Saúde

PREFEITURA DEFENDE CONTRATAÇÃO E SUSPENDE DE NOVO CONTRATO: empresa forneceria mão de obra para hospital de campanha de Natal

Foto: Anna Alyne Cunha/Inter TV Cabugi

Reportagem do G1-RN nesta sexta-feira(08) destaca que a Prefeitura de Natal rescindiu pela segunda vez o contrato com a empresa T&N Serviços em Saúde LTDA-EPP, contratada para fornecer mão de obra para o Hospital de Campanha de Natal durante o combate à pandemia do novo coronavírus. A decisão foi publicada em uma edição extra do Diário Oficial nessa quinta-feira (7).

“A Secretaria Municipal de Saúde deverá providenciar a imediata contratação de outra empresa para a prestação dos serviços visando o funcionamento do Hospital de Campanha do Município do Natal”, informa o decreto assinado pelo prefeito Álvaro Dias.

Vencedora de uma concorrência para contratação emergencial por meio de dispensa de licitação, a empresa foi contratada no dia 14 de abril, após vencer outras três empresas, ao custo de cerca de R$ 19 milhões – para fornecer mão de obra terceirizada para o hospital de campanha.

Veja todos os detalhes aqui em reportagem completa.

Opinião dos leitores

  1. Esse hospital só vai sair quando for na campanha para governo. Oh negócio enrolado. Deve ser em busca da propina mais robusta.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Está sobrando emprego no Canadá; país enfrenta a maior escassez de mão de obra em 42 anos

TAXA DE DESEMPREGO DO PAÍS ESTÁ ATUALMENTE EM 5,6%, SEU NÍVEL MAIS BAIXO DESDE 1976 (FOTO: CHRISTOPHER FURLONG/GETTY IMAGES)

Magali Dion tem sérios problemas para contratar novos funcionários para a Cerpajo, fazenda que produz soja, milho e vegetais em Saint-Liboire, no leste do Canadá. “Precisamos encontrar mais cinco trabalhadores para operar normalmente”, lamentou ela, ao El País.

A situação de Magali está longe de ser única: enquanto metade do mundo está trabalhando para reduzir sua taxa de desemprego, no Canadá as coisas parecem muito diferentes.

A taxa de desemprego do país atualmente está em 5,6%, seu nível mais baixo desde 1976. E, no ano passado, foram criados 219 mil postos, 1,2% a mais do que nos 12 meses anteriores.

Apesar dos bons indicadores, o Canadá enfrenta um problema: não consegue lidar com a crescente demanda por trabalhadores em alguns setores de sua economia. Ou seja, sobram empregos.

Vagas de trabalho não preenchidas na região da Colúmbia Britânica ou em fábricas de processamento de alimentos no estado de Nova Brunswick se tornaram constantes. Também é comum a dificuldade para encontrar motoristas de caminhões de carga em Manitoba, operadores de instalações elétricas em Saskatchewan e diaristas para plantações em Quebec.

O Canadá precisa de mais trabalhadores para alimentar um economia em plena forma, que acumulou oito anos consecutivos de expansão e deve fechar 2018 com crescimento superior a 2%.

Os problemas para encontrar trabalhadores para preencher vagas se tornaram uma verdadeira dor de cabeça, especialmente para os pequenos e médios empreendedores.

Na semana passada, relatório da Federação de Empresas Independentes do Canadá apresentou números que ilustram uma escassez de mão de obra que não para de crescer. Nos últimos quatro meses, cerca de 430 mil empregos em pequenas e médias empresas não puderam ser preenchidos devido à falta de candidatos.

Em um ano, as vagas não preenchidas aumentaram de 2,9% para 3,3%, segundo dados da federação, que reúne mais de 110 mil empresários.

O estudo também revela os setores mais afetados pela falta de mão de obra: serviços, construção, agricultura e hidrocarbonetos.

Quase quatro em cada dez pequenas e médias empresas canadenses têm problemas em contratar os trabalhadores que precisam, de acordo com um relatório recente do Banco de Desenvolvimento de Negócios do Canadá.

“As pessoas estão se aposentando e não podemos substituir suas habilidades”, afirma Jocelyn Bamford, vice-presidente da Automatic Coating, uma empresa de Ontário especializada em revestimentos de oleoduto.

O salário médio por hora nas vagas disponíveis no Canadá é de cerca de 21 dólares canadenses (R$ 61), segundo dados oficiais. Quebec é um dos estados que mais sofre com escassez de mão de obra. Das 430 mil vagas em todo o Canadá, quase 118 mil estão lá.

Envelhecimento da população

O surto econômico e o envelhecimento da população estão por trás dessa crescente escassez de mão de obra. De acordo com o El País, as soluções propostas pelos especialistas do mercado de trabalho incluem a melhoria dos salários e, acima de tudo, incentivo à imigração.

Em novembro de 2017, o governo de Justin Trudeau anunciou um plano de três anos para aumentar a chegada de trabalhadores estrangeiros: de acordo com o planejado, este ano o Canadá deve receber mais de 300 mil pessoas. Em 2019, serão 330 mil, e em 2020, 340 mil. Paralelamente, vários programas para a atração de trabalhadores temporários são mantidos. Em 2017, o país emitiu 286 mil vistos desse tipo.

Época Negócios

 

Opinião dos leitores

  1. BG você saber a onde agente se escreve tenho categoria (ae)até carreta e tenho experiência comprovada em carteira ass:Fabiano Barbosa

  2. Mesmo sendo um pais lindo, rico, justo, com altos índices de desenvolvimento humano poucas pessoas querem ir morar lá. se fosse o Brasil?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Mais uma ação é impetrada e licitação para contratação de mão de obra da SME é novamente suspensa

O Blog do BG noticiou na manhã da última quinta-feira (7), feriado de Corpus Christi, a publicação de três contratos emergenciais com dispensa de licitação feitos pela Secretaria Municipal de Educação (SME) para locação de mão-de-obra, que juntos somam mais de R$ 2,7 milhões.

No mesmo dia, o secretário Walter Fonseca, titular da SME, contou que o objeto da contratação foi mão-de-obra necessária ao funcionamento das escolas de Natal como merendeiras, auxiliares de merenda, porteiros e assistentes de serviços gerais em função de decisões judiciais que atrapalharam o andamento de um processo licitatório deflagrado desde o final do ano passado.

Na mesma notícia, Walter Fonseca, o secretário informou que o processo licitatório de mão de obra terceirizada teria continuidade nesta semana por causa do fim das ações, mas não será. O titular da pasta disse, por meio de uma nota de esclarecimeto, que foi surpreendido na última sexta-feira (8), com uma nova a Interposição Judicial de Embargos de Declaração. Dessa vez impetrado pela empresa  Interbrasil Representação e Serviços de Mão de Obra LTDA., junto ao processo Nº 0111792-07.2012.8.20.0001, o que, mais uma vez, suspende a licitação em curso.

Confira a nota na íntegra

Conforme declaração do secretário municipal de educação, José Walter da Fonseca, à imprensa na última quinta-feira (07), afirmando que o processo licitatório de mão de obra terceirizada teria continuidade nesta semana que se inicia, o titular da pasta foi surpreendido na última sexta-feira (08), com INTERPOSIÇÃO JUDICIAL DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO da empresa  INTERBRASIL REPRESENTAÇÃO E SERVIÇOS DE MÃO DE OBRA LTDA, junto ao processo Nº 0111792-07.2012.8.20.0001

É importante destacar que por se tratar de embargos de declaração, o referido processo licitatório, mais uma vez, encontra-se suspenso, até que o magistrado responsável pelo julgamento do embargo se posicione. Esse processo tramita na 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal.

Vale salientar que já existe uma licitação deflagrada desde o final do ano passado, mas em decorrência de um recurso interposto por uma das empresas participantes, o certame foi suspenso.

No início de 2012, quando a SME esperava dar continuidade na tramitação do processo, a Justiça Estadual  por meio de liminar, suspendeu o pleito.

Com a responsabilidade de dar continuidade às atividades na rede municipal de educação, a SME abriu no mês de março, um processo emergencial com validade para março e abril. Estando o licitatório ainda suspenso, foi necessária abertura de um novo emergencial, cujos extratos de dispensa e de contrato foram publicados no Diário Oficial do Município de 07 de junho de 2012.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Secretário explica que contratação emergencial com dispensa de licitação foi motivada por recursos judiciais

O Blog do BG noticiou na manhã desta quinta-feira (7) a publicação de três contratos emergenciais com dispensa de licitação feitos pela Secretaria Municipal de Educação (SME) para locação de mão-de-obra, que juntos somam mais de R$ 2,7 milhões.

O secretário Walter Fonseca, titular da SME, contou que o objeto da contratação foi mão-de-obra necessária ao funcionamento das escolas de Natal como merendeiras, auxiliares de merenda, porteiros e assistentes de serviços gerais.

Ele explicou que já existe uma licitação deflagrada desde o final do ano passado, mas que devido a um recurso interposto por uma das empresas participantes, esse processo ficou suspenso. Já no início desse ano, quando se esperava continuar com o processo, foi a fez da Justiça intervir suspendendo mais uma vez o processo licitatório. Para evitar a suspensão das atividades das escolas devido a atividades meio, a SME abriu um processo emergencial ainda no mês de março para cobrir os meses de março e abril. Como não foi possível continuar com o processo suspenso, houve apenas uma espécie de continuidade do contrato emergencial vigente. Mas, o secretário também trouxe boas notícias sobre o processo licitatório suspenso.

“Uma escola não tem como funcionar sem merendeiro e um auxiliar para servir a merenda das crianças, sem um ASG para garantir a limpeza do espaço, sem um porteiro para garantir a segurança dos alunos, professores e outros funcionários. Por isso a gente teve que fazer esse contrato emergencial. Mas essa semana, a gente já teve a autorização para continuar com a licitação e vamos dar continuidade”, explicou.

Os três contratos para terceirização de mão-de-obra para a rede municipal de ensino foram assinados com as empresas Clean Locação de Mãe de Obra LTDA., CM3 Construções e Serviços LTDA. e Límpia Recursos Humanos LTDA. ME. De acordo com o publicado, a dispensa da licitação teve como base no Art. 24, IV, da Lei 8.666/93, também conhecida como “Lei de Licitações”.

De acordo com a lei,  é dispensável a licitação nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

SME assina contratos emergenciais com dispensa de licitação de mais de R$ 2,7 milhões

Está no Diário Oficial do Município (DOM) desta quinta-feira (7). A Secretaria Municipal de Educação (SME) assinou três contratos emergenciais com duração de quatro meses, que juntos, somam exatos R$ 2.777.658,18. O detalhe é que todos foram feitos com dispensa de licitação.

Os três contratos para terceirização de mão-de-obra para a rede municipal de ensino foram assinados com as empresas Clean Locação de Mãe de Obra LTDA., CM3 Construções e Serviços LTDA. e Límpia Recursos Humanos LTDA. ME.

De acordo com o publicado, a dispensa da licitação teve como base no Art. 24, IV, da Lei 8.666/93, também conhecida como “Lei de Licitações”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Você sabe quanto custa a mão de obra de um iPhone?

A visita da rede de TV americana ABC à fábrica da Foxconn, acompanhando uma delegação da Associação pelo Trabalho Justo (FLA, na sigla em inglês), trouxe informações valiosas sobre a fabricação de aparelhos como o iPhone e o iPad.

Entre elas, a de que cada iPhone leva 24 horas para ser construído e que um trabalhador na linha de montagem ganha US$ 1,78 por hora.

Com base nesses dados, o analista Horace Dediu, blogueiro e ex-gerente de desenvolvimento de negócios da Nokia, chegou a algumas conclusões a respeito dos custos de fabricação dos aparelhos.

Ele estimou que cada smartphone da Apple tem um custo de mão de obra entre US$ 12,5 e US$ 30. Os valores são mais altos que estimativas anteriores, que indicavam algo em torno de US$ 8.

O analista acrescenta que esses custos de manufatura são provavelmente muito mais altos que os da concorrência, podendo chegar a 300% mais. O motivo são os intensos testes de design e qualidade a que o iPhone é submetido.

Fonte: Blog Link/Estadão

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *