Veículos de comunicação, através da Folha, UOL, Estadão, Extra, O Globo e G1 formam parceria para dar transparência a dados de Covid-19

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de Covid-19, os veículos O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e UOL decidiram formar uma parceria e trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal.

Em uma iniciativa inédita, equipes de todos os veículos vão dividir tarefas e compartilhar as informações obtidas para que os brasileiros possam saber como está a evolução e o total de óbitos provocados pela Covid-19, além dos números consolidados de casos testados e com resultado positivo para o novo coronavírus.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Mudanças feitas pelo Ministério da Saúde na publicação de seu balanço da pandemia reduziram a quantidade e a qualidade dos dados.

Primeiro, o horário de divulgação, que era às 17h na gestão do ministro Luiz Henrique Mandetta (até 17 de abril), passou para as 19h e depois para as 22h. Isso dificulta ou inviabiliza a publicação dos dados em telejornais e veículos impressos. “Acabou matéria no Jornal Nacional”, disse o presidente Jair Bolsonaro, em tom de deboche, ao comentar a mudança.

A segunda alteração foi de caráter qualitativo. O portal no qual o ministério divulga o número de mortos e contaminados foi retirado do ar na noite da última quinta-feira. Quando retornou, depois de mais de 19 horas, passou a apresentar apenas informações sobre os casos “novos”, ou seja, registrados no próprio dia. Desapareceram os números consolidados e o histórico da doença desde seu começo. Também foram eliminados do site os links para downloads de dados em formato de tabela, essenciais para análises de pesquisadores e jornalistas, e que alimentavam outras iniciativas de divulgação.

Entre os itens que deixaram de ser publicados estão: curva de casos novos por data de notificação e por semana epidemiológica; casos acumulados por data de notificação e por semana epidemiológica; mortes por data de notificação e por semana epidemiológica; e óbitos acumulados por data de notificação e por semana epidemiológica

Neste domingo (7), o governo anunciou que voltaria a informar seus balanços sobre a doença. Mas mostrou números conflitantes, divulgados no intervalo de poucas horas.

Em razão das omissões, a parceria entre os veículos de comunicação vai coletar os números diretamente nas secretarias estaduais de Saúde. Cada órgão de imprensa divulgará o resultado desse acompanhamento em seus respectivos canais. O grupo vai chamar a atenção do público se não houver transparência e regularidade na divulgação dos dados pelos estados.

“Numa sociedade organizada como a brasileira, é praticamente impossível omitir ou desfigurar dados tão fundamentais quanto o impacto de uma pandemia. Com essa iniciativa conjunta de levantamento de dados com os estados, deixamos claro que a imprensa não permitirá que nossos leitores fiquem sem saber a extensão da Covid-19 “, afirmou Sérgio Dávila, diretor de Redação da Folha.

“É nossa responsabilidade cotidiana transmitir informações confiáveis para a sociedade. E, agora, no momento mais agudo da pandemia, precisamos assegurar à população o acesso a dados corretos o mais rápido possível, custe o que custar”, disse Murilo Garavello, diretor de Conteúdo do UOL.

“É triste ter que produzir esse levantamento para substituir uma omissão das autoridades federais. Transparência e honestidade deveriam ser valores inabaláveis na gestão dessa pandemia. Vamos continuar cumprindo nossa missão, que é informar a sociedade”, afirmou João Caminoto, diretor de Jornalismo do Grupo Estado.

“O jornalismo tem a missão de levar à população os números mais precisos sobre a pandemia. É fundamental conhecer a real extensão dos fatos. Esses dados são decisivos para que as pessoas saibam como agir nesse momento tão difícil”, destacou Humberto Tziolas, diretor de redação do Extra.

“Neste momento crucial, deixamos nossa concorrência de lado por um bem comum: levar à sociedade o dado mais preciso possível sobre a pandemia. Essas informações orientam as pessoas e as políticas públicas. Sem elas, o país mergulha em um voo cego. O jornalismo cumprirá seu papel”, afirmou Alan Gripp, diretor de redação de O Globo.

“A missão do jornalismo é informar. Em que pese a disputa natural entre veículos, o momento de pandemia exige um esforço para que os brasileiros tenham o número mais correto de infectados e óbitos”, afirmou Ali Kamel, diretor-geral de Jornalismo da Globo (TV Globo, GloboNews e G1). “Face à postura do Ministério da Saúde, a união dos veículos de imprensa tem esse objetivo: dar aos brasileiros um número fiel.”

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Direita-honesta disse:

    A responsabilidade pelas mortes é dos governadores e prefeitos, conforme decidiu o STF. E muito a deles estão aproveitando a situação para fazer política contra o governo Bolsonaro e para roubar. De brinde, estão arruinando com a economia do país, tentando atingir o presidente. A propósito de transparência dos dados, os do RN são de péssima qualidade. Muitos dados não são informados no dia certo e são acumulados com outros, e faltam testes suficientes para acompanhar a evolução da epidemia. Para não falar da falta de ações concretas na área de saúde. Onde estão os novos leitos de UTI? E o hospital de campanha? E os novos respiradores? E os EPI's para os profissionais de saúde? É uma tristeza!

  2. Tarcísio Eimar disse:

    O poder é suco, mas. A política amais ainda. Pobre de nós sofredores dessa nação, temos q aturar esse rincha pro resto da vida

  3. Silva disse:

    Estamos perdidos! Olhem quem vai repassar os dados sobre Covid-19 do Brasil: Globo Lixo, Lulol, Foice de SP, Estadinho. E serão assessorados pelo Datafoice ?!?

  4. Véio de Rui disse:

    Não podemos esquecer que a responsabilidade do estrago do corona vírus no Brasil, estar sob a batuta dos governadores e prefeitos, com a aquiescência do STF. E morreu Maria preiá

    • Radi disse:

      E desses que agora vão contar os defuntos.
      A folha e os marinhos.
      Duas porcarias.

  5. José disse:

    Esconder a verdadeira face mortal é típico de um governo facista!

  6. Pedro disse:

    Que bom…por que os militares do MS só sabem esconder corpos…

  7. Paulo disse:

    E esconder os dados relevantes para a população tá correto? Quem é que está desinformado ?

  8. Carlos disse:

    Certíssimo o posicionamento, esse desgoverno do Bozominion está colocando o país em uma posição ridícula diante outras nações, o povo que é roubado em tudo vai ficar em uma pior com essas desinformações e despreparo desse governo ridículo. Já falei tantas vezes que esse país é uma zona e quando penso que já está no fim do poço sempre tem alguém pra afundar mais ainda. É o fim.

  9. Antenado disse:

    Sério…os que falam em honestidade na informação. Fala sério!!! Vindo logo de quem.

  10. Bawer disse:

    Já estão unidas faz tempo, mas para um único proposito:

    derrubar o governo e desinformar e amedrontar a sociedade.

Departamento de Comunicação da UFRN suspende debates virtuais sobre diversidade após ataques racistas e diz que levará caso ao MP

Foto: Igor Jácome/G1

O portal G1-RN destaca nesta sexta-feira(05) que um grupo de estudantes do curso de Publicidade e Propaganda da UFRN sofreu ataques racistas durante um debate virtual que discutia justamente o racismo em uma plataforma digital. Após o ocorrido, a chefia do Departamento de Comunicação adiou uma entrevista online que haveria no dia seguinte sobre transsexualidade, temendo novas agressões. O Decom afirma que levará o caso ao Ministério Público.

Em nota, a UFRN afirmou que tem tem compromisso com o combate a práticas discriminatórias, de injúria racial e racismo, e disse que o canal para denúncias na instituição é a ouvidoria. Veja mais detalhes aqui em reportagem completa.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio disse:

    Os fascistas colocando as unhas de fora. Não retrocedamos, eles são minoria!

  2. Cabeça de cibola disse:

    Não é de se admirar, o povo só sabe destilar ódio ultimamente..

Equipe de Comunicação da Prefeitura de Tibau do Sul é ameaçada durante cobertura de Carnaval

A equipe de Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Tibau do Sul sofreu ameaças enquanto realizava a cobertura da quarta-feira de cinzas na Praia da Pipa. O empresário Erivaldo da Costa Vale, mais conhecido como “Caicó”, embriagado, perturbou e assediou a equipe que estava no local a trabalho.

A Comunicação da Prefeitura de Tibau do Sul vinha realizando a cobertura de todo o carnaval de Tibau do Sul desde a última sexta-feira, 21. Em Pipa, foi o unico constrangimento sofrido pela equipe. Na ocasião, o agressor se dirigiu ao assessor chefe da equipe, com agressões e insultos, tomou parte dos equipamentos utilizados na cobertura, entre eles, a câmera profissional pertencente a uma das vítimas, a fotógrafa da assessoria, Ellen Montenegro.

Após todo o episódio, o agressor vem distribuindo ameças via grupos de WhatsApp por meio de áudios e mensagens de baixo calão, até mesmo diretamente ao contato pessoal Assessor de Comunicação responsável pela equipe, Fábio Pinheiro.

Caicó faz parte de um grupo conhecido por Destino Pipa/Tibau do Sul, no qual é administrador e dono, pertencente a oposição da gestão atual do Governo Municipal de Tibau do Sul e possui mais de 16 Boletins de ocorrência em seu nome. Há tempos vem distribuindo ofensas ao assessor de comunicação de Tibau do Sul, nesse grupo. Incluí e excluiu o assessor do grupo como forma de constranger e intimidar com tom político.

Indignado com as atividades e falsa versão alegada por Caicó, Joca da Pipa, nativo e folião de Pipa, que estava no local durante o episódio esclarece e confirma versão da equipe de Comunicação: “Os meninos estávam trabalhando. Tinham acabado de me entrevistar. E nesse hora já víamos o Caicó falando e puxando o assessor. Fui até ele e pedir pra ele parar. Deixar o pessoal trabalhar”, esclarece.

MPRN passa a usar Whatsapp para comunicação dos atos processuais

Foto: Reprodução

O procurador-geral de Justiça, Eudo Rodrigues Leite, expediu nesta sexta-feira (30) resolução que disciplina o uso de mecanismos virtuais para envio e recebimento de documentos e para comunicação dos atos processuais e internos.

As comunicações eletrônicas serão feitas tanto para o público interno quanto externo do MPRN. Para isso, serão utilizados o e-mail institucional e aplicativos de mensagens eletrônicas, preferencialmente o Whatsapp. As mensagens enviadas por meio desse aplicativo passam a ter caráter oficial, sendo possível enviar informações e comunicações a pessoas que são partes de processos, a instituições ou autoridades públicas, empresas e instituições privadas, a advogados, a testemunhas em processos e, internamente, aos integrantes e unidades do MPRN.

Veja matéria completa aqui no porta Justiça Potiguar.

Bolsonaro vai reestruturar comunicação para acabar com conflitos e melhorar imagem do governo

O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barro. Foto: José Dias/Presidência

Foco de crise no governo Jair Bolsonaro , a comunicação do Palácio do Planalto passará por uma reestruturação que delimitará o papel da Secretaria de Comunicação, comandada por Fábio Wajngarten, e do porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros. O decreto com a nova configuração está previsto para ser publicado ainda nesta semana. O objetivo é diminuir os conflitos internos e melhorar a imagem do governo.

Com a nova estrutura, Rêgo Barros passará a responder diretamente à Secretaria-Executiva da Secretaria de Governo, do ministro Luiz Eduardo Ramos. No organograma atual, o gabinete do Porta-Voz é subordinado à Secom, mas, na prática, já atuava como uma estrutura paralela, com funções similares.

Nos bastidores, o porta-voz e o secretário de Comunicação disputavam espaço no Planalto no relacionamento com a imprensa. Por determinação do ministro Ramos, a partir de agora ficou definido que a Secretaria de Imprensa (SIP), subordinada a Secom, ficará responsável por atender os jornalistas, enquanto que o porta-voz se encarregará de transmitir as declarações e posicionamentos do presidente.

A nova configuração foi definida em uma reunião recente entre Ramos, Rêgo Barros e Wajngarten. Aos jornalistas, o porta-voz disse que a reorganização da estrutura já estava em estudo desde fevereiro.

– A principal finalidade foi adequar as funções do gabinete do porta-voz e integrar efetivamente a condução da comunicação do governo com a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República – disse Rêgo Barros.

Segundo o porta-voz, a intervenção do ministro Ramos busca produzir um “melhor relacionamento” entre as duas estruturas. Ele acrescentou ainda que a mudança é “fruto de um entendimento de ambas as estruturas sobre suas atribuições e as necessidades de um trabalho sinérgico para fortalecer a imagem do governo.”

Secretário de ImprensaO Palácio do Planalto não comentou a demissão do Secretário de Imprensa, Paulo Fona, demitido uma semana após chegar o cargo. O governo, no entanto, negou que o posto será extinto da estrutura. Este foi o terceiro secretário de imprensa a deixar a função em sete meses de governo.

Em nota divulgada na noite de terça-feira, Fona diz que a decisão partiu do presidente Bolsonaro e atrelou a dispensa ao seu histórico profissional com passagens pelo MDB, PSDB e PSB. Ele afirmou que toda a sua carreira havia sido relatada a Fabio Wajngarten, que não teria visto o currículo como um empecilho.

Fona chegou ao Planalto para ocupar o cargo que havia sido deixado vago após o jornalista Fernando Diniz pedir exoneração em menos de um mês por divergências com Wajngarten. O posto também havia ficado vago no começo do governo Bolsonaro, até ser ocupado pelo coronel do Exército Alexandre Lara, que foi nomeado em 20 de fevereiro e exonerado em maio.

O Globo

Estamos produzindo uma geração de cabisbaixos na comunicação

Pedro Ratts
@rattscom

Onde quer que você esteja começando a ler este texto, preste atenção ao seu redor. Provavelmente você vai ver algum jovem (e adultos idem) andando e olhando pra o celular ao mesmo tempo. Isso significa que este jovem passou por alguns locais sem prestar nenhuma atenção ao que acontecia ao seu redor. Agora vamos transportar esta situação para um profissional ou alguém que precise trabalhar com comunicação, com marketing, com estratégias de venda de serviços, produtos e ideias. Já viu né?
Estamos produzindo uma geração de cabisbaixos, de profissionais que não olham o que está ocorrendo ao seu redor. Para onde você olha, tem uma pessoa andando e olhando e teclando e perdendo o que se passa ao seu redor.

Não sei se o amigo leitor sabe, mas comunicação se alimenta do cotidiano, do dia a dia. É preciso uma "leitura" do que ocorre nas ruas, nos lugares, para que a estratégia de marketing funcione. Não se vende para quem (ou o quê) não se conhece. Mas como conhecer o hábito das pessoas sem levantar a cabeça? Como fazer essa leitura cotidiana se tudo se resume a um grupo de whatsapp e um stories do Instagram? Parece um paradoxo, mas você só vai conseguir comunicar bem o seu produto nas redes sociais se ficar um pouco fora delas e entender e sentir como é a vida.

Galera, levanta a cabeça! Olha o mundo ao redor! Veja como o pedestre atravessa a rua, como o vendedor da loja aborda o cliente, como o cara da feira expõe o produto. E depois você vai pro digital, pras mídias e pras estratégias. Não se pode vender o que não se compra. E pra comprar tem de conhecer. E o conhecimento começa pela visualização, que por sua vez precisa de cabeça erguida e olhar atento.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ALEX DE MESQUITA disse:

    PESSOAS PARECENDO ZUMBIS !!!! SEM INTERAGIR UMA COM AS OUTRAS, NOS BARES SO VEMOS TODOS DE CABEÇAS BAIXAS. UMA PENA QUE ISTO ESTEJA ACONTECNDO.

    • Rivanaldo disse:

      Eh medo de o outro ser bolsominion.

    • Sérgio Nogueira disse:

      Rivanaldo, na verdade as pessoas olham direto para o celular com medo de vê-lo tomado por um petista sem que se perceba.
      Sabemos que petista rouba tão bem que mesmo tudo comprovado ainda tem quem negue o fato.

Confira as propostas dos candidatos à Presidência para comunicação

Entre as propostas apresentadas pelos candidatos à Presidência da República para o setor de comunicação, a prioridade se refere à ampliação do acesso à internet e à melhoria da qualidade desse serviço em todo o país. A universalização da rede nas escolas brasileiras também aparece com algum destaque, assim como a transparência e a divulgação de informações do governo via rede mundial de computadores.

Confira as propostas dos candidatos à Presidência para comunicação:

Aécio Neves (PSDB) promete expandir a infraestrutura de comunicação no país e o acesso dos brasileiros à internet de qualidade e com custo compatível, garantindo o acesso gratuito quando necessário, em especial para atividades de cunho social e inclusivo. Ele afirma que vai estimular as iniciativas de produção do conhecimento em rede. O candidato tucano destaca que fará melhorias  na infraestrutura para melhor prestação de serviços públicos como o da telefonia e vai apoiar a modernização dos equipamentos escolares, incluindo a instalação de bibliotecas e laboratórios, computadores e acesso à internet. Outra promessa é utilizar a tecnologia da informação e comunicação para inspirar a formação de agentes de transformação social e incentivar o desenvolvimento de tecnologias que gerem novas expectativas de vida às pessoas com deficiência.

Dilma Rousseff (PT) promete universalizar o acesso ao serviço de internet barato, rápido e seguro. Segundo ela, serão feitos investimentos para expandir a infraestrutura de fibras óticas e equipamentos de última geração, o uso da internet como ferramenta de educação, lazer e instrumento de participação popular. Dilma garante a implementação do Marco Civil da Internet. Ela destaca a regulamentação como uma das mais avançadas do mundo e lembra que o Marco Civil garante aos usuários a liberdade de expressão, o respeito aos direitos humanos e à privacidade dos cidadãos, assegurando a neutralidade da rede. A candidata à reeleição destaca que a internet tem de ser um espaço aberto à liberdade de expressão, à inovação e ao desenvolvimento social e econômico do país. Dilma Rousseff destaca que vai priorizar o uso da internet a partir do programa Governo Digital para que o cidadão acompanhe, com facilidade e transparência, a destinação dos recursos públicos.

Eduardo Jorge (PV) não apresenta propostas específicas sobre o tema, mas afirma que um de seus 14 ministérios ficará responsável por questões relacionadas à infraestrutura envolvendo áreas como transporte e comunicação.

Eymael (PSDC) trata o tema garantindo acesso ao uso de equipamentos de informática, internet e banda larga em todo o país, no plano escolar. Segundo ele, isso vai contribuir para o projeto de “preparar nossas crianças e jovens para serem cidadãos do mundo.”

Levy Fidelix (PRTB) destaca que promoverá uma interação maior entre o Poder Público e a iniciativa privada para reduzir os valores cobrados do consumidor na melhoria dos serviços prestados na área de comunicação e na universalização do acesso à banda larga no país.

Luciana Genro (PSOL) destaca que seu governo vai avançar na democratização dos meios de comunicação. A candidata afirma que buscará a quebra dos oligopólios midiáticos e o fim da propriedade cruzada dos meios de comunicação. Luciana garante que vai incentivar instrumentos de comunicação alternativos, como rádios e TVs comunitárias, e meios públicos de mídia. Ela diz ainda que vai priorizar a promoção do controle social da mídia, com instrumentos de participação popular.

Marina Silva (PSB) promete transformar a conexão à internet em serviço essencial no país e criar plataformas amigáveis para tornar públicas as informações sobre orçamento de cada ministério, disponibilizando filtros para que qualquer cidadão cruze as prioridades de uma região e a destinação final dos recursos. A ex-senadora também quer criar plataformas para que a população envie propostas diretamente para as equipes do governo, aumentando a participação dos brasileiros nas decisões do governo por meio de consultas públicas. Marina garante ainda que vai promover a capacitação massiva de servidores federais e autoridades públicas para o uso das novas plataformas digitais colaborativas. A candidata quer incluir o tema nos currículos escolares e garantir acesso à internet em todas as escolas do país até 2018.

Mauro Iasi (PCB) promete a imediata reversão das privatizações e estatização do setor de comunicação, além de outras áreas estratégicas como a de energia, de mineração, dos recursos naturais, e de transporte e logística.

Pastor Everaldo (PSC), Rui Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) não apresentam tópico destinado ao tema ou propostas específicas para a área de comunicação em seus programas de governo.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sílvio disse:

    Dilma desistiu do projeto de controlar a imprensa através da censura, ou somente omitiu para enganar os bestas????????

TJRN recebe Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte recebeu o Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça na categoria campanha institucional com o trabalho desenvolvido para a Residência Judicial, da Escola da Magistratura (Esmarn). A premiação foi entregue na cerimônia de encerramento do 9º Congresso Brasileiro de Comunicação da Justiça (Conbrascom), em São Paulo, na noite de sexta-feira (11).

Além do troféu, o TJRN garantiu dois terceiros lugares, nas categorias projeto institucional e endomarketing, com as campanhas Expresso Judiciário e Vire o Jogo!, esta última para a divulgação das metas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Na categoria em que alcançou o primeiro lugar nacional, o Tribunal Potiguar disputou o troféu com outros dois finalistas: o Ministério Público de Pernambuco e o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª região (São Paulo). No total, o prêmio contou com 105 trabalhos inscritos por tribunais superiores, estaduais, eleitorais, Ministério Público, defensorias, associações da Justiça e OABs de todo o país. Foi a primeira vez que a Secretaria de Comunicação do Tribunal de Justiça do RN concorreu e ganhou o prêmio nacional, que está em sua 11ª edição.

Para o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Aderson Silvino, o prêmio evidencia o profissionalismo da Secretaria de Comunicação do TJRN. “Optamos por fortalecer o setor, com profissionais experientes em comunicação pública, por acreditar que a Justiça tem a obrigação de se comunicar bem com a sociedade”, ressaltou. “O prêmio mostra que estamos no caminho certo”.

Transparência

Todas as campanhas do TJRN foram totalmente desenvolvidas, desde a concepção à divulgação, por profissionais dos quadros da Secretaria de Comunicação Social do tribunal. “É um prêmio que nos posiciona ao lado das maiores instituições da Justiça no país. Disputaram trabalhos de tribunais de porte muito maior que o nosso, alguns com mais de 300 desembargadores, como é o caso de São Paulo, e também do Superior Tribunal de Justiça e o Tribunal Superior Eleitoral”, explica a secretária de Comunicação, Juliska Azevedo.

Para ela, a conquista inédita motiva a comunicação do TJRN a prosseguir no seu maior objetivo, que é divulgar as ações e decisões da Justiça ao cidadão potiguar. Ela afirma que o prêmio é um reflexo da priorização da atual gestão à Comunicação Social, tendo Transparência e Eficiência como palavras de ordem. “A transmissão ao vivo das sessões do Pleno, a interação com a sociedade via mídias sociais, a publicação de mais de mil matérias, só neste ano, no site do TJRN, mostram que a divulgação das ações do Tribunal tem sido uma prioridade dos gestores”, ressalta.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. caio fábio disse:

    O melhor premio que o nosso TJ poderia ganhar seria o reconhecimento da população que anseia pelos seus serviços.

Secretário de Comunicação nega vaias a Micarla durante evento

O secretário municipal de Comunicação (Secom), Gerson de Castro, enviou uma nota de esclarecimento nesta tarde negando qualquer tipo de vaia contra a prefeita Micarla de Sousa durante o evento Motores do Desenvolvimento. Caso noticiado por este blog.

No documento, o titular da Secom negou a existência de vaias contra a chefe do Executivo municipal. De acordo com ele, o que se ouviram foram aplausos, e não vaias. Ele também nega qualquer tipo de constrangimento.

Segue a nota na íntegra

Caro Bruno,

A respeito de suposto constrangimento a que a prefeita Micarla de Sousa teria sido submetida na manhã de hoje  ao participar, no Hotel Pestana, do seminário Motores do Desenvolvimento, tão bem concebido e organizado, esclareço que não se ouviu, em qualquer momento da participação da prefeita, qualquer vaia ou algo parecido. Pelo contrário, o discurso da prefeita foi aplaudido principalmente quando ela assegurou que vai cumprir sua missão até o final. Como acompanhei a prefeita da chegada à saída do local do evento, repasso a vocês esta informação.

Faço isso apenas porque a vaia não existiu. Afinal, entendo que vaias e aplausos fazem da Democracia, guardiã da liberdade, o maior valor que o ser humano e uma sociedade podem ter e praticar.

Saudações
Gerson de Castro”

Ex-assessor da prefeita recebe R$ 16 mil da Prefeitura morando fora do país

O vereador Júlio Protásio se espantou com a informação da Secretaria de Comunicação (Secom) de que o ex-assessor da prefeita Micarla de Sousa e jornalista, Nélio Júnior, que mora no Canadá, mantém um contrato que alimenta um pagamento mensal de R$ 16 mil.

Indignado com o valor pago, o parlamentar invocou a imoralidade para solicitar o cancelamento imediato do contrato.

“Recomendo suspender o contrato, imediatamente, de um jornalista que é ex-assessor da prefeita e que nem mora mais no Brasil, mas que recebe R$ 16 mil todos os meses. Considero até imoral esse contrato e esse pagamento”, disse.

Secretário de Comunicação nega privilégios a TV Ponta Negra e 95 FM

Um dos pontos investigados pela CEI dos Contratos da Câmara Municipal de Natal são os contratos firmados pela Secretaria de Comunicação (Secom) com as agências de publicidade e com os veículos de comunicação. Pelos levantamentos iniciais da CEI, existem indícios de que a TV Ponta Negra e a 95 FM – veículos ligados a prefeita Micarla de Sousa – foram privilegiados, mas Jean Valério, titular da Secom, negou a informação.

“Não existe, categoricamente, essa história de privilégio à TV Ponta Negra e à radio 95 FM. Quem decide isso são as cinco agências que prestam serviços à Prefeitura, que foram vencedoras de um processo licitatório em que 11 agências concorreram”.

As empresas de publicidade em questão são a Base Propaganda, Art&C, Executiva Propaganda, Dois.A e a Marca Publicidade.

Dilma mais uma vez deixa claro. PT é uma coisa, governo é outra. Obrigado senhor

O Estado de S.Paulo

O “controle social” da mídia desejado pelo PT, agora disfarçado sob a pele de cordeiro da “democratização” das comunicações, é assunto encerrado no governo, graças à postura firme da presidente Dilma Rousseff, que já em seu discurso de posse sinalizou uma reviravolta de 180 graus na senda ameaçadora da liberdade de imprensa pela qual havia enveredado o governo anterior.

Embora o presidente do PT tenha apresentado como resultado do 4.º Congresso do partido “uma resolução política de fôlego que traça perspectivas para o PT e para o nosso governo nos próximos anos”, o Palácio do Planalto deixou claro que não é bem assim. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, foi categórico em entrevista à repórter Vera Rosa, do Estado: “É importante separar a posição do partido da posição do governo. O PT tem suas posições e o governo tem um programa”. Mais claro, impossível.

Logo após o encerramento do congresso petista, fontes do Palácio do Planalto empenharam-se em confirmar aquilo que os dirigentes do PT fingiam não saber: Dilma Rousseff não quer nem ouvir falar de projetos que sugiram o controle – censura, em português claro – da imprensa. Ela tem reiterado que o único controle que admite é o controle remoto da televisão.

Isso significa, concretamente, que o projeto do marco regulatório das comunicações apresentado com estardalhaço pelo governo Lula, depois da realização de uma festiva Conferência Nacional de Comunicação em 2010, está sendo revisto pelo Ministério das Comunicações. Garantem fontes do Planalto que Paulo Bernardo recebeu recomendação expressa da chefe de governo para tomar cuidado com as “cascas de banana”, os contrabandos antidemocráticos inseridos no projeto pelos radicais que desfrutavam da simpatia e da proteção do ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência Franklin Martins, um dos principais ideólogos do “controle social” da mídia.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Borges Neto disse:

    Entendeu Lula? Entendeu Zé Dirceu?

  2. Rosa Patricia disse:

    Que assim seja! Amém! rsrs.

Governo Dilma vai escutar Twitter e Facebook

Josias de Souza

Sob Dilma Rousseff, o Planalto deseja aproximar-se das redes sociais que eletrificam a internet.

O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) é quem está cuidando do assunto.

Deseja-se, por exemplo, monitorar os temas mais comentados em plataformas como o Twitter e o Facebook.

“A gente vai se dando conta que, ao lado da militância tradicional, hoje tem uma nova militância muito ativa que se faz presente nessas redes”, diz Gilbertinho.

“O governo tem a obrigação de ouvir a sociedade, e essas são novas formas de expressão. O governo se deu conta do volume de mobilização existente nessa área.”

(mais…)

Cassiano Arruda crítica comunicação do Governo

O Jornalista e publicitário Cassiano Arruda, de quem esse blogueiro é leitor há muitos anos, desde adolescente, faz uma crítica aberta a comunicação do Governo do RN na sua prestigiada coluna no Novo Jornal.

Cassiano diz que na guerra da comunicação o governo está apanhando do Sinte. Será que procede os boatos que Cassiano anda insatisfeito com o Governo que ele ajudou a criar apoiando desde o embrião da candidatura até chegando a fazer parte da comunicação na campanha?

Segue a nota do Jornalista na sua coluna Roda Viva de hoje:

GUERRA DA COMUNICAÇÃO

O Governo continua perdendo a guerra da comunicação com o Sindicato dos Professores que está com um comercial na televisão afirmando “Continuamos recebendo o pior salário do Brasil”.

As escolas continuam com falta de professor e sem as mínimas condições de trabalho. Portanto continua também a nossa luta em defesa da educação”.

Até aqui, o Governo do Estado não conseguiu comunicar que nas nove greves de professores dos últimos dez anos, apenas nessa – e só nessa – os professores tiveram conquistas reais: 34% de aumento e garantia do piso salarial nacional para toda a categoria.

Enquanto em outros Estados (inclusive, Sergipe, Governado pelo PT) o diálogo foi interrompido durante a greve, aqui durante todo o processo o diálogo foi mantido e os grevistas recebidos,

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Doralice Amancio disse:

    Gostaria a possibilidade de abrir um diálogo com Cassiano Arruda Câmara, estou a fazer uma pesquisa sobre a família Arruda Câmara. Quem poderia colaborar agradeço humildemente.
    Entrar em contato [email protected] com