Comissão decide que segundo debate entre presidenciáveis nos EUA será virtual, e Trump diz que é “ridículo” e não vai participar

Foto: Reprodução/GloboNews

A comissão que organiza os debates entre os dois principais candidatos a presidente dos Estados Unidos, Joe Biden e Donald Trump, anunciou nesta quinta-feira (8) que o segundo confronto entre eles será feito remotamente, sem que os dois estejam no mesmo local. O encontro está agendado para o dia 15 de outubro.

Trump disse que se recusa a participar de um debate virtual. Ele deu uma entrevista por telefone a um programa da rede de TV Fox.

“Eu não vou perder meu tempo com um debate virtual, essa não é a ideia de um debate. Senta-se atrás de um computador e se debate, é ridículo. Isso não é aceitável para a gente”, disse ele.

O primeiro debate entre os dois aconteceu em 29 de setembro. Três dias depois, Trump anunciou que estava com Covid-19. Os candidatos a vice também tiveram seu confronto, que foi presencial, nesta quarta-feira.

O presidente afirmou que só soube da decisão de organizar um debate virtual nesta quinta-feira, minutos antes de sua participação por telefone no programa de TV. Ele acusou a comissão que organiza o debate de tentar proteger Biden.

O presidente foi hospitalizado no dia 3 de outubro e voltou à Casa Branca na segunda-feira. No dia de seu retorno, afirmou que estava ansioso para participar de um segundo debate com Biden. Nesta quinta, Trump disse que se sente “pronto para voltar a fazer campanha”, mesmo sem ter se curado.

Em nota, a comissão afirmou que o segundo debate terá o formato de um encontro com eleitores. Os candidatos vão participar de locações remotas e distintas. O texto cita a saúde e segurança de todos os envolvidos como um dos motivos para o formato.

O plano é que o moderador, Steve Scully, conduza o debate de um centro de convenções em Miami. Eleitores da região sul do estado da Flórida vão fazer perguntas aos candidatos.

Primeiro debate

O primeiro debate entre os dois candidatos aconteceu no dia 29 de setembro. O confronto foi marcado por interrupções e acusações entre os dois.

Falando muito desde o começo, Trump quase não deu espaço para o adversário, interrompendo inclusive o moderador e tornando difícil a distribuição do tempo.

Biden, irritado, chegou a pedir para que Trump se calasse para que pudesse falar: “Você quer se calar, homem?”.

Veja alguns dos temas que foram debatidos no primeiro encontro:

A indicação para a Suprema Corte da juíza Amy Coney Barrett;

A força dos grupos mais radicais de esquerda dentro do Partido Democrata;

Os impostos de Donald Trump, que teria contribuído com US$ 750 em 2016 e não pagou nada em dois anos anteriores;

Os protestos e atos políticos durante a presidência de Trump

Debate por transmissão em 1960

Esta não é a primeira vez que um debate de presidenciáveis nos EUA é organizado para ser realizado sem que os debatedores estejam em um mesmo local.

Em 1960, John F. Kennedy e Richard Nixon fizeram um encontro via transmissão (um deles estava em um estúdio na cidade de Nova York, e o outro, em Los Angeles).

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Sr. Arthur lave a boca, educação, respeito e parcimônia advém da família e do caráter, esse seu comentário é grosseiro e despropositado, eivado de ignorância, lembre-se que vc muito parecido com um ser humano, pode eventualmente sofre uma queda ou acidente, aí vc vai implorar pela misericórdia de Deus e Justiça dos HOMENS.

    • Manoel C. disse:

      Você sempre se porta grosseiramente e debochado, agora tomou as dores do Pr.? Tenha vergonha na cara, hipócrita.

  2. Lopim disse:

    Esse povo todin já foi, e Lula tá quase indo de novo.

  3. Arthur disse:

    Daqui a pouco vai simular uma facada pra fugir dos debates.

  4. Antonio Turci disse:

    Trump tem razão. Debates, aulas, exames médicos têm que ser atividades presenciais entre outras centenas. O resto é medo, preguiça, impossibilidade…….

  5. Jailson disse:

    Maurício Macri já foi…
    Trump está indo…
    Bolsonaro tá bem ali na esquina…

Audiência de live de debate em Assu mostra alto grau de engajamento do eleitor na campanha

A campanha em Assu demonstra que o nível de engajamento do eleitor já é um dos mais elevados do RN.

Em debate promovido pelo Observatório da Várzea no Youtube, o candidato do PL à reeleição aproveitou a ocasião para expor as ações realizadas durante sua administração.

A transmissão já tem mais de 16 mil visualizações, o que considerado muito elevado para um programa eleitoral e em município do interior, e em canal que tem 1,2 mil inscritos.

Foram mais de duas horas de live, uma oportunidade para o assuense comparar programas, propósitos e estilos dos candidatos. O momento refletiu o projeto de Dr. Gustavo e Fabielle, em sintonia com as propostas de continuidade de trabalho para o Assú, de forma responsável e séria.

O prefeiro Dr. Gustavo e Ivan Jr. duelaram em debate tradicional, em que apresentaram propostas ao mesmo tempo que atacaram dentro das etiqueta de civilidade.

“Apesar da tradição da minha família, da qual me orgulho, eu não sou um político tradicional. Todos já perceberam que meu perfil é de gestor. Meu foco é sempre o resultado, é a meta atingida, o compromisso cumprido, a obra feita e entregue, o programa funcionando bem e o povo bem atendido no seu direito e nas suas necessidades”, destacou o prefeito.

Em debate em Porto Alegre, ex de Manuela d’Ávila a acusa de traição

Foto: Reprodução/Instagram

Na noite da última quinta-feira, dia 1º de outubro, candidatos à prefeitura de diversas cidades se enfrentaram nos primeiros debates das Eleições 2020, que foram promovidos pela Band. Em Porto Alegre, Manuela d’Ávila, (PCdoB) que lidera as pesquisas de intenção de voto, foi alvo de acusações de traição de seu ex-noivo, Rodrigo Maroni (Podemos) – que também concorre ao cargo – logo no começo do debate.

A candidata, que foi chamada à frente para fazer uma pergunta, o questionou sobre suas propostas para o período pós-pandemia. Rodrigo passou rapidamente pelo tema e logo começou uma série de ataques a ela, dizendo, por exemplo, que Manuela criou um “gabinete de ódio” dentro de seu partido que obrigava as pessoas a falarem bem dela. Em seguida, afirmou que ela traía outros políticos e, inclusive, ele mesmo: “A Manuela trai. E eu dou nome e sobrenome. Traiu a Rosane Bordignon, traiu seu primeiro chefe de gabinete, a Soninha Correia, André Machado, Beto Albuquerque… E a mim, óbvio”.

Diante das acusações, Manuela rebateu: “Como vocês podem ver, tem gente que vem para a eleição apenas para faltar com a verdade, mentir e tentar desestabilizar o debate de ideias”. Em seguida, mudou de assunto, apresentando suas propostas para a cidade de Porto Alegre.

Com Universa – UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. BOLSONARO LADRÃO disse:

    Grande Manu! Futura prefeita de Porto Alegre

  2. Marcos Benício disse:

    Ressentido esse cara, isso sim!

  3. Xico disse:

    Por caridade.
    Marrafa de bode de novo???
    Sei não!!

  4. LULA LADRAO disse:

    O povo gostar de sofrer kkk ainda votam nessa mulher. PQP

Comissão de Educação da Câmara Municipal de Parnamirim debate o uso das atividades não presenciais em tempos de pandemia

Foto: Reprodução

Nessa quinta-feira (25), a Comissão Permanente de Saúde, Educação e Assistência Social da Câmara Municipal de Parnamirim realizou uma reunião virtual sobre a suspensão das aulas presenciais nas escolas do município. A reunião, que ocorreu em formato de live, com transmissão ao vivo pelo Facebook, foi coordenada pela vereadora Vandilma Oliveira, presidente da comissão, e contou com a participação da coordenadora pedagógica da Secretaria de Educação, de Andrea Cunha, e do presidente do Conselho Municipal de Educação, Melquíades Leal.

O tema foi oportuno pois, no último sábado (20), a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec) lançou, em edição no Diário Oficial do Município, o plano de reorganização das atividades escolares da rede municipal de ensino, para orientar todo o corpo pedagógico sobre como proceder em razão da pandemia da COVID-19.

A vereadora Vandilma começou falando sobre a complexidade da situação atual, no que diz respeito à suspensão das aulas presenciais nas escolas do município e sobre os problemas e desafios tanto por parte dos professores quanto dos alunos com relação às aulas não presenciais. “Atualmente, tem-se uma exigência maior no sentido de contabilizar as aulas não presenciais dentro do calendário letivo”, ressaltou.

O plano de ações vai direcionar toda a rede municipal quanto às suas necessidades e particularidades. Os gestores discutirão em conjunto ao corpo pedagógico, as melhores estratégias de ensino direcionadas aos alunos da educação infantil e ensino fundamental, além do atendimento à Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Nesse sentido, a reunião virtual teve o objetivo de pensar como o sistema de ensino pode garantir o direito dessas crianças, jovens e adolescentes utilizando a educação à distância. “Estamos falando de um país com condições de acesso são diferentes, ou seja estamos falando de alunos que não têm a mesma condição de outros”.

Durante o debate, foi lembrado que os gestores e professores reconhecem que muitos alunos não têm condição de ter um tablet, computador e acesso à internet com qualidade. “A maioria dos pais não dispõe de tempo, pois precisam trabalhar e essas crianças não são de fato acompanhadas no dia a dia”, ressaltou a vereadora. Diante disso, visando tentar minimizar esse problema, a Secretaria Municipal de Educação lançou o plano orientador para nortear esse processo.

O presidente do Conselho Municipal de Educação, Melquíades Leal, fez um histórico do panorama das ações realizadas desde o lançamento da portaria do Ministério da Educação que suspendeu as aulas em nível nacional. Ele explicou que desde o início da pandemia o colegiado vem se reunido buscando soluções e diálogo para enfrentar essa situação no âmbito da educação pública. Dessa forma, o conselho propôs uma instrução normativa sobre o assunto, a partir de reuniões que envolveram todos os segmentos no universo escolar, como os professores, gestores, pais e alunos.

Já a representante da Secretaria de Educação, Andrea Cunha, ressaltou a importância do Plano orientador das ações pedagógicas, enfocando alguns aspectos do documento. “A pandemia do coronavirus trouxe uma situação de incerteza, de não poder planejar o futuro, pois o q pensamos para amanhã pode ser que não aconteça, por diversas razões”, disse.

Sobre as atividades não presenciais, a professora Andrea Cunha destacou que o plano dispõe que todos os alunos sejam incluídos, sem exceções. Assim, os exercícios serão impressos para as crianças, jovens e adultos que não possuem acesso à internet e portanto, não podem utilizar nenhuma ferramenta como auxílio ao seu processo de aprendizagem.

As orientações serão repassadas aos pais ou responsáveis sobre as atividades escolares encaminhadas por meio de comunicação possível pela Unidade de Ensino, alertando sobre a importância de estabelecer rotina de estudos em casa.

Fonte: Ascom/CMP

Departamento de Comunicação da UFRN suspende debates virtuais sobre diversidade após ataques racistas e diz que levará caso ao MP

Foto: Igor Jácome/G1

O portal G1-RN destaca nesta sexta-feira(05) que um grupo de estudantes do curso de Publicidade e Propaganda da UFRN sofreu ataques racistas durante um debate virtual que discutia justamente o racismo em uma plataforma digital. Após o ocorrido, a chefia do Departamento de Comunicação adiou uma entrevista online que haveria no dia seguinte sobre transsexualidade, temendo novas agressões. O Decom afirma que levará o caso ao Ministério Público.

Em nota, a UFRN afirmou que tem tem compromisso com o combate a práticas discriminatórias, de injúria racial e racismo, e disse que o canal para denúncias na instituição é a ouvidoria. Veja mais detalhes aqui em reportagem completa.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio disse:

    Os fascistas colocando as unhas de fora. Não retrocedamos, eles são minoria!

  2. Cabeça de cibola disse:

    Não é de se admirar, o povo só sabe destilar ódio ultimamente..

Turismo do RN debate desafios para a retomada das atividades

Foto: Emprotur

A equipe da Secretaria de Estadual de Turismo (Setur/RN) e Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur) estão construindo o Plano de Retomada do Turismo do Rio Grande do Norte, com apoio do trade turístico potiguar, prefeituras e associações. Reuniões periódicas estão acontecendo por videoconferência para tratar sobre as ações que estão sendo tomadas com o objetivo de mitigar os impactos da crise provocada pela pandemia, como também debater o plano de retomada do setor.

Durante os meses de abril e maio, pesquisas foram desenvolvidas em âmbito nacional e regional para que o trabalho da Setur/Emprotur fosse norteado pelos resultados. “Vivemos um momento único no mundo, o turismo precisa refletir essa realidade, por isso inicialmente investimos em pesquisas. Elas nos ajudam a entender o comportamento dos profissionais do setor e quais suas expectativas, e também nos mostra como os municípios estão sendo afetados nesse momento”, explica o presidente da Emprotur, Bruno Reis.

Encontros virtuais foram realizados com os representantes dos principais destinos turísticos do RN, assim como Natal, Pipa e SMG; Sistema Fecomércio/RN, através do Senac/RN; Sebrae/RN, Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH/RN); Sindicato das Empresas de Turismo (Sindetur/RN), Natal Convention Bureau; Associação Brasileira de Agências de Viagens do RN (ABAV/RN) e também com os representantes dos cinco polos turísticos, além das companhias aéreas que operam voos para o nosso destino, para apresentar as diretrizes iniciais do Plano de Retomada do Turismo no Rio Grande do Norte e a possibilidade de criação de protocolos sanitários para os espaços turísticos.

O Plano de Retomada do Turismo do Rio Grande do Norte, que inclui ações regionais, nacionais e internacionais e define estratégias online e offline para ativar cada público, deve começar a ser implementado no início do segundo semestre de 2020. A Secretária de Turismo, Aninha Costa, ressalta a importância da união das entidades representativas de setor, do Governo do Estado e também a iniciativa privada para o sucesso nos resultados: “Fundamental a participação de todos, estamos trabalhando de forma colaborativa desde o início desta crise. E buscando as melhores alternativas para atravessarmos esse momento tão difícil”.

Decisão debate limites para nomeação de temporários durante validade de concurso no RN

Foto: Reprodução

Decisão no Tribunal de Justiça do RN voltou a discutir o entendimento do Supremo Tribunal Federal nos Recursos Extraordinários 598.099/MS e 837.311/PI, com repercussão geral reconhecida, que estabeleceram os parâmetros para a existência ou não do dever da Administração Pública em convocar os participantes de concursos públicos. O julgamento foi motivado por um Mandado de Segurança movido por uma candidata contrária à contratação temporária de professores.

O MS foi movido pela candidata no concurso para provimento de cargo efetivo referente à função de ‘Professora de História’, nos termos do Edital nº 001/2015 – SEARH – SEEC/RN, para ser lotada na 14ª Diretoria Regional de Educação e Cultura – DIREC (atinente à região de Umarizal).

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

VÍDEO MEIO-DIA RN: debate pegou fogo sobre a prioridade da reforma da previdência

No Meio Dia RN dessa terça-feira(21), com o BG, comentaristas analisaram se a reforma da previdência deveria ter sido mesmo a primeira a ser feita pelo Governo Federal. Henrique Neiva, Bruno Araujo, Bruno Giovanni e Mariana Vieira discordaram.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucas disse:

    Eu já vi gente p conversar lerda. Mas esse Henrique Neiva supera qualquer 1

  2. Talia disse:

    O governo do RN tambem esta preparando a RP e sera pior do que a feita pelo governo federal.

  3. Everton disse:

    O governo Bolsonaro só trabalha p 1% da população brasileira

  4. Caim Fidalgo disse:

    Essa Mariana tem tendência a esquerda, dificilmente vai concordar com o governo do Mito.
    É mais fácil ela concordar com as marmotas e presepadas dos esquerdista petralhas.

Marcelo Queiroz insere a FECOMÉRCIO no debate do Plano Diretor de Natal

Foto: Assessoria Comunicação Sistema Fecomércio

Um grupo de trabalho criado pela Fecomércio está há vários meses promovendo reuniões técnicas semanais, a fim de discutir e debater todos os aspectos do processo de revisão do Plano Diretor de Natal. Com o nome de Projeto DESENVOLVE NATAL, o grupo reúne profissionais experientes de diversos segmentos e têm consolidado importantes ideias para colaborar na revisão do Plano Diretor da capital.

Segundo Marcelo Queiroz, presidente da Fecomércio e idealizador do projeto, o Plano Diretor de Natal tem um impacto profundo nos segmentos do comércio e de serviços e a Fecomércio assume, de forma proativa, o papel de um dos protagonistas deste debate, que envolve toda a sociedade e a economia da Região Metropolitana inteira".

Comissão da Câmara debate projeto de lei que limita prêmio da Mega-Sena

Foto: Márcia Foletto

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados debate em audiência, nesta quinta-feira (dia 5), às 9h, o Projeto de Lei 2981/2019, que propõe um limite para o prêmio da Mega-Sena de 30 milhões de vezes o valor da aposta simples.

Se aprovada a proposta, os prêmios dos concursos vão acumular sempre que não houver ganhadores da Mega-Sena até alcançar o limite de 30 milhões de vezes o valor da aposta de seis dezenas. Hoje, o custo mínimo é de R$ 4,50, logo, o valor pago será de, no máximo, R$ 135 milhões. O que exceder esse valor será distribuído nos prêmios da Quina.

De acordo com o deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ), autor da proposta, o objetivo é democratizar e socializar os prêmios da Mega-Sena:

— Não estamos dando um teto para o prêmio. O limite vai variar de acordo com o valor da aposta de seis números. A ideia é fazer o dinheiro circular mais na economia e distribuir renda. Com um prêmio muito alto, a renda fica concentrada. Fizemos uma pesquisa e vimos que a grande maioria das pessoas gosta da ideia de aumentar o prêmio secundário, porque há mais chances de ganhar. Isso vai estimular as pessoas a apostarem mais.

Nem todos concordam com a análise, no entanto. Alguns parlamentares defendem que os grandes prêmios estimulam as pessoas a apostar. Por isso, a deputada Alê Silva (PSL-MG) solicitou a audiência pública para debater o tema.

— Pedi a audiência porque as entidades precisam expor suas opiniões. A Caixa Econômica Federal nos passou um relatório técnico que mostra que o número de apostas cresce quando o prêmio acumula. Com a limitação, menos pessoas apostariam, o que diminuiria a arrecadação do Estado.

Foram convidados para discutir o assunto na audiência o autor da proposta, o relator do projeto, Vinícius Farah (MDB-RJ), e representantes do Ministério da Economia e da Caixa Econômica Federal.

O deputado Brazão afirmou que não conversou ainda com a Caixa e com o Ministério da Economia, mas que os parlamentares estão muito favoráveis à proposta:

— Achamos que a conversa na audiência será produtiva para explicarmos a importância do projeto. Acreditamos que vamos aprovar o texto sem modificações.

Extra – O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rodrigo Duarte disse:

    Isso só podia ser proposta de político desocupado mesmo.

Audiência Pública na Câmara Municipal de Natal debate reabertura do Kartódromo

Foto: Marcelo Barroso

Uma audiência pública proposta pela Frente Parlamentar em Defesa da Gestão Pública da Câmara Municipal de Natal debateu nesta segunda-feira (7), a permanência do kartódromo de Natal na área da Arena das Dunas. O antigo kartódromo, aberto desde 1989, foi desativado em 2013 para a construção do estádio para a Copa do Mundo de 2014.

“Estamos prestes a perder o kartódromo porque uma empresa privada fechou o espaço. Por isso, estamos debatendo a importância da permanência do kart em Natal. Convidamos os representantes da empresa, mas não vieram e nem enviaram explicações”, disse o vereador Dinarte Torres (PMB), que coordena a Frente Parlamentar. Na audiência, o vereador Dinarte Torres recebeu uma homenagem, sendo reconhecido como “Patrono do Kart” pelos pilotos, ao mesmo tempo em que ele os homenageou pelos serviços prestados à cidade do Natal.

O presidente da Federação Potiguar de Automobilismo, Michel Aguiar, explicou que o antigo kartódromo era cedido à federação para administrá-lo, sem fins lucrativos. “Mas com a construção da Arena, foi prometido que o novo espaço ficaria disponível e isso não aconteceu. Temos pilotos para representar o estado, mas não temos pista para treiná-los”, revela.

Em 2018, o empresário e piloto Marcelo Filho passou a alugar o espaço para kart indoor. Os pilotos então viram a oportunidade de voltar a treinar na pista, mas foram impedidos. “Reabrimos, mas temos que pagar muito caro e não conseguimos o suficiente para o aluguel. A empresa lacrou o espaço e estamos numa briga judicial”, conta o empresário. O custo cobrado para uma corrida, segundo foi revelado na audiência, é de R$ 8 mil.

Sem um espaço no estado, os pilotos potiguares precisam ir para outros estados. Edson Lima é um destes, que participa de um grupo com cerca de 70 pilotos. “A gente combina e marca a viagem para treinar na Paraíba, sendo que aqui a gente já tinha nosso espaço. Hoje, fica difícil até descobrir novos talentos porque não tem onde treinar”, relata.

O deputado Kleber Rodrigues participou da audiência e prometeu levar o debate também para a Assembleia Legislativa do estado.

A Secretária de Esporte e Lazer de Natal, Danielle Mafra, defendeu que Estado e Município precisam pensar num espaço oficial para a atividade que também tem sua função social. “Talvez seja hora de pensar no exemplo de outros estados. Essa discussão se refere a uma iniciativa público-privada, então, uma saída seria solicitar uma liberação daquele espaço enquanto não se resolve o que foi prometido, mas que se pense num espaço oficial, para que se possa difundir a modalidade”, sugere a secretária.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nicolas disse:

    Meu total desprezo por quem é contra o esporte. O esporte tira os jovens da situação de vulnerabilidade.

  2. Pedro disse:

    Esses riquinhos deviam construir seu próprio espaço, o que tem a Câmara estar envolvida nessas discussões se em natal não dispomos de saúde e educação de qualidade ? Daqui a pouco os vaqueiros vão querer um parque de vaquejada.

    • Saul Regis disse:

      É por essa mentalidade de pobre que as coisas não progridem por aqui.

Intervenções da STTU no trânsito e semáforo: ‘Em lugar nenhum no mundo 200 metros de engarrafamento é grande prejuízo’, diz secretário na Câmara Municipal de Natal

Foto: Marcelo Barroso

A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU) esteve presente na manhã desta segunda-feira (16) na Câmara Municipal de Natal. Representada pelo secretário adjunto da pasta, Walter Pedro, o gestor esteve na Casa a convite da Comissão de Finanças, Orçamento, Controle e Fiscalização com o objetivo de esclarecer sobre as alterações no trânsito na capital potiguar.

Em questão no debate, especificamente, os sinais e faixas instalados nas avenidas Hermes da Fonseca (junto à Avenida Alberto Maranhão) e um segundo na Avenida Salgado Filho (nas proximidades da Igreja Universal). Ambas medidas foram suspensas pela Secretaria na última sexta-feira (13).

De acordo com o secretário Walter Pedro, o recuo na decisão da pasta se deve a necessidade vista pelo órgão de estabelecer novos debates com a população, explicando mais a toda sociedade sobre as premissas de mobilidade urbana, que também norteiam as necessidades de trânsito de uma cidade.

“A prefeitura vem observando diversos corredores de Natal e a situação que trata de travessias de pedestres. Já fizemos grandes intervenções, como corredores exclusivos, e estávamos em falta na intervenção para pedestres, avaliando que as Leis tratam sobre segurança e conforto das pessoas nessa situação e levando em conta, também, que se existir alguma intervenção de trajeto o veículo é que deve se deslocar. Infelizmente existiu uma falsa comunicação nas redes sociais, o que prejudicou o projeto e nos levou a perceber que era necessário um novo debate”.

De acordo com o gestor, a distância entre a faixa instalada próximo a Igreja Universal e a Avenida Amintas Barros é de 350 metros, e que a instalação da faixa/semáforo registrou um aumento, no máximo, de 200 metros de congestionamento. “Em lugar nenhum no mundo 200 metro de engarrafamento é considerado prejuízo de grande escala. As pessoas que estão de carro não têm prejuízo, mas o pedestre tem. Nas premissas de mobilidade urbana nós tentamos sempre trabalhar com impacto mínimo, e que o pedestre e os veículos estejam no mesmo nível”, relata.

Segundo Walter Pedro, pelo menos 3 mil pessoas utilizariam diariamente a faixa. Ao se tratar da passarela existente na Salgado Filho, o secretário esclareceu que o objetivo é que a mesma seja retirada.

Para o presidente da Comissão, o vereador Dinarte Torres (PMB), a partir do momento que a STTU reconhece que houve erro na implantação e retirada do semáforo há o reconhecimento que deveria ter existido um debate prévio sobre as medidas. O parlamentar usou como base uma pesquisa divulgada pelo portal G1, que constatou que mais de 70% população aprovou a faixa de pedestre da Avenida Salgado Filho. “Sem dúvida houve uma precipitação no momento que se coloca e que se retira radicalmente, mas mesmo assim é um momento importante, pois abre o debate para a população e, sendo pedestre a parte mais importante que falamos aqui, são eles que devem ser ouvidos”, disse.

Especialista em trânsito, o professor da UFRN Rubens Ramos defende a instalação das faixas/semáforos. “Os semáforos são corretos sim. Esse é um modelo utilizado em São Paulo e nele o pedestre cruza a via com proteção de um sinal”, explica. Para o especialista, o uso da passarela não condiz com o fluxo urbano, sendo essa uma alternativa não viável. “A passarela é um obstáculo para o usuário. Ela tira o pedestre da rua, assim como tira o comércio, pois não há fluxo de pessoas, para zona urbana não é uma saída”, conclui.

Também presente na discussão, o vereador e membro da Comissão de Finanças, Maurício Gurgel (PSOL) entende que a iniciativa da comissão vem esclarecer a população sobre questionamentos que envolvem seu dia a dia. “A STTU reconhece que precisa haver mais debate com a sociedade e também entende que o pedestre precisa ser prioridade. Essa é uma oportunidade e alternativa de trazer temas de interesse social, mostrando alternativas para o pedestres, para o ciclistas e que ao mesmo tempo tragam fluidez no trânsito”, avalia.

Estiveram presentes no debate os vereadores Aroldo Alves (PSDB), Preto Aquino (PATRIOTA), Felipe Alves (MDB) e Fúlvio Saulo (Solidariedade). Representantes de comunidades relacionadas ao tema também marcaram presença, entre eles Francisco Iglesias, da Associação Potiguar Amigos da Natureza (Aspoan); Kleberson Melo, da Associação Bike Anjo; e José Canuto, presidente do Conselho Municipal de Política Cicloviária e da Associação de Ciclistas do Rio Grande do Norte (Acirn).D

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. joaozinho da escola disse:

    Talvez alguem precise desenha uma passarela pra o setor de desengenharia da prefeitura. 3 mil pessoas que vao rezar nao podem prejudicar mais de 100 mil pessoas que precisam trabalhar. Será que se boicotassemos o IPTU e o ISS a prefeitura entenderia a diferença de uma passarela e uma faixa de pedestres? PQ nao adaptam a passarela atual? Ou se o motivo for preguiça, pq nao fazem outra passarela na porta da igreja? Se todos vendessem seus carros, a prefeitura e o Estado iriam ter que criar um imposto novo pra existirem, ja que o carro mantem o IPVA, bombeiro, ISS de oficinas mecanicas e estacionamentos, e todo o comercio que depende de veiculos pra levar produtos. VAo acabar com a cidade com esse idealismo utopico.

  2. Isabel disse:

    Volta semáforo logo vcs que tem carro tem que esperar isso é um absurdo está ganhando na enquete que o.povo e a favor

  3. Madeira disse:

    Fica latente a diferença de conhecimentos técnicos referente à tráfego de trânsito, entre as engenharias do DNIT e a STTU. O Prefeito deveria buscar apoio técnico do DNIT, pois são vias interligadas de responsabilidades do governo federal e municipal. Não se pode jogar dinheiro fora por incompetência de quem deveria buscar soluções.

  4. Roberto Machado disse:

    O que fica claro nesse episódio é o total despreparo e incompetência das pessoas que gerenciam a STTU, São ações como essa que fazem Natal está tão atrassada, na minha opinião uma ação eleitoreira , as desculpas dadas são pior que o que foi feito com o povo de Natal. Triste ver esse despreparo com o trânsito de nossa Capital.

  5. Sérgio disse:

    Tornar a Jaguarari e a São José mão única, eles não fazem! Mas piorar é com eles mesmos…

  6. Henrique disse:

    Uma prova que a STTU está mal de capacitação são os semáforos descalibrados. A "onda verde" não funciona. A gente mal sai de um sinal e já é obrigado a parar em outro. Estão fazendo isso pra gente gastar mais gasolina, poluir mais o ar e também ser assaltado nas paradas…. Bota o prefeito e a STTU pra andar na Av. Rui Barbosa. Se conseguirem andar sem parar, aplaudo com prazer; senão provam que mentem para a população….

  7. Rlrosa disse:

    Toda a população é contra e mesmo assim insistem, de onde vieram esses gênios???

  8. Fabio Cardoso disse:

    Quantos milhões foram gastos na BR para eliminar os semáforos que existiam, os retornos e na construção de viadutos, para aparecer um mentiroso (o congestionamento foi, no mínimo, 4 vezes mais) que desconsiderou recomendação do DNIT e da PRF? Dinheiro jogado no ralo por causa de causa de ego ou de negociatas para instalação de um semáforo (quem sabe os dois) que só trará imobilidade urbana.

  9. Kennedy Diniz disse:

    Só lamento a defesa de Walter Pedro sobre o congestionamento que ocasionou com o semáforo da Universal. No início da manhã o transtorno está na Br no sentido centro, já no final da tarde, toda a Salgado Filho estava congestionada. O próprio Twitter da STTU, pedia para não utilizar a Salgado Filho que estava congestionada. Já imaginaram se tirassem todas as passarelas da BR(Neopolis, Potilandia, a passarela do Sebrae e no lugar delas, substituísse por semáforos e faixas de pedestres? Enquanto a lógica da STTU é tirar passarelas, a população da zona norte, clama a muitos anos por passarelas na Felizardo Moura, Tomaz LANDIN, João MEDEIROS Filho, etc…SE A STTU se atrever de desmontar a passarela da SALGADO FILHO, vamos acionar a justiça. Seria um crime contra o patrimônio público é claro uma irresponsabilidade muito grande.

    Se a STTU alega que a passarela está em péssimo estado, a CULPA É EXCLUSIVAMENTE DELA! A manutenção é de total responsabilidade da STTU!

  10. oswaldo disse:

    Esses caras são os mesmos que acabaram as vias de fluxo das Av Afonso Pena, Rodrigo Alves e Campos Sales, fazendo de faixas áreas de exploração dos flanelinhas, e tb os mesmos que criaram as ciclofaixas nas avenidas para circulação de uma bicicleta por dia, pense nuns engenheiros!!!

  11. Edu_Brasil disse:

    A rua Alberto Maranhão já era para ser só no sentido da Prudente de Morais. Outras avenidas já eram para ser mão única.

  12. Antonio Turci disse:

    Parece que esse povo da STTU, mais o professor que defende o caos no nosso trânsito, esqueceram, ambos de mostrar algo importante: dizem que por aquele local passam 3 mil pedestres. Entretanto, se transitam pelo trecho em discussão, cerca 70 mil veículos, ônibus inclusive, temos algo superior, provavelmente, a 150 mil pessoas. 3 mil, portanto, representa uma minoria que deve ser respeitada, mas não a ponto de dificultar tão intensamente a vida da maioria.

  13. DeSacoCheio disse:

    Certamente esse senhor não passou por lá nos horários de pico. E se realmente passam 3 mil pedestres ali todos os dias, o mais seguro, sem sombra de dúvida é uma passarela de verdade, não aquele "elefante branco" que fizeram a poucos metros dali. Uma passarela bem feita seria benéfica p/ os pedestres e não causaria nenhum impacto no trânsito. Aproveito p/ lembrar da construção da passarela do Extra na Eng. Roberto Freire, que não provocou problemas no trânsito por mais de 1 (UM) dia. Talvez na Eng. Roberto Freire tivesse um engenheiro de verdade tocando a obra.

  14. Cidadão disse:

    200 metros d congestionamento……
    Kkkkkkkkkk
    Isso é um fanfarrão❗️

  15. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Pq não usar uma passarela?
    Discurso vazio.
    Deve ser cobrado de quem determinou esse absurdo, o custo dessa obra sem resultado.

  16. VTNC disse:

    Engarrafou a partir do complexo viário do quarto centenário , tornou o trânsito da BR 101 e da Salgado Filho/Hermes da Fonseca UM CAOS , este secretário está subestimando Nossa inteligência.
    Omitiu que a 50 metros da nova faixa de pedreste tem uma passarela há anos e subutilizada . Claro que eles já estão em campanha política branca, uma vez que tem mais votos dos pedrestes que dos motoristas !!!

  17. Alaca disse:

    Não são 200 metros, são MAIS 200 metros.

  18. Prof Lira disse:

    E sem os 200 M de engarrafamento n é melhor?

  19. Luiz Fernando disse:

    Querer comparar São Paulo com Natal é de lascar. Gastou-se milhões para se fazer a entrada da cidade uma via expressa, aí vem os a "turminha cabeça de fumaça" e coloca uma porteira.

Plano Diretor: Comissão debate na Câmara Municipal de Natal impactos da verticalização na orla

Fotos: Marcelo Barroso

Os vereadores da Comissão dos Direitos Humanos, Proteção das Mulheres, dos Idosos, Trabalho e Minorias receberam na manhã desta sexta-feira (13) moradores, representantes de ONGs, conselhos comunitários e pesquisadores, que debateram sobre os impactos da verticalização da orla para as comunidaddes e para a atividade da pesca, dentro da revisão do Plano Diretor de Natal.

Durante a reunião, os vereadores Eleika Bezerra (PSL), Ana Paula (PL), Maurício Gurgel (PSOL) e Divaneide Basílio (PT), que preside a comissão, tiveram conhecimento sobre pesquisas destas áreas e a visão das comunidades residentes próximas à orla. “Há uma diferença entre o que o povo está discutindo e o que o prefeito está anunciando e, por isso, estamos ouvindo o lado da população para que possamos nos posicionar e propor um plano mais inclusivo e que respeite os direitos humanos e as pessoas que moram nessas áreas”, disse a vereadora Divaneide.

A professora de arquitetura da UFRN, Amiria Brasil, que coordena o Fórum Direito à Cidade, explicou que um dos principais problemas que poderão surgir é pela falta de saneamento que comporte o adensamento a partir da construção de prédios mais altos. “É possível verticalizar com o que já está posto, porque liberar a verticalização impacta diretamente nas comunidades locais e paisagens que são protegidas por se tratar de Zonas Especiais de Interesse Turístico. O que está em jogo na verticalização também é a exclusão das pessoas que moram na área, além do impacto na infraestrutura. Há uma necessidade de adensar, mas planejando a infraestrutura porque pode até prejudicar o lençol freático”, explicou a professora.

Na reunião foram apresentadas imagens comparando como é atualmente e como ficaria a orla com as mudanças, inclusive citando exemplos de outras capitais. Algumas dessas áreas também coincidem com Áreas Especiais de Interesse Social (AEIS), destinadas à produção, manutenção e recuperação de habitações de interesse social, como no bairro de Mãe Luíza. “As AEIS impedem a verticalização sem sustentabilidade por não permitir o remembramento que é necessário para construções maiores. Isso garante a moradia das pessoas que são de lá e que, dificilmente, continuariam morando nos imóveis que chegariam com a verticalização”, prevê Rafael Uchoa, do Projeto Motyrum, da UFRN.

Natal tem cerca de 50 AEIS, mas apenas 10% estão legalizadas como tal. Há ainda a preocupação com a atividade pesqueira. A presidente da Colônia de Pescadores de Natal, Rosângela Silva, relatou que a categoria está apreensiva. “A gente teme a retirada dos pescadores do local onde nasceu, onde trabalha e tira o sustento. Isso já tem acontecido ao longo dos anos com as mudanças na cidade, mas esperamos que esta Casa defenda a população”, declarou.

A Câmara já está debatendo, por temas, a revisão do Plano Diretor em preparação para a votação do projeto que deverá chegar à Casa até dezembro. Nesta semana já foi realizada uma audiência pública que tratou da acessibilidade para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida na revisão da lei.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Amon Carlos de Oliveira disse:

    Conheço muito bem a orla maritima urbana das capitais, Maceió, Recife, Aracajú, João Pessoa e Fortaleza, a orla de Natal também conheço, pois, moro aqui, a da minha cidade em comparação as citadas acima se caracteriza como verdaderas favelas, pergunta-se por qual razão não se urbaniza nossa orla para atrair o turismo, gerando emprego e renda

  2. Raphael disse:

    Enquanto isso a cidade fica parada no tempo por conta de "pseudo intelectuais"

  3. Ultraprogressista disse:

    Inclusão social se dar com emprego ,simples assim,Professora

  4. Luciana Morais Gama disse:

    Natal, a única cidade litorânea do Brasil que DEU AS COSTAS PRO MAR.

Comissão da Câmara Municipal de Natal aprova projetos, zera pauta e debate estacionamento rotativo

Seis projetos foram apreciados, nessa segunda-feira (09), na Comissão de Planejamento Urbano, Meio Ambiente e Transporte da Câmara Municipal de Natal. Na ocasião, os parlamentares aprovaram três textos, pediram vistas de dois e outro foi encaminhado à presidência da Casa, que vai decidir se ele seguirá tramitando ou se será arquivado. Mais seis projetos foram encaminhados para relatoria durante a reunião.

Entre os projetos aprovados, dois de autoria da vereadora Carla Dickson (PROS): um que possibilita a colocação de anúncios em ônibus com fotos de menores desaparecidos e outro que determina a instalação de botões de alerta nos transportes públicos de Natal, acionados em situação de emergência; a relatoria de ambos foi do vereador Raniere Barbosa (Avante).

A outra matéria aprovada pelo colegiado institui a adoção de métodos sustentáveis em obras e serviços de engenharia executados pelo Município, que deve assegurar a proteção do meio ambiente. O presidente da Comissão de Planejamento Urbano, vereador Klaus Araújo (SD), avaliou o andamento dos trabalhos. “Mais uma vez zeramos a pauta, com a totalidade dos textos apreciados e encaminhados. A avaliação é positiva”, concluiu.

Na sequência, o Plano de melhoria de circulação viária que institui o estacionamento rotativo em Natal foi apresentado à comissão de Planejamento Urbano. O projeto, denominado Zona Azul, visa criar 4200 vagas em 8 bairros da capital potiguar. A exposição foi feita pelo secretário-adjunto de Transporte da STTU, Walter Pedro. “Com a medida vamos criar mais vagas do que qualquer centro comercial privado. O valor será de R$ 2,00 a hora para permanência máxima de duas horas. O estacionamento rotativo está em fase de licitação e vai utilizar um aplicativo para venda de bilhetes, que poderão ser comprados em lojistas associados”, informou Walter.

O vereador Raniere Barbosa questionou alguns pontos da proposta. “Acredito que como o espaço dos estacionamentos é público, a gestão dele também deveria ser pública e não da iniciativa privada como querem fazer. Solicitei que apresentem as razões pelas quais o Município não pode administrar o processo. Isso posto, a população precisa participar desse processo, bem como entidades e movimentos sociais empenhados nas questões do planejamento urbano e acesso à cidade”.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. brito fernandes disse:

    essa questão de estacionamento rotativo é mais uma balela criada, já tentaram inúmeras nunca deu certo, sempre terá a presença dos flanelinhas atrapalhando , muitas vezes riscando os veículos, quando não estão vendendo os bilhetes

Câmara Municipal de Parnamirim debate soluções para bairros que fazem divisa com Macaíba em audiência Pública

Fotos: Divulgação

Em audiência pública realizada na noite dessa segunda-feira(2), no Parque de Exposições Aristófanes Fernandes, em Parnamirim, a Câmara de Vereadores se fez presente para debater junto à população as áreas limítrofes entre os municípios de Parnamirim e Macaíba.

A audiência foi realizada pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, através de um requerimento entregue pelos vereadores no último mês de julho ao chefe do poder legislativo estadual, deputado Ezequiel Ferreira.

O presidente da Câmara de Parnamirim, vereador Irani Guedes, destacou a união dos poderes para tentar solucionar a situação que envolve os bairros Bela Parnamirim e Bela Vista. “Não é uma questão fácil de se resolver. Mas esta audiência é a prova de que os poderes(executivo e legislativo) junto à população, querem chegar a uma solução que possa, de fato, levar aos moradores da localidade os serviços públicos”, disse Irani.

O vereador Pastor Alex ressaltou que a audiência foi fruto de um debate feito pela Câmara junto à população do bairro Bela Parnamirim no último mês de maio. “Em maio, realizamos o projeto ‘Câmara Na Rua’ no bairro Bela Parnamirim justamente para ouvirmos os moradores sobre essa questão que afeta há muito anos as comunidades que pertencem aos dois municípios. Daí, buscamos o Legislativo estadual, as prefeituras de Parnamirim e Macaíba para nos ajudar a encontrarmos soluções”, explicou o parlamentar.

O presidente da assembleia legislativa, Ezequiel Ferreira, garantiu apoio para solucionar a situação. “Vamos fazer o apelo aos dois prefeitos, para que, se puderem, com apoio da assembleia, já possamos dar um encaminhamento e aconteça o que vocês querem, que é o plebiscito”, falou.

Assembleia Legislativa debate limite territorial entre Parnamirim e Macaíba na segunda-feira, 02 de setembro

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte realizará na próxima segunda-feira, 2 de setembro, uma audiência pública para debater o “Limite Territorial entre os municípios de Macaíba e Parnamirim, na Grande Natal”. O evento será no auditório Arnor Francisco, que fica no Parque Aristófanes Fernandes, a partir das 18 horas. A propositura é dos deputados Ezequiel Ferreira (PSDB), presidente da Casa, e de coronel Azevedo.

“Há anos se discute limites territoriais para aquela região, que fica entre Parnamirim e Macaíba. A Assembleia foi procurada por representantes das duas cidades e, como é o dever da Casa, promoverá o debate para buscar um entendimento comum que beneficie, principalmente, ao cidadão potiguar que mora nestes municípios”, disse Ezequiel Ferreira.

A polêmica está principalmente para os moradores das ruas Francisco Waldemar e São Paulo, e suas proximidades. Neste local, os cidadãos têm duas opções de escolha em caso de problemas de saúde, por exemplo. A primeira fica a 20 metros do local, no distrito de Bela Parnamirim, em Parnamirim, e a segunda a 20 quilômetros de distância, em Macaíba. Mas, os moradores que residem em frente a unidade de saúde não podem ser atendidos no local, mesmo estando a poucos passos do prédio, por simplesmente terem como endereço a cidade de Macaíba.

Esse é apenas um dos problemas, que se atinge também questões como transporte público, serviços de limpeza ou saneamento básico. O problema foi levado a Assembleia por vereadores de Parnamirim, e o local do debate foi escolhido como forma de facilitar a participação da sociedade na discussão.

ALRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Joao Pedro disse:

    BG, os moradores do Bosque das colinas também passam pelo mesmo problema. No nosso caso é em relação a UPA, não podemos ser atendidos na UPA de Parnamirim que fica a 1,5km de distancia porque nosso endereço é de SJM.