Hospital João Machado já conta com leitos de UTI’s em funcionamento

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio Chamamento Público Emergencial, realizou a contratação de 30 novos leitos de UTI’s da organização social Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania e Saúde (Avante Social), dos quais 20 leitos estão sendo abertos no Hospital João Machado, em Natal, e 10 leitos no Hospital Regional Alfredo Mesquita, em Macaíba, para atendimentos de pacientes diagnosticados com o novo coronavírus (Covid-19).

No Hospital João Machado estão sendo abertos 20 novos leitos, sendo que 15 leitos já estão em pleno funcionamento e 05 serão abertos até o próximo final de semana. O João Machado já conta com 05 leitos de UCI’s (unidade de cuidados intensivos) abertos pelo Governo do RN.

Já no Hospital Regional Alfredo Mesquita, em Macaíba, a organização social Avante deverá entregar mais 10 leitos para o atendimento de pacientes infectados pela Covid-19. O hospital passou por uma obra de adaptação para o acesso de ambulâncias e já recebeu todos os equipamentos necessários para a abertura dos leitos. A montagem dos instrumentos está sendo feita e, até o final desta semana, 05 leitos estarão aptos para receber pacientes. Outros 05 leitos deverão ser entregues até a semana que vem, de acordo com a Avante Social.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Darwin disse:

    O interessante é o tempo verbal. Está sendo…, fazendo…., providenciando….. Entregar algum resultado concreto é que é dificil, senão, impossível.

    • Pepe disse:

      Não é só a estrutura física,não é so ter o respirador,o mais dificil são os recursos humanos,com o devido preparo para diagnosticar,tratar e manusear os equipamentos.

Hospital Albert Einstein proíbe médicos de receitar cloroquina para pacientes com covid-19

Foto: Getty Images / iStockphoto

Em comunicado ao corpo médico, o Hospital Albert Einstein proibiu a prescrição de cloroquina para o tratamento da covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). O medicamento era receitado por médicos do hospital em modo “off label” – quando é usado para tratar uma indicação não prevista em sua bula.

Essa prescrição era feita de acordo com o julgamento do médico para cada paciente. Com a mudança, a cloroquina não pode mais estar em receitas para diagnosticados com covid-19. O remédio é usado no tratamento de outras doenças, como malária e amebíase hepática, além do controle de lúpus e artrite reumatoide.

No fim de maio, uma pesquisa da Universidade de Harvard publicada na revista científica “The Lancet” chegou a conclusão de que os diferentes usos da cloroquina não apresentam benefícios no tratamento da covid-19. O estudo foi feito em larga escala, com mais de 96 mil pessoas internadas com a doença.

Metro Jornal

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    E o dinheiro que governo gastou para que o Exército produzisse um grande estoque Hidroxicloroquina? Quem vai pagar?

  2. Wellngton disse:

    Fico pensando na classe econômica que procura o Albert Einstein, para quem tem muito dinheiro há outras opções, outros medicamentos, outros métodos…….

  3. Aparecida disse:

    Fácil de entender, não se interna os pacientes no início dos sintomas (fase de replicação viral) se interna os pacientes na fase inflamatória (quando o paciente complica); se tivessem tomado a hidroxicloroquina no início dos sintomas provavelmente não teriam precisado ser internados.

  4. André Fortes disse:

    Quem vai ser responsabilizado pelo estoque que o exército produziu em vão?

  5. Ricardo lúcido disse:

    O BOZO , votei nele e me arrependo , rei da CLORIQUINA e previsor da terapêutica do “ E DAÍ”, vai ficar uma fera , o que danado ele vai fazer com tanta CLORIQUINA ? Mandou fazer aqui é recebeu uma TOROMBADA de CLORIQUINA do amigo TRUMP . Será possível um negócio desse ? Até uma música já estava adaptada . CLOROQUINA , CLOROQUINA , CLORIQUINA meu amor , eu sei que que o BOZO eu quero tomar tú . TITICO TRÁS O PINICO !

  6. Arthur disse:

    Difícil achar quem ainda acredita nessa Cloroquina, até o remédio pra piolho tem mais efeito comprovado. Enquanto isso o Exército tem estoque de Cloroquina pra 18 anos.

    • Ricardo disse:

      Recentemente saiu um manifesto de mais de quatro mil médicos recomendando o uso da cloriquina (em associação) para pacientes em ESTÁGIOS INICIAIS da doença.

  7. Fico na duvida disse:

    As vezes fico sem entender esse tipo de atitude, 3 pessoas da minha família já contraíram a covid, todas foram curadas usando estes medicamentos como cloroquina e hidroxicloroquina, dois são do grupo de risco, um com diabetes e outra idosa, não tiveram complicações e os sintomas desapareceram em menos de 5 dias, queria saber qual o interesse em impedir isso.

  8. Minion alienado disse:

    Boicotem o hospital, são comunistas!

  9. Flávio Martinez disse:

    Isso é normal. À medida que as pesquisas vão evoluindo, novos fármacos vão aparecendo. Hoje, existem antivirais (como o Remdesinvir) e os corticoides. Após 3 meses de pandemia, estão surgindo medicamentos mais eficazes do que aqueles do início. Porém, não se pode politizar o uso de remédios

    • Tom França disse:

      Já foi provado, que os que estão sendo liberados pela Anvisa, são os mais caros do mercado. Política ou máfia dos fármacos. Escolham!

Covid-19: hospital de campanha em Manaus encerra atividades após 71 dias

Leitos de UTI do hospital de campanha Gilberto Novaes sob responsabilidade da Prefeitura de Manaus Jonne Roriz/VEJA/VEJA

O prefeito da cidade de Manaus, Arthur Virgílio Neto, anunciou que o hospital de campanha do município encerrou suas as atividades na terça-feira, 23. Em mensagem gravada para suas redes sociais, o político afirmou que o equipamento público recebeu 757 pacientes, com cerca de 81% de recuperados e mortalidade por volta de 19%.

Ao todo, o Hospital de Campanha Gilberto Novaes (instalado provisoriamente em uma escola) funcionou por 71 dias e teve a missão de desafogar o sistema de saúde da região, em colapso por conta da pandemia do novo coronavírus.

O Amazonas foi um dos estados mais afetados pela Covid-19, com 65.073 casos confirmados e 2.686 mortes, segundo o boletim mais atualizado do Ministério da Saúde.

Veja

POLÊMICA E O REGISTRO NO ATESTADO DE ÓBITO: 40% das mortes em hospital de covid-19 têm outras causas, diz diretor na BA; denúncia vai ao Conselho Regional de Medicina

Foto: Reprodução/Google Maps

O diretor do maior centro de referência em tratamento de coronavírus no Estado da Bahia, o infectologista Roberto Badaró afirmou ontem que 40% dos óbitos registrados no Hospital Espanhol como covid-19 são decorrentes de outras enfermidades. Após seis anos fechado, o Espanhol foi reaberto pelo Governo da Bahia em abril como unidade exclusiva de tratamento do novo coronavírus, com 220 leitos, 140 deles de UTI, num investimento de R$ 8 milhões.

“Eu vou dar um exemplo simples: no Hospital Espanhol, 40% dos pacientes que eu recebo não têm covid. E morrem. E no atestado de óbito tá lá: covid. Porque tem três campos no atestado de óbito. Ele vem com suspeita de covid, então entra na estatística. É preciso que se veja isso com bastante critério”.

A declaração foi feita durante entrevista ao vivo na Rádio Metrópole FM ontem. Badaró respondia a uma pergunta feita pelo apresentador Mário Kertész sobre os motivos que faziam os registros de casos de coronavírus no Brasil serem cinco vezes maiores que os da Índia, país que tem população quase sete vezes maior que a brasileira. “E do que morrem estas pessoas?”, questionou Kertész. “Do que já morreram sempre. De AVC, doença cardiovascular, diabetes”, respondeu.

Após a publicação desta matéria, a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) publicou nota oficial em seu site, na qual Badaró mudou sua versão e disse que a afirmação feita na rádio Metrópole não corresponde à realidade. “Venho a público dizer que a forma como expressei-me não reflete corretamente o que acontece no Hospital Espanhol”, disse.

“Não é correto afirmar que óbitos são lançados indevidamente como Covid-19. Em verdade, todos os óbitos ocorridos no Hospital Espanhol são avalizados pela coordenação médica. Se o óbito ocorre é obrigação da unidade hospitalar que emite a Declaração de Óbito (DO), colocar a causa corrigida e não continuar com a suspeita diagnóstica da chegada”, afirmou o diretor.

De acordo com ele, o procedimento adotado pelo hospital pode ser corrigido posteriormente pelas autoridades e que as mortes suspeitas não são incluídas nos números da Sesab. “Na eventualidade de um óbito ocorrer antes do resultado laboratorial, a DO sairá como “suspeita de Covid-19″ e pode ser corrigida postmortem pela autoridade sanitária estadual. Neste cenário, cabe registrar que a Vigilância Epidemiológica, de modo assertivo, só contabiliza as declarações de óbito classificadas como casos suspeitos de coronavírus após investigação e/ou resultado laboratorial confirmatório”, justificou.

Pedido de famílias

Também na entrevista à Rádio Metrópole, o pesquisador-chefe do Instituto de Tecnologia da Saúde do Senai Cimatec e integrante do Comitê de Governadores e Especialistas do Nordeste contra o Coronavírus afirmou que o diagnóstico para covid-19 tem sido utilizado como alternativa por parte de familiares de pacientes de outras enfermidades para encontrar vagas de UTI.

O infectologista chegou a citar o exemplo de uma mulher diabética cujo índice glicêmico era superior a 1.000, mas que a família apelou a ele por uma vaga na UTI dos Espanhol porque a irmã dela teria contraído coronavírus. “Ela estava com cetoacidose diabética, ela aí fez uma falência respiratória e intubou. Isso é covid? Não é. Mas para poder ter acesso a uma UTI, bota lá covid e vai pro hospital”.

“Então eu tenho muita dificuldade, tô sendo bastante honesto, de entender esses dados de mortalidade, se eles são puros, só de covid. Quando o doente não tem covid ele chega a uma UPA e é deixado para trás. Vai ser atendido depois, se não for suspeita direta de caso de dificuldade respiratória”, acrescentou.

Posteriormente, na mesma nota divulgada pela Sesab, Badaró elogiou o trabalho dos profissionais de saúde e a ação do governo estadual. “Quero reiterar o meu respeito pelo trabalho primoroso que vem sendo conduzido pelo Governo do Estado para abrir vagas de UTI em todo o Estado. Igualmente reconheço o esforço dos profissionais da Central de Regulação, que vêm trabalhando junto às UPAs e regulando pacientes para os hospitais em tempo recorde, evitando que ocorram mortes por falta de assistência adequada”, disse.

Badaró afirmou que os pacientes precisam ser atendidos, mesmo que não tenham o diagnóstico confirmado para covid-19. “Nem todos os pacientes internados nos hospitais terão o resultado do RTPCR confirmado antes da admissão. Assim sendo, uma parcela dos pacientes internados permanecerá sem confirmação diagnóstica até o recebimento do resultado do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-BA). Cabe ao hospital de referência, que recebe os pacientes suspeitos, investigar para tratar e encaminhar adequadamente o caso”.

Repercussão

Para o médico urologista Modesto Jacobino, as declarações de Badaró são graves e precisam ser apuradas. Ele observa que os médicos que fazem declaração falsa para encobrir a verdadeira causa da morte cometem crime de falsidade ideológica, que além das penalidades previstas no artigo 229 do código penal, podem levar à cassação do registro profissional.

“Badaró não falou de 1% ou 2%, ele falou em 40%. Isso representa um grande contingente de famílias estigmatizadas por uma doença que não permite o direito de visitar seus entes queridos no hospital, de velar seus corpos num funeral comum e nem mesmo de receber o valor do seguro de vida, que as seguradoras se negam a pagar por se tratar de uma pandemia. É uma situação que tem consequências muito drásticas para as famílias das vítimas, um caso de polícia”, pontuou.

Jacobino ingressará amanhã com uma denúncia ao Cremeb (Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia). Ele entende que o caso merece ampla investigação, para além da esfera de atuação do Hospital Espanhol, que apure se existe alguma orientação aos médicos intensivistas na Bahia para atestar óbitos por coronavírus de forma fraudulenta, a exemplo do que foi denunciado pelo sindicato dos médicos do Ceará ao Ministério Público.

Isso teria ocorrido com a aposentada Antônia dos Santos, 98, que morreu em 19 de maio. “Minha avó não estava com febre, não estava tossindo, tinha uma massa de 7,5 cm de diâmetro no intestino que provocou sangue nas fezes identificada por um ultrassom e, mesmo assim, a médica queria declarar que ela tinha falecido por causa de coronavírus”, relata a recepcionista Gabriela Silva, 35. “Foi quase meia hora de discussão com a nossa família para ela voltar atrás e declarar que a causa da morte foi insuficiência respiratória aguda”.

O médico e vereador Cezar Leite (PRTB) anunciou pelas redes sociais ter dado entrada no Ministério Público Federal e no Cremeb com solicitação para investigar a situação do Hospital Espanhol e demais hospitais de Salvador. “Como vereador, médico e cidadão tenho o dever de fiscalizar e pedir transparência neste processo. Não podemos esquecer que estamos tratando de vidas e dinheiro público”, destacou.

UOL

https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/06/11/40-dos-obitos-do-hospital-espanhol-nao-sao-por-coronavirus-diz-diretor.htm

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    Eh bem fácil de resolver isso, basta o governo federal disponibilizar testes de covid pra todos os que são internados ou são atendidos. Como não tem testes e estamos numa pandemia, eh normal atestar a morte por covid. Isso não aconteceu só aqui, mas no mundo todo!!! Outra coisa, covid não eh uma gripe, mas uma doença sistêmica, ela pode matar o doente não somente por problema gripal ou pulmonar. Repito: se o governo federal quer números exatos, disponibilizem testes em massa!

    • Luladrão Encantador de Asnos disse:

      Pra vc só quem tem obrigações é o governo federal. Os estados e municípios são fiscais da natureza, ficam só observando a paisagem!

  2. Antonio Turci disse:

    BG, se possível repercuta esta matéria no MEIO DIA RN. Muito obrigado.

  3. Observador RN disse:

    Trouxe verdades… só nos resta perguntar a quem interessa implantar o caos, e não precisa ir muito longe. Até leis para síndicos mandar dentro da sua casa, tentaram empurrar goela abaixo.

  4. Roberio Maurício da Silva disse:

    É só ver a média, histórica, de mortes no período e fazer a comparação. Isso, imagino, também pode e deve ser feito pela imprensa q joga dúvidas na população e não cumpre seu dever de também investigar.

  5. Paulo Roberto disse:

    Isso é um problema sério, e parece que não é só brasileiro, pois em outros países também houve uma "tendência" de se rotular como covid 19 qualquer infecção respiratória aguda, que sabidamente tem vários outros agentes que não o coronavírus. Ainda existem denúncias de pressão política para tal atitude, que se verdadeiras, são o absurdo dos absurdos.
    A história deverá mostrar a verdade. Assim espero!?

  6. Carlúcio disse:

    Se isso for verdade existe outra pandemia ainda desconhecida. Acredito mesmo que os casos de mortes são duas vezes maior que as notificadas.

    • Cesar Bomone disse:

      Quer dizer que antes ninguém morria? Só morrem agora por que existe a COVID?

  7. Chicó disse:

    Será que acontece só na Bahia !!!

  8. Gilmar disse:

    No Brasil não se morre mais de nada.
    Até os assaltantes sumiram!

FOTOS: Hospital de Campanha é entregue e intensifica combate à Covid-19 em Parnamirim

FOTOS: ASCOM – Ana Amaral e Ney Douglas

A Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria Municipal de Saúde (Sesad), entregou na manhã desta segunda-feira, (1) o Hospital de Campanha da cidade, um equipamento de extrema importância no enfrentamento ao novo coronavírus. A estrutura foi montada no Centro Especializado em Reabilitação (CER), no bairro Vida Nova, e conta com 44 leitos de internação, para dar apoio aos pacientes de COVID-19 com sintomas leves e moderados.

Presente na entrega do Hospital de Campanha, o prefeito Rosano Taveira falou de todos os esforços realizados pela administração, para a implantação da unidade de saúde e da importância do equipamento na cidade durante e pós pandemia.

“A crise é mundial, países de primeiro mundo sofreram bastante. Mas estamos nos esforçando para levar uma saúde de qualidade ao parnamirinense. A chegada do Hospital de Campanha é muito importante na batalha contra a Covid-19. Lembro que todos os equipamentos adquiridos continuarão na cidade quando a pandemia passar. Agradeço a todos os profissionais envolvidos nesta batalha. A união de todos é fundamental para superarmos esta situação”, disse.

De acordo com a Sesad, o Hospital de Campanha conta com uma equipe composta por médicos internistas, infectologistas, plantonistas e técnicos de enfermagem trabalhando em rodízio de 12 horas, e enfermeiros. Fisioterapeutas, funcionários de limpeza e duas secretárias também atuarão na unidade, além de profissionais de assistência social, psicologia, bioquímicos e recepcionistas.

“A equipe é composta por profissionais capacitados e acostumados a trabalhar com a situação de Covid-19. É um trabalho 24 horas que também vai contar com a soma do pessoal aprovado no processo seletivo. Além do esforço do pessoal da saúde, a conscientização da população é fundamental. Parnamirim precisa de união. Tratamos de vidas e qualquer um de nós pode precisar do serviço”, disse a secretária da Sesad Terezinha Rêgo.

A titular da pasta de saúde ainda exaltou a estrutura do Hospital de Campanha. “Poucos hospitais foram abertos no Brasil com uma organização parecida com a nossa. Um prédio novo, sem nada de infecção e com excelentes instalações físicas. Temos apoio diagnóstico, medicamentos, profissionais capacitados e rede de oxigênio”.

Dos 44 leitos disponibilizados, dois leitos de estabilização são exclusivos para pacientes graves. A função desses leitos é, justamente, manter o paciente estável, até que ele possa ser transferido com segurança para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O espaço é diferenciado dos demais, pois conta com respiradores e outros equipamentos avançados.

Entre os diversos departamentos, o Hospital de Campanha de Parnamirim conta com enfermarias, sala de estabilização, farmácias, banheiros masculino, feminino e infantil. Lara Figueiredo, diretora clínica, comentou sobre como funcionará os serviços e benefícios da unidade para a população:

“A abertura do Hospital de Campanha é um ganho espetacular para a saúde de Parnamirim. Os pacientes serão regulados através da UPA de Parnamirim, e são transferidos aqui para o hospital. É uma estrutura incrível! Pacientes que agravarem a situação clínica terão respiradores disponíveis, monitores e oxigenoterapia já adequada com a rede. Temos os equipamentos necessários para essa era de pandemia”.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Almir disse:

    Parabéns a Parnamirim, se 30% dos municípios tivesse um hospital deste, a situação do RN seria mais tranquila.

  2. Romy Christine Costa disse:

    Parabéns a equipe da competente e incansável Secretária de Saúde Municipal Terezinha Rêgo ! !!

  3. Antenado disse:

    Natal fez o seu hospital de campanha, Parnamirim e São Gonçalo. Por que o Estado não conseguiu fazer o seu, apesar de o dinheiro estar escutando a conversa ? Com a palavra os incompententes.

    • Almir disse:

      Com certeza seu Antenado, bastava mais uns 30 municípios com um hospital igual a este.

Genival Lacerda sofre AVC e está internado em hospital do Recife em observação

Foto: Rogério Vital/Divulgação

O cantor e compositor paraibano Genival Lacerda, de 89 anos, sofreu um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVC) na madrugada desta terça-feira (26) e está internado no Hospital D’Ávila, na Zona Norte do Recife. Segundo o filho, João Lacerda, ele dormiu bem, fez exames e ficará cinco dias em observação.

Genival Lacerda estava em sua casa, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul da capital pernambucana, quando passou mal. Foi socorrido a princípio para o hospital da Unimed, mas por conta do risco de contrair Covid-19, foi transferido para o D’Ávila, ainda de acordo com o filho.

“Ele fez todos os [exames de] check up, tomografia e exames. Estava com taxas alteradas. Ele dormiu bem e vai ficar em observação nesses cinco dias para ver se o quadro não se agrava”, afirmou João Lacerda.

Natural de Campina Grande, Genival Lacerda reside no Recife há mais de 25 anos. Ele é autor de músicas como “De quem é esse jegue?” e “Severina Xique-Xique”.

G1

VÍDEOS: Hospital de Campanha de Natal tem 2ª e 3ª altas de pacientes recuperados da Covid-19

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS Natal) informa que na noite dessa quarta-feira (20) o Hospital Municipal de Campanha deu alta ao segundo e terceiro pacientes recuperados da Covid-19. Um homem, de 65 anos, hipertenso, admitido em 18 de maio; e uma mulher, de 58 anos, também admitida em 18 de maio de 2020.

Hospital de campanha para atender pacientes de coronavírus abre dia 4 de maio em Natal, diz prefeito

No Bom Dia RN nesta quarta-feira(20), o prefeito de Natal, Álvaro Dias, informou que o hospital de campanha montado pela prefeitura no antigo hotel Parque da Costeira, para atender pacientes do novo coronavírus será aberto na próxima segunda-feira, 4 de maio. De acordo com ele, a unidade já irá abrir com 100 leitos clínicos e 20 de UTI.

Segundo o prefeito, a Secretaria de Saúde deve abrir nesta quarta (29), as propostas das empresas que participaram de um chamamento público para oferecer o serviço de mão de obra terceirizada de profissionais de saúde que deverão atuar no hospital de campanha e em outras unidades de saúde do município durante o momento de calamidade.

Mais detalhes em reportagem aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Selmabatista disse:

    Graças à Deus

  2. Mito disse:

    Esse corona virus está fazendo a festa para prefeitos e governadores. O que mais me impressiona é a omissão dos órgãos fiscalizadores. Enquanto isso, os empresários fechabdo as suas empresas porque a governadora insiste nesse absurdo de manter o comercio fechado.

TCE-RN aponta inconsistências em contratação do Governo do Estado para implantação de hospital de campanha

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RN) determinou diligência para saber quais providências o Governo do Estado vai adotar quanto à contratação emergencial para implantação e gestão de um hospital de campanha para pacientes com Covid-19. A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) deve informar e comprovar, no prazo de cinco dias, a decisão oficial acerca da continuidade ou desistência do projeto inicial de montar a estrutura no estádio Arena das Dunas.

Em seu despacho, o conselheiro Gilberto Jales, relator do processo, justifica a necessidade de que sejam esclarecidas questões apontadas no Relatório de Acompanhamento (informação técnica resultante da atuação concomitante do controle externo na fiscalização da referida contratação emergencial do governo). A peça foi produzida por uma comissão intersetorial do TCE – Diretoria de Administração Direta (DAD) e Inspetoria de Controle Externo (ICE) – que integra o grupo de acompanhamento criado especificamente para auditar as despesas relacionadas ao enfrentamento da pandemia de coronavírus.

Apesar de anunciada na imprensa a desistência da instalação do hospital na Arena das Dunas, os auditores observam que não foi constatada a revogação do chamamento público por ato formal. Além disso, justificam que os encaminhamentos resultantes da ação fiscalizatória poderão repercutir para além daquela contratação, com caráter pedagógico e orientativo, para outras medidas a serem adotadas nas ações voltadas para o enfrentamento da emergência da saúde pública provocada pela Covid-19.

Caso prossigam com a contratação emergencial, a Sesap e o Governo Estadual devem apresentar esclarecimentos suscitados no Relatório de Acompanhamento. Um deles é comprovar que existe a necessidade da contratação de profissionais para gerenciamento do hospital de campanha, demonstrando que o quadro atual, somando-se às contratações temporárias em andamento, não são suficientes para cumprir essa função.

Ainda sobre contratação de pessoal, os auditores questionam se os profissionais que serão contratados em regime temporário, ou qualquer outro servidor público empregado no serviço do hospital de campanha, serão alocados em caráter adicional aos 633 já previstos no termo de referência e já custeados pelos recursos financeiros repassados pelo governo. Também querem esclarecimentos sobre os mecanismos de controle e como se daria o abatimento nos valores repassados à empresa contratada, no caso de haver cessão de servidores públicos, para eventualmente substituir aqueles previstos no contrato.

Outro ponto levantado diz respeito ao modelo de contratação que se pretende estabelecer, caso a melhor proposta, total ou parcial, venha a ser apresentada por pessoa jurídica não qualificada como passível de firmar contrato de gestão. O novo edital de chamamento público ampliou a possibilidade de participação para outras sociedades empresariais hospitalares, que não necessariamente enquadram-se na condição de Organização Social ou instituição filantrópica.

Os projetos de arquitetura para a concepção do Hospital de Campanha também devem ser enviados ao Tribunal de Contas, de acordo com o despacho. O governo deve prestar os esclarecimentos acerca das providências que foram tomadas para viabilizar a montagem da estrutura do hospital, informando se já existe procedimento administrativo que aborde a contratação desses serviços e em que fase se encontra.

O conselheiro Gilberto Jales determinou ainda a intimação da Controladoria Geral e do Governo do Estado, através dos seus titulares, para ciência das constatações pontuadas no Relatório de Acompanhamento, especialmente no que diz respeito à adoção de meios para conferir maior transparência e publicidade no que se refere aos valores orçamentários e à execução de despesas relacionadas especificamente ao enfrentamento da pandemia.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Felipe disse:

    E quem aponta inconsistências na folha de pagamento do TCE? Quem fiscaliza o fiscal?

Com menor capacidade, hospital de campanha de Natal já tem valores estimados acima do Hospital de Campanha da Arena das Dunas

O secretário municipal de Saúde de Natal, George Antunes, foi ao Jornal das 6 nesta terça-feira em reação as publicações do Blog do Dina sobre os valores do Hospital de Campanha de Natal.

Reportagens do blog ao longo do dia mostraram que o equipamento municipal já tem contratos que se aproximam de R$ 29 milhões.

Questionado pelo jornalista sobre os valores do hospital de campanha de Natal, Antunes afirmou que foram empregados R$ 12 milhões para colocar o Hotel Parque das Costeiras em condições ideia para ser um hospital.

A esse valor se somam R$ 19,1 milhões em contrato para técnicos e 7,3 milhões para pessoal de serviços gerais.

Tanto no Estado como no Município, os valores globais funcionam como teto. O estado anunciou que seu teto é R$ 37 milhões para um hospital com 53 utis.

O município já tem estimativas de teto de R$ 38,4 milhões, faltando ainda informar quanto pretende gastar para contratar médicos.

REPORTAGEM NA ÍNTEGRA NO LINK ABAIXO:

Com menor capacidade, hospital de campanha de Natal já tem valores estimados acima do equipamento do Estado na Arena das Dunas

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo Arias disse:

    A primeira pergunta é: QUE (OU QUAL) HOSPITAL DE CAMPANHA DO GOVRN???

    NÃO TEM HOSPITAL DE CAMPANHA DO GOVRN!

    Não existe comparação. O Estado do RN está sendo administrado por incompetentes.

  2. Zé colmeia disse:

    *A DIFERENÇA ENTRE OS INVESTIMENTOS DO HOSPITAL DE CAMPANHA DA PREFEITURA DE NATAL E DO GOVERNO DO ESTADO*

    *INVESTIMENTOS DA PREFEITURA:*

    – Tem custo total podendo chegar a aproximadamente 37 milhões de reais para ser investido em três unidades: Hospital de Campanha, Hospital dos Pescadores e Hospital Pediátrico.

    – Todos os equipamentos incluídos nos custos são comprados e após a pandemia ficarão à disposição das unidades de saúde para a população de Natal.

    *INVESTIMENTOS DO ESTADO*

    – Custo total podendo chegar a 37 milhões de reais para serem utilizados em um único hospital temporário na Arena das Dunas.

    – Os equipamentos a serem usados no hospital serão alugados e após o fim da pandemia serão devolvidos, nada fica para a saúde pública do RN.

  3. Zé olho vivo disse:

    Importante é está pronto pra atender, que o mp e órgãos de controle se debruçem sobre os contratos. Parabéns ao prefeito

    • Miranda disse:

      Façam os hospitais de campanha. Depois os órgãos de controle atuarão e, se for o caso, punirão os responsáveis

Prefeitura de Natal contrata sem licitação R$ 19,1 milhões em técnicos para o hospital de campanha em coleta de preços sem divulgação

O Blog do Dina – por Dinarte Assunção, noticia nesta terça-feira(14) que a gestão do prefeito Álvaro Dias, de Natal, contratou por R$ 19.158.626,40 a empresa T&N Saúde para ofertar profissionais terceirizados para combater a pandemia de covid-19.

A contratação foi sem licitação em razão de decreto de calamidade. A empresa foi escolhida entre seis após coleta de preços. Essa fase, no entanto, não teve publicidade na imprensa, apenas no Diário Oficial do Município. Matéria completa aqui.

Veja mais: Empresa contratada por R$ 19 milhões para hospital de campanha de Natal diz não saber principal informação do contrato

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rafael Franco disse:

    Cadê o sindicato dos médicos para fazer zuada ?

  2. Eduardo Peixoto disse:

    Não tem mais o que comentar, pois governadores e prefeitos que nunca se preocuparam de verdade com a saúde do povo estão agora ajudando a decretar a falência do país. O Brasil precisa saber qual "ôba ôba" será a bola da vez, pois é preciso que as torcidas se preparem com antecedência.

  3. Emerson Fonseca disse:

    Cadê os comentários…. kkkkkk. Se fosse o Governo do Estado já tinha uma ruma 😂😅😅😂

Anunciado por R$ 8 milhões, hospital de campanha de Natal já soma contratos sem licitação de quase R$ 29 milhões, destaca reportagem

É destaque no Blog do Dina – por Dinarte Assunção, nesta terça-feira(14). Anunciado por R$ 8 milhões, o hospital de campanha de Natal já soma contratos de R$ 28.683.203,75. Em 1º de abril, reportagem da Tribuna do Norte com o secretário de Saúde, George Antunes, trazia, a partir de declaração deste, que R$ 8 milhões era o valor investido no equipamento. O Diário Oficial do Município desmente essa versão.

Contratos para aquisição de pessoal estão sendo publicados e somam a quase totalidade dos custos. Com técnicos, conforme revelou o blog, a despesa contratada para seis meses é de R$ 19,1 milhões.

Todos os detalhes aqui em reportagem na íntegra.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justiceiro disse:

    Vai sair mais caro que o do Governo do Estado. E ninguém vai dizer nada…
    Cadê o Sindicato dos Médicos?
    Cadê o Conselho Regional de Medicina?
    Cadê os Ministérios Públicos Estadual e Federal???

  2. Eduardo Peixoto disse:

    Nildo está certo.

  3. Manoel disse:

    Temos eleições municipais neste ano…

    • NILDO disse:

      Sempre tem eleições e continua a mesma coisa kkkkkkkkkkkkkk entre um e o povo diz vote certo outro diz proximo ano em eleições e continua a mesma coisa.

HOSPITAL DE CAMPANHA: Governo do Estado deve anunciar resultados nos próximos dias após sete empresas apresentarem propostas

Fotos: Elisa Elsie

Sete empresas apresentaram propostas que estão sendo analisadas. As propostas são para contratação de serviços diferentes como fornecimento de equipamento, pessoal e insumos. Nos próximos dias, o Governo deve anunciar o resultado da avaliação.

O secretário-chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves, disse que a pandemia da Covid-19 exige acompanhamento diário pelo Governo e citou as reuniões realizadas no final de semana com o setor supermercadista e com a Federação do Comércio. “Ainda nesta segunda teremos nova reunião para tratar de possíveis ajustes no decreto que estabelece o fechamento do comércio aos domingos e feriados”, declarou.

Segundo o secretário, o Governo tem ouvido e negociado permanentemente com todos os setores da sociedade para tomar decisões. “A orientação da governadora Fátima Bezerra é negociar, o que estamos fazendo também com os municípios. Os números crescentes preocupam e precisamos contar com a colaboração da população, das várias instâncias do poder público e do setor produtivo”, enfatizou Raimundo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo Andrade disse:

    Absurdo isso, o Governo do RN não tem oq fazer não? Gastar, gastar e gastar sem ter a responsabilidade, uma guerra besta partidária e q só q se réa é o povo.

  2. Rocha disse:

    Dar sim ABEL,
    Basta reativar p Rui Pereira em Natal Deoclecio em Parnamirim, fazer o Tarcísio Maia funcionar com capacidade, é outras unidades que só necessitam de uma pintura e higienização e claro condições pra operar, mais isto não dá visibilidade política.
    Um dos maiores problemas que a população nacional e aqui no estado vivemos, é o politização que foi impregnada ao COVID19, esfera federal, estadual e municipal.

  3. Bolsonaro incapaz disse:

    Frescura. Libera todo mundo pra trabalhar. Acabem com esse isolamento fajuto. E os empregos? Ninguém pensa nesse país?

  4. Dalton disse:

    Do jeito que vai só estará pronto quando chegar na previsão do secretário dos 10mil óbitos… Será possível. A quarentena era para justamente se organizar a parte estrutural da saúde, era esse o paciente, nada até agora. Tenhamos fé povo potiguar. Parece que estamos vendo um exemplo de ineficiência e ineficácia. Triste…

  5. Silva disse:

    Enquanto isso com 5 milhões abriríamos 40 leitos nós hospital da PM ! E esses leitos ficariam para o RN.

  6. Ivan disse:

    Quando os leitos desse hospital estarão disponibilizados à população? É apenas isso que importa… Já fazem 30 dias de isolamento e esse hospital ainda está em fase de licitação???? Qnd o pico chegar, esses leitos já estarão operantes????

  7. Francisco disse:

    Planejamento começa com a construção no estacionamento do Arena das Dunas e não no gramado. Vamos usar a consciência, isso vai passar ai teremos um novo gasto com o gramado.

  8. natalsofrida disse:

    KD os donos da razão? Isso só vai funcionar, quando tudo estiver passado, igual as obras da copa que o pt financiou. Aprendeu direitinho essa sem noção.

  9. Luciana Morais Gama disse:

    Tá do jeito que o PT gosta.

  10. Chicão disse:

    Pelas previsões do secretário de saúde, a construção desse hospital de campanha só irá funcionar após o pico da doença, logo, já não será nescessário. Agora, tem mais é que investir no hospital públicos e privado s que já temos, e equipa-los de forma que possam atenderem aos casos graves. Só assim, a contribuição do governo, mesmo tardia, irá ser determinante para salvar vidas. Caso contrário, será a prova cabal da incapacidade administrativa do governo de Fátima.

  11. Abel disse:

    Rapaz!!!
    37. PAUS.
    É muita grana, pra depois ser desativado.
    Será, que não dava pra planejar melhor esse gasto??

Hospital São Luiz, em Mossoró, suspende atividades em caráter temporário para assistência exclusiva ao Governo do Estado a pacientes afetados pelo Covid-19

Foto: Reprodução/Trecho de comunicado

Hospital São Luiz, no bairro Nova Betânia, em Mossoró, em manifestação do Governo do Estado e gestão local SUS, após estado de calamidade, informa aos planos de saúde e prestadores que o espaço disponibilizado para a assistência a pacientes afetados pelo Covid-19.

Conforme ofício, o hospital confirma a suspensão de seus serviços, em caráter temporário e emergencial, “fundamentado pelo interesse público”.

Governo do Estado envia comunicado esclarecendo: “Porque um hospital de campanha no RN?”

Imagem: reprodução/Arena das Dunas

Confira abaixo a nota de esclarecimento do Governo do RN sobre a contratação a gestão do hospital de campanha que será erguido na Arena das Dunas. Ação que é alvo de investigação do Ministério Público por suspeita de favorecimento.

O Governo do RN, por meio da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) e do seu titular, Cipriano Maia, vem a público mais uma vez esclarecer sobre a contratação em caráter emergencial de uma Instituição Filantrópica ou Organização Social para gestão do Hospital de Campanha. O complexo deverá ser erguido no estádio Arena das Dunas e terá a oferta de 100 leitos (sendo 53 de UTI adulto, 45 leitos de retaguarda clínica e 2 de isolamento) a serem utilizados exclusivamente para fins de tratamento de pacientes contaminados com o novo coronavírus.

O Hospital foi pensado inicialmente utilizando a área já coberta, interna do Arena das Dunas, tendo em vista que os custos e o tempo seriam otimizados. Dada a projeção dos casos e a oferta insuficiente de leitos na rede pública do Estado, a Secretaria de Estado optou por ampliar sua capacidade de atendimento hospitalar por meio de um Hospital de Campanha durante a pandemia. Ressalta-se que além do Hospital, também está em curso à ampliação de mais de 100 leitos de UTI nos Hospitais Regionais da Rede Pública, incluindo os leitos do Hospital Pedro Germano e os Hospitais Regionais. Para tanto, foram adquiridos equipamentos e a contratação (chamamento do concurso público e seleção temporária), reformas para adequação física dos hospitais, entretanto, essas medidas ainda são insuficientes dada a previsão inicial da necessidade estimada.

Essa estimativa de leito, foi realizado por profissionais da SESAP com expertise técnica na área e tomou como base aspectos relacionados ao:

* • Tempo de permanência do paciente no hospital, tempo de duração da crise;
* • Taxa de infecção;
* • Capacidade instalada da rede própria, incluindo leitos de UTI existentes;
* • Taxa de complicação dos casos;
* • Medidas de controle domiciliar
* • Equipamentos serão necessários para atendimento;
* • Número de pessoas que serão internadas;
* • Necessidade de recursos humanos;
* • Número de pessoas com complicações clínicas;
* • Hospitais aptos para receber os pacientes;
* • Itens serão necessários (materiais e medicamentos)
* • Número de leitos necessários
* • Pacientes com planos de saúde (saúde suplementar);
* • Taxa de internação esperada;
* • Capacidade dos hospitais privados;
* • Fontes extras de recurso;
* • Medidas de bloqueio da transmissão (propagação);
* • Complicações esperadas.
* • Além disso, essa estimativa se deu com base na análise do cenário internacional dos países já cometidos pela pandemia.
Há que se considerar a escassez de profissionais no Estado e as dificuldades estruturantes existentes no Sistema Único de Saúde, as quais não acontecem apenas em nível do Estado do RN. É notória a dificuldade mundial em prestar assistência adequada a população devido a escassez de equipamentos, EPIs, insumos e profissionais de saúde para atuar nesse contexto extremo.
Importante ressaltar que foram realizadas várias ações no sentido de buscar soluções e parcerias para a ampliação dos serviços, tais como parceria com o Exército e Hospital Universitário, contudo todos sofrem com as mesmas dificuldades para o enfrentamento dos casos. Além, disso essas Instituições já estão sobrecarregadas com as demandas cotidianas existentes. Segundo as informações obtidas junto ao Comando da 7ª. Brigada, a Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Militar se encontra em obras e o Hospital Universitário Onofre Lopes já está fazendo adequações, porém ainda não são suficientes para o número de casos esperados.

Vale ressaltar que esforços administrativos estão sendo feitos para se abrir leitos de UTI dentro dos hospitais da SESAP, entretanto, ainda levarão um razoável espaço de tempo (apesar do esforço conjunto entre as diversas Secretarias do Estado).
Já em operação novos leitos em Caicó, Pau dos Ferros, Currais Novos e em fase de finalização as obras em Mossoró, hospital Tarcísio Maia e em Natal, anexo clínico do hospital João Machado e Macaíba, com 20 leitos os dois primeiros serviços. Mossoró já possui equipamentos e RH. João Machado e Macaíba ainda não.

Em reunião no mês anterior com o Hospital da Polícia Militar, a SESAP assumiu o compromisso de colocá-lo em funcionamento, habilitando inclusive essa unidade para receber repasses do governo federal. Nessa unidade, pelo plano de leitos COVID, serão abertos 10 leitos de UTI e 30 leitos de enfermaria. Os equipamentos serão locados para 8 leitos com equipe de enfermagem.

No Hospital Giselda Trigueiro, ainda em fase de abertura de 25 leitos de internação. Recentemente foram nomeados por meio do chamamento do concurso público vários profissionais de saúde, entretanto, a abertura de novos leitos uma quantidade significativa de profissionais.

Conforme o Plano Estadual de Contingência para o enfrentamento ao COVID também serão abertos novos leitos em vários hospitais da rede pública, onde serão também abertos serviços de UCI, que exigem menos pessoal e menor número de equipamentos em relação a uma UTI.

Por que a contratação escolhida foi o de Organização Social

A opção do chamamento não se restringe ao modelo de Organização Social, visto que poderão concorrer também prestadores filantrópicos. Considerando o fato de que o contexto da pandemia exacerbou a demanda por serviços hospitalares entende-se que não é oportuna restringir a participação de outros modelos de gestão no certame, cujo objeto é de extrema relevância social e de caráter emergencial. Além disso, em contato com os outros Estados identificou-se que esse modelo já foi adota nos Estados do Ceará, Goiás, São Paulo, entre outros. É preciso considerar a dificuldade operacional (equipamentos, recursos humanos, insumos) do Estado em gerir uma estrutura desse porte, em curto espaço de tempo, dada a necessidade de resposta rápida que a situação exige, no sentido de preservar vidas.

Considerando o fato de que o contexto da pandemia exacerbou a demanda por serviços hospitalares entende-se que não é oportuna restringir a participação de outros modelos de gestão no certame, cujo objeto é de extrema relevância social e de caráter emergencial. Além disso, em contato com os outros Estados identificou-se que esse modelo já foi adota nos Estados do Ceará, Goiás, São Paulo, entre outros. É preciso considerar a dificuldade operacional (equipamentos, recursos humanos, insumos) do Estado em gerir uma estrutura desse porte, em curto espaço de tempo, dada a necessidade de resposta rápida que a situação exige, no sentido de preservar vidas. Nesse sentido, o Hospital deverá integrar, de forma provisória, como uma retaguarda a mais aos serviços já existentes.

Como foram estimados os preços

Em relação aos valores os preços foram estimados com base na média dos preços praticados em outros estados, nas propostas de valores recebidos por alguns Hospitais privados aqui no Estado e na estimativa dos valores dos leitos privados já contratados pelo Estado. Foi estimado um valor médio da diária global para leitos de UTI de R$2.560,00 e de leitos de clínica e isolamento de R$ 1.500,00.

Segue abaixo a memória de cálculo:

Estimativa Mensal

– Valor Mensal Leito UTI: R$ 2.560,00 (diária) x 30 dias x 53 leitos

– Valor Total Mensal dos Leitos de UTI: R$ 4.070.400,00 (quatro milhões e setenta mil
e quatrocentos reais)

-Valor Mensal Leitos Clínica+Isolamento = R$ 1.500,00 (diária) x 30dias x 47 leitos

– Valor Total Mensal Leitos Clínica+Isolamento = R$ 2.115.000,00 (dois milhões
cento e quinze mil reais)

Estimativa de Valores dos Leitos por 6 meses

– Valor Leitos de UTI por 6 meses = R$ 4.070.400,00 (30 dias) x 6 meses=
R$24.422.400,00 (vinte e quatro milhões, quatrocentos e vinte e dois mil e quatrocentos
reais)

– Valor Leitos Clínica +Isolamento por 6 meses: R$2.115.000,00(30 dias) x 6 meses =
R$12.690.000,00 (Doze milhões, seiscentos e noventa mil reais)

– VALOR GLOBAL DE TODO CONTRATO POR 6 MESES (LEITOS DE
UTI+CLÍNICA+ISOLAMENTO): R$37.112.400,00 (trinta e sete milhões, cento e
doze mil e quatrocentos reais)

– VALOR GLOBAL DE TODO CONTRATO MENSAL (LEITOS DE UTI+CLÍNICA+ISOLAMENTO): R$ 6.185.400,00 (seis milhões, cento e oitenta ecinco mil e quatrocentos reais)

A Sesap esclarece ainda que tem atuado em Natal, região metropolitana, Mossoró e demais cidades do interior para ampliar a assistência aos potiguares acometidos pela pandemia. Todos, absolutamente todos os leitos possíveis na rede própria serão reaproveitados, mas como explicado acima, são insuficientes para atender a demanda.

Por fim, o Governo do Estado reafirma o compromisso de seriedade, honestidade e transparência, marcas desta gestão, e reforça o convite aos órgãos de controle – Ministérios Públicos Estadual e Federal e Tribunal de Contas do Estado – por entender a importância dessas instituições participarem e acompanharem as ações que visam o atendimento à população em tempos de pandemia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justus disse:

    Tá bom. Se é assim, cadê a parte de sacrifício dessa ONG/entidade filantrópica em abrir mão de algum milhão para colaborar no "esforço de guerra".?

  2. Clara disse:

    Vocês estão doentes…

  3. Roberto disse:

    Há ptzada. JESUS SALVE A TODOS .

  4. Bel disse:

    Esse elefante branco, mais uma vez, palco da PROPINA.

  5. PT só CANALHAS disse:

    Não precisa explicar, pra fazer caixa pra campanha. Um estado que fecha hospitais e agora que criar hospitais provisórios.

  6. Lucianobrito disse:

    Vai enganar a judas e Barrabás.

  7. Cesar Augusto disse:

    Muito estranho, 2000 ( dois mil ) leitos distribuídos em dois hospitais de campanha em SP custar R$ 35.000.000,00 e 200 ( duzentos) leitos no RN para um hospital de campanha, custar R$ 37.000.000,00… Precisa muito esclarecimento, mesmo considerando que aqui são leitos de UTI, a conta não fecha, ou a informação não está correta.

  8. Ricardo Lúcido disse:

    Muito esclarecedor o comunicado . Agora pode ser que ainda um ou outro não entenda , nesse caso só desenhando . Não votei na governadora Fátima , mas acho que ela está gerindo bem a crise junto com o prefeito . O maior problema tem sido o BANANA , votei nele e me arrependo , esse não tem jeito e vai se complicar maus se perder Mandetta .

  9. Natal disse:

    Esse pessoal do PT não se cria, se for fazer um filme não vai ter um bandido, só mocinho! Ah, ladrão!

  10. Manoel disse:

    Que ótimo que já apresentaram justificativas… Vamos ver se convence o ministério público e a justiça…

    • Erlando martins disse:

      Vão usar o corona vírus pra roubar dinheiro público mais uma vez,assim fizeram com a copa,por que não investir nos hospitais já existentes,pelo menos no passar desta pandemia ficaria um legado para a população,pt sendo pt.

Sindicato dos Médicos do RN entra com liminar para suspender licitação do Hospital de Campanha do Estado na Arena das Dunas

Nesta sexta-feira (3) o Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed/RN) entra com uma liminar para suspender a licitação aberta pelo Governo do Estado para montagem de um Hospital de Campanha na Arena das Dunas.

A licitação custará R$ 37,1 milhões aos cofres públicos e prevê o contrato com uma organização social para cuidar do equipamento que vai disponibilizar 180 novos leitos pelo período de seis meses como suporte aos pacientes em tratamento do Coronavírus.

O processo já é alvo também de investigação por parte do Ministério Público Estadual que analisa a legalidade do ato.

“Consideramos totalmente equivocada essa ação do Governo. De um lado temos mais de 200 leitos novos a serem abertos em dois hospitais públicos, o da Polícia Militar e o Deoclécio Marques de Parnamirim, que ficarão para a população após a pandemia. Temos o Hospital Rui Pereira em desativação já com dois andares ociosos e o Regional de Canguaretama ainda fechado por falta de condições sanitárias. Do outro o executivo propõe um hospital improvisado por seis meses ao custo de quase R$ 40 milhões. É um absurdo e demonstra a total falta de uma coordenação para abordar esse momento extremamente delicado”, contesta Geraldo Ferreira, presidente do Sinmed/RN.

Segundo levantamento do sindicato, o Hospital da PM está com 150 leitos novos já prontos, sendo 130 de enfermaria e 20 de UTI, faltando apenas mão de obra para que entrem em funcionamento. O Hospital Deoclécio Marques também tem 80 leitos novos de enfermaria praticamente prontos para serem utilizados, precisando só das camas e acabamentos. Sem contar nos 200 disponíveis nos hospitais privados do Estado que já trabalham com o SUS.

“Além disso soma-se a decisão de tirar os queimados do setor onde eram tratados no Hospital Monsenhor Waldredo Gurgel para colocá-los em um local inadequado. Vale salientar que é o único setor de queimados do Estado. E por fim o fechamento da porta aberta do Hospital João Machado jogando os pacientes da saúde mental para a rede básica. É crime em cima de crime na saúde pública do Rio Grande do Norte”, finaliza o presidente do Sinmed/RN.

Fonte: Sinmed RN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Edson disse:

    Falar em roubo é suavizar a atitude da governadora,
    Muito bem, doutrinada, pelo seu, guia e modelo…É um crime, contra o povo do nosso estado,. Quem realmente conhece o Projeto do PT, não se surpreende nem um pouco,…

  2. Antônio napoles disse:

    Todo castigo é pouco pra quem votou no PT. Pior que quem não votou também vai pagar. Puta que pariu.

  3. Artur Mathias disse:

    Parabéns a todos os envolvidos!

  4. Ivan disse:

    Enquanto a imprensa nacional passa, diuturnamente, toda a sua grade de programação na TV e Rádio, analisando e dando ênfase negativa ao passeio de Bolsonaro junto aos comercintes da periferia do DF, a PETEZADA e seus satélites estão aproveitando essa pandemia pra PASSAR A MÃO….Acordem!!!!! A imprensa local tb tem que ser responsabilizada, ficam o tempo inteiro com esse discursso "FIQUE EM CASA"…são coniventes sim!!!!

  5. Valéria disse:

    Parabéns aos médicos!!!!!!!!!

  6. Almir Dionísio disse:

    Apoiado, isto é um absurdo c un estado com tantos hospitais públicos praticamente vazios espalhados nos municípios e esquecidos pela gestão atual que quer passar a responsabilidade para os municipios.
    Se vcs percorrerem esses hospitais verão q tem condições de implantar os serviços, podendo ajudar, inclusive vários em processo de ampliação e implantação de leitos de UTI.
    Trabalho como profissional de saúde em um hospital público e sei a realidade.
    O problema é que a gestão atual afastou os bons técnicos e trouxe um monte de gente da UFRN q não tem experiência em gestão e sim em docência e discussão.
    O momento requer ação.
    Como um estado financeiramente quebrado resolve no calar da noite uma contratação dessas sem consultar os órgãos de controle???
    Pq não se juntabem uma ação com a prefeitura das grandes cidades para assim buscar alternativas p equipar os hospitais regionais c maiores condições de receber pacientes mais graves.
    Precisa descentralizar as ações, até pq em Natal já teremos o do hotel parque da costeira
    Discuta c o prefeito e dividam as despesas daqui de Natal c a disponibilização de leitos tb para pacientes da área metropolitana.
    Busque ações mais enérgicas p a região do Oeste, vez q 3 óbitos são de Mossoró.
    Falta traquejo na equipe da Governadora e do Dr. Cipriano

  7. Jacio disse:

    Parabéns governadora fora bozo

    • Marcelo disse:

      Como é que dá os parabéns para uma atitude dessas? Inexplicável

  8. Bill disse:

    Como explicar, um uma coisa dessa,bum gasto tão grande ??

  9. Tia Rebelde disse:

    Finalmente uma atitude top. Parabéns ao sindicato, parabéns aos profissionais da saúde que estão na linha de frente… com ou sem COVID trabalhando em situação de risco. APOIADÍSSIMO !!!!!! Estamos a orar por todos.

  10. Silva disse:

    Um sindicato??
    Um grande sinal que as coisas estão totalmente desconectados.
    Fora Fátima!!

  11. Naldin disse:

    Isso é somente o PT sendo o PT!!

  12. Silva disse:

    Tudo culpa de Bolsonaro !!!

  13. Silva disse:

    Não podemos mais aceitar esse tipo de coisa, Muito bem e o nosso dinheiro 👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽 . Em Macaíba a governadora tirou as camas , deslocou pra onde??? E assim vai …

  14. Prmo disse:

    Cadê ???? Bora bate panela contra a Governadora !
    Cadê os batedores de panela seletivos ???

  15. Prmo disse:

    Finalmente alguém acordou!
    Isso é de uma SAFADEZA SEM LIMITES. No momento em que estamos vivendo onde todos os recursos podem salvar vidas os nossos governantes tem tipo de atitude. Mas , quem mandou votar no PT! ONDE TEM PT TEM ROUBO !