Economia

Desemprego no país fica em 14,7% no 1º trimestre e atinge 14,8 milhões de pessoas

Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 14,7 por cento nos três meses até março, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira(27). Os números representam 14,8 milhões de pessoas desempregadas.

A mediana das previsões em pesquisa da Reuters era de que a taxa ficaria em 14,7 por cento por cento no período.

Com UOL

Opinião dos leitores

  1. Estou sem trabalho, tenho sonhos e desejos pra realizar. E um deles e me casar, mas sem trabalho tudo fica mas difícil pra mim. Pesso pelo amor de Deus, se alguém soube de um estabelecimento que esteja contratando, me informem por favor.

    Meu Cntt: 981241741

  2. Não tem problema. É só fazer arminha com a mão que tudo se resolve. Pra que emprego? O que interessa é que o mito está mitando. Pena que está derretendo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

RN registra melhor trimestre em 8 anos no número de empresas abertas

Na Junta Comercial do RN, mesmo antes das restrições impostas pela pandemia, a tecnologia já é largamente utilizada para diminuir etapas e desburocratizar o registro empresarial. A Jucern utiliza o sistema Redesim RN, que reúne em espaço virtual, os órgãos presentes no processo de abertura, alteração e baixa de empresas.

Essa modernização de sistemas é essencial para garantir que os empreendedores potiguares encontrem um ambiente de negócios propício para o aproveitamento de oportunidades de mercado. E mesmo em momentos mais difíceis, o acesso facilitado à legalização de empresas permite a ampliação de oportunidades, como linhas de créditos populares e outros incentivos.

Jucern registra melhor trimestre em oito anos

Segundo dados da Jucern, no primeiro trimestre de 2021, foram 2.160 solicitações de abertura de empresas. Esse número é 17% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, além de representar o melhor trimestre desde 2013.

Já o quantitativo de negócios que encerraram suas atividades recuou 2% entre janeiro e março em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. No relatório de 2020, consolidado pela Jucern, pela primeira vez em dez anos, a Junta Comercial do RN registrou queda neste índice e a tendência vem se mantendo também em 2021.

Além disso, segundo ranking que consolida dados da Receita Federal e que inclui também o número de microempreendedores individuais (MEIs), o Rio Grande do Norte foi o terceiro estado que mais aumentou o número de novos negócios no último quadrimestre de 2020. Foram 13.943 empresas abertas, incluindo MEIs. Cerca de 14% a mais do que o verificado no quadrimestre anterior.

Para o presidente da Jucern, Carlos Augusto Maia, os órgãos de registro têm uma função estratégica no atual momento: “Desde março batemos recorde de recebimento de processos digitais. A Jucern já vinha trabalhando com recursos virtuais, mas, com a necessidade de isolamento, precisamos adaptar outros serviços e a avaliação do contribuinte tem sido positiva, graças ao investimento preliminar em recursos digitais”, destaca.

Atualmente, desde o registro de empresas e demais alterações até a emissão de certidões de inteiro teor, a autenticação de livros contábeis, as traduções oficiais e os requerimentos de alvarás da Suvisa/RN são feitos de forma 100% digital por meio da Jucern. Mais informações no site www.jucern.rn.gov.br.

Opinião dos leitores

  1. Tudo isso foi depois que o governo Federal facilitou a abertura de empresas .
    BOLSONARO TEM RAZÃO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Previsão aponta trimestre abril, maio e junho com chuvas de normal a acima do normal no RN

Foto: Divulgação

A previsão de chuvas, para o trimestre de abril, maio e junho, no Rio Grande do Norte é de chuvas de normal a acima do normal. A chuva esperada deve ser bem distribuída em todas as regiões do RN sendo de 578,7mm para o Leste, 328,1mm para o Oeste, 317,7mm para o Agreste e 256,5mm para a Central. Este é análise feita por meteorologistas de diversos órgãos durante a I Reunião de Análise e Previsão Climática para o Setor Leste do Nordeste de 2020, realizada por meio de videoconferência no último dia 19.

“Importa destacar que a grande variabilidade temporal e espacial das chuvas nesse período, o que significa que podem ocorrer chuvas intensas concentradas em algumas áreas durante um período curto de tempo”, explicou o chefe da Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), Gilmar Bristot representando o RN na reunião.

Participaram da videoconferência meteorologistas de órgãos dos estados do Ceará (Fundação Cearense de Meteorologia – FUNCEME), Paraíba (Agência Executiva de Gestão de Águas – AESA), Alagoas (Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas – SEMARH), Sergipe (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade SEDURBS), Bahia (Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA) e do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – CPTEC/INPE.

REUNIÃO CLIMÁTICA

Em fevereiro, o RN sediou a III Reunião de Análise Climática para o Semiárido do Nordeste – Etapa Rio Grande do Norte- período de março a maio de 2020, ocasião em que os meteorologistas anunciaram a previsão de chuvas acima da média histórica para o trimestre de março, abril e maio. Os padrões climáticos até então analisados indicavam a ocorrência de chuvas distribuídas em todas as regiões do Estado, sendo 479 milímetros na região Oeste, 376 na região Central, 342 na região Agreste e 533 milímetros na região Leste. “Parâmetros de temperatura na superfície dos oceanos, ventos e pressão atmosférica são elementos considerados nas análises”, disse Britot coordenador do evento.

Para 2020, o prognóstico dos meteorologistas é que a média de chuvas no RN em gire entre 800 e 1200 milímetros.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Franquias no Brasil crescem 6% no trimestre e faturamento supera R$ 47 bilhões

Foto: Divulgação

O setor de franquias no Brasil cresceu 6,4% no terceiro trimestre de 2019 em comparação com o mesmo período do ano passado. O faturamento superou os R$ 47 bilhões, de acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) e divulgada nessa semana durante a 19ª Convenção da ABF. Impulsionado pelo momento de recuperação da economia e em plena expansão, o segmento responde hoje pela geração de 1,3 milhão de postos de trabalho nas mais de 160 mil unidades de franquia em operação atualmente no país.

E as projeções para o fim de ano são ainda mais otimistas. A ABF estima um crescimento de aproximadamente 7% no faturamento e cerca de 5% em franquias abertas e empregos gerados. “A opção por franchising é a escolha por segurança, uma vez que, nesse tipo de negócio, investidores sem tempo ou expertise, podem atuar em novos mercados e empreendimentos com modelos já testados e aprovados, minimizando riscos e aumentando as chances de sucesso”, destaca Daniel Freire, diretor de Mercado da Aliança Consultoria, empresa potiguar que presta serviço para operadoras de saúde suplementar.

Foto: Divulgação

Nesse contexto, ainda de acordo com a ABF, os segmentos que mais se destacam, além da alimentação, são os de saúde e bem-estar. É o caso, por exemplo, da Beneficies Franchising, que integra o mesmo grupo empresarial da Aliança Consultoria, e é especializada na comercialização de seguros e planos de saúde. “A Beneficies surgiu como uma corretora de benefícios e seguros voltada a explorar a demanda virtual do mercado de saúde suplementar. O modelo deu tão certo que resolvemos franquear”, explica Thiago Eugênio, diretor de Projetos da Beneficies, que possui hoje 4 franqueados e conta com 40 fornecedores de seguros, planos de saúde e odontológicos.

Ideias como a da Beneficies sustentam uma tendência de mercado porque, além de atuar como franquia, sua plataforma de negócios funciona de forma inteiramente digital. Thiago explica que uma das principais vantagens de um franchising desse tipo é a capilaridade e escala que o negócio apresenta. “Por ser digital, uma franquia de corretora que estiver em Mossoró, por exemplo, pode negociar planos de saúde ou seguros para clientes em Goiás, sem a limitação geográfica que o modelo tradicional impõe. Isso, para o franqueado, representa a possibilidade de ampliar os horizontes a partir de sua própria base, atuando assim nacionalmente”, comenta.

A Beneficies estará presente no Fórum Negócios 2019, que será realizado nos dias 8 e 9 de novembro, na Arena das Dunas. Consolidado como o maior evento de empreendedorismo da região Nordeste, em 2018 gerou R$ 10 milhões em negócios, com 600 profissionais envolvidos diretamente e 45 empresas empresas expositoras. A expectativa para este ano é de um crescimento superior aos 50%.

Opinião dos leitores

  1. Com a economia mais estável, a busca por negócios mais seguros e podendo contar com empresas como a Aliança Consultoria, com certeza a tendência é de muito mais crescimento!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Emprego é recorde no Brasil no trimestre encerrado em julho

Foto: Arquivo Agência Brasil

O mercado de trabalho no Brasil atingiu, no trimestre encerrado em julho deste ano, um volume recorde de pessoas empregadas: 93,6 milhões. É o maior número da série histórica iniciada em 2012 e representa aumentos de 1,3% na comparação com o trimestre encerrado em abril deste ano e de 2,4% na comparação com o trimestre encerrado em julho de 2018.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C), divulgada nesta sexta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o crescimento foi puxado pelos empregados sem carteira assinada e pelos trabalhadores por conta própria.

Os trabalhadores sem carteira assinada chegaram a 11,7 milhões em julho, também um recorde na série histórica. A alta chegou a 3,9% em relação a abril (mais 441 mil pessoas) e a 5,6% em relação a julho de 2018 (mais 619 mil pessoas).

Os trabalhadores por conta própria somaram 24,2 milhões e também atingiram um contingente recorde, subindo nas duas comparações: 1,4% (mais 343 mil pessoas) ante abril e 5,2% (mais 1,2 milhão de pessoas) ante julho de 2018.

A taxa de desemprego recuou para 11,8% em julho deste ano, abaixo dos 12,5% de abril deste ano e aos 12,3% de julho do ano passado.

A população fora da força de trabalho, ou seja, as pessoas que não estão nem trabalhando nem procurando emprego, chegou a 64,8 milhões em julho, estável em ambas comparações.

A população subutilizada (ou seja, que está desempregada, que trabalha menos do que poderia, que não procurou emprego mas estava disponível para trabalhar ou que procurou emprego mas não estava disponível para a vaga) ficou em 28,1 milhões de pessoas em julho, estável em relação ao trimestre anterior e 2,6% superior a julho do ano passado.

A taxa de subutilização da força de trabalho chegou a 24,6%, inferior aos 24,9% de abril e aos 24,4% de julho de 2018.

O total de pessoas desalentadas (aquelas que desistiram de procurar emprego) chegou a 4,8 milhões, estável em ambas as comparações. Já o percentual de desalentados chegou a 4,4%, também estável.

O rendimento médio real habitual do trabalhador ficou em R$ 2.286, uma queda de 1% ante o trimestre anterior e não teve variação significativa frente ao mesmo trimestre de 2018. Já a massa de rendimento real habitual (R$ 208,6 bilhões) ficou estável em relação ao trimestre anterior e cresceu 2,2% (mais R$ 4,5 bilhões) frente ao mesmo período de 2018.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Imagine com a economia crescendo a uns 3% ao ano. Isso associado à queda nos índices de criminalidade, a se manterem em queda, é ulgo que deve deixar os petralho-chavistas em desespero.

  2. Imagine como são os empregos que foram contabilizados criados.
    Com todas as novidades tipo essa encrenca com Macron realmente esse governo corre sério risco de dar certo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *