Economia

Ex-secretário de Fazenda desmente noticiário, diz que não foi demitido por Paulo Guedes e que mudança já estava programada: ‘Foi um pedido pessoal meu’

Foto: CNN (18.ago.2020)

Em sua última fala em público como secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues esclareceu que sua saída do cargo não é resultado de uma demissão, mas sim de um remanejamento na equipe econômica. Além disso, ele informou que a mudança já estava programada e foi resultado de um pedido dele mesmo.

“Fui surpreendido por um vazamento mal endereçado de que o ministro Paulo Guedes demitiria o secretário de Fazenda, Waldery Rodrigues. Não foi uma demissão. Não existe isso”, disse em participação em audiência na Comissão Temporária de Covid-19 nesta segunda-feira (3).

“São alterações na equipe. Conversei com o ministro em dezembro do ano passado e, por uma questão estritamente pessoal, [perguntei se] haveria a possibilidade de eu sair da secretaria de Fazenda. Foi um pedido pessoal meu”, completou.

Waldery ainda citou o convite do ministro da Economia para que ele permaneça como assessor especial de Guedes. “É uma honra receber este convite. Estou conversando com o ministro, mas tenho minha questão pessoal revelada desde dezembro”.

Com sua saída, o atual secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, assume o comando da secretaria de Fazenda.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Que notícia importante essa. Se pediu ou se foi chutado tanto faz.
    Foi falta de notícia e pra encher o espaço divulgou?
    Melhore as escolhas!!!

  2. A perseguição da grande mídia militante é incansável. Onde estão os “caçadores de fake news”?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Paulo Guedes comemora criação no país de 401,6 mil vagas com carteira assinada em fevereiro

Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

O Brasil criou 401.639 empregos com carteira assinada em fevereiro. Segundo o Ministério da Economia, essa é a maior geração de empregos para o mês desde o início da série histórica, em 1992. Especialistas, porém, rejeitam a comparação e lembram que houve mudança metodológica no levantamento no ano passado, o que impede essa avaliação.

Resultado de 1.694.604 admissões e 1.292.965 desligamentos, o número é 55% melhor que as mais de 258 mil vagas abertas em janeiro, quando o resultado também foi anunciado como recorde histórico. Por outro lado, os dois primeiros meses do ano ainda não refletem os impactos do agravamento da crise sanitária e do retorno de medidas mais restritivas no país.

Os números são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e foram divulgados pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia nesta terça-feira (30).

No acumulado do primeiro bimestre, já são 659.780 novos empregos formais, número quase três vezes superior ao registrado no mesmo período do ano passado.

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, os resultados mostram, novamente, “o vigor e resiliência da economia brasileira surpreendendo as expectativas”.

“Em janeiro e fevereiro não havia o auxílio emergencial, então, é um sinal claro de que a economia estava se reativando mesmo sem essa camada de proteção social”, afirmou ao relembrar também os resultados da arrecadação federal, que também foi recorde em fevereiro.

Setores

O resultado foi puxado pelo setor de serviços, que sozinho criou 173.547 vagas de trabalho. O número surpreende, já que o setor é um dos mais afetados pelas medidas de distanciamento social.

“É o mais sensível para a informalidade. Então, temos que vacinar em massa para que os 40 milhões de brasileiros invisíveis não fiquem na escolha cruel entre sair e ser abatido pelo vírus ou ficar em casa e ser abatido pela fome”, defendeu Guedes.

Os demais setores da atividade econômica também registraram saldo positivo em fevereiro. O menor saldo, de 23.055 novos empregos, ficou na agropecuária, setor que liderou a criação de empregos formais no ano passado.

Ainda de acordo com o ministério da Economia, todas as cinco regiões do país tiveram saldos positivos. O destaque ficou no Sudeste do país, que criou 203.213 empregos. Em seguida, está a região Sul, com 105.197 novas vagas. Em último está o Norte do país, com a criação de apenas 12.337 postos de trabalho.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. É um fuleira mesmo esse Paulo Guedes. Depois que a taxa de desemprego bate o fundo do poço em consequência das suas maluquices, vem ele agora comemorar uma recuperação que ainda deixa o Brasil com níveis alarmantes de desempregados.
    E o gado ainda comemora, não sabendo que é o mesmo do mesmo !!!!

    1. Maluquice da sua cabeça sem noção. Todos os anos ele conquistou mais empregos INCLUSIVE em 2020, ano da pandemia! O cara é excepcional!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Com vacinação, Brasil terá novo horizonte em 60 dias, diz Paulo Guedes

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta quinta-feira (25) que apenas a vacinação em massa dos brasileiros, associada a um isolamento “mais inteligente e seletivo”, será capaz de garantir a sólida retomada da economia.

Na direção do que prometeu ontem (24) o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, Guedes disse que, se o país passar a vacinar 1 milhão de pessoas, por dia, haverá um novo quadro em dois meses.

“Se nós conseguirmos isso, é possível que, em 60 dias, nós tenhamos um novo horizonte completamente diferente pela frente: um país que pode retomar o crescimento – e que já estava retomando”, avaliou.

“Então, nós agora fazemos essa desaceleração do contágio com, justamente, um isolamento um pouco mais inteligente, um pouco mais seletivo, e reaceleramos as vacinas, e, em 60 dias, podemos estar num cenário já completamente diferente”, garantiu Guedes, em audiência pública da Comissão Temporária da Covid-19, no Senado.

Sobre a demora na vacinação, destacada por banqueiros em carta esta semana, Guedes disse que o Brasil vai acelerar a imunização da população. “Se não aceleramos antes pode ter havido uma falha mas como é outra área não vou nem comentar, mas estamos de acordo com os economistas”, ressaltou.

Orçamento

Guedes cobrou dos parlamentares a votação da proposta de Lei orçamentária. Se o Congresso aprovar hoje o Orçamento, o governo pode antecipar o pagamento de benefícios de pensionistas e de aposentados, além de liberar o auxílio emergencial.

“Assim, mais R$ 50 bilhões vêm de dezembro para agora. Então, nós vamos proteger os mais vulneráveis, os idosos, nessa segunda grande guerra contra o coronavírus. Esses recursos podem vir, de novo, sem impacto fiscal, porque é apenas uma antecipação de recursos dentro do mesmo ano. (…) O que for possível fazer sem impacto fiscal disparamos imediatamente”, disse o ministro.

Para o ministro, é preciso “manter novamente os sinais vitais da economia batendo”, e por isso, segundo ele, o governo está repetindo agora o protocolo que adotou na “primeira guerra contra o vírus”, no ano passado.

Pequenas e médias

Outra medida para socorrer a economia, lembrada por Guedes, foi o adiamento de impostos para as pequenas e médias empresas.

“As pequenininhas, que estão sendo fechadas – bares, restaurantes, as pequenininhas. Então, elas agora também vão ter esse diferimento. Isso é em torno de R$ 27 bilhões que nós não retiraremos de circulação – R$ 27 bilhões nos próximos três meses. Então, em abril, maio e junho, não recolhem impostos os pequenininhos e todo mundo que paga Simples, não recolhem impostos três meses, e pagam, então, no próximo semestre em prestações”, disse.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Pois é, se o capitão tivesse o mínimo de racionalidade não estaríamos nessa situação. Depois de um ano de negacionismo, e devido às pressões, ele sinaliza com alguma medida a favor do combate à pandemia.

  2. BG parece que amarelou, não pública nada que possa contrariar a Governadora Fátima Cadeado.
    Arregou homi? Hoje de as calças que vestekkkk

    1. Pronto, num bastasse falar merda agora que determinar a pauta.

    2. Blog do Calígula. Comenta 3x por post (sem ler), determina pauta e ainda copia e cola as mesmas sandices.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

“No primeiro dia, Mandetta saiu com R$ 5 bilhões no bolso. É desde aquela época que deveríamos estar comprando vacina. O dinheiro estava lá”, diz Paulo Guedes

Foto: Reprodução/CNN Brasil

“A entrega da vacina não está atrasada só agora, não.” A frase enfática é do ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista exclusiva à CNN. Guedes garante que nunca faltaram recursos para o combate à pandemia.

“No primeiro dia, (Luiz Henrique) Mandetta (ex-ministro da Saúde) saiu com R$ 5 bilhões no bolso. É desde aquela época que deveríamos estar comprando vacina, não é mesmo? O dinheiro estava lá”, diz.

Apesar do atraso na vacinação — que o ministro descreve como essencial, especialmente para a sobrevivência dos 38 milhões de brasileiros chamados “invisíveis” (ou informais) que receberam auxílio emergencial em 2020 —, Guedes diz que todos têm que “responder sobre essa crise coletivamente”.

“Era possível ter sido mais rápido? Sim. Era possível que a mídia fosse mais construtiva? Era possível que os governadores ajudassem também? O dinheiro foi para os estados. Então, por que os leitos foram desativados? Pois todos nós achávamos que a pandemia estava indo embora.”

Mas não foi. A pandemia se intensificou em número de internações e de mortes. Por isso, o governo pretende reeditar o programa de distribuição de renda aos mais vulneráveis. Na segunda-feira (15), o Congresso promulgou a PEC Emergencial, que autoriza o pagamento do auxílio.

Além desse benefício, o governo quer repetir os programas que tiveram resultados positivos no ano passado e impediram que a queda da atividade econômica fosse ainda maior que 4,1%.

Entre eles, está a reedição do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que distribuiu crédito para os empreendedores, e do Benefício Emergencial que, segundo Guedes, preservou 11 milhões de empregos.

“Em vez de dar seguro-desemprego, em que você espera a pessoa ser demitida para dar R$ 1,1 mil, que é o salário-mínimo, vamos nos antecipar. Vamos dar a metade desses recursos para ele continuar empregado”, explica o ministro.

Outro ponto importante que o governo deve focar em curto e no médio prazos são as privatizações dos Correios e da Eletrobras. “Teremos outras (privatizações) também. O importante é que destravamos a pauta do Congresso.”

O Congresso é visto como reformista por Guedes, que prevê mais rapidez na
aprovação da Reforma Administrativa, “já está bastante trabalhada e não atinge nenhum dos direitos adquiridos”.

“Vamos criar um funcionalismo público baseado em meritocracia, e para (o servidor) ganhar estabilidade será necessário analisar vários anos”, diz.

A expectativa é de que a Reforma Administrativa resulte em uma economia de R$ 300 bilhões ao longo dos próximos 10 anos.C

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. "Mandetta rebate Paulo Guedes sobre compra de vacinas: 'Desonesto, mentiroso'
    Ministro da Economia afirma que compra de vacinas está atrasada desde abril, mas na época elas ainda não existiam". E agora, ruminantes alienados!

  2. Como assim!!??? nem vacina existia na época. Esse Gudes está doido. Acho que o mito cabeça de azeitona, pegou essa grana e torrou com cloroquina.

  3. Deve ser triste para os familiares ver um senhor de uma idade dessa MENTINDO descaradamente assim. Esse não tem respeito próprio, nem por ninguém.

  4. Como assim? Se na epoca de Mandetta nem havia vacina aprovada, nem sequer intenções de compra? Esse sujeito não é só incompetente, é mau em todos os sentidos.

  5. 300 mil mortes e 3 mil mortes diárias. E agora o governo quer mudar o discurso antes negacionista e antivacina. Nem uma criancinha cai nesta conversinha.

  6. Isto é uma falácia que Mandetta tem a obrigação de rebater.Não havia nem vacinas….,estas so foram postas no mercado e. Setembro de 2020.
    No inicio a preocupacão,a ênfase eram mascaras,epis,respiradores e se se usava cloroquina ou não?
    Esquecidinho,hein…!

  7. Botando na conta de Mandetta. Vendeu a alma ao Diabo pq quis, agora segura a peteca.

    Todo mundo sabe de quem é a culpa, apesar de o gado passar o pano. O Bozo tá lascado.

    Agora é dizer que estamos bem na fita e que estamos melhores que outros paises, devido as mortes por milhão.

  8. "Presidente é o responsável por tudo o que aconteça ou deixe de acontecer na saúde, diz Mourão.
    Vice-presidente concordou com a fala do novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, de que a função dos ministros é executar decisões do presidente". E agora, ruminantes?

    1. Deixou de mamar nas tetas do governo foi? por isso tá revoltado se acostume porque esquerda acabou os tempos de roubalheira já era, esquerdista agora vai ter que trabalhar. kkkkkkkkkkk

  9. Rapaz, agora estão batendo cabeça. Esse aí vai já voltar atrás no que disse sob pena de " pegar o beco " . Colocou a culpa toda no jumento! Estão mais perdidos do que cego em tiroteio . Fora Bolsonaro! Vai acabar com o restinho do Brasil .

  10. Esse banqueiro é muito mal. Não sabe nada de economia, somente de especulação com seu banco. Ele e a familícia estão cada vez mais ricos, enquanto a população pena! Bando de indecentes eles e os negacionistas que o seguem. Bando de loucos.

  11. O dinheiro até podia existir, mas a ordem para a aquisição das vacinas não existia por parte do Sr. Presidente da República. Que já dizia que quem mandava no governo era ele. O que ficou bem patente quando Sua Excelência desautorizou publicamente o então General Ministro da Saúde, sobre a compra da vacina coronavac, do Instituto Butantam.
    Querem branquear o papel negacionista do Sr. Presidente da República em toda a pandêmia.

  12. Esse banqueiro maldoso não sabe o que fala. Mandetta não comprou porque o louco ordenador de despesas nunca assinaria a autorização pra compra. Rapaz, esses negacionistas que compõem esse governo não têm escrúpulos. POVO RUIM.

    1. Conversinha de comunista a sua. Banqueiro maldoso, isso é história da carochinha. Vai dormir bobao, cuidado tbm com o lobo mau

    2. Você vê que o gado não tem mais defesa pra o BOZO e seus capachos. 300 mil mortes.

  13. Com a palavra o novo ministro da saude: – Queiroga: 'Política é do governo Bolsonaro, não do ministro da Saúde'…

  14. Esse povo tem a mania de colocar a culpa da gestão, nos outros.
    Parecem um bocado de meninos sem orientação.

  15. Realmente, agora ficou claro pela própria boca de Guedes, assim como reiteradamente saiu da boca podre do MINTO, que o governo federal não queria comprar vacinas… O inepto só decidiu comprar depois que Doria viabilizou a "vachina", não pq o negacionista MINTOmaníaco pensou no povo ou acredita em vacinas, mas simplesmente pq ele não queria que Doria tivesse capital político em cima das "vachinas"…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Brasil viverá em 2021 a retomada do crescimento sustentado, diz ministro da Economia, Paulo Guedes

Foto: Adriano Machado

O Brasil viverá em 2021 um ano de retomada do crescimento sustentado, baseado em investimentos, em desenvolvimento impulsionado pela manutenção de juros baixos, câmbio competitivo internacionalmente, aceleração da agenda de reformas e de privatizações e, consequentemente, geração de empregos – sempre com pleno respeito ao ajuste fiscal e ao teto de gastos. Esse cenário foi apresentado na tarde da quarta-feira (18/11) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ao participar, de forma virtual, da Premiação Melhores e Maiores 2020 da Revista Exame.

“Uma enxurrada de reformas está sendo aprovada. Juntos vamos criar emprego em massa, os juros continuam baixos, não haverá aumento de impostos. Vamos retomar os investimentos e, em 2021, vamos transformar uma recuperação cíclica, baseada em consumo, em uma retomada do crescimento sustentada nos investimentos”, afirmou. Ele destacou que o Brasil surpreendeu o mundo pela velocidade da retomada da economia após a fase crítica de impactos da pandemia do novo coronavírus, e que essa fase positiva irá continuar.

A “armadilha do baixo crescimento” está sendo desmontada, ressaltou Guedes, ao se referir a decisões como a implantação da Nova Previdência e de toda a agenda de reformas que está sendo discutida com o Congresso Nacional – como as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) dos Fundos Públicos, Emergencial, do Pacto Federativo e da Nova Administração Pública e o projeto de autonomia do Banco Central, entre outros. O ministro lembrou, ainda, dos avanços na construção de novos marcos regulatórios, que levarão à retomada de investimentos. “Cabotagem, setor elétrico — queremos privatizar a Eletrobras —, gás natural, com o choque da energia barata para reindustrializar o país”, apontou.

“A boa notícia é que depois do pesadelo que foi o coronavírus, a economia está se recuperando, a pandemia está descendo e a vacina está chegando. Estamos vendo 2021 como ano de forte recuperação, com crescimento de 3 a 4%, mas podemos surpreender e ir além”, afirmou Guedes.

O ministro lembrou que desde julho o Brasil vem gerando novos empregos formais, o que é um indicador claro da retomada da economia. “É evidente que nossa política anticíclica contra o coronavírus funcionou”, disse. “Os Estados Unidos perderam mais de 30 milhões de empregos formais e nós destruímos menos de um milhão”, enfatizou.

Teto de gastos

Paulo Guedes reforçou ainda o compromisso do atual governo com o ajuste fiscal e o controle das contas públicas. O ministro excluiu qualquer possibilidade de descumprimento do teto de gastos (Emenda Constitucional nº 95), que impede o governo de aumentar o endividamento para financiar despesas correntes, como os gastos com pessoal, para induzir o crescimento. “A saída fácil é furar o teto, mas não faremos isso. Seria uma irresponsabilidade com as futuras gerações”, destacou Guedes. Ao longo de quatro décadas, lembrou o ministro, o descontrole fez as despesas públicas saltarem de 18% para 45% do Produto Interno Bruto (PIB), com efeitos bastante negativos para a população.

O descontrole dos gastos públicos levou o país a dois surtos de hiperinflação, à moratória externa, ao sequestro de ativos financeiros e ao bloqueio de recursos que brasileiros tinham na caderneta de poupança, apontou o ministro. Ele argumentou que tamanho desajuste provocou, ainda, aumento de impostos, juros muito elevados, endividamento em bola de neve, corrupção na política e estagnação econômica. Diante de tantos efeitos negativos, Guedes defendeu que respeitar o teto de gastos é essencial para o Brasil ter um caminho de crescimento efetivo e sustentado.

O ministro da Economia destacou que a chegada da pandemia da Covid-19 exigiu que os esforços fossem redirecionados das reformas estruturais para a adoção de medidas emergenciais. No entanto, como a economia já está se recuperando, a agenda de reformas e de privatizações é essencial, disse Guedes, descartando novamente hipóteses para desrespeito ao teto de gastos. “Se a dívida deu um salto agora, foi por causa da Covid, pois a vida e a saúde dos brasileiros estão em primeiro lugar. Mas vamos voltar a derrubar a relação dívida/PIB”, disse, após lembrar que o Brasil foi um dos países que fez um esforço fiscal maior até do que o de países desenvolvidos para conter os impactos da pandemia. “Gastamos 8,2% do PIB de esforço primário no combate à pandemia, cerca de R$ 800 bilhões”, explicou.

Com o ajuste fiscal promovido desde o início de 2019 e a redução das taxas de juros, o governo economizou R$ 80 bilhões em 2019 e R$ 120 bilhões com a rolagem da dívida. “E teremos mais R$ 100 bilhões por ano em 2021 e 2022”, destacou. Guedes afirmou que o governo adotou uma postura decisiva e fulminante no controle dos gastos públicos, sustentando a bandeira do teto de gastos, e que isso gerou condições para o Brasil estar, neste momento, em momento de recuperação econômica.

Economia de mercado

Paulo Guedes esclareceu que o governo está seguindo firmemente a agenda liberal democrata e que o objetivo é transformar o Brasil em economia de mercado, inserido no cenário internacional. “Sabemos a importância do capital organizacional. Temos quase R$ 1 trilhão em valor de empresas estatais, quase R$ 1 trilhão em imóveis. É um governo liberal democrata, e os votos foram dados para implementar o plano de governo. E um dos eixos é o de privatizações. Também libertar os orçamentos públicos dos grupos de interesse corporativistas, sejam do setor privado ou do setor público. Por isso é que estamos propondo o pacto federativo; desvincular, desindexar, desobrigar e devolver os orçamentos públicos à classe política, que recebeu o mandato pelo voto”, disse Guedes.

No cenário internacional, o ministro destacou que mesmo na fase mais aguda da pandemia, o Brasil manteve fortes exportações. Disse que, daqui para frente, a meta é acentuar ainda mais as relações com os demais mercados, fortalecendo laços com os novos eixos de crescimento globais. Citou a importância de o Brasil reforçar, por exemplo, o comércio com países como Índia, Vietnã e com o Oriente Médio. “Hoje, o Brasil é um país de juro estruturalmente mais baixo e câmbio de equilíbrio mais alto. O Brasil está exportando muito mais. Com a Ásia, estamos com US$ 40 bilhões de superávit”, destacou.

 

Opinião dos leitores

  1. A possibilidade de melhora deixa esses vermes comunistas babando convulsivamente de ódio.

  2. Desde 2016 é só reforma no lombo do povo e promessa de riqueza.
    Até agora foi só fumo nos trabalhadores e servidores públicos civis!

  3. Para desespero dos esquerdopatas antipatriotas, que querem que o seu país vá para o buraco, está previsto para o 3º trimestre um PIB positivo de 9,7% e todo mês, vem aumentando o emprego formal.
    Agora as medidas importantes como a reformas administrativa, tributárias e privatizações, são travadas pelos esquerdopatas antipatriotas do legislativo.
    Se estas medidas fossem implantadas nós hoje estaríamos numa situação muito melhor, com aumento de empregos e investimentos.

  4. o velho e conhecido "QUINTO IMPERIAL" e viva a republica, entra governo sai governo mais a forma de governar ainda é o imperial.

  5. Antes era assim que o governo bozoró assumisse…depois em junho de 2019…enfim. Alguns idiotas acreditam nesse governo de ineptos.

  6. Não existe almoço de graça. O Governo criou o PIX (e incentiva seu uso pelos "desbancalizados"), com a intenção de cobrar e recolher a vindoura "nova" CPMF até daqueles que NÃO possuem contas bancarias

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Prorrogação do auxílio emergencial, se houver segunda onda, não é possibilidade, é certeza”, diz ministro Paulo Guedes

Foto: Adriano Machado/ REUTERS 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 12, que o governo vai prorrogar o auxílio emergencial caso haja uma segunda onda da pandemia do coronavírus no Brasil.

“Prorrogação do auxílio emergencial, se houver segunda onda, não é possibilidade, é certeza. Se houver segunda onda da pandemia, o Brasil reagirá como da primeira vez. Vamos decretar estado de calamidade pública e vamos recriar (o auxílio emergencial)”, afirmou.

Segundo o ministro, esse não é a expectativa atual, mas está prevista pela equipe econômica como uma contingência. “O plano ‘A’ para o auxílio emergencial é acabar em 31 de dezembro e voltar para o Bolsa Família. A pandemia descendo, o auxílio emergencial vai descendo junto. A renovação de auxílio emergencial não é nossa hipótese de trabalho, é contingência”, completou.

Em evento virtual organizado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Guedes disse que, se for necessária a prorrogação, a ideia é que o País gaste menos do que no primeiro enfrentamento da pandemia. “ Ao invés de gastar 10% do PIB, talvez gastemos 4%”, completou. “O Brasil vai furar as duas ondas, estamos saindo do lado de lá.”

O ministro voltou a dizer que o plano da equipe econômica era que o auxílio emergencial “aterrissasse” no Bolsa Família ou no seu substituto, o Renda Brasil, que ainda está em estudo. “Politicamente, o programa (Renda Brasil) não foi considerado satisfatório pelo presidente. No meio da eleição, não era hora de ter essa discussão.”

Ele afirmou que o valor do auxílio emergencial, que foi inicialmente de R$ 600, ficou acima do que ele esperava, que era de até R$ 400. Para Guedes, os R$ 600 podem ter sido um “exagero”, mas disse não se arrepender porque o benefício foi importante para a reação da economia. Em setembro, o benefício foi reduzido para R$ 300.

Caos social

O ministro disse que o País passou por uma ameaça de “caos social” que não ocorreu porque não houve desabastecimento de produtos nas prateleiras dos supermercados. “O Brasil resistiu porque o campo seguiu produzindo e rede de supermercados manteve a população abastecida nesse período. As redes de supermercados mantiveram a economia em funcionamento”, afirmou, no evento da Abras.

Guedes voltou a dizer que a economia está voltando com força “como um urso que estava hibernando”. Ele afirmou que a arrecadação de impostos neste mês está “extraordinária”, assim como outros indicadores antecedentes. “Mesmo sendo otimista, me surpreendeu a velocidade com que a economia brasileira está voltando.”

Segundo o ministro da Economia, o governo utilizará a redução de tarifas de importação como um instrumento “antiabuso” para a alta de preços de produtos específicos, como fez ao reduzir a taxa para compra de arroz, milho e soja do exterior.

O ministro afirmou que a alta nos preços dos alimentos é “temporária e transitória” e deve se acalmar com o fim do auxílio emergencial. “Estamos olhando para toda a pauta de produtos importados e vamos reduzir as tarifas do que estiver subindo o preço”, completou.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Se o AUXÍLIO EMERGENCIAL vai o velho BOLSONARO dispensa junto esse ministro da economia: TCHUTCHUCA.

  2. Hô Véio Bom da gota serena é o Presidente Bolsonaro.
    Taí dois Véios bons e duros dos cunhão rôxo é Bolsonaro e Paulo Guedes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Paulo Guedes diz que imposto digital “está morto”

FOTO: RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender nesta quinta-feira (29), durante audiência pública no Congresso Nacional, a criação de um imposto sobre transações financeiras realizadas por meio digital, que ele chamou de “digitax”.

Logo depois, ainda durante a audiência, Guedes disse que, para ele, “o imposto está morto”. Mas alertou que, sem os recursos que viriam com esse tributo, ele não pode aprovar a proposta de estender, até o final de 2021, a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia. A desoneração foi vetada pelo presidente Jair Bolsonaro, e o Congresso precisa apreciar o veto, a fim de decidir se vai derrubá-lo ou mantê-lo.

Guedes também voltou a negar relação do possível novo imposto com a antiga Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF).

“As pessoas nem entenderam que tem um futuro digital chegando. O Brasil é a terceira ou quarta maior economia digital do mundo, nós vamos ter que ter um imposto digital mesmo”, disse o ministro.

Minutos depois, o ministro disse:

“O imposto está morto, ele não existe. Então, como eu não tenho fonte, eu não posso aprovar, tendo dado um parecer que, enquanto não tiver o dinheiro, eu não posso aprovar a desoneração”, disse. ” Do meu ponto de vista, o imposto está morto. Não tem imposto nenhum, não tem desoneração”, emendou.

Guedes deu a declaração uma semana depois de o presidente Jair Bolsonaro afirmar, em cerimônia de formação de diplomatas, que o Brasil não aumentou impostos durante a pandemia do novo coronavírus nem aumentará quando a pandemia acabar.

Bolsonaro fez a afirmação se dirigindo ao próprio ministro da Economia, que também estava presente ao evento.

No Congresso, parlamentares também têm dado sinais de que uma proposta do governo prevendo a criação de um novo imposto pode não ter apoio. No final de setembro, por exemplo, o presidente da comissão que debate a reforma tributária, senador Roberto Rocha (PSDB-MA) declarou que não considerava “oportuno” discutir um imposto nos moldes da antiga CPMF.

De acordo com o ministro, porém, esse novo imposto não representará aumento da carga tributária, já que a proposta é que ele substitua outros tributos existentes, como o que incide sobre a folha de pagamentos.

“Vamos diminuir os outros [tributos], vamos simplificar os outros. Vamos desonerar a mão de obra. Estamos indo para um futuro melhor”, acrescentou.

Nota de R$ 200

Paulo Guedes disse, ainda, que a nota de R$ 200, estampada pelo lobo-guará, foi inventada para pagar o auxílio emergencial durante a pandemia do novo coronavírus. Ele disse ainda que, no futuro, ela pode ser aposentada.

“O lobo-guará, essa nota grande, foi inventada porque tínhamos um problema logístico de pagar as pessoas. As pessoas mais simples não tinham as ferramentas digitais, então tínhamos de dar dinheiro físico. E o dinheiro estava ficando entesourado, ficava travado em uma comunidade, não saía de lá. Precisamos criar uma nota mais alta, na contramão da direção do mundo”, disse.

De acordo com o ministro, o “mundo está indo para notas mais baixas para acabar com o crime que se financia dessas notas altas, acabar com a corrupção”.

“Está vindo o PIX para transferências digitais. O futuro é de menos dinheiro na mão e notas mais simples. No futuro, vai acabar o lobo-guará, vai acabar a nota de R$ 200, de R$ 100, tudo isso vai diminuir brutalmente. Da mesma forma como tivemos o auxilio emergencial, tivemos o lobo-guará, tivemos de pedir ajuda para o lobo-guará para o dinheiro poder circular”, disse.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Amanhã ele se retrata de tudo o q disse.
    Esse governo não merece um pingo de confiança em nada q diz.
    O governo Bolsonaro é um fracasso completo!!!
    MORO PRESIDENTE 2022

  2. Vender tudo, alugar o que puder, privatizar o restante e cobrar imposto até do ar que se respira. Ah Guedes FDP.

    1. Dinheiro não dá em árvore.
      Quer dinheiro para o SUS mas não quer pagar imposto.
      Paga imposto para comprar um carro, uma TV, mas não quer pagar imposto para ver Netflix , que fatura uma nota…

    2. O imposto para comprar o carro é tão alto que não precisa taxar os serviços online. Nossa carga tributária já é obscenamente alta, e ainda tem defensor de mais impostos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Brasil está muito bem visto lá fora, afirma Paulo Guedes

Foto: Adriano Machado/Reuters

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nessa quarta-feira (14) que o Brasil está sendo muito bem visto no exterior por conta das medidas que, tão rapidamente, o governo brasileiro adotou para enfrentar os impactos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia.

Ele disse que passou o dia com os ministros das 20 principais economias do mundo, dos quais ouviu relatos que mostram a boa imagem da qual o Brasil desfruta lá fora.

O ministro lembrou que a economia brasileira, forçada pela pandemia, caiu muito, mas que, graças às medidas emergenciais que atenderam os mais vulneráveis, voltou a se recuperar e está sendo retomada em forma de “V”, cenário em que uma economia volta a crescer na mesma velocidade em que cai. “O Brasil bateu lá embaixo e voltou em forma de ‘V’. Só no mês passado criamos mais de 300 mil empresas”, disse o ministro da Economia.

Guedes voltou a defender o Pacto Federativo e disse que o espírito da descentralização dos recursos para os Estados sempre esteve presente entre nós, mas que veio a pandemia e desacelerou o processo.

“Nosso mapa era descentralizar recursos para os Estados, mas veio a covid-19”, disse, acrescentando que se tratava de R$ 450 bilhões que seriam descentralizados para estes entes da Federação.

R7 e Estadão

Opinião dos leitores

  1. Da última vez que tive lá fora, evitei falar português. Até os taxistas faziam troça por causa do Bolsonaro.

  2. lá fora eu não sei e nem interessa!! agora aqui dentro do Brasil o bicho vai pegar. o ponto de partida foi a cueca! Posso criticar pois votei neste governo ainda que por conta do PT mas, estou arrependido!!

  3. De Boa, Intenção o inferno tá cheio. Quando vejo um dos maiores acionistas do Banco P. Tomando conta do Banco Central, vejo que vai da merda.
    O Bancos Itau,Bradesco, são dois indivíduos que está com o Guedes na mão. Veja a linha de crédito Pronamp quando o dinheiro cai na conta desses dois bancos essa quantias evaporam e os clientes ficam pedindo esmolas e pagando os juros que eles querem, que é superam aos 3.9 ao mês e composto. Não tem como não quebrar nesse mundo como empresário sem passar nas mãos desses banqueiros que assaltam com juros altíssimos.

  4. Esse traste brinca de fazer economia. Seus planos são sem começo e fim, verdadeiras gambiarras. Zélia Cardoso, que fez muita merda, era mais macho que esse bicho, mas temo pelo pior… Tudo dele e enaltecendo os Estateres Uniteres e o fumo entrando nas fuças dele.

  5. Tremendo de um mentiroso esse banqueiro asqueroso! Investiguem o submundo financeiro desse cidadão e encontrarão horrores!

  6. Recuperação da economia em "V"? É mesmo? E como explicar a péssima performance do R$ em comparação com o dólar americano?

  7. Resta sabe onde é esse lá fora dele. Seria lá fora da terra plana dos bolsonaristas?
    Realmente essa turma vive em outra galáxia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Com apoio de Maia e Alcolumbre, Paulo Guedes entrega proposta do governo federal de reforma tributária; veja íntegra

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Ao receber reforma tributária de Guedes, Alcolumbre fala em ‘data histórica’

Ao receber a proposta do governo federal de reforma tributária, Davi Alcolumbre disse que esta é uma “data histórica”.

O presidente do Congresso disse que governo e Parlamento “se encontram, de mãos dadas, para construir uma saída de um problema de décadas que aflige todos os brasileiros”.

“Hoje, damos mais um passo significativo no rumo de fazermos a sonhada reforma tributária brasileira.”

Alcolumbre criticou as normas atuais e disse que a reforma tributária vai melhorar o ambiente de negócios e atrair investimentos para o Brasil.

Maia manda recado aos críticos da reforma tributária

Ao receber a proposta do governo federal de reforma tributária, Rodrigo Maia disse que o texto é “muito importante” e “tem muita convergência” com as propostas que tramitam no Congresso.

Maia pediu aos jornalistas:

“Antes de ouvirem os críticos, que se ouçam aqueles que prepararam as propostas, para que se compreenda o seu real objetivo.”

Ele emendou:

“A gente sempre vê críticas de pessoas que têm o legítimo direito de sua preocupação, mas que não sabem, muitas vezes, nem o que está escrito na proposta.”

O presidente da Câmara acrescentou que é preciso fazer uma proposta em conjunto — Executivo, Câmara e Senado.

Maia aproveitou para elogiar Luiz Eduardo Ramos, que está na mira de lideranças do Centrão.

Leia íntegra da proposta

Leia aqui a íntegra da proposta de reforma tributária apresentada nesta terça-feira (21) ao Congresso pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Em vez de mandarmos uma PEC, mandamos propostas que podem, então, ser trabalhadas e acopladas”, disse Guedes.

O Antagonista

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Paulo Guedes sobre permanência no governo: “Só saio abatido ou à bala”

(Foto: EDU ANDRADE/Ascom/ME)

“Eu só saio abatido ou à bala”, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, na noite dessa quinta-feira (16), ao ser questionado se pretende sair do governo durante durante teleconferência do painel “Momento econômico brasileiro”, do evento Expert XP 2020, realizado pela XP Investimentos.

“Eu tenho uma missão a cumprir”, disse ele, se referindo ao compromisso que assumiu com o presidente Jair Bolsonaro na campanha de construir uma aliança de centro direita, “que ganhou as eleições depois de 30 anos de governos de centro esquerda”. Em seguida, tentou consertar e disse que essa questão de sair à bala era uma “forma de brincar” e “ser decisivo na afirmação”.

“Temos uma agenda de reformas a cumprir. E, enquanto houve essa agenda e o presidente quiser eu fico. Se ele desistir dessa agenda, eu não tenho o que fazer. Vou ter que ir embora para casa”, afirmou. Ele ainda prometeu que não pretende aumentar a carga tributária com uma nova CPMF, que está sendo estudada pela equipe econômica como forma de compensar a desoneração da folha de pagamentos, uma proposta que está sendo resgatada por Guedes mas vem recebendo críticas de parlamentares. “Temos um compromisso de não aumentar impostos e controlar os gastos”, garantiu.

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. ô bicho cheio de fricote…. sai não sai… se decide mengo…. a população não vai chorar com a sua saída…

  2. eu tenho uma agenda a cumprir e enquanto tiver essa agenda eu fico. Sérgio mouro( ) ou paulo guedes( ).

    1. Jailson, só não concordo com você, porque seria duas pessoas falando bosta.

  3. Gasolina:

    PT roubando: 2,50
    Governo bolso: 5,00

    Dólar:

    PT roubando: 2,80
    Governo bolso: 4,00

    Gás de cozinha:

    PT roubando: 35,00
    Governo bolso: 70,00

    PORRA TRAZ O LULA PRA ROUBAR DE NOVO AI PQ DEU RUIM

    1. Faltou a cotação do dólar meu rapaz.
      Veja na época do roubo e agora.
      E lembre se, a moeda americana, o câmbio é flutuante.
      COMPARE; antes fe escrever bobagens tolices babaca.

  4. Depois de acabar com os trabalhadores. Feito isso ele volta a vida de milionário e nós seguimos lascados.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

“Vamos desenhar uma rampa de ascensão social para estimular”, diz Paulo Guedes, sobre ações do Governo que miram aumento do emprego

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o governo vai conectar os programas sociais voltados para a população de baixa renda ao mercado de trabalho formal.

“Vamos subir o valor da assistência social e ampliar sua base de alcance, mas também conectar as políticas de assistência social com os mercados de trabalho. Vamos desenhar uma rampa de ascensão social para estimular”, disse o ministro.

Guedes participou nesta segunda-feira (13) de conferência virtual da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Na visão dele, os melhores programas sociais são aqueles que oferecem também uma saída para o mercado de trabalho formal. “Para isso precisa de treinamento da mão-de-obra, microcrédito, imposto de renda negativo (nome dado ao pagamento de uma renda ao trabalhador pelo governo). Vamos nessa direção, valorizando o capital humano e dando dignidade ao trabalho”, comentou.

A fala do ministro foi uma referência às ações do governo que serão voltadas para o aumento do emprego CLT, com carteira de trabalho. Com o programa de auxílio emergencial durante a pandemia, o governo identificou mais de 38 milhões trabalhadores informais, em situação de vulnerabilidade social.

“A pandemia expôs essa fragilidade e profunda desigualdade no sistema econômico brasileiro. Estamos programando nossa saída da crise com uma forte dimensão social, reconhecendo essa desigualdade social que existe no Brasil e que a pandemia revelou em dimensões maiores”, completou.

Crescimento sustentável

Ainda de acordo com o ministro, a retomada da atividade econômica após a pandemia será dentro de um contexto de crescimento sustentável. “O Brasil sabe da importância da preservação do meio ambiente, sabe da importância do crescimento sustentável, não só do ponto de vista fiscal mas também ambiental. Se há excessos e erros, corrigiremos”, afirmou.

Para Guedes, o fato de o Brasil ser um país de tamanho continental dificulta a fiscalização das práticas ambientais ilegais. “Não aceitaremos o desmatamento ilegal e a exploração ilegal de recursos. Queremos ajuda e compreensão da comunidade mundial”, disse.

No entanto ele reforçou que o Brasil não abrirá mão da soberanaia sobre seus recursos naturais. “Queremos ajuda, mas não aceitamos falsas narrativas do que aconteceu no Brasil nas últimas décadas. Muita gente se esconde atrás de políticas e interesses protecionistas condenando o Brasil. Precisamos de cooperação e por isso queremos entrar na OCDE, queremos melhores padrões”, ressaltou.

Integração global

O ministro voltou a dizer que as exportações brasileiras foram menos impactadas pelos efeitos da pandemia da Covid-19 do que o esperado. “A ruptura das cadeias globais não atingiu tanto o Brasil. A queda nas vendas para parceiros como Estados Unidos, Argentina e mesmo para União Europeia foi compensada por maiores exportações para a Ásia, particularmente para China”, explicou.

Na avaliação dele, isso é mais um fator de estímulo para a entrada do país na OCDE. “Queremos aumentar o grau de integração da economia brasileira, que ficou fechada por muito tempo. À medida que essa onda da pandemia vá se afastando, vamos nos integrar à economia global e à nossa economia regional”, destacou.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Na contramão mão de tudo isso. Todos os dias centenas de trabalhadores estão sendo demitidos na Guararapes Confecções. Muita gente mesmo indo pra rua. Cadê o programa de proteção ao emprego governadora?

  2. Na contramão mão de tudo isso. Todos os dias centenas de trabalhadores estão sendo demitidos na Guararapes Confecções. Muita gente mesmo indo pra rua. Cadê o programa de proteção ao emprego governadora?

  3. Na contramão mão de tudo isso. Todos os dias centenas de trabalhadores estão sendo demitidos na Guararapes Confecções. Muita gente mesmo indo pra rua. Cadê o programa de proteção ao emprego governadora?

  4. Noticia boa.
    Importante reconhecer que precisa de adaptação, esse tal liberalismo da escola de Chicago, se funciona ou funcionou um dia, deve ser lá pras bandas de Chicago, aqui no Brasil é diferente, funciona incluindo o pobre na receita da União.
    Parabéns, pela mudança. Antes tarde do que nunca.

  5. Só leriado desde o início do governo Bolsonaro.
    Paulo Guedes nunca apresentou resultado. Só promessas!
    E ainda quer aumentar ainda mais a carga tributária.
    MORO 2022

    1. Ministro PAULO GUEDES, travar, dificulta e aborta . O exemplo é reposição da inflação do IMPOSTO DE RENDA, de 103,96% que congelou o contribuinte pagou mais IMPOSTO.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Paulo Guedes foi mordido pelo cão da família e precisou tomar vacina

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil 

O ministro da Economia Paulo Guedes levou nesse domingo (5) uma mordida do cachorro da família, da raça Alaska Malamute, quando o animal de estimação tentou sair de casa, em Brasília.

Guedes sofreu um ferimento na mão, precisou tomar vacina anti-tetânica e anti-rábica. O ministro passa bem.

Christina Lemos – R7

Opinião dos leitores

  1. Coitado do cachorro, vai ser privatizado depois dessa.
    O bichinho vai sofrer o pão q o diabo amassou.
    Sugiro as Ongs de defesa dos animais ficarem de olho.

  2. Tivesse mordido Nove Dedos morreria embriagado e rico; se tivesse a Anta sairia correndo e relinchando…..kkkkkk

  3. Vcs da esquerda, sendo Petistas ou de outros, são doentes, e hilários. Aceitem e agradeçam, energúmenos.

  4. Ôh povinho pra conversar besteira, vcs dêem graças a Deus termos um ministro competente e dedicado com a economia do país.

  5. Pobre cachorrinho! Sugiro monitorar o animal e observar se não foi contaminado depois desta infeliz mordida. Vamos rezar para que nada de pior aconteça com o bichinho.

    1. Concordo com você Marcelo.O bichinho pode morrer de sepses

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Paulo Guedes confirma mais duas parcelas de R$ 600 do auxílio emergencial

Foto: Dida Sampaio / Estadão

O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou à CNN na manhã desta terça-feira (30) que o governo federal vai prorrogar o auxílio emergencial em mais duas parcelas de R$ 600 cada.

O anúncio oficial deve ser feito em cerimônia no Palácio do Planalto prevista para as 16h de hoje, com a presença do chefe da equipe econômica e do presidente Jair Bolsonaro.

O montante de cada nova parcela é o mesmo pago pelo governo nas três parcelas iniciais do benefício. Por esse motivo, não será preciso aprovar uma nova lei no Congresso – bastará um decreto presidencial prorrogando.

Cada nova parcela terá impacto de R$ 50 bilhões nas contas públicas. Pelos cálculos do Tesouro, as duas juntas elevarão o déficit público de 2020 em 1,5 ponto porcentual, para 11,5% do PIB.

A prorrogação do auxílio, apelidado de “coronavoucher”, em duas parcelas de R$ 600 vai ao encontro do que defendia o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Bolsonaro chegou a anunciar que prorrogaria o benefício em três parcelas decrescentes de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, mas acabou desistindo após resistência de Maia e outros parlamentares.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. O auxílio chega à demorar dois messe entre um saque e outro, o governo federal conseguiu transformar três parcela de 600, que seriam pagas em três meses, em 300 por mês esticando os prazos, e ágora para não ter o perigo da Câmara Federal almentar para mais três parcelas, fez isso, segurou duas.

  2. Parabéns ao Governo Federal, que é o ente federativo, que precisa dar socorro econômico as pessoas e as empresas, pois é quem tem a mão no dinheiro e nas reservas. A pandemia vai passar, depois será preciso muitos ajustes fiscais. Mas, esse é o momento de socorro a todos. Vamos pensar positivo ao invés de levar tudo pro lado político igual ao "Zé Mané", que já pergunta e Fatão, vai lá administrar um Estado que já tava quebrado e tomar iniciativas, é muita falta de assunto e somente cunho politico atrasado!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes: podemos fazer três ou quatro privatizações no segundo semestre

Foto; Evaristo Sá/AFP

O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que não podemos cair novamente “na armadilha de baixo crescimento e endividamento em bola de neve”. Isso pode ser feito se o aumento das despesas orçamentárias forem entendidas como extraordinárias em 2020, e não algo permanente. “Temos três fontes de despesas: a previdência está controlada e os juros estão baixos. Agora, estamos assistindo à luta contra o aumento [dos valores] do funcionalismo público que cresceram acima da inflação”, afirma o ministro em live promovida pelo Itaú BBA.

Guedes tem sido enfático nesse ponto: ele propõe o congelamento dos salários do funcionalismo público em 2020 e 2021. “Se o presidente [Jair Bolsonaro] vetar [o reajuste] como anunciou como faria, pode ser que a gente continue trilhando para o equilíbrio fiscal”, afirma.

Segundo o ministério, ainda é possível que a economia retome a sua pujança. O cenário-base ainda é de uma saída em “V”, isso porque é uma economia flexível: o Brasil perdeu apenas 1 milhão de vagas de trabalho, enquanto os Estados Unidos bateram o maior desemprego da história.

A retomada da economia vai se dar pelo “caso clássico” de recuperação com crescimento do crédito a dois dígitos – crédito imobiliário, para consumo e para empresas. Isso vai acontecer, porque os juros estão baixos. Além disso, vai haver a volta dos investimentos privados nacionais e internacionais em setores de óleo e gás, elétrico e infraestrutura. “Para isso, precisamos de marcos regulatórios”, diz. “Levantar o PIB apenas com investimentos públicos é querer se levantar pelo suspensório ou pelo cinto. Não dá.” Guedes lembra que o marco do saneamento está no Senado e que o de gás está pronto também.

Nesse sentido, se houver uma retomada em “V”, os mercados devem recuperar o apetite no segundo semestre. “Fizemos um levantamento de 159 empresas e subsidiárias que podem ser privatizadas. Em vez de fazer [privatização] de todas, vamos escolher três ou quatro grandes empresas para privatizar no segundo semestre”, diz.

O ministro cita a Eletrobras – que no ano passado foi avaliada em 16 bilhões de reais -, os Correios e a Pré-Sal Petróleo (PPSA), que atua nas frentes de gestão dos contratos de partilha de produção, gestão da comercialização de petróleo e gás natural e a representação da União nos acordos de individualização da produção. “Essa a gente avaliou em 200 bilhões de reais.”

Exame

Opinião dos leitores

  1. Só no Brasil mesmo querer deixar na mão de estrangeiros um serviço tão estratégico como geração e transmissão de energia.

  2. Vai, Posto Ipiranga, mostra sua força. Privatiza logo a Caixa Econômica, o Banco do Brasil, o BNB, a Eletrobras. Quanto aos Correios, faça uma "caridade": doe sua massa falida ao Vaticano, ele tem pano pras mangas.

  3. Essa turma que vota no PT, esquece de tudo, inclusive bem recentemente como deixaram o país, desemprego solto, Nove dedos rico, a anta analfabeta dizendo idiotices, Petrobras falida, a gente no caminho de uma ditadura, dinheiro em cueca, filho Ronaldinho, a defunta dona de meio mundo, cobertura triplex, o homem mais honesto do mundo sendo rotineiramente condenado e preso, queriam chegar onde? Esses idiotas que defendem aquele mequetrefe são um bando de idiotas.

    1. Pedin rapaz ! Muda o disco , a mesma música direto não tem quem aquente . Bita aí um bolero novo

    1. A cada morte, a esquerda comemora.
      Gostam de usar chavões como churrasco dos 10.000.
      Fascistas não passarão.
      Gado.
      Por falar nisso, os Estados com piores números são governados por opositores de Bolsonaro.
      O que esses governadores estão fazendo além de politicagem?
      O salário de um médico em Cuba é de 200 reais.
      Enquanto isso os adoradores de Fidel, Maduro e Lula sonham com uma pátria bolivariana.
      Resultado de décadas de lavagem cerebral nas escolas…

  4. …que a economia retorne a sua pujança?
    Esse ser, responsável pelo pibinho, vivia aonde antes da pandemia?
    Mais um mentiroso do governo fake!

    1. Bom foi o ladrao Lula …deixa de escrever merda vagabundo , seu ladrao preferiu construir estádios ao contrário de hospitais, vou dar uma dica: a carteira de trabalho é azul

    2. Pibinho, mas positivo. Dilma teve dois anos de -3,5%.
      Fora outro pibinho em pleno ano de Copa.
      Criem vergonha na cara..

    3. Esse gado só muge numa nota só. Só sabe comparar com o governo do pt, mas não se tocam que tao comparando bosta com merda. Jaja começa a aparecer a rapinagem desse inquilino do planalto, já se vendeu pra turma do Roberto jerfeson. Mas o gado só sabe mugir. Mitooo

    4. Webrevenger.
      O PT é ardiloso.
      Agora petistas estão se passando por isentoes.
      Tática manjada.
      Ou você é militante de Rodrigo Maia ou Doria?
      Por que chamar cidadãos de bem de gado?
      Isso é tática comunista antiga.
      Na América Latina, ou você apoia o comunismo ou não.
      Não venha posar de isentao, que representa uma terceira via.
      Ciro Gomes é aliado do PT e conversa muito, mas não sabe de nada.
      Dória? Que não sabe governar, nem a pandemia em São Paulo consegue controlar?
      A mídia sem dinheiro irritada?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

VÍDEO: Paulo Guedes diz que Brasil irá sair da crise “muito brevemente” e irá “surpreender o mundo”

O presidente Jair Bolsonaro manifestou apoio público nesta segunda-feira ao ministro da Economia, Paulo Guedes, dizendo que ele é a única pessoa no Brasil que decide sobre a economia.

A declaração ocorreu após especulações sobre a possível saída de Guedes do governo, devido a uma disputa interna entre as áreas política e econômica do governo em torno da forma como se dará a retomada do crescimento depois da crise do coronavírus.

— Acabei mais uma reunião tratando de economia. O homem que decide economia no Brasil é um só, chama-se Paulo Guedes. Ele nos dá o norte, nos dá recomendações e o que nós realmente devemos seguir — disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

Na semana passada, no lançamento do programa Pró-Brasil, que aposta no investimento público em obras para gerar empregos e fazer a economia voltar a girar, não havia integrantes da equipe econômica. O programa foi anunciado pelo ministro da Casa Civil, Braga Neto. Após o anúncio sem Guedes, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, negou ‘briga política’ em plano de retomada e falou em ‘ruído de comunicação’.

A reunião da manhã desta segunda-feira no Alvorada, além de Guedes, também contou com os ministros Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), Tereza Cristina (Agricultura), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União) e com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Bolsonaro também elogiou o Congresso, dizendo que o parlamentares são simpáticos à pauta econômica, e ressaltou que o governo tem preocupação com a responsabilidade fiscal, linha defendida por Guedes.

— Nós temos um Parlamento bastante sensível e simpático às causas voltadas para e economia. Há uma preocupação muito grande nossa com total responsabilidade com os gastos públicos. Temos algumas reformas pela frente, que brevemente estarão sendo discutidas e votadas.

Defesa do teto de gastos

Guedes, por sua vez, agradeceu a confiança de Bolsonaro e disse que o governo continuará com a mesma política econômica, focada em “reformas estruturantes” e investimentos privados.

— Queremos reafirmar a todos que acreditam na política econômica que ela segue, é a mesma política econômica. Nós vamos prosseguir com as nossas reformas estruturantes. Vamos trazer bilhões em investimentos em saneamento, em infraestrutura, em reforço para a safra.

Guedes classificou o programa Pró-Brasil como “estudos”:

— O programa Pró-Brasil, na verdade, são estudos, justamente na área de infraestrutura. São estudos adicionais para ajudar nessa arrancada de crescimento que nós vamos fazer. Agora, isso vai ser feito dentro dos programas de recuperação de estabilidade fiscal nossa. Nós não queremos virar a Argentina, não queremos virar a Venezuela.

Especialistas ouvidos pelo GLOBO avaliam o programa Pró-Brasil como positivo, porém criticam alguns de seus pontos, como seu tamanho, a falta de visão coordenada com outras iniciativas – inclusive privadas – e a ausência de coordenação dentro do próprio governo.

O ministro ainda se posicionou de forma contrária à derrubada do teto de gastos:

— Nós estamos no caminho certo, para que falar em derrubar o teto, se é o teto que nos protege contra a tempestade?

Recado a servidores

De acordo com Paulo Guedes, o Brasil irá sair da crise “muito brevemente” e irá “surpreender o mundo”:

— O Brasil vai voltar à tranquilidade muito brevemente, muito antes que todos esperam. Nós vamos surpreender o mundo de novo. Surpreendemos ano passado e vamos surpreender novamente. Positivamente, sempre. E eu agradeço ao presidente a confiança que sempre demonstrou no nosso programa.

O ministro sugeriu que o funcionalismo deixe de pedir reajuste salarial pelo prazo de um ano e meio, em um “sacrifício pelo Brasil”.

— Precisamos que o funcionalismo público mostre que está com o Brasil, que vai fazer um sacrifício para o Brasil. Não vai ficar em casa trancado, com geladeira cheia, assistindo à crise enquanto milhões de brasileiros estão perdendo o emprego. Não, eles vão colaborar. Eles vão ficar sem pedir aumento por um tempo. O presidente disse que ninguém tira dinheiro, ninguém tira salário, ninguém encosta em nenhum direito que existe hoje. Mas, por atenção aos brasileiros, não peçam aumento por um ano e meio, contribuam com o Brasil.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. A maioria dos comentários que eu li aqui, são de marionetes da imprensa que torce e quer ver o fim do governo Bolsonaro, aí chamam aqueles que apoiam o presidente Bolsonaro de gado.

  2. A turma do “quanto pior melhor” torcem descaradamente para dar errado. A maioria querendo voltar a ter uma teta para mamar.

    1. Acho que quem gosta de teta pra mamar é seu presidente! Ele como presidente, 01 como senador, 02 como vereador e 03 como deputado federal! Pense num rapaz que odeia a política, muita moralidade quando aponta pros outros! E quanto ao pior melhor, reflete mais! Quem num momento de crise econômica e crise politica quis exonerar o delegado geral da PF, pra o super herói de vocês pedir demissão e criar uma crise politica??? Quem foi mesmo?

  3. "Como surpreendemos no ano passado"? Paulo Guedes, o sr. esqueceu o valor do PIB do ano passado, foi isso? A surpresa foi negativa meu amigo, deixe de lorota!

  4. O BOZO tenho certeza que pressionou o posto Ypiranga para dar esse discurso, pra ver se tirar do foco as medidas dele e dos pimpolhos dele. Acredite quem quiser nele mais esse Bozo está perdido até o Talo.

  5. Não surpreendeu até agora, imagina com o impacto do covid-19. É preciso muito mais que a fé do dos evangélicos para pode sair dessa crise econômica. E esse governo ja demonstrou total incapacidade para tirar o brasil da crise econômica.

  6. Realmente tudo vai dá errado para quem não tem fé em Deus mais Deus está acima de tudo e de todos e se ele quiser até amanhã já está tudo resolvido agora a população só confia e homens corruptos e esquece que Deus e poderoso e pode todas as coisas não e lula nem Bolsonaro que vai abençoar o país é Deus que e o dono de tudo. Vamos ser pecimista vamos confiar que vai dá tudo certo não porque esquerda nem direita quer mais Deus que e misericordioso com todos nós.

  7. Guedes eh o maior pilar atual do governo. Mas ou será fritado ou desmoralizado pelos aliados de Bolsonaro ou por ele mesmo. O resto eh conversa pra boi dormir (ou gado, como queiram). Bolsonaro não vai conseguir aprovar mais nada no congresso e se unir com o centrão fisiológico e corrupto em troca de cargos irá acabar de vez com as promessas de campanha… Isso sem contar com as provas que Moro poderá apresentar em breve em relação ao que disse na coletiva de despedida… Tenho a impressão que não são somente prints q ele tem !

  8. Mais fácil é Ser Enganado por uma Quadrilha de Petralhas por nada menos de 14 ANOS , nao roubaram mais pq o Povo Tirou,o Poste, a Encaixotadora de Vento do Poder!!!!

    1. O brasileiro não devia é deixar ser enganado por ninguém, nem pelos petralhas e nem pelos bandidos milicianos. Enquanto essas paixões absurdas existirem continuaremos a fazer papel de trouxas, e eles rindo da cara da gente.

    2. Ainda, a velha justificativa, esse disco está arranhada, mude a faixa.

  9. O ministro Paulo Guedes está viajando na maionese e falando pra uma plateia sem noção.

    1. Viajando o que seja tenha fé independente de esquerda ou direita vamos torcer para da tudo certo a que ponto chega o ser humano que torce para as coisas da errado não e Paulo Guedes não e lula e não e Bolsonaro e Deus que ama a todos nós e tudo vai dá certo em nome de Jesus.

  10. Igual ao "crescimento" que iria começar em três meses de governo Bolsonaro. É muito fácil enganar o gado!

  11. É isso aí mito das cavernas. E daqui pra frente se o Queiroz não escrotizar (conjulguei corretamente o verbo??) vamos coloca-lo lá no STF também; Meritocracia e Honestidade são os pilares dessa gestão. Brasil acima de tudo, rachadinhas acima de todos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Guedes fala em ‘passaporte da imunidade’ para curados da Covid-19 e ganha apoio do Ministério da Saúde

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse neste sábado que um “passaporte da imunidade” para pessoas curadas após desenvolverem a Covid-19 pode ser uma possibilidade para que o Brasil possa conseguir, futuramente, tirar profissionais do isolamento em meio à crise causada pelo avanço do novo coronavírus. A ideia ganhou o apoio de João Gabbardo, secretário-executivo e número dois do Ministério da Saúde.

Em transmissão ao vivo com empresários, Guedes afirmou que conversou com “um amigo da Inglaterra” sobre a ideia na manhã deste sábado e disse que enviou informações sobre ela para o ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde.

— Hoje de manhã, conversávamos com um amigo da Inglaterra que criou o passaporte da imunidade. Ele faz 40 milhões de teste e coloca disponível para nós brasileiros, 40 milhões de testes por mês. Já mandei para o ministro Mandetta, para o chefe da Casa Civil, ministro Braga Netto e para o presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, se você fez o teste e deu positivo, você pode circular. Você fez o teste e deu negativo, você tem que ir para casa. Não é agora. Agora nós estamos em isolamento. Nós estamos planejando uma saída, lá na frente e termos esse teste em massa. As pessoas vão sendo testadas, pode ser semanalmente e quem estiver livre, continua trabalhando.

Questionado sobre a possibilidade levantada por Guedes durante coletiva de imprensa promovida pela Saúde, Gabbardo dsse que desconhecia a expressão “passaporte da imunidade”, mas declarou que a pasta é favorável a eventuais medidas neste sentido.

— Isso faz parte do plano do Ministério da Saúde e nós somos totalmente favoráveis a isso — afirmou Gabbardo, justificando: — Nós queremos que o profissional de saúde, se ele estiver com sintomas e ficar isolado, ele pode sair do isolamento um pouco mais cedo se a gente tiver a confirmação de que ele está imunologicamente com segurança para sair de casa e voltar para o trabalho. Vamos ter uma parte da nossa população que já terá passado da transmissão e poderá ter contato com a sociedade. Isso é muito importante.

Gabbardo, que subsituiu Mandetta neste sábado, fez referência principalmente a profissionais de saúde ao falar sobre o “aval” para circular após a garantia imunológica. O secretário-executivo também mencionou que as pessoas já imunizadas após terem sido acometidas pela Covid-19 poderiam ter contato com grupos de risco, sem a ameaça de acabarem transmitindo o vírus.

— Ela pode ter contato com o idoso, com a criança, pode ir à escola, pode ir ao trabalho. Porque ela não vai mais ter possibilidade de transmitir a doença, porque ela já teve e não existe, pelo menos até o momento, nenhuma comprovação de que alguém possa ter uma reinfecção. E mesmo que possa ter uma reinfecção, ele já vai ter anticorpos, uma imunidade que com certeza vai ser positiva para o enfrentamento da doença — afirmou Gabbardo.

Apesar das projeções para as próximas ações relativas aos cuidados com a pandemia, Gabbardo e outros responsáveis pela Saúde reafirmaram, durante a entrevista coletiva, a importância do isolamento para este momento. A avaliação é de que ao menos cinco unidades da federação (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Amazona e o Distrito Federal) podem estar em transição para uma fase de “aceleração descontrolada” do contágio pelo novo coronavírus.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. "Ou seja, *se você fez o teste e deu positivo, você pode circular*. Você fez o teste e deu negativo, você tem que ir para casa." Essa eu não entendi.

    1. Kkkkkkkkkk. Só rindo mesmo. Enquanto o grande aliado, EUA, rouba nossos equipamentos, Cuba manda médicos para a Europa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *