Política

Renan Calheiros reage as falas de Bolsonaro e diz que comissão da CPI não teme ‘quarteladas’

Foto: Pedro França / Pedro França/Agência Senado

O relator da CPI, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou nesta sexta-feira que a comissão vai continuar o trabalho de investigação, sem medo de “quarteladas”. Na quarta-feira, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM) comentou o envolvimento de militares em irregularidades nos fatos investigados. O Ministério da Defesa reagiu dizendo que “as Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro”. Na noite de quarta, Omar se manifestou novamente dizendo que não seria intimidado.

— Vamos em frente, sem medo e investigando quem precisar ser investigado. Nós não podemos ter medo de arreganhos, de ameaças, de intimidações, de quarteladas. Vamos investigar haja o que houver. Estamos aqui apenas cumprindo um mandamento do povo brasileiro que quer saber o que aconteceu e poderia ser feito para evitar uma quantidade muito grande, mais de 300 mil vidas poderiam ter sido salvas se o governo tivesse feito sua parte — afirmou Renan, acrescentando:

— Não vamos investigar instituições militares. Longe de nós. Temos responsabilidade institucional. Agora nós vamos sim investigar o que ocorreu nos porões do Ministério da Saúde. E na medida em que esses fatos forem sendo conhecidos, que as provas forem apresentadas, vamos cobrar punição dos seus responsáveis, sejam eles civis ou militares. Não importa. O que importa é que o povo brasileiro terá uma resposta.

Renan também citou a resposta a carta enviada por ele, por Omar e pelo vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), ao presidente Jair Bolsonaro para ele dizer se o deputado Luís Miranda (DEM-DF) é mentiroso. Durante a live desta quinta-feira, Bolsonaro respondeu ao oficio dizendo “caguei para CPI”:

— Ontem nós mandamos uma carta para o presidente da República, e o país ficou estupefato com a maneira como ele respondeu esta comissão parlamentar de inquérito. A escatologia proverbial do presidente da República recende ao que ocorreu no seu governo na pandemia. Todos sentimos esses odores irrespiráveis que empestearam o Brasil e mataram tantos inocentes — afirmou o relator da CPI.

Miranda relatou à CPI que, em encontro com Bolsonaro, denunciou pressão sobre seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo, para liberar a vacina Covaxin. Na ocasião, ele disse que o presidente mencionou o nome do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), que foi ministro da Saúde quando a pasta fechou contrato com a empresa Global, que recebeu pagamento antecipado mas nunca entregou os medicamentos comprados. A Global é sócia da empresa Precisa, representante no Brasil do laboratório indiano Bharat Biotech, desenvolvedor da Covaxin.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Uma CPI comandada por notórios corruptos não pode ser levada a sério por pessoas sérias. Só narrativas mentirosos, desrespeito aos depoentes e “tiros nos pés” dos vagabundos.

    1. Bozo não desmentiu os irmãos Miranda…ou seja, a única narrativa mentirosa aqui é a sua.

    2. Se liga vovó… teu miliciano é passado!
      Ninguém dá mais ouvidos a esse rachadeiro, só gado como você.

    3. CPI contra meu presidente eleito por urnas fraudulentas e com aspirações ditatoriais (tal qual Maduro, Chavez e PT) não vale.
      Bolsonaro cada vez se aproximando mais do que o PT iria fazer.

    4. A militância digital remunerada está mais ouriçada hoje. Receberam dinheiro?

    5. Chora mais, desocupado. Blindagem só é ruim quando é vermelha né?

    6. Renan, 18 processos no STF.
      Dormindo em berço esplêndido.
      Porque não desengavetam??
      Cala te a boca palhaço.
      Aquem vcs querem enganar??
      Vagabundos!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Justiça dá 15 dias para Witzel explicar falas na CPI questionadas por Flávio Bolsonaro

Foto: Arquivo

O juiz Ricardo Coronha Pinheiro, da 39ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, deu 15 dias para Wilson Witzel dar explicações sobre suas falas na CPI da Covid. Como a coluna informou, na sexta-feira, o senador Flávio Bolsonaro acionou o ex-governador na Justiça e pediu explicações sobre dois pontos de seu depoimento: uma citação a hospitais federais e outra que faz alusão à morte da vereadora Marielle Franco.

“Notifique-se o Interpelado para que apresente explicações no prazo de 15 dias”, escreveu o juiz.

Na peça assinada pelos advogados Luciana Pires, Rodrigo Roca e Juliana Bierrenbach, eles afirmam que as falas do ex-governador retratam delitos de calúnia, difamação e injúria.

A defesa do senador pergunta o pretendeu Witzel ao afirmar que “os hospitais do Rio têm dono” e apontam que, em reservado, o ex-governador disse a senadores que sua fala se referia a Flávio Bolsonaro. “Em que contexto um senador da República poderia ser dono ou ter alguma ingerência em hospitais federais em algum ente da federação”, questiona a defesa.

Os advogados também pedem explicações sobre a fala de Witzel de que “não é porteiro para ser intimidado”, fazendo alusão ao assassinato de Marielle Franco. O porteiro do condomínio de Jair Bolsonaro no Rio foi ouvido na investigação sobre o assassinato de vereadora. A frase foi dita por Witzel quando o relator da CPI, Renan Calheiros, disse à presidência da comissão que o ex-governador estava sendo constrangido por Flávio com seus questionamentos.

Em seu depoimento secreto à CPI previsto para as próximas semanas, Witzel vai mirar Flávio Bolsonaro e o governador do Rio, Cláudio Castro.

Bela Megale – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Tô adorando ver o conflito entre Bolsominions. Bolsonaro só serve a ele mesmo e a sua família. Quem o defende ou se alia a ele uma hora arca com as consequências. A conta chega!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Flávio Bolsonaro acionará Witzel na Justiça Criminal por ‘acusações levianas’ na CPI da Covid

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O senador Flávio Bolsonaro vai acionar Wilson Witzel na Justiça por falas do ex-governador na CPI da Covid, na semana passada. Os advogados do filho 01 de Bolsonaro afirmaram à coluna que vão apresentar, nos próximos dias, “uma queixa-crime contra Witzel na Justiça Criminal e interpelá-lo pelas acusações levianas” feitas pelo ex-governador. A peça será assinada por Luciana Pires, Rodrigo Roca e Juliana Bierrenbach.

A procuração autorizando a medida já foi assinada por Flávio. Na queixa-crime serão citadas afirmações de Witzel de que foi vítima de “perseguição política” após a prisão dos assassinos da vereadora Marielle Franco e de que os hospitais federais do Rio “têm dono”. Após a sessão, Witzel falou em reservado com senadores que se referia a Flávio Bolsonaro.

Como a coluna informou, em seu depoimento secreto à CPI previsto para as próximas semanas, Witzel vai mirar Flávio Bolsonaro e o governador do Rio, Cláudio Castro.

Bela Megale – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Ain, não pode falar de mim. Mas meu papai é o presidente da república, eu posso tudo!
    Menino mimado! As vezes nem é tão mimado assim, pode ser só uma rachadinha!

  2. Esse menino prodígio da família do MINTOmaníaco eh um exemplo de eficiência: era a loja de chocolate mais lucrativa da franquia pq vendia todos os chocolates com defeitos tadinho, vinham todos com uma “rachadinha” e faziam uma mistura esquisita de “chocolate com laranja” … Mas pelo esforço desse garoto , os clientes que compravam lá eram muito ricos e só compravam em espécie e valores vultuosos … E os empresários que não conseguem ter esse “sucesso” e o acusam de peculato eh pq são invejosos gente, pode isso?! (Texto com ironias)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Câmara seguirá com processo disciplinar contra Silveira por “falas contra antifascistas”

Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O Conselho de Ética da Câmara decidiu nesta segunda-feira(22) dar seguimento a processo disciplinar contra o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) por vídeo com falas contra manifestantes críticos do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), identificados como antifascistas.

A decisão de seguir o parecer favorável à admissibilidade e continuidade do processo elaborado pela relatora do caso, deputada Professora Rosa Neide (PT-MT), foi tomada por 11 dos 13 deputados votantes no colegiado. Outros dois foram contrários ao seguimento do processo. Ninguém se absteve.

Em vídeo postado em seu perfil no Twitter após manifestação em 31 de maio de 2020, Silveira usou diversos palavrões para se referir aos manifestantes antifascistas. O parlamentar disse que há muitos policiais armados participando de atos em defesa do governo, e diz torcer para que um dos opositores tome um tiro “no meio da caixa do peito”.

“Até que vocês vão pegar um polícia [sic] zangado no meio da multidão, vão tomar um no meio da caixa do peito, e vão chamar a gente de truculento”, afirmou. “Eu tô torcendo para isso. Quem sabe não seja eu o sortudo. Vocês me peguem na rua em um dia muito ruim e eu descarregue minha arma em cima de um filho da puta comunista que tentar me agredir. Vou ter que me defender, não vai ter jeito. E não adianta falar que foi homicídio, foi legítima defesa. Tenham certeza: eu vou me defender”.

Os partidos Rede, PSOL e PSB apresentaram representação contra Silveira no Conselho de Ética em que pedem a cassação do mandato dele.

“O deputado Daniel Silveira, em rápido apanhado, usou de um discurso antidemocrático e contra as instituições da República, atacou manifestantes pela mera manifestação do pensamento, propôs projeto de lei contrário às regras fundantes da Constituição e demonstra desprezo geral por minorias, o que configura a inevitável quebra de decoro parlamentar”, diz trecho da representação.

Agora, Daniel Silveira terá 10 dias úteis para apresentar uma defesa por escrito, indicar provas e chamar até oito testemunhas. Posteriormente, um novo parecer deve ser elaborado e votado pelo Conselho de Ética.

Na reunião de hoje, Silveira afirmou que não atacou ninguém e a fala foi tirada de contexto. Disse ainda não ter como provar isso uma vez que suas contas nas redes sociais foram bloqueadas por determinação do STF (Supremo Tribunal Federal) após ele ter sido preso em fevereiro deste ano. Neste caso, por outro vídeo com falas consideradas antidemocráticas com foco na Corte. O deputado está hoje em prisão domiciliar portando tornozeleira eletrônica.

Ao se defender, Silveira disse que a quebra de decoro parlamentar está sendo relativizada na Câmara e argumentou não adiantar muito ele falar porque há um “oportunismo político gigantesco” por parte de partidos da oposição.

Seu advogado citou a imunidade parlamentar e afirmou que não se pode tolher as opiniões de parlamentares.

A deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS) disse que liberdade de expressão não deve ser confundida com liberdade de “opressão”.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Não acho correto e defendo a postura e as falas desse deputado, pessoas assim não me representam, acho até bom que ele seja penalizado por dizer tantas asneiras, apesar de achar que algumas tem fundo de verdade. Com a sua penalização, acho que os partidos que hora pedem a sua punição, vão abrir uma porteira (boa) onde muitos, políticos desses partidos vão passar (sem querer passar) pois constantemente estão fazendo uso do expediente que ele utilizou. Os macacos não estão olhando para o rabo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEOS: Falas em discurso de Bolsonaro na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU foram deturpadas; veja ainda íntegra e tire suas conclusões

 

Ver essa foto no Instagram

 

As “polêmicas declarações” do presidente Jair Bolsonaro, como assim classifica parte da imprensa, no discurso na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), nessa terça-feira(22), apresentaram pontos sensíveis de deturpação da fala, diante do que foi apresentado. O Blog do BG detalha: Conforme pode ser conferido em vídeos e em discurso na íntegra, no fim desse post, o presidente não falou que o auxílio emergencial era de mil dólares. Na verdade, falou que a soma era de aproximadamente mil dólares. Outros dois pontos repercutidos por parte da mídia, também apresentam deturpação do que foi noticiado: Bolsonaro não apregoou culpa em índios e caboclos. Como pode ser visto detalhadamente em texto, o presidente separou os focos culturais de coivaras com os focos criminosos e mostrou ações na regularização fundiária e com o uso do exército Por fim, também há uma outra distorção da fala em relação ao trecho que cita a decisão do STF, que de FATO, proibiu o presidente de decidir sobre isolamento e quarentena. Além da deturpação de parte da mídia, a nota da Associação Brasileira de Imprensa(ABI) – “Bolsonaro mente e envergonha o Brasil”, definitivamente, não é fidedigna ao discurso apresentado. Leia no Blog do BG, a íntegra do discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU nessa terça-feira (22).

Uma publicação compartilhada por Blog do BG (@blogdobg) em

As “polêmicas declarações” do presidente Jair Bolsonaro, como assim classifica parte da imprensa, no discurso na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), nessa terça-feira(22), apresentaram pontos sensíveis de deturpação da fala, diante do que foi apresentado.

O Blog do BG detalha:

Por tradição, o Brasil abre o evento.

O presidente fez declaração na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas). Por tradição, o Brasil abre o evento.

Conforme pode ser conferido em vídeos e em discurso na íntegra, no fim desse post, o presidente não falou que o auxílio emergencial era de mil dólares. Na verdade, falou que a soma era de aproximadamente mil dólares.

Outros dois pontos repercutidos por parte da mídia, também apresentam deturpação do que foi noticiado:

Bolsonaro não apregoou culpa em índios e caboclos. Como pode ser visto detalhadamente em texto, o presidente separou os focos culturais de coivaras com os focos criminosos e mostrou ações na regularização fundiária e com o uso do exército

Por fim, também há uma outra distorção da fala em relação ao trecho que cita a decisão do STF, que de FATO, proibiu o presidente de decidir sobre isolamento e quarentena.

Além da deturpação de parte da mídia, a nota da Associação Brasileira de Imprensa(ABI) – “Bolsonaro mente e envergonha o Brasil”, definitivamente, não é fidedigna ao discurso apresentado.

(Foto: Reprodução)

E MAIS:

Leia abaixo a íntegra do discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU nessa terça-feira (22):

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. BOLSONARO ATÉ 2026…???????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

  2. Eita que BG está 100% engajado na campanha do presidente.
    BG, não caia nessa, não vale à pena.

  3. Um senhor que chamou a covid de gripezinha, que jogou a responsabilidade da pandemia aos estados, que pagou $ 600 reais com muito atraso, que deixou muitas lojas, restaurantes, etc, fecharem , pois a ajuda emergencial que muito mais muito depois, depois que defendeu a cloroquina, sendo contrário as autoridades mundiais da saúde, mandando o povo ir para as ruas, não usando máscaras nem praticando o distanciamento social, no auge pandêmico, fugindo das responsabilidades ambientais, dizendo que tudo é truque da oposição, será que fala verdade em seu discurso, desprovido de algumas verdades? Me desculpe, acabei de perceber que , até agora, não tenho candidato para as próximas eleições. Tudo é farsa!!! Onde está o tal patriotismo? Muda Brasil de novo!!!

    1. Não vou defender Bolsonaro, mas fica evidente que você tem problemas em entender os fatos. Sua visão e percepção estão sofrendo de distorção doentia ou proporcional. Suas afirmativas vão em conflito a realidade. A começar pela questão do covid.
      Quem passou a responsabilidade aos governos foi o STF. Mais de 75% das mortes com covid se deu nos Estados que se colocaram contra a ivermectina e cloroquina no tratamento. O resto que fala, nem merece ser comentado, pois é uma distorção dos fatos.

    2. Seus comentários são típicos de pessoas invejosas.
      Vai se informar melhor e estudar os assuntos para dar sua opinião.

    3. Apoiadissimo! A soma das parcelas, pra todos que receberão até o final (sim, a 2a onda do auxílio trouxe exclusão de beneficiados) fecha em 770 dólares (cotação de hoje), tá um pouco longe de ser mil! União não é isenta pelo STF, porém corresponsável (papel que não assumiu) pela gestão de saúde. O auxílio inicialmente proposto seria de 200/pessoa e graças a algum empenho do Congresso, e, diga-se de passagem, da esquerda, foi elevado. O governo federal falhou sim, e falhou feio, em dar crédito pra salvar as pequenas e microempresas, que são quem de fato movimenta a economia e emprega nesse país. Reduziu em 1/3 a capacidade de fiscalização dos biomas nacionais e põe em cheque os próprios dados que divulga! Só isso já é suficiente pra não levar a sério o que ele diz! Tá foda, Brasil!

    4. Só falta vc dizer que Bolsonaro criou o virus no Palácio do Planalto para poder dar auxilio emergencial e ter um índice de aprovação maior.
      Pare de criar notícias ou deturpá-las.
      A esquerda não tem votos suficientes para (sozinha) mudar/aprovar qualquer coisa que esteja em votação
      Ô povo "megalomaníaco".

  4. BG, em média o auxílio era entre 800 e 900, pq mulher SOLTEIRA recebe dobrado. então o total chega próximo a 1000 dólares mesmo.

  5. O eleitor brasileiro, têm duas maneira de votar.ou vota por paixão, ou vota por interesse. Pelos comentários da pra perceber. Por isso os brasileiros tem os políticos que merece. Encham o bicho..

    1. Vc é brasileiro? Se for, se enquadra em qual das categorias?
      Se for estrangeiro, não tem valor sua opinião.

    1. É verdade, a GOVERNADORA FÁTIMA DO PT, quando SENADORA , disse ñ aceita a REFORMA DA PREVIDÊNCIA , por que destruía, estrupra e violenta os direitos dos trabalhadores / trabalhadoras principalmente os APOSENTADOS E PENSIONISTAS que prejudica no presente e no futuro o funcionalismo público ESTADUAL. Agora traiu tudo e todos resto é balela.

  6. Rapaz, se o Presidente da ABI é desse nível, leva a mais uma instituição importante ao descrédito e ao ridículo. É impressionante o ativismo político radical desse povo! Será que ele não sabe que existem gravações originais de todo pronunciamento oficial? Mentir em entrevistas nas esquinas é fácil e eles são contumazes nessas artimanhas.

  7. Apenas as mães que tem filhos menores de dezoito anos e que se inscreveram no primeiro lote, poucos diad de abril, assim que começou o programa, apenas essas que se aproximam de mil dólares, se alguém se cadastrou em meados de abril, já não vai receber a última parcela. Digo isso pq auxiliei duas mães no cadastro, só isso basta pra não acreditar em nada que ele falou.

    1. Isso é probelma de interpretação de texto ou tá apelando para a falácia da "evidência anedótica"?

  8. Ainda bem que o BG não é um dos muitos analfabetos funcionais espalhados na mídia. Se bem que no meio dessas distorções criadas tem muito mau-caratismo mesmo.

  9. O presidente proferiu um discurso histórico, no qual abordou TODOS os assuntos importantes para o nosso Brasil. Os verdadeiros brasileiros devem seguir seu exemplo e repercutir seus argumentos. É claro que a "lacrolândia" prefere, infantilmente, atender os interesses dos inimigos do nosso país e do nosso povo. Isso não mudará, mas o povo está enxergando tudo.

  10. Antes quando era parceiro de Cuba, Moçambique, Irã e Líbia não era um "pária". Cretinos. Vocês, da ABI, são a materialização do que de mais sujo há nessa imprensa pútrida. Espero que caia de podre e seja substituída cada vez mais pela informação na sua fonte primária e direta. A sociedade não suporta mais editorzinho de jornal decidindo o que é importante publicar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Celso de Mello divulgará vídeo de reunião ministerial excluindo falas sobre China e Paraguai

Foto: Reprodução

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), divulgará o vídeo da reunião ministerial praticamente na íntegra e decidiu retirar apenas dois trechos, que contêm comentários sobre a China e o Paraguai. A decisão já foi redigida durante a madrugada e já encaminhada ao STF.

A informação foi apurada pelo analista de política Fernando Molica, da CNN, na tarde desta sexta-feira (22). De acordo com Molica, ainda não há informações sobre se o acesso ficará público ou restrito às pessoas e autoridades envolvidas na investigação.

Esta sexta-feira (22) é a data-limite estabelecida pelo próprio ministro para tomar uma decisão sobre o sigilo do vídeo da reunião ministerial, realizada no Palácio do Planalto há exatamente um mês, no dia 22 de abril. A expectativa é que a decisão seja tomada até 17h (horário de Brasília).

O material é peça-chave para apurar as denúncias do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que afirmou, em depoimento à Polícia Federal em 2 de maio, que a reunião mostra uma tentativa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em interferir na Polícia Federal.

Quebras de protocolos

Segundo apuração da CNN, a gravação foi comparada ao registro de algo impróprio ou questionável por ministros do Supremo Tribunal Federal.

“Para gente que cuida de segurança, uma reunião como essa não caberia nem ser gravada, para o registro de palavrões? Condutas? É como gravar uma ida ao bordel”, afirmou um ministro.

Apesar da reunião configurar um ato institucional de governo, para magistrados, o tom do encontro quebrou protocolos, pelo o que se sabe até agora, e o governo deveria imaginar que uma eventual divulgação poderia ocorrer. “Isso só mostra a personalidade suicida do presidente. É uma situação complicadíssima”, afirmou um ministro.

Há temor de que o vídeo tenha um poder explosivo, que poderia motivar desgaste à imagem do governo e também abertura de outros inquéritos. De acordo com relatos não oficiais de quem participou da reunião, há xingamentos contra a China, principal parceiro comercial do Brasil, e também a defesa de que ministros do STF sejam presos.

Ainda segundo a apuração, Celso de Mello teria ficado bastante ‘surpreso’ ao assistir o vídeo. De acordo com relato de auxiliares da Suprema Corte, o ministro repreendeu alguns trechos do material e a decisão sobre a divulgação é considerada difícil.

O ministro começou a assistir ao vídeo na noite da segunda-feira (18). Peritos da Polícia Federal concluíram a transcrição na terça-feira (19) e o laudo já foi entregue à equipe que conduz a investigação junto à Corte. O trabalho durou uma semana.

Bolsonaro defende divulgação parcial

Nesta quinta-feira, na véspera da data-limite da decisão de Celso de Mello, Bolsonaro pediu mais uma vez que a íntegra da gravação do evento não venha a público.

“Eu só peço: não divulgue a fita toda. Tem questões reservadas, tem particularidades ali de interesse nacional. O resto, o que eu falei… Tem dois pedacinhos de 15 segundos que é questão de política externa que não pode divulgar. O resto, divulga. E tem bastante palavrão, tá”, disse Bolsonaro, durante live nas redes sociais. “Se o ministro resolver divulgar, vou cumprir a decisão judicial.”

O presidente já declarou em algumas oportunidades que não há menção sobre a Polícia Federal ou à superintendência do Rio de Janeiro no vídeo.

“Não existe no vídeo todo a palavra Polícia Federal nem superintendência, quem cuida da minha família não é a PF. Todos meus filhos têm segurança, sem exceção”, disse, em conversa com jornalistas em 12 de maio.

Em outra ocasião, Bolsonaro afirmou que quem espera que o vídeo seja um “xeque-mate”, vai “cair do cavalo”.

A defesa de Moro defende a divulgação do conteúdo na íntegra. Segundo o próprio ex-ministro, não há assunto pertinente a segredo de Estado ou que possa gerar incidente diplomático, muito menos colocar em risco a segurança nacional.

O Palácio de Planalto defende a tese de que Jair Bolsonaro foi mal interpretado no encontro com ministros. Segundo membros do governo, na reunião o presidente, ao falar sobre o risco de alguém prejudicar sua família, estaria se referindo à segurança física e cobrando o responsável pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e não o ministro da Justiça Sergio Moro. Por essa versão, não haveria qualquer tentativa em interferir em investigações da PF.

Denúncias

De acordo com Sergio Moro, o presidente teria cobrado, na reunião em questão, relatórios de inteligência e informação da Polícia Federal. Em outra ocasião, por Whatsapp, teria dito: “Moro, você tem 27 Superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”.

Algumas falas de Bolsonaro no encontro com os ministros já foram conhecidas em documentos entregues pela Advocacia-Geral da União (AGU) ao Supremo Tribunal Federal (STF) ao encaminhar o vídeo para análise.

Nas falas transcritas em documentos da AGU, Bolsonaro reclama de não receber “informações” da Polícia Federal e da inteligência das Forças Armadas e diz que vai “interferir”. O presidente também afirma que não esperará alguém prejudicar “sua família toda de sacanagem” porque não poderia “trocar alguém da segurança na ponta da linha”.

Segundo a AGU, estas seriam as declarações pertinentes às acusações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro sobre a interferência do presidente na direção da PF e na superintendência da corporação no Rio.

No mesmo documento, a AGU se manifestou favorável à divulgação de “todas” as falas de Bolsonaro na reunião, com exceção daquelas sobre outros países, chamados de “nações amigas” no pedido. O órgão também pediu o sigilo sobre tudo o que foi dito por outros participantes da reunião.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Vcs tão achando graça nessa falta de freios do STF sobre o Executivo porque é contra alguém de quem vcs não gostam. Não vou entrar no mérito, mas isso ainda vai se virar contra vcs. Vcs estão alimentando uma fera que ainda vai lhes devorar. #táavisado

  2. Eu sou a favor de uma intervenção militar no STF pois eles tem mostrado um enorme despreparo para com prejudicar a economia do país a tempo sem necessidade julguem mas sem fazer pirotecnia como vem sendo feito procurando os holofotes!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *