Acidente

VÍDEO: Empresário Celso Silveira Mello, acionista da Cosan, mulher e filhos morrem em acidente de avião no interior de SP

O empresário Celso Silveira Mello Filho morreu nesta terça-feira (14), no acidente de avião ocorrido em Piracicaba, no interior do estado.

Mello Filho era acionista da Cosan, que tem seu irmão, Rubens Ometto Silveira Mello, como presidente do Conselho de Administração.

A empresa confirmou a morte do empresário em nota.

Segundo a companhia, a mulher do empresário, Maria Luiza Meneghel, os três filhos (Celso, Fernando e Camila), o piloto Celso Carloni e o copiloto Giovani Gulo também morreram no acidente.

“Com enorme pesar, a Cosan informa que o empresário Celso Silveira Mello Filho estava com a família na aeronave King Air 360 que caiu hoje, às 10h, em Piracicaba, causando a morte de todos os ocupantes. Celso era acionista e irmão do presidente do Conselho de Administração da companhia, Rubens Ometto Silveira Mello. Também estavam no avião a esposa de Celso, Maria Luiza Meneghel, seus três filhos, Celso, Fernando e Camila, o piloto Celso Elias Carloni e o copiloto Giovani Gulo”.

Acidente

A aeronave em que a família estava caiu na manhã desta terça-feira (14) em Piracicaba, no interior de São Paulo.

O avião era uma aeronave de aviação executiva, de pequeno porte, contratada sob demanda.

Os bombeiros informam que seis viaturas estão no local, onde há muito fogo.

O local da queda faz parte do município de Piracicaba, em uma região mais afastada do centro da cidade, com poucas empresas, afastadas entre si.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Avó, filhos e netos são presos por estupro de primas e sobrinhas em MS

Foto: Divulgação Polícia Civil de Mato Grosso do Sul

Uma mulher de 77 anos foi presa no último dia 19, em Três Lagoas (em Mato Grosso do Sul), a 326 km de Campo Grande, assim como dois filhos dela e um neto. Todos são suspeitos de participarem de um grande esquema de estupro de menores de idade durante quase duas décadas. As vítimas eram primas e sobrinhas deles.

Além desses três descendentes da idosa, um outro neto foi preso no início de agosto. O abuso que ele teria cometido contra uma prima é que deu início às investigações da Polícia Civil, há cerca de três meses, e à operação Sodoma e Gomorra, em alusão à passagem bíblica que fala sobre estupro.

De acordo com Nelly Macedo, delegada-adjunta da Delegacia da Mulher de Três Lagoas, a apuração levou tempo por causa da delicadeza do assunto, para não expor as vítimas.

“Ficávamos fazendo a investigação sem muita abordagem, esperando que as vítimas nos procurassem”, afirma. “Elas ainda estavam morando naquele ambiente, junto com os agressores, então não podíamos simplesmente chegar ali e colocá-las em risco.”

A vítima mais antiga de quem a polícia tem notícias sofreu o primeiro abuso há 17 anos, quando tinha 8. Estuprada por mais de um parente, ela só deixou de ser alvo deles anos depois, quando saiu do convívio familiar.

Nessas quase duas décadas, ao menos 13 crianças e adolescentes da mesma família foram alvo de um ou mais parentes –três dessas vítimas se apresentaram às autoridades após as prisões.

Até agora, sabe-se que uma das vítimas foi estuprada aos 5 anos e que os abusos paravam quando a criança chegava aos 13. Ao menos um garoto foi alvo dos parentes mais velhos.

A prisão do primeiro suspeito não acendeu o alerta dos demais familiares responsáveis pelos abusos. “Eles pensavam que tinha ficado restrito a essa vítima. Como tinham esse controle, não acreditavam que as outras pessoas teriam coragem de denunciar”, explica a delegada.

Entre os quatro homens presos sob a suspeita de terem estuprado as próprias parentes, os dois mais velhos são irmãos, o terceiro é filho de um deles e o quarto, sobrinho dos dois. A matriarca, de acordo a polícia, era conivente com os abusos cometidos por seus descendentes.

Segundo as investigações, uma das vítimas, ao dizer que contaria sobre os crimes cometidos em casa, foi espancada com uma corrente. Em depoimento à polícia, os suspeitos disseram que não denunciavam os demais porque não queriam colocar a família em risco.

Recentemente, outro crime envolvendo abuso de vulnerável chocou Mato Grosso do Sul. Em Dourados, a cerca de 230 km da capital, Raíssa da Silva Cabreira, 11, da etnia guarani-kaiowá, foi estuprada e morta pelo próprio tio, Elinho Arévalo, 34.

Outros quatro homens, três deles adolescentes, também estiveram envolvidos no crime, ocorrido em 9 de agosto. Três dias depois, Arévalo foi achado morto em um presídio.

A garota morava com o tio em um dos barracos da aldeia Bororó desde os 5 anos. Segundo a polícia, Arévalo teria confessado estuprar a sobrinha constantemente após as consumir álcool.

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

Filhos de Cid Moreira pedem interdição do pai por demência e a prisão de madrasta

Foto: Reprodução/ Instagram

Os filhos do apresentador Cid Moreira, Roger e Rodrigo Moreira, entraram com um processo na vara da família de Petrópolis, Rio de Janeiro, solicitando a interdição do pai e a prisão da madrasta, Fátima Sampaio Moreira, de 53 anos, acusada por eles de manter Cid em “cárcere privado”. As informações são do UOL.

Na ação, Roger e Rodrigo também pedem uma tutela de urgência do pai. Os 2 alegam que Cid enfrenta sintomas de demência por causa da idade. Ele tem 93 anos.

Os filhos do apresentador argumentam que Fátima Moreira mantém o marido em “cárcere privado”, e que ela casou com ele motivada “por interesses econômicos”.

No processo, Fátima também é acusada de agredir o esposo, de dar comida vencida a ele e deixá-lo sem medicação. Os filhos também acusam a madrasta de apropriação indébita e formação de quadrilha.

O documento protocolado na vara familiar de Petrópolis solicita ainda o bloqueio imediato dos bens do apresentador durante a investigação.

REPERCUSSÃO

Roger Moreira, filho adotivo de Cid Moreira, disse que foi deserdado e abandonado pelo pai em entrevista ao Balanço Geral, da Record TV. Os 2 se afastaram por causa dos custos de um estúdio mantido pelo apresentador, que passou a gravar em casa.

Fátima Moreira comentou a entrevista e disse que Roger foi adotado depois de adulto durante o casamento de Cid com a tia biológica de Roger, Ulhiana Naumtchyk. Segundo Fátima, o filho chegou a processar o pai por conta do estúdio, mas que o processo corre em segredo de justiça. Roger nega.

Rodrigo Moreira, filho biológico do apresentador, também tem problemas judiciais com o pai. Ele processou Cid por abandono afetivo pedindo R$ 1 milhão na justiça, mas perdeu.

Poder 360

 

Opinião dos leitores

  1. Terrível o que o dinheiro faz com esses filhos,o único interesse é no dinheiro. Pobre Cid Moreira…

  2. Dinheiro e sexo (o poder é caminho para ambos) são realmente os “motores” da humanidade. Nesse caso, identificamos os dois.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Receita Federal rastreou ano passado investigações contra Bolsonaro, primeira-dama, ex-mulheres, filhos e Queiroz

A Receita Federal solicitou uma devassa em seus sistemas para tentar identificar investigações em dados fiscais do presidente Jair Bolsonaro, de seus três filhos políticos, de suas duas ex-mulheres e da primeira-dama, Michelle.

O levantamento foi solicitado pelo fisco no ano passado ao Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados), órgão responsável pela guarda das informações dos sistemas da Receita Federal.

A devassa também abrangeu acessos aos dados fiscais de Fabrício Queiroz, amigo de Bolsonaro e ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) apontado como operador financeiro do esquema da “rachadinha” no antigo gabinete do senador na Assembleia Legislativa.

O levantamento foi muito mais amplo do que a apontado meses atrás como um movimento apenas da defesa de Flávio contra a investigação da “rachadinha” tocada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

Atingiu, na verdade, todo o entorno familiar do presidente, incluindo suas duas ex-mulheres com quem dividiu seu patrimônio e que não são alvo da investigação contra o senador. O rastreamento abrangeu 22 sistemas de dados da Receita no período de janeiro de 2015 a setembro de 2020.

A pesquisa custou R$ 490,5 mil à Receita, pagos ao Serpro. O valor foi obtido pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação e publicada nesta quarta-feira (2) pelo site Metrópoles.

Procurada, a Receita afirmou que não iria se manifestar sobre a amplitude das pesquisas.

A mobilização da estrutura do governo em favor de Flávio foi revelada em outubro pela revista Época. Na ocasião, soube-se que as advogadas Juliana Bierrenbach e Luciana Pires recorreram à Receita e ao Serpro para tentar descobrir em que momentos os dados fiscais do senador e de sua mulher foram acessados.

O motivo manifestado pela defesa era o de que o relatório do Coaf (órgão federal de inteligência financeira) que originou a investigação das “rachadinhas” continha informações com detalhes cuja origem não eram os bancos, com os quais o órgão troca informações. Os dados viriam, na verdade, da Receita Federal.

A suspeita da equipe de Flávio era que ele tenha sido vítima de prática semelhante à revelada por mensagens obtidas pelo Intercept Brasil e analisadas pela Folha e pelo site, na qual dados fiscais sigilosos eram obtidos informalmente por procuradores da Operação Lava Jato.

A prática é conhecida como “fishing expedition”, no qual investigadores acessam dados fisciais de uma pessoa sem justificativa legal em busca de possíveis irregularidades.

As advogadas também acionaram o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República sob a justificativa de que as supostas fraudes atingiam um membro da família de Bolsonaro. À época, o órgão afirmou que, após análise, concluiu que não tinha atribuição sobre o caso e não realizou nenhuma ação.

As petições apresentadas pelas advogadas aos órgãos públicos solicitavam apenas informações sobre acessos aos dados de Flávio, sua mulher, Fernanda, e seus clientes alvos das investigações.

Contudo ofício do Serpro obtido pela Folha mostra que o pedido de levantamento feito pela Receita foi muito maior do que o apontado como necessário pelas advogadas e incluiu pessoas que nem sequer eram mencionadas no caso do senador.

Todas elas fazem parte do entorno familiar próximo do presidente Jair Bolsonaro: o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), a primeira-dama Michelle Bolsonaro, as ex-mulheres Ana Cristina Siqueira Valle e Rogéria Bolsonaro, além de Queiroz.

Queiroz se tornou o pivô da investigação contra Flávio após o Coaf identificar movimentações consideradas atípicas em sua conta bancária. Uma das transações descritas no relatório é o repasse de R$ 40 mil para Michelle Bolsonaro.

Carlos é alvo de outra investigação do MP-RJ sob suspeita de práticas semelhantes à “rachadinha” atribuída a Flávio. A outra investigada neste caso é Ana Cristina, que foi chefe de gabinete do vereador na Câmara por sete anos, além de ter nomeado 17 parentes nos gabinetes da família.

De acordo com o documento do Serpro, a devassa nos nove CPFs foi pedida pela Coordenadoria-geral de Tecnologia da Informação (Cotec) da Receita. Ela solicitou uma apuração especial, meio pelo qual se obtém todo e qualquer “log”, como são chamados os arquivos sobre as consultas aos sistemas do Fisco.

Os “logs” indicam a data e o nome do auditor responsável pela consulta aos dados fiscais dos contribuintes. Caso não haja justificativa para a atuação, o servidor pode ser punido pelo acesso imotivado.

O resultado da apuração especial, porém, também permite identificar investigações legais ainda em sigilo contra o dono do CPF analisado.

Segundo o documento, a demanda da Cotec foi feita no dia 28 de agosto de 2020, três dias após as advogadas terem relatado suas suspeitas ao presidente e ao GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência), e dois dias depois delas terem se encontrado com o secretário da Receita, José Barros Tostes Neto.

O ofício afirma que o resultado do pedido “foi separado em dois lotes”. O papel não informa as conclusões das apurações especiais nem para onde foram enviadas.

A tese sobre acesso imotivado a dados de Flávio foi inspirada num grupo de cinco auditores fiscais do Rio de Janeiro suspeitos de enriquecimento ilícito. Contudo eles têm sofrido sucessivas derrotas judiciais na tentativa de fazer valer a alegação de que tiveram seus dados acessados ilegalmente.

Ainda assim, a movimentação das advogadas teve efeito na estrutura da Receita. O auditor-fiscal Christiano Paes Leme Botelho, apontado pelo grupo como responsável pelos acessos imotivados, foi exonerado em dezembro do cargo de chefe do Escritório da Corregedoria da Receita Federal no Rio de Janeiro (Escor07).

Botelho nega irregularidades na sua atuação.

O corregedor-geral da Receita, José Pereira de Barros Neto, também chegou a ter o cargo ameaçado. O mandato de dois anos conferido ao posto, porém, deu tempo para que ele garantisse a permanência. Há possibilidade, agora, de ser reconduzido em julho.

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Ainda vão descobrir muito angu nessa carne kk. Vou fazer uma pergunta a quem lê esse comentário: como você tem aproveitado o tempo extra que a pandemia talvez esteja lhe concedendo? Não seria bom usar esse momento para crescer profissionalmente? Venha conhecer o curso de elétrica predial e industrial da CTPG. Acesse: http://bit.ly/OfertaPalladio

  2. Na época do PT podia investigar todo mundo. Mesmo contra o próprio PT.
    Agora é tudo aparelhado e abafado.
    O governo Bolsonaro é o governo mais favorável a corrupção dos últimos 30 anos.

  3. Desde que esse quadrúpede assumiu, o estado só serve para atender a ele e a milícia dele.

  4. É isso bichos de chifres (gado). O nosso dinheiro gasto pra proteger a família. Não tenho conhecimento de nenhum governo que usou a estrutura do Estado para proteger de investigações seus familiares, incluindo teúda e manteùda.

  5. Vixe! Quem não deve não teme né?! Os que temem ser investigados fazem isso: pedem foro privilegiado, usam máquina pública para defender seus interesses PRIVADOS e blindam seus atos criminosos dessa forma! Está até parecendo que o MINTO aprendeu direitinho com o governo de Lulaladrão e dos petralhas… Com a palavra os idólatras de políticos de esquerda, de direita e de centro…

  6. O serviço público está infestado de esquerdistas. Tem que investigar quem são os responsáveis por tal ilegalidade e puni-los exemplarmente.

    1. 🤣🤣🤣🤣🤣🤣
      Investigar os investigadores e não os criminosos…
      Já pode mudar seu nome para DIREITA DESONESTA….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO E VÍDEO: Em registro de aglomeração, pais reclamam de desorganização do Marista em Natal na entrega e saída dos filhos após o 1º dia de aula

Pais de alunos do Marista, na capital potiguar, enviaram imagens, em foto e vídeo, da desorganização na saída do colégio na entrega dos filhos nesta segunda-feira(01), dia de retorno das aulas neste ano.

Conforme destaque nas imagens e áudio cedidos ao Blog, entre reclamações, “desorganização total” e “aglomeração”. Foto: Cedida

 

Opinião dos leitores

  1. O colégio tá errado sim, deixou de planejar e organizar a saída das crianças. Devia aprender com o Marie jost, lá tem aplicativo pros pais indicarem a chegada e sistema de som chamando nominalmente cada criança que sai no portao e então é pega pelos pais sem essa muvuca.

  2. Esse pai que reclamou e filmou deve ser um desses lacradores, chatos , que reclamam de tudo e sempre colocam a culpa no outro . Essa balbúrdia é fruto da falta de educação e capacidade de saber esperar a sua vez . A escola não tem culpa alguma . Voltou as aulas presenciais por pressão de muitos pais . Existem quatro saídas no Marista , mesmo assim é impossível os alunos saírem sem aglomerar , visto que os pais apressados e sem educação não sabem esperar a sua vez nem muito menos tem educação para isso . Esse é o exemplo que eles dão aos filhos e ficam culpando o Marista . Tenho dois filhos lá e não tive problema algum na saída da aula hoje .

    1. O colégio tem muita culpa sim. Não era pra ter liberada entrada dos pais na escola..
      Desorganização total.

  3. Eu estava no local buscando minha filha. O problema foi causado inteiramente por alguns pais que estavam no momento e descumpriram a regra da fila. Em vez de aguardarem a sua vez, avançaram para a portaria da escola e lá permaneceram impedindo a saída dos alunos cujos pais aguardavam sua vez. Uma confusão sem a menor necessidade. Se tivessem obedecido à regra da fila, todos teriam sido atendidos rapidamente. Na outra saída da escola todos pegaram seus filhos normalmente, sem transtornos.

  4. pois é, isso em uma escola particular, agora imagina aí nas públicas?
    aí a pessoa chega em casa cheia de vírus nas roupas e sapatos, passa para os idosos e mata metade da família.
    eu não entendo essa pressa de voltar as aulas, realmente o povo quer ser livrar dos filhos uma parte do dia

  5. Minha filha estuda lá e não tive problema algum. Estrutura bem organizada e sinalizada. Apenas os Pais não podem entrar…. aí já viu né !!!!

    1. Quem tá errado não é o Marista! São os pais que ainda não entenderam o que é distanciando! Talvez esses devessem abrir o dicionário ou assistir um pouco mais até de TV p entender, ou pelo menos tentar entender o que significa a palavra!
      Quem não quiser que o filho vá p o colégio, suuuuper respeito ! Mas respeitem os que querem mandar! Meu filho passou quase 1 ano de férias, e agora eu não abro mão dele ir todos os dias p a aula!
      Inclusive conto com a compreensão desses pais que fizeram esse carnaval, para que respeitem o distanciamento! As criancas sairão do colégio e serão entregues aos seus responsáveis com toda certeza!
      O meu estuda lá, e vai estudar até o dia que eu puder! Mas não vou dizer que outros colégios não prestam prq gosto do Marista! Talvez sejam até iguais ao Marista, mas todos são bons! Cada um da sua maneira!

  6. Que feira é essa , homi!!!! kkkkkk
    Os pais bacanas dando uma de barraqueiros!
    Depois querem que a escola eduque….

    1. O bacana mesmo que essa turma de dublê de rico deve o ano todo, só paga quando não tem mais jeito e ainda paga com desconto! Natal a cidade oficial dos dublês de rico!

  7. Minha filha estuda lá. E eu fui deixá-la. O Marista organizou as distâncias, disponibilizou álcool gel, mediu as temperaturas. Agora quem desses pais está respeitando o distanciamento? Os pais não respeitam as regras e acusam o colégio de desorganização? Todos tem que fazer sua parte.

  8. Eita, pior que o carnaval. Parabéns aos irresponsáveis que desejam o retorno das aulas presenciais a todo custo. Após esse episódio, a covid-19 deve ter ficado muito esperançosa de viver mais tempo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

VÍDEO: “Dá para adoção”, disse juiz que debochou da Lei Maria da Penha em outra audiência; veja

Em duas novas audiências on-line recebidas pelo Papo de Mãe, o juiz Rodrigo de Azevedo Costa, que desdenhou da Lei Maria da Penha, segue a mesma conduta misógina e machista. Ele se descontrola, faz ameaças, grita. Faz comentários considerados racistas e discriminatórios.

“A senhora escolheu um mau pai, a senhora escolheu um cara sem dinheiro. Azar é o seu” – audiência de B.

“Se ele é mau pai, eu não tenho culpa. Eu vou fazer o que? Vou pegar este negão e encher ele de tapa? Não é meu trabalho este.” – audiência de B.

“Quisesse, minha senhora, ganhar dinheiro, não ia ser sendo juiz com esse salário pífio que eu recebo” – audiência de F.

(O salário bruto do juiz Rodrigo de Azevedo Campos é de R$32.004,65, conforme informa site do TJ-SP.)

Como durante a pandemia as audiências estão sendo on-line e gravadas, após reportagem em primeira mão do Papo de Mãe mostrando o juiz Rodrigo de Azevedo Costa afirmando em vídeo “não estar nem aí para a Lei Maria da Penha”, outras mulheres apareceram para contar que também foram humilhadas por ele. Todas as audiências são da Vara de Família da Nossa Senhora do Ó, zona noroeste de São Paulo.

B. é auxiliar de enfermagem, tem duas filhas pequenas e participou de audiência de conciliação de regulamentação de visitas no dia 10 de dezembro. Assim como *Joana, que aparece na nossa primeira reportagem do caso, B. foi chamada de “mãe” e “manhê” pelo juiz, se sentiu ofendida em diversos momentos e mal teve a chance de falar. Sempre que ela tentava dizer algo, era interrompida.

Isso também aconteceu com F., numa audiência on-line de conciliação que tratava de partilha de bens no dia 11 de novembro (neste caso, não havia promotor). Foram duas horas de audiência. O juiz se mostra muito mais amigável com o advogado homem e o ex-marido do que com a advogada mulher e a mulher. Interrompe as mulheres várias vezes.

Matéria completa AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Eu assisti ao vídeo me desculpem, mas não enxerguei nada de racismo no vídeo,eu só ouvi ele mencionar a palavra negão fazendo uma comparação de uma situação hipotética,não vi nenhuma ofensa racial contra ninguém,também não vi machismo ele foi bastante neutro não se inclinou nem para o lado do homem e nem para o lado mulher,já que nenhum dos dois lados tem como ficar com o filho,e os dois juntos não podem pagar uma babá,o caminho certo seria adoção mesmo,também não vi e ouvi nada de misoginia ele não disse nada que ofendesse diretamente ou indiretamente a integridade e dignidade etica,moral e física da mulher em questão.
    Nos outros casos não posso dizer nada,mas no caso desse vídeo não vi nenhum ato de racismo,de machismo e nem de misoginia.

    1. Não tem nada de doente, nem de burro, ele é muito é sabido, tá fazendo isso para ser punido com aposentadoria e salário integral, burro é o povo.

  2. Que coisa ridícula! Corta na própria carne, Judiciário, e expulsa esse ser indigno de vestir uma toga!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

TikTok dá aos pais mais controle sobre o que filhos podem ver e postar

Foto: Antonbe/Pixabay

O TikTok está dando aos pais de seus milhões de usuários adolescentes mais opções para restringir o que seus filhos podem ver e compartilhar na tela.

O aplicativo de vídeo de formato curto anunciou uma série de novos controles dos pais na terça-feira (17), incluindo a capacidade de decidir qual conteúdo os adolescentes podem pesquisar no TikTok, quem pode comentar em seus perfis, quem pode ver quais vídeos eles curtiram e se o perfil é público ou privado.

“Nosso objetivo é encontrar um equilíbrio entre segurança e autonomia para adolescentes enquanto trabalhamos para criar um lugar seguro e de apoio para a autoexpressão”, escreveram Tracy Elizabeth, chefe da política global de segurança de menores, e Alexandra Evans, chefe de política pública para crianças para a Europa, em um blog.

As novas medidas fazem parte do recurso “Family Pairing” (Emparelhamento Familiar) do TikTok, lançado para alguns países europeus em fevereiro deste ano, que permite que os pais vinculem suas contas à de um filho adolescente.

Anteriormente chamado de “Modo de Segurança Familiar”, o recurso já permitia aos pais definirem limites de quanto tempo seus filhos passam no TikTok todos os dias, que tipo de conteúdo eles podem visualizar e a capacidade de limitar ou desligar as mensagens diretas. O TikTok agora está expandindo essa função e tornando-a disponível em todo o mundo.

“Conforme s jovens começam a construir uma presença online, é importante dar às famílias ferramentas para que pais e adolescentes possam definir barreiras juntos”, disseram Elizabeth e Evans.

O TikTok é dominado por usuários mais jovens: 32,5% da base de usuários do aplicativo nos EUA tinha entre 10 e 19 anos em junho de 2020, mais do que qualquer outra faixa etária, de acordo com os dados da empresa de análise App Ape publicada pelo portal de dados de mercado Statista.

No aplicativo, os usuários geralmente compartilham clipes de 15 segundos deles próprios dançando, dublando, fazendo esquetes cômicos ou participando de desafios que surgem na plataforma.

Como o CNN Business relatou, a popularidade do aplicativo entre os adolescentes, combinada com seu potencial único para o estrelato viral durante a noite, forçou os pais a lidar com questões difíceis sobre muitos temas, entre eles privacidade, bullying e até mesmo como seus filhos podem lucrar com a plataforma.

Nos Estados Unidos, o TikTok oferece uma versão limitada do aplicativo para usuários menores de 13 anos, que não permite compartilhar ou comentar vídeos e mensagens com outras pessoas, mas as crianças ainda podem ver o conteúdo do TikTok apropriado para a idade.

Kaya Yurieff, da CNN Business, contribuiu para esta reportagem.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

    1. Kkkkkk você passa a vergonha no crédito ou no débito?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PGR arquiva apuração preliminar sobre Bolsonaro e filhos aberto após Facebook remover perfis ligados a gabinetes da família

Foto: Marcos Corrêa/PR

Procuradoria-Geral da República (PGR) arquivou uma apuração preliminar relacionada ao presidente Jair Bolsonaro e a dois de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O arquivamento foi comunicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira (28).

O caso envolve as investigações do Facebook que resultaram na remoção de contas ligadas ao PSL e a gabinetes da família Bolsonaro nas redes sociais da empresa. A representação contra a família Bolsonaro foi feita ao Supremo pela deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB-AC) e gerou a abertura da apuração preliminar pela PGR.

Após a deputada acionar o STF, o ministro Alexandre de Moraes pediu que a PGR se manifestasse sobre a notícia-crime. O procedimento adotado por Moraes é praxe nesse tipo de ação.

Em parecer ao Supremo, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, afirmou não haver elementos que justifiquem o início formal de uma investigação contra Bolsonaro e seus filhos por estes fatos.

“A ausência de fatos concretos que possam ser efetivamente atribuídos aos noticiados [Bolsonaro, Flávio e Eduardo] inviabiliza, portanto, a instauração de procedimento próprio. Destaque-se que nem mesmo o Facebook adotou qualquer medida em face deles, como seria o caso, por exemplo, da retirada das respectivas contas oficiais. E isso se deu, naturalmente, por inexistirem quaisquer elementos que vinculem-nos minimamente às acusações formalizadas por meio desta notícia-crime”, escreveu.

Facebook

Ao todo, o Facebook retirou do ar 35 contas, 14 páginas e 1 grupo no Facebook, além de 38 contas no Instagram. O Facebook, empresa responsável pelas duas redes sociais, afirmou ter identificado perfis falsos e com “comportamento inautêntico” — quando um grupo de páginas e pessoas atuam em conjunto para enganar outros usuários sobre quem são e o que estão fazendo.

Mesmo com os responsáveis tentando ocultar suas identidades, as investigações da rede social encontraram ligações de pessoas associadas ao PSL e a alguns dos funcionários nos gabinetes de Eduardo, no de Flávio, no do presidente da República, e também nos de Anderson Moraes e Alana Passos, ambos deputados estaduais pelo PSL no Rio de Janeiro.

Entre as páginas investigadas pelo Facebook está o perfil “Bolsonaro News.” O e-mail usado para registrar o perfil era de Tercio Tomaz, que já foi assessor de Carlos Bolsonaro, filho do presidente, na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro. Hoje, Tercio é assessor especial do presidente, com gabinete no Palácio do Planalto, salário de quase R$ 14 mil por mês e apartamento funcional.

Publicações da página de Tercio atacam adversários políticos de Bolsonaro, como o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e até ex-ministros do governo, como Luiz Henrique Mandetta e Sergio Moro.

Inquérito fake news

Ao STF, a deputada Perpétua Almeida afirmou haver fortes indícios da prática de inúmeras ações delitivas supostamente praticadas pela família Bolsonaro e aliados, utilizando-se da rede mundial de computadores, para a prática de crimes como calúnia, difamação, injúria e ameaça “contra o Supremo Tribunal Federal e seus ministros, além de agressões e ameaças contra o Poder Legislativo da União e os presidentes da Câmara [Rodrigo Maia] e do Senado [Davi Alcolumbre]”.

A parlamentar pediu que a notícia-crime seja incluída no inquérito das fake news, que investiga a disseminação de notícias falsas e ataques a ministros do STF.

Segundo a PGR, no dia 9 de julho, o material produzido pelo Facebook foi juntado ao inquérito que apura ataques ao STF e a disseminação de notícias falsas.

O vice-procurador-geral afirmou ao STF que a investigação do Facebook não tem elementos concretos contra Bolsonaro e seus filhos.

“Cumpre assinalar que os fatos retratados nesta notícia-crime não guardam relação com a investigação em curso no inquérito 4781 [fake news]. Neste, são apuradas notícias fraudulentas, falsas comunicações de crimes, denunciações caluniosas e ameaças associadas à honorabilidade e à segurança do Supremo, de seus membros e de familiares destes, desde que haja vinculação com a dignidades dos ministros. A apuração efetivada pelo Atlantic Council Facebook], por outro lado, não traz elementos concretos de envolvimento dos noticiados propriamente ditos com aquelas práticas”, afirmou.

G1

Opinião dos leitores

  1. Se hoje se admite e até se elogia esse tipo de procedimento e atitude, amanhã não poderá reclamar quando acontecer a mesma coisa e as mesmas atitudes se repetirem, se nomeando pessoas de fora das listas para colocar apadrinhados e gente do "esquema" para aparelhar as instituições.
    Quando invertemos e desconstruímos as regras que criamos para que isso não acontecesse, logo poderemos ser vítimas dos mesmos mecanismos e não teremos a quem reclamar, porque só achamos bom quando nos serve e nos é favorável.
    Pobre povo inculto, ignorante e sem noção do que estão fazendo ao destruir o que levamos centenas de anos para construir.

  2. CORRETÍSSIMO, seria um absurdo abrir um processo por causa de uma simples exclusão de uma rede social.
    Seria dizer que o Facebook ou outra rede social teria poderes para determinar aberturas de processos judiciais com a simples exclusão de uma conta, mesmo que nenhum delito tivesse ocorrido.
    PARABÉNS PROCURADOR.

    1. Esse comentário, Ricardo, é tão batido. Arranje argumentos mais convincentes. Seja inteligente

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Filhos de detento morto em Alcaçuz serão indenizados; mantida também a obrigação de pensão mensal de um salário mínimo

Foto: Reprodução

A 1ª Câmara Cível do TJRN, à unanimidade de votos, negou recurso interposto pelo Estado do Rio Grande do Norte e manteve sentença da 3ª Vara da Fazenda Pública de Natal que condenou o ente político à indenização, por danos morais, aos filhos de um apenado morto enquanto estava custodiado em estabelecimento prisional estadual, em decorrência de asfixia mecânica por enforcamento causada por outro detento. Também foi mantida a obrigação de pagar pensão mensal de um salário mínimo.

Na Justiça, os filhos do falecido foram representados pela mãe deles que afirmou ter vivido em união estável com o ex-apenado, assassinado no presídio de Alcaçuz em Nísia Floresta, no dia 25 de fevereiro de 2018, à época com 34 anos de idade, tendo deixado dois filhos menores. Ela relatou que os seus filhos menores eram dependentes do falecido, e, que depois de sua morte, tanto estes como a genitora dos menores encontram-se desamparados financeiramente.

Matéria completa AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Verdade gente, e quem ampara as vítimas desses ASSASSINOS?
    Enquanto essa IN justiça só legislar a favor de bandido…. REVOLTANTE !!!!

  2. Tudo é questão de lei. Se está na lei, a Justiça, quando acionada, concede esses direitos esdrúxulos.
    No Brasil tem umas leis ilógicas. Ou seja, na ocorrência de alguns eventos, o que vale é a exceção.
    A regra seria amparar os filhos das vítimas de bandidos.

  3. Verdade António Soares, cabe ao estado a proteção ao cidadão, como bem vc colocou, a advocacia brasileira e o ministério público, a quem cabe defender o cidadão deveria estar mais atento a essas causas. Infelizmente o Rato de Nove dedos criou foi um bolsa detento, faz besteira, vai preso, ainda temos que sustentar a família.

  4. A população trabalha feito uma gota serena, aí vem uma decisão da besta fera contra o cidadão

  5. Vergonha!!! Meu pai trabalhou até os 49 anos quando morreu, o INSS negou a minha mãe a pensão. E a justiça nunca olhou pra isso. Legislativo, Executivo e Judiciário tudo farinha do mesmo saco…

  6. Os filhos dos que foram assassinados por eles, recebem esse zelo do Estado?
    Alguém foi na casa deles para saber se eles estavam precisando de ajuda?Com certeza ficaram desamparados, mas o pai não estava preso……que coisa?!

  7. As vitimas deles devem ter uma indenização dez vezes esse valor, pois são os verdadeiros inocentes nessa história. Ou não?

    1. Verdade, cabe aos advogados dos que foram vítimas do criminoso pedir dez vezes mais ao estado, pela ineficiência em proteger o cidadão.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Moraes envia a PGR notícia-crime contra Bolsonaro e filhos após ação do Facebook

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a Procuradoria-Geral da República se manifeste sobre uma notícia-crime apresentada contra o presidente Jair Bolsonaro dois de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ). O despacho foi publicado nesta quinta-feira (23).

A ação foi apresentada ao STF pela deputada Maria Perpétua (PCdoB) e o envio à PGR é praxe nesse tipo de ação. A ação envolve o caso em que o Facebook anunciou, no dia 8 de julho, a remoção de contas e páginas relacionadas a assessores da família Bolsonaro.

No dia 8 de julho, o Facebook derrubou páginas administradas pelo senador Flávio Bolsonaro e integrantes do PSL em uma ação mundial contra a desinformação.

Segundo comunicado divulgado pela rede social, as investigações envolvem “comportamento inautêntico coordenado no Brasil a partir de notícias na imprensa e referências durante audiência no Congresso”.

Na época, o PSL disse que “não é verdadeira a informação de que sejam contas relacionadas a assessores do PSL, e sim de assessores parlamentares dos respectivos gabinetes, sob responsabilidade direta de cada parlamentar, não havendo qualquer relação com o partido.”

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Alguém sabe qual foi o conteúdo das mensagens no Facebook que geraram o cancelamento das contas?
    Não.
    Alguém sabe do conteúdo das lives e informações que geraram a prisão e confisco de equipamentos dos apoiadores do JB?
    Nem a polícia federal que fez as prisões e confisco sabe.
    Não sei como deputados e leitores deste blog descobriram para dizer que é fake.
    Já sei, vocês são videntes.
    Está explicado.

  2. QUEIROZ É O CARA! Essa notícia sobre fake é fake. Fica feio ficar falando fake. Nunca foi fake falar que o mito é inteligente e competente. Nunca foi fake falar que o presidente não é demente. A verdade agora é que a Lava Jato nunca prestou. Que Sérgio Moro nunca prestou. Que Deltan Dallagnol nunca prestou.
    A é que bom mesmo e honestos são Queiroz, o patrão e o pai do patrão.
    CONHECEREMOS A VERDADE E A VERDADE NOS LIBERTARÁ DOS FALSOS MESSIAS.

    1. Vixe, se não pode mentir como é que Bolsonaro ganhará a eleição? Essa conta não fecha.

    2. Verdade, lula viajou a varios países da europa antes das eleições dizendo que no brasil tinha milhões de crianças passando fome nas ruas.

  3. Se manifestar vc pode,o que não pode é mentir,como os bolsonaristas gostam de fazer nas redes sociais.

    1. Se manifestar pode. Não pode mentir, como a maioria hoje tem feito sem medidas e sem responsabilidade.

    2. Camarada, você vai poder se expressar livremente. Mas nem você, nem eu e nem ninguém poderá mentir nessas manifestações. Nenhum direito é absoluto no Brasil, nem mesmo o direito a vida (há pena de morte em caso de guerra). Eu posso me manifestar desde que não ofenda a sua integridade.

    3. Até pode, Carlos. Mas se prepare para um processinho. Esses caras vivem disso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Toffoli arquiva pedido para investigar presidente do STJ e filhos

Dias Toffoli arquivou um pedido enviado ao Supremo para abertura de investigação sobre o presidente Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, e seus dois filhos, os advogados Otávio Noronha e Anna Carolina Noronha.

O pedido, apresentado pelo advogado Carlos Alexandre Klomfahs, aponta o aumento da participação dos filhos em causas criminais no tribunal. Desde que João Otávio assumiu o comando do STJ, há quase dois anos, foram 24 habeas corpus apresentados na corte.

A lei não impede que filhos de ministros atuem no tribunal, mas a prática é questionada há anos e levanta suspeitas de favorecimento.

“Afinal, filho(s) de magistrados, desembargadores ou ministros de Tribunal Superior, certamente tem acesso a informações privilegiadas, contato direto com os colegas do pai, tratamento privilegiado pelos servidores, aos quais não interessa ter qualquer atrito com um desembargador. Não é pouca coisa, principalmente porque os clientes verão nisso uma chance maior de vitória”, diz o pedido de investigação.

O advogado lembrou que compete ao Conselho Nacional de Justiça investigar a atuação de ministros do STJ. O corregedor-nacional, porém, é um ministro do próprio tribunal. Na semana passada, por exemplo, o atual ocupante do cargo, Humberto Martins, arquivou representação contra Noronha em razão da decisão que concedeu prisão domiciliar a Fabrício Queiroz.

Klomfahs queria que o STF encaminhasse seu pedido à Procuradoria-Geral da República para avaliação — compete apenas ao órgão solicitar formalmente à Corte a abertura de inquérito, caso encontre indícios de crime.

Toffoli, no entanto, arquivou o caso ontem, um dia após a chegada do pedido. Apenas mandou intimar a PGR sobre para comunicar sua decisão, sem pedir um parecer, como de praxe.

 

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Esse cara é amigo do pai do patrão de Queiroz que é o chefão de uma organização que não é muito legal. Teve um amigo da turma de amigos perigosos que foi morrido lá na Bahia.

  2. Se autorizasse investigação dos filhos do Noronha, teria que abrir também investigação dos contratos do escritório de direito de sua mulher e a mesada que recebe pra facilitar os resultados no stf.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

VÍDEO – Cantor Leonardo fala sobre acidente com os filhos: “Salvos por caminhoneiros”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Estão todos bem. Obrigado por todo carinho.

Uma publicação compartilhada por Leonardo ?? (@leonardo) em

A família do cantor sertanejo Leonardo passou por um grande susto.

Dois dos seis filhos do músico e o sobrinho, filho do cantor Leandro, se envolveram em um acidente de carro durante o caminho da fazenda do cantor, a Talismã, no interior de Goiás. No percurso, o motorista tentou desviar de uma carreta e acabou capotando na estrada e caindo no Rio dos Bois.

Leonardo então foi para as redes sociais ao lado de Zé Felipe, Matheus Vargas, João Guilherme e do sobrinho, Leandrinho. Na gravação, ele explicou com detalhes como ocorreu o acidente e tranquilizou os fãs, deixando claro que todos estão bem.

“Como vocês já viram um acidente que teve com os meninos. O Zé Felipe não estava. Estava o Matheus, o Leandrinho, meu sobrinho, filho do Leandro, e o João Guilherme e o Tita, o motorista. Eles estavam vindo para a fazenda ontem à noite. Tem 50km de estrada de terra. A estrada está muito boa, mas as pontes são aquelas feitas de madeira feitas há 100 anos atrás. O motorista por ser um cara de cidade, de asfalto, passou direto na poeira dos caminhões que estava passando…”, relatou.

No final, Leonardo contou que eles foram ajudados pelos caminhoneiros e agradeceu a Deus pelo córrego estar com pouca água, já que eles caíram de uma altura de dez metros: “Na poeira ele passou direto e caiu dentro do córrego. para a felicidade de todos nós o córrego estava com pouca água. Eles caíram de uma altura de 10 metros, bateu e virou com as quatro rodas pra cima. graças a deus os caminheiros ajudaram eles a sair do carro. Só o Leandrinho que teve uma luxação no pulso, mas está tudo certo”, encerrou.

Keila Jimenez- R7

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Lula diz que Bolsonaro não soube “educar os filhos”

Foto: Reprodução/YouTube

Em uma live com seu poste favorito, Fernando Haddad, Lula criticou Jair Bolsonaro e os filhos do presidente.

“[Bolsonaro] Não teve bom senso nem para educar os filhos, porque os moleques são mal educados, são pessoas agressivas e são pessoas que adoram trabalhar com mentiras. Me parece que eles adoram mentir, me parece que é a lógica da família Bolsonaro”, disse o petista.

Na conversa com Haddad, que foi ministro da Educação em seu governo, Lula também atacou Abraham Weintraub, que ontem anunciou sua saída do MEC.

“Me assusta profundamente o grau de destruição não apenas da educação, mas do comportamento, da ordem pública, o grau de destruição do respeito às pessoas, o grau de destruição do jeito carinhosos como os brasileiros costumavam ser. […] Ele não entende de educação, jamais poderia ser ministro da educação neste país.”

Com o Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Kkkkk, essa é, disparado, a piada do [email protected]
    Só muita cachaça para falar tanta asneira.
    Só faltou ele sugerir ao Bolsonaro para se mirar nele de como ser a pessoa mais honesta do Brasil.
    É um palhaco

  2. Por que a imprensa ainda divulga notícias dessa pessoa, que tanto mal fez ao país. Deixem de divulgar notícias dele. Todas. Reduzam ele à insignificância.

  3. Kkkkk. Esse aí como pai deve ter educado muito bem o Lulinha. Passou de zelador de zoo a corrupto bilionário.

  4. Basta seguir o exemplo do Lula paz e amor. Este educou bem os seus …, muito bem educados. Na moral, se fosse o presidente renunciava. Essa nação não o merece. Nada merece isso. Muita perseguição para uma pessoa so. Se Trump perder a eleição o mundo estara na mao dos educados e amorosos e carinhosos. Depois nao vao reclamar dos tais Antifas e do George Soros. NÃO RECLAMEM DEPOIS!

  5. O comentário desse indivíduo é uma piada de péssimo gosto, na minha terra o sujo não fala do mal lavado. É muita prepotência, o apanhado de excremento de hipopótamo, o copiadora de Google……kkkkkkk são ótimos exemplos, por sinal, o que este senhor ensinou a nós brasileiros? Que roubar compensa.

  6. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk………HAJA 51 !!!!!!!!!!!!!!!!!

  7. Acho inaceitável que esse verme seboso ainda esteja solto dando entrevistas, como se ainda alguém acreditasse nele. O lugar dele é no fundo duma cela imunda! Somente graças ao STF isso ainda acontece.

  8. Que autoridade tem esse desonesto pra não dizer crápula/ladrão de falar de outras pessoas, vc pode comemorar estar solto, pelo Brasil não ter uma justiça seria, vc era pra tá na prisão perpétua.

    1. Ele e muitos que estão no poder…infelizmente ou felizmente, Bolsonaro é o efeito colateral do governo Lula. Por isso e muito mais.. tudo farinha do mesmo saco ou até pior.. porque esse senhor não sabe nem governar e arrumar sua própria casa.Tá longe de ser um presidente. E viva o Brasil!!!!

  9. Esse sabe educar …nada de rachadinhas , o LADRAO CHEFE EDUCOU OS FILHOS A ROUBAR BILHÕES , HÁ LADRAO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

“Você tem a impressão de que a Suprema Corte não gosta de mim?”, ironiza Trump, após programa de proteção a filhos de imigrantes em situação irregular ser mantido

Foto: NICHOLAS KAMM / AFP

Em uma das mais duras derrotas sofridas pelo presidente Donald Trump na Suprema Corte, a Justiça derrubou seus planos de acabar com um programa que protege da deportação jovens filhos de imigrantes em situação irregular nos Estados Unidos.

Numa decisão apertada, por cinco votos a quatro, os juízes deram razão às decisões judiciais em instâncias inferiores, considerando “arbitrária” a posição defendida pelo Departamento de Segurança Interna, que em 2017 defendeu o fim do programa conhecido como Ação Diferida para Chegadas na Infância (Daca, na sigla em inglês).

Ao comentar a decisão, Trump disse no Twitter que “essas decisões horríveis e politicamente carregadas vindas da Suprema Corte são tiros de escopeta na cara de todas as pessoas que se orgulham de serem chamadas republicanas ou conservadoras. Precisamos de mais juízes ou perderemos nossa segunda emenda e tudo mais”, e pediu que as pessoas votem nele em novembro.

Depois ironizou:

“Você tem a impressão de que a Suprema Corte não gosta de mim?”

Foi a segunda derrota do presidente na Suprema Corte em menos de uma semana: na segunda-feira, o tribunal decidiu ser ilegal demitir uma pessoa porque ela é homossexual ou transgênero.

Proteção legal

Criado em 2012 pelo então presidente Barack Obama, a Daca era uma espécie de proteção a pessoas que entraram irregularmente nos EUA quando ainda eram crianças, muitas vezes acompanhadas pelos pais. O plano prevê a concessão de um visto que permite estudar e trabalhar por dois anos, com possibilidade de renovação, muito embora não sirva de garantia para a regularização migratória ou mesmo a residência permanente.

Para ter acesso ao benefício, a pessoa tem que ter chegado aos EUA com menos de 16 anos, vivido no país de forma ininterrupta por um determinado período, não ter antecedentes criminais e ter pelo menos o Ensino Médio ou ter servido nas Forças Armadas. O programa foi uma forma do governo Obama colocar em prática um projeto de lei apresentado em 2001, o Ato de Desenvolvimento, Apoio e Educação para Menores Imigrantes, que jamais foi aprovado no Congresso.

Por conta da sigla em inglês desse projeto, “DREAM”, as pessoas que foram aceitas na Daca passaram a ser chamadas de “Dreamers”, “sonhadores” em inglês. Estima-se que 700 mil pessoas tenham sido beneficiadas.

Ataque contra Daca

Contudo, ao assumir a Presidência em 2017, o presidente Donald Trump disse que iria suspender a Daca, como parte de sua ampla proposta de revisão do sistema migratório dos EUA.

Em setembro daquele ano, em um memorando de apenas uma página, o então secretário de Justiça, Jeff Sessions, afirmou que a Daca era inconstitucional, e que deveria encerrá-la para evitar ser alvo de processos — um deles, liderado pelo Texas, defendia que o programa deveria ser imediatamente fechado. Por outro lado, 15 estados e o Distrito de Columbia, onde fica a capital, Washington, entraram com uma ação contra o presidente.

Mas a visão da Casa Branca não encontrou respaldo na Justiça: tribunais consideraram que o governo, ao derrubar a Daca, violava as leis federais que regem a elaboração de políticas públicas, dando razão a grupos de defesa dos imigrantes.

Enquanto uma decisão definitiva não era tomada, milhares de pessoas foram colocadas em uma espécie de limbo, sem saber se poderiam ficar nos EUA ou se seriam deportadas. Muitos dos “dreamers” chegaram ao país ainda bebês, e não guardam qualquer laço com seus países de origem, sem contar o fato de já terem uma vida estabelecida na sociedade americana. Muitos chegaram a lutar em conflitos como no Afeganistão e no Iraque.

O caso chegou à Suprema Corte no ano passado, tendo como base duas questões: se as decisões das instâncias inferiores têm o poder de revisar uma decisão de Trump e se o governo deu razões suficientes para pôr fim ao programa. Como se viu hoje, a decisão foi contrária às intenções de Trump.

Depois da Justiça, a questão retorna ao Congresso, que há quase duas décadas debate a medida, algo que pode se tornar mais um tema delicado para os republicanos. A Daca é um programa que tem grande aprovação entre os americanos, mas, ao mesmo tempo, se insere em um dos pilares da candidatura de Trump, a imigração.

Isso põe ainda mais pressão sobre os governistas que também buscam permanecer em seus cargos na Câmara e no Senado, e que enfrentam problemas relacionados à visão do público sobre Donald Trump, hoje com taxas de aprovação em queda livre.

O Globo

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Moraes lê ameaças a filhos de ministros ao defender inquérito e fala de incitações de estupro e morte

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quarta-feira (17) que incitar estupro de filhas de ministros da Corte não é o mesmo que exercer a liberdade de expressão, mas sim um crime. Ele deu a declaração ao votar pela continuidade e legalidade do inquérito das fake news. Em seu voto, Moraes leu exemplos de ameaças publicadas contra ministros.

“ ‘Que estuprem e matem as filhas dos ordinários ministros do STF’. Em nenhum lugar do mundo isso é liberdade de expressão. Isso é bandidagem, criminalidade. Postado por uma advogada do Rio Grande do Sul, incitando o estupro”, citou Moraes.

“Liberdade de expressão não é liberdade de destruição da democracia, instituições e honra alheia”, completou o ministro.

Segundo o ministro, outro trecho de ameaça dizia: “ ‘Quanto custa atirar à queima roupa nas costas de cada filho da p# ministro do STF que queira acabar com a prisão em segunda instância. Se acabar com a segunda instancia, só nos basta jogar combustível e tocar fogo do plenário com os ministros dentro’ . Onde está aqui a liberdade de expressão?”, questionou Moraes

O ministro citou ainda o caso de um artefato que explodiu em frente à casa de um dos integrantes da Corte. “Para que se pare de uma vez por todas de se fazer confusões de críticas, por mais ácidas que sejam, que devem existir e continuar, com agressões, ameaças e coações”, explicou.

Com G1

Opinião dos leitores

  1. Os Ministros do STF também erram, e muito . Mas isso que Alexandre de Morais falou é verdade, pois não se pode confundir liberdade de expressão com incitações à prática de crimes.
    Se isso não for contido a tempo, será o primeiro passo para a bárbarie.

  2. Agressão a autoridades tem que ser banida. O Brasil ainda não tem lei suficiente para tal.
    Sem respeito às autoridades, não há ordem social. Reivindicamos ao Congresso.

  3. Vi o a postagem do ministro inclusive lendo as ameaças . Em qualquer país com o mínimo de civilização , essas pessoas seriam imediatamente presas , e penariam muito para acertar as contas com justiça . Defender esse tipo de gente não ê racional . Radicalização deve ser punida independente de partido ou facção política seja ela de direita ou esquerda .

    1. Aqueles que intimidaram e ameaçaram a ministra Carmen Lúcia, inclusive pondo em risco a integridade dos outros moradores do condomínio da ministra, teve algum “inquérito” instaurado por suas excelências? Por quê não? Aquilo não foi crime?

    2. Ricardo, pela primeira vez você está lúcido em seus comentários, concordo com sua colocação, de que qualquer radicalização deve ser punida independente de partido, mais por outro lado, isso serve para que os ministros vejam o que o cidadão comum sofre , muitas vezes são ameaçados e não tem com ameaças e não tem a quem reclamar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Filhos de Trump insinuam que Biden é pedófilo e que coronavírus é farsa política

Foto: Ethan Miller/Getty Images – 23.fev.16/AFP

Os dois filhos mais velhos do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fizeram sérias acusações ao principais adversários políticos do pai, que concorre, em novembro, à reeleição no país.

Donald Trump Jr., 42, publicou, no sábado (16), uma montagem com um trocadilho em inglês em que insinua que Joe Biden, pré-candidato à presidência pelo Partido Democrata, de oposição a Trump, é pedófilo.

Eric Trump, 36, disse, em entrevista à Fox News no mesmo dia, que os democratas estão usando a pandemia de coronavírus como uma farsa política para prejudicar a campanha de reeleição do pai.

A estratégia de atacar os adversários não é uma exclusividade dos filhos de Trump, mas vem em um momento em que os EUA se tornaram o novo epicentro da pandemia de coronavírus. As medidas de contenção também devastaram o principal trunfo político de Trump, que era o o bom momento da economia americana.

Na TV americana, Eric defendeu a reabertura do país, motivo de conflito entre o presidente e os governadores. Segundo ele, os democratas acham que o confinamento está tirando a “maior ferramenta” do líder republicano, que é “entrar em uma arena e preenchê-la com 50 mil pessoas todas as vezes”.

Ele também apostou em um “desaparecimento mágico” do coronavírus após as eleições americanas.

“Vocês vão ver. Eles [democratas] insistem nisso [isolamento] todos os dias, de hoje até 3 de novembro [dia da eleição]. E adivinhe, depois de 3 de novembro, o coronavírus magicamente, de repente, vai embora, vai desaparecer e todos poderão reabrir.”

Eric também afirmou que, como presidente, seu pai tem que tomar “uma das decisões mais difíceis que qualquer presidente da história já teve”.

“Você precisa por na balança a segurança do povo versus nossa economia, mas os EUA precisam voltar ao trabalho, e os americanos também querem voltar ao trabalho”.

Em comunicado, a diretora de comunicação da campanha de Biden, Kate Bedingfield, disse que os comentários de Eric foram “inacreditavelmente imprudentes”.

“Estamos no meio da maior emergência de saúde pública do século, com quase 90 mil americanos mortos, 1,5 milhão de infectados e 36 milhões de trabalhadores recém-desempregados. Portanto, Eric Trump afirmar que o coronavírus é uma farsa política que desaparecerá ‘magicamente’ é absolutamente impressionante e inacreditavelmente imprudente”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

??? that said, there’s definitely way too many Creepy Joe videos out there!

Uma publicação compartilhada por Donald Trump Jr. (@donaldjtrumpjr) em

Enquanto Eric criticou os democratas como um todo, Trump Jr. mirou seu ataque diretamente na reputação de Joe Biden. A montagem no Instagram, insinuando que o candidado democrata é pedófilo, foi feita após a publicação de uma sequência de trechos de vídeos nos quais Biden aparece em contato com crianças durante um evento quando ainda era vice-presidente no governo de Barack Obama.

“Há muitos clipes diferentes de Joe Biden, bizarra e inapropriadamente, cheirando cabelos e tocando meninas. Alguém realmente acha que esse é um comportamento normal de Joe?”, escreveu Trump Jr., em uma das publicações no Twitter.

Criticado, ele fez uma nova publicação com fotos de Biden tocando crianças em eventos, e disse que os emojis de risadas que usou no Instagram são suficientes para “indicar a qualquer pessoa com bom senso” que ele estava brincando ao acusar Biden de pedofilia.

“Se a mídia não quer que as pessoas zombem e façam piadas sobre o quão assustador Joe é, então talvez ele deva parar o toque indesejado e manter as mãos para si.”

Em um comunicado, o porta-voz de Biden, Andrew Bates, disse: “Nenhuma tática repulsiva e manipuladora mudará de assunto de como quase 90 mil americanos pagaram com suas vidas pela negligência de Donald Trump em relação ao coronavírus, e de como como a economia em expansão que ele herdou do governo Obama-Biden agora está sofrendo com a perda de empregos no nível da Depressão [de 1929].”

No começo do mês, Biden negou pela primeira vez, após semanas de silêncio, as acusações de assédio sexual feitas por sua ex-assessora no Senado Tara Reade.

Segundo ela, em 1993, Biden a encostou contra uma parede em um prédio do Senado, enfiou a mão sob suas roupas e a penetrou com os dedos.

“Reconheço minha responsabilidade de ser uma voz, um defensor e um líder da mudança na cultura que começou, mas que está longe de terminar. Então, quero abordar as acusações de uma ex-funcionária de que tive uma má conduta há 27 anos. Elas não são verdadeiras. Isso nunca aconteceu”, escreveu Biden em um artigo publicado em 1º de maio na plataforma Medium.

O presidente Trump também já foi acusado de agressão sexual e erro de conduta sexual por mais de uma dúzia de mulheres, que descreveram um padrão de comportamento que ultrapassa em muito as acusações feitas a Biden. ​

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Se Trump não se reeleger. Bolsonaro ficará completamente isolado do resto do mundo!
    Mais fumo no Brasil consequentemente.

  2. Edilson, infelizmente, sob a minha ótica, continua sendo falta de PAI. Não me refiro a quem levou mais ou é mais perseguido, certamente os filhos de nove dedos levaram muito mais, inclusive pelo fato de precisarem mais. E essa busca dos órgãos de controle, tipo COAF, sabemos bem a razão, ou seja, o anterior era mais mala.

  3. Essa procedência é muito parecida com as daqui. Os filhos do Trump devem estar querendo desviar o foco de algo maior.

  4. Parece que esse problema de família não é só aqui, antes eram os filhotes de Lula, agora os filhotes do Messias, nos EUA os filhos de Trump, devia ter algo que impedisse esse tipo de intromissão, acho que isso é falta de pai.

    1. Só que o coaf e imprensa não fez com os de lula como esta fazendo com bolsonaro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *