Reservatórios potiguares continuam a receber bom volume: barragem Armando Ribeiro Gonçalves registra 27,78% de sua capacidade; veja outros

Foto: Felipe Alecrim/IGARN

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora 47 reservatórios, com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pela segurança hídrica potiguar. O Relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais, divulgado nesta quinta-feira (26), indica que a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior manancial do Estado, com capacidade para 2,37 bilhões de metros cúbicos acumula atualmente 659.255.992 m³, percentualmente, 27,78% da sua capacidade total. No mesmo período de 2019 o reservatório acumulava 503.957.333 m³, correspondentes a 21% do seu volume máximo.

As reservas hídricas superficiais totais do Estado atualmente são de 1.233.200.950 m³, o que corresponde a 28,17% da capacidade total das bacias potiguares juntas, que é de 4.376.444.842 m³. Em comparativo com 2019, no mesmo período, o volume das reservas hídricas do RN era de 999.744.119 m³, percentualmente, 22,84% do volume total que conseguem acumular.

Dos 47 reservatórios monitorados pelo Igarn, 5 permanecem em nível de alerta, com volumes inferiores a 10% da sua capacidade total, o que corresponde a 10,63% dos mananciais. Já os que estão secos são 3, percentualmente, 6,38% dos açudes monitorados. No mesmo período do ano passado os reservatórios com menos de 10% da sua capacidade total eram 9, percentualmente, 19,14% dos mananciais monitorados. Já os secos eram 6, percentualmente, 12,76%.

A barragem Santa Cruz do Apodi, segundo maior reservatório do Estado, com capacidade para 599.712.000 m³, acumula atualmente, 152.247.518 m³, percentualmente, 25,39% do seu volume máximo. No final de março de 2019, o manancial estava com 135.915.601 m³, o que correspondia a 22,66% da sua capacidade total.

Já o reservatório Umari, com capacidade para 292.813.650 m³, acumula atualmente, 105.464.012 m³, percentualmente, 36,02% do seu volume máximo. No dia 26 de março do ano passado o manancial estava com 98.562.845 m³, percentualmente, 33,66% da sua capacidade total.

A barragem Pau dos Ferros, com capacidade para 54.846.000 m³, acumula atualmente 8.306.804 m³, o que corresponde a 15,15% da sua capacidade total. O manancial não atingia 15% do seu volume máximo desde agosto de 2013, embora tenha recebido recarga em anos posteriores, e estava seco até o dia 3 de março deste ano.

O reservatório Marechal Dutra, também conhecido como Gargalheiras, com capacidade para 44.421.480 m³, acumula atualmente, 11.448.873 m³ chegando, portanto, a 25,77% da sua capacidade total. No mesmo período de 2019 a barragem estava completamente seca.

O açude Santana, localizado em Rafael Fernandes, com capacidade para 7.000.000 m³, e que estava seco até o último dia 12 de março, recebeu bom aporte de águas e acumula atualmente 1.645.000 m³, o que percentualmente representa 23,5% da sua capacidade total.

Os reservatórios que já sangram na quadra invernosa deste ano foram: Dourado, localizado em Currais Novos; o açude de Encanto; o açude Riacho da Cruz II; o açude Pataxó, localizado em Ipanguaçu e o açude Beldroega, localizado em Paraú.

Os reservatórios que estavam em nível de alerta até o último relatório, divulgado no dia 18 de março, e que já acumulam mais de 10% da sua capacidade total são: Bonito II, localizado em São Miguel, que estava com 5,17% e agora acumula 12,3%; Flechas, em José da Penha, que estava com 9,05% e agora está com 10,37%; a Barragem Pau dos Ferros, já citada anteriormente, que estava com 6,65% e agora acumula 15,15%; o açude Jesus, Maria, José, em Tenente Ananias, que estava com 9,81% e agora está com 10,03% e o açude de Cruzeta, que estava com 9,23% e agora está com 11,31%.

Os mananciais que permanecem em nível de alerta são: o açude de Pilões, com 7,86% da sua capacidade total; Passagem das Traíras, em São José do Seridó, com 2,45% (porém o reservatório passa por obras não sendo possível grande acumulo); o açude Itans, em Caicó, que está com 3,88%; açude Esguicho, em Ouro Branco, com 0,7% e o açude Zangarelhas, em Jardim do Seridó, com 0,45%.

Os reservatórios que permanecem secos são: o açude Inharé, localizado em Santa Cruz; o açude Trairi, em Tangará e Japi II, em São José do Campestre.

“ÁGUAS DE MARÇO”: Açude Dourado, em Currais Novos, atinge mais de 80% de sua capacidade; veja outros reservatórios no RN

Foto: Fred Carvalho/G1/Ilustrativa

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora 47 reservatórios com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pela segurança hídrica estadual. O Relatório de Situação Volumétrica dos Principais Reservatórios Estaduais divulgado nesta segunda-feira (02) demonstra que alguns mananciais potiguares receberam recargas consideráveis após as recentes chuvas. O açude Dourado, localizado em Currais Novos, que até a última semana estava com 1,71% da sua capacidade total que é de 10.321.600 m³, agora está com 8.362.432 m³, correspondentes a 81,02% do seu volume máximo de acumulação.

Outros reservatórios que receberam recargas consideráveis foram: Malhada Vermelha, localizado em Severiano Melo, que passou de 4,34% da sua capacidade total para 9,92%; Riacho da Cruz, que passou de 65,68% para 76,91% e Santo Antônio de Caraúbas, que passou de 35,47% para 47,99%.

A Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório estadual, com capacidade para 2,37 bilhões de metros cúbicos, atualmente acumula 540.612.395 m³, correspondentes a 22,78% da sua capacidade total. Na última semana o manancial estava com 534.605.124 m³, correspondentes a 22,53% do seu volume total. No mesmo período de 2019 a barragem estava com 487.292.867 m³, correspondentes a 20,30%.

A barragem Santa Cruz do Apodi que possui capacidade para 599.712.000 m³, atualmente acumula 112.172.562 m³, correspondentes a 18,7% da sua capacidade total. Na última semana o reservatório estava com 108.329.758 m³, o que corresponde a 18,06% do seu volume total.

O açude Umari, com capacidade para 292.813.650 m³, atualmente acumula 79.982.782 m³, correspondentes a 27,32% da sua capacidade total. No final de fevereiro o manancial acumulava 80.248.211 m³, correspondentes a 27,41% do seu volume máximo de acumulação.

O açude Marechal Dutra (Gargalheiras), localizado em Acari, atualmente acumula 2.986.413 m³, percentualmente 6,72% da sua capacidade total que é de 44.421.480 m³. Já o açude Itans, localizado em Caicó, que estava seco, recebeu pequena recarga, acumulando 40.513 m³, o que corresponde a 0,05% do seu volume total que é de 75.839.349 m³.

As reservas hídricas superficiais totais do Estado atualmente são 977.394.414 m³, percentualmente, 22,33% da capacidade total de acumulo das bacias potiguares, que é de 4.376.444.842 m³. Na última semana as reservas hídricas totais do Estado eram 955.839.502 m³, correspondentes a 21,84% das reservas totais.

Dos 47 reservatórios monitorados pelo Igarn 11 estão com volumes inferiores a 10% das suas capacidades totais, considerado nível de alerta, percentualmente o número representa 23,40% dos mananciais monitorados. Já os açudes secos são 7, percentualmente, 14,89% dos reservatórios monitorados. Na última semana os reservatórios em nível de alerta eram 12, percentualmente, 25% dos açudes monitorados. Já os secos também eram 7.

Os reservatórios com níveis inferiores a 10% são: Bonito II, localizado em São Miguel; Jesus, Maria, José, em Tenente Ananias; Lucrécia, localizado no município de Lucrécia; Malhada Vermelha, em Severiano Melo; Marechal Dutra (Gargalheiras), em Acari; Passagem das Traíras, em São José do Seridó; Esguicho, em Ouro Branco; Cruzeta, localizado na cidade de Cruzeta; Santa Cruz do Trairi, em Santa Cruz; Flechas, localizado em José da Penha e Itans, localizado em Caicó.

Já os secos são: Santana, localizado em Rafael Fernandes; Pau dos Ferros, localizado em Pau dos Ferros; Pilões, localizado no município de Pilões; Inharé, em Santa Cruz; Trairi, em Tangará, Japi II, em São José do Campestre e Zangalheiras, em Jardim do Seridó.

Reservatórios monitorados no RN estão com 21,53% da capacidade total; veja situação dos principais

FOTO: ASCOM/IGARN/Barragem Armando Ribeiro Gonçalves/ Imagem Ilustrativa

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte monitora, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), 47 reservatórios com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pela segurança hídrica estadual. O Relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais divulgado nesta terça-feira (18) indica que mesmo com as recentes chuvas os principais mananciais do Estado não receberam recarga expressiva. Apesar disso, as reservas hídricas superficiais totais continuam superiores ao apresentado mesmo período de 2019.

Em relação ao relatório apresentado no último dia 10 de fevereiro, o açude Itans, localizado em Caicó, que apresentava apenas 0,05% da sua capacidade, se apresenta como seco. Em 2019, neste mesmo período o manancial possuía 1,66% de sua capacidade.

A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do RN, com capacidade para 2,37 bilhões de metros cúbicos, atualmente está com 521.088.765 m³, correspondentes a 21,96%. No mesmo período do ano passado o reservatório estava com 476.585.733 m³, percentualmente, 19,86% da sua capacidade total.

Segundo maior reservatório do Estado, a Barragem Santa Cruz do Apodi, com capacidade para 599.712.000 m³, acumula atualmente 108.467.001 m³, o que corresponde a 18,09% do seu volume total. Em 2019, o manancial estava com 132.484.526 m³, percentualmente, 22,09% da sua capacidade total.

O açude Umari, localizado em Upanema, com capacidade para 292.813.650 m³, atualmente acumula 81.973.503 m³, percentualmente, 28% da sua capacidade total. Já no mesmo período do ano passado o reservatório estava com 98.297.416 m³, correspondentes a 33,57% do seu volume máximo.

As reservas hídricas superficiais totais do Estado atualmente são 942.298.261 m³, percentualmente, 21,53% da capacidade total de acumulo das bacias potiguares, que é de 4.376.444.842 m³. No mesmo período do ano passado o volume total das reservas hídricas monitoradas era de 932.099.976 m³, percentualmente, 21,29% da capacidade total.

Dos 47 reservatórios monitorados pelo Igarn, 12 permanecem com menos de 10% das suas capacidades, considerados em nível de alerta, percentualmente, 25% dos mananciais monitorados. Já os secos são 7, o correspondente a 14,89% dos reservatórios. No mesmo período do ano passado os mananciais em nível de alerta eram 9, percentualmente, 19,14% dos açudes monitorados. Os secos eram 8, percentualmente, 17% dos mananciais monitorados.

Os reservatórios com níveis inferiores a 10% são: Bonito II, localizado em São Miguel; Jesus, Maria, José, em Tenente Ananias; Lucrécia, localizado no município de Lucrécia; Malhada Vermelha, em Severiano Melo; Zangalheiras, em Jardim do Seridó; Marechal Dutra (Gargalheiras), em Acari; Passagem das Traíras, em São José do Seridó; Esguicho, em Ouro Branco; Cruzeta, localizado na cidade de Cruzeta; Dourado, em Currais Novos; Santa Cruz do Trairi, em Santa Cruz e Flechas, localizado em José da Penha.

Já os secos são: Santana, localizado em Rafael Fernandes; Pau dos Ferros, localizado em Pau dos Ferros; Pilões, localizado no município de Pilões; Inharé, em Santa Cruz; Trairi, em Tangará, Japi II, em São José do Campestre e Itans, localizado em Caicó.

Caern alerta para os cuidados com a limpeza dos reservatórios, especialmente, no período de veraneio

FOTO: CAERN/ADM

Com o início do mês de janeiro e o aumento da temperatura no Rio Grande do Norte, as famílias optam por se deslocar para casas de praia, geralmente em locais afastados e que na maioria das vezes permanecem fechadas por vários meses.

A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) alerta para os cuidados necessários antes de utilizar a água contida nos reservatórios por tempo prolongado, principalmente no veraneio.

A recomendação da Companhia é esvaziar a caixa d’água utilizando a água para a limpeza da casa, evitando consumo desnecessário, e adotar as instruções apontadas pelos técnicos da empresa.

Para os imóveis ocupados, a empresa aconselha lavar o reservatório a cada seis meses, para garantir a qualidade da água que sai pelas torneiras.

A água parada nessas caixas ou cisternas por meses seguidos, sem renovação, é alvo de insetos e ratos que contaminam o produto com fezes e urina, provocando doenças.

Mesmo que haja preocupação em não desperdiçar água, a Caern orienta não consumir a água das caixas, até que seja substituída, após a limpeza do reservatório.

ORIENTAÇÕES

O gerente de Qualidade da Água e Meio Ambiente da Caern, Lamarcos Teixeira, orienta que a limpeza do reservatório deve ser feita a cada seis meses, seguindo passo a passo as orientações da companhia ou empresa especializada:

1. Fechar o registro de entrada da caixa d’água e abrir as torneiras para utilizar a água que vai ser eliminada da caixa, nos diversos serviços de limpeza da casa evitando o desperdício;

2. Quando restar 20 centímetros de água no reservatório, fechar todas as torneiras e começar a lavagem. Utilizar uma vassoura nova ou escova para esfregar as paredes e fundo da caixa d’água;

3. Abrir as torneiras e esvaziar a caixa, sempre agitando a água suja que restou;

4.Preparar uma mistura na proporção de um litro de água sanitária para 10 litros de água;

5. Aplicar com uma brocha nova ou pincel largo (modelo utilizado para pintura à cal), espalhando a solução nas paredes e fundo da caixa d’água;

6. Esperar a mistura agir durante 30 minutos para desinfecção;

7. Após esse tempo, abrir novamente todas as torneiras para eliminar a mistura e limpar os canos;

8. Abrir o registro de entrada para colocar água limpa, na altura de 20 centímetros a fim de enxaguar a caixa;

9. Esfregar as paredes e o fundo do reservatório e em seguida esvaziá-lo;

10. Repetir a operação com outros 20 centímetros de água limpa. Esvaziar o reservatório que está pronto para receber a água limpa. Por fim, abrir o registro de entrada para encher a caixa com água da Caern.

Lamarcos ressalta que essa prática deve ser rotina nos imóveis, duas vezes ao ano para garantir a qualidade da água distribuída pela companhia, em todo Estado.

Dos 47 reservatórios monitorados no RN, 11 se encontram com volumes abaixo dos 10%; Armando Ribeiro Gonçalves apresenta 27,27% de sua capacidade

Foto: Bruno Andrade

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (IGARN), divulga o Relatório Volumétrico dos Principais Reservatórios do Estado, com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos. O volume das reservas hídricas superficiais totais atualmente é de 1.150.077.502 m³, dos 4.411.787.259 de metros cúbicos que as bacias estaduais conseguem acumular, em termos percentuais, o acumulado total das reservas é de 26,06%. Em termos de comparação, no mesmo período de 2018 o acumulado total superficial estadual era de 1.124.393.948 m³, em termos percentuais, este número correspondia a 25,49%.

A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do RN, com capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos, atualmente acumula 647.241.450 m³, em termos percentuais, 27,27% da sua capacidade total. No mesmo período de 2018 a ARG estava com 584.381.333 m³, em termos percentuais, 24,35%.

Segundo maior reservatório estadual, a barragem Santa Cruz do Apodi, com capacidade para 599,712 milhões de metros cúbicos, atualmente está acumulando 129.327.937 m³, em termos percentuais, 21,57% do seu volume total. No mesmo período de 2018, o reservatório estava com 149.502.658 m³, correspondente a 24,93%.

O açude Umari, com capacidade para 292.813.650 m³, está acumulando 98.031.986 m³, percentualmente, 33,48% da sua capacidade total. No mesmo período do mês de outubro do ano passado, o reservatório estava com 116.612.050 m³, correspondentes a 39,82%.

A bacia hidrográfica Apodi/Mossoró atualmente acumula um total de 291.415.863 m³, percentualmente, 26,08%. Em outubro de 2018, a bacia acumulava 346.034.238 m³, em termos percentuais, 30,97%. Já a bacia Piranhas-Açu atualmente acumula 797.658.823 m³, percentualmente, 27,21%. Em meados de outubro de 2018, o acumulado total da bacia era de 731.796.665 m³, percentualmente, 24,67%.

Dos 47 reservatórios monitorados pelo Igarn, 11 se encontram com volumes abaixo dos 10%, considerado volume morto ou em alerta, percentualmente, o numero representa 23,40% dos mananciais monitorados. No mesmo período do ano passado os açudes em mesma situação eram 10, percentualmente, 21,27%, dos açudes monitorados. Já os reservatórios secos em outubro de 2019 são 6, percentualmente, 12,76%, mesmo número apresentado no ano de 2018, neste mesmo período.

Risco de racionamento de energia diminui

RIO – O nível dos principais reservartórios do país teve a primeira alta do ano. As represas das regiões Sudeste e Centro-Oeste ficaram em 28,67% nesta quinta-feira, contra 28,43% do dia anterior. Apesar da melhora, as hidrelétricas ainda estão bem perto do limite de risco, de 28%.

Entre os reservatórios do Sul, o nível subiu de 45,33% para 46,89% entre quarta-feira e quinta-feira. Na região, a margem de segurança é 22%. No Norte do país, as represas atingiram 40,39%, maior em relação aos 39,99% do dia anterior. Na região não há margem de segurança, pois o Norte não está no sistema interligado.

A única região a apresentar queda é o Nordeste. Ontem, o nível ficou em 29,61% nesta quinta-feira, menor que os 29,91% do dia anterior. Com isso, as represas da região estão cada vez mais distantes da margem de segurança, de 34%.

 

Fonte: Globo