Esporte

FUTEBOL POTIGUAR DE LUTO: Presidente do Alecrim morre por complicações da Covid-19 em Natal

O presidente do Alecrim Futebol Clube, Ubirajara de Holanda Cavalcante, morreu nesta quarta-feira (12) em decorrência de complicações da Covid-19.

Ubirajara estava internado em Natal desde o mês passado e na segunda-feira (10) precisou ser intubado. A situação se agravou e ele morreu nesta quarta.

Alecrim emite nota:

“É com pesar que informamos aos nossos amigos, parceiros, atletas, colaboradores e imensa torcida alecrinense sobre o falecimento do nosso eterno presidente Ubirajara. É com muita tristeza que damos adeus a uma pessoa incrível, competente e que sempre honrou a história e camisa desse clube. Ubira estava internado desde o mês passado com COVID e teve uma piora em seu quadro recentemente. Ubira lutou como um verdadeiro guerreiro! Nossos sentimentos a toda família”.

Opinião dos leitores

  1. Que tristeza. Mais um amigo perdido para esse terrível vírus. Ubira, grande homem. Já sinto saudades. Vá em paz amigo, Deus te espera.

    1. meu colega da cef, gente fina , muito divertido…daixa saudade…abraços a sua esposa terezinha e filha.

  2. Que Ubirajara descanse em paz. Torcedor apaixonado pelo Alecrim. Nossos votos de pesar a família e a todos os alecrinenses.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Estudo da UFRN mostra benefícios de aminoácido encontrado na cebola e no alho no tratamento de complicações causadas pela diabetes e ganha destaque internacional

Foto: Ilustrativa

Terceira maior causa de mortes naturais no Brasil, o diabetes atualmente acomete ao menos 13 milhões de pessoas no país, segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes. Caracterizada pela incapacidade do organismo de produzir ou utilizar adequadamente a insulina, hormônio responsável pelo controle do nível de glicose no sangue, a doença pode levar a graves complicações se não for devidamente tratada.

Por outro lado, é possível conviver com diabetes e levar uma rotina relativamente normal, desde que os tratamentos recomendados sejam seguidos e uma alimentação saudável faça parte do cotidiano. Ainda assim, a busca para melhorar a qualidade de vida das pessoas acometidas pela doença e para evitar que ela seja adquirida movimenta o meio científico a todo o momento.

Assim, um estudo, realizado pelo grupo de pesquisa Plasticidade Morfofuncional dos Sistemas Orgânicos. Microscopia Celular e Tecidual, evidenciou que a substância s-metil cisteína pode amenizar os efeitos danosos da diabetes no intestino. O aminoácido está presente em vegetais do gênero allium, como o alho (Allium sativum) e a cebola (Allium cepa L), e sua atuação no organismo foi descrita em um artigo.

Intitulado Sulfóxido de S-metil cisteína melhora as alterações morfológicas duodenais em ratos diabéticos induzidos por estreptozotocina, o trabalho foi publicado recentemente, recebendo destaque na capa em edição impressa do periódico científico Tissue and Cell. Concluída a fase pré-clínica, os pesquisadores vão investigar outros fatores e preparar o caminho para testes com pacientes diabéticos.

O trabalho foi publicado recentemente, recebendo destaque na capa em edição impressa do periódico científico Tissue and Cell. (Foto: Divulgação)

Entre os benefícios apresentados pela substância estão o seu efeito hipoglicemiante, ou seja, a capacidade de reduzir a glicose no sangue, e sua atuação anti-inflamatória, ao modular a interleucina 10 e o fator nuclear kappa B. Outra característica demonstrada foi a diminuição de alterações no volume da mucosa intestinal causadas pela hiperglicemia. Essas alterações intestinais, em diabéticos, geralmente estão associadas a distúrbios gastrointestinais como diarreia crônica e atraso no esvaziamento gástrico.

“A administração desse aminoácido pode ser uma terapia alternativa promissora para as alterações intestinais causadas pela Diabetes Mellitus. No entanto, mais estudos são necessários para compreender totalmente os mecanismos moleculares subjacentes envolvidos”, Valéria Milena Dantas de Castro, autora principal do artigo, desenvolvido em seu mestrado no Programa de Pós-Graduação em Biologia Estrutural e Funcional do Centro de Biociências (CB/UFRN).

No entendimento da professora do Departamento de Morfologia e coautora do artigo, Naisandra Bezerra da Silva Farias, os resultados do trabalho apresentam indícios interessantes. Para a pesquisadora, ainda é preciso compreender melhor como a substância atua em outras partes do organismo.

“São resultados importantes pois demonstram que uma dieta saudável com a inclusão da cebola pode amenizar danos teciduais relacionados à diabetes. O grupo ainda está desenvolvendo estudos avaliando a ação do aminoácido em outros órgãos, como vasos sanguíneos e rins, uma vez que os sistemas circulatório e urinário são os mais afetados pela doença”, revela Naisandra.

Diante das informações geradas por essa etapa do estudo, o grupo pretende avançar no conhecimento da ação da s-metil cisteína. “Esperamos, em um futuro próximo, que nossos resultados possam contribuir para o desenvolvimento de pesquisas clínicas em humanos”, planeja a professora Naisandra

Também contribuíram com a autoria do artigo os pesquisadores Karina Carla de Paula Medeiros, Fernando Vagner Lobo Ladd, Raimundo Fernandes de Araújo Júnior e Bento João Abreu, do Departamento de Morfologia (DMOR/UFRN), Licyanne Ingrid Carvalho de Lemos e Lucia de Fátima Campos Pedrosa, do Departamento de Nutrição (DNUT/UFRN), e Thaís Gomes de Carvalho, do Centro de Ciências da Saúde (CCS/UFRN).

Todos os autores são integrantes do grupo de pesquisa Plasticidade Morfofuncional dos Sistemas Orgânicos. Microscopia Celular e Tecidual. Com caráter multidisciplinar, o grupo reúne profissionais e pesquisadores de diversas áreas da saúde para buscar alternativas voltadas aos danos causados no organismo pela diabetes. Desde 2010, são desenvolvidas pesquisas investigando a ação da atividade física, de extratos, suplementos e o tratamento com câmera hiperbárica em alterações morfológicas sistêmicas relacionadas à doença.

Com UFRN

 

Opinião dos leitores

  1. Isso É antigo pra caramba!!!
    O Alho e Cebola já foi objeto de pesquisas pela Universidades do Mundo! Podem pesquisar!
    Até minha avó já dizia isso!

  2. Tem que investir em pesquisa. Tem que ter recursos. Pesquisa não é custo, é investimento.

  3. Tudo o que for para nós ajudar a ter uma melhor qualidade de vida, será bem vindo.
    Descobri que sou diabética com 26 anos.Hoje tenho 70.Graças a Deus , as insulinas e tudo o que já j temos para o tratamento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Embora não previna, vacina pneumocócica age contra complicações da Covid-19, e tem sido recomenda por médicos

Foto: HVesna/Pixabay

Como forma de prevenir casos de pneumonia bacteriana (doença pneumocócica), que podem se somar às complicações causadas pela Covid-19, médicos têm recomendado a adultos a vacina pneumocócica 13-valente –conjugada (VPC13).

Embora não previna contra o novo coronavírus, a ideia é proteger o organismo de agravamentos causados por outras doenças responsáveis por pneumonias. Especialistas consultados pela CNN Brasil recomendam que o imunizante seja usado principalmente por pessoas dos grupos de risco preconizados pelo Ministério da Saúde.

A vacina pneumocócica 13-valente – conjugada (VPC13) previne infecções causadas pela bactéria Streptococcos pneumoniae. O microrganismo conhecido como pneumococo é responsável por doenças graves como pneumonia, meningite, bacteremia, septicemia e otite.

Além da VPC13, existem outros dois tipos de vacinas pneumocócicas registradas no Brasil: a vacina pneumocócica 10-valente – conjugada (VPC10) e a vacina pneumocócica 23-valente –polissacarídica (VPP23), que apresentam pequenas variações na composição, mas têm o mesmo objetivo de proteger contra doenças graves causadas por pneumococos.

Recomendações

O Ministério da Saúde recomenda o uso da VPC13 em esquema de três doses durante o primeiro ano de vida, com início a partir dos 2 meses de idade, além de uma quarta dose entre 12 e 15 meses e, no mínimo, dois meses após a terceira dose.

As crianças entre 1 e 2 anos ainda não vacinadas devem receber duas doses, sem necessidade de reforço. Crianças entre 2 e 5 anos de idade recebem dose única. Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a VPC13 previne cerca de 90% das doenças graves (pneumonia, meningite, otite) em crianças.

Crianças maiores de seis anos, adolescentes e adultos e idosos com doenças crônicas que justifiquem a vacinação, que não tenham sido imunizados na infância, devem tomar uma dose única. (veja quadro abaixo)

(Foto: Reprodução/CNN Brasil)

Uso da vacina em relação à Covid-19 é questionado

A pneumonia bacteriana está entre as complicações causadas pelo uso prolongado de ventilação mecânica, recurso que vem sendo utilizado com frequência em pacientes graves de Covid-19. No entanto, não há uma relação direta entre a doença pneumocócica e a Covid-19, segundo a vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai.

“O pneumococo não é uma bactéria que comumente causa infecção nos pacientes com Covid-19. Portanto, não há a recomendação técnica da vacinação contra o pneumococo para uma população que a gente não considera de risco por conta da Covid-19”, afirma Isabella.

Ela explica que a pneumonia causada por pneumococos é uma das complicações mais comuns da gripe, outra infecção respiratória, mas causada por vírus do tipo influenza. E que a gripe aumenta a susceptibilidade do indivíduo e facilita a infecção pelo pneumococo.

Oferta pelo SUS

A vice-presidente da SBIm reforça que as pessoas que fazem parte dos grupos recomendados pelo Ministério da Saúde devem buscar a vacinação junto à rede pública, nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIEs), disponíveis em todas as regiões do Brasil. “A vacina disponível nos CRIEs está sobrando. Muitas vezes, médicos e a população em geral desconhecem a disponibilidade dos CRIEs”, afirma.

A especialista destacou, ainda, a importância da imunização entre as crianças menores de seis anos. A vacina pneumocócica 10-valente – conjugada (VPC10) é oferecida de forma gratuita para esse público nos postos de saúde. “A cobertura vacinal está em torno de 60 a 70%, essas crianças precisam ser vacinadas. Para quem tem condições, uma opção é a vacina pneumocócica 13 na rede privada, também indicada para menores de 6 anos”, ressaltou.

A médica infectologista Rosana Richtmann, do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, afirma que a vacina oferece uma proteção a mais contra a pneumonia bacteriana, mas não deve ser alvo de corrida às clínicas pela população. “A indicação mais formal seria para a população acima de 50 anos, que teria maior risco de ter esse tipo de pneumonia”, afirmou Rosana.

A infectologista também reforçou a importância da imunização dos grupos prioritários. “As pessoas que fazem parte deles devem procurar a imunização o quanto antes. É um direito, e elas não precisam pagar para receber essa vacina”, ressaltou.

Sobre a bactéria pneumococo

O pneumococo (Streptococcus pneumoniae) é uma bactéria encontrada nas mucosas da orofaringe (parte da garganta localizada atrás da boca) e nasofaringe (parte superior das vias aéreas que serve de passagem a partir do nariz à garganta).

O microrganismo pode levar a infecções graves nos pulmões (pneumonia), no sangue (bacteremia, sepse) e na membrana que reveste o cérebro (meningite). As infecções mais invasivas, como a sepse e a meningite podem provocar quadros clínicos graves, levando à hospitalização e à morte. Segundo os especialistas, as vacinas são a melhor forma de proteção contra o pneumococo.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Os “coronalovers”, os verdadeiros negacionistas, que negam os efeitos benéficos de quaisquer remédios que possam ajudar no combate ao vírus, logo iniciarão uma campanha para impedir o uso dessa vacina. São incrivelmente previsíveis para o mal.

    1. A direita honesta do Brasil gosta tanto desses remédios infalíveis que se vacina escondido. Para os outros cloroquina para mim vacina ( por baixo do pano)

    2. Esse lê com força. Essa vacina age contra COMPLICAÇÕES oriundas do covid, diferente de ozônio e remédio para piolho.

    3. Tomei ivermectina, “cumpanhero”. Ela deve ter me ajudado quando tive o vírus, que veio fraquinho. Tomeintambém azitromicina e algumas vitaminas. E sol. Aconselho a todos fazerem o mesmo. Conheço vários “cumpanheros” seus que dizem não acreditar mas tomam ivermectina escondido, como vacina. Hipócritas. Não tenho pressa com vacina. Se for a chinesa, deixo prá vc, talkey? Vou esperar por uma melhor, lá mais prá frente. Já adquiri imunidade natural, mais confiável e eficaz. Quanto a vc, recomendo cuidar da sua vida e deixar a alheia de lado.

    1. O esquerdista é fã de terapias no final do aparelho digestivo…
      Não necessariamente ozônio.
      O esquerdista é um zumbi. Defende o comunismo, que é coisa ruim.
      Mas como foi contaminado pelo coronavirus, virou um morto vivo, defendendo a seita e seus líderes radicais.
      O comunismo é uma seita e seus seguidores fanáticos zumbis que passaram por lavagem cerebral nas universidades.
      O comunismo é atraso.
      Mas o zumbi Não raciocina.
      O zumbi segue as ordens da cúpula da seita.
      Se a cúpula diz que Cuba é um bom país, ele acredita.
      O zumbi serve de massa de manobra e age contra seu próprio país e seu futuro em nome da seita…

    2. Os asininos, aqueles que prestam vassalagem a bandidos, não ruminam? Rsrsrs

  2. BG, fala da pressão que vocês fizeram para o governo do RN usar todas as vacinas. Agora que tá faltando tão tudo calado.

    1. Vacinas estão chegando ao RN a todo momento. Não há falta de vacinas. No máximo, pode haver pequeno atraso, haja vista a enorme demanda e a grande velocidade de vacinação no Brasil. Mas, vacina é mesmo para ser aplicada, não traz qualquer benefício se permanecer estocada, sem uso.

    2. Tá pedindo demais Rivanaldo… Os Minions são infalíveis…eles não erram…e jamais reconheceriam um erro.
      Esqueça!

    3. Os bolsominions costumam cuidar da própria vida pois têm maturidade suficiente para isso. Repudiamos decretos e coação policial para determinar o que é melhor para nós mesmos. Isso é reflexo da nossa maturidade e senso de responsabilidade. Mas, bebês chorões e adolescentes irresponsáveis precisam mesmo ser tutelados.

    4. Esse direita “honesta” já disse que é um daqueles bozoloides, que corrupto e desocupados são os outros, mas deve ser o primeiro a furar fila e passa o dia aqui falando merda, e o moderador dos comentários adoram ele e o calígula, e exclui comentários de quem discorda, da direita bosta que existe no Brasil!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Criança de 6 anos morre em Natal por complicações da Covid-19

O portal G1-RN destaca em reportagem nesta quarta-feira(10) que uma criança de 6 anos de idade morreu com Covid-19 nesta quarta-feira (10) em Natal. A menina, que morava em São Gonçalo do Amarante, na região metropolitana, estava internada em um hospital privado da capital potiguar desde o dia 19 de fevereiro e não resistiu a complicações causadas pela doença.

A família da menina falou à Inter TV Cabugi que ela estava intubada há alguns dias, mas não quis dar entrevistas e pediu para a identidade da criança ser preservada. A Secretaria Estadual de Saúde ainda confirmou que criança tinha obesidade e asma – comorbidades que podem agravar a doença. Mais detalhes AQUI.

Opinião dos leitores

  1. Criança foi internada com derrame pleural, proveniente de uma pneumonia bacteriana, com quadro de obesidade infantil e asma. Provavelmente pegou Covid no hospital. Precisa que as informações sejam repassadas com muita precisão para não gerar pânico! Covid é grave, mas não pode ser utilizado para defender teses sem comprovação científica.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Complicações da Covid-19 podem atingir crianças e jovens até 19 anos de idade, alerta Sesap, sobre casos diagnosticados no RN

Foto: Elisa Elsie / Assecom-RN

A Secretaria de Estado da Saúde Pública do RN (Sesap) fez nesta sexta-feira, 31, alerta à população e aos integrantes dos serviços de saúde para a ocorrência de complicações pós-infecção por Covid-19 entre crianças e jovens de 0 a 19 anos de idade. Segundo a Subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesap, Alessandra Lucchesi, estas complicações foram objeto de nota de alerta emitida pelo Ministério da Saúde.

“A Covid-19 é uma doença nova e ainda em investigação. Há agora uma preocupação dos Governo Estadual e Federal para a síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica associada à Covid”, informou Alessandra. A síndrome pode acometer crianças e jovens de zero a 19 anos de idade com marcadores inflamatórios, febre e complicações cardíacas após infecção pelo novo coronavírus.

“Portanto, a população deve ficar atenta a sintomas como febre persistente, acima de três dias de duração. Nestes casos, os pais devem procurar atendimento médico. Já temos casos diagnosticados no Rio Grande do Norte que foram atendidos no Hospital Maria Alice Fernandes, em Natal. Foram dez crianças; nove receberam alta e uma está sob acompanhamento” informou a subcoordenadora.

Alessandra explicou que a vigilância deve ir além deste momento porque a convivência com o vírus terá um tempo maior. “Os casos estão sendo notificados e a Sesap está elaborando os protocolos clínicos para orientação à população, profissionais de saúde e municípios”, declarou.

Alessandra Luchesi ainda reforçou que é necessário continuar a articulação dos municípios com o Estado, que estes enviem informações com agilidade e efetividade à Sesap. “Isto é fundamental para mantermos o controle e a tendência de redução e para permitir à gestão estadual uma ação rápida nas situações que ameacem a tendência de queda nos novos casos. As medidas de higiene pessoal como desinfectar o celular, lavar as mãos, usar máscara e evitar aglomerações continuam a ser imprescindíveis para vencermos a pandemia”, lembrou.

ATUALIZAÇÃO DE DADOS

50.416 casos confirmados

1.777 mortes confirmadas

185 óbitos em investigação

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Prática de exercícios diminui chances de complicações da covid-19, diz estudo

Foto: Antonio_Diaz/iStock

Praticar atividade física é ideal para manter sua saúde em dia. Nos últimos anos, ela vem sendo associada com a queda nos riscos de doenças como câncer, entre outras doenças. Agora, pesquisadores americanos estão sugerindo que exercício físico pode impedir o desenvolvimento da SARA (Síndrome da Angústia Respiratória Aguda), caracterizada pela falta de ar, respiração rápida, tosse, fraqueza muscular e uma das piores complicações do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Segundo o estudo da Universidade de Virginia, a prática de exercícios físicos eleva a produção da enzima superóxido dismutase (EcSOD), produzida pelos músculos e associada à proteção do sistema cardiorrespiratório. “Sua baixa concentração aumenta o risco para doenças como pneumonia ou enfermidades crônicas respiratórias”, afirma o pneumologista Humberto Bogossian, do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, também sobe a chance de ocorrência de isquemia cardíaca (derivada da obstrução do fluxo sanguíneo) e falhas nos rins.

De acordo com os pesquisadores, a realização de exercícios em intensidade moderada é suficiente para obter os benefícios. “Exercício regular tem mais benefícios do que conhecemos. A proteção contra doenças respiratórias severas é um dos muitos exemplos”, afirma o médico Zhen Yan, chefe da pesquisa.

Confira algumas dicas antes de se exercitar Não é recomendado nem correr nem andar na rua sem máscara; Tome cuidado com lesões. A qualquer sinal, suspenda a atividade e procure um médico; Idosos podem fazer exercícios, mas dentro de casa. Atividades como andar pela casa ou se levantar e se sentar na cadeira podem ajudar.

Viva Bem – UOL

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ator Mark Blum, famoso em filmes como “Procura-se Susan Desesperadamente” e “Crocodilo Dundee”, morre aos 69 anos por complicações do coronavírus

Foto: Getty Images

O ator americano Mark Blum morreu nesta quinta-feira, 26, aos 69 anos, por complicações causadas pelo coronavírus. A informação foi confirmada pelo site TMZ.

Ele ficou conhecido ao estrelar os filmes Procura-se Susan Desesperadamente, em 1985, e Crocodilo Dundee, em 1986.

Na comédia Procura-se Susan ele deu vida ao marido da protagonista Roberta, interpretada pela atriz Rosanna Arquette, e contracenou com Madonna, também protagonista do longa.

Mais recentemente, o ator atuou como o Sr. Mooney na série de suspense psicológico You (Você), da Netflix.

Blum também era velho conhecido no cenário teatral de Nova York, tendo atuado em várias produções na Broadway, como Lost In Yonkers, The Best Man, entre outras. Ele também ganhou um prêmio Obie por seu trabalho na produção da Playwrights Horizons de uma peça de Albert Innaurto, “Gus and Al”.

Ele completaria 70 anos em maio.

A rápida disseminação do coronavírus já causou mais de 19.600 mortes em todo o mundo, incluindo várias celebridades. Acredita-se também que a Covid-19 tenha matado o dramaturgo americano Terrence McNally, a atriz italiana Lucia Bosè e o chef de celebridades Floyd Cardoz.

Marie Claire – O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *