“Sempre defendi os direitos dos policiais”, diz Flávio Bolsonaro

Foto: Reprodução/Twitter

Flávio Bolsonaro, no Twitter, reiterou que visitou mesmo Adriano da Nóbrega na prisão.

“Sempre defendi os direitos dos policiais. Visitei inúmeras vezes o Batalhão Prisional da PM (BEP) para ouvir PMs presos injustamente. Vários foram inocentados e voltaram para seus batalhões, trabalhando desmotivados porque foram abandonados pela corporação quando mais precisavam”, postou o senador.

“Há 15 ANOS (!!!), quando homenageei capitão Adriano e os PMs de sua guarnição, estavam presos injustamente acusados de matarem um flanelinha, tanto que, logo após, foram absolvidos pois tratava-se de um perigoso traficante que tentou matar policiais. Eu estava certo!”, prosseguiu o filho 01 de Jair Bolsonaro.

E ainda:

“Sempre dei apoio a policiais presos injustamente e seus familiares, como quando levei a Defensoria Pública para dentro do BEP, ou na comissão especial que presidi na Alerj para reintegrar PMs excluídos injustamente. Foram INÚMEROS reintegrados pelo meu trabalho à época.”

Foto: Reprodução/Twitter

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Humberto disse:

    Um barril de pólvora chamado Brasil
    Para o jornalista Fernando Horta o cenário da crise que o Brasil está vivendo "é fruto da esculhambação institucional iniciada em 2014 por Aécio Neves e José Serra com auxílio de Marina Silva e Michel Temer"

  2. Lúcia disse:

    Como sempre, só trocamos uma quadrilha por outra. A anterior roubou tudo o que conseguiu, e essa agora é da raça mais perigosa: bandido com farda.

  3. Bento disse:

    Flávio você tem o respeito de todos os brasileiros.
    E aí já enquadraram aquele maluco por tentativa de homicidip de dezenas de policiais/, crianças e mulheres?

    • JBBatista. disse:

      Policiais não vc quis dizer bandidos, os verdadeiros PMs vestem fardas,coletes e coturnos os bandidos cobrem o rosto e ditam toque de recolher. Outra coisa mulheres e crianças não podem ser usados como escudo humano.

  4. José Araújo disse:

    #fora família milíciana

  5. Tulii disse:

    Fora MILICIANOS ASSASSINOS….

Flávio Bolsonaro homenageou policiais na cadeia, absolvidos logo depois, e nunca teve amizade com Adriano da Nóbrega, garante advogado

Foto: Sérgio Lima/Poder360 16.jul.2019

Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro, reagiu à acusação do vereador Ítalo Ciba, segundo o qual o senador teria visitado Adriano da Nóbrega na cadeia “mais de uma vez”.

“O tom da informação é falso e leviano. Isso não existiu. O Flávio foi na cadeia homenagear, não só o Adriano, mas outros policiais que estavam sendo vítimas de uma injustiça. Tanto é que todos foram absolvidos depois.”

Wassef ressalta que “a família Bolsonaro sempre se solidarizou com policiais que sofrem injustiça”. “Eles tinham absoluta convicção de que (os policiais) eram inocentes, por isso a homenagem dentro do presídio.”

O advogado garante que Flávio nunca visitou Adriano com “status de amigo”, como sugere o vereador do Avante. “Não existe relação entre Flávio Bolsonaro e Adriano da Nóbrega. Não são amigos, nunca foram amigos, nunca saíram, nunca jogaram futebol.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bozoloide disse:

    O senador está certo em defender o amigo e vizinho do seu pai, Já que Adriano era empresário do ramo das milícias fluminense. E assim como os petralhas se unem para defender os milicianos também se unem para se defender

  2. Bozoloide disse:

    O senador está correto em defender o amigo e vizinho do seu pai, Já que Adriano era empresário do ramo das milícias fluminense. E assim como os petralhas se unem para defender os milicianos também se unem para se defender

  3. Ferreira disse:

    Brasil está sendo convertido em nação de patifes pelo clã Bolsonaro, diz Veríssimo.

  4. Luiz Antônio disse:

    O Brasil está entregue à criminalidade

    • Salvino disse:

      Onde você estava entre 2004 e 2016 que não viu isso? Não cobrou retidão por 20 anos?
      Por acaso sabe quantos processos existem e quantos já foram condenados por corrupção e formação de quadrilha que ocuparam cargos no governo entre 2003 a 2018? Sua memória é seletiva ou sua visão é ideológicamente torpe?

    • Donavan disse:

      Salvino, e onde é que um erro justifica outro?
      Vc não é como muitos de nós que fomos as ruas para mudar as coisas e fazer diferente?
      Onde está a diferença?
      Ontem atirávamos pedras no telhado dos outros. Hoje o telhado de vidro é o nosso.
      Como podemos dizer "Faça o que digo, mas não faça o que eu faço?"

  5. emerson silva disse:

    – E A GANG PETISTA QUE MATOU CELSON DANIEL ?

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Cada qual defendendo sua gangue de políticos predileta, rsrsrsrsrs.

  6. Bolsominion disse:

    Tá bom então.

PT, PSOL e Rede protocolam no Conselho de Ética pedido de cassação de Flávio Bolsonaro “por ligação com a milícia e rachadinhas”

Foto: Reprodução/Twitter

O pedido de cassação do senador Flávio Bolsonaro, anunciado mais cedo pelo deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), foi apresentado há pouco no Conselho de Ética do Senado.

A representação foi protocolada por deputados e senadores de PT, PSOL e Rede.

Eles foram ao gabinete do presidente do Conselho de Ética da Casa, senador Jayme Campos (DEM-MT), e entregaram formalmente o pedido.

Os parlamentares acusam Flávio de envolvimento com milícias e de ter feito “rachadinha”.

O Antagonista

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. MAURICIO disse:

    o caso das rachadinhas tem uma lista de 26, encabeçada pelo presidente da alerj que é do pt, tem do psol,da rede, do pc do b, porque só o flávio, é porque é bolsonaro, como disse o freixo na reuniao da quadrilha , tem que derrubar o governo

  2. Bolsominion disse:

    O miliciano Adriano da Nóbrega já começou a produzir milagres. Depois de morto, fez Jair Bolsonaro defender os direitos humanos e criticar a brutalidade policial

    • Chicó disse:

      Não vi um esquerdista exigir o esclarecimento dos fatos neste caso. Por quê será ?

  3. Só Comento disse:

    Só mesmo um deputado desqualificado como o Marcelo Freixo poderia cometer uma asneira tremenda dessas, certamente foi orientado pelo demônio do Lula.

    • Decepcionado disse:

      O medo da perícia nos celulares é grande. O homem de família abençoada por Edir Macedo, RR Soares e Silas Mafaia fica nervoso toda vez que o assunto vem à tona. Mas durante anos e anos seguidos empregaram a mãe e a esposa do miliciano.
      Reparem que para defender o filho, o Presidente já mexeu no Coaf, no MP, na PF, já fez acordos com STF, e agora diz que ele foi quem mandou homenagear um herói, um grande homem.
      E MORO?
      Apoiando tudo caladinho…

  4. Bento disse:

    Pense numa imundície essa corja.
    Ahhhhh!! Vou vomitar .

  5. Flavio disse:

    Esses FDP tudinho fazem isso, e ainda tem a coragem de acusar os outros.

    • Maria disse:

      Falou TUDO!
      Falso moralistas!
      São tudo farinha do mesmo saco!
      Diziam que o PT era diferente, mas realmente "foi diferente do esperado", ROUBOU mais que todos juntos!

  6. Zulmira Melo disse:

    Bando de ladrãozinho,Ow povo de esquerda sem futuro!!!!! Todos revoltados,pq o nosso governo tá dando resultados satisfatórios,coisa que eles nunca fizeram,só roubaram!!!!!💰💰💰💰💰💰💰💰💰

  7. Pedrão disse:

    entendendo: O PT, PSOL, PCdoB e a REDE já sentenciaram que Flávio tem ligação com miliciano. eles já determinaram isso e agora querem que a decisão deles seja atendida pelo senado?
    que por isso ele deve ser cassado? ligação e submissão a corrupto não leva a perda de mandato? está sendo investigado em processo por corrupção e formação de quadrilha não leva a cassação?
    qual a moral ou conduta ilibada que esse tal freixo tem para pedir a cassação de alguém?
    isso ultrapassa a barreira da hipocrisia, da imoralidade, da incapacidade de lidar com as situações adversas, de não tolerar divergência de posicionamento, demonstram o quanto são totalitários e anti democráticos.
    ele inventam, eles julgam, eles condenam, eles exigem providências
    será que foram pessoas deles que tomaram providências na Bahia no caso de tal Adriano? pensando bem, forma policiais enviados pelo governo do PT com cobertura do governo do Rio, todos opositores ao governo federal

  8. Ceará-Mundão disse:

    Vivenciamos tempos estranhos. Bandidos e defensores de bandidos, que ignoram condenações judiciais de seus parceiros, proferidas após análise definitiva do mérito (2a. Instância) e confirmadas pelos tribunais superiores, agora resolvem pedir a cassação de opositor, mesmo sem qualquer condenação ou prova. Para essa cambada, basta ser adversário poítico (que eles encaram como "inimigos"). Muito interessante essa notícia.

Flávio Bolsonaro alerta “denúncia” e pede que autoridades evitem cremação de Adriano Nóbrega, que teria objetivo de sumir evidências

Flávio Bolsonaro usou as redes sociais para pedir que autoridades evitem a cremação do corpo de capitão Adriano. O senador disse ter recebido uma “denúncia” de que estão acelerando o processo para sumir com evidências de que ele foi brutalmente assassinado na Bahia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justiceiro disse:

    Grande jogada. Vai terminar chorando ao lado do caixão…

  2. François Cevert disse:

    Esse é o famoso me engana que eu gosto.

  3. Ger Laranjeiras disse:

    Çey

  4. Cidadão disse:

    Çey

Flávio Bolsonaro alerta no Twitter que seu nome está sendo usado por criminosos

Foto: Reprodução/Twitter

Flávio Bolsonaro avisou no Twitter que seu nome está sendo usado por criminosos:

“Deixo público, a quem possa interessar, que NINGUÉM está autorizado a usar meu nome para o quer que seja. Se não ouvir da minha própria boca pode dispensar o 171.”

Ele não disse quem são os criminosos nem o que pretendem obter, mas a mensagem enigmática deve se tornar mais clara muito em breve.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flavinho ladrão disse:

    Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão.

  2. Jacques disse:

    Esse Flavio Bolsonaro não é flor que se cheire, espero que ele não seja reeleito e as urnas deem a resposta para tantos procedimentos errados.

  3. Nono Correia disse:

    O nome dele está sendo usado por ele.

  4. Luiz Antônio disse:

    Será Queiroz?

    • Preocupado disse:

      Você se preocupou com as atitudes de João Vaccari, Alberto Yousself, Marcos Valério, André Vargas, Cerveró, Roberto Costa, Pedro Barusco, Renato Duque, Lula, Dilma, Mercadante, Delcídio do Amaral, Gleisi Hoffmann, Paulo Bernardo, Lindberg Faria, Arlindo Chinaglia, Jacques Wagner, Fernando Baiano, Argôlo, Aldemir Bendine (BB), Cândido Vacarezza (petrobrás), João Santana e Mônica Moura, José Dirceu, Genoino, Gilberto Carvalho, Bumlai e muitos outros????????
      Então porque tanta preocupação com Queiroz????????

    • Vitor Silva disse:

      Olhas ideia.

Tribunal mantém quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro

FOTO: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiu nesta terça-feira (4) manter a decisão que quebrou os sigilos bancário e fiscal do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ).

A decisão foi por 2 votos a 1, derrotando o desembargador Antônio Carlos Amado, que havia votado na semana passada em favor do senador.

As desembargadoras Mônica Tolledo de Oliveira e Suimei Cavalieri pediram vista do processo. Nesta terça, as duas votaram contra o relator e mantiveram a decisão de abril do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal.

Os integrantes da 3ª Câmara Criminal do TJ-RJ analisaram um habeas corpus no qual os advogados de Flávio apontam ilegalidades na decisão do magistrado de primeira instância, como falta de fundamentação.

A justificativa do juiz Itabaiana para a quebra de sigilo toma um parágrafo do documento, enquanto adota as razões expostas pelo Ministério Público em 87 páginas. Ao quebrar o sigilo de outras oito pessoas, em junho, Itabaiana refez a decisão, fundamentando as razões para autorizar a medida.

No último dia 28, o desembargador Amado negou o habeas corpus pelas razões apresentadas pela defesa, mas apontou outros motivos pelos quais a decisão de primeira instância deveria ser anulada.

O magistrado considerou que o senador não teve a oportunidade de se manifestar antes de ter o sigilo quebrado. Ele salientou o fato de o filho do presidente ter peticionado no procedimento um pedido para falar.

Disse ainda que o Ministério Público do Rio afirmou, em seu pedido de quebra de sigilo, que Flávio havia se recusado a falar, o que, para ele, não condiz com a verdade. “O magistrado [Itabaiana] pode ter sido induzido a erro”, disse o desembargador.

Uma petição da defesa do senador, contudo, foi usada pelo Ministério Público para rebater a tese do desembargador. Nela, uma advogada do parlamentar pede para que ele seja ouvido ao final da fase de investigação, quando encerrada a coleta de provas. A representação é do dia 19 de março, antes da quebra ocorrer.

A sessão do julgamento desta terça foi fechada.

Mais detalhes aqui no Justiça Potiguar.

“Flávio é uma pessoa muito bem intencionada”, diz Alcolumbre, que fala que eventual processo seria arquivado no Conselho de Ética

Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Em café com jornalistas, Davi Alcolumbre disse que eventual processo no Conselho de Ética do Senado contra Flávio Bolsonaro por causa do caso envolvendo rachadinha na Alerj será arquivado.

O presidente do Senado afirmou que os parlamentares sabem que os processos devem corresponder com o período de atuação do senador no cargo.

“Flávio é uma pessoa muito bem intencionada. Acompanho como senador da República, ele tenta fazer um meio de campo com o governo. Tenta solucionar impasses. Diante de tantas coisas, não posso entrar na vida pessoal dele, cada um tem de ter autoridade para responder sua acusação.”

E completou:

“O senador Flávio, isso é uma questão jurídica. Não tem nada a ver com o Senado Federal. Essas coisas aconteceram quando ele era da assembleia do Rio. Um eventual processo no Conselho de Ética seria arquivado.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Filgueira disse:

    O INFERNO ESTÁ CHEIO DESSE POVO "BEM INTENCIONADO".
    KKKKKKKKKKKKKK
    Não vai fazer manifestação contra a corrupção e pedir a prisão desse meliante?

  2. Luiz Antônio disse:

    E o Zé Povinho, sem comer carne, brigando por esses crápulas.

    • Francisco disse:

      O único Zé povinho que defende ladrão são a esquerdalha, os militontos petralha. Esses defendem abobalhadamente os criminosos da quadrilha de luladrão.

VÍDEO: Flávio Bolsonaro rebate acusações do MP “ponto a ponto”

 

Ver essa foto no Instagram

 

A verdade ponto a ponto! Assista até o final…

Uma publicação compartilhada por Flávio Bolsonaro (@flaviobolsonaro) em

“Não tenho nada a ver com isso”, diz Flávio sobre dinheiro recebido por Queiroz

Na live pelo YouTube, Flávio Bolsonaro também negou ligação com R$ 2 milhões depositados na conta de Fabrício Queiroz por ex-assessores de seu gabinete na Alerj.

“Só que eles não explicam que isso era num período de 12 anos e que grande parte, a maioria esmagadora desses recursos, são oriundos dos próprios parentes dele, que trabalhavam lá também. Ele já falou isso publicamente, que geria os recursos da família. A família depositava o dinheiro na sua conta e ele fazia o que queria com o dinheiro. Eu não tenho nada a ver com isso. O que é que eu tenho a ver com que a pessoa faz com seus recursos? Todos trabalhavam”, disse.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jair disse:

    É a nova política da família tradicional e dos bons costumes!

  2. Rodrigo disse:

    O Senador Flávio Bolsonaro fala com firmeza e com convicção, mas suas ações, como a de paralização das investigações no supremo parece bem distante do discurso. Antes de espernear precisa comprovar o que diz. É aguardar que o tempo se encarregaram de mostrar a verdade

  3. Batista disse:

    Suspeito de matar Marielle recebia parte dos salários da rachadinha do clã Bolsonaro

  4. Marcelo disse:

    O senhor fala e não prova, nós falamos e mostramos as provas conforme pode ser visto nos autos processuais, não interessa se é filho de: A, B ou sem pai influente, nossa meta e fazer cumprir a Lei, independente de quem cometeu a ilegalidade.

    • Antonio disse:

      Faça um vídeo e mostre as provas!!! Mostre que você é diferente. Ao apenas fale…

Defesa de Flávio Bolsonaro entra com habeas corpus no STF

Após a operação do MP-RJ que mirou Flávio Bolsonaro, a defesa do senador entrou com um habeas corpus no STF. O caso tramita sob sigilo e está sob a relatoria de Gilmar Mendes.

Foram cumpridos ontem 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Flávio, a seu ex-assessor Fabrício Queiroz e a familiares de Ana Cristina Valle, a segunda mulher de Jair Bolsonaro.

A investigação apura suposto esquema de “rachadinha” no gabinete do filho 01 de Bolsonaro na Alerj, quando ele era deputado estadual.

Crusoé

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Oliveiros disse:

    Quem não deve não teme! Pilantra!!!

  2. Eu disse:

    Bandido bom é bandido morto.

    • Silvino disse:

      O luladrão, Lulinha, cunha, palocci, renan, dirceu… delcídio amaral não merecem isso

    • Antenado disse:

      Então já teria gente de nove dedos que estaria pra lá dos quintos dos infernos. Kkkk

  3. PAPAI, A DIPLOMAMATA DEU ERRADO disse:

    Moro vai provar que Flávio Bolsonaro é filho de Lula …

  4. Olimpio disse:

    Se fez falcatrua tem que pagar se possível na cadeia, não tem essa porque é filho do presidente se passe a mão na cabeça.

  5. Marcos disse:

    Tem que parar com isso aí viu kkkk

  6. Humberto disse:

    QUEM É QUE DIZIA QUE "QUEM NÃO DEVE NÃO TEME?"

  7. Ivan disse:

    Rachadinha é crime??? Eita piula…corre cambada das AL´s e do congresso!!!! kkkkkk

  8. Ricardo disse:

    O que está segurando a familícia ainda é o voto do cidadão de bem. Não fosse esse voto, hoje eles não teriam Foro nem Moro para defendê-los!

  9. ventura disse:

    Cadeia nesse vagabundo, não tenho bandido de estimação.

  10. Luiz Antônio disse:

    Vamos fazer arminha

  11. Observando. disse:

    Eu e flavinho somos contra o foro privilegiado. Faz tempo.

Relatório do MP do RJ diz que Flávio Bolsonaro depositou R$ 638 mil em dinheiro para ‘lavar’ compra de imóveis

Foto: Reprodução/JN

Relatório do Ministério Público estadual afirma que o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) depositou R$ 638.400 em dinheiro vivo na conta de um corretor e assim ocultou o ganho ilícito com as chamadas “rachadinhas”.

De acordo com as investigações, os depósitos aconteceram em 27 de novembro de 2012 e tratam da compra de dois apartamentos em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

Os imóveis pertenciam a investidores americanos. Um deles localizado na Avenida Prado Junior. Outro na rua Barata Ribeiro.

Enquanto a valorização imobiliária na região não ultrapassou 11%, Flavio Bolsonaro declarou um lucro de 292% na venda dos apartamentos em fevereiro de 2014.

O relatório do MP faz parte do pedido de busca e apreensão realizada, na quarta-feira (18), contra 24 alvos. Entre os alvos estavam Queiroz, parentes dele e de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsionaro.

Lavagem de dinheiro

As atenções do MP começaram a se voltar para os apartamentos a partir da declaração feita pelo senador de venda dos dois imóveis em pouco mais de um ano.

A suspeita do MP é que o senador e sua mulher, Fernanda, declararam um preço menor do que o imóvel valia no momento do registro de sua compra.

Dessa forma, o procurador, o americano Glenn Dillard, receberia um dinheiro “por fora” para os pagamentos de valores não declarados nas escrituras.

Para o MP, ao usar o valor em espécie o senador ocultaria parte do dinheiro sacado por seus assessores. Ao mesmo tempo, o procurador receberia os recursos sem fazer os repasses aos proprietários dos imóveis vendidos.

Oficialmente, no dia da compra, o senador depositou, em cheque, o valor correspondente a R$ 310 mil pela compra dos dois apartamentos.

No mesmo dia em que foram assinadas as escrituras de compra e venda dos dois apartamentos e depositados os cheques de pagamento, a conta de Glenn Dillard recebeu depósitos em dinheiro das contas do parlamentar e de sua mulher.

PM pagou prestação de outro apartamento

Um policial militar do Rio de Janeiro pagou uma prestação de compra de um apartamento feita pelo senador Flávio Bolsonaro e por sua mulher, Fernanda Antunes Nantes Bolsonaro, de acordo com investigações do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ).

Segundo o documento, Diego Sodré de Castro Ambrósio quitou um boleto no valor de R$ 16.564,81, emitido no nome de Fernanda, em outubro de 2016. O pagamento serviria para ajudar a pagar um apartamento comprado em Laranjeiras, bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro.

O endereço do policial foi um dos locais que o MP-RJ pediu busca e apreensão por causa de movimentações financeiras suspeitas. Uma operação aconteceu na última quarta-feira (18).

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PT=VAGABUNDOS MACONHEIROS disse:

    E o pt quase n roubou o pais! bando de desocupados q querem so mamar nas bolsa maconheiro!

    • Marcos disse:

      Amigo, roubo do PT, PSDB, PMDB, PSL é tudo igual. Vamos deixar de querer só condenar o PT e atacar a corrupção que nos assola. Temos é que ser contra isso, criticar os roubos, não ficar somente defendendo a sua bandeira.

  2. José Araújo disse:

    Bolsomicos não têm BANDIDO de estimação tem QUADRILHA de estimação

  3. Flavio disse:

    Omi vão atrás do trilhão que luladrao e sua turma roubaram do país.

  4. Pedro disse:

    Concordo com vc PAPAI,…….. Se errou justiça nele. O que não pode e deve acontecer é vermos um ladrão ser julgado em várias instâncias solto, bem como, muitos dos políticos brasileiros seguirem na mesma toada, errou vai para o pau. Ou vc deseja apagar um erro com outro? Eu abomino essa saída. Deixemos de ser hipócritas.

  5. Luiz Antônio disse:

    Isso é uma perseguição.

    • Jorge disse:

      Mesmo discurso utilizado pelo PT.
      Pensei que ninguém tinha mais ladrão de estimação.

  6. PAPAI, A DIPLOMAMATA DEU ERRADO disse:

    Eita… Tá ficando bacana 😎!!!

MP abre nova investigação para apurar suposto uso de “funcionários fantasmas” e eventual “rachadinha” no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro; senador rebate e fala em “fixação”

Foto: Pedro França/Agência Senado

O Ministério Público do Rio abriu novo procedimento específico para investigar as denúncias de uso de funcionários fantasmas e a eventual prática de “rachadinha” , como é conhecida a devolução de salários, no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio ( Alerj ). O novo procedimento tramita em segredo de justiça e foi instaurado em setembro sem relação com o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras ( Coaf ), que apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio.

A nova investigação tem como foco as denúncias feitas pelo GLOBO sobre os parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro, que constaram como assessores de Flávio no período em que foi deputado estadual na Alerj. A maioria deles, porém, sempre viveu em Resende, no Sul do estado do Rio. Além disso, Márcia Salgado de Oliveira, tia do atual ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Antonio Francisco de Oliveira, também tornou-se investigada.

Os familiares de Ana Cristina não estavam citados no relatório do Coaf que identificou a movimentação atípica de Queiroz, mas eram alvo do procedimento criminal que apura peculato e lavagem de dinheiro e tramita no Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc). Essa investigação está suspensa por decisão do Supremo Tribunal Federal que avalia a possibilidade de compartilhamento de dados entre órgãos como o Coaf e a Receita com o Ministério Público.

A nova investigação, porém, é cível e investiga os ex-assessores e o senador por improbidade administrativa. Pessoas próximas à família dizem que até o momento nenhum deles foi chamado para depor, mas o GLOBO apurou que ofícios com solicitações dos registros funcionais do grupo foram efetuados à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) nos últimos dias. Procurado o MP, não disse que não poderia se manifestar.

Parentes investigados

Entre os alvos do procedimento estão casos como o de Andrea Siqueira Valle , conhecida por participar de concursos de fisiculturismo, mas que constou como assessora de Flávio de 2008 até o ano passado. Além disso, ela ficou outros 10 anos lotada entre o gabinete de Jair Bolsonaro e de Carlos Bolsonaro. Na Alerj, ela chegou a ter um salário bruto de R$ 7.326,64, além de receber um auxílio educação de R$ 1.193,36. Ela vivia em Guarapari, no Espírito Santo, até maio. Mas não é vista desde então.

Outro caso que chamou atenção foi o do veterinário Francisco Diniz. Ele foi lotado inicialmente aos 21 anos, em fevereiro de 2003. Dois anos depois, em 2005, ele começou a cursar a faculdade de Medicina Veterinária no Centro Universitário de Barra Mansa, cidade a 140 quilômetros do Rio e próxima a Resende. O curso era integral e colegas contaram ao GLOBO que ele frequentou as aulas normalmente até se formar em 2008. Diniz chegou a ganhar um salário bruto de R$ 7.326,64, com direito ainda a auxílio-educação de R$ 1.052,34. Ele só foi exonerado em fevereiro de 2017 – um total de 14 anos. Procurado, não retornou.

Tia do ministro, Márcia Salgado de Oliveira apareceu nos registros da Alerj como funcionária de Flávio de 2003 até fevereiro deste ano. Em 2014, porém, num processo que tramitou no Juizado Especial da Comarca de Mesquita, na Baixada Fluminense, quando acionou uma empresa de telefonia, Márcia apresentou uma procuração escrita de próprio punho, na qual informou que sua ocupação era “do lar”. Além disso, em 16 anos, ela jamais teve crachá emitido pela Alerj, procedimento que a Casa sempre recomendou a todos os seus funcionários.

Procurada por telefone, Márcia disse em um primeiro momento que não trabalhou na Alerj. Após a reportagem citar seu nome completo e perguntar se trabalhou para Flávio, ela disse:

— Não, meu amor, você ligou para a pessoa errada— disse Márcia que, em seguida, desligou e retirou sua foto do WhatsApp. Em todo o período no gabinete, ela recebeu um salário bruto médio real de R$ 7,3 mil.

Além de Márcia, o pai e a mãe do ministro Jorge Oliveira foram assessores de Jair e Eduardo Bolsonaro na Câmara de Deputados. Procurados, nem Márcia, nem o ministro retornaram aos contatos da reportagem.

Nota de Flávio Bolsonaro

Procurado, o senador Flávio Bolsonaro disse, por nota, que “todas as pessoas que foram nomeadas, na época, eram qualificadas para as funções que exerciam. Trabalharam em diferentes áreas, mas sempre em prol do mandato, tanto que as votações enquanto deputado estadual foram crescentes”.

Segundo ele, a “nomeação dessas pessoas ocorreu de forma transparente e de acordo com as regras da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A execução do trabalho delas também ocorreu de acordo com as normas”. A nota informa ainda que “os cargos comissionados da Alerj são de duas naturezas: técnica (com o profissional no gabinete) e de natureza política (com o profissional na base eleitoral). A confecção e o uso de crachá não eram obrigatórios, já que o funcionário pode atuar apenas na base, sem a necessidade de ir para a Alerj”.

O senador diz ainda que há “fixação de O Globo em Flávio Bolsonaro enquanto 26 parlamentares são completamente esquecidos. O jornal ignora valores milionários que chegam até R$ 50 milhões em outros gabinetes, e elege um único para perseguir. Até quando vão ignorar as quantias gigantes movimentadas em outros gabinetes? A única certeza é que ao final de todo o processo ficará comprovado que não houve ilegalidade por parte de Flávio Bolsonaro”.

Investigação original

Desde julho de 2018, Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz são alvos de um procedimento aberto a partir de um relatório do Coaf que detectou uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta do ex-chefe da segurança de Flávio.

Em fevereiro deste ano, este procedimento foi desmembrado em dois. Um tramita na esfera criminal e outro na área cível. Na área criminal, os promotores pediram a quebra de sigilo fiscal e financeiro de 95 pessoas e empresas para a 27ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, que autorizou o afastamento do sigilo para a investigação. O andamento deste caso, porém, depende da decisão do STF sobre o compartilhamento de dados uma vez que foi iniciado a partir de um relatório do Coaf.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dr. Veneno disse:

    Se o MPRN abrir investigação de fantasmas e rachadinhas na ALRN, os familiares daquele órgão serão bem citados. E do TJRN tb.

  2. Cristian disse:

    Bando de retarado, tanto o cachaceiro quanto o laranjal são bandidos, enquanto vocês lutam as guerras deles, eles se refestelam.

  3. Bento disse:

    Falar o que de um cara que tem o cachaça bandido como líder.

  4. Minion alienado disse:

    Tá com medo senador? Cadê todo o discurso moralista sobre ética e combate à corrupção?

    Bolsominions podem relinchar.

    • Luladrão Encantador de Asnos disse:

      Com certeza pra vc Lula é inocente e o PT não praticou a maior corrupção da história mundial. Seu jegue.

    • Waldemir disse:

      Minion alienado
      Voce se enganou quem relincha e petista como você os apoiadorea do MITO BOLSONARO
      RUGENS
      Entendeu o petista encantado ou mamador

STF antecipa julgamento de recurso de Flávio Bolsonaro no ‘caso Coaf’

O STF mudou para dia 20 a análise, em plenário, da legalidade no compartilhamento de dados do Coaf com órgãos de investigação sem prévia autorização judicial.

O julgamento estava marcado para o dia 21.

Foi nessa ação que Flávio Bolsonaro pediu liminar para invalidar os dados de suas movimentações financeiras enviados pelo Coaf ao MP do Rio.

Ao acolher o pedido do senador, Dias Toffoli determinou a suspensão de todos os inquéritos e processos em curso no país iniciados com base em relatórios de inteligência do órgão de controle de atividades financeiras – que depois mudou de nome para UIF e foi transferido para o Banco Central.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    …… Foi só o senado pautar na CCJ a prisão em segunda estância, que o Supremo ja adiantou a sessão do julgamento do antigo COAF do senador filho do presidente…. A Brasil veio de guerra….. Agora é poder engolindo poder.

Divergência em torno da CPI da Lava Toga: major Olímpio quer que Flávio Bolsonaro saia do PSL

Foto: Sérgio de Castro/Estadão

A divergência no PSL em torno da CPI da Lava Toga fez o líder do partido, Major Olímpio (SP), pedir a saída de Flávio Bolsonaro.

“Nós que representamos a bandeira anticorrupção do Presidente. Eu tentei convencê-la (senadora Juíza Selma, de saída para o Podemos) a ficar e resistir conosco. Quem tem que cair fora do PSL é o Flávio, não ela. Gostaria que ele saísse hoje mesmo”, disse Major Olímpio.

Apesar disso, o senador não deve entrar no Conselho de Ética do PSL contra Flávio, por avaliar que ele não tenha ferido nenhuma regra. “Só trazer muita vergonha a nós”.

Há algumas semanas, o próprio Major Olímpio estava pensando em deixar o partido, depois de divergências com o PSL-SP e algumas decepções com o governo. Foi dissuadido por colegas e disse que decidiu ficar e “resistir”.

Coluna Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Escritor disse:

    O STF de Toffili impediu a continuacao investigacao do MP contra Flavio Bolsonaro, com dados do COAF. Flavio Bolsonaro é contra CPI Lava Toga q vai investigar Toffili do STF. Mera coincidência. Acontece.

  2. João batista disse:

    Tem q sair mesmo, nova política se faz com faxina começando dentro da casa.

  3. Amo os Minions disse:

    Ninguém mexe com o 🍊. Os incomodados que se retirem, está na convenção do PSL.

Flávio Bolsonaro diz que informações da Veja não são verdadeiras e valores informados são falsos e “não chegam perto dos valores reais”

Reprodução: Instagram

Senador Flávio Bolsonaro usou as redes sociais nesta quinta-feira(16) para condenar as informações da Veja em que classifica como não verdadeiras. Ainda fala que valores divulgados são absolutamente falsos e não chegam perto aos valores reais. “Tenho meu passado limpo e jamais cometi qualquer irregularidade em minha vida. Íntegra no Instagram pode ser conferida abaixo.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Flávio Bolsonaro (@flaviobolsonaro) em

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucas disse:

    Já disse, se balançar esse laranjal cai até presidente de cima

  2. Thalles disse:

    Sem bandido de estimação, se for comprovado crime na segunda instância, CADEIA. Se ele usar de seu poder e lobby para atrapalhar as investigações, prisão preventiva!

    • Anti-Político de estimação disse:

      Exatamente. Eu não trabalho para sustentar político ladrão, quem quiser que sustente, faça visita, brigue por eles, afinal tem trouxa para tudo .

  3. GLENIO FLORENCIO disse:

    O toque pode até ser de midas ,mas o calcanhar é de aquiles ,ah ladrão.

  4. estrela disse:

    Eles sempre são inocentes até que se prove o contrário!!!

    • Ceará-Mundão disse:

      Na verdade, esse é um princípio de direito aplicável a todos. Por exemplo, Lula, Zé Dirceu e tantos outros petistas já condenados pela justiça brasileira são bandidos, criminosos, literalmente falando. Quanto ao presidente e seus familiares, nada há de concreto contra eles.

  5. Amo os Minions disse:

    Eles sempre são inocentes!!

  6. escritor disse:

    todo mundo sabe que a Veja é uma revista comunista, cujo dono é o filho de Lula.

    • Amo os Minions disse:

      Bando de comunistas hahahaha

    • Manuel Marcelino Filho disse:

      Como assim ? 42 capas dessa revista foi detonando Lula , acho que o amigo não tomou os remédios hoje.

    • Ceará-Mundão disse:

      A grande mídia brasileira, na verdade, está a favor do "status quo" e ressentida pela perda dos recursos federais, abundantes nos governos do PT. A Editora Abril está "quebrada". Quanto às alegadas capas da Veja, apenas retrataram os inegáveis fatos que vieram à tona com a Lava Jato.

    • Ceará-Mundão disse:

      O fanatismo é tão grande que tem "cumpanhero" contando as capas das revistas que lhe são antipáticas. É incrível.

  7. Jl disse:

    Se são falsas as informações, processar a revista, inclusive, requerendo dano moral!

    • Realista disse:

      Veja 100% comunista, nunca bateu em Lula ou Dilma, imparcial total.
      Só que não, né.

Queiroz diz ao MP que gerenciava salários para expandir ‘atuação parlamentar’ de Flávio Bolsonaro sem conhecimento do deputado, no período

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), durante reunião da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) — Foto: Pedro França/Agência Senado

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Fabrício Queiroz, disse ao Ministério Público que usava parte da remuneração dos servidores do gabinete do então deputado para contratar “colaboradores informais” e, assim, expandir a sua “atuação parlamentar”. Flávio, hoje senador, e o chefe do gabinete não tinham conhecimento da prática, segundo Queiroz.

O ex-assessor apresentou, pela primeira vez, esclarecimentos, por escrito, ao Ministério Público do Estado do Rio. A informação foi divulgada pelo jornal “O Estado de S. Paulo”. No documento enviado pela defesa ao MP, a que o G1 também teve acesso, Queiroz negou que tenha se apropriado dos valores.

O G1 mandou uma mensagem para a assessoria de Flávio às 9h11, em seguida, enviou um e-mail e aguarda um posicionamento. O advogado de Queiroz afirmou que “todo o posicionamento foi feito na petição que protocolamos no MP”.

O Ministério Público começou a investigar o ex-assessor quando o nome dele apareceu em um relatório do conselho de controle de atividades financeiras, o Coaf, sobre movimentações atípicas de dinheiro. Fabrício Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão em conta bancária entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Na manifestação ao MP, o ex-assessor disse que o valor veio de duas fontes lícitas: salários de outros membros da família e atividades econômicas informais, como compra e venda de veículos e eletrônicos e “todo e qualquer produto que pudesse lhe garantir uma renda extra”.

‘Rachadinhas’

O nome de Queiroz também apareceu em uma investigação do MP sobre as “rachadinhas” na Alerj – a prática de servidores devolverem parte dos salários aos deputados.

O ex-assessor confirmou ao MP que servidores do gabinete de Flávio Bolsonaro devolviam parte do salário e que esse dinheiro era usado para ampliar a rede de colaboradores que atuavam junto à base eleitoral do deputado.

Segundo o documento, Queiroz “entendeu que a melhor maneira de intensificar a atuação política seria a multiplicação dos assessores de base eleitoral, valendo-se, assim, da confiança e da autonomia que possuía para designar vários assistentes de base, a partir do gerenciamento financeiro dos valores que cada um destes recebia mensalmente”.

Ele “reitera de forma absolutamente peremptória que jamais se beneficiou de qualquer recurso público para si ou terceiro, uma vez que sempre buscou preservar a finalidade pública dos recursos oriundos da remuneração de assessores parlamentares que – sempre por ajuste prévio, livre e espontâneo – foram postos sob sua administração, ao idealizar, organizar e gerir rede de colaboradores informais de sua confiança, modicamente remunerados por atividades externas clara e firmemente alinhadas com a atividade-fim parlamentar.”

De acordo com a declaração, isso significa que, “com a remuneração de apenas um assessor parlamentar”, Queiroz “conseguia designar alguns outros assessores para exercer a mesma função, expandindo, dessa forma, a atuação parlamentar do deputado”.

O ex-assessor não deu detalhes sobre como ocorriam essas contratações e quantas pessoas teriam sido chamadas para trabalhar para Flávio.

Queiroz diz ainda que acredita que agiu de forma lícita e que seus superiores não tinham conhecimento dessa prática.

Ele afirma que “buscava a concordância prévia das pessoas que indicava para as funções quanto à desconcentração de parte de sua remuneração para os fins já descritos” e que “o emprego dos recursos se revestia de evidente finalidade pública”, pois “multiplicar e refinar os meios de escuta da população por um parlamentar consiste em claríssimo reforço de aspecto central da atividade-fim parlamentar”.

A declaração ainda afirma que Queiroz “nunca reputou necessário expor a arquitetura interna do mecanismo que criou ao próprio deputado e ao chefe de gabinete, ou seja, seus superiores não tinham qualquer conhecimento acerca dessa atuação”.

Histórico

O documento aponta que Queiroz conheceu Flávio Bolsonaro nos anos 1980. Em 2007, ele foi convidado pelo parlamentar para ser assessor em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

“O então deputado sempre teve grande apoio em setores da segurança pública e forças armadas. Para atender a esta base eleitoral, foi confiada a relação superior e institucional ao chefe de gabinete parlamentar. (…) De outro lado, porém, ainda se fazia necessário ter alguém na organização e com trânsito na base de tais instituições. É neste contexto que se apresenta o peticionante [Queiroz], que fora paraquedista do Exército Brasileiro e era sargento da Polícia Militar.”

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. nasto disse:

    Ou bando de MENTIROSO. estão iguais ao outro . Não sabia de nada. Todos iguais.

  2. realmadriddepiumgenerico disse:

    A ordem é mata no peito que a gente segura tua barra. Ele matou. Vão segurar a barra dele? a ver pelo desaparecimento sem ser incomodado por tanto tempo, ninguém mexe com o Queiroz. O desmorolizado, não conseguiu segurar uma indicação sua, imagine prender o Queiroz.

  3. Ceará-Mundão disse:

    Todos são inocentes até que se prove o contrário. Não importa o que nós "achamos", tem que provar que a coisa existiu e que foi ilegal. E tem mais, o que o Presidente tem a ver com isso?

  4. escritor disse:

    ah tá.

  5. Amo os Minions disse:

    Quer dizer que ele fazia tudo isso sem o Flavinho saber? Incrível.

    • joao disse:

      Ta muito parecido com lula/PT que nao sabia de nada.. e que a culpa era da mulher falecida, que devia saber de tudo.

Flávio Bolsonaro: Isto É faz “ilação irresponsável” ao vinculá-lo à milícia; senador rebate revista

Foto: Sergio Moraes / Reuters

Em nota divulgada nesta sexta-feira, dia 22, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) “repudia” reportagem deste final de semana da revista IstoÉ que afirma que cheques de campanha do senador foram assinados por Valdeci de Oliveira Meliga, irmã dos milicianos Alan e Alex Rodrigues Oliveira, presos em operação conduzida pela polícia e o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Em nota assinada por sua assessoria de imprensa, Flávio acusa a revista de “fazer uma ilação irresponsável” ao vinculá-lo com “candidaturas irregulares e a milícia carioca”, em uma tentativa de “denegrir” sua imagem.

A reportagem obteve dois cheques de Flávio assinados por Valdeci: um de R$ 3,5 mil e outro no valor de R$ 5 mil. Dona de uma empresa de eventos, a Me Liga Produções e Eventos, Val era uma das pessoas a quem o filho do presidente, Jair Bolsonaro, deu procuração, conforme documento enviado à Justiça Eleitoral, para cumprir a tarefa.

Em nota, Flávio afirma que Val Meliga é tesoureira geral do PSL e tinha “como determinação legal a obrigação de assinar cheques do partido”, mas “jamais em nome do atual senador”. Além disso, o senador diz que “os supostos milicianos apontados pela revista são policiais militares”.

A reportagem da IstoÉ também afirma que um dos cheques assinados por Val, no valor de R$ 5 mil, foi destinado à empresa Alê Soluções e Eventos Ltda, de propriedade de Alessandra Cristina Ferreira de Oliveira – que era funcionária do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) e exerceu na campanha eleitoral a função de primeira tesoureira do PSL.

Flávio rebate a revista e afirma que “não houve qualquer direcionamento ao PSL-RJ relacionado à escolha dos profissionais de assessoria contábil e jurídica”. E acrescenta que todas as “prestações de contas foram aprovadas, ratificando a legalidade e lisura durante o processo eleitoral”.

Terra, com Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    Homemagiou na Câmara dos deputados do Rio uns 10 policiais milicianos bandidos. Só isso. Como falaram, falaram tanto dos filhos de Lula q os filhos do Lula são fichinhas na frente dessa familia- facção criminosa.

  2. […] Flávio Bolsonaro: Isto É faz “ilação irresponsável” ao vinculá-lo à milícia; senador reb… […]

  3. Tico de Adauto disse:

    Miliciano esse elemento.

  4. Jorgensen disse:

    Quase um Mahatma Gandhi

  5. Marcos disse:

    Tudo o que falavam do filho de lula está ocorrendo com os do BOZO.

  6. Lorena Galvão disse:

    Inocente esse rapaz.

    • Lula livre disse:

      🍊🍊🍊🍊🍊👏🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊🍊