Saúde

Hospital Walfredo Gurgel e a superlotação: Sesap planeja implantar regulação nos atendimentos de urgência

O portal G1-RN destaca em reportagem nesta quinta-feira(22). Enfrentando uma superlotação, com pacientes nos corredores da maior unidade pública de saúde do Rio Grande do Norte, o governo planeja implantar o sistema de regulação na urgência no Hospital Walfredo Gurgel, em Natal. Segundo servidores, há mais de 100 pacientes internados em macas improvisadas em corredores e até na recepção da unidade. Trabalhando há oito anos na unidade, a médica Nicelle de Morais afirma que nunca viu situação como a dos últimos dias.

Para piorar a situação,  a reportagem também destaca que profissionais terceirizados, como maqueiros e higienistas, entraram em greve por atrasos salariais. Na tarde de quarta-feira (21), apenas metade dos higienistas trabalharam na unidade. À noite, apenas dois maqueiros ficaram disponíveis no hospital.

Segundo o governo, a sobrecarga da unidade é reflexo da busca direta do serviço pela população e também dos encaminhamentos de pacientes dos municípios, “muitas vezes de casos de baixa complexidade”.

Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) informou que está trabalhando na reformulação do modelo de atendimentos às urgências. “O planejamento é de que a partir de setembro, a porta de urgência só passe a atender pacientes com a indicação de outros serviços e a devida regulação”, disse por meio de nota.

Veja reportagem completa AQUI.

Com G1-RN

Opinião dos leitores

  1. A lotação nós hospitais já existia, ou era só pó causa da pandemia? a realidade continua, Governo incompetente do RN.

    1. Bicho de chifre. Todo acidentado tem os primeiros socorros no walfredo gurgel. Se tu tiver um AVC quando tiver com o marombado, não vá pra lá não. Procure seu plano de saúde.
      Gado burro.
      Muuuuuuuu

    2. Quem tem plano de saúde, num caso de AVC, procura o Hospital do Coração ou o São Lucas, por exemplo. Acho que vc quis se referir a outros tipos de acidentes. Fácil chamar os outros de burros quando, na verdade, o desinformado é você, “Naldinho”.

  2. Essa Central de regulação já existe a cinco anos ou mais, só funciona para a alta complexidade e leitos de UTI, recentemente foi entregue a meros profissionais da política, um escárnio, para que ela funcione em sua plenitude, seria necessário a implantação em todos os município do RN, onde estão as pernas e os equipamentos para isso? O gato comeu, outra, não se fecha porta de urgência e emergência hospitalar, o atendimento nessas portas deve sempre ser garantido, está na constituição, pois é um direito que deve ser assegurado pelo estado, o resto é tentar jogar pàra a plateia, secretário e governadora incompetentes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

FOTOS: Superlotação no centro cirúrgico do Hospital Santa Catarina na Zona Norte

Fotos: Cedidas

O Hospital Santa Catarina, na Zona Norte de Natal, amanheceu com os corredores do centro cirúrgico lotados – todos os leitos do CRO (centro de recuperação operatória).

De acordo com denúncia enviada ao Blog, no meio desta super lotação., há um recém nascido em respirador mecânico dentro do CRO aguardando vaga de UTI em estado grave.

A denúncia ainda diz que o número de médicos dentro da unidade é insuficiente para atender os pacientes.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Médicos do Hospital Municipal de Natal em desespero com alta demanda e falta de estrutura para atender pacientes

SONY DSC

Em visita de urgência ao setor de pediatria do Hospital Municipal de Natal (HMN), inaugurado em dezembro de 2015, o Sindicato dos Médicos do RN – Sinmed RN – constatou a angústia dos profissionais em trabalhar sem remédios e sem estrutura para atender os pacientes.

O retrato do hospital é este: Superlotação nos corredores. Atendimento de pacientes em sete horas. Falta de agulhas para punção de crianças. Profissionais que trazem medicação de outros hospitais. Pacientes que precisam comprar medicações por falta na unidade. Macas sendo divididas por duas crianças.

Além destes graves problemas, o Sinmed RN ouviu denúncia dos profissionais do plantão de que o setor de pediatria é usado como necrotério provisório e pacientes que deveriam ficar em isolamento, ficam na enfermaria, com grande risco de contaminação para todos.

Geraldo Ferreira, presidente do Sinmed, falou sobre os problemas da alta demanda no hospital: “Poucos plantonistas para a demanda. O médico tem que parar o atendimento da urgência para internar. E é uma burocracia o internamento, demora e deixa o paciente aguardando no consultório. Isso acaba repercutindo no médico que é quem está na linha de frente”.

Profissionais de enfermagem também se encontram em situação de desespero, uma vez que hoje falta 70% de insumos no hospital. As enfermeiras relataram trabalhar sem corticoide na emergência infantil, falta agulha adequada para as crianças há uma semana, e só tem um termômetro para todo o hospital.

Está acontecendo no Hospital Municipal o que os profissionais da saúde chamam de “remanejamento da verba SUS”: profissionais trazem insumos e medicamentos de outros hospitais para suprir a carência do HMN.

Os exames, devido a alta demanda, pois o laboratório atende o setor clínico, pediatria e ortopedia do hospital, estão demorando várias horas para serem entregues.

Durante a visita do sindicato, uma senhora com um bebê de 08 meses, com febre e mancha no corpo, aguardou sete horas, das 10h às 17h, para atendimento, exame e retorno. Durante todo esse tempo a paciente ficou sem se alimentar.

Devido a gravidade do problema, o Sinmed RN encaminhou ofício para a Secretaria Municipal de Saúde, solicitando audiência com Luiz Roberto e deve solicitar ao Ministério Público que também atue judicialmente para garantir os direitos dos pacientes.

Opinião dos leitores

  1. Vergonhosamente Natal, pior disso tudo é assistir a população REELEGER um Prefeito q não tem Respeito pelos Servidores Públicos, tão pouco com a população, só acho q cada um tem o Governo q merece, depois ficam com no mi mi mi, vamos dá continuidade ao estado de Província e endeusar as velhas oligarquias!

  2. Bom dia!
    Será que a população de Natal não vai dar um basta nessa situação que perdura há anos?
    É a hora de tirar essas oligarquias do poder, não votem no Carlos Eduardo Alves.
    Vamos mudar elegendo outro candidato.

  3. Até hoje não entendi o motivo da Prefeitura ter alugado um prédio totalmente obsoleto e o pior: sem estacionamento.

  4. Na inauguração os fanfarrões fizeram festa… Passada a euforia tá aí a verdade dos fatos: população natalense desassistida sem hospital público municipal. Mas o aluguel do prédio, alguns milhares de reais, é pago em dia, né!?

  5. Essa falta de vergonha desses políticos só faz ocontecer esse tipo nefasto de atendimento ao cidadão. Esse secretário de saúde municipal fala demais e age de menos. Estamos vivendo o verdadeiro holocausto na saúde pública de Natal e do Estado do RN.

  6. Infelizmente esse prefeito já está ultrapassado o que de dizer de um prefeito que gasta 100 mil reais com Pipoca,Pirulito e confeitos e fala que a prefeitura está em crise mais gastou 4 milhões no carnaval; Natal e o Brasil só será diferentes quando o eleitor aprender a votar não adianta ir às ruas protesta se uma semana depois ninguém nem sabe o que está acontecendo e pior nessas horas aparece monte de aproveitadores pra querer se eleger na próxima campanha.

  7. O SECRETÁRIO,DE FALA FÁCIL, FALOU QUE ESTAVA TUDO PERFEITO E QUE ROBÉRIO PAULINO ESTAVA CRIANDO UM FATO POLÍTICO QUANDO DA SUA VISITA .O ROBÉRIO PAULINO CONSTATOU O ÓBVIO QUE O HOSPITAL TINHA SIDO INAUGURADO AINDA INCOMPLETO. MAIS UMA VERGONHA A QUE É SUBMETIDO O POVO DE NATAL!

  8. Recursos que deveria ser gastos para dar maior resolutividade na alta complexidade está sendo gasto em vão por não ter efetividade . Absurdo!

  9. O secretário de saúde a pouco tempo num falava que era atendimento de primeira e sem superlotação? Ponto pro professor Robério Paulino.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Somente duas das 37 unidades prisionais do RN não estão superlotadas

Apenas duas das 37 unidades prisionais existentes no Rio Grande do Norte não se encontram superlotadas. É isso que mostra a matéria publicada no Novo Jornal e assinada por Pedro Vale. São elas o Centro de Detenção Provisória da zona Norte, cuja capacidade é de 90 vagas, mas se encontram encarcerados 47 presos. A outra é a Unidade Psiquiátrica de Custódia e Tratamento, que faz parte com Complexo Penal João Chaves. Na unidade especializada no tratamento e custódia de presos condenados, mas tido como incapazes por serem portadores de doenças mentais, existem hoje 43 detentos, dois a menos da capacidade limite.

Tais situações emblemáticas e isoladas só reforçam a situação do sistema penitenciário potiguar cuja marca é a superlotação, que é facilmente traduzida em números. Segundo levantamento feito pelo Novo Jornal, existem 3.278 vagas criadas para presos, contudo, fazem parte da malha carcerária potiguar 5.891 detentos, o que corresponde a uma demanda reprimida de quase novas 3 mil vagas e a constatação de se ter 80% de presos além da capacidade que  o Estado tem de mantê-los custodiados.

O Presídio Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, tem em seus quatro pavilhões 900 presos, quando o limite é de 622, número delimitado em projeto de construção da unidade prisional. Dentre os estelecimentos prisionais, 25 são CDP’s, 4 cadeias públicas e 7 presídios.

No intento de desafogar o sistema, quatro novos prédios devem ser construídos, sinaliza o coordenador de Administração Penitenciária, Ailson Dantas. Dois deles serão destinados ao público feminino e sediados nos municípios de Parnamirim e Mossoró. E os outros dois para homens, em Lajes e Ceará Mirim. No total, deve proporcionar um incremento de mil novas vagas.

O investimento será do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e os quatro novos estabelecimentos carcerários estão orçados em R$ 25 milhões, dos quais há uma contrapartida de 10% por parte do Governo do Estado.

Com informações do Novo Jornal

Opinião dos leitores

  1. A holding Marca S.A Sem Fins Lucrativos, que administra o hospital da mulher de Mossoró, através da Associação Marca, criará em breve, uma filiada pra administrar os presidios do RN, será a Marca Presidios e Resorts.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Superlotação: o verdadeiro retrato do Walfredo Gurgel

O colega internauta Ivis Azevedo, durante visita aos corredores do Hospital Walfredo Gurgel, registrou em seu celular a triste realidade de superlotação que vive o maior centro hospitalar do Rio Grande do Norte. São vários pacientes aguardando atendimento em macas espalhadas pelos corredores. Acho que uma imagem vale mais que mil palavras, então…

Opinião dos leitores

  1. O Governo só vai resolver este problema quando começar a punir os médicos (candidatos) a prefeito no interior que enchem carros e mais carros de gente e trazem para fazer consultas e exames no Walfredo. Alguns deles fazem questão de distribuir pessoalmente as fichas a sua clientela.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *