Medalhista olímpica apontada como amante de Putin desaparece após dar à luz gêmeos

Alina Kabayeva nos tempos como ginasta (Foto: getty)

A ex-ginasta russa Alina Kabaeva, que supostamente teve gêmeos com Vladimir Putin desapareceu dos olhos do público e seu sumiço tem gerado preocupação. A multimedalhista de 37 anos, bronze em Sidney e ouro em Atenas, não é vista desde 2018, quando sua gravidez de gêmeos – que seriam de Vladimir Putin – foi descoberta. Acredita-se que ela tenha dado à luz em abril do ano passado em uma clínica de Moscou.

Mas há preocupação na Rússia de que ela tenha desaparecido desde então, de acordo com o The Sun. Alina é uma das ginastas mais premiadas da história da ginástica rítmica, com 2 medalhas olímpicas, 14 medalhas de campeonatos mundiais e 25 medalhas de campeonatos europeus. Depois de se aposentar do esporte, ela se voltou para a política e tornou-se parlamentar do partido Rússia Unida, o mesmo de Putin.

Além da política, Alina também protagonizou um ensaio ousado em uma revista, apareceu em ‘Red Shadow: Akakage’, um filme de ação japonês, e tentou uma carreira de cantora. Mais recentemente, ela trabalhou como como chefe do National Media Group, uma das maiores holdings de mídia do país.

Rumores envolvendo o romance entre Alina e o presidente russo remetem a 2008. O jornal Moskovsky Korrespondent relatou em 2008 que ela e Putin estavam noivos, mas a história foi negada e o jornal foi fechado. Também há rumores de que ela teve seu primeiro filho com Putin em 2015, o que também foi negado. No ano passado, quando rumores se espalharam sobre ela dar à luz gêmeos, todo o quarto andar VIP do Centro de Pesquisa Kulakov para Obstetrícia, Ginecologia e Perinatologia foi liberado para acomodar a ex-ginasta e ministra, dizem os relatórios.

Um grande jornal, Moskovsky Komsomolets, publicou a história em seu site apenas para excluí-la repentinamente e limpar todas as menções às alegações, inclusive do cache da Internet. Putin foi casado com Lyudmila Shkrebneva e eles têm duas filhas juntos, Mariya Putina e Yekaterina Putina. Especulou-se que o casamento, que teve início em 1983, teria chegado ao fim, mas o divórcio somente foi confirmado em 2014.

Alina Kabayeva e Yelena Isinbayeva na Olimpíada de Inverno de Sochi (Foto: getty)

Uma fonte de Moscou disse ao The Sun: “Putin é um homem intensamente reservado – ele esconde suas duas filhas adultas sob identidades falsas há anos. Mesmo agora, embora ele fale sobre elas ocasionalmente, ele nunca as cita nominalmente. Se Alina deu à luz seus filhos, o fato de ela se esconder pode ser um dos indícios mais fortes que apontam para isso. Ele é obsessivo com a segurança de sua família”, revelou a fonte ao jornal britânico.

Globo, via Monet

 

Influencer morre baleada após encenar sequestro nas redes sociais

 (Foto: Reprodução Instagram)

A influencer Areline Martínez, de 21 anos, morreu baleada, no último fim de semana, no bairro de Rigoberto Quiroz, na cidade de Chihuahua, no México.

De acordo com o jornal local Proceso, a jovem brincava com os amigos de encenar um sequestro para postar no TikTok quando foi morta a tiros, em uma fazenda.

A polícia trabalha com a hipótese de que os disparos tenham sido acidentais. Ainda de acordo com a publicação, Areline estava na companhia de dez amigos, que a ajudavam a encenar o rapto.

No vídeo, ela aparece com os olhos vendados e com as mãos e tornozelos amarrados, ao lado de um rapaz que também finge ser sequestrado. Os dois aparecem sentados no sofá com armas apontadas para suas cabeças.

Vídeo do falso sequestro (Foto: Reprodução )

“Uma das hipóteses é que eles [os amigos da influencer] estavam mexendo em uma arma pensando que não estava carregada e atiraram na mulher”, afirmou César Augusto Peniche Espejel, procurador-geral do estado de Chihuahua. “Se alguém tem uma responsabilidade criminal, eles terão que responder. Há vários fatos a investigar: a infeliz morte da jovem e a origem daquela arma e como ela chegou a suas mãos”, completou.

Areline era mãe de uma menininha de um ano de idade. Após os disparos, os amigos fugiram da fazenda. O corpo da jovem foi encontrado pelo caseiro da fazenda na segunda-feira (05).

Globo, via Glamour

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Moral dos Santos disse:

    Parabéns encenou muito bem

  2. Sei disse:

    Brincadeira idiota.

Médico é preso após sacar arma durante discussão por exame de Covid-19 com paciente na Barra da Tijuca, no RJ

Consultório onde discussão começou entre médico e paciente fica em centro comercial na Barra Foto: Reprodução / Google Maps

A consulta de um paciente com sintomas do novo coronavírus terminou em discussão e virou caso de polícia na tarde desta quinta-feira, em um consultório localizado no Shopping Cittá América, na Barra da Tijuca, quando, durante o desentendimento, um médico pneumologista teria sacado uma arma de dentro de sua bolsa e ameaçado o cliente.

O caso foi parar na 16ª DP (Barra da Tijuca). De acordo com os relatos do paciente, ele marcou uma consulta com o doutor Enio Studart para examinar o pulmão porque havia sido infectado com a Covid-19 há dois meses, mas os sintomas de cansaço continuavam. Foi quando, ainda segundo o homem, o pneumologista questionou a qualidade dos testes rápidos feitos por ele na ocasião. Teria iniciado, a partir dali, uma discussão, onde ambos teriam trocado ofensas. Foi nesse momento, ainda de acordo com o depoimento, que o médico pegou uma mochila, de onde sacou uma pistola para ameaçá-lo.

O primeiro a chegar à delegacia foi o médico, contando ter tido um desentendimento com seu paciente, que chegou logo depois, acompanhado de policiais militares. Aos inspetores, Enio afirmou que o paciente, durante a consulta, não era claro em suas respostas, e que se aborreceu com as perguntas feitas por ele, começando a xingá-lo em seguida. O doutor também confirmou que possuía uma arma, mas que não havia a utilizado.

Os agentes começaram a duvidar da versão do pneumologista, no entanto, quando questionaram de que forma ele teria se dirigido até a delegacia. Ele afirmou que havia pedido um serviço de carro por aplicativo, mas investigadores encontraram estacionado no pátio um automóvel com placa no nome dele. Foi neste momento que os policiais fizeram uma busca e encontraram dentro do veículo uma série de armas: um revólver calibre .38, uma pistola calibre .32, um soco inglês, duas facas, 24 munições de calibre .38, nove munições de calibre.32 e um carregador de pistola .32.

Enio foi preso em flagrante pela equipe coordenada pela equipe coordenada pela delegada Fernanda Noethen e irá responder pelos crimes de ameaça e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Confira a nota oficial da Polícia Civil:

“De acordo com a 16ª DP (Barra da Tijuca), o médico foi preso em flagrante por ameaçar um paciente e por porte ilegal de arma de fogo. Em seu veículo, foram encontrados um revólver, uma pistola, um soco inglês, duas facas, um carregador de pistola e munições”.

Extra – O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Aluísio Valença disse:

    O paciente não queria tomar Cloroquina, o dotô sacou a pistola e disse:
    – Vai tomar nem que seja na marra!

  2. BARRA PESADA disse:

    Essa Barra da Tijuca é barra pesada. Tem muito patriota armado na rua e nos condomínios.

  3. Papa Jerry Moon disse:

    O paciente não queria tomar cloroquina.

  4. Sergio disse:

    Atenção vcs que são a favor de armas: evitem consultórios médicos também. Aliás, não saiam de casa!

  5. Manoel disse:

    Esse médico estava indo pra uma guerra ou pra atendimento?

    • JSouza disse:

      Rapaz, na atual conjuntura da segurança pública, sair de casa é uma incógnita. Ainda mais no Rio de Janeiro (mas sem excluir a nossa realidade potiguar).

TODO CUIDADO É POUCO: Menino de 3 anos morre após ser picado por escorpião na casa da avó no PR

Foto: Reprodução

Um menino de 3 anos morreu depois de ser picado por um escorpião na casa da avó em Loanda, no noroeste do Paraná, na tarde de quinta-feira (23).

A prefeitura disse que a avó não viu quando o neto foi picado. A criança começou a vomitar e ela levou o menino até o posto de saúde municipal. De lá, ele foi encaminhado ao hospital municipal, que é referência para atendimento de acidentes com escorpião.

A criança recebeu o soro antiescorpiônico, mas não melhorou. O menino foi transferido para um hospital particular e, com o apoio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), foi transferido para o hospital Santa Casa de Paranavaí.

A Santa Casa de Paranavaí informou que o menino não resistiu e morreu por volta das 21h30

O velório começou às 8h e o sepultamento está previsto para ser realizado às 12h desta sexta-feira (24).

G1

 

Macacos ficam imunes após se curarem de Covid-19, indica estudo

Foto: Inna Polekhina/Getty Images

Uma pesquisa publicada na revista Science mostrou que macacos-rhesus mantém anticorpos por pelo menos um mês após a primeira infecção de Covid-19 – o que pode ser um indicativo positivo para nós.

No estudo, cientistas chineses infectaram seis macacos da espécie com o novo coronavírus e avaliaram a progressão da doença. Os primatas foram usados porque são parentes próximos de nós, humanos, e portanto têm sistemas parecidos com os nossos. Todos eles desenvolveram quadros da doença, que variaram de leves a moderados, incluindo até pneumonia e alterações no sistema respiratório e gastrointestinal.

Após 28 dias, quando os macacos já estavam naturalmente curados, quatro deles receberam novamente o vírus (os outros dois serviram de grupo controle para os cientistas compararem os dados).

Logo após a reinfecção, os quatro macacos apresentaram uma curta febre, mas nenhum outro sintoma foi observado, e testes moleculares continuaram dando negativo por duas semanas após esse episódio. Isso sugeriu que os anticorpos nos primatas tinham sido formados – e eram bons o bastante para barrar uma segunda infecção.

Uma análise laboratorial confirmou: o sangue dos animais tinha anticorpos com formatos específicos para se ligar a proteína spike do vírus – estruturas com formato de espinho usadas pelo invasor para infectar nossas células.

A equipe notou, inclusive, que o nível de anticorpos era maior duas semanas após a segunda introdução do vírus do que duas semanas após a primeira infecção. Mesmo assim, a proteção da primeira infecção parece ter sido suficiente.

Proteção garantida?

Os resultados da pesquisa são pertinentes, sobretudo após alguns relatos de pessoas que voltaram a ter sintomas ou testar positivo para o vírus dias (ou até semanas) depois de, supostamente, terem se curado.

Episódios como esse foram observados pontualmente em diversos países, embora não se saiba se, de fato, estamos falando de pessoas que ficaram doentes duas vezes. Uma hipótese é que esses indivíduos nunca tenham se curado. Nesse caso, eles apenas deixaram de apresentar sintomas porque a carga viral diminuiu em seus corpos – mas o vírus continuou se espalhando e voltou a causar danos algum tempo depois.

Outra possibilidade é que falsos negativos em resultados de testes tenham levado pessoas a acharem que estavam curadas erroneamente. Afinal, sabe-se que alguns testes, especialmente os rápidos, não são precisos.

Como funciona a nossa resposta imune?

Quando somos infectados por um vírus (ou outro micróbio), começa uma resposta de defesa bastante complexa. Nos primeiros dias da batalha, usamos algo chamado resposta imune inata ou natural – assim chamada porque já nascemos com ela.

Essa linha de defesa consiste em células como os glóbulos brancos e trata, basicamente, todo invasor da mesma forma. É uma reação imediata para uma infecção, mas não é tão eficiente porque aposta em estratégias gerais contra os antígenos.

Já o sistema imunológico adaptativo entra em cena, em geral, dias após a detecção do invasor. Ele recebe esse nome pois se adapta de acordo com o inimigo, criando estratégias personalizadas para cada um.

É nessa hora que entram os anticorpos: substâncias feitas sob medida para se ligar a um tipo específico de vírus ou bactéria e, assim, neutralizá-lo. Uma vez que o corpo desenvolve os anticorpos para aquele invasor, a luta contra ele fica muito mais fácil: o indivíduo pode até ficar imune para aquela doença, já que os anticorpos são defesas duradouras.

Mas esse processo varia de pessoa para pessoa e, principalmente, de micróbio para micróbio. Algumas respostas imunológicas são, de fato, duradouras e eficientes: é o caso do sarampo e da catapora. Nessas doenças, geralmente basta uma infecção vencida para que a pessoa fique imune para o resto da vida. Em outros, porém, o corpo até aprende a lutar contra o invasor, mas os anticorpos somem depois de um tempo e a pessoa fica novamente vulnerável (é o caso de alguns vírus da gripe e do resfriado comum).

Além disso, possuir anticorpos não significa, necessariamente, estar imune. Às vezes, os anticorpos produzidos pelo corpo não são tão bons assim em neutralizar o invasor, ou não existem em quantidade suficiente para vencer a batalha. Nesse caso, a pessoa pode ficar doente mesmo com a presença deles no sangue.

Isso acontece, por exemplo, no caso do vírus sincicial respiratório, um causador de resfriado bastante comum em bebês (quase todas crianças pegam o vírus em algum momento dos primeiros três anos de vida). Nosso corpo até cria anticorpos contra ele, mas, por algum motivo, eles não são muito eficientes em frear o vírus, e podemos ser reinfectados por ele durante a vida. Vale dizer, no entanto, que é muito difícil que alguém desenvolva sintomas graves nesses quadros de reinfecção – a doença se comporta mais como um resfriado.

Como o SARS-CoV-2 é um vírus novo, ainda não sabemos em qual dos cenários ele se encaixa. Pesquisas mostram que outros vírus do grupo dos coronavírus que causam resfriados geram uma resposta imune que dura poucos meses, enquanto os vírus da SARS e da MERS (doenças mais graves, parecidas com a Covid-19) resultam em uma resposta imune mais eficiente e duradoura.

Diversos estudos preliminares já foram feitos, mas ainda não é possível para bater o martelo. O que sabemos até agora é que o corpo humano produz anticorpos contra a Covid-19 – mas o quão eficiente eles são, e por quanto tempo duram, ainda são dúvidas que precisam de mais evidências para serem respondidas.

O estudo chinês oferece um indicativo de como o processo funciona, mas vale ressaltar que ele ainda está longe de fornecer tal resposta. Afinal, macacos não são humanos, e o período analisado foi de pouco mais de um mês, insuficiente para entender por quanto tempo a memória imunológica dura. Além disso, os animais só desenvolveram quadros moderados e leves de Covid-19. Outras pesquisas são necessárias para revelar mais detalhes sobre casos graves.

Todas essas dúvidas estão sendo investigadas em ensaios clínicos com humanos, mas ainda levará algum tempo até que tenhamos uma série satisfatória de evidências.

Super Interessante

 

Recuperados da Covid-19 mantêm cuidados mesmo após infecção

Foto: © Reuters / Ueslei Marcelino /Direitos Reservados

O Brasil têm, de acordo com dados do Ministério da Saúde, quase 1 milhão de recuperados da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Para alguns, o fato de já ter tido a doença é motivo para relaxar e não seguir à risca as recomendações para evitar o contágio. Para outros, a rotina de cuidados não mudou e inclusive ficou maior.

Segundo especialistas, não há evidências científicas de que quem contraiu a covid-19 não vá se contaminar de novo. Além disso, por ser uma doença nova, os efeitos do vírus a médio e longo prazo não são totalmente conhecidos. Quem teve a infecção pode ainda apresentar eventuais complicações.

“Eu estou bem mais medroso, mais receoso. Se eu lavava minha mão antes, agora lavo duas vezes mais. Higienizo as coisas que trago da rua. O cuidado aumentou depois que passei pela doença e sei como é”, conta o farmacêutico Marcus Túlio Batista, 27 anos. Ele começou a sentir os sintomas no dia 14 de junho. Teve dor de garganta, perda de olfato e paladar, indisposição e dores no corpo.

“Quando você pega, vê que a doença vai além do físico. Eu acho que talvez o emocional seja até muito mais abalado”, diz e complementa: “Eu moro sozinho em Brasília. Minha família é de outro estado. Isso me causou bastante impacto porque além do isolamento, você tem medo de como vai evoluir, não sabe como o seu corpo vai lidar com isso. Eu fiquei bastante ansioso”, conta.

Na casa da artista plástica e produtora cultural Leticia Tandeta, 59 anos, no Rio de Janeiro, quase todos foram infectados em meados de maio. Ela, o marido, o filho e o irmão. “Ficamos praticamente todos doentes ao mesmo tempo. A sorte foi que todos tivemos sintomas brandos, ninguém teve falta de ar ou uma febre absurdamente alta”, diz. A única que não adoeceu foi a mãe de Leticia, que tem 93 anos. A família tomou o cuidado de isolá-la e de separar tudo que era usado por ela.

“Hoje é estranho porque não sabemos se estamos imunizados ou não”, diz Leticia. “Os médicos dizem que provavelmente temos algum tipo de imunização, talvez de um mês, dois meses, três”. Por causa das incertezas, ela diz que a família continua tomando cuidados como sair de casa o mínimo possível, apenas quando necessário, usando sempre máscara. Já ter contraído a doença, no entanto, traz um certo tipo de relaxamento: “Não é que a gente relaxe nos cuidados, mas há um certo relaxamento interno sim”.

De acordo com o infectologista Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, mesmo quem já teve a doença deve continuar tomando cuidado. “Não temos certeza, por enquanto, de que quem teve covid-19 uma vez não terá novamente. É importante que quem já teve a doença continue se prevenindo. Continue com as medidas preventivas, usando máscaras, higienizando as mãos e evitando aglomeração”.

As pessoas que já foram infectadas, de acordo com Weissmann, assim como as demais, podem ajudar a propagar o vírus caso não tomem os devidos cuidados. “Mesmo a pessoa que não estiver infectada, se ela puser a mão em um lugar contaminado, ela pode carregar o vírus. Por isso é importante estar sempre higienizando as mãos, lavando com água e sabão ou com álcool 70%”, orienta.

Síndrome da Fadiga Crônica

Em março, a psicóloga Joanna Franco, 37 anos, teve dores no corpo, tosse seca, dor de cabeça, febre alta, dificuldade de respirar, perda de olfato e paladar, diarreia e vômito. Na época que recebeu o diagnóstico clínico de covid-19, o Brasil começava a adotar medidas de isolamento social. Morando sozinha em Niterói, ela cumpriu todas as regras de quarentena e de isolamento social. Os sintomas passaram. Para garantir que não transmitiria o vírus para ninguém, ela ainda permaneceu em isolamento por cerca de 40 dias. Foi então que percebeu que não estava totalmente recuperada, estava muito cansada. “Vinha um cansaço, parecendo que eu tinha subido ladeiras, uma sensação de que isso nunca ia acabar, que não ia sair de mim. Fiquei bem prostrada”.

Quase três meses depois, ela diz que se sente melhor, que está conseguindo retomar uma rotina de exercícios físicos, que antes eram impossíveis. Depois de passar pelo que passou, ela redobrou todos os cuidados que já vinha tendo. “Depois de ter passado, não quero vivenciar isso de novo e não quero que outras pessoas vivenciem”, diz.

O cansaço que Joanna sentiu após se recuperar da doença pode ter sido a chamada Síndrome da Fadiga Crônica, que tem sido relatada por pessoas que foram contaminadas pela covid-19, segundo o neurologista, pesquisador do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) e da Universidade Federal Fluminense (UFF), Gabriel de Freitas. O principal sintoma é o cansaço, mas pode haver alteração na pressão, na frequência cardíaca e insônia. “O que predomina é a fadiga, o cansaço. A pessoa não consegue trabalhar, não consegue voltar à atividade”, afirma.

A síndrome não é exclusiva do novo coronavírus, mas ocorre também por causa de outros vírus. Ela pode durar até cerca de um ano, é mais frequente em mulheres entre 40 e 50 anos e que tiveram covid-19 pelo menos de forma moderada. Mas, de acordo com Freitas, ainda há muitas dúvidas pelo fato de ser uma doença recente. Para o tratamento, geralmente é recomendada psicoterapia, atividades físicas, antivirais e antidepressivos.

“Essa síndrome traz uma angústia muito grande para as pessoas porque fadiga não é um sintoma mensurável. Não se consegue mensurar por exame. Muitas vezes é mal compreendido”.

Gabriel diz que a pandemia pode ser mais complexa do que se pensa e defende que todos os cuidados possíveis sejam adotados. “Parece que não é estar recuperado e ponto final. Talvez essas pessoas tenham mais sintomas. A Síndrome da Fadiga Crônica pode ser apenas um deles. Acho que a gente não tem essa informação. É possível que existam complicações a médio e a longo prazo. O que alguns autores colocam é que as medidas de isolamento social são importantes não só para evitar a morte. A gente tem que levar em consideração e colocar nessa equação as complicações a médio e longo prazos”.

Medo e ansiedade

Além de lidar com os sintomas da covid-19 e com as consequências da doença, muitas pessoas estão lidando com sintomas de ansiedade, de acordo com a psicóloga da equipe de coordenação de saúde do trabalhador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Marta Montenegro. “A covid-19 é uma doença muito nova, recente, um vírus cujas informações foram se construindo nesse processo de pandemia. Os próprios profissionais de saúde estavam tentando entender as formas de cuidado e isso deixa as pessoas muito inseguras. O ser humano se sente mais seguro se tiver previsibilidade do que vai acontecer. Essa incerteza sobre formas de contaminação, se pode ou não se contaminar de novo, deixa as pessoas vulneráveis”, explica.

De acordo com a psicóloga, buscar informações confiáveis ajuda a lidar melhor com a pandemia. “Buscar informação válida, de fontes confiáveis. Isso alivia sintomas emocionais. Às vezes, as pessoas estão em casa recebendo informações que nem sempre são as melhores e acabam ficando muito confusas. Depois de três meses, acham que só estão protegidas dessa forma. Isso acaba gerando um medo de sair de casa. No outro extremo, há pessoas saindo como se não tivessem o vírus, em um processo de negação por dificuldade de lidar com a situação. São dois extremos. Existe o vírus. É necessário manter medidas de biossegurança, mas isso não pode paralisar as pessoas”, acrescenta.

Agência Brasil

 

Renato Aragão deixa a Globo após 44 anos: “Nova etapa, não paro nunca”

Foto: Divulgação

A Rede Globo resolveu não renovar o contrato com Renato Aragão, que se encerra nesta terça-feira (30). O humorista, de 85 anos, esteve ligado à emissora por 44 anos. Em conversa com o ‘UOL’, o criador de Didi Mocó reiterou a posição de seguir em frente.

“Para mim, ampliou meus projetos. Você não sabe como eu estou gostando. É uma nova etapa. Não paro nunca, sempre trabalhando. Eu me considero meio máquina, meio humano”, disse.

Sobre os seus três maiores projetos, Renato elencou: “Primeiro, Os Trapalhões. São 20 anos de sucesso contínuo. Criei o Criança Esperança, que também foi uma maravilha. Depois a Turma do Didi. Fiz muita coisa, tive muita alegria na TV Globo, não tenho nada de ruim para falar. Estou muito feliz com ela”.

Sobre o fim do contrato, Renato revela que continuará trabalhando em projetos pontuais com a emissora. “Nós chegamos a um acordo. Contrato é uma coisa simbólica. Continuo trabalhando na Rede Globo por projetos pontuais e faço projetos em outras plataformas. É a oportunidade de fazer também em outro lugar”, disse.

De acordo com o UOL, esses novos projetos estão sendo discutidos com a Netflix e Amazon. “Não posso falar porque são coisas em negociação,” finalizou.

Isto É, com UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ybaldo disse:

    O derradeiro por favor passe o ferrolho.
    Kkkkkkk
    A DINHEIRAMA do governo federal acabou!!!!!
    Alguma dúvida????
    A brincadeira clamurosa as custas do povo já era.
    MITO ATÉ 2026.
    TCHAU SANGUESSUGAS!!
    Até bem longe!!!

  2. Pedro disse:

    A outrora reluzente, rica, prepotente, mentirosa, tapioca da política, parece que está mesmo em dificuldades financeiras. Sempre pagando valores estratosféricos aos seus ídolos,, se vê numa condição de risco. Todos sonhavam em ser da Globo, hoje isso não é tão verdade, bons salários eram pagos a estrelas, segundo e terceiro escalão uma miséria, valores e vergonhosos, de fazer corar freira,, quem já foi convidado sabe.

  3. Manoel C disse:

    Eterno Didi, mas só quer ser chamado de Dr. Renato.

  4. Alexandre Moura disse:

    Acho que foi ao contrário viu?! A GLOBO que deixou Renato Aragão, a Globo FALIDA não quis renovar o contrato 2020 com o "DIDI" Eita que a profecia do Messias está se cumprindo kkk, acabou a mamanda nas tetinhas do Governo Federal rede Globo.

  5. João disse:

    Eu fico vendo os comentários é pensando…. O que Renato estava fazendo na Globo até agora? Que eu saiba não tem nenhum progama dele , aí a empresa quer se adequar a realidade econômica mas as pessoas já levam pro lado político. Incrível como elas não procuram saber por exemplo como sobrevive as concorrentes . Como a Record tv e sbt por exemplo. Quanto as pessoas já deram a Silvio Santos e Edir Macedo pra manter as TVs?

  6. Silva disse:

    Atualizando:
    BAIXAS GLOBO:
    Aguinaldo Silva
    Bruno Gagliasso
    Carolina Ferraz
    Cris Dias
    Dony de Nuccio
    Edson Celulari
    Evaristo Costa
    Fernando Rocha
    Glenda Kozlowski
    Isabella Camargo
    Ivan Moré
    José de Abreu
    José Mayer
    Leo Bianchi
    Luís Ernesto Lacombe
    Malu Mader
    Malvino Salvador
    Márcio Canuto
    Marcos Uchôa
    Mari Palma
    Mariana Ferrão
    Mauro Naves
    Maurício Kubrusly
    Miguel Falabella
    Millena Machado
    Monalisa Perroni
    Otaviano Costa
    Pedro Cardoso
    Phelipe Siani
    Reginaldo Leme
    Renato Aragão
    Reynaldo Gianecchini
    Rodrigo Alvarez
    Sandra Passarinho
    Sérgio Aguiar
    Tino Marcos
    Vera Fischer
    William Waack
    Zeca Camargo
    O último apague a luz!

    • Nordestino disse:

      Essa Globo é uma máquina de talentos, quer goste ou não.
      É o sonho de qualquer artista trabalhar nela

    • Cigano Lulu disse:

      Diria mais: o sonho de qualquer jornalista de província é atuar na Globo, nem que seja por um dia apenas.

  7. Tonny disse:

    A maior e mais moderna emissora de TV do país segue seu processo de renovação do plantel, um processo natural e que vem sendo executado paulatinamente
    Muitos medalhões já deram sua contribuição e cedem seus papéis aos novos valores. Vida que segue.
    Perto da Globo todas as outras emissoras não passam de TVs comunitárias.
    Fato. Quem quiser que morra de inveja.

    • Vergonha disse:

      Até o teu nome ê fake , se mude para Venezuela ou Cuba , TONNY , só faltou um W no meio do nome , kkkkkk

    • Boto disse:

      Nem a China dá jeito, mais kk

    • Nelson disse:

      Não desgosto de Bolsonaro, com todos o defeitos dele , e são muitos… Mas vc tá certo, a Rede Globo é a maior emissora do Brasil e uma das maiores do mundo. Acho que o brasileiro gosta de terceirizar os problemas, alguém ou algo tem que ser o culpado no lugar dele. A Globo é sempre uma candidata a esse posto. Mas, no caso Bolsonaro, ela tá passando do limite sim, tá me parecendo que está sem freio, quer provar a todo custo que derruba o governo, perdeu a mão e a compostura. Sem dúvidas que está com medo do atual governo, que já ameaçou tirar sua concessão!

    • Yago disse:

      É fato, a Globo tá quebrando aos poucos, a mamata acabou.

  8. Urubuservando disse:

    Mais uma prova que funcionava com dinheiro público.
    Não é à toa os ataques ao presidente.

  9. José Macedo disse:

    O fim da globolixo está próximo.

Governador decreta calamidade pública no DF após alta nos casos por novo coronavírus

Foto: Jamila Tavares / G1

O governador Ibaneis Rocha (MDB) decretou situação de calamidade pública no Distrito Federal por conta da pandemia do novo coronavírus. Até a manhã desta segunda-feira (29), a capital contabilizava 548 mortes por Covid-19 e 44,9 mil infecções.

Com o decreto, o governo local não terá que seguir limites da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e nem as metas fiscais previstas nas regras orçamentárias de 2020. Além disso, o DF poderá receber repasses da União.

“Fica declarado estado de calamidade pública no âmbito do Distrito Federal, em decorrência da pandemia causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2”, diz trecho da publicação.

A medida possibilita ainda a antecipação de benefícios sociais, a liberação de seguros e a prorrogação de pagamentos de empréstimos federais.

Em fevereiro, o governador havia declarado o estado de emergência na capital, por 180 dias, mas a medida se aplicava apenas à área de saúde. Agora, o decreto se estende a outros setores.

Coronavírus no DF

Neste domingo (28), a Secretaria de Saúde confirmou mais 11 mortes pelo novo coronavírus. Assim, o total de óbitos desde o início da pandemia na capital chega a 548. Ceilândia é a região com o maior número de casos e vítimas.

Segundo o governo do DF, 51,6% dos infectados na capital são mulheres, com idade entre 30 e 39 anos.

O aumento dos casos também tem causado impacto nos hospitais. Ainda no domingo (28), as unidades particulares atingiram 90,4% de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) reservados para paciente com Covid-19. O índice é o mais alto desde o início da pandemia na capital.

Dados divulgados pelo portal Sala de Situação, da Secretaria de Saúde, apontam que apenas 21 das 219 vagas da rede privada estavam disponíveis até a última atualização desta reportagem. Do total, 191 estavam disponíveis e sete, bloqueadas.

Flexibilizações

Mesmo com o crescimento das infecções, o GDF tem autorizado uma série de flexibilizações desde o comércio a espaços de lazer. Na sexta (26), Ibaneis permitiu a reabertura de clubes recreativos e o retorno dos treinos de times de futebol profissionais.

Na última semana, a Justiça Federal suspendeu a decisão liminar que impedia a reabertura de novas atividades não essenciais no DF em meio à pandemia. O magistrado atendeu a um pedido feito pelo governador.

A decisão ocorreu no dia em que o DF registrou um recorde de infectados pelo coronavírus em 24 horas. Foram 2.455 novos casos entre quinta (25) e sexta.

Perda de R$ 1 bi

Em abril, o governador enviou à Câmara Legislativa (CLDF) um pedido de declaração do estado de calamidade no Distrito Federal, por conta do impacto econômico causado pela crise da Covid-19. À época, a situação foi aprovada por 23 votos, em turno único.

Neste ano, o GDF prevê redução de R$ 1 bilhão na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), e de R$ 183,7 milhões no Imposto sobre Serviços (ISS).

Estado de calamidade

O estado de calamidade é reconhecido em lei e previsto para estados e municípios. Em abril, Ibaneis também decretou outra alerta para o DF, dessa vez de “estado de emergência ambiental” para prevenir e minimizar os efeitos dos incêndios florestais durante o período de seca.

A medida vale até novembro deste ano. Com a situação de emergência, a Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros e outros órgãos públicos podem fazer compras emergenciais, sem licitação, para combater queimadas. Entenda a diferença:

Desastre: o decreto define o termo como o “resultado de eventos adversos, naturais ou provocados pelo homem sobre um ecossistema vulnerável, causando danos humanos, materiais ou ambientais e consequentes prejuízos econômicos e sociais”.

Situação de emergência: o termo é definido como uma “situação anormal, provocada por desastres” e que comprometa parcialmente a capacidade de resposta do poder público local. O caso pode requerer ajuda financeira ou reforço policial, deslocado de regiões vizinhas sob o comando da União.

Estado de calamidade pública: mais grave que a situação de emergência, pode ser decretado quando o desastre é grande o suficiente para comprometer totalmente a capacidade de resposta do poder público local. Nestes casos, a União pode definir a intervenção da Força Nacional para auxiliar no controle de danos.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Muda Brasil disse:

    Só lembrando que o STF decidiu que governadores e prefeitos tem autonomia para decidir, o governo federal só manda dinheiro e ainda é ruim.

  2. Zanoni disse:

    Pois é. Abriu Shoppings centers, igrejas, parques, etc. Agora, está decretando estado de calamidade pública. Tudo falta de uma ação coordenada do Governo Federal. O presidente saiu como louco, em defesa do mandato e, ao mesmo tempo, em favor do vírus. Tivesse se olhado no espelho e enxergado o presidente da República, talvez estivéssemos vivenciando outra realidade. Como diz os antigos: Sibite não canta como canário!

Pesquisa do OBSERVATUR/RN aponta que 74,8% dos potiguares pretendem viajar após pandemia de Covid-19

Foto: Divulgação

A pesquisa “Intenção de viagem do potiguar após a pandemia da COVID – 19”, do Observatório do Turismo do Rio Grande do Norte – OBSERVATUR/RN, revelou que 74,8% dos potiguares pretendem viajar após a pandemia.

A investigação evidenciou que 28,9% dos turistas potiguares irão preferir destinos domésticos; 24,4%, destinos dentro do RN, e 21,4% destinos no Nordeste.

Entre os destinos turísticos a serem procurados no RN pelos potiguares, Pipa foi citada por 30,2% dos futuros viajantes; São Miguel do Gostoso por 20,1% e Serra de São Bento e região por 14,9%.

Na conquista dos visitantes, segundo a pesquisa do Observatório coordenado pela UERN Natal, os diferenciais mais relevantes serão os atrativos turísticos (22,4%), preços praticados (21,6%) e cuidados com a higienização sanitária dos ambientes turísticos (20,1%).

O levantamento traz um perfil bem detalhado do que os turistas potiguares vão buscar após a pandemia, norteando poder público e empreendimentos turísticos para a retomada do turismo no RN.

“Buscamos municiar o setor com informações valiosas para a reabertura, depois do cumprimento dos decretos estaduais de isolamento social, que provocaram o fechamento de hotéis, pousadas, equipamentos de lazer, bares, restaurantes e similares no RN, assim como, afetaram os trabalhadores autônomos do turismo, como os guias, bugueiros, entre outros prestadores de serviços”, explica o Prof. Dr. Sidcley Alegrini, do curso de Turismo da UERN Natal e coordenador do Observatório.

Foram aplicados 1.253 questionários digitais, entre os dias 26 de maio a 03 de junho.

O relatório completo da pesquisa pode ser consultado AQUI.

SOBRE O OBSERVATUR/RN

O Observatório do Turismo do Rio Grande do Norte – OBSERVATUR/RN, com sede no Campus de Natal da UERN, é um ambiente destinado ao fomento do turismo potiguar, que visa contribuir para que o destino turístico RN torne-se mais competitivo e consequentemente gere mais oportunidades de desenvolvimento para o Estado e para a sua população.

O OBSERVATUR/RN tem como objetivo geral, analisar o comportamento do turista potiguar, além de objetivos específicos como, levantar informações sobre o turismo do RN; compilar dados estatísticos do turismo potiguar e analisar as informações obtidas em pesquisa de demanda turística. A missão do observatório é ser um instrumento social, facilitador de gestão, informações e debate, funcionando como um instrumento técnico, catalisador, polifuncional e descentralizado, planejado e administrado de forma participativa, com estabilidade e autonomia.

A proposta de criação do OBSERVATUR/RN surgiu durante a Reunião do Conselho Estadual de Turismo do RN – CONETUR, onde foi realizado um compromisso público para realização das primeiras pesquisas de demanda turística no RN, em setembro de 2017 e que seguem até os dias atuais. Tais pesquisas contam com o apoio da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN (coordenadora do projeto), da Universidade Potiguar – UnP, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – IFRN, da Secretaria de Estado de Turismo – SETUR/RN, da Secretaria Municipal de Turismo – SETUR/Natal, da Empresa Potiguar de Promoção Turística – EMPROTUR, do Sindicato dos Bugueiros do RN e do Sindicato dos Guias de Turismo do RN – SINGTUR/RN e da Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo do Rio Grande do Norte – FECOMÉRCIO/RN.

Os relatórios das pesquisas já realizadas estão disponíveis na plataforma B2B do Portal Trade Turístico do RN.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jailson disse:

    Quando liberarem geral, vai faltar vaga nos aviões…
    E as redes sociais bombando de fotos e vídeos pós-pandemia.
    Vai timbora corona

  2. paulo disse:

    BALELA, TUDO LISO, CONVERSA PRA BOI DORMIR.

    • Lutemberg disse:

      Fale por você mesmo, camarada.

    • Dinho disse:

      Exatamente… como é que quando ase 75% irão viajar, se o IBGE apontou que quase 40% da população potiguar está abaixo da linha da pobreza? Fora os que estão um pouco acima e já não viajam normalmente. Além dos que irão sair endividados… gostaria que fosse verdade, e torço para a recuperação ser melhor do que imaginamos, mas as pesquisas deveriam servir para adoção de políticas públicas voltadas ao estímulo, e esse tipo de dado, trás uma ilusão, que pode colocar comodismo em órgãos e atrapalhar essa retomada.

Flamengo decide manter treinos no Rio mesmo após Prefeitura reiterar veto

Foto: Divulgação

O Flamengo decidiu manter os treinos do elenco profissional, nesta quinta-feira e ao longo dos próximos dias, no Ninho do Urubu. A definição se deu mesmo depois de o clube se reunir com o comitê científico da Prefeitura do Rio na véspera, por videoconferência, e ouvir novamente a recomendação de não voltar às atividades em um momento de crescimento dos casos de coronavírus.

O encontro virtual teve o médico do clube, Márcio Tannure, como responsável por dar os argumentos técnicos do rubro-negro. Ele não convenceu os secretário de saúde da Prefeitura e do Estado, Beatriz Busch e Fernando Ferry, respectivamente, que receberam a recomendação de infectologistas e virologistas do comitê científico contrária aos treinamentos no CT.

Mesmo assim, a diretoria rubro-negra deu respaldo jurídico para o futebol seguir com a programação, e os atletas seguirão a prática normal, seguindo os protocolos estabelecidos pelos clubes e a Federação de Futebol do Rio.

Desde segunda-feira, quando o elenco principal do Flamengo se apresentou para exames e avaliações, os jogadores e a comissão técnica têm usado a estrutura do Ninho para os treinos físicos e no campo. Nesta quarta, os atletas, divididos em grupos pouco numerosos, foram orientados pela equipe de Jorge Jesus, e o mesmo está previsto para acontecer ao longo da semana. Nas primeiras atividades, os equipamentos de academia foram deslocados para o campo, onde os auxiliares do mister lideraram os atletas, enquanto o comandante observava mais distante.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Juliano bugueiro disse:

    Só lembrando que o Flamengo é dos cariocas, nós Nordestinos torcemos para os time do.Nordeste.

    • Arruda disse:

      Nós vírgula!!
      Sou nordestino e torço pro meu Mengão.
      Não tem no mundo quem empate.
      Viu??
      Falei português?
      Entendeu?
      Ou quer que desenhe??
      Tô com saudades dos títulos, esse ano era de cabo a rabo, não tinha pra ninguém!!!
      Vc, fique torcendo pra time de várzea, quarta ou quinta divisão, é um direito seu.
      Kkkkkkkkkk
      Viva o RJ.
      Viva o RN.
      Viva o Brasil!!
      Kkkkkkkkkk

    • José disse:

      Juliano, não existe Futebol no RN. O clubismo potiguar é só uma discussão de boutique.

    • Ciço disse:

      É eu que já assisti a reprise de Menao x Tiver no Peru umas 16 vezes? Ô virada abençoada da mulesta.

  2. Cidadão Indignado disse:

    Irresponsáveis! Inclusive estou, ainda hoje, cancelando o meu título de sócio torcedor, enquanto essa carniça estiver na presidência do clube. Quem tiver o mínimo de bom senso faça o mesmo.

Qual será o custo das viagens aéreas após a pandemia? Reportagem da CNN dá um “norte”

Foto: Dominik Scythe/Unsplash

Quando o estado da Flórida começou a adotar medidas como fechar praias em meados de março, reforçando o distanciamento social diante da ameaça da Covid-19, a corretora de imóveis e artista plástica Nadia Bouzid, de Miami, estava trabalhando na pintura de um mural para um novo hotel de Cancún, no México.

A artista largou os pincéis e pegou o telefone para procurar passagens aéreas para voltar para casa.

“Lembro de ver o preço da passagem cair de US$ 200 para US$ 70, e depois subir para US$ 350. Reservei e voei, mas o avião estava assustadoramente vazio. Eu estava em pânico, e a mudança de preço me fez pensar quanto eu pagaria na volta para terminar meu trabalho, quando tudo isso acabar”, contou Bouzid à CNN.

A dúvida da artista de Miami é muito pertinente no momento em que países formulam planos para reabrir fronteiras e empresas, e as companhias aéreas começam a ver um retorno do tráfego de passageiros. Como ficarão as tarifas aéreas quando “tudo isso” acabar?

Se o distanciamento social significa menos assentos vendidos, as passagens ficarão mais caras?

A Delta Air Lines está bloqueando os assentos do meio e limitando as cargas de voo até 30 de junho para distanciamento social, permitindo que apenas 50% a 60% dos lugares disponíveis em um voo sejam reservados. As companhias aéreas Emirates, American Airlines, Japan Airlines, United e Wizz Air também estão adotando controles semelhantes.

Muitas outras empresas do setor, porém, estão permitindo reservas normalmente, sendo que uma delas exige que os passageiros paguem mais para manter o distanciamento social. Em 4 de maio, a aérea norte-americana de baixo custo Frontier Airlines anunciou uma taxa chamada “More Room” (mais espaço), que poderia ser adquirida nos voos entre 8 de maio e 31 de agosto. Essa cobrança extra, encarecendo a passagem em pelo menos US$ 39, dava ao passageiro a garantia de que o assento do meio, ao seu lado, permaneceria desocupado.

A cobrança de taxa durou apenas 48 horas. No dia 6 de maio, a companhia aérea rescindiu o plano após receber críticas de congressistas dos Estados Unidos. “Reconhecemos as preocupações levantadas de que estamos lucrando com a segurança e essa nunca foi nossa intenção”, disse o CEO da Frontier, Barry Biffle, em uma carta ao Congresso dos EUA.

No entanto, é a IATA, a associação comercial global de companhias aéreas, que quer ter a última palavra na questão do distanciamento social em aeronaves. Em seu comunicado à imprensa de 5 de maio, a entidade ataca medidas que obriguem as companhias aéreas a bloquear assentos intermediários.

“Basicamente, a IATA está dizendo que a saúde financeira das companhias aéreas é mais importante do que a saúde de seus funcionários ou clientes”, opinou Henry Harteveldt, analista de empresas aéreas do Atmosphere Research Group. “Esse comunicado à imprensa inclui uma estimativa de que as tarifas aéreas terão que aumentar se as transportadoras forem obrigadas a deixar os assentos do meio vazios. Se a demanda permanecer baixa e as companhias aéreas tiverem que competir por um número limitado de viajantes, as tarifas aéreas provavelmente usarão tarifas baixas para atrair o maior número possível de viajantes”.

De acordo com o analista, para restaurar essa demanda é crucial, primeiro, restabelecer uma sensação de segurança.

“Medo e confiança serão as duas emoções que estão na mente das pessoas ao planejar uma viagem. Se o passageiro não sentir que uma companhia aérea respeita adequadamente sua saúde, ele encontrará outra que o faça”.

Preço do petróleo despencando. Preços de passagens também podem cair?

Misturado e refinado, o petróleo bruto é o combustível necessário para literalmente mover a aviação. As companhias aéreas cobram sobretaxas de combustível para ajudar a pagá-lo, incluídas no preço final da passagem como taxa “YQ”, responsável por variações no custo do combustível. No final de abril, os preços do barril de petróleo despencaram em um abismo.

Um exemplo: uma passagem de ida e volta em classe econômica da British Airways entre Londres e Joanesburgo para agosto de 2020 tem sobretaxa de combustível YQ de US$ 229, ou 30% do preço da passagem aérea total, que é de US$ 737. Será que a British Airways vai repassar potenciais economias nos preços de combustível de aviação aos passageiros, removendo ou diminuindo as sobretaxas de combustível? Pois é, se isso fosse simples, seria fácil.

“O combustível de aviação normalmente representa de 20% a 25% das despesas operacionais de uma companhia aérea”, explicou Manoel Suhet, CEO da Business Traveller Deals e ex-executivo de companhia aérea com experiência em distribuição internacional de petróleo. De acordo com ele, se os preços do petróleo e do combustível de aviação continuarem em declínio, as companhias aéreas poderão se beneficiar desse ambiente de preço mais baixo, mas dificilmente será algo imediato.

“Muitas companhias aéreas fazem hedging de combustível para minimizar o risco de volatilidade do preço, concordando em comprar uma certa quantidade de petróleo no futuro a um preço definido. As companhias aéreas estão adaptando essas estratégias ao clima atual, para melhorar a posição do fluxo de caixa, simplificando os custos”.

Em outras palavras, mesmo que o petróleo seja barato, o combustível de aviação ainda precisa ser refinado, um processo que aumenta seu preço, e distribuir dinheiro agora para comprar combustível futuro não está exatamente no topo das prioridades das companhias aéreas agora.

Os destinos precisam de turistas, então teremos mais ofertas de passagens aéreas?

A incerteza gera hesitação e, para alguns, até tarifas aéreas surpreendentemente baixas podem não ser suficientes para inspirar a compra de passagens, enquanto as condições econômicas e de saúde dos destinos não se estabilizarem.

Kathy Kass, advogada e blogueira de fitness de Nova York, normalmente viaja para outros países todos os meses e monitora constantemente as cotações de passagens aéreas. Desde março, porém, ela está cancelando viagens marcadas e adiando o planejamento de outras. “Eu estava remarcando para o final de junho e início de julho, pensando que as coisas deveriam estar melhor nessa época, mas agora estou cheia de vouchers de companhias aéreas e não preciso de mais nenhum”, disse. Ela confessa que quase mudou de opinião em 29 de abril, quando os blogs de viagens divulgaram uma oferta de passagem em classe executiva do Canadá ou México para Bali, na Indonésia, por apenas US$ 840, ida e volta – um quarto do preço normal.

Apesar da tentação, a blogueira decidiu não reservar. “Sempre quis visitar Bali, mas não quis arriscar”, disse ela à CNN. “Não sei o que está acontecendo na Indonésia, e não sei quando Bali estará novamente pronta para os visitantes”.

Tais sentimentos certamente serão grandes obstáculos ao renascimento do turismo. Ciente disso, a ilha italiana da Sicília anunciou um plano para superar a hesitação dos turistas. Segundo o Times, de Londres, o governo regional da Sicília reservou 50 milhões de euros para pagar metade das passagens aéreas e uma de cada três diárias de hotel para os visitantes, além de tornar gratuita a entrada em museus e sítios arqueológicos. A ressalva: os interessados devem passar férias na Sicília ainda em 2020, após a abertura das fronteiras da Itália a turistas estrangeiros, em data ainda não definida.

A Asiana Airlines está adotando uma postura igualmente de perdão aos cancelamentos, promovendo a venda de passagens com a promessa de “compre agora, voe a qualquer momento”. Reserve um voo dos Estados Unidos para a Coreia do Sul pela Asiana e a companhia aérea renunciará às taxas de alteração não apenas uma vez, algo que virou padrão entre as companhias aéreas durante a pandemia de Covid-19, mas até três vezes.

As companhias aéreas estão se ajustando à demanda, mas as tarifas ficarão iguais?

No coração do deserto vermelho da Austrália, um aeroporto mais acostumado a receber grupos de turistas com destino a Uluru teve suas pistas transformadas em um museu da moderna aviação comercial de Singapura.

Mais de US$ 5 bilhões em aeronaves – incluindo A380 e 777s, Scoot 787s e SilkAir 737s – estão estacionados no Alice Springs Airport. Todos esperam que essa parada não seja um “adeus”, mas sim um “até logo” para esses aviões, pois o ambiente árido do Outback ajuda a mantê-los prontos para retomar o serviço. Mas, para muitas outras aeronaves, a crise da Covid-19 fará com que elas entrem suavemente no sono eterno.

A Virgin Atlantic acelerou a aposentadoria de suas frotas de 747 e A340-600, além de fechar uma base em Londres-Gatwick. A KLM também está se despedindo de seus icônicos 747 mais cedo do que o planejado, assim como a American Airlines mantém no chão suas frotas de 757, 767, E190 e A330-300 (embora alguns 767 AA ainda estejam voando como aviões de carga improvisados).

E, conforme os aviões deixam o céu, o mesmo acontece com a tripulação. Em uma nota de maio aos pilotos da United Airlines, obtida pelo site Simple Flying, o vice-presidente sênior de operações de voo da companhia, Bryan Quigley, compartilhou o fato preocupante de que atualmente seus pilotos superam o número de passageiros: “Em média, transportamos apenas 10 mil passageiros por dia”, diz a nota, justificando o afastamento de 4.457 dos 12.250 pilotos da United em 30 de junho.

O número não é o mais alto nos cortes de empregos no setor da aviação: algumas companhias aéreas reduzem equipes há semanas. No início de maio, a British Airways concedeu licença remunerada para mais de 30 mil empregados, o Lufthansa Group colocou 80 mil trabalhadores em horário reduzido e a Ryanair planejava demitir 3 mil.

Em termos inequívocos, as companhias aéreas estão se ajustando à demanda. Essa agilidade é fundamental para permitir que elas continuem oferecendo tarifas tão acessíveis ou “normais” como o público estava acostumado a pagar antes da crise da Covid-19.

“Todas as principais companhias aéreas esperam que suas empresas sejam menores quando retomarem as operações”, disse Pablo Chiozza, CEO da World Travel Solutions e ex-vice-presidente sênior da LATAM Airlines. “Isso significa que sua capacidade será ajustada à demanda e que não existam assentos vazios no momento da retomada.”

Então, qual será o preço das viagens aéreas?

Depois que a pandemia da Covid-19 terminar e Nadia Bouzid reservar um voo econômico de ida para terminar seu mural em Cancún, o preço do bilhete pode ser de US$ 70, mas também pode ser de US$ 200 ou US$ 350.

As passagens aéreas continuarão respondendo à oferta e à demanda, mas a possibilidade de promoções ou a necessidade de fazer distanciamento social em aviões estão surgindo – provisoriamente, pelo menos – como forças destinadas a empurrar os preços um pouco mais para baixo ou um pouco mais para o alto, respectivamente.

Assim como acontecia antes, saber o que são ou não boas ofertas de passagens antes de decidir a compra ainda depende de você, o viajante.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Heriberto disse:

    Péssima matéria da CNN, sem conclusão objetiva.

Coronavírus pode seguir ativo no organismo mesmo após sintomas desaparecerem; estudo sugere estender quarentena

Um novo estudo realizado pela Universidade Yale, nos Estados Unidos, e pelo Hospital Geral Chinês, na China, aponta que metade dos pacientes tratados da Covid-19 ainda podem ter o coronavírus ativo no organismo por até oito dias após o desaparecimento dos sintomas. A pesquisa foi publicada no último dia 23 de março na revista científica American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine.

Os autores da investigação analisaram 16 casos de pacientes com idades em torno de 35 anos que foram infectados pelo novo coronavírus, mas que já haviam sido tratados e recebido alta. Os pesquisadores coletaram amostras de secreção da garganta dos voluntários em dias alternados para analisarem se eles estavam 100% curados.

“A descoberta mais significativa de nosso estudo é que metade dos pacientes continuava eliminando o vírus mesmo após o fim dos sintomas”, diz Lokesh Sharma, um dos autores do estudo, em comunicado. Os sintomas primários nesses pacientes incluíam febre, tosse, dor na faringe e falta de ar.

O tempo entre a infecção e o início dos sintomas, o período de incubação, foi em média de cinco dias. A duração média dos sintomas foi de oito dias, enquanto o tempo em que os pacientes permaneceram contagiosos após o final dos sintomas variou de um a oito dias. Duas pessoas tinham diabetes e um teve tuberculose, mas essas condições não afetaram o curso da infecção por Covid-19.

“Se você teve sintomas respiratórios leves e ficou em casa para não infectar pessoas, estenda sua quarentena por mais duas semanas após a recuperação para garantir que você não infectará outras pessoas”, recomenda Lixin Xie, médico e professor da Faculdade de Medicina Pulmonar e Intensiva do Hospital Geral Chinês que também participou da pesquisa.

Os autores enviaram uma mensagem para a comunidade médica: “Os pacientes com Covid-19 podem ser infecciosos mesmo após a recuperação sintomática; portanto, trate os pacientes assintomáticos/recentemente recuperados com o mesmo cuidado que os pacientes sintomáticos”.

Os pesquisadores também enfatizam que todos esses pacientes tiveram infecções mais leves e se recuperaram da doença, e que o estudo analisou um pequeno número de pacientes. Eles também ponderam que não está claro se resultados semelhantes se aplicam a pessoas mais vulneráveis, como idosos, pacientes com sistema imunológico suprimido e indivíduos em terapia imunossupressora.

“Mais estudos são necessários para investigar se o vírus detectado por PCR [exame que detecta o coronavírus Sars-CoV-2] em tempo real é capaz de transmitir nos estágios posteriores da infecção por Covid-19”, acrescentou o Dr. Xie.

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Careca disse:

    PARE O MUNDO!
    ACABE COM A PRODUÇÃO!
    FECHE O COMÉRCIO!
    INSTALE O DESABASTECIMENTO!
    DEIXE AS FARMÁCIAS SEM MEDICAMENTOS!
    ISOLE O POVO!
    REDUZAM OS SALÁRIOS!
    DEIXEM DE PAGAR OS SALÁRIOS!
    DEIXE O POVO SEM EMPREGO!
    CONTINUE O ISOLAMENTO.
    CRIE A SENSAÇÃO CONSTANTE DE PÂNICO!
    DEIXE OS GOVERNOS FAZENDO FAVORES AO POVO, DEIXE O GOVERNO DISTRIBUIR CESTAS BÁSICAS, DEIXE OS GOVERNOS DAR A QUANTIDADE QUE COMIDA QUE QUER, DEIXE O GOVERNO DECIDIR TUDO.
    ALGUÉM SABE O QUE ISSO SIGNIFICA? ALGUÉM SABE ONDE ISSO VAI DAR? ALGUÉM SUSPEITA O QUE QUEREM IMPOR AO MUNDO?
    SE NÃO SABEM A RESPOSTA, PERGUNTEM AO POVO DE CUBA, VENEZUELA, COREIA DO NORTE, IRÃ QUE ELES VÃO RESPONDER DE FORMA RÁPIDA E SEGURA.

  2. gusthenrique disse:

    Se bradam que o tratamento com cloriquina não deve ser adotado em massa por não ser conclusivo, mesmo que centenas de pessoas tenham sido curadas, muito menos esse estudo com uma amostragem tão pífia. Mas os profetas do apocalipse vão tratar tal pesquisa como definitiva e vão convencer governos a estender a quarentena.

  3. Produzo disse:

    Só está contra o isolamento quem produz. Os que recebem dinheiro de qualquer maneira podem ficar o resto do ano aguardando em casa.

Após anunciar teste negativo para coronavírus, Bolsonaro volta a trabalhar no Planalto

Foto: Marcos Corrêa/PR

Após anunciar pelas redes sociais que deu negativo o teste que fez para identificar a presença do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro deixou a residência oficial do Palácio da Alvorada no início da tarde desta sexta-feira (13) e voltou a trabalhar no Palácio do Planalto.

Ao sair do Alvorada, o presidente parou para conversar com apoiadores. Ele ficou a uma distância de cerca de três metros do grupo. Diariamente, Bolsonaro costuma cumprimentar, abraçar e fazer “selfies” com os visitantes.

“Apesar de o meu teste ter dado negativo, eu não vou apertar a mão de vocês. Nunca tinha visto ali qualquer problema. Se bem que, para a imprensa que está ouvindo ali, se eu tivesse com o vírus ou não tivesse, não estaria sentido nada. Vida segue normal, um grande desafio pela frente, muitos problemas para serem resolvidos”, afirmou o presidente.

Na quinta e na manhã desta sexta, Bolsonaro recebeu auxiliares e ministros na residência oficial. Nesta sexta, estiveram no Alvorada o secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia, e o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo.

Bolsonaro, família, políticos e membros do governo que viajaram para os Estados Unidos na semana passada fizeram exames na quinta (12), após a confirmação de que o secretário de Comunicação do Planalto, Fabio Wajngarten, contraiu Covid-19, a infecção provocada pelo novo coronavírus.

O secretário, que está em quarentena domiciliar, integrou a comitiva de Bolsonaro na recente viagem à Flórida. Entre outros compromissos, Bolsonaro teve um jantar no resort Mar-a-Lago oferecido pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Wajngarten esteve no encontro e ficou próximo dos dois chefes de Estado. Imagens feitas durante a viagem mostram que o secretário chegou a apertar a mão dos dois chefes de Estado. Questionado sobre o caso na quinta, Trump disse “não estar preocupado”.

Bolsonaro tem sido monitorado pelo serviço médico da Presidência. Ele cancelou compromissos públicas, como uma viagem ao Rio Grande do Norte que estava prevista para esta quinta (12), e usou máscara no Palácio da Alvorada.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calixto Silva disse:

    Quem vai vim contaminado da Europa vai ser o ladrão de nove dedos Lula. Quebrado ele voltar vai ficar de quarentena na papuda.

  2. EDILSON disse:

    NOME DO FILME,
    DURU ME MATAR 2
    KKKKKKKKK

  3. Romero Cezar da Câmara disse:

    Não sou defensor do mesmo, porém quem deseja o mau aos outros colhe o mau, graçass a Deus deu negativo pra ele e que muitos outros alcance essa graça.

  4. Antônio disse:

    Kkkkkk, o satã deu outra chance….

    • Guilherme disse:

      Se acontecer dentro de casa, já sabe a quem recorrer né? Zé ruela!

  5. Tony disse:

    AH PESTE

    • Guilherme disse:

      Creio que, com esse comentário, você e sua familia estão imunes. Boa sorte!

Dólar reduz alta após marcar R$ 5 e fecha o dia cotado a R$ 4,78

Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Estadão Conteúdo

Após abrir o dia negociado acima dos R$ 5, o dólar reduziu a alta e saltou 1,38% nesta quinta-feira (12). Com a variação, a moeda norte-americana passou a valer R$ 4,786, maior patamar nominal desde a criação do Plano Real.

A alta aconteceu apesar do anúncio do Banco Central de um leilão de venda à vista de até US$ 2,5 bilhões para esta quinta-feira, cancelando o anúncio de venda de até US$ 1,5 bilhão feito no dia anterior.

Às 9h11, o dólar avançava 5,68%, a R$ 4,9890 na venda. O contrato mais negociado de dólar futuro tinha alta de 3,88%, a R$ 5,0105.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Neto disse:

    Eu não li isso. Pra falar uma asneira dessas, no mínimo é eleitor do Bozo

    • Neco disse:

      Vá ler sobre o custo de carregamento das reservas. Especulador lava a burra. Há um nível adequado. Complicado, né? Sim, eleitor do Bozo. Pelo seu nível é de Haddad.

    • Neco disse:

      Tem mortadela que pensa que reserva é grana pra gastar como der na telha.

  2. Cidadão disse:

    O BC queimou muito as reservas internacionais hoje.
    Reservas economizadas no governo PT!

    • Neco disse:

      Manter essas reservas custam uma montanha de dinheiro.
      Tem mais é que se livrar de uma parte mesmo.

Segundo paciente curado do HIV segue sem sinais do vírus após 30 meses

Em 2019, um homem conhecido como “paciente de Londres” se tornou a segunda pessoa do mundo curada da infecção pelo vírus HIV. Agora, um novo estudo mostrou que, mesmo após 30 meses do fim de seu tratamento viral, ele permanece livre da doença.

Para quem não sabe ou não se lembra, o paciente de Londres tinha HIV até ter leucemia e precisar ser submetido a um transplante de células-tronco. Acontece que o procedimento ocorreu entre ele e um doador cujo DNA é resistente ao vírus. Resultado? Pouco após o transplante, ele estava curado.

“Propomos que esses resultados representem o segundo caso de um paciente a ser curado do HIV. Nossas descobertas mostram que o sucesso do transplante de células-tronco como uma cura para o HIV, relatado pela primeira vez há nove anos no ‘paciente de Berlim’, pode ser replicado”, disse Ravindra Kumar Gupta, principal autor do novo estudo, publicado no The Lancet, em comunicado.

Segundo os especialistas, embora não haja infecção viral ativa no corpo do paciente, restos de DNA integrado do HIV-1 permaneceram em amostras de seus tecidos, que também foram encontradas no primeiro paciente curado da infecção. Os autores sugerem que eles podem ser considerados “fósseis“, pois é improvável que sejam capazes de reproduzir o vírus.

“É importante observar que esse tratamento curativo é de alto risco e usado apenas como último recurso para pacientes com HIV que também têm neoplasias hematológicas com risco de vida”, ressaltou Gupta. “Portanto, esse não é um tratamento que seria oferecido amplamente a pacientes com HIV que estejam em tratamento anti-retroviral bem-sucedido.”

Identidade revelada

O paciente de Londres permaneceu anônimo até recentemente, quanto revelou sua identidade para o periódico britânico The Daily Mail. Adam Castillejo tem 40 anos e nasceu na Venezuela e vivia com o HIV desde 2003.

Em 2012, ele foi diagnosticado com leucemia e passou pelo tratamento que acabou curando-o tanto do câncer no sangue quanto da infecção por HIV. Segundo Castillejo, ele decidiu permanecer anônimo até recentemente, quando sua história se popularizou e ele optou por se tornar um “embaixador da esperança”.

Galileu

 

Bolsas europeias operam em alta após forte perdas do dia anterior

Foto: Torsten Silz/AFP

As principais bolsas europeias operam em alta ao redor de 4% nesta terça-feira (10), esboçando uma recuperação, após uma segunda-feira de perdas globais, contaminadas pelos efeitos do novo coronavírus na economia mundial e pelo forte tombo no preço do petróleo.

Por volta das 8h, o índice FTSE 100 de Londres, na Inglaterra, subia 4%. O DAX 30 de Frankfurt, na Alemanha, ganhava 3,50%. O CAC 40 de Paris, na França, apresentava alta de 4,22%. O Ibex 35, de Madrid, na Espanha, subia 3,34%. O FTSE de Milão, na Itália, avançava 2,65%.

Às 8h03 (horário de Brasília), o índice FTSEEurofirst 300 subia 4,16%, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhava 3,99%, mas estava longe de compensar a queda de 7% registrada na segunda-feira, que levou as bolsas europeias a recuarem para mínimas de oito meses.

Já os preços do petróleo eram negociados em alta perto de 10%, após tombo de quase 25% na véspera, depois de uma guerra de preços dos maiores produtores, Arábia Saudita e Rússia, que provocou a maior queda diária desde a Guerra do Golfo de 1991.

Por volta das 7h50, os contratos futuros do barril de Brent tinham alta de 9,72%, US$ 37,70 na venda, em Londres, enquanto o barril WTI, nos EUA, tinha alta de 10,47%, a US$ 34,39, segundo dados da Bloomberg.

A recuperação ganhava força também conforme os investidores depositavam suas esperanças em ações coordenadas de governos e bancos centrais de todo o mundo para aliviar o impacto do coronavírus.

O Japão divulgou nesta terça-feira um segundo pacote de medidas no valor de US$ 4 bilhões em gastos para lidar com as consequências do surto, com foco no apoio a pequenas e médias empresas,.

Já o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu um passo “importante” na segunda-feira e disse que discutirá um corte nos impostos sobre os salários com os republicanos do Congresso.

Já a Bolsa de Moscou em queda de mais de 10%, depois de um fim de semana de três dias, afetada pela guerra de preços dos produtores de petróleo e pela desvalorização do rublo frente ao dólar.

Bolsas asiáticas fecham em alta

Na Ásia, as bolsas fecharam em leve alta. A Bolsa de Tóquio encerrou a sessão de terça-feira com avanço de de 0,85%. O índice Nikkei ganhou 168,36 pontos, a 19.867,12 unidades. As bolsas de Hong Kong encerram em alta de 1,41%.

Na China, o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 2,14%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,82%.

Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,42%; em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 3,11%.

G1