Há uma saída legal para a crise financeira da minha empresa?

Foto: Reprodução

Por Lucas Bezerra

A crise econômica ocasionada pelo coronavírus vem afetando de forma grave milhares de empresas. A redução do consumo atinge diretamente o caixa de negócios, que, em sua grande maioria, não tem qualquer reserva mínima para cenários negativos. Do outro lado, os custos da empresa permanecem: empregados precisam receber seus salários, os tributos continuam sendo cobrados, as contas correntes seguem chegando…

Para não “quebrar” de vez, resta ao empresário buscar saídas para fazer o seu comércio sobreviver até o fim desta estagnação, que, infelizmente, não se sabe até quando durará.

Uma das soluções para aquelas empresas se aproximam da UTI é a recuperação judicial. Tal mecanismo, regulamentado pela Lei Federal n.º 11.101/2005, busca viabilizar a recuperação da situação de crise econômico-financeira do devedor, com a manutenção da atividade econômica em atividade.

Este não é um procedimento simples. Requer muita dedicação e organização do empresário, e o seu insucesso tem o poder de decretar a falência da empresa. Entretanto, a sua realização se torna atrativa pois permite o parcelamento de tributos federais em até 84 meses (24 meses a mais que o parcelamento regular), além de suspender temporariamente das ações e execuções que corram em desfavor da empresa. Além disso, o procedimento autoriza a concessão de descontos em débitos tributários e possibilita o pagamento dos credores com deságio que pode alcançar mais da metade da dívida, a depender da negociação com estes.

É importante, portanto, que nessa guerra pela sobrevivência, os empresários busquem alternativas para recuperar o equilíbrio financeiro, negociando os débitos com os credores, buscando a postergação dos pagamentos de tributos e outras fontes de receita para o seu negócio. Caso tais medidas não surtam efeitos, a recuperação judicial pode ser a melhor saída para a subsistência da sua empresa.

* Lucas Bezerra (@lucasbzvieira), advogado empresarial do QBB Advocacia.

Justiça Potiguar

Recuperação Judicial: uma saída para crise das empresas no RN

Tulio Cascardo. Foto: Divulgação

Assim como repercutido na crise de 2015, quando foram processados 1,8 mil pedidos de recuperação judicial de empresas no Brasil no ano de 2016 (cifra até então recorde), não faltam manchetes, notícias e citações sobre o assunto.

Desde o início da crise instalada em consequência da pandemia de COVID-19, muitas notícias preveem a elevação dos pedidos de recuperação judicial em todo país.

Os números oficiais catalogados por sistemas de informações ao crédito que monitoram os pedidos registraram que no mês abril de 2020 houve decréscimo no número de pedidos de recuperação judicial em relação ao mesmo mês de 2019, conforme o gráfico:

Em analogia ao termo que está em evidência no tratamento da pandemia de saúde, o “pico” de pedidos de recuperação judicial em consequência da atual crise econômica, provavelmente ainda está por vir.

Segundo o Advogado especialista na matéria, Tulio Cascardo, sócio fundador do TC Advogados, “Há uma grande procura por informações a respeito da matéria desde o início da pandemia. Contudo, apesar de bastante citado em momentos dificuldade econômica o instituto da recuperação judicial ainda é pouco conhecido e estudado no RN, de modo que as citações trazidas pela imprensa e nas redes sociais, oportunamente em momentos de crise, e a carência de profissionais especialistas no estado do RN, acaba por gerar mais dúvidas do que esclarecimentos nos empresários locais, que chegam para consulta, na grande maioria, com
uma visão equivocada sobre o fundamento principal do instituto da Recuperação Judicial, que seria a função social da manutenção das atividades da empresa e por consequência manutenção dos postos de trabalho, além da arrecadação de impostos e tributos .”

Afirmou ainda o expert que “Apesar da Lei de recuperação judicial não ser mais nova, em vigor desde 2005, ainda se faz muita confusão entre a extinta concordata, o que gera um certo preconceito no empresariado local, por mera falta de conhecimento e distinção entre concordata e até mesmo a falência e a recuperação judicial, procedimentos completamente distintos.”

O procedimento é dividido em duas fases, a primeira se inicia com o pedido de processamento da recuperação judicial, podendo ser requerido por qualquer empresário que no momento do pedido, exerça regularmente suas atividades há mais de 2 (dois) anos e atenda aos seguintes requisitos, cumulativamente: não ser falido; não ter, há menos de 5 (cinco) anos, obtido concessão de recuperação judicial; não ter, há menos de 5 (cinco) anos, obtido concessão de recuperação judicial com base no plano especial; não ter sido condenado ou não ter, como administrador ou sócio controlador, pessoa condenada por qualquer dos crimes previstos nesta Lei 11.101/05.

Apresentada a relação de documentos exigidos pela Lei 11.101/2005 será determinado o processamento da recuperação judicial e uma série de prerrogativas legais que impactam de imediato a empresa como suspensão do pagamento das dívidas vencidas e vincendas e das execuções (trabalhistas, cível ou tributárias), proteção dos bens essenciais e faturamento e o exercício da atividade com a dispensa de apresentação de certidões negativas, dentre outras.

Em 60 dias do deferimento do pedido de processamento deverá ser apresentado o plano de recuperação judicial, documento apresentado pela empresa que registra o modo, tempo e condições de pagamento dos credores, dentre outras disposições.

Aprovado o plano, se tem a segunda etapa: o deferimento da recuperação judicial através da homologação do plano aprovado pelos credores. Por fim, após 2 anos de cumprimento do plano, ocorrerá a novação das dívidas, ou seja, a desconstituição da dívida anterior em detrimento das novas condições aprovadas pelos credores no plano.

Na sua avaliação, “apesar de ser uma matéria extremamente técnica, permeada por procedimentos judiciais, extrajudiciais, econômico-financeiro e de negociação que se mesclam, não é um processo inacessível ou o “bicho de sete cabeças” que parece, devendo ser levado em consideração por empresas locais, grandes ou pequenas, como opção para contornar a crise em negócios que estejam em dificuldade, porém, ainda sejam viáveis mediante a suspensão e replanejamento do pagamento das dívidas a nova realidade de faturamento.”

Artigo realizado com o apoio dos Advogados e Administradores Judiciais Tulio Cascardo e Danilo Braulino, especialistas em direito empresarial e recuperação judicial de empresas com formação no INSPER, FGV e Califórnia Western School of Law – EUA, sócios do TC Advogados, com sede em Natal/RN e Brasília.

EFEITO PANDEMIA: “O futebol brasileiro está caminhando a passos largos para quebrar”, alerta presidente do Atlético-MG

Presidente Sette Câmara, do Atlético-MG — Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

A onda da Covid-19 que avassalou o futebol mundial ainda não tem hora para recuar. A falta de perspectivas de retorno dos jogos, e até mesmo em que condições isso acontecerá, assusta os dirigentes do futebol brasileiro. O Atlético-MG foi um dos clubes que tentou se preparar para o Tsunami de forma antecipada, com redução de salários, férias antecipadas dos jogadores, corte de pessoal e gastos e retorno aos treinos. O presidente do clube, Sérgio Sette Câmara, entretanto, não conseguirá ter noites de sono tranquilas em um curto prazo.

O mandatário, um dos líderes da Comissão Nacional de Clubes, que debate periodicamente o futuro do futebol brasileiro com a CBF, traça um quadro geral alarmante do esporte mais popular em terras brasileiras. Sem receitas de jogos, exposição de marcas, vendas de direitos de televisão, e com os boletos batendo à porta mensalmente, a conta não fecha.

“O futebol brasileiro está caminhando a passos largos, na minha opinião, para quebrar” – Sérgio Sette Câmara.

O advogado e presidente do Atlético desde dezembro de 2017 foi o convidado do podcast GE Atlético nessa quinta-feira e tentou cristalizar o cenário em que se encontra não só o Galo, mas praticamente todos os clubes profissionais do país. Ele defende a união das agremiações, até mesmo com a criação de uma nova associação. Algo que chegou a existir com o finado Clube dos 13.

Até lá, entretanto, os trabalhos são para definir a volta da bola rolando. Na Europa, já há sinalizações positivas. O Alemão já recomeçou. A Premier League retorna em 17 de junho. Dias depois, será a vez do Campeonato Italiano. Porém, impossível deliberar sobre datas no Brasil. É o que relata o dirigente. Além disso, Sette Câmara enfatiza que os jogos oficiais sendo disputados novamente não serão a solução final para a crise econômica agravada nos clubes.

– Se ilude quem acha que a volta do futebol irá resolver os problemas. Não vai. Não teremos bilheteria (jogos de portões fechados) e teremos despesas. O time terá de viajar, terá que pagar viagem de avião, hotel, terá que pagar… A ficha ainda vai cair ainda para a maioria das pessoas, inclusive na imprensa. Bom colocar as barbas de molho. Tenho falado disso há tempos, mas muitos me criticam, falam que estou exagerando.

“Eu participo de grupos com outros presidentes, tenho conversado na CBF. E a verdade é que ninguém tem perspectiva de volta. E quando voltar, o que vier de receita não será suficiente para as despesas dos clubes. Estamos caminhando para uma situação dificílima”.

Se as conversas com a CBF e outros clubes não são capazes ainda de traçar uma projeção de volta dos jogos, o diálogo a nível estadual sequer existe com a Federação Mineira. Não é a primeira vez que Sette Câmara reclama de falta de comunicação da FMF com o Galo. A entidade até fará reunião em 10 de junho com a secretaria de saúde estadual, justamente para debater o retorno do Módulo I do Mineiro, paralisado após a nona rodada (faltam seis datas).

– Gosto do Adriano (Aro, presidente da FMF). Acho que é um rapaz bacana, competente. Mas nessa parte aí eu não estou entendendo. O Atlético é o time hoje, queira ou não, mais importante filiado da Federação Mineira. É o único clube mineiro na Série A. Não estou aqui querendo criticar, mas acho que falta uma atenção com um clube tão importante quanto o Atlético por parte da Federação, no sentido de nos dar ao menos uma luz. “O campeonato não vai voltar, vai voltar, o que você acha?”. Mas tudo bem. Não tem problema. Acho que a gente vai acabar mais adiante conversando. Também não tem perspectiva mesmo, né? Estamos aí fazendo conjectura.

Enquanto espera e se prepara para voltar a disputar o Campeonato Mineiro e iniciar o Brasileirão com Jorge Sampaoli e Alexandre Mattos no comando da equipe, o Atlético precisa pagar as contas. Conseguiu diminuir os atrasos salariais. Preocupação primária do clube que traçou demissão de mais de 50 funcionários.

“Não existe como você ter uma afirmação: ‘Vai acontecer isso, é assim que vai ser’. É um quadro angustiante. Tenho passado muitas noites sem dormir. Ou você acha que é fácil eu levantar e descer a caneta mandando 50, 60, 70 pais de família embora? É duro demais”.

Por falar em salários, o presidente do Galo toca em outro ponto: a Lei Pelé prevê que um atleta profissional possa se desvincular de um clube após três meses sem receber salários (incluindo o que recebe de direitos de imagem). Como atrasos salariais são previstos de forma categórica nos clubes, um efeito dominó seria jogadores de grande valor de mercado ficando livres, e os clubes perdendo patrimônios milionários.

– O que me preocupa muito, e isso é questão a ser discutida a nível nacional, é sobre direitos federativos e econômicos dos atletas. Sabemos que depois de três meses de atraso no salário ou imagem o atleta passa a ter direito de entrar em juízo para desfazer o vínculo. E vários atletas, do Atlético inclusive, custaram verdadeiras fortunas. A ideia de fazer a contratação do atleta é fazer, colocar a camisa do clube, ter o retorno técnico e também financeiro. É um patrimônio. E a receita de TV e de venda de atletas são as maiores. Muitas vezes, em casos mais recentes, a venda de direitos econômicos superou a receita da televisão. Então, como vai ser isso? Como pagar salário quando não tem receita?

Veja outras respostas de Sette Câmara:

Despesas na volta do futebol

– Se nós voltarmos o campeonato, tem o custo dos testes também, tá? Não vamos esquecer isso, não. Um clube que tenha que fazer jogos em um espaço de tempo menor, em 48h, essa possibilidade apareceu, caso voltassem os torneios sul-americanos, um clube gastaria em média R$ 300 mil só de testes. A gente voltou (a treinar) porque eu tenho que ter fé e esperança de que nosso negócio futebol uma hora vai voltar. E a gente pretende estar preparado pra essa volta. Mas, quando você olha pro quadro atual do país, o número de mortes aumentando… Tudo bem, voltou o comércio, mas as aglomerações seguem proibidas.

Volta aos treinos como “esperança”

Estamos trabalhando na esperança de que alguma coisa clareie, para a gente poder voltar. Eu sei, como eu disse, que mesmo voltando os jogos não vai resolver nosso problema. A crise vai continuar batendo na porta. Mas nós vamos, pelo menos, ter a possibilidade de buscar patrocínio, etc. O que está acontecendo? Os patrocinadores estão correndo, porque não tem cabimento ficar pagando patrocínio pra um clube e não aparece a marca na camisa, não aparece na televisão. Se pelo menos voltasse o futebol, neste aspecto alguma coisa poderia acontecer. A gente mesmo tem uma possibilidade de patrocínio aí, não é só o Atlético, é uma coisa pra Atlético, Cruzeiro e América, que disse que pode vir a nos dar um apoio, mas condiciona à volta do futebol. São situações que vamos ter que equacionar.

“Também não posso enfrentar o mundo querendo impor que aconteça determinado tipo de campeonato, que volte os jogos, e assumir o risco de amanhã ser responsabilizado por torcedores, jogadores ou parentes infectados. É uma situação realmente muito difícil”.

Mudanças na lei para proteger os clubes

– Eu acredito que pra isso acontecer vamos ter que estar fazendo um acordo que envolva os próprios atletas, sindicados, e não sei se vamos encontrar eco na maioria deles. A gente sabe que tem gente que é muito consciente nesse meio, mas tem outros que não, que não estão nem um pouco preocupados e querem saber de receber o seu. Isso é muito complexo, porque envolve a legislação específica de cada país. Aqui temos a Lei Pelé, a Fifa teria que entrar dando um respaldo. A gente sabe que a Fifa olha pro futebol muito com olhos da Europa. O futebol sul-americano não é a prioridade. O futebol lá está voltando aos poucos. Aqui, o quadro é diferente. O Brasil caminha a passos largos pra ser, se não o primeiro, o segundo país do mundo com maior número de infectados, e espero que não, mas também de pessoas que venham a óbito. Essa é uma situação que pode ser. Eu já vinha, um tempo atrás, eu uma grande reunião, com vários presidentes, pedido pra se incluir esse tema na pauta. Mas, não sei por que cargas d’água, a coisa não foi levada adiante.

Buscar receitas no deserto de fontes

– Vai chegar uma hora que nenhum clube vai ter mais receita nenhuma, não vai ter de onde tirar. Agora, com a volta do futebol na Europa, de repente a gente consegue fazer a negociação de algum atleta. Aí sim. Se a gente conseguir isso aí, a gente dá um respiro. Que é, na verdade, pra sobreviver. O foco é conseguir passar por esse momento difícil com menos arranhões possível. Por isso temos tomado medidas que infelizmente são impopulares. Mas você tem que olhar pro clube em primeiro lugar. Temos trabalhado muito em cima do negócio chamado fluxo de caixa. Se você não toma medidas duras pra fazer com que a coisa aconteça até o fim do ano, você fica pelo caminho. E creio que alguns clubes não estão tendo o mesmo tipo de zelo que estamos tendo aqui no Atlético. E vocês vão ver que, durante o ano, muita coisa complicada vai acontecer. Espero que a gente esteja fora.

União dos clubes e linha de crédito

– Temos que criar rapidamente uma associação dos clubes de futebol. Não estou falando que é uma liga, é diferente. Mas é ter uma associação com gente com competência executiva, empresarial, à frente, para defender os interesses dos clubes como um todo, em bloco. Para buscar junto às entidades, e aí falo de Governo, as soluções para o nosso futebol. O futebol brasileiro hoje é responsável por 2% do PIB, ele dá inúmeros empregos diretos e indiretos, talvez milhões. Incluindo a imprensa, por exemplo. Mas cadê os nossos políticos para defender os interesses do futebol? Tem um Projeto de Lei que está andando, mas é pra quebrar o galho de alguma coisa do Profut. Mas não vai resolver o problema. Futebol precisa de linha de crédito, igual os artistas conseguiram recentemente. O futebol precisa abrir também, os políticos terão de fazer isso para os clubes sobreviverem.

Globo Esporte

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Futebol quebrar? No Brasil?
    Nem jogando com a Alemanha.
    Vaso ruim não quebra.
    Conte outra.

  2. carlos alcântara disse:

    amém, sonho com esse dia que essa leseira vai se acabar. Um professor estuda 5 anos, mais 2 no mestrado, mais 4 no doutorado pra ganhar pouco enquanto um monte de analfabeto corre atrás de uma bola para ganhar milhões, esse é o brasil!

  3. Pedro Henrique disse:

    E daí?

  4. Carlão disse:

    Depois que começaram a moda dos supersalários, tem mais é que se lascar. Na pegada que vinha, Palmeiras, Flamengo (e algum outro com patrocínio de financeira) iriam disparam na frente, e o resto ia ficar se matando por uma vaga no G4.
    Triste fim, poderiam se espelhar em algumas ligas estadunidenses e seus tetos.

  5. Keynesianista disse:

    É só um jogo. A nação sobrevive sem!

  6. NeguJob disse:

    Finalmente 1 boa notícia. Amém!!

  7. Flauberto Wagner disse:

    Quebrado já está há muito tempo, agora o momento é apenas de reconhecer o atual estado falimentar.

CRISE NO CONSÓRCIO NORDESTE: Ricardo Valentim sai por não concordar com “bolha científica” fora da realidade potiguar

Foto: Reprodução

Em nota à sociedade potiguar, coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde(LAIS), informa que não faz mais parte do Comitê Científico do Consórcio Nordeste – “por discordar da maneira como os trabalhos vem sendo conduzidos”.

Ainda no comunicado, Ricardo Valentim, um dos principais componentes do Consórcio Nordeste, diz que “muitos encaminhamentos realizados neste Comitê estão dentro de uma bolha científica distante da realidade social, econômica e saúde do Rio Grande do Norte”.

Vale destacar que o Consórcio Nordeste é o comitê científico que orienta os governadores da região no tratamento da Covid.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Julian disse:

    Esse consórcio Nordeste, é a mesma coisa que NADA.

  2. Almir Dionisio disse:

    Pensaram de fazer um giro e fizeram um GIRAL.
    Nada de concreto ainda, infelizmente esse grupo achou que poderia se isolar do restante dos demais secretários da federação e agilizar as suas contratações, até agora não vimos nada de proveitoso.

  3. Ivan disse:

    Esse consórcio Nordeste não passa de um grupo que une forças com o objetivo de desestabilizar o governo federal…É uma piada de péssimo gosto q só nos atrapalha…

  4. Carlos disse:

    Dr. Ricardo Valentim é muito preparado e com boas intenções nas suas atitudes. Muito respeitado no meio científico. Onde ele estiver vai fazer a diferença.

  5. ForaCanalhas disse:

    E bem típico da "Turma da Esquerda" criar comitê, associação, sindicato, momentos e etc… Tudo pra ILUDIR e ENGANAR a sociedade. Mas não demora muito e a verdade vem a tona. ESSA TURMA NAO TEM LIMITES!!!!😤😤😤😤😤

  6. Ricardo disse:

    Cadê aqueles modelos preditivos da Sesap que projetavam 11,3 mil mortes para hoje, pressupondo um confinamento de 42% da população? Se isso for ciência, melhor apostar em cartomantes. O pior é que esses cientiicismo tá condenando à ruína econômica.

  7. Gustavo disse:

    Tradução : o tal "Consórcio Nordeste" quer forçar os Estados a decretarem o lockdown, e ele discorda. Fez bem em sair!

    O nosso país não é o nordeste, é o Brasil. Muitos destes estados são nossos concorrentes mais diretos e, antes desta crise, tinham lucrado à custa das nossas perdas, na indústria e no turismo. Nossos interesses não são idênticos, pois somos concorrentes em muitas áreas. Não podemos ser levados por Maranhão, Piauí, Pernambuco e Ceará! Um pouco de orgulho próprio, pelo amor de Deus!

  8. Chicó disse:

    Comitê científico ou politiqueiro ???

Vamos precisar de aumento temporário de impostos para pagar a crise do coronavírus, diz economista-chefe do Itaú

Foto: Reprodução

O preço que o Brasil pagará por ter sido atingido pela pandemia do coronavírus com uma dívida pública muito alta será um aumento temporário de impostos, segundo Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco e ex-diretor do Banco Central.

“Começamos nessa crise como um ponto totalmente fora da curva”, diz ele, em referência ao endividamento do país que, por critérios do FMI (Fundo Monetário Internacional), já beira 90% do PIB (Produto Interno Bruto), contra uma média de 53% do PIB dos países emergentes.

Para Mesquita, há consenso sobre a necessidade de o governo realizar gastos emergenciais para responder à dupla crise, na saúde e na economia. Mas eles resultarão em uma dívida ainda mais alta: “A gente vai ter que pagar por isso. O Brasil vai ter que pagar essa conta”, afirma.

O economista ressalta que a situação brasileira é agravada ainda pela turbulência política:

“Essa incerteza reduziu a confiança sobre a manutenção dos rumos da política econômica”.

Isso terá reflexos que tendem a se estender após a crise, quando o Brasil poderá ficar de fora do radar de investidores em busca de ativos com boa remuneração.

“O Brasil pode não se beneficiar dessa onda, se a gente continuar em um processo de alta instabilidade política e se existirem dúvidas sobre a política fiscal”, diz.

Segundo ele, é importante que, passada a crise neste ano, o governo retome o compromisso com o controle de gastos. Isso, no entanto, não será suficiente para garantir a capacidade de pagamento da dívida pública, que precisará ser financiada com o aumento da já elevada carga tributária, equivalente a 33,2% do PIB em 2019.

Mesquita destaca que, embora essa discussão não seja apropriada para este momento, no segundo semestre ou no início de 2021, ela será inevitável.

“Teremos que distribuir o custo dessa crise de uma forma socialmente justa, tanto quanto possível”, diz o economista.

O quanto a recente instabilidade política agrava nossa situação econômica em meio à pandemia?

Incerteza é sempre ruim para a confiança e, portanto, para decisões de investimentos. Toda essa volatilidade política não só dificulta a resposta à crise no curto prazo, mas atua contra uma eventual retomada da economia. A incerteza que o mercado teve na semana passada, ainda não totalmente eliminada, reduziu a confiança na manutenção dos rumos da política econômica e isso só veio atrapalhar.

Como isso atrapalha?

Causa elevação do risco-país, contribui para a depreciação da moeda, além do que justificariam os fundamentos da economia, o que pode, lá na frente, gerar riscos inflacionários. Contribui para a elevação das taxas de juros mais longas, atuando contra uma eventual recuperação da economia.

Qual já tem sido o impacto da pandemia sobre a economia real no Brasil?

A gente aqui no Itaú tem um indicador próprio de atividade econômica em frequência diária, com base no que a gente consegue enxergar, como o consumo de energia elétrica. Esse indicador mostrou uma queda muito abrupta nos primeiros 10 dias do distanciamento social, entre 15 a 25 de março, aproximadamente.

E, depois, ele começou a se recuperar. Então, grosso modo, considerando um nível 100 como ponto de partida pré-crise, ele caiu para algo como 55 e, agora, está próximo a 65, 70.

Para a gente se recuperar mais, precisaremos ter o início do relaxamento das medidas do distanciamento social o que, por sua vez, requer que a gente passe do pior momento da curva da pandemia.

Essa melhora que vocês observaram no índice não é inconsistente com o isolamento social que deveria estar sendo feito?

Acho que tem dois fatores aí. Em parte, algum impacto das políticas de transferência de renda que o governo fez, sustentando a atividade, mas também um certo relaxamento espontâneo das medidas de distanciamento social. O pior cenário é um relaxamento das medidas, de forma prematura, que te force voltar a adotá-las.

Qual é sua avaliação da gestão da crise no Brasil?

Não sou especialista em saúde. Do ponto de vista da economia, a gente está tendo uma resposta fiscal intensa, equivalente a algo entre 5% e 6,5% do PIB, muito maior do que em crises anteriores.

É uma resposta suficiente?

Era a resposta possível para um país que já entrou na crise altamente endividado. Uma lição que fica dessa pandemia é que, eventualmente, quando a gente tiver períodos de crescimento, de bonança, temos que trabalhar para constituir reservas locais. Temos as reservas internacionais lá no Banco Central, mas precisamos de reservas fiscais robustas para poder lidar com esse tipo de contingência.

Não tendo, paciência, teremos um aumento grande de endividamento. Ninguém vai insistir na persistência do ajuste fiscal, ao longo de 2020, em uma crise tão severa quanto esta. O mercado está, absolutamente, consciente disso. Os economistas todos, independente do viés ideológico, concordam. No entanto, é preciso reconhecer que já tínhamos uma situação de endividamento elevado.

Como nossa dívida se compara a de outros países emergentes?

Pelos critérios do FMI, a dívida dos emergentes com qualidade de crédito melhor é de 20% do PIB. Se considerarmos todos os emergentes, a média é 53% do PIB e a dívida brasileira já é quase 90% do PIB. Ou seja, já começamos nessa crise como um ponto totalmente fora da curva. A gente vai ter que pagar por isso. O Brasil vai ter que pagar essa conta.

Como?

É inevitável que, no futuro, a gente tenha um certo aumento da carga tributária, ainda que, idealmente, temporário. A gente estava discutindo uma reforma tributária de forma muito voltada ao crescimento, ao aumento da eficiência da economia, à redução do custo envolvido no pagamento de impostos.

Mas, agora, teremos que distribuir o custo dessa crise, de uma forma socialmente justa, tanto quanto possível. A sociedade tem que ter maturidade, e acho que terá, para lidar com isso.

Então, a discussão da reforma tributária terá um componente adicional sobre aumento temporário de impostos, para colocar a dívida de volta em uma trajetória sustentável, em um horizonte razoável. Mas esse é um debate para o pós-crise.

Como aumentar a carga tributária em um país como o Brasil, onde ela já é tão alta?

Concordo que a carga é elevada. No entanto, a dívida também é, e está ficando mais elevada ainda. O gasto público é pago por impostos. Ou impostos hoje, ou impostos no futuro. Ou impostos explícitos, ou impostos disfarçados, entre os quais, o mais conhecido nosso é a inflação.

Vamos ter que continuar, lá na frente, não agora, com a agenda de austeridade, de controle de gastos, mas não conseguimos fazer tudo só do lado do gasto. Então, a carga tributária vai ter que aumentar e ser distribuída de forma mais razoável.

Por exemplo, chegou-se a discutir muito a cobrança de imposto sobre fundos exclusivos. Temos que revisitar o tratamento tributário em vários setores, várias atividades, a questão da “pejotização” também pode ser discutida. Há pessoas que fazem a mesma atividade, mas uma, como pessoa física, paga muito mais impostos do que a outra, como PJ (pessoa jurídica). Então, isso tudo terá que ser discutido, mas não agora. No pós-crise, imagino que no segundo semestre ou no início do ano que vem.

Como tem sido a busca das empresas pelas linhas de crédito emergenciais?

Houve um aumento grande da demanda por crédito por parte das empresas maiores. Entre as de porte pequeno e médio, a gente tem notado uma relutância em pegar linha para financiar a folha de pagamentos, porque eles não sabem se vão conseguir manter a mão-de-obra do mesmo tamanho.

Esse ponto talvez precise ser revisto?

Não sei, porque a preocupação do governo com o emprego é legítima e bastante grande. A restrição que existiu inicialmente à concessão de financiamento às pequenas empresas com pendência previdenciária inicialmente limitou a efetividade da medida, dado que 70% delas têm problemas. A revisão desse aspecto deve aumentar o impacto da medida.

Após a crise, como deverão ficar os fluxos de investimentos?

A gente está tendo mais uma rodada de expansão monetária global bastante intensa e isso vai levar a uma busca por retornos, por diversificação do investimento, que tende a beneficiar os mercados emergentes. Só que você tem que se ajudar também, não é? E, por se ajudar, me refiro a ter menos instabilidade política, apresentar números de crescimento melhores.

O Brasil não vai, necessariamente, se beneficiar dessa onda, como se beneficiou na saída de crises anteriores, se a gente continuar em um processo de alta instabilidade política e se existirem dúvidas sobre a política fiscal. Nós temos uma âncora institucional que é o teto de gastos, que dá aos investidores o conforto de “ok, a dívida é muito alta, mas, lá na frente, ela vai cair porque você vai ter um limite do crescimento do gasto”. Se a gente em algum momento se livrar do teto de gastos, vai perder essa âncora.

O setor privado teria interesse em fazer os investimentos que o Brasil precisa?

Acho que sim, porque existe uma demanda por infraestrutura muito grande. Se tivermos regras claras, um ambiente de licenciamento que faça sentido, menos oneroso, menos lento, você pode, sim, ter um aumento de investimento do setor privado, uma vez superada a pandemia.

Haverá espaço para retomar a discussão sobre outras reformas, além da tributária, após a pandemia?

É possível que o Congresso, no segundo semestre, já esteja de olho nas eleições para a sucessão dos presidentes Rodrigo Maia (Câmara dos Deputados) e David Alcolumbre (Senado). Então, a perspectiva de reformas adicionais ficou muito mais incerta. Adoraria poder dizer que a gente vai fazer desse limão uma limonada, mas tenho dúvidas se vamos conseguir.

RAIO-X
Mário Mesquita, 54

Economista-chefe Itaú Unibanco. Foi sócio do Banco Brasil Plural, diretor de Política Econômica do Banco Central, economista-chefe do ABN Amro no Brasil e atuou também no FMI (Fundo Monetário Internacional). Tem doutorado em economia pela Universidade de Oxford (Reino Unido) e mestrado em economia pela PUC do Rio

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rogério Rocha disse:

    Ele quer dizer aumentar JUROS DOS BANQUEIROS, não seria melhor tarifar o lucro deles?

  2. Morais disse:

    Taxa-se apenas as grandes fortunas. Pronto! Tá resolvido!

  3. Paulo disse:

    BG
    Numa hora terrivel que estamos passando no mundo, vem um imbecil deste falar em aumentar impostos. Só pode ser um babaca, enquanto milhares de pessoas vão se juntar ais de 14 milhões de desempregados que já temos no Brasil esse Zé-mané vem com uma conversa extemporânea destas. É muita pequinês deste individuo. Precisamos é zerar os impostos por um bom tempo, para que possamos nos reerguer.

  4. Carlão disse:

    Imposto aqui só lasca o fudido e o classe merda que se acha muita coisa. O Itaú continuará com seus lucros.

  5. Cidadão pagador de impostos disse:

    A maior desgraça q já se abateu sobre nosso país chama-se Bolsonaro.
    Desde q ele foi eleito é só desgraça.
    Não melhorou a vida de ninguém.
    Só deu bom p bancos e agropecuarista exportador.

    • Antenado disse:

      As hienas não se conformam.

    • Petrus disse:

      Esqueceu os militares das Forças Armada? Estão rindo à toa com os aumentos salariais!

    • Ojuara disse:

      Cidadão, esqueceu o que LULADRAO disse, vá lê. Disse assim, nunca aqui no Brasil banqueiro ganhou tanto dinheiro como no meu governo. Portanto, o roubo vem de muito tempo. A diferença, por enquanto, é que o governo atual não tá roubando para ele e para os seus, mas vai mudar logo logo com a entrada do centrão no governo. Já no governo de LULADRAO, foram trilhões. Agora só analisar.

  6. Cidadão Indignado disse:

    Banqueiro é a imagem do DEMÔNIO! Esses caras são muito cruéis.

  7. Minha Opinião disse:

    Aí ficam querendo aparecer dizendo que estão doando, fazendo propaganda na Globolixo caras e os clientes e a população que pague pora vai pra aquele canto bando de oportunistas

  8. Observando disse:

    Çey. Um aumento da carga de impostos. Çey. E quem vai pagar.? Bancos que não serão. A Secretaria Especial da Receita Federal publicou instrução normativa nesta segunda-feira (27) reduzindo de 20% para 15% a alíquota de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) cobrada dos bancos, referente aos resultados do ano de 2019. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.942, DE 27 DE ABRIL DE 2020. Ja sei. Uma nova reforma trabalhista, ou uma nova reforma da Previdencia. Nao, melhor, congelamento de salarios dos servidores publicos. ou ainda, salario minimo sem aumento de ganho real. OU……sei lá. Mas bancos vão pagar nada a mais nao.

  9. Ojuara disse:

    Esses banqueiros safados já nos assaltaram a vida inteira com as maiores taxas do mundo de juros, de cartão, e de tudo que for possível. Agora querem terminar de matar o povo brasileiro, canalhas, ladrões, assaltantes. Cartão 200%, 300 até mais 400% de juros. Isso é um bando de assaltantes de gravata. Tinha era que prender todos.

VÍDEO: Paulo Guedes diz que Brasil irá sair da crise “muito brevemente” e irá “surpreender o mundo”

O presidente Jair Bolsonaro manifestou apoio público nesta segunda-feira ao ministro da Economia, Paulo Guedes, dizendo que ele é a única pessoa no Brasil que decide sobre a economia.

A declaração ocorreu após especulações sobre a possível saída de Guedes do governo, devido a uma disputa interna entre as áreas política e econômica do governo em torno da forma como se dará a retomada do crescimento depois da crise do coronavírus.

— Acabei mais uma reunião tratando de economia. O homem que decide economia no Brasil é um só, chama-se Paulo Guedes. Ele nos dá o norte, nos dá recomendações e o que nós realmente devemos seguir — disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

Na semana passada, no lançamento do programa Pró-Brasil, que aposta no investimento público em obras para gerar empregos e fazer a economia voltar a girar, não havia integrantes da equipe econômica. O programa foi anunciado pelo ministro da Casa Civil, Braga Neto. Após o anúncio sem Guedes, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, negou ‘briga política’ em plano de retomada e falou em ‘ruído de comunicação’.

A reunião da manhã desta segunda-feira no Alvorada, além de Guedes, também contou com os ministros Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), Tereza Cristina (Agricultura), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União) e com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Bolsonaro também elogiou o Congresso, dizendo que o parlamentares são simpáticos à pauta econômica, e ressaltou que o governo tem preocupação com a responsabilidade fiscal, linha defendida por Guedes.

— Nós temos um Parlamento bastante sensível e simpático às causas voltadas para e economia. Há uma preocupação muito grande nossa com total responsabilidade com os gastos públicos. Temos algumas reformas pela frente, que brevemente estarão sendo discutidas e votadas.

Defesa do teto de gastos

Guedes, por sua vez, agradeceu a confiança de Bolsonaro e disse que o governo continuará com a mesma política econômica, focada em “reformas estruturantes” e investimentos privados.

— Queremos reafirmar a todos que acreditam na política econômica que ela segue, é a mesma política econômica. Nós vamos prosseguir com as nossas reformas estruturantes. Vamos trazer bilhões em investimentos em saneamento, em infraestrutura, em reforço para a safra.

Guedes classificou o programa Pró-Brasil como “estudos”:

— O programa Pró-Brasil, na verdade, são estudos, justamente na área de infraestrutura. São estudos adicionais para ajudar nessa arrancada de crescimento que nós vamos fazer. Agora, isso vai ser feito dentro dos programas de recuperação de estabilidade fiscal nossa. Nós não queremos virar a Argentina, não queremos virar a Venezuela.

Especialistas ouvidos pelo GLOBO avaliam o programa Pró-Brasil como positivo, porém criticam alguns de seus pontos, como seu tamanho, a falta de visão coordenada com outras iniciativas – inclusive privadas – e a ausência de coordenação dentro do próprio governo.

O ministro ainda se posicionou de forma contrária à derrubada do teto de gastos:

— Nós estamos no caminho certo, para que falar em derrubar o teto, se é o teto que nos protege contra a tempestade?

Recado a servidores

De acordo com Paulo Guedes, o Brasil irá sair da crise “muito brevemente” e irá “surpreender o mundo”:

— O Brasil vai voltar à tranquilidade muito brevemente, muito antes que todos esperam. Nós vamos surpreender o mundo de novo. Surpreendemos ano passado e vamos surpreender novamente. Positivamente, sempre. E eu agradeço ao presidente a confiança que sempre demonstrou no nosso programa.

O ministro sugeriu que o funcionalismo deixe de pedir reajuste salarial pelo prazo de um ano e meio, em um “sacrifício pelo Brasil”.

— Precisamos que o funcionalismo público mostre que está com o Brasil, que vai fazer um sacrifício para o Brasil. Não vai ficar em casa trancado, com geladeira cheia, assistindo à crise enquanto milhões de brasileiros estão perdendo o emprego. Não, eles vão colaborar. Eles vão ficar sem pedir aumento por um tempo. O presidente disse que ninguém tira dinheiro, ninguém tira salário, ninguém encosta em nenhum direito que existe hoje. Mas, por atenção aos brasileiros, não peçam aumento por um ano e meio, contribuam com o Brasil.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calixto Silva disse:

    A maioria dos comentários que eu li aqui, são de marionetes da imprensa que torce e quer ver o fim do governo Bolsonaro, aí chamam aqueles que apoiam o presidente Bolsonaro de gado.

  2. Antenado disse:

    A turma do “quanto pior melhor” torcem descaradamente para dar errado. A maioria querendo voltar a ter uma teta para mamar.

    • Gabriel Fernandes disse:

      Acho que quem gosta de teta pra mamar é seu presidente! Ele como presidente, 01 como senador, 02 como vereador e 03 como deputado federal! Pense num rapaz que odeia a política, muita moralidade quando aponta pros outros! E quanto ao pior melhor, reflete mais! Quem num momento de crise econômica e crise politica quis exonerar o delegado geral da PF, pra o super herói de vocês pedir demissão e criar uma crise politica??? Quem foi mesmo?

  3. Dilson disse:

    "Como surpreendemos no ano passado"? Paulo Guedes, o sr. esqueceu o valor do PIB do ano passado, foi isso? A surpresa foi negativa meu amigo, deixe de lorota!

  4. Giba disse:

    O BOZO tenho certeza que pressionou o posto Ypiranga para dar esse discurso, pra ver se tirar do foco as medidas dele e dos pimpolhos dele. Acredite quem quiser nele mais esse Bozo está perdido até o Talo.

  5. Joao antonio disse:

    Não surpreendeu até agora, imagina com o impacto do covid-19. É preciso muito mais que a fé do dos evangélicos para pode sair dessa crise econômica. E esse governo ja demonstrou total incapacidade para tirar o brasil da crise econômica.

  6. Manoel disse:

    Realmente tudo vai dá errado para quem não tem fé em Deus mais Deus está acima de tudo e de todos e se ele quiser até amanhã já está tudo resolvido agora a população só confia e homens corruptos e esquece que Deus e poderoso e pode todas as coisas não e lula nem Bolsonaro que vai abençoar o país é Deus que e o dono de tudo. Vamos ser pecimista vamos confiar que vai dá tudo certo não porque esquerda nem direita quer mais Deus que e misericordioso com todos nós.

  7. Manoel disse:

    Guedes eh o maior pilar atual do governo. Mas ou será fritado ou desmoralizado pelos aliados de Bolsonaro ou por ele mesmo. O resto eh conversa pra boi dormir (ou gado, como queiram). Bolsonaro não vai conseguir aprovar mais nada no congresso e se unir com o centrão fisiológico e corrupto em troca de cargos irá acabar de vez com as promessas de campanha… Isso sem contar com as provas que Moro poderá apresentar em breve em relação ao que disse na coletiva de despedida… Tenho a impressão que não são somente prints q ele tem !

  8. LUIS 51 disse:

    Mais fácil é Ser Enganado por uma Quadrilha de Petralhas por nada menos de 14 ANOS , nao roubaram mais pq o Povo Tirou,o Poste, a Encaixotadora de Vento do Poder!!!!

    • Anti-Político de Estimação disse:

      O brasileiro não devia é deixar ser enganado por ninguém, nem pelos petralhas e nem pelos bandidos milicianos. Enquanto essas paixões absurdas existirem continuaremos a fazer papel de trouxas, e eles rindo da cara da gente.

    • João Neto disse:

      Ainda, a velha justificativa, esse disco está arranhada, mude a faixa.

  9. Raimundo Roberto Inácio de Melo disse:

    O ministro Paulo Guedes está viajando na maionese e falando pra uma plateia sem noção.

    • Manoel disse:

      Viajando o que seja tenha fé independente de esquerda ou direita vamos torcer para da tudo certo a que ponto chega o ser humano que torce para as coisas da errado não e Paulo Guedes não e lula e não e Bolsonaro e Deus que ama a todos nós e tudo vai dá certo em nome de Jesus.

  10. Jd disse:

    Estão vem? Milagre, só pode ser o enviado de Deus!

  11. Nono Correia disse:

    Igual ao "crescimento" que iria começar em três meses de governo Bolsonaro. É muito fácil enganar o gado!

  12. Só Comento disse:

    É isso aí mito das cavernas. E daqui pra frente se o Queiroz não escrotizar (conjulguei corretamente o verbo??) vamos coloca-lo lá no STF também; Meritocracia e Honestidade são os pilares dessa gestão. Brasil acima de tudo, rachadinhas acima de todos.

EUA tem 26 milhões de desempregados desde o início da crise com pandemia do novo coronavírus

Foto: Nick Oxford/Reuters

Um recorde de 26 milhões de norte-americanos procurou auxílio-desemprego nas últimas cinco semanas, confirmando que todos os postos de trabalho criados durante o mais longo boom do emprego na história dos Estados Unidos foram eliminados em cerca de um mês, à medida que o novo coronavírus abala a economia.

O Departamento do Trabalho dos EUA disse nesta quinta-feira que mais 4,427 milhões de pessoas solicitaram auxílio-desemprego pela primeira vez na semana passada, abaixo dos 5,237 milhões em dado revisado da semana anterior.

A expectativa entre economistas em uma pesquisa da Reuters era de que as reivindicações recuariam para 4,2 milhões na semana passada, embora as estimativas tenham chegado a 5,5 milhões.

Os dados mais recentes elevam os pedidos de auxílio-desemprego acumulados para mais de 26 milhões desde a semana que terminou em 21 de março, representando cerca de 16% da força de trabalho. A economia criou 22 milhões de empregos durante o boom empregatício iniciado em setembro de 2010 e encerrado abruptamente em fevereiro deste ano.

Embora os registros semanais de auxílio-desemprego permaneçam muito altos, os dados da semana passada marcaram o terceiro declínio semanal seguido, aumentando as esperanças de que o pior já passou. As reivindicações semanais parecem ter atingido o pico de 6,867 milhões na semana encerrada em 28 de março.

No entanto, o relatório soma-se a uma pilha crescente de dados econômicos cada vez mais sombrios. Também ocorre em meio a protestos crescentes contra isolamentos em todo o país para controlar a propagação do Covid-19.

O presidente Donald Trump, que está buscando um segundo mandato na Casa Branca nas eleições gerais de novembro, está ansioso para retomar a economia paralisada. Na quarta-feira, Trump aplaudiu as medidas tomadas por uma série de Estados liderados pelos republicanos para começar a reabrir suas economias, apesar das advertências de especialistas em saúde sobre um possível novo surto de infecções.

“A economia dos EUA está sangrando empregos em um ritmo e escala nunca antes registrados”, disse Scott Anderson, economista-chefe do Bank of the West. “Ele se compara a um desastre natural em escala nacional.”

O relatório de pedidos de auxílio-desemprego da semana passada cobriu o período em que o governo pesquisou estabelecimentos comerciais para o componente de criação de vagas fora do setor agrícola do relatório de emprego de abril. Os economistas projetam que 25 milhões de empregos foram perdidos em abril, depois que a economia eliminou 701.000 posições em março, o maior declínio em 11 anos.

Exame, com Reuters

Crise da covid-19 reduz renda de 77% dos mais pobres e só 26% de mais ricos, diz pesquisa


Foto: Sérgio Lima/Poder360

Pesquisa realizada pelo DataPoder360, divisão de pesquisas do Poder360, indica que 77% das pessoas sem salário fixo ou desempregadas tiveram renda reduzida em resultado da crise causada pela pandemia da covid-19.

Por outro lado, apenas 26% das pessoas que recebem mais de 10 salários mínimos (equivalente a R$ 10.450) dizem ter sofrido algum impacto econômico por causa da pandemia.

Os dados mostram que quanto mais baixa a inserção econômica do entrevistado, maior tem sido o impacto da crise na renda. Só 15% dos desempregados e sem salário fixo disseram não ter tido a renda prejudicada, contra 71% dos mais ricos, que afirmam estar mantendo suas receitas incólumes neste período.

Ao todo, a pesquisa mostra que 63% dos brasileiros tiveram o salário ou a fonte de renda prejudicada, 31% não tiveram e 6% não souberam responder.

Imagem: reprodução/Poder360

O levantamento foi realizado em uma parceria editorial do jornal digital Poder360 e o jornal A Tarde, de Salvador (BA). O levantamento teve patrocínio da Associação Comercial da Bahia.

Foram feitos 2 estudos simultâneos –1 nacional e outro apenas no Estado da Bahia, ambos por meio de ligações para celulares e telefones fixos de 13 a 15 de abril.

No levantamento nacional, foram entrevistadas 2.500 pessoas de 512 municípios nas 27 unidades da Federação. Na Bahia, foram entrevistadas 2.500 pessoas em 201 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%.

ROTINA DE TRABALHO

Outro aspecto que evidencia a diferença de impacto da crise do novo coronavírus nas pessoas de diferentes faixas de renda é a alteração na rotina de trabalho.

O DataPoder360 mostra ainda que os mais ricos foram os que tiveram uma mudança maior e mais adequada às orientações contra a covid-19.

De acordo com os dados, 80% entre os brasileiros que recebem de 5 a 10 salários mínimos e 70% dos que recebem mais de 10 salários mínimos puderam trabalhar em home office.

O percentual dos que disseram ter tido a rotina de trabalho alterada por causa da pandemia cai gradualmente entre os que têm uma renda menor ou não possuem renda fixa. Apenas 36% mudaram a rotina, 43% disseram não ter passado a trabalhar em casa.

O que esses números indicam? Que quanto menos recursos tem a pessoa, mais ela teve de manter sua rotina de trabalho, sem poder aderir ao regime de confinamento.

Pessoas nas faixas médias de renda também tiveram menos mudanças na forma de trabalhar. Entre os que recebem até 2 salários mínimos, 53% mudaram a rotina e entre os que recebem de 2 a 5 salários, foram 56%.

No total, 40% dos brasileiros disseram ter passado a trabalhar em casa, 46% disseram não ter tido a rotina alterada.

RETORNO AO TRABALHO

A pesquisa mostra ainda que, considerando o grupo de risco da covid-19 (idosos e portadores de doenças crônicas), 43% dos brasileiros defenderam o retorno de jovens ao trabalho com o uso de máscaras para proteção contra o coronavírus. Já 49% afirmam que todos devem ficar em casa. Apenas 7% não responderam ou não souberam responder.

O percentual de pessoas que acreditam que os jovens devem voltar a trabalhar é maior entre os mais pobres.

Imagem: reprodução/Poder360

Entre os que consideram que jovens devem sair do isolamento, 44% são homens e 46% são pessoas entre 25 e 44 anos e 53% têm só o ensino fundamental e 47% estão desempregados ou não possuem renda fixa.

A região na qual as pessoas mais querem o retorno dos jovens ao trabalho é a Norte (65%). Em seguida, estão Centro-Oeste (54%), Sul (49%), Sudeste (42%) e Nordeste (33%).

Os mais ricos e os que têm maior grau de escolaridade correspondem a 82% e 65%, respectivamente, das pessoas que não querem que os jovens retornem ao trabalho.

AGLOMERAÇÕES

O DataPoder360 mostra que 72% dos brasileiros não pegaram ônibus, metrô ou estiveram em lugares com muitas pessoas nas últimas duas semanas. Apenas 24% afirmaram terem ido a ambientes de aglomerações.

Os mais jovens foram os que mais fizeram uso de transporte público ou estiveram com muitas pessoas. Pessoas de 16 a 24 anos correspondem a 35% do total. Os de 25 a 44 anos, correspondem a 28%.

Além disso, entre os que estiveram em aglomerações, 26% são homens, 31% têm o ensino médio e 25% têm ensino superior.

O Norte foi a região na qual as pessoas mais desrespeitaram (31%) as orientações contra a covid-19. Essa é a 3ª região na qual há mais casos da doença no país: 7.469 até 6ª feira (17.abr.2020).

Em seguida, estão Sudeste (26%), Nordeste (24%), Centro-Oeste (18%) e Sul (16%).

Pode 360

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Simão disse:

    OLHEM, OLHEM O PORQUE DA PREOCUPAÇÃO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA.
    TA VENDO??
    AINDA CHAMAM O CARA DE LOUCO.
    VAI ACERTAR O MESSIAS.
    BG!!!
    NÃO SE PODE QUERER ENCINAR A GANHAR, UM CARA QUE JÁ É GANHADOR.
    NÃO É A TOA QUE GANHOU APELIDO DE MITO.
    por falar em MITO, quero dizer que estamos juntos!
    Não há motivos para arrependimentos.
    O MITO de novo, depois é MORO.
    Esses, que se apresentam aí, Deus me livre, só menino traquino.
    Tô fora.

  2. Silvio disse:

    Mas é uma lógica, você parado, sem ganhar dinheiro, irá comer o restinho das reservas ou não vai nem ter dinheiro pra se sustentar. Por um tempo limitado, o governo pode suprir essa sua manutenção. Só que com o tempo, os recursos do governo também se esgotarão. Logo, se existem pessoas, na sua imensa maioria que essa doença não leva a fatalidade, então que continuem trabalhando, já os idosos, com morbidade, com doenças cardíacas e preexistentes, esses tem que serem preservados, protegidos e tratados com cuidados pra evitar infectados, e que deem condições de mantê-los saudáveis e com a imunidade alta. Caso isso não seja possível, não existirá outro caminho, que não o do caos, onde miseráveis e famintos serão todos dessa nação, e com isso um extermínio de uma país inteiro, não temos outra saída, estamos entre a cruz e a espada.

  3. Eduardo Peixoto disse:

    Até que enfim temos uma pesquisa publicada por aqui que não veio da serviçal Folha de São Paulo. Vamos fer se outros blogs e órgãos de notícias locais também publicarão. Ainda bem que esse blog não está se prestando a ser o mensageiro da desgraça e agente fomentador do caos em nosso estado. Parabéns, BG!

  4. Petistamaravilhoso disse:

    Façam igual aos artistas da globo, fiquem em casa e para aproveitar assistam a Globo, só assim vocês não sairão nunca mais, pois o mundo acabou, enquanto isso a audiência deles só aumenta.

  5. Cigano Lulu disse:

    Hipocrisia pouca é bobagem: daí porque o natalense (majoritariamente funcionário público, pensionista ou aposentado) repete com tanta facilidade o mantra "fique em casa".

    • Íria disse:

      Verdade, não sabe ele que a esquerdalha vai a partir desse mote "fique casa", a redução de seu salário, o atraso no pagamento e outras maldades. A governadora vai usar a queda da arrecadação e dá o xeque mate, daí meu amigo servidor, tome pêia, sempre justificando o resultado do fique em casa. Se pensarem que irão ganhar dinheiro sem trabalhar, entraram foi numa barca furada. Olhe o que está acontecendo no correligionário cearense da governadora. É de arrepiar os cabelos!

Em um mês, Estados Unidos perdem os 21,5 milhões de empregos criados no período de expansão econômica iniciado em 2009

Mulher busca informações sobre o pedido de seguro-desemprego no Escritório de Desenvolvimento da Força de Trabalho de Nova Orleans Foto: Carlos Barria / Reuters

A principal economia do mundo perdeu 22 milhões de empregos desde meados de março, em meio às medidas tomadas para frear a propagação da pandemia do novo coronavírus, que forçaram o fechamento de empresas, lojas e restaurantes. O número, divulgado nesta quinta-feira pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos, é superior aos 21,5 milhões de empregos criados no período de expansão econômica iniciado em 2009.

Na semana passada, segundo o órgão, mais 5,245 milhões de americanos deram entrada no pedido de seguro-desemprego, número abaixo dos 6,615 milhões (dado levemente revisado) da semana anterior, resultado que representou o segundo maior número de pedidos ao seguro-desemprego na História americana desde quando o Departamento do Trabalho começou a compilar estes dados, em 1967.

O recorde ficou com o número de três semanas atrás, quando 6,9 milhões de pessoas fizeram o pedido, de acordo com os dados revisados.

De acordo com uma pesquisa da Reuters com economistas, esperava-se que os pedidos iniciais caíssem para 5,105 milhões na semana encerrada em 11 de abril. As estimativas da pesquisa chegaram a até 8 milhões.

Embora os pedidos apresentados tenham sido quase 1,4 milhão a menos que na semana anterior, as notícias ainda são sombrias. Na mesma semana do ano anterior, apenas 203 mil americanos preencheram o pedido de seguro-desemprego pela primeira vez, de acordo com o Departamento do Trabalho.

Economistas dizem que isso pode indicar que as demissões atingiram o pico, mas a taxa de desemprego nos Estados Unidos pode atingir dois dígitos em abril.

– Após um aumento sem precedentes, as reivindicações iniciais de seguro-desemprego parecem ter atingido um platô estonteante – disse Gregory Daco, da Oxford Economic, em uma análise.

Mas, segundo ele, os números “permanecerão extraordinariamente altos nas próximas semanas, à medida que a economia se afundar mais em uma recessão” e o mercado de trabalho entrar em um “período traumático”.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tôputim disse:

    Um camarada que trabalha como entregador me falou que um rapaz que conhece outro cara lá do Ceará, soube lá na barra que foi feito em laboratório esse tal de covid-19. Os chineses vender num sei quantos bilhões de mascaras e respiradores, luvas e vão ganhar uns trilhões dólares e depois vão ganhar mais dinheiro com a vacina.

  2. Tonho disse:

    Esse vírus chinês está funcionando bem mais que uma bomba atômica, e nem atingiu o ápice, e ainda tem rescaldo. Catástrofico!

Rogério Marinho vira articulador informal e até conselheiro de Bolsonaro na crise do novo coronavírus

Foto: Marcos Corrêa/PR – Brasília

Considerado um político habilidoso e interlocutor do setor produtivo no Executivo, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho (PSDBRN), vem exercendo nos bastidores um papel de articulador “informal” e por vezes conselheiro do presidente Jair Bolsonaro durante a crise do novo coronavírus.

Em teoria, essa atuação extrapola os limites da sua pasta. Mas ela está alinhada com a cúpula do Palácio do Planalto, de quem o ministro recebeu “carta branca” para agir junto ao Congresso e também a empresários e lideranças do setor privado.

Em dois meses à frente do ministério, Marinho tem auxiliado em votações de interesse do Executivo, como a proposta de emenda à Constituição do Orçamento de guerra, que permite ao governo gastar fora das amarras fiscais em tempos de calamidade pública e dá ao Banco Central poderes de comprar títulos e carteiras de crédito.

Com feitos no currículo como as negociações para a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso, onde exerceu três mandatos de deputado federal – tentou um quarto, mas não foi reeleito em 2018 -, Marinho tem ligado para deputados para articular a aprovação de medidas provisórias que mal começaram a tramitar no Legislativo, como a que suspende contratos de trabalho e reduz jornada de trabalho, segundo um deputado do Centrão.

“Marinho é polivalente e já se mostra, dentro do governo, como peça política que pode ser usada em qualquer posição, com grande capacidade de concretizar e construir consenso. Basta ver as reformas que ele ajudou a aprovar”, diz o deputado Alceu Moreira (MDB-RS), líder da bancada ruralista.

Nas últimas semanas, Marinho tem sido frequentador assíduo do Planalto, sendo convocado para diversas agendas somente com Bolsonaro, ou com seus ministros mais próximos, quando avançaram os casos de covid-19 no Brasil, revela um interlocutor. Integrante do gabinete de crise do governo que elabora medidas contra o coronavírus, ele tem se mostrado preocupado com a gravidade da crise, em contraste com o chefe do Poder Executivo, e oferecido ajudas que nem sempre dependem do seu ministério. Sua pasta anunciou uma linha de crédito de R$ 6 bilhões com recursos dos fundos constitucionais para capital de giro para pequenos empresários e também informais das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

“Pragmático”, como o descreveu um ministro ao Valor, Marinho tem demonstrado entrosamento em especial com Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) – este o articulador político formal do Executivo -, com quem integra um grupo de ministros da chamada ala “moderada” do governo, que em muitos casos tem atuado para recomendar a Bolsonaro uma retórica menos radical. Por outro lado, o pragmatismo de Marinho desagrada a ala ideológica do governo, conta uma fonte.

Marinho chegou a ser cotado para assumir a Casa Civil, com a saída de Onyx Lorenzoni, que protagonizava disputas internas com Ramos em torno da articulação política, lembra um assessor presidencial. Marinho deixou a Secretaria de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia para ser ministro, com apoio irrestrito de Guedes. “A estratégia do presidente e do Palácio foi prestigiar o Marinho sem dividir a articulação. Ele complementa o contato com o Congresso”, diz uma fonte palaciana.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    2023 a 2026 com Rogério Governador e Bolsonaro Presidente o RN sairia da lama para potência do NE.

  2. Lixo disse:

    Dois LADROES arquitetando a QUADRILHA …..o sujo e o mal lavado…duas PRAGAS

  3. Lucas disse:

    Será que, assim como o Flávio Bolsonaro, consegue agora paralisar também os processos judiciais que responde? Acabou a mamata, eles diziam… De quebra, o fanatismo já supera o do lulopetismo!

  4. Ivan disse:

    Por isso que do BOZO só sai merda, está explicado.

    • Vige disse:

      Kkkkkkk ESSA DUPLA TA CERTINHA….SO VAI SAIR BOSTA……EITA QUE O VASO E PEQUENO

  5. Augusto Cesar disse:

    Agora deu certo, a praga do Rogério Marinho, dando conselhos a Berta a ferra do Bolsonaro, e o fim dos tempos.

  6. Santos disse:

    Agora está explicado a insistência em fazer tantas bobagens nessa crise.

  7. Torres disse:

    Só o pobre RN não reconhece isso…

  8. Naldinho disse:

    Agora lascou de vez. Kkkkkkkkkk

  9. Zé Ninguém disse:

    Não devemos esquecer que também faz parte do PSDB de Rogério Marinho, o Antônio Carlos Magalhães Neto da velha oligarquia do coronelismo baiano. A velha política está voltando muito fortalecida.
    FHC está comemorando e vislumbrando a volta do seu partido ao poder.

  10. Zé Ninguém disse:

    O que mais gosto em Rogério Marinho é que ele é do PSDB de Fernando Henrique, Aécio Neves, Artur Virgílio, José Serra, Tasso Jereissati, Geraldo Alckmin,…..Aqui no RN tem Ezequiel, Álvaro Dias, Márcia Maia, Tomba, Zé Dias, Gustavo Carvalho, Geraldo Melo, Larissa Rosado, Gustavo Fernandes, Raimundo Fernandes,…..Todos velhos e experientes caciques da velha política. Por isso que eu gosto de Rogério Marinho e do PSDB. Todos aliados de Fátima Bezerra e boa relação com a esquerda.

  11. GUIDO disse:

    NUNCA O DITADO “QUANDO O DIABO NÃO VEM, MANDA O SECRETÁRIO” FOI TÃO BEM APLICADO!

  12. Bruno disse:

    Chora não JR !!!!

  13. Larissa disse:

    Pronto…..quem conhece sabe…..

  14. Milton disse:

    É isso aí meu conterrâneo, competência vc tem, ja mostrou que faz.
    Agora!!
    Não invente de mijar fora do pinico não homi de Deus, igual fez o teu colega.
    Tá atravessado, é questão de tempo a queda, o cara é politiqueiro, não se deu conta do tamanho do ministério que tem nas mãos.
    Se avechou.
    Vai cair pra largar de ser burro.
    Vamos que vamos.
    BRASIL ACIMA DE TUDO.
    DEUS ACIMA DE TODOS.
    Esse é o lema.
    Ponto final.

  15. rocha disse:

    Pode até se destacar como ministro, agora ser governador … Sei não!!!!
    É arrogante e prepotente demais, só se mudar. Quem fez ele de federal e está onde chegou, foi a velha guerreira Wilma de Faria, é ele lhe virou as costas.

  16. Cigano Lulu disse:

    A esta altura do campeonato, até Fatão GD deve ter alguma relação secreta com Rogério Marinho.

  17. JR Laranjeiras disse:

    Agora vai! ….hahaha quem conhece sabe, agora lascou tudo mesmo…..hahaha

  18. RICARDO LÚCIDO disse:

    Rogério Marinho , você pode até não achar simpático , mas é um cara muito inteligente . Consegue ser um grande articulador , se colocar no lugar certo na hora certa . Não boto a mão no fogo , mas temos que reconhecer sua competência. Vai ganhar espaço e será o futuro governador do RN .

    • Daniel disse:

      Deus nos livre

    • Sertanejo disse:

      Foi muito competente na hora de tirar vários direitos dos trabalhadores na reforma trabalhista. Deve ser adorado pelos empresários, haja vista que sacrificou seu mandato de deputado por isso.

    • REJANE disse:

      KKKKKKKKK AH! COITADOOOOO

    • renato disse:

      sonha garoto

    • Marcos disse:

      Seria o melhor pro RN. Mas infelizmente potiguares gostam de viver na merda com moscas. Está aí a governadora e analfabetos secretários que merecem.

Empresas da cadeia turística do RN terão crédito em condições especiais para superar a crise; veja como solicitar

Nova linha operada pela AGN oferece crédito competitivo as micro, pequenas e médias empresas. Objetivo é assegurar renda e preservar empregos do setor no estado

Micro, pequenas e médias empresas com atuação relacionada à cadeia produtiva do setor do Turismo já podem buscar a Agência de Fomento do Rio Grande do Norte S.A. (AGN-RN) para ter acesso a recursos através de linha de crédito com condições especiais. O novo instrumento surge como uma alternativa em meio à crise no setor provocada pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

A nova linha oferece crédito competitivo, preferencialmente, as micro, pequenas e médias empresas legalmente constituídas e estabelecidas no setor turístico, como forma de gerar renda e preservar a oferta de empregos, além de promover o seu desenvolvimento no estado. Os recursos são do Fundo Geral do Turismo (Fungetur), ligado ao Ministério do Turismo.

Os valores financiáveis chegam até R$ 400 mil, podem ter carência de até 24 meses para começar a pagar e um prazo de parcelamento que pode chegar até 42 meses. As condições de prazo, juros, carência e limite de financiamento variam de acordo com o perfil do empreendimento e da natureza do investimento, seja capital de giro, obras ou bens a serem adquiridos.

Em razão do momento crítico pelo qual passa o setor, os financiamentos para capital de giro contratados até 17 de junho terão juros de apenas 5% ao ano + o INPC do período. As operações realizadas posteriormente terão juros de 7% ao ano + INPC.

As empresas interessadas em contratar as operações de crédito precisam estar devidamente inseridas no Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos do Mtur – Cadastur. O cadastro é gratuito, sai em até cinco dias úteis e pode ser feito através do site www.cadastur.turismo.gov.br.

Para mais informações ou iniciar o processo de solicitação do financiamento, o empreendedor deve entrar em contato com a AGN através de ligação ou por Whatsapp por meio dos números 84 99136-1897/99640-0700 ou enviar um email para [email protected] com o título “Solicitação de financiamento – Linha Pró-Turismo – Fungetur”.

Para a diretora-presidente da AGN-RN, Márcia Maia, se mostrou urgente a celeridade para viabilização da linha e dos recursos junto ao Ministério do Turismo em razão dos efeitos da pandemia no Turismo do RN e nas empresas ligadas à cadeia da atividade.

“Recebemos a missão da governadora Fátima Bezerra de apresentar alternativas econômicas para o setor produtivo através da Agência de Fomento. Anunciamos várias medidas na semana passada e agora trazemos novas iniciativas para reforçar e proteger a cadeia da atividade turística, uma das principais fontes de receita e emprego no RN. Neste momento, mais do que ampliar a competitividade da atividade em nosso estado, precisamos garantir a sustentabilidade dos empregos e dos negócios”, afirmou.

A iniciativa faz parte de uma série de ações realizadas pela Agência de Fomento do RN, sob determinação do Governo do Estado, em oferecer alternativas para microempreendedores formais e informais, além de micro, pequenas e médias empresas do RN.

Saiba mais sobre a nova linha ProTurismo

Quem pode?
Pessoa jurídica – micro, pequena ou média empresa da cadeia turística inseridas no Cadastur/Mtur. Cadastro é gratuito, sai em até cinco dias úteis e pode ser feito através do site www.cadastur.turismo.gov.br.

Quanto posso solicitar?

Valores podem chegar até R$ 400 mil.

Quais as condições?

As condições de prazo, juros, carência e limite de financiamento variam de acordo com o perfil do empreendimento e da natureza do investimento a ser feito. Carência pode chegar até 24 meses.

Como posso usar?
Para capital de giro, investimento ou aquisição de bens.

A partir de quando?
As solicitações já podem ser feitas.

Como faço?
Entre em contato através de ligação ou Whatsapp pelos números 84 99136-1897/99640-0700 ou envie um email para [email protected] com o título “Solicitação de financiamento – Linha Pró-Turismo – Fungetur”.

Gestão da crise do coronavírus: Bolsonaro tem aprovação de 33%, consideram regular 25% e 39% reprovam, diz Datafolha

Pesquisa Datafolha publicada nesta sexta-feira (3) pelo jornal “Folha de S.Paulo” mediu a avaliação do desempenho do presidente Jair Bolsonaro, dos governadores e do Ministério da Saúde na condução da crise do coronavírus.

A pesquisa foi realizada por telefone com 1511 pessoas entre quarta-feira (1º) e sexta-feira (3) em todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja abaixo os resultados:

Avaliação do desempenho de Bolsonaro em relação ao surto de coronavírus

Ótimo/bom: 33%
Regular: 25%
Ruim/péssimo: 39%
Não sabe/não respondeu: 2%

No levantamento anterior, divulgado no dia 23 de março, a aprovação de Bolsonaro era de 35% e a reprovação era de 33%.

Avaliação do desempenho do Ministério da Saúde

Ótimo/bom: 76%
Regular: 18%
Ruim/péssimo: 5%
Não sabe/não respondeu: 1 %

No levantamento anterior, a aprovação do Ministério da Saúde era de 55% e a reprovação era de 12%.

Avaliação do desempenho dos governadores

O Datafolha pesquisou também a avaliação sobre as ações dos governadores na crise. Os resultados foram:

Ótimo/bom: 58%
Regular: 23%
Ruim/péssimo: 16%
Não sabe/não respondeu: 2%

Na pesquisa anterior os governadores tinham aprovação de 54% e reprovação de 16%.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. proterald disse:

    Datafolha está sem moral na mídia….Da licença….

  2. Airton disse:

    Databosta inconsistente.

  3. Leomar Luft disse:

    Bolsonaro 2022. Avante mito.

  4. Tarcísio Eimar disse:

    Apesar de ter sido pelo DataFolha, mas creio q os números sejam reais

  5. Bel disse:

    Data folha e a mesma coisa de nada.

  6. Mito disse:

    Pesquisa da data folha e comentário de petista não servem para nada. Bolsonaro continua firme, forte e com o apoio da população. Vão se preparando que em 2022 a surra será ainda maior.

  7. Edilson disse:

    A folha fez essa pesquisa aonde?
    Qual foi o público pesquisado nesse periodo de epidemia?

  8. Paulo disse:

    Mandetta 2022!

    • M.D.R. disse:

      Esse aí sim…..
      Mostrando capacidade, responsabilidade, atuante e voltado para os problemas da saúde "PANDEMIA" entrou firme na situação doença.

  9. raimundo fernandes disse:

    voces são aquela parcela da sociedade que podem ser descatada! não tem cerebro! taokei.

  10. Eduardo Neto disse:

    33% acham esse insano bom e 25% regular… 58% da população so pode ta comendo merda com sucrilho!!!

  11. Ricardo lúcido disse:

    Derrete do feito picolé no sol , o presidente , votei nele e me arrependo , está cada dia mais desprestigiado . Pode ligar o cronômetro . É renúncia ou impedimento . Façam suas apostas .

    • Lobinha disse:

      Essa pesquisa não mostra isso, ruminante adorador de ladrões condenados. Apenas 39% reprovam o mito, logo ele até cresceu no apoio popular com relação a eleição, nas eleições 43% não votaram nele, nessa pesquisa, apenas 39% não o aprovam. Tá no caminho certo mito

    • Zé Mané disse:

      Lobinha não, Bobinha.

Lula e Doria esquecem diferenças e trocam afagos sobre crise do coronavírus

Foto: Reprodução

Adversários históricos e ferrenhos, o ex-presidente Lula e o governador João Doria (PSDB) esqueceram as diferenças políticas e trocaram afagos em uma rede social em meio à crise do coronavírus.

“Nossa obsessão agora tem que ser vencer o coronavírus. Chegamos ao ponto do Dória ter que mandar a PM invadir fábrica pra pegar máscara. A gente tem que reconhecer que quem tá fazendo o trabalho mais sério nessa crise são os governadores e os prefeitos”, escreveu o petista.

Doria respondeu ao ex-presidente: “Temos muitas diferenças. Mas agora não é hora de expor discordâncias. O vírus não escolhe ideologia nem partidos. O momento é de foco, serenidade e trabalho para ajudar a salvar o Brasil e os brasileiros”.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fanes disse:

    Quem é lula na fila do pão. kkkkkkk

  2. Zé Verdades disse:

    Quem eterniza Lula e o torna uma lenda, são vocês mesmos, que só basta uma matéria com o nome dele. Surge da terra um monte de filosofo de quinta, comentaristas políticos e fanáticos de rua esquerda e direita. Vão estudar a bíblia.. seus doentes do século. Pior do que a COVID-19, é o câncer que vai matar suas mentes, bondade, por causa da politica que sempre foi suja . Babacas…

  3. Ricardo disse:

    Esse papo de "aproximação" entre Lula e Dória por causa de 2 tuítes parece aquela conversinha de colégio:

    Fulaninho: "me empresta o caderno?"
    Beltraninha: "empresto sim, pode pegar"
    Resto da turma: "UIUIUI TÃO NAMORAAAAAAAAANDOOOOOO"

  4. ForaCanalhas disse:

    O maior problema do Brasil será destruir o CANALHAVIRUS, esse sim faz tempo que destrói tudo e ainda tem quem o defenda.🤔

    • MAO BRANCA disse:

      AGORA FAZEM PARTE DA MESMA QUADRILHA. O IDEAL ERA DÁ UMA FACA ACADA UM E TRANCÁ-LOS NUMA CELA ESCURA.

  5. valmir melo da disse:

    São dois aproveitadores de desgraças da pior espécie. Eles se merecem, e o Doria é igual ao Lula, vende até a mãe ao diabo para se manter e alçar vôos mais altos ao Poder.

  6. Márcia Maria disse:

    Onde está Lula ??? No Brasil ou bem guardadinho no exterior? Só assistindo, de camarote, Sabido, sem se expor. Bem assessorado.

    • Eudes disse:

      Não sei se você sabe, não há um único país que esteja livre do coronavírus, em razão disso chama-se de pandemia, logo não importa o lugar no qual você esteja, não adianta, também, a posição social ou politica que você ocupa. O melhor será deixarmos comportamentos desta natureza longe de qualquer tipo de discurso, discurso de ódio não contribuirá para o momento.

  7. Carlos disse:

    Dois cabra de peia

  8. João Medeiros disse:

    O cara invadiu a fábrica da 3M pra pegar (roubar) máscara, as quais seriam distribuídas para todo o país, egoísmo puro, pensando só no estado de sp, é elogiado pelo ladrão Mor e acha que compartilhando isso está ganhando pontos com os brasileiros.
    Farsa: PSDB e PT

    • JOAO disse:

      O MUNDO E COMERCIAL , AI O BONITO DO TRUMP FOI NA FRETE DO BRASIL E PAGOU TODOS OS EPIS DA CHINA E TU ACHA BONITO QUE ELE PARCEIRO DO BOZO

  9. olimpio disse:

    Dois safados, fazendo politicagem barata no momento desses.

  10. Ivan disse:

    Esses imundos politizam tudo…até numa hora dessa fazem palanque…Vermes!!! Esse corrupto condenado deveria, ao invés de falar…devolver o que roubou!!!

  11. Neto disse:

    Pra tomar o poder, vale tudo. Vale renovar a velha aliança PT-PSDB. Vale aceitar elogio do Carniça POR INVADIR FÁBRICA. Dória, você é pior que Lula.

  12. Vagner Xiara disse:

    "Me digas com quem andas que te direi que és".
    Ensinamento antigo de muito valor e imutável entendimento. O resto é choro dos adoradores do "quanto pior para o povo melhor para nós na retomada do poder".
    Isso veja a questão.

  13. Fonseca disse:

    O bandido-mor e o aprendiz de bandido trocando afagos, tão liiiiindo! Vão se lascar seus dois buc….

  14. Manoel disse:

    Não sei qual dos dois eh mais oportunista! Só Jesus!

  15. Paulo disse:

    Dá credibilidade a um corruPTo condenado é a mesma coisa que apoiar suas falcatruas.

  16. Joaquim disse:

    Dois palhaços

  17. LULA MELHOR PRESIDENTE DO BRASIL disse:

    ESSE E O MEU PRESIDENTE, FALEM O QUE QUISER (OS BABOES DE NERO, QUE TOCOU FOGO EM ROMA, OS BABA OVO, PELEGOS DO DESEQUILIBRADO) MAIS LULA CONTINUARA A SER O MELHOR PRESIDENTE DO BRASIL…ACEITA QUE É MELHOR

  18. Allan Laranjeiras disse:

    Parabéns aos dois, a ideia é essa mesma, cuidar das pessoas sem se importar com partidos ou posições políticas, mas algumas pessoas ainda não entendeu que é uma questão de sobrevivência da raça humana,simples assim.

Coronavírus: crise afeta mercado do sexo em BH e mais de 3 mil prostitutas ficam sem trabalho

Rua Guaicurus, em Belo Horizonte — Foto: Ricardo Pessetti/Divulgação

A Rua Guaicurus, no centro de Belo Horizonte, é uma das muitas da cidade que ficaram desertas desde o decreto municipal publicado no dia 20 de março que proíbe o funcionamento de parte do comércio da cidade. A medida é uma tentativa de evitar as aglomerações e a proliferação do novo coronavírus.

Conhecida como “zona boêmia”, a região tem dezenas de pequenos hotéis que funcionam como pontos de prostituição. A pandemia também afastou os clientes fazendo com que estes locais fechassem as portas.

“Muitas prostitutas vivem nestes hotéis. E tentam se manter como podem. Tem gente que não têm dinheiro nem para comer mais”, disse Cida Vieira, presidente da Associação das Prostitutas de Minas Gerais (Aprosmig).

De acordo com a entidade, cerca de três mil mulheres foram impactadas ela crise do novo coronavírus. Além das prostitutas que moram nos hotéis na região da Guaicurus, muitas sobrevivem nas ruas da cidade. Outras voltaram para suas casa na Grande BH e até no interior.

“Tem conta chegando, né? E muitas escondem a profissional para as famílias. Como explicar agora o porquê da falta de dinheiro? A gente tem tentado ajudar, fazendo doações”, disse Cida.

A Aprosmig tem feito campanha de arrecadação de cestas básicas e produtos de higiene como sabão e álcool em gel. “A gente fala para elas ficarem em casa. Para se protegerem. É um período difícil. Eu diria até caótico”, disse a presidente da entidade.

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Belo Horizonte (Abrasel) e a Cruz Vermelha também chegaram a doar mantimentos e produtos de limpeza para 60 mulheres que trabalham na zona boêmia.

G1-MG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😁😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😜😛é ruim eles darem atenção às colegas…..kkkkkkkk.

  2. BolsoLula disse:

    Mais uma prova que político brasileiro é tão ruim: não ajudam as próprias mães

Datafolha diz que eleitor de Bolsonaro acha que ministério age melhor que presidente na crise

A avaliação do desempenho do Ministério da Saúde na crise do coronavírus é melhor do que a aprovação ao trabalho do presidente Jair Bolsonaro também entre seus eleitores.

O trabalho de Bolsonaro no combate aos efeitos da pandemia é considerado ótimo ou bom por 56% dos entrevistados que dizem ter votado nele no segundo turno da última eleição. O percentual nesse grupo é muito maior do que a avaliação positiva feita pela população em geral, que é de apenas 35%.

Entre os eleitores do presidente, contudo, o índice de opiniões positivas sobre o desempenho do Ministério da Saúde, comandado por Luiz Henrique Mandetta, é ainda maior: 64%.

Os dados apontam que, mesmo entre eleitores de Bolsonaro, existem percepções diferentes entre as duas autoridades.

Mandetta se notabilizou por declarações que indicavam a gravidade da crise, enquanto o presidente usou expressões como “fantasia”, “histeria” e “gripezinha” para se referir à pandemia.

O contraste entre os eleitores de Bolsonaro, porém, é menor do que aquele observado no restante da população. Levando-se em consideração todos os entrevistados, a atuação do ministério é aprovada por 55%, ante os 35% a favor do presidente.

Desde o início da crise, Bolsonaro minimizou o risco à saúde da população e resistiu à adoção de medidas restritivas como o fechamento do comércio.

O comportamento do presidente entrou em choque tanto com as recomendações do ministério quanto com determinações feitas por outras autoridades.

Embora Bolsonaro tenha decidido investir num confronto direto com governadores, em especial João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro), a maioria de seus eleitores acredita que os estados têm feito um trabalho ótimo ou bom ao enfrentar a crise.

O percentual de eleitores bolsonaristas que têm uma opinião positiva sobre o desempenho dos governadores é de 57% —índice muito semelhante à aprovação à conduta do próprio presidente nesse mesmo grupo.

A aprovação ao trabalho das autoridades estaduais vai na contramão do discurso que Bolsonaro reforçou nos últimos dias, com o objetivo de transferir aos governadores a responsabilidade pela redução da atividade econômica e pelo provável aumento em massa de demissões.

No domingo (22), o presidente disse que “brevemente o povo saberá que foi enganado por esses governadores e por grande parte da mídia”. E acrescentou: “Espero que não venham me culpar lá na frente pela quantidade de milhões e milhões de desempregados”.

Bolsonaro se recusou a comentar os números da pesquisa. Ele afirmou que considerava “impatriótica” uma pergunta sobre o assunto. “Você está preocupada com popularidade minha e do Mandetta? Se você acredita no Datafolha. O presidente da República e seus ministros estão trabalhando há semanas para minimizar os efeitos do coronavírus”, disse, nesta segunda (23).

O Datafolha ouviu 1.558 pessoas de 18 a 20 de março. Feito por telefone para evitar contato com o público, o levantamento tem margem de erro de três pontos para mais ou para menos.

No grupo de entrevistados que dizem ter votado em Bolsonaro no segundo turno, o apoio a suas declarações e atitudes é naturalmente maior do que a aprovação medida no restante da população. Surgem, contudo, discordâncias nesse segmento.

A maioria dos eleitores de Bolsonaro (58%) afirma que o presidente agiu mal ao apertar a mão de manifestantes no protesto do dia 15 de março. Ainda assim, 39% disseram que ele agiu bem.

O recorte da pesquisa feito entre bolsonaristas mostra ainda um apoio considerável à declaração de que existe uma “histeria” em relação à crise do coronavírus: 47% desses entrevistados dizem concordar com Bolsonaro, e 42% discordam dele.

Apesar dessas avaliações, os eleitores do presidente também afirmam ter medo do vírus. No grupo, 36% dizem ter muito medo e outros 36% declaram ter um pouco de medo –proporção semelhante à que foi calculada na população em geral.

O Datafolha também perguntou aos entrevistados que declararam voto no presidente se eles estavam arrependidos. Apenas 15% deles disseram que sim, o que indica que Bolsonaro preserva o apoio de uma grande parcela de seu eleitorado.

Os segmentos que mais se dizem arrependidos são as mulheres –19%, ante 11% dos homens que declaram ter votado no presidente. No recorte por nível de escolaridade, os eleitores com ensino fundamental afirmam se arrepender mais (18%) do que aqueles com ensino médio ou superior (13%).

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Como se o ministério de Bolsonaro não fosse a encarnação política da vontade do próprio Bolsonaro… Dói quando rio.

  2. HENRIQUE disse:

    É DE LASCAR.
    COMO SE PERDE TEMPO EM FAZER ALGO IMPRODUTIVO EM TEMPOS DE CRISE.
    QUEREMOS É SAIR DESSA SITUAÇÃO, TODOS ,JUNTOS.
    MAS PARA PARTE DA IMPRENSA, COMO GRUPO GLOBO E FOLHA DE SÃO PAULO, O QUE INTERESSA É DESCONSTRUIR O GOVERNO FEDERAL.
    QUERO LÁ SABER DE PESQUISA PORRA !!!!!

  3. Brasil acima de tudo disse:

    Por isso mesmo foi se colocado uma médico no Ministério da Saúde,, desta forma com certeza ele nesta área tem mais conhecimento do que um economista, contador, administrador, presidente, governador, etc, etc, etc. Prova que no cargo foi prestigiado e colocado um homem capaz, coisa que não víamos nos governos dos PTRALHAS, que eram colocados pessoas especializadas em falcatruas e desvio de dinheiro. Cada um no seu quadrado.

  4. Véi de Rui disse:

    Pense num sentimento de massacre esse da imprensa brasileira para com o presidente Bolsonaro, mas Deus estar protegendo ele.

  5. Abel disse:

    Esquecer o data foice.
    Segundo esse Instituto Bolsonaro não ganha a eleição de ninguém.
    Por tanto sem credibilidade.
    Mesmo estando falando a verdade, ninguém confia.
    Vao ter que remar muito, pra ter um pouquinho de credibilidade.
    Tá difícil!!

  6. Empresário Sofredor disse:

    Tinha eleição pra ministro da saúde?

  7. Manoel disse:

    A turma q apoia esse arremedo de governo nao tem vergonha de sugerir censura. Na verdade essa turma é igual ao marido traído no sofá. Ele faz de tudo pra vender o sofá pra nao sofrer tanto.

  8. Ricardo lúcido disse:

    Claro . Só não ver quem não quer . Na verdade o Bananão está até melhorando . Tentos que reconhecer .

  9. Rodrigo Duarte disse:

    Ele colocou especialistas nos cargos dos ministérios foi para isso mesmo, para que os caras soubessem o que fazer.

  10. LEO disse:

    Parabéns Presidente Bolsonaro,Reeleição CERTA!!!!!!!!!!!!!!

  11. Victorino disse:

    Bandos de corruptos, loucos que os PeTralhas voltem aí poder e distribuam bilhões para essas imprensa maldita, o rede Globobosta fala mais do governo do que da pandemia, vergonha desses malditos.

  12. Mariano Medeiros disse:

    O Cidadão quer que se use filtro. Ou seja, excluir os comentários negativos. Em outras palavras, CENSURA. Bem ao estilo do seu ídolo. Haja paciência….

  13. CARLOS SAMPAIO disse:

    E quem foi que escolheu o ministério? Se os atletas de um time de futebol está atuando bem o mérito claro é de todos que fazem parte do time !Falei todos sem distinção e isto inclui principalmente o técnico que montou o time e que também planejou como este time tem que atuar em campo!O mérito principal aqui é de Bolsonaro!É melhor aceitar que dói menos ! B38 2022

  14. Júnior Santos disse:

    Homem vai te lascar, no momento de crise de saude publica o Brasil parado o governo buscando soluçoes e vcs com conversa de pesquisa bando de fi da puta

  15. George disse:

    E tem de ser assim mesmo.

    Do mesmo jeito que o ministério da economia lida melhor com a economia do que Bolsonaro

  16. Canhoto potiguar disse:

    Datafolha?????
    Kkkkkk
    E bolsonaro é presidente?
    Kkkkkk

  17. Cidadão disse:

    Acredito q vc deveria filtrar, não só os comentários, as notícias replicadas.

  18. Hélio Silva disse:

    Qual a novidade ?esse governo é igual a jumenta da Dilma que queria estocar vento mais enfim fazer o que ? E o que temos para hoje

  19. Cidadão disse:

    Me poupe !

  20. Luís V disse:

    Todos ministros de Bolsonaro agem melhor do que ele.
    Bolsonaro pode dizer um monte de besteira, depois volta atrás, recua, tergiversa.
    Mas sabe delegar e não fica se metendo nas pastas.

    • PAULO disse:

      Se dependêssemos exclusivamente das decisões tomadas pela cabeça de Bolsonaro, seríamos a próxima Itália. Coincidência ou não, o melhor ministro de Bolsonaro não é militar e muito menos bolsonarista , PARABÉNS MANDETA!

A semana que pode salvar a Itália e dizer quando a crise vai acabar

No meio da morte, desponta uma flor: da Itália pode vir resposta para pergunta que o mundo inteiro faz Flavio Lo Scalzo/Reuters

Será que o pico está começando a passar?

Esta é a pergunta que, mesmo com todas as cautelas, paira nas mentes e corações de muitos.

Três números a sustentam, ainda fragilmente: 793, 651, 601.

Equivalem aos mortos no sábado do pico, no domingo e ontem.

Pela marcha do avanço massacrante do vírus, na segunda seria atingida a terrível marca dos mais de mil mortos, explodindo para dobrar o número de vítimas em toda a China (eram 6.078 ontem).

“É cedo demais para dizer”, insistem todos os especialistas.

“Ainda não atingimos a fase mais aguda da contaminação e os números continuam a subir”, avisou o primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Mas cientistas como Michael Levitt, um biofísico de Stanford e Nobel de Química em 2013, estão dispostos a se arriscar.

Obviamente, com base em números.

Levitt estudou os números da China e, com base neles, dispõe-se a falar o que o mundo inteiro quer ouvir: “Nós vamos ficar bem”.

Acha que a epidemia não vai se estender durante meses e até anos, como projetam outros especialistas.

O cientista identificou a tendência na China no dia 31 de janeiro, quando as mortes passaram de 42 para 46.

Apesar do aumento, o ritmo das mortes estava diminuindo.

“Vão diminuir mais ainda ao longo da semana”, escreveu. Três semanas depois, garantiu que o pico tinha passado. Fez até uma previsão incrível: a China acabaria tendo cerca de 80 mil casos da nova doença e cerca de 3.250 mortes.

Com Wuhan finalmente saindo da quarentena, as barreiras nas ruas sendo retiradas e moradores saindo de casa para seguir as ordens de “restaurar plenamente” a produção, mesmo em meio a desconfiança nas informações do governo, a China tinha 3.277 mortes pela contagem mais recente e 81.171 contagiados registrados.

Levitt tem nacionalidade americana, britânica e israelense e muitos contatos na China por causa do trabalho da mulher, estudiosa de arte chinesa.

Entrou de cabeça no assunto quando o índice de aumento na província de Hubei estava em 30% por dia – uma fase que está sendo vivida e ultrapassada pela Europa agora.

“Não sou especialista em influenza, mas sei analisar números. Isso é crescimento exponencial”, disse o cientista ao Jerusalem Post.

Se continuasse assim, o mundo inteiro estaria contaminado em 90 dias.

Atingiu o ápice diário de 4.700 novos casos em 6 fevereiro, mas a partir do dia seguinte, começou a refluir.

“O número de novas infecções começou a cair linearmente e não parou mais. Uma semana depois, aconteceu o mesmo com o número de mortes. Esta mudança dramática na curva marcou o ponto médio e permitiu uma previsão melhor sobre quando a pandemia iria acabar”.

Os modelos exponenciais calculam que cada pessoa pode contagiar mais 2,2 e assim continuará a fazê-lo, encontrando novas pessoas.

“Mas no nosso círculo social, encontramos basicamente as mesmas pessoas”, diz Levitt.

As “novas” são em ambientes públicos. Daí a importância do distanciamento e até do isolamento.

Levitt tem outras análises fora do senso comum. Basicamente, acha que a maioria das pessoas é naturalmente imune ao vírus.

Como fazer uma afirmação dessas, ousada, perigosa ou até potencialmente criminosa?

Nas condições “extremamente confortáveis” para a propagação do novo corona no navio de turismo Diamond Princess, onde todos os passageiros e tripulantes ficaram trancados numa tétrica quarentena, “apenas 20% foram infectados”.

Em Wuhan, o índice total de infectados foi de 3%.

Com suas análises audaciosas, Levitt responde, mesmo indiretamente, a pergunta mais desesperadamente presente: quando isso vai acabar.

É, evidentemente, a mais crucial das perguntas, tanto em termos de decisões para a saúde pública quanto para a economia – e a política, claro.

Donald Trump, por exemplo, já deu sua opinião: quer retomar logo a produção ou até mantê-la em áreas pouco afetadas dos Estados Unidos, onde já há mais de 40 mil casos com testes positivos.

“A América irá, e em breve, abrir as portas para os negócios.”, disse ele ontem.

“Muito breve. Bem mais cedo do que os três ou quatro meses que estão sugerindo. Não podemos deixar a cura ser pior que o problema”.

Como decidir isso é a pergunta de quatro trilhões, ou mais, de dólares.

Minimizar o número de vítimas da epidemia e conciliar isso com a ressuscitação da economia são tarefas vitais que precisam ser respondidas ao mesmo tempo, em plena crise.

Da pequena fresta de esperança que se abriu na Itália, onde gerações de cidadezinhas inteiras de idosos estão morrendo e sendo enterrados na solidão do coronavírus, talvez despontem também as primeiras respostas.

Veja