TJ aumenta indenização de supermercado a cliente que sofreu queda em Natal

Foto: Ilustrativa

A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do RN decidiu aumentar o valor indenização por danos morais imposta ao supermercado Bompreço de R$ 3 mil para R$ 5 mil para uma cliente que sofreu lesões decorrentes de uma queda em uma unidade da empresa em Natal. Por outro lado, o acórdão do órgão julgador foi desfavorável à consumidora, pois encerrou a determinação de continuidade do tratamento médico fornecido a ela, concedido em primeira instância pela 11ª Vara Cível da capital potiguar. A Câmara apreciou recursos de ambas às partes em relação à sentença inicial.

Ao apreciar o recurso do supermercado demandado, o relator, desembargador Vivaldo Pinheiro, ressaltou que “inexiste nos autos qualquer indicativo da necessidade de continuação de tratamento” ou manutenção das despesas médicas destinadas à autora.

Além disso, acrescentou que o último aditamento solicitando reembolso de despesas médicas “ocorreu no ano de 2012, ou seja, há mais de 7 anos, impondo-se, portanto, afastar essa determinação”.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Após mensagens vazadas, Telegram informa que sofreu “poderoso ataque” e alerta usuários

No centro da polêmica envolvendo o vazamento de mensagens privadas trocadas entre Sergio Moro e procuradores da Lava Jato, o aplicativo Telegram informou que sofreu um “poderoso ataque de negação de serviço” nesta quarta-feira.

Em mensagem publicada nas redes sociais, a empresa fala que houve um “DDoS Attack” (sigla para “Distributed Denial of Service”, em inglês) que afetou usuários nas Américas e em outros países. De acordo com o Telegram, os dados pessoais dos usuários estão seguros.

Cerca de 30 minutos depois de informar o ataque, o Telegram comunicou que o problema já havia sido resolvido.

Ontem, a empresa afirmou que “não há evidências de qualquer hackeamento” no aplicativo no caso das mensagens vazadas entre Moro e membros da Lava Jato.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fabia Rejane disse:

    A operadora também deve ter sua parcela de culpa no ocorrido.