Saúde

Médicos das UPAs de Natal ainda não receberam os vencimentos dos plantões que deram em abril

Foto: Reprodução/Twitter

Médicos das Unidades de Pronto-Atendimento(UPAs) de Natal ainda não receberam os vencimentos dos plantões que deram em abril.

“Desrespeito aos profissionais que arriscaram suas vidas na linha de frente”, desabafa um dos médicos pelas redes sociais, marcando veículos de comunicação no Rio Grande do Norte e o prefeito na capital potiguar, Álvaro Dias(PSDB).

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Desemprego fica estável em 14,7% no trimestre encerrado em abril, diz IBGE

Foto: Reprodução / CNN

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 14,7% de fevereiro a abril deste ano e atingiu 14,8 milhões de pessoas, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (30). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

Isso representa houve estabilidade no recorde da série histórica, iniciada em 2012.

Com CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Eita que os esquerdopatas não gosta desse tipo de notícia (eles detestam a carteira azul). Eles adoram aumento de desemprego, pois pra eles quanto pior, melhor! Brasil agora vai subir igual a foguete.

  2. Pois é, muitos estão desempregados, pq o Véio Bolsonaro cortou as mamatas dos esquerdopatas, que viviam as custas das estatais e nunca trabalharam de verdade e hj não sabem fazer nada, à não ser pedir a volta do nove dedos.

  3. Se estivéssemos com um governo de esquerda, o desemprego teria explodido com tudo fechado. Mas a culpa seria da pandemia e dos EUA.
    Se estivéssemos com um governo de esquerda, o povo estaria sem emprego, aguardando a esmola do governo federal, vivendo na dependência do governo como acontece em Cuba, na Venezuela e começa a virar realidade na Argentina. Todos iguais na miséria. Pior, seria considerado classe média quem ganhasse 03 salários mínimos.
    Se estivéssemos com um governo de esquerda, a corrupção teria comprado os meios de comunicações e não haveriam ataques ao governo federal e os números do covid seriam mostrados a partir do 16 milhões de recuperados e não pelos mortos.
    Conseguem entender o mundo que estamos vivendo?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Vendas no comércio sobem 1,8% em abril, maior alta para o mês desde 2000

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

As vendas no comércio varejista subiram 1,8% em abril na comparação com o mês anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (8). É a maior alta para o mês desde 2000, após queda de 1,1% em março.

Com isso, o varejo ficou 0,9% acima do patamar pré-pandemia. O setor acumula crescimento de 4,7% no ano e de 3,6% nos últimos 12 meses, diz o instituto. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC).

O resultado positivo atingiu sete das oito atividades analisadas pela pesquisa. A maior alta, de 24,8%, foi a de móveis e eletrodomésticos. Outras variações positivas vieram dos setores de tecidos, vestuário e calçados (13,8%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (10,2%), por exemplo.

O setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo foi o único a ter retração frente ao mês anterior, com queda de 1,7%.

“O consumo das famílias se modificou em termos de estrutura no começo da pandemia. O que tem acontecido é que, em alguns setores, o consumo tem se concentrado em momentos específicos do ano. Antigamente, esses momentos eram muito marcados, como a Black Friday e o Natal, agora o cenário mudou”, diz o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Para Santos, essas semanas de promoções vêm perdendo força.

“São fenômenos que acabam acontecendo porque as compras estão mais digitais e permitem que determinados setores possam ter promoções fora desses momentos e provocar uma determinada onda de vendas em períodos distintos de tempos”. (Cristiano Santos, gerente da pesquisa).

O pesquisador diz ainda que houve inversões entre as atividades no mês de abril. “Algumas atividades que estavam indo bem começaram a cair e outras que estavam caindo começaram a crescer. Abril foi um momento em que as grandes lojas de móveis e eletrodomésticos acabaram focando na receita de consumo das famílias”, diz.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades veículos, motos, partes e peças e de material de construção, o aumento no volume de vendas foi de 3,8%.

Varejo cresce 23,8% na comparação com o ano passado

O volume de vendas no varejo cresceu 23,8% na comparação com abril do ano passado, informou o IBGE. O comércio varejista ampliado registrou 41% de aumento, maior da série no indicador que confronta o resultado do mês com igual mês do ano anterior. O aumento recorde é explicado pela base de comparação baixa.

“Em abril de 2020, foi o maior tombo do índice na série histórica da PMC. Então quando olhamos para essas grandes variações, precisamos lembrar que muitas dessas lojas declararam uma perda muito grande de receita. Por exemplo, se uma loja tinha um faturamento de R$ 100 mil e em abril ela só vendeu 10%, depois, se ela crescer 100%, ela passa de R$ 10 mil para R$ 20 mil. Ou seja, o patamar ainda está muito baixo em relação ao cenário que se tinha antes da pandemia”, disse o pesquisador.

Comércio varejista cresce em 21 unidades da federação

Em março frente ao mês anterior, o comércio varejista cresceu em 21 das 27 unidades da federação. Entre os destaques estão Distrito Federal (19,6%), Rio Grande do Sul (14,9%) e Amapá (10,8%).

Já Mato Grosso (-1,4%), Alagoas (-1,1%) e Sergipe (-0,8%) pressionaram o indicador negativamente.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Brasil registra em abril superávit de R$ 24 bilhões, recorde para o mês

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

As contas do setor público consolidado tiveram superávit de R$ 24,255 bilhões em abril. Esse é o melhor resultado para meses de abril de toda série histórica, iniciada em 1996. Em abril de 2020, as contas públicas registraram déficit de R$ 94 bilhões.

Os números foram divulgados pelo Banco Central nesta segunda-feira (31). O resultado do setor público consolidado inclui as contas do governo federal, dos governos regionais e das estatais federais. O superávit primário não inclui as despesas com juros e mostra que o valor arrecadado foi suficiente para cobrir as despesas públicas.

Com o resultado, o primeiro quadrimestre do ano acumula superávit de R$ 75,841 bilhões, valor equivalente a 2,88% do Produto Interno Bruto (PIB), que soma as riquezas produzidas no país. No mesmo período do ano anterior, as contas estavam com déficit de R$ 82,583 bilhões, equivalente à 3,46% do PIB.

Enquanto o Governo Central (governo federal, BC e Previdência) ficou positivo em R$ 16,265 bilhões em abril, os governos estaduais e municipais foram superavitário em R$ 6,972 bilhões. As empresas estatais, por sua vez, ficaram com positivas em R$ 1,19 milhão.

Quando incluídos os gastos com juros, o resultado nominal é deficitário em R$ 37,6 bilhões de janeiro a abril. Sozinha, a conta de juros somou R$ 113,442 bilhões no primeiro quadrimestre do ano.

Dívida bruta recua novamente

Depois de bater recorde em fevereiro (90%), a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) recuou novamente em abril, caindo para o patamar de 86,7% do Produto Interno Bruto (PIB). Essa foi a segunda queda consecutiva da DBGG.

Em valores nominais, o montante da dívida bruta é de R$ 6,665 trilhões, ante R$ 6,721 trilhões registrados no mês anterior.

O indicador serve como referência para as agências de classificação de risco, que define a atratividade de investimentos dos países. Em 2020, a DBGG encerrou em R$ 6,615 trilhões, equivalente a 89,3% do PIB.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. POr que isso aconteceu? O déficit primário consolidado do mês passado ficou acima do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Estadão/Broadcast, que iam de superávit de R$ 8,300 bilhões a R$ 20,300 bilhões. A mediana estava positiva em R$ 16,500 bilhões.

    O resultado fiscal de abril foi composto por um superávit de R$ 16,265 bilhões do Governo Central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 6,972 bilhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 5,528 bilhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 1,444 bilhão. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 1,019 bilhão. Parabéns ao prefeitos e governadores limpos , com a nossa governadora Fátima Bezerra!!!

  2. Sem roubos, investimentos em países caloteiros e sem falar na competência do Presidente Bolsonaro e sua equipe Ministerial o resultado é esse , superávit e progresso.

  3. Apesar da pandemia e da oposição irresponsável que trama em tentar prejudicar, o Brasil segue teimosamente melhorando, reflexo de um governo honesto, competente, trabalhador, patriota e preocupado com o nosso povo. Fico imaginando a cara da esquerdalha quando le essa boas notícias sobre o Brasil. E são muitas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Brasil cria 120,9 mil empregos com carteira assinada em abril; quarto mês consecutivo de resultado positivo

FOTO: AGÊNCIA BRASIL

O emprego celetista no Brasil apresentou crescimento em abril de 2021, registrando saldo de 120.935 postos de trabalho, de acordo com o Novo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (26) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho

O resultado de abril considera o saldo entre 1.381.767 admissões e 1.260.832 desligamentos. Trata-se do quarto mês consecutivo com resultado positivo.

No ano, o saldo é de 957.889 empregos, decorrente de 6.406.478 admissões e 5.448.589 desligamentos. São 28,1% a mais de admissões e 5,5% a menos de desligamentos que o mesmo período do ano passado (janeiro – abril).

Os dados positivos do Caged surgem no mesmo momento em que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que o desemprego atinge 14,4% da população (14,4 milhões). A diferença de metodologia e dos grupos analisados pelas pesquisas ajudam a justificar a disparidade entre os indicadores.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, celebrou o resultado positivo de abril, afirmando que se deu no pico da segunda onda da covid-19. Disse ainda que os números se devem às políticas do governo e citou os programas do auxílio emergencial e do benefício a empregos formais que permite suspensão de contratos e redução de jornadas e salários.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Arrecadação federal em abril atinge R$ 156,8 bilhões e bate recorde para o mês

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

Impulsionada pela fraca base de comparação e por recolhimentos atípicos de algumas grandes empresas, a arrecadação federal em abril bateu recorde para meses de abril. Segundo dados divulgados nesta quinta-feira (20) pela Receita Federal, o governo arrecadou R$ 156,822 bilhões no mês passado, com aumento de 45,22% acima da inflação em valores corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O valor é o maior da história para meses de abril desde o início da série histórica da Receita Federal, em 1995, em valores corrigidos pela inflação. Nos quatro primeiros meses do ano, a arrecadação federal soma R$ 602,722 bilhões, com alta de 13,62% acima da inflação pelo IPCA, também recorde para o período.

A arrecadação superou as previsões das instituições financeiras. No relatório Prisma Fiscal, pesquisa divulgada pelo Ministério da Economia, os analistas de mercado estimavam que o valor arrecadado ficaria em R$ 135,633 bilhões em abril, pelo critério da mediana (valor central em torno dos quais um dado oscila).

Base de comparação

A alta expressiva da arrecadação pode ser explicada pela queda da arrecadação em abril do ano passado. Naquele mês, vigoraram as medidas mais duras de restrição social e de interrupção de atividades econômicas por causa do início da pandemia de covid-19. Paralelamente, o governo, na época, adiou o recolhimento de diversos tributos, como as cotas do Simples Nacional e das contribuições patronais para a Previdência Social. Somente em abril de 2020, o governo tinha deixado de recolher R$ 24,4 bilhões por causa dessas medidas.

Também influiu na alta da arrecadação o recolhimento atípico (que não se repetirá em outros anos) de cerca de R$ 1,5 bilhão em Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e em Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) por grandes empresas de diversos setores econômicos. Nos últimos meses, esses recolhimentos fora de época têm impulsionado a arrecadação por causa de empresas que registraram lucros maiores que o previsto e tiveram de pagar a diferença. Por causa do sigilo fiscal, a Receita não pode informar o nome e a atividade dessas grandes companhias.

Tributos

Na divisão por tributos, as maiores altas foram registradas na arrecadação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), 103,94% em valores reais – corrigidos pela inflação. Além da alta de 10,1% no volume de vendas e de 4,5% no volume de serviços, a receita desses tributos subiu porque o recolhimento de PIS/Cofins foi postergado em três meses no ano passado por causa da pandemia.

O recolhimento de IRPJ e da CSLL subiu 42,6% acima da inflação, impulsionado pelo pagamento atípico de R$ 1,5 bilhão por grandes empresas. A arrecadação da Previdência Social aumentou 41,97% acima da inflação por causa do adiamento do recolhimento das contribuições patronais e do Simples Nacional. Esses fatores ajudaram a manter a alta da arrecadação, apesar do aumento de compensações tributárias (pedidos de abatimento em impostos a pagar) de R$ 18,537 bilhões em abril de 2021 contra R$ 11,376 bilhões no mesmo mês de 2020.

Recuperação econômica

Antes da divulgação dos números, o ministro da Economia, Paulo Guedes, fez uma apresentação para comentar os resultados. Segundo ele, a arrecadação recorde mostra que a economia brasileira está se recuperando, apesar do avanço da segunda onda da pandemia. Para os próximos meses, ele também demonstrou otimismo com a atividade econômica por causa do avanço da vacinação.

“Agora os brasileiros estão lutando para manter os sinais vitais da economia. Mais do que isso, a economia já se reativando, estamos acelerando com as vacinas. O Brasil está indo agora em poucos meses para a produção local de vacinas, completa no Brasil, e estamos aumentando as importações de todos os tipos de vacinas”, disse.

Para o ministro, o processo de vacinação será acelerado para permitir o retorno seguro ao trabalho presencial, enquanto o Congresso discute reformas estruturais para evitar o acúmulo de gastos para as futuras gerações.

“Temos o compromisso com o futuro dos nossos filhos e netos, com as futuras gerações. Estamos fazendo as reformas para que nós paguemos por nossas guerras. Nossa geração está enfrentando essa guerra com coragem, resiliência, e com responsabilidade fiscal, ao invés de simplesmente empurrar a conta para nossos filhos e netos”, concluiu Guedes.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Balança comercial tem melhor saldo da história para meses de abril; país exportou US$ 10,35 bilhões a mais do que importou

Foto: © Reuters/Marcos Brindicci/Direitos Reservados

Beneficiada pela alta das commodities (bens primários com cotação internacional) e pela recente mudança de metodologia, a balança comercial registrou o melhor saldo da história para meses de abril. No mês passado, o país exportou US$ 10,349 bilhões a mais do que importou.

O saldo é 67,9% maior do que em abril de 2020. No último mês, as exportações somaram US$ 26,481 bilhões, alta de 50,5% sobre abril de 2020 pelo critério da média diária. As exportações bateram recorde histórico para todos os meses desde o início da série histórica, em 1989. As importações totalizaram US$ 16,132 bilhões, alta de 41,1% na mesma comparação.

Além da alta no preço das commodities, as exportações também subiram por causa da base de comparação. Em abril de 2020, no início da pandemia da covid-19, as exportações tinham caído por causa das medidas de restrição social. O volume de mercadorias embarcadas, segundo o Ministério da Economia, aumentou 22,2%, enquanto os preços subiram, em média, 21,6% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Com o resultado de abril, a balança comercial acumula superávit de US$ 18,257 bilhões nos quatro primeiros meses do ano. O resultado é 106,4% maior que o do mesmo período de 2020, também pelo critério da média diária, e só perde para 2017, quando o superávit no primeiro quadrimestre tinha somado US$ 19,039 bilhões.

Metodologia

No mês passado, o Ministério da Economia mudou o cálculo da balança comercial. Entre as principais alterações, estão a exclusão de exportações e importações “fictas” de plataformas de petróleo. Nessas operações, plataformas de petróleo que jamais saíram do país eram contabilizadas como exportação, ao serem registradas em subsidiárias da Petrobras no exterior, e como importação, ao serem registradas no Brasil.

Outras mudanças foram a inclusão, nas importações, da energia elétrica produzida pela usina de Itaipu e comprada do Paraguai, num total de US$ 1,5 bilhão por ano, e das compras feitas pelo programa Recof, que concede isenção tributária a importações usadas para produção de bens que serão exportados. Toda a série histórica a partir de 1989 foi revisada com a nova metodologia.

Setores

Em abril, todos os setores registraram crescimento nas vendas para o exterior. Com o início da safra de grãos, as exportações agropecuárias subiram 44,4% em relação a abril do ano passado. Os principais destaques foram café não torrado (27,1%), soja (43,1%) e algodão bruto (112,8%).

Beneficiada pela valorização de minérios, as exportações da indústria extrativa aumentaram 73,2%, com destaque para minério de ferro e concentrados (106,3%), minérios de cobre e concentrados (26,2%) e óleos brutos de petróleo (49,2%). As vendas da indústria de transformação subiram 43,9%, impulsionada por combustíveis (128,9%), gorduras e óleos vegetais (202,2%) e aço (66,3%).

Do lado das importações, as compras do exterior da agropecuária subiram 1,6% em abril na comparação com abril do ano passado. A indústria extrativa registrou alta de 35,5% e a indústria de transformação teve crescimento de 42,6%. Os principais destaques foram combustíveis (101,9%); válvulas, diodos e transistores (72,9%) e partes e acessórios de veículos automotivos (79,2%).

No mês passado, o governo elevou para US$ 89,4 bilhões a previsão de superávit da balança comercial neste ano, o que garantiria resultado recorde. A estimativa já considera a nova metodologia de cálculo da balança comercial. As projeções estão mais otimistas que as do mercado financeiro. O boletim Focus, pesquisa com analistas de mercado divulgada toda semana pelo Banco Central, projeta superávit de US$ 64 bilhões neste ano.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Não adianta argumentar. Só quem tem razão é o Direita Honesta. Senhor da verdade. Soberano da sensatez.

  2. Com a megadesvalorização do real, frente ao dolar, fica fácil exportar, em contra partida, tudo no país sobe de preços, acompanhando os preços externos e de importação. No final o consumidor brasileiro é quem mais sofre, pois continua com seu salário em real sem aumento. Enfim, até agora esse governo só fez tirar do trabalhador e dos mais humildes. Impossível querer continuar com um governo assim, estão querendo nos entregar a um ruim (governo atual) e um péssimo (os ladrões petralhas) temos que insistir num novo, um dia acertamos.

    1. Sua análise é paupérrima, tendenciosa e equivocada, apesar das obviedades que contem. Todo país se esforça para aumentar suas exportações, pois isso representa entrada de recursos financeiros e geração de empregos e renda. Os países “lutam” entre si por tal objetivo. É inacreditável ver o malabarismo retórico feito por vc, na vã tentativa de demonstrar que exportar é ruim. Apenas o fanatismo ideológico e a defesa de interesses particulares são capazes de explicar o que vc escreveu.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN tem 14 pacientes com Covid-19 na fila por UTI

Foto: Reprodução/Regula RN

O Rio Grande do Norte registrou na tarde desta sexta-feira (30) 32 pacientes com Covid-19 à espera de um leito de UTI, de acordo com o portal Regula RN, que monitora em tempo real a ocupação de leitos públicos no estado. Às 12h20, o estado tinha 18 leitos de UTI disponíveis aguardando regulação de pacientes. A maior parte é da região metropolitana de Natal.

Diante do número de leitos disponíveis, o número de pacientes em espera até a publicação desse post, com a devida subtração de números, registra 14 pessoas na fila por leitos críticos.

Opinião dos leitores

  1. Não construir hospitais de campanha e uti gerou essas filas da angustia e de penitência, sem falar nos desvios do dinheiro para respiradores e compra de respiradores quebrados entre outras negligências. Perdas humanas e aflições de famílias é o resultado dessas praticas, no mínimo, equivocadas. governos insensíveis a integridade da vida das pessoas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra taxa de ocupação de leitos covid de 95,1%; Oeste tem 100%

Foto: (Reprodução/Regula/Sesap)

A taxa de ocupação de leitos críticos das unidades públicas de saúde no RN é de 95,1%, registrada no fim da manhã desta sexta-feira (30). Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 605.

Até o momento desta publicação são 18 leitos críticos (UTI) disponíveis e 346 ocupados, enquanto em relação aos leitos clínicos (enfermaria), são 140 disponíveis e 259 ocupados.

Segundo a Sesap, a Região metropolitana apresenta 93,9% dos leitos críticos ocupados, a região Oeste tem 100% e a Região Seridó tem 90%.

Opinião dos leitores

    1. Fecha, mas distribua os bilhões de reais que recebeu do governo federal com os comércios e serviços prejudicados. Essa sem futuro fica com dinheiro escondido e não ajuda nem os ambulantes prejudicados, imagina os que estão falindo pelos seus Lockdown.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN fecha abril contabilizando 14 óbitos por covid nas últimas 24h, sendo 13 dentro do dia; novos casos são 1.107

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta sexta-feira (30). Foram mais 1.107 casos confirmados, totalizando 222.975. Até quinta-feira (29) eram 221.868 infectados.

Com relação aos óbitos no Rio Grande do Norte, são 5.460 no total, sendo 13 mortes registradas nas últimas 24h: Mossoró(05), Natal (03), Grossos(01), São Paulo do Potengi(01), Passagem(01), Felipe Guerra(01) e Jardim do Seridó(01).

A Sesap ainda registrou 01 óbito ocorrido após a confirmação de exames laboratoriais de dias ou semanas anteriores. Óbitos em investigação são 1.103. Na quinta-feira (29) o número total de mortes era 5.446.

Casos suspeitos somam 52.818 e descartados 449.289. Recuperados são 150.649.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

SINE-RN oferece 35 vagas de emprego para Natal, Região Metropolitana e João Câmara

A Subsecretaria do Trabalho da Sethas-RN, através do SINE-RN, oferece nesta sexta-feira(30) 35 vagas de emprego para Natal, Região Metropolitana e João Câmara.

Para concorrer às vagas, o(a) candidato(a) deve se cadastrar via Internet no Portal Emprega Brasil do Ministério do Trabalho e Emprego, através do endereço empregabrasil.mte.gov.br ou nos aplicativos Sine Fácil e Carteira de Trabalho Digital, disponíveis para Android e IOS.

Quer tirar alguma dúvida ou agendar um atendimento? Ligue: (84) 3190-0783, 3190-0788, 98106-6367 e 98107-4226.

O atendimento é de segunda a sexta, das 8h às 12h.

VEJA AS OFERTAS DE VAGAS DE EMPREGO POR OCUPAÇÃO:

ATENDENTE DE LANCHONETE 06

AUXILIAR DE LIMPEZA 01

BALCONISTA 01

ENCARREGADO DE BAR E RESTAURANTE 03

ENCARREGADO DE ESTOQUE 01

ENCARREGADO DE SEÇÃO DE CONTROLE DE PRODUÇÃO 01

MARCENEIRO 02

MARCENEIRO DE MÓVEIS 04

MECÂNICO DE AUTOMÓVEL 03

MECÂNICO DE LAVADORA E SECADORA 01

MECÂNICO DE MANUTENÇÃO E INSTALAÇÃO DE APARELHOS DE CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO 01

MECÂNICO DE MOTOCICLETAS 03

MECÂNICO DE MOTOR A GASOLINA 01

MOTORISTA ENTREGADOR 01

OPERADOR DE CAIXA 01

OPERADOR DE CALDEIRA 01

REPRESENTANTE COMERCIAL AUTÔNOMO 01

VENDEDOR PRACISTA 01

TOTAL 33

JOÃO CÂMARA – (Vagas Permanentes)
OCUPAÇÃO QUANT. DE VAGAS

FARMACÊUTICO 02

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Abril se torna o mês com mais mortes registradas por Covid-19 no RN desde o início da pandemia

Um levantamento do portal G1-RN aleta que abril de 2021 se tornou o mês com mais mortes registradas por Covid-19 desde o início da pandemia no Rio Grande do Norte, superando março. Ao todo, morreram 939 pessoas vítimas da doença neste mês, que se encerra nesta sexta-feira (30).

O levantamento foi feito pelo G1 baseado nos boletins epidemiológicos da doença e nos dados diários divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). Segundo a pasta, algumas das mortes contabilizadas nos boletins não acontecem necessariamente nos dias em que são registradas. Anteriormente, a maior marca era exatamente no mês anterior, de março, quando 922 pessoas perderam a vida para a doença, mostrando o crescimento da letalidade nesse período.

Opinião dos leitores

    1. Fecha, mas manda ela também pagar auxílio aos ambulantes e micro empresários prejudicados com o Lockdown, com os bilhões de reais que o governo federal mandou pra o estado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Grande volume de chuvas foi registrado na região Oeste nas últimas 24 horas; no RN, pelo menos 47 cidades foram “banhadas”

Foto: Emparn

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte(Emparn) registrou chuvas em pelo menos 47 municípios potiguares nas últimas 24 horas. O período monitorado ocorreu entre 07h dessa quarta-feira(28) e 07 desta quinta-feira(29). Destaque para o bom volume na região Oeste, especialmente, em Rodolfo Fernandes(102mm), Viçosa(102 mm), Portalegre(88 mm), Pau dos Ferros(75 mm), Riacho da Cruz(74,7 mm) e Serrinha dos Pintos(70 mm).

Veja o volume de chuvas pelas cidade, por regiões:

OESTE POTIGUAR

Rodolfo Fernandes(Prefeitura) 102,0
Viçosa(Prefeitura) 102,0
Portalegre(Particular) 88,8
Pau Dos Ferros(Particular) 75,0
Riacho Da Cruz(Emater) 74,7
Serrinha Dos Pintos(Prefeitura) 70,0
Antônio Martins(Emater) 65,0
Francisco Dantas(Emater) 60,0
Martins(Particular) 59,5
Apodi(Base Fisica Emparn) 52,8
Campo Grande(Particular 2) 52,8
São Francisco Do Oeste(Prefeitura) 49,0
Campo Grande(Particular) 43,6
Caraúbas(Particular) 43,5
Felipe Guerra(Prefeitura) 42,0
Paraná(Emater) 37,0
Água Nova(Prefeitura) 35,0
João Dias(Emater) 29,6
Tenente Ananias(Emater-st Mororo) 28,3
Coronel João Pessoa(Emater) 23,9
Severiano Melo(Prefeitura) 23,0
José Da Penha(Emater) 22,9
Assu(Emater/st. Casa Forte) 20,6
Ipanguaçu(Base Fisica Da Emparn) 20,1
Itajá(Emater) 20,0
Olho D’agua Dos Borges(Particular) 18,0
Areia Branca(Emater) 17,7
Major Sales(Prefeitura) 17,5
Riacho De Santana(Emater) 17,0
Rafael Fernandes(Emater) 12,5
Porto Do Mangue(Prefeitura) 11,0
São Rafael(Emater) 10,0
Ipanguaçu(Emater) 9,6
São Rafael(Particular Ii) 7,7
Janduís(Emater) 7,0
Jucurutu(Emater-pedra do Navio) 2,5
Tibau(Prefeitura) 1,0

CENTRAL POTIGUAR

Florânia(Sitio Jucuri) 58,5
São Fernando(Emater) 27,0
Macau(Defesa Civil (ex-emater)) 12,5
Timbaúba Dos Batistas(Prefeitura-fz. Timbauba) 11,0
São João Do Sabugi(Emater) 7,5
Fernando Pedroza(Emater) 4,3

AGRESTE POTIGUAR

Boa Saúde(Emater) 31,2
Serrinha(Emater) 15,9
Lagoa De Pedras(Prefeitura) 10,5
Monte Alegre(Emater) 10,0
Monte Das Gameleiras(Emater) 8,2
São Pedro(Emater) 3,0

LESTE POTIGUAR

Montanhas(Prefeitura) 1,1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Caraúbas-RN entra em lockdown

Em nota, o Governo do Estado, através da Secretaria de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap), destaca o município de Caraúbas, localizado na Região Oeste do estado, anunciou lockdown nesta quinta feira (29). A medida restritiva passa a valer do dia primeiro de maio até o dia dez de maio de 2021. Hoje, o município tem 1.922 casos confirmados e 34 óbitos contabilizados desde o início da pandemia.

“É importante ressaltar que a Sesap acompanha os índices de casos e óbitos confirmados, além de uma análise minuciosa feita semanalmente, pelo Indicador Composto, oferecendo suporte através dos apoiadores regionais para fortalecimento das ações de vigilância em saúde e atenção primária que atendem as demandas Covid”, diz a nota.

A Sesap ainda destaca que o Hospital Regional de Caraúbas, Dr Aguinaldo Pereira, é hoje unidade de referência Covid, incluída no Plano Estadual de Enfrentamento à Pandemia e faz parte da rede de assistência estadual. O Hospital tem em sua estrutura, exclusiva para Covid, cinco leitos clínicos regulados pela Central de Regulação do Oeste e o governo está em fase da implantação de mais dois leitos com suporte ventilatório.

O órgão também reforça que, recentemente, foi instalado o Raio-x para dar assistência aos pacientes da região, sem a necessidade de deslocamento para outras cidades, evitando assim o contágio e oferecendo maior assistência à população. “O Governo do RN prontamente atendeu a todas as solicitações entendendo a importância do hospital, diante da crescente demanda Covid”, detalhou a nota.

Por fim, o Governo do Estado completou:

“Para que fosse possível prestar toda a assistência a região de Caraúbas, o governo do estado investiu e contratou equipe de profissionais, além de providenciar insumos e equipamentos”.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN registra taxa de ocupação de leitos covid de 91,5%

Foto: (Reprodução/Regula/Sesap)

A taxa de ocupação de leitos críticos das unidades públicas de saúde no RN é de 91,5%, registrada no fim da manhã desta quinta-feira (29). Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 620.

Até o momento desta publicação são 31 leitos críticos (UTI) disponíveis e 334 ocupados, enquanto em relação aos leitos clínicos (enfermaria), são 111 disponíveis e 286 ocupados.

Segundo a Sesap, a Região metropolitana apresenta 90,1% dos leitos críticos ocupados, a região Oeste tem 98,9% e a Região Seridó tem 82,5%.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SEM FILA: RN tem 30 pacientes com Covid-19 à espera de UTI, com 31 leitos disponíveis

Foto: Reprodução/Regula RN

O Rio Grande do Norte registra no fim da manhã desta quinta-feira(29) 30 pacientes com Covid-19 à espera de um leito de UTI, de acordo com o portal Regula RN, que monitora em tempo real a ocupação de leitos públicos no estado.

Às 12h05, o estado tinha 31 leitos de UTI disponíveis aguardando regulação de pacientes. A maior parte dos pacientes é da região metropolitana de Natal.

 

Opinião dos leitores

  1. se existisse CORAGEM E DTERMINAÇÃO para uma FISCALIZAÇÃO RIGOROSA e EFETIVA, em cima dessa população IRRESPONSAVEL e INCONSEQUENTE, com certeza estariamos em uma situação de pandemia controlada. Mas com esse FAZ de CONTA, tantas Mentiras e Enganações o resultado é esse Exorbitante numero de Infectados e um Macabro numero de Mortos. Que DEUS tenha MISERICORDIA de NÓS.

    1. REALMENTE, SE EXISTISSE DEPUTADOS COM DETERMINAÇÃO PRA FISCALIZAR, VERÍAMOS O “FAKE” DOS LEITOS DE UTI, IMAGINE A QUANTIDADE DE ÓBITOS ATRIBUÍDOS AO COVID. VEM GABRIEL MONTEIRO.

    2. Muitas mortes poderiam ter sido evitadas se governadores e prefeitos tivessem aplicado NA SAUDE os bilhões que receberam do governo federal e não tivessem impedido o uso de medicamentos seguros e baratos, que vem demonstrando eficácia contra esse vírus.

    3. Comentário perfeito Sr ou (a) Pereira, precisamos sim fiscalizar, não deveríamos estar passando por isso novamente, é preciso fiscalização e punição de quem desrespeita. Sem partido por A ou B!

  2. Como não foram abertos novos leitos, deduzimos que a pandemia está recuando por aqui. Portanto, se já não havia razão científica, agora não há mais qualquer desculpa para continuar impedindo as pessoas de trabalhar e estudar.

    1. Inclusive em outros países, essa CPI tem potencia mundial, fez cair os casos em quase todo o mundo, esse povo Bolsonarista tem cada uma.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *