Prioridade da TAM a atores da Globo gera revolta no Ceará

Uma confusão tomou conta da sala de embarque do aeroporto de Fortaleza na tarde do último domingo (24). Alguns passageiros se revoltaram com o tratamento diferenciado dado aos atores Juliana Paes, 34, e Márcio Garcia, 43, no voo 3537 com destino ao Rio de Janeiro.

Ao anunciar o começo do embarque, um funcionário da TAM saiu do portão e foi buscar a atriz, que estava sentada e com um bebê de colo, passando ela na frente das demais prioridades, que faziam fila.

Enquanto isso, o ator entrou com a família por outra porta. A mulher dele, Andréa Santa Rosa, está grávida.

As pessoas da fila de prioridade ainda tiveram de esperar os atores “se acomodarem” antes de serem liberados para entrar no avião.

Passageiros reclamaram e houve gritaria no local. Em redes sociais, alguns desabafaram e disseram que outro funcionário pediu desculpas, mas ironizou ao questionar se queriam que a atriz fosse retirada da aeronave para eles entrarem.

Juliana Paes e Márcio Garcia, assim como outros famosos, estavam no Ceará para participar do festival zen Love & Peace Rocks.

Consultada sobre o caso, a assessoria de imprensa da TAM diz que agiu “em acordo com as regras de acessibilidade da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil)”.

“A TAM Linhas Aéreas esclarece que, em acordo com as regras de acessibilidade da Anac, realizou o embarque prioritário da passageira Juliana Paes porque a mesma portava uma criança de colo”, informou a empresa. “Já o ator Márcio Garcia foi direcionado para um portão separado para evitar o assédio dos demais clientes, que poderiam prejudicar o embarque.”

“A TAM ressalta ainda que a presença dos atores não prejudicou a pontualidade do voo”, diz a companhia em nota.

Folha

Secretário de Comunicação nega privilégios a TV Ponta Negra e 95 FM

Um dos pontos investigados pela CEI dos Contratos da Câmara Municipal de Natal são os contratos firmados pela Secretaria de Comunicação (Secom) com as agências de publicidade e com os veículos de comunicação. Pelos levantamentos iniciais da CEI, existem indícios de que a TV Ponta Negra e a 95 FM – veículos ligados a prefeita Micarla de Sousa – foram privilegiados, mas Jean Valério, titular da Secom, negou a informação.

“Não existe, categoricamente, essa história de privilégio à TV Ponta Negra e à radio 95 FM. Quem decide isso são as cinco agências que prestam serviços à Prefeitura, que foram vencedoras de um processo licitatório em que 11 agências concorreram”.

As empresas de publicidade em questão são a Base Propaganda, Art&C, Executiva Propaganda, Dois.A e a Marca Publicidade.