%

Avaliação do desempenho do Ministério da Saúde

Ótimo/bom: 55%
Regular: 31%
Ruim/péssimo: 12%
Não sabe: 2%

Avaliação do desempenho dos governadores

O Datafolha apontou o percentual de entrevistados aprovam o desempenho do governador do seu estado:

Média dos entrevistados: 54%
Nordeste: 51%
Sudeste: 52%
Centro-Oeste/Norte: 56%
Sul: 61%

Declarações sobre a pandemia

A pesquisa também questionou os entrevistados sobre o que achavam das declarações de Bolsonaro de que havia uma “histeria” em torno do coronavírus. As respostas foram:

Discordam: 54%
Concordam: 34%
Não têm opinião: 8%
Não concordam nem discordam: 3%

Cumprimentos a manifestantes

Outro tópico da pesquisa foi o gesto de Bolsonaro de cumprimentar manifestantes em um ato pró-governo, mesmo quando já havia a determinação de autoridades de saúde para se evitar o contato próximo com outras pessoas, para evitar a disseminação do vírus.

Reprovaram o gesto: 68%
Aprovaram o gesto: 27%
Não opinaram: 4%

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Adejair Barbalho disse:

    Agora é momento para pesquisa?
    Só para fazer politicagem?
    .
    Essa é a hora de todos focarem esforços nos resultados…
    A mídia é a principal responsável para centralizar esse conteúdo o foco e compartilhar.
    .
    Exemplo disso é o que estão fazendo com Dr Dráuzio Varella que todo domingo está sendo "obrigado" a divulgar vídeos se explicando

  2. Abel disse:

    Data folha é uma m… Não tem credibilidade.
    Bolsonaro no mínimo tem o dobro, com folga.
    O Mandeta já é o melhor ministro da saúde de todos os tempos.
    Um show!!
    Por tanto.
    Pesquisa como sempre fake.

  3. Daniel disse:

    Essa pesquisa dessa datafolha não tem credibilifade de nada, eles poderiam arranjar o que fazer, como por exemplo uma lavagem de roupa, vai rachar uma lenha, pior ainda é quem publica uma porcaria dessa em tempos de guerra contra um mal que está destruindo a humanidade!!!

  4. PAULO disse:

    O desempenho de Bolsonaro é péssimo, continua subestimando a pandemia e estimulando às pessoas a serem irresponsáveis. JÁ O DESEMPENHO DO MIN. MANDETA É EXCELENTE, SENSATO, EQUILIBRADO E TÉCNICO EM SUAS FALAS. SEM DÚVIDA, UM DOS MELHORES MINISTROS DO GOVERNO BOLSONARO, NÃO FICA PERDENDO TEMPO COM DISCURSOS IDEOLÓGICOS IDIOTAS…

  5. Paulo disse:

    IBOPE tem alguma credibilidade?

  6. Carlos disse:

    Data folha é uma piada kkkkkkk

  7. Ceará-Mundão disse:

    A maior parte das pessoas contaminadas serão assintomáticas, outras apresentarão sintomas leves e a letalidade dessa doença será baixíssima, muito aquém de outras doenças do passado ou que estão por aí, grassando vidas todo dia. Mas, os efeitos na economia e nas vidas das pessoas dessas medidas exageradas que certos governadores estão tomando, essas sim, vão ceifar muitas vidas. E o povo vai enxergar isso em breve. Da pior maneira.

  8. Antony disse:

    Quem porra acredita no datafoice?

  9. Cidadão disse:

    Me poupe !

  10. Joaquim disse:

    Nesse momento de tanta dificuldade, às empresas ficam fazendo pesquisa para politicagem rasteira. O brasileiro precisa de união. A disputa pelo voto deixa para o momento das eleições.

  11. Ceará-Mundão disse:

    Continua a guerra contra o presidente. Num momento em que se deveria buscar a união contra essa doença. O PR está certo em pensar na economia do país, na subsistência das pessoas. Passada essa pandemia, se as mortes advindas do caos na economia forem em maior número que as provocadas pelo vírus, essas medidas exageradas não terão servido. E as pessoas vão entender isso da pior forma.

    • Brasil e RN acima de tudo disse:

      Mas se nem o presidente busca essa união, ele vai contra tudo o que o mundo ta fazendo, todo o mundo preocupado com essa pandemia e ele achando que é um resfriado, que os governadores estão exagerando, que a imprensa está mentindo e por aí vai. Se fosse uma crise apenas no Brasil, eu ficaria calado e concordaria com o presidente, mas o mundo todo está em alerta, acorda cara, desça desse palanque e ajude quem precisa.

Cabo Telecom toma medidas para apoiar população durante crise do Novo Coronavírus

Foto: Divulgação

Empresa de telecomunicações amplia acesso a canais e conteúdos dos planos digitais de TV por assinatura e aumentará espontaneamente, dependendo da demanda, a velocidade de navegação

Sensível ao atual cenário provocado pela pandemia do Novo Coronavírus (COVID-19) e, diante das recomendações das autoridades de saúde para que as pessoas evitem aglomerações, diminuam os contatos físicos, estimulem a prática de trabalho remoto (home office) e, quando necessário, adotem a quarentena, a Cabo Telecom anuncia algumas medidas que já estão valendo deste essa segunda-feira (16).

Por um período indeterminado, está disponibilizando – sem qualquer custo adicional – a ampliação do acesso aos canais e ao conteúdo dos planos digitais de TV por assinatura. Desta forma, os usuários podem ter mais acesso às fontes de informações e conscientização sobre as medidas preventivas para o COVID-19, ao mesmo tempo em que, diante do cenário de maior distanciamento físico entre as pessoas, amplia as opções de entretenimento e lazer das famílias em seus lares.

Em relação ao serviço de internet banda larga fixa, a Cabo Telecom informa que toda a sua equipe técnica está acompanhando e avaliando continuamente a disponibilidade e a capacidade de rede, de modo a garantir a conectividade e a comunicação dos usuários.

Desse modo, em se verificando picos de demandas no serviço de internet banda larga fixa, a empresa providenciará, sem qualquer custo adicional e respeitadas as condições técnicas necessárias, aumento nas velocidades de navegação.

“O Brasil começa agora a enfrentar essa doença que já afetou milhares de pessoas ao redor do mundo. Entendemos que este é um momento de nos voltarmos para a coletividade e solidariedade, visando o objetivo em comum de retardar o avanço do vírus. Pretendemos com essas ações estimular as pessoas a ficarem em casa e proporcionar mais entretenimento durante estes dias tão difíceis”, comenta Claudio Alvarez, diretor presidente da Cabo Telecom.

Para mais informação sobre os canais e conteúdos liberados, em conformidade com as tecnologias e os planos digitais de TV por assinatura disponibilizados pela Cabo Telecom, os clientes poderão acessar o site www.cabotelecom.com.br.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Funcionários Terceirizados disse:

    Será que a Cabotelecom está seguindo o DISTANCIAMENTO SOCIAL recomendado pelas autoridades de saúde?
    Compreendo isolamento, como isolamento. Quando vc contrata o serviço de TV há a necessidade de dois funcionários TERCEIRIZADOS pela Cabotelecom, antes de ir até sua residência, visitar outros clientes possivelmente contaminados com a covid-19.
    Reflitam: Será que sua família estará segura recebendo essas visitas?
    Será que esses funcionários estão devidamente protegidos, quando diariamente por 8 horas ou mais transitam por toda região metropolitana da Grande Natal, sabe se lá, levando ou trazendo o Corona vírus da sua casa ou para a sua casa?
    Será que esse serviço é essencial mesmo?
    Ler um livro, brincar com os filhos não seria mais seguro?

  2. Felix disse:

    Pena que é fake news! a minha internet continua a mesma coisa, não aumentou velocidade coisa nenhuma, a de alguém aumentou?

  3. Carlos Augusto disse:

    Parabéns a Cabo Telecom pela iniciativa.

  4. Cli disse:

    Atitude sensível! Parabéns!

  5. Gustavo disse:

    Louvável iniciativa, parabéns à Cabo!

  6. Everton disse:

    Boa!

Guedes diz que Brasil vai sofrer ‘impacto’ do coronavírus, mas que crise é passageira

Foto: Reprodução/Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (12) que o Brasil “vai tomar o impacto” da crise gerada pelo coronavírus, mas que ela é “passageira”.

Guedes fez o comentário ao ser questionado pelos jornalistas sobre a nova disparada do dólar que, nesta quinta, chegou pela primeira vez a R$ 5.

Na semana passada, o ministro afirmou que, se fizesse “muita besteira, o dólar poderia bater em R$ 5”.

Nesta quinta, o ministro esclareceu que, quando fez a declaração na semana passada, não estava se referindo apenas a ele ou ao governo, mas “ao Congresso, Senado, Câmara, Presidência da República, ministros, opinião pública informada pela mídia”. De acordo com Guedes “todos nós somos responsáveis” pela instabilidade que se reflete na disparada da moeda norte-americana.

Em seguida, o ministro defendeu que as disputas políticas envolvendo o governo Bolsonaro e o Congresso deem lugar a “um mutirão de solidariedade” para superar a atual crise.

“É uma crise passageira, uma pandemia, como foi dito do ponto de vista de saúde pública. Tem uma onda de impacto, um período de difusão, e depois ela cede também com força. Já está acontecendo isso na China. Vamos tomar o impacto agora”, disse Guedes.

Na quarta, em mais um capítulo da disputa entre Planalto e parlamentares, o Congresso derrubou veto do presidente Jair Bolsonaro e elevou o limite de renda para a concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

De acordo com o governo, esse aumento vai gerar um impacto de R$ 20 bilhões nas contas públicas apenas neste ano.

Para Guedes, que informou que o governo vai recorrer à Justiça e ao Tribunal de Contas da União (TCU) para tentar reverter a decisão sobre o BPC, a derrubada do veto foi um “sinal do Congresso Nacional” em um momento de disputa sobre as regras do orçamento impositivo – em que o Executivo e Legislativo competem pela prerrogativa de definir a destinação de recursos públicos.

“A nossa avaliação é que, se há algum espaço agora, é para justamente remanejar o orçamento para essas prioridades [área de saúde, por conta do coronavírus]”, disse.

“É hora de explorarmos as disputas? De jogamos os poderes uns contra os outros por pequenos deslizes de comentários? Ou é hora de tentarmos interpretar corretamente o que está sendo transmitido e tentarmos construir a saída juntos”, questionou.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. IBMENDONCA disse:

    Parece que o posto Ipiranga tá em crise…

  2. Ricardo disse:

    Impressionante a falta de informações que as pessoas tem em se referir ao dólar a 5,00 reais como fosse culpa interna e essa falta de esclarecimento é uma lástima.

    • Chico da Burra disse:

      Não é falta de informação meu amigo! É oposição sem argumento querendo utilizar-se de qualquer meio para derrubar o governo e tentar voltar ao poder, digo, à roubalheira!!!

  3. Observando disse:

    Reforma Trabalhista. Reforma Previdencia. E agora Reforma Tributaria, que vai tirar dos ricos e dar aos pobres. Agora vai.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      "Tirar dos ricos e dar aos pobres" ??????????????? será que o que os fatos estão mostrando não é o contrário não ??.
      Eu só vejo os "tubarões" cada vez mais ricos e a classe média e o povão empobrecendo e perdendo direitos conquistados com muita luta.

  4. Bruno disse:

    Kat acredita mesmo é nós petralhas

  5. Vitor Silva disse:

    É triste, mas tbm didático: ontem Fábio Wajngarten fez piada com o coronavírus, hoje o resultado de seu exame deu positivo.

    Bolsonaro é outro que não se atém aos fatos, atacou a imprensa e chamou a pandemia de "fantasia"

    A realidade vai esmagando as fake news desse (des)governo

  6. Kat disse:

    Suposições…. Não fala nada com nada!!
    Disse que o dólar não chegarão a 5,00 reais e se chegasse era pq o governo tinha feito muita besteira..olha aí!!! Que a crise passa com as reformas, tudo balela. Queria muito que fosse verdade, não acredito mais em nada desse desgoverno.

    • Antenado disse:

      Então se mude para a Venezuela. Lá vc não vai ouvir falar, vai ver “in loco”.

‘Situação insustentável com Leonardo’ aproxima Neymar do Barcelona: R$ 905 milhões

Foto: BENOIT TESSIER / REUTERS

A relação entre Neymar e Leonardo, diretor esportivo do PSG, tornou-se insustentável, segundo o diário espanhol ‘Mundo Deportivo”. Assim, o retorno do atacante ao Barcelona está a cada dia mais perto. O jogador não esconde seu desejo de voltar ao clube catalão desde o verão europeu passado. Basta que o Barça ou o próprio jogador desembolse 180 milhões de euros (cerca de R$ 900 milhões).

Na ocasião, Leonardo não quis negociar o atacante com o Barça e as rusgas começaram. Agora voltaram à tona com as críticas de Neymar ao PSG. O brasileiro acusou o clube de não deixá-lo jogar quando já estava bem fisicamente para pegar ritmo para a partida contra o Borussia Dortmund, pelas oitavas de final da Champions. O time francês perdeu o primeiro jogo por 2 a 1.

De acordo com a publicação, o clima de tensão provocará a insistência do atacante em sair do clube parisiense. Neymar já dá pistas de que forçará sua ida para o Barcelona na abertura do mercado no próximo verão europeu. A diferença desta vez é que o brasileiro tem um dispositivo da Fifa a seu favor.

Até ano passado, o jogador dependia da vontade do PSG para permitir a negociação com outro clube. Agora, de acordo com uma das cláusulas do regulamento de transferência dos jogadores da entidade, a sua vontade pode ser levada em consideração. Cumprido o chamado “Período Protegido”, definido pela Fifa como “um período de três temporadas completa ou de três anos – o que ocorrer primeiro – depois da entrada em vigor do contrato, caso o vínculo tenha sido assinado antes de o jogador completar 28 anos”, automaticamente a entidade reconhece o direito do atleta de abandonar o clube em troca de uma indenização.

Segundo os cálculos feitos pelo Barcelona, levando em consideração algumas variáveis que contemplam o valor da indenização, a liberdade de Neymar seria de 180 milhões de euros.

Além disso, como já estava apalavrado na negociação do ano passado, no caso do retorno do atacante ao Barcelona, ele receberia 24 milhões de euros na temporada (cerca de 110 milhões). Valor estipulado em seu quarto ano de contrato com os catalães que foi interrompido.

Extra – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Claudio disse:

    É e sempre será um delinquente do futebol , tanto ele como o Pai são dois vigaristas do esporte , cheios de esquemas e falcatruas , lesando os clubes por onde passa. Jamais será um mito.

Como o açúcar e etanol brasileiros podem se aproveitar da crise Irã-EUA

(Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

Esta deverá ser uma sexta-feira (3) meio atípica em alguns mercados internacionais. O dia prometia ser calmo, de baixa liquidez, com 2020 mais ativo a partir da segunda.

Mas o ataque dos Estados Unidos ao Iraque e a morte do comandante militar iraniano está dando potencial de alta ao petróleo e ao dólar index (na contramão de Dow Jones, em queda), pelo menos por hora.

O reflexo mais claro nas commodities agrícolas neste estágio dos negócios (10h55 de Brasília) é sobre o açúcar e, por tabela, sobre o etanol. Diante do petróleo com potencial de alta e de repasse para os preços dos combustíveis no mundo, mais matéria-prima seria desviada para etanol (que segue com potencial de competitividade e de alta na entressafra, com o governo podendo dar novo aumento à gasolina).

E o Brasil, em particular, é o fiel da balança na visão dos agentes.

Apesar de não ser mais o maior exportador de açúcar, a expectativa de enxugar mais a oferta ajuda na especulação na bolsa de Nova York (ICE Futures).

Especulação

Mas o suporte que o cru Brent em Londres pode dar é limitado e no nível da especulação de rally, sem força de fundamento que assegure uma tendência de alta, avalia Maurício Muruci, da Safras & Mercado.

Enquanto o petróleo vai e volta em torno dos 4% de alta, encostando e descendo um pouco dos US$ 69/barril, para o vencimento de março, o adoçante tenta se recuperar da forte queda de ontem. Fechou em 13.42 cents de dólar por libra-peso no dia 31 e caiu para 13.13 c/lp no primeiro dia útil do ano.

Agora, sobe mas 1,22%, a 13.29 c/lp o março.

Mas o analista também percebe que o movimento de alta hoje também está ligado à oportunidade que a queda da véspera deu aos grandes compradores mundiais, as indústrias. Se aproveitam para comprar um pouco.

Tudo com limitação de sustentação. Tanto pelo lado do petróleo – a menos que haja um caldo de crise mais longa e drástica entre Irã e Estados Unidos, podendo comprometer o fornecimento de petróleo em toda região do Golfo -, quanto pela Índia.

Para Muruci, a produção indiana pode ficar mais robusta com os reservatórios de água do país garantindo a umidade da cana, além da queda do PIB, que também limita o consumo interno da commodity e deixa mais volume disponível para as exportações (subsidiadas).

Money Times

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rômulo© disse:

    Em Natal não compensa abastecer com álcool, seu valor é sempre maior que 70% do preço da gasolina !

  2. Rômulo© disse:

    A proposta do etanol como combustível nos automóveis sempre foi reduzir nossa dependência do petróleo como fonte de energia. Infelizmente, depois de décadas do Proálcool, pouco foi feito para que o combustível da cana se tornasse uma opção melhor para o consumidor, pois dificilmente está com preço inferior a 70% do custo da gasolina.

  3. Francisco disse:

    As bolsas mundiais tiram proveito dessa crise instantânea, ao mesmo tempo que enche os bolsos de trump com dólares por ter desencadeado essa nova safra de dólares, tendo a reboque as empresas petrolíferas, inclusive a Petrobrás com o pré sal. se o presidente não intervir, vão fazer um rapa no consumidor brasileiro.

NOVO FÔLEGO: Após cinco anos de crise, setor do óleo e gás volta a contratar no Brasil

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Apesar do clima de decepção com a ausência das grandes petroleiras nos dois últimos leilões do pré-sal, em novembro, o mercado de trabalho no setor de óleo e gás volta a ganhar fôlego no Brasil. Depois de cinco anos encolhendo sem trégua, o porcentual de vagas abertas para cargos de média e alta gerência na área saltou 8,5% nos primeiros dez meses deste ano. Os salários ainda não se recuperam no mesmo ritmo, mas tiveram alta de 2% no ano, segundo levantamento feito pela consultoria de recrutamento internacional Michael Page a pedido do jornal O Estado de S. Paulo e do Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Depois de viver um boom de 2010 a 2013, a partir de 2014 o setor foi atingido por uma espécie de tempestade perfeita: preços do barril de petróleo em baixa; denúncias de corrupção na operação Lava Jato; a crise na Petrobras; a derrocada da OGX de Eike Batista; escassez de leilões de concessão de áreas; economia desaquecida e um freio em projetos de exploração de petróleo e gás.

A combinação desses fatores terminou com uma queda brusca de 20% nos salários em 2014, que se seguiu ao longo de 2015 (-10%) e 2016 (-5%).

Responsável na Michael Page pela área de recrutamento em óleo e gás, Otávio Granha afirma que já é possível detectar uma retomada em termos de demanda e salários em posições técnicas ligadas à fase de exploração e desenvolvimento de campos de petróleo.

“Esse crescimento não vai ser acelerado como foi na época do boom, mas vai ser mais sustentável do que foi naquela época”, diz Granha, para quem o crescimento mais acelerado virá em 2021.

A volta dos leilões de blocos promovidos pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nos últimos dois anos aqueceu a demanda por profissionais atuantes no início da cadeia petrolífera. É o caso dos cargos de geofísico e geólogo, cujos salários tiveram uma alta de 64% e 38%, respectivamente, no acumulado de janeiro a outubro de 2019.

Segundo a Michael Page, atualmente um geofísico no Brasil pode ganhar até R$ 27 mil, enquanto o salário de um geólogo tem um piso de R$ 14 mil e um teto de R$ 42 mil. Já um engenheiro de reservatório, outro cargo em curva ascendente, recebe entre R$ 12 mil e R$ 40 mil, um patamar 44% superior ao de 2018.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Davi disse:

    Era só os vermes PTralhas serem presos que a empresa começou a dar lucros …essa história que o petróleo é nosso , esse ratos ladroes levaram a sério…e roubaram oque puderam

Defesa Civil de Natal forma voluntários para atuar em situações de crise

Foto: Divulgação

A Defesa Civil de Natal ministrando uma capacitação voltada ao aperfeiçoamento das ações de intervenções em situações de desastres. A capacitação iniciada nesta terça-feira (05) está acontecendo no Grupamento de Fuzileiros Navais da capital e segue até esta quarta-feira (06/11), com instruções teóricas e simulados.

O curso está sendo conduzido pelo psicólogo da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (Semtas), Stênio Stephanio de Oliveira, e pelo agente de Defesa Civil de Natal, Paulo Henrique. As instruções abrangem informações relacionadas ao Papel da Defesa Civil; Sistema integrado com as Forças Armadas; Tipos de desastres; Depoimentos; além de simulados focando atuações técnicas de como agir em diversos tipos de desastres aéreo e emprego de abrigos.

A diretora de Ações Preventivas da Defesa Civil de Natal, Luciana Medeiros, informou que a capacitação é uma parceria com a Associação de Veteranos do Exército Brasileiro e com o Corpo de Fuzileiros Navais de Natal. “É mais um aperfeiçoamento que a Defesa Civil está promovendo formando pessoas no Curso Básico de Defesa Civil e possibilitando que elas venham a atuar como voluntários em situações que envolvam a necessidade maior de pessoal para contribuir no atendimento a possíveis vítimas de desastres”, comentou.

Bolsonaro classifica de “imaturidade” a crise no PSL e “deseja boa sorte” para Joice Hasselmann

Foto: – / AFP

O presidente Jair Bolsonaro comentou a crise do PSL , pouco antes de deixar Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, neste domingo. O chefe do executivo destacou que “todo mundo” acredita no Brasil, apesar das dificuldades. Ele também falou sobre novos nomes de candidaturas em seu partido nas eleições.

— Há a esquerda toda contra nós, o PSL. A gente sabia que seria difícil. Está sendo um pouco mais. Mas todo mundo está acreditando na gente, fazendo acordos — disse.

Ao ser perguntado sobre a possibilidade de a deputada Joice Hasselmann ser candidata à Presidência pelo PSL, o presidente reagiu mas falou apenas de eleições municipais, onde a parlamentar também foi cogitada como candidata:

— Boa sorte para ela. Eu acho que a Joice se elegeria sem estar do meu lado. Quando se expõe de forma explícita, atrapalha. Interferirei o mínimo possível nas eleições municipais — afirma.

Neste sábado, o deputado Junior Bozzella (PSL-SP), que tem sido porta-voz de Bivar, disse à “Folha de S. Paulo” que Joice pode ser candidata à Presidência pela legenda.

– O presidente prometeu na campanha que não disputará a reeleição. A Joice, portanto, é o nome ideal – disse.

Bolsonaro classificou de imaturidade a crise no partido e a reação de Joice Hasselmann.

— Com mulher é diferente. Com homem a gente vai e fala um palavrão. Mas quem erra é que tem que ir atrás – disse.

O presidente afirmou que a questão do partido é grave e que um advogado dele está estudando a situação.

— O ideal agora seria ser xifópago (gêmeos que nascem ligados), seria separar. Nunca solta de paraquedas sem um extra. Essa possibilidade sempre vai existir. O ideal é um novo partido. Não teria dificuldade em criar – afirmou.

Nesta segunda-feira, O GLOBO mostrou que os advogados Karina Kufa e Admar Gonzaga , que vem atuando para Bolsonaro na crise do PSL , acionaram no Supremo Tribunal Federal (STF) o presidente do partido, Luciano Bivar. Em pedidos de interpelação judicial, eles questionam Bivar sobre algumas declarações, entre elas uma entrevista ao GLOBO na qual o presidente do PSL diz que os advogados desejam a legenda para “fazer coisas não éticas”.

Os pedidos foram feitos para preparar eventuais ações contra o presidente do PSL por crimes de injúria e difamação. Os advogados de Bolsonaro afirmam que as declarações de Bivar, que é deputado, não devem ser protegidas pela imunidade parlamentar.

Nesta segunda-feira, o presidente chega a Riad, na Arábia Saudita, e deve fechar acordos na área militar.

— Temos algo a levar sim no bolso. Sempre há interesse em questões militares. Todas as hipóteses estão na mesa. Eles estão confiando na gente — disse.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José disse:

    E 57 milhões acreditaram nesse palhaço chamado Bolsonaro!!!

  2. Bolsominion disse:

    11 milhões de brasileiros acreditam que a Terra é plana.
    46 milhões não sabem que pagam impostos.
    50 milhões não acreditam que o homem foi à lua.
    65 milhões nunca compraram um livro na vida.
    73 milhões assumem desconfiar da ciência.
    123 milhões não sabem quem é o vice presidente.

PSL: Delegado Waldir reafirma que se sente “traído”, e diz que não retira nada do que falou

Foto: Fernanda Calgaro / G1

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), afirmou nesta sexta-feira (18) que o presidente Jair Bolsonaro, o governador goiano, Ronaldo Caiado (DEM) e o líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO), atuam para derrubá-lo do comando do diretório do partido em Goiás.

O G1 entrou em contato com as assessorias do Palácio do Planalto, do governo de Goiás e do deputado Vitor Hugo. As respostas ainda não haviam chegado até a última atualização desta reportagem.

Delegado Waldir disse que a tentativa de retirá-lo do cargo acontece há três meses. O PSL vive uma crise interna, que se acentou na semana passada, após Bolsonaro fazer críticas ao partido e ao presidente da legenda, deputado Luciano Bivar (PE).

“Há três meses o senador Ronaldo Caiado, do qual estou adversário político, junto com o Major Vitor Hugo, tentam me tirar da presidência do PSL [em Goiás]”, afirmou. “Pediram ao presidente da República, e o presidente da República determinou ao presidente [do PSL] Luciano Bivar. Mas isso não foi concretizado”, afirmou o deputado.

Delegado Waldir disse ainda que se sente traído. Ele citou a tentativa do grupo do PSL ligado a Jair Bolsonaro de colocar o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, na liderança do partido na Câmara. No entanto, o grupo bolsonarista perdeu e Waldir permanece no posto.

Na quinta-feira (17), apareceram gravações nas quais Waldir afirmou que vai “implodir” Bolsonaro e chamou o presidente de “vagabundo”. Nesta sexta, o líder do PSL na Câmara afirmou que não retira as declarações.

“Eu fui traído. O presidente pessoalmente está interferindo para me tirar da liderança. Isso não é traição? Se eu sou fiel a ele desde 2011, isso é mentira. Se ele, pessoalmente, junto com o líder do governo, Vitor Hugo, e o senador Ronaldo Caiado trabalham para me derrubar diretório de Goiás, e assim está fazendo com outros parlamentares do país todo, isso não é traição, isso não é vagabundagem? “, questionou o parlamentar.

“Então eu não retiro nada do que eu falei, eu simplesmente baixei o ritmo porque foi um debate interno, mas os fatos são verdadeiros. A minha indignação de traição ela permanece”, completou.

O deputado falou com a imprensa na chegada a uma reunião da Executiva do PSL, em Brasília. Segundo ele, um dos temas do encontro deve ser alterações no estatuto do partido. Ele não detalhou as mudanças que devem ocorrer.

Waldir declarou também que não é chamado ao Planalto para discutir pautas do governo com o presidente, como líder da sigla na Câmara. “Quantas vezes você acha, que como líder do PSL, eu fui chamado no Planalto para discutir as pautas do governo com o presidente da República? Nenhuma vez. Nenhuma vez. Nunca”, afirmou. “Eu não criei essa crise”, completou o deputado.

Ele afirmou ainda que as tentativas de interferência tornam difícil sua permanência no cargo.

“É muito difícil um líder como eu permanecer, considerando que o presidente usa o Palácio do Planalto pessoalmente, ligando para parlamentares, interferindo no parlamento. É extremamente difícil você competir quando ministros, pessoalmente, ligam para cada parlamentar e estão pedindo para assinar a lista que leva para a liderança o filho do presidente”.

Votações no Congresso

Sobre o impacto da disputa na relação do governo com o Congresso, ele afirmou que, nas pautas onde houver “convergência”, seu grupo aliado vai votar a favor do governo. Mas que isso não vai acontecer em todas as pautas.

“Nossa pretensão é votar da mesma forma. Nós temos várias pautas em comum. As pautas que forem em comum, de defesa do Brasil, de combate à corrupção, geração de empregos, infraestrutura, reforma tributária, reforma administrativa, o que for pauta de interesse de toda a sociedade brasileira e pro avanço do brasil, com certeza nós estaremos juntos”. Ele completou: “Nós não entregamos 100%. Toda unanimidade é burra. Nós entregamos 98%. Sinal que em alguns momentos nós divergimos do governo”.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio disse:

    Eram 13 candidatos, mas o povo escolheu a mundiça. O Bradil merece isto mesmo.

  2. Rômulo© disse:

    O deputado deveria divulgar para a imprensa a gravação que pode implodir o Bozo! O país tem o direito de saber o que ele tanto esconde que pode destruí-lo politicamente!

Crise e sindicato mais pobre derrubam número de greves no país; total de paralisações recua 41% no 1º semestre do ano

O número de greves realizadas no país recuou 41% nos primeiros seis meses deste ano em relação a igual período de 2018, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Foram 529 paralisações de janeiro a junho, contra 899 no mesmo intervalo do ano passado. A queda foi puxada pelo setor público, com recuo de 51%, mas também houve baixa relevante na esfera privada, de 27%.

Para analistas, a redução das mobilizações pode ser explicada por uma combinação de fatores que inclui a perda de receitas dos sindicatos com a reforma trabalhista; o clima de temor entre servidores públicos diante da retórica inflamada do governo contra a categoria; o pessimismo com relação à possibilidade de vitória diante da situação fiscal em todas as esferas administrativas; além da atividade econômica fraca e o desemprego elevado.

Considerando anos fechados, o país registrou seu maior número de greves em 2016, quando foram realizadas 2.114 paralisações. Desde então, os movimentos paredistas têm diminuído, indo a 1.568 em 2017 e 1.435 em 2018. Para Rodrigo Linhares, técnico do Dieese, a queda no primeiro semestre é parte desse movimento maior, que seria uma “volta ao normal”, após um pico que destoou da média histórica.

Mas essa não é toda a história, já que a retração registrada neste início de ano é maior do que aquelas do ano fechado de 2017 (-26%) e 2018 (-7%). Além dessa queda bastante mais aguda, no primeiro semestre, as greves do setor privado superaram em número as do setor público, invertendo a tendência registrada nos últimos cinco anos.

“A agressividade do governo Bolsonaro com relação ao funcionalismo – que tem respaldo social – introduz um elemento de precaução, em meio à ameaça de fim da estabilidade e possibilidade de redução de salários e demissões”, diz o consultor sindical João Guilherme Vargas Netto. “A redução das greves é resultado de uma pressão que tem dado certo.”

Para Linhares, a menor mobilização dos servidores também pode ser resultado de um cálculo político. “O ânimo de greve tem muito a ver com a expectativa de que o movimento pode trazer algum benefício, porque a greve é sempre um risco”, afirma. “Talvez a crise fiscal esteja produzindo um desânimo, uma avaliação de que não vale a pena arriscar num momento em que o ganho não é plausível.”

Na esfera pública, as greves do funcionalismo somaram 236 no primeiro semestre deste ano, contra 481 um ano antes. Já as paralisações em estatais diminuíram pela metade, para 22.

Os servidores municipais, como de costume, realizaram o maior número de greves do funcionalismo (172, ante 347 no primeiro semestre de 2018). Nessa esfera, as greves da educação recuaram de 176 para apenas 72, e as paralisações da saúde caíram de 56 a 18.

Para Heleno Araújo, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), um dos fatores que podem explicar o menor número de greves de professores municipais neste ano é o fato de que o reajuste do piso do magistério, estabelecido pelo Ministério da Educação, foi de apenas 4,17%. Como o percentual serve de parâmetro para as negociações salariais municipais e o valor foi baixo para os padrões históricos, mais municípios podem ter aplicado o percentual, evitando protestos.

“Geralmente a greve ocorre por falta de negociação ou quando é proposto um percentual abaixo da referência, que é a lei do piso”, explica Araújo. Outro fator, diz ele, é o temor da categoria diante do governo Bolsonaro. “O professor está sendo tratado como inimigo e isso coloca medo.”

Na esfera privada, as greves somaram 268 no primeiro semestre, contra 369 um ano antes. O setor de serviços ganhou peso nas mobilizações, indo de 73% para 78% do total dessa esfera.

“A greve na esfera privada cai em menor velocidade do que no setor público, porque, entre os trabalhadores de serviços e os terceirizados, principalmente, há muita greve de funcionários que estão com meses de salários atrasados”, diz Linhares. Ele explica que, nesse tipo de situação extrema, o desaquecimento do mercado de trabalho e o desemprego elevado têm menor peso na decisão de parar. O atraso de salários motivou 56% das greves do setor privado no primeiro semestre.

Pesou ainda sobre a mobilização o fim da contribuição sindical obrigatória, estabelecido pela reforma trabalhista em vigor desde novembro de 2017. Segundo dados do antigo Ministério do Trabalho, a arrecadação da contribuição sindical urbana caiu de R$ 3,65 bilhões em 2017 para R$ 500,1 milhões no ano passado, um recuo de 86%. “A reforma trabalhista tirou recursos das entidades. Assim como não há almoço grátis, não há greve grátis”, diz Vargas Netto.

Importantes categorias profissionais têm data-base na segunda metade do ano. É o caso, por exemplo, de metalúrgicos, bancários e químicos. Os metalúrgicos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) de São Paulo têm data-base em 1º de setembro e, com cláusulas sociais garantidas até agosto de 2020, negociam a pauta econômica.

Segundo Luiz Carlos da Silva Dias, presidente da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT-SP, as negociações correm normalmente e a expectativa é que possam ser concluídas ainda neste mês. Já os bancários de São Paulo fecharam ano passado convenção coletiva com validade de dois anos e, portanto, não sentam à mesa de negociações neste ano.

Com data-base em 1º de agosto, os trabalhadores dos Correios pararam na quarta passada. A categoria pede reposição da inflação nos salários, manutenção do plano de saúde e é contrária à privatização da estatal. Na quinta, a Justiça determinou a volta ao trabalho de ao menos 70% dos funcionários. O dissídio coletivo vai a julgamento em 2 de outubro.

“Pode ser que este semestre venha a alterar a proporção da queda observada na primeira metade do ano”, diz Linhares, do Dieese. “Há datas-base importantes e a saída de professores do recesso.”

Vargas Netto é menos otimista. “Não há nenhuma indicação de retomada forte do emprego, os efeitos da reforma trabalhista vão continuar se acumulando, além da dificuldade de mobilização”, lamenta. “Este ano, do ponto de vista sindical, deve ser o pior desde a Nova República.”

Valor

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Acabou o dinheiro fácil, vão ter q ir ao batente!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Antonio Turci disse:

    A situação não está nada boa para os que cultuam a vadiagem sindical.

  3. VTNC disse:

    A PELEGADA TÁ ATROFIANDO !!!KKKKK…

  4. natalsofrida disse:

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkklkkkllkklk

  5. Flavio disse:

    Acabou a boquinha pra muito sindicalista fajuta. Maioria apenas se locupletava com o dinheiro dos associados, fazendo gordas retiradas sem prestar contas, apenas com a justificativa de "outros", era tudo que gastavam e não conseguiam prestar contas. Kkkkkkk.
    Eu o jeito agora voltar pra o batente.