Suplente pede na Justiça mandato de Ney Lopes Jr na CMN por desfiliação sem autorização

O vereador de Natal Ney Lopes Júnior está tendo seu mandato questionado em ação que tramita no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RN) movida pelo então candidato Lilico Bezerra. O questionamento judicial do mandato ocorre por suposta falta de autorização para desfiliação do vereador eleito do seu antigo partido, o PSD-RN. Confira matéria no Justiça Potiguar aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Sabe de nada, inocente. Ney é um profiça.

  2. Ney Lopes disse:

    O gabinete do vereador de Natal Ney Lopes de Souza Junior, diante de divulgação infundada, de que existiria no TRE-RN ação movida pelo ex-candidato Lilico Bezerra, questionando o seu mandato esclarece o seguinte:
    O vereador Ney Lopes de Souza Jr ingressou judicialmente há dias no TRE-RN, com pedido de desfiliação partidária do PSD-RN, alegando como fundamento legal o artigo 1°, inciso IV, da Resolução 22.610, do TSE, que qualifica como justa causa a “grave discriminação pessoal”.
    Tal procedimento tem se repetido ultimamente, de parte de vários outros detentores de mandatos no Estado, que desejam a desfiliação dos seus respectivos partidos.
    O procedimento judicial, no qual o vereador Ney Lopes Jr é Autor, tramita no TRE-RN e o relator é o Excelentíssimo Senhor Desembargador Cornélio Alves.
    O vereador Ney Lopes Jr não se filiou a nenhum outro partido e aguarda com o respeito que teve sempre pela justiça a decisão do Colendo TRE-RN, tendo solicitado a citação dos diretórios Estadual e Municipal do PSD-RN e juntado prova de suas alegações.
    Esta a versão verdadeira dos fatos, de parte do Vereador Ney Lopes de Souza Jr.
    Em Natal, 11 de setembro de 2019
    GABINETE PARLAMENTAR

TJRN nega pedido de Adão Eridan para ocupar vaga de Ricardo Motta na ALRN

A desembargadora Zeneide Bezerra rejeitou, liminarmente, pedido do suplente deputado estadual Adão Eridan para ser empossado em mandato parlamentar na Assembleia Legislativa. A decisão ocorreu nesta segunda-feira (21). A magistrada de Segundo Grau apreciou o mandado de segurança impetrado pelo suplente. Ele requeria no mandado impetrado contra o presidente da Assembleia sua posse para ocupar vaga no parlamento estadual durante o afastamento do deputado Ricardo Mota.

Adão Eridan reclama que com o afastamento do deputado Ricardo Mota, em 8 de junho, determinado pela Justiça Estadual, a Presidência da Assembleia Legislativa não se manifestou sobre o pedido dele para ser empossado como deputado durante o período de 180 dias de afastamento decretado contra Mota.

O suplente requeria liminarmente que fosse determinado à Presidência da ALRN que fosse dada posse no cargo de deputado estadual, permitindo-lhe exercer as atribuições durante exercício do mandato junto à Assembleia Legislativa do RN.

A magistrada refutou as alegações do autor do mandado de segurança. “Da foram como pretende o impetrante, em sede de liminar, os efeitos do possível deferimento cautelar confunde-se como o mérito da causa, tendo, verdadeiro cunho “satisfativo”, o que é vedada pela jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça e desta Corte.

Outro aspecto importante a ser destacado na decisão da desembargadora é que o Regimento Interno da Assembleia Legislativa não prevê o afastamento decorrente de decisão , mas de “Licença Superior a 120 dias” (art. 41), existindo, na verdade um afastamento a título precário, o qual poderá ser revisto pelo relator do processo originário ou pelo colegiado do Tribunal de Justiça.

“Quanto a urgência, igualmente não se faz presente nesta realidade, inexiste sequer uma alegação indicando a real necessidade da medida excepcional”, observa a julgadora ao acrescentar que a tese apresentada pelo impetrante não demonstra urgência mas simples irresignação por crer no direito reivindicado.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Junior disse:

    Querendo a boquinha de novo né??? Todo sujo….ainda bem que não….!!!!

  2. ALERTA disse:

    Esse Adão é aquele condenado a cinco anos de reclusão pela justiça na Operação Impacto????????

  3. Everton disse:

    Bola dentro do TJ.

Suplente que levou chifre de Cachoeira assume a vaga de Demóstenes

Parece história de novela mexicana, mas não é. Demóstenes Torres teve o mandato de senador cassado. Em seu lugar vai assumir o humorado suplente Wilder Pedro de Morais, megaempresário do setor de construção civil em Goiás e secretário estadual de Infraestrutura.

Mas você, caro leitor, se pergunta: “E qual o motivo da novela mexicana?”. Simples: Ele foi traído pela ex-mulher Andressa Mendonça com o principal responsável por todo o escândalo que envolvia o nome de Demóstenes, o contraventor e bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Wilder é ex-marido e pai dos dois filhos de Andressa Mendonça. Hoje, ela é a atual mulher do bicheiro que ganhou título de “musa da CPI” e que foi sondada para posar nua em uma revista masculina.

Mas o empresário que foi chamado para ser suplente de Demóstenes por ser um dos homens mais ricos de Goiás brinca com a situação. Ele prefere levar com bom humor a própria desgraça da fama de marido traído. Quando perguntado por um assessor se tinha ou não algum negócio em sociedade com Cachoeira, porque isso apareceria na CPI, ele respondeu: “Como assim? É lógico que somos sócios. Sou sócio involuntário do Cachoeira na mulher!”.

A declaração veio após a divulgação de uma nota do jornalista Jorge Bastos Moreno, na coluna ‘Nhem Nhem Nhem’, do jornal O Globo, informando a traição. “Wilder nunca poderá alegar que não recebeu nada do bicheiro. Está na testa”, disse a nota.