Paracetamol aumenta tolerância ao calor e ajuda a prolongar o tempo de treino

2012070892816Tomar paracetamol antes do treino pode evitar o superaquecimento do organismo e prolongar o tempo de treinamento, segundo uma pesquisa da Universidade de Kent, no Reino Unido.

Os pesquisadores descobriram que a droga ajuda ciclistas a fazerem exercício por mais tempo, reduzindo o impacto do esforço no calor. O estudo foi publicado na revista “Experimental Physiology“.

Estudos anteriores já tinham mostrado que o paracetamol ingerido antes do exercício poderia elevar o desempenho através da redução da percepção de dor.

Neste novo estudo, 11 jovens praticantes recreacionais de ciclismo, todos homens, cumpriram um desafio em três partes. Primeiro, eles consumiram doses de paracetamol ou de placebo, depois pedalaram a uma intensidade fixa durante o maior tempo que conseguiam, em temperaturas de 18ºC e 30ºC.

Durante o exercício foram registadas as medidas de temperatura da pele e da medula, junto com a percepção do calor dos participantes.

Os resultados mostraram que a droga permitiu que eles pedalassem significativamente mais sob 30°C, uma média de quatro minutos e a medição de temperatura do corpo constatou que o exercício produziu menos tensão provocada pelo calor.

O Globo

Pagamentos de bônus e benefícios têm peso cada vez maior nos salários

No mercado de trabalho atual, mudar de emprego somente pelo salário pode ser uma armadilha. Quanto mais avançado o estágio da carreira, maior é a necessidade de entender a política da empresa de benefícios e bônus da nova companhia antes da decisão. “A pessoa deve olhar sempre a remuneração anual. O salário mensal é só uma parte da história”, diz Olavo Chiaradia, diretor da área de informações sobre remuneração do Hay Group.

Quanto mais o funcionário sobe na escala hierárquica, menor a importância do salário mensal em seus ganhos. Para diretores, o valor fixo mensal só representa 49% dos ganhos totais no ano – o restante é formado por benefícios (8%) e pelos bônus de curto e longo prazo (43%). Para o nível operacional, sem cargo de chefia, o salário mensal é 60% da remuneração anual. A importância dos benefícios é maior (33%), e o bônus só contribui com 7% (veja quadro ao lado).

Para um funcionário que trabalha numa fábrica, ganha R$ 2 mil e tem mulher e três filhos, explica Chiaradia, somente o seguro-saúde pode representar uma economia mensal equivalente à metade do seu ordenado. “Para um alto executivo que tem um filho só, a importância em relação à remuneração total será bem inferior”, explica o diretor do Hay Group. Portanto, o pacote de benefícios será uma forma muito mais eficaz de retenção do funcionário no primeiro caso do que no segundo.

Para profissionais que já exerçam cargos de gerência, é mais importante perguntar sobre a política de remuneração variável (como bônus e opções de ações) do que sobre benefícios. Isso porque, de certa forma, os pacotes de benefícios entre grandes empresas não variam muito. “Faz uns 10 ou 15 anos que não aparece nenhuma inovação na área de benefícios”, afirma Chiaradia. “Recentemente, a única novidade foi mesmo a introdução da previdência privada.”

Aposentadoria.

No entanto, os planos de aposentadoria, antes restritos a estatais e alguns poucos gigantes do mercado, já são vistos como “obrigatórios” para companhias que querem atrair profissionais de primeira linha. Segundo Chiaradia, neste caso, a disputa não se dá no benefício em si, mas no tamanho da contrapartida da empresa à contribuição do funcionário. Hoje, é comum que as empresas igualem a contribuição do funcionário, mas há casos de grupos que vão além e dobram o valor mensal reservado pelo empregado.

Para todos. A regra do mercado é que pessoas que exerçam cargos de chefia recebam bônus e benefícios melhores que o “chão de fábrica”. Às vezes, no entanto, é preciso adaptar esse sistema. A construtora MRV, por exemplo, estendeu o programa de opções de ações a engenheiros de obra. “Os programas de opções de ações são de cinco anos, com preço fixo garantido aos papéis”, explica Junia Galvão, diretora executiva de administração da empresa. “Tenho canteiros de obra com mais de mil unidades. Preciso valorizar os engenheiros.”

Fonte: Estadão

Policiais civis devem receber benefícios atrasados

O Estado do Rio Grande do Norte moveu recurso (Apelação Cível n° 2012.001226-0) contra o pagamento das diferenças salariais decorrentes da progressão funcional para agentes de 1ª Classe da Polícia Civil, no período de abril de 2004 a julho de 2006.

No entanto, os desembargadores, que integram a 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, não deram provimento ao apelo.

No recurso, o Estado relata que houve a implantação dos acréscimos provenientes da promoções de cada servidor, a partir do mês de julho/2006, e considerando a inexistência de dotação orçamentária, a SESED apresentou Proposta de Crédito Suplementar ao Conselho de Desenvolvimento do Estado (Ofício nº 086/2007), com o objetivo exclusivo de custear a aludida implantação da dívida.

No entanto, os desembargadores ressaltaram, entre outros pontos, que o Estado, embora reconheça o ato que promoveram os policiais e os seus direitos ao pagamento das diferenças salariais respectivas, sustenta sua impossibilidade em pagar a dívida, sob o argumento dos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal e ausência de dotação orçamentária.

O argumento não foi acolhido, já que o limite prudencial previsto na Lei Complementar Federal nº 101/2000, que instituiu normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, estabelece em seu artigo 19, § 1º, inciso IV, que se exclui do limite prudencial a despesa com pessoal determinada por sentença judicial.

Fonte: TJRN

Ter amigos por perto em momentos difíceis traz benefícios imediatos para o cérebro

A presença do melhor amigo na vida das pessoas é ainda mais importante do que se pensava – especialmente durante experiências negativas. Um estudo da Universidade de Concordia publicado na revista Developmental Psychology e conduzido com a colaboração de pesquisadores do Centro Médico do Hospital Infantil de Cincinnati descobriu que uma companhia amiga nessas situações tem um impacto imediato sobre corpo e mente das crianças. Um amigo fiel pode até minimizar os efeitos de um momento ruim.

Isso acontece porque os sentimentos de autoestima e os níveis de cortisol (um hormônio produzido naturalmente pela glândula adrenal em resposta direta ao stress) dependem muito do contexto social de uma experiência negativa. “Se uma criança está sozinha quando entra em apuros com um professor ou tem uma discussão com um colega de classe, vemos um aumento considerável nos níveis de cortisol e diminuição do sentimento de autoestima”, disse William M. Bukowski, coautor do estudo. Para descobrir isso, 55 meninos e 48 meninas da quinta e sexta séries de escolas locais de Montreal, no Canadá tiveram seus sentimentos e experiências monitorados ao longo de quatro dias. Eles também fizeram testes regulares de saliva para monitorar seus níveis de cortisol.

Já era fato conhecido que as amizades fazem bem para as crianças a longo prazo, mas este estudo prova que a presença de um amigo traz benefícios imediatos em experiências negativas. O resultado também dá mais uma pista sobre como formamos nossa identidade adulta a partir de experiências infantis. Nossas reações fisiológicas e psicológicas quando somos pequenos causam impactos em nossa vida mais tarde. O aumento de stress pode realmente retardar o desenvolvimento de uma criança, já que a secreção excessiva de cortisol pode levar a significativas alterações fisiológicas, incluindo a supressão imunológica e diminuição da formação óssea, por exemplo. Nossos sentimentos de autoestima nessa fase interferem muito em como vamos nos ver quando adultos. Sim: mesmo que percamos o contato com o tempo, devemos muito do que somos hoje aos nossos amigos de infância.

Fonte: Superinteressante

Ei amigos, comer chocolate ajuda a emagrecer. Aproveitem!

Fala a verdade, você passou a vida inteira esperando por essa notícia, né? Calma, os cientistas ainda não estão recomendando que você se atire de cabeça nos bombons. Mas um estudo da Universidade da Califórnia (EUA) apareceu para, ao menos, diminuir a sua culpa. Depois de analisar a dieta e o índice de massa corporal (IMC) de mais de mil voluntários, os pesquisadores constataram que as pessoas que comiam chocolate com moderação, mas regularmente, tendiam a ser mais magras do que as que nunca comiam chocolate nenhum.

O estudo deixa claro que ainda falta uma porção de testes para a gente entender o que, de fato, acontece. Mas sugere que o chocolate contenha certas substâncias que, em doses moderadas, podem alterar o metabolismo de forma que a quantidade de calorias consumidas que são transformadas em gordura e acabam depositadas nos seus pneuzinhos seja menor.

Já é um belo alívio. “As pessoas podem se sentir menos culpadas por comer chocolate”, reforça a médica Beatrice Golomb, líder do estudo. “Eu, com certeza, estou me sentindo menos culpada por dizer aos meus pacientes que chocolate é meu legume preferido“.

Fonte: Super

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jubian Siqueira disse:

    Quem consegue comer chocolate de forme moderada?

Procurador mossoroense quer acabar com auxílio-alimentação e outros benefícios dos juízes de todo pais

Um procurador federal de Mossoró quer impedir no Supremo Tribunal Federal (STF) o pagamento do auxílio-alimentação e outros benefícios a todos os juízes do País, federais, estaduais e do Trabalho.

Por meio de ação popular, Carlos Henrique Studart Pereira requer “imediata suspensão” dos efeitos da Resolução 133 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de junho de 2011, que prevê a concessão daquelas vantagens à toga.

O procurador sustenta inconstitucionalidade da resolução e usa como argumento o gasto, estimado em R$ 82 milhões, que o Tesouro terá com alimentação dos juízes federais e do Trabalho – valor retroativo a 2004. Anota que a Constituição confere exclusivamente à Lei Orgânica da Magistratura (Loman) poderes para criar benefícios à classe.

A ação pede alternativamente ao STF – caso não seja decretada suspensão da resolução -, congelamento das regras do CNJ e dos tribunais que impliquem pagamento imediato de pecúnia ou de qualquer desembolso relativo a parcelas atrasadas e acumuladas.

Fonte: Tribuna do Norte

Mais de 10 mil pensionistas do INSS não receberam seus benefícios por causa da Greve

A greve nacional dos bancários, que completa hoje 11 dias, tem prejudicado aposentados e pensionistas do INSS. Pelo menos 10 mil segurados não conseguiram sacar seus benefícios e correm o risco de passar o mês sem dinheiro.

A estimativa é da Confederação dos Aposentados e Pensionistas do Brasil (Cobap) que recebeu denúncias e reclamações na primeira semana de pagamento de benefícios pelo instituto. Os depósitos iniciaram no dia 26 de setembro e terminaram ontem.

De acordo com a confederação, além da dificuldade no manuseio dos caixas eletrônicos, alguns dos segurados que acabaram de se aposentar ainda não receberam o cartão de saque do benefício. Ou ainda, optaram por fazer o recebimento diretamente no caixa da agência.

Vergonha e falta de respeito!!!

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Carlos disse:

    Muito bacana que haja mesmo esse sentimento de indignação com os prejuízos causados pela greve dos bancos.

    Mas fique muito claro, que os aposentados e pensionistas têm que ficar ao lado dos trabalhadores bancários, que pedem melhores condições para os clientes também. Se a opinião dos atendidos pelos funcionários for de que a greve não é legítima, então a violência covarde dos banqueiros vencerá mais uma vez!

    Isso sim é que é vergonhoso!!!