Empresas recrutam brasileiros para 250 vagas no Canadá

Cidade de Québec, no Canadá. Foto: (Yanis Ourabah/Getty Images)

A agência Québec International vai recrutar brasileiros para 250 vagas na área de tecnologia da informação para nove empresas na região metropolitana de Québec, no Canadá.

As oportunidades são para cargos como de desenvolvedor, analista, administrador de bases de dados, arquiteto tecnológico, engenheiro de software e especialista em inteligência artificial.

Os interessados devem criar um perfil no site Québec na Cabeça e se candidatar para as vagas em francês até o dia 13 de abril. As entrevistas com executivos das empresas canadenses acontecerão nos dias 2 e 3 de maio em São Paulo.

Os candidatos precisam ter diploma técnico ou universitário no setor, experiência de um a nove anos e conhecimento da língua francesa. Não é necessário ter documentos para imigração.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Só não vão se não quiser. Falta de corona é que não é.

  2. Andreilson disse:

    A melhor saída P o Brasil é o aeroporto, com toda certeza!

Passageiro brinca que tem coronavírus e avião faz viagem de 1.600 km de volta ao Canadá

Foto: Daniel Slim/AFP

Um avião da WestJet que partia de Toronto, no Canadá, para Montego Bay, na Jamaica, foi forçado a dar a volta após um homem declarar que havia contraído o coronavírus. O piloto fez uma viagem de mais de 1.600 km para voltar à origem.

O passageiro disse que tinha feito uma viagem recente à China, segundo reportagem do site Business Insider. Assim que James Potok, 28, falou que tinha contraído a doença em voz alta, a tripulação do avião imediatamente tomou todas as precauções necessárias.

Ao chegar da viagem de retorno a Toronto, Potok foi examinado e foi constatado que ele não tinha sintomas da doença. O canadense foi acusado de crime contra a propriedade e vai responder à Justiça.

Segundo informações do site FlightRadar24, o avião iniciou o retorno próximo a Jacksonville, na Florida, após duas horas de voo.

A polícia do Canadá divulgou um comunicado na segunda-feira (3) anunciando que Potok informou no meio do voo que havia contraído um vírus mortal, “que matou, ao menos, 426 pessoas, e contaminou mais de 20 mil pessoas”.

A WestJet divulgou um comunicado pedindo desculpas pelo ocorrido, mas informou que a tripulação apenas seguiu os procedimentos corretos relacionados a casos de doenças infecciosas. O homem foi isolado no voo e o piloto decidiu cancelar a rota.

Para atender os cerca de 200 passageiros do avião, outro voo foi disponibilizado pela companhia para a Jamaica, segundo informou a AFP.

O Canadá registrou cinco casos de coronavirus, três em Toronto e dois em Vancouver. Pelo menos, 62 voos no Canadá com destino a China foram cancelados.

F5 – Folha de SP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Barbosa disse:

    Imbecil. Brincadeira tem hora e lugar.
    Vai se ferrar

  2. Silva disse:

    Que fdp !!! Kkkkkkk

Canadá busca brasileiros para trabalhar e estudar em Québec; mais de 300 oportunidades

Foto: (Thinkstock/Thinkstock)

A agência Québec Internacional quer preencher 297 vagas de emprego e cinco bolsas de estudo em diferentes áreas de pesquisa e busca brasileiros interessados em morar na região canadense.

Para os profissionais, a agência tem oportunidades em 14 empresas das áreas de manufatura, saúde, tecnologia da informação e usinagem. É necessário ter experiência profissional anterior no segmento e conhecimento do idioma francês.

Os contratados poderão pleitear residência permanente no Canadá após um ano de trabalho.

Os estudantes podem tentar as bolsas para programas de mestrado e doutorado na UQAR (Université du Québec à Rimouski), uma das mais renomadas instituições de pesquisa do país.

As áreas de pesquisa são biologia, geografia, oceanografia e química. Para pleitear as bolsas de até 21 mil dólares canadenses, é preciso ter nível intermediário a avançado de francês e também de inglês.

As inscrições ficam abertas até o dia 20 de janeiro de 2020 pelo site Québec na Cabeça. Os candidatos precisam completar o cadastro de seu perfil com suas qualificações. (LEIA TEXTO NA ÍNTEGRA AQUI E ACESSE LINKS).

As entrevistas acontecerão de 10 a 21 de fevereiro, via Skype com recrutadores das empresas e gestores da universidade. Não é preciso apresentar documentos de imigração para participar do processo.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Davi disse:

    Querem nada, o que querem é reclamar da reforma previdênciaria, trabalhista, endurecimento de leis proposta por moro, e outras reformas q estão por vir. Lá se ganha dinheiro, mas tem q trabalhar e são exigentes, diferente do Brasil.

    • Sid disse:

      Perfeito o seu comentário.
      É exatamente isso, os brasileiros (nem todos) querem ganhar dinheiro mas não querem trabalhar, querem vida boa, mas não procura estudar ou se profissionalizar para trabalhar e ganhar dinheiro, através de esforço e dedicação.

FOTOS: Ex-É o Tchan, Jacaré vive no Canadá desde 2016 e aparece vestido de policial

Fotos: Reprodução/Instagram

Vivendo no Canadá desde 2016, Edson Cardoso, o ex-dançarino Jacaré do grupo É o tchan, reapareceu nesta sexta-feira num registro publicado pela mulher, Gabriela Mesquita. Na foto, o eterno dançarino baiano aparece vestido de policial e na rua. “Um cara que estou pegando, escreveu ele na legenda”.

Assim que chegou no Canadá, Jacaré começou a trabalhar numa agência de intercâmbio, ajudando brasileiros que têm vontade de morar no exterior. Já a mulher dele se formou no início deste ano no curso de Gestão de Financeira.

Eles vivem no país com os dois filhos do casal, de 7 e 4 anos. O ex-dançarino, que integrou o elenco da “Turma do Didi” na década de 2000, hoje está com 47 anos.

Extra – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Soares disse:

    Saúde e sucesso, parecia um cara muito gente boa

Universidade no Canadá oferece bolsas de estudo para brasileiros

Foto: (Marc Bruxelle/Thinkstock)

A University Canada West, uma universidade privada localizada no centro de Vancouver, na província de British Columbia no Canadá, está recebendo inscrições para o Americas Bursary.

Trata-se de um apoio financeiro aplicado automaticamente a alunos de países do continente americano que se matricularem em alguns de seus programas de graduação ou mestrado. As inscrições vão até dezembro.

As bolsas oferecem desconto de até 60% nas tuition fees dos cursos contemplados. No caso dos programas de graduação, o valor total do curso, ao longo de quatro anos, cai para 27.840 dólares canadenses — um desconto de mais de 41 mil dólares canadenses ao todo.

O MBA oferecido pela universidade, por sua vez, tem um desconto de cerca de 11 mil dólares canadenses, chegando a um custo de aproximadamente 23 mil dólares canadenses ao longo de dois anos.

O Americas Bursary é válido, no nível de graduação, para os cursos “Bachelor of the Arts in Business Communication” (bacharelado em comunicação de negócios) e “Bachelor of Commerce” (bacharelado em comércio).

O programa de MBA da universidade também é contemplado pela bolsa, no nível de mestrado. Além deles, também entram no programa da University Canada West o programa Associate of Arts (um associate degree oferecido pela universidade) e o MBA Foundation (um curso preparatório para programas de MBA).

Todos os novos alunos brasileiros que se matricularem nos programas mencionados acima receberão automaticamente a bolsa. Ela tem duração igual à do programa, mas sua renovação, ano a ano, depende da manutenção de um bom desempenho acadêmico ao longo do curso.

Como se candidatar às bolsas da University Canada West

Como as bolsas são concedidas automaticamente a novos alunos brasileiros, basta se candidatar ao curso desejado para recebê-las. Para isso, no caso dos programas de graduação, é necessário preencher um formulário de inscrição (disponível neste link) e providenciar cópias do seu histórico acadêmico e certificado de proficiência em inglês.

No caso do MBA, é necessário também enviar, além dos documentos citados acima, um CV atualizado e uma carta de motivação. Nos dois casos, o procedimento pode ser iniciado por meio do site da University Canada West, no qual é possível entrar em contato com um assistente de recrutamento (no menu à direita).

A inscrição deve ser feita até 30 dias antes do início do programa escolhido. Como a próxima edição de cada um deles é em janeiro, as inscrições devem ser feitas até dezembro (a data exata varia conforme o programa).

Este artigo foi originalmente publicado pelo Estudar Fora, portal da Fundação Estudar.

Exame

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Legiões de formados pela "Pátria Educadora" de Dilma Rousseff devem estar serelepes para trocar o Brasil pelo Canadá.

Quer morar fora? Canadá deve conceder 340 mil vistos de residência permanente em 2020

Foto: Eduardo Maia

O Canadá é um dos destinos preferidos de brasileiros que buscam uma vida melhor fora do país, para morar, estudar, investir e fazer negócios. O país seduz por ser multicultural, com pessoas falando inglês sem sotaque, dólar mais barato, educação de qualidade e oportunidades de carreira e desenvolvimento profissional.

O país tem muito a oferecer, mas também tem uma alta exigência na hora de selecionar seus imigrantes. Empresas canadenses buscam profissionais capacitados, e o governo calcula que o Canadá precisará de, no mínimo, 300 mil pessoas todos os anos para manter seu crescimento econômico.

O objetivo é aumentar gradativamente o número de imigrantes no país, e a expectativa é elevar a concessão do chamado P ermanent Residency (PR), o visto de residência permanente, para 341 mil pessoas, em 2020, e 350 mil, em 2021.

A maior dificuldade do brasileiro para se candidatar à imigração está no idioma, a proficiência na língua inglesa deve ser comprovada por meio de testes oficiais, que são a porta de entrada para iniciar seu processo de imigração.

— O que o Canadá faz é uma campanha forte para atrair mão de obra qualificada, uma oportunidade também para os brasileiros — ressalta Ed Santos, consultor de imigração e sócio e cofundador da Canadá Intercâmbio.

De acordo com consultor, o governo canadense analisa seis critérios para conceder o visto: idade, formação acadêmica, experiência profissional, proficiência idiomática, possível oferta de emprego e, conforme o caso, uma vivência prévia no país. A partir disso, são atribuídas notas a esses critérios. No caso da idade, por exemplo, o ideal é ter até 29 anos. Já na formação acadêmica, pessoas com dois diplomas de ensino superior têm preferência.

Ensino

Conseguir uma bolsa de estudos é a porta de entrada para a maioria dos brasileiros que têm a intenção em residir temporariamente no Canadá. Os tipos de cursos disponíveis para estrangeiros vão desde programas de inglês e francês até cursos de ensino superior ministrados em instituições de ensino públicas e privadas.

Para estudar em um programa de ensino superior no Canadá, um estrangeiro precisa geralmente solicitar um visto de estudos chamado “Study Permit” (Permissão de Estudos), que envolve diversas exigências, tais como: comprovação financeira, genuinidade da intenção de estudos, vínculos com o país de origem e histórico de viagens internacionais, entre outros.

Residência permanente

Existem diferentes processos e categorias para solicitar a residência permanente, como o famoso Express Entry, os processos provinciais, como por exemplo o BCPNP (Processo de Imigração da Província da Colúmbia Britânica).

O processo mais procurado por potenciais imigrantes é o Express Entry. O sistema online que atribui uma pontuação aos diferentes detalhes do perfil de um potencial imigrante.

Os fatores que recebem atribuição de pontos são a idade, a proficiência em um dos idiomas oficiais (inglês e/ou francês), os anos de experiência de trabalho qualificado e a formação acadêmica, entre outros. Periodicamente, o governo canadense realiza rodadas de convite aos potenciais imigrantes que têm maior pontuação no sistema do Express Entry.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manuel fernando Augusto disse:

    Estou Interessado pra vive no Canadá

Emprego e residência permanente no Canadá: governo planeja milhares de oportunidades para imigração e reportagem mostra perfil que buscam

Foto: (Thinkstock/Thinkstock)

A estratégia do governo do Canadá para manter seu crescimento econômico é abrir ainda mais as suas portas para profissionais qualificados que desejam emigrar para lá. Segundo informações do relatório Anual do Parlamento Canadense sobre Imigração, obtidas por EXAME, o governo planeja admitir neste ano até 176 mil residentes permanentes pela via de classe econômica, que é a categoria formada por imigrantes que têm competências profissionais necessárias para o país.

Essa modalidade de imigração é feita por sistema implementado em 2015, o Express Entry que leva em consideração seis fatores classificatórios: conhecimento de inglês, experiência profissional, nível de educação, disponibilidade ou oferta de emprego no Canadá e adaptabilidade.

Quem se candidata pelo sistema e está no perfil de pessoas buscadas pelo país recebe um convite, o ITA (invitation to apply) e é direcionado para um dos três programas federais de atração de imigrantes qualificados: Federal Skilled Worker Program (Programa Federal de Trabalhadores Qualificados); Federal Skilled Trades Program (Programa Federal dos Comércios Especializados) e o Canadian Experience Class (Classe de Experiência Canadense). Em 2018, quase 90 mil pessoas receberam o convite.

Além das iniciativas federais, o sistema de pontuação do Express Entry também é base para alguns dos programas provinciais de imigração. Em algumas regiões com maior necessidade de mão-de-obra, os imigrantes que têm oferta de emprego conseguem acelerar o processo de obtenção da residência permanente.

Nas províncias atlânticas (costa leste), por exemplo, o Atlantic Immigration Pilot Program (Projeto Piloto de Imigração do Atlântico) permite que o imigrante que tenha proposta de trabalho em empresas participantes dessa iniciativa da província se candidate imediatamente à residência permanente, sem ter que esperar o prazo de um ano, que é a regra geral do processo.

“As províncias têm liberdade de eleger candidatos de acordo com o perfil que eles decidem, mas sempre exigem que tenha oferta de emprego para conseguir isso. Os programas provinciais são ótimos para quem já está no Canadá”, diz Ed Santos, consultor de imigração e co-fundador da Canadá Intercâmbio, maior agência de intercâmbio entre Brasil e Canadá. Neste mês de setembro, a sua agência promove a ExpoCanada em várias cidades brasileiras entre os dias 10 e 24 de setembro.

As oportunidades no Canadá existem, mas há desafios na mesma proporção, garante o consultor e qualquer imigrante que tenha passado pelo processo. Eventos como esse, ajudam a entender o tamanho da dedicação exigida a um projeto de imigração. “De 3,5 mil pessoas que eu vi emigrarem, umas quatro saíram do Brasil já empregadas”, diz Santos.

O primeiro ponto é que uma oferta de emprego no Canadá está, quase sempre, atrelada a um projeto de estudo no país, que demanda investimento financeiro e, para muitos brasileiros, um reforço no nível de inglês. Pelos últimos 14 anos, o Canadá tem sido o destino número um dos brasileiros para estudar inglês. De 2010 para cá, o número de vistos de estudo quadruplicou. Em 31 de dezembro de 2018, o governo contou exatamente 13.835 brasileiros com visto de estudante no país.

O próprio governo do Canadá promove neste e no próximo mês a feira oficial de estudos no país, a EduCanada, de 19 de setembro a 4 de outubro. O objetivo do Canadá é recrutar estudantes não só para programas de idioma, como também para ensino médio, graduação, pós-graduação, e MBA.

Tanto na ExpoCanadá quando na EduCanadá, as instituições participantes apresentarão a chance de entrada no mercado de trabalho canadense como um dos grandes atrativos para os brasileiros.

O perfil de imigrante qualificado mais valorizado

O perfil de quem consegue o convite para começar a obtenção da residência permanente indica qual o currículo mais valorizado para fins de imigração: a maioria dos ITAs foi emitida para candidatos entre 20 e 29 anos de idade e para quem tem curso tecnólogo de três ou mais ou diploma profissional com prática, segundo o relatório anual de imigração.

As profissões ligadas a tecnologia, desenvolvimento e engenharia de software, programação, mídia interativa, análise de sistemas se destacam entre os profissionais que receberam o ITA. Mas cozinheiros, profissionais da área de alimentação e hospitalidade e professores universitários também são valorizados no mercado canadense e aparecem entre as profissões mais quentes para imigrantes.

Indianos são maioria entre os imigrantes que recebem ITA. Em 2018, foram 41,6 mil imigrantes da Índia, alta de 15% em relação a 2017. A China vem em seguida com 6,248, número 16% menos do que em 2017. Para brasileiros, a tendência é de alta, mas os números são ainda modestos: 1.840 em 2018, alta de 9% na comparação com o ano anterior. “A maior parte são brasileiros que já estão no Canadá, que estão estudando, fazendo college”, diz Ed Santos.

Para os profissionais já graduados no Brasil e que desejam fazer uma transição de carreira para viver no Canadá o caminho mais rápido até o emprego de qualidade elegível para a residência permanente passa por um pedágio de formação técnica em colleges, nome usado para denominar as escolas técnicas do Canadá. “O college é a melhor maneira de se inserir no mercado de trabalho, custa quatro vezes menos do que uma universidade e a formatura é duas vezes mais rápida do que em uma universidade”, diz Santos.

São 135 escolas técnicas públicas espalhadas em mais de mil campi pelo Canadá (entre colleges, institutos, epolitécnicas) e segundo o Council of Ministers of Education, a taxa de empregabilidade dessas escolas é de 95%. No país, são oferecidos mais 8 mil programas técnicos de formação.

As estatísticas de empregabilidade de colleges se confirmam mesmo em regiões com mercado de trabalho menos efervescente como nas regiões de Ontario e British Columbia.

Na Holland College, da pequena província de Prince Edward Island na costa leste, a diretora de negócios internacionais Gaylene Carragher contou a EXAME que 96% dos alunos da instituição conseguem emprego em até um ano de formatura.

“Uma das coisas interessantes dos programas é que os estudantes aprendem trabalhando. O fato de ter que trabalhar é uma ótima oportunidade para fazer contatos. É como uma longa entrevista de emprego. O empregador não vai deixar passar alguém que está fazendo um ótimo trabalho”, explica.

Para compensar o desafio maior do mercado de trabalho de regiões como as províncias atlânticas, iniciativas como o programa Atlantic Canada Study and Stay tentam conectar estudantes do último ano de seus cursos em escolas técnicas ou em universidades a empresas na região que conta com as províncias de Nova Escócia, New Brunswick, Newfoundland e Prince Edward Island.

“Encontrar emprego é mais fácil quando você conhece as pessoas”, diz a estudante brasileira Samantha Figueira recém-formada no curso de design gráfico da Holland College, em busca de vaga de trabalho em Prince Edward Island. A sua profissão também aparece entre as mais frequentes entre os imigrantes que recebem o ITA.

Programas nos moldes do Atlantic Canada Study and Stay tentam solucionar justamente a questão apontada por Samantha: o networking. Estabalecer a rede de contatos é um desafio para os estrangeiros, e a iniciativa busca atrair mais pessoas também para regiões menos conhecidas e visadas do Canadá. Em 2018, 64% dos pedidos de residência permanente foram feitos na região de Ontario, 18% em British Columbia e 7% em Alberta. Juntas, as províncias do Atlântico não chegam a 5%.

Exame

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. cristian freitas disse:

    vou logo adiantar que não é essa facilidade toda.
    eu e minha esposa gastamos uns 10 mil reais com provas de ingles, documentação, consultoria e não conseguimos nada.
    O canadá está abarrotado de candidatos qualificados. A ÚNICA maneira de ir pra lá é pagar uma faculdade pra um dos dois e o outro ir trabalhar, só tem essa maneira!

    • Marcelo disse:

      Concordo com vc, a qualificação é necessária, estou no canada a 03 anos e com convite para um contrato de mais 10 anos.
      Mas somente para os melhores.

Brasil dispensa visto para turistas dos EUA, Canadá, Japão e Austrália

O decreto do presidente Jair Bolsonaro que dispensa visto de entrada no Brasil para turistas dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União nesta segunda-feira. A medida entra em vigor a partir do dia 17 de junho. Bolsonaro está nos Estados Unidos em visita oficial.

De acordo com o texto, os turistas dos quatro países poderão permanecer no Brasil por um prazo de 90 dias, prorrogável por igual período, desde que não ultrapasse 180 dias em um ano.

O decreto é assinado também pelos ministros Sergio Moro (Justiça), Ernesto Araújo ( Relações Exteriores) e Marcelo Henrique Teixeira Dias ( Turismo).

Os mesmos países escolhidos pelo governo Bolsonaro já haviam sido isentos da necessidade de visto para a Olimpíada Rio-2016, temporariamente.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Djalma disse:

    A recíproca será verdadeira?

    • Natanael disse:

      Evidentemente que não Djalma. Se os EUA abrir a entrada de brasileiro sem visto, toda essa turma que critica o capitalismo e defende as leis trabalhistas, vão correr imediatamente para o mercado americano, que não tem lei trabalhista e toda esquerda caviar vai passar meses de férias, usufruindo de tudo que teve direito em suas contas bancárias.
      Mas o MST, TMST, classe D e E vão continuar por aqui lutando por espaço que não conseguiram, mesmo depois de 13 anos da esquerda no poder. Entendeu?

Está sobrando emprego no Canadá; país enfrenta a maior escassez de mão de obra em 42 anos

TAXA DE DESEMPREGO DO PAÍS ESTÁ ATUALMENTE EM 5,6%, SEU NÍVEL MAIS BAIXO DESDE 1976 (FOTO: CHRISTOPHER FURLONG/GETTY IMAGES)

Magali Dion tem sérios problemas para contratar novos funcionários para a Cerpajo, fazenda que produz soja, milho e vegetais em Saint-Liboire, no leste do Canadá. “Precisamos encontrar mais cinco trabalhadores para operar normalmente”, lamentou ela, ao El País.

A situação de Magali está longe de ser única: enquanto metade do mundo está trabalhando para reduzir sua taxa de desemprego, no Canadá as coisas parecem muito diferentes.

A taxa de desemprego do país atualmente está em 5,6%, seu nível mais baixo desde 1976. E, no ano passado, foram criados 219 mil postos, 1,2% a mais do que nos 12 meses anteriores.

Apesar dos bons indicadores, o Canadá enfrenta um problema: não consegue lidar com a crescente demanda por trabalhadores em alguns setores de sua economia. Ou seja, sobram empregos.

Vagas de trabalho não preenchidas na região da Colúmbia Britânica ou em fábricas de processamento de alimentos no estado de Nova Brunswick se tornaram constantes. Também é comum a dificuldade para encontrar motoristas de caminhões de carga em Manitoba, operadores de instalações elétricas em Saskatchewan e diaristas para plantações em Quebec.

O Canadá precisa de mais trabalhadores para alimentar um economia em plena forma, que acumulou oito anos consecutivos de expansão e deve fechar 2018 com crescimento superior a 2%.

Os problemas para encontrar trabalhadores para preencher vagas se tornaram uma verdadeira dor de cabeça, especialmente para os pequenos e médios empreendedores.

Na semana passada, relatório da Federação de Empresas Independentes do Canadá apresentou números que ilustram uma escassez de mão de obra que não para de crescer. Nos últimos quatro meses, cerca de 430 mil empregos em pequenas e médias empresas não puderam ser preenchidos devido à falta de candidatos.

Em um ano, as vagas não preenchidas aumentaram de 2,9% para 3,3%, segundo dados da federação, que reúne mais de 110 mil empresários.

O estudo também revela os setores mais afetados pela falta de mão de obra: serviços, construção, agricultura e hidrocarbonetos.

Quase quatro em cada dez pequenas e médias empresas canadenses têm problemas em contratar os trabalhadores que precisam, de acordo com um relatório recente do Banco de Desenvolvimento de Negócios do Canadá.

“As pessoas estão se aposentando e não podemos substituir suas habilidades”, afirma Jocelyn Bamford, vice-presidente da Automatic Coating, uma empresa de Ontário especializada em revestimentos de oleoduto.

O salário médio por hora nas vagas disponíveis no Canadá é de cerca de 21 dólares canadenses (R$ 61), segundo dados oficiais. Quebec é um dos estados que mais sofre com escassez de mão de obra. Das 430 mil vagas em todo o Canadá, quase 118 mil estão lá.

Envelhecimento da população

O surto econômico e o envelhecimento da população estão por trás dessa crescente escassez de mão de obra. De acordo com o El País, as soluções propostas pelos especialistas do mercado de trabalho incluem a melhoria dos salários e, acima de tudo, incentivo à imigração.

Em novembro de 2017, o governo de Justin Trudeau anunciou um plano de três anos para aumentar a chegada de trabalhadores estrangeiros: de acordo com o planejado, este ano o Canadá deve receber mais de 300 mil pessoas. Em 2019, serão 330 mil, e em 2020, 340 mil. Paralelamente, vários programas para a atração de trabalhadores temporários são mantidos. Em 2017, o país emitiu 286 mil vistos desse tipo.

Época Negócios

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fabiano Barbosa Andrade dos Santos disse:

    BG você saber a onde agente se escreve tenho categoria (ae)até carreta e tenho experiência comprovada em carteira ass:Fabiano Barbosa

  2. Chico disse:

    Mesmo sendo um pais lindo, rico, justo, com altos índices de desenvolvimento humano poucas pessoas querem ir morar lá. se fosse o Brasil?

Canadá legaliza maconha para uso recreativo

O Canadá legalizou a partir desta quarta-feira(17) o uso recreativo da maconha. Pela lei, os canadenses podem comprar e cultivar. A discussão se estende no país há dois anos e integrou a plataforma de campanha eleitoral do primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, em 2015.

Reuters/Chris Wattie/Direitos Reservados

Desde 2001, o uso da maconha era autorizado para fins medicinais. O Senado do Canadá aprovou a legalização do uso recreativo da maconha em junho.

Pelas normas, os canadenses precisam ter 18 anos para comprar maconha. Porém, há províncias que elevaram a exigência da idade para 21 anos, como Quebec. Não é autorizado fumar em locais públicos.

É permitido o porte de até 30 gramas por pessoa e o cultivo de quatro plantas em casa. Em algumas províncias, há limites para o lucro, como Newfoundland, que fixou em 8% o total.

O Canadá se tornou o segundo país do mundo a legalizar o uso da maconha para fins recreativos, depois do Uruguai, que adotou a medida em 2013.

*Com informações da DW, agência pública de notícias da Alemanha

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. romero cezar da camara disse:

    Não tô entendendo, nos EUA vários estados já aprovaram o uso recreativo da maconha, ai vem um que quer o Brasil no primeiro mundo e fala desses países. O Canadá é um dos países onde seu povo vive mais feliz no mundo.

  2. Mimion Abduzido disse:

    Esses petralhas do primeiro mundo.
    Bando de vagabundos.

    • Marcelo disse:

      Nós Brasileiros que moramos aqui no Canadá não somos petralhas como ficou claro no primeiro turno das eleições pelo contrário somos de extrema direita, e inclusive torcendo muito para o Jair conseguir a presidência e fazer o que de fato tem que ser feito.

    • Alguém disse:

      Ainda tem brasileiros quem moram no Canadá Porque lá é país de primeiro mundo mas na hora da eleição votam no Bolsonaro, pimenta no bocal alheio é refresco. Quem disco vai entender esse povo… Saiam do Canadá seus Hipócritas, aí só tem esquerdopatas usuários de maconha.

    • Marcelo disse:

      Kkkkkk aqui temos maconha( de qualidade) sim, mas temos a melhor :saúde, educação, segurança, transporte e uma qualidade de vida que ae nunca vai existir.
      Sim e dinheiro digno na carteira sempre.

Bebida de maconha promete se tornar a nova cerveja no Canadá

Por interino

Esqueça aquela velha história de dar duas tragadas e passar o baseado. Os produtores de maconha estão apostando que cada vez mais pessoas vão preferir a maconha na forma de bebida.

A Green Organic Dutchman Holdings planeja criar um centro de teste e fabricação de produtos para explorar o uso de cannabis em vários tipos de bebidas, como chá gelado, sucos e até bebidas esportivas, afirmou a empresa em um comunicado na quarta-feira. Esta é apenas a mais recente das medidas tomadas por produtores de maconha para entrar no setor de bebidas.

O Canadá ainda não aprovou a lei que legalizará algumas formas do uso recreativo de maconha neste ano – inclusive a erva seca para fumar -, mas as empresas já estão disputando uma posição no mercado de bebidas, que poderá render lucros. Embora produtos comestíveis, como balas, bebidas, sorvete e itens assados, continuarão sendo ilegais por pelo menos mais um ano, houve uma “explosão do interesse” neles, e seis de cada dez consumidores provavelmente optarão por consumir produtos comestíveis, segundo um relatório publicado pela Deloitte em 5 de junho.

“Muitos consumidores estão acostumados a consumir entorpecentes na forma de bebidas porque elas são socialmente mais aceitáveis que os cigarros ou vaporizadores”, disse Jason Zandberg, analista da PI Financial em Vancouver, por e-mail. “Acho que as bebidas com cannabis serão uma categoria forte no Canadá quando os produtos comestíveis estiverem legalizados.”

Ameaça

As fabricantes de cerveja e de outras bebidas alcoólicas já perceberam e estão atentas à possível ameaça, disse Charles Taerk, CEO da Faircourt Asset Management em Toronto, em um webinar sobre cannabis em 5 de junho. O mercado combinado dos usos medicinal e recreativo da maconha poderia totalizar 10 bilhões de dólares canadenses (US$ 7,7 bilhões) nos próximos cinco a sete anos, e alguns estudos sugerem que as vendas de bebidas com cannabis superarão as vendas dos refrigerantes tradicionais em lojas de conveniência até 2030, disse ele.

A Green Organic fez sua jogada em meio à especulação de que a produtora com sede em Ontário seja um possível alvo de aquisição. Seu centro de pesquisa abre um caminho para que “fabricantes de bebidas de grande escala” invistam no mercado de maconha diretamente ou por meio de uma joint venture, afirmou a companhia.

A Delta 9 Cannabis, uma produtora com sede em Winnipeg, Manitoba, planeja apresentar na semana que vem sua “Legal Lager”, uma cerveja feita de centeio com sementes de cânhamo que foi criada através de uma parceria com a fabricante de cerveja artesanal Fort Garry Brewing Co. Embora a cerveja não contenha nenhum dos ingredientes psicoativos da maconha, o cânhamo lhe dá um “toque único de frutos secos”, e o plano é criar uma cerveja sem álcool que contenha cannabis quando a regulamentação permitir, disse o CEO da Delta, John Arbuthnot.

“Estamos muito otimistas com o segmento de bebidas”, disse Arbuthnot, em entrevista por telefone. “Nós sentamos e tentamos imaginar onde a cannabis se encaixaria em nossas vidas e como poderíamos garantir sua presença em um jantar familiar, e não parecia ser em um baseado ou em um vaporizador, nem sequer em um brownie.”

Comidas e Bebidas – UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. FULANO disse:

    Se o povo já fica doido quando bebe cerveja normal, imagine bebendo cerveja de maconha…

Quer migrar para o Canadá? País dá palestras gratuitas sobre programa de imigração

canadáO setor de imigração do Consulado do Canadá vai oferecer quatro palestras gratuitas em São Paulo para divulgar um programa de imigração para trabalhadores brasileiros.

Em duas sessões por dia, que serão realizadas dias 8 e 10 de novembro, representantes do governo canadense darão informações sobre as etapas do processo de imigração para trabalhadores e técnicos qualificados, além das qualificações exigidas.

Passo a passo para obter o visto de residência permanente no Canadá

Todas as palestras serão realizadas em inglês, sem tradução, no auditório do Senac Consolação. O tema das sessões será o programa Express Entry, sistema eletrônico do Canadá mais rápido voltado para as solicitações de imigração por meio dos programas para trabalhadores ou técnicos qualificados.

Após as palestras, haverá uma sessão de perguntas e respostas em inglês ou francês, idiomas oficiais do Canadá. Para participar é preciso se inscrever no site do Consulado.

Datas: 8 e 10 de novembro de 2016
Horários: 17h e 19h
Local: Auditório do Senac Consolação
Endereço: Rua Dr. Vila Nova, 228, São Paulo, SP

Veja

 

Psicóloga Katia Nogueira foi a única profissional do NE selecionada para curso de Intervenção com certificado pelo Mind Institute de Montreal, Canadá

IMG-20160629-WA0012A psicóloga, Katia Nogueira, com especialização em neuropsicóloga pelo IPQ-Instituto de Psiquiatria do hospital das clínicas de São Paulo, foi a única profissional do Nordeste selecionada para o curso Intervenção Precoce em Transtornos do Desenvolvimento, ministrado pelo Professor Doutor em Psicologia Thiago Lopes, formador oficial do modelo Denver de atenção a crianças autistas, certificado pelo Mind Institute de Montreal, Canadá.

O curso está sendo realizado na Santa Casa de São Paulo e conta com apenas 5 participantes, selecionados a partir do currículo e da experiência com crianças autistas.2 profissionais da regiao Sul, 1 do Centro Oeste, 1 di Sudeste e Katia Nogueira do Nordeste.

O curso visa a formação do profissional para intervenção precoce em crianças entre 9 meses e 4 anos de idade, a partir do método Aba, Análise do comportamento Aplicado.

Katia Nogueira que atende na clínica Odonto Face, no Tirol atua na área da psicologia/neuropsicologia há mais de 10 anos e tem especialidade na atuação com crianças.

Depois de "Luiza", goleiro Júlio César vai para o Canadá buscando ritmo para Copa

jcFoto: Jefferson Bernardes

A falta de ritmo de jogo de Júlio César, goleiro titular da seleção brasileira, vinha preocupando o técnico Luiz Felipe Scolari. Sabendo disso, o jogador, que está na reserva do Queens Park Rangers, da segunda divisão da Inglaterra, decidiu procurar um novo clube. Foram vários meses de indefinição. Falou-se num retorno ao Brasil ou numa transferência para algum outro grande mercado europeu. Nesta sexta-feira, no entanto, Júlio César surpreendeu a todos ao acertar sua ida para o Toronto FC, clube do Canadá que faz parte da MLS, a liga profissional americana de futebol. O goleiro ainda não sabe quanto tempo vai atuar na liga americana, podendo inclusive deixar o novo clube antes mesmo da Copa do Mundo. O objetivo do atleta é pegar ritmo de jogo justamente para o Mundial. No ano passado, em meio aos questionamentos sobre o status de titular de um goleiro que não tinha espaço em seu clube, Felipão avisou que Júlio já estava convocado, de forma antecipada, para a Copa, uma tentativa de transmitir confiança ao jogador e abafar as especulações sobre uma possível substituição no gol da seleção.

A decisão de deixar o QPR era inevitável diante do desprestígio do brasileiro no time inglês. Preterido pelo técnico Harry Redknapp, o titular da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2010 entrou em campo pela última vez no dia 4 de janeiro, quando seu time foi goleado por 4 a 0 pelo Everton, em duelo válido pela Copa da Liga Inglesa. No Toronto FC, o goleiro certamente será titular. Apesar de estar a caminho de um clube com tradição quase inexistente, ele terá a companhia de outros jogadores com certo prestígio na Europa, como o meia americano Michael Bradley, ex-Roma, e o atacante inglês Jermain Defoe, ex-Tottenham. Na última temporada da MLS, o time canadense foi o último colocado da conferência leste, ficando muito longe de uma vaga nos playoffs da MLS. A estreia do time neste ano será contra o Seattle Sounders, em 15 de março. A transferência, portanto, não ajudará Júlio César a recuperar o ritmo no último teste da seleção antes da convocação para a Copa – o amistoso contra a África do Sul, em 5 de março, em Johannesburgo. Mesmo sem jogar nas últimas semanas, ele deve ser chamado.

Veja

Transexual prepara-se para tentar vencer concurso de miss no Canadá

A transexual Jenna Talackova prepara-se para disputar, de maneira inédita, o concurso de Miss Universo Canadá. Ela, que trocou de sexo há quatro anos, posou para fotos neste sábado em Toronto.

Sua participação no concurso provocou polêmica e ela chegou a ser desclassificada do concurso.

A transexual Jenna Talackova posa para fotos em hotel de Toronto neste sábado (12) (Foto: AP)

Mas a organização da competição, promovida pelo magnata Donald Trump, anunciou na terça-feira (10) que decidiu transexuais poderão participar.

A justificativa é que os homens que mudaram de sexo merecem o mesmo tratamento do que qualquer outra mulher.

A transexual Jenna Talackova posa para fotos em hotel de Toronto neste sábado (12) (Foto: AP)
A Aliança Gay e Lésbica contra a Difamação (GLAAD, sigla em inglês), que lutou pela igualdade de direitos em nome de Jenna, comemorou a notícia.

“A Organização Miss Universo segue as instituições que têm adotado uma postura contra a discriminação das mulheres transexuais”, afirmou o porta-voz da GLAAD, Herndon Graddick.

“Os transexuais ainda têm negado a igualdade de oportunidades em termos de habitação, emprego e saúde. A decisão de hoje está em consonância com o crescente apoio público aos transexuais de todo o país”, acrescentou.

Paula Shugart, presidente da Organização Miss Universo, disse no site da GLAAD: “Temos uma longa história de apoio à igualdade para todas as mulheres, e isso é algo que levamos muito a sério”.

A reversão dessa política de longa data veio após uma campanha de Jenna, de 23 anos, que afirma ter passado pela cirurgia de troca de sexo porque nasceu no “corpo errado”.

Com cabelos loiros, pernas longas e feições delicadas, ela tinha sido selecionada para participar do concurso Miss Universo Canadá, realizado em 19 de maio, mas foi desclassificada no mês passado quando se descobriu que era transexual.

Fonte G1

Fotos: AP

Sabem Luiza do Canadá? Foi parar na prova de um concurso público

A tal Luiza, que estava no Canadá, foi parar numa prova de concurso público em Jaboticabal, São Paulo. Não como candidata, mas sim como tema de uma questão do exame para técnico municipal de nutrição, da prefeitura. Cidade, aliás, bem distante de onde mora a adolescente, que é paraibana.

Os candidatos tinham que acertar justamente o estado onde mora a jovem. Entre as questões de conhecimentos gerais, uma das perguntas (a de número 18) dizia: “Um fato pitoresco que aconteceu, recentemente, nas redes sociais da internet, foi o meme extraído de um filme de publicidade. O meme ‘menos a Luiza, que está no Canadá’, fez tanto sucesso, que a autora do nome, a jovem Luiza, de apenas 17 anos, acabou retornando para o Brasil, depois de inúmeros convites para fazer comerciais. A garota, motivo de toda a reviravolta nas redes sociais, reside em qual estado brasileiro?”. (confira o gabarito).

A prova, aplicada no último dia 29, acabou sendo alvo de comentários nas redes sociais, como o Facebook, no qual os usuários questionavam a relevância de assuntos como este num concurso público. Brincadeira ou não, questões como esta têm histórico nas seleções públicas, afirma o professor de atualidades da Academia de Concurso, Orlando Stiebler. Um caso recente citado por ele foi o da prova para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), no qual os candidatos tiveram que responder o nome do livro de Bruna Surfistinha.

– Como brincadeira, é ótimo. Mas no caso de um concurso público, onde está sendo feita uma triagem do profissional mais qualificado para um cargo, não há espaço para questões banais como esta. Há tanto assunto de atualidades importantes para cair, como a crise econômica, o governo Dilma… – afirma o professor, para quem a cultura midiática esvazia a matéria.

Stiebler explica que, em concurso público, a disciplina de atualidades reúne questões de história, geografia e geopolítica. A prova, aplicada no último dia 29, era composta de 40 questões, divididas entre conhecimentos gerais, conhecimentos específicos e português. Outros itens perguntavam qual é o nome do presidente do Congresso, o número de vereadores de Jaboticabal e quais as funções de um promotor de Justiça.

O Globo