Bolsonaro considera “egoísta” postura de Moro, afirma jornal, por “interlocutores” do presidente, na crise do coronavírus

Foto: Adriano Machado / Reuters

O presidente Jair Bolsonaro está irritado com a postura do ministro da Justiça, Sérgio Moro, na crise do coronavírus. No final de semana, o presidente reclamou a interlocutores que Moro é “egoísta” e não está atuando para defender as suas posições no enfrentamento às medidas restritivas dos Estados e municípios como controle da covid-19. Bolsonaro, segundo o Estado apurou, reclama de estar desassistido juridicamente.

A irritação do presidente já é sintetizada em uma montagem que circula em grupos de WhatsApp bolsonaristas e mostra o ministro da Justiça em três versões. Na primeira foto, Moro está com uma máscara na boca. Na segunda, a proteção cobre os olhos. Na terceira, duas máscaras tapam os ouvidos.

No final de semana, em conversa com interlocutores, Bolsonaro reclamou da postura do ex-juiz da Operação Lava Jato, dizendo que o ministro “só pensa nele” e “não está fazendo nada” para ajudar o governo na batalha que o presidente trava com os governadores.

Nas redes sociais, Moro tem se isentado de abraçar o discurso de Bolsonaro, que defende que as pessoas fora do grupo de risco voltem ao trabalho. Nesta segunda-feira, o ministro da Justiça, que já sofre pressão nos bastidores, deu seu recado no Twitter: “Prudência no momento é fundamental”.

A frase foi publicada junto com um artigo do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), publicado no jornal O Globo, em que faz um apelo aos magistrados dizendo que “é hora de ouvir a Ciência.” Moro fez questão de destacar um trecho do texto de Fux: “Está na ordem do dia a virtude passiva dos juízes e a humildade de reconhecer, em muitos casos, a ausência de expertise em relação à covid -19”.

O governo federal tem perdido batalha consideradas caras a Bolsonaro contra governadores e prefeitos. Apesar de Bolsonaro defender um isolamento vertical, somente para idosos e pessoas com doenças, os Estados e municípios seguem adotando a quarentena como medida para controlar o avanço da covid-19.

Na semana passada, a Justiça do Rio derrubou decisão de Bolsonaro de reabrir os templos e as casas lotéricas. Outra derrota foi imposta quando o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, decidiu liminarmente que governadores e prefeitos podem determinar sobre as restrições de circulação de transporte. A decisão derrubou um trecho da medida provisória que restringe ao governo federal determinar o que são serviços essenciais.

No domingo, Bolsonaro disse que teve um “insight” para baixar um decreto para liberar “toda e qualquer profissão” a trabalhar. Auxiliares da área jurídica têm alertado o presidente que as decisões individuais da União, Estados e municípios podem acarretar uma série de ações judiciais questionando as medidas uns dos outros. Eles tentam convencer Bolsonaro que chegar a um consenso com governadores e prefeitos é mais eficaz.

O presidente, no entanto, não está convencido. Para ele, Moro, o qual considera o mais experiente e tem mais popularidade, deveria ajudar o governo na disputa jurídica. A conclusão do presidente, segundo relatos ao Estado, é que Moro, ao optar por não buscar auxiliar o governo fora dos temas diretamente à sua pasta, demonstra atuar somente no que lhe dá capital político. Moro já assinou decretos para restringir a entrada de estrangeiros no País.

A avaliação no círculo mais próximo de Bolsonaro é que o ministro André Luiz Mendonça, da Advocacia-Geral da União (AGU), embora seja tecnicamente bem preparado, é tímido politicamente e tem ficado aquém das expectativas do presidente na guerra que se transformou a crise do coronavírus. Já o ministro Jorge Oliveira, da Secretaria-Geral da Presidência e responsável pela Subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ), mesmo tendo uma relação família com o presidente, tem adotado uma postura comedida. Para Bolsonaro, a parte jurídica está sem rumo.

Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Seridó Sempre disse:

    Acho muito engraçado esses BOZOLOIDES, quando o energúmeno do presidente faz merda, acham “pouco provável”. Não se decidem. Esse governo já deu o que tinha que dar. Renuncia já! Ninguém aguenta mais esse rei do gado mais não. Só o rebanho mesmo.

    • Sebastião disse:

      Çei, melhor substituí-lo por um ladrão condenado apenas pelos primeiros dois processos, faltando sair a condenação dos outros seis, né? É, dá pra ver a sua capacidade intelectual de discernimento, e que você não é teleguiado. tá sabendo, rsrsrs

  2. Caio disse:

    Mito cacete!!!! para de mexer com Moro e Mandetta. É para baixar o pau em Lula e nos petralhas. Desse jeito vc vai se fuder.

  3. Silva disse:

    É MENTIRA!!
    Mais uma envolvendo o ministro Moro.
    O caso é de Saúde pública, não de justiça.
    O ministro Sérgio Moro, já mais vai dar palpites nessa hora.
    Isso não tem cabimento.
    É mais uma da mídia.

  4. Adriano Alves disse:

    Se for verdade tudo isso mesmo ( que eu acho pouco provável que seja) Bolsonaro está cavando a própria sepultura.

  5. realista disse:

    pode crer , que jornalismo chulo , parece fofoca de vizinha, o que isso influi pra um país ? , coisa feia.

  6. Joca disse:

    Bolsodoidobestá mais perdido do que cego em tiroteio, e depois da decisão Trump determinado isolamento social, o babão se desorientou de vez.

  7. Ivan disse:

    Segundo a grande mídia está rolando treta com Mandeta tb, semana passada o PG estava prestes a pedir as contas…Enquanto não desestabilizarem o governo, pararem o país, visando apenas a queda do presidente e retorno da mamata milionária (verbas gordas de publicidade, empréstimos absurdos e projetos Rouanet´s), não sossegarão…

    • Rogerio disse:

      Que teoria da conspiração mais patética.
      P.S. Votei nulo no segundo turno.

  8. Silva disse:

    Onde está o jornalismo sério ? Esse artigo usa expressões vagas como "segundo relatos" e "reclamou a interlocutores". Quem são esses interlocutores ? Relatos de quem ? Querem a todo custo criar intrigas e polêmicas.

  9. Manoel disse:

    Sabemos quem eh o mais perdido no momento…

Ministro da Saúde afirma que transmissão comunitária de coronavírus vai ocorrer; governo analisa como vírus vai se comportar em um país de clima tropical

Foto: Reprodução/TV Brasil

O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira (6) que a chamada transmissão comunitária ou sustentada do coronavírus, que ocorre entre indivíduos que não viajaram e nem tiveram contato com pessoas que estiveram no exterior, deve ser registrada caso o vírus se comporte da mesma forma que em outros países. Esse tipo de transmissão ainda não foi identificada no país.

Ontem (5), o Brasil confirmou dois casos de transmissão local do coronavírus. As duas pessoas tiveram contato com o primeiro caso registrado no país, o paciente 1 que esteve na Itália. “Não é transmissão comunitária ainda, mas sinaliza que o vírus tem uma competência de transmissão”, disse, ao deixar o Palácio do Planalto na manhã desta sexta-feira.

Existem três formas de contaminação, a daquelas pessoas que viajaram ao exterior, vindos de países com circulação do vírus; a de quem teve contato com quem viajou ao exterior, chamada de transmissão local, e aquela entre pessoas que não viajaram ao exterior e nem tiveram contato com viajantes, a chamada transmissão comunitária ou sustentada.

Segundo o ministro Mandetta, é preciso esperar e observar como o vírus vai se comportar em um país de clima tropical, antes do governo mobilizar outras medidas.

“A China enfrentou com bloqueio de Wuhan [cidade epicentro do surto], uma cidade de 12 milhões de habitantes, do tamanho de São Paulo. E no Brasil, se a gente começa [as transmissões do vírus] por São Paulo, é uma cidade muito vital para o Brasil, não existe delírio de qualquer bloqueio, mas é uma cidade que pode ter muitos casos. Temos que trabalhar com os casos que a gente tem, não sabemos como vai ser o comportamento do vírus em país tropical, como ninguém sabe”, explicou.

Reunião com o presidente

O ministro esteve hoje em reunião com presidente Jair Bolsonaro, para atualizá-lo sobre a epidemia global do coronavírus e a situação em território nacional.

De acordo com o Ministério da Saúde, nove casos foram confirmados no Brasil até hoje: seis são em São Paulo; um no Rio de Janeiro; outro no Espírito Santo e um na Bahia. Existem ainda outros 636 casos em investigação.

Além disso, há um caso confirmado no Distrito Federal, mas o Ministério da Saúde ainda aguarda a contraprova para contabilizar mais este caso, já que a confirmação foi feita por um laboratório particular.

No mundo, já são mais de 95 mil casos confirmados em 85 países e territórios.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Celino disse:

    Esse pessoal e muito fraco. Quarentena em casa kkkkk, so no Brasil que ver isso.

  2. Cidadão pagador de impostos disse:

    Eita governo incompetente!
    Na China estão conseguindo conter. Lá os casos novos estão diminuindo.
    Aqui o governo nem tenta!
    Ai dento!

Goleiro Bruno afirma que ‘Bola não matou Eliza’ e pede que Macarrão conte a verdade

O goleiro Bruno concedeu entrevista ao jornal “O Tempo”, de Minas Gerais, e falou sobre o assassinato de Eliza Samúdio, caso que está prestes a completar dez anos. De acordo com o jogador, em matéria publicada nesta segunda-feira (2), Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, condenado por executar o crime e ocultar o cadáver da mulher, não foi o responsável pelo homicídio.

Segundo declarações do atleta com passagem pelo Flamengo, Bola foi incluído na investigação devido a uma rixa que tinha com Edson Moreira, delegado do episódio.

“Até que me provem o contrário, para mim, o Bola é inocente. Nesse caso, ele é. Quero avaliar a prova que liga o Bola a esse assunto. Não tem. Foi muito mais naquela época lá, que tinha que condenar, quando o Macarrão falou no júri que o ‘Bruno agora é o mandante, agora fecha. O Bola é o executor’. Tá, ele é o executor, prova isso. Prova também que eu sou o mandante”, disse Bruno.

Bola pegou 22 anos de prisão por homicídio duplamente qualificado (por asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Para Bruno, porém, ele é inocente.

“Não conheço ele de lugar nenhum, nunca vi o Bola na minha vida. Todos os amigos que eu tinha eu sempre registrei, sempre estiveram nas minhas fotos, uns conhecem os outros, mas o Bola não conheço. A meu ver, pelo que eu já ouvi de história, é muito mais perseguição do que ele nesse caso”, afirmou.

Cumprindo a pena de 20 anos e nove meses em regime domiciliar, Bruno também pediu para que Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, conte a verdade sobre o caso.

“Acho que ele deve isso para a sociedade. Se ele foi a última pessoa a estar com a Eliza, por que ele não fala onde ela está então? Fala o que aconteceu realmente com ela. Não o que ele falou lá no júri, porque o júri é mentira”, disparou.

Dez anos após o assassinato, o corpo de Eliza Samúdio ainda não foi encontrado. Edson Moreita, ex-degelado, acredita que o cadáver tenha sido enterrado perto da cidade Capim Branco.

“O Bola é perigoso. Ele só não contou onde estava o corpo porque tem outros corpos lá no mesmo lugar. Eu desconfio da localização, lá para o lado de Capim Branco, porque, em certos momentos em que o celular dele ficou desligado, apareceram umas ligações para aquele lado. Eu queria fazer essa parte da investigação, com autos suplementares. Mas o doutor Gustavo Fantini (promotor de Justiça) passou isso para o pessoal do Crime Organizado, que não conhecia os detalhes do crime”, comentou.

Jovem Pan

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Roberto Araújo disse:

    "A voz da escuridão"

  2. Sandra disse:

    basta ameaçar de mandar ele nadar nas águas poluídas do Rio de Janeiro, onde a Cedae jura que está tudo normal….

  3. João Rola disse:

    Elemento de alta periculosidade, se fosse na base da tortura esse vagabundo tinha contado a verdade.

PANCADA (VÍDEO): BG afirma que decreto de Álvaro Dias iria inviabilizar Uber em Natal

Bruno Giovanni critica proposta da Prefeitura de Natal e afirma que texto da lei apresentada pelo município iria acabar com o transporte via aplicativo de celular. Confira comentário abaixo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. François Cevert disse:

    Deviam fazer é a licitação do transporte público que financia as campanhas de vários dos políticos dessa cidade.

  2. Vergonha disse:

    Acho justo sim cobrar dessas empresas multimilionárias alguma taxa , os motoristas são explorados sem controle algum pelo governo, um coitado trabalha 12…15 horas por dia , sem garantias alguma , e empresa lucrando HORRORES, NÃO SOU PTRALHA, só não concordo com uma corrida de R$ 10,00 a UBER ficar com 30% LIVRE , enquanto o pobre coitado fica com R$ 7, 00 para custear gasolina , manutenção etc e sobrar para o seu sustento . TEM QUE LIMITAR ESSA PORCENTAGEM ABSURDA DESSES APLICATIVOS EM CIMA DO MOTORISTA

    • Euzim disse:

      Os motoristas não são empregados do Uber. Eles se utilizam, voluntariamente, do aplicativo para prestarem, de forma autônoma, um serviço. A pessoa trabalha o tanto que quiser e tiver disposição. Essa relação tem salvado a pele de inúmeras milhares de famílias num contexto de grave crise econômica em que fomos mergulhados pelo PT.

    • joaozinho disse:

      Meu caro, quem explora é a prefeitura os taxistas. Se os taxistas estao achando que a concorrencia é desleal, que va brigar com a prefeitura, ou procure um serviço justo como o UBER. O fato de uma empresa que gera renda pra 8000 pessoas so em natal ta tendo lucro é muito bem vindo. Pq se houvesse prejuízo, essas pessoas estariam passando fome. Ou seria melhor 8000 familias so em Natal sem trabalho autonomo? Tem pessoas que nao querem ser escravos de dono de taxi (me ajude!) e tem passageiro que gosta de Uber. Se a UBER fica realmente com 30% e o motorista aceita e gosta, porque ele se sentiria explorado? Ora, manifestaram em favor do UBER aos montes. Se juntem e criem um aplicativo, gaste com propaganda e advogado… ou nao reclamem. Falta muita consciencia pra esse povo que reclama de tudo e se acha explorado. Vao pedir pra prefeitura baixar os impostos em vez de gastar com carnaval. O problema é o brasileiro que tem olho gordo pq alguem ta lucrando. Mentalidade retrograda.. vao morar na china…

  3. CURITIBA JÁ disse:

    ISENÇÃO EM NATAL SO PARA BANDA$ DE FORRO

  4. M.D.R. disse:

    Piso na b o l a.

Líder do PSL na Câmara afirma em áudio que vai ‘implodir’ Bolsonaro e chama o Presidente de “vagabundo”; ouça

Foto: Fátima Meira/ Futura Press/ Estadão Conteúdo

O líder do PSL na Câmara dos Deputados, Delegado Waldir (GO), afirmou em áudio obtido pela Record TV que pretende “implodir” o presidente Jair Bolsonaro. Na conspiração contra o presidente, ele fala da suposta articulação de Bolsonaro para retirá-lo do cargo de líder do PSL no Legislativo.

Waldir é ligado ao presidente do partido, o deputado Luciano Bivar (PE), e tem feito críticas públicas a Bolsonaro. Na conversa gravada, ele disse que divulgaria um áudio comprometedor a Bolsonaro.

“Eu vou implodir o presidente. Aí eu mostro a gravação dele. Eu tenho a gravação. Não tem conversa, não tem conversa. Eu implodo o presidente. Acabou o cara. Eu sou o cara mais fiel a esse vagabundo”, diz o líder do PSL. Ele aborda a questão por cerca de um minuto, referindo-se ao presidente com palavrões.

O arquivo em que Waldir fala com outros parlamentares sobre o presidente tem cerca de 9 minutos de duração. A fala sobre a intenção de implodir Bolsonaro começa aos 2 minutos e 40 segundos.

Nesta quinta-feira (17), as revistas “Época” e “Crusoé” divulgaram áudio em que mostram uma gravação com o presidente Bolsonaro pedindo assinatura possivelmente a um deputado do PSL não identificado com o objetivo de obter apoios para tirar o Delegado Waldir da liderança do partido na Câmara.

Ao sair do Palácio da Alvorada, Bolsonaro falou aos jornalista que, se alguém o “grampeou”, foi um ato de desonestidade. “Eu não trato publicamente deste assunto. Converso individualmente. Se alguém grampeou telefone, primeiro é uma desonestidade”, afirmou.

O R7 entrou em contato com a assessoria do deputado no início da tarde desta quinta, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arthur disse:

    Bom é ver os minions tudo calado, pega fogo cabaré! Até Lula roubava mais organizado que esses milicianos.

  2. Beto Dal disse:

    O Baixo Clero, agora sob nova administração, convida a todos que votaram na 'instituição' para continuarem apoiando, defendendo e brigando com o resto da população que tem bom senso! Uma rasante mais abaixo que o pré-sal!!

  3. Carlos Bastos disse:

    Vai cabaré, eu sabia

  4. Cigano Lulu disse:

    Prostitutas do baixo meretrício usariam linguagem mais sociável.

  5. São todos bandidos, sem exceção! Do partido A ao Z, são a escória da sociedade!

  6. Marcelo disse:

    Tudo isso é culpa de luladrão….. Homi ali é trocar seis por meia dúzia……

  7. Rodrigo disse:

    Por isso que o Brasil não vai pra frente! Essa podridão está em todos os partidos, cadê a ética? Cadê a união? Cadê o pensamento no Brasil? No Brasileiro? Estão todos pensando no próprio umbigo, ou melhor, no próprio bolso, comissão de ética neles!

    • Rivanaldo disse:

      Nada disso de ética. Se ele tem áudios que incriminam, quem quer que seja, tem que divulgar.

  8. Luiz Antônio disse:

    É o estilo miliciano

CASO GISLANE: Juíza afirma que acusado de matar professora em acidente na Prudente sofre “constrangimento ilegal” e determina soltura

Foto: Reprodução

A juíza Ingrid Raniele Farias Sandes determinou a soltura para o oficial de justiça, Josias Teixeira de Morais, preso desde o último mês de maio pela morte da professora Gislane Cruz, em acidente de trânsito no prolongamento da av. Prudente de Morais. O oficial havia sido preso em flagrante e foi comprovado que estava dirigindo sob efeito de álcool.

Na decisão judicial da última segunda-feira, 30, a juíza ressaltou que Josias Teixeira preso desde o último dia 19 de maio, estaria passando “constrangimento ilegal”. O oficial estava preso e deveria já ter passado pelo exame de sanidade mental pedido desde o útimo dia 15 de julho, mas que até o momento não ocorreu e estaria agendado para 15 de outubro.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Q porra de justiça é essa. Tá cega mesmo e seus membros parecem que fumaram maconha estragada.

  2. Sejamos justos disse:

    Mais uma vez o Judiciário violando os princípios básicos preconizados na constituição, deveria responder por improbidade administrativa.

  3. Freitas disse:

    Tem que soltar mesmo. Ela vai muito responder por abuso de autoridade!!!

  4. Maria Amélia disse:

    Incrível como quem comete crimes tem os direitos respeitados enquanto a vítima e familiares ficam sofrendo pelo ocorrido e pelas injustiças. Só no Brasil essas coisas acontecem!

  5. Carllos disse:

    Será que se a professora morta fosse parente da juíza, ela teria essa mesma decisão?!

  6. Vergonha alheia disse:

    Essa “juíza” tem filho? Já pensou se fosse o filho dela morto por um cara embriagado? Que vergonha essa decisão.

  7. marcos disse:

    O ditado popular não se configura, quando dizem que um erro não se justifica com outro erro!…

  8. Aleonardo disse:

    Um tapa na cara da família e de centenas de alunos dela do Salesiano. Mais uma VERGONHA do judiciário que, ante a própria incompetência, liberta brandidos de alta periculosidade como esse.

  9. Iago disse:

    Constrangimento ilegal meu ovo, a Justiça não pensa na família da vítima, além da perda, do sofrimento que nunca vai passar, vem outra lapada dessa.

  10. JBBatista. disse:

    Pode apostar que no próximo final de semana ele estará comemorando sua libertação! não tenho mais esperança nesse país votei no novo para mudar e me parece que vai continuar tudo do mesmo jeitinho, minha solidariedade a família da moça que faleceu e os que ficaram feridos por uma ação de um irresponsável beberrão, só funciona essa lei se o causador de acidente pagar pensão para a família das vitimas é a unica maneira de punição.

  11. Ems disse:

    Quem será a próxima vítima ?

LIVRO DE MEMÓRIAS: Janot afirma que Temer e Henrique Alves pediram que ele não investigasse Cunha

Foto: Jorge William/Agência O Globo/14-09-2017

A cena de abertura do livro de memórias de Rodrigo Janot, que será lançado em duas semanas, mostra o então vice-presidente Michel Temer pedindo a Janot, em março de 2015, que ele não investigasse Eduardo Cunha, recém-eleito na época para a Presidência da Câmara.

Em Nada menos do que tudo , escrito pelos jornalistas Jailton de Carvalho e Guilherme Evelyn, Janot conta que estava almoçando em sua churrascaria favorita em Brasília quando recebeu um telefonema. Era a secretária da Vice-Presidência. Temer queria vê-lo no Palácio do Jaburu.

Ao chegar ao Jaburu, Janot conta ter sido recebido por Temer e por Henrique Eduardo Alves e levado para uma varanda coberta do palácio.

“Eu chamei o senhor aqui porque quero conversar não com o procurador-geral da República, mas com um brasileiro preocupado com o Brasil, com um patriota”, teria dito Temer.

Em seguida, sem meias palavras, Henrique Alves disse a Janot que ele não poderia investigar Cunha:

“Cunha é um louco, pode reagir de forma imprevisível e colocar o Brasil em risco. Confiamos no senhor como brasileiro e como patriota para manter a estabilidade do país”, disse Alves, na versão de Janot.

Janot afirma ter se virado para Michel Temer e o questionado:

“O senhor é do Direito, a minha área, ele (Henrique Alves) não é. O senhor está entendendo a gravidade do que ele está propondo ao procurador-geral da República?”, perguntou Janot.

“Ele está propondo ao patriota Rodrigo Janot. Esse homem é muito perigoso, e a gente não sabe quais as consequências que poderão vir dele. Então apelamos para que o senhor não leve a cabo essa investigação, que a arquive”, teria pedido Temer.

Com palavrões, Janot conta no livro ter sido duro com a dupla:

“Olha, vice-presidente, eu acho isso muito complicado. Na verdade, não consigo separar a figura do patriota da figura do procurador-geral. O que os senhores estão me propondo aqui é que eu cometa um crime de prevaricação. Isso eu não farei jamais. E muito me estranha que o vice-presidente da República e o ex-presidente da Câmara dos Deputados venham fazer uma proposta indecorosa dessas ao procurador-geral da República. Estou chocado com a ousadia de vocês. Os senhores são responsáveis por esse homem estar assumindo a Câmara. Os irresponsáveis são vocês. Vocês é que são os não patriotas. Como é que vocês fizeram uma merda dessas?”.

Guilherme Amado – Época

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Cunha foi condenado sem provas por um Juiz parcial, só pegou PMDBistas!!! E os outros bandidos??? #cunhalivre!!! Eleições sem Cunha é gópi!!!! Moro facista…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. nasto disse:

    OS TRÊS são iguais. Cunha, Alves e Temer. Cadeia para todos é pouco.

Chefe da NASA afirma que Plutão é um planeta e a polêmica volta à pauta

Plutão (à direita) e sua maior lua, Caronte (à esquerda). (Foto: NASA)

Plutão deixou de ser considerado um planeta em agosto de 2006, numa decisão histórica que rende discordâncias até hoje. O hoje chamado de planeta-anão ainda tem seus defensores e, pelo visto, Jim Bridenstine, atual administrador da NASA, é um deles: durante um evento, ele declarou que “Plutão é um planeta”.

Ele disse ainda que “você pode escrever que o administrador da NASA declarou Plutão como um planeta mais uma vez”, dizendo que está “comprometido” com isso. Só que quem define o que é um planeta (ou não) não é a NASA, papel que é da União Astronômica Internacional (IAU).

De acordo com as definições da IAU em 2006, que contou com votação de 424 astrônomos, para ser considerado um planeta, o objeto precisa:

Ser esférico;

Orbitar o Sol, mas não ser satélite de outro planeta;

Não compartilhar sua órbita com nenhum outro objeto significativo,

Ter “limpado” sua órbita graças à sua ação gravitacional

Por conta deste último item, Plutão acabou rebaixado para um planeta-anão, já que, ao seu redor, há um “mar” de outros objetos, pois sua gravidade, apesar de ser forte  o suficiente para garantir seu formato esférico, não é intensa o bastante para atrair esses objetos e, assim, limpar sua órbita. E caso Plutão volte à categoria de planetas, junto com ele outros 100 objetos também seriam “promovidos”. E, de fato, vários outros objetos foram categorizados como planeta-anão após o rebaixamento de Plutão, pois apresentam exatamente as mesmas características para sua classificação.

Antes disso, não havia definições oficiais para esses objetos, o que criou problemas à medida em que outros mundos foram descobertos. Foi o que aconteceu com a descoberta de Eris: Mike Brown e sua equipe, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, descobriram o objeto que parecia ser maior do que Plutão, e se Eris entraria então na categoria de planeta-anão, Plutão também deveria estar.

Então o “problema” envolvendo objetos mais ou menos com as mesmas características de Plutão foi resolvido com o rebaixamento do até então nono planeta do Sistema Solar. Contudo, nem todo mundo concorda: além de Bridenstine, Alan Stern, líder da missão New Horizons (justamente a que estudou Plutão de pertinho em 2015), chegou a escrever na época que “a definição da IAU não é apenas impraticável e inacessível, mas tão cientificamente falha e internamente contraditória que não pode ser fortemente defendida contra alegações de negligência científica”.

Plutão segue protagonista desta polêmica, especialmente porque a missão New Horizons mostrou que ele tem uma própria atmosfera, que é rica em nitrogênio e se estende por até 1.600 km acima da superfície. Além disso, ele tem compostos orgânicos, clima, paisagens rochosas, avalanches, luas a seu redor, e pode até mesmo ter oceanos líquidos abaixo de sua superfície.

Ainda, o argumento de que “Plutão não limpou sua órbita” acaba não sendo definitivo, já que outros planetas do Sistema Solar também não o fizeram. A própria Terra sem em sua órbita diversos objetos que rodeiam o planeta, coisa que acontece também em Júpiter. Recentemente, cientistas defenderam que um planeta deveria ser definido pela IAU como um objeto que se tornou grande o suficiente para se tornar uma esfera, o que elevaria à categoria de planeta os outros mais de 100 mundos que se encontram no mesmo caso de Plutão.

Ou seja: mesmo com o chefe da NASA apoiando a ideia de transformar Plutão novamente em um planeta de acordo com nossa classificação, a briga continua, com muitos argumentos válidos dos dois lados do ringue. Até então, a IAU não mostrou sinal de recuar em sua decisão de 2006, e os partidário de Plutão também não demonstram sinais de que aceitam chamá-lo de planeta-anão. Mas, caso Plutão seja elevado novamente de categoria, talvez tenhamos que nos preparar para aprender quem são os mais de 100 objetos que poderão se tornar, oficialmente, planetas do Sistema Solar junto com ele.

CanalTech, via Science Alert

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge disse:

    Não precisa Joana. O nome da banda é, na verdade Plutão Já foi Planeta. O nome continuaria valido e correto, por mais q ele volte a ser considerado um planeta

  2. Joana disse:

    A banda daqui ("Plutão não é planeta") terá que mudar de nome então?

Presidente da CBF afirma que opinião de vice é pessoal e volta a garantir Neymar na Copa América

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Presente no evento que reelegeu Gianni Infantino como presidente da Fifa, Rogério Caboclo, presidente da CBF, comentou as declarações dadas pelo seu vice, Francisco Noveletto, sobre o caso Neymar. Na última terça, Noveletto citou um novo vídeo que vai surgir e disse que apostaria num pedido de licença do atacante.

Caboclo seguiu garantindo a presença de Neymar na Copa América, e afirmou que as declarações do vice da CBF não correspondem ao pensamento da instituição.

– Creio que ele deve ter falado de acordo com a consciência e os fatos que ele conhece, não pela CBF.

Sobre o surgimento de um novo vídeo no caso, Caboclo foi sucinto.

– Nenhuma preocupação.

Com Neymar entre os titulares, o Brasil enfrenta a seleção do Catar nesta quarta-feira, em Brasília, em amistoso preparatório para a Copa América. A bola rola às 21h30 no Mané Garrincha, e a provável escalação de Tite é: Éderson; Daniel Alves, Miranda, Marquinhos e Filipe Luís; Casemiro, Arthur e Coutinho; Neymar, Richarlison e Gabriel Jesus.

Reeleição de Infantino

– A CBF espera que ele continue imprimindo a mesma modernidade, a mesma transparência que tem feito, e que faça o futebol progredir cada vez mais. Ele é um homem justo, um gestor coerente. As ações dele são de integração, de inclusão de países menores no futebol, e o respeito pelo futebol sul-americano é muito grande – resumiu Caboclo.

Globo Esporte

Maia diz que país entrará em colapso sem aprovação de reformas; Presidente da Câmara afirma que governo precisa “construir agenda em conjunto”

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em entrevista exclusiva ao GLOBO Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu em entrevista ao jornal o Estado de S. Paulo, que as reformas sejam aprovadas e disse que o presidente Jair Bolsonaro sofre com a redução de expectativas positivas para o governo.

“Chegamos num ponto onde ou nós construímos essa agenda em conjunto ou vamos para o colapso. Vai entrar no colapso de ruptura das relações sociais. É nisso que vai chegar”, afirmou.

Maia diz que vai trabalhar para a aprovação da reforma da Previdência, que tem certeza que será aprovada. O presidente da Câmara também disse que a política está distante da sociedade, “foi criminalizada”.

“Todos os problemas que a sociedade vive hoje passaram a ser da política. Alguns pontos são corretos, mas às vezes esse pêndulo é exagerado. Para que a gente possa dar solução para o colapso social, precisamos ter uma agenda que venha do Executivo”, afirma.

Saída do DEM do Centrão

Maia afirmou que “a forma pejorativa como se trata o tal Centrão hoje, amanhã na história vai entrar como os partidos que salvaram o Brasil do colapso social, do crescimento da desigualdade, da pobreza, da falta de educação e da falta de médicos”.

Na semana passada, a Câmara vetou o uso da palavra “centrão” em veículos oficiais. A determinação da direção de jornalismo da Casa ocorre três dias depois de manifestantes em favor do governo irem às ruas e criticarem o bloco de partidos.

Em e-mail aos jornalistas da Casa, a direção de jornalismo diz que o termo é usado “pejorativamente para designar alguns partidos que poderiam ou não entrar na base do governo”.

R7, com Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pra frente Brasil disse:

    Muito feio senhor Rodrigo Maia distorcer os fatos como fez em várias citações nessa reportagem.
    A pior delas é afirmar que as manifestações contra você e aqueles que não tem compromisso com o Brasil foi do governo – MENTIRA!
    O governo não chamou ninguém para participar as manifestações e o governo não esteve nas manifestações; O povo que não pactua mais com políticos com as suas características foram as ruas para protestar contra uma parte da classe política que só tem compromisso como próprio pacto político e dá as costas ao povo.
    Você sequer sabe o que foi dito por Toffoli na reunião e mesmo assim demonstra apoio, precisa comentar sua forma tendenciosa de agir?
    Se realmente acha que o Estado precisa de reformas, porquê trabalha para atrasar e dificultar as reformas propostas? Seria pelo egoísmo político dela não ser de sua autoria ou que atenda as articulações que tanto cobra? O povo sabe a qual articulação faz referência.
    Essa sua falácia de falta de agenda para o Brasil é desvio de foco, existem duas importantes agendas para o povo, a reforma da previdência e a reforma anti corrupção que você tem colocado todo tipo de empecilho, desculpas e problemas para que elas não sejam votadas.
    Não Rodrigo Maia, a sociedade não foi para ruas protestar contra a educação, está distorcendo os fatos, os alunos e professores foram as ruas, o trabalhador, a sociedade e o povo não participaram. Não faça isso, é um péssimo exemplo diante do cargo que ocupa e por isso o povo pede sua saída.

Coronel Azevedo afirma que governo do RN faz gestão para os “poderosos”

Foto: João Gilberto

O pronunciamento do Coronel Azevedo (PSL) na sessão plenária dessa quarta-feira (15), foi marcado por críticas ao Governo do Estado. O parlamentar disse que a governadora Fátima Bezerra (PT) realiza uma gestão que agrada aos poderosos e se distancia do discurso feito no palanque durante a campanha passada.

“É uma incoerência, porque a governadora Fátima Bezerra decretou calamidade pública devido às dificuldades financeiras, no entanto chegou a esta Casa uma proposta de reajuste para alguns servidores, como auditores e procuradores, para que algumas categorias possam receber ainda mais desse Estado quebrado”, criticou Azevedo.

O deputado afirmou que enquanto o reajuste é proposto para algumas poucas categorias, muitos servidores sofrem com salários baixos e atrasados: “Alguns estão tendo que passar pelo constrangimento de sofrer busca e apreensão em suas residências, perdendo bens porque não estão podendo honrar com suas obrigações, nem mesmo pagar medicamentos indispensáveis, com nomes sujos no SPC e SERASA”, disse.

Coronel Azevedo ainda afirmou que não tem nenhuma opinião contra os servidores que seriam beneficiados com o reajuste, mas que votou contra o projeto durante sua tramitação na Comissão de Constituição Justiça e Redação (CCJ) em respeito aos demais servidores e ao povo potiguar.

ALRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Escritor disse:

    Nao existe nenhum projeto na assembleia legislativa prevendo aumento ou reajuste para os auditores. Nenhum. Nobre deputado esta equivocado.

  2. Carlos Bastos disse:

    Deputado deixe de falar besteira, esse reajuste de 16% , todo mundo sabe que foi o famoso efeito cascata, quando tem aumento salarial dos ministros do STF, todos os juízes e procuradores recebe também.

    • Pablo disse:

      Vc quem esta falando besteira. Os procuradores a quem o deputado se referente sao procuradores da assembleia legislativa. E nao os procuradores do ministerio publico ao qual recai o aumento feito efeito cascata. Antes de querer criticar procure se informar

    • apmneto disse:

      O tal 'efeito cascata' é uma criação dessas categorias engolida pela imprensa. O que a Constituição fixou foi um teto remuneratório, ou seja, que ninguém pode ganhar mais que os ministros do STF, respeitada uma escala de decréscimo percentual. Ou seja, ganhar mais não pode, menos pode.

      Os reajustes não incidem automaticamente e nem são obrigatórios. Dependem de lei de iniciativa privativa do Poder ao qual os servidores estejam vinculados, que no caso de defensores e procuradores é o Poder Executivo. Caso existisse o tal 'efeito cascata' os reajustes seriam automáticos, mas o governo envia o projeto de lei se quiser e o Legislativo aprova se achar devido.

      Resumindo, o efeito cascata é uma cascata.

  3. Ems disse:

    Certíssimo !!! Neste governo, dito do povo, a crise existe apenas para os mais pobres.

    • M.D.R. disse:

      CORONEL AZEVEDO, quebrado estão os BARNABÉS , que está aproximadamente 10anos sem reposição salarial e sem perspectiva de recuperação salarial. O GOVERNO, que está aí, ñ vejo com boas intenções para o funcionalismo, o que resta só bla blá blá .

  4. Rubens Cunha disse:

    Hum, e assim falou o representante no estado do partido do laranjal, logo ele q se elegeu com votos de parte de um naco dos servidores públicos, esse faz parte de um grupo que logo, logo passará a ser tratado como ex-deputado, não tem boas ideias, não tem projetos, deputado de um mandato só.

    • Antonio Barbosa Santos disse:

      É possível, Rubens, que o Coronel Azevedo não renove seu mandato. O tempo dirá.
      No entanto, mesmo antes de entrar na politica e independente dela ele tem mais serviços prestados ao povo honesto do RN que qualquer político do PT, por exemplo.
      Mas se você puder mostrar com fatos concretos, não discurso ou ações vazias daquele que é conhecido como "Quiabo" (vive de ser figurante) e que agora, para não ficar desempregado, assumiu uma Secretaria do Nada, pode colocar para conhecimento.
      Aguardamos.

    • Rubens Cunha disse:

      Antônio, infelizmente não tenho procuração de ninguém, nem de partido algum para defesas. nem muito menos sou eleitor de fulano ou sicrano, hoje em dia só se fala nisso, "tá falando assim por q votou no partido tal" sinto em dizer a vc que o assunto aqui é outro, acho q vc não entendeu bem o post e muito menos o meu comentário. #foconopost

    • joaozinho disse:

      Talvez vc prefira um dep que saiba reclamar somente como oposicao, nao faça nada, faça apologia a tomada de propriedade dos outros, deseje o caos, cause desemprego com ideias transloucadas, nao goste de policia, viva as custas do povo, defenda privilégios, etc

Maia acena a Moro e afirma que projeto anticrime pode ser votado em breve; presidente da Câmara ainda reclama de fofocas

Foto: Luis Macedo/Agência Câmara 08.03.2019

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez acenos ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e afirmou que existe uma possibilidade de o projeto de lei relacionado a combate ao crime organizado e aos crimes violentos ser votado ainda no primeiro semestre.

Internamente, porém, o indicativo na Câmara é que a base será o projeto proposto pela comissão de juristas encabeçada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes.

Maia participou, na manhã desta terça-feira (26), de uma parte da primeira reunião do grupo de trabalho que formou para discutir as propostas de Moro e de Moraes.

Só o ministro do Supremo foi convidado. Maia, no entanto, disse que já falou com o ministro da Justiça e o convidou para uma segunda reunião do grupo ainda esta semana.

“Não tem problema nenhum, vocês estão fazendo fofoca… a primeira reunião é do grupo de trabalho com os representantes do CNJ. O grupo de trabalho foi construído para isso (debates). A segunda reunião é com o Moro e quantas as reuniões que ele quiser fazer no nosso grupo para colaborar, falando do projeto e da importância dele. Vamos estar juntos trabalhando”, disse Maia após a reunião.

Questionado sobre quando seria possível votar o projeto, Maia indicou possibilidade de isso acontecer ainda no primeiro semestre. “Por que (votar) no segundo semestre? Pode ser no primeiro”, disse.

Segundo Maia, pode não ser necessário utilizar todo o prazo de 90 dias dado para o grupo de trabalho realizar debates e unificar diferentes propostas apresentadas em um só projeto. O parlamentar acrescentou que é possível que o texto siga direto ao plenário se houver acordo entre os partidos.

“Se for para votar um bom texto, o que interessa é o tempo do bom trabalho dos deputados, com juristas e com o Executivo”, disse Rodrigo Maia.

O ponto de partida do debate legislativo, no entanto, é o projeto apresentado pela comissão de juristas presidida pelo ministro do Supremo Alexandre de Moraes. “É o carro-chefe”, disse o deputado Hildo Rocha (MDB-MA), um dos integrantes do grupo de trabalho, após a reunião.

Moraes expôs aos dez deputados integrantes da comissão os projetos que apresentou ao Congresso em maio do ano passado. Ao fim do encontro, falou à imprensa que não deve haver “vaidade”.

“Vamos discutir esse projeto e o aprovado pelo governo e outros projetos que existem na Câmara. O mais importante, e eu venho repetindo, é pegarmos as principais ideias e conseguirmos avançar no que houve consenso. Não importa vaidade de redação, mas avançar na ideia porque temos de avançar na filosofia no combate ao crime organizado”, disse Moraes.

O ministro, que tem ótima relação com Rodrigo Maia, destacou ainda o presidente da Câmara e negou que a criação do grupo de trabalho possa atrasar o andamento dos debates.

“A questão do combate ao crime organizado já é prioridade do presidente da Câmara desde outubro de 2017, quando constituiu comissão de juristas na Câmara, e tenho certeza que é prioridade não só dele como da Câmara dos Deputados”, disse.

R7 e Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo disse:

    BG
    Esse pescoço mole vai dar muito trabalho ao governo. Sonso todo

  2. Lucio disse:

    Fizeram acordo pa soltar Temer e Moreira e Tudo começou a voltar a normalidade.
    kkkkkkkkkkkkkk

  3. severo disse:

    Temos que exigir esse projeto anti crime, sem ele, não sobra nada para o povo, roubam sem pena e dó. Estamos cansados da impunidade.

Líder do governo no Congresso afirma que Bolsonaro não admitiu que irá ceder em pontos da reforma da Previdência: “está ouvindo parlamentares e disposto a negociar”

Foto: Divulgação

A deputada federal Joice Hasselmann afirmou, em entrevista ao Jornal da CBN nesta sexta-feira (1º), que o presidente Jair Bolsonaro não admitiu que irá ceder em pontos da reforma da Previdência. “Na hora que essa declaração circulou na imprensa, eu imediatamente conversei com o presidente para entender o que realmente tinha acontecido e ele disse: ‘olha Joice, não foi isso que eu quis dizer não'”. A líder do governo no Congresso afirmou que o objetivo da fala de Bolsonaro era mandar um recado ao Congresso Nacional de que está ouvindo os parlamentares e está disposto a negociar, “mas tem limite essa negociação. Não é abrir a porteira. Senão, não tem sentido”.

Na quinta-feira, durante café da manhã com jornalistas, o presidente chegou a dizer que poderia baixar de 62 para 60 anos a idade mínima para aposentadoria das mulheres. “A questão da idade mínima, o presidente não admitiu baixar, ele admitiu conversar. E nós temos que conversar sobre tudo”, disse Joice. Em sua avaliação, é preciso mexer o mínimo possível no texto da reforma. “O Congresso querer colocar sua marca na reforma é legitimo. Ele tem que se sentir parte da mudança, mas não pode transformar o texto em um Frankenstein”, afirmou.

Em relação ao BPC (Benefício de prestação continuada), a deputada federal disse que esse foi o primeiro tema polêmico do texto e o que mais chamou a atenção. “E também obviamente a oposição já deu aquela distorcida”. Ela afirmou que gerar uma economia na casa de R$ 1 trilhão é “imexível” e que é a partir daí que serão feitas as negociações com os parlamentares.

Questionada sobre qual o tamanho da base aliada do governo, Joice Hasselmann disse não ser possível cravar um número, mas que a base está sendo construída. “Existe alguma instabilidade em alguns partidos. O humor está muito volátil”, avaliou.

CBN

 

Renan Calheiros disfarça e afirma que não quer ser presidente do Senado

Foto: Geraldo Magela / Agência Senado

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) é visto como o mais candidato de todos à presidência do Senado, mas na contramão das aparências, ele tuitou na tarde desta segunda-feira (21) que não deseja voltar ao cargo, ao qual já presidiu por três oportunidades:

— Olha, não quero ser presidente do Senado. Os alagoanos me reelegeram para ser bom senador, não presidente. Já fui várias vezes, em momentos também difíceis – afirmou o alagoano.

Mas Renan não fechou as portas para sua candidatura ao afirmar que a decisão caberá à bancada.

Um desses nomes a que Renan se refere é o da senadora Simone Tebet (MDB-MS) que tem apoio não só de integrantes do partido. Um exemplo é o senador eleito Major Olímpio (PSL-SP) que em entrevistas já admitiu que o nome de Simone poderia ajudar num consenso e, ao mesmo, tempo garantiria o comando da casa com a maior bancada, no caso o MDB. O obstáculo, segundo Major Olímpio, seria mesmo o nome de Renan Calheiros.

Zero Hora

 

Carta distribuída a juízes afirma que Temer sancionou reajuste para os ministros do STF, com repercussão sobre toda a magistratura

A carta abaixo, distribuída a juízes, afirma que Michel Temer sancionou, sim, o reajuste para os ministros do STF, com repercussão sobre toda a magistratura.

Ou o Planalto mentiu ao negar a sanção a O Antagonista ou está mentindo ao Poder Judiciário.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria de Fátima disse:

    Coitados, eles estavam ganhando muito pouco!
    Esculhambação total

Pré-candidato tucano à Presidência afirma que ‘não há marqueteiro que leve o PT à vitória’

Em discurso inflamado durante a convenção do PSDB mineiro, o senador Aécio Neves (MG), pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, desejou ontem uma “boa aposentadoria” à presidente Dilma Rousseff. Para ele, diante da atual situação econômica e social do País, “não há marqueteiro que leve o PT à vitória”.

Aécio discursou para uma plateia que lotou o ginásio do Minas Tênis Clube, um dos mais tradicionais de Belo Horizonte, durante o evento que confirmou o chapa que vai disputar o governo de Minas, encabeçada pelo ex-ministro Pimenta da Veiga (PSDB). “A boa educação mineira só me (faz) desejar à presidente uma boa aposentadoria nos próximos quatro anos”, declarou o senador, ovacionado no evento que contou também com as convenções do DEM, PSD e PP mineiros.

Pouco antes, em entrevista, o tucano fez outras críticas à presidente. Ao comentar resultado da mais recente pesquisa Ibope, que mostrou oscilação negativa de dois pontos porcentuais de Dilma e oscilação positiva no mesmo porcentual dele e do ex-governador Eduardo Campos (PE), presidenciável do PSB, Aécio avaliou que o levantamento reflete um sentimento “de enfado” da população com a gestão petista. “Podemos nos preparar para um novo e grande governo a partir de 2015 e vamos trabalhar para isso.”

Enxaqueca. O senador também ironizou o resultado da convenção nacional do PMDB, que confirmou a reedição da aliança com o PT com 59% dos votos dos participantes, resultado considerado por Aécio uma “fragorosa derrota” do governo. “A presidente hoje infelizmente deve dormir com uma enxaqueca. Depois de tudo que foi feito, da distribuição dos espaços para o PMDB no governo, que já manda quase mais, pelo menos um setor do PMDB, que o próprio PT, a oposição à aliança ter mais de 40% dos votos é uma derrota fragorosa”, avaliou.

Para o tucano, Dilma levará “alguns minutos a mais” na propaganda eleitoral gratuita, mas não “a base, o trabalho e o sentimento de seus aliados”.

Aécio também acusou Dilma de estar “desconectada da realidade” ao declarar, após receber apoio do PDT à sua reeleição, que, “juntos”, são “invencíveis”.

“O mais surpreendente que eu vi hoje da presidente, uma presidente desconectada da realidade, aflita com os resultados que vem tendo na economia, na área social, é ela dizer que é invencível”, provocou o tucano. “Invencíveis seremos nós brasileiros que vamos encerrar esse ciclo de governo do PT que está infelicitando o País.”

Questionado sobre a possibilidade de acentuar as diferenças em relação a Campos, o senador afirmou que suas diferenças “são claras em relação ao PT, a tudo isso que está aí”. “Sempre fui oposição a esse modelo.”

Agência Estado

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Augusto disse:

    Quase não notava que o "jarleno" abandonou os estudos! Já pode se candidatar a presidência.

  2. jarleno disse:

    Os tucanos vao leva uma surra, de sutiã. Eu não sou polìtico, mais tenho sertesa. Os tucano, e o pai dos milionarios dos banqueiros. Voces criticão o progama social do pt, porque nunca passarão fome Eu sei o que e acorda sem ter um pão, para comer quando era criança. Tive que trabalhar cendo, com nove anos ja trablhava. Muitas vez sò por um prato de comida, era chingado. Tive que abandona os estudos, e um sonho de entra para fuculdade de direito. Na quela epoca faculdade era os ricos, cursa direito era para os filhos banqueros. Hoje e difernte os jovens os tão na fuculdade. E não foi no goveno dos tucanos não foi o lula que os ricos diziao que era analfabeto.