Economia

Silva e Luna toma posse na Petrobras e diz que reduzirá volatilidade de preços

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Petrobras buscará reduzir a volatilidade dos preços de combustíveis sem “desrespeitar” a paridade de importação, afirmou nesta segunda-feira (19) o novo presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, durante cerimônia de sua posse.

Segundo ele, é preciso fazer tudo “conciliando interesses de consumidores e acionistas, valorizando os nossos petroleiros, buscando reduzir volatilidade sem desrespeitar a paridade internacional”.

O executivo disse ainda que tem o objetivo de garantir o maior retorno possível ao capital empregado.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Petrobras aumenta preço de gasolina e diesel às vésperas de mudança no comando

Foto: Custódio Coimbra/Agência O Globo

Na véspera da nomeação do general Joaquim Silva e Luna como presidente da estatal, a Petrobras anunciou alta nos preços da gasolina e do diesel hoje. Os novos valores passam a valer a partir de amanhã.

Segundo a estatal, o diesel teve alta média por litro de R$ 0,10 . Assim, passará de um preço médio de R$ 2,66 para R$ 2,76. Esse é o sexto aumento desde janeiro. No ano, o diesel acumula alta de 36,6% nas refinarias.

O litro da gasolina subiu R$ 0,05 por litro, passando de R$ 2,59 para R$ 2,64. Esse é o sétimo aumento do ano. Assim, no acumulado do ano a gasolina acumula alta de 43,4% nas refinarias.

Em nota, a Petrobras disse que o “alinhamento dos preços ao mercado internacional é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras”.

A estatal esclareceu que “os reajustes são realizados a qualquer tempo, sem periodicidade definida, de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo”. Isso possibilita, informou a empresa, “competir de maneira mais eficiente e flexível e evita o repasse imediato da volatilidade externa para os preços internos”.

No dia cinco de abril, a Petrobras elevou o preço do gás às distribuidoras em até 39%. A alta começa a valer a partir de maio. O reajuste será repassado ao consumidor final, embora não na mesma proporção, segundo a associação que reúne as distribuidoras.

O aumento nos preços dos combustíveis a partir de meados de fevereiro gerou um desgaste entre o então presidente da estatal Roberto Castello Branco e Jair Bolsonaro. Insatisfeito, Bolsonaro demitiu Castello Branco e nomeou Silva e Luna para o cargo.

O Globo

Opinião dos leitores

    1. caro amigo, se informe melhor ,nenhum presidente pode interferir na Petrobras a não ser mudar a presidência, e mesmo assim quando o atual presidente mudou ,o STF ainda quis investigar se o presidente interferiu na Petrobras, e só a nível de informação eu não sou bolsonarista , mas não faço oposição por fazer , antes me informo bem sobre as notícias, fica a dica.

  1. O que me intriga é Que não tem alguém pra gritar estericamente nos postos quando no Goveno petista a Gasolina subia alguns centavos.agora pasmem.estamos no Mês 04 e já temos 07 aumentos. Onde estará a turma do “Só é tirar a Dilma que tudo melhora ”
    ?????

  2. Pronto, amanha ja sobe 40 centavos nos postos. Daqui a pouco a gasolina vai chegar aos 6 reais e o presidente vai dizer que foram os governadores que aumentaram. O pior é que tem muito apombaiado que acredita, apesar de que a grande maioria ja está percebendo quem realmente está jogando o Brasil num buraco.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Petrobras anuncia redução nos preços da gasolina e do diesel a partir desta quinta

Foto: Economia G1

A Petrobras vai reduzir o preço da gasolina e do diesel nas refinarias a partir desta quinta-feira (25), informou a companhia. É a segunda queda no preço da gasolina este ano e a primeira do diesel.

O preço médio de venda da gasolina passará a ser de R$ 2,59 por litro, queda de R$ 0,11 (-3,71%). O preço do diesel passa a ser de R$ 2,75, queda de R$ 0,11 (-3,85%).

A redução no diesel vem após cinco altas consecutivas este ano. Já a gasolina subiu seis vezes antes de ter o preço reduzido na semana passada.

Com a mudança, a gasolina passa a acumular alta de 40,76% desde o início do ano, enquanto o diesel subiu 36,14%.

Em dezembro, o litro da gasolina custava em média R$ 1,84. Já o do diesel saía a R$ 2,02.

Troca de comando

As sucessivas altas nos combustíveis este ano irritaram o presidente Jair Bolsonaro, que indicou o general Joaquim Silva e Luna para substituir o presidente Roberto Castello Branco do comando da estatal, como mostra o vídeo abaixo.

A troca provocou um forte forte abalo nas ações da companhia, que chegou a perder R$ 75 bilhões em valor de mercado em um só dia.

Lucro recorde

A Petrobras encerrou o quarto trimestre de 2020 com lucro recorde de R$ 7 bilhões, apesar do momento de crise. Segundo a Economatica, o resultado é tanto recorde nominal entre as empresas brasileiras como também quando se ajustam os valores dos maiores lucros da história pela inflação.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Foi só sair o comunista Castello Branco que aqui onde moro baixou R$ 0,30, e podem ter certeza que vai baixar mais.
    A política do governo federal é de baixar impostos federais ao contrário dos governos estaduais que vem aumentando o ICMS na pandemia.

  2. Nunca vai baixar cidadoes, são vampiros da
    vida, exploradores, a carne,arroz ou feijão, estamos no Brasil, terra de ladrão

  3. Os donos de postos tem dificuldade de fazer as contas pra reduzir o preço nas bombas.
    Justificativa, qdo compraram o preço era mais alto, então só com os novos estoques!
    Interessante que qdo é anúncio de aumento o estoque nunca é antigo e o reajuste sempre é automático.
    Próximo reajuste pra cima vai passar dos R$6,10.

  4. Não baixou nem o da semana passada imagine essa de agora,para subir vem a galope mas para baixar vem a passos de tartaruga.

  5. O ultimo parágrafo demonstra que existe crime ou no minimo omissão….!!! Lucro exarcebado e o povo nessa situação!!! Quem é burro hj pra comprar um carro 2.0 ou suv!!!????? Só os arrumados…!!!!

  6. E ainda teve gente que reclamou da mudança do presidente da Petrobras.
    Já é a segunda redução.
    Bora galera Lula livre

    1. Olha Gustavo eu acho que quem reclamou não foi a galera lula livre não, hein. Foram mais os Paulo Guedetes. Aliás, o que Bolsonaro está fazendo com os preços é exatamente o que Dilma fez e deixou a galera da faria lima chateada. Nesse ponto Bolsonaro = Dilma.

  7. Será que chega na bomba pra nós , este desconto … pra subir é imediato. Para baixa a conversa é outra , a baixa da semana passada ainda não vi chegar aqui vcs viram ??? Pagamos a gasolina mais cara do NÉ . MP e Procom vamos trabalhar tirar bundinha da poltrona .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Petrobras anuncia primeira redução, em 5%, no preço da gasolina do ano

Foto: Divulgação/Petrobras

A Petrobras reduzirá o preço do litro da gasolina, na média, em 5% nas refinarias, a partir de sábado (20/03). O preço do diesel, por sua vez, segue inalterado.

Com o ajuste, o litro gasolina ficará R$ 0,142 mais barato nas refinarias, ao custo de R$ 2,69 o litro.

Esta é a primeira queda nos preços praticados pela estatal para a gasolina no ano. Até então, a petroleira havia anunciado seis aumentos em 2021 para o derivado.

A queda da gasolina acompanha a desvalorização dos preços internacionais do petróleo nos últimos dias. Entre 9 de março, data do último reajuste, até ontem, o barril do tipo Brent acumulou uma desvalorização da ordem de 7%.

Valor

Opinião dos leitores

  1. Em 30 dias essa diminuição chegará nas bombas. Se fosse reajuste para cima, amanhã ou até mesmo hoje estaria na bomba.

  2. Quero vê baixar na bomba à exemplo quando aumenta. Os Srs. dizem que só diminui quando chegar a gasolina com novo preço. Quando é para aumentar os menino bestas marcam na calada da noite. Não deixam nem amanhecer o dia. BRASILLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL.

  3. Já vou correndo agora para o posto de combustível para pegar essa redução no preço.
    Quero ver se os donos de postos serão tão ligeiros como fazem nos dias de aumento de preços.
    Espera aí uns quinze dias!!!! Se é que vão atualizar….
    Só tem caba sabido nesse Brasil …

    1. Deco, primeiro vai vê se a sua desgovernadora baixa a pauta do ICMS que ela subiu essa semana.
      Aquele tal PMPF que vc sequer sabe o que é.
      Blz!!
      Otário.

    2. Não enrola, amigo..
      Faz tua parte e pressiona GD pra baixar ICMS

  4. E aí donos de postos do RN, ficaram sabendo ou vão fingir que não sabem?
    Onde a gasolina tá mais barata hj custa R$ 5,89, bora aguardar que preço vai ficar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Por que a Petrobras quase não tem concorrentes na produção de combustível

Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Com o preço dos combustíveis em escalada vertiginosa nas últimas semanas, o governo corre atrás de uma forma rápida de controlar os impactos que os preços mais altos têm para os fretes e os consumidores, em um momento em que a economia cambaleia aos efeitos de uma pandemia que já se arrasta há um ano.

Troca do presidente da Petrobras, corte temporário de alguns impostos, proposta para mudar outros e discussões para criar um fundo de subsídio às variações são algumas das medidas executadas ou aventadas pelo governo de fevereiro para cá, em resposta às incômodas altas do diesel e da gasolina. Puxados por uma disparada do dólar e do petróleo no mundo, os dois já ficaram mais de 40% mais caros nas refinarias do país em pouco mais de dois meses neste ano.

Para muitos, uma solução permanente e de longo prazo para os combustíveis caros, sem precisar depender da mão do governo, que pode mudar a política conforme muda a gestão, passa, necessariamente, por ter mais concorrência no mercado de refino no Brasil.

O refino é a área da indústria petrolífera que transforma o petróleo bruto em seus derivados, como gasolina, diesel, querosene, lubrificantes, nafta e outros. No Brasil, ela é virtualmente monopolizada pela Petrobras: o país tem hoje 17 refinarias, das quais 13 são da estatal e respondem por 98% da produção. Essa produção doméstica, por sua vez, entrega por volta de 80% de tudo o que é consumido internamente. Os 20% restantes vêm de importadoras privadas que complementam o mercado.

Monopólio oficial acabou em 1997

A Petrobras já foi, oficialmente, a única empresa permitida a atuar na indústria de petróleo e derivados no Brasil, o que lhe dava o monopólio de fato do mercado e, por extensão, ao governo, que tinha controle pleno dos preços por meio de sua estatal.

Foi assim por 44 dos 68 ano de vida da companhia, desde que foi criada pelo presidente Getúlio Vargas, em 1953, até 1997, quando o governo de Fernando Henrique Cardoso editou a nova Lei do Petróleo e quebrou o monopólio, o que permitiu que outras concorrentes passassem também a atuar no Brasil.

Na exploração do petróleo bruto, várias de fato vieram. A Agência Nacional de Petróleo (ANP) conta, hoje, mais de 30 companhias retirando óleo e gás das reservas brasileiras ao lado da Petrobras. No refino, porém, quase nenhuma apareceu, e a estatal segue sendo praticamente a única fornecedora de combustíveis para os brasileiros. Por que isso acontece?

Os concorrentes não aparecem

Na visão de especialistas do setor, a resposta passa pelo tamanho e o histórico da concorrente: tentar fabricar combustíveis no Brasil significa competir com uma gigante do porte da Petrobras, controlada pelo governo e que, em vários momentos, acabou vendendo seus produtos abaixo do preço de mercado, o que torna o negócio inviável para qualquer outra empresa.

Isso era a praxe antes da quebra do monopólio nos anos 1990: quando existia a chamada “conta petróleo”, o Tesouro Nacional pagava a Petrobras, à época ainda uma grande importadora, para vender combustíveis mais baratos do que o preço de custo nos momentos de alta.

Também voltou a se repetir nos anos de 2000 e 2010, em especial durante o governo de Dilma Rousseff (2011-2016), quando, mesmo com barril e o dólar am alta, os preços dos combustíveis revendidos aqui seguiram congelados. A política não só espantou outros investidores, como também foi uma das responsáveis pelos quatro anos de prejuízo que a Petrobras teve entre 2014 e 2017.

“O Brasil vai continuar refém dos preços internacionais enquanto não for autossuficiente em combustíveis e, para isso, precisa ter investimentos para ampliar a capacidade de refino”, disse o presidente-executivo da Associação Brasileira dos Importadores de Petróleo (Abicom), Sérgio Araújo.

Ele lembra que cerca de um quinto do que o Brasil consome em combustíveis ainda deve ser trazido de fora, já que o parque de refino no país, sem expansão há anos, não dá conta de abastecer tudo.

“Para que a atividade de refino seja atrativa do ponto de vista econômico, é preciso reduzir o domínio da Petrobras. Ninguém vai colocar dinheiro em uma atividade em que o governo é o acionista majoritário de uma empresa que é dominante no mercado “. (Sergio Araújo, presidente-executivo da Abicom).

No início dos anos 2000, Araújo foi também executivo de uma petroleira estrangeira que chegou a ter participação em duas refinarias no Brasil. As fatias nas duas acabaram vendidas até 2010. Uma delas acabaria em recuperação judicial anos depois.

Beco sem saída

A situação acabou criando um beco de onde é difícil de sair: a Petrobras segue dominando o mercado enquanto não entrarem outras concorrentes, e outras concorrentes não entrarão enquanto a Petrobras dominar o mercado.

Foi para tentar começar a desatar esse nó que, a partir de 2016, no governo de Michel Temer e também no de Jair Bolsonaro, a petroleira virou a chave para políticas que atraíssem outros fornecedores e tentassem reduzir, gradativamente, esse monopólio que, na prática, nunca deixou de existir.

A política de preços dos combustíveis saiu do controle total para a flutuação completa: sempre que o preço do barril ou do dólar sobem ou descem lá fora, a petroleira reajusta os preços da gasolina e do diesel em suas refinarias na mesma proporção, o que abre portas para que outras empresas consigam competir também.

Foi também desenhado o programa que pretende vender 8 das 13 refinarias estatais, o que, de cara, já colocaria 50% da produção de combustíveis na mão de outras empresas. A execução, porém, anda a passos lentos: até agora, só uma refinaria foi passada para frente, no mês passado.

Nos sonhos mais ambiciosos, toda essa redução gradual do domínio da Petrobras seria preâmbulo para sua privatização completa. Sempre que a ideia é trazida à tona, porém, encontra forte resistência de políticos e da sociedade.

Papel social

O caminho em busca de combustíveis mais baratos para os brasileiros via redução da Petrobras e aumento da concorrência, porém, não é consenso. Muitos defendem que, como estatal e como grande produtora e grande exportadora de petróleo, a empresa já tem capacidade de ofertar combustíveis mais baratos, sem que isso signifique os mesmos prejuízos que já teve no passado.

“Se eu sou um grande produtor, se eu tenho um grande parque de refino, se eu produzo petróleo a preços baixos, por que eu vou obrigar o consumidor brasileiro a pagar pelos mesmos preços [do barril de petróleo] nos Estados Unidos, que têm uma renda muito maior que a nossa?”, disse o diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), o engenheiro ex-deputado pelo PSB Ricardo Maranhão.

A favor desse pensamento pesa o fato de que, nos últimos anos, o pré-sal passou a produzir petróleo a pleno vapor, o que transformou o Brasil em um dos maiores produtores do mundo e também em um exportador de petróleo. Até pouco tempo atrás, a Petrobras e o país não tinham reservas suficientes e precisavam importar para complementar o abastecimento doméstico.

Como agora sobra produção e ela é exportada, dólar alto e petróleo mais caro no mundo deixaram de significar prejuízo para a companhia, como foi no passado, para ser uma fonte bilionária de receitas.

Além disso, a alta produtividade dos campos do pré-sal também derrubou o custo do petróleo produzido no Brasil –ele é estimado, hoje, em cerca de US$ 25 por barril, bem abaixo dos US$ 60 a US$ 70 da cotação atual nas bolsas internacionais, que é o preço replicado pela Petrobras nos seus combustíveis.

“Praticar preços mais baixos não quebra a Petrobras. Ela pode aplicar preços menores do que os de hoje e ainda ganhar muito dinheiro. Se o preço do barril sobe, ela ganha, e pode transformar parte desse lucro em benefício ao consumidor.” (Ricardo Maranhão, diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet).

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Nossa! Quer dizer que a empresa já vendeu combustível abaixo do preço do mercado? Nossa! Quer dizer que agora os preços estão mais altos pq a abriram ao mercado especulativo? Nossa! Vocês não sentem vergonha de fazer papel de trouxa ao verificar que a privatização da rede de distribuição não gerou economia nenhuma no valor do combustível???

  2. As mentes mais atentas, concluem que Bolsonaro Presidente tem mais do que razão em atacar a forma que a Petrobras conduz o preço da gasolina.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

General Silva e Luna aprovado pelo comitê interno da Petrobras

Foto: (WikimediaCommons)

A Petrobras (PETR3;PETR4) informou que seu Comitê de Pessoas ter aprovado na terça-feira (16) o nome do general da reserva Joaquim Silva e Luna, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando da companhia e uma vaga no conselho de administração.

A companhia disse que o comitê, ligado ao conselho, decidiu pela “não existência de vedações” à nomeação de Luna e avaliou que ele preenche requisitos previstos na Lei das Estatais e na Política de Indicação de Membros da Alta Administração da Petrobras, segundo comunicado na noite de terça-feira.

De acordo com o comitê, os acionistas da companhia e o conselho poderão, caso desejem, avaliar na sequência “o preenchimento de requisitos subjetivos adicionais aos previstos na legislação”.

O presidente Bolsonaro anunciou a indicação de Luna para a Petrobras em 19 de fevereiro, após desentendimentos com o atual CEO da empresa, Roberto Castello Branco, sobre os preços dos combustíveis.

A Petrobras convocou para 12 de abril uma assembleia geral de acionistas que irá deliberar, entre outros assuntos, sobre a indicação de Luna para o conselho e a formação do colegiado.

Infomoney

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Governo indica à Petrobras 6 novos nomes a conselho

FOTO: REUTERS/Sergio Moraes

Depois da renúncia de cinco integrantes do conselho de administração da Petrobras, descontentes com a intervenção de Jair Bolsonaro na empresa, o governo está indicando seis nomes para integrarem a chapa que deverá ser eleita pela Assembleia Geral Extraordinária da estatal, cuja data de realização ainda não foi marcada.

No total, o governo pode indicar oito nomes. Portanto, em breve o governo ainda anunciará dois novos candidatos.

Eis os escohidos pelo governo:

*Eduardo Leal Ferreira, atual presidente do conselho. Ferreira seria, portanto, reconduzido.

* Joaquim Silva e Luna, general, que também é o nome indicado para presidir a empresa.

* Ruy Flaks Schneider, que integra o atual conselho.

*Márcio Weber. Executivo do setor de petróleo. Trabalhou por 16 anos na Petrobras.

*Murilo Marroquim de Souza, ex-funcionário da Petrobras entre 1971 e 1994 e atualmente consultor da área de petróleo.

*Sonia Villalobos , ex-integrante do conselho da própria Petrobras entre 2018 e 2020, é conselheira da Telefônica e da Latam.

Lauro Jardim – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Está militarizando todos os Órgão do governo. Pessoas sem a menor competência ou inteligência suficientes nas áreas em que são colocados. Brasil indo para o fundo do poço. Mais reajustes de gasolina, aumento do dólar, banqueiros ganhando muito na bolsa de valor. O Brasil está sem rumo. O banqueiro Paulo Guedes rindo à toa. O seu banco não para de lucrar com a desgraça de muitos brasileiros. Acorde povo sem instrução e bom senso. Se houver um golpe militar, aí vocês vão ver o que é desgraça.

    1. Chora, bebê! Vai ficando indignado, morde fralda! Esperneia! Vai ser até 2026

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Petrobras anuncia 6º reajuste no ano, alta de 8,8% na gasolina e 5,5% no diesel

Foto: Paulo Whitaker/Reuters

A Petrobras anunciou, nesta segunda-feira (8), mais um aumento de combustíveis. Trata-se do sexto reajuste em 2021. A partir de terça-feira (9), a gasolina será reajustada em 8,8% nas refinarias e o diesel em 5,5%.

Com isso, os preços médios nas refinarias serão de R$ 2,84 por litro para a gasolina e de R$ 2,86 por litro para o diesel — o que representa uma alta no ano de 54% no preço da gasolina e de 41,6% no diesel.

Segundo a Petrobras, o aumento se dá por “alinhamento dos preços ao mercado internacional [que] é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido, sem riscos de desabastecimento, pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros refinadores, além da Petrobras”. A empresa lembra que esse mesmo equilíbrio competitivo foi responsável pelas reduções de preços quando a oferta cresce no mercado internacional, como ocorrido ao longo de 2020.

Os preços praticados pela Petrobras, e suas variações para mais ou para menos, associadas ao mercado internacional e à taxa de câmbio, têm influência limitada sobre os preços percebidos pelos consumidores finais. O preço da gasolina e do diesel vendidos na bomba do posto revendedor é diferente do valor cobrado nas refinarias da Petrobras. Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis, além das margens brutas das companhias distribuidoras e dos postos revendedores de combustíveis.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Está claro que a Petrobras trabalha para desestabilizar o Governo, como sabem que a interferência governamental não é bem vista pelo mercado, eles estão aumentando os preços de forna nunca vista para jogar a população contra o Presidente.

  2. Calma ZeGado sua burrice deixa vc cego e desinformado, quem é presidente da Petrobras é o senhor Castelo Branco, fazendo a festa para ele, seus diretores, os funcionários e acionistas. Isto não tarda em parar, pura trairagem e covardia, bem ao estilo de vcs. Deixe sua peçonha, adquirida nas cobras de suas terras repletas de serrote e pedras, para uma hora oportuna, que se conforme, não acontecerá antes de 2022.

    1. Eu sei que não houve a troca ainda, foi apenas uma ironia mesmo.
      O conselho ainda vai se reunir, é uma novela.

    2. Lógico que sabe! O problema é que a esquerdalha, quer é um peido pra falar do presidente. Vai que algum otário acredita que é verdade!

  3. A esquerda não pode reclamar !!! Pois quando Bolsonaro anunciou a substituição do presidente da Petrobrás, reclamaram dizendo que era ingerência do mesmo.

  4. Bolsonaro é jumento. Não administra nem um chiqueiro de porco. O pior presidente que o Brasil já teve . Nada está tão ruim que não possa piorar rsr. Fora Bolsonaro. Daqui a pouco esses aumentos serão repassados novamente para o preço dos alimentos. Bolsonaro é jumento kkkkl

  5. Esse presidente da petrobras, como vai sair, está fazendo de sacanagem. Está evidente. Um escroto. As hienas amestradas ficam ouriçadas. Basta ver os comentários. É a turma do quanto pior melhor.

    1. Antenado, faça jus ao seu pseudônimo e vá ler o Estatuto Social da Petrobras (se é que vc sabe o que isso significa) e procure lá os objetivos da Estatal. O atual presidente da Petrobras está cumprindo o Estatuto da Empresa. Se o próximo presidente (o indicado pelo MINTO que sequer atende ao previsto nesse Estatuto para assumir o cargo) não cumprir e a Empresa começar a dar prejuízo, voltaremos a era do PT que o MINTO e seus seguidores DIZEM que não querem mais que o PT volte, né isso?!

  6. Como deve tá o gado nesse momento???

    Será que estão gritando Mito, Mito, Mito ouuuu estão faltando Ohhh Veiii Macho ?? Kkkkkkkkkk k

  7. E agora? O MINTO vai mandar seu MST (caminhoneiros) protestarem contra quem? A tentativa de intervenção na Petrobras feita pela Dilma, digo, pelo MINTO, causou uma instabilidade maior depreciando ainda mais nossa moeda frente ao dólar (o Real foi uma das moedas que mais se desvalorizou frente ao dólar no mundo nessa pandemia) e como a Petrobras precisa importar petróleo (pago em dólar) para poder refinar o petróleo extraído aqui no Brasil, o preço tem que ser repassado para o combustível… Ou seja, o tiro saiu pela culatra!

  8. Bozo Show trocou Castelo Branco pelo milico pra colocar ordem, colocou ordem, ordenou 2 aumentos por semana ????

    1. Jumento, o novo presidente da Petrobras ainda não assumiu o cargo.

    2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Botapátorá MInTO…queria gasosa a R$10,00 antes do final do ano…mas, nesse ritmo, o genocida vai bater a meta antes do meio do ano…
      O omi é bom, o omi é espetacular….
      Muuuuuuuuuuuuuummmmmmmm

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Foto: © Arquivo/Agência Brasil

A Petrobras informou, por meio de nota divulgada na noite de ontem (3), que quatro dos onze integrantes do Conselho de Administração da empresa anunciaram a saída. João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha Sobrinho decidiram não ser reconduzidos ao conselho na próxima Assembleia Geral Extraordinária.

Os quatro são representantes do sócio controlador, ou seja, da União, dentro do conselho, e a recondução deles havia sido proposta pelo Ministério de Minas e Energia, em ofício enviado à empresa em 19 de fevereiro.

Omar Carneiro da Cunha justificou sua decisão devido ao anúncio de alterações da diretoria da empresa pelo governo federal. No mês passado, a Presidência da República informou que trocará o comando da Petrobras, colocando o general Joaquim Luna e Silva no lugar do atual presidente da empresa, Roberto Castello Branco.

“Em virtude dos recentes acontecimentos relacionados a alterações na alta administração da Petrobras, e os posicionamentos externados pelo representante maior do acionista controlador da mesma, não me sinto na posição de aceitar a recondução de meu nome como Conselheiro desta renomada empresa, na qual tive o privilégio de servir nos últimos sete meses”, escreveu em mensagem encaminhada à presidência do conselho, segundo a nota divulgada pela empresa.

Já Paulo Cesar de Souza e Silva pediu para não ser reconduzido ao cargo e agradeceu aos diretores e funcionários da empresa por um “excelente trabalho”.

Segundo a nota, João Cox Neto e Nivio Ziviani alegaram razões pessoais para não aceitar uma possível recondução ao cargo na próxima assembleia.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Começou a arrumação!!
    Gosto de militares por isso.
    Eles chegam e cumpri a missão.
    Sem essa de tapinhas nas costas.
    Itaipu binacional que o diga.
    Mito reeleito em primeiro turno.
    Esse é meu patrão!!!

    1. Cuidado na covid. Tem família? Pois o milico ministro fantoche tá ai solto e o genocidio em curso.

    2. Santa ignorância em entender o por que eles renunciaram. Como conselheiros eles poderiam ser responsabilizados, como pessoas físicas, pelo prejuízo que a Petro teve após a declaração desastrada do presidente. Com isso teriam bens bloqueados, etc. Vários investidores já anunciaram que irão entrar com ações judiciais.
      Agora esse governo está sendo servindo para uma coisa: mostrar que os militares no Brasil precisam evoluir e muito. Pazuello que o diga, está acabando com a reputação dos verdes oliva.

    3. General Eduardo Pazuello ta no mesmo nivel do dr Adib Jatene e Ze Serra.
      O homem é espetacular.
      O Brasil no tocante as vacinas, ta a frente de grandes potências.
      O resto é esperneios dos derrotados.
      Kkkkkkkkkk
      É mentira???
      Pode esperniar.
      Aí depois monte uma fabrica de vacinas no quintal da tua casa e vão trabalhar petralhas.
      De repente vcs abastecem o mundo.
      Kkkkkkkkk
      Xau!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Petrobras anuncia novo reajuste: 5% na gasolina e 5% no diesel

Foto: Sérgio Lima/Poder360

A Petrobras acaba de anunciar na manhã desta 2ª feira (1º.março.2021) novo reajuste de preços dos combustíveis. A gasolina sofrerá uma alta de R$ 0,1240 nas refinarias, o que equivale a 5%. Já o diesel teve acréscimo de R$ 0,1294, ou 5%.

O aumento de preços de combustíveis foi o pivô de uma troca no comando da Petrobras, anunciado pelo seu acionista majoritário, o governo federal. O presidente Jair Bolsonaro decidiu não renovar o contrato com o atual presidente da estatal, Roberto Castello Branco. Ocorre que o mandato de Castello Branco só termina em 20 de março de 2021 e até lá a empresa poderá continuar a aplicar sua atual política de alta nos preços.

Hoje a Petrobras considera o preços internacionais e a cotação do dólar, entre outros itens. O governo federal gostaria que a Petrobras considerasse uma espécie de média móvel desses indicadores ao longo de um período mais longo, de 10 ou 12 meses, e que desse mais previsibilidade aos aumentos dos combustíveis. Castello Branco se negou a fazer esse ajuste e não teve seu mandato renovado. Deve ser substituído no final deste mês pelo general Joaquim Silva e Luna. Até lá, novos reajustes podem ser adotados.

Bolsonaro ficou irritado com as decisões de Castello Branco e anunciou que zeraria por 2 meses todos os impostos federais que incidem sobre o óleo diese a partir de hoje (1º.mar). Ocorre que com os aumentos aplicados pela Petrobras, o efeito de menos impostos pode ser neutralizado pelos reajustes.

A preocupação do Palácio do Planalto é que os aumentos no diesel acabe precipitando um movimento de paralisação de caminhoneiros. Essa eventual greve tem sido sempre anunciada, por causa dos reajustes nos preços dos combustíveis.

RECEITA FEDERAL

A Receita Federal estuda saídas para compensar a desoneração do diesel e do gás de cozinha. O presidente Jair Bolsonaro decidiu zerar por 2 meses os impostos federais (PIS e Cofins) do combustível e eliminar permanentemente o tributo do botijão de gás. Os anúncios do chefe do Executivo buscam afagar os caminhoneiros e diminuir a insatisfação da categoria com os sucessivos reajustes no combustível –que também levaram à demissão do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco.

Mas para abrir mão desses tributos (na casa de R$ 3 bilhões, só no caso do diesel), o governo precisa indicar outra fonte de arrecadação. Do contrário, será descumprida a Lei de Responsabilidade Fiscal.

As alternativas em análise pelo Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros incluem a extinção temporária de benefícios ao setor petroquímico e a imposição de um limite para a isenção de impostos para a compra de carros por pessoas com deficiência. A informação foi publicada antes no Drive, newsletter exclusiva para assinantes produzida pela equipe do Poder360.

O governo divulga nesta 2ª feira (1º.mar) as medidas compensatórias da receita necessária para zerar o imposto do diesel.

5ª ALTA DE 2021

A Petrobras já anunciou a alta dos preços de combustíveis 5 vezes em 2021. A última tinha sido em 18 de fevereiro, pouco antes da troca de comando ser anunciada pelo presidente Bolsonaro. Nas ocasiões, a estatal sempre frisou que o quanto do aumento é revertido para o bolso do consumidor não depende da Petrobras.

A empresa diz ter “influência limitada sobre os preços percebidos pelos consumidores finais. O preço da gasolina e do diesel vendidos na bomba do posto revendedor é diferente do valor cobrado nas refinarias da Petrobras“.

Segundo o IPCA-15, houve uma alta de 3,34% no valor pago pelo consumidor final dos combustíveis em fevereiro.

Poder 360

 

Opinião dos leitores

  1. Esses esquerdopatas loucos (desculpem a repetição) esqueceram que quem quase faliu a maior empresa do Brasil foi o PT, não por ter segurado os aumentos, mais por conta das compras superfaturadas e corrupção generalizada.
    Assim como conseguiram com que todas as grandes estatais dessem prejuízos como caixa econômica, banco do Brasil, Eletrobras, correios, BNDES (que teve que pegar empréstimos para não parar a corrupção) além de quase acabar com os fundos de pensão da Petrobrás e Correios.
    E vocês vem falar e aumento de combustível, estão de sacanagem.
    O Bolsonaro já tomou atitude em tirar da presidência da Petrobrás o Castello Branco ,mais um comunista que queria ver o país no fundo do poço .
    As mudanças vocês verão só a partir do dia 20, até lá esse comunista do Castelo Branco vai dar aumentos nos combustíveis, podem aguardar.

  2. Quando a Dilma era a Presidenta, qualquer folha que caia no chão era culpa dela, e os aumentos dos combustíveis dados pela Petrobras não era diferente. Aumentava o preço dos combustíveis, a culpa era de Dila.
    Agora que Bolsonaro é o Presidente e tanto criticava a Dilma, quando a Petrobras aumenta o preço dos Combustíveis a culpa é da Petrobras.
    O que mudou?
    "Faça o que digo, mas não faça o que faço", parece ser a máxima do atual governo e seus seguidores fanáticos, que pensam que todo mundo é cego ou alienado como eles.
    A política de preços adotada pela Petrobras depois da saída de Dilma foi mudada e atrelada ao dólar, ao mercado internacional. Além do fechamento de várias unidades, venda de várias outras, fazendo que nós dependêssemos mais ainda da importação.
    O Petróleo foi o principal motivo para o Golpe, e a entrega do seu patrimônio é um projeto, assim como a entrega de vários outros patrimônios nacionais que não dão prejuízo a nação.
    Até quando vamos permanecer parados e calados diante desse crime de LESA A PÁTRIA que está sendo cometido a olhos visto a luz do dia?
    Onde estão os verdadeiros Patriotas desse país?

    1. Bozo é mestre em terceirizar a culpa das coisas erradas de seu governo, não se importando se com isso queima antigos aliados. A lista é grande.

  3. O que motiva aumentos de 30% em 2 meses? Os brasileiros nao podem bancar os lucros do acionistas, nem os salarios milionarios dos gestores. PRIVATIZAÇÃO JÁ.

  4. A petrobrás nunca foi do brasileiro, desde sua criação. Isso é fato. Nunca distribuiu lucros em benefícios aos brasileiros

  5. Kkkkk
    Engraçado ler os comentários da gadolandia. Votam em um neoliberal de araque que coloca no ministério da economia uma neoliberal especulador e ficam com raivinha das políticas neoliberais. Kkkkkk
    Tda a política de preço da petrobras foi endossada por Guedes que é subordinado do genocida.
    Mas seGrita mummmmmm e faz arminha, talvez passe a raiva.

  6. Vamos prá rua, todos de verde e amarelo, caminhoneiros patriotas, parando tudo, O Messias vai no os ouvir!

  7. Enquanto isto o Banco Central mantém os juros negativos com a selic de 2% ( 4,5% Ipca-2% Selic= -2,5% de juros) está afugentando os dólares. É mais seguro e rentável depositar na Suiça ou Alemanha onde os juros ficam e 0%(zero porcento) do que pagar para emprestar para o governo brasileiro. Além dos juros negativos tem as taxas dos bancos e o Imposto de renda gerando uma perda monstruosa para os aplicadores. Este é motivo do dolar subir e como consequência a alta dos combustíveis e de toda economia aumentando a inflação. Leiam sobre isto no mises.org.br

  8. Volta Temer. kkkk a culpa é sempre dos outros. Quando em campanha, criticava essa política. Eis a bravata no que deu.

  9. O governo do PT segurava os preços p agradar o gado dele, enquanto a empresa se afogava no prejuízo. Acabou a mamata, com o gado ou com os petralhas a empresa só vende com lucro e alinhada aos preços internacionais.

  10. Os fdp antes de saírem do comando da Petrobras irão reajustar os preços com força para ganhar o bônus pela metas de lucro .
    Bandidos dentro da Petrobras , o tal do Castelo Branco deve ser o pior .

  11. Até quando vai predominar essa esculhambação , essa verdadeira afronta a sociedade brasileira que não aguenta mais tanto aumento de preços, qual a justificativa para essa cachorrada nessa política de preços de combustíveis, será que a Petrobrás está querendo detonar o país com esses abusos, tá na hora do povo brasileiro dar uma basta a essa putaria dessa empresa, país de merda de canalhas que submetem o povo a todo tipo de sacanagem. Tá na hora de parar o país , se ninguém comprar essa porra dê combustíveis esse filhos da puta baixam o preço, isso é uma verdadeira vergonha, indignação e revolta com esse absurdo.

  12. João Soares, o intuito é só um, derrubar o governo de Bolsonaro, só que quem se lasca somos nós, que não temos nada a haver com a guerra política.

    1. Pois é, é a politica de preço adotado atrelado ao dolar e ao barril, mas desse jeito só tá beneficiando os acionistas. Tem que repensar esse modelo ou isso aqui vai explodir, semelhante a um barril, de pólvora.

  13. Uma palhaçada isso que a Petrobras está fazendo com os brasileiros. Que o governo privatise logo.

    1. Você acha que quem comprar a Petrobras, vai baixar o preço do combustível?
      Você acha que nos EUA, a gasolina é barata porque a Chevron ou a Shell vendem mais barato que no Brasil?
      Saiba que o baixo custo do combustível nos EUA é porque a taxa média lá (impostos) é de 7%. Por isso o preço mais baixo.
      Se essas empresas comprarem a Petrobras e os impostos mantiverem o patamar de hoje, pode aguardar a gasolina por 9,00 a curto prazo.
      Empresa privada não quer saber se você não pode manter seu carto, ela quer mesmo é lucrar.
      Esses aumentos são em virtude da política de preços que o PT implementou no governo Dilma e Bolsonaro quer persistir no erro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

General indicado por Bolsonaro para presidência da Petrobras é ‘escolha legítima’, diz AGU

Foto: JN

A Advocacia Geral da União (AGU) disse que não há irregularidades ou infrações legais na indicação do general Joaquim Silva e Luna para presidente da Petrobras. A manifestação atende a determinação do juiz da 7ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, em Belo Horizonte, André Prado de Vasconcelos, que, na segunda-feira (22), havia dado 72 horas para a União se manifestar sobre o assunto. A AGU foi notificada na terça-feira (23) e cumpriu o prazo nesta sexta-feira (26).

Bolsonaro fez o anúncio no dia 19 de fevereiro. O general é o atual diretor da Itaipu Binacional. Se confirmado, Silva e Luna substituirá o atual chefe da estatal, Roberto Castello Branco, indicado pelo presidente após as eleições de 2018.

A determinação do juiz federal foi motivada por um pedido de liminar feito pelos advogados Daniel Perrelli Lança e Gabriel Senra para impedir a saída do atual presidente e a posse do general.

“Houve um desrespeito à lei das estatais, atropelando a decisão que é do conselho da empresa. Tanto no mérito quanto na forma há irregularidades nesta indicação. O general não cumpre os requisitos determinados pela lei”, disse Lança.

O advogado disse ainda que o presidente está nitidamente constrangendo o Conselho de Administração, interferindo na estatal por interesses político-ideológicos.

Segundo a lei das estatais, a lei 13.303/2016, os membros do Conselho de Administração e os indicados para os cargos de diretor, inclusive presidente, diretor-geral e diretor-presidente, devem ter dez anos de experiência na área de atuação da empresa, além de ter formação acadêmica compatível com o cargo para o qual foi indicado. Segundo a ação, o general não possui estes requisitos.

Já a AGU disse que “as alegações dos autores não passam de conjecturas e ilações, desprovidas de qualquer elemento fático robusto, prestando-se apenas para contribuir para o ambiente de conflagração política, especulação no mercado de capitais e insegurança jurídica, que se formou em torno da uma escolha legítima de substituição de um membro do Conselho de Administração da Petrobras.”

Na resposta ao juiz, a entidade pede que o presidente Jair Bolsonaro deixe de ser réu na ação. A indicação do general “partiu do Ministério de Minas e Energia”, que supervisiona a Petrobras, segundo a AGU.

“Inexistindo qualquer ato concreto, de responsabilidade do Chefe do Poder Executivo Federal, a ele imputado nestes autos, a sua exclusão do polo passivo desta lide é medida que se impõe”, diz a manifestação.

Além disso, a AGU afirma que Silva e Luna tem formação acadêmica compatível por ter cursado engenharia. A AGU alega também que as decisões da União possuem uma subjetividade dentro dos parâmetros da lei, e que não pode ser questionada.

No pedido de manifestação, o juiz Vasconcelos disse que “conforme amplamente divulgado pelos veículos de comunicação, a aprovação do indicado para a Presidência da Petrobras depende de deliberação do respectivo Conselho de Administração, ainda não ocorrida”.

Ele ainda ressalta que a determinação é “para fins de análise do pedido de liminar, sem prejuízo de futura citação e consequente abertura de prazo para contestação”.

O pedido de liminar ainda não foi julgado.

Indicação

Silva e Luna deverá se tornar o primeiro militar a assumir o comando da Petrobras desde 1989, quando o oficial da Marinha Orlando Galvão Filho deixou o cargo. A estatal foi comandada por militares durante a maior parte do período ditatorial e chegou a ser capitaneada entre 1969 e 1973 pelo general Ernesto Geisel, que viria a se tornar presidente da República nos cinco anos seguintes.

O anúncio aconteceu após Jair Bolsonaro fazer críticas à gestão da Petrobras e às sucessivas altas no preço dos combustíveis. O presidente afirmou que o último reajuste de preço da Petrobras foi “fora da curva”. Ele se referia ao quarto aumento do ano, de 10% na gasolina e 15% no diesel.

Castello Branco foi uma indicação do ministro da Economia, Paulo Guedes, ao presidente Bolsonaro. O ministro, no entanto, não se manifestou sobre a troca no comando da estatal até o momento.

G1

Opinião dos leitores

  1. Ô véi macho!!
    Esse general vai com certeza vai cumprir a missão.
    Fez um trabalho espetacular em Itaipu bi Nacional.
    Esse senhor é competente de mais da conta.

  2. O General vai fazer a limpa na Petrobrás, assim como fez na Itaipú.
    Parabéns presidente Bolsonaro.

    1. Vai indicar o temer , collor ,fabio faria ,henrique eduardo flavio rachadinha etc

  3. Se for pra baixar o preço dos combustiveis, bolsomaro está apoiado em gênero, número e grau. Tem tomar alguma medida pra baixar os preços dos combustíveis.
    Apoiado!

  4. Não entendo qual o problema.
    FHC indicou 3
    Lula indicou sei lá quantos, mas todos estão respondendo a processo por corrupção e uns já foram condenados.
    Dilma escolheu 3
    Temer em 02 anos, escolheu 2 e nunca, ninguém questionou as indicações de nenhum outro presidente.
    Qual é o medo do general? Porquê os gritos da esquerda?
    Será que o motivo é ele ter o defeito de não aceitar corrupção? De querer que a empresa tenha ordem e não desperdice dinheiro mantendo gente que não trabalha?

    1. Amigo, o Brasil já cansou de saber que tudo que Bolsonaro faz, por melhor que seja, vai ter alguém da esquerda pra atrapalhar. Pra eles, quanto pior melhor, inclusive, quando se trata de perda de alguma tetinha. Imagina quanta gente não mama na Petrobrás!

    2. E daí que a gasolina tá a quase R$6,00. Oooooo governo booooom

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Conselho da Petrobras vai interpelar Bolsonaro a respeito das declarações que deu nos últimos dias sobre a gestão da empresa

Foto | Pablo Jacob/Agência O Globo/08-02-2021

Jair Bolsonaro não enfrentou grandes obstáculos para aprovar no conselho da Petrobras a convocação de uma assembleia de acionistas para substituir o presidente da estatal, mas isso não significa que a troca de comando será tranquila. No final da manhã de hoje, os conselheiros decidiram por unanimidade interpelar o presidente da República a respeito das declarações que deu nos últimos dias sobre a gestão da empresa. Até mesmo os mais fiéis a Bolsonaro, como o presidente do colegiado, o almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, chancelaram a iniciativa.

A decisão constará em ata e será comunicada ao jurídico da companhia. Desde que anunciou que substituiria o atual presidente da estatal, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim da Silva e Luna, Bolsonaro deu entrevistas dizendo que o salário de Castello Branco é alto demais, que ele está há 11 meses em casa sem trabalhar e que a política de combustíveis da companhia é uma caixa preta. “Coisas erradas estão acontecendo”, declarou o presidente. Agora, a Petrobras vai pedir formalmente que o presidente da República confirme o que disse. Como a interpelação não tem caráter de ordem judicial, Bolsonaro pode não respondê-la. Isso porém, não impede que ele venha a ser processado pelo que disse. Na prática, a interpelação representa uma chance de ele se retratar, evitando maiores complicações. No fundo, nenhum conselheiro acredita que ele o faça.

A iniciativa é inédita na história da Petrobras e um tanto inusitada, já que, na qualidade de presidente da República, Jair Bolsonaro representa a União, o maior acionista da petroleira. Apesar de certo constrangimento entre alguns conselheiros mais próximos do presidente — e da preocupação de não dar à decisão caráter de enfrentamento com o governo —, todos concordaram que a interpelação é necessária, dado o dever do conselho de zelar pela imagem e pelas ações da companhia. Em razão dos prejuízos que o tumulto político provocou para a petroleira e seus acionistas, só nos últimos dias um juiz federal de Minas Gerais deu 72 horas a Bolsonaro para explicar as mudanças na estatal; a Comissão de Valores Mobiliários abriu duas investigações; o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União pediu que a corte avalie e julgue a troca de comando na empresa; e investidores estrangeiros começaram a preparar ações coletivas contra a Petrobras nos Estados Unidos.

Vários conselheiros indicados pelo governo, que construíram carreiras no mercado financeiro ou em empresas privadas, se preocupam com as consequências dessas ações sobre seu patrimônio e sua ficha judicial. No final de semana, depois que Bolsonaro anunciou a troca, alguns desses conselheiros chegaram a se reunir com seus advogados pessoais para avaliar o risco de se tornarem réus e de eventualmente serem condenados e terem contas bloqueadas em função dessas ações. Embora não esteja sendo feita com esse fim, a interpelação de Bolsonaro pode vir a servir, no futuro, como uma resposta a questionamentos sobre a postura desses conselheiros diante das ações do governo federal e de seus efeitos sobre o patrimônio da Petrobras.

Blog Malu Gaspar – O Globo

Opinião dos leitores

  1. O Minto mais uma vez vai arregar.
    Mentiroso nato, falar absurdos apenas para atiçar seu gado.
    Parabéns aos conselheiros da Petrobras.

  2. Qualquer um interpela o presidente. Mandam ele se justificar de tudo, até se espirrar ou sorrir. Eita Brasil difícil ou melhor, impossível de arrumar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro diz que ‘tem muita coisa errada’ na Petrobras e que novo presidente vai ‘dar arrumada’

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/Arquivo

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta manhã a apoiadores que “tem muita coisa errada” na Petrobras e que o novo presidente da companhia, general Joaquim Silva e Luna, vai “dar uma arrumada lá”.

Sem explicar o que considera errado na estatal, Bolsonaro garantiu aos apoiadores que a situação será revertida por Silva e Luna. “Vocês vão ver a Petrobras como vai melhorar”, disse. “Se tiver que fazer qualquer mudança, nós faremos”, completou, negando interferência na empresa ou que tenha pedido para que os preços de combustíveis sejam reduzidos

Ontem, ao deixar a residência oficial, o presidente já havia aproveitado o contato com apoiadores para criticar o atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e afirmar que atual política da empresa atende aos interesses de “alguns grupos do Brasil”.

No discurso que fez hoje, o presidente também reclamou do que considera um excesso de burocracia no país e garantiu que já está em tratativas com o presidente da Câmara, Arthur Lira, para “dar mais liberdade” a prefeitos.

“Tem muita lei do passado que realmente é para combater a corrupção, mas engessa o prefeito. E muitos respondem por 20 anos por improbidade administrativa. Mas alguma coisa vai ser mudada”, assegurou. “Tenho conversado com Arthur Lira para a gente mudar alguma coisa para dar liberdade ao prefeito também”.

Valor

Opinião dos leitores

  1. Tem que começar tirando os funcionários que foram contratados na era PT e que permanecem nos cargos.

  2. O ladrão de 9 dedos e sua quadrilha arregaçou o país,sua tempo para erguer nossa nação!

  3. O que tem aparecido de notícias com os mais diferentes tipos de corrupção na petrobrás é de fazer cair o cabelo. Se elas se confirmarem, serão mais escândalos que o Petrolão e a Lava Jato não alcançaram. Será que é por isso que a esquerda tenta impedir a posse do novo presidente? Ao que tudo indica, tem muita sujeira dentro da petrobrás…
    O aparelhamento estatal foi muito maior que o revelado e imaginado até agora…
    Lembrando que FHC trocou 3x o presidente da estatal, Lula trocou 2x o presidente da estatal (os dois foram condenados por corrupção), Dilma trocou 3x o presidente da estatal e Temer FHC trocou 2x o presidente da estatal. Mas nenhum deles foi acusado de interferir na petrobras… Que país é esse?

  4. Certamente ali deve ter muita coisa estranha, hoje a politicagem reina em todos os órgãos que coisa triste.
    Faça o que tem que ser feito Presidente Bolsonaro, o povo esta do seu lado e tem em você a última esperança de moralizar este País.

  5. Bota pra taba rangir nesses intocáveis presidente.
    Daqui a mais alguns dias todos vão vê, que o senhor tem razão.
    Petrobras tá cheio de sangue sugas petistas.

    1. A vaquinha mal sabe o real motivo da troca de comando da Petrobrás .
      Muuuuuuuuuu

    2. Observe, veja, espie e estude. Estude muito para entrar na Petrobras.
      Não seja igual aos bovinos que não gostam de ler.
      Para ser Petrobras, não pode ser gado.
      Salário de 28k não se consegue defendendo político. Precisa usar o tempo estudando.

    1. O Kg da carne R$ 70, Gas R$ 95, Dolar R$ 5,50, Gasolina R$ 5,69 e ainda tem quem chame o presidente de mito? rsrsrs….piada pronta!

    2. Redes Santa Luzia, para mim são as melhores, mas caso você não queira ou não goste, pode comprar uma simples no Alecrim…. Quando você comprar, arme, deite, espere e espere….
      Esperar pelo impossível de pé, cansa bastante.
      De qualquer forma lhe desejo sorte.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ministério Público junto ao TCU pede que Petrobras interrompa troca de comando até Corte julgar se Bolsonaro interferiu na empresa

Foto: Arquivo/Agência O Globo

O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Rocha Furtado, entrou com representação para que a Corte determine, em caráter cautelar, que a Petrobras não realize qualquer atividade relacionada ao comando da empresa até que o órgão julgue se o presidente Jair Bolsonaro interferiu na estatal.

O Conselho de Administração da empresa está reunido nesta terça-feira para avaliar a troca do atual presidente, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim Silva e Luna, atual líder de Itaipu, anunciada por Bolsonaro na semana passada, entre outros temas.

O pedido se estende também à decisão do presidente Jair Bolsonaro em reduzir impostos federais sobre os combustíveis e o gás de cozinha sem apontar de onde viriam as receitas para cobrir essa renúncia fiscal.

Indícios de ‘sobreposição de interesses particulares’

Na avaliação do procurador, as medidas tomadas pelo presidente Bolsonaro são indícios de “sobreposição de interesses particulares com fins eleitoreiros ao interesse público e desvio de finalidade do ato administrativo, com ofensa aos princípios constitucionais da legalidade e da moralidade”, diz trecho do pedido.

Entenda: Como Bolsonaro conseguiu demitir Castello Branco apesar da resistência do Conselho da Petrobras

Furtado solicita que o TCU avalie os motivos da substituição do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim Silva e Luna, anunciada na última sexta-feira por meio de redes sociais de Bolsonaro.

Também questiona as razões do corte nos impostos federais sobre o gás de cozinha e o diesel, além de realizar controle prévio a fim de conhecer os interesses de Bolsonaro ao dizer que vai “meter o dedo na energia elétrica”.

‘Minha preocupação se acentua ao notar que há indícios de interesses do atual governo em intervir politicamente em outras empresas estatais’, diz o procurador.

No representação, Furtado conclui:

“Fazendo-se presentes, no caso ora em consideração (…) determine V. Ex.ª, o Plenário do TCU ou o relator desta representação, em caráter cautelar, que a Petrobras se abstenha de realizar qualquer atividade relacionada ao comando da empresa, em especial relacionada a troca de pessoas no posto de presidente da estatal, até que o Tribunal decida sobre o mérito da questão”.

Abertura de processo

O pedido foi apresentado nessa segunda-feira. O próximo passo será a abertura de um processo junto à área técnica do TCU.

No entendimento de um interlocutor, há limites na atuação do TCU sobre a conduta de presidente da República, pois quem julga as contas do governo é o Congresso.

Mudou de tom: Em programa de campanha, Bolsonaro dizia que Petrobras deveria seguir flutuação internacional de preços

Contudo, a expectativa é que as medidas tomadas pelo presidente no caso específico da Petrobras devem analisadas em procedimento específico porque há maneiras de trocar o comando de uma estatal sem causar prejuízos a empresa e gerar ruídos e desconfiança no mercado e entre investidores.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Eles querem tomar o governo na marra.
    É a síndrome de abstinência do dinheiro público que está chegando no limite.

  2. Exatamente como aconteceu com o governo Dilma, o estrago já foi feito. E não se resume à Petrobras mas ao extermínio da pouquíssima credibilidade que ainda restava ao presidente que, assim como traiu seus projetos eleitoreiros relacionados à justiça, com aparelhamento dos principais órgãos de combate à corrupção , mostra agora que o liberal que dizia ser, nunca existiu, foi só outra mentira pra se eleger. RIP Bozo.

  3. Mudar dirigentes de estatais é prerrogativa do Presidente. Os inconformados que engulam o Mi-mi-mi.

  4. Simples, isso estava claro que iria acontecer porque tem muito pessoa do MP Que tem parentes ou são donos de posto de gasolina.

  5. Quando medo ó, quando pavor… A esquerda em mais um estado explícito de pânico.
    Quem tem medo, tem sujeira a esconder.
    Só lembrando:
    FHC trocou 3 presidentes da petrobrás;
    Lula trocou 2 presidentes da petrobrás e depois foram condenados por corrupção;
    Dilma trocou 3 presidentes da petrobrás e respondem a processo por corrupção;
    Temer em 02 anos trocou 02 presidentes da Petrobrás.
    Será mesmo que a petrobrás tem a tal "caixa preta" de coisinhas impublicáveis?

    1. XILINDRO PARA ESSA FAMÍLIA DE BASTARDOS LADROES
      FORA PILANTRAS
      FORA BOLSOTRALHAS

  6. Agora deu mesmo, é ou não é prerrogativa do presidente nomear-se exonerar o presidente de estatal ?

    1. Acho que deveriam acabar com esse cargo de presidente. O cara não manda em nada. Só mandava os da esquerda. Tudo que o cara quer fazer um partido de esquerda entra com uma ação na justiça e a justiça barra. Pra que serve um cargo desse?

    2. Só quem pode é a esquerda. A esquerda pode tudo. Isso já ficou bem claro há tempos.
      Quando é cortada as tetas de alguém, que a grande maioria lá entrou na época da esquerda, eles começam a espernear.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsa de valores brasileira opera em alta; Petrobras sobe 9%

A bolsa de valores brasileira, a B3, opera em alta nesta terça-feira (23), após forte tombo na sessão anterior, com as atenções dos investidores ainda voltadas para a Petrobras e para os riscos fiscais e políticos.

Às 14h, o Ibovespa avançava 1,56%, a 114.426 pontos. Veja mais cotações.

As ações da Petrobras eram negociadas em forte alta, indicando um dia de leve recuperação dos papéis da estatal após tombo de quase 21% na véspera. Perto do mesmo horário, as ações ordinárias (PETR3) subiam 7,52%, enquanto as preferenciais (PETR4) tinham alta de 9,70%.

Na segunda-feira, o Ibovespa fechou em queda de 4,87%, a 112.667 pontos. Na parcial do mês, passou a acumular queda de 2,09%. No ano, a perda é de 5,33%.

Segundo levantamento da Economatica, a Petrobras perdeu nesta segunda-feira quase R$ 75 bilhões em valor de mercado. Foi a segunda maior queda diária em valor da mercado da Petrobras desde o início do plano Real. Na sexta-feira, a petroleira já tinha encolhido R$ 28 bilhões.

Além da petroleira, o Banco do Brasil também teve perda expressiva na véspera, com uma queda de 11%. Em comunicado ao mercado, o BB informou que não recebeu do seu controlador indicação para mudanças em seu corpo diretivo.

Cenário

Por aqui, os operadores monitoravam com cautela os riscos políticos e fiscais do Brasil, com as preocupações com a interferência do governo federal na gestão das estatais ainda pautando o mercado.

No exterior, os preços do petróleo subiam perto de 1% nesta terça-feira, sustentados pela expectativa de alívio em restrições associadas à Covid-19 pelo mundo, perspectivas econômicas positivas e menor oferta nos Estados Unidos.

No caso específico da Petrobras, o mercado aguarda os resultados da reunião do Conselho de administração agendada para esta terça-feira (23). Já o balanço financeiro de 2020 da companhia será divulgado nesta quarta-feira (24).

“Hoje será o dia “D” de decisão do Conselho de Administração sobre a indicação feita por Bolsonaro do general Joaquim Luna para a presidência da companhia. Vamos ter que esperar para avaliar as consequências e os desdobramentos disso, e se os projetos da empresa serão mantidos intactos. Aparentemente, existe uma blindagem sobre a fixação dos preços dos combustíveis, e a situação segue crítica com petróleo em alta e real desvalorizado”, avaliou Alvaro Bandeira, economista-chefe do banco Modalmais.

Nesta segunda-feira, o juiz da 7ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, em Belo Horizonte, André Prado de Vasconcelos, determinou que o presidente Jair Bolsonaro, a União e a Petrobras expliquem, no prazo de 72 horas, a indicação do general Joaquim Silva e Luna para presidente da estatal.

Os investidores continuam de olho também nas discussões em torno de mais gastos com Auxílio Emergencial para a população vulnerável, em meio às preocupações com a saúde das contas públicas e rompimento do teto de gastos – considerado a âncora fiscal do país neste momento.

Em meio às preocupações com a situação fiscal do país e aumento das incertezas, parte do mercado passou a projetar uma elevação da taxa básica de juros já na próxima reunião de março do Copom.

Pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda mostrou que os analistas do mercado elevaram a estimativa de inflação em 2021 para 3,82%, acima da meta central, que é de 3,75%. A expectativa para a taxa Selic no fim de 2020 subiu de 3,75% para 4% ao ano. Já a projeção para a alta do PIB (Produto Interno Bruto) de 2021 foi reduzida de 3,43% para 3,29%.

G1

Opinião dos leitores

  1. A indicação é prerrogativa do presidente ou da justiça? Por que o presidente tem que se explicar?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Por medo de “ingerência política na condução dos negócios”, ações da Petrobras caem 20% e empresa “perde” quase R$ 70 bilhões em valor de mercado

As ações da Petrobras operam em queda nesta segunda-feira (22), com os investidores vendendo os papéis da petroleira por medo de ingerência política na condução dos negócios. Às 13h45, as ações preferenciais (PETR4) recuavam 20,71% para R$ 21,71 e as ordinárias (PETR3) caíam 20,7% para R$ 21,53, depois de abrirem em leilão. Com isso, a empresa perdeu quase R$ 70 bilhões em valor de mercado nesta segunda-feira (22).

A debandada dos investidores acontece depois de uma série de falas do presidente Jair Bolsonaro sobre mudanças na precificação dos combustíveis. O ápice foi a indicação do general Joaquim Silva e Luna para o comando da companhia, no lugar de Roberto Castello Branco, feita nas redes sociais na última sexta-feira.

O mandato de Castello Branco se encerra em março. O conselho de administração deve se reunir na terça-feira para discutir a troca.

A Petrobras, por meio de fato relevante, afirmou que recebeu o ofício para a substituição do governo, mas não foi além.

“A Petrobras esclarece que o presidente Roberto Castello Branco e demais Diretores Executivos da empresa tem mandato vigente até o dia 20 de março de 2021. A Petrobras informa que novos fatos relevantes serão oportunamente divulgados ao mercado”, diz a nota.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Interessante esse drama todo, a especulação e os aumentos nos preços deviam continuar? no passado com uma política de valorização, pré sal, empreiteiras, refinarias doadas, refinarias adquiridas a peso de ouro obsoletas, empresa arruinada vcs tavam onde? Homem tenha fé.

  2. Em breve as ações voltam a subir.
    O mais importante foi a retirada do Castelo Branco um cara que dá aumentos sucessivos sem argumentos claros e quando perguntam sobre a greve dos caminhoneiros ele diz que não é problema da Petrobrás, esta querendo sim é a greve dos caminhoneiros para gerar uma crise no país, caindo nas costas do presidente, que agiu rápido trocando a presidência.
    Parabéns presidente!!!!!!

  3. Na minha modesta opinião,acho que quem está realmente perdendo é eu e você que trabalha feito burro,pra sustentar a boa vida desses especuladores,nem sempre se ganha.

  4. Não estou preocupado com o valor das ações da Petrobras e quanto ela perdeu de jeito nenhum.
    Essa questão não me ajuda em nada, a Petrobrás valendo muito dinheiro ou quase nada, pra mim é indiferente.
    A minha preocupação e com esses aumentos frequentes nos preços dos, combustíveis que leva a inflação galopante.
    Se percebe claramente quanto se chega aos supermercados por exemplo.
    Essa, me atinge em cheio, como também milhares de brasileiros.
    A PETROBRAS e seus especuladores de mercado financeiro, que se dane.

    1. Mesmo com a mudança do governo, a petrobrás continuava a ser administrada por um grupo que tem por lá a muitos anos. Eles se revezam no poder, onde cada um tem amizade com um lado da política. Aparentemente o objetivo era desgastar o governo frente aos caminhoneiros com o aumento semanal dos combustíveis.
      Como não existe corrupção e tem dinheiro em caixa, o governo fez a isenção do ICMS para o diesel e convidou os governadores a fazer o mesmo. Quais foram os govenadores que aceitaram?
      Então a revolta programada virou de alvo, passou a ser em cima dos governos estaduais e os caminhoneiros estão saindo as ruas das capitais reclamando dos governadores.
      Mais uma vez o governo federal mostra compromisso com o trabalhador e os demais ficam reclamando, sem coragem de tomar a mesma atitude e pior, sequer tomam outra medida que favoreça o consumidor, como sempre, ficam na reclamação pela reclamação.

  5. A cegueira partidária beira a idiotice. A bolsa vive da especulação das ações.
    O que temos de fato é que a petrobrás teve cerca de R$ 60 bilhões desviado pela corrupção até final de 2016.
    Como bem lembrou um comentário aqui, as ações da petrobras chegaram a R$ 56,00 em 2004 e valia R$ 9,00 em 2016. Isso sim é pulverizar uma empresa. Os governos em 2004 e 2016 eram de quem?
    O que existe na realidade é que a PREVI faliu até 2016, tornou-se um fundo deficitário e já foi uma dos melhores no país.
    Logo as ações da petrobrás voltam a subir, afinal a empresa que teve 04 anos de prejuízo em 2013, 2014, 2015 e 2016, voltou a apresentar lucro em 2019 e 2020.

  6. É pouco. Tem que desvalorizar mais. Quanto pior, melhor. Esse desgoverno Cia cair junto com a economia.

  7. As perdas na Petrobras já ultrapassa os 109 bilhões; Banco do Brasil também estar em queda acentuada , o governo já fez várias intervenções no mercado de Dólar e ele continua subindo
    Às crises motivadas por perda de confiança, nunca são passageiras! Elas sempre perduram por muito tempo e afeta outros núcleos estruturais da economia.
    A bolsa vai cair, o dólar vai subir, o clima de desconfiança dos agentes da economia, pode aumentar. Esse conjunto de incidentes,
    podem trazer de volta à inflação. Tudo é possível , inclusive não acontecer nada disso. Para isso, o governo vai ter que ter habilidade e jogo de cintura para não afrontar o mercado..

    1. Essa perda é muito "virtual". Medir empresa pelo valor de mercado é a pior métrica possível.
      Varia todo o dia. Se essa perda em pontos cair pela metade, o que pode acontecer até hoje mesmo, em vez de 70 bi de perda, serão 35 bi. Aí, em dois ou três dias de alta pode haver recuperação, para depois cair de novo, subir depois, cair de novo, subir depois…

  8. BG, bota um nota explicando para os chacais o que significa 'valor de mercado'.
    Se não vão achar que 70 bi sumiram pelo ralo.

    1. Só sei de uma coisa, o Brasil, lá fora, está mais malhado do que pinto em beira de cerca!!!! A coisa tá feia meu amigo!!! País nenhum vive só, achando que é o rei da cocada preta… ele começou achando que podia governar sozinho. Agora se acoloiou com a pior mazela do Brasil o CENTRÃO. Os acordos começaram . E vão ter muitos e muitos mais. Reformas vem por ai… aguardem cartas e canetadas.. e o povo todo lascado

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *