Geral

ONU alerta que seca pode ser “a próxima pandemia”

Foto: REUTERS/Bridget Bennett/Direitos reservados

A escassez de água e a seca devem causar estragos em uma escala que rivalizará com a pandemia de covid-19, e os riscos aumentam rapidamente à medida que as temperaturas globais se elevam, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

“A seca está prestes a se tornar a próxima pandemia, e não existe vacina para curá-la”, disse Mami Mizutori, representante especial da ONU para redução de risco de desastres, em uma entrevista coletiva virtual hoje (17).

As secas já desencadearam perdas econômicas de pelo menos 124 bilhões de dólares e atingiram mais de 1,5 bilhão de pessoas entre 1998 e 2017, segundo um relatório da ONU divulgado nesta quinta-feira.

Mas até estas cifras, alertou, são “muito provavelmente subavaliações grosseiras”.

O aquecimento global intensifica secas no sul da Europa e no oeste da África, disse o relatório da ONU com “alguma confiança”, e o número de vítimas deve “crescer dramaticamente”, a menos que o mundo aja, disse Mizutori.

Cerca de 130 países podem enfrentar um risco maior de seca neste século, segundo a projeção de emissões altas citada pela ONU.

Outros 23 países sofrerão escassez de água por causa do crescimento populacional, e 38 nações serão afetadas por ambos, disse.

A seca, assim como um vírus, tende a durar muito tempo, ter um alcance geográfico amplo e causar danos em cadeia, disse Mizutori.

“Ela pode afetar indiretamente países que não estão passando por uma seca através da insegurança alimentar e do aumento dos preços de alimentos”, explicou.

A ONU antevê secas mais frequentes e severas na maior parte da África, nas Américas Central e do Sul, no centro da Ásia, no sul da Austrália, no sul da Europa, no México e nos Estados Unidos.

Ibrahim Thiaw, secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, disse à Thomson Reuters Foundation que a deterioração do solo, causada em parte pela má administração de terras, deixou o mundo perto de um “ponto sem retorno”.

A ONU não tem pesquisado o efeito que a desertificação pode ter na migração interna dentro dos continentes, mas Thiaw disse que ela não é mais impensável, nem mesmo na Europa.

Agência Brasil, com Reuters

Opinião dos leitores

  1. Benjamin Netanyahu alertou o genocida, que ele pode responder pelo crimes que ele cometeu contra indígenas.

    1. Sua bolha Tomaz piora a cada dia, saia disso, venha para o mundo real. Sei que vai ser difícil conviver com os fatos, ver a verdade, mas aos poucos vai se acostumar. Vocês criaram esse mundo ilusório para não sofrer com toda corrupção que seus ídolos políticos submeteram o país até 2016. Deve ser complicado abrir os olhos e ver que seus líderes políticos falam em democracia, mas nunca respeitaram, tudo farsa, são ditadores e aliados de ditadores. Acorde para o fato que a esquerda segue sem questionar tudo que ditadores falam e só querem o poder. Que o único projeto deles é subjugar o povo e manter todos iguais na miséria, com meia dúzia deles vivendo de tudo que o capitalismo pode ofertar, como acontece na Venezuela, Cuba e a Argentina caminha a passos largos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Estudo da ONU aponta que Brasil é líder na proteção de florestas

Foto: Banco de imagens/Estadão Conteúdo

O Brasil é o país do mundo que mais dedica território à proteção de vegetação nativa. A afirmação é da Organização das Nações Unidas (ONU), publicada em estudo sobre Áreas Protegidas no Planeta, que considera como terras protegidas as unidades de conservação, parques nacionais, estações hidrológicas e também aquelas destinadas a povos tradicionais, como os indígenas. Entre as dez maiores nações do mundo em extensão territorial, o Brasil está na liderança como o país que mais protege florestas. O ranking preparado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) foi publicado na revista Oeste. Nele, o Brasil lidera com 30% da área protegida, ao lado da Austrália, que tem 20%, China, com 15,6%, Rússia, com 11,2%, e os demais países com 10% ou menos de proteção. Segundo o doutor em Ecologia e presidente da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, a proteção ambiental brasileira é quase três vezes maior em comparação com as demais nações.

“Isso não é conhecido e nem reconhecido. Não se fala disso aqui dentro e muito menos lá fora. Eu quase diria que para alguns é importante esconder essa realidade. Essa realidade precisa ser conhecida, temos que conhecer como a própria ONU declara no seu relatório sobre as áreas protegidas do mundo que o Brasil tem a maior rede de áreas protegidas terrestres do planeta, o Brasil representa 6% das terras do mundo, sua extensão territorial, mas das áreas protegidas ele é 12%. Isso precisa ser conhecido para que, num segundo momento, seja reconhecido”, afirma. A extensão das áreas protegidas pelo Brasil equivale a 54% de todo o território europeu. Se projetarmos a dimensão territorial das áreas protegidas do nosso país na superfície da Europa, 15 países ficariam cobertos pela mata. No debate da sustentabilidade, a pauta do desmatamento segue no radar. Nesta semana, uma pesquisa feita pela Coalização Brasil, Clima, Florestas e Agricultura mostrou que 90% dos executivos já utilizam dados de desmatamento para tomar decisões nos negócios. Segundo Evaristo de Miranda, esse tema precisa de gestão. “É um tema que temos que gerir, mas ele é apenas um dos componentes do grande tema da gestão das florestas, da gestão da Amazônia, do desenvolvimento sustentável que compõe com tudo isso”, diz. Novos estudos sobre proteção ambiental estão sendo feitos pela Embrapa com dados do Cadastro Ambiental Rural e do Censo, e a expectativa é que eles sejam publicados nas próximas semanas.

Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. Os lacradores, ongs ,Macron, PT, PSOL, essa cambada toda de esquerdista. Eles vão a loucura

  2. Respeitem a inteligencia do. Brasileiro. Só pode ser mais uma MENTIRA DO BOLSONARO E SEUS APOIADORES. Não somos cegos nem surdos. Um governo que o ministro do meio ambiente vende madeira de desmatanento ilegal e um presidente terraplanista e louco que mata a populaçao do Brasil é obvio que acham que tal mentira vai enganar o povo brasileiro. Esta noticia para mim e FALSA: – Em Tempo: Eu sei que você não vai publicar meu comentário más pelo menos vai conhecer minha opinião.

  3. Essa notícia dada pela ONU vai matar um bocado de fumador de maconha que se dizem ambientalistas, pense num chute nos escritos desses malandros

  4. O Brasil, sob o governo Bolsonaro, está causando inveja ao resto do mundo. Campeão em vacinação, nosso país está recuperando sua economia com rapidez e dando exemplo aos demais países. Pergunte a um argentino o que ele está achando.

  5. Já ja chega setembro e começa o: fogo na Amazônia! Afinal de contas é o período natural de maior incidência de incêndios naturais. Mas vão culpar o presidente de novo, por causa de um efeito natural anual. Pqp

  6. Kkkkk O que é que eu vou dizer lá em casa? Qual será a narrativa dos propagadores se Fake News? Só vai restar continuarem a tocar fogo na Amazônia na época da estiagem. Alô GloboLixo, alô Leonardo Di Caprio, se pronunciem.

  7. Só para alguns esquerdopatas, fumadores da erva maldita, a culpa do desmatamento e do governo Bolsonaro.
    O que falta é verba paras as ONGs fileiras, que viviam na mordomia.
    Hô Véio arroxado é Bolsonaro.

  8. Acabou com as narrativas dos torcedores políticos radicais, das ONGS estrangeiras e da imprensa doente e ideológica, que querem entregar a Amazônia…Mas no Brasil atual, fatos são menos importantes que narrativas..
    Para os torcedores do quanto pior melhor…ONU fascista ou comunista? Kkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Brasil volta ao Conselho de Segurança da ONU após 10 anos; mandato é de dois anos

Foto: Reprodução/ONU

A Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) elegeu a Albânia, Brasil, Gabão, Gana e os Emirados Árabes Unidos para o Conselho de Segurança das Nações Unidas nesta sexta-feira (11) para um mandato de dois anos a partir de 1º de janeiro de 2022.

Todos os cinco países concorreram sem oposição a uma vaga no órgão de 15 membros, encarregado de manter a paz e a segurança internacionais. Eles substituirão Estônia, Níger, São Vicente e Granadinas, Tunísia e Vietnã.

Para garantir a representação geográfica, os assentos são atribuídos a grupos regionais. Mas mesmo que os candidatos estejam concorrendo sem oposição em seu grupo, eles ainda precisam ganhar o apoio de mais de dois terços da Assembleia Geral da ONU.

Gana recebeu 185 votos, Gabão, 183 votos, Emirados Árabes, 179 votos, Albânia, 175 votos e Brasil, 181 votos.

O Brasil volta à cadeira após dez anos longe do conselho. Será o 11º mandato do país, o que o torna um dos mais frequentes ocupantes das cadeiras rotativas, ao lado do Japão.

O Conselho de Segurança é o único órgão da ONU que pode tomar decisões juridicamente vinculativas, como impor sanções e autorizar o uso da força. Tem cinco membros permanentes com poder de veto: Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China e Rússia.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores disse que o país “tentará traduzir em contribuições tangíveis a defesa da paz e da solução pacífica das controvérsias”, além de “fortalecer as missões de paz da ONU e defender os mandatos que corroborem a interdependência entre segurança e desenvolvimento”.

Para a pasta, a eleição “reflete o reconhecimento da histórica contribuição brasileira para a paz e a segurança internacionais”.

Leia a nota na íntegra:

O Brasil ocupará, no biênio 2022-2023, assento não permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU). Será a 11ª vez que o País integrará o mais importante órgão responsável pela segurança coletiva internacional.

Nas eleições ocorridas hoje, em Nova York, durante a 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o Brasil recebeu 181 votos. O resultado reflete o reconhecimento da histórica contribuição brasileira para a paz e a segurança internacionais.

No Conselho de Segurança, o Brasil buscará traduzir em contribuições tangíveis a defesa da paz e da solução pacífica das controvérsias, dentre outros princípios inscritos na Constituição Federal de 1988 e na Carta das Nações Unidas. O País pretende, ainda, fortalecer as missões de paz da ONU e defender os mandatos que corroborem a interdependência entre segurança e desenvolvimento.

O Brasil estará em posição privilegiada para atestar seu compromisso com a reforma do CSNU, para resguardar a legitimidade da atuação das Nações Unidas diante dos múltiplos e complexos desafios enfrentados pela comunidade internacional.

O governo brasileiro aproveita a oportunidade para cumprimentar Albânia, Emirados Árabes Unidos, Gabão e Gana, que também foram eleitos na ocasião.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Obviamente Sr. Igor vai passar alguns anos para o país voltar a respirar, e vc errou a conta, está no terceiro ano desse novo governo, os outros dois foram de temer, ex amigo do presidiario, que lhe passou a perna e continuo com as mesmas práticas, JBS, conversas na surdina, encontros as escondidas, na calada da noite, Sérgio Machado, Porto de Santos, Rocha Loures, sabe o que acho ruim, os brasileiros, não sei se por interesses escusos ou mesmo burrice, tem memória curta e acham que as coisas caem do céu para todos, ledo engano, só caia pata os malas que ficam ricos e tem filhos Ronaldinhos, que só sabiam limpar esterco de rinoceronte.

  2. Em compensação, caiu mais uma posição e agora é a 13ª economia do mundo (Com Lula era a 6ª)…….Pahhhhhhhh

    1. Fruto da falência ocorrida quando era a sexta, recuperar o que vcs fizeram da trabalho, coisa aí para uns 8 ou 12 anos, vcs vão ter de aguentar. O sexto era de mentira, fantasia pura.

    2. Se eu fosse você evitava um comentário desses. Por acaso Bolsonaro tá no poder há 10 anos? Acabou de confessar as merdas que a esquerda vinha fazendo. Mas esquerdistas são assim mesmo. Quando atiraram sai pela culatra.

    3. De qual “falência” o senhor está falando? Aquela que a gente podia colocar gasolina no carro ou aquela que o pobre comia carne? hummm…deve ser aquela outra que tinha emprego (desemprego de 5%) ou aquela acolá…quando as empregadas iam de avião para a Disney…Já sei…era aquela do “caos” aéreo, com os aeroportos cheios de pobres voando (isso deixou a direita enlouquecida mesmo…)…e os apartamentos que milhares de pobres receberam do minha casa minha vida e que pagam R$50,00 de prestação…
      Tá vendo, vcs já acabaram com tudo…nem foi tão difícil assim destruir o país…

    4. Bons tempos, João…bons tempos.
      Há quase 6 anos a esquerda saiu do poder…e tudo só piora… especialmente para o pobre.

    5. O Brasil vivia nas nuvens, como todo sonho que tem preço, acabou, a Venezuela estava bem próxima, só os idiotas não viam, e o Brasil dos sonhos, que inclusive quero, tem que ser real, palhaçada não bota comida na mesa de ninguém, faliram nosso pais e a conta está aí, basta ler um pouco.

    6. Pois é João a conta chegou. De onde se tira e não se repõe termina acabando.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Venezuela pede intervenção da ONU no Brasil para conter covid-19

FOTO: MARCOS CORRÊA/PR – 08.03.2021

A Venezuela pediu na quarta-feira (10) que a Organização das Nações Unidas (ONU) intervenha no Brasil para controlar a crise pela expansão dos casos de covid-19, que o governo de Nicolás Maduro classificou como uma “tragédia”.

“O Brasil registrou hoje um novo número recorde de mortes por dia pela covid-19. Há quatro dias ratificamos ao secretário-geral da ONU, António Guterres, o que alertamos há nove meses: a ONU deve intervir para que o governo brasileiro assuma e controle a tragédia, e assim proteja toda a América do Sul”, disse o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreza, no Twitter.

Arreaza postou também uma carta datada de 6 de março e dirigida a Guterres na qual o governo de Maduro solicita “urgentes gestões e bons ofícios” junto às autoridades do Brasil, especialmente o presidente Jair Bolsonaro, para que reconheça a gravidade da pandemia e coordene com os países vizinhos ações contra a covid-19.

O governo venezuelano também disse na carta que a “alarmante dinâmica epidemiológica” no país vizinho é “uma consequência da reiterada negligência criminosa” de Bolsonaro, a quem acusou de ser o “principal obstáculo” para salvar vidas no “pior momento da pandemia”.

“O presidente Jair Bolsonaro e seu governo se tornaram o pior inimigo dos esforços nacionais, regionais e internacionais, incluindo aqueles em níveis bilateral e multilateral, para mitigar os efeitos devastadores da pandemia da covid-19 na região de América Latina e Caribe”, afirma o texto.

Devido a isso, “o Brasil está sendo levado a uma verdadeira catástrofe humanitária que põe em perigo (…) a estabilidade de nossa região”.

O Brasil vive seu pior momento da pandemia, com o sistema de saúde à beira do colapso, vacinação a conta-gotas devido à falta de doses e um novo registro diário de 2.286 mortes por covid.

R7, com EFE

Opinião dos leitores

  1. É tudo muito contraditório:
    No Amazonas o Povo não pode respirar !
    -Brasil compra oxigênio à Venezuela:
    -Na Venezuela o povo não tem o que comer!
    -Brasil vende papel higiênico a Venezuela.

    Nos esgotos da corrupção, o encontro de 2 nações apodrecidas!

  2. Vou perguntar aos Venezuelanos que estão em Natal, se eles preferem volta ao seu país ou continuar no Brasil. A ditadura de Maduro mata mais que o covid.

  3. Os números para serem reais teria de considerar as mortes apenas do dia e não a de mortes de dias anteriores inclusas , que é o que mídia não fala

  4. Esse ? das rachadinhas poderia cair fora e deixar Mourão tomar conta, ele com certeza não vai se opor de entregar a faixa a Lula no dia 01/01/2023.

  5. Cuma????
    Um fdp desses o povo comendo cachorro na Venezuela aí esse vagabundo quer vir da pitaco aqui.
    Vai procurar um jumento safado.

  6. Primeiro, a Venezuela poderia pedir a onu pra impedir a fuga em massa de seus cidadãos, devido a fome, miséria e ditaduras; depois eles teriam condições de enxergar a situação do Brasil.

  7. A vergonha que o Brasil está passando é MUNDIAL. Lembra a Venezuela que vc, Bolsominion, tanto condenava ? Pois bem, ela está pedindo uma INTERVENÇÃO no Brasil. Que coisa feia!

  8. Vergonha mundial, levando carão da Venezuela! Kkkkkkkkk
    Aaaaai papai

    22 vem ai, prepare a faixa

  9. Lulinha paz e amor x Bozo só emoção
    Estamos em mau lençóis.
    Moro tem que se candidatar,se não tem capacidade argumentar,sai como vice do Mandetta.

  10. Esse maduro comunista ditador tem que se preocupar com o pais dele que está com uma inflação de 60.000% e só vacinou 12 mil pessoas.

  11. Vergonha mundial são vcs comunistas de merdas. Vergonha mundial é Venezuela, Cuba, China, Argentina onde o povo come lixo, carne podre e bichos

  12. Ontem tivemos 2286 óbitos pela Covid, o maior até então. Apenas quatro estados (RS, PR, MG e SP) representam 52% do total. O restante(48%) é representado por vinte e dois estados mais o DF. O resto vc conclui.

    1. Pelo andar da carruagem, vai ser só você. Nem ele mesmo, vai votar nele.

  13. A que ponto chegamos. A Venezuela com medo de se tornar um Brasil.
    Parabéns Bolsonaro, vc conseguiu!

  14. O Brasil virou um vergonha mundial pois representa risco a todos os demais países. Enquanto a pandemia nos demais países já caiu , no Brasil so aumenta devido a um presidente inepto e negacionista de merda! Quantos mais vão precisar morrer por causa desse bosta que só fala asneira e não comprou vacinas tempestivamente?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

ONU afirma que Amazônia corre o risco de virar savana

Área desmatada da Amazônia: documento destaca o problema das queimadas e da extração de madeira Foto: UESLEI MARCELINO / REUTERS

O relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) dá grande destaque ao meio ambiente, às pressões que o homem exerce sobre o planeta e cita diversas vezes o Brasil. O documento diz que, embora a Covid-19 tenha absorvido a atenção do mundo, as crises que já existiam continuam em curso, dando como exemplo os incêndios no Pantanal.

O texto, que traz dados sobre a colocação do Brasil no ranking de IDH, afirma que ecossistemas como a Amazônia “enfrentam o risco de mudar de floresta tropical para savana” devido à perda de mata causada por incêndios e mudanças no uso da terra.

“Agricultores e trabalhadores agrícolas às vezes ateiam fogo para preparar a terra para replantio ou para limpar ervas daninhas. Em 2018 e 2019, a Bolívia e o Brasil experimentaram grandes perdas em florestas primárias — no Brasil principalmente por extração de madeira e desmatamento para novos usos da terra e agricultura”, diz o relatório.

Para o Pnud, “as luzes de advertência da natureza e da sociedade estão piscando em vermelho”, diante das mudanças climáticas. Segundo o documento, “nenhum país do mundo alcançou a combinação mágica de alto desenvolvimento humano e baixa pressão planetária — ainda”.

Por conta da floresta e da poluição gerada em outros países, o Brasil ganha dez posições no ranking do IDH quando esse índice é ajustado às pressões sobre o planeta.

Clima extremo

De acordo com o documento, o mundo está desestabilizando os próprios sistemas de que precisa para sobreviver a uma velocidade e escala sem precedentes, citando o aumento da fome e da quantidade de calamidades relacionadas a desastres naturais.

“Já afetados por cada vez mais furacões e incêndios florestais, os países mais pobres podem enfrentar até mais cem dias de clima extremo por ano até 2100. Apesar de serem os maiores responsáveis por causar as mudanças climáticas, os países ricos poderiam reduzir esse número em 18 dias”, afirma o texto.

O documento ressalta ainda que as ações dos povos indígenas, cuja gestão ajuda a proteger grande parte da floresta tropical do mundo, compensa o equivalente a todas as emissões de carbono de 1% das pessoas mais ricas do mundo.

“No entanto, eles continuam a enfrentar dificuldades, perseguição e discriminação em muitas partes do mundo”, assinala.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Não chove porque existe floresta, há floresta porque chove!
    À região equatorial é quente e úmido, sempre haverá a floresta a não ser que mudem o eixo da terra

  2. Seria bom que a ONU e os países de 1°mundo se preocupassem com nosso sofrido Nordeste, que a tempos sofre efeitos de uma desertificação.
    Mas pelo que vejo o socorro é seletivo, e o povo do nordeste segue calado.

  3. Deixe homi, qdo o planeta ficar inóspito, os milionários irão pra outros planetas e nós ficaremos aqui discutindo entre nós qual dos milionários escolheu o melhor planeta pra viver.

  4. Corre mesmo. Mas o povo amazonense precisa empunhar a a causa. Caso isto não ocorra, fica mais difícil.

  5. Falam isso há décadas e continuamos como o país que mais preserva suas matas, temos 85% da floresta amazônica preservada. O reto é conversa para desgastar o governo, ou alguém ainda acredita que a ONU não é um órgão parcial?

  6. O mar de Aral foi consumido literalmente pela incompetência daquele extinto "regime de sucesso" que adora produtos do capitalismo. Alguém sabe de alguma manifestação dessa ONG contra tamanho crime ambiental?

  7. A política Ambiental do Presidente Jair Bolsonaro é a mais severa dos últimos anos. ONGs que mamavam dinheiro sem prestar contas, estão desesperadas.
    Outra, a floresta Amazônica não é só brasileira, a floresta tbm faz z parte de outros países fronteiriços.

  8. De fato que essa ONU é muito confiável. É a mesma que defendia o fique em casa que no final das contas reconheceu seu erro. Isso não passa de uma ideologia esquerdista

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

ONU aprova retirada da maconha de lista de drogas mais perigosas

A ONU aprovou a retirada da maconha de lista de drogas mais perigosas – Istock/Getty Images

A Comissão para Narcóticos da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta quarta-feira, 2, a retirada da maconha para uso medicinal da lista de drogas mais perigosas do mundo.

Composta por 53 Estados-membros, a comissão considerou uma série de recomendações feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para reclassificar a planta e seus derivados. Atualmente, a cannabis se encontra classificada como uma das drogas mais perigosas do mundo, ao lado da heroína.

Em 1961, o comitê estabeleceu uma lista com quatro tabelas de classificação, sendo a primeira para as drogas mais leves e a última para as mais pesadas. Uma segunda recomendação da OMS, que reclassificaria os derivados da cannabis, como o dronabinol e o THC, no nível mais baixo das tabelas, não ganhou apoio para ser aprovada.

O voto também ocorre ao mesmo tempo em que diversos países levam adiante a pauta para a legalização da cannabis e seus derivados, muitos deles para uso terapêutico. O México foi um dos últimos países a legalizar o uso recreativo. Nos Estados Unidos, eleitores aprovaram a discriminalização da cannabis em diversos estados.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Enquanto vocês ficam debatendo aí vou fumar um pra relaxar e dar umas risadas.
    kkkkkkkkk
    Vou dar um tapa na cara da sociedade!
    .kkkkkkkk

    1. Não tanto quanto na mão de um vagabundo, que tira a vida de um pai de família por um celular que ele batalhou o mês inteiro para comprar e mesmo assim não tem o direito de usa-lo na rua.

  2. Depois, os que falam em agendas globalistas são chamados de 'teóricos da conspiração'.
    Tudo para desestruturar as pessoas, para lhes tirar as responsablidades e delegar para o Estado (ou um supra-estado), desunir famílias, quebrar tradições, relativizar direitos (os lockdowns foram um trailer). Tudo com pretextos fofinhos e progressocas. Dividir para conquistar.

    1. Isso amigo desperto, precisamos denunciar essa agenda maçônico-globalista-comunista. Albert Pike já falava sobre isso antes da primeira guerra mundial…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Juíza será primeira brasileira a presidir Tribunal de Apelação da ONU

Martha Halfeld de Mendonça Schmidt, iintegrante do Tribunal de Apelações da ONU: ela foi escolhida para ser a presidente do órgão a partir de 1º de janeiro de 2021. Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação

Muitos conflitos no mundo acontecem por equívocos na comunicação e podem ser resolvidos com um sistema de prevenção que estabeleça uma comunicação eficaz entre as pessoas, principalmente no ambiente corporativo.

Essa é a visão da juíza Martha Halfeld de Mendonça Schmidt, que é integrante do Tribunal de Apelações da ONU (Unat – The United Nations Appeals Tribunal) e foi escolhida, por unanimidade, para ser a presidente do órgão a partir de 1º de janeiro de 2021.

Em conversa com a coluna, a juíza, que também atua na Vara do Trabalho de Juiz de Fora (MG), afirmou que muitos atritos podem ser sanados ou evitados com uma política de prevenção, o que reduziria as demandas enviadas ao Judiciário por colaboradores de empresas que se sentem desrespeitados. Para ela, a ONU já aplica esse sistema entre seus membros e é um bom exemplo dessa cultura de prevenção.

“O estabelecimento de uma mediação como forma de prevenção das demandas que chegam no Judiciário pode significar um melhor desempenho da empresa, uma melhor imagem da empresa perante a sociedade, pode significar eficiência administrativa, porque o empregado se sente respeitado, ouvido”, enfatiza Martha Halfeld.

A eleição da juíza para presidir o Tribunal de Apelações da ONU é histórica. Escolhida por unanimidade para um mandato de um ano como presidente, ela já atua no tribunal desde 2016 como membro. Para ela, chegar à presidência é o reconhecimento de uma trajetória dedicada ao Direito.

“É uma satisfação de ordem pessoal, mas transcende isso porque eu acho que é também uma demonstração pública de que talvez possa ser objeto de aspirações futuras de profissionais do Direito”, destaca.

Martha Halfeld espera que o mandato inédito abra caminhos para que outros brasileiros participem ativamente da ONU, já que o Brasil não tem tido cargos de destaque em organizações internacionais.

“Nesse ponto, parece uma posição estrategicamente relevante. Isso aumenta a minha responsabilidade, tem toda uma tradição de diplomacia brasileira, de respeitabilidade, de boa-fé nas iniciativas”, conclui a magistrada.

Matheus Leitão – Veja

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

ONU diz que precisa de U$ 665 milhões para evitar novas epidemias

Foto: © Tomaz Silva/Agência Brasil

Os transtornos causados pela pandemia de covid-19 nas campanhas de imunização contra o sarampo e a poliomielite deixaram milhões de crianças vulneráveis ao risco de doenças mortais e debilitantes, alertaram agências da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira (6).

Em um pedido de financiamento urgente para evitar epidemias das doenças contagiosas, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) disseram que 665 milhões de dólares são necessários para tratar de “disparidades de imunidade perigosas” em países pobres e de renda média.

“Não podemos permitir que a luta contra uma doença mortal nos faça perder terreno na luta contra outras doenças”, disse a diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore, em um comunicado.

Fore disse que os 665 milhões se dividem em 400 milhões para a pólio e 255 milhões para o sarampo.

O sarampo, uma das doenças mais contagiosas de que se tem conhecimento, ressurgiu nos últimos anos, e existem surtos em andamento em todo o mundo.

As defasagens na vacinação foram ainda mais exacerbadas em 2020 pela Covid-19, e a OMS disse que dados sobre as taxas de mortes de sarampo de 2019, que devem ser divulgadas na semana que vem, “mostrarão o fardo negativo contínuo que os surtos constantes estão causando”.

Reuters

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEOS: Falas em discurso de Bolsonaro na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU foram deturpadas; veja ainda íntegra e tire suas conclusões

 

Ver essa foto no Instagram

 

As “polêmicas declarações” do presidente Jair Bolsonaro, como assim classifica parte da imprensa, no discurso na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), nessa terça-feira(22), apresentaram pontos sensíveis de deturpação da fala, diante do que foi apresentado. O Blog do BG detalha: Conforme pode ser conferido em vídeos e em discurso na íntegra, no fim desse post, o presidente não falou que o auxílio emergencial era de mil dólares. Na verdade, falou que a soma era de aproximadamente mil dólares. Outros dois pontos repercutidos por parte da mídia, também apresentam deturpação do que foi noticiado: Bolsonaro não apregoou culpa em índios e caboclos. Como pode ser visto detalhadamente em texto, o presidente separou os focos culturais de coivaras com os focos criminosos e mostrou ações na regularização fundiária e com o uso do exército Por fim, também há uma outra distorção da fala em relação ao trecho que cita a decisão do STF, que de FATO, proibiu o presidente de decidir sobre isolamento e quarentena. Além da deturpação de parte da mídia, a nota da Associação Brasileira de Imprensa(ABI) – “Bolsonaro mente e envergonha o Brasil”, definitivamente, não é fidedigna ao discurso apresentado. Leia no Blog do BG, a íntegra do discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU nessa terça-feira (22).

Uma publicação compartilhada por Blog do BG (@blogdobg) em

As “polêmicas declarações” do presidente Jair Bolsonaro, como assim classifica parte da imprensa, no discurso na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), nessa terça-feira(22), apresentaram pontos sensíveis de deturpação da fala, diante do que foi apresentado.

O Blog do BG detalha:

Por tradição, o Brasil abre o evento.

O presidente fez declaração na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas). Por tradição, o Brasil abre o evento.

Conforme pode ser conferido em vídeos e em discurso na íntegra, no fim desse post, o presidente não falou que o auxílio emergencial era de mil dólares. Na verdade, falou que a soma era de aproximadamente mil dólares.

Outros dois pontos repercutidos por parte da mídia, também apresentam deturpação do que foi noticiado:

Bolsonaro não apregoou culpa em índios e caboclos. Como pode ser visto detalhadamente em texto, o presidente separou os focos culturais de coivaras com os focos criminosos e mostrou ações na regularização fundiária e com o uso do exército

Por fim, também há uma outra distorção da fala em relação ao trecho que cita a decisão do STF, que de FATO, proibiu o presidente de decidir sobre isolamento e quarentena.

Além da deturpação de parte da mídia, a nota da Associação Brasileira de Imprensa(ABI) – “Bolsonaro mente e envergonha o Brasil”, definitivamente, não é fidedigna ao discurso apresentado.

(Foto: Reprodução)

E MAIS:

Leia abaixo a íntegra do discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU nessa terça-feira (22):

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. BOLSONARO ATÉ 2026…???????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

  2. Eita que BG está 100% engajado na campanha do presidente.
    BG, não caia nessa, não vale à pena.

  3. Um senhor que chamou a covid de gripezinha, que jogou a responsabilidade da pandemia aos estados, que pagou $ 600 reais com muito atraso, que deixou muitas lojas, restaurantes, etc, fecharem , pois a ajuda emergencial que muito mais muito depois, depois que defendeu a cloroquina, sendo contrário as autoridades mundiais da saúde, mandando o povo ir para as ruas, não usando máscaras nem praticando o distanciamento social, no auge pandêmico, fugindo das responsabilidades ambientais, dizendo que tudo é truque da oposição, será que fala verdade em seu discurso, desprovido de algumas verdades? Me desculpe, acabei de perceber que , até agora, não tenho candidato para as próximas eleições. Tudo é farsa!!! Onde está o tal patriotismo? Muda Brasil de novo!!!

    1. Não vou defender Bolsonaro, mas fica evidente que você tem problemas em entender os fatos. Sua visão e percepção estão sofrendo de distorção doentia ou proporcional. Suas afirmativas vão em conflito a realidade. A começar pela questão do covid.
      Quem passou a responsabilidade aos governos foi o STF. Mais de 75% das mortes com covid se deu nos Estados que se colocaram contra a ivermectina e cloroquina no tratamento. O resto que fala, nem merece ser comentado, pois é uma distorção dos fatos.

    2. Seus comentários são típicos de pessoas invejosas.
      Vai se informar melhor e estudar os assuntos para dar sua opinião.

    3. Apoiadissimo! A soma das parcelas, pra todos que receberão até o final (sim, a 2a onda do auxílio trouxe exclusão de beneficiados) fecha em 770 dólares (cotação de hoje), tá um pouco longe de ser mil! União não é isenta pelo STF, porém corresponsável (papel que não assumiu) pela gestão de saúde. O auxílio inicialmente proposto seria de 200/pessoa e graças a algum empenho do Congresso, e, diga-se de passagem, da esquerda, foi elevado. O governo federal falhou sim, e falhou feio, em dar crédito pra salvar as pequenas e microempresas, que são quem de fato movimenta a economia e emprega nesse país. Reduziu em 1/3 a capacidade de fiscalização dos biomas nacionais e põe em cheque os próprios dados que divulga! Só isso já é suficiente pra não levar a sério o que ele diz! Tá foda, Brasil!

    4. Só falta vc dizer que Bolsonaro criou o virus no Palácio do Planalto para poder dar auxilio emergencial e ter um índice de aprovação maior.
      Pare de criar notícias ou deturpá-las.
      A esquerda não tem votos suficientes para (sozinha) mudar/aprovar qualquer coisa que esteja em votação
      Ô povo "megalomaníaco".

  4. BG, em média o auxílio era entre 800 e 900, pq mulher SOLTEIRA recebe dobrado. então o total chega próximo a 1000 dólares mesmo.

  5. O eleitor brasileiro, têm duas maneira de votar.ou vota por paixão, ou vota por interesse. Pelos comentários da pra perceber. Por isso os brasileiros tem os políticos que merece. Encham o bicho..

    1. Vc é brasileiro? Se for, se enquadra em qual das categorias?
      Se for estrangeiro, não tem valor sua opinião.

    1. É verdade, a GOVERNADORA FÁTIMA DO PT, quando SENADORA , disse ñ aceita a REFORMA DA PREVIDÊNCIA , por que destruía, estrupra e violenta os direitos dos trabalhadores / trabalhadoras principalmente os APOSENTADOS E PENSIONISTAS que prejudica no presente e no futuro o funcionalismo público ESTADUAL. Agora traiu tudo e todos resto é balela.

  6. Rapaz, se o Presidente da ABI é desse nível, leva a mais uma instituição importante ao descrédito e ao ridículo. É impressionante o ativismo político radical desse povo! Será que ele não sabe que existem gravações originais de todo pronunciamento oficial? Mentir em entrevistas nas esquinas é fácil e eles são contumazes nessas artimanhas.

  7. Apenas as mães que tem filhos menores de dezoito anos e que se inscreveram no primeiro lote, poucos diad de abril, assim que começou o programa, apenas essas que se aproximam de mil dólares, se alguém se cadastrou em meados de abril, já não vai receber a última parcela. Digo isso pq auxiliei duas mães no cadastro, só isso basta pra não acreditar em nada que ele falou.

    1. Isso é probelma de interpretação de texto ou tá apelando para a falácia da "evidência anedótica"?

  8. Ainda bem que o BG não é um dos muitos analfabetos funcionais espalhados na mídia. Se bem que no meio dessas distorções criadas tem muito mau-caratismo mesmo.

  9. O presidente proferiu um discurso histórico, no qual abordou TODOS os assuntos importantes para o nosso Brasil. Os verdadeiros brasileiros devem seguir seu exemplo e repercutir seus argumentos. É claro que a "lacrolândia" prefere, infantilmente, atender os interesses dos inimigos do nosso país e do nosso povo. Isso não mudará, mas o povo está enxergando tudo.

  10. Antes quando era parceiro de Cuba, Moçambique, Irã e Líbia não era um "pária". Cretinos. Vocês, da ABI, são a materialização do que de mais sujo há nessa imprensa pútrida. Espero que caia de podre e seja substituída cada vez mais pela informação na sua fonte primária e direta. A sociedade não suporta mais editorzinho de jornal decidindo o que é importante publicar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bolsonaro diz na ONU que Brasil é ‘vítima’ de ‘brutal campanha de desinformação’ sobre Amazônia e Pantanal

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (22), em discurso na Assembleia das Nações Unidas (ONU), que o Brasil é “vítima” de uma campanha “brutal” de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal.

O discurso foi apresentado por meio de um vídeo gravado. Por causa da pandemia de Covid-19, a reunião da ONU neste ano, baseada na sede da entidade em Nova York, é virtual.

Bolsonaro disse que o Brasil tem a “melhor legislação” sobre o meio ambiente em todo o mundo e que o país respeita as regras de preservação da natureza.

Para ele, a riqueza da Amazônia motiva as críticas que o país sofre na área ambiental. Bolsonaro disse que entidades brasileiras e “impatrióticas” se unem a instituições internacionais para prejudicar o país.

“Mesmo assim, somos vítimas de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal. A Amazônia brasileira é sabidamente riquíssima, isso explica o apoio de instituições internacionais a essa campanha escorada em interesses escusos que se unem a associações brasileiras, aproveitadoras e impatrióticas, com o objetivo de prejudicar o governo e o próprio Brasil”, afirmou Bolsonaro no vídeo.

No discurso, Bolsonaro disse que a floresta amazônica é úmida. Por isso, segundo ele, o fogo não se alastra pelo interior da mata. De acordo com o presidente, os incêndios ocorrem apenas nas bordas da Amazônia e são realizados por “índios” e “caboclos”.

“Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente, nos mesmos lugares, no entorno leste da Floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas”, continuou o presidente.

Bolsonaro disse ainda que mantém uma postura de “tolerância zero com o crime ambiental”.

Ele repetiu, como têm feito integrantes do governo, que o fato de o Brasil ser uma potência no agronegócio motivam informações distorcidas sobre o meio ambiente no país.

“O Brasil desponta como o maior produtor mundial de alimentos. E, por isso, há tanto interesse em propagar desinformações sobre o nosso meio ambiente”, argumentou.

Veja outros pontos do discurso de Bolsonaro:

Derramamento de óleo

Ainda sobre a questão ambiental, Bolsonaro classificou de “criminoso” o derramamento de óleo que atingiu a costa brasileira no ano passado. De origem venezuelana, o óleo vazado, segundo ele, foi “vendido sem controle”.

“Em 2019, o Brasil foi vítima de um criminoso derramamento de óleo venezuelano, vendido sem controle, acarretando severos danos ao meio ambiente e sérios prejuízos nas atividades de pesca e turismo”, disse em seu discurso.

O presidente disse que o Brasil considera importante respeitar a liberdade de navegação, mas que “as regras de proteção ambiental devem ser respeitadas e os crimes devem ser apurados com agilidade”.

No entanto, no mês passado, um ano depois do maior desastre de vazamento de óleo do país, a Marinha do Brasil finalizou a primeira parte das investigações sem apontar culpados e sem revelar a origem exata do derramamento que atingiu o litoral de nove estados do Nordeste e dois do Sudeste, totalizando 130 municípios.

De acordo com apuração, ficou confirmado que o óleo é de origem venezuelana, o que não significa que ele tenha sido lançado por navios ou empresas daquele país.

Pandemia

Logo na abertura do discurso, Bolsonaro disse lamentar “cada morte” por Covid-19. O Brasil é o segundo país com mais mortes em decorrência da doença e o terceiro com maior número de infectados, de acordo com a universidade norte-americana Johns Hopkins.

Ele repetiu no discurso uma de suas principais frases sobre a pandemia: a de que sempre defendeu ações para combater o vírus e os efeitos econômicos da pandemia.

“Desde o princípio, alertei, em meu país, que tínhamos dois problemas para resolver: o vírus e o desemprego, e que ambos deveriam ser tratados simultaneamente e com a mesma responsabilidade”, afirmou o presidente.

Desde o início da pandemia, ele criticou as medidas de isolamento social e restrição de circulação de pessoas, apontadas pelas autoridades sanitárias de todo o mundo como as mais eficazes para evitar contágio e mortes por Covid-19.

Na ONU, Bolsonaro disse que a imprensa no Brasil “politizou” o vírus e que as medidas de isolamento “quase” levaram o país ao “caos social’.

“Como aconteceu em grande parte do mundo, parcela da imprensa brasileira também politizou o vírus, disseminando o pânico entre a população. Sob o lema ‘fique em casa’ e ‘a economia a gente vê depois’, quase trouxeram o caos social ao país”, disse o presidente.

Com G1

 

Opinião dos leitores

  1. Faz pena ler os comentários dos "lacradores". O presidente segue com aprovação crescente (recebido pelo povo calorosamente por onde passa), está desfazendo os "currais eleitorais" da esquerdalha e está com reeleição praticamente assegurada em 2022. Enquanto isso, os seus adversários veem sua popularidade e aceitação minguando a cada dia que se passa. Mas essa gente continua seu discurso mentiroso e insano (devem estar sendo pagos para isso), tentando "tapar o sol com peneira". A propósito, "lacradores", como estão seus candidatos prediletos nas pesquisas eleitorais? Vai chegar a eleição de 2022 e vocês não vão "se tocar"? Bolsonaro neles! Kkkkkkkkkk

    1. Você viu o mesmo discurso? Vou resumir:
      – Óleo no NE: culpa da Venezuela
      – Queimadas: culpa dos índios
      – Amazônia não pega fogo
      – Auxílio emergencial foi de U$1.000,00!
      – A cristofobia é uma ameaça no Brasil

    2. Olha, meu caro, ele só disse verdades. Claro que a "lacrolândia" continuará com sua campanha CONTRA O BRASIL, achando que estão prejudicando o presidente. Essa oposição (na verdade, perseguição) insana, irresponsável, prejudica o nosso país e o nosso povo. Como você também parece viver no Brasil, está "furando o barco" em que todos nós estamos navegando. E o pior é que vocês, "lacradores" parecem não enxergar coisa tão simples. Preferem, infantilmente, fazer o jogo dos adversários do nosso país.

  2. Cristofobia vai ser o kit gay das próximas eleições. Que falta uma boa educação faz a esse país.

  3. Esse miliciano pensa que está discursando para a boiada dele, no curral. Quase 140 mil mortes, o Pantanal em chamas 24h por dia…
    Não faz nada pra ajudar na diminuição das queimadas e ainda crítica quem está lá na linha de frente tentando ajudar.

    1. Constituição Federal, art. 144, §5º e §6. Corpo de Bombeiros é de responsabilidade dos GOVERNADORES! O Governo Federal só poderá agir se o Governador pedir ajuda, aí, basta não pedir, deixar queimar e colocar a culpa no Presidente! MT só depois de queimar muito que pediu ajuda, nesse caso, é só dizer que o Presidente demorou a ajudar! É assim que funciona e que os "esquerdopatas" agem e fazem a propagando para o mundo ajudá-los a terminar de arruinar a economia do país.

    2. Bolsonaro não vai entregar o Brasil como vcs querem, fique vc em casa e só procure um médico se sentir falta de ar.

    3. Com a palavra o "Entregador de Abobrinha", autoridade competente em falar do que não entende e espalhar o que não compreende. Caso clássico do Efeito Dunning–Kruger.

    1. Sério que tem gente que segue apoiando um presidente miliciano que mente descaradamente e de forma cínica para o mundo inteiro? Onde fica esse país que ele falou no discurso?

    2. Tem. Eles vivem dentro daquela realidade e acreditam ser verdade o que ele diz. Essas pessoas vão deixadas de lado, não há mais o que fazer por elas. Achar o modo de contrastar essa corrente de forma definitiva é a única coisa a fazer.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Uma a cada 4 meninas no Brasil se casa antes dos 18 anos, diz ONU

Foto: Getty Images

De cada quatro meninas no Brasil, uma ainda se casa antes de completar 18 anos de idade. Os dados foram publicados nesta terça-feira pelo Fundo de População da ONU (Organização das Nações Unidas), que divulgou seu relatório mundial sobre as violações de direitos contra mulheres e meninas.

O Brasil, conforme o relatório, tem uma alta taxa de casamento infantil e, apesar de ter apresentado melhora nos indicadores de gravidez na adolescência, ainda está acima da média mundial. Oficialmente, só é permitido oficializar casamentos entre homens e mulheres acima de 18 anos, ou 16 anos quando autorizado pelos pais.

Segundo o documento, são profundas as violações de direitos de meninas que culminam em uniões e gravidezes precoces, além de prejudicarem o acesso à educação e perpetuarem o ciclo de pobreza. “O casamento infantil está intrinsecamente relacionado à pobreza, desigualdade social e baixa escolaridade no mundo todo, sendo também mais comum entre meninas do que meninos”, disse.

No caso do Brasil, a taxa de casamento infantil está acima da média mundial. No país, ela seria de 26%, contra 20% na média da comunidade internacional. Atualmente, a maior prevalência dessa união precoce está na África Ocidental e Central – com 40% -, seguida pela África Oriental e Austral – com 34%.

“Casamentos de crianças são quase universalmente proibidos, mas acontecem 33.000 vezes por dia, todos os dias, em todo o mundo”, alerta a ONU. “Estima-se que 650 milhões de meninas e mulheres vivas hoje casaram-se quando eram ainda crianças e, até 2030, outras 150 milhões de meninas com menos de 18 anos irão se casar”, constata.

“Meninas perdem a chance de desenvolver seu potencial”, diz representante

Para a representante auxiliar do Fundo de População da ONU no Brasil, Júnia Quiroga, a realidade de muitas dessas meninas no país se mantém invisível em muitos casos. “São milhares de meninas afetadas, todos os dias, sem que sequer se deem conta do abismo onde são colocadas”; afirmou.

“Meninas que perdem a chance de atingir todo o seu potencial em razão de uma estrutura econômica e social que as priva do acesso a direitos fundamentais, como o acesso à educação, ao trabalho e suas escolhas reprodutivas”, disse.

Para a agência da ONU, tal situação pode ser ainda mais dramática diante da pandemia da Covid-19. Segundo o Fundo de População da ONU, a interrupção de serviços de prevenção ao casamento infantil e empoderamento de meninas pode fazer com que o número de casamentos infantis seja aumentado em 13 milhões além do usual entre 2020 e 2030.

Com informações do Universa – UOL

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Venezuela acusa Brasil de ser ameaça para a região em carta à ONU

Foto: REUTERS/4-5-2020

O governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, informou nesta terça-feira que enviou uma comunicação ao secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, acusando o governo do presidente Jair Bolsonaro de ser “negligente” no combate à pandemia da Covid-19 e afirmando que esta atitude “atenta contra toda a América do Sul”. A decisão do Palácio de Miraflores foi divulgada pelo chanceler Jorge Arreaza, na rede social Twitter.

Na mesma carta, publicada pelo chanceler chavista, a Venezuela pede a intervenção das Nações Unidas para exigir que o governo Bolsonaro “atue com responsabilidade”. “Hoje podemos afirmar, sem medo de errar, que o presidente Jair Bolsonaro e seu governo se transformaram no pior inimigo dos esforços para sair vitoriosos da pandemia da Covid-19 na América Latina e o Caribe”, diz o texto enviado às Nações Unidas. O Palácio de Miraflores menciona a troca de ministros da Saúde e a intenção do Brasil de, seguindo os passos do governo americano de Donald Trump, abandonar a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“A catástrofe sofrida pelo Brasil como consequência da Covid-19 afetará, sem dúvida, a Republica Bolivariana da Venezuela e todos os países da região… até o dia 15 de junho, a Venezuela registra 3.062 casos de coronavírus confirmados. Somente nos estados de fronteira, do lado brasileiro, se contabilizam 62 mil casos confirmados”. Na visão do governo Maduro, o Brasil hoje “carece de uma política coerente para a contenção na pandemia”.

Números questionados

A carta enviada pelo chanceler Arreaza causou surpresa entre membros da oposição venezuelana liderada por Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional (AN) não reconhecida pelo Palácio de Miraflores e nomeado por ela “presidente encarregado” do país. Atualmente, vários diplomatas do governo chavistas que foram expulsos pelo governo brasileiro se recusam a retornar para a Venezuela amparados por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que menciona os riscos que estariam correndo se, de fato, abandonassem o país.

A oposição venezuelana acusa o governo Maduro de manipular as estatísticas oficiais da pandemia e o chavismo, desde o início da autoproclamada revolução bolivariana, em 1999, e de ter destruído o sistema público de saúde. Guaidó lançou programas de ajuda aos médicos venezuelanos e defende a criação de um governo de emergência para enfrentar a crise sanitária. Seus aliados já selaram acordos, entre outros, com a Organização Pan-americana da Saúde (OPAS). Em paralelo, a oposição venezuelana resiste à convocação de eleições legislativas no fim deste ano com as mesmas autoridades eleitorais de sempre, controladas pelo chavismo.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Esse criminoso e tirano Venezuelano Deveria matar a fome do seu povo ao invés de estar falando nerds sobre o Brasil. Já passou da hora dos EUA matar esse bandido Que se denomina presidente da Venezuela e colocar no poder o verdadeiro presidente João Guaidó.

  2. Tenho a ligeira impressão que a Venezuela esqueceu de informar que o responsável pela ação foi decidida pelo STF e definiu que os governadores e prefeitos é quem deveria fazer todas as ações contra e epidemia e que o nosso presidente estaria fora destas ações, e que eles estão cumprindo com muita "eficiência" é só o STF mandar fazer uma auditoria, o que fatalmente não será feito.

  3. Tenho a ligeira impressão que a Venezuela esqueceu de informar que o STF definiu que os governadores e prefeitos é quem deveria fazer todas as ações contra e epidemia e que o nosso presidente estaria fora das desta epidemia.

  4. Ah, mundo louco! Maduro com medo de perder o título de ditador da América do Sul para o Capetão…

  5. Era só o que faltava! Kkk
    Olha as autarquias que ameaçam Bolsonaro!
    Isso é referência pra nada?
    Quando uma autarquia dessa fala de Bolsonaro, a exemplo do Lula, boulos, frutinha, entre outros, aí que veremos que estamos do lado certo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ex-ministros da Saúde acusam Bolsonaro de minimizar pandemia e recorrem à ONU e à OMS

Foto: Carolina Antunes/PR

Uma carta assinada por sete ex-ministros da Saúde repudia o pronunciamento feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na terça-feira (24) e o acusa de minimizar e tratar de forma insensata uma pandemia com as proporções do novo coronavírus.

Segundo atualização da OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta quarta (25), já são mais de 415 mil casos ao redor do mundo e mais de 18 mil mortos.

Assinado por Humberto Costa (2003-2005), José Saraiva Felipe (2005-2006), José Agenor Álvares da Silva (2006-2007), José Gomes Temporão (2007-2010), Alexandre Padilha (2011-2014), Arthur Chioro (2014-2015) e Marcelo Castro (2015-2016), ministros de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (PT), o documento afirma que Bolsonaro, preocupado em atender interesses estritamente econômicos, propõe uma dicotomia entre o enfrentamento da crise na saúde e na economia.

“Os países que têm conseguido os melhores resultados são aqueles que fizeram o isolamento social, garantiram o atendimento à saúde da população e tomaram medidas para manter a renda e ativar a economia. Não há, portanto, dicotomia entre manter a atividade econômica e salvar vidas”, diz a carta dos ex-ministros.

O presidente tem criticado medidas tomadas por governadores para a restrição de movimentação de pessoas e defendido o isolamento apenas para aqueles do chamado grupo de risco, como idosos e portadores de comorbidades, o que chamou de “isolamento vertical”.

Segundo o ex-ministros, que irão recorrer à OMS e à Comissão de Direitos Humanos da ONU, a postura de Bolsonaro desmobiliza a população que vem seguindo as orientações de autoridades de saúde, incluindo o Ministério da Saúde, e governantes, de modo a ferir o pacto federativo e a autonomia de seus entes.

“Seu pronunciamento pode resultar em uma sobrecarga do sistema de saúde brasileiro de trágicas consequências, particularmente entre os grupos mais vulneráveis da sociedade. É necessário que os líderes republicanos se juntem em torno da defesa da vida”, afirmam.

Ministros de outros governos não foram procurados para assinar o documento após não haver disposição em iniciativa anterior, por ocasião da Conferência Nacional de Saúde.

Mônica Bergamo – Folha de SP

 

Opinião dos leitores

  1. Ministros de Lula e Dilma? A opinião deles não conta. São cúmplices dos maiores ladroes do mundo. Começo a dar razão ao presidente, se parar tudo o resultado será pior do que o vírus.

  2. O primeiro da lista é logo o sangue suga, aquele vampiro das ambulâncias.
    A matéria é parcialmente fake, haja vista não relatar sobre a conduta do Japão.

  3. Só quadrilheiro kkkkkkkk
    Tão tudo doido.
    Kkkkkkkk
    Meu presidente Bolsonaro, to com bc e não abro!

  4. ESSES MINISTROS SÃO OS MESMO DA GRIPE SUÍNA,GRIPE AVIARIA,H1N1? E MUITOS DO PETROLÃO?????……………KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  5. Não seria melhor se entregarem para serem julgados num tribunal internacional sobre como deixaram a saúde no país? Será se seriam condenados por crimes contra humanidade?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

ONU diz que recessão global é praticamente certa

Foto: © Mark Garten/ONU

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, alertou que uma recessão global é “praticamente certa” em razão da pandemia do coronavírus.

Ele disse que a atual crise global de saúde é “diferente de qualquer outra num período de 75 anos na história das Nações Unidas”.

Guterres se referiu ao informe da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que estima que “os trabalhadores em todo o mundo poderão perder até mesmo US$ 3,4 trilhões de receita até o fim deste ano”.

Ele conclamou a realização de uma “resposta global coordenada” para ajudar os países em desenvolvimento a conterem o alastramento do vírus”.

Guterres acolheu com agrado a decisão tomada pelos líderes do G20 de realizar uma cúpula de emergência por meio de vídeo, na próxima semana, para discutir a questão da pandemia.

Ele conclamou os líderes a coordenarem uma resposta em uma amplitude que deve combinar com a escala da crise.

Agência Brasil, com NHK – Japão

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Chanceler russo defende entrada do Brasil no Conselho de Segurança da ONU

Foto: KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, pediu hoje uma mudança nas relações internacionais e a inclusão de Brasil, Índia e algum país africano como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

As declarações de Lavrov foram feitas durante a participação no Raisina Dialogue, um fórum político e econômico organizado pelo governo indiano em Nova Déli, onde o chanceler também se pronunciou contra as “sanções unilaterais” impostas por alguns países potências a outros e contra a construção da ordem mundial baseada na “força bruta”.

“Eu diria que a principal deficiência do Conselho de Segurança é a baixa representação dos países em desenvolvimento. Reiteramos a nossa posição de que Índia e Brasil merecem absolutamente estar no conselho juntamente com um candidato africano”, disse o ministro.

“Nossa posição é que o objetivo da reforma (do Conselho) é assegurar que os países em desenvolvimento sejam melhor tratados no órgão central das Nações Unidas”, acrescentou.

Lavrov especificou que as novas presenças no organismo internacional deveriam ser como membros permanentes, posição atualmente ocupada apenas por cinco países: Rússia, Estados Unidos, China, França e Reino Unido.

Além disso, mais dez países são membros temporários do Conselho, incluindo atualmente Bélgica, Alemanha, Indonésia e África do Sul, entre outros. Lavrov enquadrou a reforma do Conselho de Segurança da ONU entre as novas relações diplomáticas do século 21.

“O século 21 é o tempo em que devemos nos libertar de qualquer método de lidar com as relações internacionais de forma colonial ou neocolonial, e as sanções impostas unilateralmente não vão funcionar, ou seja, não é diplomacia”, disse Lavrov, referindo-se às sanções econômicas que alguns países, como os EUA, impuseram a outros, como Irã e Rússia.

“Acho que não devemos discutir sobre sanções e meios não diplomáticos quando pensamos sobre o futuro do mundo”, argumentou o chanceler.

O ministro russo acrescentou que “a ordem democrática mundial deve ser baseada não no equilíbrio da força bruta, mas construída como um concerto de interesses, modelos de desenvolvimento, culturas (e) tradições”.

Lavrov também sugeriu que os países do Golfo Pérsico “pensem em mecanismos de segurança coletiva” e que comecem a “construir confiança” participando conjuntamente em exercícios militares, diante do recente aumento da tensão no Oriente Médio.

Essa tensão ganhou grandes proporções após os EUA assassinarem o general iraniano Qassim Suleimani no Iraque e continuou com o ataque de mísseis do Irã contra bases com a presença de tropas americanas no território iraquiano.

Lavrov disse ontem, durante uma visita ao Sri Lanka antes de participar do fórum indiano, que a Rússia não pretende intervir no conflito, embora tenha descrito o assassinato de Suleimani como um ato fora das regras de comportamento internacional.

UOL, com EFE

 

Opinião dos leitores

  1. Agora os devotos, seguidores e admiradores do partido que virou quadrilha vão começar a se suicidar! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Calma Silvas chega de péssimos .
    O Brasil esta mudando.
    É assim mesmo o processo é lento, mas esta indo de forma firme.
    Toda mudança leva tempo, o Brasil acordou de um pesadelo de 16 anos.
    Ajude o Brasil a se tornar uma realidade

  3. Pra quê? se até a Venezuela tira onda com o Brasil. Ainda mais, quem danado vai lutar por um país que só trata com dignidade 10% da população, e os corruptos ladrões são tolerados e suportados, igualzinho a ninhos de ratos convivendo na sala da casa, e tomando a comida das mãos das crianças.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Venezuela perde direito a voto na ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou que a Venezuela e outros seis países perderam seu direito a voto em 2020 por causa de dívidas relativas a suas contribuições para a entidade.

A lista também inclui Gâmbia, Lesoto e República Centro-Africana, na África; Tonga, na Oceania; e Iêmen e Líbano, no Oriente Médio. O porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, disse que outros três países – Comoros, São Tomé e Príncipe e Somália, todos na África – também estão em atraso, mas manterão o direito a voto até setembro.

O ministro venezuelano das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, pediu para a ONU voltar atrás na decisão e disse que o atraso nas contribuições do país se deve às sanções impostas pelos Estados Unidos.

“O embargo financeiro dos EUA fechou os caminhos bancários à disposição do Estado venezuelano para honrar seus pagamentos, violando abertamente o direito internacional”, afirmou o chanceler no Twitter.

A ONU pode suspender o direito a voto de membros que deixem de pagar suas contribuições em pelo menos dois anos consecutivos, desde que a situação não dependa de causas de força maior reconhecidas pela própria entidade.

Época Negócios

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *