Saúde

Vacina contra Covid aplicada perto do glúteo em SC repercute; entenda

Foto: Laura Braz/Arquivo pessoal

A foto de uma moradora de Joinville, no Norte catarinense, recebendo a vacina contra a Covid-19 no músculo do ventroglúteo, próximo ao glúteo, chamou a atenção nas redes sociais, já que muitos municípios têm aplicado o imunizante no braço. Laura Braz, de 25 anos, foi vacinada com a primeira dose na sexta-feira (20) (veja mais abaixo).

A gerente de Vigilância em Saúde de Joinville, Fabiana Almeida, afirmou que outros imunizantes já são aplicados dessa forma no município. “Como já é rotina de outras vacinas, nós optamos pelo ventroglúteo”, disse.

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive), porém, afirmou que não há diferença na eficácia da vacina ou posterior dor no local entre os dois músculos.

O G1 aguardava, até a publicação desta notícia, resposta do Ministério da Saúde sobre qual local de aplicação da vacina contra Covid-19 é recomendado.

Sem diferença

A explicação da gerente de Vigilância em Saúde de Joinville, de aplicação da vacina conforme já é feito no município, está de acordo com as orientações da Dive. “O estado já orienta que seja feita [a imunização contra a Covid] como as vacinas de rotina”, disse a gerente de Imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, Arieli Fialho.

O ventroglúteo pode ser uma primeira opção.

“Esse músculo é maior, é livre de nervos. Desde que o profissional da saúde tenha capacitação para delimitar esse músculo, é uma opção”, afirmou Fialho.

Ela também disse, porém, que as bulas das vacinas falam mais do deltoide, que fica no braço. “A vacinação é intramuscular. Geralmente as bulas vêm com orientação de deltoide, mas não significa que não possa ser feita em outros músculos”, afirmou.

Não há um levantamento para saber quantos municípios catarinenses optam por braço ou ventroglúteo. “Acredito que a maioria seja deltoide. Como estão fazendo muito drive-thru, é um músculo de mais fácil acesso”, disse Fialho. Segundo ela, alguns pontos em Florianópolis também aplicam a vacina no ventroglúteo.

A gerente de Imunização da Dive também afirmou que não há estudos sobre diferenças de efeito colateral entre os dois músculos.

“Pode ter dor no local de qualquer maneira. Pode dar as mesmas reações, como dor e vermelhidão”, declarou.

“Não tem problema deltoide ou ventroglúteo, desde que o profissional de saúde tenha capacidade para delimitar o músculo. Não vai diminuir a eficácia”, resumiu.

Repercussão

A doutoranda Laura Braz ficou surpresa com a repercussão nas redes da foto da vacina.

“Estamos isolados em casa, eu e meus pais, todo mundo trabalhando de casa. A vacina era muito aguardada. Meus pais já tomaram as duas doses, a minha foi a primeira, na sexta. Meus pais já tinham tomado [a vacina] no quadril, não foi surpresa nenhuma. Já tinha tomada outras vacinas perto do glúteo. Não estou entendendo a repercussão, é algo totalmente comum”, disse.

Como esperava muito pela vacina, ela quis fazer a foto. “Registrei, não tive constrangimento nenhum. É algo bem comum para mim. Não ia perder. Pessoal tava estranhando ser perto do glúteo. Resolvi postar por brincadeira e saiu do controle. Agora não paro de receber mensagens”, contou.

Ela acredita que repercussão possa trazer algo positivo. “Se servir como incentivo para o pessoal se vacinar, já está bom. Até para o pessoal de Joinville perder a vergonha de postar, não tem nada de mais. Às vezes publicar, pode incentivar as outras pessoas”, resumiu.

Vacinação e Covid-19 em Joinville

Em Joinville, 331.045 pessoas receberam a primeira dose contra a Covid-19, de acordo com dados da manhã desta segunda (23) da Secretaria de Estado da Saúde. Esse número corresponde a 55,39% da população da cidade, que é a maior de Santa Catarina.

Receberam também a segunda dose 136.240 pessoas, o equivalente a 22,8% da população.

Moram em Joinville 597.658, de acordo com estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em Santa Catarina, 4.429.485 receberam a primeira dose, o que corresponde a 61,08% da população. Também receberam a segunda 1.954.140 pessoas, o equivalente a 26,94% da população do estado.

Moram em Santa Catarina 7.252.502 pessoas, conforme estimativa do IBGE.

G1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Pane do VAR no jogo Vasco e Internacional repercute na imprensa do exterior

A até então inédita no Brasil pane do VAR ocorrida no lance do primeiro gol do Internacional no último domingo, em São Januário, na derrota do Vasco por 2 a 0 para o time gaúcho, repercutiu na imprensa do exterior. Veja abaixo alguns exemplos.

Fotos: Reprodução

Com NetVasco

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

FOTOS: Entrevista de Pelé em que ele diz ser torcedor do Vasco repercute na imprensa mundial

Foto: Reprodução/Instagram

A entrevista do Pelé ao canal Pilhado do Youtube, do jornalista Thiago Asmar, no Youtube, em que o Rei do Futebol reafirmou sua torcida pelo Vasco repercutiu em todo o mundo. O ex-jogador falou de sua paixão pelo clube carioca, explicando também por que seu coração bate mais forte pelo Vasco.

“Não fui vascaíno, sou ainda. Para quem não se lembra, sou ainda. Meu time era o Santos, eu joguei no Santos, mas tenho o direito de escolher. Nunca deixei de ter carinho pelo Vasco”, disse Pelé, que justifica a escolha: “Naquela época, meu pai jogava com um jogador que se chamava Marinho, que era centroavante, e ele foi para o Vasco”.

Veja, abaixo algumas das manchetes:

Fotos: Reprodução

Com Extra e NetVasco

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

O QUE VOCÊ ACHA DESSE COMPORTAMENTO? Simulação de lambida no bumbum entre Mc Rebecca e Luísa Sonza repercute na web

Foto: Reprodução

O ‘Bloco da Anitta’ no Rio parou o Brasil. Com muito funk, Mc Rebecca causou polêmica ao simular uma lambida no bumbum de Luísa Sonza, usando sua fantasia de fita inspirada em Lady Gaga, no sábado (29). A performance gerou comentários nas redes socais e dividiu opiniões entre os internautas, principalmente, sobre a campanha de artistas contra a sexualização da mulher para que não sejam tratadas como objetos.

 

Opinião dos leitores

  1. Esses tipos de pessoas pedem e querem respeito? Infelizmente em questão de depravação, o nosso país ganha de lavada

  2. Inveja é pecado e mesmo que se fosse sentir seria de coisa boa, inveja de coisa podre eu não tenho Graças a Deus!!! Atitude repulsiva assim como é tudo na festa do satanás que é o carnaval

  3. Tem.muito sonso que acha que a terra é plana…que o corpo alheio lhe pertence para criticar e quando vai para a cama so quer fazer papai mamae pensando que esta agradando…santo só no céu…por isso que o outro levou CHIFRE…bem feito…pinto mole e PEQUENO, deixa para o bosonero…

  4. Essas figurinhas não me representam, se dizem feministas?! Ñ sabem nem o significado da palavra, depois querem respeito?! Lamentável!..

  5. daqui a 20 anos estaremos pagando a conta dessa depravação moral em que nosso país foi mergulhado…. quem viver, verá!

  6. BG.
    A ptRALHADA Deixou esse "legado" de depravação e putativa ao ar livre. Isso não é atentado ao pudor?. Cadê as autoridades, afinal essas figurinhas são de conhecimento público e conhecidas um processozinho nelas seria necessário.

    1. Uma coisa é ela fazer isso até afinar a língua dentro de um ambiente PRIVADO! Outra coisa é ela fazer isso em PÚBLICO!

  7. Tem coisas que não devem serem feitas em público, pra que esse tipo de coisa em plena luz do dia e em via pública. Cadê o respeito que tanto cobram? A QUE PONTO CHEGAMOS!!!

  8. Acho que cada um deve fazer o q bem entender com SEU corpo, o restante é só intromissão na vida alheia.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

Revelação de participante potiguar no BBB, Isabella Cecchi, vítima de abuso sexual na infância, repercute, e UOL alerta para sinais

Imagem: Reprodução/GloboPlay

Recentemente a participante Isabella Cecchi, do BBB, contou aos colegas que foi vítima de abuso sexual na infância. A estudante de medicina explicou que tinha apenas 9 anos quando estava se mudando com a família e ganhou de presente da tia um guarda-roupa. “O rapaz chegou para montar e eu fiquei olhando. Aí ele começou a tirar da carteira umas fotos totalmente pornográficas. Eu não sabia nem o que era sexo”, disse.

Em seguida revelou que o homem tentou ver partes do seu corpo e a jogou na cama, proferindo ameaças: “Eu fiquei sem reação e ele em cima de mim, eu nunca me esqueço dessa cena”. Por fim, disse que estava pálida quando procurou a ajuda da irmã — e que o responsável pelo crime saiu algemado da casa, preso em flagrante.

Crime é recorrente no país

Infelizmente, violências como essa são comuns no Brasil. De acordo com o Ipea, 50,9% das vítimas de estupro tem até 13 anos. “Em geral, o crime é cometido por pessoas de convívio próximo, no próprio ambiente familiar”, explica Karina Lira, assessora de proteção da ONG Visão Mundial. De acordo com a especialista, por este ser um espaço considerado seguro e por existir confiança entre as pessoas, pode ser difícil identificar os abusos.

Responsáveis devem estar atentos aos sinais

“Para as crianças e adolescentes costuma ser difícil falar sobre os episódios”, ressalta Karina. Principalmente nos casos em que o abusador é uma figura de convívio diário, como pai, padrasto, tio ou avô. “É comum que pensem que os demais não acreditarão na história. Além disso, muitas vezes o abusador faz de tudo para que a criança mantenha o silêncio. Para atingir esse objetivo, pode ameaçá-la de morte ou dizer que vai machucar seus entes queridos”, diz.

Logo, a identificação do crime deve ser feita com base no comportamento dos menores. “Na maior parte das vezes, eles mudam a maneira de ser. Passam a dormir e se alimentar mal, ficam mais agressivos e retraídos”, aponta Karina. Em alguns casos, podem haver hematomas pelo corpo e sangramento nas roupas. Esses fatores, isoladamente, não confirmam a possibilidade de abuso, mas devem levantar a suspeita dos responsáveis para que o caso seja investigado.

Quando é possível denunciar?

Na dúvida, o primeiro passo é conversar com a criança ou adolescente, ressaltando que é seguro se abrir sobre o assunto. “Ainda assim, há casos em que a vítima continuará em silêncio”, pontua a especialista. Se a desconfiança persistir, a recomendação é denunciar. “Dessa maneira, o órgão de proteção mais próximo (Conselho Tutelar ou uma delegacia especializada na infância) pode investigar a situação”, assegura. Não é preciso que o abusador seja pego em flagrante ou que existam fotos ou vídeos comprovando a violência. Basta uma denúncia (que pode ser feita anonimamente por qualquer pessoa através do Disque 100) para que a averiguação se inicie.

Vítimas necessitam de uma rede de apoio

Vítimas de abuso sexual precisam passar por atendimentos médico e psicológico. “Gravidez, doenças sexualmente transmissíveis e lesões na região genital são algumas das condições que precisam ser descartadas ou tratadas nas crianças”, exemplifica Karina. No âmbito emocional, as consequências variam. “No futuro, elas podem ter dificuldade de se relacionar socialmente, ansiedade, depressão e até dependência química”, completa. Por isso a importância de receber os dois tipos de suporte.

Medidas de proteção

Karina ressalta ainda que é possível trabalhar, no ambiente doméstico, formas de autoproteção. “Trata-se de ajudar a criança a identificar o que é uma violência e para quem pode pedir ajuda quando sentir que precisar”, detalha. Dessa forma, a criança pode reconhecer situações de desconforto envolvendo o corpo e dar nome aos sentimentos, manejando as emoções. “É importante explicar, por exemplo, quais segredos podem ser guardados e quais precisam ser revelados. Se causa sofrimento, não deve ser escondido”, finaliza.

Universa – UOL

Opinião dos leitores

  1. Fiquei com pena da Isabele, vítima de um canalha, que praticou crime hediondo.

    Mais me pergunto, como é que uma jovem como Isabela que já sofreu esta amarga experiência, agora vai se confinar num programa do nível do BBB????
    E o pior, atrasar sua conclusão do curso de Medicina. Resumindo deixou de dar continuidade a uma atividade séria e de responsabilidade, pra ir se mostrar num lugar que não a vai levar a destino nenhum. Pois muitos dos que ali passaram estão ou fizeram aparição pornográfica. Isabela venha continuar sua faculdade, pois seu futuro está nela. Pergunto… se por acaso vc vencer no programa, você vai ser "artista" e abandonar a Medicina ? Se sim, que pena!!!! Artista geralmente morre no esquecimento, e ser médica é para sempre!!!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Carlos Eduardo tem faltado com o eleitorado: ausência de candidato ao Governo do Estado em debate repercute

Artigo do Blog do Barreto tem sido destaque nas redes sociais nesta quinta-feira(20). Íntegra abaixo, intitulada “Um candidato blasé”, relata ausência do candidato ao governo do Estado, em momentos importantes para o eleitorado. O caso mais recente destaca a sua falta no debate da TV Ponta Negra. Confira:

Vivi para ver um candidato estagnado nas pesquisas e correndo sério risco de perder o pleito no primeiro turno se recusar a participar de um debate. Quem está em primeiro se esconder já é feio, imagine quem está atrás.

Pouco importa se o candidato ao Governo Carlos Eduardo Alves (PDT) tem algum problema de ordem pessoal com a TV Ponta Negra. Nem sei se tem, mas se tiver não justifica porque é falta de respeito não com a emissora, mas com o povo.

Mas o perfil candidato blasé de Carlos Eduardo Alves não para por aí. Mesmo com a popularidade em baixa em Natal ele achou que dava para renunciar ao cargo de prefeito de Natal mesmo prometendo cumprir o mandato até o final.

Mesmo com a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) impopular em Mossoró ele achava que bastava ter o filho dela como vice bastaria para vencer no segundo colégio eleitoral do Rio Grande do Norte.

Todos os colegas com quem converso afirmam que é uma dificuldade extrema conseguir uma entrevista com o candidato pedetista. Para ele ir a Intertv Cabugi é o que basta.

Carlos Eduardo vai tendo dificuldades no interior do Estado, mas acha que é apenas por ser “desconhecido”. Não é bem assim. Os relatos sobre a célebre antipatia dele ganham força.

Temos um candidato blasé no Rio Grande do Norte.

Blasé: é quem exprime completa indiferença pela novidade, pelo que deve comover, chocar etc. Quem está embotado pelo excesso de estímulos (sensoriais, afetivos, intelectuais etc.) ou de prazeres, e que se tornou insensível ou indiferente a eles.

Blog do Barreto

 

Opinião dos leitores

  1. Carlos Eduardo tem que lembrar que o governo do PT roubou a refinaria que seria construída em Guamaré,tirando assim,milhares de empregos dos potiguares,e pra melhorar,levou pra o Pernambuco, lá pra Abreu e Lima,nunca saiu nem da terra plenagem, será que isso é ou não relevante pra opinião dos eleitores de fátima?esqueci que os eleitores de fátima não trabalham,só vivem mamando nas tetas de quem trabalha….

  2. Ninguém lembra que ele não comparecia aos debates para prefeito? E mesmo assim, o povo que AMA OS ALVES fez com que ele vencesse?

    1. deuzulivre!!
      esquerda fajuta nunca!
      é melhor ficar com o menos ruim, no caso, robin.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *