Na Venezuela, sistema educacional entra em falência e alunos desmaiam de fome nas escolas

Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / NYT

Centenas de crianças lotaram o pátio de uma escola na Venezuela para rezar, junto com um bispo católico, por sua educação. Quinze minutos depois, quando o religioso terminou sua reza, cinco crianças haviam desmaiado. Duas delas precisaram ser removidas do local em ambulâncias.

Os desmaios na escola primária de Boca de Uchire se transformaram em algo regular, pois muitos alunos vão para as aulas sem ter tomado café da manhã ou jantado na noite anterior. Em outras escolas, os alunos procuram saber se haverá comida antes de decidir se comparecerão ou não às atividades do dia.

— Não é possível educar pessoas esqueléticas e famintas — disse Maira Marín, professora e líder sindical da cidade.

A devastadora crise econômica que toma conta da Venezuela há seis anos está afetando o sistema educacional do país. Outrora, a educação pública era a menina dos olhos dos venezuelanos e fazia com que o país tivesse uma das maiores mobilidades sociais da América Latina. Em um passado não tão longínquo, até mesmo crianças de áreas remotas tinham boas chances de ingressar nas melhores universidades do país.

A fome é apenas um dos vários problemas que as atrapalham neste momento. Milhões de venezuelanos abandonaram o país nos últimos anos, desfalcando o número de professores e estudantes. Muitos dos educadores que continuam na Venezuela se viram forçados a mudar de profissão, pois seus salários tornaram-se praticamente sem valor após anos de hiperinflação. Escolas que antes tinham milhares de alunos hoje têm menos de cem.

O colapso do sistema educacional do país não está apenas condenando uma geração inteira à pobreza, mas arrisca também fazer retroceder em décadas o desenvolvimento e reduzir severamente o potencial de crescimento, afirmam especialistas e professores.

— Uma geração inteira está ficando para trás — disse Luis Bravo, que pesquisa educação na Universidade Central da Venezuela, em Caracas. — O sistema educacional de hoje não permite que as crianças se tornem membros relevantes da sociedade.

O governo de Nicolás Maduro parou de divulgar suas estatísticas educacionais em 2014, mas visitas a mais de dez escolas em cinco estados, além de entrevistas com dezenas de pais e professores, indicam que o comparecimento à escola despencou neste ano. Muitos centros de ensino também estão fechando suas portas.

A situação é uma grande vergonha para o autoproclamado governo socialista, que há muitos anos prega a inclusão social. A situação contrasta com a de outros países nos quais dirigentes venezuelanos sempre disseram se inspirar — Cuba e Rússia. Tanto Moscou quanto Havana foram capazes de proteger seu ensino básico e os alunos durante os piores momentos das crises econômicas que enfrentaram nos anos 1990.

O comparecimento à escola começou a reduzir logo após Maduro chegar ao poder, em 2013. A queda no preço do principal produto de exportação da Venezuela, o petróleo, combinado aos fracassados esforços do governo para controlar o custo de vida fizeram com que a economia local ingressasse em uma recessão da qual ainda não conseguiu sair.

Algumas crianças venezuelanas estão ficando em casa porque muitas escolas pararam de fornecer refeições ou porque seus pais não podem mais arcar com os custos de uniformes, materiais escolares ou até mesmo com a passagem do ônibus. Outras se juntaram a seus pais em uma das maiores crises imigratórias recentes: segundo a ONU, cerca de quatro milhões de pessoas já abandonaram o país desde 2015.

De acordo com o sindicato nacional dos professores, milhares dos 550 mil educadores venezuelanos não compareceram às escolas em setembro, quando o ano letivo atual teve início. Eles abriram mão de seu salário mensal de US$ 8 (cerca de R$ 33,92) para tentar a sorte no exterior ou em minas ilegais de ouro , algo em ascensão no país.

No estado de Zulia, o mais populoso da Venezuela, cerca de 60% dos 65 mil professores abandonaram a profissão nos últimos anos, segundo estimativas do dirigente do sindicato local de professores, Alexander Castro:

— Eles nos dizem que preferem trabalhar pintando unhas por alguns dólares a trabalhar por um salário mínimo — disse Castro.

Para que as escolas continuem funcionando, os professores que permanecem geralmente ensinam todas as matérias ou juntam, em uma mesma sala, alunos de séries diferentes. Quase todas as 12 escolas visitadas reduziram suas jornadas de funcionamento. Algumas delas abrem apenas um ou dois dias na semana.

No vilarejo de Parmana, no centro do país, apenas quatro dos 150 alunos matriculados foram à escola em outubro. De idades variadas, os estudantes se sentavam na mesma sala sem eletricidade, praticando assuntos diversos desde o alfabeto até álgebra, ensinados por um único professor que buscava encorajá-los com um sorriso abatido.

O restante das crianças da região se juntou aos seus pais na agricultura e nos barcos de pesca para ajudar a alimentar suas famílias.

Recentemente, em Maracaibo, segunda maior cidade do país, um letreiro na fachada de uma escola sem eletricidade dizia: “Por favor, venham às aulas, mesmo sem uniformes”. Na entrada, as crianças perguntam aos professores se há comida antes de decidirem se irão ou não assistir às aulas.

Os banheiros da maior escola da cidade nem sequer funcionam mais. Projetada para atender a 3 mil alunos, hoje o centro de ensino tem apenas 100.

Em Santa Bárbara, subúrbio de Caracas, metade dos professores de uma escola não voltou às aulas em setembro. O diretor se viu forçado a convocar pais voluntários para que os alunos pudessem continuar a ter aulas. No outro lado da capital, em Rio Chico, metade das classes estão vazias por falta de estudantes e educadores. Quando os alunos chegam, perguntam primeiro sobre a merendeira, disseram os professores restantes.

As medidas populistas de Chávez, no entanto, focavam mais na quantidade de estudantes que na qualidade de sua educação. Conforme os cofres públicos se esvaziavam, seu programa educacional foi por água abaixo.

Mesmo frente à queda no comparecimento, Maduro continuou a afirma que seu governo estava focado nos gastos com a educação, apesar da “brutal guerra comercial” realizada por seus inimigos.

— Na Venezuela, nem sequer uma escola fechou ou irá fechar. Nenhuma sala de aula — disse o presidente, em um discurso televisionado em abril. — Nós nunca negaremos acesso à educação.

Para aumentar o número de professores, Maduro prometeu, em agosto, enviar milhares de integrantes do partido governista para as salas de aula. Especialistas em educação, no entanto, disseram que poucos desses militantes adicionarão algum valor pedagógico ou serão, de fato, enviados às escolas.

Ao mesmo tempo, o número de professores de verdade está diminuindo. A quantidade de graduados no principal centro de treinamento de professores do país, a Universidade Pedagógica Experimental Libertador, caiu 70% entre 2014 e 2018.

Ao, na prática, dolarizar a economia venezuelana, Maduro permitiu neste ano que muitos funcionários públicos conseguissem uma renda extra ao cobrar em dólares por seus serviços. Isso, no entanto, trouxe poucos benefícios para os professores da rede pública de ensino em lugares mais pobres, onde as famílias de alunos têm pouco acesso a moedas estrangeiras.

Em Boca de Uchire, a família Caruto parou de mandar suas crianças para a escola quando o refeitório não funciona.

— Eu não posso enviá-los para a escola com fome — disse José Luis Caruto, que está desempregado e é pai de duas crianças.

Sua irmã, Yuxi, de 17 anos, foi a última da família a parar de frequentar a escola, já que não conseguia arcar com os custos da passagem de ônibus. Ela tentou retomar seus estudos em um centro comunitário local, mas os professores pararam de aparecer na segunda semana de aula. Agora, ela passa os dias cuidando do filho de 1 ano.

— Eu quero aprender matemática, saber ler e escrever rapidamente. Eu tenho medo de não saber respoder quando o meu filho crescer e começar a fazer perguntas. Agora, no entanto, nós nem temos o que comer — disse Yuxi.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Braulino Francisco disse:

    É o começo de um Holocausto oficial autorizado por nossa Esquerda silenciosa. Ou seria um Holodomor bolivariano? Pobres crianças! Pobres pais que não têm de onde tirar alimento, roupas e remédios para os filhos. É uma tragédia humana. É muito triste.

  2. vilanir gurgel disse:

    Se o PT não saisse do poder em pouco tempo o Brasil ficaria assim.

  3. Francisco disse:

    Acho que é essa o modelo de escola que Fátima quer trazer pra cá, já que refutou a instalação de qualquer escola militar no estado do RN.

  4. Pedro disse:

    Onde estão os socialistas de araque, safados comunistas, petistas analfabetos e por aí vai? Sei que o cabeça (nove dedos) está na rua, com o tesão a mil, as contas nos paraísos fiscais repleta do que ele gosta (dinda) e tem um bando de bestas querendo defender o marginal.

  5. Triste Realidade disse:

    Essa é a realidade do socialismo, TODOS IGUAIS NA MAIS ABSOLUTA MISÉRIA!
    NUNCA foi diferente em lugar nenhum do mundo onde o socialismo virou forma de governo.
    Pobre povo venezuelano que se deixou ENCANTAR PELA MENTIRAS REPETIDAS de seu soberano e ditador que PROMETEU O CÉU e está entregando a MISÉRIA em todos os sentidos.

    • Neco disse:

      Todos iguais, nada, meu fi. Sempe tem os "mais iguais que os outros". A alta nomenklatura e seus associados vivem como nababos. Lá são os boliburgueses e enchufados.

  6. joaozinho disse:

    Esse deve ser a copia do programa assistencialista fome zero petista implantado na Venezuela. Muitas cotas, bolsa ração, educacao de primeira segundo a propaganda. Afinal, povo zumbi e morto nao tem fome. Nao demoraria tanto para acontecer aqui no país, pra os nossos doutrinadores educadores entenderem o resultado da desgraca da propaganda que eles tanto pregam como sendo boa. Aqui no RN, estes mesmos doutrinadores pedagogos nao quebram mais a porta da governadoria, sinal que estao felizes e nao podem reclamar da qualidade da educacao do RN e dos salarios. Enquanto isso Paloci delata mais alguns petista…

  7. #Lula Na Cadeia sempre disse:

    Era o exemplo que o FDP do ladrao condenado Lula Queria trazer para o nosso país , cadê que esses vermes PTralhas passeam ou querem turistar na VENEZUELA???

VÍDEO: Evo Morales se irrita e se enrola com questionamento de jornalista: “Por que não foi à Venezuela em vez de vir ao México?”

Evo Morales, que em 2006 foi eleito o primeiro presidente indígena da Bolívia, está em um quarto de um hotel na Cidade do México, com uma intensa agenda de entrevistas e chamadas telefônicas.

Comenta que manteve seu velho hábito de levantar-se de madrugada desde que chegou ao México como asilado político, depois de renunciar à Presidência da Bolívia e denunciar um golpe de Estado no país, na semana passada.

Em uma franca e por vezes acalorada entrevista com a BBC News Mundo, Morales afirma que “a OEA (Organização dos Estados Americanos) também é responsável pelo golpe de Estado” e que o governo que assumiu a Bolívia é uma ditadura que terá resistência de movimentos sociais e indígenas.

Entrevista na BBC no fim de semana vem repercutindo desde então.

Entrevista completa abaixo, com registro de desentendimento no fim:

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Arthur disse:

    Isso é perguntado a todos os nossos políticos do PT que gosta muito de viajar, pq não a Venezuela???? Kkkkkk

  2. Manoel disse:

    KKK. A esquerda sempre cheia de contradições… Só cego não vê!

  3. Faz de conta disse:

    A pergunta que está sem resposta até hoje: "Qual a razão dos defensores da igualdade nunca vão passar férias em países socialistas ou comunistas?" .
    Todos sabem que não existe "dinheiro público" e sim DINHEIRO ARRECADADO DOS IMPOSTOS.
    Quando um socialista ou comunista tem que sair do poder, vão se distrair nos países capitalistas que eles discursam contra, gastando os recursos que guardou proveniente dos recursos públicos que agora são dele para viver desfrutando tudo de melhor do mundo capitalista.
    Alguma dúvida? Está aí o exemplo e a prova mais recente da história.

  4. djalma disse:

    É.. e porque não levou Fátima e os outro do PT para lá.. sei não… esta turma esquerdista adora a burguesia européia e norte americana com seus caviars, champanhes, queijos e vinhos, Sim… o México fica na America do Norte, muito longe de Deus e muito perto dos Estados Unidos… O interessante foi que passou despercebido que a soltura do condenado por corrupção em três instâncias e por nove juízes, recebeu o livramento arranjado pelo STF justamente na semana que se comemorava a derrubada do Muro de Berlim, prova cabal e irrefutável do fracasso das idéias totalitárias e comunistas da seita petista.

  5. Az disse:

    Socialismo pra vcs, capitalismo pra mim, a hipocrisia reino no meio desses canalhas.

“Repudiamos a interferência de atores externos”, diz Bolsonaro, sobre atos na Embaixada da Venezuela no Brasil

Foto: Reprodução

Além da nota divulgada pelo GSI a respeito da confusão na embaixada da Venezuela em Brasília, o próprio Jair Bolsonaro acaba de se manifestar sobre o episódio em sua página no Facebook.

“Diante dos eventos ocorridos na embaixada da Venezuela, repudiamos a interferência de atores externos”, escreveu.

“Estamos tomando as medidas necessárias para resguardar a ordem pública e evitar atos de violência, em conformidade com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Vanilson disse:

    Doido é quem apoia e defende um sistema ditador e corrupto como o da Venezuela,

  2. Carlúcio disse:

    ESSE PRESIDENTE A CADA DIA QUE PASSA MAIS DOIDO FICA.

    • joaozinho da escola disse:

      Nao ha nada de doido na comunicacao. Porem vi muita loucura e sandice por parte de deputados do PT e pessoal da CUT interferir em algo que nao parece ser da competência deles. Vi apenas o fato desse pessoal de partido e sindicato apoiar a segunda maior ditadura da America do Sul com violencia.. isso sim é falta de decoro e preocupante.

    • LULADRÃO disse:

      Esse é um Ptralha da pior qualidade. Babão do Luladrão.

“O Presidente da República jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão da Embaixada da Venezuela”, informa gabinete

Foto: Reprodução

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República acaba de divulgar nota sobre a confusão na embaixada venezuelana em Brasília.

Eis a íntegra:

“Diante dos fatos desagradáveis que estão acontecendo na Embaixada da Venezuela, em Brasília, esclarecemos o seguinte:

– como sempre, há indivíduos inescrupulosos e levianos que querem tirar proveito dos acontecimentos para gerar desordem e instabilidade;

– o Presidente da República jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão da Embaixada da Venezuela, por partidários do Sr. Juan Guaidó;

– as forças de segurança, da União e do Distrito Federal, estão tomando providências para que a situação se resolva pacificamente e retorne à normalidade.”

O Antagonista

PF aponta que navio grego acusado de vazamento saiu da Venezuela; embarcação ficou atracada no país vizinho por três dias

FOTO: CARLOS EZEQUIEL VANNONI/AGÊNCIA PIXEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O navio de bandeira grega suspeito de ser a origem do óleo que atingiu praias de todos os estados da região Nordeste saiu da Venezuela, onde ficou atracado por três dias, antes do vazamento ocorrer em alto mar. Nesta sexta-feira, a Polícia Federal deflagrou uma operação em endereços ligados à empresa grega para obtenção de dados sobre a embarcação e sua tripulação.

“A embarcação, de bandeira grega, atracou na Venezuela em 15 de julho, permaneceu por três dias, e seguiu rumo a Singapura, pelo oceano Atlântico, vindo a aportar apenas na África do Sul. O derramamento investigado teria ocorrido nesse deslocamento”, afirma a Polícia Federal.

A partir de imagens de satélite, as investigações identificaram uma mancha inicial de petróleo cru a aproximadamente 700 quilômetros da costa brasileira no dia 29 de julho, de extensão ainda não calculada. Isso permitiu identificar um único petroleiro que navegou pela área suspeita na data provável do vazamento.

A PF concluiu não haver indicação de outro navio “que poderia ter vazado ou despejado óleo, proveniente da Venezuela.” De acordo com a Marinha, a embarcação chegou a ficar detida nos EUA por quatro dias, devido a “incorreções de procedimentos operacionais no sistema de separação de água e óleo para descarga no mar”.

As investigações coincidem com levantamentos de especialistas da Petrobras e da Universidade Federal da Bahia, que, embora não imputem culpa ao país vizinho, concluíram que o óleo é proveniente de campos venezuelanos. A PF afirma que o navio grego está vinculado a uma companhia de mesma nacionalidade, que não teve o nome divulgado. As investigações seguem para identificar a propriedade do petróleo transportado pelo navio.

O blog Radar adiantou que a principal suspeita do vazamento já recaía sobre navios-tanque que trafegam em alto mar sem rastreamento. É cada vez mais recorrente a prática de se desligar os transmissores para que os navios não possam ser rastreados por satélite com o intuito de burlar as barreiras e tarifas. É o chamado off transponder, que configura uma verdadeira frota crescente de “petroleiros piratas”.

Nesta sexta-feira, são cumpridos dois mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, expedidos pela 14ª Vara Federal Criminal de Natal, em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil, que não teve o nome divulgado. Foram solicitadas diligências para a obtenção de dados adicionais sobre a embarcação e sua tripulação.

“Há fortes indícios de que a empresa, o comandante e tripulação do navio deixaram de comunicar às autoridades competentes acerca do vazamento/lançamento de petróleo cru no Oceano Atlântico”, afirmam os procuradores da República no RN Cibele Benevides e Victor Mariz. Por isso, pediram os mandados de busca e apreensão.

Segundo o MPF, os responsáveis pelo vazamento devem responder nas esferas cível (com o pagamento de multas e indenização por danos morais) e penal pelo crimes de poluição e por terem deixado de comunicar o incidente às autoridades.

Desastre ambiental

O derramamento de óleo que atingiu as praias de todos os nove estados nordeste é considerado o maior do gênero em extensão. Até 29 de outubro, foram registradas manchas em 94 municípios e 264 localidades. Foram encontrados 107 animais afetados pelo óleo, com 81 mortes. Cerca de 70% dos animais contabilizados eram tartarugas marinhas.

A reação demorada e confusa ao desastre ambiental faz o governo passar do papel de vítima à condição de vilão do problema. Foi apenas em 5 de outubro, ou mais de um mês depois do primeiro sinal de alerta, que o presidente Jair Bolsonaro acionou a Polícia Federal, a Marinha e os órgãos ambientais do governo para investigar as causas do vazamento e os responsáveis por ele.

Procuradores do Ministério Público Federal na região foram à Justiça acusar o governo foram à Justiça acusar o governo de omissão e pedir que ele fosse compelido a acionar o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo, uma espécie de protocolo que lista procedimentos a ser adotados em emergências. Para o MPF, a União foi omissa ao demorar a tomar medidas de proteção ao meio ambiente e não atuar de forma articulada na região.

A crise também ganhou contornos políticos. Enquanto as manchas de óleo se multiplicavam, a conhecida animosidade do Palácio do Planalto com os governadores do Nordeste — quase todos de esquerda — ganhou novo combustível com a cobrança por um apoio efetivo de Brasília. O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) trocou farpas com o governador baiano Rui Costa (PT) e ouviu de Paulo Câmara (PSB-PE) que a reação federal era improvisada. O chefe da pasta também atacou o Greenpeace ao sugerir que a entidade não participa dos mutirões de limpeza e insinuou.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bolsominion disse:

    Agora é guerra! O governo prometeu boicotar a mitologia e o iogurte gregos. E, daqui a pouco, o presida vai postar um vídeo de beijo grego, mostrando a prática que será proibida em todo território nacional.

  2. Cesar disse:

    Parabéns ao traficante de petróleo Nicolás Maduro que nos deu esse presente grego, conseguiu sujar os nossos mares com o petróleo Venezuelano, empurrando pra miséria ribeirinho, catador de caranguejo, pescador e garçom. E o irresponsável do Lula ainda teve coragem de pedir voto pra essa criatura.

Óleo que vazou foi extraído de três campos na Venezuela, anuncia Petrobras em coletiva

Foto: REUTERS / Diego Nigro/Direitos reservados

O diretor de Assuntos Corporativos da Petrobras, Eberaldo Neto, disse nesta sexta-feira (25) que a análise de 30 amostras do petróleo recolhido de praias do Nordeste permitiu concluir que ele foi extraído de três campos de produção na Venezuela. Em uma entrevista coletiva concedida à imprensa para analisar os resultados do balanço do terceiro trimestre de 2019, Neto esclareceu que a companhia agiu assim que foi acionada pela União, no início de setembro, e recolheu 340 toneladas de resíduos das praias.

“A gente fez análise em mais de 30 amostras e concluiu que é de três campos venezuelanos”, disse Neto. “A origem do vazamento é outra coisa. A gente entende que é na costa brasileira”.

O vazamento teria ocorrido no Oceano Atlântico, em uma região no caminho de uma corrente marinha que vem da África e se bifurca, seguindo para a costa setentrional do Nordeste, de um lado, e para a Bahia e o Sudeste, do outro, passando pelos locais onde o óleo tem sido recolhido.

“A gente sabe que foi em um ponto desse de bifurcação que foi a origem do vazamento. Provavelmente, um navio passando ali. As autoridades estão investigando”.

Neto destacou que o fato de o petróleo afundar e seguir para o litoral em uma camada abaixo da superfície do mar dificulta a visualização dele com sobrevoos e satélites e também a contenção dele com barreiras.

Veja mais – VÍDEOS: Análises confirmam óleo venezuelano no litoral nordestino, destaca Marinha

“A gente tem um centro de defesa ambiental preparado para isso, mas preparado para um óleo da Petrobras, que vaza de instalação da Petrobras, e a gente localiza a fonte e ataca com os instrumentos mais adequados”, disse o diretor, que explicou que o fato de o óleo submergir quase que inviabiliza a contenção dele antes de chegar ao litoral. “Fica praticamente impossível pegar a montante esse óleo e segurar com barreiras e outros instrumentos que a gente tem. O mecanismo de captura tem sido quando a maré e a corrente jogam para a praia. Infelizmente, tem sido esse o jeito, porque, com os mecanismos que a gente detém, é agulha no palheiro para a gente pegar pelas características do óleo”.

O diretor da estatal afirmou que a Petrobras vai distribuir equipamentos de proteção individual em comunidades do Nordeste para que voluntários possam utilizar os equipamentos para se proteger de possíveis intoxicações no contato com a substância.

Neto disse que o foco da Petrobras é continuar o trabalho e qualquer discussão sobre o valor que será ressarcido à companhia pelos recursos gastos será feita posteriormente.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alan disse:

    Já pode começar a guerra?

  2. David disse:

    Depois da roubalheira recordista mundial, essa sabotagem contra a vida dos nordestinos e seus ecosistemas, como bolo da cereja,, o stf bandido soltará milhares de criminosos pra infernizar a vida dos cidadãos brasileiros, e fortalecer as facções criminosas. Patifaria incomensurável.

União Europeia eleva lista de sanções contra a Venezuela

Crise na Venezuela tem repercussão internacional e causa aplicação de sanções (Carlos Garcia Rawlins/Reuters/direitos reservados)

O Conselho Europeu da União Europeia (UE) anunciou nesta sexta-feira (27) que acrescentou à lista de sanções “sete membros das forças de segurança e dos serviços de informação da Venezuela”. Para dar resposta à “emergência humanitária”, a UE prevê a realização de uma conferência internacional em outubro.

As medidas restritivas, anunciadas em comunicado, “passam pela proibição de viajar e pelo congelamento dos bens”. O Conselho da UE incluiu na lista das sanções pessoas “envolvidas em atos de tortura e outras violações graves dos direitos humanos”, das quais quatro estão associadas à morte do capitão da marinha Rafael Acosta Arévalo.

Esta decisão da União Europeia faz “subir para 25 o número total de pessoas objeto de sanções face à situação na Venezuela”, e dá “prosseguimento direto à declaração emitida pela Alta Representante, em nome da UE”, em julho.

Tortura

A Alta Representante da UE para a Política Externa, Frederica Mogherini, anunciou em julho, que os estados-membros estavam prontos para começar a trabalhar no sentido de aplicar medidas específicas aos membros das forças de segurança envolvidos em atos de tortura e outras violações graves dos Direitos Humanos na Venezuela.

O relatório da Comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, é confirmado nessa declaração e sublinha a “dimensão e a gravidade das violações dos direitos humanos, a erosão do estado de direito e o desmantelamento das instituições democráticas na Venezuela” e ainda a “trágica morte do capitão Acosta Arévalo”, que se encontrava sob custódia pelas forças de segurança venezuelanas.

“Dada a gravidade da situação exposta no relatório da comissária, a UE está pronta para iniciar a preparação de medidas específicas e aplicar aos elementos das forças de segurança [da Venezuela] implicados em práticas de tortura e outras violações graves dos Direitos Humanos”, disse a declaração da representante da UE.

Agência Brasil

 

Trump ataca Irã, China, Venezuela, ONGs, imigração e socialismo em discurso na ONU

Foto: Don Emmert/AFP

O presidente Donald Trump fez uma defesa do patriotismo e do direito de cada país lutar pelos próprios interesses ao fazer seu discurso na abertura da Assembleia Geral da ONU, em Nova York, nesta terça-feira (24). Ele também fez críticas ao Irã, à Chna e a ONGs que defendem migrantes

“O futuro não será dos globalistas. Será dos patriotas”, disse. “Se você quer liberdade, tenha orgulho de seu país. Se quer democracia, defenda sua soberania. Se quer paz, ame sua nação.”

Trump também criticou a imigração e disse que a vinda de estrangeiros ilegais “mina a prosperidade do país” e acusou as ONGs que ajudam migrantes ilegais: “Suas políticas são cruéis e más, e ajudam a minar os direitos humanos”.

Ele prometeu combater as redes de tráfico internacional, e se dirigiu às pessoas que querem imigrar de forma ilegal. “Não pague coiotes. Não se coloque em perigo. Se você chegar até aqui, será rapidamente enviado de volta para casa. Enquanto eu for presidente, vamos reforças nossas fronteiras.”

O presidente acusou outros países, especialmente a China, de se beneficiarem das regras do comércio global de modo a prejudicar a economia dos EUA e, especialmente, sua classe média. “A Organização Mundial do Comércio precisa de mudanças drásticas”, disse.

“Durante anos, estes abusos [no comércio internacional] foram tolerados, ignorados, ou mesmo estimulados”, denunciou Trump, questionando novamente a globalização.

Segundo ele, o “globalismo” levou os líderes mundiais a ignorarem seus próprios interesses nacionais. “Mas, no que diz respeito aos Estados Unidos, esses dias acabaram”, frisou.

Trump destacou os baixos números de desemprego e a queda da pobreza nos EUA durante seu governo, e que negros e hispânicos também se beneficiaram.

Ainda ao falar da China, citou a situação em Hong Kong, onde manifestantes protestam contra medidas do governo central, em Pequim. “A forma como a China lidará com essa situação dirá muito sobre seu papel no mundo no futuro.”

Houve ainda ataques ao Irã, chamado de país sanguinário e principal financiador do terrorismo. “Todas as nações têm o dever de agir. Nenhum governo responsável deveria subsidiar o desejo de sangue do Irã.”

A Venezuela também foi citada. O ditador Nicolás Maduro foi chamado de “marionete cubana, protegido por seguranças cubanos”.

O presidente atacou o socialismo e disse que esse modelo jamais terá espaço nos EUA. “A Venezuela nos lembra de que o socialismo e o comunismo não se tratam de justiça, não versam sobre igualdade, nem sobre a ajuda aos pobres (…) O socialismo e o comunismo tratam de uma única coisa: do poder da classe dirigente”, completou.

Apesar dos ataques a vários países, Trump disse que seu país, apesar de ter a maior força militar do mundo, prefere que seja melhor não utilizá-la, e que “busca parceiros, não adversários”.

Ao final do discurso, o presidente defendeu os direitos LGBT e disse que os EUA trabalham para que outros países descriminalizem a homossexualidade. Ele também defendeu a igualdade de pagamento entre homens e mulheres e a liberdade religiosa.

Trump não citou o Brasil em seu discurso. Ele falou logo após a participação do presidente Jair Bolsonaro. O líder brasileiro também fez críticas à ONGs e ao socialismo em sua participação.

Folha de São Paulo

 

Em recorde negativo, salário mínimo na Venezuela vale menos de R$12

Inflação faz salário mínimo comprar quase nada na Venezuela. Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins/16-08-18

O salário mínimo da Venezuela chegou ao valor mais baixo da história nesta terça-feira e, segundo a cotação cambial oficial de hoje, equivale a US$ 2,76 (cerca de R$ 11,15), uma marca que coincide com o aniversário de um ano do plano de recuperação econômica proposto pelo governo para enfrentar a crise.

Segundo o câmbio oficial estabelecido pelo Banco Central da Venezuela, um dólar era negociado hoje a 14.843,54 bolívares soberanos. A desvalorização em relação à moeda americana só cresceu desde o início do ano.

Com os 40.000 bolívares de salário mensal equivalendo a menos de US$ 3, os venezuelanos estão abaixo da linha da miséria estabelecida pela ONU, que afirma que os que recebem menos de US$ 1,90 por dia vivem em situação de extrema pobreza.

Salário venezuelano compra uma caixa de ovos

Em agosto do ano passado, quando deu início ao plano de recuperação econômica do país, Maduro estabeleceu que o salário mínimo da Venezuela seria equivalente a US$ 30. No entanto, houve uma perda de 90,80% no poder de compra desde então, apesar dos quatro reajustes realizados pelo governo nos últimos 12 meses.

Os venezuelanos conseguem comprar com o atual valor do salário mínimo, com alguma sorte, apenas uma cartela de 30 ovos. A realidade, porém, não é muito diferente da registrada no país há um ano, quando Maduro iniciou a reconversão monetária para cortar cinco zeros do bolívar.

Apesar do agravamento da crise, o chavismo não deu sinais de novos reajustes salariais nos próximos meses e sequer fala sobre o chamado “plano de recuperação e prosperidade econômica” que, entre outros objetivos, também previa combater a escassez de dinheiro em espécie no mercado.

Notas de pequeno valor nem circulam mais

As notas de menor, porém, valor já pararam de circular. Com a hiperinflação vivida no país – alta de 1.579,2% desde o início do ano -, os venezuelanos já não conseguem fazer compras com as notas de 2, 5, 10, 20 e 50 bolívares soberanos. O valor delas é quase tão nulo como as que saíram de circulação no ano passado.

Por esse motivo, o Banco Central da Venezuela anunciou em junho a criação de três novas novas notas — 10.000, 20.000 e 50.000 bolívares, equivalentes a US$ 0,69, US$ 1,38 e US$ 3,45, respectivamente.

As medidas adotadas à época também incluíram uma modificação do sistema de compra e venda de divisas no país. No entanto, o novo mecanismo falhou em combater o mercado paralelo de negociação de dólares na Venezuela.

Controle de preços não durou

O controle de preços, estratégia reciclada pelo governo em várias ocasiões, fazia parte do programa de junho, mas a medida durou apenas algumas semanas. Maduro também chegou a anunciar um aumento dos preços da gasolina, o que nunca ocorreu.

A gasolina na Venezuela custa 0,00001 ou 0,00006 bolívares por litro, dependendo da octanagem. No entanto, como as notas de valor mais baixo estão fora de circulação, os venezuelanos costumam pagar com 100 ou 200 bolívares pelo combustível.

R7, com EFE

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João grandão disse:

    Porque só falamos da Venezuela e nunca de Uganda, Haiti, Peru, Guiana Francesa e tantos outros países que têm inúmeros problemas?
    Já pensaram nisso alguma vez?

    • Orvalho de Cavalo disse:

      Dos que vc listou, Peru vai muito bem com suas politicas liberais. A Guiiana com seus fundos vindos da França. Agora a Venezula tá virando um problema que já afeta cidades brasileiras, especialmente com índios Waraos mendigando. Já tem em Fortaleza. Logo veremo-os na Prudente ou Salgado Filho.

    • Getúlio disse:

      Será porquê os mandatário do poder de lá são irmãos siameses da esquerdalha do Brasil, logo, tem o mesmo modo operandi.

  2. Arnaldo Franco disse:

    Isso seria o Brasil amanhã se o povo não tivesse acordado e chutado o PT do poder.

  3. LINDOLFO disse:

    TODOS TERRIVELMENTE IGUALADOS NA MISÉRIA – FORMA MUNDIAL CONHECIDA COMO RESULTADO DOS DIVERSOS SISTEMAS QUE PREGAM A IGUALDADE SOCIAL, TENHA ELE O NOME QUE TIVER.

    • Rick disse:

      Todos não. A classe de burocratas vive nababescamente. São os boliburgueses e enchufados.
      Socialismo é feito para isso. Não venham dizer que deturparam Marx.

  4. Bita disse:

    Imagina os servidores das províncias. Tem que mandar a sindicalista do cabelo vermelho resolver a situação. Acho que uma greve de 100 dias resolve kkkk

Estados Unidos bloqueiam todos os ativos da Venezuela

Foto: Alan Santos /PR

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou o congelamento de todos os ativos da Venezuela em solo americano. A medida se soma a uma série de punições já aplicadas ao governo do presidente Nicolás Maduro, considerado ilegítimo por Washington.

Em carta enviada à líder da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, Trump disse que adotou a medida em razão da “contínua usurpação de poder” por Maduro e abusos contra os direitos humanos cometidas por forças de segurança leais a ele.

O bloqueio afeta “todos os ativos e interesses em propriedade do governo da Venezuela nos Estados Unidos”, diz a ordem, acrescentando que esses bens “não podem ser transferidos, pagos, exportados, retirados ou manejados”.

Transações com autoridades venezuelanas cujos ativos estão bloqueados também estão proibidas.

Fica vetada a entrega ou recebimento de “qualquer contribuição ou provisão de fundos, bens ou serviços por ou para o benefício de qualquer pessoa cujas propriedades e interesses estejam bloqueados sob esta ordem”.

A medida, porém, exclui “transações relacionadas ao fornecimento de artigos como roupas e medicamentos destinados a ajudar no alívio do sofrimento humano”.

Segundo o Wall Street Journal, a medida foi a primeira dessa magnitude adotada contra um país ocidental em mais de 30 anos, com restrições semelhantes às impostas aos regimes da Coreia do Norte, Irã, Síria e Cuba.

Retaliações

Apesar de poupar o setor privado venezuelano, o bloqueio ameaça com possíveis retaliações do governo americano as entidades estrangeiras que fizerem negócios com a Venezuela.
A ordem, que ficou pouco distante de ser um embargo comercial, se tornou a ação mais decisiva do governo Trump contra o regime de Maduro desde que Washington reconheceu o opositor Juan Guaidó como presidente interino do país, em janeiro deste ano.

Nos últimos dois anos, a Casa Branca vem impondo uma série de sanções contra o governo de Maduro, entre estas, restrições ao comércio de petróleo bruto – a maior fonte de renda do país – através da estatal venezuelana PDVSA. As sanções sobre o comércio de petróleo aceleraram o colapso da produção nacional, iniciado após a eleição de Maduro, em 2013.

As medidas também punem funcionários, familiares e pessoas próximas ao governo venezuelano. Mais de 100 autoridades e indivíduos tiveram seus bens congelados nos EUA e foram proibidos de realizar negócios nos país. Até mesmo um filho e enteados de Maduro também foram alvo de punições.

Guaidó, reconhecido como presidente interino por cerca de 50 países, disse – através do Twitter – que o bloqueio americano “busca proteger os venezuelanos” da “ditadura” de
Maduro, que, segundo diz, se sustenta com “dinheiro saqueado da República”.

“Essa ação é consequência da arrogância de uma usurpação inviável e indolente. Aqueles que a apoiam, beneficiando-se da fome e da dor dos venezuelanos, devem saber que haverá consequências”, disse o líder opositor.

Bloqueio ou uma quarentena à Venezuela

Na semana passada, Trump confirmou que cogita impor um bloqueio ou uma quarentena à Venezuela para pressionar Maduro a deixar o poder. A jornalistas reunidos nos jardins da Casa Branca, ele disse que ambas as hipóteses estão sendo avaliadas.

“O senhor está considerando um bloqueio ou quarentena à Venezuela, diante do grau de envolvimento da Rússia, China e Irã?”, perguntou o jornalista. “Sim, estou”, respondeu Trump. “Sim, estou”, repetiu, sem dar mais detalhes.

“Estamos preparados para qualquer batalha. Este Mar do Caribe é da Venezuela, e o império americano pretende fazer uma quarentena naval da Venezuela. Repudiamos fortemente essa nova tentativa de ameaça”, respondeu Maduro.

O líder venezuelano afirmou ainda que pediu ao embaixador do país na Oreganização das Nações Unidas (ONU), Samuel Moncada, que denuncie essa “ameaça ilegal” ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Apesar da grave recessão, sanções internacionais e dos protestos em massa realizados no país, Maduro vem conseguindo se manter no poder com o apoio das Forças Armadas. Durante seu governo, o país, que possui uma das maiores reservas de petróleo do mundo, caiu na pior crise econômica de sua história.

Segundo a ONU, em torno de 4 milhões de cidadãos emigraram para outros países desde 2015.

Nesta terça-feira, começa em Lima, no Peru, uma conferência de 60 países que buscam uma saída pacífica para a crise política na Venezuela, ainda que sem a presença dos países que apoiam o regime de Maduro. Os EUA prometeram o anúncio de medidas decisivas contra Maduro durante o evento.

Agência Brasil

 

Inflação na Venezuela ultrapassa 1 milhão por cento

Foto: Agência EFE/Miguel Gutierrez/direitos reservados

A inflação na Venezuela ultrapassa mais de 1 milhão por cento, segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Milu de Almeida, conselheira das comunidades pela Venezuela, diz que o povo que ganha um salário mínimo não consegue chegar aos produtos e dá um exemplo: “um litro de leite está em 12 mil [bolívares], e o salario mínimo é de 40 mil”.

Muitos dos comerciantes, como já não confiam no valor da moeda oficial, pedem as trocas comerciais em dólares, “o que é ilegal”, afirmou Milu.

Uma reunião conjunta está sendo realizada hoje (3) em Nova York entre o Grupo de Contato Internacional para a Venezuela e o Grupo de Lima. O objetivo do encontro é contribuir para uma solução pacífica e democrática para a crise no país.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arnaldo Franco disse:

    Mas para o PT e simpatizantes, tá uma maravilha. Queriam até trazer isso para o Brasil.

  2. Ceará-Mundão disse:

    Esse é o Brasil que o PT quer. E o nosso povo já disse não querer. Agradeçamos a Bolsonaro, o único que demonstrou capacidade de vencer esses vagabundos, mesmo com todas as suas limitações.

  3. Lourdes Siqueira disse:

    Cuba está indo para o mesmo caminho. Pessoas fazendo fila para comprar língua de boi.
    Esse era o plano diabólico do molusco presidiário.

  4. Lino disse:

    Lula preso!

    Pra sempre.

    Era esse o modelo que o dezenove dedos queria pro Brasil.

Inflação oficial na Venezuela é de 130.060%

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela — Foto: Venezuelan Presidency / AFP

A Venezuela teve uma inflação de 130.060% em 2018 e uma contração da economia de 47,6% entre 2013 e 2018, informou o Banco Central do país, no primeiro relatório deste tipo nos últimos três anos.

Segundo divulgou o BC na terça-feira (28), a inflação atingiu 274,4% no ano de 2016, foi de 862,6% em 2017 e de 130.060,2% em 2018.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) avaliou que a Venezuela teve uma inflação de 1.370.000% no ano passado. Em 2019, o FMI prevê uma inflação de 10.000.000% na Venezuela.

O BC venezuelano informou ainda que as exportações de petróleo – fonte de 96% da renda do país – caíram para US$ 29,810 bilhões em 2018, contra US$ 85,603 bilhões em 2013 e US$ 71,732 bilhões em 2014, quando houve uma queda nos preços do petróleo que atingiu em cheio os venezuelanos.

Apesar da recuperação dos preços a partir de 2016, uma abrupta queda na produção venezuelana tem impedido a elevação da renda.

Segundo números oficiais, a oferta de petróleo venezuelano, que foi de 3,2 milhões de barris/dia há uma década, caiu para 1,03 milhão em abril passado.

Há três anos, o BC do país deixou de publicar os relatórios, sem justificativa.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Guimarães disse:

    A Gleise presidente do PT foi prestigiar a posse desse traste.

  2. Ceará-Mundão disse:

    Esse é o sonho do PT, transformar o Brasil numa narco-ditadura, como a Venezuela, enquanto se refestelam no fausto, na riqueza, da mesma forma que Maduro e seus comparsas fazem. E o povo recebendo migalhas, esmolas, enquanto passa fome e toda sorte de privações. O PIB da Venezuela, que já foi um país próspero, exemplo na América do Sul, caiu mais de 50% apenas no governo desse ditador Maduro. Mesmo assim, os petistas continuam a defender essa porcaria. E a gente vê malucos por aqui mesmo dizendo toneladas de asneiras na tentativa de defender o indefensável. É até engraçado.

  3. Sergio Dias disse:

    Só………………………………………………………………………………., Viva a Maduro e ao PT que apoia essas aberrações. O partido chibata esse PT.

  4. Petrônio disse:

    Antes achava que a ALIENAÇÃO ERA por falta de informação, hoje vejo que é PROPOSITAL.
    Quer dizer que o caos econômico, inflação, falta de emprego, assassinatos, perseguição a opositores, fome do povo, falta de abastecimento de energia, indústria paralisada e tudo mais que acontece na Venezuela é culpa dos EUA?
    Isso deixou de ser alienação, é idiotice com forte tendência a necrose cerebral sem cura!
    Mas me digam aí, quando a cúpula da esquerda e seus políticos vão tirar férias, descansar, gastar dinheiro, vão para onde mesmo? Que país eles gostam de ir?

  5. Marcos disse:

    Não concordo com nenhuma ditadura, mas os Estados Unidos tem uma grande parcela de culpa!!

    • Netto disse:

      Quase nada de culpa americana. Escassez de produtos se via desde o pico do preço do petróleo. Os EUA, pelo menos até bem recentemente, era ou ou é o país para que a Venezuela mais vende produtos (e de quem mais compra). O que quebrou a Venezuela foi uma série desembestada de expropriações, de bancos, empresas de energia, petróleo, siderurgia, telefonia, terras, imóveis, até supermercados e hotéis. Entregando tudo a partidários, de 'companheiro' roubando e batendo cabeça. Também arrasou a economia com tabelamento de preços, contratos e câmbio, com hordas de coletivos (milicianos) achacando os empreendedores (que, no Brasil, seriam chamados de 'coxinhas'). O grosso das melhores mentes e empreendedores já deu no pé de lá há anos. Engraçado que esquerdista vive botando culpa no flagelo cubano ao embargo americano, mas depois dizem que a miséria da América Latina se deve ao comércio com os EUA. Cuba tem liberdade para comercializar com o resto do Mundo.

    • Severino Carnegie-Rockfeller disse:

      Quer uns culpados externos pela ditadura venezuelana?
      China e Rússia.

  6. Ems disse:

    É tudo culpa dos "Yankees opressores" !!!

  7. #Lula Na Cadeia sempre disse:

    Esse é o país que os ratos PTralhas adoram !!!

    • Victorino disse:

      Adoram construir para os outros, para a massa de manobra, para eles os Estados Unidos, o que eles usam para justificar a politica maldita desses esquerdopatas.

ONU eleva para 5 número de mortos em recentes protestos na Venezuela

FOTO: REUTERS/Ueslei Marcelino/03.05.2019

Pelo menos cinco manifestantes morreram, três deles menores de idade, e 239 ficaram feridos no curso dos protestos na Venezuela após a revolta liderada pelo líder opositor Juan Guaidó, segundo números divulgados nesta sexta-feira (3) em Genebra por uma porta-voz do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH).

Os manifestantes foram mortos a tiros por grupos pró-Governo durante os protestos organizados nos dias 30 de abril e 1 de maio, elevando assim para 49 o número de mortes neste ano, segundo os dados apresentados pela porta-voz do Escritório do ACNUDH Ravina Shamdasani.

Entre as vítimas estão um adolescente de 15 anos morto no estado de Mérida, dois jovens de 16 e 24 anos em Aragua e outros dois de 15 e 27 que faleceram após os protestos organizados no dia 1 de maio na praça de Altamira, em Caracas.

“Seguimos com grande preocupação a situação na Venezuela”, afirmou Shamdasani, lembrando que as autoridades venezuelanas devem garantir “que não se faça uso excessivo da força e que as operações sejam conduzidas por forças de segurança”, em vez de grupos armados sem controle conhecidos como “coletivos”.

A fonte oficial também informou que pelo menos dez jornalistas ficaram feridos quando cobriam os protestos de 1 de maio, cinco deles por arma de fogo.

No entanto, Shamdasani não quis comentar a atual situação do líder opositor Leopoldo López, atualmente abrigado na embaixada da Espanha e para quem foi emitida uma ordem de detenção, depois de no dia 30 de abril ter sido libertado por militares ao comando de Guaidó.

O porta-voz da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Babar Baloch, declarou hoje na mesma entrevista coletiva que López se encontra na embaixada espanhola na condição de “convidado” e não como solicitante de asilo.

Shamdasani mencionou o caso do parlamentar venezuelano Gilber Caro, em paradeiro desconhecido desde 26 de abril, destacando que sua detenção violou sua imunidade parlamentar e as leis internacionais contra os desaparecimentos forçados.

“Preocupa-nos especialmente sua situação, já que ele corre alto risco de ser torturado ou sofrer maus-tratos”, explicou Shamdasani, lembrando que Caro se reuniu em março com representantes do ACNUDH durante uma visita destes ao país para preparar uma possível viagem da alta comissária Michelle Bachelet.

R7, com EFE

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. J. DANTAS disse:

    A ONU não passa de uma grande ONG que não tem poder de resolução alguma. Na Síria não faz nada, imagine na Venezuela… Lamentável!

Mujica tenta explicar declaração sobre Venezuela

Ao jornal uruguaio Búsqueda, José Mujica tentou explicar a declaração de que “não devem ficar na frente dos blindados” ao comentar as cenas de tanques de Nicolás Maduro atropelando manifestantes na Venezuela.

“O que eu disse é que você nunca deve ficar na frente dos tanques porque o condutor pode ser um louco. É preciso levar em consideração que há pessoas neste mundo com um caminhão que atropelam uma multidão. Eu não estou justificando nada, só estou tentando educar as pessoas.”

O ex-presidente acrescentou:

“O que está acontecendo na Venezuela é uma selvageria. Como vou justificar essa selvageria? Até roubaram alguns tanques.”

O Antagonista

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] Mujica tenta explicar declaração sobre Venezuela […]

  2. Teste disse:

    “não devem ficar na frente dos blindados”
    Vai culpar as vítimas?

  3. Sandro disse:

    O pt teve 46 milhões de votos e com a rejeição do Bozo de março de 30% o pt ganha fácil a próxima eleição. A reforma trabalhista ia gerar 17 milhões de empregos, mas gerou 5 milhões de 99 e Uber. Lua está preso e bozo tá solto e não tem um plano parao Brasil.

  4. Potiguar disse:

    BG sou seu fã, neste blog pau que bate em chico, bate em Dr. Francisco, vide as reportagens sobre lula ou bozo. No entanto, gostaria de saber: os argumentos utilizados no seu editorial sobre o episódio do músico morto na ação do exército brasileiro serve para o episódio dos tanques venezuelanos?

  5. Walsul disse:

    Esse gagá acredita até em Lula. Panaca!

  6. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Sei!
    Sendo a favor de ditadura de esquerda tudo pode, tudo é lindo.
    Esse é mais um esquerdopata.

  7. Victorino disse:

    Esse tipo de atitude é aplaudido pela os PeTralhas, afinal é o "Mijada", velho esclerosado, sem noção, então o culpado é o povo, sofrido, passando fome, e não o maldito chamado Maduro, ou melhor, "Podre", que manda jogar tanques de guerra em cima de civis. Quero ver a defesa aqui dos esquerdopatas, alienados e acéfalos, não fazem por que são covardes, simples assim.

  8. paulo disse:

    senil deixou a droga dominar o uruguay

Salário mínimo na Venezuela compra dois hambúrgueres

Na véspera da “Operação Liberdade”, anunciada por Juan Guaidó nesta terça-feira(30 de abril), a ditadura de Nicolás Maduro anunciou o aumento do salário mínimo na Venezuela.

O novo valor é o suficiente para comprar dois (02) hambúrgueres.

O descontentamento na Venezuela e o salário mínimo

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Victorino disse:

    Cadê os defensores do regime do Maduro, os PeTralhas?! Estamos aguardando as defesas, vão dizer que é "gopi", não falam por quê não tem argumentos. O povo na Venezuela desarmados, morrendo nas mãos das melicias do regime maldito e sanguinário do Maduro, admirado pelos os esquerdopatas do Brasil. Vergonha, covardes…

  2. Henrique disse:

    No Brasil o salário minimo é de faz de conta.

  3. Victorino disse:

    Mas infelizmente a esquerda no Brasil aplaude esse tipo de regime maldito, totalitário, ditador, na Venezuela a população, mas quem é ligado ao regime pode andar armado, foi o que se viu hj, as melicias do Maduro armadas, massacrando o povo, e o povo desarmado usando pedras, paus… Era o que esses malditos PeTralhas queriam fazer com o Brasil.

  4. Potiguar disse:

    É um absurdo, com R$ 1,00 é possível encher um tanque de gasolina de um carro.

  5. Ems disse:

    Viva o socialismo !!! Novela todos na pobreza.

FOTO: Guaidó discursa para multidão em Caracas, na Venezuela, e anuncia que a “Operação Liberdade” começou

Foto: REUTERS/Carlos Garcia Rawlins/30.04.2019

Após deixar a manifestação que estava realizando com militares em uma base aérea de Caracas, o líder oposicionista da Venezuela, Juan Guaidó, se pronunciou diante de uma multidão nas ruas da capital do país. As informações são da agência de notícias Reuters.

Em uma foto publicada pela agência, Guaidó aparece discursando com um megafone em cima de um carro, enquanto o que aparentam ser soldados garantem sua segurança na base do veículo. “A Operação Liberdade começou!”, disse o autodeclarado presidente interino. “Vamos permanecer aqui juntos clamando que os militares se juntem a nós”, acrescentou.

No Twitter, Guaidó ainda informou que “os 24 estados do país tomaram esta estrada sem volta. O futuro pertence a nós: o povo e as Forças Armadas unidos pelo fim da usurpação”.

Reuters

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Medeiros disse:

    Iraque, Líbia, Síria, tudo melhorou com a mão do tio Sam

  2. #Lula Na Cadeia sempre disse:

    Os PTralhas choram…..acham que a miserável Venezuela é uma Suíça, adoram a Venezuela os PTralhas, mas assim que podem , viajam para Miami, Paris ou New York

  3. Antonio Turci disse:

    Deus queira que obtenha êxito.