Diversos

Lula vai morar na Bahia em casa alugada de condomínio que vive Emílio Odebrecht, diz blog

Foto: AMANDA PEROBELLI / REUTERS

A casa que Lula alugou em Lauro de Freitas, na Bahia, é no condomínio Busca Vida, o mesmo em que vive Emílio Odebrecht.

Emílio é dono de alguns imóveis no condomínio, que fica na divisa com Camaçari — mas nenhum deles é o que foi alugado ao petista.

Guilherme Amado – Época

Opinião dos leitores

  1. Esse EX-Presidiário agora vi desfrutar dos bilhões que roubou do Erário Brasileiro,em um país sério ainda estaria vendo o sol nascer quadrado,esse Encantador de Imbécis !!!!!!

  2. Tomara que morra por lá.

    Muita ingenuidade do BG acreditar que o Imóvel que ele vai morar não é do Emílio.

  3. É melhor ir morar no Condomínio Vivendas Da Barra Pesada na Tijuca RJ. Lá tudo pode. Até mudar depoimento de porteiro. Lá é bom porque qualquer sargento aposentado pode possuir mansões milionárias e carrões de luxo sem nenhum problema, como também ser amigo, tirar fotos e pescar com o Naro.

    1. Como afundou, Gado?
      Dólar era 2,70,
      Gasolina era 2,90,
      Desemprego 9%,
      Salário mínimo tdo ano tinha aumento além da inflação,
      Brasil era a sétima economia do mundo,
      Arroz era 1,5 reais o kg,
      Empregada doméstica ia pra Disney,
      PF e MP valorizados,

      ….
      Recordou, sentiu saudade e viu a merda q vc fez apoiando o golpe e o miliciano?

    2. Deves ser português Manuel! Parece que gostas de ser roubado! kkkkk
      Dólar "R$2,70" -> Rentistas de fora lucrando com juros de 14%a.a.; Ruim para nossa exportação.
      Gasolina "R$2,90" -> Mantido artificialmente. Caixa e valor da Petrobras estavam em risco.
      Desemprego -> Foi a década das commodities e o BR deixou passar por causa do PT. Teve o futuro roubado.

      Não vou nem perder mais meu tempo com o restante… O nosso amado Brasil caminhava pra ser uma Venezuela a passos largos.

  4. Imagino onde os filhos do Bolsonaro irão morar!!!! Com 26 anos já tem dezenas de imóveis….

  5. O que é isso homem? Esse analfabeto, ladrão mentiroso, arrogante, prepotente, salafrario vai morar onde? Com o nosso dinheiro? Isso é uma vergonha, num país onde grande parte da população não tem onde se abrigar e o que comer, um safado fedorento desses ainda tem direito a mordomias? Devia estar pagando sua pena, como os que roubam um chocolate ou uma caneta, ainda tem uns manes para correr e babar na sua defesa, uma vergonha.

    1. Pedroca com essa afobação vai diminuir o tesão . Tenha calma criatura você está perto de casar .

    2. Isso mesmo Pedro ,o bandido perdeu um dedo e os adeptos dele a inteligência e a vergonha !!!

  6. Coincidência, dois inocentes por pura obra do destino vão morar no mesmo condomínio em frente pra o mar, na mesma cidade, com certeza, no dia que estiverem tomando vinhos finos importados com iguarias raras, vão dizer que estão gastando dinheiro roubado da corrupção. Foi nada, todo torneiro mecânico e trabalhador da construção civil podem desfrutar do melhor que a vida pode proporcionar. Tudo fruto de muito trabalho. Aí não tem dinheiro roubado do trabalhador brasileiro.

    1. Tenho tanta pena, mas agora é moda os bandidos de todo o espectro político morarem no mesmo condomínio que seus cúmplices.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS – Segurança 24h e tranquilidade: as maravilhas de morar no Sport Clube, primeiro bairro planejado da Grande Natal

Fotos: Divulgação

Uma das tarefas mais difíceis é encontrar um imóvel que atenda as expectativas das famílias que desejam morar bem, com segurança e conforto. Em Extremoz, na Grande Natal, é possível sim, encontrar um bairro totalmente planejado, com toda infraestrutura e o melhor, com um segurança personalizada que funciona 24hs. Estamos falando do Sport Clube, o primeiro bairro planejado da região metropolitana.

Além da segurança física que o bairro oferece 24h com profissionais qualificados e preparados, a central de vídeo monitora as ruas em tempo real. Também existem diariamente as barreiras colocadas nas principais ruas do bairro controlando a entrada e saída de moradores e visitantes. O bairro ainda recebe o apoio constantes das policias civil e militar e da Guarda Municipal que realizam rondas.

O Residencial Sport Clube, o primeiro bairro planejado de Extremoz oferece aos seus moradores o que há de melhor no conceito qualidade de vida. Belas casas, ótima localização, ruas pavimentadas, facilidade de acesso, serviços como pague fácil, transporte público, terminal rodoviário, paradas de ônibus, supermercados e área de lazer com quadra poliesportiva e play ground. Tudo para o conforto e comodidade dos moradores.

Quem desejar adquirir um imóvel no o Sport Clube é só entrar em contato com um corretor de tua confiança!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann procuram apartamento para morar no Rio em rua que possui segurança armada, destaca colunista

FOTO: MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO

O namoro da presidente do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann e do ex-senador Lindbergh Farias engatou de vez. E, apesar de eles só terem assumido o romance publicamente no início de março, já estão procurando apartamento para morar juntos no Rio, mais precisamente, na zona sul da cidade, na Gávea.

Para quem não é carioca, nós explicaremos o que significa morar na Gávea. O bairro é conhecido por ser o escolhido dos intelectuais da cidade. O Shopping da Gávea, o principal do bairro, abriga os melhores teatros do Rio. Para conseguir fazer uma peça lá é bem difícil. Além disso, o bairro, que é de classe alta, não tem apartamento que custe menos de R$ 1 milhão e fica situado entre a Lagoa Rodrigo de Freitas e o Morro dois Irmãos.

As ruas são bem pacatas e seguras. Inclusive, a rua em que Lindberg tem procurado apartamento com afinco, Rua Vice-Governador Rúbens Berardo, é a única da região que possui segurança armada. “Ele esteve aqui há pouco tempo procurando um apartamento para alugar. Não quis, pois achou um pouco escuro. Mas dizem mesmo que ele quer é uma cobertura”, disse um dos porteiros, que não quis se identificar.

O apartamento que o político foi olhar fica no 5º andar e tem 118 metros quadrados, e a soma do aluguel, condomínio e IPTU passa de R$ 7.500. O condomínio tem piscina, sauna, salão de festas e academia.

Lindbergh já mora na Gávea, mas quer levar Gleisi para a região também. De acordo com um porteiro do antigo apartamento em que o ex-senador morou, na Rua das Acácias, Lindbergh sempre foi bem simpático e deixou saudades no prédio. Já um passeador de cachorros da região disse que ele era de lua, às vezes falava com as pessoas, às vezes não. Mas que é visto com frequência caminhando nas ruas do bairro.

Coluna Léo Dias – Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. Socialista na Gávea? Achava que iam morar na Rocinha. E querem segurança armada? Mas cadê o relacionamento cabuloso com o PCC?

  2. Quem sou eu para julgar preferência ou escolha de viagens internacionais de alguém ou gastos financeiros pessoais deles mas, essas pessoas não esse o caso a cima mas, as pessoas da elite e adeptos das ideias esquerdistas socialistas quando vão viajar ou morar fora do país escolhem viajar ou morar nos EUA país e ideologia socioeconômica capitalista e estilio de vida consumista que eles tanto atacam,acusam,julgam e condenam serem errados.

  3. pode isso? achei meio que hipocrisia da parte deles kkkkkkkkkkk
    são contra as armas pros outros, mas pra eles podem, típico da esquerda.

  4. Esse lixo da sociedade ..ladroes , falam em comunismo mas adoram o luxo , comunismo são para os IDIOTAS ELEITORES que votam nessa quadrilha PTralha ,

  5. São esses os esquerdistas que temos. Ao invés da Gávea, deveriam ir pra Cuba ou Venezuela. O Chefe tá em lua de mel em Dubai.

    1. Falta do que publicar. Qual é o problema de um casal procurar um apartamento em rua segura. Pelo amor de Deus, temos problemas mais sérios para nos preocupar neste país.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

RIO: Crivella diz que as pessoas gostam de morar perto de áreas de risco porque gastam menos com ‘cocô e xixi’

Foto: Reprodução

No mesmo fim de semana em que quatro pessoas morreram em decorrência das fortes chuvas que atingiram o Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella (PRB) afirmou que cariocas gostam de morar perto de áreas de risco para ‘se verem livres dos esgotos’ e gastarem ‘menos tubos para colocar cocô e xixi’.

As declarações de Crivella foram dadas no domingo (1º) durante uma reunião no Centro de Operações Rio, que foi transmitida ao vivo por uma rede social. O prefeito afirmou que os moradores da cidade escolhem viver em áreas de talvegues, caminhos por onde passam as águas das chuvas, considerados de risco.

“Todas as encostas lá são perigosas, mas aonde descem as águas, predominantemente chamado talvegues, e as pessoas gostam de morar ali perto porque gastam menos tubo para colocar cocô e xixi e ficar livre daquilo, essas áreas são muito perigosas”, disse Crivella.

Falando sobre prevenções às ocorrências causadas pelas chuvas, o prefeito afirma, ainda, que há coisas que “cada cidadão tem que fazer por si mesmo”, como “não morar perto dos canais” ou encostas.

“Os galhos das árvores, o lixo que é deixado no chão, eles são levados pelas chuvas para aqueles pontos predominantes de descida das águas e as pessoas moram ali perto porque é uma maneira de se verem livres dos esgotos e do seu lixo, morando perto do rio, joga tudo ali”, afirma o prefeito.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ilha na Grécia dá terreno e ainda paga para você morar; pessoas de outras nacionalidades também são aceitas

Reprodução

Está cansado da vida que leva por aqui? Uma ilha na Grécia está oferecendo 450 euros (cerca de R$ 1950) por mês e um lote de terra para você se mudar para lá e construir sua casa ou montar sua empresa.

A “oportunidade dos sonhos” para muitos é para povoar Anticítera, que tem apenas 24 pessoas – número que sobe para 40 durante o Verão. A ilha fica entre Creta e Cítera e fica a 45 minutos de avião de Atenas.

Segundo o “The Sun”, o esquema é patrocinado pela Igreja Ortodoxa Grega, que pagará o valor por três anos aos novos habitantes. A prioridade é para famílias jovens, já que a população vem caindo lentamente, pois os jovens que viviam lá estão saindo para trabalhar em ilhas gregas mais ocupadas.

Há empregos para pescadores, construtores e padeiros. Quem gosta de comodidades, no entanto, deve pensar bem: em Anticítera não existe banco ou caixa eletrônico, apenas uma pequena loja, que vende alimentos básicos e vegetais cultivados na ilha, além de vinho. Mas não há motivos para total desespero: eletricidade e internet já chegaram ao local.

Quatro famílias já foram aprovadas. A prioridade é para gregos, mas pessoas de outras nacionalidades também são aceitas. De acordo com o jornal inglês, é possível ter mais informações no telefone no site https://www.antikythiradirect.com/contact ou ligando para o Conselho Local, no número + 30 2736033004.

Casa Vogue – Globo

Opinião dos leitores

  1. Acho essa oferta boa de mais para ser verdade, mas me diverti muito lendo os comentários hilários. Tem gente que pelo visto não leu o texto que diz "A prioridade é para famílias jovens", e vem aqui gente se aposentando ou solteiros se candidatar. Outra: prioridade para gregos, mas entendam que se for escolher outra nacionalidade vão preferir europeus. A Grécia estaria procurando pessoas estáveis para agregar a ilha e não um bando de desesperado pra fugir do Brasil. Tem gente aqui botando currículo, nome, telefone, e-mail, qualidades como "gosto de natureza, tenho coragem". Gente aposentada que já deve precisar de cuidados médicos. Eles não precisam de escravos. Por isso o Brasil é essa merda, só tem gente maluca e ignorante. Vergonha.

  2. Gostaria muito de morar nessa ilha ,e levar várias pessoas que conheço pra conhecer e quem sabe morar lá tbm ,eu quero muito ir eu e mi há companheira e meus filhos ?

  3. Fiquei muito interessada, Tenho 61 anos, 4 filhos casados.
    Seria tudo que pedi a Deus!!!!

  4. Eu iria morar neste paraíso muito feliz sou jardineiro de formação mas atualmente exerço a profissão de cabeleireiro

  5. Muito bom o Projeto ..fiquei interessado..trabalho em Brasilia como tecnico de enfermagem em um hospital de grande porte…mas estou proximo de me aposentar …e trabalharia em outros tipos de servico.. segue meu:e-mail …numero de celular:(61)993406104(zap)(61)992836030(zap)..por favor me mande noticia

  6. Olá sou Garoto de programa Brasileiro , estou interessado em abrir meu primeiro puteiro na Grécia. O Mercado está em alta. Certeza que nas férias não irá faltar turista. Isso vai lotar que é uma beleza.
    Obs: Faço doação do meu espermatozoide para nativas que queiram ter filhos e falta pretendentes.

  7. Tenho 36 anos..meu marido tem 37. Temos 5 filhos.
    Marido professor de dedicação fisica e eu chefe de cozinha. Seria muito bom morar lá..abrir um negócio na área de alimentos e ginástica

  8. Oiii sou separada e tenho dois filhos adolescentes tenho interesse de ir morar em um lugar assim

  9. Ola! Tenho interesse em ir para esta ilha, meu esposo é aposentado e eu sou dona de casa, gostariamos muito de morar em um lugar assim.

    1. Eu tenho interesse, tenho abilidades de lida com a natureza, sou nascida na Amazônia, mas moro em mogi das cruzes SP, e tenho curso de enfermagem. Tenho filha e o meu namorado aceita também em mora na Grécia. Obrigada pela atenção. Cleide

  10. Sou a marilia tenho vontade de morar nesta ilha sei fazer de tudo um pouco principalmente na área da agricultura ,achei a proposta interessante que faço pra saber como chegar lá. Tenho 63 anos mas sou uma mulher de fé e coragem ,gosto da natureza ,me acho muito produtiva ,me orientem como ir obrigada

  11. Olá meu nome é Bianca e fiquei interessada, tenho 24 anos e sou brasileira mas me mudaria sem problemas pra ter um novo conhecimento e experiência profissional,sou decoradora de bolos. E amo lugares tranquilos

  12. Ok me chamo Danielle tenho 34 anos não tenho filhos e gostos de ter minha família na Grécia, tenho projeto bem.bacana e amo a natureza me parece um bom lugar para morar e ter uma move experiência de comecar tudo novamente já que não tenho mas meus pais. E possível eu receber um convite de vocês sou brasileira rsrsrs já me sinto uma cidadã da Grécia

  13. Tenho interesse em ir morar nesta Ilha com minha família .
    Eu sou padeiro e tenho também profissão de manutenções residência e industriais …
    Se me pagare as passagens irei com.minha família.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

O crescente número de brasileiros que investem mais de R$ 2 milhões para morar nos EUA

Exigência do governo americano é que cada cota de investimento estrangeiro gere, ao menos durante o período de 2 anos, 10 empregos. BBC NEWS BRASIL/Getty Images

O executivo brasileiro Roberto Figueiredo, de 43 anos, viajou pela primeira vez para os Estados Unidos na adolescência, quando fez intercâmbio no país e se encantou pela região. Anos mais tarde, no Brasil, trabalhou na área de vendas em multinacionais, função que desempenhou por mais de duas décadas. Na profissão, costumava fazer viagens anuais aos EUA. O encantamento pelo país norte-americano, segundo ele, tornou-se maior.

Roberto, então, procurou formas para morar legalmente nos EUA. “Há oito anos, o meu interesse em morar nos Estados Unidos ficou mais intenso”, diz à BBC News Brasil.

Segundo ele, o principal motivo para decidir morar nos EUA é por considerar tratar-se de um país novo. “Eu tenho afinidade maior com aquilo que é moderno. Os Estados Unidos são compostos por regiões novas, quando comparamos com lugares como a Europa”, declara.

Ele conta que fatores como a violência crescente no Brasil e a crise econômica no país reforçaram o interesse em migrar para os EUA. “Diante de todo o cenário brasileiro atual, penso que aumentou o desejo daqueles que queriam morar fora do país”, afirma.

No fim de 2017, ele aplicou U$ 500 mil – cerca de R$ 1,850 milhão, na cotação atual do dólar – na construção de um hotel em Fort Lauderdale, cidade da Flórida, por meio do programa EB-5, destinado a estrangeiros que querem investir nos EUA. A iniciativa dá direito ao green card, o visto que garante residência nos Estados Unidos.

Segundo advogados especializados em direito internacional, brasileiros têm recorrido ao EB-5 em razão das dificuldades econômicas enfrentadas no Brasil e em busca de melhor qualidade de vida, por acreditar que terão mais segurança e estabilidade financeira nos Estados Unidos.

Assim como Roberto, centenas de brasileiros têm utilizado o EB-5 como forma de conseguir morar nos EUA. Os números são crescentes.

No ano passado, conforme o Serviço de Cidadania e Imigração dos EUA – em inglês, USCIS -, foram emitidos 388 vistos EB-5 a brasileiros. O número inclui o investidor e a família, como cônjuge e filhos de até 21 anos.

Os dados mostram que o interesse no EB-5 tem aumentado nos últimos anos. Em 2017, conforme o serviço de imigração dos EUA, 282 brasileiros recorreram ao EB-5. No ano anterior, o dado era correspondente a 150. Já em 2015, 34 brasileiros haviam investido nos Estados Unidos por meio do EB-5. O número de investidores no Brasil era ainda mais inexpressivo em 2011, quando somente 11 pessoas recorreram à iniciativa.

Centenas de brasileiros têm utilizado o EB-5 como forma de conseguir morar nos EUA. BBC NEWS BRASIL

O aumento no número de brasileiros que recorrem ao EB-5 tem motivado advogados especializados em direito internacional a promover palestras sobre o assunto pelo Brasil, fazer publicações sobre o tema na internet e auxiliar pessoas que querem investir nos EUA para viver legalmente no país norte-americano.

O Brasil ocupou, no ano passado, a sexta posição entre os países com mais investidores no EB-5. A China ficou em primeiro lugar, com 4.642 vistos. Em segundo lugar aparece o Vietnã, com 693 vistos emitidos, e em terceiro está a Índia, com 585.

O EB-5

O programa do EB-5 foi criado pelo Congresso Americano em 1990, com o principal objetivo de fomentar a economia em áreas consideradas menos privilegiadas no território americano, locais conhecidos como Targeted Employment Areas (TEA) – áreas com índice de desemprego acima da média nacional.

O investidor precisa aplicar os U$ 500 mil em um centro regional apontado em território norte-americano. Tais centros estão presentes em todos os Estados dos EUA e têm o principal objetivo de regularizar investimentos estrangeiros. Eles são responsáveis por intermediar a relação entre o imigrante, por meio de um advogado, e o projeto que pretende levantar recursos por meio do EB-5 para iniciar ou concluir a obra.

Os projetos que oferecem cota ao investidor estrangeiro costumam estabelecer que 25% a 50% de seu capital serão obtidos por meio do EB-5. A exigência do governo americano é que cada cota de investimento estrangeiro gere, ao menos durante o período de dois anos, 10 empregos e que o recurso aplicado seja comprovadamente lícito.

Entre os empreendimentos que oferecem cotas de EB-5 estão diversos segmentos, como hotéis, resorts, estádios de futebol, condomínios de luxo, centros de compras, restaurantes, entre outros.

O governo americano permite a concessão de 10 mil vistos EB-5 por ano – número que inclui o investidor e os membros de sua família.

Para que possa aplicar no programa, é necessário que o investidor contrate um advogado especializado em Direito internacional, para orientá-lo e auxiliá-lo sobre os procedimentos do visto.

Os trâmites burocráticos tornam o procedimento ainda mais caro. O investidor precisa pagar mais U$ 50 mil correspondente à taxa de administração do fundo de aplicação – onde estão incluídos itens como o seguro -, além de cerca de U$ 30 mil para honorários de advogados e taxas de referentes aos procedimentos migratórios. Os valores podem ser maiores. Ao todo, o procedimento não sai por menos de R$ 2 milhões.

Para aplicar no EB-5, há dois modelos distintos. Um deles é o “loan” – empréstimo, em inglês -, considerado o mais seguro e comum no mercado. Nele, o desenvolvedor do projeto tem a obrigação de devolver ao investidor estrangeiro, caso o investimento se desenvolva conforme as expectativas, os U$ 500 mil em um prazo de cinco anos. Neste caso, o investidor não possui participação no empreendimento e tem o retorno do valor com juros que variam de 0 a 3% ao ano.

O outro modelo é o “equity”, considerado mais arriscado, porém, caso obtenha sucesso, com mais possibilidade de retorno. Este costuma ser menos procurado pelos estrangeiros. Nele, o investidor se torna sócio do empreendimento e recebe participação nos lucros, a ser definido em cada situação, em caso de o projeto ser bem-sucedido.

“No equity, o desenvolvedor do projeto não está obrigado a devolver os recursos em cinco anos. Pode devolver até mesmo 15 anos depois, alegando que anteriormente o empreendimento não havia atingido o valor de mercado que entende ser o melhor para negociar a venda do projeto”, explica o advogado George Cunha, especializado em direito internacional privado, do escritório Advocacia Internacional George Cunha.

Roberto relata ter optado pelo equity, por acreditar que pode ter melhor retorno financeiro no empreendimento, apesar dos riscos. “Para mim, foi mais viável me tornar sócio, por acreditar que posso ter um retorno de 8,5% de juros ao ano. Sei que terei de esperar mais de cinco anos para recuperar os U$ 500 mil, mas ainda assim creio que compensa mais”, afirma o executivo.

Ainda no EB-5, outra possibilidade é o imigrante criar um próprio projeto, que será gerenciado por ele nos EUA. Neste caso, deve investir U$ 1 milhão e a área não precisa ser considerada TEA. “O estrangeiro precisa ter um plano para implantação do projeto, no qual destaca o investimento e a contratação de mais de 10 empregados. É preciso também atestar a origem do dinheiro”, explica o advogado Daniel Toledo, especialista em direito internacional, do escritório Loyalty Miami. Esta modalidade costuma ter baixa procura. Em 2018, conforme a USCIS, nenhum brasileiro recorreu a ela.

Depois do investimento

Logo após investir no EB-5, o estrangeiro deve esperar o prazo médio de 18 meses para que tenha uma resposta da USCIS. Caso aprovado, ele recebe um green card condicional, de dois anos. O documento é válido para assegurar a legalidade da permanência dele e da família nos EUA.

Roberto está no aguardo da resposta referente ao green card condicional, para que possa se mudar com a esposa para Miami. O empreendimento em que ele investiu ainda está em fase de construção. O executivo, que mora em São Paulo, acredita que a resposta do governo norte-americano seja dada ainda no início do segundo semestre deste ano.

“Estou me preparando para essa mudança, mas creio que estará tudo pronto quando conseguir o visto. Uma das coisas que estou me estruturando é referente às portas que quero abrir no Estados Unidos”, comenta. O executivo atualmente é proprietário de uma startup que ajuda brasileiros a investir, estudar ou morar nos EUA ou em Portugal. Ele conta que seu principal objetivo, ao se mudar para os Estados Unidos, é continuar com o negócio e avaliar um novo empreendimento em solo norte-americano.

Já o empresário Luiz*, de 36 anos, vive legalmente nos EUA há três anos. O brasileiro se mudou para o país para que a esposa, recém-formada em medicina, pudesse fazer especialização. Ela conseguiu visto de estudante e ele obteve o direito de permanecer legalmente como acompanhante.

Segundo advogado Daniel Toledo, imigrantes tem opção de investir em projeto próprio, mas valor mínimo é de U$ 1 milhão. BBC NEWS BRASIL/Divulgação

No início de 2017, Luiz conheceu o EB-5. “Descobri que era uma das formas mais rápidas e simples para conseguir o green card. O visto de estudante tem validade de quatro anos, então queria algo mais seguro. O EB-5 foi um procedimento rápido e pouco burocrático, apenas precisei entregar a documentação ao dar entrada no procedimento. Depois, o advogado cuidou de todos os procedimentos”, pontua. O investimento dele foi em um hotel em Miami, na Flórida, que deve ser concluído no primeiro semestre deste ano.

Luiz diz ter investido U$ 620 mil no EB-5, entre a aplicação, as taxas e as cobranças de honorários advocatícios. Ele afirma não se arrepender dos recursos utilizados. O empresário aplicou no programa em maio de 2017. Em agosto do ano passado, conseguiu o green card condicional. A esposa dele também obteve o benefício.

Em 2020, Luiz deverá passar por avaliação da USCIS, que irá analisar se ele cumpriu os requisitos necessários referentes aos EB-5, como a criação de 10 empregos, e se não violou nenhuma lei americana. Caso aprovado, ele terá direito ao green card definitivo. O procedimento é considerado padrão no programa de investimentos e é realizado dois anos após a concessão do visto provisório.

Os riscos

Assim como qualquer investimento, o EB-5 traz riscos. Há históricos de estrangeiros que aplicaram em fundos de empresas que foram à falência ou em estabelecimentos que sequer chegaram a ser concluídos. Nesses casos, os imigrantes perdem os U$ 500 mil e o direito de permanecer nos Estados Unidos, pois a aplicação não gerou os 10 empregos necessários durante dois anos.

O advogado Daniel Toledo ressalta a importância de o estrangeiro avaliar criteriosamente o lugar no qual fará o investimento. “É preciso escolher um fundo estruturado e ter uma boa orientação jurídica, porque se fizer de modo amador, o estrangeiro vai perder o investimento”, pontua.

Os especialistas ouvidos pela BBC News Brasil orientaram que entre os cuidados que devem ser tomados pelos estrangeiros estão buscar por um fundo que esteja há mais de 10 anos no mercado e que possua seguro contra falência ou imprevistos nas obras.

“Vejo muita gente vendendo projetos de investimentos que a gente sabe que não vai acontecer. Isso quebra muitas pessoas financeiramente, pois elas acabam colocando o dinheiro e nunca recebem o green card”, afirma Toledo.

Assim como Toledo, George Cunha relata não ter passado por situações em que o cliente perdeu o recurso investido. “Estão aparecendo muitos projetos que prometem uma remuneração maior do dinheiro aplicado. Isso entra na concepção de que quanto maior a remuneração, maior o risco de não dar certo. É importante saber que projeto estruturado e com uma margem de segurança alta, geralmente paga uma remuneração baixa”, explica Cunha.

Novo valor

Há cerca de 10 anos, o congresso americano avalia a possibilidade de aumentar o valor dos U$ 500 mil do EB-5, cobrado desde o início do programa. Uma das principais possibilidades é que o investimento mínimo ultrapasse os U$ 900 mil.

Para especialistas, procura de visto para viver nos EUA não deve arrefecer. BBC NEWS BRASIL/spyarm/Getty

Um dos argumentos para a alteração no valor é o fato de o EB-5 ser considerado um dos programas de investimentos estrangeiros mais baratos do mundo, quando comparado a outros países. “Para que se tenha uma ideia, esse mesmo programa custa 2 milhões de libras na Inglaterra. Em Portugal, o Golden Visa custa 500 mil euros. No Canadá, que atualmente está suspenso porque o governo concluiu que não estava beneficiando a economia, eram 800 mil dólares canadenses”, diz Cunha.

No congresso americano, há sucessivas prorrogações da decisão sobre o aumento no EB-5. A medida seria avaliada em dezembro passado, mas foi, novamente, prorrogada.

Para Cunha, o valor não foi alterado até o momento porque empresários norte-americanos temem que o aumento na cobrança mínima do visto reduza a busca de investidores estrangeiros. “O EB-5 faz investimentos em, praticamente, todos os 50 Estados americanos. É uma indústria muito poderosa, que injeta, aproximadamente, o equivalente a U$ 5 bilhões por ano nos Estados Unidos, na construção de novos projetos e empreendimentos. Esse visto gera cerca de 100 mil empregos para americanos e residentes legais a cada ano”, afirma.

“Muitos empresários poderosos não deixam a coisa (o aumento) acontecer. Principalmente porque os donos de projetos têm um custo barato com o EB-5, porque vão pagar somente de 0 a 3% ao ano de juros, com prazo de carência de cinco anos”, acrescenta o advogado.

A próxima discussão no congresso americano sobre o possível aumento do EB-5 está marcada para o início de fevereiro.

Busca crescente de brasileiros pelo EB-5

A procura de brasileiros pelo EB-5 deve continuar crescente pelos próximos anos, mesmo em caso de possível alteração no valor do visto, apontam os advogados ouvidos pela reportagem.

A posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL), segundo os especialistas, não deve reduzir a vontade de deixar o Brasil entre aqueles que buscam o EB-5. “A maioria das pessoas que procura esse visto reclama de questões como segurança e educação para os filhos. Dizem que não aguentam mais o ‘jeitinho brasileiro’. Essas pessoas não vão perceber mudanças tão rapidamente no Brasil, para melhor nem pior”, declara Toledo.

Ainda segundo os advogados, outro fator que também não deve alterar a busca de EB-5 por brasileiros é a polêmica decisão do Ministério das Relações Exteriores em retirar o Brasil do Pacto Global para a Migração, da Organização das Nações Unidas (ONU), ao qual o país havia aderido em dezembro. Diversos segmentos criticaram a medida e apontaram que ela pode prejudicar a relação com outras nações.

“De forma alguma essa decisão afetará o EB-5 para brasileiros. O pacto não trata de migrações com vistos, ele propõe uma forma de trânsito mais flexível entre os países. Então, nem o EB-5 nem outros vistos correm qualquer risco”, ressalta Toledo.

A vida nos EUA

Os brasileiros que recorrem ao EB-5 consideram o investimento mais como porta de entrada para os EUA – e menos como possível forma de garantir um modo de vida no país. “Até porque não teria como sobreviver com esse recurso, é um retorno pequeno e só recuperamos o investimento depois de cinco anos”, ressalta Luiz.

Toledo destaca que os estrangeiros que aplicam no EB-5 procuram ter acesso aos direitos concedidos àqueles que vivem legalmente no país norte-americano. “Eles estão preocupados em benefícios como colocar os filhos em escola pública e autorização para trabalhar.”

Depois de cinco anos vivendo legalmente nos EUA, o imigrante pode optar pela cidadania americana. “A partir de então, ele passa a ter os mesmos direitos de um cidadão americano, como votar e exercer quase todos os cargos públicos, com exceção de algumas funções, como presidente do país, que precisa ser americano nato”, diz Cunha.

Luiz afirma que sua vida melhorou depois que passou a morar nos EUA. Proprietário de uma mineradora brasileira, ele mantém os serviços no Brasil. Por meio da internet, trata sobre assuntos profissionais. No momento, ele tem pesquisado a região para abrir um negócio no país norte-americano. “Quero continuar por aqui, porque tenho muito mais liberdade e qualidade de vida. Sinto falta dos amigos e da família, mas agora quero estabelecer a minha vida aqui”, comenta o empresário, que mora em Miami.

À espera do visto para migrar para os EUA, Roberto planeja como deverá ser seu cotidiano no novo país. “Penso na qualidade de vida. É um lugar com melhor infraestrutura e segurança. Você pode ir e vir com mais facilidade e tem acesso a coisas de maneira mais justa. O governo, como em todo lugar, tem seus problemas, mas acredito que sejam menores quando comparados ao Brasil”, diz.

*o entrevistado pediu para não ter a identidade divulgada.

R7, com BBC Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Pais contratam advogada para despejar filho de 41 anos que não quer ir morar só

Aqui em Natal eu conheço uns três casos, pense nuns profissionais. Segue reportagem da BBC Brasil

Um casal italiano procurou uma advogada para convencer seu filho de 41 anos a sair de casa, segundo a mídia italiana.

Os pais, que vivem em Veneza e não foram identificados, dizem que seu filho tem um bom emprego, mas se recusa a se mudar e exige que suas roupas sejam lavadas e passadas, e suas refeições, preparadas para ele.

O casal decidiu procurar a ajuda de uma associação de defesa do consumidor, a Adico, após descobrir que a organização lidava com dezenas de casos parecidos.

A advogada Andrea Camp diz ter enviado uma carta ao filho avisando que se ele não deixasse a casa em seis dias, ele teria de enfrentar uma ação na Justiça.

Caso ele não responda ao pedido, os advogados pedirão que um tribunal de Veneza conceda uma medida de proteção para os idosos, impedindo que o filho chegue perto deles.

“Não aguentamos mais”, o pai teria dito a jornais locais.

(mais…)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *