Como o isolamento social impacta quem sofre com ansiedade ou depressão

Foto: Unsplash

O Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19, definitivamente não atinge apenas quem contrai a doença causada pelo novo coronavírus. Até que uma vacina ou medicamento seja desenvolvido, o método mais eficaz encontrado pelas autoridades para combater a disseminação do vírus é o combo medidas de higiene e distanciamento social — que, sim, salva muitas vidas, mas também atrapalha a saúde emocional de muita gente.

Claro que ficar longe do trabalho, dos amigos e até mesmo de familiares impacta todo mundo. “Esse é um período de luto coletivo em que é preciso ressignificar as necessidades e os valores da vida. Isso vem associado à angústia da incerteza financeira e ao medo da contaminação”, analisa o psicanalista Ronaldo Coelho, do canal Conversa Psi, no YouTube. Sem contar que a ansiedade, quando controlada, é um mecanismo de reação diante de situações de perigo, funcionando como um estado de alerta para que a pessoa saiba como agir.

O problema é quando essas condições emocionais saem do controle: nesses casos, a situação de isolamento social pode ser pior ainda. Aqueles que já sofrem com transtornos como depressão, bipolaridade e ansiedade crônica percebem a solidão e as tensões causadas pela pandemia de forma muito mais intensa. Falta de apetite, dificuldade para dormir e ausência de concentração são algumas das chateações vividas pelo advogado R.G*, de 27 anos, nas últimas semanas. “Ainda preciso trabalhar, mas não consigo fazer outras coisas além disso. É difícil focar em algo sabendo que há um caos lá fora”, relata.

Um estudo preliminar (que ainda não foi revisado por outros pesquisadores antes da publicação) das universidades Swansea e de Manchester, ambas no Reino Unido, feito com britânicos maiores de 18 anos de idade, alerta para um aumento significativo dos sentimentos de ansiedade e depressão durante a pandemia de Covid-19, especialmente entre aqueles em situação financeira ou social mais vulnerável.

No Brasil, o cenário também é preocupante. Por aqui, 11,5 milhões de pessoas sofrem com problemas de depressão, de acordo com dados apresentados em 2017 pela Organização Mundial da Saúde (OMS). E a pandemia pode aumentar ainda mais esse contingente. Uma pesquisa com 1.460 brasileiros, coordenada pelo psicólogo Alberto Filgueiras, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), mostra que os sintomas de ansiedade e depressão duplicaram no país em apenas um mês de quarentena. Na primeira semana do estudo, entre 18 e 22 de março, a prevalência de sintomas de ansiedade e depressão entre os participantes era de 4,2%; já entre 15 e 20 de abril, esse índice subiu para 8%.

O estudo, publicado em pré-print (ainda não revisado), aponta também que os grupos com saúde mental mais frágil são as pessoas que precisam sair de suas casas para trabalhar, aqueles que convivem com idosos e também quem mudou hábitos alimentares e físicos repentinamente. A boa notícia é que dá para adotar medidas que ajudem a minimizar ou mesmo prevenir a situação. “Foi possível verificar que aqueles que mantêm uma alimentação saudável, fazem terapia online e praticam exercícios físicos de três a quatro vezes por semana são menos propensos a ter sintomas de ansiedade e depressão”, afirma Filgueiras.

Outro artigo, este publicado no último dia 10 de abril no respeitado periódico Jama Psychiatry, alerta que o isolamento pode aumentar os índices de suicídio. Segundo os autores, vinculados a universidades e instituições de saúde norte-americanas, diversas teorias enfatizam o papel das relações sociais na prevenção do suicídio. “Pensamentos e comportamentos suicidas são associados a isolamento social e solidão”, escrevem os pesquisadores. Ficar longe de tudo e de todos, portanto, pode ser ainda mais perigoso para pessoas sob risco de tirarem a própria vida.

Atenção aos idosos

A fragilidade da saúde mental entre os idosos também preocupa. Não é à toa, já que são o principal grupo de risco para a Covid-19. O medo da morte iminente e a distância da família são os fatores principais dessa vulnerabilidade. Além disso, a ideia de finitude, já presente no pensamento de muitos na terceira idade, se intensifica.

Segundo a médica geriatra Maisa Kairalla, coordenadora da Comissão Especial COVID-19 da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a recomendação é prestar atenção em falas e olhares das pessoas mais velhas a fim de detectar qualquer sinal de risco. O que não significa, é claro, omitir informações sobre o que está acontecendo. “Conversar por telefone, por vídeo e manter esse contato mais vezes ao dia é essencial para fortalecer esse grupo. O incentivo de atividades e do otimismo também são parte do tratamento, pois ajudam essas pessoas a atravessarem os momentos difíceis”, orienta Kairalla.

Pelo bem do corpo e da mente

Desenvolver um quadro depressivo requer orientação profissional e, muitas vezes, medicamentos específicos. Mas há atitudes que também podem ajudar. O psiquiatra Luiz Alberto Hetem, idealizador do PQU Podcast, lembra que o distanciamento físico não necessariamente significa isolamento. “Conectar-se com amigos e familiares ajuda a afastar a sensação de mal-estar”, diz.

Fazer exercícios físicos, manter uma rotina diária e adotar hábitos simples, como tirar o pijama ao acordar, são outras boas práticas para a saúde mental. Procure também selecionar os horários em que acompanha as notícias. “Ao mesmo tempo que é importante manter-se informado, é preciso cautela com a quantidade de informações”, afirma Hetem. Baseie-se em fontes confiáveis, que garantam que a aquela notícia não é puro alarmismo.

Projetos pessoais tampouco devem ser deixados de lado. A artista Tayná Miessa, que trabalha na Gibiteca de Curitiba, não consegue exercer sua função de forma remota, por isso não está trabalhando — mas tem usado bem as horas livres. “Eu fico assustada com a situação, mas estou conseguindo aproveitar melhor o tempo que eu passava no transporte público. Agora faço coisas com mais tranquilidade, como cozinhar e me dedicar aos processos artísticos”, conta

Mas lembre-se do que falamos no início desta reportagem: sentir-se desmotivado também é normal em meio a tudo isso. “Tudo bem estar abalado neste momento. As pessoas buscam a saúde mental, mas é importante admitir nossas próprias fragilidades para conseguirmos lidar com o que está acontecendo”, lembrou o psiquiatra Luís Fernando Tófoli, pesquisador da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no evento digital Rio2C @LIVE, promovido na primeira semana de maio.

Precisa de ajuda?

Diversas instituições fornecem ajuda a quem se sente angustiado e necessita de orientação profissional. O Centro de Valorização da Vida (CVV) é uma delas: a rede realiza atendimentos gratuitos de apoio emocional e prevenção ao suicídio. Há a garantia de sigilo e o acesso se dá via email e chat 24 horas. Para mais informações, acesse o site.

Hoje há também diversas empresas que oferecem serviço de terapia online. O Instituto Vita Alere lançou, com apoio do Google, um mapa da saúde mental que funciona como um guia ao mostrar informações úteis para quem procura atendimento online durante a pandemia. No mapa, é possível encontrar profissionais e grupos de apoio disponíveis virtualmente.

“Tão importante quanto identificar a hora de procurar ajuda é saber onde encontrá-la. Nosso objetivo com o lançamento do site é conectar pessoas em sofrimento mental com os serviços de cuidados disponíveis online e em cada região”, explica a psicóloga Karen Scavacini, fundadora do Instituto Vita Alere.

*O nome foi abreviado a pedido da fonte.

Efeito colateral: cerveja mexicana Corona sofre com surto do coronavírus e intenção de compra despenca

Foto: Bloomberg

O novo coronavírus tem uma vítima improvável: uma das cervejas mais populares do mundo. A Corona tornou-se alvo de memes e vídeos compartilhados nas redes sociais, à medida que o número de casos do novo vírus aumenta em todo o mundo.

Relatos de um aumento nas pesquisas on-line sobre “vírus de cerveja corona” e “coronavírus de cerveja” mostram que a cerveja mexicana não conseguiu escapar da associação.

Desde que a doença foi descoberta, no fim de dezembro, o vírus infectou 82.132 pessoas em todo o mundo e matou 2.801, segundo dados do governo chinês e da União Europeia.

A intenção de compra da cerveja Corona entre adultos nos Estados Unidos caiu para o menor nível em dois anos, de acordo com dados da YouGov Plc.

A corona, cujo nome deriva da coroa do Sol e não tem nada a ver com o vírus, é a terceira cerveja mais popular nos EUA, de acordo com a classificação do YouGov. A irlandesa Guinness é a primeira e a holandesa Heineken, a segunda.

Os danos se tornaram mais graves nos últimos dias, à medida que as infecções se espalham. As ações da Constellation Brands Inc., fabricante da Corona, despencaram 8% nesta semana na Bolsa de Nova York.

A pontuação da Corona na pesquisa do YouGov – que rastreia se os adultos americanos cientes da marca ouviram coisas positivas ou negativas sobre a marca – caiu de 51 para 75, de uma alta de 75 no início do ano.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Depois da chegada do coronavírus, meu medo agora é que apareça o cazuzavírus.

  2. Edejuniornatal disse:

    Meu amigo pense numa água suja essa cerveja fraca,fraca,fraca de mais

CASO GISLANE: Juíza afirma que acusado de matar professora em acidente na Prudente sofre “constrangimento ilegal” e determina soltura

Foto: Reprodução

A juíza Ingrid Raniele Farias Sandes determinou a soltura para o oficial de justiça, Josias Teixeira de Morais, preso desde o último mês de maio pela morte da professora Gislane Cruz, em acidente de trânsito no prolongamento da av. Prudente de Morais. O oficial havia sido preso em flagrante e foi comprovado que estava dirigindo sob efeito de álcool.

Na decisão judicial da última segunda-feira, 30, a juíza ressaltou que Josias Teixeira preso desde o último dia 19 de maio, estaria passando “constrangimento ilegal”. O oficial estava preso e deveria já ter passado pelo exame de sanidade mental pedido desde o útimo dia 15 de julho, mas que até o momento não ocorreu e estaria agendado para 15 de outubro.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Q porra de justiça é essa. Tá cega mesmo e seus membros parecem que fumaram maconha estragada.

  2. Sejamos justos disse:

    Mais uma vez o Judiciário violando os princípios básicos preconizados na constituição, deveria responder por improbidade administrativa.

  3. Freitas disse:

    Tem que soltar mesmo. Ela vai muito responder por abuso de autoridade!!!

  4. Maria Amélia disse:

    Incrível como quem comete crimes tem os direitos respeitados enquanto a vítima e familiares ficam sofrendo pelo ocorrido e pelas injustiças. Só no Brasil essas coisas acontecem!

  5. Carllos disse:

    Será que se a professora morta fosse parente da juíza, ela teria essa mesma decisão?!

  6. Vergonha alheia disse:

    Essa “juíza” tem filho? Já pensou se fosse o filho dela morto por um cara embriagado? Que vergonha essa decisão.

  7. marcos disse:

    O ditado popular não se configura, quando dizem que um erro não se justifica com outro erro!…

  8. Aleonardo disse:

    Um tapa na cara da família e de centenas de alunos dela do Salesiano. Mais uma VERGONHA do judiciário que, ante a própria incompetência, liberta brandidos de alta periculosidade como esse.

  9. Iago disse:

    Constrangimento ilegal meu ovo, a Justiça não pensa na família da vítima, além da perda, do sofrimento que nunca vai passar, vem outra lapada dessa.

  10. JBBatista. disse:

    Pode apostar que no próximo final de semana ele estará comemorando sua libertação! não tenho mais esperança nesse país votei no novo para mudar e me parece que vai continuar tudo do mesmo jeitinho, minha solidariedade a família da moça que faleceu e os que ficaram feridos por uma ação de um irresponsável beberrão, só funciona essa lei se o causador de acidente pagar pensão para a família das vitimas é a unica maneira de punição.

  11. Ems disse:

    Quem será a próxima vítima ?

FOTO: Bolívia sofre com o maior incêndio de sua história recente, com 500 mil hectares de vegetação destruídos

Bombeiros combatem o fogo em Robore, na província de Santa Cruz, na Bolívia — Foto: Divulgação/Ministério Defesa Bolívia

A Bolívia sofre com o maior incêndio de sua história recente. Uma área de pelo menos 500 mil hectares já foi consumida pelo fogo. A nuvem de fumaça que sai de Roboré, município do departamento de Santa Cruz, chegou, inclusive, a cidades brasileiras que ficam perto da fronteira boliviana. O presidente Evo Morales, que está em campanha eleitoral, rejeitou o apoio internacional para controlar as chamas, e vem recebendo críticas da oposição.

Os primeiros focos do incêndio foram detectados há 16 dias. O fogo atinge pelo menos dez povoados do município Roboré, no sudeste boliviano, quase na fronteira com o Brasil. A cidade abriga um dos mais emblemáticos parques do país, onde há uma rica fauna e flora. Nas imediações também está a Chiquitanía, como são chamadas as Missões Jesuíticas na Bolívia.

Há suspeitas de que as queimadas, promovidas pelos agricultores com a justificativa de preparar a terra para a lavoura, tenham saído do controle e alastrado o fogo. Dados não-oficiais apontam que o fogo devastou uma área equivalente a 500 mil campos de futebol. O clima seco e os ventos fortes típicos desta época do ano podem ter ajudado a espalhar as chamas.

Até o momento não há perdas humanas por causa do incêndio, mas os animais sofrem com o fogo e o calor. Ainda não foi possível determinar o impacto dos danos materiais.

Em alguns setores os moradores tiveram que ser evacuados. Por causa da péssima qualidade do ar, as aulas foram interrompidas. A fumaça afeta, inclusive, regiões do Brasil e do Paraguai que ficam perto da fronteira boliviana. Não há previsão de quando será possível extinguir o incêndio.

Com informações do G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco Lima disse:

    Foi Bolsonaaaaaaaaro!!

  2. sabastiao disse:

    culpa dos ptista ladraoes isso sim a misseria do mkundo

  3. Said disse:

    Eita Bolsonaro marcado,foi tocar terror até na Bolívia!kkk

  4. Vitor Silva disse:

    Pablo Vittar, junto com médicos guerrilheiros Cubanos, colocou fogo na Amazônia com Coquetel Molotov de Mamadeira de Piroca para espalhar fumaça GLSBT para transformar o Brasil em uma nação Gay!

    O Mito vai nos salvar!

  5. Véio de Rui disse:

    Tem gente sofrendo com a queima das folhas de coca.

  6. Juvenal disse:

    Incêndio de 500 mil hectares na Bolívia e cadê a turma do PT e ONGs ambientalistas pra dizer que a culpa é do Evo Morales?

  7. mauricio disse:

    nao vai demorar muito, os ambientalistas vão colocar a culpa em bolsonaro, pelas queimadas na bolivia